Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4560 | 22 de Abril de 2019

FÓRUM FINANCEIRO: Representantes do Mapa vão falar sobre seguro rural e Plano Agrícola e Pecuário

 

financeiro mercado 22 04 2019Representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estarão presentes no Fórum Financeiro e de Mercado para tratar de seguro rural e o Plano Agrícola e Pecuário da próxima safra. O evento ocorrerá dia 3 de maio, na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, com a participação de profissionais das cooperativas paranaenses e agentes financeiros que atuam em parceria com o setor.

 

Programação - As atividades terão início às 10h, com a presença do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que fará a abertura do Fórum. Na sequência, o diretor do Departamento de Gestão de Riscos da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, Pedro Loyola, ministra a palestra com o tema “Perspectivas para o seguro rural e Proagro no Brasil”. Depois, o diretor do Departamento de Financiamento e Informação da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, Wilson Vaz de Araújo, discorre sobre as principais políticas do Plano Agrícola e Pecuário da safra 2019/20.

 

Mais - O cenário do cooperativismo paranaense será tratado pelo coordenador de Desempenho do Sescoop/PR, João Gogola Neto. Já o doutor em Economia, Juan Jensen, da 4R Consultoria, irá falar a respeito da conjuntura econômica e política brasileira e mundial e as perspectivas para o quadriênio 2019-2022. O evento encerra às 16h.

 

PROGRAMAÇÃO

09:30h – Inscrições e credenciamento

10:00h – Abertura – José Roberto Ricken – presidente Sistema Ocepar

10:15h – Perspectivas para o seguro rural e Proagro no Brasil – Pedro Augusto Martins Loyola Junior – diretor do Departamento de Gestão de Riscos – Secretaria de Política Agrícola do Mapa

11:30h – Principais políticas do Plano Agrícola e Pecuário da safra 2019/2020 – Wilson Váz de Araújo – diretor do Departamento de Financiamento e Informação - Secretaria de Política Agrícola do Mapa

12:30 – Almoço

13:30 – Cenário do cooperativismo paranaense – João Gogola Neto – coordenador de Desempenho – Sistema Ocepar

14:00 - Conjuntura econômica e política e perspectivas 2019-2022 - Juan Pedro Jensen Perdomo – 4E Consultoria

16:00 – Coquetel de encerramento

 

SEMINÁRIO INTERNACIONAL: Evento em Brasília debate seguro rural nesta terça-feira

 

seguro rural 22 04 2019Nesta terça-feira (23/04), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) promovem o Seminário Internacional de Seguro Rural, em Brasília (DF). O evento tem o apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e das seguradoras e resseguradoras de seguro rural.

 

Painéis - O evento terá dois painéis, um nacional e outro internacional. Nas palestras serão debatidos modelos de seguro rural de países como Espanha, Estados Unidos, México e Índia, e será exposto panorama do modelo brasileiro e quais os desafios do seguro rural no país. O debate terá representantes do Ministério da Economia, Embrapa, Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e das resseguradoras Mapfre, Arch Re e Partner Re.

 

Disseminação - De acordo com a assessora técnica da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA, Fernanda Schwantes, “uma das finalidades do seminário será disseminar a cultura do seguro rural e da gestão de riscos agropecuários, mobilizando governo e entidades privadas para a solução dos principais desafios”.

 

Política de Estado - “A CNA tem defendido uma política de Estado para o seguro rural, para amenizar os impactos das perdas na agropecuária sobre a renda, o emprego, os investimentos nas propriedades, para quebrar o círculo vicioso das renegociações dos financiamentos agropecuários”, explica a assessora.

 

Principal benefício - Fernanda Schwantes ressalta que o principal benefício de um seguro rural para o produtor é a proteção da safra e a garantia necessária para que ele continue investindo na produção, apesar das adversidades climáticas. Assim, poderá se manter competitivo no agronegócio, mesmo sob condições de perda patrimonial ou frustração de safra.

 

Link - Para participar do seminário e ter acesso à programação completa, basta se inscrever no link https://www.cnabrasil.org.br/eventos/seminario-internacional-de-seguro-rural. (Mapa / Informe OCB

 

SERVIÇO

O que: Seminário Internacional de Seguro Rural

Quando: Terça-feira - 23 de abril

Horário: 8 horas

Local: Sede do Sistema CNA – SGAN 601, módulo K, Ed. Antônio Ernesto de Salvo, Asa Norte – Brasília/DF

 

 

GETEC: Informe traz levantamento de projeções sobre indicadores econômicos

getec destaque 22 04 2019A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulga, nesta segunda-feira (22/04), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central, levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2019, 2020 e 2021.

Informações – Mais informações podem ser obtidas com Maiko Zanella (maiko.zanella@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1115) ou com Jessica Raymundi (jessica.costa@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1133).

Clique aqui para acessar na íntegra o Informe Expectativas de Mercado

 

GESTÃO: Programa de Compliance do Cooperativismo Paranaense será lançado dia 29 de abril

 

O Sistema Ocepar vai reunir presidentes, dirigentes e gestores das cooperativas do Paraná, no dia 29 de abril, em Curitiba, para o lançamento do Programa de Compliance do Cooperativismo Paranaense. Na oportunidade, os participantes vão conhecer detalhes de mais esta iniciativa que visa estimular o setor a adotar as melhores práticas de gestão e governança preconizadas mundialmente. A ideia é preparar as cooperativas a adequar a sua cultura à agenda do compliance.

 

Objetivo - “O Sistema Ocepar, por meio do Comitê de Autogestão do PRC 100, o planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, identificou a necessidade de promover a estruturação de mecanismos de integridade nas cooperativas do Paraná. Nosso objetivo é contribuir com a implantação de um Programa de Compliance efetivo, alinhado às demandas da sociedade e contemplando aspectos éticos, legais e de gestão, com o propósito de promover a cultura de integridade nas sociedades cooperativas, envolvendo todos stakeholders”, afirma o superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche.

 

Apresentação - Boesche fará a apresentação do Programa de Compliance do Cooperativismo Paranaense no evento do dia 29 de abril. A programação será aberta pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e pelo decano da Escola de Negócios da PUCPR, Bruno Henrique Rocha Fernandes.

 

Palestras - A programação inclui ainda a apresentação de duas palestras: “Governança e Compliance: novo paradigma no ambiente de negócios”, ministrada pelo ex-ministro-chefe da Controladoria Geral da União e sócio da Warde Advogados, Valdir Simão, que colaborou com a regulamentação da Lei n° 12.846/13, conhecida como Lei Anticorrupção; e “Diálogo sobre Compliance: responsabilidades, desafios e perspectivas para as cooperativas”, que será proferida pelo professor da PUCPR, Jelson Oliveira.

 

O Programa - O Programa de Compliance do Cooperativismo Paranaense contempla uma série de atividades, entre as quais, a realização de um curso para formação do agente de Compliance, que deverá ocorrer in company tendo como público-alvo a equipe da cooperativa que atua ou irá atuar nessa área. Serão tratados os seguintes temas: Diagnóstico, Avaliação de risco, Código de conduta, Controles internos, Gestão de terceiros, Relacionamento com cooperados, Treinamento e comunicação, Canal de Denúncias, Monitoramento e auditoria. Além da parte teórica, os agentes de Compliance vão ainda poder aliar os conhecimentos à prática, por meio de um Programa de mentoria.

