Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4835 | 02 de Junho de 2020

REUNIÃO INSTITUCIONAL: “Realizar aquilo que é relevante e essencial para as cooperativas”, afirma Ricken no encontro com a Frísia

Ao fazer a abertura da reunião institucional com membros da diretoria, conselhos e gestores da Cooperativa Frísia, de Carambeí (PR), na manhã desta terça-feira (02/06), o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, falou sobre o momento vivido com a pandemia do novo coronavírus. “Desde o dia 20 de março, nossa equipe, por conta das orientações das autoridades de saúde, está trabalhando de forma remota. Mas o nosso foco principal é atender todas as demandas das cooperativas e estamos monitorando diariamente para que isso aconteça, sem perder a qualidade da entrega. Diante do atual cenário, estamos replanejando nossas ações para este ano e com a meta de realizar aquilo que é relevante e essencial para as cooperativas, aquilo que é de interesse de todos os ramos do sistema cooperativista paranaense”, destacou.

Desafios – Para Ricken, “a partir desta pandemia, os encontros virtuais como esse de hoje, com toda as lideranças da Frísia, passaram a ser comuns. Esta é a nossa 15ª reunião institucional realizada de forma online, sem precisar nos deslocar e nem vocês, o que facilita e dá mais tranquilidade para focarmos no principal: nas informações de qualidade geradas pelo monitoramento”.

Crise – Para o presidente do Sistema Ocepar, apesar do ramo agropecuário, do qual a Frísia pertence, não ter parado durante este período de isolamento social, mantendo suas atividades quase na normalidade, “não dá para desconsiderar a crise econômica que iremos passar, aliás, fase esta que se iniciou bem antes da pandemia, lá em 2015, quando houve uma queda expressiva no PIB. Segundo estimativa do Banco Central, com a Covid-19, teremos um crescimento negativo próximo de 6 pontos. Se somarmos os impactos anteriores, podemos chegar entre 13 e 15 pontos de empobrecimento do Brasil, com perdas de emprego. E isso pode nos levar para conflitos, semelhante ao que ocorreu ontem em Curitiba, com atos de vandalismo e que sempre precede a uma crise política”, destacou Ricken.

Balanço – Mesmo nos anos de pouco crescimento no país, o cooperativismo deu mostra da sua força e continuou crescendo acima da média nacional. Na avaliação do dirigente, a expectativa é ainda termos um ano relativamente bom em termos de resultados financeiros. “Com a manutenção do trabalho das cooperativas do ramo agropecuário, transporte, saúde e crédito, devemos chegar próximo da meta dos R$ 100 bilhões de movimentação econômica, conforme prevê nosso planejamento estratégico, o PRC100”, frisou. “Sairemos diferentes do que entramos, cada ramo merece uma atenção especial, como o setor de saúde que está sendo impactado com o aumento na demanda”.

Mercado  Mas Ricken acrescenta que o setor não terá que fazer uma retomada das atividades, como acontecerá com outras empresas. “Afinal nossas cooperativas não pararam, mas precisam estar preparadas para o novo comportamento dos consumidores. Com certeza, a pandemia nos trouxe novas formas de agir e de consumir. O digital estará cada vez mais presente em nossas vidas e precisamos estar atentos a todas essas novas ferramentas disponíveis para podermos nos beneficiar. Nosso compromisso continuará sendo com o pleno abastecimento das cidades, do país. Estamos alinhados neste sentido com todas as cooperativas e com o Sistema OCB. Estamos às vésperas do novo Plano Safra e esperamos que o governo atenda nossos pleitos, em especial, a redução na taxa de juros e, também, em volume de recursos disponíveis para a comercialização”, destacou.

Intercooperação – A Frísia, que já é um modelo de intercooperação com as cooperativas Castrolanda e Capal, com a Unium e com a Fundação ABC, agora pensa num passo um pouco maior: reunir um maior número de cooperativas paranaenses num projeto inovador de marketplace, plataforma mediada por uma empresa ou cooperativa em que vários fornecedores se inscrevem e vendem seus produtos. Segundo o presidente Renato Greidanus, a cooperativa desenvolveu uma proposta que deverá ser apresentada para o Sistema Ocepar para que seja discutida com as lideranças cooperativistas de todo o Paraná. “Nosso foco com esta ideia é reunir um maior número de interessadas para realizar compras conjuntas, seja de insumos, maquinários etc. Criar uma grande comunidade e fazer nossas compras, seja para a cooperativa ou mesmo para as propriedades, seria o ideal. Tudo através do meio digital que está aí para facilitar nossas vidas. Se todo mundo participar, teremos mais poder de negociação em conjunto do que de forma isolada. Modernizar nossa forma de atuar e olhar para quem é o mais importante, ou seja, o cooperado, razão de existir das nossas cooperativas”, salientou.

Alinhamento – Greidanus, além de agradecer a participação do presidente Ricken na reunião, e também toda equipe do Sistema Ocepar pelo trabalho realizado. “Temos acompanhado todo o trabalho de vocês, especialmente neste alinhamento com governo, seja estadual ou federal, no Congresso e junto às lideranças do setor produtivo. Tudo está sendo muito conduzido por você, Ricken, e equipe. E esta oportunidade de ouvir o setor de monitoramento com os números relativos à nossa cooperativa é uma grande oportunidade”, destacou o dirigente.

{vsig}2020/noticias/06/02/reuniao_institucional/{/vsig}

DIA MUNDIAL DO LEITE I: Desafio lançado por cooperados paranaenses viraliza no país

No mês de maio, durante a pandemia do novo coronavírus, três produtores de leite, cooperados da Castrolanda, na região dos Campos Gerais no Paraná, tiveram a ideia de realizar o “Desafio do Leite”, com a finalidade de estimular, em tempos de isolamento social, o consumo deste produto tão importante, seja para crianças, jovens e adultos. A iniciativa consiste em gravar um vídeo tomando um copo de leite e desafiar mais três pessoas a fazerem o mesmo e postar no Facebook com a hashtag #desafiodoleite. “A indústria do leite está em constante desafio, por isso a ideia de estimular o consumo”, explica Reynold Groenwold, um dos idealizadores. Clique aqui para conferir.

Origem - A proposta, lançada pelos irmãos Reynold e Hans Groenwold, da Fazenda Fini, e Robert Salomons, da Chácara Recanto Alegre, de Castro, acabou viralizando pelo país e diversas personalidades do agro e fora dele já aderiram e gravaram suas mensagens. Entre elas, o secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, que foi desafiado e postou, nesta segunda-feira (01/06), em suas redes sociais, um vídeo em comemoração ao Dia Mundial do Leite. Clique aqui para conferir.

Comemoração - No dia 1° de junho é comemorado o Dia Mundial do Leite. A data foi criada em 2001 pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO/ONU, da sigla em inglês), com o objetivo de incentivar o consumo de lácteos entre a população mundial. A escolha pelo 1º de junho ocorreu porque esse dia já era celebrado em diversos países, a maioria da União Europeia. É também no velho continente em que ocorre a maior parte das celebrações voltadas em grande parte ao incentivo ao consumo pelas crianças.

 

{vsig}2020/noticias/06/02/dia_mundial_leite/{/vsig}

 

DIA MUNDIAL DO LEITE II: Brasil está entre os cinco maiores produtores do mundo

Nesta segunda-feira (01/06) foi celebrado o Dia Mundial do Leite. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO/ONU) instituiu a data, em 2001, para incentivar o consumo do alimento em mais 85 países que comemoram a ocasião. O Brasil está entre os cinco maiores produtores mundiais, com 34 bilhões de litros, sendo Minas Gerais, o maior produtor nacional.

Consumo - Em termos de consumo, o Brasil ocupa a 65ª posição no ranking de consumo mundial de produtos lácteos, com uma média anual de 169 litros por pessoa. Essa quantidade está abaixo do ideal estabelecido pelas Nações Unidas, que é de 200 a 220 litros por ano. Além disso, segundo a entidades do setor, há espaço para aumento de consumo, principalmente no que se refere a queijos.

PRODUÇÃO NO BRASIL (mil litros)

1º lugar - Minas Gerais (26,4%): 8.939.159

2º lugar - Paraná (12,5%): 4.375.422

3º lugar - Rio Grande do Sul (12,5%): 4.242.293

4º lugar - Goiás (9,1%): 3.084.080

5º lugar - Santa Catarina (8,8%): 2.970.654

Cooperativismo - Segundo o Censo das Cooperativas de Leite 2015, 160 cooperativas responderam voluntariamente o questionário, aplicado em parceria com a Embrapa Gado de Leite. Todas as regiões do Brasil participaram do Censo, sendo que a distribuição por regiões foi a seguinte: 48% das cooperativas na região Sudeste, seguida da região Sul com 27%, Centro-Oeste com 19%, Nordeste com 4% e o Norte com 2%.

