Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4854 | 30 de Junho de 2020

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Coptrans recebe o Sistema Ocepar em encontro virtual

Na manhã desta terça-feira (30/06), foi realizada a reunião institucional entre o Sistema Ocepar e a Coptrans – Cooperativa de Transporte, com sede em Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná. O objetivo do encontro foi expor e discutir a situação econômico-financeira da cooperativa, por meio de indicadores e comparativos com outras cooperativas paranaenses do mesmo ramo e região, visando assegurar a qualidade da gestão, credibilidade perante terceiros, transparência perante o quadro social e, principalmente, a solidificação do sistema cooperativista.

 

Bate papo - O coordenador de Desenvolvimento Cooperativo da Gecoop, João Gogola Neto, na abertura do encontro, disse que as reuniões virtuais têm o objetivo de manter a dinâmica de fazer as devolutivas às cooperativas que, antes da pandemia, eram realizadas presencialmente. Mas, agora, em cumprimento aos protocolos de enfrentamento da pandemia do coronavírus e ao trabalho em casa, adotado pelo Sistema Ocepar, “mantemos esse compromisso, mas de forma virtual, o que também serve para testarmos essa ferramenta”. E explicou que a intenção, além da abordagem de questões relacionadas à cooperativa, é também discorrer sobre a situação da pandemia da Covid-19, atualizar as ações da entidade em prol do cooperativismo, intercooperação, ações internas de prevenção e combate à Covid-19, conjuntura econômica, bem tratar sobre treinamentos e capacitações do Sescoop/PR.

 

Relato - O superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, fez um relato da atuação do Sistema Ocepar defesa do setor cooperativo paranaense em várias frentes, como governo estadual e federal, representantes do sistema financeiro, bem como entidades representativas do setor produtivo, como o G7. “Temos mantido o ritmo das audiências virtuais, tanto no estado como nacionalmente, com autoridades do Executivo e representantes do Legislativo, visando sempre o desenvolvimento do setor cooperativo e soluções para problemas que, porventura, surgirem. Portanto, as negociações prosseguem diariamente com as autoridades das mais variadas áreas do governo federal, no Congresso Nacional, com a interlocução da OCB, assim como no estado.” Esclareceu ainda as ações estratégicas desenvolvidas pela entidade no atual cenário.

 

Proximidade - Mafioletti defendeu a intercooperação como estratégia para o crescimento do setor. Segundo ele, a intenção é fomentar a intercooperação entre os vários ramos do cooperativismo, para que, por exemplo, as do ramo agropecuário contratem o serviço das cooperativas de transporte. “É preciso aproximar ainda mais os setores, pois é um modelo adequado para fazer negócios e prosperar. E vamos atuar nesse sentido”, finalizou, ao agradecer o encontro e manifestar a intenção de reforçar ainda mais a parceria com a Coptrans.

 

Atuação - O presidente da Coptrans, Ezidio Salmoria, após agradecer ao “time da Ocepar” pela reunião institucional, disse que “a nossa cooperativa tem de retomar o crescimento, com mais parceiros. Estamos indo para a carga seca também, procurando fortalecer parceria com as cooperativas das regiões sudoeste e oeste do Paraná, pois precisamos trabalhar as cooperativas do agronegócio, afinal precisamos de mais cargas”. E anunciou que, visando aumentar a oferta de serviços aos cooperados, a Coptrans inaugura, nesta quarta-feira (01/07) o primeiro ponto de abastecimento de combustíveis em Francisco Beltrão.

 

Participações - Pelo Sistema Ocepar, ainda participaram da reunião virtual coordenadores e analistas técnicos. A Coptrans também contou com a presença de diretores, conselheiros, gerentes e técnicos.

{vsig}2020/noticias/06/30/reuniao_institucional/{/vsig}

COVID-19: Reunião com representantes das OCEs do PR, SC e SP sobre decreto ambiental é um dos destaques do comunicado 65

covid 19 comite 30 06 2020No comunicado 65 emitido na manhã desta terça-feira (30/06), o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar informa que, nesta segunda-feira (29/06), o Sistema OCB reuniu representantes das Organizações Estaduais do Paraná, Santa Catarina e São Paulo com o chefe do Serviço Florestal Brasileira do Ministério da Agricultura, Valdir Colatto, para discutir a minuta de decreto sobre o CAR – Cadastro Ambiental Rural e PRA - Programas de Regularização Ambiental. Veja abaixo outros destaques.

1. O Sistema Ocepar realizou de forma virtual, no dia 29 de junho, a Reunião da Autogestão com a Cooperativa Dental Uni, contando com a participação do presidente, diretores e gestores.

2. No dia 29 de junho, o Sistema OCB realizou reunião virtual com os representantes da Ocepar, Ocesc e Ocesp com Valdir Colatto, chefe do Serviço Florestal Brasileira do Ministério da Agricultura, para discutir a minuta de decreto sobre o CAR – Cadastro Ambiental Rural e PRA - Programas de Regularização Ambiental.

3. O Sistema Ocepar reuniu os colaboradores, no dia 29 de junho, de forma remota, para tratar das ações para comemorar o Dia de Cooperar – Dia C. Foi apresentado o regulamento da Gincoop, a gincana solidária do Sistema Ocepar, com o objetivo de desenvolver ações de responsabilidade social, integrar os colaboradores e engajá-los nas ações do Dia C, estimulando o voluntariado.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

DIA C I: Sistema Ocepar promove gincana com colaboradores para celebrar o Dia de Cooperar

dia c I 30 06 2020No Paraná, a celebração do Dia C – Dia de Cooperar  terá uma atividade especialmente voltada à participação dos 90 colaboradores do Sistema Ocepar.  É a Gincoop, uma gincana que inicia no dia 3 de julho, quando será realizada a primeira prova, e se estenderá até o final de novembro, tudo de forma virtual, sem reuniões presenciais. As informações foram repassadas pela comissão organizadora por meio de videoconferência ocorrida na tarde desta segunda-feira (29/06). A iniciativa tem o objetivo de integrar as equipes de trabalho e engajar os colaboradores da entidade para que possam desenvolver ações de responsabilidade social, colocando em prática os valores e princípios cooperativistas, contribuindo com as ações do Dia C e estimulando a prática do voluntariado. As provas devem contemplar atividades diversas, como arrecadação de donativos para entidades sociais, campanhas de doação de sangue, entre outras, cada uma com um regulamento próprio. Também haverá provas relâmpago. Ao todo, devem ser formadas oito equipes, cujo sorteio dos integrantes será realizado na sexta-feira (03/07).

Programação - Essa ação integra a programação do Dia C organizada pelo Sistema Ocepar, que contempla ainda a realização de um evento virtual, com transmissão ao vivo no sábado (04/07) pela TV Paraná Cooperativo, das 13h às 15h. O palhaço Alípio vai comandar as apresentações culturais dos talentos das cooperativas paranaenses. Haverá a participação do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do governador Ratinho Junior, do secretário estadual da Saúde, Beto Preto, e de lideranças cooperativistas. A partir das 15h, a TV Paraná Cooperativo passa a transmitir a live do Sistema OCB que terá, entre as atrações, o show da banda Skank, direto de Belo Horizonte, numa parceria com a Ocemg. 

Semana - A celebração do Dia C continua durante a Semana da Cooperação, de 4 a 10 de julho, com lives que serão transmitidas das 14h às 15h.

 

DIA C II: Coamo, Unimed e Credicoamo realizam Dia de Cooperar com eventos virtuais

A semana do cooperativismo é sempre motivo de celebração em todo o mundo. Celebrado sempre no primeiro sábado do mês de julho, o Dia Internacional do Cooperativismo, é comemorado durante toda a semana que antecede a data. Neste ano, Coamo, Unimed e Credicoamo realizarão o evento “Cooperar para transformar” com lives para toda a comunidade. É a intercooperação provando o quanto a força da cooperação é capaz de transformar vidas.

Exibição - As lives serão exibidas pelo canal da Coamo no Youtube (www.youtube.com/coamocooperativa), em três dias sempre às 18h45min, para que todos possam assistir no conforto de suas casas e com a família reunida. No dia 1º de julho, iniciando com o pé direito, o tema será “Cooperação que transforma vidas”, com o presidente do Conselho de Administração da Coamo, José Aroldo Gallassini e o presidente da Unimed Campo Mourão, Eloy Okabayashi Fuzii.

Segundo dia - O segundo dia terá como tema “Saúde física e emocional em tempos de pandemia”, onde três profissionais da saúde: Alex Ferreira, psicólogo da Unimed; Karen Geovani, nutricionista da Unimed e Carlos Eduardo Rosa Mildemberger, médico do Trabalho da Coamo, irão comandar um bate-papo educativo e descontraído com os internautas.

Terceiro dia - Para o terceiro e último dia, a missão da live ficará com o presidente Executivo da Credicoamo, Alcir José Goldoni e o gerente Financeiro da Coamo, Joel Makohin. Eles falarão sobre um tema que sempre é importante conversar, “Finanças pessoais e orçamento familiar”.

Comitê - Foi criado comitê para definição da programação entre as cooperativas. A chefe do departamento de Desenvolvimento de Gestores, da gerência de Recursos Humanos, Ana Claudia Periçaro, enfatiza a importância de celebrar o cooperativismo. “Preparamos um evento para toda a família, com temas que dizem respeito a realidade e vida de todos. É para funcionários, cooperados, familiares e toda a comunidade. Será uma live aberta, basta se inscrever no canal da Coamo no YouTube e celebrar a força da cooperação. Não podemos nos reunir devido a pandemia, mas as tecnologias têm sido aliadas neste momento.”

YouTube Coamo - Se inscreva no canal da Coamo no YouTube e acompanhe as lives do Dia C. Não fique de fora desta celebração!

Links - Links das lives:

1/7 - “Cooperação que transforma vidas”- https://www.youtube.com/watch?v=8JPNI88UTTU

2/7 - “Saúde física e emocional em tempos de pandemia”- https://www.youtube.com/watch?v=iwGCOcDodcQ

3/7 - “Finanças pessoais e orçamento familiar” - https://www.youtube.com/watch?v=97ct14vHhHQ

Encerramento do Dia C - Um dia inteiro de atividades culturais, todas digitais. É assim que vai ser a celebração do Dia de Cooperar (Dia C) neste ano, por causa da pandemia do novo coronavírus. E a banda mineira Skank vai encerrar a programação em alto estilo. O evento vai ocorrer no próximo dia 4 de julho e será transmitido ao vivo no perfil do Sistema OCB, no Facebook e Youtube. (Imprensa Coamo, com informações da OCB).

{vsig}2020/noticias/06/30/dia_c_II/{/vsig}

DIA C III: CoopTalks 2020 - Cooperar para evoluir

dia c III 30 06 2020 O cenário pandêmico promoveu a aceleração de muitas iniciativas no movimento cooperativista. Sempre na vanguarda, as cooperativas brasileiras já vinham num bom ritmo de busca por aprendizados e inovações. Porém, o atual cenário estabeleceu necessidades urgentes – para preservação do desenvolvimento econômico e contribuições indispensáveis para o socorro social.

Intercooperação - Intercooperação, tema tão propagado na doutrina, passa a ser fundamental para a identificação de caminhos sustentáveis daqui pra frente. É preciso dialogar e, juntos, produzir insights para a superação deste momento. Sabemos que, historicamente, é exatamente nas crises que o cooperativismo mais se fortalece.

Dia C- Com isso, o Dia C, a ser comemorado em 4 de julho, ganhou contornos ainda mais relevantes. Para celebrar esse dia, e realizar uma contribuição grandiosa ao movimento, a MundoCoop, em sua missão de ser vanguarda criativa do cooperativismo, promove o primeiro CoopTalks.

Eixos - Serão quatro grandes eixos temáticos: inovação, sustentabilidade, conhecimento e comunicação. Todos eles primordiais para a construção do futuro do cooperativismo. “Entendemos que é no momento de crise que os negócios devem mostrar sua verdadeira razão de ser. Nós, que desde 1999 acompanhamos de perto tudo o que acontece no cooperativismo nacional, nos vimos desafiados a realizar uma contribuição de alto impacto para o futuro. E muita gente boa abraçou a ideia”, diz Luis Claudio, diretor da MundoCoop.

Reflexões - O evento vem provocar reflexões profundas e ações contundentes, contando com a participação de grandes ícones da atualidade em gestão, educação, inovação e cooperativismo. Martha Gabriel, Gil Giardelli, José Luiz Tejon, José Salibi Neto, entre outros, nos estimularão a protagonizar essa mudança premente.

Experiência diferenciada - Com o suporte de uma plataforma digital de última geração, o CoopTalks reserva uma experiência diferenciada aos participantes e anuncia: o cooperativismo nunca mais será o mesmo!

Inscrição - Garanta a sua inscrição, pois as vagas são limitadas. O link para inscrição é http://mundocoop.com.br/cooptalks/ (MundoCoop)

 

C.VALE: Cooperativa incorpora a Agropar

A C.Vale incorporou a Cooperativa Agroindustrial do Médio Oeste do Paraná (Agropar). A decisão foi tomada em assembleias virtuais com associados das duas cooperativas, no dia 29 de junho. Com sede em Assis Chateaubriand, a Agropar tem quatro unidades de recebimento de grãos no município, 585 associados e 69 funcionários. Em 2019, a cooperativa recebeu 1,5 milhão de sacas de soja, milho e trigo e faturou R$ 81 milhões. Com a incorporação, os associados passarão a ter acesso a produtos, serviços e benefícios da segunda maior cooperativa singular do Brasil, com receita de R$ 8,9 bilhões e sobras de R$ 245 milhões em 2019.

Pontos - A diretoria da Agropar explicou que levou três pontos em consideração no processo de incorporação. “Os associados terão seus direitos preservados, os funcionários seguirão com seus empregos e Assis Chateaubriand será beneficiada”, justificou o presidente Mauro Jordão. Durante a assembleia virtual, ele disse que estava entregando a cooperativa onde aprendeu muito e com a sensação de missão cumprida.

Reforço - O presidente Alfredo Lang, interpreta a incorporação da Agropar como um reforço à atuação da C.Vale no município de Assis Chateaubriand. Para os associados que fizerem a migração, ele diz que as vantagens serão a segurança de operar com uma cooperativa de grande porte e melhores condições para negociações de insumos e produção já que a C.Vale trabalha com volumes bem maiores. “Tenho certeza de que o grande ganhador será o associado da Agropar em função da possibilidade de diversificação e dos grandes volumes com que a C.Vale opera”, assegurou. (Imprensa C.Vale)

C.Vale

Associados: 22.457

Funcionários: 10.946

Faturamento: R$ 8,9 bilhões

Unidades de negócio: 151

Área atuação: RS, SC, PR, MS, MT e Paraguai

Agropar

Associados: 585

Funcionários: 69

Faturamento: 81 milhões

Unidades de negócio: 4

Área atuação: Assis Chateaubriand (PR)

{vsig}2020/noticias/06/30/cvale/{/vsig}

FRÍSIA: Digital Agro Connection capta 68 startups para programa de inovação

frisia 30 06 2020As inscrições para o Digital Agro Connection, programa de inovação lançado pela Frísia Cooperativa Agroindustrial, encerraram no último dia 22 com 68 startups registradas. O principal objetivo do programa é buscar e selecionar empreendedores para criar, revolucionar e identificar métodos de inovação e solução para o agronegócio, dentro de duas linhas de atuação: Agropecuária Sustentável e Indústria 4.0.

Análise - Após essa primeira etapa de inscrições, a Frísia terá um mês para analisar as informações de cada startup e entrar em contato para conhecer os profissionais envolvidos nos projetos e suas respectivas tecnologias. “É muito importante que a gente conheça o projeto de cada startup e, principalmente, as pessoas que estão por trás de todo o trabalho conduzido. Até porque são essas pessoas que ajudarão a revolucionar os resultados de uma produção que se tornará cada vez mais sustentável e de qualidade”, destaca o analista de Estratégia e Inovação da Frísia, Fábio Solano.

Seleção - Simultaneamente será realizada a seleção das startups, de acordo com os critérios exigidos e da nota de classificação obtida com as soluções apresentadas. Dentro dessa classificação serão escolhidas 12 e, posteriormente, refinadas para seis, sendo designadas três para cada área de atuação.

Tecnologias de norte a sul - O agronegócio demanda soluções tecnológicas, por isso a Frísia desenvolveu o programa Digital Agro Connection. Assim, reúne o conhecimento tecnológico e digital das startups, juntamente com o perfil empreendedor de quem trabalha na produção de alimentos, tendo como propósito entregar inovações que ajudam a trazer uma produção mais sustentável para os negócios da comunidade.

Melhorias - Dessa forma, seguindo seus princípios de intercooperação e sustentabilidade, a cooperativa busca, juntamente com as startups, gerar melhorias significativas no campo e na indústria. “Além de buscarmos tecnologias que ajudarão os produtores rurais, as indústrias e a cooperativa no dia a dia da produção de alimentos, buscamos equipes engajadas com o sonho de transformar a produção de alimentos em uma cadeia produtiva extremamente eficiente e confiável”, ressalta Solano.

