Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4853 | 29 de Junho de 2020

Autogestão: Dental Uni recebe a 28ª Reunião Institucional Virtual do Sistema Ocepar

Ao longo de quase duas horas, a partir das 9h30, foi realizada nesta segunda-feira (29/06), a reunião institucional entre o Sistema Ocepar e a Cooperativa Dental Uni. Durante o encontro remoto, foi feita a apresentação da situação econômico-financeira da Dental Uni, por meio de indicadores e comparativos com outras cooperativas paranaenses do mesmo ramo e região. O acompanhamento do seu desempenho objetiva manter a qualidade da gestão, credibilidade perante terceiros, transparência perante o quadro social e, principalmente, a solidificação do sistema. Outros assuntos importantes ao cooperativismo também foram expostos durante a reunião, como intercooperação, ações internas de prevenção e combate à Covid-19, conjuntura econômica, e treinamentos e capacitações do Sescoop/PR.

 

Produtividade – Ao abrir a reunião, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, destacou a importância da conexão, mesmo virtual, com as cooperativas, tanto para traçar estratégias de ações durante a pandemia, bem como em ações de defesa dos interesses do cooperativismo, que acabam refletindo em benefício de toda a sociedade. “A modalidade virtual tem possibilitado a economia de muitas horas de viagem . E constatamos que a nova modalidade contribui para o aumento da produtividade das reuniões, a começar pelo número de participantes, tanto do Sistema Ocepar como das cooperativas. A interação é mais frequente, rápida e eficiente.”

 

Sintonia - Ricken enfatizou ainda que a sintonia com as cooperativas é importante, ressaltando que, por meio “das reuniões virtuais, é possível informar a todos sobre o que estamos fazendo em prol do setor cooperativo”, o que se evidencia pela agenda repleta de videoconferências e encontros com as entidades representativas dos segmentos produtivos, com autoridades dos governos estadual e federal, entre outros. E esclareceu que o propósito é manter o esforço e o apoio para garantir a produção, o abastecimento e o pleno funcionamento das atividades das cooperativas paranaenses neste momento delicado em decorrência da pandemia da Covid-19. “Mantemos uma sintonia constante em busca de alinhamento cada vez mais profissional com as cooperativas e com a OCB”, concluiu.

 

Resultados - Por sua vez, o presidente da Dental Uni, Luiz Humberto de Souza Daniel, disse que o bom desempenho da cooperativa, neste momento de crise imposto pela pandemia do coronavírus, reflete o trabalho sério e planejado de todos que integram a organização. “Com replanejamento, que é fundamental neste momento, e intercooperação é possível fazer frente à situação e continuar avançando”, acrescentou, ao destacar que, entre várias ações desenvolvidas, que a estratégia em investir em publicidade neste momento tem dado retorno para a Dental Uni. Por fim, agradeceu a presença “do staff máximo” do Sistema Ocepar na reunião, destacando que “o apoio que temos recebido tem feito muita diferença em nosso trabalho, pois temos aproveitado, ao máximo, os programas e projetos que nos são oferecidos”.

 

Presenças - Pelo Sistema Ocepar, além do presidente Ricken, participaram da reunião virtual, os superintendentes Robson Mafioletti e Leonardo Boesche, respectivamente da Ocepar e do Sescoop/PR, gerentes, coordenadores e técnicos. Pela Dental Uni, junto com o presidente Luiz Humberto, estiveram presentes o vice-presidente Paulo Henrique Cariani, conselheiros, supervisores e técnicos.

 

{vsig}2020/noticias/06/29/reuniao_institucional/{/vsig}

CRÉDITO: Sistema OCB atualiza cooperativas do ramo sobre andamento das demandas

Cenários e perspectivas frente à crise, o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop) e o Projeto de Lei Complementar 27 (que altera a LC 130/2009, que dispõe sobre o cooperativismo de crédito ) e outros projetos em tramitação no Congresso Nacional que afetam o Sistema Nacional do Cooperativismo de Crédito foram os temas da reunião virtual com representantes das cooperativas singulares de crédito não filiadas a sistemas verticalizados, ou seja, centrais. O encontro foi na última sexta-feira (26/06) e contou com a presença de cerca de 40 representantes de cooperativas de crédito independentes de várias regiões do Brasil. A reunião foi aberta pela gerente geral do Sistema OCB, Tânia Zanella, pelo superintendente do Sistema Ocepar, Robson Mafioletti, e pelo coordenador nacional do Ramo Crédito, Thiago Borba.

Alinhamento - A agenda de reuniões com as cooperativas desse segmento é promovida Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), por meio do Ceco (Conselho Especializado das Cooperativas de Crédito).  “É uma rotina que estabelecemos. É um momento em que informamos sobre os assuntos em discussão no Ceco e colhemos sugestões. No entanto, em função do momento que estamos vivendo, na pauta de hoje também falamos sobre o que a OCB vem fazendo em relação à representação institucional”, disse Tânia Zanella. Segundo ela, assim que a pandemia se instaurou, a OCB parou o que vinha fazendo e foi ouvir as unidades estaduais, conselhos e cooperativas. “Foi necessário agir com rapidez. Fizemos um replanejamento do nosso plano de trabalho. Recebemos mais de 80 demandas. Destas, já conseguimos encaminhar mais de 40. Nesse período, tivemos diversas reuniões, inclusive com o Banco Central. Com isso, conseguimos estabelecer uma comunicação mais efetiva e defender pontos que interessam às cooperativas, entregando valor a vocês, porque esta é a razão de existir do Sistema OCB”, disse.

{vsig}2020/noticias/06/29/credito/{/vsig}

COVID-19: Comitê de Acompanhamento divulga comunicado 64 com mais informações

covid 19 comite 29 06 2020Na manhã desta segunda-feira (29/06), o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou o comunicado 64, informando sobre as reuniões realizadas virtualmente para tratar de diversos temas de interesse do cooperativismo paranaense, como o compartilhamento de soluções em TI, as medidas tributárias de impacto no setor, entre outros. Veja abaixo.

1. O Sistema Ocepar realizou reunião virtual no dia 26 de junho com as cooperativas agropecuárias que aderiram ao projeto Compartilhamento de Soluções em TI, um desdobramento do PRC100.

2. No dia 26 de junho, o Conselho Fiscal do Sescoop/PR realizou remotamente reunião ordinária da gestão 2019-2022 para deliberar sobre os assuntos de acordo com a ordem do dia.

3. A Ocepar reuniu, de forma virtual, no dia 26 de junho, os representantes do Gaet – Grupo de Acompanhamento e Estudos Tributários para discutir medidas tributárias gerais de impacto no cooperativismo; decisões judiciais (tributário) de impacto no cooperativismo; realização dos créditos do ICMS – Siscred; solução de Consulta - Cosit 11; entre outros assuntos de interesse do cooperativismo paranaense.

4. No dia 26 de junho, o Sistema OCB realizou reunião virtual com os representantes das cooperativas singulares de crédito não filiadas a sistemas verticalizados, com participação da Ocepar e SNCC – Sistema Nacional de Crédito Cooperativo.

5. O Sistema OCB realizou reunião remota, no dia 26 de junho, com os superintendentes das Unidades Estaduais para tratar de assuntos de interesse comuns o cooperativismo em nível nacional e regional.

6. O Governo do Estado do Paraná, no dia 26 de junho, publicou o Boletim Semanal deacompanhamento dos impactos econômicos e sociais. Para acessar o Boletim completo, clique aqui.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

SESCOOP/PR: Conselho Fiscal volta a se reunir virtualmente

Pela segunda vez desde a adoção do trabalho remoto no Sistema Ocepar, em 20 de março, o Conselho Fiscal do Sescoop/PR voltou a se reunir em sessão virtual, na sexta-feira (26/06), a partir das 8h. Entre os temas em pauta estiveram o acompanhamento dos demonstrativos contábeis e financeiros e outras informações trimestrais publicadas no Portal da Transparência, os balancetes referentes ao período de 1 de janeiro a 31 de maio e a realização do orçamento. Os conselheiros também conheceram os principais normativos, resoluções e portarias publicadas pelo Sescoop/PR, examinaram os indicadores econômico-financeiros da entidade e os relatórios de auditoria interna, entre outros itens.

Participantes – A reunião contou com a participação dos conselheiros titulares Joel Makohin, Erik Bosch e Marcos Roberto Bueno Antunes; do presidente do Sescoop/PR, José Roberto Ricken; do superintendente Leonardo Boesche; da advogada do Sescoop/PR, Daniely Andressa da Silva; do advogado da Fecoopar, Graziel Pedrozo de Abreu; do gerente administrativo, José Ronkoski; da gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emilia Pereira Lima; do coordenador Administrativo Financeiro, Edson Luis Carvalho de Souza; do coordenador de Suprimentos e Operações, Marcelo B. Martins; e dos auditores internos, Tadeu Duda e Daniele Cristiane Radulski Reginatto.

{vsig}2020/noticias/06/29/sescoop_pr/{/vsig}

GETEC: Informe nº 30 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 29 06 2020A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (29/06), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2020, 2021 e 2022. A Getec também produziu o Informe mensal de junho, com o histórico das projeções do Banco Central.

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

Clique aqui para conferir o Informe Mensal de Junho

 

PESQUISA: Coops e o novo normal: tudo que você precisa saber

O ano de 2020 começou com uma lista grande de promessas e uma vontade enorme de cumprir todas. Mas, de repente, o mundo se viu num novo cenário e as cooperativas, assim como toda a humanidade, foram surpreendidas com a pandemia de Covid-19. Um evento que com toda certeza tem mexido e muito com a gestão interna e a execução de diversos processos.

Pesquisa - Parceiros do Sistema OCB na execução do projeto Inovacoop (que veio para auxiliar as coops nesse período), o pessoal do Coonecta (plataforma de atualização profissional, benchmarking e networking para gestores de cooperativas) realizou uma pesquisa que ganhou o título "O novo normal e as cooperativas". Um estudo para entender como essa nova realidade afetou as coops.

Entrevistas - Foram entrevistados 92 profissionais que trabalham em tempo integral ou parcial no cooperativismo, sejam eles associados ou profissionais contratados. E a pesquisa aponta que a transformação digital ganhou ainda mais relevância na gestão das cooperativas por conta da pandemia: 88% dos respondentes apontaram o tema com “alto grau de importância”.

Dificuldades - Em relação às dificuldades enfrentadas na gestão interna das cooperativas, 56,8% dos respondentes apontaram alta dificuldade em desenvolver novos produtos e serviços adequados à realidade pós-pandemia.

Caminho certo -Segundo a gerente-geral da Organização das Cooperativas Brasileiras, Tânia Zanella, a pesquisa confirma que o trabalho do Sistema OCB está no caminho certo. "O Inovacoop veio como uma resposta para as coops neste momento, e todo o material desenvolvido até aqui caminha de mãos dadas com os temas apontados no estudo. As prioridades apresentadas pelas coops estão nos ebooks que editamos, no próprio site do Inovacoop e também na plataforma de divulgação de produtos e serviços das cooperativas, o CooperaBrasil", comentou.

Relatório - Estes e outros temas estão detalhados no relatório da pesquisa. Confira! (OCB, com a colaboração de Coonecta.me)

 

DIA C I: Sábado que vem é dia de celebração

diac I 29 06 2020Está chegando a hora de celebrar o Dia C, o maior movimento de estímulo à realização de iniciativas transformadoras do país. No próximo dia 4 de julho, uma grande onda nacional de celebração, totalmente on-line, vai ocorrer no canal do SomosCoop, no Youtube. A transmissão ao vivo começa às 15h e vai até às 16h30, quando a banda mineira Skank fará uma live, com suas melhores músicas, para comemorar o resultado do compromisso das cooperativas brasileiras em lutar contra a covid-19 e seus efeitos negativos na vida das pessoas e das empresas.

Painel do Bem - Um dos pontos mais esperados da programação é o Painel do Bem, que apresentará 10 cooperativas (duas de cada região) que contarão um pouco das iniciativas em prol do combate aos efeitos da pandemia do novo coronavírus. São elas:

NORDESTE: Sicredi Aracaju (Sergipe) e Cooates (Pernambuco)

CENTRO-OESTE: Unimed Campo Grande (Mato Grosso do Sul) e Cooperforte (Distrito Federal)

SUDESTE: Sicoob Divicred (Minas Gerais) e Coopesg (Espírito Santo)

NORTE: Coapa (Tocantins) e Sicoob Credip (Rondônia)

SUL: Aurora (Santa Catarina) e Sicredi Região da Produção (Rio Grande do Sul)

Compromisso - Até sexta-feira (26/06), 733 cooperativas já haviam inscrito 1.662 iniciativas no sistema do Dia C. Desse total, 1.284 têm como foco reduzir tanto a propagação do novo coronavírus quanto os impactos negativos causados na vida das pessoas e empresas.

Força - “Esses números comprovam a força das atitudes simples, capazes de mover e de transformar o mundo. Também mostram o quanto as cooperativas brasileiras se empenham para contribuir com o país. Esse comprometimento com as comunidades certifica que as cooperativas, como sempre dissemos, não deixam ninguém para trás”, avalia o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas. (OCB)

 

DIA C II: No Paraná, celebração terá apresentações de talentos culturais das cooperativas

No dia 4 de julho, quando as cooperativas de diversas partes do mundo estarão comemorando o Dia Internacional do Cooperativismo, no Brasil a data será marcada também pela realização do Dia C – Dia de Cooperar. No Paraná, o Sistema Ocepar preparou uma programação especial, toda virtual, que será transmitida pela TV Paraná Cooperativo, das 13h às 15h. O palhaço Alípio vai comandar as apresentações culturais dos talentos das cooperativas paranaenses. Haverá ainda a participação do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do governador Ratinho Junior, do secretário estadual da Saúde, Beto Preto, e de lideranças cooperativistas. A partir das 15h, a TV Paraná Cooperativo passa a transmitir a live do Sistema OCB que terá, entre as atrações, o show da banda Skank, direto de Belo Horizonte, numa parceria com a Ocemg. 

Semana - A celebração do Dia C continua durante a Semana da Cooperação, de 4 a 10 de julho, com lives que serão transmitidas das 14h às 15h.

dia c ocepar I 29 06 2020

DIA C III: Unimed Curitiba promove live solidária em meio à pandemia

No dia 4 de julho, sábado, a partir das 19h, a Unimed Curitiba promove o Unimed Music Live, um show com bandas de médicos cooperados para arrecadar doações para os mais afetados pelo atual cenário de enfrentamento do novo coronavírus. Além de levar entretenimento às famílias isoladas, a ação também visa incentivar o cooperativismo e demonstrar a força das cooperativas paranaenses. A live acontece justamente no Dia de Cooperar (Dia C), data marcada por uma onda de solidariedade em todo o país, reforçando que são as atitudes simples movem e transformam o mundo.

Tesão Piá - O Unimed Music Live contará com a apresentação do grupo de humor Tesão Piá em seu canal no Youtube, que estimulará as doações, revertidas em cestas básicas, que serão destinadas à Associação Beneficente São Roque, Comunidade EMAÚS e Comunidade de Mãos Unidas.

Apresentações - Durante a live, serão exibidas as apresentações de quatro bandas formadas por médicos: Clotilde’s Band, Juvara Banda Show, Banda Mamutte e Los Los, a última conta com o diretor-presidente da Unimed Curitiba, Rached Hajar Traya, na bateria. Primando pela segurança e cumprindo todos os protocolos de segurança estabelecidos pelas entidades sanitárias, dois dos integrantes do Tesão Piá estarão ao vivo (Jéssica Medeiros e Cadu Scheffer) e dois entrarão por meio de vídeos previamente preparados (Luana Roloff e Fagner Zadra). Além disso, os shows das bandas com os médicos cooperados também serão gravados, cumprindo agenda de forma alternada durante o mês de junho.

Reflexão - “Mais que levar um momento de descontração, o Unimed Music Live busca promover uma reflexão sobre a importância do papel social da cooperativa e também estimular o protagonismo de cada pessoa nesse momento em que algumas estão passando necessidades agravada pela crise gerada pela Covid-19”, afirma o diretor-presidente da cooperativa. “Acredito que um dos legados dessa pandemia é justamente compreendermos que a saúde e o bem-estar de um é a saúde e o bem-estar de todos. Por isso, o nosso esforço deve ser pelo bem coletivo. E aqui, toda ajuda é muito bem-vinda”, finaliza.

Vídeo - Para chamar a atenção para o evento, a cooperativa divulgou um vídeo manifesto em que questiona: qual é o som de cuidar de alguém? Pode ser o riso de uma criança que aprende algo novo ou passos apressados para ajudar. Um dó menor, um amor maior. Um suspiro aliviado de quem se encontrou. Pode ser o “barulho” do silêncio, que não se ouve. Mas se sente. Alguns sons a gente já conhece. Outros, ainda estamos descobrindo. Porque nessa pandemia, muito mudou. E cuidar de desconhecidos, é cuidar de quem a gente ama. É isso que o Unimed Music Live vai fazer. No palco, bandas formadas por médicos. Na plateia, você. Programe-se e vamos juntos ajudar a arrecadar fundos para quem precisa. Venha ser um instrumento nessa sinfonia de cuidado com o outro. Criada pela Air Promo e toda campanha pela Bronx, a live convida o público a se divertir e ainda adotar uma nobre atitude, a de ajudar ao próximo.

Sobre as bandas médicas - Algumas são conhecidas das nostálgicas noites curitibanas e garantiram, inclusive, a formação de alguns dos seus integrantes. Outra, é formada apenas por ortopedistas que usam a música como recurso para o descanso da rotina intensa, e ainda tem uma banda que conta com o diretor-presidente da cooperativa na bateria. Para os curiosos, as respostas estarão na live.

Saiba mais sobre as instituições beneficiadas - A Associação Beneficente São Roque é uma organização que atua há 32 anos na promoção e garantia da convivência familiar e comunitária de pessoas em situação de vulnerabilidade social e risco, como também o atendimento aos direitos e interesses dos atingidos pela hanseníase e seus familiares. Já a Comunidade EMAÚS opera há 16 anos na recuperação de dependentes químicos do sexo masculino com idades entre 18 e 59 anos. E a Comunidade de Mãos Unidas é uma instituição que há mais de 23 anos atende famílias em situação de vulnerabilidade com campanhas, serviço de convivência e projetos para o desenvolvimento humano.

Como ajudar?- As doações, de qualquer valor, já podem ser feitas pelo site www.unimedcuritiba.com.br/unimedmusic.

Patrocinadores - A ação conta com patrocínio da Unimed Laboratório, Paraná Banco, Casa Fiesta e das empresas de vendas da Unimed Curitiba, com apoio da Unimed Paraná, Nissei e Medilar. (Imprensa Unimed Curitiba)

PROGRAME-SE:

Unimed Music Live            

Data: 04 de julho (sábado)

Horário: a partir das 19h

Link para acesso: https://www.youtube.com/user/tesaopia

Link para doações: www.unimedcuritiba.com.br/unimedmusic

dia c II 29 06 2020

DIA C IV: Coopavel e Credicoopavel captam duas toneladas em doações

dia c III 29 06 2020Duas toneladas em materiais de higiene, limpeza e também alimentos. Esse é o resultado da participação da Coopavel e da Credicoopavel na edição de 2020 do Dia de Cooperar. Caixas para a recepção de donativos foram instaladas em unidades da cooperativa e diretores e colaboradores, atentos à importância da ação, contribuíram.

Gesto de amor - “Estender a mão ao próximo é um gesto de amor e solidariedade que precisa ser incentivado e reconhecido. Em função da pandemia, o mundo e o Brasil vivem dias difíceis e toda campanha que busca ajudar o próximo é muito bem-vinda”, diz o presidente da Coopavel Dilvo Grolli.

Entidades - Os materiais conseguidos pelos parceiros foram enviados para um depósito da Cotriguaçu e, por meio da Unimed, quatro entidades serão alcançadas com a campanha – Cootacar, Caremel, Recanto da Criança e Albergue Noturno André Luiz. “Queremos agradecer a todos que abriram o seu coração e doaram. Tudo o que foi conseguido será muito bem aproveitado”, diz o gerente de Recursos Humanos da Coopavel Aguinel Marcondes Waclawovsky.

Tema - O tema da campanha do Dia C de 2020 é Atitudes simples mudam o mundo. O Dia de Cooperar é um evento tradicional que acontece em todo o País com organização da OCB (Organização das Cooperativas do Brasil). No Paraná, a realização conta com o apoio também da Ocepar. “A finalidade desse movimento é mostrar às pessoas o que é o cooperativismo, o que ele faz e suas contribuições à comunidade”, pontua Aguinel.

O cooperativismo - No Brasil há 6.828 cooperativas em atividade. O número de cooperados se aproxima de 15 milhões e o de empregados de 450 mil. O faturamento dessas cooperativas, juntas, em 2019 foi de R$ 260 bilhões. No Paraná, elas são 220 e têm dois milhões de cooperados. As cooperativas que atuam no Estado contam com mais de 101 mil colaboradores e faturaram no ano passado R$ 85 bilhões. (Imprensa Coopavel)

 

DIA C V: Transportando solidariedade

A igualdade une e o cooperativismo fortalece. Pensando nisso, no último dia 26 de junho, a Cooperativa de Transportes Rodoviários Autônomos de Cascavel (PR) - Coopertracvel realizou a entrega de 100 cestas básicas para famílias carentes do município. A campanha Transportando Solidariedade faz parte do Dia de Cooperar, realizado anualmente pelas cooperativas paranaenses filiadas ao Sistema Ocepar.

Objetivo - A ação tem como objetivo atender as necessidades das famílias que passam por um momento de instabilidade durante a crise causada pela Covid-19.

Dia de Cooperar - O Dia de Cooperar nasceu em 2009, com o intuito de desenvolver projetos de responsabilidade social, por meio de ações voluntárias, colocando em prática os valores e princípios cooperativistas. O Dia C completou 10 anos em 2019 e ocorre em todos os estados brasileiros. Em torno de 1,5 mil cooperativas beneficiam mais de 2 milhões de pessoas todos os anos, o que fez esse projeto se tornar um estímulo para iniciativas voluntárias transformadoras e ganhar destaque internacional.

Força do cooperativismo - Para a cooperativa, a força do cooperativismo pode fazer muito pelo país nesse momento. "Nós da Coopertracvel nos sentimos honrados em poder ajudar com as doações de cestas básicas. Nosso objetivo é tentar amenizar os problemas das famílias que sofrem com a pandemia direta e indiretamente", explica o presidente da cooperativa, Carlos Roberto da Costa.

Entrega - A entrega dos alimentos foi realizada pelo presidente da cooperativa no Programa Tempo Quente, na TV Tarobá, em Cascavel. "Nós resolvemos fazer essa entrega no programa Tempo Quente, pois sabemos do trabalho importante e sério que o Oziel Luiz faz na comunidade", explica Carlos Roberto. O apresentador Oziel Luiz, junto de sua equipe,possui um projeto em que realiza o cadastramento e a distribuição dos itens para famílias carentes do município e região.

Agradecimento - Na presença de demais membros da cooperativa, Costa agradeceu a ajuda e a parceria de todos os envolvidos no projeto. "Aproveito para agradecer a diretoria por ter permitido que fizéssemos essa ação e participássemos do Dia de Cooperar e a todos que nos ajudaram", finaliza. (Assessoria Coopertracvel)

{vsig}2020/noticias/06/29/dia_c_coopertracvel/{/vsig}

DIA C VI: Primato faz primeira entrega em ação do Dia de Cooperar

dia c IV 29 06 2020A Primato Cooperativa Agroindustrial fez a primeira entrega de alimentos e produtos de limpeza em alusão ao Dia de Cooperar (Dia C), uma iniciativa das cooperativas do país para promover e estimular a realização de ações voluntárias. Neste ano, também tem como objetivo específico dar visibilidade às ações de prevenção à Covid-19 e mostrar que, em seu conjunto, o cooperativismo consegue impactar positivamente milhões de pessoas.

Primato - A cooperativa está promovendo ações para o Dia C na rede de supermercados. “Este ano o Dia C está diferente como muitas outras ações que têm a necessidade de adaptação por conta da pandemia do novo coronavírus, por isso, na edição de 2020 estamos promovendo uma ação ligada a linha de alimentos Primato”, explicou o diretor executivo da Primato, Anderson Sabadin. “Na compra de produtos da marca Primato em nossos supermercados, iremos destinar 5% das vendas para doação às instituições sociais Fazenda da Esperança e Secretaria Municipal de Assistência Social em Toledo”, complementou.

Continuidade - A campanha continua nesta semana e a arrecadação vai ser destinada às instituições sociais selecionadas.

Lives - Outra ação é a participação nas Lives de músicos locais promovidas em Toledo. “A cada quatro cestas compradas na rede de supermercados durante a transmissão das Lives nas quais somos parceiros, a Primato doa uma cesta às instituições que recebem os recursos dessas transmissões. É uma forma de contribuir com a cultura e a sociedade onde a cooperativa está inserida”, disse o executivo.

Instituições sociais - A ação das Lives também continua e nesta semana a arrecadação vai ser destinada às instituições sociais. “A live feita pelo Rotary foram comercializadas 503 cestas, das quais 100 foram doadas pelo Primato Supermercado”, concluiu Sabadin.

Supermercados - A linha de alimentos Primato está disponível nas unidades da rede Primato Supermercado em Toledo e Vera Cruz do Oeste e também pelo site supermercado.primato.com.br, ou pelo aplicativo para smartaphones android https://bit.ly/3gMetfB e sistemas apple (IOS) https://apple.co/2U0JqDa . (Imprensa Primato)

 

PRIMATO: Pagamentos digitais nos supermercados e postos

primato 29 06 2020Com o objetivo de facilitar as formas de pagamento ao consumidor que a rede Primato Supermercado aceita as transações com os cartões de crédito e débito das principais bandeiras, vale alimentação mais utilizados, assim como convênios de empresas locais, tendo como novidade a abertura para pagamentos através do aplicativo Picpay.

Postos - Por sua vez, os postos de combustíveis disponibilizam o pagamento através do app Ame Digital com desconto no litro de combustível.

Picpay - Segundo o portal tecnoblog, Lançado em 2012, o PicPay é uma fintech, uma startup desenvolvida para otimizar soluções do setor financeiro ou para introduzir novas soluções. Ele é uma plataforma similar ao NuBank, mas diferente deste, o PicPay não funciona como um banco virtual, funciona como uma carteira eletrônica para transferir valores para contatos e fazer pagamentos em estabelecimentos credenciados (à vista ou parcelados). Não há cobrança de juros ou taxas para contas pessoais, mas limita-se o recebimento de valores em R$ 800 por mês. O usuário pode tanto manter sua conta no app vinculada a seu cartão de crédito, para fazer pagamentos ou alimentar a carteira com transferências de sua conta corrente.

Ame Digital - Ame Digital é uma conta digital para pagar compras feitas em lojas parceiras que, por sua vez, realizam cashback — sistema em que parte do valor volta para o cliente. O serviço também permite enviar e receber dinheiro facilmente entre contas Ame, o que pode ser feito por meio de QR Code. Ele não emite cartão de crédito nem opera como banco.

Vantagens - Segundo portal techtudo, as duas principais vantagens da plataforma são a praticidade em realizar as transações financeiras e o sistema de cashback. O Ame Digital também é grátis, o que significa que os clientes podem economizar com transações como TED e DOC ao enviar dinheiro para outros usuários do serviço.

Primato - “Em um processo de transformação digital um dos principais desafios, além de posicionar sua empresa ou marca no ambiente online, é disponibilizar para o consumidor formas de pagamentos que facilitem a tomada de decisão pela compra. Quanto mais plataformas disponibilizadas, maior é a comercialização e consequentemente, o aumento da demanda”, explicou o diretor executivo da Primato, Anderson Sabadin que complementou, “por isso ampliamos as formas de pagamento na rede de supermercados com o picpay e nos postos de combustíveis a parceria com o Ame Digital, que dá descontos no litro de combustível e o cashback no aplicativo. Mais uma etapa da transformação digital que a Primato vai passando e com isso, próximos de sermos uma marca omnichannel”.

Dúvidas - Cooperados e clientes podem tirar as dúvidas de como utilizar ambos aplicativos de pagamento na rede de supermercado ou nos postos de combustíveis. (Imprensa Primato)

 

AGRICULTURA FAMILIAR: Projeto-piloto quer estimular a contratação de seguro rural entre enquadrados no Pronaf

agricultura familiar 29 06 2020O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou na quinta-feira (25/06) a Resolução nº 75, do Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural, que aprova o projeto-piloto de subvenção ao prêmio do seguro rural para operações enquadradas no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), para as culturas de milho 1ª safra, soja, maçã e uva, no âmbito do Programa de Seguro Rural (PSR), em 2020.

Fomento - “O objetivo desse projeto é fomentar a contratação de seguro rural para esse público específico, que em muitos casos ainda não conhece como funciona esse mecanismo de mitigação de riscos. Para isso, vamos proporcionar condições diferenciadas no Programa. Além disso, o projeto também servirá para avaliar a capacidade das seguradoras de ofertar produtos compatíveis a esse perfil de produtor rural”, explica Pedro Loyola, diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Mapa.  

Participação - Para participar do projeto, o produtor rural deverá contratar uma apólice de seguro em uma das 14 seguradoras habilitadas no PSR, ao contratar o crédito rural na instituição financeira. Serão disponibilizados recursos de maneira escalonada entre os meses de julho e setembro.

Principais pontos - Pontos principais do projeto-piloto:

Orçamento: R$ 40 milhões (milho 1ª safra/soja) + R$ 10 milhões (maçã/uva).

Abrangência: nacional.

Atividades: milho 1ª safra, soja, maçã e uva.