Produtividade - O censo apontou que 47% dos cooperados produzem até 100L/dia e que 5% produzem mais de 1.000 L/dia. É importante observar ainda que 48% do leite produzido pelos cooperados provêm de propriedades com mais de 500 L/dia.

Associados - Em 2015, 70,5 mil produtores estavam associados a uma cooperativa; 29,8 mil na região Sul, 29,3 mil na região Sudeste, 6,8 mil na região Centro-Oeste, 4,2 mil na região Nordeste e 520 na região Norte.

Live - Nesta segunda, o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas participou de uma live com o tema: O futuro do leite e o leite do futuro.

Industrialização - De acordo com o Censo Agropecuário de 2017, realizado pelo IBGE, 49% da produção inspecionada é originada de produtores associados a uma cooperativa.

Plantas - Dentro do sistema cooperativista, as plantas processadoras possuem capacidade instalada de mais de 28 milhões de litros por dia. A região Sul se destaca com a maior capacidade instalada, com 14,1 milhões/dia, seguida do Sudeste com 11,8 milhões de litros/dia. Em 2015, em todo o Brasil, o aproveitamento dessa capacidade era de 53%, com destaca para a região Sul onde o aproveitamento da capacidade instalada foi de 59%, seguido do Centro-Oeste com 50% e do Sudeste com 49%.

Faturamento - De acordo com o Censo das Cooperativas de Leite, em 2015 foi da ordem de R$ 7,4 bilhões por ano. Os destaques entre os produtos são: o leite UHT com 38% das vendas, seguido do leite em pó com 15%, o leite pasteurizado com 12% e os queijos com 11%. O trabalho do Censo demonstrou que há espaço para o crescimento de faturamento do setor através do aumento da oferta de produtos com maior valor agregado.

Atuação - O Sistema OCB em 2019 manteve sua forte atuação em defesa da cadeia produtiva de leite e derivados, tanto participando dos principais fóruns oficiais para debate do tema, como também realizando parcerias estratégicas para o desenvolvimento do corpo técnico de suas cooperativas. (Informe OCB)

COMÉRCIO EXTERIOR: OCB e Apex querem ampliar exportação das cooperativas brasileiras

comercio exterior I 02 06 2020Ampliar a participação das cooperativas brasileiras no mercado externo. Esse foi o objetivo da reunião entre os presidentes Márcio Lopes de Freitas (Sistema OCB) e Sergio Segovia (Apex Brasil), realizada na sexta-feira (29/05). A celebração de parcerias que explorem o potencial exportador dos produtos made by coop foi um dos pontos altos da videoconferência.

Presença - Segundo Márcio Freitas, as cooperativas estão presentes em todas as partes do país e seus produtos têm a qualidade desejada por mercados como o europeu e o asiático por exemplo. “Além de qualidade, é importante ressaltar que nossas coops têm escala para abastecer qualquer mercado interessado em seus produtos”, explica o líder cooperativista.

Satisfação - Já o presidente da Apex Brasil, que se mostrou bastante satisfeito com o andamento das ações em andamento, relacionadas à promoção dos produtos de 120 cooperativas, elogiou as cooperativas por agregarem tanto valor ao que produzem. Ele disse que pretende aumentar o número de cooperativas exportadoras o mais rápido possível.

Como - Para isso, OCB e Apex devem formalizar uma parceria que possibilite a troca de informações e dados que embasem a elaboração de uma estratégia de internacionalização dos produtos coop. A partir daí, será elaborado um projeto de qualificação totalmente voltado às cooperativas que querem exportar, mas ainda não sabem como, prevendo, por exemplo, aspectos como elaboração de rótulos, escolha de embalagem, precificação e até os possíveis destinos para onde esses produtos podem chegar.

Coops exportadoras - Segundo dados da OCB, em 2019, o número de coops exportadoras cresceu 18% em relação ao ano anterior, registrando o total de 296. Os dados são do Ministério da Economia. Os principais ramos exportadores são o Agropecuário, seguido pelo Trabalho, Produção de Bens e Serviços, e com número menor de cooperativas, os ramos Transporte e Saúde.

Brasil - Condizente com a prévia do PIB calculada pela FGV, os dados do ComexStat de abril de 2020 mostram que as exportações brasileiras seguiram fortes mesmo frente à pandemia, totalizando US$ 222,2 bilhões no valor acumulado dos últimos doze meses. O resultado deve-se em grande parte ao setor agropecuário, que registrou valor recorde no mês de abril, ultrapassando pela primeira vez o teto de US$ 10 bilhões.

Agronegócio - A participação do agronegócio nas exportações brasileiras representou 55,8% da pauta no mês. O recorde não se concretizava desde 2013, quando as vendas externas do agronegócio somaram US$ 9,6 bilhões em abril daquele ano. O resultado exponencial de abril significa um aumento de 24,95% em relação ao mesmo período em 2019, quando foi de US$ 8,17 bilhões, e foi atingido principalmente em função do aumento dos embarques da soja em grão.

Crescimento - Eles cresceram 73,4%, ou quase 7 milhões de toneladas, em comparação com abril do ano anterior. O aumento da participação da soja na pauta exportadora se deve a dois fatores principais: o crescimento da demanda internacional pela soja brasileira, para a qual houve antecipação das exportações, e à queda da demanda pelos demais produtos da balança comercial por conta da pandemia. O resultado contribuiu para a liderança das commodities nas exportações do Brasil.

Volume exportado - Elas foram responsáveis por 67% dos volumes exportados pelo país - o maior percentual já registrado desde 2008, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Colaborou também para essa realidade o fato de os principais destinos das exportações manufaturadas brasileiras, Argentina e Estados Unidos, seguirem cumprindo regras de isolamento social devido a pandemia. Contudo, o Ibre/FGV alerta que, no segundo semestre, o cenário pode ser de desempenho inferior das exportações e queda ainda maior das importações em decorrência da retração na atividade econômica global. (Informe OCB)

FOTO: JoBischPeuchet / Pixabay

 

UNIMED PONTA GROSSA: Cooperativa realiza primeira entrega dos alimentos doados

No último sábado (30/05), a Unimed Ponta Grossa realizou a primeira entrega dos alimentos arrecadados pela campanha Doe Amor, uma mobilização entre colaboradores e médicos cooperados.

Entidade beneficiada - Os alimentos arrecadados foram entregues à Sociedade de Amor ao Próximo, no Jardim Maracanã, que atende famílias em vulnerabilidade social. Cerca de 50 famílias foram atendidas com essa primeira doação, que contemplou cestas básicas e alimentos não perecíveis.

Compartilhamento - De acordo com Willy Schnepper, que atua como voluntário da comunidade há mais de 20 anos, campanhas como essa beneficiam tanto quem recebe quanto quem doa. “Entendo que não existe outra forma de encontrar a realização interior que não seja compartilhando nossa fartura de tempo, de saúde e de tantas outras coisas que temos no nosso dia a dia, com aqueles que não dispõem dessa perspectiva de vida, que não têm esperança e que estão, muitas vezes, inconsoláveis dentro de uma dimensão social. Nós aprendemos aqui a importância de se movimentar até alcançar o próximo, que tem essas necessidades enumeradas”, ressalta.

Sugestão - A campanha foi criada a partir da sugestão de um médico cooperado, com o objetivo de atender as comunidades carentes que estão sendo afetadas pela crise gerada pela Covid-19.

Agradecimento - De acordo com a coordenadora do Núcleo de Desenvolvimento Humano (NDH) da cooperativa, a ginecologista Michele Cação Ribeiro, “só temos a agradecer aos doadores que, através desse ato de amor, nos deram a oportunidade de contribuir com uma população tão carente de recursos básicos. Não podemos permitir que a correria do nosso dia a dia nos impeça de ter esse olhar de empatia e solidariedade”.

