Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4857 | 03 de Julho de 2020

DIA INTERNACIONAL: Vamos celebrar a força da cooperação que transforma vidas e contribui para um mundo mais fraterno

 

 

coop brasil 03 07 2020

 

98º Dia Internacional das Cooperativas da ACI

 

26º Dia Internacional das Cooperativas da ONU

 

Todo primeiro sábado do mês de julho comemoramos o Dia Internacional do Cooperativismo, desta vez, neste sábado (04/07). Nosso movimento está presente em 150 países ao redor do mundo, com 3 milhões de cooperativas, 1,2 bilhão de cooperados e 280 milhões de colaboradores. No Brasil, os dados mais recentes do Sistema OCB revelam que o país soma 6.828 cooperativas, aproximadamente 15 milhões de cooperados e 425.318 colaboradores. E, no Paraná, temos atualmente 220 cooperativas registradas no Sistema Ocepar, 2,1 milhões de cooperados, empregando diretamente mais de 107 mil trabalhadores.

As cooperativas existem para viabilizar economicamente os negócios de um grupo de pessoas. Foi assim que esse modelo começou, em 1844, na Inglaterra, quando alguns tecelões se uniram e criaram a Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale, com 28 associados, em Rochdale, que, em 1852, deu origem à Cooperativa de Rochdale, considerada historicamente a primeira cooperativa formal no mundo.

E, assim, o cooperativismo vem evoluindo em sua trajetória, contribuindo para gerar riqueza, empregos e prosperidade nas regiões em que atua. Mas, além do aspecto econômico, as cooperativas pautam a sua atuação em princípios e valores que as distinguem de outros segmentos. E um deles, muito importante e que está cada vez mais em evidência, especialmente nesse momento difícil de pandemia que vivemos, é o nosso sétimo princípio: o interesse pela comunidade.

Para nós, as pessoas estão no centro de nossas preocupações. E cooperar é algo que já faz parte do nosso DNA, seja para impulsionar nossas atividades comerciais, seja para nos ajudar para que todos possamos crescer juntos, também como seres humanos.

Quem imaginaria, no início deste ano, que estaríamos vivenciando tempos tão adversos como os atuais? O novo coronavírus modificou completamente nossa rotina. Estamos tendo que nos reinventar a cada dia. E o que tem nos proporcionado um grande alento é justamente a cooperação, a empatia demonstrada por pessoas e empresas, que estão dispendendo suas energias para amenizar o impacto da pandemia.

Não poderíamos deixar de externar nosso mais profundo sentimento a todas as famílias que perderam seus entes queridos neste momento tão difícil. O país soma 1.502.424 diagnósticos confirmados e 62.045 mortes por Covid-19. Mas com fé, união, trabalho e muita cooperação vamos superar este difícil momento.

Nós acreditamos que, com atitudes simples, movemos e transformamos o mundo. Esse é o lema do Dia C – Dia de Cooperar, uma iniciativa do cooperativismo brasileiro de responsabilidade social e de estímulo ao voluntariado e ao bem comum. E neste sábado, no Dia do Cooperativismo, também estaremos celebrando o Dia C. Para nós, é um momento muito especial para dar visibilidade a todas as atividades que executamos em benefício da comunidade e que fazem parte da nossa rotina porque, para nós, todo dia é dia de cooperar. E, desta vez, o nosso Dia C também tem como foco o combate ao novo coronavírus e o isolamento social não nos impediu de continuar contribuindo com a sociedade naquilo que ela necessita.

Nossas cooperativas, que sempre praticaram a cooperação, também se uniram, por meio do movimento nacional do Dia de Cooperar, à mais esta causa e se mobilizaram para fabricar e distribuir máscaras e álcool em gel, repassar recursos para a aquisição de equipamentos hospitalares, arrecadar doações para entidades beneficentes e famílias mais carentes, entre tantas outras ações. Ao todo, o sistema cooperativista paranaense já disponibilizou no combate à Covid-19, cerca de R$ 7 milhões em doações, por intermédio de 174 cooperativas de sete ramos, com 511 inciativas, 768.442 beneficiados, reunindo 36.202 voluntários.

Esse aspecto social do cooperativismo tem sido relevante nesse momento e acreditamos que a força do movimento também será imprescindível na retomada da economia, seja em âmbito estadual e nacional.

Gostaria de lembrar também que a Aliança Cooperativa Internacional (ACI) e a Organização das Nações Unidas (ONU) definiram para este ano o tema “As cooperativas e a ação contra as mudanças climáticas” para marcar a passagem do 98º Dia Internacional do Cooperativismo da ACI e do 26º Dia Internacional das Cooperativas celebrado pela ONU. Desde 2016, os temas escolhidos fazem referência aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Este ano, o ODS selecionado foi o 13, Ação Contra a Mudança Global do Clima. Dessa forma, a ACI convida as cooperativas do mundo todo a continuar promovendo ações para combater as mudanças climáticas, para preservar os ecossistemas, tão vitais para os seres humanos e para o planeta.

 

O Dia C também é vinculado aos ODS. Isso demonstra, mais uma vez, a nossa conexão com a promoção do bem comum. Vamos sempre nos empenhar para tornar nosso mundo melhor e mais fraterno. Assim é o cooperativismo que, ao longo de sua história, vem se consolidando cada vez mais como uma opção equilibrada de progresso econômico, social e sustentável.

Aproveito para convidar todos para comemorar o Dia Internacional e o Dia de Cooperar. O Sistema Ocepar preparou uma programação especial, com eventos virtuais, que serão transmitidos neste sábado, das 13h às 15h, e a longo da semana que vem, a partir das 14h, por meio da TV Paraná Cooperativo. Vamos celebrar juntos essas importantes datas.

 José Roberto Ricken

Presidente do Sistema Ocepar

DIA C I: Programação alusiva ao Dia de Cooperar inicia neste sábado

Tem início, neste sábado (04/07), a partir das 13h, a programação elaborada pelo Sistema Ocepar especialmente para comemorar o Dia do Cooperativismo e o Dia C – Dia de Cooperar. Basta sintonizar na TV Paraná Cooperativo (youtube.com/sistemaocepar) para acompanhar a primeira atração: um evento virtual, que será transmitido ao vivo do auditório do Sistema Ocepar até às 15h. O palhaço Alípio estará comandando as apresentações culturais dos talentos das cooperativas paranaenses. Haverá a participação do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do governador Ratinho Junior, do secretário estadual da Saúde, Beto Preto, e de lideranças cooperativistas. A partir das 15h, a TV Paraná Cooperativo passa a transmitir a live do Sistema OCB que terá, entre as atrações, o show da banda Skank, direto de Belo Horizonte, numa parceria com a Ocemg.

Semana da Cooperação - A partir de segunda-feira (06/07), a programação terá continuidade com a Semana da Cooperação, que se estenderá até sexta-feira (10/07), com mais atrações, como as lives com Aline Castro e José da Paz Cury. Aline vai falar sobre o tema “Lidando com as mudanças e incertezas”, no dia 7, às 14h. Cury vai discorrer sobre “Cooperativismo, a moeda do terceiro milênio”, no dia 9, também às 14h.

