Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4570 | 07 de Maio de 2019

TRIBUTÁRIO: Sistema Ocepar participa de solenidade de assinatura que prorroga benefícios fiscais

O presidente do Sistema Ocepar e coordenador do G7, José Roberto Ricken, participou, nesta segunda-feira (06/05), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, de solenidade em que o governador Carlos Massa Ratinho Júnior assinou decreto que prorroga os benefícios fiscais do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao setor produtivo de todo o Estado. A medida beneficia o setor cooperativista, em especial o da agropecuária e indústria e busca manter a competitividade de mercado de diversos produtos paranaenses.

G7 - A prorrogação dos benefícios, que venceu em 30 de abril, foi pleiteada pela Secretaria de Estado da Fazenda junto ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que valida os tratamentos tributários diferenciados concedidos pelos estados. A medida atende os pedidos do G7, grupo formado pelas instituições que representam setor produtivo paranaense.

Competitividade - José Roberto Ricken, na função de coordenador, falou em nome de todas as entidades que integram o G7 e que no início deste ano, havia solicitado ao governador para que esses benefícios fossem prorrogados. “O incentivo dado pelo Governo regula a competição entre os estados, já que vários concedem isenções e o Paraná acompanha”, disse. “Isso promove uma justiça tributária que é fundamental para o Paraná e não representa nenhuma perda de arrecadação. Pelo contrário, gera mais arrecadação na medida em que incentiva o aumento da economia”, afirmou Ricken.

Ganhos - O ganho de competitividade do setor produtivo paranaense reflete na economia e no desenvolvimento do Estado, afirmou Ratinho Junior. “Em primeiro lugar, contribui para criar mais empregos no Paraná, o que é uma prioridade do nosso governo”, destacou. “As isenções atingem vários setores e aumenta a competitividade com indústrias de outros estados e, automaticamente, fortalece a geração de emprego aqui. A ideia é fazer com que as empresas possam se fortalecer e continuem crescendo”, disse o governador.

Continuidade - Além de influenciar no aumento das atividades comerciais em todo o Estado, a medida também prevê a continuidade ou incremento das atividades portuárias e aeroportuárias voltadas ao comércio exterior. “Houve a prorrogação da redução de base de cálculo do ICMS ou de créditos presumidos para mais de dez setores após um trabalho junto ao Confaz, para que a medida fosse convalidada por todos os estados”, explicou o diretor-geral da Secretaria da Fazenda, Fernades dos Santos.

Presenças - Participaram também da solenidade o vice-governador Darci Piana; o chefe da Casa Civil, Guto Silva; os presidentes da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Ágide Meneguette; da Associação Comercial do Paraná (ACP), Gláucio Geara; Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), Marco Tadeu Gonçalves; o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Jair José de Souza; o diretor de Relações Institucionais da Federação do Comércio do Estado do Paraná (Fecomércio-PR), Walter Xavier; o diretor-executivo da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), coronel Manoel Jorge dos Santos Neto; e os deputados estaduais Hussein Bakri, Tiago Amaral, Élio Rush e Coronel Lee.

Benefícios - Dentre os benefícios prorrogados estão créditos presumidos autorizados aos estabelecimentos paranaenses até 30 de setembro de 2019; a prorrogação da concessão de redução de base de cálculo e de crédito presumido calculado a outros segmentos, até 30 de abril de 2020; e nos termos do Convênio ICMS 28/2019, a concessão de isenção, redução de base de cálculo e de crédito presumido autorizados aos estabelecimentos paranaenses, estendidos também até o de abril de 2020 (confira abaixo os produtos).

Produtos - Está prevista a prorrogação dos créditos presumidos até 30 de setembro de 2019 para amido de mandioca; bicarbonato de sódio; café torrado em grão, moído ou descafeinado; farinha de trigo; mistura para bolos e pães; vegetais e carnes embalados a vácuo; reservatórios, cisternas e cubas.

Outros setores - Foi prorrogado até 30 de abril de 2020 o benefício fiscal para saídas internas e interestaduais de veículos novos destinados a taxistas; importação de equipamentos, sem similar nacional, por empresa de prestação de serviços públicos de radiodifusão, fornecimento de energia elétrica do programa Luz Fraterna; bens e mercadorias referentes ao programa Metrô Curitibano; saídas de mercadorias pela Pastoral da Criança; operações com meios de transporte referentes ao programa Caminho da Escola; saída interna e interestadual de veículo novo adquirido por pessoa com deficiência física, visual, metal ou autista; insumos agropecuários, como ácido nítrico e sulfúrico; soja e milho; discos fonográficos e empresas fornecedoras de energia elétrica.

Créditos presumidos - Também foram prorrogados, até 30 de abril de 2020, os créditos presumidos de fabricantes de móveis, esquadrias e chapas de madeira; cadeados e fechaduras; equipamentos e implementos rodoviários; filmes plásticos, jogos eletrônicos; medidores de energia; móveis; óleo de soja refinado, margarina, gordura e maionese; produtos resultantes de reciclagem de embalagem vazia de agrotóxico; indústria de fibra de algodão; sucos de frutas; artigos de couro; torres para transmissão de energia e estruturas metálicas para subestações; e veículo automotor salvo de sinistros. (Com informações da Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}2019/noticias/05/07/tributario/{/vsig}

14º CBC: Congresso Brasileiro debate o cooperativismo do futuro

 

14 cbc 07 05 2019O cooperativismo do futuro se constroi aqui. Esse é o tema da 14ª edição do Congresso Brasileiro do Cooperativismo – maior evento do país, destinado a debater o desenvolvimento sustentável das cooperativas brasileiras. Realizada pelo Sistema OCB, essa gigantesca reunião de trabalho ocorre nesta semana (de 8 a 10 de maio), no Centro de Convenções Brasil 21, em Brasília, reunindo mais de 1,3 mil pessoas.

 

Temas - Ao longo desses três dias, delegados indicados pelas cooperativas brasileiras irão debater questões ligadas à seis temas principais (Comunicação, Governança e Gestão, Inovação, Intercooperação, Mercado e Representação). Cada delegado pôde se preparar com antecedência por meio dos documentos-base, que trazem cenários e reflexões sobre cada assunto, além de sugestões de propostas, com o objetivo de ajudar a nortear os debates. O objetivo é propor as diretrizes estratégicas do setor para os próximos 10 anos. (Programação)

 

50 anos - O CBC, como é mais conhecido entre os cooperativistas, também marcará a celebração dos 50 anos da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) que, aliás, surgiu a partir de um consenso durante o 4º CBC, em 1969. A entidade realiza, desde então, a representação nacional e a defesa dos interesses das cooperativas junto aos Três Poderes da República.

 

Agenda Institucional - Durante a abertura do CBC, a OCB fará o lançamento de sua 13ª Agenda Institucional, com as principais demandas e propostas do cooperativismo aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Esta edição do documento é focada no fomento da simplificação, desburocratização e melhoria do ambiente de negócios para a atuação das cooperativas.

