Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4843 | 15 de Junho de 2020

PR COOPERATIVO: Os planos das cooperativas do Paraná para fazer frente à Covid-19

pr cooperativo 15 06 2020Excepcionalmente, devido à pandemia da Covid-19, a edição da Revista Paraná Cooperativo circula de forma bimensal, referentre aos meses de maio e junho, e traz como matéria principal ampla cobertura das estratégias utilizadas pelo setor cooperativo, como a adoção de cuidados para se prevenir do contágio do novo coronavírus, ao mesmo tempo que mantém as atividades visando garantir o abastecimento de alimentos, de transporte e serviços de saúde e crédito. A atuação das organizações também é essencial no enfrentamento da doença e consequente redução de seus efeitos sobre a economia regional e nacional.

 

Cuidados – Em sua mensagem, o presidente o Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, enfatiza a determinação das cooperativas em cumprir os seus propósitos, cientes da responsabilidade que têm com o estado e o país, tão logo se instalou a pandemia da Covid-19. “Seguindo as orientações de organizações de saúde, houve adaptação dos sistemas de trabalho à ‘nova normalidade’ que o vírus impôs à toda população. A preocupação essencial é proteger nossos cooperados e funcionários, e seus familiares, buscando disseminar informação de qualidade, com transparência e seriedade, para fazer tudo que estiver ao alcance na prevenção à doença.”

 

Expectativa – Ricken destaca que o momento pede precaução, bom senso e expectativa positiva para o enfrentamento da doença e preparação para o dia de amanhã. “Vamos superar essa pandemia, como já vencemos tantos outros problemas que pareciam insolúveis. Para isso, é preciso deixar de lado desacordos, brigas políticas e bobagens que não trazem nada de positivo. No Paraná, felizmente, há um ambiente propício para o trabalho em conjunto. Temos que ter uma visão de cooperação, somar e multiplicar: não é mais a divisão entre eles ou nós, o rural ou urbano, o pequeno ou o grande. O que deve prevalecer é a união de forças pelo desenvolvimento regional”, exorta.

 

Entrevista – Em entrevista à Revista Paraná Cooperativo, o presidente da Unimed Paraná e Unimed Mercosul, e diretor da Ocepar, Paulo Roberto Fernandes Faria, destaca que os sistemas público e privado de saúde do Paraná estão preparados para atender a população, mesmo em caso de a curva de casos positivos da Covid-19 se acentuar. Mas alerta que o cuidado quanto à prevenção tem de ser seguido à risca por todos.

 

Clique aqui para conferir na íntegra desta edição da Revista PR Cooperativo

 

COVID-19 I: Medidas do BNDES e da Receita Federal para o setor de saúde são destaques do comunicado 54

covid 19 comite 15 06 2020As condições das linhas de crédito e financiamento para hospitais e clínicas de saúde divulgadas pelo BNDES e a publicação de uma Solução de Consulta da Receita Federal, que trata sobre os percentuais de presunção do lucro presumido para serviços hospitalares, estão entre os destaques do comunicado 54 do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar, emitido na tarde de sexta-feira (12/06). Veja abaixo todas as informações.

1. No dia 12 de junho, a Ocepar enviou o convite da reunião do dia 16/06 com o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, com os representantes do setor de frigoríficos, aos presidentes e profissionais das áreas de medicina e segurança do trabalho das cooperativas agropecuárias paraenses com unidades frigoríficas, para tratar sobre os protocolos de segurança e prevenção à Covid-19.

2. No dia 12 de junho, as equipes técnicas da Ocepar e OCB realizaram reunião para discutir e alinhar os temas estratégicos de interesse do cooperativismo em nível estadual e federal.

3. No dia 8 de junho, o BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, divulgou as condições das linhas de crédito e financiamento para hospitais e clínicas de saúde. O Banco revisou sua linha de crédito direto emergencial para o setor de saúde, com foco em instituições com faturamento acima de 300 milhões. Clique aqui para conferir o resumo das medidas emergenciais para o setor de saúde.

4. No dia 8 de junho, a Receita Federal do Brasil - RFB, publicou a Solução de Consulta DISIT/SRRF04 Nº 4014, que trata dos percentuais de presunção do lucro presumido para serviços hospitalares. Para acessar, clique aqui.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

COVID-19 II: Confira os destaques da área dedicada ao coronavírus no Portal PR Cooperativo

covid II 15 06 2020A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo atualiza toda sexta-feira as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira.

 

GETEC: Informe nº 28 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 15 06 2020A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (15/06), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2020, 2021 e 2022.

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

 

SISTEMA OCB: Cooperativismo na reforma tributária

sistema ocb 15 06 2020A Câmara dos Deputados e o Senado Federal tiveram que adaptar suas votações à uma nova realidade de sessões virtuais por conta do isolamento social, necessário ao combate à pandemia. As comissões temáticas, especiais e mistas foram interrompidas para que os esforços dos parlamentares se concentrem nas discussões dos projetos em plenário.

Medidas emergenciais - Assim, muitos projetos que já tramitavam nas duas Casas deram espaço para a votação de medidas emergenciais visando minimizar os impactos econômicos e sociais na vida dos brasileiros, resultantes da Covid-19. A Reforma Tributária, por exemplo, foi um dos temas que havia sido pausado, mas que devido a necessidade de discussão de uma readequação fiscal nesse contexto de pandemia, o debate está ganhando força novamente. O governo federal também voltou a se posicionar sobre a questão e informou que enviará seu posicionamento formal ao Congresso até o final do mês de agosto.

Acompanhamento - A OCB acompanha de perto todas as movimentações sobre o tema e demais projetos que possam impactar de alguma forma as cooperativas. Junto com os parlamentares da Frencoop, estamos atentos ao assunto com para que as especificidades do nosso setor sejam contempladas na Reforma Tributária.

Ministério da Economia - Na semana passada, estivemos com o Ministério da Economia reforçando os pontos importantes para o cooperativismo na proposta. É fundamental que sejam inseridos no novo regime tributário as peculiaridades do modelo societário das cooperativas. Além disso, destacamos a importância da manutenção de créditos nas operações da cooperativa nos casos de tributos não cumulativos.

