Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4552 | 09 de Abril de 2019

BALANÇO: Números consolidados de 2018 garantem mais de 19% de crescimento no cooperativismo do PR

 

balanco destaque 09 04 2019O Sistema Ocepar está divulgando os números consolidados do cooperativismo paranaense referentes ao exercício de 2018. As 215 cooperativas registradas na entidade atingiram crescimento em todos os indicadores sociais e econômicos em comparação com o ano anterior: o faturamento teve alta de 19,5%, alcançando o montante de R$ 83,7 bilhões; o número de associados expandiu 14,5%, passando para 1.768.253 cooperados e o número de pessoas empregadas subiu 8,8%, o que significa um total 101.228 funcionários no setor. Já as sobras tiveram aumento de 10,3%, somando R$ 3,1 bilhões. O cooperativismo paranaense também cresceu 11,4% em ativos, 10,1% em imobilizados e 10% em patrimônio líquido.

 

Representatividade - Em termos de faturamento, as cooperativas do ramo agropecuário respondem por 84,3% do total, seguido do ramo saúde (7,6%) e do crédito (7,4%). Quanto aos associados, o crédito se destaca por abranger 87,9% do total de cooperados, seguido do agro (9,7%) e da saúde (0,9%). Em relação à quantidade de pessoas empregadas diretamente, o agropecuário abrange 81,4% do total de funcionários, o crédito (11,9%) e a saúde (6,1%). 

 

Mais destaques - O ramo agropecuário se destaca ainda em exportações; em 2018 o saldo da balança comercial cooperativa foi positiva, atingindo US$ 3,5 bilhões. As cooperativas do ramo saúde possuem atualmente 2,1 milhões de beneficiários. Já as cooperativas de crédito contabilizaram R$ 19,5 bilhões em depósitos e 907 postos de atendimento. A frota do ramo transporte é composta por 2.556 unidade e as cooperativas do ramo infraestrutura, importantes por levar energia elétrica à população rural, possuem 8.097 pontos de energia. Clique nos ícones abaixo para conferir mais informações por ramo de atividade. 

 

Um dos melhores - “Esses são os números finais dos resultados alcançados pelo setor em 2018, fechados a partir de informações repassadas por nossas cooperativas. Eles mostram que, apesar das dificuldades enfrentadas diante do cenário econômico e político nacional, foi um dos melhores anos que já tivemos. Fatores novos ocorreram, especialmente em âmbito internacional, como o conflito comercial entre Estados Unidos e China, e acreditamos que o segundo semestre foi mais favorável para o setor que o primeiro”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

 

Reuniões institucionais - As informações consolidadas do cooperativismo paranaense serão apresentadas e comparadas com o desempenho individual de cada cooperativa nas reuniões institucionais, que começam a ser realizadas nesta terça-feira (09/04). “A primeira semana contará com reuniões nas cooperativas da região oeste do Estado. Além da análise econômica e financeira, também serão apresentados cenários macroeconômicos, o Programa de Compliance e uma avaliação da aplicação de recursos investidos em capacitação e profissionalização do Sescoop/PR”, informa o coordenador de Desempenho, João Gogola Neto, que participa desta primeira rodada dos encontros institucionais, juntamente com o superintendente da Ocepar Robson Mafioletti, o coordenador técnico Silvio Krinski e o coordenador de Desenvolvimento, Alfredo K. Souza.

 

Foto: Assessoria Copagril

 

cenario consolidado 09 04 2019 agropecuario 09 04 2019 consumo 09 04 2019 credito 09 04 2019 educacional 09 04 2019 habitacional 09 04 2019

infraestrutura 09 04 2019 saude 09 04 2019 trabalho 09 04 2019 transporte 09 04 2019 turismo lazer 09 04 2019

 

SISTEMA OCEPAR: Diretoria executiva discute plano de metas com funcionários

O cumprimento das metas de 2018 e o plano de ação para 2019 estiveram em pauta na reunião ocorrida na manhã desta segunda-feira (08/04), em Curitiba, entre a diretoria executiva e os funcionários das três entidades que integram o Sistema Ocepar: Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar) e Serviço Nacional de Aprendizagem (Sescoop/PR).

Índices – Levantamento feito pela coordenadoria de Planejamento e Controle aponta que todas alcançaram índices superiores a 90% em relação às atividades planejadas no ano passado. “Estou muito orgulhoso de vocês e tenho certeza de que vamos repetir esse resultado em 2019”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. “Vamos manter a qualidade do nosso trabalho. Não vou abri mão disso”, acrescentou.

Plano de ação – Ao final do encontro, foi exibido um vídeo com uma síntese das atividades que as três entidades pretendem executar neste ano. “Estamos bem organizados e nossa missão é desenvolver um trabalho sério, de muita responsabilidade e enorme importância”, frisou Ricken.

Profissionalização – Ainda de acordo com ele, o Sistema Ocepar continua empenhado em avançar na profissionalização da gestão da entidade. “É um processo que começou nos anos de 1990, na gestão de Dick de Geus, foi aperfeiçoado com João Paulo Koslovski (que ocupou a presidência de 1996 a 2016), quando foi instituído cargo de presidente executivo, e que pretendemos prosseguir aprimorando”, afirmou, lembrando que hoje ele conduz a entidade com o apoio de mais três superintendentes: Robson Mafioletti (Ocepar), Nelson Costa (Fecoopar) e Leonardo Boesche (Sescoop/PR), além dos gerentes e coordenadores de área.

{vsig}2019/noticias/04/09/sistema_ocepar/{/vsig}

 

 

CONFAZ: Publicado novo ajuste Sinief que contempla demanda das cooperativas

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) publicou, no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (09/04), diversos ajustes no Sistema Nacional Integrado de Informações Econômico - Fiscais (Sinief), entre eles, o Ajuste Sinief nº 7, de 05/04/2019, que inclui os Códigos Fiscal de Operações e Prestações (CFOP) de devoluções de fornecimento de bens do ato cooperativo. Esta medida complementa o Ajuste Sinief nº 11, de 05/07/2018, que não contemplava esse item.

Demanda - De acordo com o analista de Desenvolvimento Cooperativo do Sistema Ocepar, Devair Mem, o Ajuste Sinief nº 7 atende a uma demanda do setor cooperativista. “Houve um intenso trabalho conjunto do Sistema Ocepar, cooperativas e Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) no sentido de justificar e argumentar junto ao Confaz sobre a necessidade de publicar os CFOPs de devoluções de fornecimentos de bens de ato cooperativo. Ainda que não tenham sido contemplados outros tipos de operações que são realizadas pelas cooperativas com seus cooperados, pelo menos as saídas normais e suas eventuais devoluções estão atendidas. Agora, vamos aguardar a Secretaria de Estado da Fazenda do Paraná regulamentar esse ajuste para que ocorra a devida aplicação”, afirma Mem.

Clique aqui para conferir na íntegra o ajuste Sinief nº 7

RECEITA FEDERAL: Divulgadas informações sobre eventos não periódicos para o 3º grupo no eSocial

 

receita federal 09 04 2019A Receita Federal divulgou, na sexta-feira (05/04), informações para envio de eventos não periódicos para o 3º grupo de contribuintes em migração para o eSocial. As primeiras informações cadastrais já foram enviadas por meio dos eventos iniciais. É importante lembrar que esta terceira fase alcança os produtores rurais pessoas físicas empregadores. Os eventos não periódicos compõem as fichas de S-2190 a S-2399 do leiaute do eSocial, aprovado pelo Comitê Gestor do eSocial, que deverão ser enviadas a partir das 8h do dia 10 de abril, conforme previsto no Manual de Orientação do eSocial (MOS).

 

Clique aqui para saber mais sobre ao assunto

Fonte: http://portal.esocial.gov.br/noticias/envio-das-informacoes-de-eventos-nao-periodicos-para-o-3o-grupo-no-esocial

 

COOPERATIVISMO: Contagem regressiva para o 14º CBC

 

cooperativismo 09 04 2019Estamos nos aproximando da data do evento mais importante para as cooperativas do país: o Congresso Brasileiro do Cooperativismo (CBC), que está na 14ª edição e que será realizado pelo Sistema OCB, em Brasília, entre os dias 8 e 10 de maio. Os 1,5 mil participantes têm um único objetivo: planejar e construir, juntos, o futuro que querem para o movimento cooperativista do país.

 

Celebração - Considerado o mais importante do setor, o evento também marca a celebração dos 50 anos da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), que, aliás, surgiu a partir de um consenso durante o 4º CBC, em 1969. Desde então, realiza a representação nacional das cooperativas junto aos Três Poderes da República.

 

Temas - As discussões do 14º CBC serão pautadas em torno de seis temas: Comunicação, Governança e Gestão, Inovação, Intercooperação, Mercado e Representação. Os participantes do evento podem se preparar com antecedência por meio dos documentos-base, que trazem cenários e reflexões sobre cada assunto, além de sugestões de propostas, com o objetivo de ajudar a nortear os debates.

 

Mais - Se você é um congressista, saiba mais sobre os temas e se prepare com antecedência para debater o futuro do cooperativismo. Clique aqui 

 

Programação - A organização do CBC está concluindo os processos que definem a programação completa, mas confira aqui o que já está programado.

 

Inscrições - E se você ainda não está inscrito, procure a unidade do Sistema OCB no seu estado. As vagas são limitadas e estão acabando. Clique aqui para conhecer as regras da participação . (Informe OCB)

 

COAMO: Presente na Mercosuper 2019

Os Alimentos Coamo, por meio das marcas Coamo, Primê, Anniela e Sollus, participa mais uma vez da Mercosuper, entre os dias 9 e 11 de abril. Trata-se de uma das maiores feiras supermercadistas do país realizada pela Associação Paranaense de Supermercados que neste ano traz o tema “O sucesso não vem por acaso”. O evento será realizado no Centro de Eventos Expotrade em Pinhais, região metropolitana de Curitiba e contará com a presença de autoridades, supermercadistas, dentre outros profissionais do segmento.

Empresas - O evento reúne empresas de todo Brasil para apresentar novidades, promover debates e expandir os negócios. São 300 expositores, três palestras magnas e mais de 40 palestras, oficinas e workshops. Uma oportunidade que a Coamo valoriza conforme destaca o superintendente Comercial da Coamo, Alcir José Goldoni. “A Coamo por meio da sua linha alimentícia é tradicional da Mercosuper. É o momento que dedicamos aos nossos clientes para estreitar o relacionamento com a troca de ideias e informações da Coamo e da sua linha alimentícia, como também e principalmente agradecer a parceria. Também é um evento que nos permite prospectar novos negócios para a cooperativa.”

Alimentos de qualidade- Goldoni ainda ressalta que a Coamo tem alimentos de qualidade para apresentar. “Os Alimentos Coamo são diferenciados pela sua origem, que vem dos campos dos associados, donos da cooperativa. Eles produzem alimentos com responsabilidade e qualidade. Quando você sabe da onde vem a matéria-prima do alimento que se está industrializando é possível assegurar a segurança deste produto para o consumidor final. Essa qualidade começa nos campos com o uso de sementes de qualidade e certificadas e está em todas as demais etapas do processo de transporte e industrialização. ”

Imagem - Outra novidade dos Alimentos Coamo foi a renovação do uso de imagem da Ana Maria Braga como a personalidade dos Alimentos Coamo. O superintende Comercial da Coamo ressalta que “Nesse último ano a repercussão da mensagem sobre qualidade e sabor com economia foi fortalecida com a presença da Ana Maria Braga, nos meios de comunicação e nos pontos de vendas. Foi além das expectativas e nesse novo projeto apresentaremos novidades e que tornaram os Alimentos Coamo ainda mais diferenciados e que surpreenderão os clientes e consumidores.”

Satisfação - De acordo com o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, a Coamo participa há muitos anos da Mercosuper expondo os produtos industrializados do seu quadro social. “Este é um evento que participamos com grande satisfação. Sempre procuramos mostrar aos nossos parceiros a qualidade dos nossos produtos. É a produção dos associados da Coamo transformada em alimento seguro. E para atender a demanda que temos, estamos construindo em Dourados/MS, e que está em fase final, duas indústrias de produtos originados do soja, que nos permite duplicar a produção de óleo refinado, gordura vegetal e de margarinas”, enfatiza Gallassini.

Expectativa - Com uma expectativa de 30% de crescimento em relação a edição de 2018, a 38ª Feira e Convenção Paranaense de Supermercados deve reunir cerca de 45 mil varejistas de todo o Estado para a concretização de aproximadamente R$ 540 milhões em negócios. A feira cresceu 200% nos últimos quatro anos e se consolidou como um dos maiores e mais importantes eventos supermercadistas do país. Segundo o presidente da Apras, Pedro Joanir Zonta, todos os empresários estão comprometidos e engajados para o sucesso da feira. (Imprensa Coamo)

coamo 09 04 2019

 

CASTROLANDA: Troféu Agroleite completa 18 anos com novo regulamento

 

castrolanda 09 04 2019Ao chegar na 18ª edição, o Prêmio Troféu Agroleite apresenta um novo regulamento e nele novas categorias. O Troféu Agroleite é uma iniciativa da Castrolanda para a cadeia produtiva do leite. É concedido anualmente com o objetivo de homenagear e incentivar os melhores desempenhos e práticas do setor.

 

Categorias - Até então, o Prêmio era composto por 18 categorias eleitas exclusivamente pela internet, através do site do evento. Essas categorias eram divididas em: Genética, Nutrição, Medicamentos, Forragens, Sementes, Ordenhadeiras e Refrigeração, Equipamentos para Ensilagem, Equipamentos para Fenação, Tratores Agrícolas, Prestador de Serviços Agrícolas, Agente Financeiro, Associação de Produtor, Técnico do Ano, Produtor de Leite do Ano, Laticínios, Embalagens, Mídia Impressa e Mídia Digital. 

 

Novas regras - Com a mudança o Comitê Organizador definiu novas regras de votações e reorganizou as categorias para 11 troféus. São eles: Genética, Nutrição, Medicamentos, Bem-Estar, Sementes, Ordenha e Refrigeração, Máquinas e Equipamentos, Produtor de Leite, Agente Financeiro, Laticínios e Embalagens. 

 

Votações - As votações serão feitas através da internet no site oficial do evento (www.trofeuagroleite.com.br). A votação é aberta para todas as pessoas físicas através de um cadastro, incluindo o CPF (Cadastro de Pessoa Física). O período das votações será de 09 de abril até 30 de junho. 

 

Peso - Com o novo regulamento, há também o peso de voto da Castrolanda, a qual através do Comitê Organizador reserva o direito de substituir qualquer um dos finalistas indicados pela internet, caso entenda que este indicado não atenda os critérios das categorias do Prêmio. 

 

Indicação - Este Comitê também será responsável por indicar dois novos Prêmios pela Castrolanda, não necessariamente todo ano. O primeiro deles para Inovação, reconhecimento a uma inovação cujo desempenho reflete um benefício consistente e Agroleite Honorário, um prêmio concedido a uma personalidade e/ou associação pelo desempenho cujo esforço reflete a sua contribuição para a cadeia leiteira. 

 

Prazo - O sistema de votações da Castrolanda encerrará as indicações em 30 de junho, momento em que iniciará o processo de desenvolvimento dos resultados do Prêmio. A divulgação dos três finalistas em cada segmento será no dia 15 de julho. 

 

Cerimônia - A cerimônia está marcada para 14 de agosto (quarta-feira), no Memorial da Imigração Holandesa. 

 

Agroleite 2019 - O Agroleite 2019 será realizado no período de 13 a 17 de agosto, na Cidade do Leite e Parque de Exposições Dario Macedo, em Castro/PR. Confira as informações e a programação completa em www.agroleitecastrolanda.com.br. (Imprensa Castrolanda)

 

LÁCTEOS: Unium é o 3° maior laticínio do Brasil, segundo o Ranking Leite Brasil 2018

 

Foi divulgado pela Leite Brasil o resultado do 22º Ranking das Maiores Empresas de Laticínios do Brasil no ano de 2018. A pesquisa neste ano apresentou os dados das 13 maiores empresas do setor que tiveram um crescimento de 1,2% na captação de leite, somando um total de 7,5 bilhões de litros (cerca de 20,7 milhões de litros diários).

 

Estimativa - A estimativa da capacidade instalada de processamento de leite das empresas do ranking 2018 foi de 10,4 bilhões de litros ao ano (cerca de 28,5 milhões de litros diários); assim, os 13 maiores laticínios utilizaram cerca de 72,6% da sua capacidade em 2018. Vale destacar que em 2017, a capacidade utilizada foi de 62,1%, o que indica uma redução na ociosidade das indústrias.

 

Estagnação - Segundo Roberto Jank, vice-presidente da Leite Brasil, 2018 se configurou como mais um ano no qual o setor mostrou uma estagnação ou pequeno crescimento. “Por meio do levantamento notamos que por mais um ano andamos de lado. Esses 13 laticínios representam aproximadamente 30% da produção formal de leite no Brasil e basicamente eles não mudaram consideravelmente o percentual de leite total. Pelo 5º ano consecutivo, a captação expandiu ligeiramente”, disse.

 

Produção diária - A produção diária do produtor médio destas empresas cresceu 6,4% - crescimento menos vigoroso que os 7,1% do ano anterior, porém, maior que os 5,4% de 2016. A média de produção por produtor foi de 411 litros/dia contra 387 litros/dia do levantamento de 2017.

 

Produtores fornecedores - Também vale destacar que no ranking de 2017, o número de produtores fornecedores havia caído 5% e em 2018, a queda foi menor, de 3,2%.

 

Recuo - Em primeiro lugar no ranking, a Nestlé viu a sua captação recuar 4,6%, com uma média de 1,6 bilhão de litros.

 

Outras posições - Assim como no ano anterior, Laticínios Bela Vista (Piracanjuba) e Unium (Intercooperação de Lácteos das Cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, todas no Paraná) se posicionaram no segundo e terceiro lugar, respectivamente ambas com crescimento, de 4,9% e 0,3%.

 

Produção em alta - É interessante notar que a Nestlé, mesmo com redução de 22,9% no número de produtores de leite, aumentou em 12,6% a produção de leite por produtor/dia, o que mostra que a empresa vem focando em fornecedores mais produtivos e profissionais. O mesmo ocorre com a Unium, que teve queda de 12,1% no número de produtores, mas os litros de leite por produtor/dia expandiram 22,3%.

 

Tabela - Ranking dos 13 maiores laticínios por litros/produtor em 2018. Fonte dos dados: Leite Brasil, elaborado pela Equipe MilkPoint. Na quantidade de litros captada por produtor a Danone permaneceu apresentando a maior média, com 1.665 litros/produtor/dia. 

 

Volume - Este volume é 28,1% inferior ao ano de 2017, mas, 10,5% superior ao segundo colocado, a Unium, que teve média de 1.498 litros/produtor/dia e inclusive, o maior crescimento neste item dentre as outras empresas, de 22,3%. Queda na captação diária de leite por produtor foi verificada - além da Danone - na Centroleite (-7,7%), DPA Brasil (- 3,5%) e Frimesa (-1,5%). (Imprensa Capal)

 

lacteos tabela I 09 04 2019

lacteos tabela II 09 04 2019

COOPAVEL: Escola do campo vai alcançar 1,9 mil alunos

 

coopavel 09 04 2019A edição de 2019 do projeto Escola do Campo já começou em instituições de ensino de municípios da área de abrangência da Coopavel, nas regiões Oeste e Sudoeste do Paraná. Parceria da Unicoop (Universidade Coopavel) com Syngenta e Abrinq, o Escola do Campo leva informações sobre meio ambiente e preservação a alunos das quintas séries.

 

Abrangência - O coordenador da Unicoop, Antônio Augusto Putini, informa que são 80 as escolas envolvidas na edição que acaba de ser iniciada, com projeção de envolver 1,9 mil alunos nos debates e exercícios sobre meio ambiente. “Os professores são preparados para expor o conteúdo da forma mais didática e dinâmica possível, porque ao entender a mensagem o aluno se tornará um multiplicador da informação na família e também com os vizinhos”.

 

Aulas periódicas - O programa terá aulas periódicas e se estenderá até dezembro. No fim da apresentação dos conteúdos, os alunos serão convidados a resumir o que aprenderam em um trabalho. Uma comissão será então especialmente formada e vai escolher os melhores, que garantirão prêmios aos seus autores (alunos) e professores. A parceria da Unicoop com a Syngenta e a Abrinq existe há mais de 15 anos. “E tem sido um grande sucesso”, afirma Putini. (Imprensa Coopavel)

 

UNIPRIME NORTE DO PR: Lançado novo canal de conteúdo sobre educação financeira

 

uniprime norte pr 09 04 2019Em um período de dúvidas sobre o cenário econômico do país, o planejamento financeiro é essencial para quem busca uma vida organizada e segura. Ciente disso e colocando em prática o seu propósito de melhorar a vida financeira das pessoas, a Uniprime Norte do Paraná lançou nesta segunda-feira (08/04) um canal online com conteúdos sobre educação financeira. 

 

Compartilhamento - O objetivo do canal é compartilhar semanalmente notícias, dicas, esclarecimentos e assuntos relevantes que contribuam para o dia a dia dos cooperados e de toda sociedade. Todos os artigos serão desenvolvidos pela especialista com Certificação CFP®, Juliana Olivieri Refundini, Gerente de Agência da Uniprime.

 

Site - O canal está disponível no site da Uniprime Norte do Paraná, no menu Notícias, e novas publicações sobre educação financeira estarão disponíveis todas as segundas. O primeiro artigo já está no ar -->  https://bit.ly/2YWBQdk. (Imprensa Uniprime Norte do Paraná)

 

FRIMESA: Cooperando com a aquisição de piano e fomento do circuito cultural de música erudita

Medianeira, no Oeste do Paraná, recebeu o primeiro piano de cauda apoiado pela Frimesa por meio da Lei Rouanet que incentiva a cultura. O instrumento musical veio da Coreia do Sul, é do tamanho de um carro popular e pesa 415 quilos. O piano Samick NSG 228 marca a entrada do município no circuito cultural da música erudita no Estado.

Show - Na noite de sábado (06/04), a pianista internacional Danieli Longo faz um show gratuito no CPC Arandurá e marcou os inícios das atividades do projeto Bravíssimo, coordenado pela organização não-governamental, Unicultura.

Músicas - O concerto teve músicas de Villa-Lobos e do Ernesto Nazareth, mas a Danieli Longo, também tocou Debussy e Erick Satie. Em torno de 400 pessoas assistiram ao show.

Workshop - Na sexta e no sábado (05 e 06/04) aconteceu o workshop de Introdução à Música Clássica. A Unicultura fará oficinas todos os meses de 2019, que serão ministradas por Liana Justus, coautora de 11 livros publicados sobre música, dois deles finalistas do Prêmio Jabuti de 2008 e 2011, nos sábados pela manhã. Nas sextas, serão realizados concertos didáticos para os estudantes de Medianeira e região.

Pianista - De família catarinense, a pianista Danieli Longo mudou-se ainda criança para o Paraná e começou a estudar música em Campo Mourão, no Noroeste do Estado. Aprender a tocar piano levou a jovem para a Europa, onde se especializou. Ganhadora de prêmios, com turnês internacionais e doutorado em Piano, ela agora é professora do Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista).

Mais informações- Mais informações sobre os próximos cursos e concertos no site: www.bravissimo.art.br. (Imprensa Frimesa)

{vsig}2019/noticias/04/09/frimesa/{/vsig}

SICREDI PARANAPANEMA: Associado participará da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito

 

Pela primeira vez, um associado do Sicredi vai representar a instituição financeira cooperativa num dos principais eventos do setor: o World Credit Union Conference (WCUC), que acontece entre os dias 28 e 31 de julho deste ano, nas Bahamas. Guilherme Fernandes de Melo, de 23 anos, é coordenador de núcleo e membro do Comitê Jovem da Sicredi Paranapanema PR/SP em Cândido Mota (SP), e terá a oportunidade de apresentar no evento, dentro do programa World Young Credit Union People (WYCUP), o projeto social que coordenou na região.

 

Iniciativas relevantes - O WYCUP é destinado a cooperativistas de até 35 anos, que tenham desenvolvido iniciativas de relevância econômica e social nas regiões onde atuam as cooperativas de crédito. Este ano, o Sicredi participa do programa com 10 projetos inscritos, sendo 03 de associados e 07 de colaboradores, todos eles integrarão a comitiva brasileira, que contará com mais de 200 participantes. 

 

Prêmio final - Os cases inscritos no WYCUP concorrerão ao prêmio final, que dará direito ao vencedor de participar da próxima edição da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito, prevista para 2020, com todas as despesas pagas. Além dos 07 colaboradores e 03 associados responsáveis pelos cases que concorrem este ano, participarão os dois colaboradores do Sicredi premiados na edição de 2018: Carlos Antonio Soratto, colaborador da Cooperativa Sicredi Ouro Verde/MT, e Lucas Araújo dos Santos, colaborador da Cooperativa Sicredi Alta Noroeste/SP. Ao receber a notícia, durante uma reunião com dirigentes da cooperativa em Cândido Mota/SP, Guilherme celebrou. “Olhei para o passado para lembrar e avaliar tudo aquilo que semeei e entender o porquê a cada dia colho resultados positivos. Não tenho palavras para agradecer a oportunidade! Estou muito feliz”, celebra Melo.

 

Gratificante - “Para nós, da agência de Cândido Mota, é muito gratificante ter uma liderança jovem atuando como voluntário na transformação da comunidade, impactando pessoas e defendendo uma causa muito alinhada aos princípios do cooperativismo”, afirma a gerente da agência, Maria Angélica Sordi da Silva.

 

Formalização - A formalização do resultado ocorreu durante um café da manhã na agência do município, no dia 19 de março, e contou com a presença de dirigentes da cooperativa. Além do contemplado e da equipe de colaboradores da agência, estavam presentes o presidente da Sicredi Paranapanema PR/SP, Cláudio Marcos Orsini; o vice-presidente, Sérgio Luis Justo; os membros do conselho de administração Waldezique Lopes de Oliveira e Paulo Mitu Watanabe; o conselheiro fiscal, Eder Alves de Mello; o gerente de Relacionamento, Haraon Cesar; e a assessora de Desenvolvimento do Cooperativismo, Leonor Gomes da Silva.

 

Processo de escolha - Para definir o representante da cooperativa na WCUC foi realizada uma seleção a partir de projetos inscritos por participantes no Summit dos Comitês Jovens, realizado em Curitiba, em 2018. Com o tema Educação Financeira, o projeto vencedor desenvolvido por Guilherme Melo levou informações sobre orçamento doméstico e planejamento financeiro para um grupo de mulheres que se reúne para a confecção de tapetes e artesanato no salão comunitário da cidade. Coordenador de núcleo e membro do Comitê Jovem da Sicredi Paranapanema PR/SP em Cândido Mota, o jovem idealizador do projeto tem 23 anos e é recém-formado em Direito.  

 

Determinação e perseverança - “Ele foi determinado e perseverante em seus atos. Não buscou prioritariamente o reconhecimento, mas buscou fazer o bem. Este é o poder do movimento do cooperativismo. As pessoas se ajudam e prestam apoio, visando o bem de todos”, elogia o presidente da Sicredi Paranapanema PR/SP, Cláudio Marcos Orsini.

 

World Credit Union Conference (WCUC) - A Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito é um evento promovido pelo Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (WOCCU – World Council of Credit Unions) e acontece uma vez por ano, normalmente em julho, desde 1995. A Conferência recebe participantes do mundo todo para networking e troca de conhecimento sobre as melhores práticas para cooperativas de crédito.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Paranapanema PR/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2019/noticias/04/09/sicredi_paranapanema/{/vsig}

SICREDI RIO PARANÁ: Cooperativa reúne 380 mulheres em Presidente Prudente

 

Com muitos sorrisos, a Sicredi Rio Paraná PR/SP recebeu mais de 380 mulheres na noite do Sic Mulher 2019, realizado dia 4/4 no auditório da Superintendência Regional de Presidente Prudente (SP). A noite contou com um talk show com 7 mulheres da região abrangente da cooperativa. Elas contaram sua trajetória de vida e nos negócios. As falas arrancaram muitas risadas e algumas lágrimas de emoção. E para fechar a noite, o palestrante motivacional Marcos Pulga falou de empreendedorismo feminino. Para conferir como foi esse evento, confira nossas redes sociais @sicredirioparana. (Imprensa Sicredi Rio Paraná PR/SP)

 

{vsig}2019/noticias/04/09/sicredi_rio_parana/{/vsig}

SICOOB ARENITO: Resultados de 2018 são apresentados em pré-assembleias

 

Entre os dias 19 e 26 de março, o Sicoob Arenito realizou pré-assembleias em cinco municípios da sua área de atuação: Umuarama, Altônia, Cruzeiro do Oeste, Cidade Gaúcha, Mariluz, Ivaté e Icaraíma. Ao todo, mais de mil participantes, ente cooperados, delegados, conselheiros e convidados compareceram às reuniões, que tiveram como objetivo apresentar os resultados obtidos pela singular em 2018.

 

Crescimento - Em relação a 2017, a cooperativa teve um crescimento de quase 50% em ativos fixos, mais de 40% de evolução em carteira de crédito e 55% em patrimônio líquido.  Além disso, o ano de 2018 também ficou marcado por um novo recorde alcançado pelo Sicoob Arenito: as sobras do exercício cresceram mais de 62% em relação ao ano anterior, ultrapassando R$ 5 milhões.

 

Superação - Para o presidente do Conselho de Administração, Waldir Campana, superação é a palavra que resume o desempenho e as realizações do Sicoob Arenito em 2018. “Encerramos o ano com a certeza de que estamos seguindo no caminho certo e cada vez mais preparados para iniciar um novo ciclo de conquistas”, explica.

 

Papel importante - O diretor superintendente, Fabio Junio Viar, falou sobre como a assembleia é considerada um momento festivo para a cooperativa, em que os cooperados tem um papel importantíssimo na contribuição para o desenvolvimento econômico sustentável da singular. “Além da apresentação dos números, tivemos a apresentação do coral do Sicoob e também da nossa banda composta por colaboradores e cooperados”, ressalta.

 

Claras e objetivas - De acordo com o gerente de PA, João Ildebrando Pereira Marques, as pré-assembleias foram claras e objetivas. “Mostraram os números de forma bem transparente. Todos os presentes gostaram muito”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/04/09/sicoob_arenito/{/vsig}

SICOOB METROPOLITANO: Agência em Sabáudia tem novo endereço

 

Desde o dia 1º de abril, a agência do Sicoob Metropolitano em Sabáudia está atendendo em novo endereço. A unidade (antes localizada na Av. Campos Sales, 1901) agora tem um espaço mais amplo e moderno, na Av. Jácomo Valério, 1172.

 

Conforte e comodidade - Com a mudança, cooperados e a comunidade receberão atendimento com mais conforto e comodidade. Além disso, a agência também conta com uma nova comunicação visual. “Temos recebido vários feedbacks positivos de cooperados e não cooperados que nos visitam. Tivemos uma grande melhora, principalmente em questão de visibilidade e comodidade interna. Estamos bem animados com essa mudança”, comenta a assistente de agência, Milena Bana Zanin. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/04/09/sicoob_metropolitano/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Bate-papo sobre cooperativismo na ExpoLondrina

Pelo nono ano consecutivo, a Sicredi União PR/SP participa da Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina, a ExpoLondrina, ocupando seu já tradicional espaço em frente à sede administrativa da Sociedade Rural no Parque Ney Braga. E, nesta terça-feira (09/04), às 19h30, a programação destaca um encontro especial de lideranças para um bate-papo sobre o cooperativismo. Estão confirmadas as presenças do presidente da Sicredi União, Wellington Ferreira, do presidente da Unimed Londrina, Omar Taha, e do presidente da Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina), Fernando Moraes. O encontro é aberto à participação de interessados no tema. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

CARNES: Egito reduz exigência sanitária para o frango

O Egito afrouxou as regras sanitárias para a compra de frango e a medida já anima os exportadores brasileiros, que passam a ver o país como um destino mais promissor para o produto no momento em que a Arábia Saudita, o maior comprador, reduz os embarques para estimular a produção local.

Decreto - O ministério da agricultura egípcio emitiu em março decreto que desobriga a inspeção de lotes de frango do abate até a entrega no porto de embarque por veterinários licenciados no país, regra que passa a valer para todos os membros da Organização Mundial de Epizootias, entre eles o Brasil.

Menos burocracia - Na prática, a decisão vai diminuir a burocracia e baratear o custo do frango que chega ao Egito, uma vez que a inspeção sanitária era bancada pelos frigoríficos. "A decisão, resultado de um intenso trabalho setorial envolvendo a Câmara Árabe, a Abiec, a ABPA, a Fambras e a Embaixada do Brasil no Egito, traz uma nova perspectiva para o comércio com o país", afirma o presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Rubens Hannun.

Principal parceiro - O Egito é hoje o principal parceiro comercial do Brasil no mundo árabe após ter superado em 2018 a Arábia Saudita com importações de US$ 2,13 bilhões. Também é o terceiro mercado para a carne bovina brasileira no mundo, em grande parte graças aos pedidos de seu Exército, que é o maior cliente individual dos frigoríficos brasileiros de bovinos no mundo árabe, com pedidos regulares para alimentar a tropa e fazer distribuição de alimentos à população de baixa renda.

Tímido - No frango, no entanto, o comércio é ainda bem tímido e, para Hannun, pode ser mais bem explorado. Em 2018, o Egito foi o 23º mercado para a ave brasileira no mundo. As vendas do produto ao país somaram apenas US$ 76,2 milhões, menos de um décimo do total vendido à Arábia Saudita, por exemplo.

Redução dos custos - O presidente da Câmara Árabe estima em ao menos 10% a redução no custo do frango a partir da flexibilização das regras sanitárias. A estimativa considera a diária de US$ 200 dólares paga a cada veterinário egípcio, mais custos com viagem e estadia, durante os 40 dias que ficam em média no Brasil.

Potencial - Ele também ressalta o potencial do Egito como mercado consumidor. O país é o mais populoso da Liga Árabe, com 97 milhões de habitantes, e o que apresenta uma das maiores taxas de natalidade. Além disso, passa por um rápido processo de urbanização, cujos sinais incluem um significativo aumento do consumo de proteínas semi-processadas, cada vez mais acessíveis à população.

Consumo - "Há pouco tempo, a maioria dos egípcios consumia proteína local de asininos. Hoje o dianteiro bovino está bem presente nos supermercados e o acesso ao nosso frango acabou de ficar mais fácil, agora que uma barreira importante deixou de existir", analisa Hannun.

Oportunidade - A flexibilização das regras sanitárias pode representar ainda uma oportunidade para os frigoríficos de aves brasileiros compensarem ao menos em parte a recente perda de espaço na Arábia Saudita, mercado que historicamente lidera as compras de frango desde os anos 1980.

Investimento - A Arábia Saudita vem investindo para diminuir a dependência do frango importado, em plantas subsidiadas e na aquisição no exterior de empresas de alimentos, com ajuda de seu fundo soberano. A meta é até 2030 é importar até 40% da demanda. Hoje esse percentual chega a 70%.

Desabilitação - Em janeiro, o país desabilitou cinco frigoríficos de aves no Brasil como parte da estratégia de priorizar a produção local. Antes, já havia imposto sobretaxa ao frango e endurecido as regras para aceitação do certificado halal do frango brasileiro, selo que garante o abate das aves conforme os preceitos do Islã.

Comitiva - No mês seguinte, uma comitiva brasileira foi à Riad tentar reverter a decisão, mas ainda aguardam o anúncio de uma missão veterinária ao Brasil para nova inspeção. (A4&Holofote Comunicação)

SANIDADE: Piauí tem confirmação de primeiro caso de Peste Suína Clássica

O Piauí registrou o primeiro caso de Peste Suína Clássica (PSC), que levou à morte de sete leitões menores de três meses. A informação foi confirmada, por meio de nota técnica, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O caso ocorreu no município de Lagoa do Piauí, fora da zona livre de PSC no país.

Investigação - De acordo com nota do Mapa, a investigação realizada pela Agência de Defesa Agropecuária do Piauí (Adapi), como parte do sistema de vigilância das doenças hemorrágicas dos suínos, em uma propriedade de criação extensiva de 13 suínos, identificou a ocorrência de mortalidade nos sete leitões. Os animais apresentaram sinais de fraqueza, febre alta e paresia de membros posteriores.

Nota técnica - Ainda de acordo com a nota técnica emitida pelo ministério, um animal foi eutanasiado para necropsia e colheita de amostras. Os testes laboratoriais feitos pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária, em Minas Gerais, identificaram a presença de anticorpos pelo teste de Elisa, e a presença do agente da PSC, pela detecção do ácido nucleico em prova de RT, PCR em tempo real.

Análises - Outras análises laboratoriais e investigações clínico-epidemiológicas estão em andamento na região e medidas para eliminação do foco serão aplicadas, informou o Mapa.

Confirmação - Desde outubro do ano passado, houve a confirmação de 44 focos de PSC no Brasil, sendo todos no Ceará, estado que também estará fora da zona livre de PSC no Brasil. (Suinocultura Industrial)

HORTALIÇAS: Produção cresce 80% em dez anos no Paraná

 

hortalicas 09 04 2019Além de soja, milho e trigo, o Paraná também se destaca no cultivo das hortaliças. Em 10 anos, a produção da olericultura no Estado cresceu 82%, segundo dados do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Foram 3,12 milhões de toneladas em 2017, ante 1,71 milhão de toneladas em 2007. Os dados do ano passado estão sendo contabilizados.

 

Principais culturas - As principais culturas produzidas são batata, mandioca, repolho, tomate, alface, cebola, cenoura e beterraba. Esses oito alimentos representam 73% do total produzido da olericultura paranaense que, em 2017, registrou um Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de R$ 3,29 bilhões, ou 3,39% do VBP do Estado.

 

Bom desempenho - O bom desempenho das culturas, segundo o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Alberto Salvador, se deve a vários fatores, como organização dos produtores, investimento em novas tecnologias de manejo e apoio do Governo do Estado. “Damos assistência técnica aos 399 municípios paranaenses, acompanhando o agricultor em suas demandas, na escolha de produtos e nos cuidados com o solo”, afirmou Salvador.

 

Assistência - Parte desse apoio do Estado é prestado pelo Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) por meio do Projeto Olericultura, que tem como metas organizar a produção e os produtores de hortaliças; incentivar o cultivo de alimentos seguros, sem agrotóxicos; promover a geração de renda para agricultores; e colaborar com a comercialização dos produtos por meio de pesquisa de mercado e canais de comercialização.

 

Abrangência - Quase 15 mil produtores rurais são atendidos pelo projeto no Estado. “A nossa expectativa com esse trabalho é grande, porque estamos produzindo alimentos cada vez mais limpos e com menor impacto ambiental possível, gerando ainda mais renda para o agricultor”, disse o coordenador de olericultura do regional de Curitiba, João de Ribeiro Reis Junior.

 

Plantio direto - Ele ressaltou, também, que outra frente do projeto é incentivar o Sistema de Plantio Direto em Hortaliças (SPDH), uma técnica que minimiza os processos erosivos do solo. “Com esse método, conseguimos recuperar a fertilidade da terra utilizando práticas conservacionistas, como terraceamento, curvas de nível, rotação de cultura e uso de plantas de cobertura como adubos verde que, ao se decomporem, fornecem de forma natural nutrientes para o solo”, disse.

 

Parceria - O produtor Bruno Schules, 32, de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), é um dos agricultores que trabalham com olericultura no Estado e recebem atendimento da Emater. Ele planta alface americano, alface roxa e couve-flor em sua propriedade de um alqueire. Por semana, são produzidas 300 caixas de alface e 30 de couve-flor.

 

Novo projeto - Em parceria com os técnicos do município, Schules está desenvolvendo um novo projeto de plantio direto para a sua propriedade, onde vive com sua esposa e duas filhas pequenas. Hoje, ele utiliza o plantio na palha, uma técnica que consiste em colocar palha no solo e fazer o plantio em cima dela. “Com a implantação do plantio direto proposto pela Emater, vamos conseguir conservar ainda mais o solo Será possível plantar por 10 ou 12 anos sem a necessidade de revolvê-lo”, disse. “Sempre que precisamos do apoio e auxílio dos técnicos da entidade eles estão disponíveis para nos ajudar”, acrescentou.

 

Abrangência - A área cultivada com hortaliças no Paraná gira em torno de 123,5 mil hectares. As regiões Sul e Norte do Paraná são os principais polos do Estado. O volume produzido no Sul foi 2,11 milhões de toneladas (63% do total paranaense), seguido pelo Norte, com 652,7 mil toneladas (26%).