Aberta - A campanha Doe Amor continua e está aberta a todos que queiram contribuir com alimentos não perecíveis. A arrecadação está sendo feita na unidade central da Unimed, na Rua General Carneiro, 873, em Ponta Grossa (PR). (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

{vsig}2020/noticias/06/02/unimed_ponta_grossa/{/vsig}

UNIMED CURITIBA: Encontros são realizados para conectar colaboradores em tempos de pandemia

unimed curitiba 02 06 2020Uma empresa que tem no DNA o cuidado com as pessoas não poderia passar por esse período de pandemia e enfrentamento do novo coronavírus sem realizar ações humanas. Ao longo das últimas semanas, a Unimed Curitiba promoveu encontros online para conectar colaboradores em meio ao cenário de distanciamento físico e isolamento. “Neste Tempo de Cuidar, conectar-se é fundamental. Mais do que nunca, precisamos continuar próximos mesmo estando distantes”, afirmou o diretor-presidente da cooperativa, Rached Hajar Traya.

Iniciativa - Uma das iniciativas foi o #coonectadoscomvocê, uma série de encontros online para promover bem-estar, descontração e proximidade entre os participantes. No primeiro, que aconteceu no dia 29 de maio, todos foram presenteados com uma apresentação musical de uma banda formada por Eduardo Batistel, da Assessoria Jurídica, e Aline Bandeira, do Desenvolvimento Humano, que contou com a participação especial do diretor-presidente na bateria e dos convidados Alexandre Vianna (na guitarra), Hermes Alberti (teclado) e Marcos Sigwalt (baixo).

Transmissão ao vivo - O evento foi transmitido ao vivo pelo canal da Unimed Curitiba no YouTube, reuniu mais de 913 pessoas simultaneamente e, até o momento, já tem quase 1.300 visualizações, provocando reflexão e alegria com músicas como Epitáfio (Titãs), Dias melhores (Jota Quest), Primeiros erros (Capital Inicial), Risco (Marcela Taís), Meu erro (Paralamas do Sucesso) e Vamos fugir (Skank). “Obrigado por estarem nos prestigiando e por tudo o que têm feito pela nossa cooperativa. Esse encontro é uma maneira de retribuir o carinho que vocês têm pela Unimed Curitiba e uma forma de abraçá-los virtualmente para enfrentarmos juntos esse momento difícil pelo qual estamos passando. Espero que gostem, porque tudo foi criado para demonstrar o nosso afeto por vocês, colegas de profissão”, disse o presidente.

Orgulho - O colaborador da área comercial Claudio Cunha, que acompanhou o show ao vivo, afirmou sentir orgulho da equipe. “Unimed Curitiba é fantástica! Todas essas ações fazem a diferença para nós, funcionários. Por isso nos orgulhamos tanto de trabalhar aqui”, disse.

Agradecimento - Já a colaboradora Michele Mendes, que atua no setor de processamento, fez questão de enaltecer a ação: “A profundidade das coisas mora nos detalhes. Muito obrigada, Unimed Curitiba”.

Celebração - Por fim, os aniversariantes do dia Danielle Guimarães, do atendimento telefônico, e Lucas Nunez, do Desenvolvimento Humano, ficaram felizes por celebrarem a data com essa ação, que os aproximou dos colegas em um dia tão especial e tão diferente.

Presidente - A cooperativa também realizou nos dias 6 e 21 de maio o #coonectados com o presidente, que consiste em encontros entre os colaboradores e o diretor Rached Hajar Traya por meio de um aplicativo de videoconferência para que o presidente possa responder, de forma clara, objetiva e transparente, às perguntas enviadas previamente por e-mail e ao vivo pelo chat. O objetivo é compartilhar informações estratégicas sobre as medidas adotadas no enfrentamento da Covid-19 e seus impactos no negócio da Unimed Curitiba e demais empresas do grupo. Para a gestora de Desenvolvimento Humano Gisela de Paula Cardoso, a ação aproxima os colaboradores da alta direção, gerando credibilidade e empatia com relação às decisões tomadas. “Acredito que um dos grandes legados dessa pandemia é a maneira como estamos reinventando a comunicação para estarmos juntos de forma segura, prática e eficaz e transmitirmos confiança. Tenho certeza de que sairemos fortalecidos e de que juntos construiremos uma realidade melhor e mais confortável para todos”, afirma.

Depoimentos - Confira os depoimentos de quem esteve no evento:

O #coonectados com o presidente foi um momento incrível para ficar por dentro das ações da cooperativa frente à pandemia. O Dr. Rached demonstrou transparência e comprometimento com todos os colaboradores, reforçando o Jeito de Cuidar Unimed. Agradeço a oportunidade e espero que possamos ter mais momentos como este” – Valquiria Bortolin Xavier da Silva, colaboradora do DH da Unimed Curitiba.

“Foi muito importante esta proximidade estabelecida pelo Dr. Rached. Suas palavras nos dão tranquilidade e segurança neste momento de tantas incertezas” – Cibelle Beal, colaboradora do setor de Intercâmbio.

“Considero extremamente valiosa a iniciativa e a realização deste encontro. No momento delicado pelo qual estamos passando, acabamos sendo cobertos por incertezas e insegurança. A falta de informação combinada com as fake news também acaba contribuindo para interpretações equivocadas sobre as decisões da cooperativa. Neste encontro virtual, Dr. Rached foi esclarecedor com os pontos que mais precisávamos. Em meio às dificuldades econômicas e de mercado, há uma preocupação com a situação dos colaboradores. Cabe a nós o discernimento, o respeito às decisões e a paciência para, em breve, retornarmos com todo o time Unimed Curitiba” – Fernando dos Santos, do setor de relacionamento com o cooperado.

Link – Acesse o vídeo pelo link do #coonectadoscomvocê: https://www.youtube.com/watch?v=6PKWNRYH0-I. (Imprensa Unimed Curitiba)

 

SICOOB METROPOLITANO: Datas especiais são comemoradas com adaptações devido à pandemia

Mesmo com as medidas de distanciamento social, o Sicoob Metropolitano não deixou de comemorar três datas especiais do mês de maio: Dia das Mães, Dia da Família e Dia do Abraço. Os eventos aconteceram internamente com os colaboradores da Unidade Administrativa e das agências.

Recomendações - Seguindo todas as recomendações de segurança, a cooperativa celebrou o Dia das Mães com a entrega dos brindes para todas as mamães. Além disso, para que todas elas se sentissem acolhidas e muito amadas os Felicitadores, que são os colaboradores responsáveis por contribuir para o sucesso do programa de Felicidade Interna do Cooperativismo (FIC) na cooperativa, usaram a criatividade na hora de entregar os presentes.

Família - Já no Dia da Família, comemorado em 15 de maio, não foi possível receber os familiares dos colaboradores para conhecerem o ambiente de trabalho, a exemplo da ação realizada em 2019. Mesmo assim, a data foi lembrada com vídeos, fotos e lembrancinhas dos funcionários com a família.

Abraço - No dia 22 de maio, a singular comemorou o Dia do Abraço, que tradicionalmente é muito celebrada na empresa. Pensando em não deixar a data passar em branco, já que a proximidade com outras pessoas está limitada, foi estabelecido o desafio de encontrar formas de abraçar sem contato físico.

Moldes - Para isso, os Felicitadores receberam pequenos moldes com corações e braços que foram impressos, recortados e montados para receber mensagens especiais. Os colaboradores escreveram dentro do coração palavras de carinho, conforto, agradecimentos e estímulos que fizeram o outro se sentir “abraçado”. Foram frases, palavras e até desenhos, que as equipes trocaram entre si e depois, expuseram em locais de fácil acesso por todos, como murais, quadros e fixados em geladeiras. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2020/noticias/06/02/sicoob_metropolitano/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS: Após escolher poupança, morador de Ampére/PR é premiado com R$ 5 mil

sicredi fronteiras 02 06 2020O período da pandemia estimulou os brasileiros a redescobrir a importância de fazer uma reserva financeira e escolher um dos investimentos mais tradicionais e seguros: a poupança. Para incentivar o hábito de poupar, o Sicredi está premiando associados nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, por meio da Promoção Poupar e Ganhar sem Parar. Após depositar na caderneta de poupança, Vilmar Thomas Pelentir, morador de Ampére/PR foi contemplado pela campanha e recebeu R$ 5 mil reais.

Diferença - Vilmar é associado da Sicredi Fronteiras há 10 anos e afirma que este prêmio fará muita diferença na sua renda, principalmente neste momento no qual estamos passando. “Nós sempre ouvimos falar sobre ganhadores de sorteios e quando ouvi sobre a Promoção Poupar e Ganhar sem Parar, nunca me passou pela cabeça ser um dos sorteados. Cheguei a achar que era brincadeira quando meu irmão veio me contar que o amigo dele viu meu nome entre os ganhadores no site do Sicredi. Precisei ir até à agência para perceber que era realidade”.

Compromisso - De acordo com o poupador, este prêmio só veio para reiterar a certeza de que a cooperativa Sicredi Fronteiras é comprometida com seus associados e com a comunidade onde atua. “Tenho um ótimo relacionamento com a cooperativa. Ela fornece vários tipos de serviços e muitos tipos de crédito para nos auxiliar. Esse dinheiro será novamente depositado na poupança, pois agora o meu sonho mesmo é ser sorteado novamente e receber R$ 500 mil reais”, comenta Vilmar.

Associados - Wilson Mello, gerente da agência de Ampére, afirma que esta promoção mostra o quanto a cooperativa e o sistema Sicredi são comprometidos e se preocupam com os associados. “Quem ainda não fez seu depósito, sua reserva financeira, esta é a hora. Essa é uma grande oportunidade. Você vai poupar o seu dinheiro e ainda concorrer a vários prêmios”, finaliza Wilson.

Promoção Poupar e Ganhar sem Parar - Ao todo, a promoção distribui R$ 2,5 milhões em prêmios, o maior valor em cinco edições da campanha. A cada R$ 100 de incremento líquido na poupança do associado, um número da sorte será distribuído para concorrer à promoção. Se as aplicações forem na modalidade programada, quando há o débito programado mensal para conta poupança do associado, as chances de ganhar são em dobro.

Vantagens - “A modalidade de poupança tem muitas vantagens e é uma boa opção para quem está começando a investir ou pretende planejar melhor o orçamento mas não gosta de correr riscos. A poupança oferece remuneração garantida, não incide tributação ou taxa de administração, além da disponibilidade de resgate imediato em caso de emergência”, explica o Presidente da Sicredi Fronteiras, José César Wunsch.

Incremento - Em todo o Sistema Sicredi, a poupança registrou um incremento de mais de R$ 850 milhões em março, o maior desempenho dos últimos três anos na instituição financeira cooperativa, que está presente em mais de 22 estados e no Distrito Federal. Só na região dos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, houve um incremento de quase R$ 450 milhões no período.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Apoio on-line a professores e sugestões de atividades para as crianças

Manter as atividades escolares e recreativas dentro de casa é um desafio para pais, crianças, alunos, professores. A pandemia do coronavírus virou a vida de todo mundo de pernas para o ar. Mas soluções criativas têm contribuído para tornar o trabalho mais leve.

A União faz a Vida - A Sicredi União PR/SP desenvolveu ações, disponíveis em seu site, para auxiliar os professores das escolas participantes do Programa A União Faz a Vida (PUFV) a planejar e desenvolver suas tarefas tanto no aspecto pedagógico quanto tecnológico. A ação se junta a outras selecionadas por especialistas do Sicredi para manter as crianças ativas, brincando e aprendendo ao mesmo tempo. Confira abaixo.

Apoio on-line aos professores - As escolas, professores e alunos participantes do Programa A União faz a Vida (PUFV), desenvolvido há mais de 10 anos em 75 municípios do Paraná e de São Paulo, onde a cooperativa de crédito Sicredi União PR/SP atua, ganharam um forte aliado para contribuir na continuidade da transmissão do conhecimento, agora via on-line.

Biblioteca virtual - A primeira delas, e já disponível desde a última sexta-feira (29/05), no site da cooperativa, no endereço http://sicrediuniao.coop.br/pufv/, é a Biblioteca Virtual, contendo material de apoio ao ensino desde a educação infantil até o nono ano do ensino fundamental, passando também pela educação inclusiva.

Home office - O Apoio On-line envolve suporte ao home office e atendimentos em grupo on-line, pela assessoria pedagógica do Programa A União faz a Vida, atendendo as demandas dos educadores tanto na parte pedagógica quanto na parte tecnológica. Os atendimentos em grupo terão início dia 15 de junho.

Demandas - “A ideia de criar essa ação veio após a realização de uma pesquisa com professores em que identificamos as suas necessidades. Fizemos uma live com eles para alinharmos as ações e nossa equipe, junto com os assessores pedagógicos do programa, montou todo esse trabalho que irá auxiliar os professores nesse momento”, informa Gisely Almeida, assessora da área de Responsabilidade Social da Sicredi União PR/SP.

Continuidade - O analista de Desenvolvimento do Cooperativismo e Responsabilidade Social da cooperativa, Helder Reggiani Vitorino de Souza, complementa que a biblioteca será alimentada mesmo após o cenário atual passar.

Protagonismo - O Programa “A União Faz a Vida” é a principal iniciativa social da Sicredi. É desenvolvido em escolas municipais, particulares e entidades de educação inclusiva como apoio ao trabalho pedagógico, propondo um novo jeito de ensinar, onde o aluno é também protagonista na construção do saber. Este ano, o programa completa 25 anos em âmbito nacional.

Aprender brincando - Confira opções selecionadas por especialistas do Sicredi para ensinar educação financeira de maneira divertida e aumentar o repertório de brincadeiras

Desafios - A pandemia do novo coronavírus e as consequentes medidas de isolamento social trazem um desafio extra para as famílias com crianças. Com a suspensão das aulas nas escolas é preciso criatividade para continuar reorganizando as agendas, além de adequar horários específicos para as atividades em família, os estudos e as brincadeiras.

Educação financeira - Nesse período, a situação econômica também está alterando a rotina de muitas famílias brasileiras que buscam no planejamento e no corte de gastos extras uma alternativa. Especialistas garantem que é importante aprender a lidar com o dinheiro desde cedo. Por isso, e para ajudar as famílias que já esgotaram o repertório de atividades com as crianças, o Sicredi preparou algumas dicas de atividades de educação financeira e brincadeiras fáceis de fazer, que trazem conhecimento de maneira lúdica e divertida.

Dicas de brincadeiras

1 – Lições financeiras com a Turma da Mônica - Os desenhos animados são um sucesso entre a garotada, mas em tempos de isolamento social vale investir também em produções que agregam conhecimento. Dicas de educação financeira e sobre como economizar estão presente nos desenhos animados da Turma da Mônica feitos em parceria com o Sicredi. São três animações que trazem como tema central questões como: de onde vem o dinheiro, orçamento familiar e a recompensa de quem sabe administrar os gastos. Os desenhos animados podem ser assistidos no canal oficial do Sicredi no YouTube. “Desenvolvemos várias iniciativas de educação financeira porque acreditamos que os conceitos aprendidos na infância ficam por toda a vida. Uma criança que sabe de onde vem os recursos e entende as relações de consumo, a importância do planejamento e do hábito de poupar terá mais chances de evitar dívidas no futuro”, explica o presidente nacional do Sicredi e da Central Sicredi PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock.

2 - Jogos de tabuleiro - Conhecidos entre crianças de várias gerações, os jogos de tabuleiro ajudam a reunir pessoas de várias idades que moram na mesma casa. Alguns jogos, como os tradicionais Monopoly e Banco Imobiliário, estimulam a capacidade de raciocínio e negociação dos participantes. Durante a partida, as crianças também podem aprender a planejar o uso de recursos e fazer investimentos. Como a brincadeira normalmente reúne jogadores de várias idades, os jogos também podem ser uma oportunidade para as crianças aprenderem as nuances do mundo dos negócios.

3 - Quiz e atividades na internet - Com o objetivo de ensinar educação financeira de uma maneira leve e divertida em diferentes plataformas, o Sicredi lançou um conteúdo especial sobre educação financeira também disponível na internet. A página traz opções de quiz, livro de atividades e desenhos para pintura. Os conteúdos podem ser trabalhados envolvendo adultos e crianças e promovem uma reflexão sobre planejamento financeiro. O projeto Tranformando.com.vc com a iniciativa “Fica em Casa” também reúne dicas e orientações de atividades para fazer com as crianças tornando a quarentena um momento de diversão e aprendizagem. “A melhor coisa que pode acontecer com uma criança é desenvolver todos os seus sentidos com música, dança, teatro, brincadeiras, jogos de montar, pinturas e desenhos. Todas essas atividades são importantes, pois desenvolvem a coordenação visomotora. Na brincadeira, as crianças também estão desenvolvendo atenção e concentração", explicou o mestre em Educação Marcos Meier, durante uma live transmitida pelo projeto Transformando.

4 - Exploração em Casa - Nessa atividade é possível estimular a curiosidade das crianças. Para brincar basta provocar a formação de uma “Pergunta Exploratória”. É preciso incentivar a criança a encontrar, dentro de casa, algum tema que ela gostaria de saber as respostas. Use pontos estratégicos da casa, como a cozinha ou a sala, para estimular a descoberta. Definida a pergunta, a criança pode partir para a “Expedição Investigativa” desbravando o ambiente que ela pretende explorar e com as questões que podem ser respondidas pelos adultos, com os conhecimentos já obtidos, ou também com ajuda das tecnologias ou outras formas de pesquisa. A atividade pode ser concluída com a criança conversando sobre tudo que aprendeu com a exploração. A brincadeira é inspirada no Programa A União Faz a Vida, principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi. “A metodologia propõe uma aprendizagem participativa tendo o diálogo como premissa básica. O programa já impactou mais de 2 milhões de crianças e adolescentes em todo o país”, afirma a assessora de Desenvolvimento do cooperativismo da Central Sicredi PR/SP/RJ, Alyne Lemes.

5 - Imaginação para comprar e vender - Pais e filhos podem se divertir juntos com uma loja, um restaurante ou um supermercado fictício. Vale usar a imaginação e revezar para escolher qual participante vai comprar ou vender os produtos. Com a brincadeira é possível estimular a capacidade de raciocínio e negociação, treinar a habilidade de calcular e ainda auxiliar na reflexão sobre preço dos produtos e a compra consciente.

(Imprensa Sicredi União PR/SP)

COCAMAR: Os números das doações da cooperativa até o momento

A Cocamar Cooperativa Agroindustrial é uma das organizações que, desde o início da pandemia do novo coronavírus, em março, têm realizado sistematicamente doações aos diversos setores da sociedade para a prevenção e o enfrentamento da doença.

Álcool - A indústria de produção de álcool etílico 70%, localizada no parque industrial da cooperativa em Maringá (PR), foi direcionada para suprir a demanda de hospitais, entidades assistenciais, produtores cooperados e colaboradores nos municípios onde há estruturas de atendimento – distribuídos pelas regiões noroeste e norte do Paraná, oeste de São Paulo e sul do Mato Grosso do Sul. O setor de transporte público em Maringá e Londrina também foi contemplado com doações.

Parcerias - Ao mesmo tempo, tecidos elaborados com fios ecológicos produzidos pela Cocamar foram cedidos para a elaboração de centenas de colchas e lençóis destinados a hospitais, em uma parceria realizada entre a cooperativa, a instituição Unicesumar e a empresa de confecções Recco. Os fios são feitos com fibra de poliéster derivada do processamento de embalagens pet.

Máscaras - Em outra frente, os tecidos serviram de matéria-prima para que, num esforço com a participação de sete cooperativas sediadas na cidade (Cocamar, Sicredi, Sicoob, Unimed, Uniodonto, Unicampo e Pluricoop) fossem produzidas 20 mil máscaras e distribuídas, a seguir, para entidades assistenciais de diversos municípios.

Alimentos - Depois de, logo nos primeiros dias da quarentena, custear a aquisição de equipamentos respiradores que foram doados a hospitais de Maringá, estes receberam carregamentos, também, de alimentos produzidos pela cooperativa, como farinha de trigo, café em pó, sucos e néctares de frutas, entre outros itens, além de copos plásticos descartáveis e guardanapos. As doações compreendem várias entidades assistenciais do município e de outras regiões.

Números - Ao todo, até o final de maio, além de 23 mil litros de álcool e das máscaras confeccionadas em parceria, a Cocamar fez a entrega de 2 mil quilos de alimentos diversos e 700 cestas básicas. (Imprensa Cocamar)

COAMO: Misturas para bolos da Linha Fácil estão com novo visual

coamo 02 06 2020Foram lançados recentemente, quatro novos sabores de misturas para bolos da marca Coamo Linha Fácil: fubá, neutro, cenoura e milho cremoso. Os novos produtos chegaram aos pontos de vendas com novo layout, e para acompanhar a transformação, os demais bolos da linha – chocolate, pão de ló, baunilha, laranja, aipim e coco – também foram renovados e estão com o visual já consagrado e com mais destaque nas gôndolas dos supermercados. As novas embalagens serão trocadas, gradualmente, conforme os estoques forem renovados.

Sabor caseiro - As misturas de bolos da marca Coamo Linha Fácil trazem o verdadeiro sabor do bolo caseiro, com o conceito simples e prático que já conquistou milhares de clientes e consumidores. Para preparar um bolo delicioso é preciso adicionar apenas ovos e leite às pré-misturas da Coamo. “Nossos clientes e consumidores aprovam e elogiam nossas Misturas de Bolos, tanto que recentemente lançamos mais sabores, totalizando um portfólio com 10 sabores. Estamos sempre atentos às tendências de mercado e, por isso, investimos em pesquisas e desenvolvimento para atender as necessidades do nosso consumidor”, afirma o gerente Comercial dos Alimentos Coamo, Wagner Schneider.

Produção - As misturas de bolos da Coamo Linha Fácil são produzidas no Moinho de Trigo da cooperativa, com alta tecnologia e controle de qualidade. “Com base em sua visão e valores, a Coamo desenvolve vários processos operacionais e industriais que resultam em certificações, que atestam que os alimentos foram produzidos dentro dos requisitos exigidos de qualidade, tais como a implementação da FSSC 22000 (Food Safety System Certification)”, afirma o gerente do Moinho de Trigo da Coamo, Romão Ferreira Neto.

Origem - Os Alimentos Coamo são fruto do trabalho que começa nos campos dos mais de 29 mil associados da Coamo e, por esta razão, o diretor Industrial da Coamo, Divaldo Corrêa, acrescenta que a origem é outro diferencial de toda a linha de alimentos da cooperativa. “No campo começa a cadeia produtiva dos alimentos, com segurança e dentro dos parâmetros de qualidade exigidos pelas certificações, por isso, os Alimentos Coamo têm origem, já que a matéria-prima é produzida pelos donos da Coamo. É um trabalho focado na produção da matéria-prima, no processo industrial, no cliente e no consumidor, para entregar um produto diferenciado com qualidade e sabor, que diariamente surpreende os consumidores.” (Imprensa Coamo)

 

SOJA: Prêmios terão forte valorização no BR com suspensão de compras da China nos EUA

soja 02 06 2020O mercado mundial de soja começou junho com a notícia de que a China suspendeu, por parte de suas estatais, as compras de soja e carne suína dos Estados Unidos e a medida trará, inevitavelmente, um espaço ainda maior para a já demandada oleaginosa brasileira. O mês de junho, que começa nesta segunda-feira (01/06), deverá reservar, portanto, intensa volatilidade.

Prêmios - "A tendência disso é que o Brasil continue com um fortalecimento dos prêmios da soja tanto no mercado FOB quanto pelo interior do Brasil diante de um enxugamento das ofertas no país", explica o analista de mercado Marcos Araújo, da Agrinvest Commodities, em entrevista ao Notícias Agrícolas.

Insuficiente - No entanto, Araújo explica que o Brasil já não tem soja suficiente para atender a toda a necessidade de demanda até o final deste ano. As exportações podendo chegar as 80 milhões de toneladas este ano, já é esperado que haja um racionamento da demanda interna. "Ou seja, devemos sim ter uma redução do esmagamento interno, ao contrário do que ainda acredita a Abiove de um aumento do processamento de soja este ano", diz o analista.

Argentina - Parte das compras chinesas até poderia ser feita na Argentina, porém, por problemas logísticos, políticos internos e cambial tiram sua competitividade e não mudam muito as perspectivas do aumento de demanda esperado pela nação asiática no mercado brasileiro, o que deverá ser refletido diretamente nos prêmios.

Revendo posições - "Vários traders, diante dessas informações, estão revendo suas posições custo e frete, e a quanto será negociado o basis na China. Nós esperávemos um basis de pelo menos 92 centavos acima de Chicago para agosto, contra uma média de 112, mas já era realidade na sexta-feira, com compradores do basis da soja FOB agosto a 120 acima de Chicago. E a tendência natural é de que esses prêmios, deverão continuar a subir, e o descolamento do mercado do Brasil, diante dessas tensões", explica Araújo.

Câmbio - O avanço destes prêmios, porém, não será suficiente para compensar a intensa desvalorização do dólar frente ao real que, segundo o analista da Agrinvest, já impactam em cerca de R$ 10,00 por saca a menos se comparado aos melhores momentos do ano. "Tivemos um terço do ganho de competitividade em dólares em função da desvalorização do real", afirma. (Notícias Agrícolas)

FOTO: Danilo Estevão

 

CAFÉ: Concurso Qualidade Paraná abre período de inscrições

A Câmara Setorial do Café do Paraná e a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento divulgaram o novo regulamento do 18º Concurso Café Qualidade Paraná. O objetivo é valorizar e fortalecer a produção de cafés especiais, na busca de novas oportunidades de negócios para os produtores.

Inscrições - As inscrições são gratuitas e devem ser feitas nas unidades regionais do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná) até o dia 2 de outubro de 2020.

Manutenção - Mesmo com a pandemia do novo coronavirus, a Comissão Organizadora Estadual avaliou que é importante manter o concurso. “O agronegócio não para, e o concurso é um forte estímulo para continuar melhorando a qualidade da produção”, diz o gerente da Câmara Setorial do Café do Paraná, Francisco Barbosa Lima.

Qualificação - Para o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, o evento estimula a qualificação dos agricultores paranaenses. “É um meio de garantir aumento da renda aos cafeicultores e sustentabilidade à produção”.

Categorias - O concurso será realizado em duas categorias: Café Natural (via seca) e Café Cereja Descascado ou Despolpado (via úmida). A cerimônia de premiação dos vencedores está prevista para o início de novembro.

Avaliação - Os lotes serão avaliados por uma Comissão Julgadora, constituída pela Comissão Organizadora Estadual e composta por classificadores e degustadores de reconhecida competência no âmbito estadual e nacional.

Julgamento - O julgamento vai acontecer no Centro de Pesquisa em Qualidade do Café do IDR-Paraná em Londrina. Todos os detalhes do regulamento estão disponíveis no site www.cafequalidadeparana.com.br. Nos próximos dias, as informações sobre o cronograma também serão atualizadas.

Vencedores - Na última edição, os cafeicultores Valdeir Luiz de Souza, de Tomazina, e Edson Messias de Carvalho, de Joaquim Távora, foram os grandes vencedores nas categorias cereja descascado e natural, superando 120 lotes que participaram da disputa. Edson ganhou também um prêmio em reconhecimento à sustentabilidade de sua produção.

Premiação - Os lotes classificados até o 5º lugar de cada categoria terão garantia de compra pela Comissão Organizadora a preço da BM&F do dia anterior ao evento de encerramento, acrescido de, no mínimo, 50%.

Sustentabilidade - Outra categoria do concurso é a de Sustentabilidade. Os produtores que optarem em participar desta avaliação, precisam preencher uma planilha com informações detalhadas que incluem temas como a gestão da propriedade, rastreabilidade, gestão ambiental, planejamento ambiental, manejo e conservação do solo, manejo de pragas e doenças, armazenagem, qualificação, saúde e bem-estar dos trabalhadores.

Produção - Para a safra 2019/2020, a expectativa de produção de café no Paraná é de 56,3 mil toneladas em uma área de 36,1 mil hectares, concentrada principalmente no Norte do Estado, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento.

Investimento - “Embora o café não esteja entre as culturas mais expressivas do Estado em termos de volume, os produtores têm investido cada vez mais em qualidade e em cafés especiais”, diz o economista do Deral e responsável pela Comissão Organizadora Estadual, Paulo Franzini.

Parceria - Os parceiros desta edição são a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Paraná (Fetaep), Sistema Federação da Agricultura do Paraná (Faep), Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Sebrae, Sistema Ocepar, Fortaleza Coffee, Cooperativa Intregrada, Grupo 2 Irmãos, Sicredi, Crea-PR, Bratac, Sociedade Rural do Paraná, Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Probat, Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), Cocamar, Cocari e Copacol. (Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}2020/noticias/06/02/cafe/{/vsig}

EXECUTIVO: MP institui programa de acesso a crédito para pequena e média empresa

A Medida Provisória (MP) nº 975, publicada nesta terça-feira (02/06) no Diário Oficial da União, institui o Programa Emergencial de Acesso a Crédito. O objetivo, diz a MP, é facilitar o acesso a crédito por meio da disponibilização de garantias e de preservar empresas de pequeno e de médio portes diante dos impactos econômicos decorrentes da pandemia de coronavírus (Covid-19).

Público-alvo - O Programa Emergencial de Acesso a Crédito é destinado a empresas que tenham auferido em 2019 receita bruta superior a R$ 360 mil e inferior ou igual a R$ 300 milhões.

Participação - A MP autoriza a União a aumentar em até R$ 20 bilhões a sua participação no Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), exclusivamente para a cobertura das operações contratadas no âmbito do Programa Emergencial de Acesso a Crédito.

Ato - O aumento da participação será feita por ato do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Valores - Os valores não utilizados até 31 de dezembro de 2020 para garantia das operações ativas serão devolvidos à União por meio do resgate de cotas. (Agência Brasil)

 

CONGRESSO NACIONAL: Prorrogada vigência de MP que cria linha de crédito para pagamento de salários

congresso nacional 02 06 2020O presidente da Mesa do Congresso, senador Davi Alcolumbre, prorrogou por 60 dias o prazo para votação de três medidas provisórias. Entre elas, a MP 944/2020 que criou o Programa Emergencial de Suporte a Empregos. O ato foi publicado nesta segunda-feira (01/06) no Diário Oficial da União. Editada no dia 3 de abril, a medida estabelece uma linha de crédito de R$ 34 bilhões para garantir o pagamento dos salários em empresas com receita anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões durante a pandemia do coronavírus.

Demissão - Pela MP, o empregador beneficiado fica impedido de demitir funcionários sem justa causa, no período entre a contratação do empréstimo e até 60 dias após o recebimento da última parcela da linha de crédito.

Crédito extraordinário - Também teve sua vigência prorrogada, a MP 943/2020, editada pelo presidente Jair Bolsonaro no mesmo dia para viabilizar a execução do Programa Emergencial de Suporte a Empregos, previsto na MP 944. A medida abre crédito extraordinário de R$ 34 bilhões, recursos destinados às pequenas e médias empresas financiarem o pagamento de suas folhas salariais por dois meses, devido à pandemia da covid-19

Portuários - Outra medida com prazo ampliado é a MP 945/2020, publicada no dia 4 de abril, que protege os portuários e amplia as garantias de que os serviços nos portos, considerados essenciais não sejam afetados durante a crise de saúde no país.

Determinações - Entre as determinações, o texto permite a cessão de pátios sob administração militar para empresas de serviço aéreo, em áreas determinadas pelo Comando da Aeronáutica, e muda a forma de escalação dos trabalhadores avulsos que realizam as operações de carga e descarga.

Tramitação - As MPs aguardam votação na Câmara dos Deputados e depois seguirão para análise do Senado. (Agência Senado)

FOTO: Leopoldo Silva / Agência Senado

 

ECONOMIA I: Crédito emergencial para folha de pagamento será ajustado, diz BC

economia I 02 06 2020Com a baixa liberação do crédito emergencial para pequenas e médias empresas manterem empregos, deve haver mudanças no programa anunciado em março. Em audiência pública virtual nesta segunda-feira (01/06) do Congresso Nacional, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse que dos R$ 40 bilhões previstos, só foram liberados R$ 1,9 bilhão.

Empregados beneficiados - Foram 1,3 milhão de empregados beneficiados de mais de 79 mil empresas financiadas, até o último dia 26.

Potencial - “Havia um potencial de R$ 40 bilhões, e até agora há cerca de R$ 2 bilhões. Esse programa teve um volume de desembolso pior do que o esperado”, disse, afirmando que ajustes no programa vão acelerar os desembolsos.

Faturamento - A medida beneficia empresas que faturam de R$ 360 mil a R$ 10 milhões por ano. A empresa recebe o financiamento para manter a folha de pagamento, com valor limitado a dois salários mínimos por trabalhador e em contrapartida, o empregador não poderá demitir sem justa causa por 60 dias depois do recebimento do crédito. O empréstimo tem juros de 3,75% ao ano. A medida é válida por dois meses.

Mudanças - Segundo o BC, deverão ser incluídas empresas com faturamento bruto anual em 2019 entre R$ 10 milhões e R$ 50 milhões e haverá extensão do programa por mais dois meses.

Postos - Além disso, será liberada a concessão de financiamento para empresas que mantiverem ao menos 50% dos postos de trabalho. Atualmente, a contrapartida é a manutenção de todos os postos de trabalho.