Sobre os palestrantes - Aline Castro é mestre em inteligência emocional e possui ainda outras formações no Brasil, Estados Unidos e Índia, nas áreas da psicologia, comportamento e neurociência. Ela é jornalista, viveu na Alemanha, foi correspondente na Itália e repórter da TV Globo no Rio de Janeiro. Hoje, a Aline é professora da FGV, faz treinamentos e palestras em organizações. José da Paz Cury é formado em Administração de Empresas, atua como palestrante e consultor nas áreas de Desenvolvimento Humano, Cooperativismo, Associativismo, Sindicalismo e Remuneração. Há mais de 40 anos tem se dedicado a cuidar dos talentos humanos nas empresas e já atuou em mais de 800 organizações de todo o país, contemplando 150 mil pessoas ao longo desse período.

Vídeo - Um vídeo produzido pelo Sistema Ocepar traz um resumo de tudo que será realizado de forma virtual para marcar o Dia C. Clique aqui para acessá-lo.

Facebook - Também foi disponibilizado um endereço no Facebook, em que é possível confirmar presença nos eventos alusivos ao Dia C no Paraná e convidar outras pessoas a prestigiá-los. (https://facebook.com/events/s/dia-de-cooperar-sistema-ocepar/192175502232981/?ti=icl).

1dia c ocepar 03 07 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

2dia c ocepar 03 07 2020

 

DIA C II: Live do Bem beneficiará entidades de Palotina (PR)

sicredi vale piquiri 03 07 2020Nesta sexta-feira (03/07), às 19h30, a Live do Bem irá levar música e informação à comunidade de Palotina (PR) e região. O evento será transmitido ao vivo no Facebook do Portal Palotina e os espectadores poderão fazer doações por telefone para entidades da cidade como parte da programação do Dia C – Dia de Cooperar, promovido pelas cooperativas Cerpa, Cotriguaçu, C.Vale, Sicoob, Sicredi, Unimed e Uniprime, com apoio da Acipa, Prefeitura Municipal e Universidade Federal do Paraná. A programação contará também com participação de cantores da cidade. Para assistir, é só acessar o link: https://www.facebook.com/events/723542515103053/.

Arrecadações - Durante o Dia C, considerado o programa de responsabilidade social do cooperativismo brasileiro, os voluntários estão fazendo arrecadações por todo o Brasil. Cada cidade escolheu as iniciativas adotadas de acordo com as maiores necessidades locais. Em Palotina (PR), estão sendo arrecadados alimentos não perecíveis, produtos de higiene e de limpeza, agasalhos, cobertores, máscaras e álcool em gel, que serão doados ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e a Pastoral do Auxílio Fraterno. Há pontos de coleta espalhados em vários locais da cidade, todos demarcados com o cartaz da campanha.

ODS - O Dia C e estimula as cooperativas a colaborarem de forma proativa com o cumprimento dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). O movimento completou dez anos em 2019 com várias histórias de sucesso para contar. Somente no ano passado, foram beneficiadas 2.636.720 pessoas, com participação de 131.155 voluntários, que desenvolveram 2.111 projetos em 1.247 municípios brasileiros.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 110 cooperativas do Sicredi, conta com 31 anos de história e mais de 153 mil associados. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD. São 82 espaços de atendimento, sendo 52 no Paraná e 30 em São Paulo (sicredi.com.br/vale-piquiri/). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

COVID-19 I: Comitê de Acompanhamento do Sistema Ocepar divulga comunicado 67

covid 19 II destaque 03 07 2020O Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou, na manhã desta sexta-feira (03/07), o comunicado 67 que traz, entre os destaques, a informação de que o Senado Federal aprovou a MP 931/2020, que permite a participação e votação virtual em assembleias de forma permanente. O texto segue para sanção presidencial. Veja abaixo mais detalhes.

1. O Sistema Ocepar, em conjunto com as cooperativas paranaenses, está organizando diversas ações para comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo e celebrar o Dia de Cooperar - Dia C, no próximo dia 4 de julho, com ações de responsabilidade social que estimulam o voluntariado, colocando em prática os valores e princípios cooperativistas.

2. O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, participou, no dia 2 de julho, do webcast organizado pela empresa KPMG, para discutir sobre a retomada e perspectivas do agronegócio na região Sul.

3. No dia 2 de julho, o Senado Federal aprovou a MP 931/2020, que permite a participação e votação virtual em assembleias de forma permanente, amplia a permissão de realização de AGOs em 2020 em até nove meses após o término do exercício social e assegura a continuidade dos mandatos administrativos até o momento da realização da AGO. Agora, o texto aprovado segue direto para sanção presidencial.

4. No dia 2 de julho, as entidades ABPA, Sindiavipar e Ocepar enviaram o Ofício nº 01 para o governador do Paraná, Carlos Roberto Massa Junior, direcionado à Secretarias de Agricultura e Pesca e à Secretaria de Saúde, referente à Resolução Sesa nº 855/2020, que trata das atividades dos setores avícola e suinícola no Paraná.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

COVID-19 II: Confira os destaques da área destinada ao coronavírus no Portal Paraná Cooperativo

covid III 26 06 2020A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo atualiza toda sexta-feira as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira.

 

MPV 931/2000: Congresso Nacional aprova a realização permanente de assembleias digitais

mp 03 07 2020O Senado Federal aprovou, nesta quinta-feira (02/07), o relatório do senador Marcelo Castro (PI) à Medida Provisória (MPV) 931/2020, que trata sobre o adiamento das assembleias gerais e autoriza a realização de assembleias virtuais. A medida foi proposta em razão da Covid-19, mas trouxe avanços importantes que permanecerão pós-pandemia.

Mobilização - Desde o início do isolamento social, a OCB tem trabalhado para garantir que as cooperativas não sejam prejudicadas nos mais diversos aspectos. Um desses, era com relação a realização das AGOs, que acontecem anualmente até o final do mês de março e no caso específico das cooperativas de crédito, até o final do mês de abril, e que antes só poderiam ser realizadas presencialmente.

Sanção - Após a aprovação da MPV pela Câmara dos Deputados, a OCB se reuniu com o senador Marcelo Castro solicitando a manutenção do texto aprovado na Câmara. Além disso, também atuou junto à liderança do PT no Senado, que retirou o pedido de alteração a outros dispositivos do projeto. Com isso, o texto aprovado pelos senadores segue à sanção presidencial.

Permanente - Além da ampliação do prazo para realização das AGOs até 30 de setembro de 2020, o texto aprovado também estabelece que as assembleias virtuais sejam permitidas de forma permanente. O deputado Evair de Melo (ES), presidente da Frencoop, atuou diretamente para que houvesse a ampliação do prazo, levando em consideração a necessidade de adaptação de muitas cooperativas para a realização de suas AGOs por meios virtuais.

Continuidade - É importante destacar, ainda, que o texto aprovado assegura a continuidade dos mandatos administrativos nas cooperativas e, também, nas unidades estaduais até o momento da realização da AGO. Para acessar a íntegra do parecer aprovado, clique aqui.

Realize sua assembleia virtual - A OCB e a Coopersystem fizeram uma parceria para oferecer o software Curia, desenvolvido pela cooperativa para a realização de assembleias de cooperativas, sem custos. O aplicativo, usado pela Coopersystem para sua AGO de 2020, permite a execução das votações, eleições dos membros dos órgãos de governança, criação de chapas e outras funcionalidades – resguardando o anonimato necessário.

