Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4540 | 22 de Março de 2019

RAMO TRANSPORTE: OCB participará da elaboração de marco regulatório

 

ramo transporte 22 03 2019A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) fará parte de um grupo de trabalho responsável por contribuir com a elaboração do marco regulatório do transporte rodoviário de passageiros. A informação foi confirmada na quarta-feira (20/03), pelo superintendente de Transporte de Passageiros da ANTT, João Paulo de Souza, durante reunião entre representantes do setor e da Agência. Segundo ele, a ideia é que apenas as entidades que representam os prestadores desse tipo de serviço integrem o grupo.

 

Documento - O analista técnico e econômico da OCB, Tiago de Barros Freitas, explicou que a entidade, junto com as cooperativas de transporte de passageiros, já vem trabalhando na elaboração de um documento que evidencie as características de seu modelo societário. Freitas reforçou, ainda, que espera que, com o marco regulatório, essas cooperativas passem a operar dentro de um ambiente estável e que estimule o seu desenvolvimento, evitando as penalidades desproporcionais que ocorrem atualmente.

 

Desconhecimento - “O que percebemos é um desconhecimento dos fiscais de pista quanto ao modelo societário das cooperativas de transporte de passageiros. Por isso, uma das frentes de atuação da OCB no âmbito desse grupo de trabalho é exatamente deixar bem evidente a diferença existente entre o cooperativismo de transporte e os demais atores desse setor. O que queremos é a criação de uma categoria específica para esse tipo de transporte ou a definição clara sobre o modelo societário evitando, assim, interpretações equivocadas e buscando a isonomia no tratamento”, argumenta.

 

Penalidades - De acordo com Freitas, esse desconhecimento ou falta de uma definição clara a respeito das cooperativas de transporte têm resultado em penalidades desproporcionais e, em alguns casos, até injustas.

 

Taxa de fiscalização - Um dos itens da pauta da reunião participava foi o reajuste de quase nove mil por cento, chegando ao valor final de R$ 1,8 mil. “Nós não estamos questionando o pagamento da taxa de fiscalização, apenas os parâmetros desse reajuste. Por isso, esse é um dos pleitos que pretendemos tratar no âmbito do grupo de trabalho”, anunciou o analista da OCB.

 

Registro obrigatório - Outra proposta debatida e que deve constar do marco regulatório é a obrigatoriedade de registro dos prestadores de serviço, sejam eles cooperativas ou empresas mercantis, nas referidas entidades de representação. Isso quer dizer que, antes de pleitear o registro na ANTT, as cooperativas, por exemplo, deverão estar registradas na OCB.

 

Validação - “Essa é a única forma de as entidades de representação validarem a seriedade dos prestadores de serviço e, também, de assegurar a idoneidade daqueles que transportarão vidas dentro e fora do país”, justifica Freitas, explicando que a exigência do registro já ocorre com as empresas/cooperativas de transporte rodoviário de cargas.

 

Convocação - A expectativa da OCB é de que, ainda neste semestre, a ANTT convoque as entidades de representação para indicarem os nomes que farão parte do grupo de trabalho. (Informe OCB)

 

CEREAIS DE INVERNO: OCB e Embrapa iniciam nova série de capacitações

 

O tema agricultura conservacionista e fertilidade do solo abriu a série de módulos programados na capacitação Embrapa e Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) na cadeia produtiva de cereais de inverno. O primeiro módulo terminou nesta quinta-feira (21/03). Neste ano, participam 17 cooperativas totalizando 40 profissionais, que atuam em departamentos técnicos nos estados do RS, SC e PR.

 

Expectativa - O engenheiro agrônomo José Henrique Seko integra a equipe da Cocamar, com sede em Maringá, PR, e, junto com mais quatro colegas, percorreu 800 km até à Embrapa Trigo, em Passo Fundo, RS, para participar da 5ª edição da capacitação. Ele mostrou grande expectativa quanto a oportunidade de aperfeiçoamento técnico: “os colegas que já fizeram o curso recomendaram aproveitar ao máximo o conhecimento dos pesquisadores e esclarecer todas as dúvidas, principalmente sobre trigo. Depois voltamos para a correria do plantio e acabamos isolados para resolver sozinhos os problemas que aparecem. Precisamos estar bem preparados para prestar a melhor assessoria ao produtor”.

