Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4554 | 11 de Abril de 2019

PR COOPERATIVO: Revista mostra a importância do crédito rural para o desenvolvimento agropecuário

pr cooperativo 11 04 2019“Em defesa do crédito rural.” Esta é a chamada de capa da edição 168 da revista Paraná Cooperativo, produzida pela Assessoria de Comunicação do Sistema Ocepar. A reportagem especial mostra a importância da manutenção do repasse de recursos para o setor agropecuário, que tem um peso importante para a economia nacional, e, ainda, como o cooperativismo está se mobilizando para evitar a redução no volume desse aporte. “O crédito rural é fundamental para o desenvolvimento e competividade da agropecuária brasileira. Se hoje o país é um dos grandes produtores e exportadores de alimentos do mundo, isso se deve muito à continuidade da política agrícola nacional que, desde a década de 1960 vem dando suporte aos agricultores e cooperativas”, afirma José Roberto Ricken na seção Palavra do Presidente. “No cooperativismo do Paraná, esse processo de expansão promove a melhoria de renda e a diversificação nas atividades dos cooperados, gerando emprego no campo e nas cidades... Por isso, a sinalização de descontinuidade da política agrícola nacional é uma situação grave e que preocupa o setor produtivo e cooperativista”, acrescenta Ricken.

Entrevista – A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, é a entrevistada deste número. Ela conta como deve superar o desafio do Mapa, de atender as expectativas do setor produtivo em relação ao Plano Agrícola e Pecuário da safra 2019/20, sem destoar dos anseios do governo de corte orçamentário em todas as áreas.

Outros destaques – A realização da primeira pré-assembleia do Sistema Ocepar, em março, juntamente com os Encontros de Núcleos Cooperativos, é um outro destaque da publicação do mês de abril, que traz ainda matérias sobre o mercado da soja, a celebração dos 87 anos do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Paraná (Sindileite/PR) e muito mais.

 

Clique aqui para conferir na íntegra o conteúdo da edição 168 da revista PR Cooperativo

 

 

SANIDADE: Fóruns regionais vão debater fim da vacinação contra aftosa

 

sanidade 11 04 2019O Governo do Estado vai promover em maio fóruns regionais em seis municípios para debater com entidades do setor agropecuário as ações necessárias para solicitação e reconhecimento do status de Área Livre de Febre Aftosa, sem Vacinação.

 

Eventos - Os eventos acontecem nas cidades de Paranavaí (dia 14), Cornélio Procópio (15), Curitiba (16), Guarapuava (21), Pato Branco (22) e Cascavel (23).

 

Programação - A promoção dos Fóruns tem o apoio da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento; Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Ministério da Agricultura, Sistema Faep/Senar, Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep), Emater e Sistema Ocepar, além de entidades locais que apoiam com recursos físicos, como a Prefeitura Municipal de Paranavaí, Sociedade Rural de Cornélio Procópio, Fiep, Unicentro e Sociedade Rural de Pato Branco.

 

Ranking nacional - Segundo o gerente de Saúde Animal da Adapar, Rafael Gonçalves Dias, o Paraná ocupa a primeira posição do ranking nacional na produção e exportação de frango de corte, e a terceira posição na produção de carne suína. As duas cadeias têm grande importância econômica para o Estado, e geram emprego e renda. A suinocultura, assim como a bovinocultura de corte, tem grande potencial de crescimento com o advento da suspensão da vacina contra febre aftosa, ao agregar valor aos seus produtos.

 

Aprimoramento - As ações de defesa agropecuária no Paraná vêm se aprimorando há muitos anos, atuando na fiscalização dentro das propriedades, no trânsito animal e nas indústrias que do setor de produtos de origem animal, além da realização de diagnósticos importantes para que as ações sejam efetivas e oportunas.

 

Parcerias - O serviço oficial do Estado conta ainda com parcerias estabelecidas com a iniciativa privada, universidades do Estado, e sociedade em geral, que sabem sua responsabilidade na troca de informações e apoio para que as ações de defesa agropecuária sejam eficazes. “Um dos principais pilares para um bom serviço de defesa agropecuária é a vigilância passiva, com a notificação por parte de médicos veterinários, responsáveis técnicos, academia, laboratórios e produtores rurais de qualquer suspeita de doença de interesse da defesa sanitária animal de forma rápida”, diz Rafael Gonçalves Dias.

 

Última campanha - A suspensão da vacina contra febre aftosa pelo Paraná, que pertence ao bloco V conforme definição do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), foi pleiteada pelo Estado para que a última campanha de vacinação seja em maio de 2019.

 

Auditorias - O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento entendeu, após duas auditorias no serviço veterinário oficial do estado, que o Paraná tem condições de suspender a vacinação e buscar o status de livre sem vacinação.

 

Mudanças - Entretanto, este processo gera algumas mudanças, principalmente no trânsito interestadual de animais de produção, a exemplo da proibição do ingresso de animais vacinados no Estado. Assim, todas as alterações devem ser comunicadas estrategicamente, antes de encerrar a campanha de vacinação de maio, a toda a sociedade, em especial aos agentes ligados ao agronegócio. (Agência de Notícias do Paraná)

 

sanidade tabela 11 04 2019

 

CÂMARA: Deputados defendem votar compensação da Lei Kandir ainda neste semestre

 

camara deputados 11 04 2019Deputados e demais participantes de audiência pública defenderam votar as regras de compensação da Lei Kandir (Lei Complementar 87/96) no Plenário da Câmara dos Deputados até o final do semestre. Eles participaram, na terça-feira (09/04), de reunião da Comissão de Finanças e Tributação para discutir o tema. O analista de Desenvolvimento Técnico da área tributária do Sistema Ocepar, Rogério Croscato, representou a Organização das Cooperativas Brasileira (OCB) no debate. 

 

Adaptação - Segundo o governador do Pará, Hélder Barbalho, o caminho a seguir é adaptar o texto aprovado em comissão especial da Câmara em 2017 para ser compatível com o teto de gastos aprovado em 2016 (Emenda Constitucional 95).

 

Compensação - O texto da comissão obriga a União a entregar anualmente, a partir de 2019, R$ 39 bilhões aos estados e ao Distrito Federal como compensação pela desoneração do ICMS das exportações. Para diluir o impacto orçamentário, o repasse será escalonado a partir de R$ 19,5 bilhões (50% da compensação) no primeiro ano de vigência da nova lei até atingir os 100% a partir do terceiro ano.

 

Número inicial - “Se estabelecermos um número inicial de R$ 9 bilhões, em 2020, até chegarmos a R$ 12 bilhões em 2023, será algo exequível pelo governo federal e permitirá uma compensação efetiva aos estados”, disse Barbalho.

 

Estados - Se não houver acordo para regulamentar a compensação, o governador defendeu que cada estado possa definir as alíquotas de ICMS de forma independente.

 

Adiamento - Barbalho sugeriu ainda adiar a discussão sobre o passivo não pago aos estados com possível encontro de contas entre as dívidas dos estados com a União – cerca de R$ 819 bilhões – e recursos não compensados de anos anteriores – aproximadamente R$ 646 bilhões, pelas contas do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

 

OCB - O representante da OCB, Rogério Croscato, disse que, caso a Lei Kandir seja revogada, haverá um aumento significativo no custo dos produtos exportados, reduzindo a competitividade do produto brasileiro no mercado internacional, perdendo o espaço conquistado nos últimos anos. “A redução nas exportações aumenta a oferta de produtos para o mercado interno em volume bem maior que a demanda, ocasionando queda nos preços pagos ao produtor rural. Isso seria muito ruim para o produtor rural”, ressaltou. 

 

Reforma da Previdência - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, condicionou a votação da matéria à aprovação da reforma da Previdência (PEC 6/19). “Se não fizermos [a reforma], não tenham dúvida, não é uma questão de vontade, o governo não poderá entregar essa pactuação da Lei Kandir", disse Maia, durante evento da 12ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios na terça-feira. Maia havia prometido inicialmente votar o texto até o final do mês passado. 