 

Certificação - Uma outra meta importante do Programa de Compliance do Cooperativismo Paranaense é preparar as cooperativas do Estado para que elas obtenham diferentes certificações que atestem a qualidade de sua gestão.

 

Mais informações - Mais informações sobre o evento de lançamento do Programa de Compliance do Cooperativismo Paranaense podem ser obtidas com Alfredo K. Souza (41 3200 1144 / compliance@sistemaocepar.coop.br). Inscrições com Tiago Fernandes Gomes (41 2300 1148 /compliance@sistemaocepar.coop.br).

 

gestao folder 22 04 2019

SISTEMA OCB/PB: Cooperativas reelegem presidente

 

Reunidos em Assembleia Geral Ordinária, dirigentes de 59 cooperativas paraibanas participaram da eleição da nova diretoria do Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado da Paraíba (OCB/PB).  A chapa 2 – Avançar Mais venceu o pleito com 71% dos votos. Por indicação do Conselho Diretor eleito, o presidente André Pacelli continuará comandando a OCB/PB no período de maio de 2019 a abril de 2023.

 

Agradecimento - Pacelli agradeceu a participação expressiva das filiadas na AGO e reafirmou seu compromisso de representar e defender os interesses do cooperativismo paraibano. “Tivemos uma eleição, realizada em um processo democrático, no qual as chapas puderam apresentar suas propostas e compromissos. E nós, pelo trabalho executado nos últimos anos, felizmente obtivemos uma maioria expressiva. Agradecemos aos conselheiros da gestão passada e da nova gestão e que assumiram o compromisso de cada vez mais fortalecer as nossas cooperativas”, afirmou o presidente.

 

Otimismo - Ele manifestou otimismo quanto às possibilidades de desenvolvimento do setor nos próximos anos e ressaltou a importância da unidade para fortalecer o cooperativismo paraibano. “As pequenas diferenças, questões que possam existir em determinados ramos devem ser mitigadas, pois os nossos grandes adversários estão fora [do cooperativismo]. A gente quer construir um ambiente promissor em que as nossas cooperativas possam crescer e desenvolver seus negócios”, acrescentou.

 

OCB - Representando a unidade nacional na AGO, o analista de Relações Institucionais da OCB, Eduardo Lima Queiroz, falou sobre o trabalho realizado pela entidade em prol do cooperativismo brasileiro e elogiou a unidade estadual. “Nós que defendemos o cooperativismo brasileiro todos os dias junto aos Três Poderes, em nível federal. E é muito gratificante participar desta assembleia geral da OCB Paraíba. Aqui, a gente respira o cooperativismo em sua essência, que é a união das pessoas em prol de um objetivo comum”, comentou.

 

Prestação de contas - Antes da eleição, os presidentes aprovaram a prestação de contas da OCB/PB referente ao exercício 2018, que incluiu: Relatório da Gestão; Balanço Patrimonial; Demonstração das Sobras e Perdas; Parecer do Conselho Fiscal. Também foi aprovada a manutenção do atual valor da Contribuição Mensal de Manutenção da OCB/PB e o Plano de Trabalho e Previsão Orçamentária para 2019.

 

Processo eleitoral - O processo eleitoral foi conduzido por uma comissão formada pelo assessor jurídico da OCB/PB, João Bezerra Neto, o advogado do Sescoop/PB, William Bezerra, e o superintendente do Sistema OCB/PB, Pedro Albuquerque. Ao todo, 64 cooperativas registradas e regulares estavam tinham direto a voto, o que significa que o pleito teve participação 92% das cooperativas aptas. A Chapa 2 obteve um total de 42 votos, enquanto a Chapa 1 teve 17 votos.

 

Novos conselheiros - O Conselho Diretor eleito tem como vice-presidente Demóstenes Paredes Cunha Lima (Unimed João Pessoa) e conta com os seguintes conselheiros titulares: Arnaldo Antônio Rodrigues (Cootrans); João de Deus Rodrigues (Cooperural); Paulo Ortiz Rocha de Aragão (Sicredi Creduni); Stanley Lira de Souza (Cervarp); Abdias de Luna Freire (Codisma); Alexandrina Maria Cavalcante (Cooped).

 

Suplentes - São suplentes do Conselho Diretor: Adauto da Rocha Júnior (Coopemfrete); Maria Nazaré dos Santos Barbosa (Copaf); Cláudio Orestes (Sicredi Evolução); Eduardo Figueiredo Porto (Coopcon); Mauro Borba de Araújo Pereira Filho (Coopervale); Gilberto Rodrigues de Almeida Netto (Cooppropaga); Francisco de Assis Pinheiro Filho (Coofísio).

 

Conselho Fiscal - O novo Conselho Fiscal é composto pelos seguintes membros: Francisco Carlos Firmino de Sousa (Credjust); Sandra Maria Rodrigues Tavares (Uniodonto); e Glaucia Nunes Costa (Coopercret). Como membros suplentes foram eleitos: Carlos Roberto de Souza Oliveira (Cocan); Gilberto Gomes Sarmento (Sicredi Alto Sertão); Janete Xavier Leite (Cooprafe).

 

Conselho de Ética - O Conselho de Ética eleito tem os seguintes titulares: José Helman Palitot de Oliveira (Coopecir), Jonas Marques de Araújo Neto (Coonap); Sergio Marques Cláudio (TranstaxI). São suplentes: Júlio Matias de Sousa Neto (Coopafab); Josinaldo Bezerra dos Santos (Coopercarne); Maria Helena Lourenço dos Santos (Cofep). (Sistema OCB/PB / Informe OCB)

 

{vsig}2019/noticias/04/22/sistema_ocb_pb/{/vsig}

FRÍSIA: Programa desperta interesse de crianças por atividade pecuária

 

frisia 22 04 2019O Clube de Bezerras, iniciativa da Frísia Cooperativa Agroindustrial, com mais de três décadas de tradição, vai marcar presença no primeiro dia da ExpoFrísia, 25 de abril. Realizado anualmente com filhos de cooperados e de seus colaboradores com idade entre 8 e 15 anos, o programa tem como objetivo apresentar a pecuária leiteira e despertar o interesse das crianças pela atividade familiar.

 

Missão - Os membros do clube têm como missão acompanhar a bezerra desde o nascimento e durante todo o processo recebem conhecimento técnico da equipe que os visita e ensina diretamente na propriedade. Com coordenação do setor de Pecuária Leiteira da Frísia, o Clube de Bezerras trata de temas que vão desde a saúde e bem-estar dos animais até como fazer a gestão da criação.

