Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4576 | 15 de Maio de 2019

COMERCIO EXTERIOR: Crise na China pode ser oportunidade para cooperativas

 

Uma comitiva brasileira, chefiada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e que conta com a participação do coordenador da Câmara Temática do Leite da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Vicente Nogueira, está na China. O país tem enfrentando uma forte crise no setor pecuário, devido à Peste Suína Africana, também conhecida como PSA, sinalizando que há espaço para importação de proteínas animais de todos os tipos e, ainda, uma oportunidade para os exportadores brasileiros – sobretudo cooperativas.

 

Reunião - Nesta terça-feira (14/05), a missão brasileira se reuniu com a CEO do Rabobank, na China, Pan Chenjun, e demais diretores do banco – maior cooperativa de crédito da Holanda e um dos principais bancos do mundo em serviços de financiamentos para o setor de alimentos e agronegócio.

 

Abate - Segundo os executivos, entre 2018 e 2019, a PSA deve resultar no abate de mais de 120 milhões de suínos, impactando a produção de carne em mais de 13 milhões de toneladas. O efeito negativo da PSA sobre produção e comércio exterior da China foi destaque nas reuniões técnicas entre brasileiros e chineses.

 

Volume - Em 2018, o Brasil exportou 919 mil toneladas de carnes bovina, frango e suína para os chineses. Os produtos estão no top cinco das exportações agropecuárias brasileiras ao país asiático.

 

Cinco anos - Desde que a China registrou os primeiros casos da doença, em agosto de 2018, estima-se que o país tenha perdido cerca de 35% do rebanho. Análises do Rabobank apontam que até 200 milhões de porcos podem ser sacrificados ou mortos por causa da PSA. Os executivos do banco avaliam que os chineses precisarão de pelo menos cinco anos para retomar o rebanho no patamar anterior à doença.

 

Oportunidade - Segundo Vicente Nogueira, representante das cooperativas agropecuárias brasileiras, diante desse cenário e, também, considerando as incertezas da guerra comercial entre o país asiático e os Estados Unidos, a diversificação de clientes e mercados, por exemplo por meio de feiras, se mostra ainda mais importante.

 

Prontas - “As cooperativas brasileiras têm feito muito bem seu dever de casa e, com todos esses fatores, é possível afirmar que elas têm condições de aproveitar o momento para ampliar sua participação no mercado asiático”, avalia.

 

Feira - Nogueira participou, também na terça-feira, da abertura do pavilhão brasileiro na feira SIAL China, ao lado da ministra Tereza Cristina. A SIAL China é a maior feira de alimentos do país e de todo o continente asiático. O Brasil participa do evento com espaços para diversas cadeias, como café, chocolate, vinhos, castanhas, lácteos e mel – cadeias importantes para o cooperativismo e com grande potencial de crescimento no mercado Chinês.

 

Vitrine - O espaço do Brasil foi organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), e ainda conta com uma área específica para proteínas animais. Apenas em 2018, a China importou US$ 2,5 bilhões em carnes brasileiras e US$ 44,4 milhões nos outros produtos citados. 

 

Soja - Segundo Nogueira, a crise pode ter fortes impactos sobre o Brasil, inclusive para cadeias como soja e derivados, como o farelo. Se, por um lado, o mercado chinês deve demandar mais proteínas animais, principalmente para as carnes bovina e de aves, por outro, a redução dos rebanhos tende a impactar a procura por rações, especialmente da cadeia da soja – o setor de carne suína sozinho responde por 54% da demanda total de rações da China.

 

Topo - A soja em grãos lidera a lista de produtos agropecuários exportados pelo Brasil para os chineses. No ano passado, 68,8 milhões de toneladas foram embarcadas, somando US$ 27,3 bilhões. Esse volume representa 87% das exportações agropecuárias para o país.

 

Doença - A peste suína africana é uma doença viral, altamente infecciosa. A chance de sobrevivência do animal é quase nula, o que leva ao sacrifício, conforme determina a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Não existe vacina. O vírus é bastante resistente e pode ser transmitido ao animal por meio de alimentos, equipamentos, sapatos, vestuários e no transporte contaminados.