E-book- Além disso, na plataforma de inovação do cooperativismo, o InovaCoop, você pode acessar o e-book Como realizar assembleias digitais, que tem mais informações sobre legislação e como fazer sua AGO virtualmente. Clique aqui e baixe agora! (OCB)

FOTO: Jefferson Rudy / Agência Senado

 

ALEGRA: Cooperativismo garante segurança para produtores durante pandemia

alegra 03 07 2020Desde 1982, o suinocultor Wilant van den Boogaard faz parte de um modelo de trabalho que está espalhado nos mais variados setores da economia: o cooperativismo. E, na visão do produtor, é nos momentos de crise que o sistema reforça a sua importância. Não foi diferente com a pandemia da Covid-19. “A crise afetou a economia e isso refletiu na cooperativa, mas a nossa produção continua, mesmo com a situação comercial do país. Nós não temos uma perspectiva de redução e isso é uma vantagem do modelo, que nos dá essa garantia independente do que acontece no mercado”, ressalta.

Alegra - Com uma média de entrega de 12 mil suínos por ano, Wilant fornece toda a produção para a Alegra, indústria de alimentos de origem suína nos Campos Gerais do Paraná, formada formada pela união das cooperativas de origem holandesa, Castrolanda, Frísia (da qual Wilant faz parte) e Capal. Para ele, o formato traz segurança e garantias para o produtor. “Eu defendo o modelo sempre, pois nele temos uma divisão de valores e tentamos sempre equalizar, para que todos tenham o mesmo rendimento. E isso é uma garantia também, já que todo cooperado tem a possibilidade de entregar o produto e, da mesma forma, tem a segurança para comprar os seus insumos”, explica.

Unium - As três cooperativas paranaenses fazem parte da Unium, instituição que segue o modelo de intercooperação no estado do Paraná. Nos investimentos, a cooperativa entra com 60% e o cooperado com 40% e a garantia de participação nos resultados. Iniciado em 2010, o formato já apresentou resultados significativos, como: 5 mil famílias cooperadas; 3,4 milhões de litros de leite processados por dia; 115 mil toneladas de grãos moídos por dia; 3,2 mil suínos abatidos por dia e 1,8 mil toneladas deproduto acabado por mês.

Ferramenta essencial - Para a Organização das Nações Unidas, o cooperativismo é uma ferramenta essencial para construir uma sociedade mais justa e sustentável. Para a ONU, uma cooperativa tem o poder de disseminar os valores desse modelo de negócio e o resultado disso é o fortalecimento dos direitos humanos em todos os níveis.

Sobre a Alegra - A indústria de alimentos Alegra é a união das cooperativas de origem holandesa, Frísia, Castrolanda e Capal, que constituem o grupo Unium. Uma empresa que combina condições de trabalho ideais aliando tecnologia, equipamentos de última geração, preocupação com o bem-estar dos animais e sustentabilidade em seu parque industrial, sempre primando pela excelência em seu produto final, que utiliza as melhores carnes suínas. Em 2017, a marca conquistou o reconhecimento internacional quanto às Práticas de Bem- estar Animal no abate, tornando-se a primeira planta brasileira a receber essa certificação em bem-estar suíno, pela WQS. Mais informações em www.alegrafoods.com.br.

Sobre a Unium - Marca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium representa os projetos em que as cooperativas paranaenses atuam em parceria. Todas as marcas reunidas pela Unium, inclusive a Alegra, são reconhecidas pela qualidade e excelência. A Unium também conta com três marcas de lácteos: Naturalle - de produtos livres de aditivos -, Colônia Holandesa e Colaso. No setor de grãos, a Unium conta com a marca Herança Holandesa - farinha de trigo produzida em uma unidade totalmente adequada à ISO 22000, o que a qualifica com elevados padrões de exigência. (Imprensa Alegra)

 

COAMO: “Reunião de Campo” virtual é realizada para informar milhares de cooperados

coamo 03 07 2020Em tempos de pandemia é preciso se reinventar. Diferente do que vem acontecendo nos 50 anos da Coamo, neste ano, a Reunião de Campo com a diretoria não foi presencial, mas sim virtual, pelo canal da cooperativa no YouTube, nesta quinta-feira (02/07), com a audiência de milhares de expectadores no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. O presidente dos Conselhos de Administração da Coamo e da Credicoamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, coordenou a reunião, que teve a participação dos presidentes Executivos da Coamo, Airton Galinari, e da Credicoamo, Alcir José Goldoni, do gerente de Assistência Técnica, Marcelo Sumiya e do assessor de Cooperativismo, José Ricardo Pedron Romani.

Duas vezes - Tradicionalmente, a diretoria da Coamo percorre duas vezes no ano todas as unidades da cooperativa para levar importantes informações aos cooperados. As do primeiro semestre foram realizadas normalmente este ano no final de janeiro e início de fevereiro.

Transmissão ao vivo - A reunião virtual foi transmitida ao vivo da sede da Coamo, em Campo Mourão, pelo Youtube. De acordo com Galinari, conhecimento e informação sempre foram os pilares do cooperativismo de resultado que a Coamo pratica e praticou em toda sua história. “Durante os 50 anos da Coamo, milhares de reuniões de campo foram realizadas sempre de forma presencial, porque o Dr. Aroldo sempre considerou essencial esse contato direto da diretoria da cooperativa com os seus cooperados. Contudo, devido a pandemia, tivemos que nos adequar. Entendemos que esta maneira é a mais adequada no momento, para que possamos manter a nossa tradição com segurança para todos”, diz.

Importância - Gallassini destaca a importância de manter os cooperados informados sobre a Coamo e o cenário agrícola e econômico brasileiro e mundial. “Fazemos questão desse contato direto, entre a diretoria e o quadro social da Coamo e Credicoamo, cumprindo assim a sua missão de gerar renda de forma sustentável, seguindo a sua visão de ser sempre a melhor opção para os cooperados, parceiros e colaboradores. O sistema cooperativista dá certo porque é transparente e comandado de forma honesta, sempre pensando na parte financeira e, também, na social”, assinala.

Objetivo cumprido - Conforme Gallassini, mesmo realizada de forma diferente, a reunião com os cooperados cumpriu o objetivo de informar e apoiar no planejamento da comercialização e do plantio das próximas safras. “São dados importantes. Assuntos relacionados à comercialização, por exemplo, ajudam na tomada de decisão. Também apresentamos os custos de produção para que os cooperados possam comercializar a produção da melhor maneira possível.”

Cuidado - Para Goldoni, o momento exige cuidado e mudanças de hábitos, mas sem deixar de lado o compromisso que a cooperativa tem com os seus cooperados. “Já é uma tradição essas reuniões. Este ano, foi em um formato diferente, mas sem perder a sua essência de informar e orientar o cooperado sobre os serviços e benefícios oferecidos pela Credicoamo. As duas cooperativas [Coamo e Credicoamo] trabalham de forma integrada visando o melhor para o quadro social”, destaca Goldoni.

Assuntos - Na reunião virtual foi apresentada a situação geral da Coamo, da Credicoamo e da Via Sollus Corretora de Seguros, além de dados econômicos do Brasil e uma análise do Plano Safra do Governo. Números relacionados ao recebimento da safra e comercialização dos principais produtos da Coamo – soja, milho e trigo, também foram pautas da reunião.

