Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4563 | 25 de Abril de 2019

SANIDADE: Paraná cumpre protocolos e recebe aval para antecipar retirada da vacinação contra a aftosa

O Paraná obteve autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com o aval do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Sul para antecipar a suspensão da vacinação contra a febre aftosa do rebanho bovino a partir deste mês de maio, quando ocorre a última imunização do gado no estado. A aprovação do pedido ocorreu no final da tarde desta quarta-feira (24/04) durante a realização da 2ª Reunião do Bloco V do Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), no auditório do Sistema Ocepar, em Curitiba, com a participação de cerca de 110 pessoas dos cinco estados integrantes do Bloco V. Pelo cronograma, a autorização ocorreria no primeiro semestre de 2021. O governador em exercício do Paraná, Darci Piana, participou da abertura do evento, que prosseguiu nesta quinta-feira. 

Oficial - A mudança de status para área livre de aftosa sem vacinação, aprovada na reunião dos estados integrantes do Grupo V, será oficializada em setembro próximo, quando o Mapa irá publicar ato normativo de reconhecimento da condição do Paraná, informou Geraldo Marcos de Moraes, diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Mapa. Segundo ele, ainda “ficaram pendentes alguns detalhes e poucas ações para serem finalizados, o que irá ocorrer até setembro, conforme ficou pactuado nesta reunião. Aí, então, o Ministério da Agricultura vai editar as normas relacionadas à suspensão da vacinação no Paraná e as demais normas que implicam no controle de ingresso de animais no estado”.

Pendências - O presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Otamir Cesar Martins, por sua vez, garantiu que os pontos pendentes apontados pelos técnicos do Mapa serão concluídos dentro do prazo estabelecido. “Não temos a menor dúvida quanto a isso. São quatro pontos técnicos e a nossa estrutura vai estar preparada para resolvê-los. A outra parte se refere à contratação de pessoal que, temos certeza, o governador Ratinho Junior irá cumprir essa questão até setembro quando, então, poderemos comemorar o status e ter a certeza de que estamos prontos para a auditoria internacional um ano depois e para, em 2021, na OIE (Organização Mundial da Saúde Animal) recebermos o certificado de estado livre de febre aftosa sem vacinação”, pontuou.

Vitória - Martins, classificou a aceitação do pedido de retirada da vacinação contra a febre aftosa como “uma grande vitória para o Paraná em relação à questão sanitária. Tivemos referendado nesta reunião o resultado de um trabalho desenvolvido ao longo de vários anos”. E destacou a participação de várias entidades, como a Ocepar, Faep, Fetaep, Fiep, que foram responsáveis por ações junto ao governo do estado, em 2011, que resultou na criação da Adapar, atualmente reconhecida como a melhor agência de vigilância sanitária no país. “E esta conquista é resultado de um trabalho competente em relação à defesa sanitária animal de seus técnicos e demais colaboradores”, acrescentou. Para ele, prevaleceu “o bom senso de todos os participantes do bloco” na questão.

Responsabilidade - O presidente da Adapar disse ainda que a manutenção do status de área livre de vacinação depende do governo e do setor produtivo. “O status sanitário do Paraná depende do governo, que tem de fazer a manutenção, mas principalmente dos produtores. Por isso, o apelo que fazemos é que toda a vigilância será feita em conjunto, ou seja, pelo governo e pelos produtores, questão que iremos reforçar nos seis encontros regionais (veja calendário abaixo) que, esperamos, tenham a participação efetivas dos pecuaristas”, enfatizou.

Prioridade - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken que não pode participar do primeiro dia do evento, devido a compromissos com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em Brasília, esteve presente na abertura dos trabalhos do segundo dia, quando disse que acompanhou de longe e que ficou extremamente feliz com a decisão tomada por todas as entidades. “Tornar o Paraná área livre de aftosa sem vacinação é uma prioridade do setor cooperativista há muito tempo. Apoiamos esta decisão tomada aqui. Sabemos que é um assunto que precisa ser tratado com prudência e muita tranquilidade, mas precisamos avançar. Realizamos um planejamento e o estamos executando. Agora é a hora de agir. O setor tem investido muito no aspecto sanitário e vamos investir mais ainda com o novo status, pois é uma grande responsabilidade para todos os segmentos produtivos e as conquistas serão de todos também”, afirmou.

Mercado – “A pecuária do Paraná passou para um novo status.”  É assim que o diretor executivo da Frimesa, Elias Zydek, resume a condição recém-conquistada pelo estado, resultado do empenho do setor oficial e da iniciativa privada há tantos anos. Quanto à suinocultura, ele considera um aval à possibilidade de participar de 65% do mercado externo, “que antes não tínhamos acesso. Mas, a partir de agora, teremos condições de participar de um mercado de aproximadamente três milhões de toneladas por ano”. O executivo disse ainda que a conquista desta condição sanitária contribui para que “tenhamos um conceito muito diferenciado perante o mundo. E isso é imensurável em termos de valores e, principalmente, de conceito da nossa pecuária”.

Suinocultura - Há diversos fatores que impulsionam um grande projeto, como é o do frigorífico de suínos da Frimesa, em Assis Chateaubriand, no oeste paranaense, que irá processar 15 mil cabeças de suínos daqui a dez anos, de acordo com Zydek. “É fundamental para o setor a nova condição alcançada pelo Paraná, pois estávamos muito preocupados com o mercado. No entanto, o novo status proporciona certeza de conquista de mais mercados. Por isso, imprimiremos uma velocidade maior na implantação do projeto”, disse, ao informar que houve uma desaceleração das obras devido vários fatores, e o status sanitário era o principal deles. Agora, a primeira etapa do frigorífico deve entrar em operação até o final de 2020.

Empregos - O projeto da Frimesa, central formada pelas cooperativas Lar, Copacol, Copagril, Primato, C.Vale, prevê a geração de 5.500 empregos diretos e 8.500 empregos indiretos no frigorífico, em oito anos, ou seja, até a conclusão final do projeto. “E cada emprego na fábrica significa um emprego e meio a mais na cadeia produtiva. É uma fonte de geração de empregos segura, que tanto necessitamos atualmente.” Os investimentos totalização R$ 2,5 bilhões – R$ 1 bilhão no frigorífico e mais R$ 1,5 bilhão na produção, incluídos aí as granjas, fábrica de ração e armazéns nas cooperativas.              

Responsabilidade - O diretor do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), Ícaro Fiechter, avaliou que a conquista do status de área livre de aftosa sem vacinação implica em responsabilidade de todos os segmentos da cadeia de proteína animal até o consumidor, inclusive do setor público, pela manutenção desta condição. “A vigilância para manter afastado o problema (aftosa) é de todos, afinal é muito melhor dizer eu não tenho a doença e não preciso vacinar. Isso interessa também ao mercado internacional”, enfatizou   

Fóruns - Os fóruns que tratarão do novo status do Paraná serão realizados entre os próximos dias 14 e 23, conforme calendário divulgado pela Adapar:

EDITADO sanidade 25 04 2019

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

{vsig}2019/noticias/04/25/aftosa/{/vsig}

 

AGRICULTURA FAMILIAR: Tereza Cristina anuncia decreto do novo Selo Combustível Social

Cerca de 40 mil produtores rurais da agricultura familiar ligados às cooperativas agropecuárias devem ser beneficiados com o decreto do Selo Combustível Social, previsto para ser assinado pelo presidente da República em 10 dias. A ideia é que as cooperativas não detentoras de DAP Jurídica possam comercializar a produção de matérias-primas do biodiesel, tanto as de origem vegetal como as de procedência animal.

Ministra - A informação é da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e foi repassada nesta quarta-feira (24/04), na reunião mensal da Diretoria da OCB e deputados da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop). O evento ocorreu na Casa do Cooperativismo, em Brasília, e contou com a presença do secretário executivo do Ministério da Agricultura, Marcos Montes, do secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do ministério, Fernando Schawnke, de representantes de cooperativas agropecuárias e, também, da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA). O presidente do Sistema Ocepar e diretor da OCB representando a região Sul, José Roberto Ricken, também prestigiou o evento.

Ferramenta - O Selo Combustível Social é uma ferramenta de fomento à inserção do agricultor familiar cooperado de forma organizada e qualificada no mercado do biodiesel. A cooperativa cria condições para a comercialização da matéria-prima de seus cooperados, em volume, para as empresas de biodiesel. Em contrapartida, recebe suporte técnico para que possa disponibilizar assistência técnica adequada e direcionada aos seus produtores.

Agilidade - Segundo a Tereza Cristina, no que depender do ministério, tudo será feito para agilizar o documento. “Podem ter certeza de que esse decreto será feito o mais rápido possível porque a gente precisa que essa comercialização esteja andando. Espero tenhamos até mais de 40 mil produtores inseridos nessa política”, anunciou a ministra, pedindo que a OCB produza documentos técnicos que apontem onde e como a pasta deve atuar para agilizar processos e, como ela mesmo disse: “destravar e desburocratizar”.

Travas - “O que estiver atrapalhando o desenvolvimento das cooperativas, como travas burocráticas, por favor, me passem. Vocês podem montar um grupo de estudos, temos gente capacitada para isso. Podem nos levar. O nosso jurídico vai avaliar e, se for possível, a gente vai resolver. É preciso destravar. As pessoas precisam produzir com seriedade, mas de maneira simplificada. Não podemos perder mais tanto tempo. A burocracia só atrapalha e tira emprego”, enfatiza.