 

Momento oportuno - Para o deputado José Priante (MDB-PA), relator da comissão especial sobre a Lei Kandir em 2017, o momento é oportuno para a aprovação das regras. “Estamos com o prazo definido [fevereiro de 2020] pelo Supremo Tribunal Federal (STF) já contando. Temos aí cerca de dez meses para deliberarmos e entregarmos essa lei ao País”, comentou.

 

Dívida - O diretor-geral da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais, Germano Stevens, afirmou que os estados não aceitam que o governo federal não reconheça a dívida legal. “A gente sabe que a dívida é impagável. Mas no momento que aceitarmos que o governo não deve mais, não conseguiremos negociar.”

 

Impasse - Aprovada em 1996, a Lei Kandir regulamentou o ICMS, porém ficou mais conhecida por reduzir a arrecadação dos estados, ao prever casos de isenção desse tributo sobre produtos destinados à exportação.

 

Prazo - Em novembro de 2016, o Supremo Tribunal Federal deu ao Congresso Nacional prazo de um ano para aprovar uma nova lei fixando critérios para a compensação. Em 21 de fevereiro de 2019, o STF deu mais um ano para o Congresso definir as regras. (Com informações da Agência Câmara)

 

Clique no link para conferir a proposta na íntegra

PEC-6/2019

 

ENERGIA: Giro técnico promove visitas a usinas em Santa Catarina e Paraná

 

fontes alternativas 11 04 2019A Unidade de Referência Tecnológica da Embrapa Suínos e Aves, em Concórdia (SC), o Parque Eólico e Fotovoltaico Engie, em Tubarão (SC), o CS Bioenergia, que produz biogás de esgoto e resíduos orgânicos, em São José dos Pinhais (PR), e a Termoelétrica, em Carambeí (PR), são alguns dos pontos de parada do Giro Técnico que será realizado pelo Sistema Ocepar, com apoio do Centro Internacional de Energias Renováveis – Biogás (CIBiogás-ER), entre os dias 24 e 27 de abril, com partida de Cascavel, no Oeste do Paraná. 

 

Objetivo - “Estas visitas estão sendo promovidas com o intuito de proporcionar o aprimoramento de conhecimentos, realizar troca de experiências e capacitar os técnicos das cooperativas para tomada de decisão em investimentos de geração de energias renováveis, garantindo sustentabilidade e qualidade de energia para o setor cooperativista”, afirma o analista técnico de Desenvolvimento Técnico da área de mercado, Moisés K. Tokarski. 

 

Vagas - As vagas são limitadas e os profissionais das cooperativas paranaenses interessados em participar devem confirmar presença até sexta-feira (12/04), pelo e-mail jessica.costa@sistemaocepar.coop.br.

 

Clique aqui para confirmar na íntegra a programação do Giro Técnico

 

FOTO: Pixabay

 

COOPERATIVISMO: Inscrições ao Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão prosseguem até dia 30

premio 11 04 2019Estão abertas, até o dia 30 de abril, as inscrições ao Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão, edição 2019. Podem participar cooperativas singulares, centrais ou federações registradas e regularizadas com o Sistema OCB. Uma das novidades deste ano é a divisão em duas categorias: “Reguladas pelo Banco Central do Brasil (BC) e Agência Nacional de Saúde (ANS)” e “Não enquadradas no item anterior”.

Gratuita - A inscrição é gratuita e basta responder os Diagnósticos de Governança e Gestão do Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas do Sistema OCB (PDGC). Se a cooperativa ainda não faz parte do programa, é preciso escolher entre as categorias e indicar o seu nível de maturidade. Depois de preencher os instrumentos de Autoavaliação, é necessário confirmar a inscrição respondendo à pergunta que será gerada após o relatório.

Avaliação - Cada cooperativa é avaliada de acordo com a sua categoria e nível de maturidade selecionado. Aquelas que alcançarem a pontuação definida pela banca julgadora serão reconhecidas nas faixas em que se enquadrarem, dentro da categoria e nível de maturidade escolhidos no momento da inscrição. As faixas de reconhecimento em cada nível de maturidade são: Ouro, Prata e Bronze. Além disso, entre as reconhecidas, a cooperativa com as melhores práticas de Governança será eleita Destaque Governança Cooperativista.

O Prêmio - O Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão é realizado desde 2013 pelo Sistema OCB, a cada dois anos. É o reconhecimento em âmbito nacional das cooperativas que mais promovem o aumento da qualidade e da competitividade do modelo de negócio cooperativista. O objetivo é conhecer as cooperativas que estão avançando por meio da adoção e desenvolvimento de boas práticas de identidade cooperativista, governança e gestão, identificadas nas ferramentas de diagnóstico Sescoop. Saiba mais acessando: http://excelencia.premiosomoscoop.coop.br/.

Paraná - Inspirado no PDGC, o Paraná lançou, em 2016, o Programa de Excelência da Gestão do Cooperativismo Paranaense. “O objetivo principal dessa iniciativa é promover a evolução das práticas de gestão e de governança, que constituem a base de programas de melhoria contínua, ampliando, assim, sua competitividade, maximizando seus resultados e transformando os modelos de negócios das cooperativas cada vez mais eficientes”, afirma o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Alfredo Benedito Kugeratski Souza. O Programa conta atualmente com a adesão de 38 cooperativas do Paraná. De acordo com ele, a participação no Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão é importante especialmente porque valoriza e reconhece o trabalho que as cooperativas estão realizando nesta área. “É a consequência do empenho delas em melhorar cada vez mais a sua gestão”, acrescenta.

Mais informações- As cooperativas do Paraná interessadas em obter mais informações sobre o Prêmio e sobre o Programa de Excelência da Gestão do Cooperativismo Paranaense podem entrar em contato com Alfredo (alfredo.souza@sistemaocepar.coop.br / 41 3200 1144) ou Rodrigo Gandara Donini (rodrigo.donini@sistemaocepar.coop.br / 41 32001139).

 

DIA C: Papa Francisco abençoa o cooperativismo e o Dia de Cooperar

 

dia c 11 04 2019Durante a conferência papal realizada nesta quarta-feira (10/04), na Praça de São Pedro, no Vaticano, o Papa Francisco abençoou o cooperativismo por meio do maior movimento de voluntariado do segmento no Brasil - o Dia de Cooperar (Dia C). O presidente do Sistema Ocemg, Ronaldo Scucato, idealizador do programa, entregou pessoalmente ao Sumo Pontífice um material simbólico sobre a iniciativa, que já beneficiou mais de 8 milhões de pessoas no país, mobilizando 700 mil voluntários.

 

Desenvolvimento social - O Dia C foi criado pelo Sistema Ocemg, em 2009, com o objetivo de contribuir, através do voluntariado, com o desenvolvimento social das comunidades e transformar realidades, elevando a qualidade de vida das pessoas. A inciativa está alinhada com o 7º princípio cooperativista, de interesse pela comunidade, e ao valor da responsabilidade social.

 

Adesão - Ao longo dos anos, as cooperativas de todo o Brasil aderiram à ideia, por meio da mobilização do Sistema OCB, tornando o programa um grande movimento nacional que expressa a força do cooperativismo em prol das transformações sociais. Atualmente, o Dia C conta com a participação de mais de mil cooperativas, distribuídas em todos os estados brasileiros, e é reconhecido mundialmente como o maior programa de voluntariado cooperativista.

 

Visibilidade - "O Dia C foi construído para ir além da solidariedade e dar ainda mais visibilidade para o cooperativismo, fazendo com que a sociedade perceba que as cooperativas fazem muito mais que negócios, elas fomentam o desenvolvimento e a transformação social", enfatizou o presidente do Sistema Ocemg, Ronaldo Scucato.