Esclarecimento - Nosso trabalho é esclarecer a todos os parlamentares e ao governo federal a natureza jurídico-tributária diferente das cooperativas em relação às demais empresas enfatizando a necessária garantia da manutenção do adequado tratamento tributário ao ato cooperativo. Todos os atores importantes nesta discussão recebem um folder explicativo sobre a necessidade de se levar em consideração as especificidades das cooperativas na Reforma Tributária.

Reestruturação - Em resumo, a reestruturação do Sistema Tributário Nacional é ferramenta essencial para o desenvolvimento do país sem, contudo, aumentar os impostos dos contribuintes brasileiros.

Tramitação - A Reforma Tributária está sendo tratada por uma comissão mista que envolve deputados e senadores de diversos partidos e estados. O presidente da comissão é o senador Roberto Rocha (MA) e o relator do projeto é o deputado Aguinaldo Ribeiro (PB).

Data oficial - Ainda não há data oficial de retorno das atividades da comissão mista já que, em virtude da pandemia, não estão sendo realizadas reuniões presenciais. (Informe OCB)

FOTO: Reynaldo Stavale

 

DIA DO COOPERATIVISMO: Dia C terá celebração nacional e on-line

dia de cooperar 15 06 2020A construção de um hospital de campanha, a condução de um estudo sobre o plasma do sangue de pacientes curados da Covid-19, a doação de equipamentos de proteção como máscaras e de aparelhos como respiradores são exemplos de ações realizadas por cooperativas, de norte a sul do país, e que contribuem com a redução dos impactos causados pelo coronavírus. Numa grande onda de solidariedade, elas mostram que todo dia é Dia de Cooperar. E o nome disso é Dia C, uma grande corrente do bem, que ocorre ao longo de todo o ano para mostrar que as atitudes simples movem e transformam o mundo.

Iniciativas - Até agora, no sistema de registro dessas iniciativas, mais de mil ações já foram cadastradas por 462 cooperativas. Do total de inscrições, 74% estão focadas em reduzir os impactos da pandemia. “As nossas cooperativas realizam, há mais de 10 anos, uma série de ações para transformar a realidade onde estão inseridas, mostrando que, para cuidar das pessoas, basta começar. E, agora, com este cenário de coronavírus, isso se faz ainda mais necessário”, comenta o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Celebração - É por isso que no primeiro sábado de julho, junto com o Dia Internacional do Cooperativismo, as coops brasileiras celebram o comprometimento delas com a sociedade local. “Neste ano, por causa da pandemia, essa celebração tradicionalmente realizada em locais públicos será feita de forma digital. Essa também é mais uma ação do movimento cooperativista, já que estimula as pessoas a ficarem em casa, evitando, assim, aglomeração”, ressalta Márcio Freitas.

Essenciais - Além disso, vamos celebrar, ainda, o fato de as coops serem essenciais para ajudar o país a atravessar essa crise, pois elas não pararam. Por exemplo: as agro mantiveram a produção no campo para alimentar as cidades; as de transporte continuam levando e trazendo tudo o que é necessário para passarmos por este período; as educacionais estruturaram aulas de diversos conteúdos; as de crédito reduziram suas taxas para assegurar que pessoas físicas e jurídicas conseguissem honrar seus compromissos.

Programação - Por tudo isso, o movimento cooperativista vai celebrar durante um dia inteiro de programação exclusivamente feita nas redes sociais do Sistema OCB e suas unidades estaduais.

Várias partes - A celebração começa em várias partes do país, desde a manhã. E, a partir das 15h30 a programação é nacional, direta de um estúdio em Brasília, com transmissão ao vivo, nos nossos canais no YouTube, Facebook e Instagram.

Equipe reduzida - O trabalho será feito por uma equipe reduzida, a fim de garantir a segurança dos envolvidos – que seguirão todas as recomendações das autoridades de saúde. (Informe OCB)

PROGRAMAÇÃO

15h30: Abertura – com apresentação de cinco cases de coops

15h50: Apresentação humorística

16:20: Painel do bem – com apresentação de cinco cases de coops

16h40: papo com a banda Skank e encerramento

16h50: show do Skank ao vivo

SEGUE A GENTE

Facebook

https://www.facebook.com/somoscoop

https://www.facebook.com/sistemaocb

Instagram

https://www.instagram.com/somoscoop/

Youtube

https://www.youtube.com/sistemaocb?gl=BR

https://www.youtube.com/somoscoop

Saiba mais sobre o Dia C

http://diac.somoscooperativismo.coop.br/

Assista ao vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=7rTxNrLvKVI&t=3s

 

SICREDI FRONTEIRAS: Cooperativa realiza a entrega de mais de R$ 25 mil em EPIs

A Sicredi Fronteiras PR/SC/SP está, desde março, realizando dinâmicas de prevenção e combate à Covid-19. No 1º de junho, uma nova ação começou a ser efetuada. Com o auxílio dos Comitês Mulher e Jovem, a cooperativa iniciou a entrega de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para as Secretarias de Saúde pertencentes aos 57 municípios de sua área de atuação.

Itens - Foram mais de R$ 25 mil em EPIs, sendo alguns deles: álcool em gel 70%, avental cirúrgico, papel toalha, luvas de látex, touca, avental impermeável, gorro e etc.

Auxílio - Daiane Wesseler Alexandre, assessora de desenvolvimento do cooperativismo da Sicredi Fronteiras, afirma que a cooperativa objetiva auxiliar os associados, bem como a comunidade em geral neste momento atípico pelo qual estamos passando.

Preocupação - “Mais do que uma instituição financeira, nós somos uma organização que se preocupa com o social, o econômico, o educacional e o cultural. Promovemos práticas sustentáveis dentro e fora de nossas agências e queremos desta maneira que todos neste momento pensem no que é mais importante: a sua saúde e de seus familiares”, afirma Daiane.

Doação - A Sicredi Fronteiras também já realizou a doação de 60 mil máscaras reutilizáveis em comemoração ao aniversário de 30 anos da cooperativa. As máscaras estão disponíveis em todas as agências.

Dia internacional do Cooperativismo - Outra ação que foi desenvolvida pela cooperativa para auxiliar neste momento é a arrecadação de alimentos não perecíveis. Esta é uma campanha é alusiva ao Dia C, Dia de Cooperara, onde a Sicredi Fronteiras esteve, do dia 11 de maio até 10 de junho, com vários pontos de coleta localizados nos municípios onde atua.