Cooperativismo - Durante seu pronunciamento, a ministra da Agricultura também disse como vê o cooperativismo, explicou a necessidade das reformas e falou sobre desemprego e sobre como imagina o desenvolvimento do setor na região do semiárido brasileiro. (Leia aqui)

Comprometimento - O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, agradeceu a presença da ministra e de sua equipe na reunião e fez questão de ressaltar que o cooperativismo e o governo federal querem a mesma coisa: “o bem-estar do cidadão brasileiro, por meio do fortalecimento da economia do país”.

Momento - Além disso, Márcio Freitas, também destacou que o momento político-econômico do país é de muita mudança. “Neste contexto de tanta disruptividade, às vezes, os setores podem se sentir inseguros, mas quando olhamos o eixo da agricultura, isso muda, porque temos a certeza de que o Ministério da Agricultura está comprometido com a recuperação econômica do país e, nesse processo, que é longo, contem com as cooperativas brasileiras. Afinal de contas, todas as sociedades evoluídas souberam organizar as pessoas, e o melhor jeito de fazer isso, de forma justa, equilibrada e eficaz, é via cooperativismo”, enfatiza o líder cooperativista.

Desenvolvimento -“Quando olhamos o cooperativismo, vemos que ele é o único setor que, ao longo de toda a sua trajetória conseguiu se manter intacto, graças a seus valores e princípios. É por isso que as cooperativas estão preparadas para contribuir com o processo de retomada do desenvolvimento do Brasil, afinal de contas, estão maduras para se aliarem ao governo pelas grandes causas do país”, presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo, Evair de Melo.

Elo - O presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), Alceu Moreira, lembrou que, historicamente, as cooperativas são o único setor que resiste e cresce durante as crises que o Brasil enfrenta, especialmente, quando muitas empresas deixam de funcionar. “O cooperativismo é esse elo capaz de juntar os dois vieses do setor agropecuário: o público e o privado. Essa travessia precisa ser feita com muita convergência e o cooperativismo é extremamente bem-vindo em todo esse processo”, argumenta o parlamentar. (Com informações da OCB)

{vsig}2019/noticias/04/25/agricultura/{/vsig}

 

 

UNIMED DO BR: Frencoop deve acompanhar novo cenário social, defendem participantes do 21º Conai

 

unimed 25 04 2019São 46 novos parlamentares eleitos para o Senado; 243 novos deputados federais. As urnas mostraram em 2018 que o brasileiro demanda posturas diferentes por parte dos políticos eleitos. Esse novo momento requer adaptações ágeis de todos os envolvidos no Governo Federal, inclusive, da Frente Parlamentar do Cooperativismo, a Frencoop, que foi tema da mesa-redonda “Cenários e Perspectivas para o Cooperativismo no Congresso Nacional”, realizada na última terça-feira (23/04), em Brasília (DF) - parte da programação do 21º Congresso Nacional de Integração, realizado pela Unimed do Brasil.

 

Papel do cooperativismo - Neste panorama efervescente e em transformação, o papel do cooperativismo foi ressaltado pelos participantes da mesa como elemento essencial para atender a uma população insatisfeita e a um País que necessita de medidas comprovadamente eficazes para apoiar a solução de seus principais desafios. “Mesmo nas turbulências atuais, se vê um ramo da economia que está evoluindo: o cooperativismo. O Brasil precisa das cooperativas e de seus exemplos de gestão”, defende o deputado federal Evair de Melo (PP-ES), presidente da Frencoop, que conta atualmente com 306 membros na Câmara Federal e 36 no Senado, configurando uma das maiores frentes parlamentares do Congresso.

 

Quebra de modelos - Para o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Márcio Lopes de Freitas, vivemos atualmente um cenário de quebra de modelos tradicionais. “Tivemos nas últimas eleições mudanças profundas no Legislativo. O modelo foi alterado. A gente fala muito em novidades na gestão empresarial, em inovação oriunda do Vale do Silício, mas se esquece de que esse pensamento de mudanças rápidas permeia tudo e na política não é diferente”, afirma Freitas. “Temos de nos modernizar, inovar, ousar, com coragem, mas sempre pautados pelos nossos princípios, pois nós, cooperativistas, temos valores e temos muitos resultados para apresentar”, complementa. 

 

Causas - Causas como o Ato Cooperativo (PLP 271/2005), regulamentação das operadoras, alterações na Lei Cooperativista Nacional (PL 519/2015), entre outras, estiveram entre os assuntos abordados pelos presentes.

 

Aproximação - De acordo com o vice-presidente da Unimed do Brasil, Alberto Gugelmin Neto, moderador do painel, o futuro da atuação do cooperativismo no Legislativo passa pela aproximação ainda maior das próprias cooperativas junto aos parlamentares. “Estamos estimulando as cooperativas do Sistema Unimed para que abram cada vez mais diálogos com os políticos. Da mesma forma que queremos que venham até nós, também temos trabalhado para ampliar canais de contato com deputados e senadores, principalmente por meio de nossa Assessoria Político-Institucional, em Brasília”, ressalta.

 

Postura propositiva - Sobre essa atuação mais próxima aos políticos, o deputado Evair de Melo enfatiza a importância de as cooperativas adotarem uma postura mais propositiva. “As cooperativas têm uma responsabilidade muito grande com o País. Elas têm de estender a mão ao Governo, pautar o poder público”, diz o parlamentar.

 

Cooperativismo de saúde - Com 345 cooperativas, 115 mil médicos cooperados e mais de 18 milhões de beneficiários, o Brasil conta com o maior sistema cooperativista de saúde do mundo, a Unimed. Presente em 84% do território nacional, o Sistema Unimed possui abrangência maior que qualquer outra empresa do setor de saúde suplementar. Para o Deputado Federal Luciano Ducci (PSB-PR), vice-presidente da Frente Parlamentar da Medicina e integrante da Frencoop, a representatividade da Unimed faz com que suas causas tenham peso para pautar mais discussões no Congresso. O parlamentar, no entanto, pede para que haja priorização dos assuntos levados ao Legislativo. “As causas da Unimed dizem respeito à boa parte das demandas da Saúde no País, por isso os cooperados têm de selecionar o fundamental para o Sistema e tentar fazer avançar nas Casas. Depois, pensa-se no restante”, recomenda.

 

Oportunidades - Com os desafios postos à mesa, foram abordadas também as oportunidades que o cooperativismo de saúde poderá aproveitar com o novo Governo. De acordo com Márcio Freitas, da OCB, fatores como a melhoria do ambiente de negócios, a maior aproximação com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a realização de reformas estruturantes, como as da Previdência e Tributária, além de parcerias do cooperativismo com o Poder Público podem ser importantes para os próximos anos.

 

Sobre a Unimed - A Unimed, maior sistema cooperativo de saúde do mundo, possui 52 anos de atuação no mercado de saúde suplementar. A marca nasceu com a fundação da Unimed Santos (SP), em 1967, e hoje é composta por 345 cooperativas médicas, com assistência para cerca de 18 milhões de beneficiários em todo País. Entusiasta do movimento SomosCoop, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), a Unimed conta com mais de 115 mil médicos, 119 hospitais próprios e 2.506 hospitais credenciados, além de pronto-atendimentos, laboratórios e ambulâncias para garantir a qualidade da assistência médica, hospitalar e de diagnóstico complementar prestada aos beneficiários das cooperativas.

 

Mês Unimed - Abril é o mês escolhido pela Unimed para seu projeto nacional em prol da saúde e bem-estar dos brasileiros: o Mês Unimed. Com a iniciativa, o maior sistema cooperativo de saúde do mundo, com 345 cooperativas, une esforços para promover em todo o Brasil uma série de eventos culturais, educacionais e esportivos, aproveitando sua capilaridade e reforçando o movimento nacional Mude1Hábito, criado para encorajar a melhoria de qualidade de vida das pessoas a partir da mudança de hábitos. As ações que fazem parte do Mês Unimed estão disponíveis no hotsite: unimed.me/mesunimed. (Assessoria de Imprensa da Unimed do Brasil)

 

DIA DO APRENDIZ: Cocari homenageia jovens aprendizes

Nesta quarta-feira (24/04), Dia do Aprendiz, a Cocari realizou um evento em comemoração à data, na sua sede, em Mandaguari, no Noroeste do Paraná. A cooperativa possui 42 jovens aprendizes, todos atuando no setor administrativo. Eles receberam um presente e uma muda de planta nativa com a mensagem "Esperamos que o que você começou aqui, floresça onde estiver", proposta pelo Sescoop Nacional.

Presenças - A celebração ocorreu em dois momentos – de manhã e à tarde – e contou com a presença do vice-presidente da Cocari, Marcos Antonio Trintinalha, do diretor executivo, João Carlos Obici, da supervisora de Recursos Humanos, Ana Claudia Batista Ribeiro e da assistente de RH, Sílvia Andréa Gil Colombo, responsável pelo Programa Aprendiz Cooperativo na cooperativa. Os diretores ressaltaram e agradeceram o trabalho dos aprendizes para a Cocari e do Programa para o crescimento profissional de cada jovem. Destacaram ainda que o mercado está em busca de profissionais capacitados e que depende de cada um deles o preparo para ocupar as vagas disponíveis. (Com informações da Cocari)

{vsig}2019/noticias/04/25/dia_aprendiz/{/vsig}

COAMO I: Iniciada a 23ª turma de Jovens Líderes Cooperativistas

Com 43 jovens cooperados representando municípios de várias regiões do Paraná e do Mato Grosso do Sul, está sendo realizado, entre os dias 24 e 26 de abril, o primeiro módulo da 23ª turma do Programa Coamo de Formação de Jovens Líderes Cooperativistas. “Precisamos capacitar e preparar bem os nossos jovens, pois eles são o presente e serão o futuro do nosso cooperativismo e do agronegócio. Possuem grande interesse e uma grande potencialidade na busca do seu desenvolvimento pessoal e profissional, e no desempenho de uma administração focada para o incremento dos seus negócios e da cooperativa”, explica o engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, presidente da Coamo que, em 1998, idealizou a primeira turma deste importante trabalho de formação e educação cooperativista.