 

Turma - A turma de 2019 conta com 18 crianças e bezerras da raça Holandês Preto e Branco e Vermelho e Branco. “É incrível ver a evolução das crianças que já participam há alguns anos. No início, elas não dão muita importância para o clube, mas com o tempo elas começam a gostar e se dedicam cada vez mais a aprender”, ressalta Lucas Mesquita, zootecnista responsável pelo programa na cooperativa.

 

Competindo e aprendendo - As crianças que fazem parte do Clube de Bezerras disputam anualmente a Copa dos Apresentadores, competição que reúne os filhos de colaboradores e associados da Frísia, Castrolanda e Capal, que se apresentam nas feiras das três cooperativas.

 

Fases - A competição é dividida em três fases, sendo que a primeira etapa acontece na ExpoFrísia. A classificação é feita com base na avaliação do acompanhamento e cuidado das crianças com as bezerras, no preenchimento correto da ficha do animal e da pontuação alcançada durante a apresentação. “A relação entre a criança e o animal, o entrosamento, a postura do puxador e da criação, tudo isso é analisado pelos juízes. Apesar de compormos um pódio, todos os participantes são recompensados no final da competição”, explica Mesquita.

 

Apresentação - A apresentação do Clube de Bezerras acontecerá na quinta-feira, 25 de abril, às 19h, no Pavilhão de Exposições Frísia, anexo ao Parque Histórico de Carambeí. A Copa dos Apresentadores será no sábado, às 10h30.

 

Informações e programação - Participe da ExpoFrísia 2019! Mais informações e programação completa em www.expofrisia.com.br.

 

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

 

SERVIÇO

ExpoFrísia 2019

25 a 27 de abril

Parque de Exposições Frísia, anexo Parque Histórico

Carambeí (PR)

www.expofrisia.com.br 

Entrada gratuita

 

PRIMATO: Cooperativa promove CBN Agro em Toledo e Encontro de Leite em Nova Santa Rosa

 

primato 22 04 2019Com o objetivo de trazer informações, dados e o cenário do agronegócio que a Primato Cooperativa Agroindustrial promove nesta semana dois importantes eventos. Nesta terça-feira (23/04), acontece mais uma edição do CBN Agro, em Toledo, e na quinta-feira (25/04) o Encontro de Leite 2019, em Nova Santa Rosa, no Oeste do Estado.

 

CBN Agro - O CBN Agro inicia às 20h na Associação da Primato em Toledo, com o tema “Sustentabilidade e desenvolvimento – 10 desafios para o futuro do agronegócio”. O palestrante é Xico Graziano que vai abordar os principais pontos para a evolução que o agronegócio, seja em nível regional, nacional e internacional.

 

Encontro de Leite - Na quinta, a partir das 8h30, será a vez do “Encontro de Leite 2019”, no teatro municipal Gustavo Fischer, em Nova Santa Rosa. Evento promovido pela unidade agropecuária e agrícola da Primato na cidade, vai apresentar o cenário e as perspectivas do setor leiteiro no Brasil, além de trazer importantes informações sobre o manejo da atividade.

 

Eventos - “A Primato busca apresentar eventos e capacitações que oportunizam aos cooperados e profissionais estarem cada vez mais interados e engajados com as tendências do agronegócio de forma geral”, explicou o presidente da Primato Ilmo Werle Welter que concluiu, “por isso reforçamos o convite, tanto para a CBN Agro em Toledo no dia 23, quanto para o Encontro de Leite em Nova Santa Rosa no dia 25, duas oportunidades de agregar conhecimento, tirar dúvidas e aplicar no dia a dia na propriedade rural”. (Imprensa Primato)

 

BOM JESUS: Grupo de Alinhamento Estratégico é de grande importância para governança da cooperativa, diz Baggio

 

bom jesus 22 04 2019No dia 17 de abril, na Associação de Funcionários da Bom Jesus (Ares), na Lapa (PR), reuniram-se cooperados e gerentes participantes do Grupo de Alinhamento Estratégico da Cooperativa Bom Jesus. O evento foi conduzido pela diretoria executiva com a presença de Luiz Roberto Baggio, diretor-presidente, Milton Antonio Locatelli, diretor vice-presidente, e Marcelo Luiz Kosinski, diretor-secretário. A pauta do evento foi direcionada a capital social, investimentos e novos negócios.

 

Capital Social - Durante as boas-vindas no evento, Baggio ressaltou a importância do grupo dizendo que “o cooperativismo do Paraná é referência no Brasil, e um grupo de Alinhamento Estratégico é de grande importância para a governança da cooperativa”. Durante sua pauta, Baggio destacou o cenário internacional e nacional apontando para uma desaceleração de crescimento e fazendo uma correlação a importância de ter uma cooperativa forte e que pense no futuro do cooperado.

 

Previdência - Com a reforma da previdência tomando corpo e discussões em Brasília relativas às articulações do governo, não se tem ainda uma base de como será a aposentadoria dos agricultores. Baggio fez uma correlação entre a previdência atual, um cenário possível com as mudanças previdenciárias por parte do governo e o atual modelo de capital social da Cooperativa. A partir dessa ideia fez uma reflexão com os participantes do evento sobre as possibilidades relacionadas as sobras da cooperativa, que hoje metade é depositada no capital social do cooperado e, segundo estatuto da Cooperativa, o produtor tem direito de retirada anual de 10% do seu capital após os 65 anos de idade, ou seja, sem precisar ‘tirar dinheiro do bolso’, somente com a movimentação na cooperativa, o produtor rentabiliza seu capital com as sobras proporcionais ao seu movimento, com isso gera uma “previdência” dentro da Bom Jesus. E deixou uma pergunta aos participantes: é melhor devolver as sobras ou depositar no capital social? Essa reflexão foi pertinente aos participantes que tiraram dúvidas e contribuíram com sugestões.

 

Investimentos - Outro ponto abordado no evento e com condução de Milton Locatelli, foi relativo aos investimentos da Bom Jesus na região. Com a frase “o que fizemos até hoje e para onde vamos”, Milton mostrou a importância de uma cooperativa forte para o cooperado, destacando a sua história e conquistas, sendo competitiva e, principalmente, pensando em novos negócios para os cooperados. Um retrato apresentado do atual panorama mundial também foi destacado pelo vice-presidente, como por exemplo, a peste suína na China e sua relação com o mercado de soja mundial, mostrando possíveis impactos na economia mundial e principalmente a brasileira, já que 82% das exportações de soja no Brasil são destinadas ao país asiático.

 

Projetos de expansão - Com toda essa análise apresentou os projetos de expansão da cooperativa na região, os gargalos de recebimento e os desdobramentos de investimentos da cooperativa nos atuais entrepostos, além de novos negócios para os cooperados. Outro destaque ficou por conta da entrada da Cooperativa na industrialização com a Fábrica de Ração e sua expansão no mercado.