Entidades - Estes alimentos serão doados para entidades e famílias em situação de vulnerabilidade social.

Foco - Lembrando que as agências, desde o início da pandemia, permanecem ao lado dos associados, com foco em operações que ainda não são possíveis de serem realizadas por outros canais de atendimento. O acesso se mantém de forma controlada, buscando minimizar aglomerações. Assim, as equipes estão atendendo em horário diferenciado, das 9h às 10h, idosos, aposentados e pensionistas e portadores de necessidades especiais e, das 10h às 14, os associados em geral.

Esperança - A cooperativa segue na esperança de que essa situação passe o mais breve possível para que todos possam retomar às atividades. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

 

SICREDI NOSSA TERRA: Live solidária será realizada em ação do Dia C

sicredi nossa terra 15 07 2020Como ação em referência ao Dia de Cooperar, “Dia C”, no dia 24 de junho, às 20h, no canal do Youtube da Cooperativa Sicredi Nossa Terra PR/SP, a presidente Maura Carrara realiza uma live – transmissão ao vivo – para incentivar a solidariedade através de arrecadações, que serão destinadas às entidades filantrópicas dos municípios de sua área de atuação. Durante o evento, Maura irá replicar o prato servido a inúmeras famílias fortemente impactadas pelo advento da pandemia do Covid-19. Também será exibida uma mensagem do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Programação - A ação coletiva compõe a programação do Dia C, que é tradicionalmente comemorado no 1º sábado do mês de julho de cada ano, e cujo objetivo é dar luz às práticas, aos valores e aos princípios do cooperativismo para o desenvolvimento social das cidades e comunidades onde as cooperativas estão inseridas.

Covid-19 - Este ano a campanha promovida pela Sicredi Nossa Terra visa arrecadar recursos financeiros e donativos para organizações sociais instaladas nos municípios da área de atuação, que assistem a pessoas em situação de vulnerabilidade social, sobretudo, as acometidas pelas consequências, diretas ou indiretas, da pandemia da Covid-19.

Início - A campanha iniciou em 18 de maio, por meio de um movimento envolvendo colaboradores, membros dos Comitês Jovem e Mulher, Delegados e Conselheiros da instituição, e vem se expandindo através das redes de contatos que esses cultivam, do âmbito pessoal ao profissional. Tanto os integrantes da sociedade civil quanto as organizações da iniciativa privada podem colaborar. A ação de arrecadação encerra em 04 de julho de 2020.

Doações - São aceitas doações de alimentos não perecíveis, itens de higiene pessoal e limpeza, cobertores e mantas, e/ou dinheiro. As doações físicas devem ser feitas diretamente nas agências da Cooperativa Siredi Nossa Terra PR/SP, sempre de segunda à sexta-feira, das 9h às 17h. Ou, então, via depósito em Conta Corrente, junto à agência 0731 do Banco 748, conta corrente nº 90.000-1, sob a titularidade de COOPERATIVA DE CREDITO, POUPANCA E INVESTIMENTO NOSSA TERRA – SICREDI NOSSA TERRA PR/SP, CNPJ 81.192.106/0001-36. (Com informações da Assessoria de Imprensa da Sicredi Nossa Terra PR/SP)

 

UNIPRIME: Consórcio já tem três contemplados

uniprime 15 06 2020Recentemente, a Uniprime Corretora de Seguros lançou a venda de consórcios nas agências Uniprime, uma alternativa ideal para cooperados que desejam flexibilização no pagamento e disciplina para economizar.

Contemplado - O médico Bruno Leal foi um dos contemplados do consórcio e vai utilizar a carta de crédito para adquirir um veículo para seu filho. Segundo ele, o valor atrativo foi a maior motivação do cooperado para aquisição da cota.

Objetivos comuns - De acordo com Olinda Ivamoto, gerente da Unidade Uniprime Corretora, “ao entrar para um consórcio, o cooperado se junta a um grupo de pessoas com objetivos comuns para aquisição de bens, móveis ou imóveis e serviços. Todos pagam pequenas parcelas mensais e a gestão fica a cargo de uma administradora especializada, que cuida da parte operacional e organiza os sorteios”.

Cooperativismo - Para Bruno Leal, a vantagem de optar por um produto da Uniprime também passa pelo cooperativismo. “Há um maior acolhimento pela gerência. Saber que você vai gerar lucros para si mesmo, é benefício claro”, comemora ele.

Mais - Quer saber mais sobre a venda de consórcios Uniprime? Fale com o seu gerente. (Imprensa Uniprime)

 

PRIMATO I: Infraestrutura e nutrição animal como diferenciais

primato I 15 06 2020Para desenvolver a pecuária de leite em alta performance é preciso que exista investimento em genética, nutrição animal e infraestrutura dentro da propriedade rural. Ao longo dos últimos anos, os pecuaristas que fizeram essa lição de casa estão em posição muito melhor daqueles que não o fizeram, sendo possível alcançar médias de produção maiores, melhor qualidade do leite, sanidade do plantel, além de uma gestão otimizada.

Resultados - A infraestrutura aplicada é um dos fatores que trazem esses resultados. O sistema compost barn, um grande espaço coberto com ventilação constante para o seu plantel e o confinamento dos animais trazem inúmeras vantagens para o pecuarista, que podem utilizar os espaços antes destinados à pastagem para outras atividades, como a agricultura.

Outro fator - A nutrição animal é outro fator primordial no desenvolvimento da produção leiteira, sendo um dos fatores que trazem as melhores médias de produção e a saúde dos animais.

Verê - Seguindo essa premissa temos o exemplo do cooperado Antoninho Douglas Pissaia, da Linha Plana Azul, no município de Verê (PR). “Nossa propriedade tem 150 hectares, sendo 90 destinados à agricultura. Na parte da pecuária de leite, reduzimos o tamanho da área por estarmos investindo em confinamento que será integrada na parte agrícola”, explicou Antoninho que complementou, “nosso plantel é de 120 animais, sendo 60 em lactação com uma média de 25 litros diário cada”.

Confinamento - Na propriedade, Pissaia apresentou a estrutura que está desenvolvendo para o confinamento de seu plantel. “Vamos fazer o confinamento de nosso plantel e reduzir a área de pastagem, agregando à agricultura. O investimento é alto, mas sabemos que hoje é preciso investir para se ter alta performance na atividade”.

Ração - O produtor relatou que utiliza a ração da Primato desde 2009, porém há quatro anos sem interrupções. “Utilizamos a ração da Primato desde que começou há mais de dez anos, mas em torno de cinco anos adotamos a Prima Raça 20% alta energia com excelentes resultados”, enalteceu Antoninho que complementou, “é uma das melhores rações que existem, a gente nota que os animais mesmo sem adaptação que entram não tem toxicidade alguma, uma baita ração e melhor, vem quentinha da indústria que é aqui na cidade de Verê”. Antoninho Douglas Pissaia

Cooperativa - A relação com a cooperativa é classificada como muito boa. “Nós entregamos o leite para a Primato e na questão da ração trabalhamos com o parceiro da cooperativa e posso garantir que é uma parceria muito boa, sempre que precisamos estão à disposição e eu brinco com o pessoal, enquanto estiver tudo certo, não tem porque mudar”. (Imprensa Primato)

 

PRIMATO II: Alta produtividade na pecuária leiteira

primato II 15 06 2020Para se ter um bom desempenho do rebanho leiteiro se faz necessário a adoção de boas práticas na atividade, como cuidados com higiene, nutrição animal, manejo adequado, treinamento dos funcionários, gestão na aplicação de medicamentos e controle de doenças, entre outros detalhes. As boas práticas na fazenda ajudam a evitar a mastite, uma doença causada pela inflamação das glândulas mamárias das vacas, que é um dos principais problemas que prejudicam a produção brasileira de leite.

Diferença - A dedicação e a experiência do produtor rural fazem a diferença nos resultados de produtividade, afinal, esta é uma atividade que não tem finais de semana e feriados, todos os dias é preciso fazer a ordenha do plantel em lactação. Investimentos em genética e infraestrutura se mostram necessárias para quem busca alta produtividade com um plantel enxuto, mas eficaz.

Enéas Marques - Um bom exemplo de otimização da propriedade e alta produtividade vem do cooperado Eliziario Pedroso, da Linha Rio Cachimbo no município de Enéas Marques, no sudoeste paranaense. “Em nossa propriedade temos ao todo 30 hectares exclusivamente para atividade leiteira. Contamos com um plantel de 115 animais, sendo 52 em lactação com uma média de 32,5 litros diários por animal”, explicou Eliziario.

Produtividade - Na propriedade, investimentos em infraestrutura e genética trouxeram bons resultados e fizeram as médias diárias aumentarem. “Otimizando a produção, investindo na estrutura para que os animais possam estar em ótimas condições, fizeram com que a nossa produtividade fosse maior sem aumentar os custos”, disse.

Experiência - Outro fator determinante, segundo o cooperado é a experiência na atividade. “São muitas décadas dedicadas à atividade leiteira, entre acertos e erros, a gente aprende e vai melhorando as condições da propriedade e da nossa vida”, enalteceu Eliziario que complementou, “sempre aprendendo, ouvindo os técnicos, as empresas com que somos parceiros, a cooperativa, isso faz a diferença e creio que isso reflete na produção”.

Cooperativa - Eliziario entrega o leite para a Primato há mais de um ano e se diz satisfeito com a relação com a cooperativa. “É uma relação tranquila e de parceria, de nos sentarmos, conversarmos, discutirmos e procurar ajustar o preço mais justo possível com a realidade de mercado, e isso vem acontecendo”, destacou o cooperado que concluiu, “e assim estamos conversando para ampliar a parceria em outras frentes como a agropecuária, afinal, o que queremos é contar com empresas sérias e que representem um interesse em comum. Produção de alimentos e um sistema ganha e ganha, e isso por hora está acontecendo com a Primato”. (Imprensa Primato)

 

BOM JESUS: Palestra online sobre meteorologia é realizada com Luiz Renato Lazinski

bom jesus 15 06 2020No dia 10 de junho, a Cooperativa Bom Jesus realizou uma live com Luiz Renato Lazinski, agrometeorologia que trabalhou 30 anos no Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). O evento teve participação de técnicos e cooperados da Bom Jesus e do diretor-secretário da cooperativa, Marcelo Luis Kosinski.

Cenários - Lazinski apresentou aos participantes os cenários da seca que atingiu a região nos últimos meses, além de perspectivas do clima para as safras de verão e inverno, como as tendências e o porquê se fala em La Niña por alguns veículos de mídia. Outro ponto abordado no evento foi o clima para a safra norte-americana.

Apoio - O evento teve apoio da Sancor Seguros. (Imprensa Bom Jesus)

 

CAFEICULTURA: Mulheres do Oeste do Paraná se unem para produzir café especial

Há cerca de três anos, um grupo de mulheres dos municípios de Jesuítas, Iracema do Oeste e Formosa do Oeste foram estimuladas e abraçaram o compromisso de reavivar a produção de café na região. Não qualquer café, mas um especial que fizesse a diferença nas mesas das pessoas.

Apoio - Para isso, contam com o apoio de técnicos do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná) e da Copacol. Em reuniões aprendem práticas para todas as fases da cultura, desde o cuidado com o solo e produção de muda até a comercialização, o que possibilita aumento da rentabilidade e aprimoramento da qualidade.

Estímulo - O estímulo foi dado pelo técnico do IDR-Paraná em Jesuítas, Roberto Natal Dal Molin. Segundo ele, os altos custos e as dificuldades com mão de obra são entraves para que a cafeicultura volte com a mesma força de outrora nas terras tomadas hoje por soja e milho. “Mas sempre acreditamos no potencial da região para produzir cafés diferenciados, com valor agregado”, disse.

Copacol - Em 2018, em contato com o Grupo Feminino da Copacol, o assunto ganhou força, motivado também pelo exemplo de grupos que se formavam no Paraná, como o Mulheres do Café do Norte Pioneiro. Um minilote de duas sacas foi trabalhado no mesmo ano na propriedade de uma das participantes e representou a região no concurso Café Qualidade Paraná ficando entre os 10 melhores.

Aprendizado - O grupo, de sete mulheres, foi incentivado a fazer plantios em suas propriedades e acompanhar o desenvolvimento. A produtora Adriana Maria de Oliveira, de Iracema do Oeste, é uma das que aderiram no projeto. Sua família tem experiência com o café, mas abandonou o cultivo em favor da soja. Segundo ela, o produto não era valorizado e a mão de obra, muito cara.