 

Desafios - Em um universo de 36 proposições ao Congresso Nacional, alguns desafios são focados na agenda de reformas estruturantes do governo, ao acesso ao crédito e linhas de financiamento público para cooperativas, além de pautas positivas como a geração de internet no campo e, ainda, a permissão para que cooperativas operem no mercado de seguros.

 

Desenvolvimento - Vale destacar que essas pautas geram desenvolvimento em todas as partes do país, sem demandar novos investimentos por parte do governo federal.

 

Posse - Logo após o lançamento da Agenda Institucional do Cooperativismo, será realizada a posse da nova Diretoria da Frente Parlamentar Cooperativista (Frencoop), bancada que já conta com mais de 300 deputados federais, 36 senadores e uma lista de grandes feitos em prol das cooperativas do país. À frente da presidência está o deputado Evair de Melo (PP/ES) – que integra o grupo de defesa dos interesses das cooperativas brasileiras desde o início de seu primeiro mandato, em 2015. (Informe OCB)

 

PUBLICAÇÃO: Sistema OCB elabora manual sobre eSocial para cooperativas

publicacao 07 05 2019Cooperativas de todo o país contam com um material de apoio sobre o eSocial, um programa do governo federal que unifica em um só sistema todas as informações relativas aos trabalhadores. Devido às mudanças que ele traz na rotina das empresas e das cooperativas e, ainda, à complexidade do programa, o Sistema OCB elaborou um manual, contendo os itens de maior impacto, visando preparar as cooperativas para a transição que se inicia.

Orientação - De acordo com a entidade, “a ideia é servir de orientação - com recomendações e dicas gerais, abordando uma série de cuidados práticos a serem tomados pelas cooperativas em relação ao tema”, lembrando que o Sistema OCB é membro integrante do Grupo de Trabalho Confederativo (GTC) do eSocial e companha os trabalhos e as questões técnicas junto ao Comitê Gestor do Programa.

Clique aqui para conferir na íntegra o manual eSocial para cooperativas

 

INTERCOOPERAÇÃO: Lideranças de sete cooperativas se reúnem em Ponta Grossa durante workshop

 

Presidentes de sete cooperativas agropecuárias do Núcleo Centro-Sul, acompanhados por dirigentes e colaboradores, participaram na última sexta-feira (03/05), na sede da Sicredi Campos Gerais, em Ponta Grossa, de um workshop com a finalidade de discutirem em quais áreas podem realizar processos de intercooperação. O evento faz parte do projeto de conclusão de curso de um grupo de colaboradores do Sistema Ocepar, na Faculdade de Administração e Economia (FAE), Educação Executiva em Alta Performance. A abertura do evento contou com a presença do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do presidente da Sicredi Campos Gerais, Popke Ferdinad van der Vinne, o Fredy, do superintendente do Sescoop Paraná, Leonardo Boesche e do professor da Universidade Federal do Paraná, Tomas Sparano Martins.

 

Experiências - “Estou aqui porque acredito neste projeto, nesta ideia”. Foi assim que José Roberto Ricken, presidente do Sistema Ocepar iniciou sua fala para as 17 lideranças cooperativistas presentes no workshop. Ele relatou que no seu histórico de trabalho no Sistema Ocepar, pode acompanhar várias tentativas de intercooperação e citou duas: uma realizada na década de 1980/90 no norte do Paraná e que acabou não prosperando. E uma segunda, na própria região dos Campos Gerais, entre as cooperativas do ABC, Frísia, Castrolanda e Capal. “A Unium é um modelo para todo o sistema cooperativista. Participei de nove reuniões entre essas cooperativas, projeto este que serviu de subsídio para minha dissertação de metrado focado nessa experiência. Se estamos aqui hoje é porque desejamos algo diferente para nossas cooperativas, discutir de forma madura nossos potenciais, nossos diferenciais, sem perder a individualidade de gestão de cada uma das participantes. Hora de minimizar as diferenças e fortalecer nossos atributos para assim poder dividir de forma cooperativa com as demais”, frisou. Ricken ressaltou que só o sistema cooperativista consegue proporcionar momentos como esse, “onde presidentes de várias cooperativas sentam em torno de uma mesma mesa e discutem cenários, modelos de gestão, onde é possível reduzir custos e otimizar negócios. Pensar sempre primeiro nos cooperados, razão principal do nosso existir, se for bom para eles, será ótimo para todas as participantes”.

 

Orgulho - Já o presidente da Sicredi Campos Gerais, que compartilhou a estrutura da cooperativa para a realização do Workshop, Popke Ferdinad van der Vinne, Fredy, disse que para a cooperativa era um orgulho poder sediar um evento de intercooperação. “Ao longo da trajetória do sistema de crédito cooperativista, foram muitas as parcerias realizadas e ver cooperativas que integram a área de ação dos Campos Gerais, sentarem para discutir formas de poder contribuir uma com as outras, é muito bom e tem nosso total apoio”.

 

Presenças - Participaram deste Workshop em Ponta Grossa, os presidentes das cooperativas, Coopagrícola, Gabriel Nadal, Witmarsum, Artur Sawattzky, Clac, Ricardo Gawlak, Coamig, Edson Bastos, Coacan, Mauro Mendes de Araújo, Cooperante, Guilherme Grein e da Unicastro, Márcio Yamazaki, a gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira Lima e os colaboradores do Sistema Ocepar e responsáveis pelo Projeto de Intecooperação no curso de Alta Performance da Fae, Cristiano Michalovicz, Daniele Cristiane Radulski Reginatto, Edson Luis Carvalho de Souza, Fernando Mendes e Samuel Milléo Filho.

 

{vsig}2019/noticias/05/07/intercooperacao/{/vsig}

COOPAGRÍCOLA: Conselheiros de quatro cooperativas recebem certificação em Ponta Grossa

 

Na última sexta-feira (03/05), 29 dirigentes e associados às cooperativas Coopagrícola, Camp, Witmarsum e Coamig receberam o diploma de conclusão da segunda turma do Programa de Certificação de Conselheiros Cooperativos promovido pelo Sistema Ocepar em Ponta Grossa, através do Sescoop/PR, com o importante apoio da Escola de Negócios Isae. O evento aconteceu nas dependências do hotel Bourbon, em Ponta Grossa e contou a presença do presidente Gabriel Nadal, do presidente da cooperativa Witmarsum, Artur Savatzky, dos representantes das diretorias das cooperativas Coamig e Camp, Francisco Serpa e José Tarcísio Pontarolo, respectivamente, do superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, da representante do Isae, professora Denise Margareth Oldenburg Basgal, da coordenadora de Soluções Corporativas do Isae, Danielle Hernandes e do coordenador de Comunicação Social do Sistema Ocepar, Samuel Milléo Filho e familiares dos formandos.