Impacto adicional - A expectativa preliminar é de impacto adicional R$ 5 bilhões, com a extensão de 2 meses para empresas atualmente elegíveis e mais R$ 5 bilhões para empresas na nova faixa de faturamento. Com isso, o BC projeta o volume total do programa em R$ 15,5 bilhões. (Agência Brasil)

FOTO: Antônio Cruz / Agência Brasil

 

ECONOMIA II: Concessões de crédito atingem quase R$ 1 trilhão, diz Febraban

As concessões de crédito no período de 1º de março a 22 de maio de 2020 somaram R$ 914,2 bilhões, incluindo contratações, renovações e suspensão de parcelas, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Negociação - Segundo a federação, nesse período os bancos negociaram 9,7 milhões de contratos com operações em dia, com saldo devedor de R$ 550,1 bilhões. A soma das parcelas suspensas dessas operações repactuadas totaliza R$ 61,5 bilhões. Empresas e consumidores passaram a ter uma carência entre 60 a 180 dias para pagar suas prestações. De acordo com a Febraban, a maioria dos agentes beneficiados com prorrogação de parcelas é representada por pequenas empresas e pessoas físicas (R$ 33,1 bilhões).

Taxas de juros - De acordo com a Febraban, a taxa de juros para o conjunto das operações de crédito recuou de 23,1% para 21,5% ao ano. E o spread (diferença entre taxa de captação de recursos pelos bancos e a cobrada dos clientes) médio das operações de crédito caiu de 18,6% para 17,2%. (Agência Brasil)

BALANÇA COMERCIAL: País registra superávit de US$ 4,548 bilhões em maio

balanca comercial 02 06 2020Depois de subir em abril, a balança comercial começou a sentir os efeitos da pandemia de coronavírus e registrou contração em maio. No mês passado, o país exportou US$ 4,548 bilhões a mais do que importou, queda de 19,1% em relação ao resultado positivo de US$ 5,624 bilhões de maio de 2019.

Mais baixo - Este é o resultado mais baixo para meses de maio desde 2015, quando a balança tinha registrado superávit de US$ 2,751 bilhões. Com o resultado de maio, a balança comercial – diferença entre exportações e importações – acumula superávit de US$ 16,349 bilhões nos cinco primeiros meses de 2020, valor 19,5% inferior ao do mesmo período do ano passado.

Mês passado - No mês passado, as exportações somaram US$ 17,940 bilhões, recuo de 4,2% em relação a maio de 2019 pelo critério da média diária. A queda foi puxada pela indústria. A indústria extrativa exportou US$ 52,95 milhões a menos que em maio do ano passado, queda de 26,5%. A indústria de transformação exportou US$ 85,08 milhões a menos, queda de 15,9%.

Indústria de transformação - Na indústria de transformação, os principais produtos responsáveis pela queda das exportações são aeronaves e componentes, com redução de 94,1% na média diária de exportações, e veículos automóveis de passageiros, com queda de -90,2%. Na indústria extrativa, caíram as vendas de óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (-35,4%) e minério de ferro e seus concentrados (-23,1%).

Agropecuária - Somente a agropecuária exportou mais que em maio do ano passado. O setor vendeu US$ 99,88 milhões para o exterior, alta de 51,1%.

Importações - As importações somaram US$ 13,392 bilhões, queda de 1,6% em relação a maio do ano passado pelo critério da média diária. As compras de itens ligados à agropecuária cresceram US$ 500 milhões (0,3%) na mesma comparação. As importações da indústria de transformação aumentaram US$ 18,08 milhões (3%), mas as compras da indústria extrativa recuaram US$ 28,5 milhões (55,1%).

Principais produtos - Os principais produtos responsáveis pela queda nas importações foram os óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos crus, com redução de 82,7%; fertilizantes brutos, com recuo de 62,6%, e os minérios de cobre e concentrados, com recuo de 46,1%.

Estimativa- Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2019 em US$ 46,657 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima menor superávit em 2020, motivado principalmente pela pandemia do novo coronavírus. Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit de US$ 45,5 bilhões para este ano. O Ministério da Economia prevê saldo de US$ 46 bilhões. (Agência Brasil)

FOTO: Fábio Scremim / Appa

 

INFRAESTRUTURA: Governo apresenta ainda em junho projeto para estimular a cabotagem

infraestrutura 02 06 2020O governo federal apresentará, ainda em junho ao Congresso Nacional, o projeto que pretende estimular a cabotagem no Brasil. Segundo o secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, a Casa Civil está avaliando o mérito da proposta, "o que deve ser feito de forma rápida, uma vez que ela já vinha sendo trabalhada a quatro mãos”.

Maior programa - “O BR do Mar será o maior programa de estímulo à cabotagem de nossa história”, disse nesta segunda-feira (01/06) o secretário durante seminário virtual promovido pela FGV Transportes. Por meio do projeto, o governo federal pretende ajustar a legislação, de forma a aumentar a oferta, incentivar a concorrência, criar mais rotas e reduzir custos desse tipo de navegação, de forma a fazer dela uma alternativa logística à rodovia.

Congresso - “A gente acredita que em junho, impreterivelmente, esse projeto vai ao Congresso e, então, permitir avanço significativo no setor de cabotagem”, disse Sampaio ao antecipar alguns dos pontos que estarão contidos na proposta.

Possibilidades - “Ele possibilitará trazermos embarcações do estrangeiro para fazer parte de outras bandeiras e fazer cabotagem. Cria também a questão do bunker [combustível para navios], na parte de combustível para o setor; e mexe com o Fundo da Marinha Mercante, permitindo movimentações que não eram permitidas. É grande seu potencial para incentivar e fomentar a navegação em nossa costa”, disse o secretário.

Acessos portuários - Sampaio destacou que, com relação aos acessos portuários, há dificuldades para algumas ações do Ministério da Infraestrutura devido ao fato de o acesso a alguns portos ser por meio de rodovias municipais ou estaduais.

Vulnerabilidade - “São locais de vulnerabilidade de nossa malha. Fica difícil uma atuação mais intensa do ministério nesse sentido. O que temos buscado fazer é a manutenção de alguns desses pontos tanto no setor portuário como no rodoviário, nos principais acessos”, disse.

Aeroportos - O secretário disse, ainda, que o governo projeta R$ 3,5 bilhões em investimentos ao longo dos próximos 30 anos, pela iniciativa privada nos 12 aeroportos concedidos em 2019. Ele, no entanto, admitiu que os investimentos não têm sido feitos com a velocidade esperada. “Mas acredito que já a partir de junho ou julho eles virão”. (Agência Brasil)

FOTO: Tânia Rêgo / Agência Brasil

 

RECEITA FEDERAL: Prorrogada até 30 de junho suspensão das ações de cobrança

A Receita Federal prorrogou até 30 de junho as medidas temporárias adotadas por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19) referentes às regras para o atendimento presencial e a diversos procedimentos administrativos adotados na Portaria nº 543/2020. A alteração foi oficializada na Portaria RFB nº 936/2020, publicada em edição extra de do Diário Oficial da União na última sexta-feira (29/05).

Procedimentos administrativos - Os procedimentos administrativos que permanecem suspensos até o dia 30 de junho são os seguintes:

I - emissão eletrônica automatizada de aviso de cobrança e intimação para pagamento de tributos;

II - notificação de lançamento da malha fiscal da pessoa física;

III - procedimento de exclusão de contribuinte de parcelamento por inadimplência de parcelas;

IV - registro de pendência de regularização no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) motivado por ausência de declaração;

V - registro de inaptidão no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) motivado por ausência de declaração.

Prazos - O prazo para atendimento a intimações da Malha Fiscal da Pessoa Física e apresentação de contestação a Notificações de Lançamento, também da Malha Fiscal PF, e dos despachos decisórios dos Pedidos de Restituição, Ressarcimento e Reembolso, e Declarações de Compensação ficam prorrogado até o dia 30 de junho.

Emissão eletrônica - A emissão eletrônica de despachos decisórios com análise de mérito em Pedidos de Restituição, Ressarcimento e Reembolso, e Declarações de Compensação, que estavam suspensas, retomam à normalidade. Entretanto, o contribuinte não será prejudicado pois o prazo de impugnação desses atos está suspenso até o dia 30 de junho.

Atendimento Presencial A norma também determina que o atendimento presencial nas unidades de atendimento da Secretaria da Receita Federal (RFB) ficará restrito, até 30 de junho de 2020, mediante agendamento prévio obrigatório, aos seguintes serviços:

I - Regularização de Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

II - cópia de documentos relativos à Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (DIRPF) e à Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) - beneficiário;

III - parcelamentos e reparcelamentos não disponíveis na internet;

IV - procuração RFB; e

V - protocolo de processos relativos aos serviços de:

a) análise e liberação de certidão de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional;

b) análise e liberação de certidão de regularidade fiscal de imóvel rural;

c) análise e liberação de certidão para averbação de obra de construção civil;

d) retificações de pagamento; e

e) Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ).

