Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4856 | 02 de Julho de 2020

COVID-19: Novo decreto atualiza normas válidas para as sete regionais da Saúde

covid 19 02 07 2020O Governo do Estado emitiu nesta quarta-feira (01/07) um decreto (4951/20) para atualizar termos do decreto 4942/20, que trata de medidas mais restritivas para conter o avanço da Covid-19 em sete regionais de Saúde: Cascavel, Cianorte, Cornélio Procópio, Região Metropolitana de Curitiba, Londrina, Foz do Iguaçu e Toledo. As medidas devem ser adotadas em 134 municípios do Paraná.

Transporte público - A principal mudança é em relação ao transporte público. O sistema deverá atender com prioridade os passageiros que trabalhem em serviços considerados essenciais, e com até 65% de capacidade das 5 horas às 8 horas e das 15h30 às 19h30 (horários de pico), e até 55% da capacidade nos demais períodos do dia.

Feiras livres e lojas de conveniência - As outras duas mudanças são a retirada das feiras livres da lista atividades suspensas e uma nova redação para o funcionamento das lojas conveniências dos postos de combustíveis, que poderão abrir normalmente, dentro dos municípios e nas rodovias, mas sem a comercialização de bebidas alcoólicas.

Demais - Todas as outras normas continuam valendo até próximo dia 15 de julho. Entre elas estão a suspensão das atividades não essenciais.

Cálculo - O cálculo epidemiológico para essas sete regionais de Saúde levou em consideração a taxa de incidência por 100 mil habitantes, o número de mortes pela mesma faixa populacional e a ocupação de leitos de UTI nas quatro macrorregionais de Saúde (Leste, Oeste, Norte e Noroeste).

Dúvidas - Tira dúvidas sobre o Decreto 4.942/20:

Funcionamento de panificadoras/frutarias/mercearias:

Devem se adequar às mesmas regras dos supermercados. Funcionamento das 7h às 21 horas, de segunda a sábado, e fechamento aos domingos. Podem operar com apenas 30% do fluxo de clientes e terão que impedir a entrada de crianças menores de 12 anos.

Funcionamento de lojas de material de construção:

Estão integradas ao setor de construção civil, que é atividade essencial.

Funcionamento de pet shops:

Podem funcionar as clínicas de assistência veterinária e aquelas especializadas em produção, distribuição e comercialização de medicamentos para uso veterinário.

Funcionado de oficinas e lojas de autopeças:

Serviços de manutenção, assistência e comercialização de peças de veículo automotor terrestre ou bicicleta são considerados essenciais.

Funcionamento de distribuidoras de bebidas:

Devem fechar.

A interrupção de cirurgias eletivas:

Vale para todos os municípios do Estado e abrange as redes pública e privada. O disposto não se aplica a intervenções cardiológicas, oncológicas e nefrológicas, além de exames considerados essenciais por prescrição médica. A medida leva em consideração a necessidade de equilibrar o uso de analgésicos e relaxantes musculares.

Fiscalização:

A fiscalização será realizada pela Secretaria de Segurança Pública, em parceria com as guardas municipais e outras secretarias designadas pelas prefeituras. Haverá multas para infratores, de R$ 106,60 (uma Unidade Padrão Fiscal do Paraná) a R$ 533,00 para pessoas físicas; e entre R$ 2.132,00 a R$ 10.660,00 para pessoas jurídicas. O valor poderá ser dobrado em caso de reincidência. (Agência de Notícias do Paraná)

Veja o Decreto 4.951/20

 

COMUNICAÇÃO: Cooperativismo é destaque em comercial na Rede Globo

 

comunicacao 02 07 2020Dentro da campanha “Agro a indústria-riqueza do Brasil. Agro é Pop, Agro é Tech", de inciativa da Rede Globo de Televisão, com o patrocínio do Bradesco e da Ford, foi veiculado, no intervalo do Jornal Nacional desta quarta-feira (01/07), um comercial sobre a força das cooperativas brasileiras, que facilitam o acesso para milhões de agricultores às novas tecnologias e ajudam a serem eficientes na produção de alimentos para o Brasil e para o mundo. O texto diz que o setor movimenta cerca de R$ 200 bilhões por ano e gera 209 mil empregos, que correspondeu a um aumento de 50% na última década. “E, no mundo todo, as cooperativas crescem porque são eficientes na produção e distribuição das riquezas. Cooperativa é Agro”, destaca o material, que pode ser assistido neste link.

 

DIA C I: Faltam poucos dias para a celebração do Dia de Cooperar

dia c sistema ocepar 02 07 2020 No sábado (04/07), Dia Internacional do Cooperativismo, inicia a programação de celebração do Dia C – Dia de Cooperar – no Paraná, com transmissão de todas as atividades pela TV Paraná Cooperativo (youtube.com/sistemaocepar). Um vídeo produzido pelo Sistema Ocepar traz um resumo de tudo que será realizado de forma virtual para marcar a data. Clique aqui para acessá-lo.

Programação - As comemorações do Dia C iniciam no sábado, das 13h às 15h, e poderão ser acompanhadas ao vivo pela TV Paraná Cooperativo. O palhaço Alípio vai comandar as apresentações culturais dos talentos das cooperativas paranaenses. Haverá a participação do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do governador Ratinho Junior, do secretário estadual da Saúde, Beto Preto, e de lideranças cooperativistas. A partir das 15h, a TV Paraná Cooperativo passa a transmitir a live do Sistema OCB que terá, entre as atrações, o show da banda Skank, direto de Belo Horizonte, numa parceria com a Ocemg.

Semana da Cooperação - Entre os dias 7 e 10 de julho, a programação terá continuidade com a Semana da Cooperação, recheada de atrações, como as lives com apresentações de Aline Castro e José da Paz Cury. Aline vai falar sobre o tema “Lidando com as mudanças e incertezas”, no dia 7, às 14h. Cury vai discorrer sobre “Cooperativismo, a moeda do terceiro milênio”, no dia 9, também às 14h.

Sobre os palestrantes - Aline Castro é mestre em inteligência emocional e possui ainda outras formações no Brasil, Estados Unidos e Índia, nas áreas da psicologia, comportamento e neurociência. Ela é jornalista, viveu na Alemanha, foi correspondente na Itália e repórter da TV Globo no Rio de Janeiro. Hoje, a Aline é professora da FGV, faz treinamentos e palestras em organizações. José da Paz Cury é formado em Administração de Empresas, atua como palestrante e consultor nas áreas de Desenvolvimento Humano, Cooperativismo, Associativismo, Sindicalismo e Remuneração. Há mais de 40 anos tem se dedicado a cuidar dos talentos humanos nas empresas e já atuou em mais de 800 organizações de todo o país, contemplando 150 mil pessoas ao longo desse período.

Facebook - Também foi disponibilizado um endereço no Facebook, em que é possível confirmar presença nos eventos alusivos ao Dia C no Paraná e convidar outras pessoas a prestigiá-los. (https://facebook.com/events/s/dia-de-cooperar-sistema-ocepar/192175502232981/?ti=icl).

 

DIA C II: Cooperativismo e solidariedade

dia c 02 07 2020Cooperativismo é solidariedade, união e ação em conjunto. Desde quando o sistema foi criado, o cuidado com a comunidade sempre fez parte da arte de cooperar. Um exemplo disso é o Dia C que, neste mês de julho, reúne ações solidárias em prol da comunidade.