 

Novos Negócios - Marcelo Kosinski apresentou aos participantes a importância da fidelização do cooperado para que todos os investimentos em estrutura e novos negócios sejam efetivados pela Cooperativa. O Projeto Alta Performance é um exemplo que vem sendo dado na região e importante aliado do produtor para maiores produtividades, como por exemplo, nessa última safra de verão que o clima foi decisivo para definição de produtividades, os investimentos feitos no solo e na proteção de plantas contabilizaram boas produtividades na região e o Alta Performance tem boa parcela nisso. A ideia do projeto é usar o corpo técnico da Bom Jesus como ferramenta para grandes produtividades. “Usem nossa equipe técnica. O investimento é pesado no corpo técnico e temos total capacidade de auxílio para boas produtividades”, destaca Marcelo.

 

Cevada - Outro ponto abordado foi em relação a cevada na região, na qual a Bom Jesus vem se destacando com cultivares e produtividades interessantes para a indústria cervejeira, com grandes estudos e projetos de expansão na área.

 

“Não é o quanto custa um produto, mas sim o quanto vale” - A Cooperativa Bom Jesus é uma grande aliada do produtor, trazendo tecnologias adaptadas a região, novos negócios e mostrando o quanto é importante que o cooperado trabalhe de maneira efetiva pensando em seus negócios. Para finalizar o evento, Baggio mostrou essa importância e destacou em uma frase a relevância de ter uma cooperativa forte. “Não é o quanto custa um produto, mas sim o quanto vale”, relacionando a todo aparato técnico e estrutural que o produtor tem na cooperativa. (Imprensa Bom Jesus)

 

CAPAL: Inscrições abertas para a 3ª turma do Programa de Certificação de Conselheiros

 

capal 22 04 2019Terá início, em maio, a capacitação da 3ª turma do Programa de Certificação de Conselheiros Cooperativos, que é realizado in companypor meio do Sesccop/PR e Isae, em parceria com as Cooperativas Capal, Frísia e Castrolanda. O Programa de Certificação de Conselheiros Cooperativos tem como objetivo aprimorar e desenvolver competências para conselheiros fiscais efetivos e suplentes, além de cooperados que pretendem exercer futuramente a função de conselheiros.

 

Visão estratégica - A programação visa proporcionar uma visão estratégica que auxilie na construção dos novos cenários cooperativos, bem como fortalecer o conhecimento sobre as atribuições e responsabilidades do Conselho e seus membros.

 

Inscrições - Os cooperados Capal que têm interesse em participar devem conversar com o gerente da sua Unidade ou com o setor de RH. As inscrições ficam abertas até 30 de abril. (Imprensa Capal)

 

SICREDI ALIANÇA: Tem início o Programa Jovem Aprendiz 2019/2021

 

Com o intuito de oportunizar a jovens o primeiro contato com o mercado de trabalho bem como formar e identificar potenciais talentos, a Sicredi Aliança PR/SP iniciou na semana passada o Programa Jovem Aprendiz 2019/2021. A recepção do grupo aconteceu na segunda-feira (15/04) na Sede Regional, em Marechal Cândido Rondon (PR). São onze jovens, com idades entre 16 e 24 anos que estão cursando ensino médio ou superior e que atuarão nas agências de Marechal Cândido Rondon, Guaíra, Mercedes, Entre Rios do Oeste, Quatro Pontes, Pato Bragado e na Sede Regional.

 

Primeiro contato - De acordo com o gerente de Gestão de Pessoas, Rodinei Rodrigues de Azevedo, o Programa possibilita ao jovem ter o primeiro contrato de trabalho em uma das “Melhores Empresas para Começar a Carreira”, segundo a Revista Você S/A. “Sabemos que muitos deles transformam suas vidas, refletindo também no seu núcleo familiar, auxiliando com o valor recebido enquanto participa do Programa, além de ampliar os conhecimentos sobre o mundo corporativo, convivendo com a cultura cooperativista, podendo ainda ao final do curso serem efetivados pela empresa e construir sua carreira conosco. O Programa busca desenvolver jovens de acordo com os valores e competências para garantir a continuidade e a evolução da Sicredi Aliança PR/SP ao longo dos anos. Temos muitos exemplos de profissionais que iniciaram sua trajetória através destes programas e hoje ocupam cargos de liderança”, disse.

 

Novas gerações - Para o diretor executivo, Fernando Barros Fenner, o Programa possibilita preparar e incentivar as novas gerações no início de suas experiências profissionais, auxiliando na tomada de decisões e na escolha profissional para o futuro. “Trata-se de uma porta de entrada para jovens com pouca ou nenhuma experiência no mercado de trabalho. Desta forma, é possível que eles conheçam de perto as rotinas de uma empresa e tenham experiências. É por meio da capacitação dos nossos jovens que no futuro teremos profissionais e uma sociedade mais crítica e construtiva. Assim, também cumprimos o nosso papel enquanto cooperativa e demonstramos a nossa preocupação com as pessoas”, considerou. “Para nós, todos que fazem parte do quadro de colaboradores são importantes, independente da função, pois o resultado se dá pela soma de forças”, completou.

 

Oportunidades - Segundo o presidente do Conselho de Administração da Sicredi Aliança PR/SP, Adolfo Rudolfo Freitag, o crescimento e a solidez da cooperativa contribuem com a geração de oportunidades. “Estamos crescendo, expandindo nossa atuação e em breve vamos chegar a 400 colaboradores. Conforme a cooperativa cresce, a contratação de pessoal também aumenta. É onde oportunizamos a geração de empregos, fortalecendo o compromisso que temos em desenvolver as comunidades e, consequentemente cumprir com o nosso propósito. Desejamos que todos aproveitem ao máximo essa experiência que a cooperativa está proporcionando”, expôs.

 

Teoria e prática - Os jovens que participam do Programa aprendem tanto na teoria como na prática. Em quatro dias da semana vivenciam experiências dentro da agência e uma vez na semana se reúnem para o curso profissionalizante.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Aliança PR/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2019/noticias/04/22/sicredi_alianca/{/vsig}

UNIPRIME NORTE DO PR: Cooperativa oferece opção de parcelamento do IR a pagar

 

uniprime norte pr 22 04 2019A Uniprime disponibiliza crédito rápido para os cooperados que desejam financiar o valor do Imposto de Renda (IR) a pagar. De acordo com a Receita Federal, o contribuinte que tiver imposto a pagar pode dividir o valor em 8 vezes, acrescido de juros, com a primeira parcela com vencimento em abril. A vantagem de financiar esse valor pela Uniprime é que a cooperativa realiza o parcelamento em até 10 vezes. O cooperado recebe o Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) devidamente quitado e os pagamentos para Uniprime são feitos através de débito em conta, sem correr o risco de esquecer de pagar as parcelas.

 

Apresentação - Para adquirir o crédito, é preciso apresentar a Declaração do Imposto de Renda que deseja financiar, acompanhada do recibo do seu respectivo encaminhamento à Receita Federal. No caso de autuação, deve ser apresentado a notificação expedida pela Receita. O financiamento do Imposto de Renda pela cooperativa atende todos os perfis de cooperados, sejam eles PF ou PJ, e a Uniprime ainda retorna parte dos juros pagos na distribuição das sobras anuais.