Centro Virtual - Caso o serviço procurado não esteja entre os relacionados, o interessado deverá efetuar o atendimento por meio do Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) , na página na internet. Outros casos excepcionais serão avaliados e o chefe da unidade poderá autorizar o atendimento presencial.

Proteção - A restrição temporária do fluxo de contribuintes nas unidades de atendimento da Receita Federal visa à proteção dos contribuintes que procuram os serviços, bem como a proteção dos servidores que trabalham nestas unidades. (Ministério da Economia)

MP 933: Relator propõe adiar por mais 60 dias a suspensão do reajuste de remédios no País

mp 933 02 06 2020O relator da Medida Provisória 933/20, deputado Assis Carvalho (PT-PI), propõe a prorrogação por mais 60 dias (até 31 de julho) da suspensão do reajuste anual de medicamentos no País. Inicialmente previsto para o dia 1º de abril, o reajuste foi suspenso até esta segunda-feira (01/06), por meio da MP, como forma de atenuar os impactos econômicos da pandemia de Covid-19.

Pauta - A medida está na pauta de quinta-feira (04/06) do Plenário da Câmara dos Deputados.

Gastos - Assis Carvalho lembra que o País já está arcando com grandes gastos por conta do coronavírus e, por isso, permitir o aumento no preço dos remédios vai onerar ainda mais os cofres públicos.

Emendas - O deputado informou que algumas das emendas recebidas tratavam da ampliação dessa suspensão por prazo indeterminado, mas, depois de ter conversado com o governo e com a indústria farmacêutica, ele optou pela prorrogação da suspensão por mais 60 dias, ou seja, até 31 de julho.

Manutenção - "O nosso trabalho é fazer a manutenção desse congelamento para poder proteger, de um lado, o consumidor e, de outro lado, não ser uma prorrogação tão longa que prejudique o mercado”, disse Carvalho.

Entraves - De acordo com o parlamentar, os principais entraves do setor farmacêutico são o câmbio elevado e os problemas com a logística de transporte. Em 2019, o setor faturou R$ 200 bilhões. (Agência Câmara)

FOTO: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Brasil chega a 526,4 mil casos e 29,9 mil mortes por coronavírus

saude I destaque 02 06 2020O balanço diário divulgado pelo Ministério da Saúde trouxe 12.247 novas pessoas infectadas pela covid-19, totalizando 526.447. O resultado marcou um acréscimo de 2,3% em relação a domingo (31/05), quando o número de pessoas infectadas estava em 514.200.

Mais mortes - A atualização do Ministério da Saúde registrou 623 novas mortes, chegando a 29.937. O resultado representou um aumento de 2,1% em relação a ontem, quando foram contabilizados 29.314 falecimentos por Covid-19. Geralmente, os dados são menores aos domingos e segunda, quando há menos alimentação do banco de dados, e maiores na terça-feira, quando há acúmulo de novos dados do fim de semana.

Acompanhamento - Do total de casos confirmados, 285.430 estão em acompanhamento e 211.080 foram recuperados. Há ainda 4.412 óbitos sendo analisados.

Epicentro - São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (7.667). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (5.462), Ceará (3.188), Pará (2.925) e Pernambuco (2.875).

Outros estados - Além disso, foram registradas mortes no Amazonas (2.071), Maranhão (976), Bahia (701), Espírito Santo (614), Alagoas (461), Paraíba (370), Rio Grande do Norte (323), Minas Gerais (278), Rio Grande do Sul (232), Amapá (228), Paraná (190), Distrito Federal (171), Piauí (168), Sergipe (166), Acre (161), Rondônia (159), Santa Catarina (146), Goiás (127), Roraima (116), Tocantins (76), Mato Grosso (66) e Mato Grosso do Sul (20).

Casos confirmados - Já em número de casos confirmados, o ranking tem São Paulo (111.269), Rio de Janeiro (54.530), Ceará (50.504), Amazonas (41.774) e Pará (38.046). Entre as unidades da federação com mais pessoas infectadas estão ainda Maranhão (35.297), Pernambuco (34.900), Bahia (18.898), Espírito Santo (14.069) e Paraíba (13.695).

Mundo - De acordo com o mapa global da universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, o Brasil é o segundo colocado em número de casos, atrás apenas dos Estados Unidos (1,8 milhão). O país é o quarto no ranking de mortes em decorrência da Covid-19, atrás da Itália (33.475), do Reino Unido (39.127) e dos Estados Unidos (104.812). O Brasil cai nos rankings quando os dados são tomados proporcionalmente a sua população. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

saude I quadro 02 06 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude I tabela 02 06 2020

 

SAÚDE II: Paraná tem 4.835 casos e 190 óbitos pela Covid-19

saude II 01 06 2020A Secretaria da Saúde divulgou, nesta segunda-feira (01/06), mais um informe atualizado sobre o cenário da Covid-19 no Paraná. São 148 novas confirmações de pessoas contaminadas, chegando ao total acumulado de 4.835 casos no Estado. O informe também registra mais oito óbitos, elevando para 190 o número de falecimentos em decorrência da doença.

Cidades - Os casos registrados estão em 255 cidades, de todas as regiões do Estado e os óbitos ocorreram em 75 municípios.

Óbitos - As oito pessoas que foram a óbito estavam internadas. São seis homens e duas mulheres. Uma paciente de 75 anos, que residia em Palotina faleceu nesta segunda-feira, e a outra morava em São José dos Pinhais, tinha 82 anos, e morreu no domingo (31/05).

Origem - Dois homens que residiam em Curitiba, um de 57 anos, faleceu no sábado (30/05), e outro, de 64 anos, morreu no domingo (31/05). Um paciente de 87 anos, que residia em Foz do Iguaçu, foi a óbito em 23 de maio. Os outros três pacientes do sexo masculino faleceram no domingo (31/05): um morador de Piraquara, 60 anos; morador de Mamborê, 61 anos, e de Toledo, 63 anos.

Internados - Estão internados atualmente 335 pacientes com o diagnóstico confirmado para a Covid-19. São 255 pacientes em leitos do SUS (94 em UTI e 161 em leitos enfermaria) e 80 em leitos da rede hospitalar privada (32 em UTI e 48 em leitos enfermaria).

Municípios - 255 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado de Covid-19, o que representa 64% do total de 399 municípios. Em 75 cidades há registro de óbitos pela doença. Entre as 22 regionais de Saúde, apenas a de Irati (4ª) e a de Guarapuava (5ª) não têm ocorrência de óbito.

Novas confirmações - As novas confirmações dos municípios de Almirante Tamandaré (2), Andirá (2), Antonina (1), Arapoti (1), Araucária (2), Assaí (1), Assis Chateaubriand (6), Balsa Nova (1), Bituruna (1), Bocaiúva do Sul (1), Cambé (5), Campina Grande do Sul (6), Campo Largo (1), Capanema (1), Carambeí (1), Chopinzinho (1), Cianorte (7), Colombo (6), Cornélio Procópio (10), Curitiba (23), Francisco Beltrão (1), Guarapuava (3), Ibiporã (1), Imbaú (1), Indianópolis (1), Jandaia do Sul (1), Joaquim Távora (1), Laranjeiras do Sul (1), Londrina (7), Mandirituba (5), Maringá (1), Morretes (1), Palotina (1), Paranaguá (1), Paranavaí (1), Pato Branco (3), Pinhais (6), Pinhão (1), Piraquara (3), Ponta Grossa (4), Porecatu (1), Quatro Barras (3), Quedas do Iguaçu (1), Rancho Alegre (1), Rio Negro (1), Rondon (4), Salgado Filho (1), Santo Inácio (1), São José dos Pinhais (1), São Manoel do Paraná (1), São Tomé (1), Telêmaco Borba (1), Toledo (2), Três Barras do Paraná (1), Tuneiras do Oeste (4), Uraí (1).

Fora do Paraná - Não houve aumento nos casos de residentes de fora do Paraná. O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 65 confirmações e cinco óbitos de pacientes que foram assistidos no Estado, mas residem em outros locais.

Ajustes - Um caso confirmado dia 26 de maio em Curitiba foi transferido para São José dos Pinhais; outro dia 30 em Almirante Tamandaré foi transferido para Icaraíma, e um confirmado dia 27 em Curitiba foi transferido para Bocaiúva do Sul. (Agência de Notícias do Paraná)

CONFIRA O INFORME COMPLETO.

 


Versão para impressão


RODAPE