Educação - Para Gallassini, as mudanças de forma geral e no ambiente rural, no cooperativismo e no agronegócio, passam pela educação e o desenvolvimento das pessoas, de forma gradual e contínua. Um exemplo disso é o trabalho da Coamo com os jovens líderes. Desde a primeira turma, o programa já formou cerca de mil jovens produtores associados que representam todas as unidades e regiões da cooperativa.

Admiração - O instrutor e professor Juacir João Wischneski, que desenvolve este trabalho na Coamo praticamente desde o início do programa, é admirador dos jovens e da visão da cooperativa na preparação de uma nova geração de cooperados. “Esses jovens possuem grande interesse e dão uma resposta muito rápida, eles cresceram muito já nesse primeiro módulo, fruto da integração, talento e necessidade de conhecer mais para serem melhores como cooperados e cidadãos.” (Imprensa Coamo)

{vsig}2019/noticias/04/25/coamo_I/{/vsig}

COAMO II: Programa de Integração reúne 850 cooperados

Motivar e integrar os cooperados à cooperativa e à filosofia cooperativista sempre foi o foco da Coamo. Por meio de diversas ações técnicas, culturais e sociais, os associados são constantemente capacitados e engajados aos ideais da sua cooperativa. Uma das ações para cumprir com estes objetivos é o Programa de Integração com Cooperados que, desde 2016, reúne cooperados de toda a área de ação da Coamo para ampliar seus conhecimentos sobre cooperativismo, mercado agrícola e a linha de alimentos produzidas no parque industrial da cooperativa em Campo Mourão, no Centro-Oeste do Paraná.

Programa de Integração - Esta semana, nos dias 23 e 24 de abril foi realizado o Programa de Integração com participação de 850 associados dos Estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. No cronograma, eles participaram pela manhã de uma palestra com o presidente da Coamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini e de outra com o economista e professor Paulo Molinari, da Safras & Mercado. A tarde eles visitaram o complexo industrial da cooperativa e levaram na bagagem mais conhecimento sobre o trabalho que começa lá na suas lavouras e resultam em produtos de origem, qualidade e sabor para os consumidores brasileiros.

Valeu a pena - Para Marcos Vinicius Cella, de Xanxerê, Oeste de Santa Catarina, que ainda não conhecia o Parque Industrial da Coamo, a visita valeu a pena. “Essa foi uma oportunidade maravilhosa, como cooperado e produtor rural saber como é o processo do teu produto, como ele chega na cooperativa e é industrializado, e como todo esse trabalho é bem feito. Isso só vem engrandecer o cooperativismo. Eu não tinha noção da forma como a Coamo faz, e conhecer todo esse trabalho nos enriqueceu culturalmente e nos motiva a trabalhar cada vez melhor.”

Dia espetacular - Outro associado participante do Programa de Integração que aprovou o evento foi Gersino José Pereira, de Toledo, Oeste do Paraná. “Foi um dia espetacular onde vi tecnologias que nem imaginava que existiam. Quando fui convidado para participar fiquei na dúvida, mas após passar esse dia aqui percebi que foi a melhor escolha ter vindo, foi um dia muito gratificante. Recomendo que os próximos cooperados que forem convidados a participar que venham se hesitar”, salienta.

Presença expressiva - Segundo Guilherme Sávio, assessor de Cooperativismo da Coamo, em mais uma edição do evento a presença dos associados foi expressiva. “Foram dois grandes dias com palestras e visitas técnicas. Pelo que pudemos coletar de informação dos próprios associados, eles ficaram satisfeitos após um dia produtivo, de trabalho e integração. Cada unidade teve cooperados representantes que tiveram a oportunidade de melhorar o conhecimento sobre a sua cooperativa Coamo e saber sobre a importância de cada um deles para o sucesso do cooperativismo praticado pela Coamo”, ressalta Sávio.

Importância - Defensor da bandeira cooperativista e idealizador da Coamo, o presidente da cooperativa, José Aroldo Gallassini destacou o quanto a presença e o interesse dos associados é importante para o crescimento e continuidade da Coamo. “Começamos as visitas às indústrias com o evento que realizamos anualmente para as mulheres, e os homens levantaram a demanda de também participar. Nós ficamos muito felizes e criamos esse programa, pois o cooperado é a razão de ser da Coamo e tudo que é feito é pensando nele. Quanto mais ele conhecer sobre a sua cooperativa, mais integrado ele estará para perpetuar o cooperativismo, uma forma de crescimento onde todos ganham e crescem juntos.” (Imprensa Coamo)

{vsig}2019/noticias/94/25/coamo_II/{/vsig}

 

FRÍSIA: ExpoFrísia promove palestras sobre melhoramento genético e saúde animal

 

frisia 25 04 2019Realizada anualmente no município de Carambeí (PR), a ExpoFrísia é uma das principais feiras do segmento leiteiro. O evento, que em 2019 chega à sua 14ª edição, é promovido pela cooperativa Frísia, localizada nesse município, maior bacia leiteira do Brasil. O segundo dia do evento, 26 de abril, será dedicado à difusão de conhecimento sobre pecuária leiteira e suinícola.

 

Palestras - Abrindo a programação do dia, o zootecnista graduado pela Universidade Federal de Lavras (MG) e gerente de Produto de Bovinos de Leite da Zoetis, Cleocy Fam de Mendonça Júnior, vai ministrar a palestra com o tema “O futuro da genômica e onde irá a genética”. A avaliação genômica é uma ferramenta importante no campo de melhoramento animal, capaz de profissionalizar ainda mais o mercado, formando rebanhos mais produtivos, com custos menores e tempo reduzido. Isso porque a genômica possibilita que os melhores animais sejam identificados e que sua genética seja incorporada de forma mais dinâmica.

 

Mastite - Ainda no período da manhã, a segunda palestra do dia discutirá o seguinte tema: “Como usar a cultura na fazenda no controle da mastite e uso racional de antibióticos”. A mastite é uma inflamação da glândula mamária, uma doença que frequentemente acomete bovinos leiteiros e provoca queda na produção e qualidade do leite, elevando os custos. A palestra será ministrada por Marcos Veiga, médico-veterinário formado pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP) e coordenador do Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite (Qualileite).

 

Estratégias - Na última palestra da programação, o médico-veterinário graduado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e professor da mesma instituição no campus de Palotina, Geraldo Camilo Alberton, vai apresentar as melhores estratégias para reduzir as condenações na indústria suinícola por pleurisia e pneumonia. Tratam-se de duas doenças que acometem os pulmões dos porcos e que, devido ao aumento dos custos de medicação, redução da taxa de crescimento e aumento da mortalidade, acabam provocando perdas financeiras aos produtores.

 

Outras atividades - A feira continua no dia 27 de abril com a Copa dos Apresentadores, julgamento da Raça Holandês e a premiação dos produtores que se destacaram no evento.

 

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

 

SERVIÇO

ExpoFrísia 2019

26 de abril (sexta-feira)

9h às 10h – Palestra sobre o futuro da genômica e onde irá a genética

10h30 às 11h30 – Palestra sobre como usar a cultura na fazenda no controle de mastite e uso racional de antibióticos

13h às 15h – Palestra sobre estratégias para reduzir as condenações por pleurisia e pneumonia

Onde: Parque de Exposições Frísia, anexo Parque Histórico

Carambeí (PR)

www.expofrisia.com.br

Entrada gratuita

 

 

COCAMAR I: Dia de Campo espera 300 participantes em Guairaçá

 

cocamar I 25 04 2019O bom momento da citricultura, com cotações remuneradoras para a caixa de laranja e as boas perspectivas de produção para a safra deste ano, prestes a iniciar, fazem do Dia de Campo promovido nesta quinta-feira (25/04) pela Cocamar, em Guairaçá, região de Paranavaí, uma oportunidade ainda mais interessante para os produtores.  

 

Horário - A agenda começou às 8h e segue até às 16h30 na Unidade de Difusão de Tecnologias (UDT) da cooperativa naquele município, situada ao lado da BR-376. 

 

Vitrine - Nessa UDT, a Cocamar mantém pomares, utilizando técnicas para assegurar alta produtividade. O objetivo é consolidar o local como uma vitrine para a demonstração de novas tecnologias, práticas sustentáveis e informações que ajudem o produtor de laranja a se manter competitivo em sua atividade. 

 

Temas - Serão abordados, entre outros, os seguintes assuntos, em estações específicas: a forma correta de manejar o greening; uso de tecnologias para alcançar melhores produtividades; regularização de mão de obra; fomento ao plantio/expansão de pomares.  

 

Fomento - A Cocamar estará divulgando o fomento ao plantio de novos pomares. A meta é, em dois anos, agregar ao menos 2 mil hectares ao parque citrícola. Nos últimos meses, foi efetuado o plantio de 536 hectares e há outros 773 à espera da chegada das mudas. Ao mesmo tempo, produtores com um total de 814 hectares já manifestaram interesse em ingressar na atividade ou aumentar os seus pomares. (Imprensa Cocamar)

 

COCAMAR II: Dirigentes homenageiam parceiros do Rally

 

Durante reunião ordinária dos Conselhos de Administração, Fiscal e Consultivo, a Cocamar promoveu no final da manhã de quarta-feira (24/04), o encerramento oficial do Rally Cocamar de Produtividade, Safra 2018/19. 