 

Mais - Saiba mais em https://www.uniprimebr.com.br/servico.php?produto=financiamento-de-imposto-de-renda-a-pagar&id=43&c_id=16&classe=PF. (Imprensa Uniprime Norte do Paraná)

SICOOB UNICOOB: App Sicoob está de cara nova

 

sicoob unicoob 22 04 2019O app Sicoob, principal aplicativo que leva o nome da maior instituição financeira cooperativa do país, foi reformulado e está de cara nova. Dentre as principais mudanças, estão o design do aplicativo, que ficou mais moderno, atraente e intuitivo e novas funcionalidades, a fim de tornar mais fácil e eficiente a realização das transações, em poucos cliques. Além da melhoria no visual, o leitor de código de barras foi aperfeiçoado para maior agilidade dos pagamentos e foram criados atalhos para as funcionalidades mais utilizadas pelo cooperado.

 

Novos serviços - Novos serviços também foram agregados nesta versão, como a possibilidade de contratação de seguros de vida e residencial, a consulta de informações dos consórcios contratados e a emissão de comprovantes e cancelamento de agendamentos na funcionalidade de extrato da conta corrente. Destaque também para a nova função que permite a assinatura eletrônica de propostas e contratos dos produtos e serviços ofertados pelo Sicoob, validada apenas com a senha do cooperado no aplicativo.

 

Digitalização dos processos - De acordo com o diretor de Tecnologia do Sicoob, Antônio Vilaça Júnior, o objetivo da reformulação é incrementar a digitalização dos processos no sistema e dar mais um grande passo na jornada de transformação digital, com ganhos de eficiência para as cooperativas e melhoria na experiência dos usuários. Vale ressaltar que o app já é o principal canal de relacionamento dos cooperados e responde por mais de 50% das transações do Sicoob, sendo desenvolvido para todos os tipos de públicos, pessoas físicas ou jurídicas, independentemente da faixa etária e renda.

 

Programa de transformação - O Sicoob iniciou seu programa de transformação digital em 2017 e vem investindo não só no aplicativo mobile, mas em todos os pilares que mantêm a operação no ar. São constantes os investimentos em infraestrutura, armazenamento, processamento, monitoramento e segurança. O resultado disto é visto em seis premiações de revistas especializadas nos últimos anos, como, por exemplo, o prêmio Efinance 2018, para o App Sicoob e Open Banking. O aplicativo continua com a melhor avaliação nas lojas virtuais, dentre todos os apps de instituições financeiras do país.

 

Mais pessoas - “Acredito que o modelo cooperativista, portfólio completo de produtos e serviços, atendimento personalizado e a plataforma digital têm atraído cada vez mais pessoas de todas as idades para se associarem e usufruírem dos benefícios disponibilizados pelo maior sistema cooperativo financeiro do país”, finaliza Vilaça. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB OURO VERDE: Bons resultados são obtidos na ExpoLondrina 2019

 

sicoob ouro verde 22 04 2019O Sicoob Ouro Verde movimentou 20 milhões em negócios durante a ExpoLondrina 2019, em todas as linhas de crédito e produtos financeiros ofertados pela cooperativa. Muitos deles foram fechados durante o evento e outros serão finalizados após a feira. É o quarto ano consecutivo que a cooperativa participa da exposição oferecendo produtos e serviços com condições especiais para atender o produtor rural nas diversas fases de seu empreendimento.

 

Maior procura - Segundo o gerente de Negócios do Sicoob Ouro Verde, João Carlos Bernardeli, a maior procura foi pelo custeio antecipado da soja. Ele destaca que o valor movimentado em 2019 é bem significativo se comparado com os negócios fechados no ano passado no mesmo período. “Acredito que um dos motivos deste aumento no fechamento de propostas seja o crescimento na base de cooperados da cooperativa”, explica.

 

Linhas - Na feira, a singular operou com linhas de crédito próprias e linhas disponíveis ao produtor rural no sistema financeiro, com taxas diferenciadas para projetos de aquisição de máquinas, equipamentos e de sementes, além de custeios agropecuários.

 

Sicoob InvestFeira - Além das opções convencionais de crédito, durante a ExpoLondrina 2019 o produtor rural contou com o Sicoob InvestFeira. A linha própria permitia o financiamento de qualquer produto comercializado no evento, com taxas prefixadas que variavam de 9% a 12% ao ano e prazo para pagamento de até cinco anos.

 

Comunidade em geral - Além do público do agronegócio, a cooperativa ofertou produtos diferenciados para a comunidade em geral, como: seguros, consórcios de veículos, imóveis, maquinários e implementos agrícolas. Nesta linha, o destaque foi o consórcio.

 

Expectativa boa - Para o presidente do Conselho de Administração, Rafael de Giovani Netto, embora o crescimento da economia do país não tenha tido a velocidade esperada, a expectativa de mercado é boa para 2019. “O Sicoob teve um índice de liquidez em 2018 bastante expressivo, com uma queda acentuada de inadimplência, o que nos indica que o mercado apresentou melhoras”, esclarece.

 

Estande na Expo 2019 - O estande do Sicoob na ExpoLondrina 2019, com estrutura toda em contêineres, recebeu perto de 5 mil visitantes. Em um dos contêineres foram apresentadas ações sociais da cooperativa e através de um “tour por estações”, a comunidade foi convidada a participar de projetos sociais já existentes em Londrina realizando no final um cadastro para voluntariado. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

RAMO CRÉDITO: Cooperativas ocupam espaço deixado por bancos

 

ramo credito 22 04 2019O número de agências bancárias no Brasil teve queda de 10% nos últimos cinco anos: saiu de 23.126 em 2014 para 20.850, segundo o Banco Central. Entre as cinco maiores redes, quatro delas tiveram queda em seu atendimento físico. Por outro lado, as cooperativas de crédito saltaram de 4.277 pontos de atendimento para 5.391 no mesmo período, um crescimento de 26%.

 

Mesmos serviços - As instituições financeiras cooperativas oferecem os mesmos serviços financeiros de um banco tradicional. O diferencial está no fato de que os associados são donos do negócio e participam ativamente da gestão, por meio das assembleias. Por serem associados, os correntistas recebem de volta parte do resultado positivo da instituição, o que se convenciona chamar de sobras e que retornam ao cooperado de acordo com a sua movimentação financeira.

 

Origem - Historicamente, as cooperativas de crédito tiveram a sua origem em cidades do interior – não à toa, em muitas cidades pequenas, tratam-se das únicas instituições financeiras. O Sicredi, por exemplo, é a única rede em 202 cidades de todo o Brasil, e o mesmo ocorre com o Sicoob, em 258 municípios. No entanto, parte dessa expansão do cooperativismo de crédito está calcada em capitais, em regiões metropolitanas e em cidades de médio porte.

 

Inaugurações - O Sicredi vai inaugurar três novas agências no primeiro semestre em Curitiba, com um investimento de R$ 5 milhões. De 2015 para 2018, houve um salto de 8 para 13 pontos de atendimento – com previsão de atingir 17 ao fim de 2019 – na capital paranaense. Coincidentemente, alguns desses novos pontos estão justamente em locais que antes eram ocupados por bancos. Na Grande São Paulo, ocorreu o mesmo fenômeno: foram 20 novas agências inauguradas neste período pela cooperativa.