Percentual de subvenção ao prêmio diferenciado (fixo): milho 1ª safra/soja (55%) e maçã/uva (60%)

Tipo de cobertura: multirrisco (milho 1ª safra/soja)

Nível mínimo de cobertura da produtividade esperada: 70% (milho 1ª safra/soja)

(Mapa)

FOTO: Hedeson Alves / AEN

 

FOCUS: Mercado financeiro prevê queda do PIB de 6,54% este ano

focus 29 06 2020A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano foi ajustada de 6,50% para 6,54%. A estimativa de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – está no boletim Focus, publicação divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Próximo ano - Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há cinco semanas. Em 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,50% do PIB.

Inflação - As instituições financeiras consultadas pelo BC ajustaram a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 1,61% para 1,63%. Para 2021, a estimativa de inflação permanece em 3%. A previsão para os anos seguintes - 2022 e 2023 - também não teve alterações: 3,50%.

Abaixo da meta - A projeção para 2020 está abaixo da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%.

2021 - Para 2021, a meta é 3,75% e para 2022, 3,50%, também com intervalo de 1,5 ponto percentual em cada ano.

Selic - Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 2,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Expectativa - Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2020 em 2% ao ano. Na semana passada, a previsão era 2,25% ao ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 3% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão é 5% ao ano e para o final de 2023, 6% ao ano.

Tendência - Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Entretanto, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Demanda aquecida - Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar - A previsão para a cotação do dólar permanece em R$ 5,20, ao final deste ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

CONJUNTURA: Boletim registra alta na venda de bens duráveis durante a pandemia no PR

conjuntura 29 06 2020As vendas de áudio, vídeo e eletrodomésticos apresentaram um salto de 14% no mês de maio. Produtos de informática, telefonia, linha branca (como geladeira e fogão), celulares, televisores, móveis e colchões também mostraram tendência positiva após a forte queda nas vendas nos meses de março e abril.

Boletim conjuntural - Os dados são do boletim conjuntural divulgado na quinta-feira (25/06) pelas secretarias da Fazenda e do Planejamento e Projetos Estruturantes. O trabalho mostra possível adaptação na forma de atendimento ao consumidor, e identifica que alguns bens duráveis podem ter experimentado aumento de demanda em razão da necessidade de isolamento social, movimento econômico que é limitado, à medida que as pessoas se sentem adaptadas à nova realidade.

Créditos - Um dos novos dados apurados no boletim conjuntural mostra que o Paraná chegou a um saldo de R$ 103,5 bilhões em créditos concedidos a pessoas jurídicas até o mês de abril. O montante aponta um acréscimo de quase R$ 10 bilhões em relação ao resultado de fevereiro.

Atacado - No período de 01 a 21 de junho de 2020, o comércio atacadista paranaense operou em um nível equivalente a 74% do patamar pré-pandemia, apresentando relativa estabilidade em relação a maio. As vendas no comércio varejista no Estado ao Paraná também apresentaram, desde maio, tendência de recuperação após as quedas nos primeiros meses da pandemia.

Notas - O Paraná registra 94% de empresas que emitem documentos fiscais (NF-e ou NFC-e) abertas até 19 de junho. Mesmo assim, o Estado já acumula R$ 1,6 bilhão em perdas de receitas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Fechados - No cenário específico do funcionamento das empresas, o boletim conjuntural aponta que 4 mil estabelecimentos que operam no Simples Nacional e 1,050 mil do Regime Normal ainda estavam fechados no dia 22 de junho. No auge das recomendações de isolamento social, entre o fim de março e o começo de abril, havia 37.700 empresas do Simples fechadas, assim como 6.300 do Regime Normal.

PIB - A projeção do PIB para 2020 mostra sinais de estabilização, uma vez que o valor para a semana atual é muito próximo das duas anteriores, com queda estimada de 6,50%, contra uma previsão de alta de 2,3% estimada para o ano antes do início da pandemia. A expectativa de momento é que haja resultado positivo agropecuária (2,23%) e redução significativa na indústria (-7,12%) e em serviços e comércio (-5,49%).

Resultados negativos - Segundo o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), embora as projeções do Banco Central indiquem que o segundo trimestre do ano será o mais afetado pela pandemia, o Paraná projeta resultados negativos já no terceiro trimestre (-10,1%) em relação à previsão inicial, e no quarto trimestre (-7,2%).

Acompanhamento - Apesar da recuperação inicial analisada pelo Ipardes, o boletim conjuntural aponta que é necessário acompanhar o novo cenário e comportamento das atividades econômicas, pois o PIB paranaense deve apresentar retração em todos os trimestres até o final ao ano.

ICMS - No mês de maio, houve queda de 776,5 milhões (29,9%), em comparação ao mesmo período de 2019. Em relação à Lei Orçamentária, a queda foi de R$ 433 milhões em abril e R$ 853 milhões em maio. A arrecadação de ICMS de abril apresentou melhor desempenho em comparação a maio porque está relacionada, em parte, às operações realizadas em março, que foram afetadas a partir da sua segunda quinzena.

Combustíveis - O setor de combustíveis, que tem a maior participação no ICMS, de 21,6% em 2020, representa a maior queda, de 60,8% em comparação a maio de 2019.

Queda na arrecadação - A queda na arrecadação de ICMS de março a maio, de R$ 1,380 bilhão somada à queda parcial de junho, de R$ 233,9 milhões. O auxílio financeiro de R$ 1,7 bilhão destinado ao Paraná pelo governo federal suportará até 23% das perdas no ICMS do Estado.

Regiões - Na macrorregião de saúde Leste (do Centro-Sul ao Litoral, passando por Curitiba, Campos Gerais e Região Metropolitana), o comércio varejista e a indústria de transformação, sem incluir a produção de alimentos, registraram evolução, passando a operar em 86,9% e 80,3%, respectivamente, em relação aos níveis anteriores à pandemia.

Noroeste - Na macrorregião Noroeste (região de Maringá e Umuarama), a indústria alimentícia e os comércios varejista e atacadista exibiram alta na comparação com o mesmo mês de maio, sendo destaque a manufatura de alimentos, com nível de operação muito próximo ao patamar observado antes da crise do coronavírus.

Norte - A indústria de transformação da macrorregião Norte (Londrina e região), excluindo a produção de alimentos, já opera em um nível igual ao verificado antes da Covid-19. O cenário reflete uma flexibilização no funcionamento, onde o comércio varejista e o ramo atacadista registram alta.

Oeste - O Oeste (Cascavel e Pato Branco) também apresentou alta no comércio varejista e nas atividades industriais. Já o comércio atacadista anotou considerável queda, passando a operar em 70% do nível pré-pandemia. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira  AQUI  o boletim semanal da conjuntura econômica.    

 

BRDE: Banco prorroga mais de R$ 1 bilhão em contratos no Paraná

brde 29 06 2020Bancos de todo o País processaram pedidos de renegociação de contratos de crédito, considerando a prorrogação por até 60 dias para amenizar os efeitos econômicos gerados pela crise do novo coronavírus. No Paraná, um dos destaques é o BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. O saldo dos contratos prorrogados representa mais de R$ 1 bilhão, sendo que os clientes só voltarão a fazer os pagamentos em outubro.

Força-tarefa - Logo no início da pandemia, o Banco criou uma força-tarefa para agilizar os atendimentos de novos pedidos e, também, analisar possibilidades de renegociação entre os contratos vigentes. No total, o Banco conseguiu enquadrar 1.445 contratos, o que representa mais de 800 clientes, com prioridade para os contratos com micro e pequenas empresas.

Prazo - “Demos um prazo para que os clientes manifestassem interesse na prorrogação e, depois disso, aqueles que não se manifestaram foram procurados pela nossa equipe. Ao final desta triagem, os clientes optaram pela prorrogação de 48% dos contratos”, detalha o diretor Administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira.

