cabecalho informe

MERCADO INTERNACIONAL: Irã quer fortalecer negócios com as cooperativas paranaenses

Atualmente o Irã ocupa a 23ª posição no ranking de exportações brasileiras, o que significa 1,03% de tudo que exportamos para o mundo. Já as importações ocupam o 70º lugar no ranking, conforme dados oficiais de 2019. Com o objetivo de fortalecer esses negócios, em especial com as cooperativas agropecuárias do Paraná, os deputados federais Ricardo Barros e Evandro Rogério Roman promoveram, na manhã desta quinta-feira (06/08), uma videoconferência com representantes da Embaixada do Irã, de cooperativas paranaenses e dos sistemas Ocepar e OCB.

Saldo positivo - Os principais produtos comercializados entre o Brasil e o país do Golfo Pérsico é milho em grão (44%), soja (26%), farelo e resíduos da extração de óleo de soja (13%), carne bovina (10%), açúcar de cana (7,1%), além de fumo, produtos básicos e manufaturados, que resultaram em negócios de U$ 2,1 bilhões (2019). Entre as importações realizadas, o destaque está para ureia com total de U$ 86,7 milhões, uvas frescas, objetos de vidro, produtos manufaturados, obras de mármore, medicamentos entre outros. Resultando U$ 89 milhões, com um saldo positivo a favor do Brasil na balança comercial de U$ 2,02 bilhões em 2019.

Negócios - Para José Roberto Ricken, presidente do Sistema Ocepar e que participou da reunião, “é importante conhecer um pouco mais sobre os interesses do Irã em relação ao comércio entre os dois países e quais oportunidades podem ser acessadas”. Já o representante comercial da Embaixada, Farshad Salehi e membro do conselho de administração da Organização de Desenvolvimento Industrial e Renovação do Irã (IDRO) disse que o foco das exportações do Irã para o Brasil, em termos de fertilizantes é a ureia. “Alguns anos atrás iniciamos operações de Barter, ou seja, realizar a troca de ureia por milho e açúcar brasileiros. Esse formato fez com que o preço da ureia ficasse 20% mais barato do que no mercado normal de compra e venda”. Segundo Salehi, seu país tem possibilidade para expandir esse modelo para outros fertilizantes como o potássio e outro fertilizante feito à base de nanotecnologia. Ele também disse que pouco mais de um ano iniciaram venda de fertilizantes para o Brasil, cerca de 25 milhões de toneladas.

Relações - Os deputados Ricardo Barros e Evandro Roman, que integram Grupo Parlamentar de Amizade Brasil – Irã e a Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) no Congresso, se colocaram à disposição para dar continuidade a este processo de aproximação entre a Embaixada e as cooperativas do Paraná. “Há um enorme potencial econômico-comercial a ser explorado”, frisou Roman. “Queremos fortalecer essas relações comerciais para que seja benéfico para os dois países. Enviaremos na sequência todos os detalhes dessas oportunidades aqui apresentadas por Farshad Salehi para que analisem e voltem a nos contatar”, destacou Barros.

Participações - Participaram ainda do encontro online, o superintendente da central cooperativa Cotriguaçu, Gilson Luiz Anizelli, o superintendente Comercial da Cocamar, Anderson Bertolleti, o diretor Comercial da Coamo, Rogério Trannin de Mello, a gerente de Relações Institucionais da OCB, Fabíola Nader Motta, pelo Sistema Ocepar, o superintendente, Robson Mafioletti, o gerente de Desenvolvimento Técnico, Flávio Turra, o analista técnico, Maiko Zanella e o coordenador de comunicação, Samuel Milléo Filho.

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias