Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4838 | 05 de Junho de 2020

SISTEMA OCEPAR: Diretoria executiva realiza a segunda reunião virtual com os funcionários

sistema ocepar 05 06 2020Pela segunda vez, desde que foi adotado o trabalho remoto no Sistema Ocepar, no dia 20 de março, a diretoria executiva voltou a se reunir virtualmente com todos os funcionários da entidade, na manhã desta sexta-feira (05/06), com o propósito de compartilhar as informações sobre como está o andamento das atividades nesse período de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus. A videoconferência, com pouco mais de duas horas, foi realizada utilizando a ferramenta Microsoft Teams.

Condução – O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, coordenou as atividades, com apoio dos superintendentes da Ocepar, Robson Mafioletti, da Fecoopar, Nelson Costa, e do Sescoop/PR, Leonardo Boesche. “Queremos compartilhar informações e criar uma oportunidade de interação entre nós. Gostaria de agradecer o apoio e o empenho individual de cada um de vocês. Isso tem sido fundamental. Se tem algo que possamos nos orgulhar neste momento é o fato de estarmos conseguindo dar sequência ao nosso trabalho, e com qualidade”, afirmou. “Nós não paramos, pelo contrário, nós aceleramos e avançamos. Isso é o resultado da dedicação de vocês. E tenho certeza de que vamos sair mais fortalecidos dessa situação”, acrescentou.

Pauta – Em sua explanação, Ricken discorreu sobre seis pontos. Ele iniciou falando a respeito dos cuidados tomados pelo Sistema Ocepar para manter as equipes da entidade ativas durante o período de pandemia, seguindo os protocolos de segurança e saúde recomendados pelas autoridades de saúde e do governo. Também informou sobre os trabalhos desenvolvidos pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar e sobre as atividades de manutenção das ações da entidade em atendimento às demandas das cooperativas. Além disso, foram tratadas questões financeiras e apresentado o plano de retorno das atividades presenciais, cuja data ainda não foi definida e dependerá das recomendações que forem emitidas tanto pelos órgãos sanitários como de governo. Ricken finalizou tratando sobre as novas perspectivas para a prestação de serviços às cooperativas do Paraná.

Dia C – No encerramento da reunião, houve ainda a participação de representantes do Sescoop/PR, que apresentaram uma proposta de atividades relativas ao Dia C – Dia de Cooperar, iniciativa cujo objetivo é desenvolver ações de responsabilidade social, colocando em prática os valores e princípios cooperativistas, por meio de ações voluntárias. “A primeira novidade deste ano é que nós criamos uma nova hashtag #TodoDiaéDiadeCooperar. Porque o Dia C não é apenas um dia. As cooperativas, assim como nós, podemos realizar ações do Dia de Cooperar durante todo o ano. No Dia Internacional do Cooperativismo, celebrado sempre no primeiro sábado do mês de julho, neste ano dia 4, é o dia de celebrar tudo o que as cooperativas fizeram de forma voluntária. Nós comemoramos os resultados”, afirmou a analista Fabianne Ratzke que, juntamente com a gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira, forneceu detalhes sobre as ideias de ações para o Dia C em 2020, que envolverão as cooperativas e os funcionários do Sistema Ocepar. O Sescoop/PR irá organizar as equipes de trabalho para a execução da programação deste ano e, em breve, as informações serão divulgadas às cooperativas.

 

MEIO AMBIENTE: Cooperativas do PR investem em ações de preservação dos recursos naturais

meio ambiente 05 06 2020Nesta sexta-feira-feira (05/06) é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente. No Paraná, as cooperativas investem constantemente em ações destinadas à preservação dos recursos naturais e à sustentabilidade, como reflorestamento, recuperação de áreas degradadas, combate à poluição do ar, tratamento de efluentes, recolhimento de embalagens vazias de agroquímicos, melhoria da qualidade da água, projetos de geração de energia renovável,educação ambiental,entre outros.

Uso racional - “O uso racional dos recursos naturais recebe atenção crescente do cooperativismo paranaense e do segmento agropecuário, com auxílio importante das novas tecnologias de monitoramento, que conferem precisão científica aos dados de preservação, superando as discussões motivadas por questões ideológicas, que em geral se valem de informações superficiais”, afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Comemoração - O Dia Mundial do Meio Ambiente foi instituído pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) em 1972, na Conferência de Estocolmo, na Suécia, com objetivo de estimular atividades e a conscientização global em prol do meio ambiente, baseando-se em uma temática anual específica. No Brasil, o governo estabeleceu, por meio do Decreto Federal 86.028, de 27 de maio de 1981, que neste período em todo território nacional se promovesse a Semana Nacional do Meio Ambiente, com a finalidade de apoiar a participação da comunidade na preservação do patrimônio natural do País, o que este ano deve ser feito de forma diferente, devido à pandemia do novo coronavírus, em que a recomendação é evitar a aglomeração de pessoas.

 

COVID-19: Comitê de Acompanhamento emite comunicado 49 com novas informações

covid 19 comite 05 06 2020O Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou, na manhã desta sexta-feira (05/06), o comunicado 49 com mais informações, como a realização das reuniões institucionais do Programa de Autogestão com as cooperativas Credialiança e Coagro, nos dias 3 e 4 de junho, e a participação de representantes da entidade em debates promovidos pela prefeitura de Curitiba e Abitrigo, no dia 4 de junho. Veja abaixo:

1. Nos dias 3 e 4 de junho, o Sistema Ocepar realizou duas reuniões da Autogestão de forma virtual, com as cooperativas Credialiança e Coagro, contando com a participação do presidente, diretores e gestores.

2. No dia 4 de junho, o Governo do Estado do Paraná publicou o Boletim Semanal de acompanhamento dos impactos econômicos e sociais, 94% das empresas encerraram o mês de maio em atividade. Para acessar o Boletim completo, clique aqui.

3. No dia 4 de junho, o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, participou da reunião organizada pela Prefeitura Municipal de Curitiba para discutir sobre novas formas de comercialização de produtores alimentares e a redução da intermediação nos negócios.

4. No dia 4 de junho, o Gerente Técnico da Ocepar, Flávio Turra, participou da videoconferência organizada pela Abitrigo - Associação Brasileira da Indústria do Trigo para discutir a Política Nacional do Trigo e Safra 20/21.

5. No dia 1 de junho, o Governo Federal publicou a Medida Provisória nº 975, que prevê aporte da União em até R$ 20 bilhões em sua participação no Fundo Garantidor para Investimentos. O valor visa mitigar o risco de operações de crédito a pequenos e médios negócios (faturamento de R$ 360 mil a R$ 300 milhões), no âmbito do novo Programa Emergencial de Acesso a Crédito. Desta forma, cooperativas de crédito e demais instituições que oferecerem empréstimos no âmbito do programa terão seu risco de crédito garantidos direta ou indiretamente. Para acessar, clique aqui.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

COVID-19 II: Confira os destaques do espaço destinado ao coronavírus no Portal PR Cooperativo

covid II 05 06 2020A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo atualiza toda sexta-feira as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira

 

CNCOOP: Diretoria debate fortalecimento do sistema sindical

cncoop 05 06 2020O fortalecimento do Sistema Sindical Cooperativista e as estratégias de representação sindical foram debatidos na primeira reunião ordinária da nova diretoria da Confederação Nacional das Cooperativas (CNCoop). A videoconferência ocorreu nesta quinta-feira (04/06) e contou com a presença de todos os diretores.

Adequação - Segundo Márcio Lopes de Freitas, presidente do Sistema OCB, que integra a CNCoop, com o cenário de calamidade pública desde o início de ano, “é primordial a adequação da atuação sindical, em âmbito nacional, visando a integração das entidades da base da CNCoop, em prol de toda a categoria econômica das cooperativas”. Para o líder cooperativista, o momento exige união de esforços e sintonia entre todos os elos do Sistema Sindical Cooperativista.

Presença - A reunião virtual contou com a presença dos diretores Ronaldo Scucato (Fecoop Sulene), Celso Régis (Fecoop CO/TO), André Pacelli (Fecoop NE), Nelson Costa (Fecoopar), Edivaldo Del Grande (Fescoop/SP) e, ainda, do superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, da gerente geral da OCB, Tânia Zanella, e do corpo técnico da Confederação. (Informe OCB)

 

TRANSPORTE: Ramo debate pauta prioritária

transporte 05 06 2020Representantes de 14 estados participaram nesta quinta-feira (04/06), da reunião do Conselho Consultivo do Ramo Transporte, para debater piso mínimo de fretes, seminários do ramo, questões tributárias, dentre outros temas.

Pauta - O debate teve como pauta ordinária a validação dos pleitos do Ramo Transporte para a Consulta Pública 001/2020 da ANTT, que irá alterar a Resolução nº 5.867, que estabelece as regras gerais, a metodologia e os coeficientes dos pisos mínimos de frete.

Seminários regionais - Como item ordinário da reunião, os conselheiros ainda validaram a realização de seminários regionais com as cooperativas de transporte, para discussão dos principais temas de interesse do setor.

Ações - A encontro (virtual) contou ainda com o reporte de ações que o Sistema OCB vem executando para mitigar problemas ou buscar esclarecimentos em relação a temas específicos do transporte como o RNTRC Digital, que foi debatido em reunião com o diretor geral da ANTT, Marcelo Vinaud Prado. (Informe OCB)

 

ALEGRA: Durante escassez, empresas buscam estratégias na gestão hídrica

alegra 05 06 2020Em meio a uma situação de emergência hídrica no Paraná, ações sustentáveis se tornaram ainda mais necessárias. De acordo com a Sanepar, vivemos a pior estiagem dos últimos 100 anos e o nível dos reservatórios que abastecem Curitiba e Região está em 43%. Na Alegra, indústria de alimentos de origem suína, a crise no abastecimento não afetou a produção porque toda a água utilizada é captada e tratada em uma estação própria. Apesar disso, a busca por formas de gerir melhor o uso da água e também evitar desperdícios é diária.

Monitoramento - De acordo com o supervisor da Estação de Tratamento de Águas e Efluentes da Alegra, Rogério Rodrigues Penaroti, gráficos são usados para monitorar em tempo real o volume de consumo na fábrica. “Nós temos medidores que monitoram o fluxo hídrico 24h por dia, com esses dados conseguimos fazer levantamentos de onde precisamos melhorar, quais setores têm um gasto maior e facilita também a identificação de falhas, como vazamentos”, explica.  

Novos projetos - A empresa também apresentou novos projetos para gerar mais economia e também nos processos de reutilização de água no setor. “Por determinações sanitárias, as águas que atendem os padrões de reutilização não podem ser aplicadas em todos os setores da produção. Por isso, fizemos uma proposta para usarmos na lavagem de caminhões e recepção de suínos, por exemplo, que hoje ainda não é liberada”, explica Penaroti.

Ferramenta pioneira - Além disso, de acordo com o gestor, a indústria pretende aplicar uma ferramenta pioneira na área. “Criamos um projeto que pretende implementar medidores de fluxo específicos em cada setor da produção. Os aparelhos serão regulados com um valor máximo diário de consumo e emitirão um alerta no painel de controle e via e-mail, permitindo que os gestores de cada área tenham conhecimento do consumo de água em tempo real e também todas as vezes que ultrapassar o limite diário, reforçando a importância da economia na prática”, conta.

Redução do consumo - Além do cuidado contínuo, no período de estiagem a empresa também adotou medidas que ajudam na redução de consumo, como a adaptação de ponteiras nas mangueiras, orientação da equipe de higienização e maior controle do fluxo hídrico na produção e também parte externa da fábrica.

Sobre a Alegra - A indústria de alimentos Alegra é a união das cooperativas de origem holandesa, Frísia, Castrolanda e Capal, que constituem o grupo Unium. Uma empresa que combina condições de trabalho ideais aliando tecnologia, equipamentos de última geração, preocupação com o bem-estar dos animais e sustentabilidade em seu parque industrial, sempre primando pela excelência em seu produto final, que utiliza as melhores carnes suínas.Em 2017, a marca conquistou o reconhecimento internacional quanto às Práticas de Bem- estar Animal no abate, tornando-se a primeira planta brasileira a receber essa certificação em bem-estar suíno, pela WQS. Mais informações em www.alegrafoods.com.br. (Imprensa Alegra)

 

COCAMAR I: Campanha Solidária de Inverno vai arrecadar e comprar cobertores

cocamar 05 06 2020O Instituto Cocamar acaba de lançar a Campanha Solidária de Inverno para a compra de cobertores destinados a atender famílias em situação de vulnerabilidade nas regiões de atuação da cooperativa.

Objetivo - Com o título “Gentileza que aquece a gente”, o objetivo é arrecadar ao menos R$ 50 mil até o dia 15 de junho por meio de doações entre colaboradores, famílias de cooperados e a comunidade em geral, que podem acessar o sistema de financiamento de projetos disponível nas redes sociais (veja abaixo).

Caixas de recebimento - Quem quiser, pode também participar doando cobertores novos, uma vez que usados não serão aceitos devido ao risco de contaminação trazido pela pandemia do novo coronavírus. Para isso, caixas de recebimento estão sendo distribuídas em todas as áreas de circulação de pessoas na Cocamar em Maringá e unidades de atendimento espalhadas pelos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Apoio - A analista de Responsabilidade Social da cooperativa, Sabrina Ambrósio, explica que com a pandemia, muitas empresas deixaram de fazer a arrecadação de cobertores, roupas e agasalhos. “Para a população que precisa, ficou ainda mais difícil e estamos procurando apoiar com o formato que adotamos neste ano para a Campanha Solidária de Inverno. Esperamos alcançar nossos objetivos o quanto antes.”

Link - Acesse o link para doar: http://bit.ly/cocamar2020. (Imprensa Cocamar)

 

 

COCAMAR II: Gado ganha peso com ILP no noroeste do Paraná

A seca dos últimos meses castigou as pastagens e tirou o sono dos pecuaristas, principalmente na região noroeste do Paraná, de solo arenoso e mais suscetível ao déficit hídrico. Os pastos, que naturalmente param de crescer durante os meses frios, se esgotaram diante da falta de chuvas. Com isso o gado perdeu peso, obrigando o produtor a fornecer ração e suplementação.

Cenários distintos - No entanto, há dois cenários distintos: mesmo nesta época de vacas magras, quem faz integração lavoura-pecuária (ILP) não tem muito com o que se preocupar.

Fora da curva - O agropecuarista Gérson Bortoli, da região de Umuarama, adotou a ILP em 2004 e, ao longo dos anos, ele não apenas tem sobra de pasto - como se vê atualmente -, como vem engordando a boiada. Bortoli mantém 250 cabeças em 120 hectares, média de 2 por hectare, o triplo em comparação à realidade regional.

Alimento - O gado se alimenta basicamente de capim braquiária que foi semeado com milheto após a colheita da soja, em março. Segundo o produtor, a seca segurou o crescimento da braquiária, que agora está rebrotando bem com as últimas chuvas. Sua expectativa é que o animais engordem ao menos 1 quilo por dia durante os cerca de 100 dias de pastejo. O rebanho completa o ciclo aos 24 e 28 meses de idade; entra magro, com 14 arrobas, e sai pesando 19, um pelo outro.

Um contraste - Bortoli vive as duas situações: a da tranquilidade trazida pela ILP em uma fazenda, e a da preocupação em outra propriedade onde ainda não faz integração. “Nessa outra, tenho que entrar com ração e sal proteinado senão o gado não aguenta, pois o pasto acabou”, diz.

Dessecadas - Em agosto, as pastagens são dessecadas para o plantio direto da soja, que começa em setembro. A palhada que protege a superfície do sol forte no verão, garante umidade por mais tempo e impede o surgimento de ervas daninhas.