Ações - “Não tinha como ser diferente. Inovamos processos, digitalizamos as interfaces de comunicação com os clientes, diminuindo o prazo de resposta para eles, aumentamos os fundings com ajuda de fundos internacionais e fortalecemos a inovação de produtos do BRDE”, explica o diretor de Operações do Banco Wilson Bley Lipski.

Alternativas - “Estamos sensíveis a esse momento crítico e buscamos alternativas para ajudar os clientes que já tinham contratos vigentes conosco, por isso a importância em buscar novos fundings para atender aos pedidos que, desde início do ano, somaram mais de R$ 1,3 bilhão em liberações de crédito em todo Sul”, afirma.

Recupera Sul - Além disso, o BRDE também lançou, logo no início da pandemia, o Recupera Sul, um programa emergencial de crédito que visa a recuperação da economia na região Sul do País. No total, mais de R$1,3 bilhão foi liberado, possibilitando a retomada do crescimento econômico, com geração de renda e manutenção dos empregos.

Cenário nacional - Os cinco maiores bancos do país processaram mais de 2 milhões de pedidos de renegociação de contratos de crédito, segundo a Febraban – Federação Brasileira de Bancos, levando em conta o benefício de prorrogação por 60 dias, concedido para amenizar os efeitos econômicas da pandemia de Coronavírus.

Valores - Os valores dessas negociações chegam a R$ 200 bilhões, abrangendo várias linhas, como a de crédito pessoal, crédito imobiliário, crédito com garantia de imóveis, crédito para aquisição de veículos e capital de giro.

Levantamento - O levantamento informa, ainda, que os valores das negociações da Caixa, do Bradesco, do Banco do Brasil, do Itaú e do Santander, prorrogaram mais de 2 milhões de pedidos, o que representa mais de R$200 milhões em negociação. (Agência de Notícias do Paraná)

 

INFRAESTRUTURA: PR-323 vai ganhar novo trecho duplicado

infraestrutura 29 06 2020Uma obra para salvar vidas. É assim, do seu jeito modesto, que a dona de casa Cícera dos Reis explica a importância da duplicação da PR-323, entre Paiçandu e Doutor Camargo, no Noroeste do Paraná. Ela e a família moram no distrito de Água Boa, ponto movimentado que praticamente divide a rodovia entre as duas cidades.

Extensão - A intervenção na estrada tem uma extensão de 20,75 quilômetros, com investimento por parte do Governo do Estado de R$ 78,7 milhões. A previsão é que a obra esteja concluída em dezembro deste ano.

Esperança - A esperança da dona Cícera em um trânsito menos violento se concentra também em um viaduto que o distrito vai ganhar com a melhoria da rodovia.

Pacote completo - O pacote completo de obras no trecho contempla ainda outro viaduto, entre Água Boa e Doutor Camargo, uma trincheira, além de vias marginais em Paiçandu e também em Água Boa. “Muitas vidas foram tiradas por essa rodovia. Presenciei vários acidentes e muitas mortes. Por isso essa obra trará inúmeros benefícios. Vai ficar melhor em toda parte”, diz a dona de casa, ganhando o consentimento das irmãs e sobrinhos que acompanham a conversa.

Acidentes - De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual, de janeiro a maio de 2020 foram 79 acidentes e cinco mortes ao longo dos 207 quilômetros da PR-323.

Prioridade - Considerada uma das rodovias mais importantes do Paraná, a PR-323 faz a principal ligação entre as regiões Norte e Noroeste e passa por várias cidades do Estado. A rodovia suporta toda movimentação proveniente do polo têxtil paranaense, além de proporcionar ligação com o Mato Grosso do Sul e países do Mercosul.

Escoamento da produção - A duplicação, destaca o governador Carlos Massa Ratinho Junior, além de garantir mais segurança para os usuários da rodovia, vai agilizar também o escoamento da produção da Região Noroeste. “O Governo do Estado sempre tratou a modernização da PR-323 como prioridade. É uma artéria que escoa toda a produção do Noroeste do Estado e também de boa parte do Norte, de uma importância muito grande para a economia do Paraná”, afirmou o governador.

Continuidade - Ratinho Junior disse que o plano de duplicação da rodovia contempla mais um trecho, de 6,3 quilômetros de extensão, que vai de Doutor Camargo até aproximadamente um quilômetro antes da margem do Rio Ivaí. De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR) o projeto executivo já foi licitado. O custo estimado do investimento para a obra é de R$ 46 milhões.

Mais - Além da duplicação e outras melhorias, o projeto inclui implantação de intersecção em desnível, vias marginais, acostamentos e passeios. A obra faz parte do Programa Estratégico de Infraestrutura e Logística de Transportes do Paraná e conta com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). “São obras estruturantes que vão ajudar a consolidar o Paraná como um hub logístico da América do Sul”, ressalta o governador.

Vida - Prefeito de Paiçandu, Tarcísio Marques dos Reis classifica a série de melhorias na PR-323 como “veias abertas para a vida”. “Essa área que está sendo duplicada é uma das mais perigosas e complicadas da rodovia. Por isso trato como um grande resgate à vida. É o Governo do Estado auxiliando a região a ganhar vida, segurança e esperança”, afirma.

Anel da Integração - O secretário estadual da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, lembrou também que a PR-323 vai integrar o novo pacote de concessões de rodovias do Governo do Estado em parceria com a União.

Leilão - A expectativa é que o leilão possa ocorrer até o primeiro semestre de 2021, com a concessão valendo a partir de novembro do mesmo ano, quando vencem os atuais contratos.

Total - Com isso, o Paraná passará de 2,5 mil quilômetros de rodovias pedagiadas para 4,1 mil, dentro do novo Anel de Integração. “Mas antes disso a PR-323 será duplicada até o Rio Ivaí e vai ganhar terceiras faixas, ampliando a capacidade de escoamento da produção”, afirma o secretário. “Mais obras e mais empregos para os paranaenses, especialmente neste momento de crise econômica derivada da pandemia de coronavírus”, acrescenta.

Investimento - De acordo com o DER-PR, um investimento de R$ 3,2 milhões contemplará as melhorias ao longo de 63 quilômetros da rodovia – entre elas 45 quilômetros de terceiras faixas.

Comércio - Obras e empregos que são também a esperança do pequeno comerciante Deovanir Nico. Ele passa o dia em um ponto às margens da rodovia, em Paiçandu, vendendo uma variedade grande de frutas. “Com o movimento maior na estrada, espero que o meu movimento também melhore. Essa obra, tenho certeza, vai fazer toda a região ganhar”, afirma. “É um bem para a comunidade toda”, acrescenta o mecânico Antônio Francisco, ele mesmo um especialista em arrumar carro estragados por causa dos problemas da “antiga” PR- 323. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

LEGISLATIVO I: Senadores defendem prorrogar auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro

legislativo I 29 06 2020A possibilidade de o governo pagar mais três parcelas do auxílio emergencial com valores menores do que os atuais R$ 600, anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira (25/06), foi criticada por vários senadores. Os valores seriam de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, somando assim mais R$ 1.200, além das três parcelas de R$ 600 já previstas em lei (Lei 13.982, de 2020) aprovada pelo Congresso (PL 1.066/2020). Os parlamentares, no entanto, defendem a prorrogação do benefício sem redução do valor original até o final do ano ou enquanto durar a pandemia de coronavírus.

Questionamento - “Qual o sentido de regatear com o desespero dos mais vulneráveis, com essa nova proposta de redução escalonada do auxílio emergencial em três parcelas?”, questionou Jean-Paul Prates (PT-RN) em artigo publicado na imprensa nesta semana.  