Princípio - O Dia de Cooperar, que neste ano será comemorado no dia 4 de julho, é uma exaltação ao sétimo princípio cooperativista, que é o interesse pela comunidade. As ações são realizadas por inúmeras cooperativas em todo o Brasil e visam usar a força do movimento cooperativista para espalhar o bem e transformar a vida das pessoas. Neste ano, em especial, a Integrada somou ainda mais esforços. Além de arrecadar e distribuir as fraldas geriátricas, também arrecadou recursos para doação de equipamentos de proteção individual e produtos de higiene e limpeza para a prevenção e o combate ao coronavírus.

Total - De acordo com dados do departamento de sustentabilidade da Integrada, o total arrecadado com fraldas geriátricas foi de cerca de 75 mil unidades, as quais deverão ser entregues neste mês de julho. Ana Lúcia de Almeida Maia, coordenadora de sustentabilidade, explica que, para o Dia C, a campanha Compartilhe Solidariedade para arrecadação de fraldas se unirá com a campanha Cooperar em todo tempo da Integrada.

Valores - Em um pouco mais de 2 meses, a campanha Cooperar em todo tempo arrecadou mais de R$ 97 mil, que se somaram ao investimento de R$ 50 mil, efetuado pela cooperativa. Os recursos estão sendo revertidos em equipamentos de proteção individual e álcool gel para 40 hospitais de 34 municípios localizados nos estados do Paraná e São Paulo.

Solidariedade - “Sobretudo, no cooperativismo, é importante as pessoas serem solidárias e comprometidas com as causas, ajudando umas às outras”. Ana completa que a preocupação com a comunidade é uma realidade dentro da cooperativa.

Cuidados - Na opinião de Marcelo Peluso, gerente de relacionamento da Integrada, a campanha Cooperar em todo tempo e a campanha Compartilhe Solidariedade demonstram os cuidados da cooperativa com as comunidades onde está inserida. “Nossas ações prezam pela valorização da sociedade e pela saúde das pessoas – nossos cooperados, colaboradores, parceiros e comunidade em geral”, comenta Peluso.

Espírito de cooperação - Para o diretor-presidente da Integrada, Jorge Hashimoto, as campanhas têm por objetivo colocar em prática o espírito de cooperação. “A agricultura é o esteio da sociedade e, além de levarmos o alimento para a mesa das pessoas, queremos estar próximos das comunidades onde atuamos, exercendo nossa cidadania e responsabilidade social”, destaca. (Imprensa Integrada)

 

UNIMED LONDRINA: Cooperativa entrega kit de higiene bucal gratuito para estudantes de escola pública

unimed londrina 02 07 2020Com as escolas fechadas por conta do novo coronavírus, o projeto Saúde Bucal, do Instituto de Responsabilidade Social da Unimed Londrina, precisou adaptar sua dinâmica para atender os estudantes do ensino fundamental. No último dia 30, os alunos da Escola Municipal Profª. Vilma Rodrigues Romero receberam, junto com o material didático para as aulas online, um kit da cooperativa médica contendo itens para higiene bucal (fio dental, pasta e escova de dente) e um folder com as instruções de como escovar os dentes corretamente.

Palestra - A gerente de Sustentabilidade da Unimed Londrina, Fabianne Piojetti, explica que uma das ações do projeto é a realização de uma palestra ministrada por uma dentista com os estudantes. "Nosso trabalho era realizado por meio de palestras lúdicas para ensinar as crianças a utilizarem o kit de higiene bucal corretamente. Por conta da pandemia, a melhor opção que encontramos foi encaminhar um folder ilustrativo explicando todos os passos para fazer a limpeza dos dentes e da língua", detalha Fabianne.

Supervisão - O material impresso foi supervisionado tecnicamente pela dentista Hellen Martinez, voluntária do projeto. No folder, estão descritos os seis passos para uma escovação correta de forma colorida e com linguagem acessível.

Entregas - Como o projeto realiza gratuitamente três entregas de kits, com intervalo de três meses entre elas (tempo ideal para a troca da escova de dente), a Unimed Londrina fornecerá os itens de higiene bucal com o folder nestes períodos, aproveitando a data de entrega dos materiais didáticos realizados pela escola. "A primeira entrega deste ano foi no dia 30/06. Enviamos os kits à escola, e eles ficaram responsáveis pela entrega do kit aos alunos. As próximas duas entregas ocorrerão em setembro e dezembro", comenta a gerente.

Atendimento - Neste ano, o projeto Saúde Bucal vai atender 310 estudantes. A escola escolhida nesta edição foi uma recomendação da Secretaria Municipal de Saúde, parceira da iniciativa. A Dental Clean também é parceira da ação ao contribuir com os kits.

Atividades - O Projeto Saúde Bucal começou as atividades em 2016. Até o momento, 1.114 crianças de quatro escolas municipais foram atendidas. (Imprensa Unimed Londrina)

 

SICOOB METROPOLITANO: Seis agências na Grande São Paulo são inauguradas em eventos virtuais

sicoob metropolitano 02 07 2020O dia 1º de julho foi uma data importante para a história do Sicoob Metropolitano. A cooperativa iniciou, no mesmo dia, as atividades de seis novas agências na Grande São Paulo. Dois dos novos pontos de atendimento ficam localizados na cidade de São Paulo, nos bairros do Cambuci e Vila Maria. Os demais, ficam em Guarulhos, São Bernardo do Campo, Suzano e Taboão da Serra.

Eventos virtuais - Entretanto, como não foi possível realizar de forma presencial as cerimônias de inauguração em razão da necessidade de distanciamento social e das medidas de proteção contra o novo coronavírus, a singular encontrou uma nova maneira de celebrar o momento: promovendo eventos totalmente virtuais.

Transmissões - As transmissões foram acompanhadas pelas equipes de trabalho, conselheiros Fiscais e de Administração, diretores do Sicoob Central Unicoob e do Sicoob Metropolitano, delegados, entre outros convidados.

Momento especial - Para o presidente do Conselho de Administração, Luiz Ajita, esse momento é muito especial, pois é um marco histórico no cooperativismo. “Estamos colocando em prática o princípio do cooperativismo e nossa missão é levar essa bandeira para frente, esse é o caminho que precisa continuar sendo trilhado”, comemora.

Evolução - De acordo com o diretor-presidente, Ideval Luis Curioni, mesmo diante ao cenário atual, o cooperativismo está evoluindo. "Estamos nos tornando presente na economia do país e tenho certeza que seremos uma cooperativa que fará a diferença em São Paulo", comenta.

Apresentação oficial - As inaugurações virtuais tiveram também a apresentação oficial dos colaboradores responsáveis por cada agência.

Fortalecimento - Segundo a gerente da agência Praça 8, em Guarulhos, Debora Andreia de Almeida Godoi, o cooperativismo está se fortalecendo na região e os investimentos em novas agências reforçam a marca. “São lugares que não possuem cooperativas como a nossa e por isso, estar aqui é muito importante. As pessoas e empresas precisam de alternativas em produtos e serviços financeiros, com taxas mais atrativas", explica.

Atuação - No ano passado, o Sicoob Metropolitano iniciou sua atuação em São Paulo, quando incorporou o Sicoob Cantareira, cooperativa de Guarulhos (SP). Segundo o ex-presidente da singular e atual delegado do Sicoob Metropolitano, Hugo Mesquita, a presença da cooperativa em território paulista está contribuindo para o fortalecimento do cooperativismo no estado. Não só pelo aumento do número de agências, mas principalmente por apresentar um modelo de negócio diferenciado que preza a valorização do ser humano, tanto no quadro de cooperados como de colaboradores.