 

Presenças - Estavam presentes, também, dirigentes do Sistema Ocepar e representantes das empresas parceiras da realização: Spraytec, Basf, Ford Center, Agrosafra, Estratégia Ambiental, Sancor Seguros, Sicredi, Texaco Lubrificantes, Cocamar TRR e Unicampo. 

 

Motivador - Ao fazer sua saudação, o presidente da Cocamar, Divanir Higino, agradeceu aos parceiros por ajudarem a viabilizar um projeto inovador de comunicação e relacionamento com os cooperados, que já acontece pelo quarto ano consecutivo e tem ampla repercussão. “O Rally nos traz experiências motivadoras de produtores que aplicam tecnologias e se sobressaem em suas regiões, é um projeto que esperamos seja duradouro”, disse Higino, comentando também que o próprio Rally é um atrativo para jovens produtores compreenderem o nível tecnológico com que podem trabalhar na propriedade da família.  

 

Reportagens - Um vídeo demonstrou alguns dos temas que receberam mais atenção do Rally, projeto que foi acompanhado do início ao final da safra de soja 2018/19 pela equipe do programa de televisão RIC Rural, da RIC TV, gerando dezenas de reportagens apresentadas nas manhãs de domingo para todo o Estado do Paraná. Manejo de solo, tecnologias para o aumento da produtividade, gestão feminina e integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) foram os temas mais recorrentes.

 

Quadro - Cada representante de empresa patrocinadora foi chamado ao palco para receber um quadro com um agradecimento da diretoria da Cocamar.  

 

Acompanhando - O superintendente do Sistema Ocepar, Robson Maffioletti, parabenizou aos realizadores pelo sucesso da iniciativa. “Resido em Curitiba e acompanho todos os domingos, pela TV, as viagens do Rally”, disse Maffioletti. Morador em Tamarana, região de Londrina, o cooperado Emerson Barbosa, integrante do conselho consultivo, também afirmou acompanhar as viagens pela TV e os meios de comunicação da cooperativa, para, dessa maneira, conhecer práticas que possam ser aplicadas na propriedade de sua família. (Imprensa Cocamar)

 

{vsig}2019/noticias/04/25/cocamar_II/{/vsig}

AGRÁRIA I: Na quarta edição, rally de sustentabilidade ocorre em novo formato e nova época

 

O Rally de Uso e Conservação do Solo e da Água, evento que tem como objetivo conscientizar produtores rurais sobre a necessidade e as técnicas de preservação dos recursos naturais, chega remodelado à quarta edição.

 

Maio - Realizado pela Fapa (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária) e pela Cooperativa Agrária Agroindustrial, este ano o rally passa a ocorrer no mês de maio – período de entressafra na região de Guarapuava (PR). O objetivo é concentrar a atenção para a necessidade de utilizar técnicas conservacionistas, tais como a cobertura outonal, para proteger o solo nos períodos em que não há cultura comercial estabelecida. O rally está programado para o dia 21 de maio, com largada na sede da Fapa, em Entre Rios.

 

Visíveis - “Nessa época essas boas práticas são mais visíveis no campo”, destacou o coordenador da Fapa, Márcio Mourão. “Antes do plantio de inverno, se o solo estiver mais ‘desprotegido’, sem a devida cobertura de solo, corre-se o risco de erosão e outros problemas que prejudicam a qualidade e a estrutura do solo, e que podem inclusive contaminar as fontes de água. É isso que queremos mostrar nesta edição, a importância dessas técnicas”.

 

Alterações - Também o formato da competição sofreu alterações. Além do rally de regularidade, que coloca à prova a destreza dos pilotos nas estradas rurais da região, contará pontos para a equipe a participação em atividades educativas (relacionadas às boas práticas agrícolas e conservação do solo e da água) em cinco pontos de parada ao longo do trajeto. Essas atividades serão desenvolvidas e acompanhadas pelos pesquisadores da Fapa, segundo a expertise de cada um. Em cada um dos pontos, os participantes terão ainda a oportunidade de interagir com os apoiadores do evento. A chegada do rally, bem como a premiação e o encerramento, ocorrerá no Parque Recreativo Jordãozinho.

 

Reforço - “O objetivo é reforçar o caráter educativo do rally, trazendo as práticas e técnicas que são recomendadas pela Fapa. E, enfim, destacar o importante papel da agricultura sustentável”, acrescentou Márcio.

 

Participação - O evento é voltado a cooperados da Agrária e produtores associados ao Sindicato Rural de Guarapuava. O período de inscrição será de 2 a 9 de maio. As equipes podem ter de duas a quatro pessoas (no mínimo, piloto e navegador), e devem fazer a inscrição no departamento de Assistência Técnica da Agrária ou no Sindicato Rural de Guarapuava.

 

Taxa de inscrição - A taxa de inscrição é de 5 kg de alimento não perecível por pessoa. Todo o alimento arrecadado será destinado ao Hospital Semmelweis, em Entre Rios.

 

Apoio - O 4º Rally de Uso e Conservação do Solo e da Água é apoiado por Adama, BASF, Bayer, Pioneer, Sindicato Rural de Guarapuava, Sistema Faep e Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste). (Imprensa Agrária)

 

{vsig}2019/noticias/04/25/agraria_I/{/vsig}

AGRÁRIA II: Festa da Árvore de Maio reúne folclore, gastronomia e recreação ao público

 

1agraria 25 04 2019Evento que já transcendeu a comunidade de Entre Rios e ganhou o coração de todos que admiram a cultura suábia, a Maibaumfest, ou Festa da Árvore de Maio, chega a mais uma edição neste dia 1º de maio, na Praça Nova Pátria, Colônia Vitória.

 

Brincadeiras - Este ano, além das comidas típicas e das apresentações culturais, o evento contará com brincadeiras para o público. A festa, realizada pela Fundação Cultural Suábio-Brasileira, começa às 10h, é aberta ao público e segue durante toda a tarde. Tendas garantirão que a Maibaumfest seja realizada independentemente das condições climáticas.

 

Programação - Durante todo o dia haverá exibições culturais, iniciando já às 10h, com desfile dos grupos culturais, seguido das apresentações dos grupos de dança dos primeiros anos (educação infantil do Colégio Imperatriz Dona Leopoldina) e infantis.

 

Almoço - Às 12h, será servido o almoço com pratos tradicionais, como Schnitzel com salada de batatas, linguiça Knacker com chucrute, Gulasch – prato típico a base de carne bovina, além de bolos e salgados diversos. A animação musical fica por conta do grupo musical Braububen e da orquestra de sopros, ambos da Fundação Cultural.

 

Momento mais esperado - Às 13h30 ocorre o momento mais aguardado do evento, o erguimento da Árvore de Maio – um mastro adornado com guirlandas e fitas, que no hemisfério Norte significa o início da Primavera, mas que no Brasil é celebrado pelos suábios como forma de agradecimento pela safra. O Maibaum é erguido por membros dos grupos culturais e pessoas da comunidade, e fica exposto na praça até o final de maio, quando é derrubado com uma pequena celebração cultural.

 

Apresentações - A tarde segue então com apresentações dos grupos de dança sênior, adulto e juvenis. Às 15h30 começa o entretenimento musical com a banda Os Piás.

 

Jogos germânicos - Para encerrar a tarde, o evento trará uma competição recreativa ao público presente, os “Jogos germânicos”, em estilo de gincana. Serão várias modalidades de competição em estilo campestre. A inscrição dos competidores e das equipes será feita no próprio dia. (Imprensa Agrária)

 

2agraria 25 04 2019

 

 

INTERCOOPERAÇÃO: Coopavel e Primato fortalecem o sexto princípio do cooperativismo

 

intercooperacao 25 04 2019A Coopavel, de Cascavel, e a Primato, de Toledo, dão os primeiros passos de um projeto inédito na região Oeste do Paraná e que coloca em prática a essência do sexto princípio do cooperativismo, a intercooperação. Em apenas três meses, as diretorias aprovaram e colocaram em prática uma parceria na área da avicultura. 

 

Matéria-prima e processamento - A Coopavel entra com a matéria-prima e com as suas estruturas física e profissional para fornecer à Primato inicialmente quatro cortes de frango. Eles então são embalados, distribuídos e comercializados nos sete supermercados mantidos pela cooperativa em Toledo e Vera Cruz do Oeste.

 

Benefícios - O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, diz que fortalecer a intercooperação traz enormes benefícios aos parceiros porque se permite utilizar e empregar de forma otimizada o que de melhor cada uma possui. O presidente da Primato, Ilmo Werle Welter, considera que a parceria em estruturação será um marco para o Oeste e para o Paraná. “Será uma referência para o sistema, porque potencializa o uso de plantas e estruturas, leva-se a mensagem do cooperativismo ainda com mais força às gôndolas e se mantêm as margens de lucro”, acrescenta o diretor-executivo da Primato, Anderson Sabadin.

 

Primeiros contatos - Os primeiros contatos entre diretores e equipes técnicas das duas cooperativas começaram no fim de novembro. Recepcionada pelo gerente do Friaves Nelson Irineu Simon, a comitiva da Primato pôde observar sistemas e principalmente cuidados para garantir a qualidade do que a Coopavel leva para o mercado consumidor. Segundo Sabadin, essa aproximação combate o oligopólio, reduz riscos e efeitos externos ao mercado local e regional e permite ampliar resultados.