Suporte - Além disso, o programa conta com o suporte e consultoria do Sistema Fiep, que em parceria com a Frísia, tem auxiliado a cooperativa na gestão e interação com as startups desde o início do processo. “O apoio do Sistema Fiep na realização do Digital Agro Connection é estratégico, pois nos permitiu atuar com Inovação Aberta no setor do Agro de uma forma completa, ou seja, desde a construção dos desafios, mobilização, seleção e implantação de Provas de Conceito. Destaco o nível de engajamento e compreensão sobre a forma de se relacionar com startups, que o time da Frísia tem demonstrado”, ressalta o gerente de Tecnologia e Inovação do Sistema Fiep, Felipe Couto.

Importância e impacto - O Sistema Fiep também destacou a importância do número de inscritas e como isso impacta no desenvolvimento do Connetion, já que o programa ganhou um caráter nacional, contando com a participação de 68 startups sediadas do norte ao sul do País. “Esse número de inscrições permitirá que a seleção alcance um alto nível de qualidade das soluções propostas o que é o primeiro passo para termos soluções implantadas com sucesso nos desafios propostos pela Frísia” enfatiza Couto.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

 

CASTROLANDA: Projeto já produziu e distribuiu 990 máscaras a profissionais de saúde e de alimentos, com apoio da cooperativa

A Cooperativa Castrolanda, sediada em Castro, na região paranaense dos Campos Gerais, adquiriu quatro impressoras 3D, que foram cedidas para um projeto de produção de máscaras do tipo Face Shield. Até o momento foram confeccionadas 990 unidades, distribuídas a profissionais das áreas de saúde, produção de alimentos e educação. Segundo informações da assessoria da Castrolanda, a iniciativa é de uma empresária local, que buscou a parceria da cooperativa no sentido de potencializar e somar forças em apoio à comunidade nas demandas de combate à disseminação da Covid-19.

 

{vsig}2020/noticias/06/30/castrolanda/{/vsig}

 

COPACOL: Doações em parceria com a Ihara beneficiam famílias do Sudoeste do Paraná

Diante da pandemia da Covid-19, as ações solidárias beneficiam famílias que enfrentam dificuldades para garantir ao menos a alimentação em casa. Para amenizar os impactos no Sudoeste do Paraná, a Copacol está doando cestas básicas aos moradores que mais precisam neste momento tão difícil.

Repasse - Os alimentos foram repassados às secretarias de Assistência Social, que fazem a seleção dos beneficiados. Todos os produtos foram devidamente higienizados com álcool antes de serem embalados. A doação integra o Dia C, Dia de Cooperar, que neste ano visa reduzir os efeitos da Covid-19, em parceria com a empresa Ihara. Desde o início da pandemia, a cooperativa realiza doações a entidades filantrópicas, entre os beneficiados está o HU (Hospital Universitário), em Cascavel, referência no enfrentamento à doença no Oeste e no Sudoeste do Estado.

Municípios - As cestas básicas chegaram aos municípios de Pranchita, Capanema, Pérola do Oeste e Planalto. Assim como em todo o País, a procura por donativos tem aumentando nas cidades em função da renda menor das famílias. “Essa ajuda é muito importante. Recebemos as cestas da Copacol e já repassamos as famílias que precisam. Houve um grande aumento na procura por doações. Muitas famílias estão sem emprego e não conseguem o auxílio do governo – mesmo atendendo aos critérios. Por isso, precisamos da colaboração de todos”, afirma Dione Sandri Eicheldeger, coordenadora do Cras (Centro de Referência em Assistência Social) de Planalto.

Capanema - A realidade é a mesma em Capanema, onde há 1,5 mil famílias cadastradas e que precisam da colaboração da sociedade. A pandemia mudou o perfil de pessoas atendidas. “Quem antes tinha uma ocupação informal ficou sem nada. Mesmo sem ter renda e carteira assinada, as famílias não recebem o auxílio emergencial do governo. Temos diaristas que foram dispensadas e agora estão sem ter renda alguma. Por isso, ficamos muito gratos pela doação da Copacol, pois vamos atender esses casos. As cestas são fartas. É muito gratificante ver as crianças felizes por ter alimento em casa”, diz Edinéia Inês Schutz Schwenk, coordenadora do Cras em Capanema.

Pranchita - Em Pranchita, as cestas básicas foram entregues pela Assistência Social para idosos e pessoas que passam por tratamento contra o câncer. “A doação das cestas foi excelente, chegou em boa hora. O alimento vai ajudar essas famílias que não se enquadraram nas regras do governo, mas precisam muito da solidariedade de todos. A cesta é grande e será suficiente para alimentar uma família durante um mês praticamente”, ressalta Ieda Paschoal, secretária de Assistência Social.

Pérola do Oeste - Em Pérola do Oeste, a procura por alimentos também teve grande aumento durante a pandemia no Cras. “Acreditamos que a demanda ainda será maior no decorrer dos meses. Recebemos as cestas básicas da Copacol que somam as demais doações. Já entregamos para as famílias, que ficaram muito gratas por serem lembradas neste momento difícil”, relata Tania Lovis, assistente social em Pérola.

Copacol - No Sudoeste do Paraná, a área de atuação da Copacol contempla 60 mil hectares, com mais cinco unidades de recebimento de grãos e comercialização de insumos: Pranchita, Pérola do Oeste, Conciolândia, Capanema e Planalto. A estrutura tem uma capacidade de armazenagem de 50 mil toneladas. As unidades foram incorporadas desde o fim do ano passado e já estão recebendo as primeiras produções de milho de recém-associados. “Estamos iniciando nossas atividades de grãos e comercialização de insumos no Sudoeste, mas nossa atuação vai além do fator econômico. A cooperativa contribui com as pessoas que mais precisam nestes municípios. Neste Dia C, Dia de Cooperar, temos uma relação social integrando as pessoas. A filosofia da cooperativa é dar sustentação econômica aos cooperados em suas atividades, mas também ajudar o próximo”, afirma o presidente Copacol, Valter Pitol.

Sobre a Ihara - A Ihara é uma empresa química brasileira formada por acionistas do Japão. Ela atua em tecnologia de inovação, no desenvolvimento de novas moléculas para o avanço da agricultura. A mais recente molécula criada é o inseticida Dinotefuran, voltado ao combate de percevejos e moscas brancas na soja. Com 55 anos de atuação, a empresa oferece mais de 60 defensivos agrícolas, entre fungicidas, herbicidas, inseticidas e produtos especiais. (Imprensa Copacol)

{vsig}2020/noticias/06/30/copacol/{/vsig}

COAMO: Homenagem da cooperativa ao cooperativismo

coamo 30 06 2020Está chegando o Dia Internacional do Cooperativismo, um movimento que tem motivos de sobras para celebrar. A Coamo beneficia diretamente milhares de pessoas e, para homenagear a força da cooperação, iniciou no domingo (29/06) a veiculação de um filme especial que faz parte do Plano de Comunicação Coamo 50 anos. A programação será de 29 de junho a 05 de julho, com comerciais de 60” e 30”.

Transformação - No filme, vários cooperados contam a transformação de suas vidas e afirmam que, graças ao cooperativismo que a Coamo trouxe para suas realidades suas vidas foram transformadas. Por meio desta comunicação, portanto, a Coamo homenageia as entregas e conquistas que o cooperativismo gera aos seus participantes.

Canais digitais - O filme já foi publicado nos canais digitais e redes sociais da Coamo. Acesse, curta e compartilhe.

Acesso - Assista também ao filme no youtube.com/coamocooperativa(Imprensa Coamo)

 

INTERCOPERAÇÃO: Agrária e Unimed Paraná dão aula de cooperativismo ao falar sobre a Covid-19

Há pouco mais de uma semana do Dia Internacional do Cooperativismo, comemorado no próximo dia 4, a Unimed Paraná e a Cooperativa Agrária deram um exemplo de como a cooperação é fundamental em momentos de crise como a pandemia da Covid-19.

Videoconferência - Na última sexta-feira (26/06), diretores e gerentes de áreas estratégicas da Agrária participaram de uma videoconferência com os doutores Paulo Roberto Fernandes Faria e Marlus Volney de Morais, diretor-presidente e gerente de Estratégias e Regulamentação de Saúde da Unimed do Estado do Paraná, respectivamente.

Orientações - Durante mais de uma hora de conversa, os médicos repassaram aos representantes da Agrária orientações sobre como trabalhar a prevenção à Covid-19 de forma corporativa e tiram dúvidas dos participantes.