Soja - Além de ser uma referência como pecuarista, Gérson Bortoli se destaca ainda como um agricultor diferenciado na região por suas boas médias de produtividade, o que credita aos benefícios trazidos ao solo pelo sistema integrado. Na última safra de verão (2019/20), ele colheu 53,7 sacas de soja por hectare, ante 41,3 sacas/hectare de média regional.

Sobre a Cocamar - A Cocamar Cooperativa Agroindustrial é, desde meados da década de 1990, uma das principais incentivadoras do sistema de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) no país. Nas regiões onde atua – norte e noroeste do Paraná, oeste de São Paulo e sul do Mato Grosso do Sul – há pelo menos 200 mil hectares mantidos com formatos integrados. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2020/noticias/06/05/cocamar_II/{/vsig}

COPAGRIL: Novo supermercado é aberto em Eldorado, no Mato Grosso do Sul

O novo Supermercado Copagril em Eldorado, no estado do Mato Grosso do Sul, abriu as portas nesta sexta-feira (05/06). O empreendimento conta com mais de 3 mil m², com estrutura moderna e de alto padrão, sendo o sexto supermercado da Cooperativa Agroindustrial Copagril e o primeiro no estado. São 60 novos postos de trabalho diretos, quase 20 indiretos, além da expectativa de novas contratações em breve.

Visita - Nessa quinta-feira (04/06), o diretor-presidente, Ricardo Sílvio Chapla, diretor vice-presidente, Elói Darci Podkowa, e o diretor-secretário, Márcio Buss, estiveram visitando e acompanhando os últimos preparos para a abertura aos clientes. Chapla explica que a obra foi realizada por meio do investimento de um parceiro local na estrutura e também investimentos da Copagril em equipamentos, materiais e produtos.

Projeto - “É um projeto que já estava em andamento há dois anos e agora que ficou pronto abrimos as portas para atender a todos de Eldorado e região. Evidentemente, em decorrência da pandemia, não houve uma cerimônia oficial, mas a partir desta sexta-feira estará aberto para receber todos os clientes. É um supermercado moderno e bem estruturado, assim, esperamos contribuir para Eldorado e toda microrregião com o atendimento do alto padrão que já temos em nossos supermercados”, revelou o diretor-presidente, que também ressaltou a importância econômica na geração de empregos.

Prefeito - O prefeito de Eldorado, Aguinaldo dos Santos, e a vice-prefeita, Fabiana Maria Lorenci, acompanhados dos vereadores e representes do munícipio também visitaram o novo empreendimento Copagril e conversaram com a diretoria.

Satisfação - O prefeito Aguinaldo falou sobre a satisfação em receber a Copagril, gerando renda, emprego e movimentando o comércio do município e de toda região. “É com muita alegria que recebemos esse empreendimento. Tenho certeza que o município de Eldorado e não só o município, mas também o estado do Mato Grosso do Sul, está ganhando com esse empreendimento da Copagril. É um supermercado modelo e acredito ser um dos maiores e melhores do conesul, então, é um motivo de muita alegria e só temos a agradecer a Copagril por acreditar em Eldorado”, destaca o prefeito, o qual também frisou sobre a importância do investimento e dos empregos gerados, movimentando a economia e comércio.

A estrutura - O novo prédio conta com mais de 3 mil m², mais de 1,5 mil m² em área de venda, com estacionamento coberto, espaço climatizado com ar-condicionado, espaço de cafeteria, padaria, açougue e mais de 11 mil itens em todos os segmentos de produtos, com um amplo e moderno espaço para tornar ainda melhor a experiência de compra dos clientes.

Localização - O Supermercado Copagril de Eldorado está instalado na Rua Rui Barbosa, nº 1076, no Jardim dos Ipês (BR-163 saída para Mundo Novo). O horário de atendimento, de segunda a sexta-feira das 8 às 19h30 e aos sábados das 8 às 18 horas, assim como o horário especial no primeiro domingo de cada mês, das 8 às 12 horas (horário local de Eldorado).

Segurança e saúde - O atendimento segue todas as ações de saúde e segurança na prevenção ao coronavírus (Covid-19), priorizando a saúde dos clientes e empregados Copagril. (Imprensa Copagril)

{vsig}2020/noticias/06/02/copagril/{/vsig}

SICOOB MÉDIO OESTE: Cooperativa comemora 15 anos

No último dia 3, o Sicoob Médio Oeste comemorou seu aniversário de 15 anos. Respeitando as medidas de segurança e prevenção da Covid-19, a cooperativa realizou uma comemoração à distância. Participaram dirigentes e colaboradores da cidade sede, Assis Chateuabriand (PR) e dos demais municípios onde a singular está presente.

Kit - Todos receberam um kit com caneca, camiseta e um bolo de pote para celebrar a data por meio de uma videoconferência. A diretora Nadir Lulu abriu a reunião, agradeceu e frisou a importância da dedicação de cada um no crescimento da cooperativa.

Sentimento único - De acordo com o presidente do Conselho de Administração, Edson de Oliveira Pereira, fazer parte dessa história é um sentimento único. “Agradeço a todos os cooperados, colaboradores, diretores e conselheiros. Mas, principalmente, agradeço aos 34 fundadores da primeira agência que acreditaram no cooperativismo”, ressalta.

Comprometimento - Para o colaborador, Edimilson Leite, são 15 anos de comprometimento, responsabilidade e dedicação a todos os cooperados. “Parabéns aos idealizadores, que não mediram esforços para alcançar seus objetivos e fazer do Sicoob Médio Oeste a instituição que é hoje”, diz.

Café da manhã - No dia 5, os conselheiros da cooperativa se reuniram para um café da manhã para comemorar. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2020/noticias/06/05/sicoob_meio_oeste/{/vsig}

FERROVIA: Ferroeste ultrapassa marca de mil contêineres transportados

ferrovia 05 06 2020A Ferroeste (Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A.) transportou, em maio, 1.001 contêineres refrigerados até o Porto de Paranaguá, a maior carga de sua história e a primeira vez que a empresa ultrapassou a marca de mil unidades. Foram carregadas aproximadamente 30 mil toneladas de proteína animal congelada no terminal intermodal de Cascavel, no Oeste do Estado, volume 23% maior do transportado em maio do ano passado.

Último recorde - A quantidade também superou o último recorde de movimentação de contêineres pela Ferroeste, que tinha sido atingido em janeiro deste ano, com 946 unidades carregadas. A empresa, que opera a malha ferroviária entre Cascavel e Guarapuava, tem alcançado bons resultados logísticos e fechou o primeiro quadrimestre de 2020 com lucro de R$ 1,66 milhão, o maior de sua história para o período.

Acordo - Assim como a ampliação da capacidade de escoamento da safra de grãos, o aumento no carregamento de contêineres que saem de Cascavel com destino ao Porto de Paranaguá é resultado de um acordo firmado pela Ferroeste com a Rumo Logística, que reduziu o tempo de trânsito dos trens pelo modal. O transporte de contêineres também inclui a empresa Brado Logística, responsável pela gestão dos contratos com as cooperativas produtoras.

Redução de custos - Para o presidente da Ferroeste, André Gonçalves, a maior agilidade nas operações da empresa diminui os custos da produção paranaense. “A nossa missão é atender de forma mais eficiente o setor produtivo, aumentando gradativamente o escoamento pelo modal ferroviário, com ganho de tempo e de economicidade no valor do frete”, afirma.

Eficiência - O secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, também destacou o ganho de eficiência da Ferroeste desde o ano passado. “A nova gestão da Ferroeste focou na eficiência e acumula números positivos e recordes históricos”, disse. Segundo ele, depois de praticamente três décadas, a empresa passou a ter números no azul e fez grandes movimentações nos primeiros meses do ano. “O transporte de mais de mil contêineres é mais uma prova da eficiência de uma gestão comprometida com o setor produtivo paranaense”, afirma.

Compartilhamento - Em fevereiro deste ano, a Ferroeste e a Rumo formalizaram o Contrato de Operações Específicas (COE), um acordo que permite que as duas empresas compartilhem cargas que saem da Região Oeste em direção a Paranaguá. A negociação possibilita à Rumo, que opera a malha de Guarapuava até Paranaguá, a entrar no trecho da Ferroeste (Cascavel-Guarapuava), inclusive com reforço de maquinário.

Sem transferência - O acordo trouxe mais eficiência na logística, já que não é mais necessário transferir a carga de uma empresa para outra, explica o diretor de Operações da Ferroeste, Gerson Almeida. “Houve um ganho de capacidade que melhora o escoamento da produção. Com esta operação mais robusta, ganhamos cada vez mais confiança das cooperativas agroindustriais da região Oeste”, afirmou.

Cargas perecíveis - O diferencial é ainda maior com as cargas perecíveis, como as proteínas animais. Os contêineres precisam ficar refrigerados a uma temperatura aproximada de -20ºC. Para manter as baixas temperaturas, eles passam por um processo chamado de tomada de frio: são 24 horas ligados na tomada no terminal da Cotriguaçu, em Cascavel, antes de serem despachados a Guarapuava, onde ficam por mais 12h refrigerando, para então seguir para Paranaguá. “O tempo de toda essa operação reduziu em 30%. O que antes poderia levar até 12 dias, hoje é transportado em sete ou oito dias”, explicou Almeida.

Cooperativas - A maior parte das cargas transportadas nos contêineres é de frango, produzidos pelas principais cooperativas agroindustriais do Oeste do Paraná e que seguem para o Porto de Paranaguá para exportação. A Cotriguaçu, que é cliente da Ferroeste, gerencia o escoamento ferroviário da produção das cooperativas C.Vale, Coopavel, Copacol e Lar.

Mês - Cerca de 2,5 mil contêineres com proteína animal são enviados por mês para Paranaguá, seja por trens ou caminhões. “Em maio, chegamos a 40% da carga transportada pelo modal ferroviário, que tem um custo menor e garante mais economia no escoamento da produção”, disse o superintendente da Cotriguaçu, Gilson Luiz Anizelli. “A média, até o ano passado, era de cerca de 830 contêineres por mês, e agora ultrapassou as mil unidades”, destaca.

Ampliação - De acordo com Graciele Santos, gerente Comercial da Brado Logística, que faz a gestão dos contratos de contêineres com as cooperativas, a ideia é ampliar o transporte de contêineres pela ferrovia. “Crescer nesse modal está se tornando um projeto alcançável para as cooperativas. Esse novo recorde alcançado pela Ferroeste é um exemplo de que podemos concretizar nossa parceria para atingir esse objetivo”, diz. (Agência de Notícias do Paraná)

 

PARANAGUÁ: Porto dobra embarques de soja

paranagua 05 06 2020As exportações do complexo soja pelo porto de Paranaguá mais que dobraram em maio. Foram 2,4 milhões de toneladas embarcadas, duas vezes o carregado no mesmo mês de 2019 (1,2 milhão). O resultado confirma o bom desempenho do complexo (grão e farelo), que ultrapassou a marca de 2 milhões de toneladas exportadas, pelo terceiro mês consecutivo, em 2020.

Volume carregado - O volume carregado nos cinco primeiros meses do ano já soma 9,6 milhões de toneladas: 33% mais que o embarcado no mesmo período do ano anterior. “Apesar da crise do coronavírus, o mercado se manteve muito forte. O dólar valorizado favoreceu as exportações e o tempo seco garantiu o ritmo de embarques”, explica o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Medidas - A empresa pública investiu em medidas de cuidado com a saúde dos trabalhadores e manteve os serviços. “Foi essencial dar segurança para os portuários e caminhoneiros. No campo, os produtores tiveram a certeza que a safra seria escoada com a eficiência de sempre e toda a cadeia de negócios foi preservada”, completa.

Soja - Este ano, os três berços do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá só registraram embarque de milho em janeiro. De fevereiro até maio, a soja dominou as movimentações.

Crescimento - Especificamente o produto em grão teve um crescimento de quase 70%, na comparação entre os cinco primeiros meses de 2019 e 2020. Subiu de 4,29 milhões para 7,28 milhões de toneladas.

Maio - Só em maio, foram exportadas cerca de 1,95 milhão de toneladas. Volume que é 248% maior que as 561.284 toneladas de soja em grão carregadas pelo complexo no mesmo mês do ano anterior.

Farelo de soja- O farelo de soja também teve crescimento. Neste ano, foram 2 milhões de toneladas exportadas, ante 1,8 milhão nos primeiros cinco meses de 2019. Considerando apenas o embarque mensal, maio de 2020 teve crescimento de 76%, com 496.360 toneladas embarcadas.

Diferencial – O sistema paranaense de embarque de granéis é único no Brasil. A carga pode ser embarcada simultaneamente nos três berços de atracação exclusivos e é possível que um mesmo navio receba mercadorias de diferentes produtores, inclusive dos pequenos.

Terminais - Atualmente, nove terminais privados ou arrendados operam no Corredor: AGTL Cargill, Centro Sul, Cimbesul, Coamo, Cotriguaçu, Interalli, Louis Dreyfus e Rocha. Juntos, eles somam 1,025 milhão de tonelada de capacidade global.

Silo vertical - Além disso, a empresa pública Portos do Paraná mantém um silo vertical, com capacidade estática de 100 mil toneladas, e quatro silos horizontais, com capacidade total de 60 mil toneladas. Por eles, operam Céu Azul, Grano Logística, Gransol, Marcon, Sulmare, Tibagi e Transgolf, que trabalham com diversos exportadores menores.

Sucesso - Para o chefe da Divisão de Silos do Porto de Paranaguá, Gilmar Francener, os números de movimentação indicam o sucesso do trabalho que é desenvolvido em conjunto, pela iniciativa pública e privada.

Eficiência e produtividade - “O objetivo de todos é ampliar a eficiência e a produtividade, que garantem bons negócios. Os números de 2020 indicam um novo paradigma para os embarques do Corredor de Exportação. Nos últimos três meses, as movimentações todas foram superiores a 2,4 milhões de toneladas”, comenta.

Menos tempo de espera - Em maio de 2019, 22 navios atracaram nos berços do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá. Neste ano foram 39. O número só foi possível, porque o tempo de espera das embarcações reduziu e a produtividade dos berços aumentou. O tempo que um navio levou para carregar caiu de uma média de 2,9 dias para 2,2 dias. Já o volume movimentado saltou de 801 toneladas/hora para 1.138 toneladas/hora.

Silos públicos - Juntos os silos públicos (vertical e horizontais) carregaram, este ano, volume 103% maior que em 2019. São 1,4 milhão de toneladas exportadas em 2020, contra 694,9 mil toneladas no ano passado. (Agência de Notícias do Paraná)

 

INFRAESTRUTURA: Freitas diz que interesse de investidores continua, apesar da pandemia

infraestrutura 05 06 2020O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que, por serem de longo prazo, os investimentos em infraestrutura continuam interessantes mesmo em cenários de pandemia. Assim sendo, disse o ministro, o programa de concessão não parará por causa da pandemia, ainda que algumas delas, previstas para o segundo semestre, tenham de ser prorrogadas para o ano que vem.

Declarações - As declarações foram feitas nesta quinta-feira (04/06), durante seminário online promovido pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Longo prazo - “O investidor pensa a longo prazo, para daqui a 30 ou 40 anos, muito lá na frente. E o mercado brasileiro é um mercado com potencial. A questão da pandemia é grave, mas vai passar. Uma hora vai ter um tratamento ou vacina”, disse o ministro referindo-se à infraestrutura como um todo mas, em especial, ao setor aeroportuário que, segundo ele, está entre os mais prejudicados pelas medidas de contenção do novo coronavírus (covid-19).

Participantes - Também participando do seminário, a secretária nacional de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura, Natalia Marcassa, destacou várias características do mercado brasileiro, interessantes ao investidor estrangeiro.

Crise política - Perguntada sobre se o atual momento de crise política não afastaria esse interesse, ela disse que o Brasil tem um portfólio “super atraente do ponto de vista do retorno do capital, além de taxas muito atrativas, se comparadas ao restante do mundo”.

Modelo sofisticado - “São empreendimentos de longo prazo, inserido em um contexto de escala no país. Temos demanda, deficit de infraestrutura e escala. E o mais importante: temos um modelo sofisticado e com alto retorno. No final das contas, essa é a conta que investidor faz”, disse. “O que importa em relação a projeto é a nossa jurisprudência passada. E o Brasil tem segurança jurídica em relação a contratos”, acrescentou.

Foco em investimentos - Freitas lembrou que a maioria dos leilões está prevista para o segundo semestre, quando a curva pandêmica provavelmente estará descendente. Segundo ele, o objetivo do governo, com o plano de concessões, não é arrecadatório, mas de estímulo a investimentos.

Valores - “Perceba que, sempre que falamos do nosso plano de concessão, falamos da geração de R$ 240 bilhões em investimentos. Não falamos de outorga. Nossa preocupação não é a arrecadação. É a geração de investimento; é a prestação de serviço para o usuário; é o usuário ter uma experiência diferente; de ter um melhor serviço prestado. É a geração de empregos; é transformar a infraestrutura. Isso é muito mais importante do que pensar em outorga”, argumentou.

Projeção - Segundo ele, os investimentos a serem feitos pelas concessionárias está projetado “na largada”. “A gente já sabe o que fazer em função da curva de demanda e com os gatilhos. Ou seja, se a demanda aumentar mais rápido, dispara o gatilho e o investimento também é trazido para a frente. Essa é a inteligência do modelo”, completou.

Setor aeroportuário - Sobre os efeitos da pandemia no setor aeroportuário, Freitas disse que governo e setor já trabalham para se adaptarem à nova situação. “Vamos trabalhar agora para tentar mudar a experiência do consumidor no voo. A ideia é que a gente venha com protocolos no pré voo, no voo e no pós voo, para melhorar a percepção de segurança e fazer com que haja uma recuperação das viagens”.

Pacotes de turismo - “Inclusive já começou a crescer um movimento de compra de pacotes de turismo para o final do ano. A gente percebe que as pessoas aos poucos vão retomar a confiança, e obviamente o investidor já percebeu isso”, disse Freitas.

Carteira de obras - De acordo com o ministro, a carteira de obras em andamento tem sido mantidas pela pasta. “O ministério produziu praticamente R$ 3 bilhões em obras de janeiro a maio. Fizemos 23 entregas de obras parciais, algumas delas muito relevantes do ponto de vista rodoviário, e fechamos os estudos para 22 aeroportos [públicos que passarão para a iniciativa privada]. Estamos na iminência de mandar isso para o Tribunal de Contas da União”. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

CÂMARA: Proposta cria linha de crédito especial para a agricultura familiar na pandemia

camara 05 06 2020O Projeto de Lei 2853/20 institui uma linha de crédito emergencial no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), a fim de mitigar os efeitos da pandemia do novo coronavírus. O Congresso Nacional reconheceu estado de calamidade pública no País em decorrência da Covid-19.

Cobertura dos riscos - O texto em tramitação na Câmara dos Deputados prevê que os riscos serão integralmente cobertos pela União, e os recursos oriundos de operações de crédito ou de fundos constitucionais. Caberá ao Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentar o assunto.

Geração de renda - “O combate à pandemia interrompeu a geração de renda de milhares de produtores rurais e agricultores familiares”, disseram os autores da proposta, deputado Zé Neto (PT-BA) e mais 50 parlamentares. “Essa linha de crédito é essencial para que possam sobreviver e manter a capacidade produtiva.”

Regras gerais - Os financiamentos poderão ser concedidos com base em proposta simplificada de crédito, com limite de R$ 10 mil por beneficiário; taxa efetiva de juros de 0,5% ao ano; e bônus de adimplência de 50% sobre cada parcela paga até a data do vencimento.

Prazo - O prazo de reembolso será de quatro anos, sendo um de carência. Os contratos poderão ser firmados com instituições financeiras credenciadas até 31 de dezembro de 2020, e a eventual prorrogação dependerá de decisão do CMN.

Pronaf - O Pronaf foi criado em 1995 pelo governo federal. Proporciona, a pequenos produtores ou agricultores familiares, financiamentos para atividades e serviços, agropecuários ou não, desenvolvidos dentro das propriedades ou em áreas comunitárias próximas. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Tony Winston/Agência Brasília

 

SUINOCULTURA: PSA tem quase 500 novos casos em 15 dias

suinocultura 05 06 2020A Organização Mundial da Saúde (OIE), divulgou novos dados que preocupam a cadeia produtora de suínos no mundo. Somente entre os dias 15 e 28 de maio foram registrados 498 novos sustos de Peste Suína Africana (PSA).

Casos no mundo - Os números em todo o mundo somam 7.116 casos. Dos novos episódios, quase a totalidade (471) foram notificados pela Europa e o restante (25) está na Ásia. A África reportou 2 novos casos no período. Dentre os países mais afetados, está a Romênia, que registra atualmente 3.535 casos, seguida do Vietnã, com 1.703 surtos.

Novo surto - Nesta quinta-feira (04/06) a Ucrânia informou um novo surto, na fronteira com a Polônia. De acordo com a notificação a doença acometeu uma criação de 63 suínos de quintal. Pelo menos sete animais morreram devido ao vírus da PSA. Os outros animais foram abatidos para o controle sanitário.Não há informação sobre como o vírus chegou até a criação.

Países - De acordo com a OIE, a doença atualmente atinge 23 países no mundo. A Europa tem 10 países afetados: Bulgária, Grécia, Hungria, Letônia, Moldávia, Polônia, Romênia, Rússia, Sérvia e Ucrânia. A Ásia também tem 10 países com casos em andamento: China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Laos, Papua Nova Guiné, Filipinas, Rússia, Timor Leste e Vietnã. Já a África tem três países com registros de PSA: Costa do Marfim, Namíbia e África do Sul. (Agrolink)

FOTO: Ramboldheiner / Pixabay

 

ECONOMIA: Captação da poupança bate recorde em maio

economia 05 06 2020Aplicação financeira mais tradicional dos brasileiros, a caderneta de poupança voltou a atrair o interesse dos brasileiros em meio à pandemia provocada pelo novo coronavírus (covid-19). No mês passado, os investidores depositaram R$ 37,2 bilhões a mais do que retiraram da aplicação, informou nesta quinta-feira (04/06) o Banco Central. Em maio do ano passado, os brasileiros tinham sacado R$ 718,7 milhões a mais do que tinham depositado.

Maior captação líquida - Essa foi a maior captação líquida para todos os meses desde o início da série histórica, em 1995. Com o resultado do mês passado, a poupança acumula entrada líquida de R$ 63,9 bilhões nos cinco primeiros meses do ano.

No vermelho- A aplicação tinha começado o ano no vermelho. Em janeiro e fevereiro, os brasileiros retiraram R$ 15,93 bilhões a mais do que depositaram. A situação começou a mudar em março, com o início da pandemia da covid-19, quando os depósitos superaram os saques em R$ 12,17 bilhões. Em abril, a poupança captou R$ 30,46 bilhões.

Reflexo - A queda expressiva da bolsa de valores e a instabilidade em outros investimentos, como títulos do Tesouro, refletiram-se em maior volume de depósitos na poupança. Por causa da turbulência no mercado financeiro, os títulos do Tesouro Direto têm registrado oscilações nas taxas de juros.

Rendimento - Com rendimento de 70% da Taxa Selic (juros básicos da economia), a poupança atraiu mais recursos mesmo com os juros básicos em queda. Com a Selic no menor nível da história, o investimento estava rendendo menos que a inflação no início do ano. No entanto, a expectativa de que a inflação caia por causa da crise econômica provocada pelo novo coronavírus pode fazer a aplicação terminar o ano com rendimento positivo.

Percentual - Nos 12 meses terminados em maio, a aplicação rendeu 3,35%, segundo o Banco Central. No mesmo período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), que serve como prévia da inflação oficial, atingiu 1,96%. O IPCA cheio de maio será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no próximo dia 10.