 

Terceiro maior produtor - O Paraná produziu 790,8 mil toneladas de batatas em 2018, ou 20% da produção nacional, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso coloca o Estado como o terceiro maior produtor do país, atrás apenas de Minas Gerais e São Paulo, que respondem por 32% e 23% da produção, respectivamente.

 

Duas safras - A produção paranaense do tubérculo, que é umas das principais hortaliças cultivadas no Estado, é dividida em duas safras ao longo do ano. A primeira, conhecida como safra das águas, é cultivada na primeira e no verão, e a segunda ganha os campos no outono e no inverno.

 

Concentração - No Paraná, o cultivo da espécie se concentra basicamente nos núcleos regionais de Curitiba (30%), Guarapuava (27%), Ponta Grossa (16%), União da Vitória (10%), Irati (7%) e Pato Branco (7%). Essas seis regiões produzem aproximadamente 96% do total de batatas paranaenses. (Agência de Notícias do Paraná)

 

REFORMA TRIBUTÁRIA: Governo estuda IVA só para a União

 

reforma tributaria 09 04 2019Apesar de o Congresso ter se antecipado e apresentado uma proposta mais ambiciosa de reforma tributária, que envolve União, Estados e municípios na criação de um imposto sobre valor adicionado nacional (IVA Nacional), a área econômica do governo prefere arrumar primeiramente o sistema federal antes de partir para a unificação com Estados e municípios, considerada politicamente muito complexa.

 

Plano - O movimento dos parlamentares, contudo, poderá ser utilizado pelo governo para implementar seu plano, de forma a evitar confrontos desnecessários que eventualmente contaminem a reforma prioritária, que é a da Previdência. A estratégia política, portanto, seria não criar tensão nesse tema, trabalhando de forma colaborativa com os parlamentares e tentando construir algo viável.

 

IVA federal - Em conversas reservadas, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, diz querer implantar o Imposto sobre Valor Adicionado (IVA) federal, fruto da unificação de uma série de impostos e contribuições como PIS/Cofins, IPI e até alguns tipos de IOF (que incide sobre operações financeiras). O ICMS e o ISS, impostos estadual e municipal, não constam da proposta inicial do governo.

 

Paralisado - A área econômica não simpatiza com a ideia por considerar que ela pode acabar paralisando toda a ideia de reforma, dado que envolve muitos interesses diferentes e geraria resistências entre os Estados, como ocorreu em todas as tentativas anteriores de reforma.

 

Substituição - Além disso, os técnicos do governo trabalham na proposta de substituição da contribuição patronal sobre os salários, que financia a Previdência, por um "tributo sobre pagamentos", que seria uma CPMF ampliada, que atingiria grande parte da informalidade e daria uma fonte mais segura para o financiamento da Previdência. Nas conversas reservadas, Cintra tem dito que é preciso olhar também para o financiamento do sistema e não só para o lado das despesas.

 

Irritação - O movimento do Congresso em parte está relacionado a uma certa irritação de alguns parlamentares com declarações de Cintra em rede social, dizendo que o ministro Paulo Guedes não precisaria de ninguém para aprovar seus projetos.

 

Proposta - De qualquer forma, Cintra teve que se sentar com o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e diretor do centro de Cidadania Fiscal Bernard Appy, que inspirou a proposta apresentada e respaldada por uma série de partidos políticos.

 

Participação - A ideia do governo é participar da discussão e tentar avançar nos pontos de consenso, mas de forma cautelosa, evitando riscos de atropelar o debate da Previdência.

 

PEC - A proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária, de autoria do líder do MDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), foi protocolada com apoio de deputados de 26 partidos, do Psol ao PSL do presidente Jair Bolsonaro (o segundo com maior número de subscritores). Foram 172 assinaturas de apoiamento - eram necessárias 171.

 

Assinaturas - Baleia destacou que conseguiu as assinaturas em um prazo de apenas três horas, o que sinalizaria que a Câmara tem total interesse em fazer andar o tema da reforma tributária. O líder aponta que pretende fazer a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) votar a admissibilidade da matéria logo depois da votação da Previdência e também pretende aprovar a matéria em comissão especial. Segundo ele, somente no Plenário é que o acerto é para esperar a votação da Previdência antes de colocar a tributária para ser discutida pelo conjunto de deputados.

 

Partidos - O MDB de Baleia foi o partido com mais apoiadores, 23, seguido pelo PSL, com 17 deputados, o PT, com 16, PSB e PR, ambos com 13. Houve amplo apoio de líderes partidários também. Assinar uma PEC, contudo, não significa defesa integral do texto apresentado, apenas que concorda com o tema e apoia a iniciativa de que seja discutido pela Câmara. A PEC será votada primeiro pela (CCJ), que analisará a admissibilidade, e depois por uma comissão especial.

 

Protocolo - O texto foi protocolado por Baleia na semana passada, após reunião organizada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com os líderes e o economista Bernard Appy. (Valor Econômico)

 

ECONOMIA I: Bolsonaro sanciona lei do novo Cadastro Positivo

 

economia I 09 04 2019O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta segunda-feira (08/04), em cerimônia no Palácio do Planalto, a nova Lei do Cadastro Positivo, que torna automática a adesão de consumidores e empresas ao banco de dados que já existe desde 2011, mas cuja participação dos clientes era voluntária. A matéria foi aprovada pelo Congresso Nacional no mês passado. 

 

Serviço - O serviço do Cadastro Positivo é prestado por empresas especializadas, que avaliam o risco de crédito de empresas e de pessoas físicas com base em históricos financeiro e comercial. Atualmente, esse banco de dados reúne informações de aproximadamente 6 milhões de pessoas. A perspectiva, com a nova lei, que torna a adesão automática, é que alcance 130 milhões de consumidores, segundo o governo. 

 

Presenças - Além do presidente, acompanharam a cerimônia os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Secretaria-Geral da Presidência, Floriano Peixoto. O secretário de Produtividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, destacou o alcance da nova lei, que deve incluir milhões de pessoas atualmente fora do mercado de crédito. 

 

Beneficiados - "De acordo com estimativas, as mudanças no Cadastro Positivo podem beneficiar cerca 130 milhões de pessoas, inclusive 22 milhões de brasileiros hoje que estão fora do mercado de crédito, embora já apresentem bons históricos de adimplência", afirmou.

 

Inadimplência - De acordo com o Banco Mundial, a nova lei pode reduzir em até 45% a inadimplência no país, que atualmente atinge mais de 60 milhões de pessoas, segundo dados apresentados pelo secretário. Carlos da Costa também disse que a expectativa é que, nos próximos anos, sejam injetados na economia, em decorrência do Cadastro Positivo, cerca de R$ 1 trilhão em investimentos, sendo que, desse total, cerca de R$ 520 bilhões apenas no âmbito das pequenas e médias empresas.

 

Banco de dados - O texto aprovado no Congresso e agora sancionado incluiu um dispositivo que estabelece que a responsabilidade do banco de dados, das fontes de informações e dos consulentes por danos causados ao cadastrado será objetiva e solidária, como previsto no Código de Defesa do Consumidor. 