PL - O senador é autor do Projeto de Lei (PL) 2.627/2020, que propõe o pagamento do auxílio enquanto durar o estado de calamidade pública, aprovado pelo Congresso Nacional até 31 de dezembro deste ano. “Quando aprovamos o auxílio emergencial, o prazo de três meses de vigência do auxílio já era muito curto diante das consequências econômicas que prevíamos para a pandemia”, destacou.

Propostas semelhantes - Outros senadores também apresentaram propostas semelhantes. O PL 3.426/2020, do senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), estende o pagamento do benefício até o final do ano mantendo o valor atual.

Ruas - “Não prorrogar o auxílio emergencial, e em R$ 600, significa empurrar milhões de brasileiros para as ruas e para a doença. A economia certamente não se beneficiará com mais medo e mais mortes. Nunca é demais lembrar que o auxílio emergencial mantém aquecido o comércio de bens e serviços básicos, e que parte do gasto volta ao Estado na forma de arrecadação”, ressaltou.

Seis meses - O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) apresentou projeto (PL 3.511/2020) que prorroga o auxílio emergencial por seis meses e define critérios para avaliação de recursos apresentados pelos requerentes em caso de indeferimento.

Requerimentos - “De forma que se garanta às famílias, no mínimo, nove meses de pagamento do auxílio emergencial de R$ 600,00. Ainda, estabelecemos prazo para avaliação dos requerimentos e de seus respectivos recursos e sublinhamos a obrigatoriedade de aceitação das informações declaradas pelos requerentes, em caso de inexistência de dados atualizados nas bases do governo federal para verificação dos requisitos de elegibilidade”, explicou.

Outras categorias - O PL 2.928/2020, da senadora Zenaide Maia (Pros-RN), estende o prazo e amplia o benefício para outras categorias de trabalhadores. “A prioridade é a gente salvar vidas. E não tem como salvar vidas sem um isolamento social. E as pessoas mais carente e vulneráveis desse país não vão fazer o isolamento social se não houver uma proteção a essa população por parte do Estado brasileiro”, defendeu.

Direito - Têm direito ao auxílio-emergencial os desempregados ou que exerçam atividade na condição de microempreendedores individuais (MEIs); contribuinte individual da Previdência Social; trabalhador informal; ou que pertença a família cuja renda mensal por pessoa não ultrapasse meio salário mínimo (R$ 522,50), ou cuja renda familiar total seja de até três salários mínimos (R$ 3.135,00).

Aprovação - O Congresso já havia aprovado projeto (PL 873/2020) que ampliava a concessão do auxílio emergencial outros grupos sociais e categorias profissionais. Porém, ao sancionar a nova lei (Lei 13.998, de 2020), o presidente Jair Bolsonaro vetou a maior parte dos dispositivos. Deputados e senadores ainda não apreciaram o veto a essa proposta (VET 13/2020).

Renda Mínima - Alguns senadores defendem ir além e começam a discutir a criação de um programa que garanta renda mínima permanente para os mais pobres. É o caso do líder do DEM, Rodrigo Pacheco (MG).

Social -“Depois disso tudo, dessa grande crise que nós estamos enfrentando em decorrência da pandemia, além de um grande projeto nacional de reestruturação do país sobre o regime de concessões, privatizações e investimentos em infraestrutura, nós vamos precisar pensar no social. Perenizar essa ajuda a uma camada social que vai ter sido muito atingida. Que me perdoem aqueles que pensam no Estado mínimo ou no Estado máximo, eu defendo o Estado necessário, presente na vida das pessoas”, declarou o senador nas redes sociais.

Apoio - O senador Paulo Paim (PT-RS) também apoia a ideia de que o governo adote, a partir do ano que vem, uma renda básica de cidadania que atinja todo o povo brasileiro.

Miséria - “Existem hoje 14 milhões de pessoas vivendo na extrema miséria no Brasil. Este é o quinto ano de aumento da miséria, o que traz implicações seríssimas para o país. Pesquisadores afirmam que o número de crianças pobres pode ficar ainda maior com a pandemia de covid-19, que tende a empurrar mais famílias para a pobreza”, destacou Paim em pronunciamento.

Transformação - O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) é outro a favor da transformação do auxílio em um programa permanente de renda mínima. Na opinião do senador, o benefício, que já foi pago para 59 milhões de brasileiros, traz retorno para a economia.

Pessoas - “Os investimentos do governo nas pessoas do setor produtivo, além de beneficiar milhões de pessoas e empresas, sempre retornam para a economia e para a União na forma de tributos ou no aumento do PIB [Produto Interno Bruto]”, disse. (Agência Senado)

FOTO: Barbara Batista / Agência Senado

 

LEGISLATIVO II: Câmara retomará na terça-feira votação da MP de ajuda a empresas

legislativo II 29 06 2020

O Plenário da Câmara dos Deputados vai retomar na terça-feira (30/06) a análise da Medida Provisória 944/20, que concede uma linha de crédito especial para pequenas e médias empresas pagarem sua folha de salários em meio à crise decorrente do coronavírus. A MP é o item único da primeira sessão de terça, marcada para as 13h55.  

Destaques - Os deputados votarão os destaques que podem modificar o projeto de lei de conversão do relator da medida provisória, deputado Zé Vitor (PL-MG). O texto foi aprovado na quinta-feira (25/06).  

Pontos - Entre outros pontos, o texto do relator autoriza os empréstimos para financiar salários e verbas trabalhistas por quatro meses. O texto original da MP previa o empréstimo para pagamento de salários por dois meses. 

Receita até R$ 50 milhões - O relator ampliou ainda os tipos de pessoas jurídicas que poderão ter acesso ao empréstimo subsidiado. Além de empresários, sociedades empresárias e sociedades cooperativas, exceto as de crédito, poderão recorrer a ele as sociedades simples, as organizações da sociedade civil e os empregadores rurais (pessoas físicas ou jurídicas). 

Receita bruta - Para pedir o empréstimo, o interessado deve ter obtido, em 2019, receita bruta anual superior a R$ 360 mil e igual ou inferior a R$ 50 milhões. O texto original fixava o limite superior em R$ 10 milhões. 

Operações - As operações de empréstimo poderão ocorrer até 31 de outubro de 2020, em vez de 30 de junho, como previa a MP original. 

BC - Segundo o Banco Central, cerca de 107 mil empresas contrataram esse empréstimo até o dia 22 em um valor global de R$ 4 bilhões, beneficiando cerca de 1,8 milhão de trabalhadores. A estimativa do governo era atingir 12 milhões de funcionários em 1,4 milhão de empresas. 

Pagamento direto - Se o empregador mantiver o pagamento da folha de salários na instituição financeira com a qual negociar o empréstimo, o pagamento aos funcionários deverá ser feito diretamente pela instituição.  

Depósito - De qualquer modo, o pagamento somente poderá ser feito com depósito em conta titular do trabalhador. Além disso, o contrato deverá especificar as obrigações, entre as quais a de não demitir, sem justa causa, os empregados durante o período da contratação e por até 60 dias após a liberação da última parcela da linha de crédito.  

Demissão - A proibição de demitir será na mesma proporção da folha de pagamento financiada. Assim, se o empregador optar por financiar o pagamento dos salários de metade dos funcionários, a proibição de demitir será restringida a esse pessoal.  

Finalidade - Além de ter de fornecer informações verdadeiras sobre sua folha de pagamento, o contratante não poderá usar os recursos para finalidade diferente do pagamento da folha ou de verbas trabalhistas. Se descumprir essas condições, o vencimento da dívida será considerado antecipado.  