 

Trabalho conjunto - O trabalho conjunto das duas cooperativas fortalece o canal de fluxo, possibilita atingir novos mercados e abre uma nova experiência ao consumidor. A Coopavel e a Primato pertencem a milhares de agricultores (juntas têm quase 13 mil cooperados), em sua grande maioria donos de pequenas áreas agrícolas. 

 

Quebra de paradigmas - Anderson Sabadin aponta que a parceria quebra paradigmas, supera qualquer resquício de vaidade, orgulho ou bairrismo e coloca a união, o diálogo, a transparência e o respeito acima de tudo. Por ser nova e inédita entre duas cooperativas no Oeste, a união entre Coopavel e Primato tem tudo para crescer e prosperar, afirma Dilvo Grolli. (Imprensa Coopavel)

 

 

SICREDI: Com ampliação de investimentos em São Paulo, sistema cooperativo participa da Agrishow

Considerada uma das maiores feiras de tecnologia agrícola da América Latina, a Agrishow será realizada entre 29 de abril e 3 de maio, em Ribeirão Preto (SP), e deve reunir mais de 150 mil visitantes e cerca de 800 expositores como o Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados em todo o País.

Raízes no campo - Com raízes no campo, o Sicredi tem uma longa parceria com agronegócio. Recentemente foi destaque no ranking de desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como agente financeiro que mais liberou recursos pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), em 2018, realizando aproximadamente 20 mil operações.

Reforço - Cooperação com o campo que agora ganha reforço da tecnologia com a parceira recém-anunciada, e formalizada durante a feira, entre o Sicredi e a AgTech Garage, hub de inovação que promove a conexão entre produtores rurais, startups e instituições de ensino visando o desenvolvimento de soluções inovadoras e tecnológicas para o agronegócio.

Parceria - Com isso, o Sicredi passa a ser um dos principais parceiros de inovação do hub da AgtechValley, localizado na região de Piracicaba (SP) e conhecido como “Vale do Silício Brasileiro” devido a concentração de polos de desenvolvimento de alta tecnologia, hubs e instituições de ensino e pesquisa de ponta.

Diferenciais - Além da formalização da parceria, quem visita o estande do Sicredi na feira poderá conhecer os diferenciais do atendimento da instituição financeira cooperativa, que tem como missão oferecer soluções financeiras para agregar renda e contribuir para a qualidade de vida dos associados e da sociedade. “Vamos para Ribeirão Preto com uma equipe preparada. Somos parceiros dos produtores e conseguimos atender à demanda da melhor maneira possível, buscando compreender as suas necessidades”, destaca o gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Gilson Nogueira Farias.

Recursos - Na safra 2018/2019 o Sistema Sicredi registrou crescimento de 42% nos limites operacionais junto ao BNDES, em comparação com o montante disponibilizado na safra 2017/2018, totalizando R$ 4,3 bilhões. Também foi registrado um aumento de 17% na utilização deste limite, totalizando R$ 2,9 bilhões. O volume remanescente dependerá da disponibilização de recursos do BNDES até junho deste ano, quando termina o atual Plano Safra.

Expansão e investimentos - São Paulo é um alvo importante para a Central Sicredi PR/SP/RJ devido tanto à importância econômica para o País quanto pelo contingente de associados no Estado. Não à toa, neste ano, a instituição financeira cooperativa prevê a abertura de 200 novas agências em todo Brasil, sendo que 50 devem ser inauguradas justamente em São Paulo.

Inauguração - Para se ter uma ideia do crescimento nos últimos anos, somente em Ribeirão Preto, cidade sede da Agrishow, o Sicredi inaugurou três agências nos últimos três anos. Em todo o Brasil, a instituição passou de 1.075 agências, em 2008, para 1.684, em 2018, crescimento de 57%. Nesse período, o número de associados saltou de 1,4 milhão para mais de 4 milhões.

Comunidade - Por se tratar de uma instituição financeira cooperativa, além de fomentar a economia local, o Sicredi desenvolve iniciativas que valorizam a comunidade, como de educação cooperativa e financeira, ações sociais, especialmente o Programa A União Faz a Vida, que somente em 2018, foi realizado em 775 escolas da área de atuação da Central Sicredi PR/SP/RJ, impactando mais de 100 mil pessoas. Nesse contexto, as agências são uma forma de estar próximo ao associado, oferecendo soluções financeiras adequadas ao momento de vida de cada um.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2019/noticias/04/25/sicredi/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Cooperativa é finalista em prêmio com a agência Smart

 

sicredi uniao 25 04 2019Com agência Smart, a Sicredi União PR/SP é uma das finalistas da primeira edição do Prêmio ODS Pacto Global. Trata-se de um prêmio realizado pela Rede Brasil do Pacto Global para reconhecer os projetos alinhados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) desenvolvidos por empresas, jovens profissionais e academia. 

 

Categoria - A cooperativa concorre na categoria de grande empresa no eixo ‘Prosperidade’. Também são finalistas nesse eixo os projetos ‘Enel Compartilha Empreendedorismo’, da Enel, e ‘Banrisul: veja, ouça e sinta, do Banrisul’.

 

Projeto - O projeto da Sicredi União PR/SP que garantiu a posição de finalista no prêmio foi o da agência Smart, de Cafeara. No município paranaense de cerca de três mil moradores, a cooperativa instalou a primeira agência digital do sistema Sicredi, que é também a única instituição financeira do município. A agência tem um novo conceito: lá não circula dinheiro físico. Tudo é feito pela internet, desde a abertura de contas à contratação de produtos e serviços. 

 

Contêineres - A agência foi instalada em dois contêineres, com áreas de atendimento e sala de reuniões, e placas solares para captar 400 quilowatts/hora, o suficiente para atender às necessidades. Como o projeto é sustentável e a estrutura é menor, isso ajuda a diminuir os custos operacionais e é uma alternativa para os mais de 2 mil municípios brasileiros que não apresentam viabilidade econômica para agências bancárias. 

 

Incentivo - Para a instalação da agência Smart, a cooperativa desenvolveu um trabalho junto à população para incentivar o uso de internet banking e o aplicativo mobile. Também não há custos com manutenção de conta e com anuidade de cartões de crédito. Já os comerciantes recebem gratuitamente as máquinas de cartão. 

 

Ganhadores - Os ganhadores do Prêmio ODS Pacto Global serão conhecidos em 16 de maio em um evento na Casa Natura, em São Paulo. Os finalistas foram escolhidos por um júri independente, a partir de critérios da consultoria PwC, que auditou todo o processo. As empresas que atingirem pontuação mínima definida pelos critérios da PwC entrarão no Banco de Boas Práticas da Rede Brasil do Pacto Global e servirão de exemplo para o setor empresarial da Rede Brasil. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

 

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Quase 4 mil pessoas são contempladas com projeto de Educação Financeira

 

sicredi parque araucarias 25 04 2019No ano de 2018, a Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP envolveu 3984 crianças e adultos no projeto Educação Financeira na Ponta do Lápis. Foram mais de 50 atividades realizadas em escolas municipais, estaduais, sindicatos e empresas nos municípios de Pato Branco (PR), Mangueirinha (PR), Palmas (PR), Mariópolis (PR), Vitorino (PR), Galvão (SC), São Domingos (SC), Jupiá (SC), Tangará (SC), Videira (SC), Treze Tílias (SC), Batatais (SP) e Ribeirão Preto (SP).

 

Alcance - De acordo com Neri Fabbris, assessor de Programas Sociais da Sicredi Parque, um dos grandes destaques do ano foi o alcance de 100% dos alunos das redes municipais de ensino dos municípios de Vitorino (PR) e Tangará (SC) e 60% dos alunos da rede municipal de ensino de São Domingos (SC). O projeto também foi aplicado para 100% dos estudantes da rede estadual de ensino de Galvão (SC).

 

Multiplicadores - Segundo Fabbris, outro destaque foi a formação da turma de multiplicadores, grupo de colaboradores da cooperativa treinados para replicar os programas de educação financeira. No ano passado foram 11 os multiplicadores.

 

Metas - Para 2019, uma das metas é ampliar essa rede. A intenção é capacitar de um a dois multiplicadores em cada uma das 26 agências da Sicredi Parque, fazendo com que o número passe para mais de 30. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

 

 

SICOOB METROPOLITANO I: Computadores são doados para Rede Feminina de Combate ao Câncer

 

sicoob metropolitano I 25 04 2019Reforçando seu compromisso com a comunidade, o Sicoob Metropolitano fez a doação de três computadores para a Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC), em Maringá (PR). Os equipamentos serão utilizados para cadastro no programa Nota Paraná das notas fiscais sem CPF recebidas pela instituição. Dessa forma, a RFCC recebe o valor sobre a compra que voltaria para o consumidor e capta recursos para manter os projetos desenvolvidos nas áreas da assistência social, saúde e valorização humana.

 

Preparação - Antes da entrega, as máquinas foram preparadas por voluntários do setor de tecnologia da cooperativa. Depois, foram entregues no dia 12 de abril pelo assessor institucional, Adilso Carniel, o assistente de agência, Richard Derner Neto, e o gerente de Relacionamento, Cloves Jose da Costa.

 

Uso - A gestora Institucional da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Janaina Mantovani, afirma que os computadores serão muito bem utilizados pelos voluntários. “Com a ampliação do espaço para os voluntários trabalharem, conseguiremos lançar mais notas e, consequentemente, aumentar a nossa arrecadação”, explica.

 

Custo mensal - Segundo ela, hoje, a RFCC Maringá tem um custo mensal de 100 mil reais em média e é 96% autossustentável. “Temos a missão de prover qualidade de vida enquanto houver vida”, finaliza. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

 

SICOOB METROPOLITANO II: Colaboradores se unem à cooperativa mirim na construção de horta

 

No último dia 16, colaboradores da agência do Sicoob Metropolitano em Ubiratã se uniram às crianças da Cooperativa Mirim A União é Tudo para plantar verduras e legumes na nova horta da Escola Municipal Professora Cleide Maria Zampronio. Todo o trabalho, desde adubação dos canteiros, plantio e cuidados posteriores, foi realizado pelos alunos.

 

Qualidade da alimentação - A horta, que foi criada com apoio do Instituto Sicoob, tem como objetivo melhorar a qualidade da alimentação das crianças. Inicialmente, as hortaliças serão servidas no almoço da escola, mas posteriormente, a ideia é que o excedente seja oferecido para a comunidade, em uma pequena feira, para arrecadar recursos para a cooperativa mirim.

 

Hábitos saudáveis - Segundo o gerente de Relacionamento, Dione Fonseca Candido Luiz, o intuito também é que as crianças levem os hábitos saudáveis para casa. “Queremos que eles demonstrem para os pais o que estão realizando na escola e os incentivem a praticar o mesmo”, explica.

 

Trabalho em equipe - Além disso, ele explica que a ação demonstra para as crianças a necessidade de trabalho em equipe, a importância da ajuda mútua, responsabilidade para execução dos afazeres diários e os valores do cooperativismo. “É impressionante o empenho e cuidado de todos para realização do projeto, dividindo tarefas no momento do plantio e depois nos cuidados que a horta necessita”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/04/25/sicoob_metropolitano_II/{/vsig}

SISTEMA FIEP: Prêmio Sesi ODS está com as inscrições abertas

 

sistema fiep 25 04 2019Erradicar a pobreza, oferecer educação de qualidade para todos, reduzir a desigualdade social e promover a igualdade de gênero. Estes são alguns dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que têm como meta fazer do mundo um lugar melhor para se viver. Para que estes objetivos sejam cumpridos, empresas, indústrias e organizações devem realizar ações que proporcionem desenvolvimento social, econômico e ambiental. 

 

Prêmio - Há quatro anos, o Sistema Fiep, por meio do Sesi no Paraná, promove o Prêmio Sesi ODS, com o intuito de estimular as instituições a realizarem projetos relacionados aos ODS e, assim, contribuir para o alcance da Agenda 2030. “O Prêmio Sesi ODS é um reconhecimento e um incentivo para a continuidade dos projetos que impactam de forma positiva os municípios paranaenses”, comenta Maria Cristhina de Souza Rocha, gerente de Projetos Estratégicos do Sistema Fiep.

 

Entrega - A entrega do prêmio ocorrerá durante o Congresso Sesi ODS, em setembro e podem participar indústrias e comércios de pequeno, médio e grande porte; instituições de poder público e organizações da sociedade civil com abrangência municipal, estadual e federal e instituições de ensino básico ou superior, públicas ou privadas. O pré-requisito é que a organização desenvolva práticas em consonância com pelo menos um dos ODS há, no mínimo, um ano. As inscrições são gratuitas e vão até o dia 31 de maio, pelo site www.portalods.com.br

 

Propostas - As propostas enviadas pelos inscritos serão avaliadas com base nos seguintes critérios: histórico, justificativa, principais objetivos, metodologia, avaliação, resultados e evidências. Os projetos que conquistarem uma nota superior a 5,00 receberão o Selo Sesi ODS. O primeiro colocado de cada subcategoria receberá o troféu IV Prêmio Sesi ODS 2019; o segundo lugar receberá menção honrosa; e todos os finalistas receberão um certificado.

 

Lista - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - Em 2015, líderes mundiais reuniram-se na Organização das Nações Unidas (ONU) e desenvolveram metas e planos de ação para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir paz e prosperidade para todos. Para isto, foram pensados 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Esta lista de tarefas objetiva que, até 2030, seremos a primeira geração a erradicar a pobreza extrema, além de proteger o planeta de efeitos adversos da mudança climática.

 

Confira todos os 17 ODS:

ODS 1 – Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 2 – Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e

Promover a agricultura sustentável.

ODS 3 – Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades.

ODS 4 – Garantir a igualdade de gênero e equitativa de qualidade e promover oportunidades de aprendizado ao longo da vida para todos.

ODS 5 – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

ODS 6 – Garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos.

ODS 7 – Garantir acesso à energia barata, confiável, sustentável e renovável para todos.

ODS 8 – Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego, pleno e produtivo e trabalho decente para todos.

ODS 9 – Construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação.

ODS 10 – Reduzir a desigualdade entre os países e dentro deles.

ODS 11 – Tornar as cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

ODS 12 – Assegurar padrões de consumo e produção sustentáveis.

ODS 13 – Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos.

ODS 14 – Conservar e promover o uso sustentável dos oceanos, mares e recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

ODS 15 – Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, bem como deter e reverter a degradação do solo e a perda da biodiversidade.

ODS 16 – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

ODS 17 – Fortalecer os mecanismos de implantação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

 

Sobre O Sistema Fiep - O Sistema Fiep é composto pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e Instituto Euvaldo Lodi (IEL). As instituições trabalham integradas em prol do desenvolvimento industrial. Com linhas de atuação complementares, realizam a interlocução com instâncias do poder público, estimulam o fomento de negócios nacionais e internacionais, a competitividade, a inovação, a tecnologia e a adoção de práticas sustentáveis, e oferecem serviços voltados à segurança e saúde dos trabalhadores, à educação básica de crianças, jovens e adultos, à formação e aperfeiçoamento profissional, à formação de nível superior, além de capacitação executiva. Sistema Fiep: nosso i é de indústria. (Assessoria de Imprensa do Sistema Fiep)

 

EXPEDIÇÃO SAFRA: Problemas climáticos da safra comprovaram “resiliência” e alta tecnologia das lavouras brasileiras

 

expedicao safra 25 04 2019A última safra de soja e milho no Brasil foi marcada pela instabilidade climática nos meses de dezembro e janeiro em diversas regiões do país. Mesmo afetados pelo calor intenso e a estiagem, os produtores conseguiram superar os problemas climáticos, mantendo a produção de soja na faixa dos 115,8 milhões de toneladas e a de milho na casa de 90 milhões. Após passar por 12 estados brasileiros entre outubro de 2018 e março de 2019, a equipe da Expedição Safra avalia os resultados da produção de grãos brasileira como satisfatórios, mesmo com as dificuldades encontradas.

 

Equivalente - A produção desta safra é quase equivalente a do período 17/18, que alcançou os 115,4 milhões de toneladas de soja e 87,9 milhões de toneladas de milho. O coordenador da Expedição Safra da Gazeta do Povo, Giovani Ferreira, explica que o uso de tecnologias e de boas técnicas de manejo foram essenciais neste processo.

 

Quebra - “Comparando com as estimativas iniciais da expedição, que era de uma produção com cerca de 122 milhões de toneladas, a quebra em cima do potencial produtivo foi menos que 10%, visto que encerramos o ciclo brasileiro com 115,8 milhões. Isso significa que a recuperação em volume que foi equivalente a do ano passado”, destaca o coordenador da Expedição. 

 

Fatores determinantes - Para o coordenador de Câmaras Especializadas de Agronomia do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), Kleber Santos, a competência do agricultor brasileiro e a formação técnica dos profissionais foram fatores determinantes para a consolidação da boa produtividade agrícola.

 

Tecnologias - “No caso dos engenheiros agrônomos, há grau crescente de capacidade para aplicar tecnologias visando maximizar o uso de insumos, com redução de custos e, aumento da produtividade”, declara Santos. “Apesar das últimas revisões que reduziram a expectativa da safra de milho e soja, registra-se a consolidação da produção brasileira, ultrapassando as 200 milhões de toneladas”, completa.

 

Plantio precoce - De acordo com o jornalista do Núcleo de Agronegócio da Gazeta do Povo da Expedição Safra, Marcos Tosi, que acompanhou alguns dos roteiros do projeto, “quem plantou mais cedo e apostou na plantação precoce da soja, acabou sendo apanhado pelo calor excessivo de dezembro. Porém, nas outras variedades, no ciclo normal e no ciclo tardio, os produtores conseguiram se recuperar”.

 

Safrinha - Marcos Tosi destaca também que as expectativas para a Safrinha – colheita de inverno do milho – são positivas. “Com a perda na soja precoce, que foi colhida rapidamente, os produtores acabaram acelerando o plantio da safrinha, que está sendo muito boa. De alguma forma ela vai compensar, talvez não em renda, pois o milho não vale tanto quanto a soja, mas em volume com certeza”, aponta o jornalista.

 

Exportações - Sendo a China o principal país importador de soja brasileira e o Irã o maior importador de milho, a projeção é que sejam exportadas, juntas, cerca de 106 milhões de toneladas das culturas. Serão cerca de 77 milhões de toneladas de soja e 29 milhões de milho.

 

Roteiros - No Brasil os estados visitados no roteiro técnico-jornalístico foram: Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goias, Maranhão, Tocantins, Bahia, Piauí. Seis seminários técnicos – Brasília (DF), San Alberto (Paraguai), Itapeva (SP), Rio Verde (GO), Bom Jesus (PI) e Londrina (PR) – reuniram lideranças da agropecuária para debater oportunidades e desafios do mercado, tendências climáticas e projeções do setor.

 

América do Sul - A equipe também passou pela América do Sul, Paraguai, Argentina e Uruguai, onde constatou a recuperação da Argentina em relação a safra anterior, a quebra no Paraguai por problemas climáticos e o potencial da rota dos grãos pela hidrovia Paraguai-Paraná.