 

Participações - Participam da edição deste ano as cooperativas Cooperante, Cocamar, Coamo, Camnpal, Cotriel, Coopatrigo, Coasa, Cotapel, Cotripal, Coagril, Cotribá, Coopermil, Cotrisal, Cotricampo, Cotrijal, CCGL, Auriverde, além da Fecoagro/SC e do Senar.

 

Reconhecimento ao produtor - Na noite de 19 de março, um jantar contou com a palestra do produtor Humberto Falcão apresentando a experiência da família com agricultura conservacionista. A propriedade de 149 hectares em Sarandi, RS, serviu de base para uma nova forma de dimensionar e projetar terraços nas lavouras, a tecnologia “Terraços for Windows”, desenvolvida pela Universidade Federal de Viçosa e validada na Fazenda Sementes Falcão pela Embrapa Trigo e a Emater/RS.

 

Canais - De acordo com o produtor Humberto Falcão, os terraços tradicionais, de base larga em desnível, requeriam canais escoadouros, que se transformavam em voçorocas e roubavam considerável área propícia ao cultivo. A partir do método de “Terraços for Windows”, toda a propriedade foi sistematizada para uniformidade de cobertura do solo e calculados o espaçamento e o tamanho de terraços a serem estabelecidos em nível.

 

Consolidação - Este trabalho foi consolidado em 1997, resultando na construção de 5 km de terraços. “Os terraços foram projetados para suportar 130 mm de chuva em 24 horas, volume que pode acontecer nos anos mais chuvosos aqui na região”, conta Humberto Falcão, lembrando que houve um ano em que choveu 400 mm em seis dias e os terraços suportaram o grande volume de água sem qualquer vazamento.

 

Resultados surpreendentes - No longo prazo, o planejamento dos 570 hectares de lavouras apresentou resultados surpreendentes: em cinco anos, a economia de fertilizantes ultrapassou a R$ 1 milhão, sem considerar a economia de mão-de-obra e de combustível; foram cinco safras de soja e três safras de com cereais de inverno somente com reposição de nitrogênio e 11 anos sem calagem; a média de rendimentos nas últimas safras foi de 80 sacos/hectare de trigo e 63 sacos/hectare de soja.

 

Adaptações - “Estamos sempre fazendo adaptações nas máquinas e nas próprias técnicas de agricultura de precisão, como diferentes profundidades da amostragem do solo, já que não seguimos mais a tabela oficial de adubação”, explica a engenheira agrônoma Fernanda Falcão, concluindo que “não nos interessa bater recordes de produtividade, mas garantir a máxima rentabilidade. Isso não se consegue de um ano para outro, mas no planejamento a longo prazo”.

 

Homenagem - Ao final, o produtor Humberto Falcão recebeu uma homenagem da Embrapa Trigo pela contribuição à agricultura brasileira, como reconhecimento pelo esforço da família em aplicar e difundir os fundamentos da agricultura conservacionista. Veja aqui a programação do primeiro módulo da capacitação Embrapa e Sistema OCB na cadeia produtiva de cereais de inverno. (Embrapa Trigo / Informe OCB)

 

{vsig}2019/noticias/03/22/cereais_inverno/{/vsig}

DENTAL UNI: Cooperativa possui um dos melhores planos odontológicos do Brasil, segundo a Proteste

 

dental uni 22 03 2019A Dental Uni Cooperativa Odontológica mais uma vez foi considerada um dos melhores planos odontológicos do Brasil, segundo a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor – Proteste. A instituição divulgou um estudo que analisou 18 planos odontológicos das maiores operadoras do país e colocou a Dental Uni no topo com destaque por seu custo-benefício aos beneficiários do plano.

 

Critérios - Além do custo da mensalidade, a pesquisa considerou critérios como principais procedimentos cobertos, rede de atendimento, carência, reembolso, além do Índice de Desempenho de Saúde Suplementar (IDSS) e o Índice de Reclamação dos Beneficiários de cada plano, calculados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

 

Conquista - O reconhecimento é apenas uma das conquistas de mais de 34 anos de dedicação e investimento na facilitação do acesso aos consultórios. Com respeito aos dentistas cooperados, beneficiários e clientes, a Dental Uni oferece saúde bucal completa, investimentos em tecnologia e cada vez mais motivos para sorrir. (Imprensa Dental Uni)

 

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Programa A União Faz A Vida chega a Assis Chateaubriand

 

O Programa A União Faz a Vida, desenvolvido pelo Sicredi há 25 anos, chegou ao município de Assis Chateaubriand (PR), no oeste do estado. O lançamento do Programa foi realizado na Assembleia de Núcleos, realizada em 20/03, com a participação de mais de 1.500 associados e convidados. 