Focus - Para 2020, o Boletim Focus, pesquisa com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, prevê inflação oficial de 1,55% pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Com a atual fórmula de rendimento, a poupança está rendendo 2,1% em 2020, considerando a redução da Selic para 3% ao ano.

Histórico - Até 2014, os brasileiros depositavam mais do que retiravam da poupança. Naquele ano, as captações líquidas chegaram a R$ 24 bilhões. Com o início da recessão econômica, em 2015, os investidores passaram a retirar dinheiro da caderneta para cobrir dívidas, em um cenário de queda da renda e de aumento de desemprego.

Anos seguintes - Em 2015, R$ 53,57 bilhões foram sacados da poupança, a maior retirada líquida da história. Em 2016, os saques superaram os depósitos em R$ 40,7 bilhões. A tendência inverteu-se em 2017, quando as captações excederam as retiradas em R$ 17,12 bilhões, e em 2018, com captação líquida de R$ 38,26 bilhões. Em 2019, a poupança registrou captação líquida de R$ 13,23 bilhões. (Agência Brasil)

FOTO: Jakub Orisek / Pixabay

 

PARANÁ: 94% das empresas encerraram o mês de maio em atividade

parana 05 06 2020Análise do Governo do Estado aponta que 94% das empresas paranaenses estavam em atividade na última semana de maio. A avaliação tem como base a emissão de notas fiscais eletrônicas.

Fechados - Por este parâmetro, apenas 1,4 mil estabelecimentos que operam no Simples Nacional e 900 do Regime Normal ainda estavam fechados no dia 29 do mês passado.

Boletim conjuntural - Os dados constam no boletim conjuntural elaborado pelas secretarias de Planejamento e Projetos Estruturantes e da Fazenda e divulgado nesta quinta-feira (04/06).

Negócios - A análise revela que, apesar da retomada das atividades, o volume de negócios está abaixo do padrão normal.

Receitas - A situação causada pela pandemia da Covid-19 tem reflexo direto nas receitas do Estado. Somente em maio, houve perda de R$ 853 milhões na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em relação ao valor previsto na Lei Orçamentária Anual.

Atividades - A queda de arrecadação atingiu as nove principais atividades econômicas do Estado no mês passado. No setor de combustíveis a receita caiu 60,8%, seguido do comércio varejista (-32,8%), bebidas (-28,7%) e da indústria (-22,3%).

Desempenho econômico - Segundo o boletim conjuntural, a redução da atividade produtiva, embora mais aguda no segundo trimestre do ano, deve afetar o desempenho econômico do Estado até o final de 2020.

Resultados negativos - A projeção é de resultados negativos no terceiro trimestre (-8,9% em relação à previsão inicial) e no quarto trimestre (-6%). As expectativas de mercado apontam que apenas em 2022 deve ser observado o mesmo nível de produção e renda de 2019.

Vendas - O boletim revela que as vendas do comércio ainda estão abaixo do padrão normal para os meses de abril e maio, mas alguns setores tiveram recuperação segundo a análise da última semana de maio. É o caso do setor automotivo, que dobrou o volume de negócios em relação à semana anterior e teve pico de vendas em comparação com meados de março.

Vestuário e acessórios - Vestuário e acessórios, bem como o segmento de calçados, que atingiram patamares próximos à normalidade entre 04 a 10 de maio, por conta do Dia das Mães, mantiveram o ritmo positivo no final do mês, principalmente em decorrência da abertura de centros comerciais em algumas cidades.

Restaurantes e lanchonetes - O final de maio também registrou evolução na movimentação em restaurantes e lanchonetes, mas estes segmentos ainda estão 46% abaixo do nível do início de março.

Bons índices - Materiais de construção; informática e telefonia; áudio, vídeo e eletrodomésticos; linha branca; telefone celular; e televisores mantêm bons índices de vendas em maio. O comércio de móveis, colchões e iluminação aponta viés contínuo de alta, com status superior ao começo da crise.

Bebidas e alimentação - Os setores de bebidas (alcoólicas e não alcoólicas) e de alimentação (carnes, peixes, frutos do mar, frutas, verduras, raízes, mel, laticínios, ovos, café, farinha, sementes e cereais) registraram volume de vendas estável ao longo dos últimos três meses.

Setores - O comércio atacadista do Paraná, influenciado pelo segmento de combustíveis, registrou queda de 2,4% do valor médio diário das emissões de nota fiscal eletrônica no mês de maio, em comparação a abril. O comércio varejista, com o reflexo da gradual abertura de atividades, contabilizou elevação de 11,2%, apesar de operar em um nível equivalente a 83,6% do patamar pré-pandemia.

Oscilação - A indústria de alimentos não exibiu oscilação significativa de abril para maio, enquanto as outras atividades da indústria de transformação registraram considerável recuperação. Houve alta de 28,5% em comparação a abril, em decorrência principalmente do término da interrupção da produção de importantes segmentos, como o metalmecânico.

Exportações - O boletim desta semana aponta que houve aumento nas exportações de alimentos devido principalmente ao comportamento do câmbio. Porém, houve queda das exportações de produtos industrializados por conta da diminuição da demanda no período da pandemia. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Boletim Semanal com indicadores do impacto da pandemia sobre a economia.

 

FGV: Cesta de compras de famílias de renda mais baixa tem queda de 0,30%

fgv 05 06 2020O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), que mede a variação da cesta de compras de famílias com renda até 2,5 salários mínimos, registrou deflação (queda de preços) de 0,30% em maio deste ano. A taxa ficou abaixo da registrada em abril, que indicou inflação de 0,04%.

Acumulado - Segundo os dados divulgados nesta sexta-feira (05/06) pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o IPC-C1 acumula taxas de inflação de 0,81% no ano e de 2,59% em 12 meses.

Comparação - Na comparação com o Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), que mede a inflação para todas as faixas de renda, o IPC-C1 registrou deflação menos intensa em maio e inflação maior em 12 meses, já que o IPC-BR teve taxas de -0,59% em maio e de 1,83% em 12 meses.

Classes - Sete das oito classes de despesa que compõem o IPC-C1 registraram queda em suas taxas de variação de abril para maio: alimentação (de 1,29% para 0,67%), habitação (de 0,16% para -0,25%), educação, leitura e recreação (de -0,76% para -1,97%), saúde e cuidados pessoais (de 0,29% para 0,19%), despesas diversas (de 0,34% para 0,14%), transportes (de -1,87% para -1,97%) e comunicação (de 0,05% para 0,03%).

Vestuário - Por outro lado, o grupo vestuário teve alta na taxa, apesar de continuar registrando deflação (de -0,24% para -0,17%). (Agência Brasil)

FOTO: Tânia Rêgo / Agência Brasil

 

SAÚDE I: Brasil tem 614.941 casos; total de mortes chega a 34.021

O balanço diário divulgado pelo Ministério da Saúde trouxe 30.925 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, totalizando 614.941. O resultado marcou um acréscimo de 5% em relação a quarta-feira (03/06), quando o número de pessoas infectadas estava em 584.016.

Novas mortes- A atualização do Ministério da Saúde registrou 1.473 novas mortes, chegando a 34.021. O resultado representou um aumento de 4,3% em relação a quarta, quando foram contabilizados 32.548 falecimentos por covid-19.

Acompanhamento - Do total de casos confirmados, 325.957 estão em acompanhamento e 254.963 foram recuperados. Há ainda 4.159 óbitos sendo analisados.

Epicentro - São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (8.560). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (6.327), Ceará (3.813), Pará (3.416) e Pernambuco (3.134).

Outros estados - Além disso, foram registradas mortes no Amazonas (2.183), Maranhão (1.062), Bahia (790), Espírito Santo (737), Alagoas (531), Paraíba (438), Rio Grande do Norte (378), Minas Gerais (323), Rio Grande do Sul (265), Amapá (254), Paraná (215), Piauí (202), Distrito Federal (196), Rondônia (194), Sergipe (186), Acre (181), Goiás (164), Santa Catarina (156), Roraima (127), Tocantins (87), Mato Grosso (82) e Mato Grosso do Sul (20).