 

Contágio - Segundo as autoridades sanitárias, uma das dificuldades em conter a transmissão na China é que a maior parte dos animais é criada em propriedades de pequeno porte e familiar, sendo, em geral, alimentados com restos de comida. A doença não oferece risco à saúde humana, pois não há registro de humanos infectados. (Informe OCB/Com informações do MAPA)

 

{vsig}2019/noticias/05/15/comercio_exterior/{/vsig}

COOPAVEL: Infraestrutura e Show Rural são temas de encontro com chefe da Casa Civil

 

coopavel 15 05 2019Obras de infraestrutura para o Paraná, principalmente para as regiões oeste e sudoeste, e as contribuições do Show Rural Coopavel para o desenvolvimento da agropecuária paranaense. Estes foram alguns dos assuntos tratados na reunião entre o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, e o secretário-chefe da Casa Civil do Governo de Ratinho Júnior, Guto Silva. O encontro ocorreu na última segunda-feira (13/05) no Palácio Iguaçu, em Curitiba. 

 

Companhia - Acompanhado, na ocasião, do deputado estadual por Assis Chateaubriand, Marcel Micheletto, e do presidente da Copacol, Valter Pitol, Grolli disse também que “essa foi a forma que encontrei de, nesse momento, agradecer ao governo estadual por ter participado tão ativamente da mais recente edição do Show Rural Coopavel, realizada de 4 a 8 de fevereiro último”. .

 

Interiorização - Ratinho Júnior baixou decreto transformando Cascavel em capital do Paraná por dois dias – 7 e 8 de fevereiro. Com isso, o governador, o vice Darci Piana, e os secretários ficaram dois dias no Show Rural Coopavel e de lá despacharam. Eles participaram de reunião de secretariado e cumpriram agendas com prefeitos, autoridades e com líderes cooperativistas. “Esse momento vira um marco para o evento, que é desenvolvido há mais de 30 anos”, disse Grolli ao chefe da Casa Civil.

 

Convite - No encontro com Guto Silva, que é de Pato Branco, Dilvo Grolli oficializou convite para que o governo estadual participe de novo, e igualmente de forma tão ativa como em 2019, da próxima edição do Show Rural Coopavel, oficialmente agendada para o período de 3 a 7 de fevereiro de 2020. “Teremos muita satisfação e honra em recebê-los lá”, reforçou o deputado  Micheletto. (Imprensa Coopavel)

 

 

SICREDI INTEGRAÇÃO PR/SC: Programa de Desenvolvimento com Associados Sicredi foca na participação feminina

 

Começou no dia 13 de maio o Programa de Desenvolvimento com Associados (PDA) da Sicredi Integração PR/SC. Este ano, o foco do programa será nas associadas, com a intenção de fomentar a participação das mulheres na cooperativa. Nos próximos quatro meses, 35 associadas das 15 agências da cooperativa se encontrarão dois dias por mês para compartilhar conhecimentos e experiências. O PDA acontecerá na Central Sicredi PR/SP/RJ e tem parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Paraná (Sescoop-PR) e a Universidade Positivo.

 

Temas - Nos encontros, serão abordados temas relacionados ao mercado e à atuação profissional, para que as participantes possam rever suas práticas aplicadas nas mais variadas áreas de atuação, além de estimular o networking e a troca de conhecimentos. O programa será dividido nos módulos de Gestão Estratégica e Mercado; Gestão de Pessoas; Marketing e Negociação; e Gestão Financeira. “As integrantes do programa estão iniciando a sua trajetória de liderança cooperativa na Sicredi Integração PR/SC, pois acreditamos que, quanto mais elas conhecerem o nosso modelo de negócio cooperativo, mais conseguirão atuar e apoiar na perenidade do nosso negócio, assim como beneficiar a comunidade”, afirma o presidente da Sicredi Integração PR/SC, Luiz Roberto Baggio.

 

Objetivo - O objetivo do PDA é possibilitar uma sociedade mais unida, consciente e participativa, com equidade social e de gênero. A partir disso, é possível colher ideias e percepções para melhoria da qualidade de vida dos associados e das comunidades. “Queremos, ao final do programa, que as associadas se tornem mais atuantes no modelo de negócio cooperativo, bem como representantes da sua cooperativa nas comunidades onde atuam”, diz Baggio. (Imprensa Sicredi Integração PR/SC)

 

{vsig}2019/noticias/05/15/sicredi_integracao/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Inaugurada nova agência em Londrina

 

Londrina irá receber três novas agências da Sicredi União PR/SP este ano e a primeira será inaugurada no próximo dia 21 de maio, terça-feira. O prédio, com 251,5 metros quadrados, além de um mezanino de 175,3 metros, está estrategicamente localizado na avenida Bandeirantes, entre clínicas médicas e o hospital Evangélico. Seguindo um modelo atual, em que o atendimento presencial cede espaço para os meios digitais, a nova agência da cooperativa de crédito terá caixas eletrônicos e uma equipe para auxiliar em todos os atendimentos bancários e relacionamento.