 

México- A última etapa da atual edição da Expedição Safra acontece em maio, com uma visita inédita ao México. A equipe irá conferir o potencial do comércio agrícola mexicano com o Brasil. O país da América Central aumentou seu interesse em produtos brasileiros para não ficar tão dependente do fornecimento dos Estados Unidos, diante das constantes escaramuças comerciais e diplomáticas com o governo do presidente Donald Trump.

 

Sobre a Expedição Safra - A Expedição Safra faz um levantamento técnico-jornalístico da produção de grãos da América do Sul à América do Norte. O projeto percorre 12 estados brasileiros nas etapas de plantio e colheita. Para ampliar a discussão sobre mercado, desde a temporada 2010/11 a equipe realiza roteiros extraordinários, com incursões à Alemanha, Holanda, Bélgica, França, China, Índia, Israel, Rússia e ao Canal do Panamá. Neste ano, a Expedição irá ao México que, devido aos conflitos comerciais com os Estados Unidos, tem aumentado o comércio de produtos agropecuários com o Brasil, abrindo uma janela de novas oportunidades. A Expedição Safra é uma iniciativa do Núcleo de Agronegócio Gazeta do Povo e é apresentada pelo Sistema Confea-Crea, com o patrocínio da Caixa Econômica Federal, Sementes e Fertilizantes Castrolanda, Agrotec, Alta, Solaris e Expo Londrina. O apoio logístico é do Groupe Renault. (Assessoria de Imprensa)

 

AGRISHOW 2019: Evento sedia a 20ª Rodada Internacional de Negócios

 

A Agrishow 2019 – 26ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação contará com a 20ª Rodada Internacional de Negócios, a ser realizada entre os dias 30 de abril e 02 de maio e que reunirá fabricantes brasileiras de máquinas, implementos agrícolas e equipamentos de irrigação, com compradores (importadores, distribuidores e representantes) estrangeiros, vindos especialmente ao Brasil para este fim. Esta é uma ação de promoção comercial que é organizada pelo Programa Brazil Machinery Solutions, resultado da parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

 

Projeto Comprador - Denominado Projeto Comprador, esta Rodada Internacional de Negócios tem como objetivo principal potencializar o contato e as negociações entre as fabricantes brasileiras e importadores dos mais diversos países. Durante três dias, o Programa BMS organiza dezenas de reuniões entre as partes interessadas, na qual as empresas do setor apresentam aos visitantes os seus produtos.

 

Seleção - O trabalho de seleção dos importadores é realizado previamente por consultores especializados em matchmaking internacional, que fazem o cruzamento de informações e identificam compradores em diversos países que têm interesse nos produtos brasileiros. Para esta edição do Projeto Comprador, estão sendo prospectados importadores dos seguintes países: África do Sul, Argentina, Austrália, Chile, Colômbia, Etiópia, EUA, México, Nigéria e Peru.

 

Projeto Imagem - A Agrishow 2019 também será contemplada com o Projeto Imagem, que tem como objetivo promover e divulgar a indústria brasileira de máquinas e equipamentos ao mercado internacional, por meio de visitas de jornalistas, formadores de opinião e especialistas ao Brasil para conhecer o setor. A ação também é desenvolvida pelo Programa Brazil Machinery Solutions e viabilizado pela Apex-Brasil, em parceria com a Abimaq. As visitas são planejadas em conjunto com os organizadores da feira e levam em conta os interesses e destaque dos produtos brasileiros do setor nos diversos mercados dos países convidados.

 

Jornalistas - Para esta edição do Projeto Imagem, o Programa BMS receberá jornalistas de diversos países, com visita confirmada do jornal Clarín, da Argentina,d a Revista Farmer´s Review Africa, com sede em Joanesburgo, na África do Sul e da revista Actualidad Del Campo, do Paraguai. Estes figuram como mercados-alvo do setor de máquinas e equipamentos, ou seja, um dos países prioritários para as ações de promoção comercial definidas para o Programa BMS.

 

Vinte e cinco anos - A Agrishow 2019, que completa 25 anos de sucesso, ocorre entre os dias 29 de abril e 3 de maio, em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. O evento terá a participação de mais de 800 marcas nacionais e internacionais e espera receber mais de 150 mil visitantes vindos do Brasil e do exterior. Entre as atrações da feira estão a Arena do Conhecimento, palco de apresentações de novas tecnologias e tendências; a Arena de Demonstrações de Campo, com a demonstração de cultivos e tratos de horticultura e de máquinas e produtos inovadores para o agro; a Arena de Inovação, um espaço destinado a startups do agronegócio e voltado à conectividade no campo; a Arena do Produtor Artesanal, que vai reunir produtores de café, cachaça, doces e embutidos; e o Lounge Jurídico, onde os visitantes podem tirar suas dúvidas legais.

 

Iniciativa - A feira é uma iniciativa das principais entidades do segmento no país: Abag – Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda – Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp – Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de São Paulo e SRB - Sociedade Rural Brasileira. O evento é organizado pela Informa Exhibitions, integrante do Grupo Informa, principal promotora de feiras de negócios no Brasil e no mundo. (Assessoria de Imprensa do evento)

 

SERVIÇO

AGRISHOW 2019 – 26ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação 

Data: 29 de abril a 3 de maio de 2019

Local: Rodovia Antônio Duarte Nogueira, Km 321 - Ribeirão Preto (SP)

Horário: das 8h às 18h

www.agrishow.com.br 

 

EMPREGO: Paraná fecha o trimestre com 27 mil novos postos de trabalho

 

trabalho 25 04 2019Apesar da ligeira retração em março, acompanhando uma tendência nacional, o Paraná segue entre os cinco estados que mais criaram empregos formais no país no primeiro trimestre de 2019, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (24/04) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), vinculado ao Ministério do Trabalho.

 

Vagas - No total, o Paraná gerou 27.114 novas vagas no ano, com 326.850 postos de trabalho abertos ante o fechamento de 299.736. O número representa uma variação positiva de 1,04%, fechando o trimestre como o quinto estado que mais contratou, atrás apenas de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

Saldo - O saldo de 2019 é pouco superior ao mesmo período do ano passado, quando foram abertas 26.017 postos no período. O recorte dos últimos 12 meses também mostra o estado como gerador de empregos, com a conta positiva em 39.687 (+1,53%).

 

Resultado - “É um excelente resultado, apesar da sazonalidade como no mês de março”, analisa Suelen Glinski, economista do departamento do trabalho da secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Paraná. Ela lembra que a geração de empregos no Paraná está pulverizada em todas as regiões, principalmente nos grandes centros. “Todos os setores da indústria, por exemplo, estão com saldo positivo nas contratações. “Um resultado negativo não afeta o global, que é extremamente positivo. Vejo 2019 com muito otimismo no Paraná”, acrescenta.

 

Março - Considerando apenas o mês de março, o resultado do Paraná foi ligeiramente negativo – 99.248 admissões contra 100.459 desligamentos (-1.211 ou -0,05% vagas). A variação no estado acompanha o país como um todo, que fechou 43.196 empregos com carteira assinada em março deste ano. Foi o primeiro resultado negativo em 2019. Porém, no trimestre, foram criadas 179.543 vagas.

 

Resultado - “Esse é um resultado de todo o país, no total 19 estados fecharam no negativo. É um número sazonal, puxado especialmente pelo comércio, pelo comércio varejista. Normalmente, em março terminam os contratos de contratação temporária feitos no fim do ano, para o Natal, por isso o reflexo no comércio”, explica Suelen.

 

Cidades - Em relação aos municípios, a capital paranaense lidera o ranking da geração de empregos no acumulado do ano. Curitiba abriu 6.851 postos, seguido por Maringá (2.640), Cascavel (1.385), Londrina (1.156), Pato Branco (1.152) e Rio Negro (1.073).

 

Setores - Entre os setores que mais geraram empregos no Paraná em 2019, destaque para a área de serviços (15.507), indústria de transformação (7.340) e construção civil (2.750). (Agência de Notícias do Paraná)

 

 

 

PARANÁ: Projetos de modernização do Estado são aprovados no Legislativo

 

parana 25 04 2019A reforma administrativa, que reduz e moderniza a máquina pública, e outras três propostas de lei encaminhadas pelo Governo do Estado foram aprovados pela Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (24/04).

 

Itens - Além do enxugamento e reorganização da estrutura administrativa, os projetos que seguem para sanção do governador Carlos Massa Ratinho Junior incluem a abertura de crédito para a manutenção da Tarifa Rural Noturna, a criação do Fundo Estadual do Trabalho e novo limite de honorários de procuradores do Estado em processos do Refis.

 

Novas leis - As novas leis atendem as metas estratégicas da gestão Ratinho Junior, segundo o chefe da Casa Civil, Guto Silva. “São compromissos que assumimos e o legislativo dá contribuição fundamental para que sejam cumpridos”, avalia. O deputado Hussein Bakri, líder do Governo na Assembleia, completa afirmando que as medidas estão em sintonia com os anseios da sociedade e foram articuladas com apoio da ampla maioria dos parlamentares.

 

Reforma administrativa - A reforma administrativa reduz de 28 para 15 o número de Secretarias de Estado. A primeira etapa prevê economia anual de R$ 10,6 milhões aos cofres públicos a partir da redução de pastas e extinção de 339 cargos comissionados e funções gratificadas.

 

Sequência - Na sequência, o governo vai encaminhar para a Assembleia Legislativa as propostas de mais duas etapas de reestruturação: junção de autarquias e redução da estrutura física do Estado.