Oportunidade - “O aumento do número de agências num momento em que os bancos vêm priorizando o atendimento virtual, oferece ao público a oportunidade de conhecer esse modelo de negócio. Com isso, podemos quebrar o preconceito em relação ao cooperativismo que existe nos grandes centros urbanos do estado e ainda torna mais conhecida a marca do Sicoob”, ressalta. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Cooperativa celebra conquista do cooperado mil em Itaipulândia

sicoob tres fronteiras 02 07 2020Na última semana, o Sicoob Três Fronteiras alcançou a marca de mil cooperados. Foi na agência de Itaipulândia, município paranaense com pouco mais de 11 mil habitantes, localizado a 70km de Foz do Iguaçu. Com essa conquista, o ponto de atendimento reforça a credibilidade e relacionamento que tem junto à comunidade local.

Homenagem - Com intuito de fortalecer a ideia de que a cooperativa valoriza as pessoas e humaniza as relações financeiras, o cooperado mil ganhou uma placa de homenagem e agradecimento, que ficou instalada na agência.

Recordação - Durante um café, que reuniu apenas os colaboradores e o cooperado Marcos Antonio Marquioro, ele também recebeu uma placa de recordação para lembrar que faz parte da história da agência.

Diferença - “Estar ao lado de pessoas que demonstram o reconhecimento pela sua história e que acreditam em você mesmo nos momentos mais difíceis faz toda a diferença. Minha gratidão à equipe do Sicoob em Itaipulândia, que está de parabéns pela conquista alcançada”, disse Marcos.

Motivos para comemorar - Segundo o gerente da agência, Anderson Jacob, mesmo vivendo momentos difíceis devido à pandemia, há muitos motivos para comemorar. “Esse dia era muito aguardado por todos nós. Por isso, quando chegou, tivemos a honra de fazer o reconhecimento ao cooperado Marcos Antonio. A marca histórica ficará registrada no coração de cada colaborador da equipe que se dedicou para o atingimento dessa grande conquista”, finalizou. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COCAMAR I: Primeiro semestre é avaliado com cooperados

Em duas etapas nesta sexta-feira (03/70), às 10 e às 16h, a Cocamar Cooperativa Agroindustrial vai fazer junto aos produtores cooperados, por videoconferência, uma prestação de contas de suas atividades no primeiro semestre. Pela manhã, os dirigentes estarão se reportando às regiões de Maringá, noroeste do Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo e, na parte da tarde, apenas ao norte paranaense.

Histórico - As reuniões virtuais substituem, em tempos de pandemia, as avaliações presenciais realizadas, tradicionalmente, nos meses de julho e janeiro, cumprindo um calendário que compreende cerca de 50 municípios dos três estados. Além de informações referentes ao desempenho da cooperativa no semestre recém finalizado, nos encontros são apresentadas, ainda, tendências e expectativas para o período seguinte. Ao final do segundo semestre, as reuniões incluem a análise de assuntos que serão votados na Assembleia Geral Ordinária de prestação de contas do exercício.

Formato - As videoconferências não são uma novidade em reuniões com produtores cooperados, na Cocamar. O formato vem sendo adotado, há alguns anos, para o lançamento de campanhas de comercialização de insumos destinados à safra de verão e mesmo a prestação semestral de contas para regiões mais distantes, como se observou em 2019 e no início de 2020.

Interação - Para a Cocamar, a tecnologia das transmissões ao vivo oferece comodidade mas não supera o contato pessoal com os produtores em suas comunidades, um momento de interação muito valorizado por ambas as partes e que é uma das marcas do cooperativismo.

Serviço - Para participar, o cooperado deve acessar www.cocamar.com.br/reuniaococamar e digitar o seu CPF no campo validador. (Imprensa Cocamar)

COCAMAR II: Somoscoop seleciona dois projetos da cooperativa

Dois projetos da área de sustentabilidade da Cocamar, o Cultivar e o Vida Segura, foram selecionados para o Prêmio Somoscoop Excelência em Gestão e farão parte do Compêndio de Boas Práticas de Governança e Gestão 2020/2021 a ser publicado pelo Sescoop Nacional e a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

Boas práticas - O Prêmio Somoscoop Excelência em Gestão ocorre a cada dois anos e é o resultado do Programa de Desenvolvimento de Gestão Cooperativa (PDGC). Por meio dele, é possível destacar as boas práticas e promover a troca de iniciativas entre as cooperativas reconhecidas, no Workshop de Boas Práticas e Governança de Gestão, realizado no ano seguinte ao da premiação. Além disso, as boas práticas passam a compor o Compêndio referente a cada ciclo de PDGC.

Cultivar - O projeto Cultivar é uma iniciativa socioambiental que já conquistou prêmios nacionais importantes e, desde 2006, quando teve início, é considerada uma referência no Paraná, sendo mantida pela Cocamar em parceria com a Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais). Nele, 38 alunos com deficiência múltipla e intelectual são lotados em 2 viveiros (em Maringá e Rolândia), garantindo a eles salários e benefícios, além do desenvolvimento pessoal com a participação do PCD no orçamento familiar, nas decisões de compras, na possibilidade de realização de sonhos e na socialização com outras pessoas.

Vida segura - Por sua vez, inovando na segurança dos colaboradores, o Projeto Vida Segura, implantado em abril de 2018, promoveu significativa redução do número do que define como “ocorrências de comportamentos inseguros” na condução de veículos, por meio da instalação de um sistema de telemetria. O equipamento faz o reconhecimento do condutor, a partir de um banco de imagens, permitindo vários outros dados para o controle da frota, entre os quais o horário de uso, o total de quilômetros rodados, a trajetória do veículo e a velocidade compatível com a sinalização da via. Durante o deslocamento, o condutor é informado por um sinal intermitente ou contínuo, caso não esteja seguindo as regras estabelecidas nas diretrizes de direção defensiva a cooperativa.

Esforço - Ao fazer a comunicação de que os dois projetos da Cocamar estavam selecionados, o Sescoop Nacional/OCB destacou: “Parabenizamos pelo esforço na busca da melhoria de seus processos de Governança e Gestão, mas principalmente pelo compartilhamento de suas melhores práticas. Tenha certeza de que essa ação contribui para o fortalecimento do Cooperativismo em nosso país”.

Premiada - Em 2019, a Cocamar foi reconhecida na categoria Ouro na 4ª edição do Prêmio Somoscoop Excelência em Gestão. (Imprensa Cocamar)

COOPAVEL: Mercado é tema do primeiro episódio da edição de inverno do Show Rural

coopavel 02 07 2020Está no ar o primeiro episódio do Show Rural Coopavel Edição de Inverno. A abordagem central do capítulo de abertura da série que tratará sobre culturas de inverno é o mercado. Produtores e pessoas com amplo conhecimento na área falam principalmente sobre o atual cenário do trigo, cultura que será uma das estrelas desse novo e inovador evento da Coopavel.

Tecnologias virtuais - A edição de inverno emprega o que há de mais moderno em tecnologias virtuais para disseminar conteúdo cuidadosamente elaborado sobre as principais culturas indicadas para os meses mais frios do ano. Além do trigo, o Show Rural Coopavel Edição de Inverno trará conteúdos sobre aveia, triticale, fruticultura, adubação verde e outros. “Tudo para que o produtor rural esteja conectado com o melhor da informação sobre essas atividades”, diz o coordenador geral Rogério Rizzardi.