Melhor da história - Conforme Gallassini, a Coamo deverá fechar o ano como melhor da sua história. Ele recorda que a safra de verão recebida em todas as unidades foi recorde e comercializada por bons preços pelos cooperados. “Podemos dizer que a agropecuária está vivendo um momento diferente do resto do país. Recebemos um total de 90,7 mil sacas de soja e 4,2 mil sacas de milho verão. Temos uma previsão de 42 mil sacas de milho segunda safra e 9,2 mil sacas de trigo. Se a safra de inverno de confirmar, somando a outros produtos como café e aveia, a Coamo deve fechar o ano com um recebimento de 146,5 mil sacas de produtos.” (Imprensa Coamo)

COPAGRIL: Produtores são orientados sobre análise do solo no período entressafra

Estamos no período de colheita do milho safrinha e após a colheita ocorre um período propício para realizar as análises de solo e as devidas correções. A análise de solo é uma ferramenta muito importante para verificar as características e necessidades do solo.

Agricultura de precisão - A Copagril disponibiliza o serviço de agricultura de precisão, nesta modalidade a cada três hectares é realizada uma análise de solo, e através de cálculos de interpolação é elaborado um mapa de correção. O engenheiro agrônomo Alexandre Strelow, da equipe de assistência técnica da Copagril explica que, por meio deste método amostral, é possível corrigir de forma mais precisa o solo, sem gastos desnecessários de nutrientes durante a aplicação, pois em cada ponto da lavoura será aplicado somente à quantidade necessária de nutrientes.          

Detalhes - “Para se obter boas produtividades, alguns aspectos devem ser observados na análise de solo. O pH deve estar entre 5,5 a 5,9, O Potássio de 3 a 5%, o Cálcio na faixa de 35 a 50% e o Magnésio de 10 a 20%. A relação Cálcio/Magnésio deve se encontrar na proporção no mínimo 3/1(3 de Cálcio e 1 de Magnésio) e no máximo 5/1 (5 de Cálcio e 1 de Magnésio). O V% (V por cento) adequado para a maioria das culturas é de 70 a 80%”, descreve o profissional da Copagril.

Boro e Enxofre - Ele ainda lembra que é importante solicitar na análise de solo a determinação de Boro e Enxofre, pois estes elementos são deficientes nos solos da região Oeste do Paraná, e são fundamentais para se obter altas produtividades. “De nada adianta ter todos os demais nutrientes equilibrados e não ter quantidades de Boro e Enxofre suficientes, pois o elemento faltante é o que limita a produtividade”, completa.

Nova análise - A cada dois anos é importante realizar uma nova análise de solo, com ela fica mais fácil de tomar decisões técnicas, tais como na recomendação de Calcário e a formulação mais adequada dos fertilizantes de base.

Profissional técnico - A análise do solo e a correção devem ser acompanhadas e orientadas por profissional técnico qualificado e a equipe do setor agronômico da Copagril está disponível para acompanhar o cooperador e produtor nas atividades de manejo. (Imprensa Copagril)

{vsig}2020/noticias/07/03/copagril/{/vsig}

UNIMED PONTA GROSSA: HGU é o segundo com maior representatividade em atendimentos de Unimeds no PR

O Hospital Geral Unimed, da Unimed Ponta Grossa, é atualmente o segundo hospital de toda a rede credenciada do Sistema Unimed no Paraná que mais atende beneficiários de outras Unimeds do país, no chamado intercâmbio nacional. A instituição fica atrás somente do Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba. 

Entre os 10 - Já em relação às Unimeds paranaenses, o HGU figura no ranking dos 10 hospitais do estado que mais prestam atendimento aos beneficiários Unimed. Ao considerar os serviços próprios do Sistema Unimed no estado, o HGU é o que conta com maior representatividade (cerca de 34% das cobranças são processados no hospital em Ponta Grossa). 

Primeiros de Ponta Grossa - No início da pandemia do novo coronavírus, o HGU foi um dos primeiros hospitais de Ponta Grossa a preparar estrutura exclusiva e específica para atendimento de sinais e sintomas gripais, casos suspeitos e confirmados da Covid-19. 

HGU em números - Em uma estrutura que abriga aproximadamente 100 leitos, distribuídos entre unidades de enfermaria e UTI e também na Unidade Covid. Em períodos sem pandemia, o hospital chega a realizar mais de 7 mil atendimentos por mês no Unimed 24 Horas (unidade de pronto atendimento). Em 2019, o hospital registrou um total de 10.249 procedimentos cirúrgicos, uma média de mais de 800 cirurgias por mês. 

Levantamento - De acordo com um levantamento feito pela cooperativa, o HGU representa cerca de 25% do número total de leitos dos 11 principais hospitais da rede credenciada da Unimed Ponta Grossa nos 16 municípios que compõem a área da ação da cooperativa nos Campos Gerais. 

Relatório anual - No relatório anual da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) de 2019, os dados demonstram que as cooperativas de saúde empregaram, aproximadamente, 6.500 funcionários em todo o estado. Desse total, a Unimed Ponta Grossa representa cerca de 13% desses empregos gerados, com grande parte dos trabalhadores atuando no hospital e recursos próprios relacionados a ele (70%). Hoje, a cooperativa médica conta com mais de 800 colaboradores. 

Atendimentos - Além dos mais de 70 mil clientes da própria cooperativa, o HGU também realiza atendimentos de uma estimativa de 30 mil vidas, que são clientes de outras Unimeds do país, mas que residem na região e utilizam os serviços próprios e a rede credenciada da Unimed local. 

Utilização de inteligência artificial - O HGU foi pioneiro na utilização da inteligência artificial para mineração de processos em ambiente hospitalar na definição dos protocolos assistenciais do pronto atendimento, no fim de 2018. 

Protocolos e análise de conformidade - Segundo o Núcleo de Inteligência e Informação em Saúde, da Federação das Unimeds do Paraná, “a utilização dessa tecnologia na linha de qualidade e melhoria dos processos assistenciais auxiliou na definição de protocolos e da análise de conformidade dos atendimentos, contribuindo para o modelo de atendimento baseado valor em saúde, com o foco na qualidade da assistência e eficiência”. 

Metodologia DRG - A instituição também foi a primeira no estado, dentre os serviços próprios do Sistema Unimed, a iniciar a implantação da metodologia Diagnosis-related group (DRG), em 2016, com o objetivo aprimorar a gestão de saúde baseada em valor para melhorar a qualidade assistencial e evitar desperdícios. 

Banco de Dados - Atualmente, o HGU conta com um banco de dados com aproximadamente 33.226 altas analisadas por especialistas da área focados em entregar uma qualidade assistencial de excelência e transparência entre as partes envolvidas (paciente, profissionais, prestador e operadora). Do total de prontuário codificados pela metodologia, mais de 70% referem-se a casos cirúrgicos e cerca de 30% são clínicos. Desde a implantação efetiva do sistema, foi possível identificar a diminuição de 1% da taxa de mortalidade. 

Certificação - Entre os hospitais próprios do Sistema Unimed no Paraná, o HGU foi o primeiro a conquistar a Acreditação pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Também o primeiro da região dos Campos Gerais a ter a certificação. Recentemente, tanto o HGU quanto a rede de Laboratórios Unimed foram indicados a manter a certificação ONA nível II, conquistada em 2019.