Pontos principais - As instruções dos profissionais da Unimed estiveram pautadas em três pontos principais: ações de higiene e profilaxia básicas; importância do diálogo com todos os públicos da Cooperativa; e organização interna através de documentos, protocolos e plano de contingência. “Essa troca de experiência, essa intercooperação, que é um dos princípios do cooperativismo, é um elemento muito importante para que nossas Cooperativas passem por esse momento de crise mundial”, afirmou o diretor-presidente da Agrária, Jorge Karl. (Imprensa Agrária)

{vsig}2020/noticias/06/30/intercooperacao/{/vsig}

SICOOB: Sistema tem o maior índice de sucesso na concessão de crédito a pequenos negócios, diz Sebrae

sicoob 30 06 2020Pesquisa realizada pelo Sebrae, entre o fim de abril e o início de maio, demonstra que as cooperativas financeiras mantêm uma taxa de sucesso de mais de 30% na concessão de crédito para os pequenos negócios durante a pandemia do coronavírus. O índice é quase três vezes maior do que o registrado nos bancos privados (11,8%) e nos públicos (9,5%).

Números - "Esses números demonstram que o cooperativismo está realmente preocupado com a crise econômica que o coronavírus trouxe ao País e, especificamente, aos micros, pequenos e médios empresários", afirma Marco Aurélio Almada, presidente do Bancoob e Sicoob.

Concessão de crédito - "No Sicoob, nós mantivemos uma concessão de crédito mais arrojada, pois nosso sistema opera com um grande foco: prover aos cooperados o que eles precisam de uma instituição financeira. Neste cenário, é o crédito. Justamente por isso, em períodos de crises, são os momentos em que mais crescemos, pois praticamos a justiça financeira", explica. No segundo bimestre de 2020, o sistema liberou cerca de R$ 8,2 bilhões de crédito para PJ, ante a R$ 6,1 bilhões no mesmo período de 2019. Ou seja, a carteira cresceu 34% durante a crise do coronavírus.

Medidas - Ao contrário do sistema bancário tradicional, o Sicoob adotou medidas para amenizar os impactos da pandemia no bolso dos cooperados. Por exemplo, houve redução de 0,15% a.m. nas taxas de crédito para PJ. "Ainda que não haja uma queda expressiva, nós não praticamos aumento, como foi observado entre os bancos", conta Almada.

Principal explicação - A principal explicação para um índice de sucesso tão alto, de acordo com o executivo, é que as cooperativas são instituições sem fins lucrativos, pertencendo ao cooperado e à comunidade em que estão inseridas. "É um bem colaborativo. Elas são formadas justamente pelo público que vai procurá-las quando necessitar e lida diretamente com os problemas e dificuldades daquela região. Tem a proximidade no relacionamento que é muito importante também", diz o executivo.

Liberdade - Durante o período da pandemia, o Sicoob deu às cooperativas total liberdade para a criação de linhas de crédito próprias, que atendam melhor a cada comunidade. "O sistema bancário tradicional tem as suas diretorias concentradas em um único local, pensando estratégias para abranger, basicamente, o público dos grandes centros. No cooperativismo é diferente, porque o diretor da cooperativa é morador da região, sabe o que é necessário para que o produtor local consiga sair da crise".

Marca - No primeiro trimestre de 2020, o Sicoob atingiu a marca de 4,7 milhões de cooperados, um número 8,5% maior do que o registrado um ano antes. Além de ser consequência da oferta de produtos e serviços com taxas muito mais acessíveis do que os encontrados no sistema bancário tradicional, parte desse crescimento se deve à associação remota, via aplicativo Sicoob Faça Parte. A ferramenta possibilita a busca por uma cooperativa e a associação ao sistema na palma da mão.

Sobre o Sicoob - O Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil, Sicoob, possui 4,7 milhões de cooperados em todo o país e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. É composto por mais de 390 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e a Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação). Integram, ainda, o Sistema, o Banco Cooperativo do Brasil do Brasil (Bancoob) e suas subsidiárias (empresas/entidades de: meios eletrônicos de pagamento, consórcios, DTVM, seguradora e previdência) provedoras de produtos e serviços especializados para cooperativas financeiras. A rede Sicoob é a quarta maior entre as instituições financeiras que atuam no país, com mais de 3 mil pontos de atendimento. As cooperativas integrantes do Sistema oferecem aos cooperados serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras. Mais informações acesse: www.sicoob.com.br. (Imprensa Sicoob)

 

SICOOB METROPOLITANO: Agência de Campina da Lagoa distribui máscaras para a comunidade

sicoob metropolitano 30 06 2020É natural do cooperativismo o olhar para o todo e para todos. Por isso, neste momento de incertezas, o Sicoob Metropolitano tem colaborado para ajudar as comunidades onde está presente. Em Campina da Lagoa (PR), a agência da cooperativa se uniu à Associação Comercial e à Secretaria de Saúde em uma ação para confecção e distribuição de máscaras de proteção na cidade.

Cinco mil- Segundo a gerente da agência, Micheli Vieira, a ação distribuiu cerca de 5 mil máscaras, sendo que mil foram do Sicoob. “Fizemos também um trabalho para a orientar e conscientizar a comunidade sobre a importância do uso correto da máscara como medida de proteção contra a Covid-19", explicou.

Disponíveis - As máscaras que não foram entregues na ação, agora estão disponíveis nos postos de saúde da cidade para distribuição gratuita. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICREDI PARANAPANEMA: Após escolher investir em poupança, morador de Nova Fátima (PR) é premiado com R$ 5 mil

sicredi paranapanema 30 06 2020O período de pandemia estimulou os brasileiros a redescobrir a importância de fazer uma reserva financeira e escolher um dos investimentos mais tradicionais e seguros: a poupança. Para incentivar o hábito de poupar, o Sicredi está premiando associados nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, por meio da Promoção Poupar e Ganhar sem Parar. Após depositar na caderneta de poupança do Sicredi, Alessandro Bianco, morador de Nova Fátima (PR), foi contemplado pela campanha e recebeu R$ 5 mil.

Boa hora - O ganhador afirma que o prêmio chegou em uma boa hora e contribuirá para a realização de seus projetos. “Fiquei muito feliz com a notícia, não esperava, foi uma grande surpresa. O dinheiro chegou em uma hora muito boa, pois estou finalizando a reforma da minha casa e agora ficarei muito mais tranquilo”, comemora Alessandro.

Prêmios - Ao todo, a promoção distribui R$ 2,5 milhões em prêmios, o maior valor em cinco edições da campanha. A cada R$ 100 de incremento líquido na poupança do associado, um número da sorte será distribuído para concorrer à promoção. Se as aplicações forem na modalidade programada, quando há o débito programado mensal para conta poupança do associado, as chances de ganhar são em dobro.

Modalidade tradicional - “A poupança é a mais tradicional modalidade de investimentos do Brasil e no Sicredi, além de garantir a rentabilidade mensal, os nossos associados concorrem a muitos prêmios! Desde março a promoção está vigente e até dezembro são muitas chances de ser um ganhador. São cinco prêmios semanais de R$ 5 mil, um prêmio de R$ 500 mil em outubro e o grande prêmio final em dezembro de R$ 1 milhão! Seja o próximo ganhador, invista com a gente.”, comenta o Presidente da Sicredi Paranapanema PR/SP, Claudio Orsini, que teve o poupador sorteado.

Incremento - Em todo o Sistema Sicredi, a poupança registrou um incremento de mais de R$ 850 milhões em março, o maior desempenho dos últimos três anos na instituição financeira cooperativa, que está presente em mais de 22 estados e no Distrito Federal. Só na região dos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, houve um incremento de quase R$ 450 milhões no período.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Paranapanema PR/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

PNAD Contínua: Pela primeira vez, menos da metade das pessoas em idade de trabalhar está ocupada

pnad continua 30 06 2020O percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar chegou a 49,5% no trimestre encerrado em maio, queda de cinco pontos percentuais em relação ao trimestre até fevereiro. É mais baixo nível da ocupação desde o início da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), em 2012. Os dados da pesquisa foram divulgados nesta terça-feira (30/06) pelo IBGE.

Inédito - “Pela primeira vez na série histórica da pesquisa, o nível da ocupação ficou abaixo de 50%. Isso significa que menos da metade da população em idade de trabalhar está trabalhando. Isso nunca havia ocorrido na PNAD Contínua”, explica a analista da pesquisa, Adriana Beringuy. São 85,9 milhões de pessoas ocupadas.

Desocupação - A taxa de desocupação passou de 11,6%, no trimestre até fevereiro, para 12,9% no trimestre terminado em maio, atingindo 12,7 milhões de desempregados. São mais 368 mil pessoas à procura de trabalho em relação ao trimestre anterior. No mesmo período, 7,8 milhões de pessoas saíram da população ocupada, uma queda de 8,3%.

Informais - “É uma redução inédita na pesquisa e atinge principalmente os trabalhadores informais. Da queda de 7,8 milhões de pessoas ocupadas, 5,8 milhões eram informais”, destaca Beringuy.