Casos confirmados - Já em número de casos confirmados, o ranking tem São Paulo (129.200), Rio de Janeiro (60.932), Ceará (59.795), Pará (48.049) e Amazonas (46.473). Entre as unidades da federação com mais pessoas infectadas estão ainda Maranhão (40.629), Pernambuco (37.507), Bahia (23.463), Espírito Santo (16.894) e Paraíba (17.579).

Curva acrescente - Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, o secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, declarou que os casos no país seguem crescendo. "Estamos em um aumento semana após semana. Estimamos uma estabilização nos próximos meses. Por conta do período sazonal, diminui a transmissão respiratória no Norte e Nordeste. Não é possível prever quando será o pico”, pontuou.

Desigual - Ele voltou a destacar, como em entrevistas anteriores, que há um desenvolvimento desigual da pandemia no país. Há mais intensidade nas regiões Norte e Nordeste e menos no Sul, Centro-Oeste e Sudeste, com exceção de São Paulo e Rio de Janeiro.

Flexibilização - Perguntado sobre a flexibilização das medidas de distanciamento e reabertura de comércio por diversos governos estaduais e prefeituras, Macário avaliou que as decisões “têm que ser adequadas e proporcionais ao risco”.

Reprodução - Um dos dados apresentados na entrevista desta quinta pelos gestores do ministério foi o indicador chamado número de reprodução, que mede o ritmo de contágio (quantas pessoas são infectadas por um paciente contaminado). De acordo com o Ministério da Saúde, os estados com índices mais altos são o Acre (1,6 pessoas infectadas para cada paciente com covid-19); Goiás (1,6); Bahia (1,7) e Ceará (2,4). Todas as outras unidades federativas possuem números de reprodução que variam de 1,1 a 1,5. (Agência Brasil)

saude I tabela 05 06 2020

SAÚDE II: 215 pessoas morreram em decorrência da Covid-19 no Paraná

saude II 05 06 2020

O informe epidemiológico emitido pela Secretaria da Saúde do Paraná nesta quinta-feira (04/06) registra 327 novos casos confirmados da Covid-19 e dez óbitos. É o maior número de mortes registrado em um único boletim, desde as primeiras ocorrências no Estado, em 23 de março.  Em 81 dias, 215 pessoas morreram por causa da doença no Paraná. Chega a 5.820 o total de diagnósticos positivos.

Faixa etária - As 215 pessoas que perderam a vida pela Covid-19 tinham entre cinco e 95 anos. A média de idade é de 67,2 anos. A maioria dos casos que evoluiu para óbito é de homens, com 141 ocorrências, representando 66% do total.

Cuidado - O secretário da Saúde, Beto Preto, ressalta a importância do cuidado no período da pandemia. “Temos visto dia após dia os números aumentarem, tanto de casos como de pessoas perdendo a vida pela doença. É preciso que as pessoas se cuidem e cuidem dos seus, para não perder ninguém e para ficar saudável. Precisamos nos unir em atitudes conscientes para evitar colapso nos nossos hospitais”, afirma o secretário.

Óbitos - Os dez novo óbitos ocorreram entre o dia 1º e 3 de junho. São seis mulheres e quatro homens, com idades que variam entre 37 e 84 anos.

Origem - Uma mulher de 89 anos, que residia em Pinhais, faleceu dia 1º de junho. Duas mulheres, uma de 59 anos, de Cascavel, e outra de 65 anos, de Santa Tereza do Oeste,  e um homem de 59 anos, de Céu Azul, faleceram na terça-feira (02/06).

Mais - Seis pessoas morreram na quarta-feira (03/06). Três mulheres: moradora de Londrina, de 84 anos; de Piraquara, de 58 anos; e de Assis Chateaubriand, de 79 anos. Entre os três homens que faleceram quarta-feira, registra-se um de Guaporema, de 37 anos; um de Piraquara, de 64 anos; e um de Arapongas, que tinha 54 anos.

 Internados - Estão internados nesta quinta-feira, em todo o Paraná, 317 pacientes com o diagnóstico confirmado para Covid-19. Destes, 232 estão em leitos SUS (85 em UTI e 147 em leitos enfermaria) e 84 em leitos da rede hospitalar privada (33 em UTI e 51 em leitos enfermaria).

 Leitos SUS Covid O Estado tem 658 leitos de UTI adulto, sendo que 266 estão ocupados; 1.182 leitos de enfermarias adulto, com 360 ocupados; 37 leitos UTI pediátrico, com 9 ocupados; 70 leitos de enfermaria pediátrico com 9 estão ocupados.

Média de ocupação - A média de ocupação dos leitos SUS exclusivos Covid-19 é de 33% nesta quinta-feira. A quantidade de leitos pode variar, porque além dos leitos em unidades próprias do Estado, a Secretaria da Saúde contrata diretamente leitos em unidades hospitalares filantrópicas e privadas para atendimento a pacientes Covid-19 quando necessário.

Municípios - São 264 cidades paranaenses com ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 79 municípios há registro de óbitos pela doença. Veja abaixo a quantidade de casos novos e municípios:

1 caso confirmado – Anahy, Antonina, Arapoti, Campina Grande do Sul, Campo do Tenente, Campo Mourão, Cantagalo, Carambeí, Catanduvas, Congonhinhas, Guapirama, Imbaú, Indianópolis, Irati, Iretama, Itapejara D'Oeste, Jardim Alegre, Jesuítas, Lindoeste, Manfrinópolis, Nova Fátima, Palmas, Paraíso do Norte, Planalto, Quatro Barras, Rolândia, São Tomé, Terra Rica, Tijucas do Sul, Tomazina, Três Barras do Paraná, Tupãssi.

2 casos confirmados – Almirante Tamandaré, Araucária, Clevelândia, Corbélia, Douradina, Pato Branco.

3 casos confirmados – Assis Chateaubriand, Colombo, Fazenda Rio Grande, Guarapuava, Ibiporã, Laranjeiras do Sul, Ponta Grossa, Reserva do Iguaçu, Rondon, Santa Terezinha de Itaipu.

4 casos confirmados – Cambé, Carlópolis, Foz do Iguaçu, Pinhais, São José dos Pinhais.

5 casos confirmados – Tuneiras do Oeste.

7 casos confirmados – Paranaguá.

9 casos confirmados – Maringá.

10 casos confirmados – Cianorte, Francisco Beltrão, Tapejara, Toledo.

 11 casos confirmados – Piraquara.

14 casos confirmados – Cornélio Procópio.

 30 casos confirmados - Londrina.

 34 casos confirmados – Cascavel.

 38 casos confirmados - Coronel Domingos Soares.

 45 casos confirmados – Curitiba.

 Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registrou dois casos a mais de residentes de fora. São 75 pessoas que moram em outros estados e foram atendidas por aqui. Cinco pessoas foram a óbito.

Ajustes - Um caso confirmado dia 11 de maio em Foz do Iguaçu foi transferido para o Rio de Janeiro; um caso dia 01 de junho em Cascavel foi transferido para Santa Tereza do Oeste. Dois casos confirmados dia 01 e 03 de junho em Corbélia foram transferidos para Cascavel; e um caso confirmado dia 2 de junho, em Curitiba, foi transferido para Almirante Tamandaré. (Agência de Notícias do Paraná)

 Confira o Boletim Completo desta quinta-feira.

O informe epidemiológico emitido pela Secretaria da Saúde do Paraná nesta quinta-feira (04/06) registra 327 novos casos confirmados da Covid-19 e dez óbitos. É o maior número de mortes registrado em um único boletim, desde as primeiras ocorrências no Estado, em 23 de março.  Em 81 dias, 215 pessoas morreram por causa da doença no Paraná. Chega a 5.820 o total de diagnósticos positivos.

 

Faixa etária - As 215 pessoas que perderam a vida pela Covid-19 tinham entre cinco e 95 anos. A média de idade é de 67,2 anos. A maioria dos casos que evoluiu para óbito é de homens, com 141 ocorrências, representando 66% do total.