Dia do Hospital e história - O primeiro hospital do Brasil foi criado por Braz Cubas, em 1545. Em 02 de julho, comemora-se o Dia do Hospital, por força do decreto do presidente Jânio Quadros, em 1961, e que faz referência à fundação da Associação Brasileira de Hospitais (ABH). 

Função - Antes do século XVIII, o hospital era um lugar onde morrer, que não tinha a função de tentar curar os doentes e que isolava indivíduos considerados perigosos para a saúde pública. Os profissionais eram religiosos e voluntários e os médicos faziam visitas eventualmente. 

 

Estudo - O estudo Cenários dos Hospitais no Brasil, publicado em 2019 pela Federação Brasileira de Hospitais (FBH), aponta que, em janeiro do ano passado, o Brasil possuía 4.267 hospitais privados, que somavam 260.695 leitos. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

unimed ponta grossa 03 07 2020

 

UNIMED PONTA GROSSA:

HGU é o segundo com maior representatividade em atendimentos de Unimeds no PR

SICREDI ALIANÇA: Cooperativa sorteia 24 motos da campanha “35 Anos de Prêmios”

sicredi alianca destaque 03 07 2020A Sicredi Aliança PR/SP realizou, na manhã desta quinta-feira (02/07), o primeiro sorteio da campanha “35 Anos de Prêmios” que ocorre em comemoração aos 35 anos da cooperativa. Na oportunidade, foram sorteadas 24 motos: 12 Honda CG e 12 Yamaha Factor. Clique aqui e confira os associados premiados.

Sorteio final - Agora, a campanha segue para o grande sorteio final: um HB20 Hatch e uma S10 zero quilômetros no dia 07/10. A promoção é válida para todas as agências da Sicredi Aliança PR/SP no oeste do Paraná e norte de São Paulo.

Produtos e serviços - Os produtos e serviços válidos são: débito automático, cartão de crédito, seguro de vida, seguro ramos elementares, consórcios, depósito a prazo, poupança, poupança programada, LCA, fundos, previdência privada e depósito a prazo programado.

Critérios - Para conhecer os critérios basta conferir o regulamento. https://www.sicredi.com.br/html/promocoes/promocao_35_anos_de_premios_sicredi_alianca_pr_sp/

Valorização - O presidente do Conselho de Administração, Adolfo Rudolfo Freitag, ressalta que a promoção tem como objetivo valorizar o associado que escolhe o Sicredi como a sua instituição financeira. “Hoje foi um dia muito importante para a nossa história. 24 associados tiveram uma boa notícia nesse momento delicado que estamos vivendo e para nós poder trazer alegria é muito importante. Agora seguimos para o grande sorteio final. Quanto mais produtos e serviços contratar mais chances de ganhar. Em breve iremos divulgar fotos das entregas das motos em nossas redes sociais e na imprensa local”, ressaltou. (Imprensa Sicredi Aliança PR/SP)

 

APASEM: Produção de sementes e o êxito na safra de grãos

O Paraná colheu uma safra de grãos recorde no último verão, o que está permitindo, entre outros fatores, que o setor do agronegócio passe pela pandemia com certa tranquilidade quando comparado a outros segmentos da economia.

Sementes de qualidade - Mas para que esse êxito pudesse ser consolidado em números para exportação, um cultivo essencial, começa bem antes de se ver a lavoura de grãos saudável nos campos. Trata-se da produção de sementes de qualidade. Ou seja, tudo o que germina no solo, antes de mais nada precisa contar com sementes de alto padrão e vigor.

Paraná - O Paraná, não é somente um dos estados considerados celeiro de grãos, mas também é considerado um grande produtor de sementes de qualidade. Grande parte do que é produzido em seu território, acaba ficando no próprio Estado, ajudando o agronegócio quebrar recordes em cima de recordes na safra de grãos e ao mesmo tempo, contribuindo para que a economia do Paraná permaneça aquecida. Outra parte é direcionada a São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, estados também considerados de extrema importância para o agronegócio brasileiro. “Sementes são o início de todo o processo no agronegócio. Sem boa qualidade, ela não produz o desejado. Agora, cultivada dentro de padrões adequados e obedecendo a regras de manejos modernos, os resultados são esses como vistos no Estado em 2020, com quebra de recordes na produção de grãos”, explica Paulo Pinto, presidente da Associação dos Produtores de Sementes e Mudas do Estado do Paraná – Apasem,

Área cultivada - Segundo dados da Apasem, em 2019 foram plantados 222.109 hectares de sementes de soja no Estado e outros 111.179 hectares de sementes de trigo. As duas culturas são as que predominam no território. No geral o aumento do plantio de sementes se mostrou 20% maior que a safra anterior de 2018/2019.

Clima seco - O clima seco, e com a insistência da falta de chuvas neste primeiro semestre, tem deixado os produtores de sementes cautelosos em relação a manutenção desses números para a próxima safra. “A área cultivada permanecera a mesma, mas se o clima continuar árido, pode haver quebras na produção na ordem de 12% quando comparado ao ano anterior”, estima o presidente da Apasem.

Performance - Com este cenário, o produtor que já planeja a semeadura do próximo semestre, não deve abrir mão da qualidade da semente a qual vai inserir no campo para garantir uma performance satisfatória na próxima colheita. “Nossos laboratórios, por exemplo, tem trabalhado freneticamente neste período fazendo análise de amostras de sementes de todas as regiões do Paraná e de outros estados brasileiros, ajudando os agricultores a tomarem as melhores decisões”, conta o diretor executivo da Apasem, Oribel Silva.

Primordial - Analisar o insumo que será colocado para brotar na lavoura é uma etapa essencial para se colher resultados positivos no campo na próxima safra de grãos. O ritmo de trabalho dos laboratórios da Apasem, estruturas situadas estrategicamente no Oeste do Paraná (Toledo) e Campos Gerais (Ponta Grossa) está acelerado com amostras de sementes vindas de todo o Paraná e do Brasil. “O volume de amostras vindas de outros estados brasileiros também tem surpreendido. Muitos produtores estão recorrendo a análise feita pelos laboratórios da Apasem nos últimos meses”, explica Oribel. O diretor acredita ainda que a credibilidade alcançada em mais de 40 anos de mercado é um fator que dá segurança a quem busca um dos laboratórios. “Some-se a isso a estrutura pessoal de alta performance e as estruturas físicas disponibilizadas”, acrescenta.

Adaptação - Para manter o atendimento em alto ritmo, os laboratórios se adaptaram ao período de pandemia. “Não fizemos paradas, por ser um serviço essencial, pois a análise de sementes precisa ajudar o produtor a não perder os prazos de comercialização e plantio. Contudo fizemos adaptações seguindo rigorosamente as orientações das autoridades sanitárias. Desta forma protegemos nossos colaboradores, peças fundamentais na realização das análises, bem como dos produtores que precisam enviar suas amostras com segurança para as estruturas da Apasem”, explica o diretor.