Quem são - Os trabalhadores informais somam os profissionais sem carteira assinada (empregados do setor privado e trabalhadores domésticos), sem CNPJ (empregadores e por conta própria) e sem remuneração. O número de empregados no setor privado sem carteira assinada caiu 20,8%, significando 2,4 milhões a menos no mercado de trabalho. Já os trabalhadores por conta própria diminuíram em 8,4%, ou seja, 2,1 milhões de pessoas. Com isso, a taxa de informalidade caiu de 40,6% para 37,6%, a menor desde 2016, quando o indicador passou a ser produzido.

Queda - “Numericamente nós temos uma queda da informalidade, mas isso não necessariamente é um bom sinal. Significa que essas pessoas estão perdendo ocupação e não estão se inserindo em outro emprego. Estão ficando fora da força de trabalho”, analisa a pesquisadora.

Remuneração menor - Ela explica ainda que, com a redução no número de trabalhadores informais, grupo que geralmente ganha remunerações menores, o rendimento médio habitual teve aumento de 3,6%, chegando a R$ 2.460, o maior desde o início da série. Já a massa de rendimento real foi estimada em R$ 206,6 bilhões, uma queda de 5% frente ao trimestre anterior.

1,2 milhão de trabalhadores domésticos saíram do mercado de trabalho - O número de trabalhadores domésticos, estimado em 5 milhões de pessoas, teve uma queda de 18,9% em relação ao trimestre encerrado em fevereiro. São 1,2 milhão de trabalhadores a menos no mercado de trabalho. Já o contingente de empregados no setor privado com carteira assinada (sem contar os trabalhadores domésticos) teve uma queda de 7,5%, ou seja, menos 2,5 milhões de pessoas no mercado, totalizando 31,1 milhões e atingindo o menor nível da série.

Força de trabalho - Com essas reduções, o contingente na força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas) chegou a 98,6 milhões de pessoas, uma queda de 7,4 milhões (-7%) em relação ao trimestre encerrado em fevereiro.

Parte - “Uma parte importante da população fora da força é formada por pessoas que até gostariam de trabalhar, mas que não estão conseguindo se inserir no mercado, muito provavelmente em função do cenário econômico, das dificuldades em encontrar emprego, seja devido ao isolamento social, seja porque o consumo das famílias está baixo e as empresas também não estão contratando. Então esse mês de maio aprofunda tudo aquilo que a gente estava vendo em abril”, conclui Beringuy.

Comércio perde dois milhões de pessoas ocupadas O único grupamento de atividade que teve aumento em relação ao trimestre encerrado em fevereiro foi o de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, que cresceu 4,6% no período. Isso significa um aumento de 748 mil pessoas no setor.

Outros grupamentos - Entre os outros grupamentos de atividade, o que apresentou a maior queda em relação ao número de pessoas ocupadas foi o Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-11,1%), com menos 2 milhões de empregados. Já a Indústria perdeu 1,2 milhão de pessoas (-10,1%) e a Construção, 1,1 milhão (-16,4%). (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Roberto Parizotti / Fotos Públicas

 

NOVO CAGED: Maio registra saldo negativo de -331.901 postos de trabalho

novo caged 30 06 2020Dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) mostram que o mês de maio teve uma retração de -331.901 postos de trabalho no saldo de empregos com carteira assinada no país. No mês, houve 703.921 admissões e 1.035.822 desligamentos. Com o resultado, o acumulado do ano chegou a -1.144.875 postos formais de trabalho.

2019 - Em maio do ano passado, o saldo foi positivo, de 32.140, resultado de 1.347.304 contratações e 1.315.164 demissões. No acumulado dos primeiros cinco meses de 2019, houve 6.922.959 de admissões e 6.571.896 de desligamentos, o que resultou em 351.063 novas vagas de emprego com carteira assinada.

Admissões - O saldo negativo de maio foi influenciado especialmente pela queda nas admissões (-48% em relação a maio de 2019). No entanto, em relação ao mês de abril, verificou-se um aumento de 14% na quantidade de admissões. O crescimento das admissões em maio se deu em todos os setores de atividade, mas especialmente no setor da construção (+41,5%); agricultura (+28%) e comércio (+20,7). Em relação aos desligamentos, verificou uma redução de 31,9% em relação ao mês de abril. Essa redução se deu especialmente no setor do Comércio (-36%); Indústria (-33,7%) e Serviços (-33,1%).

Regiões - As cinco regiões do país tiveram saldo negativo em maio. Proporcionalmente, o pior resultado foi registrado no Sul, com redução de -1,10%, percentual equivalente a -78.667 postos de trabalho. No Sudeste, o resultado ficou em -180.466 vagas com carteira assinada (-0,92%). Depois, na sequência, vem Nordeste (-50.272 postos, -0,82%); Norte (-10.151 postos, -0,58%) e Centro-Oeste (-12.580 postos, -0,39%).

Mais contratações - Das 27 unidades da federação, apenas o Acre teve mais contratações do que demissões em maio. Foram 1.127 novas vagas com carteira assinada no mês. Entre os estados com piores resultados estão São Paulo (-103.985 postos, -0,88%); Rio de Janeiro (-35.959 postos, -1,15%); Minas Gerais (-33.695 postos, -0,84%); e Rio Grande do Sul (-32.106 postos, -1,31%).

Setores de atividade econômica - O grupamento de Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura apresentou resultado positivo no mês, com 15.993 novos postos de trabalho. No acumulado do ano, o setor chegou ao saldo positivo de 25.430 vagas de trabalho.

Outras - As outras atividades econômicas tiveram os seguintes resultados: Serviços (-143.479); Indústria geral (-96.912 postos); Comércio (-88.739 postos); e Construção (-18.758 postos).

Modernização trabalhista - A modalidade trabalho intermitente teve saldo positivo de 2.405 empregos, resultado de 9.617 admissões e 7.212 desligamentos envolvendo 1.937 estabelecimentos contratantes. Vinte e cinco empregados tiveram mais de um contrato dentro deste regime de contratação. O setor de Serviços teve o melhor resultado, com +1.188 novos postos de trabalho. A área é seguida pela Indústria geral (+606 postos), Construção (+474 postos), Comércio (+110 postos) e Agropecuária (+27 postos).

Tempo parcial - Com 5.772 admissões em regime de tempo parcial e 11.453 desligamentos, o trabalho em regime de tempo parcial teve resultado negativo: -5.681 empregos envolvendo 2.315 estabelecimentos contratantes. Um total de 28 empregados celebrou mais de um contrato em regime de tempo parcial.

Estoque - A quantidade total de vínculos com carteira assinada ativos ficou em 37.664.748, uma variação de -0.87% em relação ao estoque do mês anterior. Em maio de 2019, o número era de 38.761.491.

Salário - Para o conjunto do território nacional, o salário médio de admissão em maio foi de R$1.731,33. Comparado ao mês anterior, houve redução de R$ 78,75 no salário médio de admissão, uma variação real de -4,35%. (Ministério da Economia)

Acesse a apresentação Estatísticas Mensais do Emprego Formal 

 

 

IMPOSTO DE RENDA: Prazo para entrega da declaração termina nesta terça

imposto renda 30 06 2020O contribuinte que ainda não entregou a sua declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2020 tem até as 23h59min59s, desta terça-feira (30/06), para fazê-lo. Até as 18h desta segunda-feira (29/06), 27.904.579 pessoas haviam enviado o documento à Receita Federal.

Percentual - O total equivale a 87,2% dos 32 milhões de declarações esperadas para este ano. Inicialmente, o prazo acabaria no fim de abril, mas a data foi prorrogada por dois meses por causa da pandemia do novo coronavírus.

Mudanças - A Receita derrubou a exigência do número do recibo da declaração anterior e adiou o pagamento da primeira cota ou cota única para junho. Quanto às restituições, o cronograma dos lotes de pagamento, que começou em maio e acaba em setembro, está mantido.

Programa - O programa gerador da declaração está disponível no site da Receita Federal. Quem optar por dispositivos móveis, como tablets ou smartphones, pode baixar o aplicativo Meu Imposto de Renda nas lojas Google Play, para o sistema operacional Android, e App Store, para o sistema operacional iOS.

Obrigatória - A declaração do Imposto de Renda é obrigatória para quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 no ano passado, o equivalente a R$ 2.196,90 por mês, incluído o décimo terceiro. A multa por atraso de entrega é estipulada em 1% ao mês-calendário até 20%. O valor mínimo é R$ 165,74.

Novidades - As novidades para a entrega da declaração este ano estão disponíveis na página da Receita. Entre as principais mudanças, estão a antecipação no cronograma de restituição, cujo pagamento começou no fim de maio e terminará no fim de setembro, e o fim da dedução do INSS dos trabalhadores domésticos.