 

Abrangência - Na Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, o Programa existe desde 2011 e atualmente está implantado em 17 municípios da área de atuação da cooperativa e é desenvolvido em parceria com as Prefeituras e Secretarias Municipais de Educação. De acordo com Cláudia Bonatti, Gerente de Desenvolvimento do Cooperativismo do Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, o Programa leva um novo jeito de ensinar às escolas, e propõe que o aluno seja o protagonista e não apenas o receptor da informação. “O União Faz a Vida está entre os maiores programas privados do Brasil ligados à educação. Com ele, visamos promover o ensino cooperativo, acreditando em uma forma de aprender que fortaleça valores de cooperação e cidadania, formando pessoas com interesse social e desenvolvimento coletivo”, explica.

 

Formação continuada - O Programa A União Faz a Vida também se preocupa em promover a formação continuada dos educadores e desenvolve encontros orientados pelas assessorias pedagógicas no universo educacional do município. “A chegada do União Faz a Vida representa uma conquista para o nosso município. Temos certeza que o resultado desta iniciativa será muito positivo e somos gratos em, mais uma vez, poder contar com o apoio do Sicredi.”, comenta João Aparecido Pegoraro, Prefeito Municipal de Assis Chateaubriand.

 

Transformar realidades - Para Jaime Basso, presidente da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, a cooperativa se alegra em poder implantar o Programa A União Faz A Vida em Assis Chateaubriand. “É nosso dever, enquanto instituição financeira cooperativa, trabalhar pelo desenvolvimento e qualidade de vida das pessoas e das comunidades onde estamos inseridos. E, a partir agora, juntamente com a Prefeitura, Secretaria Municipal de Educação, assessores pedagógicos e toda a comunidade, iremos contribuir com a formação destas crianças e transformar realidades através da educação”, destaca.

 

Sobre o União faz a Vida - O Programa A União Faz a Vida é a principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi e promove a educação integral de crianças e adolescentes, alunos de escolas públicas e privadas, por meio de uma metodologia de projetos. 

 

Protagonistas - Os estudantes tornam-se protagonistas do processo de aprendizagem, tendo os educadores como mediadores na construção do conhecimento. No Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, o programa foi adotado em 2011.

 

Resultados positivos - Entre os resultados positivos da implantação de programas sociais como estes, estão o melhor desempenho escolar dos alunos - aumento médio de 30% no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) nas cidades que receberam o programa - e o maior engajamento dos pais, que passam a demonstrar mais interesse pelas experiências escolares dos filhos. 

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2019/noticias/03/22/sicredi_vale_piquiri/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS: Empresário encontra na cooperativa a parceria para investir em energia renovável

 

sicredi fronteiras 22 03 2019O Sicredi é uma cooperativa de pessoas para pessoas, por isso, contar histórias de crescimento e mostrar o quanto conseguimos evoluir juntos, torna-se cada dia mais gratificante. Hoje a história vem do município de Palma Sola (SC). Luis Barichelo, de 56 anos, possui uma padaria e mercearia e trabalha juntamente com sua esposa, Venilde Bianchi Barichelo. Preocupados em diminuir os gastos a longo prazo e em transformar o seu negócio em um estabelecimento que gera energia limpa, o casal resolveu investir na instalação de painéis fotovoltaicos. 

 

Cooperativa - No começo de dezembro de 2018, Luis procurou a agência do Sicredi Fronteiras de Palma Sola e contou para o gerente Geovan Bedin Pereira sobre os seus planos. Admirados pela história de vida de Luis e por acreditar que o crescimento econômico pode ser aliado ao ambiental, foi liberado, em menos de quatro dias, R$ 71.000,00, crédito necessário para a instalação de 44 painéis fotovoltaicos.

 

Redução - Hoje, a Sonho Meu Mercearia e Padaria conseguiu diminuir pela metade os custos com energia elétrica e aumentar o seu rendimento mensal. O casal está tão contente com o atendimento e as formas de pagamento que irá concentrar todos os investimentos apenas com o Sicredi. 

