Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4833 | 29 de Maio de 2020

REUNIÕES INSTITUCIONAIS: Para presidente da C.Vale, resultados da cooperativa devem ser vistos como um desafio

reuniao institucional 29 05 2020Foi realizada, na tarde desta quinta-feira (28/05), a 14ª reunião institucional do Programa de Autogestão, promovida pelo Sistema Ocepar por videoconferência. Desta vez, os profissionais da entidade estiveram com representantes da C.Vale, cooperativa sediada em Palotina, no Oeste do Estado. Participaram mais de 40 pessoas, entre as quais integrantes dos Conselhos de Administração e Fiscal e gerentes da cooperativa. O encontro teve ainda a presença do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e dos superintendentes do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, e da Ocepar, Robson Mafioletti.

Desafio - Na oportunidade, foi realizada a apresentação da situação econômico-financeira da C.Vale, por meio de indicadores e comparativos com outras cooperativas paranaenses do mesmo ramo e região. “Muito obrigado pelo empenho de vocês. Foi muito boa apresentação da equipe da Ocepar. Foi 10 e nos deu a oportunidade de conversar com todos, mesmo que virtualmente. Em relação aos números da cooperativa, embora tenha evoluído de um ano para outro, nós sempre temos a preocupação de encará-los como um desafio, para sempre melhorar. Isso é um motivo pra gente continuar lutando, brigando e vencendo esse limite. Não sei este ano, mas esperamos melhorar, apesar de todas as dificuldades”, afirmou o presidente da C.Vale, Alfredo Lang, ao final da reunião. A cooperativa encerrou o exercício de 2019 contabilizando R$ 8,92 bilhões de faturamento.

Plano Safra - Lang solicitou ao presidente da Ocepar informações sobre o andamento das negociações relativas ao Plano Safra 2020/2021 para que a cooperativa possa se preparar para o próximo ciclo agropecuário, que se inicia em 1º de julho. O anúncio das medidas está previsto para o dia 15 de junho. “O Plano Safra está muito bem encaminhado. Na Assembleia da CNCoop, realizada hoje na OCB, foi feito um relato sobre isso. Para nós, o Plano Safra é o evento mais importante do ano. Porque os R$ 10 bilhões que nós captamos, tanto para custeio, como para industrialização e investimento, têm como origem o Plano Safra. É a maior fonte de recursos para o nosso setor. Obviamente que hoje existem vários bancos que atuam com as cooperativas, mas o recurso certo vem do Plano Safra”, afirmou Ricken.

Equalização - Ele disse ainda que, ao participar de um encontro virtual, na segunda-feira (25/05), com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, foi abordada a questão do montante que deverá ser destinado à equalização dos juros do Plano Safra. “O que nós temos garantido seria um valor de R$ 10 bilhões. O ideal seria de R$ 13 a R$ 15 bilhões para atender toda demanda. Se tiver equalização, os bancos vão aplicar na atividade agropecuária, já que o governo, na verdade, equaliza, e os bancos colocam os recursos nos depósitos líquidos à vista etc. Então, tendo esse montante, será possível dizer que o valor do ano passado está garantido. E, dentro disso, nós também pedimos a manutenção de todos os programas de investimento para o cooperativismo e temos uma sinalização de que isso vai ocorrer”, ressaltou.

Juros - De acordo com Ricken, a taxa de juros deve ficar aquém do proposto pelo cooperativismo. “Talvez não iremos conseguir a redução de juros de até 3% ao ano que propusemos, mas se vierem 2% a menos do que na safra passada e que tenha recursos para a safra, nós já podemos nos considerar satisfeitos”, pontuou.

Vantagem - “A situação é delicadíssima, mas nós levamos uma vantagem. Nosso setor é o único com liquidez no mercado e que tem demanda nacional. Nós temos onde vender o nosso produto e gerar divisas para o país. Na reunião com o BC, também vimos que nunca houve uma evasão tão grande de recursos internacionais, uma fuga do Brasil por falta de credibilidade do país. De qualquer forma, o nosso setor é um dos que ainda podem alavancar a nossa economia. Nós podemos sair na frente. Eu diria o seguinte: nós não estamos satisfeitos com o nosso resultado, mas ele é bom. O da C.Vale também é muito significativo e nós temos uma visão muito positiva do trabalho de vocês. Mas, é claro, sempre queremos mais. Mas nós podemos ser essa alavanca para o início da retomada econômica do Brasil. Nenhum outro setor tem a nossa dimensão”, acrescentou.

Investimentos - O presidente da Ocepar também falou sobre o valor que as cooperativas estão projetando aplicar em investimentos. “O Brasil nunca teve um caixa tão estourado como agora. Mas acreditamos que o Plano Safra será o melhor possível dentro das possibilidades do governo e que vai nos atender. Só o cooperativismo do Paraná tem uma demanda acima de R$ 3 bilhões em investimentos. Nós fizemos uma revisão desses números e teve uma redução de 8% na expectativa das cooperativas. Apesar de todas as dificuldades, nós queremos continuar investindo e o nosso planejamento é fundamental. Estamos otimistas e acreditamos que serão divulgadas medidas pelo menos razoáveis”, disse.

Ministra - Ricken destacou ainda o empenho da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. “O compromisso da ministra é com o setor agropecuário, que ela jamais vai deixar na mão. Ela realmente conhece a área, está preparada, circula muito bem entre todas as instâncias, seja no executivo, junto ao Ministério da Economia, na Receita Federal, entre outras, e é a liderança mais expressiva do governo federal. E nós a convidamos para ser a madrinha do Dia C – Dia de Cooperar, que é o nosso grande movimento de responsabilidade social, para prestigiá-la”, finalizou.

Temas - Na reunião institucional, as propostas para o Plano Safra 2020/21 encaminhadas pelo cooperativismo ao governo federal foram apresentadas pelo gerente técnico da Ocepar, Flávio Turra. Ele também tratou sobre indicadores macroeconômicos, ações estratégicas do cooperativismo para mitigar os efeitos da pandemia e as principais conquistas obtidas até o momento. Já o superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, fez uma explanação sobre o trabalho de representação institucional realizado pelo Sistema Ocepar. O coordenador de Desenvolvimento Cooperativo, João Gogola Neto, apresentou os cenários econômicos e financeiros da C.Vale e a gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emilia Pereira, falou sobre as atividades do Sescoop/PR e as entregas mais recentes da entidade, como o lançamento de duas plataformas de EaD, que proporcionam a continuidade das atividades de formação profissional mesmo nesse período de pandemia, e o lançamento de diversas publicações, como o Manual das Melhores Práticas de Organização do Quadro Social, a Coletânea Conhecendo o Cooperativismo e os e-books produzidos em parceria com o Sescoop Nacional, um deles sobre Home Office, com dicas sobre como se adaptar a essa nova forma de trabalho, e outro sobre Plano de Retomada, para quem está voltando às rotinas presenciais. Maria Emília encerrou sua participação destacando a importância do Dia C.

 

COVID-19 I: Comitê de Acompanhamento do Sistema Ocepar divulga comunicado 46

covid 15 05 2020O Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou, na manhã desta sexta-feira (29/05), o comunicado 46 com mais informações de interesse do cooperativismo paranaense. Entre os destaques estão a reunião do Grupo Técnico Frigoríficos para discutir o protocolo que deve ser seguido pelos frigoríficos devido à pandemia e a prorrogação do prazo de inscrição ao Prêmio Ocepar de Jornalismo. Veja abaixo:

1. No dia 28 de maio, o Sistema Ocepar realizou duas reuniões virtuais da Autogestão com as cooperativas Frimesa e C.Vale, contando com a participação do presidente, diretores e gestores.

2. No dia 28 de maio, a Comissão Organizadora do 14º Prêmio Ocepar de Jornalismo decidiu prorrogar as datas de veiculação e inscrições. Para acessar a matéria completa, clique aqui.

3. No dia 28 de maio, foi realizada reunião virtual do Grupo Técnico Frigoríficos com a Secretaria de Defesa Agropecuária SDA/Mapa, coordenação do Sistema OCB e com participações da Ocepar e cooperativas agropecuárias dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, para tratar sobre o protocolo de orientações gerais para frigoríficos em razão da pandemia da Covid-19.

4. No dia 28 de maio, o Governo Estadual do Paraná publicou o Boletim Semanal de acompanhamento dos impactos econômicos e sociais, Estado contabiliza queda de R$ 1,2 bilhão na arrecadação de ICMS. Para acessar o boletim completo, clique aqui.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

COVID-19 II: Cooperativas discutem impactos da pandemia na indústria frigorífica

O Sistema OCB reuniu, na tarde desta quinta-feira (28/05), os integrantes do grupo técnico Frigoríficos para dar continuidade às discussões relacionadas aos impactos do Covid-19 na indústria frigorífica. O encontro, por videoconferência, ocorreu das 13h30 às 15h, com representantes de cooperativas agropecuárias do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O superintendente do Sistema Ocepar, Robson Mafioletti, também acompanhou o debate. Houve ainda a participação do secretário adjunto da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Márcio Rezende.

Relatos - Na reunião foi realizado um relato sobre as ações desenvolvidas pelas cooperativas com o Ministério da Agricultura, como as contribuições repassadas pelo setor para subsidiar as portarias e outras normas estabelecendo os cuidados que os frigoríficos devem implantar com o propósito de evitar a contaminação e a disseminação do novo coronavírus. As cooperativas também tiveram um espaço para discorrer sobre as operações e medidas adotadas recentemente com esse objetivo.

Clique aqui para conferir a apresentação do Sistema OCB feita na reunião

COVID-19 III: Confira os destaques da área destinada ao coronavírus no Portal PR Cooperativo

covid II 15 05 2020A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo atualiza toda sexta-feira as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira.

 

COOPERATIVISMO: Finalizadas AGO e AGE da CNCoop

cooperativismo 29 05 2020Nesta quinta-feira (28/05), foi dia de Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária da Confederação Nacional das Cooperativas, a CNCoop. Em pauta, a eleição da nova diretoria e também dos integrantes do Conselho Fiscal para o período 2020-2024.

Virtualmente - Ambas as assembleias foram realizadas virtualmente. Na AGO, os participantes analisaram e aprovaram: o relatório de atividades, o balanço patrimonial e a prestação de contas da diretoria referentes ao ano passado. Aprovaram, ainda, o plano de atividades e o orçamento deste exercício.

AGE - Na sequência da AGO, foi realizada a AGE, onde foram eleitos os novos membros da Diretoria e do Conselho Fiscal. Os integrantes da nova diretoria da CNCoop, bem como do Conselho Fiscal, foram empossados no mesmo ato para exercício de mandato a partir do próximo dia 1º de julho. O mandato tem duração de quatro anos.

Participação - Tanto a AGO quanto a AGE contaram com a participação de todos os 19 delegados representantes das Federações filiadas à CNCoop, do presidente Márcio Lopes de Freitas, do superintendente Renato Nobile, da gerente geral Tânia Zanella, que secretariou os trabalhos, e da equipe técnica da Gerência Sindical da CNCoop. O presidente do Sistema OCDF, Remy Gorga, conduziu a AGE diretamente da sede do Sistema OCB.

Nova composição - Confira abaixo como ficou a nova composição dos colegiados:

DIRETORIA – 2020/2024

Presidente - Márcio Lopes de Freitas

Vice-Presidente - Ronaldo Ernesto Scucato

Vice-Presidente - André Pacelli Bezerra Viana

Vice-Presidente - Celso Ramos Regis

Vice-Presidente - Nelson Costa

Vice-Presidente - Edivaldo Del Grande

CONSELHO FISCAL – 2020/2024

CONSELHEIROS EFETIVOS

Dalva Aparecida Garcia Caramalac

José Aparecido dos Santos

Alexandre Gatti Lages

CONSELHEIROS SUPLENTES

Robson Leandro Mafioletti

Jorge Luiz Soares Barbosa

Aramis Moutinho Júnior

(Informe OCB)

 

SISTEMA OCB: CooperaBrasil cresce entre as cooperativas

sistema ocb 29 05 2020Serviços como transporte de passageiros, bancários, educacionais e artísticos, além de produtos como chocolates, carnes e grãos podem ser encontrados no CooperaBrasil, um ambiente virtual criado pelo Sistema OCB para ser a grande vitrine das cooperativas brasileiras. Tem até internet e energia elétrica no hall de produtos e serviços que podem ser encontrados nessa espécie de catálogo digital.

Cadastros - Até agora, cerca de 200 cooperativas já se cadastraram gratuitamente. “Esse ambiente virtual faz parte da nossa estratégia de estimular a intercooperação das cooperativas, comprando e vendendo umas das outras, além de divulgar que elas produzem ou oferecem em termos de serviços. O cadastro é gratuito. A única coisa que a cooperativa precisa estar atenta é em preencher todos os campos do formulário de cadastro para que ela possa ser localizada por um possível cliente”, explica a gerente geral da OCB, Tânia Zanella.

Cuidado - Esse cuidado com o preenchimento dos dados, explica a gerente, é essencial para que a cooperativa esteja habilitada a fazer negócios via CooperaBrasil. Segundo ela, cerca de 22% dos cadastros feitos até agora não foram concluídos. (Cadastre aqui)

Regiões - Até agora, as regiões com maior índice de cadastro são a Sul e a Sudeste, cada uma com 26% das inscrições efetivamente concluídas. Na sequência aparecem o Nordeste (23%), o Norte (15%) e o Centro-Oeste (9%).

Ramos - Entre os ramos, o Agro é o que mais tem cooperativas cadastradas, seguido pelo Ramo Trabalho, Produção, Bens e Serviços. O Transporte vem em terceiro lugar e, na sequência, aparecem o Saúde, o Crédito, o Consumo e o Infraestrutura.

Produtos e serviços - Em relação à oferta de produtos ou serviços, a região Sudeste é a campeã na oferta de serviços, com 33 cooperativas cadastradas, enquanto o Sul possui a maior quantidade de cooperativas que oferecem produtos (21).

Localização - O que encontrar

- Ramo Agro: café, carnes (peixe, aves), chocolates e derivados, milho e derivados, soja e derivados, frutas, leite e derivados, sucos e polpas.

- Infraestrutura: distribuição ou geração de energia e manutenção de equipamentos, casa e construção, Internet dados e telefonia.

- Consumo: educação formal, proteção veicular e residência, móveis e eletrodomésticos.

- Crédito: consórcios bancários, proteção e assistência de vida, serviços bancários.

- Saúde: assistência médica e exames, assistência odontológica.

- Transporte: armazenagem, locação de veículos, retirada e distribuição de malotes, transporte de cargas, transporte de passageiros, transporte de passageiros coletivo, equipamentos e produtos de transporte.

- Trabalho, produção, bens e serviços: assistência técnica, atividades artísticas, atividades de defesa de direitos sociais, construção civil, consultoria e instrutoria, prestação de serviços, cursos e treinamentos, manutenção e serviços de limpeza, conservação patrimonial, montagem industrial, serviços gerais. (Informe OCB)

SISTEMA OCESP: Transformação digital na saúde é tema de seminário digital

Apresentar as perspectivas da transformação digital na área da saúde, tendo em vista a coordenação do cuidado com o paciente e a sustentabilidade das cooperativas após a pandemia. Este é o objetivo do próximo webinar do Sistema Ocesp, que será realizado na terça-feira (02/06), com a participação de Nathália Nunes, head de produto e conteúdo da Informa Markets, Maurício Cerri, superintendente de Tecnologia da Informação da Unimed Fesp, e Christian Morato de Castilho, coordenador médico do programa de Atenção Primária à Saúde da Unimed Fesp. A mediação será da coordenadora do núcleo de Inteligência de Mercado do Sescoop/SP, Lajyarea Barros Duarte.

Transmissão - O evento online será transmitido no canal do Sistema Ocesp no Youtube, onde também é possível ter acesso aos outros quatro webinars já realizados até aqui. Embora o foco seja na área da saúde, Lajyarea acredita que gestores e dirigentes de outros ramos do cooperativismo poderão obter insights durante o evento. “Como a transformação digital é um assunto transversal, que impacta diversos setores da sociedade, creio que as reflexões possam fazer sentido para outros segmentos também”, avalia.

Impactos - A coordenadora explica que a expectativa é apresentar os impactos da transformação digital em diversos aspectos da vida dos pacientes e das pessoas de forma geral. “Vamos avaliar o que está sendo acelerado pela pandemia e a conexão das transformações com a atenção primária à saúde”, explica. "O tema ganhou mais destaque neste momento, mas já estava em desenvolvimento pelas cooperativas paulistas anteriormente. A pandemia só tornou mais urgente a aplicação de iniciativas inovadoras”, completa.

Apoio - Lajyarea lembra que o Sescoop/SP já apoia iniciativas transformadoras das cooperativas há alguns anos, tanto na implantação da APS quanto em outros projetos. Ela também ressalta a experiência dos convidados para debater e trocar experiências. "A Nathália é uma profissional que tem estudado muito sobre transformação digital em saúde; o Christian é uma referência em APS no Sistema Unimed e o Maurício está à frente dos projetos de inovação da Unimed Fesp. Nossa expectativa é super positiva”, salienta a coordenadora do Sescoop/SP.

Breve currículo- Nathália Nunes é fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na Unifesp e imersão em tecnologia de saúde pela Harvard T.H. Chan School of Public Health. Ela estuda especialmente a aplicação de novas tecnologias na área de saúde. Atua há mais de 5 anos em estudos de mercado e tendências em diferentes perspectivas do setor de saúde. Hoje, é head de produto e conteúdo na empresa Informa Markets.