 

Expansão - “Teremos uma atuação bem presente junto à comunidade. Embora estejamos numa área de serviços médicos, estamos prospectando todos os nichos”, comenta a gerente Suelen Lopes. A cooperativa de crédito está num processo de expansão e terminará 2019 com 25 novas agências na sua área de atuação, que engloba mais de 110 municípios do Norte e Noroeste do Paraná, e Leste e Centro-Leste Paulista. De acordo com o diretor-executivo da Sicredi União PR/SP, Rogério Machado, a cooperativa vem crescendo em torno de 25% ao ano e a abertura de novas agências reforça o relacionamento com os associados.

 

Olho no olho - Carla Sonoda, gerente de Desenvolvimento da Regional Norte, destaca que a cooperativa tem, entre seus pilares, o relacionamento com os associados. “Muitos de nossos associados gostam de ir às nossas agências, conversar sobre seus negócios e esse relacionamento olho no olho nos fortalece”, comenta.  

 

Novas agências - As outras novas agências serão na Avenida Inglaterra, com data prevista de inauguração em 4 de julho,  e Gleba Palhano, que será inaugurada no segundo semestre. Também será inaugurado, até o final deste ano, um novo espaço para abrigar a agência da Zona Norte. Hoje, a cooperativa tem cinco agências na cidade – Tiradentes, Zona Norte, Duque de Caxias, Higienópolis e Santos Dumont, além de um posto de atendimento no distrito de Guaravera. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

SICOOB METROPOLITANO: Colaboradores participam de evento sobre a metodologia Disney

 

sicoob metropolitado 15 05 2019Com o objetivo de aperfeiçoar o atendimento e o relacionamento com os cooperados, colaboradores do Sicoob Metropolitano participaram no último dia 4 da segunda edição do LiderAção. Em sua programação, o evento teve uma palestra com Jacqueline Ferreira Gomes, que é diretora executiva da No Coração do Cliente. Ela apresentou a metodologia Disney e os conceitos para excelência na experiência do cliente.

 

Dinâmicas - Além da palestra, o evento também teve dinâmicas voltadas ao tema. Ao final, foi laçando o Desafio Lideração 2, com metas que devem ser atingidas até o fim de novembro. Os colaboradores que atingirem essas metas serão premiados com viagens nacionais, internacionais e diversos outros prêmios.

 

Desafio - Agora, os colaboradores da cooperativa terão o desafio de aplicar o conhecimento adquirido ao programa de fidelização da cooperativa, que tem como objetivo o encantamento do cooperado por meio de ações de atendimento e relacionamento e ao PEA (Programa de Excelência no Atendimento), que busca tornar o atendimento prestado aos associados o melhor entre as instituições financeiras.

 

Aprendizado - Para a recepcionista de Logística e Suprimentos na Unidade Administrativa, Paola Aparecida Mendes, a experiência do LiderAção foi incrível. “Foi muito importante para mim e me ajudou a ver as coisas com outros olhos”, conta ela. Segundo a assistente de agência, Aline Surany Santana, o conteúdo apresentado proporcionou um enorme aprendizado, tanto para a vida profissional quanto para a vida pessoal. “O evento foi pensado para o bem-estar dos cooperados, mas também dos colaboradores. Foram momentos felizes em companhia dos colegas de trabalho”, afirma. (Imprensa Sicoob Metropolitano)

 

SICOOB MÉDIO OESTE: Cooperativa promove Clínicas Financeiras em cinco municípios

 

Durante o mês de maio, o Sicoob Médio Oeste está promovendo uma rodada de Clínicas Financeiras em todos os municípios em que está inserido.  O programa, realizado em parceria com o Instituto Sicoob, oferece gratuitamente atendimentos individualizados para a população tirar dúvidas sobre organização do orçamento, como lidar com as dívidas e evitá-las, investimento e outros assuntos ligados à educação financeira.

 

Programação - Duas cidades já receberam o evento: Jesuítas (dia 05/05) e Tupãssi (dia 11/05). A programação segue em Nova Aurora (dia 18), Assis Chateaubriand (dia 25) e Cafelândia (dia 01/06). De acordo com o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Médio Oeste, Edson de Oliveira Pereira, a cooperativa escolheu o mês de maio para trabalhar as Clínicas Financeiras pois é também o mês de realização da Semana ENEF.