Pré-preenchida - Pela primeira vez, os contribuintes com certificação digital receberão a declaração pré-preenchida no programa gerador. Até agora, eles tinham de entrar no Centro Virtual de Atendimento da Receita (e-CAC), salvar o formulário pré-preenchido no computador e importar o arquivo para preencher a declaração. Neste ano, também está disponível a doação, diretamente na declaração, de até 3% do imposto devido para fundos de direito dos idosos.

Outros - Precisa ainda declarar o Imposto de Renda quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil; quem obteve, em qualquer mês de 2019, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito à incidência do imposto ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e de futuros.

Atividade rural - Quando se trata de atividade rural, é obrigado a declarar o contribuinte com renda bruta superior a R$ 142.798,50. Também deve preencher a declaração quem teve, em 31 de dezembro do ano passado, a posse ou propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, com valor total superior a R$ 300 mil. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

ECONOMIA: Contas públicas têm déficit recorde de R$ 126,6 bilhões

economia 30 06 2020As contas públicas fecharam o mês de maio com saldo negativo de R$ 126,6 bilhões, informou nesta segunda-feira (29/06), em Brasília, o Tesouro Nacional. O recorde no déficit primário, despesas maiores que as receitas, sem considerar no cálculo os gastos com juros, do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) é explicado pelos efeitos da pandemia de covid-19 na economia. Em maio de 2019, o déficit primário ficou em R$ 14,7 bilhões.

Redução da arrecadação - “O déficit de maio é explicado, principalmente, pela redução significativa na arrecadação, combinada com o aumento nas despesas do Poder Executivo decorrentes de medidas de combate à crise de covid-19, bem como da antecipação do pagamento do 13º de aposentados e pensionistas”, disse o Tesouro, em relatório.

Resultado primário - Acrescentou que, em relação a maio de 2019, o resultado primário no mês passado foi influenciado pela redução real (descontada a inflação) de 41,6% na receita líquida e pelo crescimento real de 68% na despesa total.

Receita líquida - A diminuição da receita líquida no mês decorre principalmente do adiamento do prazo para pagamento de tributos estimado de R$ 29,9 bilhões e pela redução de R$ 2,4 bilhões referente à diminuição do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) a zero em empréstimos. Esse imposto não será cobrado no período de abril a junho.

Despesas - No caso das despesas, o Tesouro destaca as medidas de combate à crise gerada pela covid-19, que somaram R$ 53,4 bilhões em maio. “Destaque para o auxílio emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade social (R$ 41,1 bilhões), o Benefício Especial de Manutenção do Emprego e Renda (R$ 6,5 bilhões) e as despesas adicionais do Ministério da Saúde e demais ministérios (R$ 4,4 bilhões)”, explicou o Tesouro.

Benefícios previdenciários - O órgão também destacou que os benefícios previdenciários tiveram crescimento de 54,2% em termos reais (R$ 26,2 bilhões) devido, principalmente, à antecipação do pagamento de 13º de aposentadorias e pensões.

Resultado acumulado - De janeiro a maio, o déficit primário chegou a R$ 222,5 bilhões, ante um déficit de R$ 17,5 bilhões no mesmo período de 2019. “Em termos reais, no acumulado até maio, a receita líquida anotou redução de 15,9%, enquanto a despesa cresceu 20,8%”, ressaltou o Tesouro.

Adiamento - Nesse período, o adiamento de pagamento de tributos é estimado em R$ 65 bilhões, enquanto a diminuição do IOF - Imposto Sobre Operações Financeiras - totalizou R$ 3,9 bilhões.

Gastos - Segundo o Tesouro, do lado da despesa, até maio de 2020, os gastos realizados com as medidas de combate à crise gerada pela covid-19 somaram R$ 113,8 bilhões, de um total de R$ 404,2 bilhões aprovados até o fim de junho.

Temporários - “É importante destacar que os programas de combate aos efeitos econômicos e sociais da covid-19 são temporários, com execução concentrada no trimestre de abril a junho”, finalizou o Tesouro. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

FUNCAFÉ: Contratos assinados com agentes financeiros para setor cafeeiro já somam R$ 2,65 bilhões

funcafe destaque 30 06 2020O Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) já assinou contratos com 14 dos 31 agentes financeiros habilitados a operacionalizar os recursos da safra 2020/2021.

Orçamento - Os recursos disponibilizados com esses bancos e cooperativas de crédito representam R$ 2,65 bilhões do total do orçamento de R$ 5,7 bilhões para a temporada. Foram destinados R$ 817 milhões para Custeio, R$1,54 bilhão para Comercialização (incluindo FAC), R$ 302 milhões para Capital de Giro e R$ 6 milhões para Recuperação de Cafezais.

Disponíveis - Os recursos contratados já estão disponíveis para desembolso aos agentes financeiros.

Resolução - A Resolução Bacen 4.827/2020 definiu as taxas de juros em 6% para Custeio, Comercialização, Financiamento para Aquisição de Café (FAC) para cooperativas e 7,5% para FAC para indústrias e Capital de Giro para operações contratadas a partir da próxima quarta-feira (1º de julho).

Apoio - “O governo federal vem mantendo empenho em garantir apoio ao setor cafeeiro, especialmente, nesse momento de pandemia, com todas as implicações financeiras e sociais, com o financiamento que reduzam essas dificuldades”, salienta o diretor de Comercialização e Abastecimento da Secretaria de Política Agrícola,Sílvio Farnese. (Mapa)

 

funcafe 30 06 2020

GRÃOS: USDA deve aumentar área de soja e reduzir de milho EUA; estoques podem ficar menores

Nesta terça-feira (30/06), dois novos boletins do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) serão divulgados, e carregam grande importância para o mercado. Um deles traz o reporte final da área plantada da safra 2020/21 do país, depois de condições excelentes para os trabalhos de campo, e o outro atualiza os estoques norte-americanos em 1º de junho de 2020.

Situação inversa - Ao se comparar com o mesmo período do ano passado, a situação é totalmente inversa. A safra anterior dos Estados Unidos registrou um dos piores anos da história da agricultura norte-americana, todavia, a recuperação veio este ano. Em contrapartida, a demanda pelos produtos dos EUA ainda sofre com a pouca participação da China dada a continuidade da guerra comercial entre os dois países.

Pandemia - Complementando a cena atual, há ainda todos os efeitos causados pela pandemia do novo coronavírus, os quais pesam diretamente sobre o consumo geral de commodities - agrícolas ou não - e pesam sobre estoques e preços.

Piores condições - "No ano passado, nesta mesma época, os produtores acabavam de experenciar as piores condições de plantio da história moderna dos EUA, o que causou grande alvoroço sobre as estimativas de plantio de milho, na época, em 37,11 milhões de hectares (91,7 milhões de acres), o que não deverá ser repetido este ano, já que as condições foram quase ideais, permitindo ao USDA muita margem para seus levantamentos desta vez", explica Todd Hultman, analista líder de grãos do portal norte-americano DTN The Progressive Farmer.

Área de plantio - Assim, a média das expectativas do mercado para a área plantada com milho nos EUA é de 38,53 milhões de hectares, em um intervalo de 38,04 a 38,85 milhões. No fim das contas, a área do cereal na safra 2019/20 foi de 36,3 milhões de hectares.

Soja - Para a soja, se espera algo entre 34,12 e 34,64 milhões de hectares, com média de 34,3 milhões. Há um ano, a área destinada à oleaginosa foi de 30,8 milhões de hectares apenas.

Trigo - As projeções para a área de trigo variam de 18,01 a 18,21 milhões de hectares, com média de 18,09 e contra os 18,28 milhões de 2019.

Março - Em 30 de março, o USDA trouxe projeções preliminares de área de plantio do milho em 39,25 milhões de acres, para a soja de 33,8 milhões e para o trigo, 18,07 milhões.

Estoques trimestrais - Os estoques trimestrais de soja em 1º de junho são esperados em 37,58 milhões de toneladas - média das expectativas, as quais variam entre 34,7 e 40,55 milhões de toneladas. Há um ano, esse número era de 48,53 milhões e em 1º de março de 2020, de 61,32 milhões de toneladas.

Expectativa - O mercado espera ainda, para o milho, algo entre 123,17 e 137,29 milhões de toneladas, com média de 126,75 milhões. Em março, os estoques estavam em 202,02 milhões de toneladas e em junho do ano passado, 132,14 milhões.

Volume - As expectativas para os estoques trimestrais de trigo variam entre 25,17 e 27,16 milhões de toneladas, com média de 26,64 milhões. Há um ano, o número era de 29,39 milhões e há três meses, de 38,43 milhões de toneladas.

Equilíbrio - "As estimativas do USDA de estoques de grãos em 1º de junho são um dos relatórios mais práticos que o USDA oferece, e é importante porque a contabilidade dos estoques nos fornece uma boa verificação e equilíbrio em relação a todas as premissas teóricas incorporadas nas estimativas dos relatórios mensais de oferta e demanda", explica Hultman.