 

Celebração - Além das iniciativas que são realizadas durante todo o ano, no primeiro sábado de julho as cooperativas celebram suas ações voluntárias em eventos que reúnem a comunidade, parceiros, empregados e cooperados, em uma grande celebração do Dia C.

 

Pessoas beneficiadas - São mais de um milhão de pessoas beneficiadas por ano em Minas, com 250 cooperativas envolvidas, 54 mil voluntários mobilizados nas atividades em uma média de 300 municípios mineiros. (Assessoria de Imprensa do Sistema Ocemg)

 

SICREDI: Participação no encontro do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito na Polônia

 

sicredi 11 04 2019Entre os dias 3 e 5 de abril, o Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados e atuação em 22 estados e no Distrito Federal – participou de encontro do Conselho de Administração do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (Woccu, na sigla original em inglês), realizado na cidade de Sopot, na Polônia.

 

Representantes - A instituição foi representada pelo presidente da SicrediPar, da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Woccu, Manfred Alfonso Dasenbrock, que juntamente aos demais integrantes do Conselho e executivos da entidade, discutiram temas estratégicos para o Woccu e os preparativos para a Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito, que acontecerá este ano nas Bahamas, de 28 a 31 de julho. De acordo com Dasenbrock, a escolha da Polônia como país sede do encontro aconteceu em função da longa história do país com o cooperativismo de crédito, assim como pela sua relevância para o segmento no apoio aos países vizinhos.

 

Oportunidade - “Tivemos a oportunidade de conhecer de perto o trabalho realizado na Polônia pela Associação Nacional de Cooperativas de Poupança e Crédito daquele país, além de trocar experiências e debater temas contemporâneos acerca do cooperativismo de crédito no mundo. O apoio do segmento a regiões que sofreram com desastres naturais e guerras e o relacionamento institucional com entidades como o Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia, por exemplo, foram algumas das principais pautas abordadas. Esses assuntos, entre outros como o trabalho desenvolvido pelo movimento global de mulheres, e o programa realizado junto aos jovens cooperativistas, serão alguns dos norteadores da Conferência do Woccu”, afirma Dasenbrock.

 

Reconhecimento - Durante o encontro na Polônia, o Woccu aprovou também a entrega do reconhecimento Distinguished Service Award para a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), reconhecendo a entidade pelos serviços prestados em prol do cooperativismo de crédito, em âmbito nacional e internacional. A honraria foi indicada anteriormente pelo Sicredi ao Woccu, que, por meio de um projeto, ilustrou a atuação da OCB em promover a disseminação do segmento, aproximando entidades ligadas a este ramo do cooperativismo e, consequentemente, fortalecendo-o como um todo dentro e fora do Brasil. O prêmio de distinção será entregue à OCB durante a Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito, em julho.

 

Cooperação - “O reconhecimento do Woccu leva em consideração todo o trabalho de cooperação da OCB em subsidiar o sistema de cooperativas de crédito no mundo, auxiliando-as em seu desenvolvimento e promovendo o modelo brasileiro de governança corporativa para outros países, como Uganda, México, Equador, Cuba, entre outros”, destaca Dasenbrock.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI PARANAPANEMA PR/SP: Firmados convênios de descontos exclusivos para medicamentos e exames, em Bandeirantes

 

Recentemente, a Sicredi Paranapanema PR/SP realizou duas novas parcerias importantes no município de Bandeirantes (PR), sendo elas firmadas com a Farmácia Teixeirinha e o Laboratório de Análises Clínicas São Marcos. 

 

Descontos - Os convênios assinados pelos proprietários das duas empresas e o gerente da agência Sicredi de Bandeirantes proporcionam aos associados da cooperativa descontos de 20% na compra de medicamentos tradicionais e 60% nos genéricos na Farmácia Teixeirinha e 20% de desconto nos exames oferecidos pelo Laboratório São Marcos. 

 

Missão - Para o gerente da agência, Otávio Silvestrini, poder firmar as duas novas parcerias é mais uma forma de cumprir com a missão do Sicredi. “Temos como propósito oferecer soluções além financeiras para nossos associados, dessa forma, poder proporcionar benefícios exclusivos com essas duas empresas de referência em nosso município é muito satisfatório. Estamos muito felizes.”, declarou. (Imprensa Sicredi Paranapanema PR/SP)

 

{vsig}2019/noticias/04/11/sicredi_paranapanema/{/vsig}

SICOOB OURO VERDE: Produtos e serviços são ofertados com condições especiais na ExpoLondrina 2019

 

sicoob ouro verde 11 04 2019Participando da ExpoLondrina pelo 4º ano consecutivo, o Sicoob Ouro Verde está oferecendo produtos e serviços com condições especiais para atender o produtor rural nas diversas fases de seu empreendimento.

 

Linhas - Durante a feira, a cooperativa está operando com linhas de crédito próprias e com as linhas disponíveis no sistema financeiro para apoiar o produtor rural, com taxas diferenciadas para projetos de aquisição de máquinas, equipamentos e de sementes, além de custeios agropecuários.

 

Custeio e investimento - “Trabalhamos com todas as linhas de financiamento do Governo Federal para custeio e investimento, além das linhas de crédito do BNDES. As opções mais procuradas na ExpoLondrina 2019 têm sido o Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota), cujas taxas de juros são de 6% ao ano e o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com taxas entre 2,5% e 4,6%”, afirma o gerente de negócios do Sicoob Ouro Verde, João Carlos Bernardeli.

 

InvestFeira - Além das opções convencionais de crédito, durante a ExpoLondrina 2019 o produtor rural pode contar com o Sicoob InvestFeira. A linha permite o financiamento de qualquer produto comercializado no evento, com taxas prefixadas que variam de 9% a 12% ao ano e tem prazo para pagamento de até cinco anos.

 

Vantagens - “O produtor rural pode aproveitar as vantagens do Sicoob InvestFeira para a aquisição de veículos utilitários de pequeno, médio ou grande porte, por exemplo. A linha também pode ser aplicada para o financiamento de projetos de energia fotovoltaica, que possibilita a geração de energia através da luz solar, representa economia e é mais sustentável”, complementa Bernardeli.

 

Maquininha - Os visitantes da ExpoLondrina 2019 também podem conhecer os benefícios da maquininha Sipag, que tem uma das menores taxas de mercado, com venda a prazo e recebimento de dinheiro à vista (antecipação de recebíveis), além da garantia de recebimento nas vendas nos cartões de crédito e débito, extrato detalhado das vendas e aceitação das maiores bandeiras do mercado.

 

Stand - Para apresentar suas soluções financeiras durante a ExpoLondrina 2019, o Sicoob Ouro Verde preparou um espaço especial para receber os visitantes. Localizado no mesmo local da edição anterior, (Pista Roberto Requião, em frente ao pavilhão Smart Agro) o stand também traz diversas atrações, entre elas, uma exposição multimídia que conta um pouco sobre as ações desenvolvidas pela cooperativa em prol da comunidade. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

FRÍSIA: Catálogo de Touros promove melhoria na produção leiteira dos Campos Gerais

 

frisia 11 04 2019Carambeí é um dos municípios que mais registraram crescimento no Valor de Produção Pecuária Leiteira nos Campos Gerais do Paraná, alcançando 973,5% entre os anos de 2000 e 2017. Um dos motivos para esse crescimento é a evolução genética bovina, que pode ser conferida na ExpoFrísia 2019. Entre as atrações da feira está a apresentação do 6º Catálogo de Touros da Intercooperação, com 76 animais das raças Holandês (variedades Preto e Branco e Vermelho e Branco) e Jersey. Promovida pela Frísia Cooperativa Agroindustrial, a ExpoFrísia vai acontecer entre os dias 25 e 27 de abril.

 

Boletim - Os dados de valor de produção pecuária foram divulgados no boletim do Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas (Nerepp) intitulado “Evolução do valor de produção pecuária de origem animal nos Campos Gerais”. O estudo é baseado nas informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e apresentado pelo doutor Alysson Luiz Stege, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

 

Seleção criteriosa - Apresentado desde 2014, o catálogo de touros é uma forma do associado da Frísia ter acesso a uma seleção criteriosa, feita pelos técnicos da cooperativa, com um refino genético bovino. O sêmen dos animais é dos Estados Unidos e Canadá.

 

Genética melhor - “A genética desses touros está melhor que a da edição passada, já que há uma natural evolução com o tempo. O catálogo terá 54 touros da variedade Holandês Preto e Branco, 18 Jersey e quatro na Holandês Vermelho e Branco”, explica Michael Warkentin, zootecnista da Frísia e responsável pelo catálogo. A presença dos touros Vermelho e Branco é uma novidade.

 

Estudo - Michael Warkentin conta que a Frísia tem um estudo com a Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) em que foi verificada a importância do Catálogo de Touros da Intercooperação. Os cooperados que adquiriram sêmen do catálogo para os seus animais tiveram melhora na produção de leite, na vida produtiva, qualidade nos úberes e nas pernas e pés, além do ganho em sólidos como gordura e proteína. Fato que agrega valor ao produto final (leite). “A genética exposta no catálogo da intercooperação deu um aumento significativo de produção e na média da região”, explica.

 

Genética e gestão - Como tradição, o catálogo de touros tem foco na melhoria da produção e na saúde dos animais. Entretanto, Warkentin lembra que, nos últimos três anos, a evolução na qualidade e quantidade de leite produzido, além do fator genético, teve como aliada a mudança de gestão nas propriedades dos cooperados. “O MDA (Master Dairy Administration) mudou a gestão das propriedades. O MDA é o pai desse avanço”, destaca o zootecnista da Frísia.

 

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

 

Programação ExpoFrísia 2019

25 de abril (quinta-feira)

15h às 18h – Julgamento da Raça Holandês Vermelho e Branco e Gado Jovem

18h – Solenidade de Abertura

19h – Clube de Bezerras

26 de abril (sexta-feira)

8h30 às 12h – Palestra sobre Pecuária de Leite

13h às 15h – Palestra sobre Pecuária de Suínos

15h às 18h – Julgamento da Raça Holandês Preto e Branco e Gado Jovem

18h às 20h – Julgamento da Raça Holandês Vermelho e Branco e Gado Adulto

27 de abril (sábado)

10h30 às 12h30 – Copa dos Apresentadores

14h às 17h30 – Julgamento da Raça Holandês Preto e Branco e Gado Adulto

17h30 – Premiação dos Produtores-destaque

18h30 – Solenidade de encerramento

 

SERVIÇO

ExpoFrísia 2019

25 a 27 de abril

Parque de Exposições Frísia, anexo Parque Histórico

Carambeí (PR)

www.expofrisia.com.br

Entrada gratuita

 

UNIMED PONTA GROSSA: Laboratório Unimed abre mais duas unidades em Ponta Grossa

 

unimed ponta grossa 11 04 2019Desde o dia 8 de abril, a rede de Laboratórios Unimed passou a contar com duas novas unidades em Ponta Grossa (PR), uma em Oficinas e outra no Jardim Carvalho. Com os novos postos, o laboratório de análises clínicas da cooperativa médica totaliza cinco unidades em dois anos. O presidente da Unimed Ponta Grossa, Rafael Francisco dos Santos, acredita que esse crescimento se deve a dois principais fatores: o aumento do número de clientes e a qualidade do serviço. 

 

Opção - “Boa parte dos nossos novos beneficiários optou pelo contrato que prevê a realização de exames exclusivamente no nosso laboratório. Outro fator importante é a credibilidade do serviço junto à comunidade e também aos nossos cooperados”, analisa.

 

Procedimentos - Atualmente, as unidades do laboratório de Uvaranas, Estrela e Santa Paula realizam, juntas, uma média de 29 mil exames por mês. No início das operações da até então única unidade, foram realizados cerca de 14.700 exames, em março de 2017. No mesmo período no ano seguinte, o aumento do volume de exames foi de 33,64%. Em março de 2019, já com três postos em funcionamento, o crescimento do número de exames, comparado ao ano anterior, foi de 29%.

 

Postos - Ainda no primeiro semestre deste ano, serão abertos os primeiros postos fora de Ponta Grossa, um em Castro e um em Carambeí. “Depois de Ponta Grossa, são os dois locais onde temos o maior número de beneficiários e entendemos que é necessário levar o mesmo serviço e a mesma qualidade para os nossos clientes que estão na área de ação”, explica Santos.

 

Tecnologia - Além da estrutura física, o investimento na rede própria por parte da cooperativa também é direcionado à tecnologia. O setor de microbiologia do laboratório é totalmente automatizado. É nessa área que acontece a identificação rápida de bactérias clinicamente significantes e é onde se realiza o teste de sensibilidade a antimicrobianos para essas bactérias. 

 

Rapidez - “O sistema automatizado fornece resultados rápidos sobre a maioria das bactérias aeróbias e anaeróbias, gram-positivas e gram-negativas, que infectam humanos. Isso permite uma identificação microbiana confiável, porque verifica a quantidade mais precisa do medicamento necessário e ajuda o médico a escolher o tratamento mais adequado com antibiótico”, esclarece Fernanda Hazouk, coordenadora do laboratório. (Imprensa Unimed)

 

Funcionamento - Os postos de Castro e Carambeí estão previstos para iniciar o funcionamento e partir de junho. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

 

SERVIÇO

Laboratório Unimed Jardim Carvalho

Endereço: Av. Monteiro Lobato, 1153

Horário de atendimento: segunda a sexta das 7h às 16h e sábado das 7h às 13h

Laboratório Unimed Oficinas

Endereço: Av. Visconde de Mauá, 2323

Horário de atendimento: segunda a sexta das 7h às 16h e sábado das 7h às 13h

 

COPACOL: Jogadores do Athletico PR visitam estande da cooperativa na Mercosuper

Os atletas Renan Lodi e Bruno Guimarães, destaques na temporada do Athletico Paranaense, foram a principal atração desta quarta-feira (10/04), do estande da Copacol na feira Mercosuper 2019, realizada na Expotrade Convention Center, em Pinhais região metropolitana de Curitiba.

Fila - Durante a visita, uma grande fila se formou na feira, chamando a atenção de todos os visitantes, que aproveitaram para tirar uma foto e pegar o autógrafo dos jogadores, que atenderam a todos com muita simpatia e carinho.

Ação - Segundo o superintendente comercial da Copacol, Valdemir Paulino dos Santos, além da divulgação dos produtos da linha de peixe e frango, por meio da parceria com o Athletico PR, foi possível proporcionar esta ação com todos os clientes e os visitantes da feira. (Imprensa Copacol)

{vsig}2019/noticias/04/11/copacol/{/vsig}

COAMO: Copa de Cooperados terá 63 equipes na regional Vale do Ivaí dia 27 de abril

 

coamo 11 04 2019Com um total de 63 equipes, inscritas e confirmadas, a primeira regional da Copa Coamo de Cooperados – Futebol Suíço terá sua etapa regional no dia 27 de abril, sábado, nos campos da Arcam nos Municípios de Engenheiro Beltrão, Fênix, São João do Ivaí, Ivaiporã e Faxinal. 

 

Vale do Ivaí - A Regional Vale do Ivaí terá campo 13 equipes pela etapa de Engenheiro Beltrão, sendo 2 por Quinta do Sol e 11 por Engenheiro Beltrão; 9 na etapa de São João do Ivaí; 19 na etapa de Ivaiporã; 11 na etapa de Fênix, com 6 por Barbosa Ferraz e 5 de Fênix, e 11 na etapa de Faxinal com  5 por Cruzmaltina, 3 por Marilândia do Sul e 3 por Faxinal.

