MERCADO II: Segunda-feira foi de valorização para o preço do milho

mercado II 22 09 2020A segunda-feira (21/09) chegou ao final com os preços do milho subindo no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram percebidas desvalorizações em nenhuma das praças.

Valorizações - Já as valorizações apareceram em Pato Branco/PR (0,96% e preço de R$ 52,70), Ubiratã/PR, Londrina/PR, Marechal Cândido Rondon/PR, Eldorado/MS, Ponta Grossa/PR, Não-Me-Toque/RS, Panambi/RS, Palma Sola/SC, Cascavel/PR, Cafelândia/PR, Cândido Mota/SP, Porto Santos/SP (3,23% e preço de R$ 64,00), Jataí/GO, Rio Verde/GO, Dourados/MS, Amambaí/MS, Campo Grande/MS, Maracaju/MS e Brasília/DF (8,33% e preço de R$ 52,00).

Cotações - Confira como ficaram todas as cotações nesta segunda-feira.

Ligeiros recuos - De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, o mercado físico do milho trabalhou com ligeiros recuo dos preços na semana anterior. “A entrada gradual de cereal de fora do estado e o comprador menos ativo foram os motivos para isto. A cautela com o câmbio é o destaque no início desta semana”.

Compradores - Ainda nesta segunda-feira, o Cepea divulgou sua nota semanal relatando que compradores de milho consultados pelo Cepea estão afastados do mercado, à espera de quedas nos preços do cereal, fundamentados no avanço da colheita da segunda safra. Produtores, por sua vez, limitam o volume ofertado no spot, com as atenções voltadas ao clima, ao maior ritmo das exportações e à entrega de lotes comercializados antecipadamente.

Volta em breve - Além disso, segundo informações do Cepea, vendedores acreditam que parte dos demandantes volte ao mercado em breve, devido à finalização de estoques. “Nesse contexto, o fechamento de novos negócios tem sido pontual e envolvendo pequenas quantidades”.

Preços - Quanto aos preços, apresentam movimentos distintos dentre as regiões acompanhadas. No Centro-Oeste, sobretudo em Mato Grosso, o baixo excedente mantém firmes os valores do milho. No Sudeste, a colheita avança e produtores têm interesse em entregar a mercadoria na cooperativa, o que enfraquece as cotações em alguns dias. Já no Sul, no Paraná, os preços estão em alta, tendo em vista que produtores se concentram nos trabalhos de campo, se mantendo afastados dos negócios. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, os valores sobem, diante do baixo excedente.

B3 - Os preços futuros do milho operaram durante todo o dia em alta na Bolsa Brasileira (B3) nesta segunda-feira. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,18% e 0,87% por volta das 16h21 (horário de Brasília).

Vencimento novembro/20 - O vencimento novembro/20 era cotado à R$ 60,28 com valorização de 0,87%, o janeiro/21 valia R$ 60,58 com ganho de 0,18%, o março/21 era negociado por R$ 60,40 com elevação de 0,50% e o maio/21 tinha valor de R$ 58,35 com alta de 0,60%.

Dólar - Dando sustentação aos contratos do cereal brasileiro, o dólar também ficou durante todo o dia em alta ante ao real. Por volta das 16h27 (horário de Brasília), a moeda americana subia 0,19% e era cotada à R$ 5,39. (Notícias Agrícolas)

FOTO: Assessoria Integrada

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn