COVID-19 I: Diretorias da Ocepar e Fecoopar realizam segunda reunião virtual durante isolamento social

Cumprindo com as determinações das autoridades públicas para manter o distanciamento social durante a pandemia do novo coronavírus, foi realizada, na manhã desta sexta-feira (22/05), a segunda reunião virtual das diretorias da Ocepar e da Fecoopar, com a presença de todos os membros. Durante três horas, foram debatidos assuntos de interesse do cooperativismo. A reunião, coordenada pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, contou com a participação do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, da gerente da OCB, Tânia Zanella, e do secretário do Planejamento do Estado do Paraná, Valdemar Bernardo.

OCB - Márcio Lopes de Freitas fez um relato sobre o momento vivido pelo cooperativismo brasileiro, em especial neste momento em que o país vive um momento inusitado com a crise da Covid-19. O dirigente lembrou que muitas cooperativas não pararam suas atividades, em especial aquelas ligadas à produção, saúde e infraestrutura. Ele também ouviu das lideranças cooperativistas diversos pontos de interesse e que necessitam de uma ação direta da entidade em Brasília, em especial a prorrogação das parcelas de investimentos e operações diretas e indiretas dos investimentos junto ao BNDES e que dependem da autorização do Tesouro Nacional, capital de giro – linha de crédito para as cooperativas de produção agropecuária para fazer frente ao volume de comercialização, linhas de crédito para exportação, Plano Safra 2020/2021, no sentido de buscar volume adequado para atender as demandas de custeio e investimentos das cooperativas, e redução das taxas de juros em todas as linhas. Também foi abordada na reunião a Cosit 11/2017, que foi sancionada como a Lei 13.986, em 7 de abril, que dispõe sobre a modernização do crédito rural. Só que no artigo 55 constava o Funrural das integrações das cooperativas, que acabou sendo vetado pelo Executivo. Outros dois temas de suma importância para o ramo saúde abordado na reunião foram a preocupação das cooperativas médicas sobre o Projeto de Lei 1.542/20, que suspende os reajustes dos planos de saúde, e o Projeto de Lei 2.113/20, que proíbe as operadoras de planos de saúde de suspender ou cancelar contratos por inadimplência.

Quarentena - Ricken fez um relato aos diretores de todas as atividades realizadas durante o isolamento social. Desde o dia 20 de março, quando a equipe do Sistema Ocepar passou a desenvolver seu trabalho direto de suas residências, foi criado o Comitê de Acompanhamento da Covid-19, que realizou neste período 70 reuniões e emitiu 42 comunicados para as cooperativas, com as principais ações realizadas junto aos poderes públicos e ao parlamento. O dirigente ainda lembrou que esta forma de atuar, de forma virtual, possibilitou o atendimento de 55 entrevistas para imprensa e participação em lives e webinar. Também foram publicados e veiculados um total de 710 matérias e áudios para rádio com o assunto da Covid-19. Ele também comentou que coordena o grupo do G7, que reúne as principais entidades do setor produtivo do Paraná, onde foram realizadas cinco reuniões com a presença de todos as lideranças do setor e uma delas com o governador Ratinho Júnior. Também foram realizadas quatro reuniões com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, levando demandas das cooperativas. Além de reuniões com bancos, BNDES, BRDE, Banco Central, Conselho do Sebrae Paraná, reuniões de diretoria e Assembleia Geral Digital da OCB.

Paraná - Já o secretário de Estado do Planejamento, Valdemar Bernardo, fez um relato das atividades desenvolvidas pela pasta durante este período de quarentena. Ele iniciou falando da reunião realizada nesta quinta-feira (21/05) entre os governadores com o presidente da República, Jair Bolsonaro. “Participei junto com o governador Ratinho Júnior e posso afirmar que foi uma reunião de pacificação. Neste encontro ficou acertado o repasse de recursos para os estados. O Paraná receberá R$ 1,7 bilhão e terá prorrogado o pagamento de suas dívidas junto à União até 2022, além de um acordo sobre a Lei Kandir, em que cerca de R$ 58 bilhões serão destinados aos estados que mais foram prejudicados nas exportações”, frisou.

Vetores setoriais - O secretário Valdemar informou também que integra um grupo de trabalho, coordenado pelo vice-governador Darci Piana, para fazer um replanejamento em decorrência da pandemia. “Para isso, foram criados três grupos de trabalho e, com certeza, contaremos com o apoio de sempre do setor cooperativista do Paraná”. São eles: o GAE – Grupo Setorial para Assuntos Econômicos, com foco na manutenção da capacidade fiscal, fortalecer as atividades produtivas, qualificação das pessoas, expansão das exportações, atração de investimentos, financiamento produtivo e investimentos público e o GDS – Grupo para Assuntos de Desenvolvimento Social, que visa a redução das desigualdades em decorrência da pandemia, fome zero e agricultura sustentável, infraestrutura dos municípios e fortalecimento e mobilização. Também, o GAG – Grupo Setorial para Assuntos de Gestão, com o foco na desburocratização, eficiência do uso da frota oficial, teletrabalho, auditoria da folha de pagamento, inovação, terceirização, eficiência no uso do patrimônio público e governança transversal.

Créditos ICMS - Na ocasião, Ricken apresentou ao secretário um quadro com os créditos acumulados de ICMS do setor cooperativista, hoje em torno de R$ 1,7 bilhão, que poderiam ser utilizados para novos investimentos – Sicredi Investimentos. “Nossa proposta é que o governo permita a utilização do crédito transferido a terceiros, por meio do Sicredi, para pagamento de dívida ativa do ICMS ou débitos com exigibilidade suspensa. Outro pleito é o pagamento dos créditos do ICMS pelo estado com recursos de agentes financeiros, transformando-os em títulos da dívida. Além da ampliação do limite atual de R$ 196 milhões, de forma gradual ano a ano até zerar o saldo credor das empresas, inclusive com previsão orçamentária”, lembrou o dirigente. O secretário disse que está conversando com o secretário da Fazenda, Renê Garcia Júnior, sobre essa proposta, ou seja, “uma forma de liberar esses recursos para que eles sejam utilizados em investimentos de fato. E a parceria que temos com o setor nos dá esta tranquilidade que acontecerá dentro do próprio estado, gerando emprego e renda, o que vocês já fazem com excelência. Vamos encontrar um caminho para isso”, prometeu Valdemar.

Covid-19 - Na reunião com as lideranças das cooperativas, o secretário do Planejamento pediu uma atenção especial de todos no sentido de continuar seguindo as recomendações para impedir a disseminação do novo coronavírus. “Acabei de participar de uma reunião com o secretário da Saúde, Beto Preto, e com os prefeitos da região Metropolitana de Curitiba e as notícias não são muito boas com relação a Covid-19. Tivemos um aumento significativo de pessoas contaminadas em todos os municípios e a situação é muito preocupante”, frisou. Ele disse que apenas nas últimas 24 horas foram registrados mais de 200 novos casos no Estado “e tudo leva a crer que nas próximas semanas entraremos no pico da pandemia no Paraná. Precisamos tomar todos os cuidados necessários para que não impactem ainda mais”, frisou.

Sescoop/PR - O superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boeche, fez uma rápida apresentação sobre o desenvolvimento dos trabalhos internos do Sistema Ocepar, de forma remota pelos colaboradores. No levantamento, todas as atividades estão acontecendo dentro do planejado, “inclusive alguns setores tiveram um aumento em suas demandas, de em torno de 30%, e nada está sendo prejudicado devido a pandemia”, frisou. Outros pontos abordados foram o lançamento da plataforma de ensino a distância, adequação dos processos e normativas, continuidade das visitas institucionais, agora com reuniões virtuais institucionais realizadas até agora com nove cooperativas, e o lançamento, em parceria com o Sistema OCB, de duas cartilhas de orientação sobre o trabalho em casa e outra para a retomada das atividades, sugestão apresentada pela conselheira do Sescoop/PR, Solange Pinzon de Carvalho Martins, presidente do Sicoob Meridional”, lembrou.

Fecoopar - O superintendente da Fecoopar, Nelson Costa, também fez uma apresentação sobre o desenvolvimento dos trabalhos e dos treinamentos virtuais e, ainda, as ações em mediação e arbitragem, apoio na realização de acordos coletivos, ações junto ao Ministério Público e Tribunais e trabalho de acompanhamento das demandas do grupo G7 e governo do Paraná. “Estamos atentos a todas as mudanças de legislação e orientando nossos sindicatos patronais e cooperativas, especialmente no que diz respeito a negociações salariais”, frisou.

Novos registros - Foi aprovado pela diretoria da Ocepar o registro das cooperativas do ramo transporte, Imbilog – Cooperativa de Transportes de Imbituva e Coopertrac – Cooperativa de Transporte Autônomos de Castro. Do ramo de saúde, a Coenf Paraná – Cooperativa dos Profissionais de Enfermagem do Paraná (Curitiba) e Copinterv – Cooperativa Paranaense dos Cardiologistas Intervencionistas (Curitiba). No ramo de infraestrutura, a Sinergi – Cooperativa de Geração Distribuída e Consumo de Energia Elétrica Fotovoltáica (Maringá). No ramo de produção de bens e serviços, Macuco – Maringá Cultural Cooperativismo (Maringá).

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn