Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5137 | 18 de Agosto de 2021

MÍDIA: Jornal O Estado de S. Paulo destaca investimentos das cooperativas do PR em armazenagem

midia 18 09 2021Em matéria publicada na segunda-feira (16/08), o jornal O Estado de São Paulo destaca o aumento dos investimentos do setor agropecuário em armazenagem na safra 2021/22, na coluna do Broadcast Agro. O texto cita ainda que, no Paraná, a Ocepar prevê que as cooperativas devem destinar R$ 900 milhões em estruturas na atual safra, o que representa um aumento de 20% em relação ao ano anterior. As cooperativas paranaenses respondem por 54% de toda a capacidade de armazenagem do Estado. O jornal entrevistou o gerente de Desenvolvimento Técnico da entidade, Flávio Turra, sobre o assunto. Clique aqui e confira na íntegra o material.

 

 

 

FOTO: Banco de imagens CNH

 

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Sistema Ocepar promove 68º encontro virtual com gestores da Cooperaliança

O Sistema Ocepar promoveu, na tarde desta terça-feira (17/08), a 68ª reunião institucional virtual deste ano com representantes da Cooperaliança, entre conselheiros, diretores, gerentes e funcionários, liderados pelo presidente da cooperativa, Edio Sander. “Esse encontro é realizado basicamente para verificar os indicadores econômicos e financeiros da cooperativa, com base nos cenários obtidos por meio do agrupamento de informações do Sistema de Autogestão, ressaltou o coordenador de Monitoramento, João Gogola Neto, na abertura. Ele lembrou ainda que, desde março de 2020, as reuniões têm ocorrido no formato on-line, devido à pandemia, o que tem oportunizado a participação de mais profissionais do Sistema Ocepar nos debates organizados com as cooperativas, inclusive da diretoria executiva da entidade. A reunião desta terça-feira, por exemplo, teve a presença do superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti.

Relevância - “Obrigado ao time da Cooperaliança, que hoje está em peso aqui, por nos receber, mesmo que virtualmente. Para nós, do Sistema Ocepar, essas reuniões são bem importantes. Nós temos participado sempre que possível, devido à relevância desse trabalho, que começou na década de 1990, com o Programa de Autogestão, e que nos possibilita ter informações de todas as 218 cooperativas atualmente registradas conosco”, afirmou Mafioletti.

Bom desempenho - Mafioletti lembrou que o bom desenvolvimento do cooperativismo paranaense ficou evidenciado com o encerramento, no final do ano passado, do PRC100, o planejamento estratégico do setor, superando a meta financeira de R$ 100 bilhões. Em 2020, as cooperativas do Paraná atingiram faturamento de R$ 115,7 bilhões. “Agora, lançamos o PRC200, que visa buscar R$ 200 bilhões de movimentação econômica”, acrescentou.

Atuação - O superintendente destacou ainda outras frentes de atuação do Sistema Ocepar ligadas a várias áreas, como infraestrutura, com o acompanhamento da definição sobre o novo modelo de concessão das rodovias paranaenses; agronegócio, verificando as necessidades de viabilização de mais recursos para as cooperativas por meio do Plano Safra; e tributária, em que estão sendo monitorados os projetos de reforma em tramitação no Congresso Nacional, com o objetivo de assegurar o adequado tratamento tributário ao ato cooperativo. Ele falou ainda sobre os debates iniciais visando a implementação de um projeto de intercooperação em produção de carnes, com o envolvimento de cooperativas de diferentes regiões do Estado. “Vamos estudar essa ideia com bastante cautela”, frisou. Mafioletti também parabenizou a Cooperaliança pela inauguração do frigorífico próprio, que possibilita à cooperativa atuar em toda a cadeia produtiva de carne. “Estamos bem animados com o trabalho da Cooperaliança, que tem sido feito com muita seriedade”, finalizou.

Nova unidade industrial - Sander disse que este ano está sendo bastante desafiador para a cooperativa, especialmente devido à recente implantação da Unidade Industrial, cuja capacidade de abate é de até 320 cabeças/dia. ‘É um negócio totalmente diferente do que nós vínhamos fazendo antes”, frisou. Ele contou que a Cooperaliança está se adaptando ao novo negócio e enfrentando, adicionalmente, o ciclo de alta da pecuária de corte, caracterizado principalmente pelos preços valorizados da arroba do boi tanto no mercado interno como externo, favorecendo mais os exportadores do produto, além da restrição na oferta de animais para o abate e margens mais baixas. “Atualmente nosso frigorífico está operando com 25% da capacidade. Acreditamos que no último trimestre do ano vamos entrar num ritmo normal, com toda a estrutura montada. O processo está se encaminhando e, nos próximos anos, pretendemos crescer bem e atingir os nossos objetivos”, disse.

Remuneração dos cooperados - Ainda de acordo com Sander, apesar da atual realidade do mercado de carne bovina, a cooperativa tem procurado manter uma boa remuneração aos cooperados. “A cooperativa abriu mão da margem para remunerar melhor o produtor porque nós não conseguimos repassá-la para o mercado, já que os preços da carne estão no limite. O consumidor médio está migrando para outras proteínas animais, deixando de comprar a carne bovina. Por outro lado, estamos repassando 3% a mais de margem para os cooperados, porque eles também estão passando por uma situação difícil, tanto na compra de bezerros como com o custo da ração”, afirmou. Sobre o projeto de intercooperação, o presidente da Cooperaliança avalia que há potencial para a realização de um trabalho conjunto entre as cooperativas paranaenses nesse segmento.

A cooperativa - Localizada no Distrito de Entre Rios, em Guarapuava, na região Centro-Sul do Estado, a Cooperaliança é uma cooperativa dedicada à produção de carnes nobres, predominantemente bovina, mas com oferta da ovina também, disponíveis em diversos pontos de venda no Paraná. Ela possui atualmente 170 cooperados e 186 funcionários. No ano passado, atingiu faturamento de R$ 162,52 milhões, valor 25,4% superior aos R$ 129,6 milhões alcançados em 2019. A cooperativa projeta encerrar 2021 contabilizando R$ 205 milhões de faturamento.

Apresentações - Na reunião institucional desta terça-feira (17/08), o coordenador de Monitoramento, João Gogola Neto, apresentou aos participantes o cenário consolidado do cooperativismo paranaense e do ramo agropecuário, referente a 2020. Já o analista Emerson Barcik repassou as informações referentes aos indicadores econômicos e financeiros da Cooperaliança e os cenários comparativos com outras cooperativas do mesmo ramo e região. Ao final, ele discorreu ainda sobre o portfólio de programas e ações do Sescoop/PR disponíveis para as cooperativas do Paraná. Também participaram do encontro os coordenadores Devair Mem e Rogério Croscato, especialistas da área tributária.

{vsig}2021/noticias/08/18/reuniao_institucional/{/vsig}

 

SISTEMA OCB: Live abordará estratégias para coops crescerem

sistema ocb 18 08 2021O Sistema OCB vai promover uma série de lives chamada Estratégia e Inovação no Cooperativismo, com o objetivo de debater como e quais oportunidades podem fazer as cooperativas agropecuárias crescerem mais. Para isso, o apresentador Marcos Fava Neves vai receber convidados especiais para discutir gestão, produtividade e sustentabilidade no agro.

Tema - O tema da próxima live que ocorrerá no próximo dia 25/08, às 16h, é: Tendências de Consumo de Alimentos e seus Impactos. E quem estará com o apresentador é o CEO da IPC/Subway, Philippe de Grivel, e o diretor da Minerva, Francisco Minerva.

Inscrição - Para participar, basta se inscrever por aqui.

China - A primeira live ocorreu durante a Semana Conexão Coop, quando Fava Neves recebeu a especialista em comércio internacional e integrante da Universidade de Negócios Internacionais e Economia de Pequim, Tatiana Prazeres, e o gerente geral internacional da Aurora Alimentos, Dilvo Casagranda, para falar sobre mercados, exportação e sobre como as coops podem e devem se preparar para o mercado externo. 

Acesso - Para saber como foi, clique aqui. (OCB)

(OCB)

 

AGRÁRIA: Iniciada a terceira onda do Projeto Excelência

agraria 18 08 2021Em agosto, a Agrária começa a terceira onda do Projeto Excelência. Em curso desde 2014, a iniciativa tem o objetivo de melhorar a gestão da cooperativa, migrando todos os seus processos de gerenciamento para a plataforma SAP. A transferência de dados e execução das atividades das áreas administrativas e industriais já estão em funcionamento. Nessa, que é a última etapa do projeto, o foco está principalmente nas ações voltadas para as operações que envolvem o cooperado.

Áreas mais impactadas - As áreas mais impactadas pela terceira onda do Projeto Excelência serão Insumos, Cereais, Sementes, Comercial de Grãos, Energia, Gestão de Riscos, Assistência Técnica e Atendimento ao Cooperado. A expectativa é que ao menos 35 departamentos sejam mobilizados para a migração dos dados para o SAP, operação que deve evolver mais de 100 colaboradores. Além deles, toda equipe de Tecnologia de Informação da Agrária e 35 consultores externos também atuarão nessa fase final.

Entendimento - O colaborador Marcos Vinícius Pazini, especialista em Mercado de Grãos, comenta que a participação na segunda onda do Projeto Excelência permitiu a ele um entendimento maior sobre o funcionamento da Agrária. “Fui líder em uma das frentes de trabalho e ao longo do processo pude ter uma visão diferente de cada setor com que tive contato. Isso contribuiu para o aumento do meu conhecimento sobre toda a cadeia produtiva”, afirma. Pazini acredita que a terceira onda proporcionará mais agilidade às atividades que são executadas pela sua área, o Comercial de Grãos. “Ainda fazemos muitas coisas manuais. Com a migração dos dados para uma única plataforma, nossas atividades se tornarão mais rápidas”, diz.

Melhorias - Para o coordenador da área de Atendimento ao Cooperado, Emerson dos Santos, a migração dos processos que envolvem o setor para a plataforma SAP significará melhorias na realização das tarefas. “O sistema que usamos atualmente, embora não esteja obsoleto, tem suas limitações. Nossas atividades estão ligadas as de outros departamentos dentro da cooperativa e, muitos deles, já utilizam o SAP. Por isso, hoje, precisamos passar as informações de um sistema para o outro de maneira manual”, explica. De acordo com ele, serviços como faturamento de contas dos cooperados, gerenciamento de estoques e rastreabilidade da produção devem se tornar mais simples. “As informações em uma única plataforma com certeza é algo que vai beneficiar a cooperativa e, consequentemente, trazer um retorno maior aos nossos cooperados, o que é o nosso principal objetivo”, conclui. (Imprensa Agrária)

 

COCARI: Dia Nacional do Campo Limpo reforça a importância da destinação correta de embalagens de agrotóxicos

cocari 18 08 2021Nesta quarta-feira (18/08) é comemorado o Dia Nacional do Campo Limpo. A data integra o calendário nacional desde 2008, sendo criada pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), com objetivo de reconhecer a participação dos diferentes agentes – agricultores, canais de revenda e cooperativas, indústria fabricante e poder público – da logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas no Brasil. O dia serve também para celebrar os resultados alcançados por meio dessa atuação conjunta.

Conscientização - Anualmente, neste período, o inpEV promove uma série de eventos destinados a conscientizar a população. São ações comunitárias, concursos em escolas, palestras em universidades e encontros com autoridades locais, entre outras, que são realizadas no entorno das unidades de recebimento. As iniciativas estimulam a comunidade local a refletir sobre a necessidade da conservação do meio ambiente e o papel que podem desempenhar nesse esforço.

Importante papel - Cumprindo importante papel, a Cocari reforça o trabalho de conscientização dos cooperados sobre a importância do descarte correto de embalagens de agrotóxicos vazias. Para facilitar a entrega por parte dos produtores, a cooperativa organiza postos de coleta nos entrepostos da área de atuação da Cocari, garantindo a adequada destinação.

Coleta itinerante - Em cumprimento da lei que estabelece que as embalagens vazias de agrotóxicos devem ser tríplice lavadas e devolvidas no prazo máximo de um ano após sua aquisição, a coleta obedece a um cronograma pré-definido, de modo que os produtores podem se organizar para entregar as embalagens nas unidades da Cocari no Paraná. No Cerrado, a cooperativa realiza a coleta itinerante nos entrepostos de Guarda-Mor/MG e Paracatu/MG. Nas demais unidades do Cerrado, os produtores fazem a entrega das embalagens em postos de recolhimento que ficam bem próximos às unidades da Cocari.

Preservação - De acordo com Thiago Toshio Ricci, gerente ambiental e avícola, a Cocari contribui para a preservação da natureza e da saúde humana e animal promovendo a coleta itinerante desses vasilhames. “Conforme prevê a lei, as cooperativas devem ser credenciadas a associações que realizem o recebimento das embalagens. Porém, a Cocari vai além e promove a coleta itinerante dessas embalagens seguindo datas pré-agendadas em seus próprios entrepostos. Dessa forma, o Programa de Coleta de Embalagens de Defensivos Agrícolas tem por objetivo principal facilitar ao produtor rural a devolução das embalagens vazias”, afirmou. (Imprensa Cocari)

 

COCAMAR: Cooperativa entrega nova estrutura de atendimento em Tamarana (PR)

A Cocamar Cooperativa Agroindustrial formalizou a entrega, na manhã de terça-feira (17/08), de sua nova estrutura de atendimento em Tamarana, município da região de Londrina. A confortável construção de 383 metros quadrados, situada na entrada da cidade e que abriga loja e área administrativa, é parte das obras de ampliação do entreposto que opera no recebimento de grãos (soja, milho e trigo) e comercialização de insumos agropecuários.

Obras - Conforme informou o superintendente de Relação com o Cooperado, Leandro Cezar Teixeira, as novas instalações operacionais ficam prontas no início do próximo ano, para o recebimento da safra de verão 2021/22. Estão sendo erguidos uma balança e um tombador para caminhões bitrem, área de classificação equipada com calador automático, um secador e um silo para 6 mil toneladas. O investimento compreende também a reforma de um armazém de insumos.

Confiança - Recepcionada pelo gerente Fernando Stephano, a prefeita de Tamarana, Luzia Suzukawa, conheceu a nova loja e aproveitou para visitar o canteiro de obras. Segundo ela, “o empreendimento é uma demonstração da confiança da Cocamar no potencial do município e região”.

Consolidação - O gerente informou que, quando pronta, a unidade terá capacidade para receber 3 mil toneladas de grãos por dia. Com uma equipe de 18 colaboradores, a estrutura atende a 190 produtores cooperados. “O investimento consolida a presença da cooperativa na região”, disse.

Competitiva - Morador em Tamarana, o cooperado e conselheiro da cooperativa, Helder de Oliveira Barbosa, comentou que a nova estrutura vai proporcionar um atendimento mais ágil e de melhor qualidade aos produtores, tornando a Cocamar ainda mais competitiva na região.

Números - Ao todo, a cooperativa que em 2020 faturou R$ 7 bilhões, possui 97 estruturas operacionais espalhadas pelos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, que atendem a mais de 16 mil produtores cooperados. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/08/18/cocamar/{/vsig}

COAMO: Via Sollus, segurança em primeiro lugar

A Via Sollus Corretora de Seguros, com o intuito de proporcionar segurança e tranquilidade aos seus clientes, disponibiliza as melhores soluções em seguros, com confiabilidade nas contratações e agilidade na regulação do sinistro. Ao fazer um seguro, o contratante protege seu patrimônio.

Investimento - O seguro é um tipo de investimento direcionado a cobrir o risco de perda de algo valioso. Ou seja, os seguros servem para se prevenir contra quaisquer riscos inesperados. A corretora trabalha com diversos tipos de seguro, como o de vida, de automóvel, residencial, agrícola, de maquinário, entre outros. O contrato é personalizado para atender a necessidade do segurado, com taxas acessíveis.

Eventualidade - Os seguros são importantes para qualquer eventualidade que possa acontecer. Em Toledo (Oeste do Paraná), o associado Natalício Capelett, é cliente assíduo da Via Sollus. De acordo com ele, existe uma relação de confiança muito grande entre ele e a corretora, pois assegura todo seu patrimônio na empresa. “Me sinto em casa. Tenho segurança em contratar seguros e estou bem amparado na hora que preciso”, afirma Capeletti.

Tranquilidade - O associado conta que fez o seguro dos aviários, maquinário (trator e ceifa), lavouras de verão e inverno, ou seja, de tudo que utiliza para trabalhar. Mas, não acaba aí. Capelett tem seguro de vida, residencial, de veículos e das placas solares. Fazer seguro para se sentir seguro, esse é o objetivo do associado. Para ele, o seguro acaba saindo barato, se comparado ao valor de todo patrimônio. “Fiz o seguro e posso dormir tranquilo. Consigo me preocupar com outras coisas. Sempre procuro um seguro cada vez melhor para mais tranquilidade.”

Safra atual- Em relação à safra atual, a propriedade de Capelett sofreu com a seca no início do plantio de milho, e com as geadas, que atingiram o Estado e foi intensa no Oeste do Paraná. Com a propriedade coberta pelo seguro, o produtor não terá prejuízos e iniciará a safra sem dívidas. “Não é bom a gente começar um ano devendo. Nesse caso, não sobrou, mas não fiquei com dívidas. A arrancada para o próximo ano é muito melhor”, frisa.

Cobertura - Ele faz seguro há mais de dez anos e apenas uma vez necessitou da cobertura, pois houve um incêndio em um de seus aviários. “Valeu a pena, pois o valor que foi pago no sinistro era muito maior do que eu já havia investido.” Capelett sugere para os outros cooperados que também façam a adesão ao seguro. “A gente tem que pagar seguro para não usar. Eu já precisei acionar, a diferença é que pagamos um valor e o seguro cobre muito mais do que já pagamos, na hora que a gente precisa. Fazendo essas contas, o seguro vale muito a pena.”

Seguros para os bens da propriedade rural - Em consonância com a crescente demanda de máquinas e equipamentos agrícolas e com tecnologia cada vez mais avançada, a Via Sollus Corretora de Seguros oferece os seguros pensando na propriedade rural como um todo, seja na contratação do seguro da sua colheitadeira, trator, pulverizador ou de implementos agrícolas contra prejuízos inesperados. Mas, é necessário pensar em um lugar para manter guardados estes bens, e para tanto, fazer o seguro dos barracões ou galpões onde ficam guardados é de fundamental importância.

Opções - Para isto, a Via Sollus Corretora de Seguros oferece, por intermédio de várias seguradoras, opções que garantem a tranquilidade do usuário e os bens seguros.

Sistema Fotovoltaico - Aliado à tecnologia e sustentabilidade, a Via Sollus Corretora de Seguros oferece o seguro do Sistema Fotovoltaico usado para a geração da energia solar. Trata-se de um produto que oferece proteção aos painéis fotovoltaicos e componentes, contra danos materiais decorrentes de causa externa, inclusive roubo ou furto qualificado, para painéis instalados em telhados, solo ou em galpões.

Grupo Coamo - A Via Sollus Corretora de Seguros é uma empresa do grupo Coamo fundada em 5 de maio de 2008, com o objetivo de levar proteção, segurança e tranquilidade aos seus clientes. (Imprensa Coamo)

{vsig}2021/noticias/08/18/via_sollus/{/vsig}

 

SICOOB: Instituição vê alta no apetite de pequenas empresas por crédito

sicoob 18 08 2021Com atuação voltada para amenizar a crise do coronavírus, principalmente nas micro e pequenas empresas, o Sicoob viu crescer, em apenas um ano, quase 50% sua carteira de crédito para pessoas jurídicas. O saldo, que era de R$ 31,3 bilhões em julho de 2020, chegou a R$ 45,9 bilhões em julho de 2021. Mesmo aumentando nesta proporção, a inadimplência caiu um ponto percentual, chegando a apenas 1,8%.

Números importantes - Segundo Francisco Reposse Júnior, diretor comercial e de canais da instituição, os números são importantes porque o Sicoob tem uma grande atuação fora dos centros urbanos, ou seja, o crédito foi voltado para pessoas jurídicas que, durante a crise, não contaram com o apoio de outros players do mercado financeiro. "Os cooperados do Sicoob estão nos ‘interiores’ do Brasil, em localidades muito remotas e amplamente afetadas pela pandemia do coronavírus", diz.

Pronampe - Uma linha de destaque neste período foi o Pronampe. No ano passado, foram liberados R$ 2,6 bilhões nesta modalidade, com 51 mil pessoas atendidas. Já em 2021, o Sicoob ocupa a quarta posição entre as instituições que mais liberaram crédito via Pronampe, sendo a 2ª colocada entre as instituições privadas, superando a marca de R$ 1,6 bilhão e mais de 25 mil cooperados atendidos. "Nossa expectativa é estarmos presentes nas demais rodadas que o governo vier a liberar", afirma Reposse.

Acesso - Segundo o Sebrae, o Sicoob é a instituição financeira que mais possibilitou crédito a pequenos negócios na pandemia, com uma taxa de sucesso de 52%. "Este é o reflexo de nossa atuação. Ao oferecermos um crédito mais justo e sustentável, demonstramos que estamos de fato ao lado dos nossos cooperados nesses momentos de dificuldade", finaliza o executivo.

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5,2 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, marketplace, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por 366 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Ocupa a segunda colocação entre as instituições financeiras com maior quantidade de agências no Brasil, segundo ranking do Banco Central, com 3.523 pontos de atendimento em 1.934 cidades brasileiras. Acesse www.sicoob.com.br para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

SICREDI: Marcas próprias são opção na hora de economizar nas compras

sicredi 18 08 2021A pandemia da Covid-19 não só impactou todos os setores da sociedade, como também provocou diversas mudanças na economia e na forma de consumo do brasileiro. A crise afetou inclusive a escolha dos produtos que o consumidor coloca no carrinho do supermercado. Com preços de alimentos básicos como carne, arroz e feijão em alta, foi necessário se adequar na hora das compras para fechar o orçamento mensal da família.

Supermercados - Com essas mudanças todas é possível notar um movimento também das redes de supermercados diante dessa nova realidade. De acordo com dados da Associação Paulista de Supermercados (Apas), no primeiro semestre deste ano foi registrado um aumento de 30% nas vendas de produtos de marcas próprias em relação ao mesmo período de 2020. Para o consultor financeiro e gerente de agência da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP, Denilson Silva, esse crescimento é consequência do impacto da crise no bolso do consumidor.

Reajustes - “Os preços da maioria dos alimentos tiveram reajustes no último ano, muitos com alta superior a 10%. Portanto, com inflação acima do esperado, aumento do desemprego, e reduções salariais causadas pela crise sanitária, o poder de compra também reduziu. Por isso, sempre que temos um cenário como esse, o consumidor acaba optando por marcas mais baratas, que é o caso das marcas próprias vendidas nos supermercados”, explica.