 

Linha especial - O Sicredi possui uma linha especial de financiamento de equipamentos para geração de energia elétrica através de energia solar. Além de contar com um prazo de pagamento estendido, de até 120 meses, você ainda pode optar por ter o valor financiado creditado diretamente na conta corrente do seu fornecedor. Procure sua agência e receba mais informações sobre a contratação.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Agência digital de Cafeara completa um ano e se torna case de sucesso

 

sicredi uniao pr sc 22 03 2019Em março de 2018,  a cooperativa de crédito Sicredi União PR/SP concluía e entregava à população de Cafeara, no norte do Paraná, um projeto que havia sido exaustivamente debatido e se apresentava como um grande desafio para a instituição financeira:  a Agência Smart Container, que foi inaugurada no dia 19. Um ano depois, a agência não só se mostrou viável, como se tornou um case de sucesso apresentado dentro de fora do Brasil como alternativa para instalação de uma agência bancária em pequenos municípios, que sofrem com a falta de uma instituição financeira por, basicamente, dois motivos: viabilidade econômica e segurança. 

 

Viabilidade - A agência foi instalada em dois contêineres e é totalmente digital. Se antes havia dúvidas de que a população e o comércio se adaptariam ao uso de pagamentos e transações eletrônicas, hoje os números mostram que não há mais motivos para preocupação. A agência não só alcançou a viabilidade econômica, como ostentava a marca de 506 associados em meados de março e mais de 50 maquininhas Sicredi espalhadas pelo comércio e entre os profissionais liberais da cidade, que conta com cerca de 2.900 habitantes.

 

Adesão - “Tivemos uma adesão muito boa. Praticamente 100% dos empresários são nossos associados e já estamos próximos de atender a totalidade dos agricultores”, informa o gerente da agência, Éder Romeiro. Ele informa que a agência também está atendendo municípios próximos e que não contam com agências bancárias, como Lupionópolis, Santo Inácio e Santa Inês.

 

Transformação - Um dos desafios da Sicredi União PR/SP ao se instalar na cidade era o fato de não haver caixas, nem mesmo eletrônicos, na agência, embora sejam oferecidos todos os demais serviços como concessão de empréstimos, crédito rural, entrega de talões de cheque, consórcios, seguros e operações via internet com auxílio de funcionários a quem precisar.

 

Desafios - Para vencer os desafios algumas ações foram fundamentais, ressalta Romeiro. Primeiro, todo o comércio e os profissionais liberais receberam maquininhas Sicredi para pagamento eletrônico sem custo. Os associados também não tiveram e não têm custo de abertura e manutenção da conta, tampouco anuidades de cartões de crédito.

 

Aceitação - Em parceria com a operadora de cartões Visa, a Sicredi União PR/SP realizou a Folia Cafeara, uma festa com foco na disseminação da cultura da utilização de cartões para pagamentos de conta. Todos os participantes da festa receberam um cartão Sicredi com crédito de R$ 20,00 para gastar nas várias barraquinhas de comida espalhadas pela praça da igreja, lembrando uma grande quermesse. A aceitação da população foi grande, pois todos perceberam a facilidade do uso do cartão e a segurança de poder sair sem dinheiro em espécie.

 

Facilidades - Etelvina Alencar Cordeiro dos Santos, aposentada, mas que ainda trabalha com vendas de lingeries, cosméticos e enxovais, sempre ia até a cidade vizinha de Centenário do Sul, para sacar dinheiro para o mês. O dinheiro ficava bem escondido, mas era sempre uma preocupação guardar tudo em casa. “A gente não tinha o hábito de usar cartão e agora estamos vendo que é fácil e mais seguro”, atesta.

 

Incremento nos negócios - A disseminação de maquinhas também está incrementando os negócios. Uma das usuárias é a cabeleireira Silvia Terezinha de Lima Turozi, que afirma estar muito satisfeita com os resultados obtidos em seu salão. “O movimento aumentou 90% depois que comecei a usar essa forma de pagamento. Antes, como as pessoas não tinham dinheiro em espécie em mãos, demoravam mais para ir ao salão, ou eu tinha que deixar para receber o pagamento num outro dia”, relata.

 

Desenvolvimento - O diretor-executivo da Sicredi União PR/SP, Rogério Machado, destaca que a agência é sustentável não só em sua obra física - instalada em contêineres, usa energia solar por meio de placas fotovoltaicas e capta água da chuva - mas também nos negócios e forma de atuar. 

 

Propósito - “Estamos preocupados com o cumprimento de nosso propósito, que é muito claro: o de promover o desenvolvimento socioeconômico nas comunidades onde estamos presentes. O mais importante é o trabalho que estamos fazendo com as pessoas, resgatando a economia do município, mesmo sem a circulação de dinheiro em espécie”, analisa. Machado destaca que o projeto também teve sucesso porque foi desenvolvido com a participação da comunidade, prefeitura e Poder Legislativo. 

 

Programas - Junto com a agência, a Sicredi União PR/SP também levou para a cidade seus programas sociais “A União Faz a Vida”, “Use e Devolva” (empréstimo, sem custo, de bicicletas) e a “Escola de Informática”. 

 

Resultados - Para o prefeito de Cafeara, Oscimar José Sperandio, os resultados com a presença da Sicredi União PR/SP no município foram além do que esperava. “A cooperativa nos favoreceu muito, unindo as pessoas, integrando os setores urbano e rural. O financiamento agrícola foi facilitado e muitos agricultores idôneos, que não usavam financiamento, agora têm acesso e isso está ajudando a desenvolver suas lavouras”, comenta. 

 

Expansão - Rogério Machado informa que a cooperativa de crédito já está olhando para outras cidades com as mesmas características de Cafeara e que precisam de uma instituição financeira forte. “O Sicredi tem cumprido com esse papel de fazer grandes transformações que beneficiam toda a comunidade”, comenta.

 

Alternativa - A minimização dos custos operacionais pelo fato de a agência Smart não transacionar com dinheiro em espécie é avaliada pela cooperativa de crédito como alternativa para levar a bancarização aos municípios que não apresentam viabilidade econômica para comportar agências bancárias. 

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Assessoria Sicredi União PR/SP) 

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

NOVOS CONSELHEIROS: Sicredi elege seu novo Conselho Fiscal durante Fórum Nacional de Presidentes

 

Na manhã desta quinta-feira (21/03), segundo dia do Fórum Nacional de Presidentes do Sicredi, realizado em Porto Alegre, durante a Assembleia Geral da Sicredi Participações S/A (SicrediPar) e da Sicredi Fundos Garantidores (SFG), foi realizada a eleição do novo Conselho Fiscal da SicrediPar e da SFG. Também foram feitas a apresentação das demonstrações financeiras da instituição financeira cooperativa e o lançamento do Relatório de Sustentabilidade 2018 do Sicredi.

 

Conselheiros - Com aprovação unânime dos presidentes das 114 cooperativas que compõem o Sicredi, foram eleitos os conselheiros fiscais Emerson Luis Perosa, presidente da Cooperativa Sicredi Pantanal MS; João Bezerra Junior, presidente da Cooperativa Sicredi Evolução; Juares Antonio Cividini, presidente da Cooperativa Sicredi Univales MT/RO; Orlando Muffato, presidente da Cooperativa Sicredi Grandes Lagos PR/SP; e Marcos André Balbinot, presidente da Cooperativa Sicredi Serrana RS, além dos cinco suplentes. 

 

Homenagem - Também foi realizada uma homenagem em agradecimento à atuação da antiga composição do Conselho Fiscal, que recebeu uma placa entregue pelo CEO e presidente do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (Woccu, na sigla em inglês), Brian Branch, e da CEO do Rabo Partnerships, Marianne Schoemaker. Após a eleição do Conselho Fiscal, ocorreu a apresentação do primeiro conselheiro independente do SicrediPar e do Banco Cooperativo Sicredi, Walter Shinomata, que passou a exercer a função no segundo semestre de 2018. 

 

Efeito multiplicador - Em seguida, no lançamento do Relatório de Sustentabilidade 2018 do Sicredi, o presidente da SicrediPar, da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Woccu, Manfred Alfonso Dasenbrock, destacou a importância dos indicadores presentes na publicação.  “Quando olhamos para números como o do Programa Crescer, que teve participação de mais de 39 mil associados no ano passado, o que enxergamos é uma quantidade muito relevante de pessoas que recebeu educação sobre cooperativismo e pode replicar esse conhecimento”, destacou.

 

Contas - A assembleia prosseguiu com a apresentação detalhada aos presidentes das Demonstrações Financeiras do exercício de 2018 da SicrediPar e da SFG, com destaque para o saldo disponível no Fundo de R$ 253 milhões, aumento de 5% no ano. “O SFG, somado ao Fundo Garantidor das Cooperativas de Crédito (FGCoop), nos dá a tranquilidade para a continuidade da nossa expansão”, considerou Dasenbrock. Ambas as demonstrações financeiras foram aprovadas por unanimidade pelos dirigentes e pela auditoria independente Ernst Young.  

 

Cooperação - Também ocorreu um ato para celebrar a assinatura do acordo de cooperação entre Sicredi e Federação de Cooperativas de Poupança e Crédito do Nepal, a Nepal Federation of Savings and Credit Cooperative Unions (NEFSCUN), intermediado pelo Woccu. A parceria visa ao apoio do Sicredi à NEFSCUN por meio da troca de informações e compartilhamento de práticas e conhecimentos. Assinaram o termo Brian Branch e os dirigentes do Sicredi, Manfred Dasenbrock e João Tavares, este último presidente executivo do Banco Cooperativo Sicredi.

 

Essência - Tavares ressaltou a importância manter a essência do cooperativismo como elemento chave para o sucesso. “Nosso êxito vem do fato de colocarmos o propósito acima do produto, e isso só é possível pela presença efetiva das cooperativas filiadas ao Sicredi junto às comunidades”, enfatizou.

 

Homenagem - Outro destaque da programação desta quinta-feira foi a homenagem às cooperativas de crédito que apadrinharam a migração para o Sicredi das cooperativas das regiões Norte e Nordeste. Representando a Central Sicredi Norte/Nordeste, o diretor executivo Francisco Ary Viera Sobral saudou a integração que possibilitou o sucesso do projeto. “Construímos a migração juntos. E, doravante, continuaremos juntos para construir um Sicredi ainda maior”, ressaltou.

 

Palestra - O Fórum Nacional de Presidentes do Sicredi teve início na noite de quarta-feira (20/03), com a palestra do economista Ricardo Amorim. Em sua apresentação, Amorim traçou um panorama do cenário econômico passado, presente e futuro, abordando também os desafios que a economia brasileira trazem ao cooperativismo de crédito e o papel que o segmento pode ter no desenvolvimento socioeconômico do país. 

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.(Assessoria da SicrediPar e da SFG) 

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

COOPERAÇÃO: Tecpar e Senai ampliam parceria na área de tecnologia e inovação

 

cooperacao 22 03 2019O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e o Serviço de Aprendizagem Nacional (Senai), firmaram nesta quinta-feira (21/03) um memorando de entendimentos para desenvolvimento de projetos em parceria. Segundo o diretor-presidente do Tecpar, Fabio Cammarota, o propósito é a conjunção de esforços com a finalidade de viabilizar oportunidades de cooperação no desenvolvimento tecnológico em empreendimentos inovadores.

 

Itens - Entre os itens em que as duas instituições trabalharão juntas estão a Coincubação, o Energy Camp e Smart Farm, a Certificação de geração distribuída (Selo GD) e a Certificação de cadeia de biocombustíveis, além de outros setores que possam ser considerados de interesse técnico científico mútuo dos parceiros.

 

Estratégicas - Cammarota, explica que essas áreas são estratégicas para o instituto, em alinhamento às diretrizes do Governo do Estado. "O Tecpar recebeu a missão do Governo do Estado de liderar o processo de inovação e do desenvolvimento tecnológico no Paraná”, diz ele. “Essa parceria com o Senai é importante para mostrar que o instituto está de portas abertas para estreitar o relacionamento com a iniciativa pública e privada", destaca.

 

Agronegócio - Para o diretor regional do Senai, José Antônio Fares, a parceria entre as instituições tem todas as condições para ser bem-sucedida, inclusive com possibilidade de um incremento na área do agronegócio, na qual o Senai tem interesse.

 

Histórico - “O Tecpar é uma instituição com um histórico de realizações, de impulsionar a inovação, o desenvolvimento e a pesquisa no Estado. Tem infraestrutura, incubadora, um processo de certificação muito forte e um nome reconhecido no mercado. Por outro lado, o Senai é uma instituição forte na formação profissional e na inovação tecnológica. Então, estas duas entidades juntas têm muitas oportunidades”, afirma Fares.

 

Incubadora - O Tecpar conta com a Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec), assim como o Senai. A ideia em relação à coincubação, segundo o diretor da Indústria e Inovação do Tecpar, Rafael Rodrigues, é complementar os processos de incubação das duas instituições, permitindo que os incubados tenham acesso à infraestrutura tanto do Tecpar quanto de Senai.