Cerri - Mauricio Cerri é superintendente de tecnologia da informação na Unimed Fesp, responsável pela área de TI, inovação e pelo centro de serviços compartilhados. Tem mais de 15 anos de experiência no segmento de saúde. Formado em Ciência da Computação, mestre em Engenharia de Software pela UFSCar e com MBA em Administração na Miami University.

Castilho - Christian Morato de Castilho é médico de família e comunidade, com residência pela FM-UFMG e titulado pela AMB. Médico cooperado da Unimed-BH, possui MBA em Gestão em Saúde pela FGV. Foi preceptor da residência de MFC da UFMG e professor do curso de medicina na Unifenas. Foi colaborador da Unimed-BH em diversos cargos de gestão, dentre eles o de superintendente de assistência ambulatorial. Atualmente, atua como consultor, professor e palestrante ajudando empresas de saúde a construir modelos sustentáveis e eficientes de cuidado.

Acesso - Acesse o canal do Sistema Ocesp no Youtube e clique no sininho para adicionar um lembrete do webinar. (Sistema Ocesp/Informe OCB)

 

C.VALE: Cooperativa realiza primeiro Dia de Campo Digital sobre Milho Safrinha

A C.Vale apresentou, nessa quinta-feira (28/05), ao vivo, das 8 horas às 12h, através do canal da cooperativa no Youtube, o Dia de Campo Digital sobre milho safrinha. Mais de 8mil internautas acompanharam informações sobre produtividade, época de plantio e controle de pragas e doenças.

Participação - O evento contou com a participação de 26 empresas parceiras da cooperativa. Ao contrário de anos anteriores não foi aberto ao público em razão da pandemia do novo coronavírus. Cumprindo todas as normativas e recomendações dos ministérios da Saúde e do Trabalho, os trabalhos foram executados com número reduzido de profissionais.

Link - Para assistir todo o conteúdo basta acessar https://www.youtube.com/watch?v=AF1yevvSs-o e clicar no tempo da descrição de cada apresentação.

Sequência - Confira na sequência as apresentações:

21:30 - Vídeo Institucional

29:26 – Abertura

30:59 – Morgan

44:07 – Forseed

54:28 – Bayer

1:01:36 – Dekalb

1:07:25 – Yara

1:18:19 – Ourofino

1:24:48 – Inquima

1:29:32 – FMC

1:35:18 – Giro

1:40:58 – Corteva

1:50:30 – Brevant

1:58:40 – Pioneer

2:10:38 - Agricultura de Precisão C.Vale

2:17:50 – Ihara

2:24:12 - Aviação Agrícola C.Vale

2:31:08 – Basf

2:40:58 – Mosaic

2:50:21 – Agroceres

2:56:39 – Agroeste

3:02:06 – UPL

3:10:06 – Syngenta

3:22:06 - Syngenta NK Seeds

3:36:12 - Sementes C.Vale

3:44:57 – Ômega

3:48:12 - Seguro Agrícola C.Vale

3:59:13 - Timac Agro

4:10:42 - Carbom Brasil

4:15:35 – Vittia

4:22:46 – Adama

4:30:38 – Encerramento

(Imprensa C.Vale)

{vsig}2020/noticias/05/29/cvale/{/vsig}

AGRÁRIA: Encontro online reúne multiplicadores de sementes da cooperativa

Entre os muitos fatores que influenciam um bom resultado no final da colheita está a qualidade da semente plantada. Por isso, na última terça-feira (26/05), a Agrária promoveu uma reunião online com seus multiplicadores de sementes.

Cooperados - Atualmente, cerca de 40 famílias de cooperados participam da atividade. Toda matéria-prima produzida por eles é destinada à Agrária Sementes. Dentro da unidade de negócio acontece o beneficiamento deste material, que posteriormente é utilizado no campo.

Assuntos - Na reunião foram tratados assuntos como documentações e laudos necessários para a realização da multiplicação, além de parâmetros para o recebimento de sementes. Os cooperados também foram informados sobre as novas regras do Programa Sinergia.

Qualidade - O Sinergia foi criado há aproximadamente dois anos, com o objetivo de avaliar a qualidade das sementes entregues pelos multiplicadores. O Programa analisa indicadores como: implantação dos campos de sementes; acompanhamento de laudos de vistoria; participação em reuniões e treinamentos; e aproveitamento do volume de matéria-prima na recepção.

Classificação - Através da pontuação nos indicadores os multiplicadores são classificados em quatro níveis. É esta classificação que define a bonificação que será concedida ao cooperado.

Importância - Durante o encontro, o gerente de Operações e Logística da Agrária, André Spitzner, destacou a importância que os multiplicadores têm para o negócio de sementes. “Os multiplicadores são uma extensão do sistema da Agrária Sementes. Não existe multiplicação de sementes sem o produtor”, afirmou, ressaltando que estão sendo realizadas mudanças na Unidade de Beneficiamento de Sementes, com o intuito de tornar o processo de recepção mais qualificado e ágil.

Potencial - O cooperado David Naiverth participa da multiplicação de sementes há pouco tempo, mas considera que a atividade tem potencial de crescimento dentro da cooperativa e pode gerar mais rentabilidade aos produtores no futuro. “É um produto que pode ter muito valor agregado. Trata-se de uma via de mão dupla, sem multiplicador não há a Agrária Sementes e vice-versa. Por isso, as duas partes precisam trabalhar juntas”, disse. (Imprensa Agrária)

{vsig}2020/noticias/05/29/agraria/{/vsig}

SICREDI: Dicas de atividades educativas e sobre finanças para fazer com crianças durante isolamento

sicredi 29 05 2020A pandemia do novo coronavírus e as consequentes medidas de isolamento social trazem um desafio extra para as famílias com crianças. Com a suspensão das aulas nas escolas é preciso criatividade para continuar reorganizando as agendas, além de adequar horários específicos para as atividades em família, os estudos e as brincadeiras.

Situação econômica - Nesse período, a situação econômica também está alterando a rotina de muitas famílias brasileiras que buscam no planejamento e no corte de gastos extras uma alternativa. Especialistas garantem que é importante aprender a lidar com o dinheiro desde cedo. Por isso, e para ajudar as famílias que já esgotaram o repertório de atividades com as crianças, o Sicredi preparou algumas dicas de atividades de educação financeira e brincadeiras fáceis de fazer, que trazem conhecimento de maneira lúdica e divertida.

1 – Lições financeiras com a Turma da Mônica

Os desenhos animados são um sucesso entre a garotada, mas em tempos de isolamento social vale investir também em produções que agregam conhecimento. Dicas de educação financeira e sobre como economizar estão presente nos desenhos animados da Turma da Mônica feitos em parceria com o Sicredi. São três animações que trazem como tema central questões como: de onde vem o dinheiro, orçamento familiar e a recompensa de quem sabe administrar os gastos. Os desenhos animados podem ser assistidos no canal oficial do Sicredi no YouTube. “Desenvolvemos várias iniciativas de educação financeira porque acreditamos que os conceitos aprendidos na infância ficam por toda a vida. Uma criança que sabe de onde vêm os recursos e entende as relações de consumo, a importância do planejamento e do hábito de poupar terá mais chances de evitar dívidas no futuro”, explica o presidente nacional do Sicredi e da Central Sicredi PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock.

2 - Jogos de tabuleiro

Conhecidos entre crianças de várias gerações, os jogos de tabuleiro ajudam a reunir pessoas de várias idades que moram na mesma casa. Alguns jogos, como os tradicionais Monopoly e Banco Imobiliário, estimulam a capacidade de raciocínio e negociação dos participantes. Durante a partida, as crianças também podem aprender a planejar o uso de recursos e fazer investimentos. Como a brincadeira normalmente reúne jogadores de várias idades, os jogos também podem ser uma oportunidade para as crianças aprenderem as nuances do mundo dos negócios.

3 - Quiz e atividades na internet

Com o objetivo de ensinar educação financeira de uma maneira leve e divertida em diferentes plataformas, o Sicredi lançou um conteúdo especial sobre educação financeira também disponível na internet. A página traz opções de quiz, livro de atividades e desenhos para pintura. Os conteúdos podem ser trabalhados envolvendo adultos e crianças e promovem uma reflexão sobre planejamento financeiro. O projeto Tranformando.com.vc com a iniciativa “Fica em Casa” também reúne dicas e orientações de atividades para fazer com as crianças tornando a quarentena um momento de diversão e aprendizagem. “A melhor coisa que pode acontecer com uma criança é desenvolver todos os seus sentidos com música, dança, teatro, brincadeiras, jogos de montar, pinturas e desenhos. Todas essas atividades são importantes, pois desenvolvem a coordenação visomotora. Na brincadeira, as crianças também estão desenvolvendo atenção e concentração", explicou o mestre em Educação Marcos Meier, durante uma live transmitida pelo projeto Transformando.

4 - Exploração em Casa

Nessa atividade é possível estimular a curiosidade das crianças. Para brincar basta provocar a formação de uma “Pergunta Exploratória”. É preciso incentivar a criança a encontrar, dentro de casa, algum tema que que ela gostaria de saber as respostas. Use pontos estratégicos da casa, como a cozinha ou a sala, para estimular a descoberta. Definida a pergunta, a criança pode partir para a “Expedição Investigativa” desbravando o ambiente que ela pretende explorar e com as questões que podem ser respondidas pelos adultos, com os conhecimentos já obtidos, ou também com ajuda das tecnologias ou outras formas de pesquisa. A atividade pode ser concluída com a criança conversando sobre tudo que aprendeu com a exploração. A brincadeira é inspirada no Programa A União Faz a Vida, principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi. “A metodologia propõe uma aprendizagem participativa tendo o diálogo como premissa básica. O programa já impactou mais de 2 milhões de crianças e adolescentes em todo o país”, afirma a assessora de Desenvolvimento do cooperativismo da Central Sicredi PR/SP/RJ, Alyne Lemes.

5 - Imaginação para comprar e vender

Pais e filhos podem se divertir juntos com uma loja, um restaurante ou um supermercado fictício. Vale usar a imaginação e revezar para escolher qual participante vai comprar ou vender os produtos. Com a brincadeira é possível estimular a capacidade de raciocínio e negociação, treinar a habilidade de calcular e ainda auxiliar na reflexão sobre preço dos produtos e a compra consciente.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.800 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

FOTO: Llimkin/ Pixabay

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Uso de tecnologia é incrementado para manter o relacionamento com associados

sicredi uniao 29 05 2020As transmissões pela internet ganharam uma grande importância nesse período de isolamento social, com as pessoas precisando ficar mais tempo em casa para preservar sua saúde. O setor de entretenimento é um dos grandes exploradores das ferramentas disponíveis, registrando uma explosão nas transmissões ao vivo.

Informações - O mundo corporativo também aprendeu rápido a usufruir das ferramentas e tem realizado lives numa proporção nunca vista antes. A Sicredi União PR/SP viu na tecnologia a melhor forma de se manter próxima a seus associados, oferecendo vários mecanismos para incrementar seus negócios e fornecer a todos as melhores informações, capazes de auxiliar nas tomadas de decisões importantes.

Lives - As agências da cooperativa de crédito têm realizado encontros virtuais sempre com participação de especialistas nas áreas comerciais, agrícola, crédito, investimentos, etc. “Sempre prezamos pelo contato com nossos associados, o olho no olho, os encontros presenciais. Hoje, esse contato pessoal não é aconselhável e as lives têm sido fundamentais para continuarmos levando informações relevantes a nossos associados”, comenta a gerente regional Norte da cooperativa, Carla Sonoda.

Fisicamente longe - A gerente da agência Zona Norte, em Londrina, Sibele Passos diz que a experiência com lives tem sido muito boa. “Sempre buscamos a melhor forma para continuarmos próximos aos nossos associados. Com as lives podemos matar a saudade e deixar nossos associados tranquilos. Embora estejamos fisicamente longe, estamos sempre prontos para atendê-los”.

Proximidade - Também para o gerente da agência Duque de Caxias, em Londrina, Rosiel Martins, a experiência não poderia ser melhor para o momento. “Esse sistema de live, inclusive com investidores, tem sido um sucesso. Traz proximidade, ganhamos tempo e todos têm oportunidade de ouvir e de falar. Está sendo muito produtivo. O associado vê em tempo real, pergunta em tempo real, tira todas as dúvidas na hora”, avalia. Segundo ele, os associados estão engajados e participativos.

Bem cuidados - O gerente da agência de Jaguapitã, Éder Romero, reitera que os associados estão respondendo bem à nova forma de se relacionar com a sua cooperativa. “Realizamos live com informações importantes sobre o agro, o que deixou nossos associados bastante satisfeitos. Eles têm elogiado a iniciativa e relatam que sentem que a cooperativa está próxima deles, cuidando de seus investimentos”, relata Romero.

Serviços na palma das mãos - Outras iniciativas tecnológicas também têm facilitado a vida de associados. Com a redução do atendimento presencial, o uso de aplicativo da Sicredi foi alavancado em mais 90%. O uso do internet banking também registrou um aumento expressivo, crescendo mais de 70% no volume de acessos.

Aplicativo - Pelo aplicativo ou internet banking, o associado tem acesso à quase totalidade dos serviços disponíveis. De acordo com o gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Jairson Belisario, aplicativos e outros canais fornecidos pela instituição financeira trazem a solução bancária para as mãos do usuário. “Em um momento que pede isolamento social, destacamos as possibilidades que trazem conforto e comodidade, para que o nosso associado tenha acesso aos seus serviços sem sair de casa. É a praticidade e mobilidade de resolver as demandas quando e onde quiser”, explica.

Sicredi Conecta - Outra ferramenta disponível para facilitar a vida dos associados da cooperativa de crédito é o aplicativo Sicredi Conecta, que permite que os associados anunciem e vendam produtos e serviços entre si. Desenvolvido pela startup Hallo, a ferramenta tem sido uma alternativa para manter a operação de empresas em andamento e para pessoas que querem adquirir e comercializar produtos e serviços sem sair de casa, de forma segura e por meio das facilidades de pagamento oferecidas pelo Sicredi.

Pagamento por QR Code - Ainda buscando disponibilizar soluções que gerem conveniência, o Sicredi anunciou, recentemente, mais uma funcionalidade em pagamentos eletrônicos. A partir de agora, é possível pagar ou receber valores entre associados da instituição, sem taxas, via QR Code no aplicativo do Sicredi, disponível para smartphones que operam nos sistemas iOS ou Android.

Novas experiências - A solução integra o rol de iniciativas da instituição cooperativa para proporcionar novas experiências para os associados por meio da tecnologia, além de acompanhar a tendência de digitalização do sistema financeiro. “Também é um estímulo à troca do dinheiro físico por meios eletrônicos, uma nova cultura de pagamentos, mais segura, prática e sustentável que temos incentivado entre os nossos associados”, explica Gisele Rodrigues, superintendente de Soluções de Meios de Pagamento do Sicredi.

Melhores práticas - A nova opção de pagamento eletrônico do Sicredi está alinhada com as melhores práticas de mercado e faz parte da adesão da instituição ao Sistema de Pagamentos Instantâneos lançado recentemente pelo Banco Central do Brasil e batizado de PIX, que funcionará a partir de novembro deste ano com o objetivo de modernizar transações financeiras no país.

Melhor solução - Para utilizar a ferramenta no aplicativo do Sicredi o usuário deve ser um associado da instituição. No app, basta escolher a opção “Pagamento por QR Code”, direcionar o “QR Code Sicredi” para a leitura dos dados, informar o valor (se necessário) e confirmar o pagamento. Esse tipo de transação é uma alternativa a outros pagamentos como TED, DOC, boleto, cheque e cartões, e pode ser feita entre pessoas em poucos segundos. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

UNIPRIME: Letra Financeira e mais opções de investimento

A Uniprime oferece uma nova opção para o cooperado que deseja aplicar seu dinheiro com segurança e bons rendimentos. Trata-se da Letra Financeira, um título de Renda Fixa, de longo prazo e com remuneração vinculada ao CDI. O produto está disponível para Pessoas Físicas e Jurídicas com opções de vencimento de 2 ou 3 anos. A rentabilidade varia conforme o prazo e o valor investido, podendo chegar a até 103% do CDI.

Linhas - O lançamento integra as linhas de investimento ofertadas pela Uniprime. Além da Letra Financeira, o cooperado conta com a opção de investimento em RDC (Recibo de Depósito Cooperativo), uma aplicação financeira baseada em títulos de renda fixa, com remuneração vinculada ao CDI, com liquidez e rendimento diários. Conta, ainda, com o Unicap, que é a aquisição de cotas cooperativa, com rendimento anual e referenciado à taxa Selic.

Lançamentos - Além das ofertas citadas, a Uniprime está na expectativa para o lançamento de mais duas novas modalidades de investimento: a Poupança, que oferece isenção de Imposto de Renda no resgate e permite aos cooperado retirar o dinheiro em 30 dias com rendimento; e a Letra de Crédito Imobiliário (LCI), também com isenção de IR para Pessoa Física e com diversas opções de prazos e carência para o cooperado.

Informações - Para mais informações, entre em contato com um gerente Uniprime. (Imprensa Uniprime)

IBGE: Economia brasileira recua 1,5% no primeiro trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, teve queda de 1,5% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com último trimestre de 2019. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (29/05), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comparação - Na comparação com o primeiro trimestre de 2019, o PIB caiu 0,3%. Em 12 meses, o PIB acumula alta de 0,9%.

Primeiro recuo - A queda do primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior foi o primeiro recuo do PIB neste tipo de comparação desde o último trimestre de 2018.

Pandemia - Segundo o IBGE, o PIB do primeiro trimestre foi afetado pela pandemia do novo coronavírus e por medidas de isolamento social, adotadas em vários pontos do país a partir de meados de março.

Serviços - A retração foi puxada principalmente pelos serviços, que recuaram 1,6% na passagem do último trimestre de 2019 para o primeiro trimestre deste ano. Mas houve queda também de 1,4% na indústria. A agropecuária foi o único setor produtivo que cresceu (0,6%).

Consumo das famílias- Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias caiu 2%.

Impacto - "Aconteceu no Brasil o mesmo que ocorreu em outros países afetados pela pandemia, que foi o recuo nos serviços direcionados às famílias devido ao fechamento dos estabelecimentos. Bens duráveis, veículos, vestuário, salões de beleza, academia, alojamento e alimentação sofreram bastante com o isolamento social”, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Exportações - Também caíram as exportações (-0,9%). Ao mesmo tempo, cresceram o consumo do governo (0,2%) e a formação bruta de capital fixo, isto é, os investimentos (3,1%), além das importações (2,8%). (Agência Brasil)

ECONOMIA I: Contas públicas devem fechar este ano com déficit de R$ 708,7 bilhões

economia I 29 05 2020 Com gastos extras para enfrentamento da pandemia de covid-19, queda de receitas pela postergação de pagamento de tributos e com atividade econômica em queda, o Tesouro Nacional prevê déficit nas contas públicas de R$ 708,7 bilhões. Esse valor corresponde a 9,9% de tudo que o país produz - Produto Interno Bruto (PIB).

Maior - Se a estimativa se confirmar, será o maior déficit primário (despesas maiores que as receitas, sem considerar o cálculo os gastos com juros) já registrado pelo setor público consolidado, formado por União, Estados e municípios, segundo o Tesouro Nacional.

Mês passado - No mês passado, o Tesouro estimava déficit primário de R$ 600 bilhões. Em 2019, o déficit primário do setor público ficou em R$ 61 bilhões (0,9% do PIB).

Pressuposto - “O déficit do setor público pressupõe que não haja novas frustrações de receitas e renovação dos programas de combate aos efeitos econômicos e sociais da covid-19, muitos dos quais programados para terminar em junho. Se algum programa for renovado ou se houver novas frustrações de receitas, o déficit primário do setor público passará de 10% do PIB, pressionando ainda mais o crescimento da dívida líquida e bruta”, diz o Tesouro, em relatório divulgado nesta quinta-feira (28/05).

Dívida pública bruta - O Tesouro destaca que a dívida pública bruta deverá passar de 75,8% do PIB, em 2019, para mais de 93% do PIB com as medidas já anunciadas, um crescimento de 17 pontos percentuais. A dívida líquida do setor público passará de 55,7% para cerca de 68% do PIB, acréscimo de cerca de 12 pontos percentuais do PIB em um ano.

Resultado do Tesouro - Em abril, o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrou déficit primário de R$ 92,902 bilhões, contra um superávit de R$ 6,526 bilhões no mesmo mês de 2019. O resultado do mês passado foi o pior já registrado pelo Tesouro Nacional na série histórica iniciada em 1997.

Quadrimestre - De janeiro a abril, o resultado negativo chegou a R$ 95,762 bilhões, contra R$ 2,762 bilhões no primeiro quadrimestre do ano passado. O resultado negativo em 12 meses chegou a R$ 189,5 bilhões, equivalente a 2,58% do PIB.

Projeção - A projeção de déficit primário para o governo central é de cerca de R$ 676 bilhões, próximo a 9,5% do PIB. (Agência Brasil)

FOTO: Mktgraccia / Pixabay

 

ECONOMIA II: Câmbio melhorou, mas continuará volátil, diz presidente do BC

economia II 29 05 2020Apesar de ter melhorado nos últimos dias, o câmbio continuará volátil, disse nessa quinta-feira (28/05), o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto. Em transmissão ao vivo promovida pelo banco BTG Pactual, ele declarou que a redução do déficit externo deve contribuir para a retomada do dólar e que a política monetária não está esgotada, o que abre caminho para uma nova redução da taxa Selic (juros básicos da economia).

Cotação - O dólar comercial, que nesta quinta fechou vendido a R$ 5,386, estava em R$ 5,76 há dez dias. Segundo Campos Neto, o BC estava preparado para intervir de forma mais agressiva no câmbio, mas recuou depois da melhora nas cotações.

Descolamento - “O câmbio é flutuante, mas também entendemos que, em alguns momentos, estava muito descolado do risco. Nós fizemos intervenções maiores. Até estávamos preparados em algum momento para fazer uma intervenção maior. Acabou que o câmbio voltou recentemente um pouco”, comentou.

Melhora - Campos Neto destacou que a redução significativa do déficit nas contas externas, provocada pela diminuição das importações e de gastos de turistas brasileiros no exterior, contribuiu para a melhora da cotação do dólar. O presidente do BC, no entanto, disse que o câmbio “continuará uma variável volátil”.

Déficit - “O déficit em conta-corrente, que era de US$ 50 bilhões, a gente está vendo um número mais perto de zero. Tem uma parte de fluxo de investimento direto que vai ter um impacto pelo tema do coronavírus, mas isso a gente acha que normaliza. Mesmo que caia um pouco [o investimento de empresas estrangeiras], ele é um pouco contrabalanceado pelo resto”, disse. Em abril, as contas externas fecharam com resultado positivo pelo segundo mês seguido.

Tensões - Apesar da volatilidade do câmbio, Campos Neto disse que, as tensões que provocaram turbulências no mercado financeiro estão diminuindo. “Na parte institucional, o mercado também enxerga que, apesar de todo o ruído, o governo está achando uma forma de trabalhar”, declarou.

Juros - Sobre os juros, o presidente do BC destacou que o órgão continuará a trabalhar com um “regime de separação de metas”, em que o Comitê de Política Monetária (Copom) analisa unicamente o comportamento da inflação, não o câmbio, para definir a taxa Selic. Campos Neto acrescentou que a “política monetária não está esgotada”, indicando que ainda existe espaço para o Copom reduzir os juros básicos.

Índice - Atualmente, a Selic está em 3% ao ano, no menor nível da história. Na ata da última reunião do Copom, o BC informou que pode reduzir a taxa em até 0,75 ponto percentual no próximo encontro, em junho. O órgão, no entanto, está esperando uma definição sobre o impacto da pandemia do novo coronavírus sobre a economia e a redução das incertezas para definir os próximos passos.

Pouco espaço - Com o agravamento da recessão, existe pouco espaço para que a alta do dólar seja repassada para os preços. Dessa forma, o BC poderia reduzir um pouco mais a Selic sem se preocupar com os efeitos da queda dos juros sobre a moeda norte-americana. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

ECONOMIA III: Vendas da indústria e varejo caíram mais de 30% de março para abril

economia III 29 05 2020As vendas da indústria e do comércio varejista tiveram queda de mais de 30% no mês de abril, na comparação com março, informa o Boletim de Acompanhamento Setorial da Atividade Econômica, divulgado na quarta-feira (27/05) pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea). No setor de serviços, a retração foi de 23,7%.

Isolamento - O instituto relaciona a queda da atividade econômica às medidas de isolamento social, adotadas por estados e municípios como forma de prevenção à pandemia do novo coronavírus (covid-19), seguindo orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Demanda - De acordo com o Ipea, além da paralisação de uma "ampla gama de atividades produtivas", a queda das demandas interna e externa causou a forte retração em todos os setores da economia.

Base - Para calcular o desempenho da economia, o Ipea tomou como base os parâmetros de três pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e passará a realizar mensalmente a projeção antes da divulgação dos dados oficiais pelo IBGE.

Indústria - O Ipea destaca que o cenário começou a se deteriorar em março, mês em que a Pesquisa Mensal da Indústria, do IBGE, constatou um recuo de 9,1% na produção industrial ante fevereiro. A produção de veículos e o setor de vestuário foram os mais afetados, enquanto o impacto foi menor na produção de alimentos, papel e celulose, e derivados de petróleo.

Estimativa - Segundo a estimativa do Ipea, a retração deve crescer para 36,1% na próxima pesquisa, que será divulgada pelo IBGE em junho e medirá o cenário em abril. O resultado do quarto mês de 2020, projeta o Ipea, deve representar uma queda de 44,6% na comparação com abril de 2019.

Veículos - Mais uma vez, a indústria de veículos automotores deve estar entre as mais afetadas, com uma queda de 92,9% em relação a março, e de 90,4% diante de abril de 2019. Já na indústria de celulose e papel, a queda prevista é de 1,4% ante março, e, na comparação com abril de 2019, deve haver estabilidade, com alta de 0,3%.

Comércio e serviços - A última Pesquisa Mensal do Comércio (IBGE), divulgada em 13 de maio, também havia apontado queda em março, quando as vendas do varejo ampliado recuaram 13,9%. Os segmentos menos afetados, nesse caso, eram os associados à venda de alimentos, artigos farmacêuticos e de materiais de construção. Para abril, a previsão do Ipea é que o movimento se intensificou, chegando a uma queda de 34,7% para o conjunto do setor. Na comparação com abril de 2019, a queda deve ser de 44,5%.

Varejo ampliado - O varejo ampliado inclui as lojas de veículos e materiais de construção, além de todos os outros setores do comércio. Assim como a produção, a venda de veículos deve ter uma queda mais acentuada que os números globais, atingindo queda de 62,2% de março para abril. O varejo restrito, que exclui veículos e materiais de construção, deve ter queda de 28,4% em abril, na comparação com março.

Mercado - O setor de hiper e supermercados deve ser um dos menos afetados pela crise, com recuos de 5% em relação a março e de 1,1% na comparação com abril de 2019. Segundo o Ipea, os impactos da crise desaceleraram as vendas em relação a março, mês que estabeleceu uma elevada base de comparação em virtude da estocagem de alimentos por parte de alguns consumidores.

Serviços - Nos serviços, a queda em março foi de 6,9%, segundo a Pesquisa Mensal dos Serviços, que já havia apontado recuo de 30% nas atividades turísticas. A projeção para abril é que a retração geral do setor chegue a 23,7%. (Agência Brasil)

FOTO: Antônio Cruz / Agência Brasil

 

MAPA I: Consulta pública colhe sugestões sobre atos normativos da Defesa Agropecuária

Foi publicada, nesta sexta-feira (29/05), a Portaria nº 107 que submete a consulta pública, pelo prazo de 45 dias, a lista preliminar de atos normativos vigentes afetos à defesa agropecuária, editados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) ou por quaisquer de suas Secretarias.

Divulgação e participação - O objetivo da consulta é permitir a ampla divulgação e a participação social no levantamento do acervo de atos normativos afetos à defesa agropecuária como portarias; resoluções, instruções normativas; ofícios e avisos; orientações normativas; diretrizes; recomendações; despachos de aprovação e qualquer outro ato inferior a decreto com conteúdo normativo.

Atos - Desta forma, órgãos, entidades ou pessoas interessadas poderão destacar atos listados que já foram revogados expressamente, mediante a apresentação da norma revogadora; apontar incorreções nos atos listados (espécie de ato normativo, numeração, data, ementa) e sugerir a inclusão de outros atos normativos vigentes afetos à defesa agropecuária, ainda não listados.

Contribuições - As contribuições serão feitas via formulário e os participantes podem contribuir em uma ou todas as áreas de interesse. Os atos normativos listados estão separados por temas como Suasa, Saúde Animal e Insumos Pecuários, Inspeção de Produtos de Origem Animal e de Origem Vegetal, Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas e Serviços Técnicos.

Decreto - “A iniciativa faz parte dos esforços empreendidos pela Secretaria de Defesa Agropecuária para cumprir os comandos e prazos do Decreto nº 10.139/2019, que dispõe sobre a revisão e a consolidação dos atos normativos inferiores a decreto”, explica a diretora do Departamento de Suporte e Normas, Judi Nóbrega. A intenção é reduzir o estoque regulatório, eliminar normas obsoletas e minimizar a complexidade dos processos, de modo a promover a segurança jurídica e a redução do custo Brasil.

Desburocratização - O Decreto nº 10.139/2019 regulamenta a chamada Lei da Liberdade Econômica (Lei nº 13.874/2019) e se insere no rol das ações do governo federal voltadas para a promover a desburocratização da máquina estatal e a simplificação regulatória, na busca de melhorias no ambiente de negócios para alavancar o desenvolvimento socioeconômico no país. (Mapa)

MAPA II: Ministério publica zoneamento das culturas da soja e do girassol

mapa II 29 05 2020O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou nesta sexta-feira (29/05) no Diário Oficial da União as portarias números 145 a 160 que estabelecem o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para a cultura da soja. O objetivo é reduzir os riscos relacionados a problemas climáticos e também o risco fitossanitário causado pela ferrugem asiática da soja. O Zarc leva em conta recomendações de instituições de pesquisa e órgãos estaduais sobre medidas de manejo que incluem o período de vazio sanitário e o calendário de plantio para reduzir os riscos relacionados aos aspectos fitossanitários.

Novidades - A principal novidade nas portarias de soja são as novas cultivares indicadas por grupo de maturação e Unidade da Federação (UF). Para a safra 2020/2021, no total, 9.356 indicações foram feitas, considerando que a mesma cultivar pode ser indicada para diferentes UFs, número 15% superior a safra passada, desse montante de indicações 64% são referentes a cultivares do Grupo 1, indicando que o desenvolvimento de cultivares precoces vem ganhando destaque junto aos obtentores.

Girassol - Na última sexta-feira (22/05), também foram publicadas as portarias de Zarc números 125 a 144, da cultura do girassol, que apresenta características de boa tolerância ao estresse hídrico, dessa forma, se encaixa em sistemas de produção que realizam duas safras.

Finalização - Com a publicação do Zarc de girassol e soja, o Mapa finaliza o cronograma de publicações de portarias do mês de maio de 2020, cumprindo com o objetivo de divulgar com pelo menos 90 dias de antecedência ao plantio. Dessa forma, os produtores rurais e os agentes financeiros têm uma melhor segurança para o fechamento de contratos de seguro e crédito rural para a safra 2020/2021.

Serviços - Mesmo com a pandemia do Covid-19, os serviços, que envolvem desde o estabelecimento da metodologia e aplicação da modelagem até o recebimento de informações de cultivares e publicação no Diário Oficial da União, foram realizados de forma remota por meio de sistemas de informação, o que permitiu, neste ano, a antecipação da publicação das Portarias de Zarc para a safra de verão subsequente.

Para que serve o Zarc? - O zoneamento tem o objetivo de reduzir os riscos relacionados aos problemas climáticos e permite ao produtor identificar a melhor época para plantar, levando em conta a região do país, a cultura e os diferentes tipos de solos.

Modelo - O modelo agrometeorológico considera elementos que influenciam diretamente no desenvolvimento da produção agrícola como temperatura, chuvas, umidade relativa do ar, ocorrência de geadas, água disponível nos solos, demanda hídrica das culturas e elementos geográficos (altitude, latitude e longitude).

Riscos - Os agricultores que seguem as recomendações do Zarc estão menos sujeitos aos riscos climáticos e ainda poderão ser beneficiados pelo Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e pelo Programa de Subvenção ao prêmio do Seguro Rural (PSR). Muitos agentes financeiros só liberam o crédito rural para cultivos em áreas zoneadas e para o plantio de cultivares indicadas nas Portarias de zoneamento.

Publicação - O Zarc foi publicado pela primeira vez na safra de 1996 para o trigo. Hoje, contempla os 26 estados e o Distrito Federal, incluindo mais de 40 culturas.

Aplicativo Plantio Certo - Produtores rurais e outros agentes do agronegócio podem acessar por meio de tablets e smartphones, de forma mais prática, as informações oficiais do Zarc, ferramenta utilizada para orientar os programas de política agrícola do governo federal. O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas/SP), está disponível no sistema Android.

Plataforma - Os resultados também podem ser consultados e baixados por meio da plataforma “Painel de Indicação de Riscos”. (Mapa)

 

ANTT: Agência publica alteração nos pisos mínimos de frete

antt 29 05 2020A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) deliberou, na Reunião de Diretoria de terça-feira (26/5) pela atualização dos coeficientes dos pisos mínimos, referentes à Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, de acordo com o que estabelece o art. 5º, § 3º, da Lei nº 13.703/2018. A Resolução nº 5.890/2020 pode ser conferida aqui.

Determinação - A Lei nº 13.703/2018 determina que sempre que ocorrer oscilação no preço do óleo diesel no mercado nacional superior a 10% em relação ao preço considerado na planilha de cálculos, para mais ou para menos, nova norma com pisos mínimos deverá ser publicada pela ANTT, considerando a variação no preço do combustível.

Atualização - A Agência Nacional de Petróleo (ANP) divulgou, na última atualização semanal da pesquisa de preços do Diesel S10 ao consumidor (em 20/4/2020), que resultou em um percentual de variação acumulado, desde a publicação da Resolução ANTT nº 5.867/2020, de -10,08%.

Publicação - A Lei nº 13.703/2018 estabelece que a publicação dos pisos ocorrerá até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano, e os valores serão válidos para o semestre em que a norma for editada.

Participação - A participação da sociedade e do mercado tem sido essencial para fundamentar a norma, por meio das Audiências Públicas nº 2/2019 e 17/2019, bem como mediante a atual Consulta Pública nº 1/2020.

Histórico - Confira o histórico da implantação da regulação da ANTT sobre a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas. (ANTT)

 

 

LEGISLATIVO: Câmara aprova MP que altera regras trabalhistas durante pandemia

legislativo 29 05 2020O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (28/05) a Medida Provisória 936/20, que permite a redução de salários e da jornada de trabalho ou a suspensão do contrato trabalhista durante o estado de calamidade pública relacionada ao coronavírus. A MP será enviada ao Senado.

Benefício emergencial - O texto prevê o pagamento de um benefício emergencial pelo governo aos trabalhadores. As regras valem para quem tem carteira assinada e para os contratos de aprendizagem e de jornada parcial.

Seguro-desemprego - Segundo o texto, o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda garantirá o pagamento de uma parte do seguro-desemprego por até 60 dias ao trabalhador que tiver o contrato suspenso ou por até 90 dias se o salário e a jornada forem reduzidos.

Prorrogação - De acordo com o projeto de lei de conversão do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), o Poder Executivo poderá prorrogar esses prazos durante o período do estado de calamidade pública decorrente da pandemia.

Valor - O valor do benefício dependerá de quanto for a redução. Se o acordo entre empregador e empregado for individual, sem participação do sindicato, a redução poderá ser somente de 25%, 50% ou 70%, tanto do salário quanto da jornada de trabalho.

Direito - Nessa situação, se houver redução de 50%, o trabalhador terá direito a 50% do salário e a 50% do seguro-desemprego por mês. Como o seguro é calculado sobre a média dos salários dentro de alguns limites, o valor não chega a ser o mesmo que o reduzido.

Exemplo - Assim, por exemplo, quem tiver uma média de R$ 1,5 mil nos últimos três meses receberá de benefício R$ 600,00 (50% do seguro, de R$ 1,2 mil).

Vitória - Para o relator, embora o texto não tenha sido aprovado como ele queria, ainda assim é motivo de comemoração. “Celebro cada vitória em um país em que mandatários evocam a ditadura para resolver conflitos políticos”, disse Orlando Silva.

Texto original - Inicialmente, no cálculo do benefício emergencial, a versão de Silva para a MP usava a média aritmética simples dos três últimos salários, limitada a três salários mínimos (R$ 3.135,00). Mas um destaque do PP retomou o texto original da medida provisória, prevalecendo o seguro-desemprego como base.

Cálculo do benefício - Quem recebe uma média de R$ 2,5 mil terá direito a cerca de R$ 945,00 (50% de R$ 1.890,00). Se a média for maior que R$ 2.669,29, o valor fixo do seguro-desemprego é de R$ 1.813,03 e o trabalhador receberia metade disso como benefício emergencial (cerca de R$ 906,00).

Antes - Inicialmente, por meio da MP 928/20, o governo previa apenas a suspensão do contrato de trabalho sem recebimento de benefício.

Outras reduções - A MP permite a redução de salário e de jornada também por outros índices, mas isso pode ser desvantajoso para o trabalhador. Se o acordo coletivo prever redução menor que 25%, o empregado não recebe nada do governo.

Benefício - O benefício será de 25% do seguro-desemprego para reduções de 25% até 50%. Diminuições de salários maiores que 50% e até 70% resultarão em um benefício de metade do seguro-desemprego mensalmente. Redução maior que 70% do salário e da jornada resultará em benefício de 70% do seguro-desemprego a que teria direito.

Setores ou departamentos - O relatório aprovado especifica que a redução ou a suspensão poderão ocorrer por setores ou departamentos dentro de uma empresa, abrangendo a totalidade ou apenas parte dos postos de trabalho.

Acordos - Os acordos já realizados seguirão as regras da redação original da MP. A exceção é para a prevalência das cláusulas do acordo coletivo no que não entrarem em conflito com possível acordo individual anterior.

Ajuda voluntária - Se o empregador desejar, poderá pagar uma ajuda compensatória mensal ao empregado, seja no caso de redução de jornada ou de suspensão temporária.Essa ajuda terá caráter indenizatório e não poderá sofrer descontos para imposto de renda ou Previdência Social ou Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Empregador - Por parte do empregador, não integrará a base de cálculo para demais tributos incidentes sobre a folha de salários e para o imposto de renda e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Dedução - Orlando Silva incluiu ainda a possibilidade de dedução da ajuda compensatória da base de cálculo do imposto de renda na declaração de ajuste anual por parte de quem recebe rendimentos não assalariados (autônomos, por exemplo), por parte do empregador doméstico e por parte de produtores rurais.Todas as deduções serão aplicáveis para as ajudas pagas a partir de abril de 2020.

Individual ou coletivo - Segundo o texto aprovado, a aplicação do acordo individual ou coletivo dependerá do valor do salário e da receita da empresa.

Médias ou grande - Empresas médias ou grandes (receita bruta maior que R$ 4,8 milhões em 2019) poderão fazer contratos individuais ou coletivos para quem ganha até dois salários mínimos (R$ 2.090,00).

Micros e pequenas - As micro e pequenas empresas (receita bruta até o valor citado) poderão firmar acordos individuais ou coletivos com quem ganha até R$ 3.135,00.

Contrato individual - O contrato individual escrito poderá ser feito ainda se a redução for de 25% ou se, somados os valores do benefício emergencial e da ajuda compensatória e/ou do salário recebido, o empregado ficar com o mesmo salário de antes.

Negociação - Quem ganha salário igual ou maior que duas vezes o teto da Previdência Social (equivalente a R$ 12.065,46) e possui diploma de curso superior também pode negociar individual ou coletivamente.

Coletiva - Quem estiver fora dessas condições terá de passar por negociação coletiva.

Aposentados - Como os aposentados que continuam trabalhando com carteira assinada estão impedidos de receber o benefício previdenciário, o relatório de Orlando Silva condiciona o acordo de redução ou suspensão ao modelo individual.

Ajuda - Adicionalmente, o empregador deverá pagar ajuda compensatória igual ao valor a que teria direito de benefício emergencial. Se a empresa for média ou grande (receita bruta maior que R$ 4,8 milhões em 2019), ela terá ainda de pagar mais 30% do salário normal.

Aviso prévio - Para trabalhadores que cumpram o aviso prévio, que antecede à demissão, a MP permite que empregador e empregado desistam desse aviso e adotem o programa emergencial de preservação de empregos. (Agência Brasil)

FOTO: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Brasil tem 438.238 casos; total de mortes chega a 26.754

Ministério da Saúde divulgou, nesta quinta-feira (28/05), que 26.417 novas pessoas foram incluídas na estatística de infectados pela covid-19, totalizando 438.238 casos confirmados. O resultado marcou um acréscimo de 26.417 em relação a quarta-feira (27/05), quando o número de pessoas nesta condição estava em 411.821.

Mortes - A atualização do ministério registrou 1.156 novas mortes, chegando a 26.754. O resultado representou um aumento de 1.156 em relação a ontem, quando foram contabilizados 25.598 óbitos por covid-19.

Acompanhamento - Do total de casos confirmados, 233.880 estão em acompanhamento e 177.604 foram recuperados. Há ainda 4.211óbitos sendo analisados.

Letalidade - A letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 6,1%. Já a mortalidade foi de 12,7 por 100 mil habitantes.

Epicentro - São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de mortes (6.980). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (4.856), Ceará (2.733), Pará (2.704) e Pernambuco (2.566).

Outros - Também foram registradas mortes no Amazonas (1.964), Maranhão (887), Bahia (570), Espírito Santo (538), Alagoas (385), Paraíba (318), Rio Grande do Norte (258), Minas Gerais (255), Rio Grande do Sul (213), Amapá (198), Paraná (169), Rondônia (142), Piauí (138), Distrito Federal (142), Santa Catarina (131), Sergipe (135), Acre (122), Goiás (115), Roraima (102), Tocantins (68), Mato Grosso (51) e Mato Grosso do Sul (18).

Casos confirmados - Já em número de casos confirmados, o ranking tem São Paulo (95.865), Rio de Janeiro (44.886), Ceará (37.821), Amazonas (36.146) e Pará (33.699). Entre as unidades da federação com mais pessoas infectadas estão ainda Pernambuco (30.713), Maranhão (27.979), Bahia (15.963), Espírito Santo (12.203) e Paraíba (11.132). (Agência Brasil)

saude I 29 04 2020

SAÚDE II: Secretaria confirma 273 novos casos de Covid-19 e 7 óbitos em um dia

saude II 29 05 2020A Secretaria de Estado da Saúde confirma mais 273 casos da Covid-19 – 73 a mais que o número do boletim anterior e um novo recorde de registros em apenas um dia. Também foram registrados mais sete óbitos. O total agora chega a 3.984 casos. Uma confirmação foi excluída do acumulado por duplicidade de notificação. No total, são 169 mortes pela doença.