 

Cuidado - O secretário da Saúde, Beto Preto, ressalta a importância do cuidado no período da pandemia. “Temos visto dia após dia os números aumentarem, tanto de casos como de pessoas perdendo a vida pela doença. É preciso que as pessoas se cuidem e cuidem dos seus, para não perder ninguém e para ficar saudável. Precisamos nos unir em atitudes conscientes para evitar colapso nos nossos hospitais”, afirma o secretário.

 

Óbitos - Os dez novo óbitos ocorreram entre o dia 1º e 3 de junho. São seis mulheres e quatro homens, com idades que variam entre 37 e 84 anos.

 

Origem - Uma mulher de 89 anos, que residia em Pinhais, faleceu dia 1º de junho. Duas mulheres, uma de 59 anos, de Cascavel, e outra de 65 anos, de Santa Tereza do Oeste,  e um homem de 59 anos, de Céu Azul, faleceram na terça-feira (02/06).

 

Mais - Seis pessoas morreram na quarta-feira (03/06). Três mulheres: moradora de Londrina, de 84 anos; de Piraquara, de 58 anos; e de Assis Chateaubriand, de 79 anos. Entre os três homens que faleceram quarta-feira, registra-se um de Guaporema, de 37 anos; um de Piraquara, de 64 anos; e um de Arapongas, que tinha 54 anos.

 

Internados - Estão internados nesta quinta-feira, em todo o Paraná, 317 pacientes com o diagnóstico confirmado para Covid-19. Destes, 232 estão em leitos SUS (85 em UTI e 147 em leitos enfermaria) e 84 em leitos da rede hospitalar privada (33 em UTI e 51 em leitos enfermaria).

 

Leitos SUS Covid – O Estado tem 658 leitos de UTI adulto, sendo que 266 estão ocupados; 1.182 leitos de enfermarias adulto, com 360 ocupados; 37 leitos UTI pediátrico, com 9 ocupados; 70 leitos de enfermaria pediátrico com 9 estão ocupados.

 

Média de ocupação - A média de ocupação dos leitos SUS exclusivos Covid-19 é de 33% nesta quinta-feira. A quantidade de leitos pode variar, porque além dos leitos em unidades próprias do Estado, a Secretaria da Saúde contrata diretamente leitos em unidades hospitalares filantrópicas e privadas para atendimento a pacientes Covid-19 quando necessário.

 

Municípios - São 264 cidades paranaenses com ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 79 municípios há registro de óbitos pela doença. Veja abaixo a quantidade de casos novos e municípios:

 

1 caso confirmado – Anahy, Antonina, Arapoti, Campina Grande do Sul, Campo do Tenente, Campo Mourão, Cantagalo, Carambeí, Catanduvas, Congonhinhas, Guapirama, Imbaú, Indianópolis, Irati, Iretama, Itapejara D'Oeste, Jardim Alegre, Jesuítas, Lindoeste, Manfrinópolis, Nova Fátima, Palmas, Paraíso do Norte, Planalto, Quatro Barras, Rolândia, São Tomé, Terra Rica, Tijucas do Sul, Tomazina, Três Barras do Paraná, Tupãssi.

 

2 casos confirmados – Almirante Tamandaré, Araucária, Clevelândia, Corbélia, Douradina, Pato Branco.

 

3 casos confirmados – Assis Chateaubriand, Colombo, Fazenda Rio Grande, Guarapuava, Ibiporã, Laranjeiras do Sul, Ponta Grossa, Reserva do Iguaçu, Rondon, Santa Terezinha de Itaipu.

 

4 casos confirmados – Cambé, Carlópolis, Foz do Iguaçu, Pinhais, São José dos Pinhais.

 

5 casos confirmados – Tuneiras do Oeste.

 

7 casos confirmados – Paranaguá.

 

9 casos confirmados – Maringá.

 

10 casos confirmados – Cianorte, Francisco Beltrão, Tapejara, Toledo.

 

11 casos confirmados – Piraquara.

 

14 casos confirmados – Cornélio Procópio.

 

30 casos confirmados - Londrina.

 

34 casos confirmados – Cascavel.

 

38 casos confirmados - Coronel Domingos Soares.

 

45 casos confirmados – Curitiba.

 

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registrou dois casos a mais de residentes de fora. São 75 pessoas que moram em outros estados e foram atendidas por aqui. Cinco pessoas foram a óbito.

 

Ajustes - Um caso confirmado dia 11 de maio em Foz do Iguaçu foi transferido para o Rio de Janeiro; um caso dia 01 de junho em Cascavel foi transferido para Santa Tereza do Oeste. Dois casos confirmados dia 01 e 03 de junho em Corbélia foram transferidos para Cascavel; e um caso confirmado dia 2 de junho, em Curitiba, foi transferido para Almirante Tamandaré. (Agência de Notícias do Paraná)

 

Confira o Boletim Completo desta quinta-feira.

SAÚDE III: Senado confirma R$ 160 milhões para asilos no combate à pandemia; texto vai à sanção

saude III 05 06 2020O Plenário do Senado Federal aprovou nesta quinta-feira (04/06) o auxílio financeiro da União no valor de até R$ 160 milhões para Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), os antigos asilos, no combate à pandemia da covid-19. A votação foi simbólica por unanimidade. Como o Projeto de Lei (PL) 1.888/2020 já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, o texto agora segue para sanção presidencial.

Fundo - O dinheiro virá do Fundo Nacional do Idoso, inclusive dos saldos de anos anteriores a 2020. Pelo texto, poderão receber o auxílio as instituições sem fins lucrativos inscritas nos Conselhos Municipais da Pessoa Idosa ou nos Conselhos Municipais de Assistência Social. Na ausência destes, vale a inscrição nos órgãos equivalentes de esfera estadual ou nacional.

Contempladas - Serão contempladas até mesmo as instituições que tiverem débito ou inadimplência em relação a impostos ou contribuições. Também não será necessária a Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social (Cebas).

Aplicação exclusiva - Os recursos devem ser aplicados exclusivamente para atendimento à população idosa e devem ir de preferência para ações de prevenção e de controle da covid-19, compra de insumos e de equipamentos básicos para segurança e higiene dos residentes e funcionários, compra de medicamentos e adequação dos espaços para isolamento dos casos suspeitos e leves de covid-19.

Rateio - O critério de rateio será definido pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, considerado o número de idosos atendidos em cada instituição. Se o projeto for sancionado pela presidência da República, o repasse precisa ocorrer em até 30 dias da publicação da lei no Diário Oficial da União. O ministério tem até esse prazo também para divulgar a lista das instituições beneficiadas e os valores de repasse.

Prestação de contas - As instituições beneficiadas deverão prestar contas da aplicação dos recursos aos respectivos Conselhos da Pessoa Idosa e Conselhos de Assistência Social estaduais, distrital ou municipais.

Autoria - O PL é de autoria das deputadas federais Leandre (PV-PR) e Carmen Zanotto (Cidadania-SC), e no Senado foi relatado pelo senador José Maranhão (MDB-PB). Maranhão foi favorável ao PL na mesma forma como foi aprovado na Câmara. Ele rejeitou as treze emendas apresentadas por senadores para que a matéria não precisasse voltar à Câmara. Assim, o PL segue agora direto para sanção presidencial.

Dados - O relator citou dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que revelaram que, nos primeiros meses de 2011, o Brasil contava com 3.548 ILPIs, que faziam cerca de 83 mil atendimentos. “Como, desde então, a população de idosos no Brasil cresceu aproximadamente 50%, podemos estimar que essas instituições atendam, atualmente, em torno de 120 mil idosos. Dessa forma, o auxílio de R$ 160 milhões equivaleria a R$ 1.333,00 por idoso atendido, o que consideramos um valor razoável”, calculou Maranhão.

Disseminação - “Além de salvar vidas, o uso dos recursos para prevenir a disseminação do novo coronavírus em instituições que atendem idosos irá ajudar a reduzir a utilização de leitos hospitalares, inclusive caras e escassas UTIs, economizando, portanto, recursos públicos e salvando mais vidas”, argumentou. (Agência Senado)

FOTO: Leopoldo Silva / Agência Senado

 


Versão para impressão


RODAPE