 

Intercooperação - Para o presidente da Coopagrícola, Gabriel Nadal, poder receber dirigentes e cooperados de outras cooperativas da região nesta capacitação, é um privilégio para a cooperativa. “Acreditamos que estamos praticando um dos princípios do cooperativismo que é a intercooperação, neste caso, de conhecimento. O legado deixado com esta ação é a troca de experiência e a possibilidade de futuras parcerias em outros setores de atividades com essas três cooperativas participantes. Este curso visa melhorar o conhecimento dos nossos cooperados sobre a atividade da cooperativa e prepara-los para novos desafios como futuros dirigentes nessas quatro cooperativas”. Nadal ainda destacou que “a busca por este programa surgiu da necessidade da cooperativa em preparar cada vez mais as lideranças e cooperados para que atuem na defesa do setor. E com essas duas turmas finalizadas, posso afirmar que o resultado superou todas as expectativas, pois o alto nível do conteúdo do programa, aliado ao dos docentes, todos mestres ou doutores, proporcionou um grande aprendizado e comprometimento das pessoas”, frisou o dirigente.

 

Pioneirismo - O Programa de Certificação de Conselheiros Cooperativos foi criado no ano de 2012, que visa buscar maior profissionalização dos cooperados que participam da gestão das cooperativas. Mais de 2,5 mil lideranças já participaram no Paraná desta capacitação. Segundo Leonardo Boesche, esta iniciativa pioneira do Paraná, tem por base principal, preparar melhor os dirigentes e cooperados que atuam nos conselhos das cooperativas. “Hoje, o mundo dos negócios está muito rápido e os cooperados precisam entender melhor não só sobre o funcionamento da cooperativa, mas também saber de gestão. Neste curso eles aprendem a dominar e entender de cooperativismo, de gestão de empresas e de pessoas”, afirma o superintendente.

 

Orgulho - A professora Denise Basgal, do Isae, disse que esta capacitação já tem dado bons frutos com o surgimento de novas lideranças e o aperfeiçoamento daquelas que já atuam nas respectivas cooperativas. Ela disse que uma das coisas que mais gosta de ouvir é ser chamada de professora. “Esta é uma missão desafiadora. Esses cursos são uma troca, onde podemos passar nosso conhecimento mas também aprender mais com os participantes sobre o  cooperativismo”, disse.

 

{vsig}2019/noticias/05/07coopagricola/{/vsig}

INTEGRADA: Cooperativa sedia curso do Sistema Ocepar para conselheiros cooperativistas

 

A Cooperativa Integrada sedia em Londrina, no Norte do Paraná, um encontro com conselheiros cooperativistas do Norte do Paraná para o curso de capacitação promovido pelo Sistema Ocepar. O diretor presidente Jorge Hashimoto deu as boas-vindas ao grupo e destacou a disponibilidade da Integrada em prol do desenvolvimento do sistema cooperativista.

 

Capacitação e atualização - O objetivo do curso é promover a capacitação e atualização dos conhecimentos dos membros do Conselho Fiscal das cooperativas, com o objetivo de apresentar suas atribuições e responsabilidades. Dentro da programação, são abordados conceitos de contabilidade e análise de indicadores, demonstração da legislação e relacionamento do conselho fiscal com os demais agentes de governança.

 

Gestão e governança - Durante a abertura do curso, Hashimoto falou sobre o trabalho de capacitação desenvolvido pela Integrada junto aos seus conselheiros. Um exemplo é a terceira turma do curso para conselheiros cooperativistas que iniciou em abril. A Integrada tem investido forte em gestão e governança. (Imprensa Integrada)

 

{vsig}2019/noticias/05/07/integrada/{/vsig}

 

COPAGRIL: Associados com maiores produtividades são homenageados no Seminário de Soja e Milho

 

A Copagril realizou, na tarde de sexta-feira (03/05), no Salão Social da AACC, em Marechal Cândido Rondon (PR), o Seminário de Soja e Milho 2019. Durante o evento foram homenageados os produtores que tiveram as maiores produtividades de ambas as culturas na safra 2018/2019.

 

Abertura - A abertura da programação foi realizada pelo diretor-presidente, Ricardo Sílvio Chapla, que destacou que os seminários e palestras oferecidos pela cooperativa têm o objetivo de oferecer informações para que os associados possam aplicá-las em suas propriedades, visando ampliar a produtividade e, consequentemente, o seu rendimento. Ele ainda enfatizou que historicamente tanto as safras como o comportamento do mercado têm registrado mudanças significativas, as quais devem ser levadas em consideração pelos produtores rurais para que tenham êxito nos seus respectivos negócios. 

 

Palestras - Em seguida, houve explanação do supervisor de segurança do trabalho da Copel, Iloir Correa Júnior, que falou ao público sobre cuidados na operacionalização de máquinas e implementos agrícolas próximo a redes de energia elétrica. 

 

Sequência - Na sequência, os produtores presentes assistiram à palestra intitulada "Manejo de doenças para soja e milho: caminho para alta produtividade", ministrada pelo pesquisador do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), Lucas Navarini.

 

Comitês - Logo após foram revelados os comitês vencedores do Concurso de Projetos Agrícolas da Associação dos Comitês de Jovens da Copagril (ACJC) 2019 e também foi realizada homenagem aos associados da cooperativa com maior produtividade em soja e milho. Confira os destaques da edição deste ano:

Maiores produtores de soja - até 10 alqueires

1º lugar – Cristiano Weschenfelder – Produtividade: 153 sacas por alqueire

2º lugar – Marcelo Klein – Produtividade: 149,7 sacas por alqueire

3º lugar – Rodrigo Ghilardi – Produtividade: 148,7 sacas por alqueire

Maiores produtores de soja - acima de 10 alqueires

1º lugar – Valdir José Copetti – Produtividade: 155,3 sacas por alqueire

2º lugar – Elsa Olinda Biesdorf – Produtividade: 134 sacas por alqueire

3º lugar – Paulo Roberto Wickert e família – Produtividade: 130,8 sacas por alqueire

Maiores produtores de milho

1º lugar – Lucia Maria Eckstein e família – Produtividade: 468,6 sacas por alqueire

2º lugar – Ilso Antonio Conte e Paulo Nori Schneider – Produtividade: 424,1 sacas por alqueire

3º lugar – Fabio Rodrigo Scheuermann – Produtividade: 412,9 sacas por alqueire

Classificação geral – Concurso de Projetos Agrícolas ACJC

1º lugar – CJC Progresso sem Fronteiras (Pato Bragado): 67 pontos

2º lugar – CJC Ordem e Progresso (Quatro Pontes): 60 pontos

3º lugar – CJC Ação Jovem (Novo Três Passos): 59 pontos

Produtividade de Soja  – Concurso de Projetos Agrícolas ACJC

1º lugar – CJC Progresso sem Fronteiras (Pato Bragado): 157 sacas/alq.

2º lugar – CJC Treze de Maio (Linha Palmital): 124,01 sacas/alq.

3º lugar – CJC Flor da Serra (Iguiporã): 104,6 sacas/alq.

Produtividade de Milho  – Concurso de Projetos Agrícolas ACJC

1º lugar – CJC Ordem e Progresso (Quatro Pontes): 350,6 sacas/alq.

2º lugar – CJC Juntos Venceremos (Linha São João): 337,3 sacas/alq.

3º lugar - CJC Flor da Serra (Iguiporã): 325,8 sacas/alq.

(Imprensa Copagril)

 

{vsig}2019/noticias/05/07/copagril/{/vsig}

COOPAVEL: Pressão e exigências devem ser combustíveis do sucesso

coopavel 07 05 2019A resiliência é uma palavra que não está na moda à toa. Ela emerge de um cenário no qual o talento, a capacidade e o empreendedorismo de cada um são cotidianamente testados. “A pressão e as exigências do mercado, cada vez maiores, não podem ser fatores de desânimo e sim combustíveis para o sucesso”, disse o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, fim de semana durante o Technovação, evento de tecnologia e inovação que reuniu milhares de pessoas no Centro de Convenções e Eventos de Cascavel, no Oeste do Paraná.

 

Tecnologia e inovação - Durante palestra no Fórum 4.0 Agro, Dilvo falou da tecnologia e das contribuições da inovação para incrementar os números do agronegócio. “Trabalho, perseverança e otimismo são aliados indispensáveis em um mercado de inúmeros desafios, mas também de enormes oportunidades”, citou o presidente da Coopavel. “Se não for assim, o profissional estará derrotado muito antes de o jogo começar”. Saber superar a adversidade e tomá-la como fator de aprendizado é caminho para vencer e obter bons números mesmo em períodos de crise, afirmou ele.

 

Propósito - O peso do propósito no cotidiano de quem está no mercado foi outro aspecto ressaltado pelo presidente da Coopavel, que falou para um público basicamente formado por acadêmicos e jovens matriculados em cursos técnicos. Dilvo destacou o papel do empreendedorismo para vencer em um mercado altamente competitivo. Mais que isso, da necessidade de ser um hábil comerciante para ter êxito em um quadro movido por tantas novidades. Ele falou também de medidas simples que fizeram do Show Rural Coopavel um sucesso não apenas em tecnologias e inovação, mas em modelo de organização.

 

Solução - Às vezes, a solução está em uma medida extremamente simples e que, no início, pode não ser levada a sério como deveria. Duas edições consecutivas com chuva reduziram o público e colocaram o Show Rural em um cenário difícil. Até que alguém sugeriu que se cobrisse as ruas para proteger os visitantes da chuva. A resposta da medida foi além e a cobertura acabou virando proteção também para os dias de calor. “Isso quer dizer que é necessário ajustar a sua empresa ou o seu negócio ao que de fato as pessoas querem e esperam dele”, disse Dilvo Grolli. A tecnologia elevou, em 30 anos de evento, a produtividade da soja e do milho em mais de 300% na região. 

 

Números - Outros números facilitam a compreensão do que a tecnologia representa para o agronegócio brasileiro. Há 20 anos, um agricultor produzia alimentos suficientes para 19 pessoas e hoje, com os recursos disponíveis, a relação subiu de um para 220. Dilvo destacou como oportunidade a recente abertura do mercado indiano para a carne de frango brasileira. Lá, o consumo per capita de carne é de meio quilo, na China é de 15 e nos Estados Unidos e Brasil é de 42 quilos.

 

Digital - O presidente da Coopavel fez considerações sobre o Show Rural Digital, sensação da mais recente edição da feira, em fevereiro. “Não há mais como separar agronegócio e tecnologia. E pelo que se viu lá e se vê aqui, no Technovação, essas são duas áreas que evoluirão surpreendentemente nos próximos anos”, ressaltou Dilvo. 

 

Espaço - Organizado pela Fundetec (Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Cascavel), o Technovação abriu espaço para empresas, startups e escolas técnicas e universidades compartilharem conhecimentos. A Coopavel foi uma das empresas expositoras e, lá, além de divulgar o Show Rural Digital fez inúmeros contatos de olho na segunda edição agendada para 3 a 7 de fevereiro de 2020. (Imprensa Coopavel)

 

 

SICOOB MÉDIO OESTE I: Nova agência é apresentada em Formosa do Oeste

 

sicoob medio oeste I 07 05 2019No dia 23 de abril, aconteceu em Formosa do Oeste o lançamento da agência do Sicoob Médio Oeste. O novo ponto de atendimento deve ser inaugurado até o mês de julho e será a sexta unidade da singular, que já tem pontos de atendimento em Assis Chateaubriand, Cafelândia, Jesuítas, Nova Aurora e Tupãssi.

 

Presenças - Cerca de 100 pessoas estiveram presentes na solenidade, que foi realizada no Salão da Paróquia Santo Antônio e conduzida pelo futuro gerente da unidade, Mairon Menezes dos Reis. Representando a cooperativa, participaram o presidente do Conselho de Administração, Edson de Oliveira Pereira, os diretores Nadir Lulu Ferreira da Costa, Rodrigo Dencati e Edivaldo Liberato. Também esteve presente o diretor-presidente do Sicoob Central Unicoob, Marino Delgado.

 

Agradecimento - O presidente Edson de Oliveira Pereira agradeceu a presença de todos e falou sobre o orgulho e a satisfação de oferecer à Formosa do Oeste os benefícios e vantagens do Sicoob. "Em 120 dias a agência entrará em funcionamento os cooperados não precisarão mais se deslocar até Assis Chateaubriand ou Jesuítas, poderão fazer seus negócios no munícipio. Agradeço à comunidade por nos receber de braços abertos. A inauguração de mais uma agência representa uma grande conquista para nossa cooperativa, mesmo diante das dificuldades atuais do país. Temos certeza que o Sicoob será um sucesso na cidade de Formosa do Oeste", disse.

A noite foi encerrada com sorteio de brindes e um coquetel para os convidados. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB MÉDIO OESTE II: Cooperativas se unem pela comunidade e iniciam organização do Dia C

 

sicoob medio oeste II 07 05 2019A organização do Dia de Cooperar 2019, o Dia C, já começou em Assis Chateaubriand, no Oeste do Paraná. Em abril, o Sicoob Médio Oeste convidou as cooperativas Sicredi, Uniprime, Unimed Costa Oeste, C.Vale e Agropar para juntas, planejarem as ações do evento.

 

Campanha do Cobertor - Uma dessas ações é a Campanha do Cobertor, que começou em maio e se estende até o final de junho. As doações arrecadadas pelas cooperativas nesse período serão destinadas para as crianças da Casa Abrigo e para o Auxílio Fraterno da Paróquia Nossa Senhora do Carmo.

 

Grande celebração - No dia 6 de julho acontece a grande celebração do Dia C, na Praça dos Pioneiros. Entre as atividades previstas, estão a coleta de lixo eletrônico, ações de conscientização sobre a educação no trânsito, teste de glicemia, aferição de pressão arterial e cálculo de IMC. 

 

Sobre o Dia C - Criado em 2009, o Dia C é um movimento das cooperativas brasileiras na busca por um mundo mais justo e igual. São milhares de ações voluntárias em uma grande corrente do bem. A inciativa está alinhada com o 7º princípio cooperativista, de interesse pela comunidade, e ao valor da responsabilidade social.

 

Participação - Atualmente, o Dia C conta com a participação de mais de mil cooperativas, distribuídas em todos os estados brasileiros, e é reconhecido mundialmente como o maior programa de voluntariado cooperativista. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Campanha Lacre Solidário mobiliza colaboradores e cooperados

 

sicoob tres fronteiras 07 05 2019Você certamente já ouviu falar na troca de lacres de latinhas de refrigerante ou cerveja por cadeiras de roda e se perguntou se isso é mito ou verdade. Pois bem, é verdade! No final do ano passado, o Sicoob Três Fronteiras iniciou a arrecadação dos lacres junto aos colaboradores e cooperados. Para fortalecer a campanha, recentemente a cooperativa firmou parceria com os oito clubes Rotary de Foz do Iguaçu, que estão recebendo as doações e ficaram responsáveis pela gestão das cadeiras e o direcionamento para as pessoas necessitadas.

 

Fortalecimento - “A parceria vem fortalecer e multiplicar esse trabalho socioambiental que o Rotary também já fazia. A cidade de Foz do Iguaçu e toda a região tem uma potencialidade muito grande na área de hotelaria, restaurantes e bares, fator que vem a somar com a coleta dos lacres”, diz Claudio Gilardi Britos, membro da Fundação Rotária.

 

Benefício - O benefício da arrecadação dos lacres não se limita apenas à compra de cadeiras de roda para ajudar a quem precisa, se estende também ao meio ambiente, já que toneladas de alumínio serão encaminhadas para reciclagem e deixarão de impactar a natureza. 

 

Interesse pela comunidade - “Essa ação vem ao encontro com um de nossos pilares: o interesse pela comunidade. A partir dela criamos a cultura da reciclagem, contribuímos com a sustentabilidade e reutilização de de materiais”, pontuou Dirceu Luiz Tessaro, diretor superintendente do Sicoob Três Fronteiras e um dos idealizadores da campanha na cooperativa.

 

Para doar - Os recipientes de coleta dos lacres estão espalhados em estabelecimentos comerciais de Foz do Iguaçu e nas agências do Sicoob Três Fronteiras, localizadas em Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Medianeira, Matelândia, Itaipulândia e Missal. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

AGRICULTURA FAMILIAR: Ministério esclarece que não houve corte de verbas para o Pronaf

 

agricultura familiar 07 04 2019As operações de investimento, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), no período de julho de 2018 a abril de 2019, cresceram 42,95% no número de contratos e 30,75% no valor contratado, quando comparadas com igual período da safra anterior. 

 

Destaque - O destaque foi para o Pronaf Mais Alimentos, que obteve crescimento de 13,69% no número de contratos e de 22,94% no valor contratado, e para o Pronaf Microcrédito, cujo crescimento foi de 68,78 % no número de contratos e de 81,82 % no valor contratado.

 

Aplicação - O crescimento bem acima das expectativas fez com que todos os recursos equalizados para o Pronaf com o que o governo se comprometeu no Plano Safra 2018/19 fossem aplicados antes do término do Ano Agrícola 2018/2019, que será encerrado no dia 30 de junho próximo. Não houve corte nem contingenciamento de recursos por parte do governo.

 

Investimento - O mesmo ocorreu com todos os programas de investimento, não apenas com o Pronaf: os recursos se exauriram antes do final do Ano Agrícola. Para o ministério, isso significa que as condições de financiamento foram bastante satisfatórias e que o setor rural está se sentindo motivado para fazer investimentos de longo prazo.

 

Novo Plano Agrícola e Pecuário - A Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está trabalhando juntamente com o Ministério da Economia e o Banco Central na elaboração do novo Plano Agrícola e Pecuário 2019/2020, que disponibilizará novos recursos a partir de 1º de julho de 2019. A ministra Tereza Cristina já informou que os valores e as taxas de juros a serem praticadas no próximo Plano Safra serão divulgadas no dia 12 de junho. (Mapa)

 

AVESUI EUROTIER: Evento debate inovações em processamento de carnes

 

avesui 07 05 2019O processamento de carnes é um tema sensível na indústria de proteína animal mundial e será foco de um painel com a participação de pesquisadores, fiscais e profissionais da área durante a AveSui Eutorier South America 2019.

 

Segurança - Como elo final entre cadeia produtiva e o consumidor final, os processadores são exigidos a garantir cada vez maiores níveis de segurança e melhores desempenhos, bem como quanto à adequação constante a atualizações em normas e leis para a atividade.

 

Aspectos relevantes - “O painel tem como objetivo discutir aspectos relevantes do processamento de carnes e, para isso, vai abordar tendências e as novidades do setor, aproveitando a interação com pesquisadores e fiscais, além de promover a integração entre a comunidade científica e os processadores”, introduz Dra. Carmen Josefina Contreras, coordenadora do Painel.

 

Participações - Para atender às exigências da cadeia de carnes, o debate contará com a participação de Heitor Dauguer, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; de Marcia Mayumi, do Instituto Tecnológico de Alimentos (Ital), e de Angela Dulce Altemio, da Universidade Federal de Dourados no Mato Grosso do Sul.

 

Temas - Eles abordarão, respectivamente, os temas “Formação de compostos carcinogênicos por interações entre conservantes em produtos cárneos”, “Mortadela Shelf Stable” e "Alternativas no processamento de carnes de aves e peixes". Haverá ainda uma quarta palestra a ser confirmada.

 

Sistematização de informações - “A relevância de um encontro com especialistas altamente qualificados de diferentes elos e área da atividade de processamento está em sistematizar informações seguras e atualizadas discutindo inovações tecnológicas e os principais elos das cadeias de carnes”, comenta Carmen.

 

Conteúdos - Entre os conteúdos técnicos-científicos, a AveSui Eurotier contará também com painéis sobre “Digital Farming – Congresso de Zootecnia de Precisão” e o “Workshop de Inseminação de Aves e Suínos”.

 

Local - O evento ocorre em Medianeira (PR), a 30 minutos de Foz do Iguaçu, entre 23 e 25 de julho, e reúne as expertises da principal feira do segmento no Brasil - a AveSui - e o maior encontro do planeta em inovação para o setor - a EuroTier, que é organizada a cada dois anos pela DLG (Sociedade Agrícola Alemã), em Hanôver, na Alemanha.

 

Site - Saiba mais no site do evento aqui

 

Informações- Outras informações sobre a  AveSui EuroTier South America entre em contato conosco por meio do telefone (11) 4013-1277 ou e-mail: gessulli@gessulli.com.br(Assessoria de Imprensa do evento)

 

ALERTA GEADA: Simepar e Iapar iniciam edição 2019 do serviço

alerta geada 07 05 2019Entra em operação nesta quinta-feira (09/05) o Alerta Geada, serviço que o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e o Simepar oferecem de maio a setembro com o objetivo de auxiliar os produtores a implantar medidas de proteção dos cafezais paranaenses. A edição deste ano é a 25ª e será lançada nesta quarta-feira (08/05) no Centro de Treinamento do Iapar, em Londrina.

Informação gratuita - O serviço informa gratuitamente a probabilidade de ocorrência de geada com antecedência de 48 e 24 horas. A previsão é feita por categoria de intensidade (fraca, moderada ou forte) para todas as regiões do Paraná. Textos e mapas temáticos são atualizados diariamente na página do Simepar www.simepar.br.

Direcionamento - O Alerta Geada é direcionado prioritariamente à proteção de lavouras com até dois anos de implantação. Ao receberem as mensagens em tempo hábil, os produtores podem adotar medidas de proteção das lavouras, evitando ou reduzindo perdas agrícolas.

Interpretação - Uma vez emitida a previsão do Simepar, a equipe de pesquisadores do Iapar interpreta as informações. Se houver aproximação de massas de ar frio com potencial de causar danos às lavouras de café, também é emitido um pré-alerta no aplicativo, por e-mail e SMS a extensionistas, técnicos e produtores cadastrados, além da divulgação para a imprensa e nas redes sociais. Caso persistam as condições para formação de geadas, um novo aviso, de ratificação, é expedido em até 24 horas antes da previsão de ocorrência do evento.

Acompanhamento - Além disso, durante o período de funcionamento do serviço, os pesquisadores acompanham as condições meteorológicas na região cafeeira do Estado e publicam diariamente um boletim informativo, que pode ser acessado nos endereços www.iapar.br, www.simepar.br, pelo telefone (43) 3391-4500 (custo de uma ligação para aparelho fixo) e, a partir deste ano, também pelo aplicativo Iapar Clima.

Ano passado - O inverno do ano passado foi marcado por temperaturas amenas na zona cafeeira do Paraná, e nenhum alerta foi emitido no período de funcionamento do serviço. Embora concebido para a proteção do parque cafeeiro paranaense – distribuído pelas regiões Norte, Noroeste e parte do Oeste do Estado –, nos últimos anos outros setores vêm buscando as informações do Alerta Geada para orientar suas atividades, como produtores de hortaliças, construção civil, área de turismo e eventos e até o comércio de vestuário.

Iapar Clima - A partir deste ano, as informações sobre as previsões meteorológicas também são divulgadas pelo aplicativo Iapar Clima. Desenvolvido em parceria com o Simepar, o aplicativo foi lançado no início deste ano. Por enquanto, está disponível para aparelhos Android e pode ser baixado gratuitamente no Google Play. A versão para IOS ficará pronta nos próximos meses.

Inverno 2019 - Segundo o coordenador de Operação do Simepar, meteorologista Marco Jusevicius, o inverno típico no Paraná apresenta pouca chuva e massas de ar frio a partir da segunda quinzena de maio. “As geadas são mais frequentes em junho e julho, quando as temperaturas médias ficam mais baixas", afirma.

Condições normais - Em condições normais são registrados de um a quatro eventos por ano, mais concentrados entre o centro e o sul do Estado, podendo atingir o norte. Neste ano, o inverno do Hemisfério Sul deve sofrer influência do fenômeno climático El Niño fraco. “Os prognósticos até o momento indicam temperaturas e chuvas um pouco acima da média, com menor frequência e intensidade de massas de ar polar e geadas”, observa Jusevicius.

Recomendações para proteção das lavouras - Para lavouras de café com idade entre seis e 24 meses, a recomendação é amontoar terra – até o primeiro par de folhas – no tronco das árvores imediatamente, para proteger as gemas e evitar a morte da planta no caso de geada severa. Essa prática é chamada de “chegamento de terra” pelos cafeicultores e técnicos do setor. Essa terra que protege os troncos dos cafeeiros deve ser mantida até o final do período frio, em meados de setembro, e então retirada preferencialmente com as mãos.

Plantios novos - Para plantios novos, com até seis meses de idade, recomenda-se simplesmente enterrar as mudas quando houver emissão do Alerta Geada. Viveiros devem ser protegidos com várias camadas de cobertura plástica. Nos dois casos – lavouras novas e viveiros –, a proteção deve ser retirada rapidamente, assim que a massa de ar frio se afastar e cessar o risco imediato de geada.

Lavouras com até 24 meses ocupam 2.700 hectares - O economista Paulo Sérgio Franzini, do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do Paraná, explica que a área ocupada com lavouras de café no Paraná é de 40,1 mil hectares. Desse total, 2.700 hectares devem ser protegidos com o Alerta Geada, pois são ocupados lavouras de até 24 meses – aí incluídos 800 hectares de implantação ainda mais recente, de até seis meses.

Custo - Franzini calcula que a implantação de um hectare de cafeeiros custa em torno de R$ 15 mil. O enterrio e o desenterrio de plantas com até seis meses custa em torno de R$ 1,5 mil, enquanto o dispêndio para fazer o “chegamento de terra” e posterior limpeza dos troncos é de aproximadamente R$ 1 mil.

Área média - A maior parte das lavouras paranaenses tem em média 8 hectares e é conduzida por pequenos produtores familiares. Em fase de colheita, este ano o Paraná deve produzir em torno de 1,1 milhão de sacas beneficiadas de café.

Lançamento - O evento de lançamento do Alerta Geada 2019 será aberto às 9 horas pelo diretor de pesquisa do Iapar, Rafael Fuentes Llanillo. Em seguida será exibido o audiovisual “A Geada Negra de 1975”. Às 9h30 o pesquisador Paulo Henrique Caramori contará a história do Alerta Geada.

Mais - Às 10 horas o meteorologista Marco Jusevicius falará sobre a metodologia de previsão de geadas. Às 10h30 a agrometeorologista Angela Beatriz Costa discorrerá sobre a operação do serviço. Às 11 horas o engenheiro agrícola Pablo Nitsche apresentará o aplicativo Iapar Clima. (Agência de Notícias do Paraná)

SERVIÇO

25ª Edição do Alerta Geada

Data: quarta-feira (8 de maio de 2019)

Horário: 9h às 12h

Local: Centro de Treinamento do Iapar

Rodovia Celso Garcia Cid, km 375 - Londrina

 

INFRAESTRUTURA: IFC sugere autorregulação no setor

 

infraestrutura 07 05 2019A IFC (braço de participação do Banco Mundial), a FGVethics e o Instituto Ethos lançaram nesta segunda-feira (06/05), em São Paulo, iniciativa que pretende criar uma organização de autorregulação e monitoramento no campo da transparência e integridade para o setor de infraestrutura, com participação de construtoras, operadores, consultores, associações e instituições de crédito.

 

Carta de princípios - O primeiro passo será a apresentação de uma carta de princípios elaborada nos últimos meses com a contribuição das empresas do setor. O documento lista compromisso de integridade do bem público, transparência, livre iniciativa, intolerância com a corrupção, além de medidas práticas sobre implementação de sistemas de controle interno, treinamento de pessoal e diligências.

 

Expectativa - Hector Gomez Ang, responsável pela IFC no Brasil, diz que a expectativa é que empresas, associações e fornecedores voluntariamente se comprometam com ações e estratégias propostas. Ele lembra que algumas companhias criaram áreas de controle interno nos últimos anos. Além disso, não existe um "mapa comum" de boas práticas entre elas.

 

Consolidação - "Enxergamos uma oportunidade para olhar o que já foi ganho de integridade e transparência e consolidar isso, difundindo experiências de algumas empresas com para um coletivo. No longo prazo, isso deve melhorar o ambiente competitivo, evitar retrocessos no sistema de integridade, transparência e combate à corrupção. Queremos uma construção coletiva disso" disse Gomez Ang.

 

Instituto - Após a adesão da carta de princípios, a iniciativa pretende criar o instituto para autorregulação e monitoramento do cumprimento dessa agenda. A organização ainda não tem nome nem fonte orçamentária definidos. A intenção é implementar um espaço de trabalho e articulação, de forma a gerar confiança no setor, em defesa da concorrência legal.

 

Sem ligação - O sociólogo e diretor-presidente do Instituto Ethos, Caio Magri, diz que essa futura organização não estará ligada a uma associação já existente e não tem como objetivo a defesa de pautas de interesse comum. Ele acrescenta que nenhuma empresa deverá exercer controle individual sobre a atividade do instituto.

 

Banco de informações - A intenção do grupo é que o site do instituto possa eventualmente contar com um banco de informações sobre licitações públicas no país, assim como canais para recebimento de denúncias. Os organizadores afirmam que empresas e associações procuradas viram a iniciativa com bons olhos, mas evitam prever quais deverão assinar a carta de princípios a ser lançada nesta quarta-feira (08/05).

 

Operação - A ideia é que a iniciativa esteja operando plenamente no prazo de seis meses, após um amplo processo de consultas públicas. A iniciativa pode, futuramente, ser levada a outros países. "Práticas assim abrem portas para a entrada de empresas estrangeiras nos país. No Brasil, existe ainda ceticismo de players estrangeiros para entrar no país", acrescentou o responsável pela IFC no Brasil.

 

Debate - O debate em torno de práticas de combate à corrupção, concorrência desleal e lavagem de dinheiro tornou-se mais frequente no setor em 2015, quando a Operação Lava-Jato revelou uma série de esquemas de corrupção com envolvimento de políticos e de grandes empresas, incluindo as maiores empreiteiras do país. A operação foi um golpe na área de infraestrutura.

O grupo lembra que o processo de autorregulação não é novo. Um exemplo bem-acabado vem do setor financeiro. Há 20 anos, a então Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid) criou o código de ofertas públicas. Passadas duas décadas, são 12 códigos de melhores práticas e mais de 700 instituições que seguem voluntariamente as regras.

 

Início do processo - "O processo foi iniciado com Alfredo Setubal, há 20 anos. Parte da autorregulação posteriormente tornou-se uma regra oficial, colocada pelo setor público, e as instituições já estavam preparadas para cumpri-las", disse Lígia Maura Costa, coordenadora geral da FGVethics. (Valor Econômico)

 

PREVIDÊNCIA: Presidente de comissão especial quer definir hoje roteiro para análise da reforma

previdencia 07 05 2019O presidente da comissão especial da reforma da Previdência (PEC 6/19), deputado Marcelo Ramos (PR-AM), afirmou que pretende definir nesta terça-feira (07/05) o calendário de audiências públicas. Ele espera que o ministro da Economia, Paulo Guedes, compareça ao colegiado nesta quarta-feira (0/058) para apresentar e discutir a proposta de mudança nas aposentadorias.

Presença importante - Para Ramos, a presença de Guedes e de técnicos envolvidos com a elaboração do texto é importante para o convencimento dos parlamentares e da população sobre a necessidade da reforma.

Transparência - O presidente da comissão especial da Câmara cobrou mais transparência na condução da proposta, por meio da qual o Executivo espera economizar R$ 1,2 trilhão em dez anos.

Esforço - “Acho que o governo tem de fazer um esforço de ser absolutamente transparente, e ser transparente é falar a verdade para a população, é não vender ilusão de que, imediatamente após a reforma, a economia vai voltar a crescer e o País vai virar uma maravilha. Ser transparente é dizer que a reforma não é só para combater privilégio, é principalmente para fazer ajuste fiscal”, disse.

Importante - Segundo o presidente da comissão especial, a mudança nas aposentadorias é importante para que os atuais 12,7 milhões de desempregados e 4,7 milhões de desalentados possam se beneficiar, no futuro, de uma retomada do crescimento econômico no Brasil, com geração de emprego e renda.

Agenda - O roteiro de trabalhos da comissão especial será submetido nesta terça-feira ao colegiado, em reunião marcada para as 14h30, no plenário 2. Antes, pela manhã, o presidente da comissão especial terá uma reunião com representantes dos partidos que se opõem à reforma da Previdência.

Conclusão - Marcelo Ramos espera concluir a fase de audiências públicas neste mês de maio, para que o texto possa ser discutido em junho. Ele evitou definir data para a votação na comissão especial, por considerar que isso só deve ocorrer quando o governo e seus aliados conseguirem votos suficientes para aprovar a reforma da Previdência em Plenário.

Parâmetro - “Quando falo mês de junho, tenho como parâmetro a proposta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de votar no Plenário em julho”, afirmou o presidente da comissão especial. “Mas não tenho garantia nenhuma, porque isso depende de um elemento externo à minha vontade, que é a capacidade do governo de mobilizar os votos”, continuou.

Mérito - A comissão especial analisará o mérito, podendo modificar a proposta do Executivo, e 13 legendas já manifestaram intenção de alterar o texto. A aprovação da reforma no colegiado exigirá pelo menos 25 votos favoráveis.

Plenário - Se aprovada na comissão especial, a proposta de reforma da Previdência será analisada pelo Plenário da Câmara em dois turnos de votação. A aprovação exigirá pelo menos 308 votos. Caso isso aconteça, o texto seguirá para o Senado.

Mudanças - A Proposta de Emenda à Constituição 6/19 pretende alterar o sistema de Previdência Social para os trabalhadores do setor privado e para os servidores públicos de todos os Poderes e de todos os entes federados (União, estados e municípios). A idade mínima para aposentar será de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres. Há regras de transição para os atuais contribuintes.

Dispositivos - O texto retira da Constituição vários dispositivos que hoje regem a Previdência Social, transferindo a regulamentação para lei complementar. O objetivo, segundo o governo, é conter a diferença entre o que é arrecadado pelo sistema e o montante usado para pagar os benefícios. Em 2018, o déficit previdenciário total – setores privado e público mais militares – foi de R$ 266 bilhões. (Agência Câmara)

 

SAÚDE: Mais da metade do público-alvo não tomou a vacina contra gripe

 

saude 07 05 2019O Paraná vacinou 1.575.906 pessoas contra a gripe no sábado (04/05), no Dia D da campanha nacional. O balanço ainda é preliminar. Com este total, o Estado atinge hoje 47,1% do público-alvo previsto para a imunização. A campanha segue até o dia 31 de maio, nas unidades de saúde da rede pública, com a aplicação das doses de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

 

Balanço antecipado - O balanço antecipado mostra que entre a população prioritária, as puérperas registram até agora a maior cobertura vacinal, com 72,1 % do público imunizado. Na sequência estão os indígenas, com 71,2 %, idosos com 57,9%, gestantes com 52,4% e crianças com 50,3%.