 

Tabela de jogos - Após o encerramento das inscrições na terça-feira (09/04), agora as atenções dos dirigentes ficam por conta da participação dos congressos técnicos programados para os dias 15, 16 e 17 de abril, nas unidades da Arcam com o seguinte cronograma: 15 de abril (segunda-feira) às 10h30 em Faxinal e às 15h00 em Ivaiporã; dia 16 de abril (terça-feira) às 15h00 em Engenheiro Beltrão e no dia 17 de abril (quarta-feira) às 09h30 em São João do Ivaí e às 14h00 em Fênix.

 

Presença obrigatória - “Conforme consta no Regulamento Geral, é obrigatória a presença de um dirigente da equipe inscrita no seu respectivo Congresso Técnico, que tem o objetivo de apresentar informações importantes e a tabela com horário dos jogos mediante sorteio pelos participantes”, informa o coordenador geral da Copa Coamo, professor Paulo Gilmar Fuzeto.

 

Participantes - Confira a relação das equipes inscritas na Regional ale do Ivaí nas etapas de Engenheiro Beltrão, Fênix, São João do Ivaí, Ivaiporã e Faxinal. 

 

Engenheiro Beltrão - Pela etapa Engenheiro Beltrão, as equipes inscritas pela unidade de Engenheiro Beltrão: Conserva, Jumirim, Sussui, Sertãozinho, Unidos pela Costela, Família Pereira e Amigos, Tabajara, Barcem Lona F.C, Água  Palmital, Estrada 5, Figueira do Oeste ; e por Quinta do Sol: Amigos de Quinta do Sol e Irapuã.

 

Faxinal - Na etapa de Faxinal, por Cruzmaltina: Cruzmaltina Futebol Clube, Atlhetic Club Borrazópolis, Novo Itacolomi Futebol Clube, Kaloré Futebol Clube e Lageadão Esporte Clube; Faxinal:Faxinalzinho, Faxinal e Três Barras e por  Marilândia do Sul: Unidos do Barro Preto Futebol Clube,  Marilândia Esporte Clube e Santo Antonio do Palmital.

 

São João do Ivaí - Pela etapa de São João do Ivaí: Santa Luzia, Agua da Esperança, Agua Rica, Ferradura, Santa Rita, São Cristovão, A Província, Amigos da Costela e Vista Alegre.

 

Ivaiporã - Por Ivaiporã: Escolinha, Santa Luzia, Alto Porã, Beija Flor, Lidianópolis, Água da Laranjeira, São Luiz Esporte Clube, Placa Bem Te Vi, Pindauvinha Esporte Clube, Ouro Verde, Rio da Bulha,  Cruzeirinho, Baixada Santista A, Baixada Santista B, Arapuã, Barraquinha e Alecrim, Pindaúva, Ariranha do Ivaí e Botina na Bola.

 

Fênix - Na regional Fênix, por Barbosa Ferraz: União, São José, Sítio do Dinho, Santa Rosa, Raposinha e Atlético Barbosense, e por Fênix:  Quarenta Alqueires, União São Pedro, Misto, Galácticos  da Paineirinha e Três Estrelas. 

 

Regionais - As fases regionais da Copa Coamo serão realizadas de 27 de abril a 06 de julho compreendendo 33 etapas que irão classificar os 33 campeões para a grande final dia  27 de julho em Campo Mourão. Os atletas e dirigentes participantes da Copa Coamo são cooperados com cadastro ativo até 29/03/2019 e integrantes de uma única equipe da Unidade onde estiver cadastrado. 

 

Integração - “Cada equipe deverá inscrever no mínimo 10 (dez) atletas e no máximo 12 (doze) atletas, e inscrever também um técnico e um dirigente responsável. Durante o jogo cada equipe deverá manter no mínimo 3 (três) atletas nascidos até 31/12/1976. A Copa Coamo visa a integração dos cooperados nas atividades da Coamo despertando a consciência de participante na sociedade cooperativista. Bem como, a ampliação da sua inserção social e a confraternização com a família Coamo”, explica o gerente de Assistência Técnica, Marcelo Sumiya, presidente da Comissão Central Organizadora. (Imprensa Coamo)

 

COMIGO: Tecnoshow recebe autoridades

 

comigo 11 04 2019Uma das maiores feiras agropecuárias do país – a Tecnoshow Comigo – foi aberta oficialmente na segunda (08/04), na cidade de Rio Verde, interior goiano, e prossegue até sexta-feira (12/04). O evento é promovido pela Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo), há 18 anos, e movimenta não só o Centro-Oeste, mas todo o setor agropecuário do país, já que se especializou, ao longo do tempo, a gerar e difundir tecnologia, e ser o palco para apresentação de máquinas e equipamentos, palestras, exposição de Animais e dinâmicas de pecuária.

 

Cobrança - A abertura foi feita pelo presidente da Comigo, Antonio Chavaglia, que cobrou das autoridades presentes, a melhoria da infraestrutura para escoamento da produção agrícola e soluções para a questão do frete. O evento contou com a participação do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, do governador do estado de Goiás, Ronaldo Caiado, e da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, dentre outros.

 

Ferrovia Norte-Sul - Depois de ouvir o presidente da Comigo, o governador Ronaldo Caiado disse acreditar que a Ferrovia Norte-Sul, leiloada em 28/3, vai resolver os principais problemas com o frete de grãos da região. Em janeiro, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) visitou Rio Verde, a convite do govenador. Entre as reinvindicações que recebeu estava a recuperação da BR-452. A respeito das rodovias goianas, Caiado afirmou que a solução imediata do Estado continua a ser os convênios assinados com as prefeituras para ajudarem nos reparos.

 

Frete - A ministra Tereza Cristina disse que a tabela do frete, que classificou como “perversa”, já está prejudicando tanto os caminhoneiros quanto o setor produtivo. Ela adiantou que no final de maio a USP divulgará um estudo, com a proposta de uma tabela. “Mas o ideal é que a tabela caísse, pois, afinal, vivemos em uma economia aberta”, defendeu. “Precisamos sentar e conversar, para chegar a um entendimento entre as partes e não criar lei e tabelamento”, acrescentou.

 

Conversas - A ministra acrescentou que tem conversado muito sobre o problema com seu colega, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, responsável por conduzir o assunto dentro do governo e junto ao Supremo Tribunal Federal.

 

Cooperativismo - A ministra destacou também que o sistema cooperativista é a base do funcionamento da Tecnoshow Comigo. “Eu vinha conversando com o presidente da OCB, Márcio Freitas, que me explicou que tudo que a Comigo recebe de soja ela agrega valor, não sai um grão daqui sem agregação de valor. Isso só pode ser feito com o cooperativismo. Eu acho que este sistema é exemplo para o Brasil todo. Eu tenho andado muito pelo país nesses três meses de governo e tenho pregado o cooperativismo como forma de se desenvolver o Brasil”, frisou.

 

Compromisso - Para Márcio Freitas, a Tecnoshow Comigo é a materialização do compromisso da cooperativa Comigo com a economia do país. “É surpreendente o que a Comigo consegue fazer de um ano para o outro, sempre com foco no homem do campo, coordenando esforços de muitos atores com o objetivo de realizar essa feira. Sem sombra de dúvidas, esse evento já é um marco na história das feiras agropecuárias brasileiras, devido à sua grande contribuição na transferência de tecnologia e geração de negócios”, avaliou o presidente da OCB.

 

União - O cooperativista também fez questão de destacar que, mais do que nunca, é necessária a união entre todos os integrantes do setor produtivo. “Somente unidos teremos força para cobrar dos nossos representantes políticos, as ações que devem corrigir os rumos econômicos do país. Uma dessas ações, por exemplo, é a aprovação da nova previdência”, comentou. (OCB, com informações da Comigo e do Mapa)

 

FICHA TÉCNICA

18ª TECNOSHOW COMIGO

Data: 8 a 12 de abril

Local: Centro Tecnológico COMIGO (CTC) - Rio Verde – GO (Anel Viário Paulo Campos, Km 7, Zona Rural)

Nº Expositores: 580

Horário: 8 às 18 horas

Serviço: Geração e Difusão de Tecnologias Agropecuárias, Exposição de Máquinas e Equipamentos, Palestras, Exposição de Animais e Dinâmicas de Pecuária.