Mais vantajosa - Mais competitivas e com um custo-benefício melhor em relação às outras marcas, essa opção acaba sendo mais vantajosa para o consumidor. Mesmo que as marcas próprias ainda sejam uma estratégia principalmente de grandes redes, esse é um movimento que vem crescendo também em lojas menores.

Tendência - “Essa é uma tendência de mercado que ganhou destaque durante a pandemia por uma necessidade do consumidor, mas que, por outro lado, é um movimento que chegou para ficar. A partir do momento que a empresa passa a oferecer produtos de marca própria, como, por exemplo, produtos de panificação fabricados por ela mesma, reduz alguns custos como logística, por exemplo, e consegue entregar um produto com mais qualidade e com preços mais acessíveis”, conta.

Economia final - Segundo o especialista, a maior vantagem em escolher produtos de marcas próprias nas redes de supermercados está na economia final. “Quando o supermercado vende produtos básicos, como é o caso dos alimentos de fabricação própria, a conta final pode ficar até 25% menor em comparação a outras marcas tradicionais”, ressalta.

Orçamento familiar - Porém, além de fazer essas escolhas é importante também organizar o orçamento familiar. “Tem algumas dicas importantes na hora de fazer as compras e que fazem muita diferença nos gastos mensais, como, por exemplo: procure sempre estar atento às datas e aos dias da semana com promoções; pesquise preços em outras lojas antes de comprar; evite ir ao mercado com fome ou com a família toda; anote tudo o que é necessário e que não pode faltar no carrinho de compra, assim, você evita os supérfluos”, aconselha.

Sobre Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins

FOTO: Eldinhoid / Istock

 

UNIMED LONDRINA: Enquete do Eu Ajudo na Lata é aberta para definir distribuição de cadeiras de rodas

unimed londrina 18 08 2021A Unimed Londrina abriu, no último dia 10 de agosto, a votação na enquete que irá definir a distribuição das cadeiras de rodas entre as instituições beneficiadas nesta que é a 9ª edição da campanha “Eu Ajudo na Lata”.

Participantes - Neste ano, seis instituições estão participando da enquete, todas elas receberão cadeiras de rodas adquiridas com a venda dos lacres das latas de alumínio arrecadados pela campanha.

Distribuição - A distribuição dos equipamentos é feita de acordo com a quantidade de votos que cada instituição recebe. A votação na enquete vai até 31 de agosto e pode ser feita por meio do link https://unimedlda.typeform.com/to/q8kXe8IE .

Entidades - Participam da enquete: Apae de Alvorada do Sul, Associação Flávia Cristina, de Londrina, Cáritas Arquidiocesana de Londrina, Instituto Pernas Preciosas, de Londrina, Instituto Londrinense de Educação para Crianças Excepcionais de Londrina (Ilece) e o Lar São Vicente de Paula, de Arapongas. Juntas, essas entidades atendem 3,2 mil pessoas, muitas com mobilidade reduzida.

Secretaria de Educação - A campanha também irá destinar uma cadeira de rodas para a Secretaria Municipal de Educação de Londrina, parceira da singular em vários projetos.

Comunidade - A gerente de Sustentabilidade da Unimed Londrina, Fabianne Piojetti, explica que a enquete é uma maneira de envolver a comunidade para além da doação dos lacres de latas de alumínio. “Como muitas pessoas ajudam com a campanha ao longo do ano, achamos justo que elas também contribuam no direcionamento das cadeiras de rodas”, comenta.

Informações - Fabianne observa que no link de acesso à enquete, os participantes encontram informações sobre as instituições beneficiadas nesta edição para ajudar na escolha.

Arrecadação - Até o momento a campanha deste ano arrecadou 1.087 garrafas PETs cheias de lacres, o que representa uma média de 660 quilos de alumínio. O volume é suficiente para adquirir 10 cadeiras de rodas. Como a cada cinco unidades adquiridas pela campanha a Unimed Londrina doa uma cadeira, até o momento são 12 cadeiras a serem distribuídas entre as instituições participantes.

Ajuda - “Ainda dá tempo de ajudar a campanha. Basta entregar os lacres em qualquer posto de atendimento da Unimed Londrina”, reforça Fabianne. (Imprensa Unimed Londrina)

 

MILHO: Compra de até 200 mil toneladas atenderá pequenos criadores do país

milho 18 08 2021Os estoques destinados para a venda de milho aos pequenos criadores de animais de todo o país poderão contar com um aporte de até 200 mil toneladas do cereal. A compra será realizada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e o produto será disponibilizado para os produtores por meio do Programa de Venda em Balcão (ProVB).

MP - A aquisição do grão foi autorizada pela Medida Provisória (MP), assinada nesta terça-feira (17/08) pelo presidente Jair Bolsonaro, e será publicada no Diário Oficial da União (DOU). Segundo a MP, a Conab irá propor o limite máximo de compra por criador e o preço de venda do milho por estado ou região, que terá como base o preço de mercado. Também cabe à Companhia dimensionar a demanda de milho e realizar leilões públicos de compra ou remoção de estoque de milho.

Pequeno criador - O presidente Bolsonaro destacou que a medida atende o pequeno criador, que terá acesso ao milho adquirido pela Conab diretamente do produtor. A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) afirmou que a MP era muito esperada pelos pequenos criadores. “É o milho balcão tão esperado pelos pequenos produtores, principalmente do Nordeste. É o pequeno criador, consumidor de milho, que terá acesso a um, dois, dez sacos de milho, que ele não pode comprar do grande produtor”.

Volume - O volume de compra de milho para o ProVB será estabelecido anualmente por Portaria Interministerial dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Economia, não podendo exceder 200 mil toneladas. Em situações excepcionais, esse limite poderá ser alterado.

Suprimento - A medida visa assegurar o suprimento de insumos de maneira regular a inúmeras propriedades rurais, especialmente após a quebra de safra do milho. A compra será realizada por meio de leilões públicos e as diretrizes das operações serão divulgadas nos editais a serem publicados.

Desenvolvimento - “O milho a ser adquirido fortalecerá o desenvolvimento de um dos mais representativos segmentos da economia nacional, contribuindo para a manutenção do pequeno criador na sua atividade”, reforça o presidente da Conab, Guilherme Ribeiro.

Regularidade - Apesar de o total a ser negociado representar menos de 1% da colheita da primeira safra do cereal, o volume terá grande impacto para a garantia na regularidade do abastecimento de um dos principais insumos utilizados pelos pequenos criadores no interior do país. “Em função da pequena escala de produção, via de regra, esses produtores não possuem pleno acesso ao mercado atacadista e, por isso, para se tornarem mais eficientes, necessitam do suporte do governo federal para a continuidade de seus negócios, principalmente os que residem nas regiões Norte e Nordeste, assegurando renda e empregos”, explica o Diretor de Operações e Abastecimento da Companhia, José Trabulo.

Clima - O milho foi uma das culturas mais afetadas pelas condições climáticas registradas durante o ano safra 2020/2021. A produção total deve chegar a 86,7 milhões de toneladas, sendo 24,9 milhões de toneladas na primeira safra, 60,3 milhões de toneladas na segunda e 1,4 milhão de toneladas na terceira safra. Apenas para a segunda safra do cereal, a queda na produtividade estimada é de 25,7%, uma previsão de 4.065 quilos por hectare.

Programa de Vendas em Balcão - O ProVB tem como objetivo promover o acesso do pequeno criador de animais ao estoque público de milho. Serão beneficiários do programa os pequenos criadores de animais, inclusive os aquicultores, caracterizados de acordo com a política nacional de agricultura familiar.

Acesso- Para ter acesso ao Programa, o interessado deverá ter Declaração de Aptidão do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP) ativa, estar cadastrado no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes (Sican), da Conab, além de estar em situação regular junto ao Sistema de Registro e Controle de Inadimplentes (Sircoi), da Conab. (Mapa)

FOTO: Guilherme Viana / Embrapa

 

CMN: Conselho Monetário Nacional aprova reserva de recursos do Funcafé para produtores atingidos pela geada

cmn 18 08 2021De forma preventiva e por recomendação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Conselho Monetário Nacional (CMN) reservou R$ 1.318.582.400,00 do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para medidas de apoio aos produtores que venham a ser indicadas após avaliação dos efeitos econômicos decorrentes do evento climático.

Valor - O valor corresponde a 20% do valor das linhas de Custeio, Comercialização, Capital de Giro e Financiamento para Aquisição de Café (FAC), e 100% do valor da linha de Recuperação de Cafezais Danificados.

Distribuição - Em abril de 2021, o CMN aprovou a distribuição de recursos, para o ano agrícola 2021/2022, para as linhas de financiamento do Funcafé. Durante o mês de julho de 2021, ocorreram geadas nas principais regiões produtoras de café de Minas Gerais, São Paulo e Paraná, e levantamentos preliminares indicam que foram atingidos cerca de 200 mil hectares de cafezais.

Reserva - A reserva já tinha sido aprovada pelo Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) para atender os cafeicultores prejudicados pelas geadas nas últimas semanas. Os recursos fazem parte dos R$ 5,9 bilhões aprovados para aplicação nas linhas de financiamento do Funcafé na safra 2021/2022. Com a reserva, os agentes financeiros terão R$ 4,6 bilhões para as linhas de crédito de custeio, comercialização, capital de giro e aquisição de café. Os contratos estão no final de processamento. (Mapa)

 

DEFESA AGROPECUÁRIA: Mapa já tem método validado para diagnóstico de Peste Suína Africana no país

defesa sanitaria 18 08 2021A Rede de Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (Rede LFDA) está apta para atuar na hipótese de uma possível introdução do vírus de Peste Suína Africana (PSA) no território nacional. No caso de suspeita de PSA, o LFDA-MG é o laboratório oficial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que realiza o diagnóstico.

Padronização e verificação - A padronização e verificações dos métodos vêm sendo trabalhadas pelo laboratório em Minas Gerais desde 2015, tendo sido concluída a validação completa de suas técnicas moleculares para o diagnóstico da doença em outubro de 2020. A ampliação para realização do diagnóstico em outros laboratórios da Rede LFDA também já está sendo discutida no Ministério.

Alto grau - “A capacidade de pronta atuação e resposta do LFDA demonstra o alto grau de capacitação de seu corpo técnico, incluindo recente treinamento nas técnicas diagnósticas para PSA no laboratório de referência da União Europeia em Madrid, na Espanha - Centro de Investigación en Sanidad Animal INIA-CISA”, destaca o coordenador de gestão de demandas laboratoriais do Mapa, Leandro Barbiéri.

Diagnóstico - O diagnóstico da PSA pode ser feito por ensaios sorológicos como ELISA e imunoperoxidase, ensaios moleculares de PCR e pelo isolamento de vírus em células. Dos três métodos, o ensaio mais recomendado e utilizado para o diagnóstico da Peste Suína Africana é a PCR.

Execução - “A execução dos ensaios sorológicos nem sempre é possível, pois na maioria dos casos os animais morrem antes de ocorrer a soroconversão. Já para o isolamento de vírus é necessário o cultivo de leucócitos obtidos de suínos, o que torna o ensaio trabalhoso e aumenta o risco de contaminação das linhagens celulares utilizadas no laboratório por microrganismos presentes no sangue dos suínos”, explica Barbiéri.