20 episódios - A previsão é que sejam produzidos 20 episódios para aprofundar os temas associados a essas culturas, que precisam ser ainda mais conhecidas e valorizadas, segundo o presidente da Coopavel Dilvo Grolli. “As tecnologias e pesquisas avançaram muito nos últimos anos e o trigo, só para citar um exemplo, tem tudo para oferecer bom retorno aos agricultores, principalmente aos do Oeste e do Paraná”, de acordo com ele.

Acesso - Para acompanhar o episódio um e os outros que virão basta acessar os seguintes endereços: Youtube (canal Show Rural Coopavel), Instagram (@showrural); Facebook (/showruraloficial) e site (www.showrural.com.br). O link para assistir ao capítulo de estreia é o seguinte: https://youtu.be/dgWZgNsbG6U. (Imprensa Coopavel)

 

INTEGRADA: Circuito Técnico Digital apresenta novas tecnologias para milho segunda safra

integrada 02 07 2020Na próxima sexta-feira (03/07), às 14h, a Integrada realizará o primeiro Circuito Técnico Digital para a produção de milho segunda safra, que será transmitido no seu canal no Youtube e também na página do Facebook da cooperativa. Sob a apresentação do gerente da área de sementes, Romildo Birelo, com a participação do diretor-secretário, Sérgio Otaguiri, e do gerente da área técnica, Irineu Baptista, serão apresentadas novas tecnologias, produtos e tecnologias de manejo para o milho segunda safra.

Informações - O Circuito Técnico Integrada Digital foi uma maneira da cooperativa manter os produtores abastecidos de informações em tempos de pandemia.

Campo - “Montamos um campo para apresentar as principais inovações tecnológicas do mercado. Inovações essas, que contribuirão com a produtividade no campo, trazendo, consequentemente, maior rentabilidade para os nossos cooperados e produtores”, afirma Eronir Felizari, gerente da Integrada, na regional Guaíra, local onde o circuito foi gravado.

Híbridos de alta tecnologia - De acordo com o coordenador técnico da regional, Jun Tsukada, mais de vinte híbridos de milho de alta tecnologia serão apresentadas. “Cada empresa parceira nesse evento levou materiais de ponta - de alto nível tecnológico - para a obtenção do máximo de produtividade possível”, avalia o coordenador técnico. Além de híbridos de ponta, o circuito apresentará tecnologias avançadas em nutrição de plantas e controle de pragas e doenças.

Adubação - “Aqui na região, por exemplo, os produtores investem em adubação de base, adubação de cobertura e proteção de plantas, tudo com o foco na produtividade”. Todo o investimento, completa ele, reverte em aumento da produção.

Apoio - O Circuito Técnico Digital conta com o apoio de 14 empresas parceiras da Integrada que vão desde os cuidados de pré-plantio até o final do ciclo das plantas.

Canal - Acompanhe pelo nosso canal no Youtube: www.youtube.com/watch?v=SU1Tg66XDU8. (Imprensa Integrada)

 

POLÍTICA AGRÍCOLA: Plano Safra 2020/2021 entra em vigor

politica agricola 02 07 2020Nesta quarta-feira (01/07) entrou em vigor o novo Plano Safra, com o início da temporada da safra 2020-2021. Os produtores rurais já podem acessar os recursos para financiamento nos bancos que operam com crédito rural e nas cooperativas de crédito. O governo federal disponibilizou R$ 236,3 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional, alta de 6,1% (mais R$ 13,5 bilhões) em relação à safra anterior.

Continuidade - O recurso, anunciado no lançamento do Plano Safra, há duas semanas, contribuirá para garantir a continuidade da produção no campo e o abastecimento de alimentos no país durante e após a pandemia do novo coronavírus.

Primeiros meses- Nos primeiros meses do ano agrícola, os produtores dão início à execução de suas decisões de plantio e de investimento, baseadas em expectativas de mercado e nas medidas de apoio anunciadas no lançamento do Plano Safra.

Recursos para financiamento - Do total programado de R$ 236,3 bilhões do Plano Safra, R$ 179,38 bilhões estão destinados para custeio, comercialização e industrialização e R$ 56,92 bilhões para investimentos.

Seguro rural - Para o seguro rural de 2021 o governo disponibilizou R$ 1,3 bilhão. O valor deve possibilitar a contratação de 298 mil apólices, num montante segurado da ordem de R$ 52 bilhões e cobertura de 21 milhões de hectares. O orçamento para as lavouras de café conta com R$ 5,7 bilhões.

Pequeno e médio produtor - Os pequenos produtores rurais terão R$ 33 bilhões para financiamento pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com juros de 2,75% e 4% ao ano, para custeio e comercialização. Para os médios produtores rurais, serão destinados R$ 33,1 bilhões, por meio do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), com taxas de juros de 5% ao ano (custeio e comercialização).

Grandes produtores - Nos financiamentos para grandes produtores, a taxa anual de juros será de 6% para custeio e de 7% para investimento.

Pesca - Outro setor beneficiado será o da pesca comercial, que terá maior acesso ao crédito rural. Desta forma, a atividade poderá financiar a compra de equipamentos e infraestrutura para processamento, armazenamento e transporte de pescado.

Contratações - Os financiamentos da atual safra poderão ser contratados pelos agricultores de 1º de julho deste ano a 30 de junho de 2021. As informações do Plano Safra 2020-2021 estão consolidadas no Manual de Crédito Rural, no Banco Central.

Números da agropecuária - O agronegócio é reconhecido como decisivo para o crescimento econômico brasileiro. No último boletim da Conab de junho, a estimativa da produção brasileira de grãos da atual safra (2019-2020) é de 250,5 milhões de toneladas.

Alta - Apesar do surto do novo Covid-19, o PIB do setor agropecuário brasileiro deve ter alta de 2,5% em 2020, impulsionados pela soja, milho, cana de açúcar e café. A previsão é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base em dados do IBGE.

Soma - Em 2019, a soma dos bens e serviços gerados pelo Agronegócio chegou a R$ 1,55 trilhão ou 21,4% do PIB brasileiro.

VBP - O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deste ano, de acordo com dados atualizados em maio, está estimado em R$ 703,8 bilhões, 8,5% acima do obtido em 2019 (R$ 648,4 bilhões).

Exportações - As exportações do Agronegócio no acumulado do ano – janeiro a maio – foram de US $ 41,9 bilhões, representando quase a metade das vendas externas do país. Os principais embarques foram o complexo soja (grãos, farelo e óleo) e as carnes (bovina, suína e de aves). O valor representa alta de 7,9% em relação ao quadrimestre no ano passado. (Mapa)

>> Confira todas as informações sobre o Plano Safra no hotsite

FOTO: CNH

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Queda das importações faz balança comercial bater recorde em junho

comercio exterior 02 07 2020A queda nas importações provocada pela alta do dólar e pela retração na atividade econômica fez a balança comercial bater recorde em junho. No mês passado, o país exportou US$ 7,463 bilhões a mais do que importou. Esse é o maior superávit para o mês desde o início da série histórica, em 1989.

Primeiro semestre - Apesar do recorde em junho, o saldo da balança comercial fechou o primeiro semestre abaixo do ano passado. Nos seis primeiros meses de 2020, o Brasil exportou US$ 23,035 bilhões a mais do que importou. O resultado é 10,3% inferior ao saldo do mesmo período do ano passado, de US$ 25,68 bilhões, e está no nível mais baixo para o primeiro semestre desde 2015.