 

Exigência - A nova lei também estabelece a exigência de que os gestores de bancos de dados realizem ampla divulgação das normas que disciplinam a inclusão no cadastro, além da possibilidade e de formas de cancelamento prévio. 

 

Relatório - A lei exige ainda que o Banco Central encaminhe ao Congresso Nacional, no prazo de até 24 meses, relatório sobre os resultados alcançados com as alterações no Cadastro Positivo, com ênfase na ocorrência de redução ou aumento dos juros.

 

Acesso ao crédito - De acordo com a Confederação Nacional dos Dirigentes Logistas (CNDL) e o SPC Brasil, a nova lei do Cadastro Positivo deve tornar o acessso ao crédito mais fácil e com juros menores para os consumidores adimplentes. Para o presidente da CNDL, José César da Costa, a reformulação nas regras dos cadastros dará mais precisão na análise de crédito.

 

Patamar - "O Cadastro Positivo eleva o Brasil ao patamar de nações do primeiro mundo que já usam o modelo, assim como os Estados Unidos e União Europeia. As novas regras permitirão, principalmente, que micro e pequenos empresários tenham acesso a informações já utilizadas por instituições financeiras de grande porte, gerando maior segurança no processo de concessão de crédito e estimulando a competição na oferta de crédito entre fintechs, cooperativa, pequenas financeiras e empresas do varejo", afirma. 

 

Pontuação - Com o Cadastro Positivo, pessoas físicas e jurídicas terão um score de crédito, ou seja, uma nota determinada a partir da análise de estatística dos hábitos de pagamento, de relacionamento com o mercado e dos dados cadastrais. Para quem consulta, apenas o score de crédito estará visível. O histórico de hábitos de pagamentos do cadastrado só será disponibilizado mediante prévia autorização.

 

Excluídos - No histórico de pagamentos ou na composição do score não serão incluídos elementos relacionados à origem social, etnia, saúde, informações genéticas, sexo, e convicções políticas, religiosas e filosóficas. (Agência Brasil)

 

ECONOMIA II: Balança tem superávit de US$ 2,326 bilhões na 1ª semana de abril

 

economia II 09 04 2019A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 2,326 bilhões na primeira semana de abril, informou nesta segunda-feira (08/04) a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

 

Resultado - O saldo positivo decorre de exportações no valor de US$ 5,557 bilhões e importações de US$ 3,231 bilhões no período. No ano, o superávit comercial soma US$ 12,841 bilhões.

 

Semimanufaturados - A exportação de semimanufaturados foi a categoria de produtos que teve melhor desempenho ao subir 32,1% para US$ 150,5 milhões. A venda de manufaturados cresceu 22,5% para US$ 399,3 milhões, enquanto a de básicos avançou 17,8% para US$ 561,6 milhões — sempre pelo conceito da média diária.

 

Importações - As importações, em contrapartida, caíram 1,6% para US$ 646,3 milhões em média, por dia. Nesse comparativo, diminuíram os gastos principalmente, com veículos automóveis e partes (-28,7%), cobre e obras (-28,3%), bebidas e álcool (-24,0%), instrumentos médicos de ótica e precisão (-14,7%), equipamentos mecânicos (-12,1%).

 

Corrente de comércio - A corrente de comércio no ano — soma das exportações e importações — chegou a US$ 103,581 bilhões, valor 1,1% menor do que o registrado entre janeiro e a primeira semana de abril de 2018.

 

Atenção - De acordo com o secretário de Comércio Exterior, Lucas Ferraz, a Secex deve dar maior atenção à corrente de comércio em suas análises. A avaliação de Ferraz é que o indicador é mais apropriado para medir o aumento de produtividade. (Valor Econômico)

 

ECONOMIA III: Meta fiscal de 2020 será igual ou pior

 

economia III 09 04 2019A equipe econômica finaliza nesta semana o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) para 2020 e a tendência é que seja apresentada uma meta fiscal para o próximo ano igual ou pior do que a que estava indicada na LDO de 2019 - déficit de R$ 99,7 bilhões para o setor público, sendo R$ 110 bilhões negativos somente para o governo central.

 

Meta - A LDO fixa a meta para a elaboração do Orçamento no ano seguinte e indica o objetivo para os dois anos subsequentes. A tendência de não sinalizar uma meta melhor para 2020, mesmo com o objetivo do ministro da Economia, Paulo Guedes, de zerar o déficit primário em 2019, decorre do fato de o governo não poder considerar possíveis impactos da reforma da Previdência na conta e também porque as projeções de crescimento da economia não favorecem um cenário melhor de receitas.

 

Reuniões - Desde a semana passada têm ocorrido reuniões para tratar do tema. O prazo para envio do documento que subsidia a elaboração do Orçamento é o dia 15 de abril. Após seu envio ao Congresso, o texto é examinado pela Comissão Mista de Orçamento e depois pelo plenário. Sem a votação da LDO, os parlamentares não podem entrar no recesso do meio do ano.

 

Questões importantes - Além das metas fiscais, a LDO indica questões importantes como a previsão do salário mínimo, ainda que possa ser alterada ao longo do tempo. A área econômica do governo pretende colocar no dispositivo apenas a correção pela inflação, sem aumento real como ocorreu neste ano, por exemplo. A antiga regra, que valeu até este ano, previa correção do piso salarial do país pela inflação mais o PIB de dois anos antes.

 

Salário mínimo - Se a regra fosse mantida, o salário mínimo de 2020 teria alta real de 1,1%, que foi o crescimento do PIB de 2018. Se convencer a área política e, principalmente, o presidente Jair Bolsonaro, a mera correção inflacionária do salário mínimo gera economia para os cofres públicos, por causa do seu impacto na Previdência. Cada R$ 1 de aumento gera impacto de mais de R$ 300 milhões nas contas. Ou seja, um alta real de 1,1% impactaria as contas acima de R$ 3,2 bilhões em um ano.

 

Preocupações - Apesar das promessas otimistas do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a melhora fiscal, os dados recentes têm ensejado mais preocupações, quando se olha o desempenho primário - ou seja, antes do pagamento de juros da dívida.

 

Arrecadação - Com a economia em ritmo fraco e sem sinal de uma aceleração mais intensa, as projeções de arrecadação ficaram bem piores do que o previsto no Orçamento deste ano. Com isso, o governo na semana passada teve de anunciar um contingenciamento de gastos de R$ 35 bilhões, que atingirá principalmente os investimentos públicos. O corte de despesas visa exatamente garantir o cumprimento da meta fiscal do ano.

 

Para baixo - No relatório bimestral, divulgado duas semanas atrás, o governo revisou para baixo as estimativas de crescimento do PIB e da inflação, que afetam as contas de arrecadação. Desde então, o mercado continuou reduzindo suas projeções para a economia e o governo está revendo seus números. (Valor Econômico)

 

Foto: Pixabay

 


Versão para impressão


RODAPE