 

Rede física - “Não é uma estratégia de ocupar lugares nos quais tenha existido agência bancária. O mais relevante é formar uma rede física, que é necessária, apesar dos outros canais de relacionamento. Em torno dessa agência, os nossos pilares vão se fortalecendo”, afirma o presidente nacional do Sistema Sicredi e da Central PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock. Entre esses pilares, ele cita a preocupação com o atendimento, com a transparência (com duas prestações de contas anuais) e a participação ativa dos associados na gestão da cooperativa.

 

Relação mais familiar - “No interior, o cooperativismo é feito de amigo para amigo, em uma relação mais familiar. Nas maiores cidades, nós acabamos nem sequer conhecendo o vizinho que mora no mesmo prédio. É uma relação de confiança diferente, mais difícil de construir. Ela se dá pela proposta e pela forma de atuar”, analisa Francisco Reposse Junior, diretor de Desenvolvimento e Supervisão do Sicoob Confederação, destacando a relevância das agências físicas como uma espécie de garantia para obter novos associados nos centros urbanos.

 

Projeções - E as projeções não param por aí. Em 2018, o Sicoob inaugurou 211 novas agências em todo o país. Neste ano, já foram 75. “Há muita estrutura para ser inaugurada. É uma tendência de abrirmos até um certo limite, porque precisamos ocupar um espaço físico e sermos notados”, explica Reposse Junior. Ao todo, a rede do Sicoob somava, ao fim de 2018, 2.910 pontos de atendimento – um aumento de 28% em cinco anos.

 

Crescimento - O Sicredi conta com 1.684 agências em todo o país, com uma média de crescimento de 10% ao ano dos espaços físicos nos últimos cinco anos e uma projeção de inaugurar 200 novas unidades em 2019. “Nós temos data de inauguração, mas não temos histórico de data de fechamento. Enquanto o sócio tiver interesse em ter um ponto de encontro, a agência permanecerá aberta, apesar da tecnologia disponível para o seu relacionamento”, afirma Dasenbrock.

 

Soma - Atualmente, o cooperativismo de crédito no país soma mais de 10,5 milhões de pessoas – aproximadamente 5% do total da população do país. O crescimento do total de associados nos últimos cinco anos foi de 39% -- eram 7,5 milhões em 2014.

 

Consenso - Há consenso entre as duas instituições financeiras cooperativas de que os serviços do dia a dia são realizados, em sua maioria, por meio dos aplicativos ou sites bancários – o Sicoob informa que 74% de seus atendimentos são resolvidos de forma online. Dessa forma, há entendimento de que os pontos de atendimento físicos mudaram de figura, tornando-se também um espaço para orientações.

 

Estrutura - “As agências são estruturadas para atender por completo, até mesmo para quem pretende pagar uma conta. Mas queremos fazer mais atendimentos. Por isso, já pensamos em abrir unidades como pontos de aconselhamento – uma agência sem dinheiro – para discutir investimentos e financiamentos”, conta Reposse Junior, do Sicoob. De acordo com ele, os municípios do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte já contam com unidades com esse perfil.

 

Relacionamento - Para Dasenbrock, uma das principais diferenças entre os bancos e as cooperativas está na valorização de relacionamento. “As pessoas gostam de ser bem atendidas no meio rural e urbano. Nós formamos colaboradores para que atendam bem e entendam a oferta de serviços e produtos adequada para o público, seja no meio rural ou urbano”, diz.

 

Pontos - O Sicoob conta com um projeto de pontos de atendimento sem dinheiro em diversas cidades do Paraná: Mandirituba, Lupionópolis, Sabáudia, Siqueira Campos, Faxinal, Arapoti, Jardim Alegre, Manoel Ribas, Joaquim Távora, Piraí do Sul e Tibagi, no Paraná, além de Caxias do Sul e Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. O Sicredi também trabalha com um projeto piloto em Cafeara – a cerca de 87 quilômetros de Maringá, no interior do Paraná.

 

Violência e meio online: as justificativas dos bancos - O aumento de atendimentos pelo canal online e o crescimento da violência são as principais causas apontadas pelos bancos para a diminuição de sua rede física. “A redução do número de unidades físicas é um movimento de reposicionamento da rede de agências, coerente com as novas necessidades dos clientes e com o aumento da procura por atendimento em outros canais como internet, celular e agências digitais”, informou por meio de nota o Itaú Unibanco.

 

Adequação - O Bradesco afirmou que adequa as estruturas de acordo com o potencial de cada microrregião, “visando otimizar sua presença em todos os municípios brasileiros”. De acordo com a nota, o banco oferece “soluções financeiras e serviços, por intermédio dos canais mais adequados e que ofereçam a melhor experiência aos seus clientes, tanto nos canais físicos quanto nos digitais”.

 

Segurança - O Banco do Brasil, por outro lado, afirma que parte do fechamento se dá por questões de segurança. “Ações criminosas comprometem o funcionamento de agências do Banco do Brasil em todo o país. Esses ataques têm levado a contingenciamentos em algumas unidades, com a suspensão temporária ou mesmo definitiva do atendimento em alguns municípios”, alegou o banco, por meio de nota oficial.

 

Alternativa - O BB não informa o número de agências que sofreram ataques ou tiveram suas operações suspensas “por razões de segurança e estratégicas”. Como alternativa, o BB sugere o uso de agências mais próximas, bancos postais, correspondentes bancários e casas lotéricas para saques e consultas de saldos e extratos, além do atendimento online via site e aplicativo.

 

Risco assumido - Assim como os bancos, os problemas de segurança pública também afetam as cooperativas e são um risco assumido nesta expansão. “Quando explode um caixa e uma agência, é prejuízo. Isso resulta em juros mais altos. O dia em que o Brasil resolver isso, teremos dinheiro mais barato”, resume Manfred Dasenbrock, do Sicredi.

 

Custo - “Quando se coloca uma dinamite, o menor estrago é o dinheiro que ele leva. Isso é um problema de fato e um custo relevante para o sistema financeiro brasileiro”, acrescenta Francisco Reposse Junior, do Sicoob. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, em 2018, foram registradas 26 ocorrências de explosões a caixas eletrônicos no Paraná, uma redução de 49% frente a 2017, quando foram contabilizados 51 casos.

 

Uma expansão recente - Por muitos anos, a atuação das cooperativas de crédito foi restrita, até a promulgação da Lei Complementar 130/09, que completa uma década nesta semana. Nela, foi estabelecido que as “as competências legais do Conselho Monetário Nacional e do Banco Central do Brasil em relação às instituições financeiras aplicam-se às cooperativas de crédito”. “A partir dessa autorização, nós nos encorajamos e pudemos atuar em cidades grandes. Temos vinculação histórica com o meio rural, mas uma oferta de soluções financeiras para os dois públicos”, avalia Dasenbrock, do Sicredi.