Site: www.tecnoshowcomigo.com.br | Twitter e Instagram: @tecnoshowcomigo

 

LÁCTEOS: Inscrições do segundo lote para o Interleite Sul 2019 encerram no dia 20 de abril

 

lacteos 11 04 2019As questões mais atuais que envolvem a cadeia produtiva do leite estarão em pauta no mais qualificado e respeitado seminário técnico e mercadológico do setor – o Interleite Sul 2019 – programado para os dias 8 e 9 de maio, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nês, em Chapecó (SC). O segundo lote de inscrições é válido até o dia 20 de abril e traz preço exclusivo com 20% de desconto: estudantes pagam 200 reais e profissionais, 312 reais. 

 

Site - Através do site Interleite Sul é possível conferir a programação e garantir a inscrição. Basta acessar http://www.interleite.com.br/sul/.

 

Agenda de crescimento - O CEO da AgriPoint Marcelo Pereira de Carvalho antecipa que o evento tratará da agenda de crescimento e dos desafios para o leite no Sul do País. “Nossa equipe conversou com vários profissionais e pessoas ligadas à atividade leiteira para elaborar a programação e definir temas e palestrantes de cada painel”. 

 

Principais mudanças - O seminário tem como princípio apresentar as principais mudanças que estão ocorrendo na cadeia, as tecnologias no campo, a aproximação entre indústrias e produtores. Neste ano, também traz temas que focalizam os consumidores, suas expectativas e exigências. “A ideia é fazermos uma conexão da cadeia, envolvendo produção, tecnologia, indústria e consumo”.

 

Painéis - Os principais painéis abordarão os temas Economia e Mercado; Estratégias de Negócio para Viabilizar o Produtor de Leite Familiar; Obtendo o Máximo da Produção de Silagem; Otimizando o Investimento na Propriedade Leiteira Para Ganhar Dinheiro; Conforto e Bem-Estar Animal e Um Olhar Sobre o Novo.

 

Discussão - Assuntos fundamentais para a cadeia leiteira também serão, através dos painéis, colocados em discussão. “Chega uma hora em que a propriedade atinge um limite, além de notarmos um envelhecimento da população e desafios com relação à sucessão. Queremos falar dessa conjuntura apontando casos de sucesso e as oportunidades para os produtores que estão passando por isso”.

 

Temas - Também estarão em pauta temas como automação e robótica, terceirização de atividades, otimização de investimentos. (Assessoria de Imprensa do evento)

 

INVESTIGAÇÃO: PF aponta sobrepreço de R$ 38,9 milhões em contratos de rodovias no Paraná

 

investigacao 11 04 2019Três laudos da perícia da Polícia Federal (PF) apontaram sobrepreço de R$ 38.970.638,99 em contratos ligados a rodovias no Paraná que são alvo da Operação Integração - investigação sobre concessão de vias federais que liga o governo Beto Richa (PSDB) a supostos desvios e propinas. Os relatórios foram produzidos nos dias 18, 27 e 29 de março. A maioria das empresas preferiu não se manifestar à reportagem.

 

Contrato de obras na BR-376 - O parecer 0445/2019 analisou o contrato 14.244, de 29 de setembro de 2016 entre a concessionária Rodonorte e o Consórcio J. Malucelli Greca. Segundo a PF o acordo foi firmado para "a execução das obras de duplicação da rodovia BR-376, pistas Norte e Sul, com construção da nova pista e recuperação dos trechos 03 a 14 (exceto trechos 06, 07, 11 e 13), pelo valor estimado de R$ 284.743.057,06".

 

Contrato - A PF apontou que, em 24 de abril de 2018, o 5º Termo de Aditivo passou o contrato do Consórcio J. Malucelli Greca para a empresa J. Malucelli. Os peritos analisaram documentos para verificar "a possível existência de preços pagos acima dos referenciais de mercado (sobrepreço) e eventual desequilíbrio econômico-financeiro durante sua execução (jogo de planilha)".

 

Valor - "No contrato nº 14.244/2016, celebrado entre a empresa J. Malucelli e a concessionária de rodovias Rodonorte, foi verificado um sobrepreço de R$ 24.336.231,32, equivalente a uma majoração aproximada de 18% nos preços pagos pelos serviços analisados", apontou a PF. "Não se identificou alteração do equilíbrio econômico-financeiro do contrato."

 

Maior impacto - A perícia apontou que "o serviço de maior impacto no contrato 14.244/2016 é da Base de Brita Graduada tratada com cimento, a um preço unitário contratado de R$ 245,83/m³". A Federal identificou "serviço similar previsto no bojo do contrato 560/2014 da Prefeitura Municipal de Maringá ao preço de R$ 198 43/m³, muito próximo à referência adotada neste laudo".

 

Sinalização - "Nesse mesmo contrato, a sinalização horizontal foi paga ao valor de R$ 17,15/m², enquanto no contrato da J. Malucelli praticou-se o valor de R$ 108,79/m². Outro serviço que pode ser comparado foi o de demolição de pavimento. O preço unitário contratado entre a J. Malucelli e a Rodonorte foi de R$ 36,26/m³ enquanto no contrato 068/2016 da Prefeitura de São José dos Pinhais foi de R$ 22,29/m³, abaixo, inclusive, do valor considerado pela perícia neste laudo", apontou a PF.

 

Desmatamento e limpeza - “Nesse mesmo contrato, o serviço de desmatamento e limpeza foi contratado pelo valor de R$ 0,55/m², enquanto no contrato questionado foi pago R$ 1,44/m². Mesma circunstância observada no preço da compactação de aterros 100% PN, onde naquele contrato foi pago R$3,26/m³ e no contrato em análise estabelecido o preço de R$ 5 30/m³.”

 

Contrato entre Econorte e Triunfo - O segundo laudo dos peritos da PF analisou o contrato n° 025/2013, firmado em 16 de maio de 2013 entre a Econorte e a Construtora Triunfo. A Federal relatou que o acordo foi fechado por R$ 123.608.619,50 para obras de manutenção, restauração, drenagem, artes correntes, obras complementares e sinalização das rodovias BR-153, BR-369, PR-323, PR-855, PR-445 e PR-862, em diversos trechos, ao longo dos anos de 2013 a 2017.

 

Parecer - O parecer narrou que, em 8 de janeiro de 2015, o contrato foi cedido pela Triunfo para a empresa Compasa do Brasil Distribuidora de Derivados de Petróleo os trechos de manutenção e conservação relativos ao período de 2015 a 2017. Segundo a Federal, após a transferência, "o objeto original de contrato da empresa Construtora Triunfo ficou restrito às obras previstas para os anos de 2013 e 2014 que importam, em valores contratuais, na quantia de R$ 63.116.592,14".

 

2013 e 2014 - "Na presente análise foram considerados apenas os valores referentes aos serviços programados para os anos de 2013 e 2014, uma vez que o contrato foi cedido a outra empresa no ano de 2015", registrou a PF.

 

Planilhas - “No contrato nº 025/2013, celebrado entre a Construtora Triunfo e a concessionária de rodovias Econorte, foi verificado um sobrepreço de R$ 6.696.532,83, equivalente a uma majoração aproximada de 22% nos preços pagos pelos serviços analisados em relação à tabela do DER/PR. As planilhas de medição encaminhadas acham-se incompletas o que torna inviável a análise de desequilíbrio econômico-financeiro do contrato.”

 

Comparativo - A perícia comparou preços praticados no contrato com o contrato do lote 3.1 da Linha Verde em maio de 2015, Segundo a PF, "o preço para serviço de fresagem previsto no contrato com a Construtora Triunfo (R$ 219 76/m³) foi orçado 65% acima do preço pactuado pela Prefeitura de Curitiba (R$ 133,48/m³)".