Mercado - A alta do dólar nos últimos tempos é vista com preocupação no setor sementeiro. Isto porque a produção de sementes segue um rigoroso padrão de qualidade e os principais insumos, como adubos por exemplo, são comprados no mercado externo, impactando diretamente os custos para quem atua no setor. (Assessoria de Imprensa Apasem)

FOTOS: Everson Mizga / Apasem

{vsig}2020/noticias/07/03/apasem/{/vsig}

COMUNICAÇÃO: Jornal O Presente Rural publica edição especial sobre o Dia Internacional do Cooperativismo

comunicacao 03 07 2020Circula nesta sexta-feira (03/07) uma edição especial do jornal O Presente Rural, com sede no município de Marechal Cândido Rondon (PR), com diversas reportagens alusivas ao Dia Internacional do Cooperativismo. As matérias mostram o papel das cooperativas em meio à pandemia e como cada uma está encarando esta nova forma de trabalho, tanto no campo como na cidade.  Clique aqui para acessar a 7ª edição especial do jornal.

 

 

INFRAESTRUTURA: Estado e União alinham modelagem do novo Anel de Integração

infraestrutura 03 07 2020O governador Carlos Massa Ratinho Junior e o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, se reuniram nesta quinta-feira (02/07), em videoconferência, para discutir modelagem, quantidade de lotes, prazos e obras previstas do novo Anel de Integração, que será licitado em 2021. O projeto ainda está em fase de estudos e é tocado pela Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL), em parceria com o IFC, braço de projetos do Banco Mundial.

Um dos maiores - O programa de concessões rodoviárias do Paraná será um dos maiores do País. O projeto deve incorporar ao Anel de Integração original de 2,5 mil quilômetros de rodovias federais e estaduais e pelo menos mais 1,3 mil quilômetros. Estão sendo estudadas implementações novas em todas as regiões do Estado e um modelo de licitação que contemple preços reduzidos em relação aos praticados atualmente.

Parceria - “Estabelecemos uma excelente parceria com o governo federal e a expertise da União com as concessões vai nos ajudar a achar o melhor modelo para o novo Anel de Integração. Levamos em consideração todas as ponderações do setor produtivo, das entidades, dos demais poderes, das prefeituras, do cidadão e também do mercado”, afirmou Ratinho Junior. “É um tema delicado no Paraná, com histórico de problemas e ônus para a população. Não podemos errar. Buscamos mais obras, modernização e um modelo equilibrado”.

Potência - Segundo o ministro de Infraestrutura, a ideia é ter um formato mais acabado até o começo das consultas públicas. As equipes vão manter reuniões periódicas até a formatação do modelo. “O Paraná é uma potência, produz muito, tem um Produto Interno Bruto maior do que o do Uruguai. Temos que ter projetos viáveis e que atraiam investidores. A sociedade precisa comprar essa concessão”, afirmou Freitas. “Temos algumas premissas, mas os estudos não estão fechados, vamos aprimorar. Esses contratos são sofisticados e precisam ser bem construídos”.

Robusta e justa - Segundo o secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, Sandro Alex, a expectativa é pela redução nos preços e uma malha rodoviária mais robusta para as próximas décadas. “Vamos buscar uma tarifa justa e as obras que não foram realizadas no passado. Ainda estamos debatendo pontos do estudo. Mas as expectativas são boas. Estamos confiantes de que os paranaenses ganharão com essa nova estruturação”, acrescentou.

Audiências públicas - As propostas ainda serão submetidas a audiências públicas abertas e o desenho final do Anel de Integração será divulgado apenas no ano que vem, com posterior licitação e nova gestão já a partir de novembro de 2021, quando vencem os contratos assinados nos anos 1990.

Foz do Iguaçu - O governador também pediu ao Ministério de Infraestrutura que a Rodovia das Cataratas (trecho de 8,7 quilômetros da BR-469), em Foz do Iguaçu, seja delegada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR). A rodovia será duplicada em um convênio firmado entre o Governo do Estado e a Itaipu Binacional.

Projeto executivo - O projeto executivo já está pronto e a ordem de serviço deverá ser assinada no segundo semestre. A duplicação do trecho urbano até o portão do Parque Nacional do Iguaçu é uma reivindicação antiga dos moradores. A BR-469 é a única via de acesso às Cataratas do Iguaçu e ao aeroporto e o mais importante corredor turístico da cidade.

Aeroporto de Foz - Ratinho Junior citou as obras da nova pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, também fruto da parceria entre Estado e União. A previsão é que ela fique pronta em abril de 2021. Foram destinados R$ 53,9 milhões na ampliação da pista, que terá 2,8 mil metros, 605 metros a mais que a atual, e permitirá que o terminal receba voos de maior porte.

Portos do Paraná - O governador ainda citou a evolução dos números dos portos paranaenses nos últimos meses, mesmo durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus. Houve, por exemplo, recorde de movimentação de janeiro a maio. Foram 23,8 milhões de toneladas, volume 21% maior que o contabilizado no mesmo mês de 2019.

Corredor de Exportação - Ele também destacou a construção do novo Corredor de Exportação, sistema por onde são movimentados grãos e farelos. A estrutura foi construída ainda na década de 1970. A capacidade de embarque de grãos e farelo pelos três berços exclusivos do Corredor aumentará em 33% com as reformas planejadas para os próximos anos. (Agência de Notícias do Paraná)

 

ECONOMIA I: BNDES lidera grupo de bancos que vão participar da Conta-Covid

Dezenove instituições financeiras públicas e privadas, coordenadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vão participar da Conta-Covid, financiamento emergencial destinado ao setor elétrico para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. O BNDES, junto com o grupo de bancos públicos, vai aportar 30% do total de até R$ 16,4 bilhões que serão liberados para as distribuidoras. Os restantes 70% serão oriundos dos bancos privados.

Regulamentação - A Conta-Covid foi regulamentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no último dia 23 de junho. Trata-se de uma operação de mercado, sem recursos do Tesouro Nacional, que foi estruturada sob a forma de empréstimo sindicalizado de bancos. A operação é lastreada por ativos tarifários, disse o BNDES, por meio de sua assessoria de imprensa. O processo de formação do grupo das 19 instituições financeiras participantes se deu após negociação, que contou com o apoio dos ministérios de Minas e Energia (MME) e da Economia (ME).

Adesão - A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) foi designada gestora da conta. Ela vai contratar a operação de crédito e repassar os recursos para as distribuidoras, que terão até esta sexta-feira (03/07) para fazerem sua adesão à iniciativa. A previsão é que os recursos serão liberados no final deste mês. De acordo com o BNDES, o empréstimo terá custo de Certificados de Depósitos Interbancários (CDI) + 2,9% ao ano, com 11 meses de carência e prazo de 54 meses para amortização.

Reajustes- O BNDES informou também que a operação foi organizada com o objetivo de evitar reajustes maiores nas tarifas de energia elétrica, que seriam originados do próximo processo tarifário ordinário das distribuidoras. Com a Conta-Covid, esses valores serão diluídos em 60 meses, reduzindo os índices dos reajustes a serem aprovados este ano.

Recursos - “A medida garante às distribuidoras os recursos financeiros necessários para compensar a perda de receita temporária em decorrência da pandemia e protege os demais agentes do setor ao permitir que as distribuidoras continuem honrando seus contratos”, expôs o banco. (Agência Brasil)

ECONOMIA II: Rendimento médio de brasileiros cai a 82% em maio devido à Covid-19

Os efeitos da pandemia de covid-19 foram especialmente sentidos no mês de maio, que marcou o pico de casos em diversas capitais do Brasil, levando a uma queda média nos rendimentos, para 82% da renda habitualmente recebida. Algumas categorias foram ainda mais afetadas pela crise econômica, como quem trabalha por conta própria, que viu a renda média cair para apenas 60% da normal.

Ipea - Os dados fazem parte de um trabalho realizado pelo pesquisador Sandro Sacchet de Carvalho, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), e divulgado nesta quinta-feira (02/07). Segundo o levantamento, que tem por base dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Covid-19, realizada pelo IBGE, o auxílio emergencial do governo foi fundamental, principalmente para as camadas de menor renda da população.

Impactos - “A pesquisa buscou avaliar os impactos da pandemia sobre o rendimento do trabalho e o impacto do auxílio emergencial na renda domiciliar. A gente mediu os efeitos através da diferença entre a renda efetivamente recebida e a renda habitualmente recebida. Os dados da PNAD mostraram que no mês de maio a renda efetiva foi só 82% da habitual. Uma queda dessa magnitude, sem dúvida, foi pelo impacto da pandemia”, explicou Sacchet de Carvalho.

Auxílio emergencial - O economista destacou a importância do auxílio emergencial pago pelo governo federal a trabalhadores que tiveram seus rendimentos afetados por conta da pandemia. “A gente mostra que não só os informais foram muito afetados. Os domicílios de baixa renda também tiveram uma grande perda da renda habitual. Aqueles que têm renda próxima de um salário-mínimo receberam só 49% da renda habitual. Entretanto, quando a gente soma outras fontes de renda, inclusive o auxílio emergencial, a renda deles se aproxima de 100% do que seria sem a pandemia. O auxílio emergencial foi indispensável para que esses domicílios mais pobres conseguissem manter o mesmo rendimento que estavam habituados a receber”, frisou.

Desigual - Segundo a pesquisa, a queda nos rendimentos foi desigual, sendo mais sentida em algumas categorias e menos em outras. No setor privado, trabalhadores com carteira assinada receberam 92% do rendimento habitual, contra 76% no caso dos trabalhadores sem registro. Funcionários públicos contratados pela CLT receberam 96% do habitual, enquanto militares e estatutários atingiram 98%.

Setores mais afetados - Entre os setores mais afetados, estão os de atividades artísticas, esportivas e recreação, que receberam só 55% dos rendimentos habituais, transporte de passageiros (57%), hospedagem (63%), serviços de alimentação (65%), atividades imobiliárias (70%), construção (71%) e serviço doméstico (74%).

Menos afetados - Na outra ponta, os trabalhadores menos afetados encontram-se na administração pública, que chegaram a 97% do salário habitual, indústria extrativa (92%), serviços de utilidade pública (93%), educação (92%), serviços financeiros (92%) e armazenamento, correios e serviços de entrega (91%).

Tendência - Para o economista do Ipea, mesmo com a tendência de melhora futura gradual na economia, com a diminuição da pandemia, ainda será preciso que o governo mantenha algum tipo de ajuda aos trabalhadores, principalmente os menos qualificados, com menos estudos e moradores de regiões mais pobres.

Diferenças - “A pesquisa mostrou que há diferenças. Parte da população não ficou desprotegida. Outra parte foi muito afetada pela pandemia. O ideal é, com o tempo, focar mais e continuar atendendo. Mesmo com a pandemia diminuindo os seus efeitos, uma parte da população poderá continuar sendo afetada. Mesmo diminuindo o escopo do auxílio, seria interessante manter [a ajuda] para algumas categorias e uma parcela da população”, sugeriu Sacchet de Carvalho.

Íntegra - A íntegra da pesquisa pode ser lida na página do Ipea na internet. O Ipea continuará a monitorar o rendimento dos brasileiros, baseado na PNAD Covid-19, nos meses de junho e julho. (Agência Brasil)

 

 

LEGISLATIVO I: Promulgada emenda que adia eleições municipais para novembro

As Mesas da Câmara e do Senado promulgaram nesta quinta-feira (02/07) a proposta que adia as eleições municipais para novembro por conta da pandemia do novo coronavírus. Os prazos do calendário eleitoral também são adiados. De acordo com a Emenda Constitucional 107, os dois turnos das eleições serão realizados nos dias 15 e 29 de novembro. As datas anteriores eram 4 e 25 de outubro.

Novas datas - O Congresso poderá fixar novas datas em cidades com muitos casos da Covid- 19 a pedido da Justiça Eleitoral, mas as eleições não poderão ultrapassar a data limite de 27 de dezembro para assegurar que não haverá prorrogação dos atuais mandatos. A data da posse permanecerá a mesma: 1º de janeiro de 2021.

Etapas - A Emenda também adia todas as etapas do processo eleitoral de 2020, como registro de candidaturas e início da propaganda eleitoral gratuita (veja quadro abaixo).

 

legislativo I 03 07 2020

 

Negociação - As regras foram negociadas com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que, desde o início da pandemia, discutiu o adiamento das eleições para evitar aglomerações e garantir o processo democrático.

PEC 18/20 - A Emenda Constitucional é resultado da PEC 18/20, do senador Randolfe Rodrigues, que foi votada em duas semanas pelas duas casas.

Outros pontos - A PEC 18/20 contém outros pontos importantes. Os principais são:

• os prazos de desincompatibilização vencidos não serão reabertos;

• outros prazos eleitorais que não tenham transcorrido na data da promulgação da PEC deverão ser ajustados pelo TSE considerando-se a nova data das eleições;

• os atos de propaganda eleitoral não poderão ser limitados pela legislação municipal ou pela Justiça Eleitoral, salvo se a decisão estiver fundamentada em prévio parecer técnico emitido por autoridade sanitária estadual ou nacional;

• a prefeitura e outros órgãos públicos municipais poderão realizar, no segundo semestre deste ano, propagandas institucionais relacionadas ao enfrentamento da pandemia de Covid-19, resguardada a possibilidade de apuração de eventual conduta abusiva, nos termos da legislação eleitoral.

TSE - A cerimônia contou com a participação do presidente do TSE, Luis Roberto Barroso. (Agência Câmara de Notícias)

 

LEGISLATIVO II: Projeto de lei lista obrigações dos empregadores em relação ao teletrabalho

legislativo II 03 07 2020Por causa da necessidade de distanciamento social durante a pandemia de Covid-19, um número maior de pessoas está trabalhando em casa. Para evitar que os trabalhadores nessa situação sejam prejudicados, o PL 3.512/2020, projeto de lei apresentado pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES), define as obrigações dos empregadores no que diz respeito ao regime de teletrabalho. Atualmente, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) não detalha essas obrigações.

Obrigação - De acordo com o projeto, o empregador será obrigado a fornecer e manter equipamentos tecnológicos e infraestrutura necessária e adequada à prestação do trabalho, considerando a segurança e o conforto do trabalhador. Esses equipamentos serão fornecidos em regime de comodato (empréstimo). Além disso,o empregador também terá que reembolsar o empregado pelas despesas de energia elétrica, telefonia e uso da internet relacionadas à prestação do trabalho.

Empregados - Pelo texto atual da CLT, os empregadores não têm essa obrigação, já que tanto o fornecimento de equipamentos quanto o reembolso das despesas são fixados em contrato entre as duas partes. No novo texto proposto por Contarato, o fornecimento de equipamentos e infraestrutura pode ser dispensado por acordo coletivo — mas as outras obrigações previstas no projeto não podem ser dispensadas por esse meio.