Subsídio - Chamado de Programa Emergencial de Suporte a Empregos, o mecanismo funcionará com repasse de R$ 34 bilhões da União para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que será o agente financeiro do governo a título gratuito, ou seja, sem remuneração.  

Participação - O programa prevê a participação de instituições financeiras privadas na concessão do empréstimo, que entrarão com 15% dos recursos emprestados ao tomador final. Os outros 85% virão desse valor colocado no BNDES, que repassará aos bancos e receberá os reembolsos das parcelas ou cobranças, devolvendo os recursos à União.  

Pedido - O pedido de empréstimo poderá ser feito no valor equivalente a dois salários mínimos por empregado (R$ 2.090,00).  

Exigência - No entanto, o relator retirou a exigência de que, para ter acesso à linha de crédito, a empresa tivesse sua folha de pagamento processada por instituição financeira participante do programa.  

Taxa e prazo - A taxa de juros que deve ser praticada será de 3,75% ao ano, com prazo para pagar de 36 meses e carência, incluída nesse prazo, de seis meses para começar a pagar a primeira parcela. Durante a carência, os juros serão contabilizados e incorporados às parcelas.  

Políticas próprias - Para conceder o crédito, os bancos seguirão políticas próprias de concessão de empréstimo, podendo consultar sistemas de proteção ao crédito e registros de inadimplência referentes aos seis meses anteriores à contratação. No entanto, não poderão cobrar tarifas por saques ou pela transferência realizados pelos empregados entre sua conta salário e outras contas.  

Inadimplência - Já o risco de inadimplência e eventuais perdas financeiras serão suportados na mesma proporção da participação (15% de recurso privado e 85% de recurso público). 

Dispensa - Instituições financeiras privadas e públicas estaduais participantes serão dispensadas de exigir certidões ou seguir restrições para a concessão do empréstimo, como de regularidade com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e com a Previdência Social (Certidão Negativa de Débito – CND), regularidade eleitoral ou de pagamento do Imposto Territorial Rural (ITR). Não precisarão ainda consultar o Cadin, cadastro de restrição para contratos com o governo federal.  

Emendas rejeitadas - Na quinta-feira (25/06), foram rejeitadas quatro tentativas de alterar o texto do relator:

- emenda rejeitada da deputada Margarida Salomão (PT-MG) estendia a linha de crédito a empresas com receita bruta acima de R$ 81 mil, contemplando pequenas empresas, com possibilidade de financiar até quatro salários mínimos por trabalhador;

- emenda rejeitada do deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) previa a concessão da linha de crédito para empresas de alto crescimento com faturamento de R$ 10 milhões a R$ 100 milhões;

- emenda rejeitada da deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS) estendia o programa a micro e pequenas empresas e mantinha o limite de receita bruta das empresas beneficiárias em R$ 10 milhões;

- destaque rejeitado, do PT, pretendia estender a linha de crédito para todas as empresas com receita bruta, em 2019, inferior a R$ 50 milhões. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Maryanna Oliveira / Câmara dos Deputados

LEGISLATIVO II:

Câmara retomará na terça-feira votação da MP de ajuda a empresas

SAÚDE I: Brasil registra 552 óbitos e 30.476 novos casos da doença

O Ministério da Saúde divulgou neste domingo (28/06) novos números sobre a pandemia do novo coronavírus no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem 1.344.143 casos confirmados de Covid-19 acumulados e o total de 57.622 mortes. Os casos de pacientes recuperados somam 733.848.

Óbitos - Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 552 óbitos e 30.476 novos casos da doença.

Casos acumulados - A região Sudeste tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia, com 914.004 casos e 52.882 mortes. O Nordeste aparece em segundo com 902.152 casos 36.648 óbitos. Em seguida estão as regiões Norte (502.928 casos e 18.622 mortes), Centro-Oeste (170.996 casos e 3.122 mortes) e Sul (137.254 casos e 2.866 óbitos).

Acompanhamento - De acordo com o Ministério da Saúde, 3.824 mil casos estão em acompanhamento e 322 óbitos em investigação. (Agência Brasil)

saude I tabela 29 06 2020

 

SAÚDE II: Paraná chega a 20,5 mil casos de coronavírus e 586 mortes

saude II 29 06 2020O boletim divulgado neste domingo (28/06) pela secretaria estadual da Saúde confirma 918 novos casos de coronavírus de residentes no Paraná e mais 24 óbitos. O Estado chegou a 20.516 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 e 586 perderam a vida por conta da doença. Há ajustes de município de residência detalhados ao final do texto.

Internados - Neste domingo (28/06), 714 pacientes com Covid-19 estavam internados, 608 deles em leitos SUS (215 em UTI e 393 em leitos clínicos/enfermaria) e 106 em leitos da rede particular (39 em UTI e 67 em leitos clínicos/enfermaria).

Resultados - Há outros 814 pacientes internados, 409 em leitos UTI e 405 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 24 pacientes. Todos estavam internados. São dez mulheres e 14 homens com idades que variam de 41 a 96 anos. Os óbitos ocorreram entre 18 e 28 de junho.

Residência - Os pacientes que faleceram residiam em Cascavel (8); Curitiba (5); Londrina (2); outras cidades que registraram uma morte são Araruna, Balsa Nova, Colombo, Congonhinhas, Goioerê, Planalto, São José dos Pinhais, Três Barras do Paraná e Tupãssi.

Municípios - De acordo com o boletim deste domingo, 348 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado de Covid-19. Boa Esperança, Porto Vitória e São Jorge d'Oeste registram casos pela primeira vez. Em 132 municípios há óbitos em decorrência da doença.

Fora do Paraná - O monitoramento da secretaria soma 226 casos de coronavírus de pessoas que não moram no Estado. Destas, 13 morreram.

Alteração - Alteração de município:

- Um caso confirmado em 14 de junho em Guarapuava foi transferido para Curitiba.

- Um caso confirmado em 26 de junho em Almirante Tamandaré foi transferido para Cerro Azul.

- Um caso confirmado em 26 de junho em Adrianópolis foi transferido para Araucária.

- Um caso confirmado em 26 de junho em Balsa Nova foi transferido para Campo Largo.

- Um caso confirmado em 26 de junho em Rio Branco do Sul foi transferido para Cerro Azul.

- Um caso confirmado em 26 de junho em Rio Branco do Sul foi transferido para Itaperuçu.

(Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe completo

 

SAÚDE III: Casos globais de Covid-19 superam 10 milhões

saude III 29 06 2020Os casos globais de coronavírus ultrapassaram 10 milhões nesse domingo (28/06), uma importante marca na disseminação da doença respiratória que já matou mais de meio milhão de pessoas em sete meses. A contagem é da Reuters.

Dobro - O número representa cerca do dobro de casos de doenças por influenza severa registrados anualmente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Restrições - A marca é atingida no momento em que muitos países duramente afetados estão afrouxando as restrições, ao mesmo tempo em que fazem fortes alterações em relação a trabalho e à vida social, que podem durar ao menos um ano até que uma vacina esteja disponível.

Percentuais - A América do Norte, América Latina e Europa respondem, cada uma, por cerca de 25% dos casos, enquanto a Ásia e o Oriente Médio têm cerca de 11% e 9% respectivamente, de acordo com a contagem da Reuters, que usa relatórios governamentais.

Mortes - Há mais 497 mil mortes ligadas à doença até agora, o mesmo que o número de mortes por influenza relatado anualmente. (Reuters / Agência Brasil)

FOTO: Gerd Altmann / Pixabay

 


Versão para impressão


RODAPE