Recuperados - Panorama da doença causada pelo novo coronavírus aponta que dos quase quatro mil casos, 1.806 estão recuperados, ou seja, 45% das pessoas que tiveram o diagnóstico confirmados estão liberados do isolamento. Outros 297 pacientes estão internados (7,5%), sendo 122 em UTI e 175 em leito clínico. Os 169 pacientes que foram a óbito representam 4,2% do total de confirmações.

Falecimentos - As sete pessoas que morreram e constam do informe desta quinta-feira são cinco mulheres e dois homens, todos estavam internados. As informações sobre as mulheres são: 46 anos, residia em Cornélio Procópio e foi a óbito dia 20 de maio; 63 anos, de Cidade Gaúcha, faleceu sábado (23); 49 anos, morava em Curitiba e faleceu na segunda-feira (25). Duas outras mulheres, uma de 47 anos, de São Mateus do Sul, e outra de 65 anos, de Quatro Barras, foram a óbito na terça-feira (26). Dos dois homens, um tinha 46 anos, residia em Curitiba e morreu domingo (24), e o outro, de 60 anos, era residente de Piraquara e faleceu nesta quinta-feira (28).

Municípios - São 232 cidades paranaenses que têm ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 70 municípios há registro de óbitos pela doença. Apenas a 4ª e 5ª Regionais de Saúde não têm ocorrência de óbito consequente da infecção pela Covid-19.

Novas confirmações - As novas confirmações são nas cidades de Andirá (1), Araucária (3), Boa Vista da Aparecida (1), Braganey (1), Cambé (4), Campina Grande do Sul (3), Capanema (1), Cascavel (47), Cianorte (9), Colombo (7), Corbélia (1), Cornélio Procópio (13), Curitiba (52), Diamante do Sul (2), Fazenda Rio Grande (3), Foz do Iguaçu (13), Francisco Beltrão (2), Goioerê (1), Guaratuba (3), Iracema do Oeste (1), Ivaiporã (2), Jacarezinho (1), Japurá (4), Leópolis (2), Londrina (19), Mandirituba (2), Manoel Ribas (1), Marechal Cândido Rondon (1), Maria Helena (6), Maringá (6), Matinhos (1), Morretes (1), Nova Esperança (1), Pinhais (8), Piraquara (5), Ponta Grossa (5), Pontal do Paraná (1), Quatiguá (1), Quatro Barras (2), Quedas do Iguaçu (1), Quitandinha (2), Reserva (3), Rio Branco do Sul (1), Rio Negro (1), Rondon (3), Santa Lúcia (1), Santa Terezinha de Itaipu (2), São José dos Pinhais (9), São Manoel do Paraná (1), Sapopema (1), Sarandi (1), Tapejara (3), Toledo (1), Três Barras do Paraná (2), Tupãssi (1), Umuarama (1), Uraí (1) e Wenceslau Braz (1).

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registrou também mais um caso de fora, um paciente de Piripiri, no Piauí, atendido em Tijucas do Sul. No total, 57 pessoas, não residentes do Paraná, tiveram o diagnóstico confirmado por aqui e cinco foram a óbito.

Ajustes - Um caso confirmado no dia 26 de maio, em Realeza; foi transferido para Cascavel.

Uma confirmação feita dia 25 em Maringá foi excluído por duplicidade de notificação.

Quatro casos confirmados por laboratório particular também dia 25, em Londrina, foram transferidos para Cambé.

Testes - Mais dois tipos de testes validados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) terão os resultados positivos incluídos no monitoramento do CIEVS. Agora são aceitos testes rápidos de quatro fabricantes.

1. One Step Covid-2019 Test®️ da fabricante Guangzhou WondfoBiotechCo., Ltda., cujo representante legal no Brasil é a empresa Celer Biotecnologia S/A.

2. Medteste Coronavírus (Covid-19) igG/IgM da fabricante Hangzhou Biotest Biotech Co. Ltd cujo representante legal no Brasil é a empresa Medlevensohn Com Repres Prod Hosp Ltda.

3. Covid-19 Igg/Igm Eco do fabricante Eco Diagnóstica Ltda-ME, cujo representante legal no Brasil é a empresa Eco Diagnóstica Ltda-ME

4. Covid-19 IgG/IgM BIO do fabricante Quibasa Química Básica Ltda, cujo representante legal no Brasil é a empresa Quibasa Química Básica Ltda. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe Completo desta quinta-feira, 28 de maio.

 

SAÚDE: ANS inclui mais seis exames no rol de coberturas obrigatórias para auxiliar no diagnóstico do novo coronavírus

saude III 29 05 2020A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está incluindo mais seis exames que auxiliam no diagnóstico do novo Coronavírus na lista de coberturas obrigatórias dos planos de saúde. A decisão foi tomada pela Diretoria Colegiada em reunião realizada nesta quarta-feira (27/05). A medida passa a valer a partir da publicação da Resolução Normativa no Diário Oficial da União.

Ampliação - As novas incorporações buscam ampliar as possibilidades de diagnóstico da Covid-19, especialmente em pacientes graves com quadro suspeito ou confirmado, e estão alinhadas às diretrizes e protocolos do Ministério da Saúde para manejo da doença. Dessa forma, auxiliam no diagnóstico diferencial e no acompanhamento de situações clínicas que podem representar grande gravidade, como por exemplo, a presença de um quadro trombótico ou de uma infecção bacteriana causada pelo vírus.

Conduta - Os testes podem ajudar os profissionais de saúde a tomar a conduta certa na hora certa, salvando vidas, muitas vezes, em situações limítrofes, que dependem que abordagens terapêuticas específicas sejam instituídas com rapidez para que sejam eficazes.

Testes - Passam a ser de cobertura obrigatória para os beneficiários de planos de saúde nas segmentações ambulatorial, hospitalar e referência os seguintes testes:

Dímero D (dosagem): O procedimento já é de cobertura obrigatória pelos planos de saúde, porém, ainda não era utilizado para casos relacionados à Covid-19. É um exame fundamental para diagnóstico e acompanhamento do quadro trombótico e tem papel importante na avaliação prognóstica na evolução dos pacientes com Covid-19.

Procalcitonina (dosagem): O procedimento é recomendado entre as investigações clínico-laboratoriais em pacientes graves de Covid-19, auxiliando na distinção entre situações de maior severidade e quadros mais brandos da doença.

Pesquisa rápida para Influenza A e B e PCR em tempo real para os vírus Influenza A e B: Esses testes são indicados para diagnóstico da Influenza. A proposta consiste na incorporação dos dois procedimentos para minimizar questões de disponibilidade e para otimizar o arsenal diagnóstico disponível. A pesquisa rápida é recomendada para investigações clínico-laboratoriais em pacientes graves. O diagnóstico diferencial é importante, pois a influenza também pode ser causa de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS).

Pesquisa rápida para Vírus Sincicial Respiratório e PCR em tempo real para Vírus Sincicial Respiratório: Esses testes são indicados para diagnóstico da infeção pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR). A proposta consiste na incorporação dos dois procedimentos para minimizar questões de disponibilidade e para aprimorar as possibilidades. O teste rápido para o VSR é útil no diagnóstico diferencial de Covid-19 em crianças com infecção viral grave respiratória.

Mudanças - “A ANS permanece atenta às mudanças no cenário do enfrentamento da Covid-19 e está alinhada aos protocolos do Ministério da Saúde. A maioria dos testes diagnósticos citados nas diretrizes do órgão já são de cobertura obrigatória no âmbito da saúde suplementar. No entanto, observamos que alguns testes destinados à atenção de pacientes graves, que podem impactar na conduta terapêutica, não estavam listados no rol de coberturas mínimas dos planos de saúde ou, quando já incluídos, não contemplavam pacientes com quadro suspeito ou confirmado da Covid-19. Dessa forma, estamos incluindo esses exames para ampliar as possibilidades de diagnóstico e, assim, buscar uma resposta mais rápida e efetiva para salvar vidas”, explica o diretor-presidente substituto da ANS, Rogério Scarabel.

Reavaliação - A proposta de atualização extraordinária da cobertura assistencial será reavaliada até o final do processo regular de atualização do Rol em curso, tanto quanto ao seu contexto de utilização no quadro pandêmico, quanto aos seus critérios técnicos, e será submetida a consulta pública, juntamente com as propostas de atualização elegíveis do atual ciclo de atualização.

Segunda inclusão - Esta é a segunda inclusão extraordinária de procedimentos relacionados ao novo Coronavírus no Rol de Procedimentos da ANS. Desde o dia 13/03, os planos de saúde são obrigados a cobrir o exame Pesquisa por RT-PCR, teste laboratorial considerado padrão ouro para o diagnóstico da infecção pela Covid-19. (ANS)

 


Versão para impressão


RODAPE