Doença - A peste suína africana é uma doença viral que não oferece risco à saúde humana, mas pode dizimar criações de suíno, pois é altamente transmissível. O impacto econômico de uma possível reintrodução da PSA no país vai desde prejuízos diretos causados pela enfermidade, até possíveis restrições ao mercado internacional, uma vez que produtos e subprodutos de suínos podem ser fonte de introdução do vírus.

Atenção - A chegada da PSA ao continente americano, confirmada em julho, aumenta o estado de atenção com intensificação das medidas para prevenir a introdução da doença no Brasil. Dessa forma, o papel dos laboratórios é estratégico, além da atuação dos setores de controle de importações, da vigilância agropecuária internacional e dos serviços oficiais de saúde animal.

Ações - O Mapa reforça que desde 2018, quando a PSA se disseminou na China e outros países da Ásia e Europa, vem sendo desenvolvidas ações para fortalecer as capacidades de prevenção do ingresso do vírus da PSA no país, visando a detecção e diagnóstico precoces e resposta rápida a eventuais incursões da doença no Brasil.

Rede LFDA- A Rede LFDA é composta por seis Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (LFDA) distribuídos por todo o Brasil: LFDA-GO, em Goiânia; LFDA-MG, em Pedro Leopoldo; LFDA-PA, em Belém; LFDA-PE, em Recife; LFDA-RS, em Porto Alegre; e LFDA-SP, em Campinas.

Saúde dos rebanhos - As análises laboratoriais desempenhadas pela Rede LFDA são fundamentais à garantia da saúde dos rebanhos, da sanidade das lavouras e da qualidade dos diferentes produtos agropecuários, consumidos no Brasil ou exportados a mais de 100 países.

Resultados - Os resultados emitidos pelos LFDAs são internacionalmente reconhecidos como iguais ou equivalentes, seguros e confiáveis, o que confere ao Brasil o posicionamento entre os maiores exportadores de produtos agropecuários do mundo. (Mapa)

 

RENOVA PR: Programa de energia renovável do Governo do Estado atrai interesse de produtores

renova pr 18 08 2021Os escritórios municipais do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater (IDR-Paraná), vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, receberam, somente na semana passada, 2.243 consultas de produtores rurais interessados em detalhes sobre o programa Paraná Energia Rural Renovável (RenovaPR). O programa está em fase de credenciamento das empresas e responsáveis técnicos que prestarão o serviço.

Edital - No Edital 001/2021, para empresas integradoras de energia solar, 217 estavam cadastradas até esta terça-feira (17/08). Dessas, 120 já passaram por todo o processo e estão homologadas para atender os produtores interessados em projetos. O edital possibilita cadastro de pessoas jurídicas e pessoas físicas habilitadas como responsáveis técnicos nos projetos de energia solar fotovoltaica em ambientes rurais.

Atribuições - Os habilitados terão as atribuições de elaborar e executar projetos técnicos, prestar serviços de instalação e realização de assistência técnica em sistemas de geração de energia solar para produtores rurais, empresas rurais, cooperativas agropecuárias e outras organizações do campo no Paraná. O cadastro pode ser feito de forma gratuita e exclusivamente em formato eletrônico, enquanto durar o RenovaPR.

Biogás - O programa também está cadastrando, desde a semana passada, pessoas jurídicas e pessoas físicas habilitadas para elaboração e execução de projetos técnicos para prestação de serviços de instalação e de assistência técnica em geração de energia elétrica na modalidade biogás/biometano. Até o momento, há 10 empresas cadastradas e duas homologadas.

Cadastro gratuito - Da mesma forma que para a energia solar, o Edital 002/2021, de chamada pública na modalidade biogás/biometano, prevê cadastro gratuito e exclusivamente pela internet. A energia poderá estar ligada em geração distribuída ou em circuito fechado, ou ainda para uso do biometano como combustível em veículos para mobilidade ou transporte de produtores ou integrantes de organizações rurais.

RenovaPR - O Governo do Paraná busca a constituição de políticas públicas que ajudem os produtores rurais de diferentes cadeias produtivas na viabilidade e competitividade de seus negócios. Com o RenovaPR, o objetivo é oferecer condições para agricultores e empresas promoverem a autoprodução de energia, própria e renovável, com a possibilidade de reduzir custos de produção e ampliar suas atividades.

ODS - Ao mesmo tempo, podem tratar dejetos animais e resíduos agrícolas e agroindustriais, promovendo a correta destinação e a adequação ambiental das suas atividades. Dessa forma, contribuem na orientação do agro paranaense em direção à sustentabilidade e aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 

ECONOMIA: Caixa distribuirá R$ 8,1 bilhões em lucros do FGTS até o fim do mês

economia 18 08 2021A Caixa Econômica Federal depositará, até 31 de agosto, R$ 8,129 bilhões nas contas dos trabalhadores vinculadas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Os recursos correspondem a 96% do lucro líquido de R$ 8,467 bilhões do fundo em 2020.

Ganho real - De acordo com os ministérios do Trabalho e Previdência e da Economia, essa distribuição oferecerá ao trabalhador um ganho real de 0,4%, diante de uma inflação de 4,52% em 2020. O objetivo é “além de preservar o poder de compra dos quotistas, incentivar a manutenção de recursos sob as contas vinculadas do FGTS ao ser mais atrativa aos trabalhadores brasileiros, especialmente àqueles que optaram por migrar para a modalidade de saque aniversário, por meio da qual é facultada a movimentação de uma parcela do saldo anualmente no mês de aniversário do trabalhador”.

Aprovação - O percentual de distribuição foi aprovado nesta terça-feira (17/08) pelo Conselho Curador do FGTS, formado por representantes do governo, das empresas e dos trabalhadores. Com rentabilidade fixa de 3% ao ano, o FGTS tem os rendimentos engordados com a distribuição dos lucros. Dessa forma, para o ano-base 2020, a rentabilidade das contas alcançará 4,92%.