Mudas - Há um ano, parte do mesmo terreno recebeu duas mil mudas, com previsão de aumento. “Tem sido um aprendizado muito gostoso ver o café de outra maneira, dar valor para a cultura”, afirmou a produtora. “Antes a gente ia na cooperativa, entregava e ficava por isso mesmo, agora a gente está conhecendo a bebida, os tipos de bebidas especiais.”

Atrativo- Adriana tem três filhos, um deles não está mais na propriedade. “A gente está querendo que os outros dois fiquem”, disse. Para isso, acredita que o café será grande atrativo. “A gente está querendo que eles também tenham esse amor pelo café porque a gente foi criado no café, a gente sabe como é o café.”

Valor - De acordo com Dal Molin, o café especial, colhido seletivamente, possibilita importante adicional de ganho. Enquanto o produto beneficiado é vendido por cerca de R$ 7,00 o quilo, o selecionado encontra compradores dispostos a pagar até R$ 30,00.

Verticalização - Além da melhoria na produção e na qualidade, o grupo de cafeicultoras do Oeste já coloca em prática a verticalização da atividade, isto é, investe no beneficiamento. Elas aprendem a torra ideal e discutem a melhor forma de vender o produto. Até uma marca começou a ser construída: “Café na Lata, Mulheres do Café de Jesuítas.”

Fornecimento - Por meio de parceria, são elas as fornecedoras do café na Sicredi Nossa Terra. Mas outros pontos passarão a ser explorados, exigindo aumento na escala de produção que, este ano, está em cerca de 60 quilos por mês. O técnico do IDR-Paraná espera que seja mais um incentivo para o engajamento de novas cafeicultoras.

Concurso - Com o espírito do cooperativismo sempre presente, o grupo tem se reunido para a colheita seletiva do café que vai representar a região no Concurso Estadual Café Qualidade Paraná, com inscrições abertas até 2 de outubro. Depois, o lote será industrializado e oferecido aos apreciadores como um café exclusivo e limitado.

Unidade de referência - A propriedade que serve como unidade de referência para a escola pertence ao casal de produtores Celina e Gilberto de Oliveira. “Fomos para a roça, estamos colhendo o café cereja, bem vermelhinho, estamos secando de uma forma toda especial para ter uma bebida especial”, disse Adriana. “Tem sido muito gratificante.” (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Seab

{vsig}2020/noticias/06/15/cafeicultura/{/vsig}

POLÍTICA AGRÍCOLA: Governo reajusta preços mínimos das culturas de verão e produtos regionais

O Governo Federal reajustou os preços mínimos para as safras de verão, inclusive sementes, para a temporada 2020/2021 e dos produtos das regiões Norte e Nordeste da safra 2021. O reajuste médio foi de 8,24%. Os preços mínimos têm como base os custos variáveis de produção das lavouras. Outros indicadores de mercado também são considerados, como o custo variável médio da produção regional.

Produtos - Para o algodão, o percentual ficou em 7,57%, arroz longo fino (no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina) teve reajuste de 1,39%; feijão de cores alta, 1,37%; feijão preto, 9,6%; leite, 4,85%; soja, 4,55% e as correções para o milho variam de 4,12% para os estados que integram o Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) a 13,97% para o Norte e Nordeste. O reajuste do milho em Mato Grosso, maior estado produtor, alcançou 13,01%.

Regionais - Entre os produtos regionais que sofreram alteração nos valores estão sisal, borracha natural cultivada e juta malva.

Novos valores - Os novos valores foram publicados na Portaria nº 190, na sexta-feira (12/06). Os valores dos produtos da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) foram fixados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no último dia 29 de maio.

Receita - Os reajustes servem para garantir parte da receita do produtor, representando um seguro de preço a custo zero. O preço mínimo também ajuda o produtor a decidir sobre o plantio de cada safra agrícola, apoiando-o em caso de crise de preços no mercado, como explica Sílvio Farnese, diretor de Comercialização e Abastecimento da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Balizador - A medida também representa um balizador do volume de crédito em operações de financiamento para a condução da atividade. O preço mínimo é o valor de referência no mercado e não acarreta impacto nas contas públicas, pois os gastos orçamentários das operações do PGPM estão condicionados à disponibilidade orçamentária e financeira nas Operações Oficiais de Crédito.

PGPM - A Política de Garantia de Preços Mínimos é uma ferramenta para diminuir oscilações na renda dos produtores rurais, assegurar uma remuneração mínima e equilibrar a oferta de alimentos, incentivando ou desestimulando a produção e garantindo a regularidade do abastecimento nacional. (Mapa)

Clique nos links abaixo para conferir os valores:

Portaria 190

Anexo I

Anexto II

 

DEFESA AGROPECUÁRIA I: Publicado Guia de Boas Práticas Regulatórias para a área

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou na sexta-feira (12/06), no Diário Oficial da União, a Portaria nº 191 que aprova o Guia de Boas Práticas Regulatórias da Secretaria de Defesa Agropecuária.

Processo sistematizado - O objetivo é pautar a ação estatal em um processo sistematizado e transparente de produção de atos normativos, que facilite a participação e a compreensão geral acerca dos procedi­mentos prescritos. O manual incorpora diretrizes do governo federal voltadas para a desburocratização e a simplificação regulatória.

Fluxo - O Guia apresenta um fluxo composto por 12 etapas, que se sucedem e complementam: Iniciativa; Análise de Impacto Regulatório; Elaboração; Proposição e Anuência Prévia; Consulta Interna; Consulta Pública e Notificação Internacional; Audiência Pública; Análise do Comitê Permanente de Análise e Revisão de Atos Normativos (CPAR); Análise da Consultoria Jurídica do Mapa (Conjur); Assinatura; Publicação; e Implementação - Avaliação de Resultado Regulatório.

Observância obrigatória - A observância do Guia é obrigatória no âmbito da Secretaria de Defesa Agropecuária, mas a extensão de sua aplicação dependerá da complexidade do tema regulado, da urgência da ação estatal e da experiência acumulada.

Esforços - “O Guia de Boas Práticas Regulatórias faz parte dos esforços para aprimorar a qualidade da nossa produção normativa. Ele explica e detalha cada etapa do processo, sendo uma iniciativa complementar ao já conhecido Sistema de Monitoramento de Atos Normativos (Sisman)”, destaca o secretário de Defesa Agropecuária, José Guilherme Leal. (Mapa)

DEFESA AGROPECUÁRIA II: Atualização de rebanhos prossegue até 30 de novembro no Paraná

adapar 15 06 2020A Campanha de Atualização de Rebanhos, que substitui a vacinação contra a febre aftosa no Paraná, começou no dia 1º de maio e se estenderá por sete meses, até 30 de novembro. Normalmente, a campanha teria duas etapas, uma em maio e outra em novembro.

Pandemia - A alteração deve-se à pandemia do coronavírus, que mudou também a forma de atendimento da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), a fim de evitar aglomerações. A Portaria número 78, de 27 de abril de 2020, estabelece o novo período de forma excepcional. O cadastro é obrigatório com vistas a garantir a rastreabilidade e a sanidade de todo o rebanho paranaense.

Qualidade e sanidade - “A pandemia afeta diretamente a população, porque é uma situação de vida ou morte, mas também precisamos garantir a qualidade e a sanidade do rebanho paranaense, com vistas a conquistar o status de livre da aftosa sem vacinação, durante reunião da Organização Mundial da Saúde Animal, que acontece em maio do próximo ano, em Paris”, explica o presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins.

Preservação da saúde - Para o gerente de Saúde Animal da Adapar, Rafael Gonçalves Dias, a realização da campanha em uma única etapa este ano, tem como objetivo a preservação da saúde dos servidores e dos produtores rurais frente à Covid-19. “A atualização do rebanho é necessária e devemos fazer com calma e com todos os cuidados preconizados pelas autoridades de saúde pública”, afirmou.

On-line - A atualização de rebanhos deve ser realizada preferencialmente de forma on-line, por meio do site da Adapar. Nele, o produtor encontrará o banner Campanha de Atualização do Rebanho, que possibilita acesso ao sistema de comprovação. Ou pode clicar em www.produtor.adapar.pr.gov.br/comprovacaorebanho.

Presencial - O atendimento presencial nas Unidades da Adapar e instituições autorizadas só será feito quando cumpridas as orientações das autoridades sanitárias de saúde pública. Após 31 de outubro, a Guia de Trânsito Animal (GTA) somente será emitida acompanhada da atualização de todas as espécies animais existentes na propriedade.

Aftosa – O Paraná foi autorizado pelo governo federal a suspender a vacinação contra a febre aftosa de bovinos e búfalos em outubro de 2019, após a comprovação da boa qualidade do sistema de vigilância em saúde animal.

Substituição - Em substituição às campanhas de vacinação, que ocorriam desde 1965, foi implantada a Campanha de Atualização de Rebanhos por meio da Portaria número 332/2019, da Adapar. A atualização abrange todas as espécies de animais de produção, com penalidades previstas na legislação caso não seja feita, entre elas o pagamento de multa. (Adapar)

 

SEGURO RURAL: Divulgada a relação atualizada de produtores beneficiados no PSR

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou a relação de produtores beneficiados pelo Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) até maio. O começo do ano é caracterizado por contratações de culturas de inverno, com destaque para o milho de segunda safra e o trigo, mas também são disponibilizados recursos para todas as atividades aptas a receber subvenção como frutas, hortícolas, grãos, pecuária, florestas e aquícola.

Auxílio financeiro - O PSR tem como objetivo auxiliar financeiramente o produtor rural na aquisição de uma apólice de seguro para sua lavoura ou atividade, garantindo assim o pagamento das obrigações financeiras em caso de quebra de safra ocasionada por evento climático ou variação de preços. Pode participar do PSR qualquer produtor, pessoa física ou jurídica, que não esteja inadimplente com a União.

Relação - A relação de produtores beneficiados até o mês de maio está disponível no site do Ministério da Agricultura. No link, é possível selecionar o estado onde está localizada a propriedade rural e buscar o nome do segurado.

Mais - Mais informações sobre o seguro rural estão no Guia dos Seguros Rurais.

Como participar - Para ter acesso ao Programa, o produtor deve formalizar uma proposta de seguro rural, por intermédio de uma corretora de seguros ou instituição financeira, em uma das seguradoras habilitadas no programa - atualmente são 14 empresas. A subvenção ao prêmio varia entre 20% e 40%, dependendo da modalidade e do tipo de seguro rural contratado.

Validação - Em seguida, a seguradora envia a proposta ao Mapa para validação. A aprovação da proposta depende de alguns critérios como: limite financeiro disponível para o segurado - para cada CPF/CNPJ é limitado o valor de R$ 48 mil por ano na modalidade agrícola e R$ 24 mil nas demais modalidades (aquícola, florestas e pecuária); limite financeiro disponível para a cultura/atividade indicada na proposta - para cada grupo de culturas existe um valor limitado por ano, por exemplo, R$ 100 milhões para grãos de inverno, R$ 200 milhões para grãos de verão, R$ 50 milhões para frutas, R$ 5 milhões para pecuária, etc e regularidade no Cadin: o CPF/CNPJ não pode estar inadimplente com a União.

Aprovada - Caso a proposta seja aprovada, está garantida a subvenção federal. Caso contrário, a seguradora fica sabendo de imediato (via sistema) que a proposta foi reprovada e tem a obrigação de informar para a corretora de seguros ou instituição financeira essa situação.

Apólice - Uma vez aprovada a proposta, a seguradora emite a apólice do segurado e o Mapa transfere o respectivo valor da subvenção federal para a seguradora, de acordo com o prazo contratual estabelecido entre as partes (Mapa e empresa). (Mapa)

INFRAESTRUTURA: Porto de Paranaguá registra novo recorde mensal

infraestrutura 15 06 2020O Porto de Paranaguá voltou a registrar movimentação recorde em maio. Com 5,7 milhões de toneladas, o volume de importações e exportações foi 44% maior que o contabilizado no mesmo mês de 2019 (3,9 milhões). O porto paranaense já alcançou três meses seguidos de desempenho superior às marcas históricas anteriores.

Alta - Mesmo com a pandemia da Covid-19, a atividade portuária segue em alta, impulsionada pelo câmbio e pela demanda internacional. “O dólar alto favoreceu as vendas de grãos, principalmente de soja. Além disso, o tempo seco garantiu o embarque, que foi mantido graças às medidas de prevenção adotadas mesmo antes do início da crise”, explica Luiz Fernando Garcia, diretor-presidente da empresa Portos do Paraná.

Exportações - As exportações representaram 70% da movimentação de maio, chegando a 4 milhões de toneladas no mês. A soja, em grão e farelo, foi o principal produto embarcado: 2,7 milhões de toneladas.

Importações - Na importação, que somou 1,6 milhões de toneladas, o destaque de maio foi o adubo. Paranaguá, que é a principal porta de entrada de fertilizantes no País, registrou 878.442 toneladas

Caminhões - O fluxo de caminhões que chegam para descarregar soja, em grão e farelo, no Porto de Paranaguá começa a reduzir, mas ainda é grande. Em maio, foram 50.293 caminhões recebidos no Pátio de Triagem – 8,2 mil menos que em abril.

Modal - O modal representa, atualmente, cerca de 77% do transporte dos grãos de exportações. De janeiro a maio, foram 236.986 caminhões recebidos.

Ano - Em 2020, de janeiro a maio, os Portos do Paraná movimentaram quase 23,8 milhões de toneladas de cargas. O volume acumulado este ano é 21% maior que as 19,7 milhões de toneladas registradas no mesmo período de 2019.

Granéis sólidos - Neste ano, quase 67% do total movimentado foi de granéis sólidos – cerca de 15,88 milhões de toneladas. O segmento cresceu 27%, na comparação com os cinco primeiros meses do ano passado, quando houve movimentação de 12,5 milhões de toneladas.

Carga geral - O embarque e desembarque de carga geral também cresceu em 2020 – 4,8 milhões de toneladas, somando exportação e importação. O volume é 10% maior que o do mesmo período de 2019 (4,4 milhões).

Granéis líquidos - A movimentação de granéis líquidos subiu 9%, com 3 milhões de toneladas entre janeiro a maio deste ano, contra 2,8 milhões nos mesmos meses do ano anterior.

Saldo - No total movimentado em 2020, as exportações superam as importações em mais de 7 milhões de toneladas. Das movimentações, 65% (15,4 milhões de toneladas) saíram dos portos paranaenses com destino aos mercados internacionais. Já os produtos importados somaram 35% das operações (8,3 milhões de toneladas). (Agência de Notícias do Paraná)

Confira a tabela com os principais dados do período.

 

FOCUS: Mercado financeiro espera queda da Selic para 2,25% ao ano

focus 15 06 2020O mercado financeiro espera que a taxa básica de juros, a Selic, seja reduzida de 3% ao ano para 2,25% ao ano, na reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) do Banco Central (BC), marcada para esta terça e quarta-feira (16 e 17/06). Depois dessa redução, a expectativa é que não haja novas reduções da Selic neste ano.

Fim de 2021 - Para o final de 2021, a previsão é que a Selic esteja em 3% ao ano. Na semana passada, a estimativa era 3,5% ao ano. As projeções estão no boletim Focus, publicação divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), com estimativas para os principais indicadores econômicos.

Tendência - Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Queda do PIB - A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano chegou a 6,51%. Essa foi a 18ª revisão seguida para a estimativa de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Na semana passada, a previsão de queda estava em 6,48%.

Crescimento - Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há três semanas. Em 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,50% do PIB.

Inflação - Depois de cair por 13 semanas seguidas, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no boletim desta semana, subiu de 1,53% para 1,60%.

Mudança - Para 2021, a estimativa de inflação passou de 3,10% para 3%. A previsão para os anos seguintes - 2022 e 2023 - também não teve alterações: 3,50%.

Meta - A projeção para 2020 está abaixo da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%. Para 2021, a meta é 3,75% e para 2022, 3,50%, também com intervalo de 1,5 ponto percentual em cada ano.

Dólar - A previsão para a cotação do dólar passou de R$ 5,40 para R$ 5,20, ao final deste ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5, contra R$ 5,08 da semana passada. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

LEGISLATIVO I: Projeto dobra penas por crimes contra o meio ambiente

legislativo destaque 15 06 2020Projeto de lei em análise no Senado prevê a duplicação de penas para crimes ambientais cometidos durante a vigência de estado de emergência ou de calamidade. De acordo com o autor da proposta, senador Jaques Wagner (PT-BA), o PL 3.020/2020 é uma reação legal ao avanço do desmatamento e da destruição da fauna e da flora nas florestas brasileiras. O texto altera a Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605, de 1998). 

Justificativa - Na justificativa do projeto, Wagner cita a fala do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na reunião ministerial de 22 de abril, cuja gravação foi divulgada por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Salles afirmou que o momento atual é propício para “passar a boiada”, referindo-se a mudanças de regras e simplificação de normas, enquanto a imprensa estiver ocupada com a cobertura da pandemia de covid-19. 

Fragilidade - “Infelizmente, há aqueles que se aproveitam da fragilidade institucional motivada pela crise na saúde para praticar crimes contra o meio ambiente, avaliando que o risco de punição se torna menor. Não podemos tolerar que, diante de tanto sofrimento como o que vivemos com a presença entre nós do novo coronavírus, pessoas inescrupulosas se aproveitem dessa situação calamitosa para comprometer ainda mais nosso futuro climático ou para cometer qualquer crime ambiental".

Penalidades - Veja como ficam as penalidades previstas no projeto: 

legislativo quadro 15 06 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

(Agência Senado)

FOTO: Mayke Toscano/Secom-MT

 

LEGISLATIVO II: Câmara pode votar na terça MP que permite antecipação de férias para evitar demissões durante pandemia

legislativo II 15 06 2020O Plenário da Câmara dos Deputados pode votar, nesta terça-feira (16/06), a medida provisória que permite a antecipação de férias e feriados para evitar demissões. A MP 927/20 foi uma das primeiras editadas para dar alternativas aos empresários a fim de evitar demissões devido à retração econômica decorrente da pandemia de Covid-19.

Concessões - Além da antecipação de feriados e de férias, mesmo antes do período aquisitivo, a MP prevê a concessão de férias coletivas, o teletrabalho e banco de horas.

Contratos - De acordo com o texto, as iniciativas poderão ser aplicadas aos empregados contratados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aos contratos temporários urbanos, aos contratos do meio rural e, aos empregados domésticos, em relação a bancos de horas, férias e jornada.

Seguro obrigatório - Também em pauta está o Projeto de Lei Complementar 108/20, do Poder Executivo, que obriga a Seguradora Líder, consórcio ao qual cabe administrar o DPVAT, a repassar R$ 4,25 bilhões ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Indenização - O Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT) custeia as indenizações a vítimas de acidentes de trânsito.

Valor - O valor do repasse equivale ao acumulado em provisões técnicas que não estão comprometidas com o pagamento de indenizações ou de despesas administrativas da Líder.

Provisões técnicas - As provisões técnicas são uma conta que as seguradoras mantêm para cobrir os sinistros. Segundo o governo, a Líder encerrou 2019 com R$ 8,421 bilhões em provisões técnicas. Após descontar o montante necessário às indenizações e outras despesas, sobrariam R$ 4,250 bilhões.

Clubes e estudantes - Para os clubes de futebol, o Projeto de Lei 1013/20, do deputado Hélio Leite (DEM-PA), suspende o pagamento de dívidas durante o período de calamidade pública relacionada ao novo coronavírus.

Suspensos - Pela proposta, ficam suspensos parcelamentos de débitos de clubes junto à Receita Federal, à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e ao Banco Central, previstos no Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut).

Fies - Outra suspensão consta do Projeto de Lei 1079/20 e beneficia estudantes devedores do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), programa federal de financiamento de ensino superior em universidades privadas.

Autoria - O projeto é de autoria do deputado Denis Bezerra (PSB-CE) e foi alterado no Senado por meio de substitutivo que, entre outras mudanças, cria nova modalidade de parcelamento das dívidas. Serão quatro parcelas semestrais até 31 de dezembro de 2022 ou 24 parcelas mensais com redução de 60% dos encargos moratórios. O primeiro pagamento começa em 31 de março de 2021.

Sistema S - A quinta proposta pautada é a Medida Provisória 932/20, que reduz, nesse período de pandemia, as contribuições devidas pelas empresas para financiar o Sistema S. A MP determina o corte de 50% nos meses de abril, maio e junho e alcança as contribuições cobradas pelas seguintes entidades: Sescoop (setor de cooperativas), Sesi e Senai (indústria), Sesc e Senac (comércio), Sest e Senat (transporte) e Senar (rural).

Falta de acordo- Na última quarta-feira (11/06), a sessão do Plenário foi encerrada por falta de acordo em relação ao parecer do relator da MP, deputado Hugo Leal (PSD-RJ). Inicialmente, ele propôs que o corte de 50% das contribuições valesse apenas para abril e maio. Posteriormente, no entanto, Leal voltou a prever uma redução das contribuições no mês de junho, mas em percentual menor, de 25%. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Maryanna Oliveira / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Ministério disponibiliza nova plataforma para acompanhamento da Covid-19

saude 15 06 2020O Ministério da Saúde disponibilizou na sexta-feira (12/06) nova página para acompanhamento dos casos do novo coronavírus (Covid-19) em todo o país. Em destaque, estão o número de casos de pacientes recuperados e daqueles que estão em acompanhamento, além de gráficos que mostram a evolução de óbitos diários pela doença.

Acesso - Pela nova plataforma, o usuário tem acesso ao número de habitantes no país e ao número de mortes a cada 100 mil pessoas, fatores que são levados em conta pra avaliar o grau de contágio do novo coronavírus. A busca de casos por municípios também está disponível. A fonte dos dados são informações repassadas pelas secretarias estaduais de Saúde. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

SAÚDE II: Brasil acumula 867,6 mil casos do novo coronavírus

O Ministério da Saúde divulgou neste domingo (14/06) novos números sobre a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil acumula 867.624 casos confirmados da doença e 43.332 mortes foram registradas. Os casos recuperados somam 388.492.

24 horas - Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 17.110 novos casos e 612 mortes.

Estados - Entre a unidades da federação com o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia, o estado de São Paulo registrou 178.020 casos confirmados e 10.694 óbitos. Rio de Janeiro aparece na segunda posição com 79.572 casos e 7.672 mortes. Em seguida estão Ceará (76.748 casos e 4.861 mortes) e Pará (69.179 casos e 4.191 mortes).

Acompanhamento - De acordo com o Ministério da Saúde, 435.800 casos estão em acompanhamento e 3.981 mil óbitos, em investigação. (Agência Brasil)

 

saude II tabela 15 06 2020

SAÚDE III: Paraná ultrapassa os 9,5 mil casos e tem 326 mortos pela Covid-19

saude II 15 06 2020A Secretaria de Estado da Saúde, em informe epidemiológico emitido neste domingo (14/06), divulgou 350 novos diagnósticos e 14 óbitos pela infecção causada pelo novo coronavírus no Paraná. O acumulado é de 9.583 casos e 326 mortos em decorrência da doença.

Internados - Havia 419 pacientes com diagnóstico confirmado internados neste domingo (14/06), sendo 309 em leitos SUS (141 em UTI e 168 em leitos clínicos/enfermaria) e 110 em leitos da rede particular (40 em UTI e 70 em leitos clínicos/enfermaria).

Enfermaria - Há outros 760 pacientes em leitos UTI e enfermaria que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção.

Óbitos - Os 14 óbitos reportados no informe deste domingo são de pacientes que estavam internados. São duas mulheres e 12 homens, com idades que variam de 41 a 94 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 10 e 14 de junho.

Origem - Dos pacientes que faleceram, seis residiam em Londrina, dois em Curitiba e um em cada uma das cidades de Apucarana, Jaguapitã, Mallet, Mariópolis, Piraquara, São José dos Pinhais

Municípios - Em 302 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado da Covid-19. Turvo e Cruz Machado registram casos pela primeira vez, com uma confirmação em cada município. Em 107 cidades há óbitos pela doença.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 123 casos de residentes de fora. Oito pessoas foram a óbito.

Critérios diferentes - A Saúde reforça que os municípios têm critérios diferentes de confirmação de casos e por isso pode ocorrer divergência de número de pacientes. Também informa que os dados são consolidados na gestão estadual, mas os municípios encaminham as informações para as regionais que repassam para a Secretaria. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o  informe deste domingo

 


Versão para impressão


RODAPE