Mês passado - No mês passado, tanto as exportações como as importações caíram. O Brasil exportou US$ 19,912 bilhões em junho, montante 12% inferior ao de junho de 2019, pelo critério da média diária. As importações, no entanto, recuaram mais. O Brasil comprou US$ 10,449 bilhões no mês passado, retração de 27,4% na mesma comparação, também pelo critério da média diária.

Acumulado do ano - No acumulado do ano, as exportações ainda caem mais que as importações. De janeiro a junho, o Brasil vendeu US$ 102,43 bilhões ao exterior, valor 6,4% inferior ao do mesmo período de 2019. As importações somaram US$ 79,395 bilhões, com recuo de 5,2%.

Produtos - A queda nas exportações em junho foi puxada pela indústria. A indústria de transformação exportou US$ 118,08 milhões a menos que em maio do ano passado, queda de 21% pela média diária. A indústria extrativa exportou US$ 54,64 milhões a menos, queda de 26,1%.

Indústria de transformação - Na indústria de transformação, os principais produtos responsáveis pela queda das exportações são veículos automóveis de passageiros, com redução de 50,1% na média diária; carnes de aves processadas, retração de 38,6% pela média diária; e celulose, com recuo de 24,9% na média diária.

Nova classificação - A nova classificação adotada pelo Ministério da Economia, alinhada com os padrões internacionais, passou a considerar produtos industrializados alimentos que passaram por algum processamento.

Indústria extrativista - Na indústria extrativa, as principais quedas ocorreram na venda de óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (37,3%) e de minério de ferro e seus concentrados (17,4%).

Agropecuária - Somente a agropecuária exportou mais do que em junho do ano passado. O setor vendeu US$ 57,49 milhões a mais para o exterior, alta de 29,7% pela média diária. Os principais destaques foram a soja, o arroz com casca e látex e borracha.

Importações - Em relação às importações, as compras de itens ligados à agropecuária caíram US$ 2,49 milhões, redução de 15,6% pela média diária, na mesma comparação. As importações da indústria extrativa recuaram US$ 10,42 milhões (22,3%), e as compras da indústria extrativa encolheram US$ 174,28 milhões (28,1%).

Principais produtos - Os principais produtos responsáveis pela queda nas importações foram os óleos combustíveis de petróleo, com retração de 60,8% pela média diária em relação a junho do ano passado; veículos automóveis de passageiros, retração de 75,7%, e partes e acessórios de veículos, menos 57,2%.

Menor superávit - Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2019 em US$ 46,657 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima menor superávit em 2020, motivado principalmente pela pandemia do novo coronavírus (covid-19). Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit de US$ 53 bilhões para este ano. O Ministério da Economia atualizou a estimativa de saldo positivo para US$ 55,4 bilhões. (Agência Brasil)

FOTO: Fábio Scremim / APPA

 

INFRAESTRUTURA: Documentos da sexta rodada de concessão de aeroportos são aprovados

infraestrutura 02 07 2020Nesta quarta-feira (01/07), a Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou o edital de leilão e a minuta de contrato e anexos da sexta rodada para concessão de 22 aeroportos agrupados em blocos regionais. Os documentos jurídicos foram objeto de consulta pública, que recebeu 454 contribuições, e seguem para análise pelo Tribunal de Contas da União junto com os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental aprovados pelo Ministério de Infraestrutura.

TCU - Após a deliberação da ANAC, o Tribunal de Contas da União analisa o processo que prevê o modelo para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos de Curitiba/PR, Foz do Iguaçu/PR, Navegantes/SC, Londrina/PR, Joinville/SC, Bacacheri/PR, Pelotas/RS, Uruguaiana/RS e Bagé/RS, formando o Bloco Sul; dos aeroportos de Goiânia/GO, São Luís/MA, Teresina/PI, Palmas/TO, Petrolina/PE e Imperatriz/MA, formando o Bloco Central; e dos aeroportos de Manaus/AM, Porto Velho/RO, Rio Branco/AC, Cruzeiro do Sul/AC, Tabatinga/AM, Tefé/AM e Boa Vista/RR, formando o Bloco Norte.

Regras de participação da rodada - A grande inovação da rodada é a cláusula que permite que a proponente individualmente ou representada por consórcio possa contratar pessoa jurídica que detenha a qualificação técnica exigida na operação aeroportuária, aumentando o número de participantes e gerando maior competição no certame. Caso a proponente opte por formação de consórcio, um dos membros deve ser operador aeroportuário com participação mínima de 15% e experiência comprovada.

Experiência - Em todos os casos, é exigida experiência recente no processamento de passageiros em volume compatível com os contratos que serão assumidos pela concessionária. Assim, o operador ou pessoa jurídica que oferece assistência técnica precisa comprovar que operou, em pelo menos um dos últimos cinco anos, 5 milhões de passageiros para arrematar o Bloco Sul e 1 milhão de passageiros para os demais blocos.

Três blocos - Assim como na quinta rodada, um mesmo proponente pode vencer nos três blocos desde que oferte a melhor proposta e atenda as exigências de experiencia do edital, além de manter as responsabilidades contratuais e operacionais da concessionária, cabendo a ela o cumprimento do Contrato de Concessão e dos requisitos de segurança aplicáveis ao setor.

Contribuição inicial prevista - Juntos, os terminais respondem por 11% dos passageiros pagos movimentados no mercado brasileiro de transporte aéreo. Em 2019, foram 23,9 milhões de embarques e desembarques nos aeroportos dessa rodada. A duração dos contratos de concessão de todos os aeroportos é de 30 anos. Para o Bloco Norte a contribuição inicial mínima prevista é de R$ 38,7 milhões. O valor estimado para todo o contrato da concessão é de R$ 4 bilhões. A contribuição inicial mínima para o Bloco Sul é de R$ 408,2 milhões. O valor estimado para todo o contrato da concessão é de R$ 8,9 bilhões. A contribuição inicial mínima do Bloco Central é de R$ 22,5 milhões. O valor estimado para todo o contrato de concessão é de R$ 4,9 bilhões. (ANAC)

 

ECONOMIA: Tem início o prazo de adesão à transação excepcional na cobrança da dívida ativa

economia 02 07 2020Teve início nesta quarta-feira (01/07), o prazo de adesão à transação excepcional na cobrança da dívida ativa da União, em função dos efeitos da pandemia de Covid-19 na capacidade de geração de resultados da pessoa jurídica e no comprometimento da renda das pessoas físicas.

Portal - A nova modalidade estará disponível para adesão, no portal REGULARIZE, no período de 1º de julho até 29 de dezembro de 2020. Os benefícios (como entrada reduzida, descontos e prazos diferenciados) serão concedidos conforme a capacidade de pagamento do contribuinte, para dívidas de até R$ 150 milhões. No caso de débitos acima deste valor, o contribuinte deverá recorrer ao Acordo de Transação Individual para negociar.

Não abrange - A transação excepcional não abrange débitos junto ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), ao Simples Nacional e referentes a multas criminais.

Contribuintes contemplados - A transação excepcional é destinada aos débitos considerados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) de difícil recuperação ou irrecuperáveis. Será avaliada a capacidade de pagamento do contribuinte, levando-se em consideração os impactos econômicos e financeiros decorrentes da pandemia.