 

Fortalecimento - Para Reposse Junior, do Sicoob, o fortalecimento das cooperativas de crédito se deu a partir do interior em razão da proximidade com as cooperativas agrícolas, que estavam, em sua maioria, em cidades com população até 300 mil pessoas. “A partir disso, as cooperativas de crédito começaram a se estruturar com mais serviços para ir além das cidades com mais de 300 mil habitantes”, diz.

 

Em queda - O número de agências físicas de bancos caiu quase 10% nos últimos cinco anos. Confira as 5 maiores redes e o total de agências do país entre 2014 e 2018.

 

Presença Física X Número de Associados - Total de cooperados no país saltou 39% no Brasil nos últimos cinco anos, expansão maior do que a da rede física. (Gazeta do Povo)

 

 

FOMENTO: BRDE tem como meta disponibilizar R$ 1 bilhão para o Paraná

 

fomento 22 04 2019O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) iniciou o ano de 2019 com o desafio de superar os resultados do ano anterior, manter a busca por novas fontes de recursos e investir R$ 1 bilhão no Paraná, por meio do apoio a produtores rurais, cooperativas, empresas de todos os tamanhos, empreendedores, comerciantes e prestadores de serviço.

 

Destaque - De janeiro para cá, foram destaque entre as operações do banco a contratação de financiamentos nas áreas de energias renováveis, inovação e infraestrutura. No período, BRDE ainda contabilizou R$ 124 milhões em operações de crédito contratadas.

 

Energia solar - Para energia solar fotovoltaica foram liberados R$ 6 milhões, para mais de 80 projetos de micro e pequeno porte. Na área de inovação, os projetos contratados e em análise, somente em 2019, já somam R$ 12,5 milhões.

 

Hidrelétrica - Na área de energia hidrelétrica, o BRDE apresenta em carteira mais de R$ 130 milhões em projetos, dos quais R$ 90 milhões foram protocolados em 2019. O volume de recursos investidos no primeiro quadrimestre pelo banco em todo o Paraná foi responsável pela geração de mais de 850 postos de trabalho.

 

Missão - “O BRDE tem a missão de, junto com a mão amiga do governo, ajudar os que produzem, os que geram emprego e riquezas, a construir um Paraná melhor”, diz o diretor Administrativo do Banco, Wilson Bley Lipski.

 

Balanço - O BRDE fechou 2018 com a contratação de R$ 2,36 bilhões em financiamentos na Região Sul, um crescimento de 7,4% nominais em relação a 2017. Somados aos recursos dos próprios empreendedores, os investimentos chegam a R$ 2,7 bilhões.

 

Paraná - Do total contratado, R$ 790,69 milhões foram investidos no Paraná, sendo R$ 233 milhões destinados a produtores rurais e R$ 159 milhões a micro, pequenas e médias empresas. Entre as parcerias, o destaque ficou com o sistema cooperativista de produção e crédito.

 

Cooperativas de crédito - A parceria com cooperativas de produção e de crédito permitiu que mais de 75% dos contratos fossem direcionados a pequenos e médios produtores. Uma das linhas mais procuradas foi o Fundo Clima, para financiamento de energia solar. O BRDE liderou os repasses da linha em 2018.

 

Parceiras de longa data - “As cooperativas são parceiras de longa data do BRDE e vamos reforçar ainda mais esse relacionamento, porque esse setor merece todo o nosso respeito”, acrescenta o diretor Wilson Lipski. “Afinal, as cooperativas representam 1,7 milhão de pessoas e têm um faturamento anual de cerca de R$ 96 bilhões”. (Agência de Notícias do Paraná)

 

PARALISAÇÃO: Caminhoneiros mantêm sinalização de greve dia 29

 

paralisacao 22 04 2019A semana será decisiva para uma possível greve dos caminhoneiros, previamente marcada para o dia 29 deste mês. Integrantes da Confederação Nacional dos Transportadores  Autônomos (CNTA) serão recebidos nesta segunda-feira (22/04) pelo ministro da  Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Depois que a Petrobras reajustou o diesel em 4,84% na quinta-feira (18/04), lideranças da categoria elevaram o tom da crítica ao governo. Caminhoneiros reclamam que não estão sendo ouvidos.

 

Aumento do diesel - De acordo com a CNTA, o reajuste do diesel "aumentou ainda mais a tensão instalada na categoria, que carrega desde o ano passado a frustração de não ter a Lei do Piso Mínimo do Frete cumprida".

 

Saídas - O caminhoneiro Wanderlei Alves, o Dedeco, de Curitiba, uma das lideranças, disse nete domingo (21/04) que só há duas saídas para evitar a greve. "Ou o governo faz valer o piso mínimo em todo o país no prazo máximo de três dias após essa reunião, ou reduz em torno de R$ 0,50 a R$ 0,60 o preço do diesel até que o piso comece a valer", disse. A principal fonte de insatisfação é o não cumprimento do piso para o frete, dizem os caminhoneiros. A categoria tentou uma paralisação em 30 de março, mas, com baixa adesão, lideranças decidiram recuar.

 

Divisão - Batizado como "Onyx Lorenzone" [sic], em referência ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o novo movimento divide a categoria, já que algumas entidades sindicais identificaram boa vontade no pacote anunciado dia 16 pelo governo.

 

Linha de crédito - Na ocasião o governo criou uma linha de crédito de R$ 30 mil por caminhoneiro para manutenção de veículos e compra de pneus, lançou o um cartão para pagamento prévio de combustível de forma a proteger o motorista de eventuais reajustes mais a liberação de R$ 2 bilhões para reparo das rodovias federais.

 

Consulta - A CNTA consultou sua base de associados - 140 sindicatos, nove federações e uma associação colaborativa - e concluiu que há "insatisfação generalizada".

 

Sem representatividade - Caminhoneiros se queixam que as lideranças que negociam com o Planalto não os representam. "Infelizmente o governo tem escutado lideranças que não têm caminhão, não sabem o custo que é ter um caminhão, quanto custa um pneu, quanto se gasta de óleo, não sabem quanto de média faz um caminhão", diz Wanderlei Alves, um dos líderes da categoria.

 

Chorão - Nas reuniões com o governo, a categoria vem sendo representada pelo caminhoneiro Wallace Landim, o Chorão, de Catalão (GO). Chorão contaria com a confiança do diretor do Sindicam (sindicato dos autônomos da Baixada Santista e Vale do Ribeira), José Cícero Rodrigues, e do presidente do Sinditac-VR (Volta Redonda e Sul Fluminense), Francisco Wild. Com influência em áreas bastante afetadas pela greve de 2018, ambos garantem que os caminhoneiros dessas regiões não vão aderir a uma greve neste momento. (Valor Econômico)

 

FOCUS: Mercado reduz pela 8ª vez previsão de crescimento do PIB em 2019

 

focus 22 04 2019A mediana das projeções do mercado para o crescimento da economia em 2019 foi reduzida de 1,95% para 1,71% na pesquisa semanal Focus divulgada pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira (22/04) com estimativas coletadas até o fim da semana passada. Trata-se da oitava queda consecutiva, numa série de cortes que teve início logo após divulgação do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) de 2018.