Baixista - Entretanto, o analista norte-americano afirma ainda que notícias muito altistas para os preços não devem chegar deste relatório, uma vez que contabilizarão um período onde a demanda foi bastante afetada pela pandemia do coronavírus. "Qualquer surpresa que vier deste boletim deverá ser baixista", acredita. (Notícias Agrícolas)

CONGRESSO: Prorrogada MP que regulamenta benefícios e adia Lei de Proteção de Dados

congresso 30 06 2020O presidente da Mesa do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, prorrogou por mais 60 dias a medida provisória que regulamenta o pagamento dos benefícios emergenciais criados para preservar a renda de trabalhadores que tiveram salário reduzido ou contrato de trabalho suspenso devido à pandemia do coronavírus. A MP 959/2020 também adia a entrada em vigor da Lei Geral da Proteção dos Dados Pessoais (LGPD — Lei 13.709, de 2018), de agosto deste ano para maio de 2021. O ato que oficializa a prorrogação foi publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira (29/06).

Recursos - De acordo com a MP, os benefícios (criados por uma medida provisória anterior, a MP 936/2020, que instituiu o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e Renda) serão custeados com recursos do Orçamento da União. Pelo texto, caberá ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica Federal transferir os pagamentos para os bancos onde os trabalhadores beneficiados tenham conta bancária.

Beneficiários - Isso valerá tanto no caso do benefício emergencial de R$ 600 mensais para empregados com contrato de trabalho intermitente quanto nos pagamentos de parte da remuneração para trabalhadores que tiveram salário e jornada de trabalho reduzidos ou os contratos suspensos temporariamente, para que não fossem demitidos. Nos casos de perda de salário, as parcelas referentes ao benefício não têm valor definido, podendo variar de R$ 261,25 a R$ 1.813,03, segundo o percentual de redução acordado. Já os contratos suspensos preveem o pagamento de 100% do valor do seguro-desemprego.

Informação - Ainda conforme a MP, cada empresa deverá informar ao governo os dados das contas bancárias de seus empregados, desde que tenham a concordância deles.  No caso dos beneficiados que não tenham conta bancária, caberá ao Banco do Brasil ou à Caixa abrir uma conta digital automática específica em nome de cada um, onde os pagamentos serão feitos. Para a abertura dessas contas, será dispensada a apresentação de documentos por parte dos trabalhadores e não será cobrada tarifa de manutenção. Mas nesses casos os beneficiados deverão estar atentos, pois se os recursos não forem movimentados em 90 dias voltarão para o governo.

Análise - A MP aguarda análise nos Plenários da Câmara e do Senado, que devem seguir o rito sumário de tramitação das medidas provisórias definido pelo Congresso Nacional em virtude da situação de calamidade pública. (Agência Senado)

FOTO: Pedro França / Agência Senado

 

PL 1.888/2020: Projeto da deputada Leandre vira Lei e asilos receberão R$ 160 milhões durante pandemia

pl 30 06 2020As instituições de longa permanência de idosos (ILPIs) vão receber R$ 160 milhões do Governo Federal para realizar ações de prevenção e promoção da saúde durante a pandemia. O Projeto de Lei 1888/2020, de autoria da deputada Leandre Dal Ponte (PV-PR), foi sancionado pelo presidente da República e publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (30/06).

Beneficiados - “Serão milhões de pessoas idosas no Brasil beneficiados com este recurso. Pessoas que vivem em instituições de longa permanência, e que como bem sabemos estão entre os grupos de maior risco para a Covid-19”, observou a deputada Leandre.

Agradecimento - A autora do projeto também agradeceu a todas as pessoas envolvidas no processo. “O PL tramitou, rapidamente, na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Por isso, agradeço a todos os parlamentares da Câmara e do Senador envolvidos na aprovação, ao Secretário Nacional da Pessoa Idosa pelo apoio, e ao presidente da República, Jair Bolsonaro, por entender a necessidade das pessoas idosas”, completou.

Entidades - Milhares de entidades brasileiras serão beneficiadas. O Padre Sergio Algeri Filho, do Lar Dos Velhinhos Nossa Senhora Das Graças, do município de Palmas (PR), destacou a importância do projeto. “Com o sentimento de gratidão, corroboramos a necessidade do atendimento às ILPIs em nosso País, sobretudo nesse momento delicado de Pandemia decretada pela OMS. Nesse sentido, todos os esforços para o enfrentamento à Covid-19 são válidos, e sobretudo o Projeto de Lei de autoria da deputada, sem dúvida, prioritário nesse momento tão delicado, principalmente aos que se encontram em situação de asilamento, dada a vulnerabilidade destes por inúmeros fatores”, agradeceu.

Vetos - Parte do auxílio de R$ 160 milhões provém do descontingenciamento do Fundo Nacional da Pessoa Idosa. Pelo texto original, poderiam receber o recurso as instituições inscritas nos conselhos do Idoso ou de Assistência Social. Porém, o presidente vetou este trecho, ao sancionar a Lei, tirando a restrição das instituições beneficiadas. Outro ponto vetado pelo presidente foi a obrigação da prestação de contas da aplicação do recurso aos Conselhos e o prazo de 30 dias para o governo repassar a verba. A prestação de contas, de acordo com o Governo, será feita através de um Decreto. “Foram vetos pontuais, que em nada vão inviabilizar a execução do projeto de lei”, finalizou a deputada. (Assessoria de Imprensa da deputada federal Leandre Dal Ponte)

 

SAÚDE I: Brasil registra 692 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas

Com 692 novos óbitos, registrados nas últimas 24 horas, sobe para 58.314 o total de mortes em função da pandemia do novo coronavírus no Brasil. O número foi divulgado na atualização diária do Ministério da Saúde. O total representou um aumento de 1,2% em relação a domingo (28/06), quando o balanço marcou 57.622 falecimentos totais em decorrência da covid-19. Para se ter uma ideia do que o número representa, a soma é maior do que a capacidade de conhecidos estádios brasileiros, como Beira Rio e Arena do Grêmio, em Porto Alegre, e Arena Fonte Nova, em Salvador.

Casos confirmados - Ainda conforme o Ministério da Saúde, nas últimas 24 horas foram adicionadas às estatísticas mais 24.052 casos confirmados de covid-19. Com isso, o Brasil atinge 1.368.195 milhões de casos acumulados da doença.

Letalidade - A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 4,3%. A mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) atingiu 27,7. A incidência dos casos de covid-19 por 100 mil habitantes é de 651,1.

Observação - O balanço do Ministério da Saúde aponta 552.419 pacientes ainda em observação, enquanto o total de recuperados desde o início da pandemia totaliza 757.462.

Regiões mais afetadas pelo novo coronavírus - A região com mais óbitos por covid-19 é o Sudeste, com 26.807. É nela onde estão os dois estados com maior número de vítimas: São Paulo (14.398) e Rio de Janeiro (9.848). Em seguida vem a região Nordeste, com 18.923 vítimas da doença. Os estados nordestinos com mais vítimas são Ceará (6.076) e Pernambuco (4.782). (Agência Brasil)

saude I tabela 30 06 2020

SAÚDE II: Paraná chega a 600 mortes pelo coronavírus

saude II 30 06 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (29/06) 573 novas confirmações e mais 14 mortes pela infecção causada pelo novo coronavírus. O Paraná soma 21.089 casos e 600 mortos em decorrência da doença. No boletim desta segunda há dois ajustes de municípios de residência em casos já confirmados.

Internados - De acordo com o informe desta segunda, 820 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados – 665 ocupam leitos SUS (239 em UTI e 426 em leitos clínicos/enfermaria) e 155 em leitos da rede particular (58 em UTI e 97 em leitos clínicos/enfermaria).

Resultados - Há outros 755 pacientes internados, 393 em leitos UTI e 362 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 14 pacientes. Todos estavam internados. São cinco mulheres e nove homens, com idades que variam de 33 a 90 anos. Os óbitos ocorreram entre 23 e 29 de junho.

Residência - Os pacientes que faleceram residiam em Curitiba (5); Foz do Iguaçu (2); e uma morte foi registrada nos municípios de Cascavel, Itaguajé, Mandaguaçu, Maringá, Paranaguá, Presidente Castelo Branco e Sarandi.

Municípios - No Paraná, 350 cidades têm ao menos um caso confirmado de Covid-19. Tapira e Nova Esperança do Sudoeste registraram casos pela primeira vez. Em 135 municípios há óbitos pela doença.

Fora do Paraná- Segundo o monitoramento da secretaria, são 237 casos de pessoas que não moram no Estado. Destas, 13 foram a óbito.