Pessoa jurídica - Para tal finalidade, no caso de pessoa jurídica, considera-se impacto na capacidade de geração de resultados a redução, em qualquer percentual, da soma da receita bruta mensal de 2020 (com o início no mês de março e o fim no mês imediatamente anterior ao mês de adesão), em relação à soma da receita bruta mensal do mesmo período de 2019, apurada na forma do art. 12 do Decreto-Lei n. 1.598/197.

Pessoa física - Já para as pessoas físicas, considera-se impacto no comprometimento da renda a redução, em qualquer percentual, da soma do rendimento bruto mensal de 2020 (com início no mês de março e o fim no mês imediatamente anterior ao mês de adesão), em relação à soma do rendimento bruto mensal do mesmo período de 2019.

Informações - Diante disso, o contribuinte interessado na transação excepcional deverá prestar informações, perante a PGFN, demonstrando esses impactos financeiros sofridos.

Comparação - Essas informações serão comparadas com as demais informações econômico-fiscais disponíveis na base de dados da PGFN, para fins de avaliação da capacidade de pagamento.

Propostas - Com base na capacidade de pagamento estimada, a PGFN apresentará propostas personalizadas para adesão pelo contribuinte.

Benefícios das propostas - Essa modalidade de transação permite que a entrada, referente a 4% do valor total das inscrições selecionadas, seja parcelada em até 12 meses, sendo o pagamento do saldo restante:

>> dividido em até 72 meses para pessoas jurídicas, com possibilidade de descontos de até 100% sobre os valores de multas, juros e encargos, respeitado o limite de até 50% do valor total da dívida;

>> dividido em até 133 meses para pessoas físicas, empresários individuais, microempresas, empresas de pequeno porte, instituições de ensino, Santas Casas de Misericórdia, sociedades cooperativas e demais organizações da sociedade civil de que trata a Lei n. 13.019/ 2014, com possibilidade de descontos de até 100% sobre os valores de multas, juros e encargos, respeitado o limite de até 70% do valor total da dívida.

Débitos previdenciários - Para a transação de débitos previdenciários, o número de parcelas continua sendo, no máximo, de 60 vezes, devido a limitações constitucionais.

Como aderir à transação - O procedimento de adesão inclui três etapas, sendo todas realizadas por meio do REGULARIZE, na opção Negociação de Dívida > Acessar o SISPAR. Recorde-se que a modalidade estará disponível para adesão a partir de 1º de julho.

Primeira etapa - A primeira etapa consiste em prestar as informações necessárias, em especial as que dizem respeito aos rendimentos, para a PGFN verificar a capacidade de pagamento do contribuinte e liberar uma proposta de acordo conforme o seu perfil.

Adesão - Feito isso, o contribuinte poderá realizar o pedido de adesão ao acordo. Após a adesão, o contribuinte deve pagar o documento de arrecadação da primeira parcela para a transação ser efetivada. Caso não seja paga a primeira parcela até a data de vencimento, o acordo será cancelado.

Portaria - A Transação Excepcional é regulamentada pela Portaria nº 14.402, de 16 de junho de 2020. (Ministério da Economia)

 

INDÚSTRIA: Setor cresce 7,0% em maio, após dois meses de queda com a pandemia

industria destaque 02 07 2020A produção industrial nacional avançou 7,0% em maio de 2020 frente a abril. O crescimento, no entanto, foi insuficiente para reverter a queda de 26,3% acumulada nos meses de março e abril. Com isso, o setor atinge o segundo patamar mais baixo desde o início da série histórica da Pesquisa Industrial Mensal, sendo que o menor nível foi registrado em abril deste ano. Os dados, divulgados nesta quinta-feira (02/07) pelo IBGE, refletem os efeitos das medidas de isolamento social para controle da pandemia de Covid-19.

Desempenho - “A partir do último terço de março, várias plantas industriais foram fechadas, sendo que, em abril, algumas ficaram o mês inteiro praticamente sem produção, culminando no pior resultado da indústria na série histórica da pesquisa. O mês de maio já demonstra algum tipo de volta à produção, mas a expansão de 7,0%, apesar de ter sido a mais elevada desde junho de 2018 (12,9%), se deve, principalmente, a uma base de comparação muito baixa. Mesmo com o desempenho positivo, o total da indústria ainda se encontra 34,1% abaixo do nível recorde, alcançado em maio de 2011”, explica André Macedo, gerente da pesquisa.

Comparação - Em comparação com maio de 2019, a produção teve queda de 21,9%, sendo o sétimo resultado negativo subsequente e a segunda queda mais elevada desde o início da série histórica. Na soma dos últimos 12 meses, a queda foi de 5,4%, a mais elevada desde dezembro de 2016 (-6,4%). No ano de 2020, a indústria já acumula recuo de 11,2% até maio. “Cabe ressaltar que, até fevereiro, já havia retração, mas era de apenas 0,6%”, destaca Macedo.

Segmentos - Entre os segmentos de atividades, o crescimento frente ao mês anterior foi generalizado, alcançando todas as grandes categorias econômicas e a maior parte (20) dos 26 ramos pesquisados. “As atividades foram impulsionadas, em grande medida, pelo retorno à produção (mesmo que parcialmente) de unidades produtivas, após as interrupções da produção ocorridas em várias unidades produtivas, por efeito da pandemia”, pontua André Macedo.

Influência positiva - A influência positiva mais relevante foi assinalada por veículos automotores, reboques e carrocerias (244,4%), que interrompeu dois meses seguidos de queda na produção e marcou a expansão mais acentuada desde o início da série histórica, mas ainda assim se encontra 72,8% abaixo do patamar de fevereiro último. Na comparação entre maio de 2019 e maio de 2020, essa atividade exerceu a maior influência negativa (-74,5%) na formação da média da indústria.

Outros destaques - Outros destaques positivos na comparação com o mês anterior foram os segmentos de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (16,2%), que voltou a crescer após acumular perda de 20,0% em três meses consecutivos de taxas negativas, e bebidas (65,6%), que eliminou parte da redução de 49,6% acumulada nos meses de março e abril de 2020. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Itamar Aguiar/Palácio Piratini

industria 02 07 2020

 

ENERGIA ELÉTRICA: Consumo aumenta 2% em junho

energia eletrica 02 07 2020A carga do Sistema Interligado Nacional (SIN) aumentou “aproximadamente” 2% em junho em relação à de maio. Em nota, o Ministério das Minas e Energia atribuiu o acréscimo “ao retorno gradual das atividades econômicas” no país. “Existem alguns índices, bastante consistentes, de que o país já iniciou sua retomada”, disse o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Positivo - O dado, recolhido pelo Observatório Nacional do Sistema Elétrico (ONS), foi considerado positivo pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, que prevê a manutenção da “tendência de retomada gradativa da carga” no próximo mês.

Reservatórios - Durante a reunião do comitê, feita por meio de teleconferência, destacou-se também que os reservatórios das usinas hidrelétricas “permanecem, em sua maioria, em patamares superiores aos verificados nos últimos anos”, especialmente na Região Sul – onde o volume de água nos reservatórios aumentou cerca de 20 pontos percentuais, “como consequência dos volumes significativos de precipitações verificadas.”

Revogação - Por causa desse desempenho, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico revogou as decisões sobre a adoção de medidas excepcionais para preservação dos estoques armazenados nos reservatórios de água das usinas hidráulicas do chamado Subsistema Sul. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

BRASIL: Bolsonaro veta suspensão de cadastros negativos durante pandemia

brasil 02 07 2020O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente, nesta quarta-feira (01/07), a proposta que suspendia, por 90 dias, a partir de 20 de março, a inclusão de novos devedores em cadastros negativos como Serasa e SPC. O texto vetado é o do Projeto de Lei 675/20 aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 9 de abril, uma vez que, como revisora, a Casa rejeitou todas as alterações feitas pelo Senado. O veto ainda será analisado por deputados e senadores em sessão conjunta, podendo ser mantido ou derrubado.