 

Grupo minoritário - O grupo prioritário definido pela Organização Mundial da Saúde é composto por pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, mães de bebês nascidos há até 45 dias, crianças entre 6 meses e 5 anos, pessoas com doenças crônicas ou outras condições clínicas especiais (que apresentem prescrição médica), professores, trabalhadores da saúde, população privada de liberdade, indígenas, funcionários do sistema prisional e profissionais das forças de segurança.

 

Segura - “Quem faz parte dos grupos não deve esperar as últimas semanas para se vacinar, pois o agente imunizante leva em torno de dez dias para começar a agir no organismo”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, que é médico e participou da ação de vacinação no Dia D, na 16ª Regional de Saúde de Apucarana. Segundo ele, a vacina contra a gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença e até a morte. “Ao receber a dose o cidadão está se protegendo e protegendo o próximo”, acrescentou.

 

Recomendações - Além da vacina, a enfermeira da Vigilância do programa de Imunização da Secretaria da Saúde, Vera Rita da Maia, recomenda como medidas preventivas a higienização frequentemente das mãos, evitar aglomerações e não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos e garrafas. “São cuidados que ajudam contra a proliferação do vírus”, afirma Vera Maia.

 

Registros - Neste ano o Paraná já registrou 25 casos de Influenza, com 9 mortes. (Agência de Notícias do Paraná)

 

INTERNACIONAL: EUA acusam China de recuo e acordo parece mais distante

 

internacional 07 05 2019A perspectiva de um acordo comercial entre as duas maiores economias globais diminuiu drasticamente nesta segunda-feira (06/05), depois que a equipe econômica do presidente Donald Trump indicou que os EUA devem mesmo elevar de 10% para 25% as tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses na sexta-feira (10/05).

 

“Erosão” - Falando a jornalistas em Washington, o representante comercial dos EUA (USTR), Robert Lighthizer, disse que houve uma "erosão" nos compromissos da China na semana passada. O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, falou de uma grande "mudança na direção" da China nos últimos dias.

 

Motivos - Os dois principais negociadores americanos tentavam explicar o motivo dos tuítes de domingo (05/04) de Trump, nos quais ele ameaçou elevar as tarifas sobre produtos chineses, depois de semanas alardeando que as negociações com a China estavam "indo muito bem". "Ao longo da última semana, vimos uma erosão nos compromissos da China, eu diria que estão recuando dos compromissos que já foram feitos", disse Lighthizer. "Não estamos suspendendo as negociações neste momento. Mas por enquanto... na sexta-feira haverá tarifas [maiores] em vigor."

 

Negociações - Lighthizer disse que espera continuar as negociações com os chineses na quinta e sexta-feira, em Washington. Isso implica um adiamento de um dia na rodada, inicialmente prevista para começar na quarta-feira. E que haverá só um dia para evitar as novas tarifas.

 

Reação oficial - A China ainda não reagiu oficialmente, mas deve reduzir a comitiva que irá a Washington. Um assessor político do governo chinês disse ao "Financial Times" que executivos de grandes estatais que pretendiam se juntar à delegação do vice-premiê Liu He mudaram seus planos. Espera-se das estatais chinesas um papel importante em qualquer acordo comercial com os EUA, porque elas seriam os principais compradores de energia e produtos agrícolas americanos.

 

Viagem mais curta - Outra fonte a par das negociações disse que os chineses ainda trabalhavam com a possibilidade de uma viagem mais curta, mais para o fim da semana, com uma delegação bem menor. "Está tudo no ar", disse. "Mas é difícil acreditar que eles desistiriam se Trump impuser novas tarifas na sexta-feira. Essa é uma grande jogada para [o presidente chinês] Xi Jinping."

 

Preocupação - Os chineses já vinham sinalizando preocupação com as negociações. Em reunião a portas fechadas com o premiê austríaco, Sebastian Kurz, na semana passada, o presidente chinês foi questionado sobre quais eram as chances de o acordo EUAChina ser fechado nesta semana. "Cinquenta a cinquenta", respondeu Xi, segundo três fontes a par da conversa.

 

Recuo - Embora o governo Xi estivesse satisfeito em fazer grandes compras de commodities americanas para reduzir o desequilíbrio comercial entre os dois países, Trump sugeriu que os chineses estão recuando em questões como a proteção de segredos comerciais dos EUA e "mecanismos de fiscalização" se um dos lados achar que o outro violou os termos do acordo.

 

Redução gradual - Lighthizer quer reduzir gradualmente as tarifas existentes - que afetam cerca de metade de todas as exportações chinesas para os EUA. Já Liu quer que os dois lados acabem imediatamente com essas tarifas punitivas impostas desde o início da guerra comercial, no terceiro trimestre de 2018.

 

Renegociação - Wang Yong, especialista em comércio internacional da Universidade de Pequim, disse que o novo obstáculo não é surpreendente no momento em que os dois lados correm para finalizar um acordo. "O lado chinês começou a analisar internamente o acordo, o que o levou a renegociar alguns aspectos", disse Wang. "A maior diferença é a insistência de Trump em manter algumas tarifas. Do ponto de vista político doméstico, é muito difícil a China aceitar isso."

 

Crescimento econômico - As autoridades chinesas acreditam ainda que o crescimento econômico melhor que o esperado do país, combinado com a intolerância de Xi a qualquer forma de dissenso, vão fortalecer a mão de Pequim, enquanto Trump terá de enfrentar um revés político em casa.

 

Pressões - "As pressões nos mercados americanos começarão a aparecer em breve", disse Wang. "A China está numa posição de negociação melhor, de modo que não precisa ter pressa. Se os EUA não quiserem fechar esse acordo agora, sairão perdendo mais do que a China." Arthur Kroeber, da Gavekal Research disse: "É ilusório achar que a China vai jogar fora todo o seu modelo de desenvolvimento para garantir uma trégua rápida com os EUA". Ele acrescentou que Trump agora terá de escolher entre "cumprir a ameaça de elevar as tarifas", o que quase certamente fará os mercados caírem mais, ou "encontrar um modo de salvar as aparências alegando que sua ameaça forçou um movimento da China".

 

Solução - Nas últimas semanas, produtores rurais americanos, empresas e o mercado financeiro esperam uma solução para a guerra comercial entre os dois países, encorajados pelas declarações otimistas feitas por Mnuchin e Larry Kudlow, o assessor econômico de Trump.

 

Prejuízos - "As tarifas existentes estão prejudicando as empresas e os consumidores americanos, e tarifas adicionais agravariam esses danos", disse Jake Parker, chefe do escritório do Conselho Empresarial China-EUA em Pequim. "Os dois lados precisam usar esta semana para avançar nas negociações, em vez de retornar à batalha de tarifas."

 

Falta de compreensão - James Zimmerman, sócio do escritório de advocacia Perkins Coie e ex-presidente da Câmara do Comércio dos EUA na China, disse que as ameaças de Trump denunciam a "total falta de compreensão de Trump sobre como negociar com os chineses". (Valor Econômico, com agências internacionais)

 


Versão para impressão


RODAPE