Ajustes - Dois casos confirmados em 25 e 26 de junho em Pinhais foram transferidos para Piraquara. Um caso confirmado em 23 de junho em Maringá foi transferido para Sarandi.

Critérios - A Secretaria de Estado da Saúde reforça que os municípios têm critérios diferentes de confirmação de casos e, por isso, pode ocorrer divergência de número de pacientes. A pasta informa, ainda, que os dados são consolidados na gestão estadual, mas os municípios encaminham as informações para as regionais que repassam para o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Paraná (Cievs), na Sesa. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: Campanha de vacina contra a gripe termina nesta terça-feira

saude III 30 06 2020 A campanha de vacinação contra a gripe termina nesta terça-feira (30/06). Até o momento, o Paraná atingiu a cobertura de 85, 95% do público-alvo, segundo dados do Sistema Nacional do Programa de Imunizações.

Doses - A Secretaria da Saúde do Paraná distribuiu 4,3 milhões de doses da vacina contra a Influenza para os vários grupos elencados pelo Ministério da Saúde e, deste total, foram aplicadas cerca de 3,3 milhões.

Recomendação - “Recomendamos aos municípios que ainda têm doses, para que promovam, a partir de 1º de julho, quarta-feira, a vacinação de forma indiscriminada para toda a população, observando sempre as regras de vigilância e de proteção durante a pandemia da Covid-19”, afirmou o secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto. A orientação da Secretaria da Saúde foi encaminhada nesta segunda-feira (29/06), às 22 Regionais de Saúde.

Antecipada - Neste ano, a Campanha Nacional contra a Influenza foi antecipada em um mês. Teve início em março e logo nos primeiros dias houve uma corrida em busca da vacina, principalmente, pelos idosos, que registram mais de 100% de cobertura no Estado.

Público-alvo - Além das pessoas acima de 60 anos, os grupos de trabalhadores da saúde e de povos indígenas também apresentam índice de cobertura acima do preconizado pelo Ministério da Saúde, que é de 90% do público-alvo.

Outros grupos - No entanto, outros grupos como de crianças, gestantes, puérperas e adultos de 55 a 59 anos ainda não atingiram a meta. Crianças até o momento está 59,73%; gestantes em 56,80%; puérperas em e adultos de 55 a 59 anos em 51,74%.

Indicadores - Estes grupos são estabelecidos pelo Ministério da Saúde como indicadores para avaliação da cobertura vacinal da gripe. Mas além desses, também receberam a dose da vacina os grupos de trabalhadores das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas e condições clínicas especiais, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo, trabalhadores portuários, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, pessoas com deficiência e professores.

Importância - A Secretaria da Saúde reafirma a importância de a imunização contra a gripe neste momento de pandemia. “A vacina não protege contra o novo coronavírus, mas impede que pessoas dos grupos de risco tenham quadros mais fortes da infecção pelos vírus da Influenza, evitando assim que precisem de internamento em leitos hospitalares”, disse a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Secretaria Saúde, Maria Goretti David Lopes.

Fora dos postos e unidades de saúde - A Secretaria indica, desde o início da campanha, que os municípios realizem a vacinação extramuros, ou seja, em ambientes fora dos postos e unidade de saúde, como forma de proteção da população e também dos profissionais que atuam na área. “Para os municípios que ainda têm doses da vacina contra a Influenza, a orientação é para que realizem ações de imunização em ambientes amplos e arejados, como drive thru, por exemplo”, disse a diretora.

Saldo - “Enquanto houver saldo de vacinas a atividade deve seguir, mas alertamos que o registro das doses será consolidado pelo sistema nacional no dia 24 de julho”, complementou. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE IV: ANS inclui teste sorológico para Covid-19 no rol de coberturas obrigatórias

saude IV 30 06 2020A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) incluiu na lista de coberturas obrigatórias dos planos de saúde o teste sorológico para o novo Coronavírus. A decisão foi tomada na última quinta-feira (25/06), em reunião da Diretoria Colegiada, e passou a valer a partir desta segunda-feira (29/06). Os exames sorológicos - pesquisa de anticorpos IgA, IgG ou IgM (com Diretriz de Utilização) detectam a presença de anticorpos produzidos pelo organismo após exposição ao vírus.

Segmentos - O procedimento passa a ser de cobertura obrigatória para os planos de saúde nas segmentações ambulatorial, hospitalar (com ou sem obstetrícia) e referência, nos casos em que o paciente apresente ou tenha apresentado um dos quadros clínicos descritos a seguir:

- Síndrome Gripal: quadro respiratório agudo, caracterizado por sensação febril ou febre, acompanhada de tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória.

- Síndrome Respiratória Aguda Grave: desconforto respiratório/dificuldade para respirar ou pressão persistente no tórax ou saturação de oxigênio menor do que 95% em ar ambiente ou coloração azulada dos lábios ou rosto.

Amostras - O exame é feito com o uso de amostras de sangue, soro ou plasma e pode ser realizado por meio das técnicas de imunofluorescência, imunocromatografia, enzimaimunoensaio e quimioluminescência. Como a produção de anticorpos no organismo só ocorre depois de um período mínimo após a exposição ao vírus, esse tipo de teste é indicado a partir do oitavo dia de início dos sintomas.  

Uso profissional - O teste sorológico é de uso profissional e sua execução requer o cumprimento de protocolos e diretrizes técnicas de controle, rastreabilidade e registros das autoridades de saúde.

Decisão judicial - A inclusão desse teste no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde atende decisão judicial relativa à Ação Civil Pública nº 0810140-15.2020.4.05.8300. (ANS)

FOTO: Pixabay

Clique aqui e confira a publicação da Resolução Normativa nº 458.

 

ARTIGO: Fique por dentro sobre o investimento LCI

artigo 30 06 2020*Juliana Olivieri Refundini

A LCI é um título de renda fixa, que capta recursos para financiamentos do mercado imobiliário. Por estar relacionado a um dos setores que mais impulsiona a economia, o imobiliário, o governo federal concede a este tipo de investimento a isenção de Imposto de Renda, o que acaba sendo um dos grandes atrativos do produto. Lembrando que a isenção é somente para PF, para investimentos PJ o imposto de renda é cobrado normalmente com tabela regressiva de forma semelhante a um CDB ou RDC.

A isenção de IR para a LCI, agrega a ela uma vantagem frente a outros produtos de renda fixa, como Poupança, CDB e RDC. Isso porque sua rentabilidade líquida acaba sendo maior que a de outros produtos que possuem IR. Claro que por si só não será a isenção de IR que garantirá este quadro, e sim, a comparação e pesquisa que você deve fazer no momento de investir. Quando for comparar produtos de categorias diferentes, lembre-se de calcular qual será mais rentável no final!

A LCI é um produto que possui lastro, ou seja, possui uma garantia. Neste caso é a carteira de crédito imobiliário a qual ela está atrelada, pois como comentamos no início, a LCI é uma ferramenta de captação para o mercado imobiliário. Isso faz com que a disponibilidade de emissão da LCI seja limitada. Como assim? Imagine que um banco possui uma carteira de crédito imobiliário de R$ 1 milhão, então ele pode somente emitir LCIs até valor de lastro que ele possui, que neste exemplo é de R$ 1 milhão.

Os investimentos em LCI possui garantia do FGC - Fundo Garantidor de Crédito e do FGCoop – Fundo Garantidor do Cooperativismo, o que é mais uma segurança para o investidor. Por se tratar de um produto renda fixa, ele pode ser:

* Pré-fixado: possuindo uma rentabilidade fixa anual;

* Pós-fixado: tendo como remuneração um percentual do CDI. Ex: 90% do CDI;

* Híbrida: ser remunerada por um valor fixo mais um indexador. Ex: 3% a.a. + IPCA

Investir em LCI faz todo sentido para quem busca um uma opção para diversificação de carteira em renda fixa de curto e médio prazo, com baixo risco e diversas opções de rentabilidade. Como se trata de um produto que possui carências diversas que variam de acordo com a instituição, bem com como com a rentabilidade, quanto maior a carência, melhor a rentabilidade. Lembre-se, que em se tratando de produto que possui carência você deve observar bem se o recurso que está investindo neste produto não irá fazer falta para você neste período, e certifique-se que possui parte de seu fundo de emergência, já com liquidez!

Invista sempre com ponderação e diversificando sua carteira, por mais que você diga que possui pouco investimento, direcionar os recursos de melhor maneira vai de ajudar e aumentar sua carteira, não importa o tamanho dela.

Espero que tenha gostado e tenha conseguido esclarecer, mas se ainda ficou alguma dúvida pode enviá-la para faleconosco@uniprimebr.com.br, que respondemos diretamente a você.

*Juliana Olivieri Refundini é colaboradora Uniprime e profissional com Certificação CFP®.

 


Versão para impressão


RODAPE