Justificativa - Segundo Bolsonaro, ao prever a suspensão de novas inscrições em cadastros de proteção ao crédito durante todo o período de calamidade em razão da pandemia de Covid-19, o projeto prejudica o funcionamento do mercado de crédito e a eficiência dos sistemas de registro.

Comportamento - "Com as limitações em sua capacidade de análise do risco de crédito dos tomadores de maneira precisa, os ofertantes tendem a adotar comportamento mais conservador que se refletirão em desvios no mercado, gerando taxas de juros elevadas e restrições de oferta”, diz a justificativa que acompanha o veto.

Proposta - O texto aprovado pela Câmara dos Deputados foi proposto pelo deputado Julian Lemos (PSL-PB), relator do projeto originalmente apresentado pelos deputados Denis Bezerra (PSB-CE) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG).

Acesso ao crédito - Lemos argumentou à época que o objetivo era assegurar que os atingidos pela pandemia tivessem acesso a crédito. "A economia do nosso País está paralisada, amargando inúmeras perdas em função da restrição de circulação de pessoas por meio de isolamento e quarentenas”, afirmou. Já o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) disse na época que a proposta levaria ao aumento de juros para todos os cidadãos e empresas, que seriam penalizados pelos inadimplentes. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Mário Oliveira / Prefeitura de Manaus

 

PARANÁ: Governo já investiu R$ 400 milhões no combate ao coronavírus

parana 02 07 2020Mesmo com a queda na arrecadação de ICMS, que já chega a R$ 1,6 bilhão em comparação com o mesmo período de 2019, o Governo do Paraná está direcionando investimentos em ações de prevenção e combate ao coronavírus. Desde março, R$ 399,9 milhões foram empenhados e R$ 172,5 milhões liquidados.

Registros - Os registros são do Novo SIAF (Sistema Integrado de Finanças Públicas do Estado do Paraná) e estão ratificados pelo Fundo Estadual de Saúde (FunSaúde), conforme consolidação da Contabilidade Geral do Estado até o dia 21 de junho. Os valores utilizados se referem aos aportes realizados pelos Três Poderes para enfrentamento da pandemia.

Maior parte - A maior parte dos recursos se refere a investimentos feitos com recursos do próprio Fundo Estadual de Saúde do Paraná (R$ 173,2 milhões), especialmente no reforço e ampliação da rede pública de atendimento hospitalar contra o coronavírus.

Serviços profissionais - Apenas na contratação de serviços profissionais foram aplicados quase R$ 75 milhões. Para a aquisição de materiais e aparelhos farmacológicos, laboratoriais, químicos e hospitalares foram destinados R$ 49,2 milhões. Entre outras ações, os aportes serviram para ampliar a oferta de UTIs em todas as regiões do estado.

Social - A Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento foi responsável pela execução de R$ 101,2 milhões, uma vez que transitou pelo orçamento da pasta os valores utilizados pelo Governo do Estado para distribuir os créditos das duas primeiras parcelas do Cartão Comida Boa.

Educação - Em seguida vem a área da educação. O Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar) investiu R$ 34,7 milhões, e a Secretaria de Estado da Educação, R$ 24,5 milhões. A maior parte dos valores foram direcionadas para garantir a compra de produtos da merenda escolar, que segue sendo distribuída para famílias de estudantes.

Universidades - As sete universidades estaduais (Universidade Estadual de Londrina, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Universidade Estadual de Maringá, Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Universidade Estadual do Paraná e Universidade Estadual do Norte do Paraná de Jacarezinho) juntas tiveram investimentos de R$ 4,7 milhões no período – o que inclui a aquisição de materiais e equipamentos para os hospitais universitários.

Municípios - As contribuições a municípios foram de R$ 16,7 milhões – a maior parte proveniente do Fundo Estadual de Assistência Social (Feas). Também estão contabilizados os gastos de órgãos como Detran, Ceasa, Cohapar e outros para a aquisição de EPIs para servidores e atendimento ao público, como álcool gel e máscaras, durante a pandemia.

Dados - “Os dados inseridos no SIAF são de responsabilidade de cada órgão, mas em nome da transparência compilamos tudo em um único relatório e disponibilizamos no portal do Coronavírus no Paraná, de forma que os dados sejam acessíveis para toda a população”, explica o secretário da Fazenda Renê Garcia Junior.

Controle - “Os recursos têm sido aplicados com absoluto controle orçamentário e total transparência, o que colocou o Paraná entre os estados com a melhor transparência no enfrentamento à Covid-19, de acordo com a Transparência Internacional Brasil”, completa o secretário.

Bolsistas - As ações de enfrentamento ao coronavírus também incluem o programa de contratação de bolsistas, da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e Fundação Araucária. Foram abertas 1.064 vagas e o investimento soma R$ 8 milhões. Até o momento, 692 bolsistas foram contratados.

Quem são - São médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, estudantes de saúde e de outras áreas que atuam em unidades de saúde e hospitais, que integram as Regionais de Saúde, nas divisas do Estado, no serviço de teleatendimento, no Laboratório Central do Estado (Lacen), no Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) e no Departamento Penitenciário do Estado (Depen). (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE I: Brasil chega a 60 mil mortes por Covid-19

Até o momento, 60.632 pessoas morreram em decorrência da pandemia do novo coronavírus no Brasil, segundo atualização diária do Ministério da Saúde divulgada nesta quarta-feira (01/07). Nas últimas 24 horas, 1.038 pessoas perderam a vida por conta da covid-19. Ainda há 3.931 óbitos em investigação.

Platô - Contudo, na avaliação do Ministério da Saúde, o país atingiu um platô, quando a curva do número de mortes entra em um momento de estabilização. Nas últimas semanas, o total de novos óbitos vêm oscilando.

Novos casos - Ainda de acordo com o balanço do Ministério da Saúde, foram registrados 46.712 novos casos confirmados da doença. Com isso, o total de casos acumulados de covid-19 subiu para 1.488.753. Diferentemente da curva de mortes, na evolução dos números de pessoas infectadas o Brasil segue subindo.

Curva - “A curva de novos casos vai numa inclinação e a curva dos óbitos tem se mantido”, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo de Medeiros, em entrevista coletiva hoje no Palácio do Planalto.

Observação - Dados do Ministério da Saúde mostram que 561.255 pacientes estão em observação, enquanto o total de recuperados desde o início da pandemia é de 826.866.

Estados - Conforme mostra tabela do Ministério da Saúde, os estados onde mais ocorreram óbitos por covid-19 foram São Paulo (15.030), Rio de Janeiro (10.198), Ceará (6.180), Pará (4.960) e Pernambuco (4.894). Já as Unidades da Federação com menos óbitos foram Mato Grosso do Sul (85), Tocantins (204), Roraima (314), Santa Catarina (347) e Acre (370).

Municípios - Até o momento, 5.021 municípios registram casos do novo coronavírus, o que equivale a 90,1% de todas as cidades do país. E 2.551 municípios registraram óbitos por covid-19, o equivalente a 45,8% das cidades.

Interiorização - O boletim confirmou a tendência de interiorização da pandemia. Há pouco mais de um mês, eram registrados mais óbitos nas capitais do que nas demais cidades. Esta proporção se inverteu, chegando na 26ª semana epidemiológica com 62% das mortes em consequência da covid-19 no interior e 38% nas capitais.