Contrato ou termo aditivo - De acordo com a proposta, todas as disposições para que as novas regras sejam cumpridas devem ser registradas em contrato ou termo aditivo escrito. Assim como já é previsto atualmente na CLT, o texto determina que os valores relativos aos equipamentos e às despesas não fazem parte da remuneração do empregado.

Crescimento - Ao justificar o projeto, o senador Fabiano Contarato lembrou que, em meio à pandemia do novo coronavírus, essa forma de trabalho cresceu exponencialmente. Ele também observou que, segundo especialistas, muitas empresas continuarão adotando o teletrabalho após a atual crise, razão pela qual é necessário estabelecer regras. Além disso, o senador destacou que muitos trabalhadores estão excedendo o horário de trabalho e merecem ser remunerados por isso.

Controle de Jornada - Para resolver esse problema, o projeto também altera normas para o controle da jornada no regime de teletrabalho. Para isso, revoga um artigo incluído na lei pela Reforma Trabalhista de 2017. Esse artigo excluiu das regras normais para o controle de jornada os empregados em regime de teletrabalho.

Jornada comum - Além de revogar o artigo, o texto de Contarato determina que esses trabalhadores terão a jornada comum aos trabalhadores em geral, de oito horas diárias. O projeto também inclui quem trabalha em casa nas regras já existentes para horas extras: até duas horas a mais por dia, com remuneração pelo menos 50% superior à da hora normal, e possibilidade de compensação de acordo com as regras já previstas para os trabalhadores em geral. 

Apreciação - Ainda não há data prevista para apreciação desse projeto. (Agência Senado)

FOTO: Pedro França / Agência Senado

 

SAÚDE I: País tem 61,8 mil mortes e 1,49 milhão de casos confirmados

saude I 03 07 2020O Brasil tem 1.496.858 casos confirmados acumulados desde o início da pandemia de covid-19 e 61.884 mortes pela doença, segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde, divulgados nesta quinta-feira (02/07). Nas últimas 24 horas, 1.252 óbitos e 48.195 casos confirmados foram agregados às estatísticas.

Recuperados - Do total de infectados até o momento, 852.816 pessoas se recuperaram da doença e 582.158 pacientes ainda estão em acompanhamento. Há ainda 3.931 mortes em investigação.

Aumento - Na quarta-feira (01/07), o balanço do Ministério da Saúde trazia 60.632 falecimentos e 1.488.753 casos acumulados; sendo que de terça-feira (30/06) para quarta-feira, foram agregados 1.038 óbitos e 46.712 novos casos.

Letalidade - A taxa de letalidade da doença (número de mortes pelo total de casos) ficou em 4,1%, enquanto a de mortalidade (número de óbitos por 100 mil habitantes) ficou em 29,4. A incidência (quantidade de casos pela população) está em 712,3.

Estados e municípios - Os estados com mais mortes são São Paulo (15.351), Rio de Janeiro (10.332), Ceará (6.284), Pará (5.004) e Pernambuco (4.968). As unidades da Federação com menos óbitos são Mato Grosso do Sul (91), Tocantins (209), Roraima (354), Santa Catarina (362) e Acre (378). (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE II: Paraná ultrapassa 2 mil casos em 24h e bate recorde de mortes

saude II 03 07 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (02/07) número recorde de casos e mortes pela Covid-19. São 2.060 confirmações e 44 pessoas perderam a vida.

Alcance - O alcance da doença chegou a mais de 90% dos municípios paranaenses. Dos 399, apenas 36 ainda não registram diagnóstico positivo e, em 36%, 147 cidades, já ocorreram mortes pela doença.

Ajustes - Há ajustes de município, exclusão de confirmações e de um óbito detalhados ao final do texto.

Diagnósticos confirmados - O total de diagnósticos confirmados chega agora a 26.024 casos e 693 mortos entre residentes do Paraná, a partir da divulgação dos casos em 12 de março.

Média - Desde o início do monitoramento a Secretaria da Saúde confirmou por dia, em média, 232 diagnósticos positivos em 112 dias. Em relação às mortes, em média, sete pessoas perderam a vida desde o primeiro óbito registrado no Estado, em 27 de março, há 97 dias.

Internados - 798 pacientes estão internados hoje (quinta-feira). 636 pacientes estão em leitos SUS (220 em UTI e 416 em leitos clínicos/enfermaria) e 162 em leitos da rede particular (61 em UTI e 101 em leitos clínicos/enfermaria).

Resultados - Há outros 741 pacientes internados, 421 em leitos UTI e 320 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos.

Mortes - A secretaria informa a morte de mais 44 pacientes, e todos estavam internados. São 21 mulheres e 23 homens, com idades que variam de 38 a 92 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 18 de junho a 2 de julho.

Residência - Os pacientes que faleceram residiam em Curitiba (15), Colombo (5), Piraquara (4), Cascavel (3), Toledo (2). Um caso em cada um dos seguintes municípios: Araucária, Chopinzinho, Cianorte, Enéas Marques, Fazenda Rio Grande, Guapirama, Ibaiti, Londrina, Lunardelli, Peabiru, Rolândia, Santana do Itararé, São José dos Pinhais, Sengés e União da Vitória. MUNICÍPIOS – 363 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Santo Antônio do Paraíso e São Pedro do Ivaí registraram casos pela primeira vez. Em 147 municípios há mortes pela doença.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria registra 280 casos de residentes de fora. Treze pessoas morreram.

Ajustes - Alteração de município. Um caso confirmado na data de 22 de junho em Quatro Barras foi transferido para Piraquara. Um óbito confirmado na data de 23 de junho em Francisco Beltrão foi transferido para Marmeleiro.

Exclusão - Um caso confirmado na data de 17 de junho em São Sebastião da Amoreira foi excluído por duplicidade de notificação.

Retirado - Um óbito confirmado em Rancho Alegre na data de 22 de maio foi retirado do boletim. Após investigação epidemiológica ficou confirmado como morte por outras causas.

Critérios diferentes - A Secretaria da Saúde lembra que os municípios têm critérios diferentes de confirmação de casos e por isso pode ocorrer divergência de número de pacientes. Informa, ainda, que os dados são consolidados na gestão estadual, mas os municípios encaminham as informações para as regionais que repassam para o CIEVS na Sesa.

Lista - Segue a lista de fabricantes de testes rápidos validados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) que têm os resultados positivos incluídos no monitoramento do CIEVS:

1. ONE STEP COVID-2019 TEST®️ da fabricante Guangzhou WondfoBiotechCo., Ltda., cujo representante legal no Brasil é a empresa Celer Biotecnologia S/A.

2. MEDTESTE CORONAVÍRUS (COVID-19) igG/IgM da fabricante Hangzhou Biotest Biotech Co. Ltd cujo representante legal no Brasil é a empresa Medlevensohn Com Repres Prod Hosp Ltda.

3. COVID-19 IgG/IgM ECO do fabricante Eco Diagnóstica Ltda-ME, cujo representante legal no Brasil é a empresa Eco Diagnóstica Ltda-ME

4. COVID-19 IgG/IgM BIO do fabricante Quibasa Química Básica Ltda, cujo representante legal no Brasil é a empresa Quibasa Química Básica Ltda. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando no http://www.saude.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2020-07/informe_epidemiologico_02_07_2020.pdf

 


Versão para impressão


RODAPE