 

Microinvestimentos - "No tocante ao serviço de microrevestimento à frio com polímero, enquanto no contrato da Triunfo pactuou-se o preço de R$ 7,58/m² para uma espessura de 8mm, no contrato da Linha Verde pactuou-se um preço de R$ 11,41/m² para uma espessura de 15mm, quase o dobro do volume de material", registrou a perícia.

 

Outra comparação - “Uma outra comparação pode ser feita com o contrato da Prefeitura de Cascavel (155/2013), mais contemporâneo à obra em exame, onde o preço dos serviços de revestimento asfáltico com CBUQ foram pagos a R$ 205/ton, enquanto no contrato firmado pela Triunfo pagou-se R$ 264,28/ton.”

 

Contrato com a Ecovia - O terceiro laudo da perícia investigou o contrato 007, de 28 de março de 2014 entre a concessionária Ecovia Caminhos do Mar e Engenharia e Construções CSO. O acordo de R$ 35 milhões tratou da manutenção e da conservação das rodovias BR-277, PR-804, PR-508, PR-407 e PR-408. "No contrato nº 007/2014, celebrado entre a empresa Engenharia e Construções CSO e a concessionária de rodovias Ecovia Caminhos do Mar, foi verificado um sobrepreço de R$ 7.937.874,84, que representa um valor médio de 35% acima da referência pericial", apontou a perícia.

 

Quantidades  previstas - “Nas planilhas de medições apresentadas não se acha devidamente esclarecido quais são as quantidades previstas inicialmente em contrato, impossibilitando a análise de desequilíbrio econômico-financeiro do contrato.”

 

O que dizem as defesas dos citados - A J. Malucelli Construtora informa que "desconhece os valores apresentados pela Rodonorte ao DER/PR. Porém o valor do contrato é expressivamente inferior ao que indica o relatório. Além disso trata-se de uma contratação feita mediante concorrência privada pelo menor preço, o que por si só já afastaria qualquer indicação de irregularidade".

 

Sem manifestação - Procuradas pela reportagem, Rodonorte, Econorte, Ecovia Caminhos do Mar e Triunfo informaram que não vão se manifestar. (Gazeta do Povo)

 

ECONOMIA I: Inflação oficial sobe para 0,75% em março, diz IBGE

 

economia I 11 04 2019O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial subiu para 0,75% em março deste ano. Em fevereiro, a taxa havia sido de 0,43%. A taxa também ficou acima do 0,09% de março do ano passado. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (10/04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula taxas de inflação de 1,51% no ano e 4,58% em 12 meses.

 

Março - A taxa de março foi a maior para o mês desde 2015 (1,32%). O acumulado do ano é o maior para um primeiro trimestre desde 2016 (2,62%). O acumulado em 12 meses é o maior desde fevereiro de 2017 (4,76%).

 

Influências - Segundo o IBGE, a inflação de março foi fortemente influenciada pelas altas de preços dos alimentos e bebidas (1,37%) e dos transportes (1,44%), que responderam por 80% da taxa de inflação no mês.

 

Consumo em casa - Os alimentos para consumir em casa ficaram 2,07% mais caros no mês. Entre os produtos alimentícios que influenciaram o comportamento da inflação estão o tomate (31,84%), a batata-inglesa (21,11%), o feijão-carioca (12,93%) e as frutas (4,26%).

 

Combustíveis - A alta dos transportes foi influenciada pelo preço dos combustíveis, que subiram 3,49% no mês. A gasolina ficou 2,88% mais cara e o etanol, 7,02%.

 

Outros grupos - Outros grupos de despesa que registraram aumento da taxa de fevereiro para março foram artigos de residência (de 0,2% para 0,27%) e vestuário (de -0,33% para 0,45%).

 

Taxas mais moderadas - Quatro grupos de despesa registraram inflação em março, mas com taxas mais moderadas do que no mês anterior: habitação (que caiu de 0,38% para 0,25%), saúde e cuidados pessoais (que caiu de 0,49% para 0,42%), despesas pessoais (que caiu de 0,18% para 0,16%) e educação (que caiu de 3,53% para 0,32%).

 

Comunicação - Comunicação foi o único grupo de despesas que registrou deflação (queda de preços) em março (-0,22%). Em fevereiro, havia registrado estabilidade de preços. (Agência Brasil)

 

ECONOMIA II: Carga tributária pode cair a 30% do PIB

 

economia II 11 04 2019O secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, prevê que, ao final dos quatro anos do governo Jair Bolsonaro, a carga tributária do País poderá estar próxima de 30% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2018, a carga fechou em 33,58%, segundo dados do Ministério da Economia.

 

Dependência - Em entrevista ao Estado, Cintra foi claro ao afirmar que não poderá entregar de imediato ao presidente Bolsonaro, com a reforma que está sendo preparada, a promessa de campanha de redução da carga tributária. Segundo ele, a diminuição do peso dos impostos dependerá do ajuste fiscal das contas púbicas, da política de desestatização e privatizações e da taxa de crescimento da economia brasileira. “A reforma da Previdência é corretiva de desvios e a tributária é de deslanche da economia”, avalia.

 

Ciclo virtuoso - Com a aprovação das reformas previdenciária e tributária, o secretário avalia que o Brasil entrará num ciclo virtuoso econômico, com a carga tributária podendo começar a cair. “Ao final dos quatro anos, estaremos reduzindo a carga tributária. Aí, quem sabe, vamos sair de 34% e chegar a 30% do PIB”, diz ele.

 

Recomendação - Próximo de Bolsonaro, Cintra tem tido as suas mensagens nas redes sociais sobre as mudanças tributárias em estudo pelo governo retuitadas pelo presidente. “Bolsonaro tem uma intuição política fantástica. A única instrução que tenho recebido dele é: ‘ faça o que tem que ser feito’”, conta. Segundo ele, a recomendação do presidente para a reforma tributária é “simplificar, desburocratizar e reduzir a carga tributária”. “Essa última não poderei entregar de imediato”, reconhece.

 

Isenção - Segundo o secretário, outra promessa de campanha do presidente é isentar do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) quem ganha até cinco salários mínimos (R$ 4.990). Para o secretário, o sistema brasileiro é caótico, injusto e impõe alto custo à produção. “O mundo está mudando tanto que os tributos convencionais estão ficando desajustados. Os sistemas convencionais são modelos que refletem um modo de produção e realidades que estão em franca substituição para o virtual”, diz.

 

Imediatas - Na avaliação do secretário, é preciso começar a fazer algumas reformas imediatamente, mesmo que elas sejam ainda convencionais “para esperar esse mundo novo que está chegando”.

 

Trabalho simultâneo - O secretário da Receita Federal avalia que a reforma tributária do governo poderá ser trabalhada simultaneamente com a PEC apresentada na Câmara pelo líder do MDB, deputado Baleia Rossi (SP).

 

Proposta - A proposta foi apresentada na semana passada na Câmara, depois que o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), articulou o início da discussão da reforma tributária em paralelo à reforma da Previdência, embora em velocidade mais lenta.

 

Contribuições - Segundo Cintra, essa proposta terá contribuições do projeto de Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), e também da proposta do ex-deputado Luiz Carlos Hauly, que já estava tramitando na Câmara.

 

Longo e intenso - Segundo ele, vai ser um “debate longo e intenso”, mas que envolverá muitas variáveis, como uma nova divisão da arrecadação dos tributos entre a União, Estados e municípios, que pressupõe o lema do chefe dele, o ministro da Economia Paulo Guedes, de “menos Brasília e mais Brasil”.

 

Base - A base será a criação de um tributo sobre consumo que vai ser chamado IBS (Imposto sobre Bens e Serviços). “No primeiro semestre, temos condição de fechar esta proposta”, afirma. Mas como a discussão é mais complexa porque vai envolver governadores e prefeitos, dificilmente será aprovada em um ano. O secretário leva em conta o histórico dos últimos 30 anos em que governos anteriores, desde o ex-presidente Fernando Collor de Mello, tentaram aprovar no Congresso essas mudanças.