Capitais - Já quando considerados os casos confirmados, há mais de dois meses, as notificações nas capitais passavam dos 60%. Na última semana, este índice caiu para pouco menos de 50%, com maior ocorrência de pessoas infectadas no interior.

SRAG - As hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) somaram até o momento 323.423. Deste total, 148.785 foram por covid-19 e 70.710 ainda estão em investigação da causa. Na última semana, foram notificadas 32.730 novas hospitalizações, sendo 20.246 (61,9%) por covid-19.

Perfil - Em relação ao perfil dos internados, 50% tinham acima de 60 anos, 43% eram mulheres e 57% eram homens. No recorte por raça e cor, 31,1% eram pardos, 28% eram brancos, 4,6% eram pretos, 0,9% era amarelo, 0,3% era indígena e outros 35,1% não informaram essa característica. (Agência Brasil)

saude I tabela 02 07 2020

SAÚDE II: Sesa confirma mais 1.343 casos e 14 mortes pela Covid-19

saude II 02 07 2020A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou nesta quarta-feira (01/07) 1.343 novas confirmações e 14 mortes pela infecção causada pelo novo coronavírus. O Paraná soma 23.965 casos e 650 mortos em decorrência da doença. Há dois ajustes de municípios de residência e uma exclusão por duplicidade nos casos confirmados.

Internados - 737 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estavam internados nesta quarta. 576 pacientes estão em leitos SUS (212 em UTI e 364 em leitos clínicos/enfermaria) e 161 em leitos da rede particular (61 em UTI e 100 em leitos clínicos/enfermaria).

Resultados - Há outros 820 pacientes internados, 406 em leitos UTI e 414 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria Estadual informa a morte de mais 14 pacientes, todos estavam internados. São oito mulheres e seis homens, com idades que variam de 49 a 76 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 23 de junho a 1º de julho.

Residência - Os pacientes que faleceram residiam em: Cascavel (3), São José dos Pinhais (2), Toledo (2). E um em cada uma das seguintes cidades: Araucária, Cambé, Campo Mourão, Clevelândia, Cornélio Procópio, Londrina e Santa Helena.

Municípios - 361 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Nossa Senhora das Graças, Perobal, Pinhalão e São Jorge do Patrocínio registraram casos pela primeira vez. Em 141 municípios há óbitos pela doença.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 260 casos de residentes de fora. Treze pessoas foram a óbito.

Ajustes - Um caso confirmado na data de 18/6 em Cascavel foi transferido para Maripá. Um caso confirmado na data de 13/6 em Londrina foi transferido para Cambé. Exclusão por duplicidade: um caso confirmado na data de 24/6 em Curitiba foi excluído por duplicidade de notificação. (Sesa)

Confira o informe completo clicando aqui.

 

ARTIGO: 4 de julho é Dia de Cooperar; como podemos ajudar na retomada da economia

artigo 02 07 2020*Manfred Dasenbrock

A pandemia do novo coronavírus trouxe o holofote para conceitos como solidariedade e colaboração. Princípios sólidos e já inerentes em um sistema que nasceu também em meio a adversidades, na Alemanha de 1864: o cooperativismo. Na época, a iniciativa de Friedrich Wilhelm Raiffeisen, com a criação da Associação de Caixa de Crédito Rural de Heddesdorf, consolidou o movimento cooperativista que vem demonstrando, ao longo dos anos, a importância de unir forças em prol do bem comum. Em julho, o dia do cooperativismo é celebrado com o movimento Dia de Cooperar, Dia C, quando todas as cooperativas se unem em prol do lema “Atitudes Simples Movem o Mundo”, demonstrando que os valores do cooperativismo têm muito a contribuir neste momento de enfrentamento da crise.

Esse modelo de negócio sustentável e colaborativo chegou ao Brasil em 1902 pela iniciativa de Theodor Amstad, padre suíço que fundou, em Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul, a primeira cooperativa de crédito da América Latina, buscando desenvolver comunidades e minimizar problemas econômicos.

Os princípios norteadores do cooperativismo nunca foram tão necessários e fundamentais em nossa sociedade como agora. Em momentos como esse, sentimos novamente a necessidade da união, de ações éticas e de cooperação, que demonstram que não há saída fácil para poucos. A superação só será conquistada em coletividade, com iniciativas em prol da população e do bem comum.

Como primeira instituição financeira cooperativa do Brasil, o Sicredi trilha, há mais de 100 anos, o propósito da colaboração que influencia positivamente a vida dos associados e gera o ciclo virtuoso nas regiões onde atua. O impacto positivo é tão forte que recentemente uma pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) apontou que 1,4 mil municípios de todo o país, que passaram a contar com uma ou mais cooperativas, entre 1994 e 2017, registraram um impacto agregado de mais de R$ 48 bilhões em um ano.

Os números demonstram que, com a cooperação, o conceito de crescimento é abrangente e envolve os associados, donos do negócio, que sentem os benefícios positivos diretos e indiretos com a distribuição de resultados das cooperativas e o fomento ao desenvolvimento regional. Os diferenciais são demonstrados no relacionamento próximo, na concessão de crédito consciente e nas ações de educação financeira, por meio de oficinas e projetos. Os gibis e desenhos animados da Turma da Mônica sobre planejamento do orçamento, lançados em 2018 e disponíveis até hoje para associados e a comunidade, são exemplos dessa interação. Atuação cooperativa que também leva projetos de educação integrada à sociedade pelo Programa a União Faz a Vida (PUFV), metodologia ativa que já envolveu mais de três milhões de crianças e adolescentes em sete estados brasileiros.  

No próximo dia 4 de julho, cooperativas celebram o Dia de Cooperar. Neste momento, a ação colaborativa está sendo desenvolvida com objetivo de reforçar a importância do cooperativismo junto às comunidades. Até agora, as cooperativas do Sicredi que atuam nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro já realizaram mais de 600 ações pelo Dia C, impactando meio milhão de pessoas. O volume pode aumentar com a continuidade das atividades durante o mês de julho.

Além do Dia de Cooperar, iniciativas positivas são realizadas durante todo o ano. Um exemplo recente é o movimento em prol dos pequenos empreendedores, o “Eu Coopero com a Economia Local” que busca engajar as pessoas, estimulando o consumo nos negócios locais, gerando mais desenvolvimento econômico e minimizando os efeitos da pandemia. O cooperativismo atua acreditando que é das cidades deste imenso país que virá a força para sairmos da crise. E o Sicredi com suas mais de 1,9 mil agências e mais de 29 mil colaboradores espalhados por todo o país, é parte integrante da engrenagem que ajuda a movimentar nossa economia.

Com ações sólidas, o cooperativismo vem demonstrando, ao longo dos séculos, que com solidariedade e cooperação, é possível construir uma sociedade mais justa, ética e colaborativa. Motivados pelos ideais dos fundadores, o cooperativismo tem como base o trabalho conjunto que, apesar de árduo, é a saída mais crível para um novo tempo que começamos a testemunhar agora, com a pandemia do novo coronavírus. É necessária uma transformação imediata, baseada em solidariedade, fraternidade e colaboração para projetarmos um futuro melhor para a sociedade e para cada um de nós.

*Manfred Dasenbrock é mestre em administração, presidente do Sicredi, da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Woccu (Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito)

 


Versão para impressão


RODAPE