 

Conef - O evento, que é uma iniciativa do Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef), ocorre simultaneamente em todo o país entre os dias 20 e 26 de maio, com diversas ações educacionais para conscientizar a comunidade, contribuir para o fortalecimento da cidadania e da autonomia. “Nossa preocupação durante as Clínicas Financeiras é orientar as pessoas de forma correta, para que elas consigam organizar suas finanças e possam se planejar para realizar seus sonhos”, explica o presidente. (Imprensa Sicoob Médio Oeste)

 

{vsig}2019/noticias/05/15/sicoob_medio_oeste/{/vsig}

SICOOB MERIDIONAL: Semana ENEF terá palestras e Clínicas Financeiras

 

De 20 a 26 de maio, acontece em todo o Brasil a 6ª Semana Nacional de Educação Financeira, com diversas ações educacionais para conscientizar a comunidade, contribuir para o fortalecimento da cidadania e da autonomia. Em parceria com o Instituto Sicoob, o Sicoob Meridional irá participar da Semana ENEF promovendo diversas atividades nas associações comerciais, escolas e empresas das cidades onde está presente. No dia 25 de maio, das 8h30 às 12h30, acontecem as Clínicas Financeiras. Voluntários da cooperativa irão esclarecer dúvidas da comunidade sobre orçamento familiar, poupança, endividamento, entre outros assuntos. Serão cinco pontos de atendimento em Toledo e mais cinco distribuídos por Terra Roxa, Guaíra, Santa Helena, Palotina e Vera Cruz. (Imprensa Sicoob Meridional)

 

Programação - Em Toledo as Clínicas acontecem em:

- Praça Pública da cidade em frente Catedral;

- Estacionamento Primato / Havan;

- Em frente da empresa Shopping 1,99, localizada na Rua Primeiro de Maio, 1597;

- Pátio Primato Panorama – Estacionamento, na Av. Sen. Attilio Fontana, 2844;

- Estacionamento Supermercado Schorr, Av. Min. Cirne Lima, 3139.

 

{vsig}2019/noticias/05/15/sicoob_meridional/{/vsig}

SICOOB ARENITO: Cooperativa e concessionárias promovem Feirão do Automóvel em Umuarama e Ivaté

 

sicoob arenito 15 05 2019Em parceria com duas redes de concessionárias, o Sicoob Arenito promoveu entre os dias 7 e 10 de maio o Feirão do Automóvel. A ação foi realizada em duas agências de Umuarama e na agência de Ivaté. Durante o feirão, a cooperativa ofereceu condições especiais para o financiamento de veículos da Fipal Fiat e Autorama Volkswagen. Segundo o gerente de relacionamento, Ciro Pereira de Medeiros, o feirão teve grandes oportunidades de negócio. “A procura foi bem grande. Pudemos ofertar nossas condições diferenciadas, que certamente ajudarão nossos cooperados na conquista de um carro novo”, afirma. (Imprensa Sicoob Arenito)

 

 

ECONOMIA: Atividade econômica apresenta queda de 0,68% no primeiro trimestre

 

economia 15 05 2019A atividade econômica registrou queda no primeiro trimestre neste ano. É o que mostra o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta quarta-feira (15/05) pelo Banco Central (BC). No primeiro trimestre, comparado ao período anterior, o índice apresentou queda de 0,68%, segundo dados dessazonalizados (ajustados para o período). Em março, na comparação com fevereiro, houve recuo de 0,28%. Na comparação com o março de 2018, a queda chegou em 2,52%. Em 12 meses terminados em março de 2019, houve expansão de 1,05%. 

 

Índice - O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar suas decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic. O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos. O índice foi criado pelo BC para tentar antecipar, por aproximação, a evolução da atividade econômica. Mas indicador oficial da economia é o Produto Interno Bruto (PIB), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Primeiro trimestre - Na terça-feira (14/05), na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o BC adiantou que a economia poderia apresentar recuo no primeiro trimestre. Segundo o documento, o processo de recuperação gradual da atividade econômica sofreu interrupção no período recente, mas a expectativa é de retomada adiante. Segundo ata da reunião do Copom, o arrefecimento da atividade observado no final de 2018 teve continuidade no início de 2019. “Em particular, os indicadores disponíveis sugerem probabilidade relevante de que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior, após considerados os padrões sazonais”, diz o documento.

 

Revisão - O Copom acrescentou que os indicadores do primeiro trimestre induziram revisões substantivas nas projeções de instituições financeiras para o crescimento do PIB em 2019. “Essas revisões refletem um primeiro trimestre aquém do esperado, com implicações para o “carregamento estatístico” [herança do que ocorreu no ano anterior], mas também embutem alguma redução do ritmo de crescimento previsto para os próximos trimestres”.

 

Mercado - O mercado financeiro já reduziu a previsão de expansão do PIB 11 vezes consecutivas. A estimativa para este ano está em 1,45% este ano. A equipe econômica já está trabalhando com uma previsão de crescimento de 1,5% neste ano, disse na terça-feira (14/05) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO), ele disse que a reformulação de expectativas diante da demora na aprovação da reforma da Previdência justificou a revisão das estimativas. (Agência Brasil de Notícias)

 

BALANÇA COMERCIAL: Piora no saldo com Argentina puxa queda no comércio brasileiro

 

balanca comercial 15 05 2019A piora na balança comercial com a vizinha Argentina foi o principal responsável pela queda do saldo positivo do comércio exterior brasileiro no primeiro quadrimestre deste ano. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o saldo acumulado da balança brasileira com todos os países, nos primeiros quatro meses deste ano, foi de US$ 16,4 bilhões, ou seja, menor do que os US$ 18,2 bilhões acumulados no mesmo período do ano passado. Ainda de acordo com a FGV, a balança com a Argentina passou de superavitária (quando exportações superam as importações) para deficitária (quando as importações superam as exportações), com perda de 3,1 bilhões na comparação com o primeiro quadrimestre do ano passado.

 

Perdas e ganhos - Também foram registradas perdas no comércio com a União Europeia (de US$ 1,4 bilhão na comparação com o mesmo período de 2018) e com a China (queda de US$ 900 milhões). Por outro lado, houve ganhos no comércio com os Estados Unidos (que passou a registrar superávit de US$ 500 milhões) e com o Oriente Médio (com aumento do superávit de US$ 900 milhões). Segundo a FGV, a piora no saldo com a China está relacionada ao aumento das importações provenientes do país asiático. Já a melhor em relação aos Estados Unidos é explicada pela redução das importações procedentes daquele país.

 

Dados - Em termos de valor, registraram queda no quadrimestre tanto as exportações (-3%) quanto as importações brasileiras (-0,8%). De acordo com a FGV, essa retração é explicada pelos preços, pois os volumes aumentaram nas duas bases de comparação. O crescimento em volume das exportações é atribuído ao desempenho favorável das commodities (aumento de 12,2% entre os primeiros quadrimestres de 2018 e 2019). As exportações de não commodities recuaram 7,3%.

 

Petróleo - A liderança nas exportações ficou com o grupo de petróleo e derivados (31,8%), seguido do complexo soja (13,8%). A FGV explica que a queda nos preços das commodities atinge as principais exportações brasileiras, exceto o minério de ferro, que teve aumento de 4,1 % entre o acumulado do ano até abril de 2018 e 2019. (Agência Brasil de Notícias)

 

MERCADO: Soja tem novas e boas altas em Chicago nesta 4ª com excesso de chuvas nos EUA

 

mercado 15 05 2019O movimento de alta forte continua no mercado da soja nesta quarta-feira (15/05). Tanto que as cotações, no início da manhã, registravam aumento entre 11 e 12 pontos nos principais vencimentos, com o julho de volta aos US$ 8,40 por bushel. "As preocupações com o clima e o plantio nos EUA continuam, bem como a esperança de um acordo - em algum momento - entre China e Estados Unidos", explicam os analistas da consultoria internacional Allendale. 

 

Fatores - Além disso, o mercado começa a especular sobre estas adversidades no Corn Belt e seus impactos reais sobre a área. Com as janelas ideais de plantio se fechando - a do milho termina já neste dia 20 -, diminui o sentimento de que o produtor vá migrar para a soja, podendo buscar com o governo norte-americano seu seguro de não plantio, o chamado Prevent Plant. 

 

Estratégia - "Ou seja, diante dos preços baixos de soja, a probabilidade agora passou a ser que o produtor norte-americano pode optar por abandonar área de milho e pegar o dinheiro do seguro, ao invés de transferir área de milho para soja", diz Steve Cachia, diretor da Cerealpar.

 

Chuvas - O mapa atualizado do NOAA para o período de 15 a 22 de maio mostra a continuidade das chuvas intensas no Corn Belt. Estados como o Nebraska, Missouri, Iowa e a Dakota do Sul poderiam registrar acumulados de 75 a 100 mm, o que pode atrasar ainda mais o avanço dos trabalhos de campo. (Notícias Agrícolas)

 

 


Versão para impressão


RODAPE