 

Expectativa - A expectativa dele é que na segunda metade do governo Bolsonaro seja possível “acoplar” o imposto único federal a esse novo tributo de alcance nacional, que substituirá o ICMS (estadual) e o ISS (municipal). (O Estado de S.Paulo)

economia II tabela 11 04 2019

ECONOMIA III: Novo projeto do governo proporá autonomia do BC

 

economia III 11 04 2019O governo enviará ao Congresso um novo projeto de lei propondo a autonomia do Banco Central (BC). A iniciativa é parte do pacote de medidas anunciadas para os primeiros cem dias da gestão Bolsonaro, segundo informou nesta quarta-feira (10/04) o presidente do BC, Roberto Campos Neto.

 

Principal objetivo - "Não falei muito sobre esse projeto de autonomia, mas é um dos nossos principais objetivos. Já exaurimos toda a literatura acadêmica sobre as vantagens de ter isso", disse Campos Neto ao participar, em Nova York, de evento promovido pela XP Investimentos. "Basicamente, com as mesmas condições financeiras, podemos ter taxa de juros estrutural menor".

 

Selic - Quando a taxa básica de juros (Selic) - fixada pelo BC e que grosso modo reflete o custo de financiamento do governo, além de servir como parâmetro para o crédito de curto prazo - estava em dois dígitos, estudos estimavam que a autonomia formal da instituição provocaria redução estrutural de três pontos percentuais na Selic. Em tese, a autonomia elimina a possibilidade de interferência política nas decisões do BC.

 

Plano inicial - Inicialmente, o plano era aproveitar projeto sobre o tema que aguarda apenas votação em plenário para ser aprovado na Câmara. Substitutivo do deputado Celso Maldaner (MDB-SC) foi negociado, ainda durante o governo Temer, com o BC e o Ministério da Fazenda. 

 

Novo projeto - Para não contrariar dispositivo constitucional que determina que temas como a autonomia da autoridade monetária devem ser propostos pelo presidente da República, a Casa Civil decidiu elaborar novo projeto e anexá-lo ao que tramita na Câmara.

 

Autarquia - O substitutivo de Maldaner propõe a transformação do BC em autarquia sem subordinação a ministério - hoje, a instituição é vinculada ao Ministério da Economia - e mandato de quatro anos para seus dirigentes, não coincidente com o do presidente da República. Pela proposta, um diretor só poderia ser exonerado a pedido, em caso de condenação transitada em julgado ou, em certas circunstâncias, por decisão do próprio colegiado. (Valor Econômico)

 

Foto: Agência Brasil

 

INTERNACIONAL I: Brasil ameaça recorrer à OMC caso UE mantenha cota agrícola após Brexit

 

internacional I 11 04 2019O Brasil e outros oito grandes exportadores agrícolas vão advertir nesta quinta-feira (11/04) a União Europeia (UE) sobre uma possível denúncia na Organização Mundial do Comércio (OMC), se Bruxelas mantiver seu plano de reduzir cotas de importação de produtos agrícolas após o Brexit (saída do Reino Unido do mercado comum europeu).

 

Declaração comum - Ninguém sabe exatamente como ocorrerá o Brexit, diante do impasse no Reino Unido. Mas o Brasil, os EUA, a Austrália, a Nova Zelândia, o Canadá, o Uruguai, além da China e da Índia, levarão ao Comitê de Bens uma declaração comum ilustrando a inquietação de seus produtores sobre possíveis perdas de fatias de mercado.

 

Rejeição - Os exportadores agrícolas rejeitam o plano de Bruxelas, pela qual uma parte das atuais cotas (que permitem a entrada de produtos com tarifa menor) passaria a ser concedida pelo Reino Unido.

 

Mensagem - A mensagem na OMC é de que, se os europeus mantiverem o plano e não derem concessões aos exportadores, o problema acabará sendo levado aos juízes da entidade global.

 

Solução - Para os exportadores, se a UE perde um membro, é algo que Bruxelas deve resolver sem desmantelar as concessões feitas na OMC, pelas quais obteve contrapartidas importantes dos parceiros.

 

Estudo - Por outro lado, a Agência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad, na sigla em inglês) preparou um estudo avaliando que o Brasil pode ganhar cerca de US$ 1 bilhão com exportações adicionais para o Reino Unido no caso de uma saída do país sem acordo ("no deal" Brexit).

 

Ganho - Para a Unctad, o ganho deve vir com a redução de tarifas prometida por Londres. O principal beneficiário seria a China, com ganho de US$ 10,4 bilhões, seguida pelo Japão.

 

Maior perdedor - Já o maior perdedor, também no cenário de "no deal Brexit", seria a própria UE, com uma redução de vendas de US$ 34,5 bilhões para o mercado britânico.

 

Preocupação - Na verdade, entre negociadores, existe uma clara preocupação de que os europeus e os britânicos poderão chegar a um acordo favorecendo suas respectivas vendas em detrimento de parceiros de fora do continente.

 

Irlanda - Uma preocupação do Brasil é sobre como ficará a situação da Irlanda. O país pode perder fatias nos segmentos de carnes e de açúcar, por exemplo. O Brasil vem cobrando da UE também compensação por causa da imposição de salvaguarda na entrada do aço brasileiro. (Valor Econômico)

 

INTERNACIONAL II: Desejo do país de mudar de status na OMC provoca reação de China e Índia

 

internacional II 11 04 2019A China e a Índia começam a reagir mais ostensivamente ao anúncio do Brasil de que abrirá mão do Tratamento Especial e Diferenciado (TED) em futuros acordos da Organização Mundial do Comércio (OMC) em troca do apoio dos EUA à sua entrada na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

 

Pressão - O anúncio brasileiro elevou a pressão sobre Pequim e Nova Déli. Mas, na direção oposta à do Brasil, a China avisou nesta semana que não vai abdicar do TED. O porta-voz do Ministério de Comércio, Gao Feng, observou que Pequim manterá firme sua posição, mesmo que o Brasil tenha concordado com a demanda dos EUA.

 

Maior - Os chineses continuam a se intitular "a maior nação em desenvolvimento do mundo". Mas, na prática, sabem que não haverá qualquer acordo na OMC com Pequim obtendo tratamento diferenciado para implementar novos compromissos de liberalização.

 

Reunião - A Índia, por sua vez, organiza uma reunião com ministros de vários países em desenvolvimento nos dias 13 e 14 de maio em Nova Déli para discutir uma coalizão pela defesa de seus interesses na reforma da OMC. Um dos temas da agenda é justamente a manutenção do TED, alegando a condição de país em desenvolvimento.

 

Convite - O Brasil foi convidado pela Índia para participar da reunião de ministros. Brasília avalia ainda quem será o representante. Visivelmente, não será no nível de ministro, reduzindo a importância que dará ao evento.

 

Reações informais - Na cena comercial, as reações informais à decisão brasileira de abrir mão do TED em futuros acordos têm sido de elogio por países desenvolvidos e de preocupação por nações em desenvolvimento.

 

Real impacto - Vários parceiros demonstram não terem entendido ainda o real impacto da posição brasileira. O Itamaraty tentou dar uma resposta com uma nota que divulgou recentemente. O Itamaraty diz que o anúncio feito em março em Washington, de que o Brasil começará a abrir mão de TED nas negociações da OMC, não implica qualquer alteração ou redução da flexibilidade já existente em certas regras dos acordos comerciais vigentes.

 

Expectativa - A partir de agora, a expectativa é que o Brasil não vá formalizar que abre mão do status de país em desenvolvimento. O que acontecerá nas negociações é que não buscará o tratamento diferenciado como fez no passado. Já para a China e Índia, pelo menos na retórica, isso é algo pela qual vão continuar lutando. (Valor Econômico)

 

Foto: EBC

 


Versão para impressão


RODAPE