 

Revitalização - Já em relação ao Energy Camp e Smart Farm, a intenção é revitalizar os campi do Tecpar na CIC, em Jacarezinho e em Araucária, com esses novos conceitos, que são trabalhados pelas duas instituições. "Queremos trabalhar com o living lab, para nossos campi serem laboratórios a céu aberto”, diz Rafael Rodrigues.

 

Energias renováveis - A ideia, segundo ele, é que o câmpus CIC passe ter uma área para o Energy Camp, apoiando assim as atividades do Tecpar na área de energias renováveis. Já os campi de Jacarezinho e Araucária levariam à frente projetos do agrotech, para testar tecnologias inovadoras voltadas ao agronegócio", pontua.

 

Certificação - O último item do acordo, sobre certificação de geração distribuída (SELO GD) e a Certificação de cadeia de biocombustíveis, busca estreitar as relações entre o Tecpar Certificação, divisão cujo negócio é a certificação de produtos e sistemas, com o Senai. "Atuaremos desta forma de maneira mais sinérgica na área de certificação", analisa Rodrigues.(Agência de Notícias do Paraná)

 

MERCADO EXTERNO: Brasil é um país manchado por escândalos, dizem pecuaristas dos EUA

 

mercado externo 22 03 2019A Associação de Criadores de Gado dos Estados Unidos (USCA) manifestou sua oposição à possibilidade de retomada de compra de carne bovina in natura brasileira por parte dos norte-americanos. Em comunicado, a entidade classifica o Brasil como um mau ator no mercado, cuja sanidade animal coloca em risco a saúde do rebanho local.

 

Teor - “A Associação de Criadores de Gado dos Estados Unidos se opõe fortemente ao comprometimento da saúde do rebanho bovino doméstico em prol do aumento das exportações de carne bovina, especialmente de um país marcado por escândalos”, diz a nota.

 

Tratativas - A possibilidade de uma retomada das vendas de carne bovina in natura do Brasil para os Estados Unidos foi tema do encontro entre o presidente Jair Bolsonaro e Donald Trump, nesta semana. Em comunicado conjunto, foi informado que o governo norte-americano concordou em agendar “rapidamente” uma visita técnica ao Brasil tendo em vista a reabilitação dos embarques.

 

Sanidade - A liberação anterior dessas exportações tinha sido conseguida depois de décadas de negociações bilaterais. No entanto, em meados de 2018, os Estados Unidos suspenderam as compras alegando problemas sanitários. Foram identificados abscessos na carne vendida para o país, consequência da aplicação de vacinas contra a febre aftosa.

 

Desacordo - “As preocupações dos criadores de gado norte-americanos foram validadas, uma vez que o Brasil não cumpriu vários requisitos da sua relação comercial com os Estados Unidos”, pontua o comunicado da USCA, divulgado no dia 19 de março.

 

Temor - Os pecuaristas norte-americanos reforçam que seriam “catastróficos” os efeitos de uma epidemia de febre aftosa no país, não apenas sobre a indústria de carne, mas sobre a economia nacional. Citando a Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), a Associação afirma que perdas podem chegar a US$ 14 bilhões, incluindo a renda dos criadores, o consumo e as relações comerciais.

 

Agravante - O comunicado da USCA lembra ainda da Operação Carne Fraca, que investigou suspeitas de irregularidades e de corrupção na indústria de carnes brasileira. Ressalta que a operação revelou que inspetores estariam recebendo propinas para permitir a venda de carne vencida, sob laudos sanitários falsos.

 

Jeitinho - Menciona também um pedido da Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne Bovina (Abiec) ao Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) para mudar uma diretriz relacionada a defeitos em contêineres. Na visão dos pecuaristas, seria mais uma tentativa dos brasileiros de “contornar” regulamentos norte-americanos de segurança alimentar.

 

Oposição - “A USCA se mantém fortemente contrária a qualquer reabertura do comércio de carne bovina com o Brasil. Apelamos ao presidente Donald Trump e ao secretário Sonny Perdue que considerem as preocupações com a saúde do gado norte-americano para garantir que a proteína preferida no país mantenha sua oferta abundante”, diz a entidade. (Globo Rural) 

(Foto: JBS/Divulgação)

 


Versão para impressão


RODAPE