 

Novo corte - Para 2020, o ponto-médio das estimativas para a economia brasileira também sofreu novo corte, de 2,58% para 2,50% de expansão, a quinta redução seguida, vindo de um pico recente de 2,80% atingido no começo de março.

 

Março - Em março, acompanhando o movimento das principais consultorias e instituições financeiras do mercado, o BC reduziu sua estimativa para o crescimento da economia em 2019 para 2%, ante os 2,4% previstos no Relatório de Inflação (RI) de dezembro de 2018 para o calendário atual.

 

Crescimento - A economia brasileira cresceu 1,1% em 2018, após evolução de 0,1% no quarto trimestre daquele ano, frente aos três meses anteriores, feitos os ajustes sazonais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Inflação - A mediana das projeções dos economistas do mercado para a inflação oficial em 2019 voltou a cair, de 4,06% para 4,01%. No caso de 2020, o ponto-médio das expectativas para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) manteve-se em 4%, nível em que está desde que o Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou esse percentual como meta de inflação para o ano, em junho de 2017.

 

Top 5 - Entre os economistas que mais acertam as previsões, os chamados Top 5, de médio prazo, a mediana para a inflação subiu de 3,81% para 3,90% em 2019 e ficou em 4% para o ano que vem.

 

Próximos 12 meses - Para os próximos 12 meses, a pesquisa indicou queda na projeção, a sexta seguida, de 3,74% para 3,67% de aumento. Em março, o IPCA ficou em 0,75%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no começo de abril. No mesmo mês, o governo cortou a previsão oficial para o avanço do IPCA de 2019, de 4,25% para 3,8%, de acordo com o primeiro Relatório Bimestral de Receitas e Despesas do ano, instrumento por meio do qual o Ministério da Economia atualiza projeções para indicadores fiscais e macroeconômicos.

 

Meta - A meta de inflação perseguida pelo BC é de 4,25% em 2019, 4% em 2020 e 3,75% para 2021, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

 

Selic - A mediana das estimativas para a taxa básica de juros não sofreu alterações: manteve-se em 6,50% no fim de 2019 e em 7,50% no de 2020, tanto entre os economistas em geral quanto entre os campeões de acertos. Vale recordar que, em março, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa básica de juros pela oitava vez consecutiva em 6,5% ao ano, como esperado pelo mercado na primeira reunião sob o comando de Roberto Campos Neto, e

não se comprometeu com uma redução da taxa no futuro próximo.

 

Simétrico - O colegiado considerou que seu balanço de riscos agora está simétrico, ou seja, há um equilíbrio entre os fatores que podem contribuir para que a inflação fique acima ou abaixo dos percentuais projetados até 2020. Ainda assim, o Copom alertou que precisará de tempo para avaliar o comportamento da economia brasileira.

 

Próximo encontro - O próximo encontro da autoridade monetária para discussão do juro básico da economia ocorre nos dias 7 e 8 de maio.

 

Câmbio - Depois de dez semanas parada em R$ 3,70, a mediana das projeções dos economistas do mercado para o dólar no fim de 2019, voltou a oscilar, dessa vez em alta, para R$ 3,75. A última variação dessa estimativa havia ocorrido no Boletim Focus fechado em 1º de fevereiro, quando houve um corte, justamente de R$ 3,75 para os R$ 3,70 em que esteve até a semana passada.

 

2020 - Para 2020, a mediana das projeções já havia interrompido a estagnação de nove semanas em R$ 3,75 duas sondagens atrás e teve nova alta no relatório divulgado nesta segunda-feira, de R$ 3,78 para R$ 3,80.

 

Estável - Entre os economistas Top 5, de médio prazo, o ponto-médio das apostas permaneceu em R$ 3,70 no fim de 2019 e subiu de R$ 3,66 para R$ 3,67 em 2020. (Valor Econômico)

 

LEGISLATIVO: CCJ retoma análise da reforma da Previdência nesta terça

legislativo 22 04 2019A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados pode votar, nesta terça-feira (23/04), a proposta do Executivo para reforma da Previdência (PEC 6/19).

Discussão - A fase de discussão do texto já foi encerrada. Na semana passada, os deputados tentaram votar a proposta, mas a reunião acabou suspensa depois que o relator, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), disse que ia se reunir com parlamentares e líderes partidários para analisar eventuais mudanças em seu parecer. Foram apresentados 13 votos em separado, em contraponto ao parecer apresentado no último dia 9, recomendando a aprovação da proposta.

Entenda a tramitação da reforma da Previdência

Impasses - Vários integrantes da CCJ contestam o parecer e questionam pontos da reforma que podem ser considerados inconstitucionais ou então estão desvinculados da Previdência Social – como o fim do abono salarial para quem ganha mais de um salário mínimo e o fim da multa de 40% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para quem se aposenta e continua no emprego.

Mudanças - A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/19 pretende reformar o sistema de Previdência Social para os trabalhadores do setor privado e para os servidores públicos de todos os Poderes e de todos os entes federados (União, estados e municípios). A idade mínima para aposentar será de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres. Há regras de transição para os atuais contribuintes.

Veja os principais pontos da reforma da Previdência

Dispositivos - O texto também retira da Constituição vários dispositivos que hoje regem a Previdência Social, transferindo a regulamentação para lei complementar.

Reunião - A reunião da CCJ será realizada no plenário 1 a partir das 14h30. (Agência Câmara)

 

SAÚDE: Ministério da Saúde abre hoje segunda fase da vacinação contra gripe

saude 22 04 2019A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe entra em nova etapa nesta segunda-feira (22/04) em todo o país. A primeira fase, que teve início em 10 de abril, vacinou crianças, gestantes e puérperas. A partir desta segunda-feira (29/04), o Ministério da Saúde abrirá ao restante do público-alvo.

Quem são- A partir desta segunda, também podem receber a vacina trabalhadores da saúde, povos indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

Postos - De acordo com o ministério, 41,8 mil postos de vacinação estão à disposição da população. Além disso, 196,5 mil profissionais estão envolvidos, com a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

A doença- A influenza é uma doença sazonal, mais comum no inverno, que causa epidemias anuais, sendo que há anos com maior ou menor intensidade de circulação desse tipo de vírus e, consequentemente, maior ou menor número de casos e mortes.

Diferenças - No Brasil, devido a diferenças climáticas e geográficas, podem ocorrer diferentes intensidades de sazonalidade da influenza e em diferentes períodos nas unidades federadas. No caso específico do Amazonas, a circulação, de acordo com o ministério, segue o período sazonal da doença potencializado pelas chuvas e enchentes e consequente aglomeração de pessoas.

Casos registrados- Até o fim de março, antes do lançamento da campanha, foram registrados 255 casos de influenza em todo o país, com 55 mortes. Até o momento, o subtipo predominante no país é influenza A H1N1, com 162 casos e 41 óbitos. O Amazonas foi o estado com mais casos registrados: 118 casos e 33 mortes. Por isso, a campanha foi antecipada no estado. (Agência Brasil)

 

 


Versão para impressão


RODAPE