 

Ágil e eficiente - Segundo o governador Carlos Massa Ratinho Junior, a ideia da reforma passa pela economia e também pela necessidade de tornar a máquina pública mais ágil e eficiente. “Nosso foco nunca foi apenas economizar, mas aumentar a eficiência do governo. Essa mudança passa a valer como horizonte para o Paraná”, afirma.

 

Corte - O estudo do governo indica corte em 261 dos 2.515 cargos em comissão da administração direta. As funções de gestão pública passaram de 906 para 857, redução de 49. Na Receita Estadual houve um corte de 29 cargos, passando de 89 para 60. No total, foram eliminados 339 cargos.

 

Fundo do trabalho - A lei que institui o Fundo Estadual do Trabalho do Estado do Paraná (FET-PR) e o Conselho Estadual do Trabalho, Emprego e Renda (CETER) permitirá ao Paraná receber recursos federais para a manutenção das Agências do Trabalhador.

 

Postos de atendimento - Atualmente, 216 postos de atendimento do Sistema Nacional de Emprego (SINE) funcionam mediante termos de cooperação com municípios, cabendo à Secretaria de Justiça, Família e Trabalho o custeio com recursos federais repassados por meio de transferência voluntária.

 

Transferências automáticas - A proposta aprovada prevê transferências automáticas do Fundo de Amparo ao Trabalhador. Os recursos serão aplicados em fomentar trabalho, emprego e renda; intermediar o aproveitamento da mão de obra; promover a certificação profissional; e assistência a trabalhadores resgatados em condições análogas à escravidão.

 

Tarifa Rural Noturna - O projeto de lei que autoriza a abertura de crédito especial no valor de R$ 25 milhões vai assegurar a manutenção do programa Tarifa Noturna. Esta iniciativa contribui para ampliar a competitividade e produtividade do campo com a concessão de desconto na tarifa de energia elétrica aos agricultores que precisam manter atividades à noite.

 

Abrangência - A medida atende cerca de 12 mil produtores de aves, suínos e pecuária. Os recursos para a abertura do crédito são provenientes do superavit financeiro apurado no Balanço Geral do Estado no exercício de 2018 e serão disponibilizados no orçamento da Secretaria da Agricultura e Abastecimento.

 

Desconto - Uma lei estadual estabelece desconto na tarifa de luz que chega a 60% para os agricultores que utilizam energia elétrica entre 21h30 e 6h. Para beneficiar-se do programa o consumidor deve atender às seguintes condições: a unidade consumidora deve ser classificada como rural e em baixa tensão; custear integralmente o sistema de medição a ser instalado; adequação da entrada de serviço, quando necessárias, responsabilizando-se por contratação de serviço especializado e materiais; e não ter débitos perante a Copel.

 

Honorários - Os deputados estaduais também aprovaram a proposta que estabelece limite de 2% de honorários advocatícios pagos a procuradores do Estado que atuam em processos de refinanciamento de dívidas tributárias e não-tributárias.

 

Créditos ajuizados e quitados - O honorário é devido aos créditos ajuizados e quitados com os benefícios do Refis e pago pelas empresas na negociação com a administração estadual. O texto da lei propunha inicialmente um teto de 5%, mas uma emenda reduziu o valor para 2%, com intenção de facilitar o acesso das empresas ao refinanciamento.

 

Atuação - Os procuradores atuam em processos de empresas que devem tributos ao Governo estadual e os pagamentos estão previstos em lei federal. Dos 2%, 1% deve ser destinado ao Fundo de Manutenção da Procuradoria-Geral do Estado e 1% será rateado entre os procuradores.

 

Exclusão - O texto também excluiu o trecho final do art. 2º da Lei nº 18.748/2016, relativo aos honorários de sucumbência das ações ajuizadas a partir da vigência do Código de Processo Civil, alterado em 2015. (Agência de Notícias do Paraná)

 

ECONOMIA I: Prévia da inflação oficial fica em 0,72% em abril

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, ficou em 0,72% em abril deste ano. A taxa é superior às registradas em março deste ano (0,54%) e em abril do ano passado (0,21%). É também a maior taxa para o mês desde 2015 (1,07%).

Acumulado - Segundo dados divulgados nesta quinta-feira (25/04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA-15 acumula taxas de inflação de 1,91% no ano e de 4,71% em 12 meses.

Principais responsáveis - Os principais responsáveis pela inflação da prévia de abril foram os transportes, que tiveram alta de preços de 1,31%, puxada pelos combustíveis (com alta de 3%), em especial, a gasolina (3,22%).

Alimentos e bebidas - Os alimentos e bebidas também tiveram um impacto importante no IPCA-15, com uma inflação de 0,92% na prévia do mês. Outro grupo que influenciou a prévia da inflação foi saúde e cuidados pessoais (1,13%).

Deflação - Apenas o grupo de despesas comunicação teve deflação, ou seja, queda de preços (-0,05%). As demais classes de despesas tiveram as seguintes taxas de inflação: educação (0,06%), despesas pessoais (0,12%), habitação (0,36%), artigos de residência (0,41%) e vestuário (0,57%). (Agência Brasil)

ECONOMIA II: Desoneração e economia fraca pesam, e arrecadação cai 0,6%

 

O nível de atividade econômica e o aumento das compensações e desonerações impactaram diretamente o desempenho da arrecadação de tributos não só no mês passado como no trimestre. O recolhimento de tributos federais somou R$ 109,854 bilhões em março, pior resultado para o mês em dois anos e uma queda real de 0,58% em relação ao mesmo período do ano passado. No trimestre, no entanto, essa receita ainda registra expansão real (1,09% ante igual período de 2018) ao totalizar R$ 385,3 bilhões - o melhor número desde 2014.

 

Previsões de mercado - De acordo com o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias, "a arrecadação registrada e as nossas projeções estão dentro das previsões do mercado". Estudo da Secretaria de Política Econômica apresentado durante a divulgação dos números da arrecadação pelo coordenador de política fiscal, Bernardo Schettini, aponta que "o nível da atividade econômica tem afetado negativamente a arrecadação federal".

 

Compensações tributárias - De acordo com os dados apresentados pela Receita Federal, as compensações tributárias feitas pelo governo somente em março chegaram a R$ 7,850 bilhões, aumento de 65,92% na comparação com o mesmo mês de 2018. No trimestre, o aumento foi 26,9% ante mesmo período de 2018 ao atingir R$ 23,102 bilhões. As desonerações também subiram. No mês, a alta foi 16,58% para R$ 8,1 bilhões, e, no trimestre, de 11,91% para R$ 23,2 bilhões.

 

Mais adequado - Malaquias minimizou o desempenho negativo da receita em março, dizendo que o mais adequado é fazer uma avaliação das receitas apuradas no acumulado dos três primeiros meses do ano para que não haja interferência do fato de as empresas poderem apresentar a declaração de ajuste para pagamento de tributos entre janeiro e março.

 

Represamento - O aumento das compensações, conforme o técnico da Receita, ocorreu porque houve um represamento em 2018 devido à lei que proibiu o abatimento de tributo pelos contribuintes que apresentam declaração de IRPJ/CSLL com base na estimativa de lucro. "Valores passíveis de compensação não puderem ser mais compensados. Primeiro, houve represamento dos créditos", contou Malaquias, acrescentando que agora deverá haver uma normalização.

 

Retomada da economia - No caso das desonerações, Malaquias disse que a alta está atrelada à retomada da própria economia. Questionado sobre se o governo estuda rever desonerações com prazo muito longo ou ainda sem data-limite, o técnico da Receita afirmou que as mudanças envolvem muitos fatores e estão em discussão.

 

Acompanhamento - Ele reforçou que o importante é acompanhar a evolução de todas as renúncias e afirmou que periodicamente todos os setores do governo recebem dados quantitativos sobre as desonerações. "Por trás de cada benefício você também tem uma política fiscal, tributária, ou pública atrelada. Os benefícios não foram criados aleatoriamente." Malaquias afirma que a forma de financiamento das políticas precisa ser revista.

 

Defesa - Durante a explicação dos dados, Schettini aproveitou para fazer uma defesa da aprovação da reforma da Previdência Social, que dará "fôlego maior" para o crescimento e, consequentemente, para arrecadação tributária.

 

Espera - Segundo ele, a Sondagem da SPE/Prisma Fiscal (expectativa do mercado para as contas públicas do país) indica que o setor privado está em "compasso de espera" e aguarda sinais mais claros de que a reforma da Previdência será aprovada. O estudo destaca também que, com aprovação integral da reforma, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) será de 3% em 2022. Sem ela, a expansão da economia seria de 1%. (Valor Econômico)

 

economia quadro 25 04 2019

PREVIDÊNCIA: Marcelo Ramos será o presidente da Comissão da Especial que irá analisar a reforma

 

previdencia presidente 15 04 2019O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, anunciou, na manhã desta quinta-feira (25/04), o deputado Marcelo Ramos (PR-AM) como presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência. A relatoria ficará com o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). "Espero que o relator consiga construir um sistema que ele tenha subrelatores, porque a demanda para ajudar é muito grande. E uma votação dessas é uma construção coletiva", disse Maia.

 

Análise - A comissão que vai analisar o mérito da proposta do governo de reforma da Previdência (PEC 6/19) será instalada nesta manhã.

 

Texto - O texto foi aprovado na última terça-feira (16/04) pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). O colegiado analisou apenas a admissibilidade da proposta. O mérito das mudanças sugeridas pelo governo Bolsonaro será discutido agora na comissão especial.

 

Integrantes - A Comissão Especial da Reforma da Previdência terá 49 titulares e igual número de suplentes. (Agência Câmara)

previdencia quadro 25 04 2019

 

 

 

 


Versão para impressão


RODAPE