Consulta - Os trabalhadores poderão consultar o valor do crédito da distribuição dos lucros a partir de 31 de agosto no aplicativo ou site do FGTS.

Proporcional - Feita desde 2017, a distribuição ocorre de forma proporcional ao saldo da conta do trabalhador em 31 de dezembro do ano anterior. Quanto maior o saldo, maior o lucro recebido. Nesse ano, ela alcançará cerca de 191,2 milhões de contas, que acumulavam saldo de R$ 436,2 bilhões no fim de 2020.

Mudanças - Em 2017 e 2018, a legislação (Lei 8.036/1990) fixava a distribuição aos trabalhadores de 50% do lucro do FGTS no ano anterior. Em 2019, o Congresso aprovou a distribuição de 100% do lucro, na lei que criou a modalidade de saque-aniversário, mas o presidente Jair Bolsonaro vetou o artigo, e o percentual passou a ser aprovado a cada ano pelo Conselho Curador. No ano passado, o FGTS distribuiu cerca de R$ 7,5 bilhões aos trabalhadores, o que equivale a 66,2% do lucro de 2019.

Regras de saque - O pagamento de parte dos ganhos do FGTS não muda as regras de saque. O dinheiro do FGTS só poderá ser retirado em condições especiais, como aposentadoria, demissões, compra da casa própria ou doença grave. Quem aderiu ao saque-aniversário pode retirar uma parte do saldo até dois meses após o mês de nascimento, mas perde direito ao pagamento integral do fundo no caso de demissão sem justa causa. (Agência Brasil)

FOTO: Marcelo Camargo / Agência Brasil

 

MERCADO FINANCEIRO: Bolsa fecha no menor nível desde maio em dia tenso no mercado; dólar encerra com leve baixa

mercado financeiro 18 08 2021Em mais um dia de tensão no mercado doméstico e externo, a bolsa de valores voltou a cair e fechou no menor nível em mais de quatro meses. O dólar alternou altas e quedas, mas encerrou em leve baixa após encostar em R$ 5,30 durante a tarde.

Pontos - O índice Ibovespa, da B3, encerrou esta terça-feira (17/08) aos 117.904 pontos, com queda de 1,07%. O indicador chegou a cair 2,42% no pior momento da sessão, por volta das 14h50, mas amenizou a queda perto do fim das negociações.

Segundo dia de recuo - Esse foi o segundo dia seguido de recuo no Ibovespa, que está no menor nível desde 4 de maio. Com o desempenho desta terça, o índice passou a registrar perda em 2021, com queda acumulada de 0,93% no ano.

Câmbio - O mercado de câmbio teve desempenho menos turbulento. O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,27, com queda de R$ 0,011 (-0,2%). A cotação chegou a cair para R$ 5,24 por volta das 12h30, mas subiu para R$ 5,30 por volta das 15h. Perto do fim da sessão, a divisa desacelerou após declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano), Jerome Powell.

Pessimismo - O dia foi marcado pelo pessimismo no mercado global e local. No exterior, a queda de 1,1% nas vendas no varejo nos Estados Unidos em julho surpreendeu os investidores. Isso um dia após a divulgação de que a indústria e o comércio da China desaceleraram no mês passado.

Aumento - O desempenho dos indicadores internacionais aumentou os temores de que a expansão da variante delta do novo coronavírus atrase a recuperação da economia global. O mercado global só se acalmou após o presidente do Fed afirmar que os efeitos da variante sobre a economia norte-americana ainda não estão claros.

Brasil - No Brasil, a falta de acordo para a votação da reforma do Imposto de Renda piorou o cenário, principalmente após o anúncio de um acordo para aumentar os repasses do Fundo de Participação dos Municípios. Isso porque os investidores temem a perda de arrecadação do governo federal. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Gerd Altmann / Pixabay

 

LEGISLATIVO I: Deputados adiam votação do projeto que altera regras do Imposto de Renda

legislativo I 18 08 2021Os deputados adiaram mais uma vez, nesta terça-feira (17/08), a análise das mudanças no Imposto de Renda previstas no Projeto de Lei 2337/21, do Poder Executivo. O texto, que faz parte do pacote da reforma tributária, trata da cobrança do tributo sobre lucros e dividendos distribuídos pelas empresas a acionistas, diminuição do Imposto de Renda das empresas e cancelamento de alguns benefícios fiscais.

Votos - O texto foi retirado da pauta do Plenário com o voto favorável de 390 deputados e 99 contrários.

Segunda vez - É a segunda vez que a votação é adiada – o projeto já estava na pauta da última quinta-feira (12/08). Quem pediu o novo adiamento foi o líder da Minoria, deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ). “Está atravancado este debate no Plenário, por isso faço um apelo. A gente pode avançar ainda sobre o texto”, disse.

Divergências - O líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR), defendeu a medida. “O deputado Freixo propôs que ganhássemos um tempo para chegar ao entendimento. Temos divergências com esse texto, em especial em relação a eventuais perdas que estados e municípios tenham. Há muitos destaques que podem desvirtuar o equilíbrio do que foi garantido”, disse.

Consenso - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), voltou a falar que não haverá consenso sobre a reforma tributária por se tratar de um tema muito complexo. “Esse não é um assunto fácil: mexe com finanças, com tributos, com o sistema de taxação de grandes dividendos”, disse.

Ideal - Para Lira, o ideal seria votar o texto principal nesta terça e deixar mais tempo para a análise dos destaques.

Pontos centrais - Arthur Lira destacou pontos do projeto que considera centrais, como o sistema de taxação de grandes fortunas, dividendos e grandes empresas. “Vamos conseguir taxar dividendos, coisa que o Brasil nunca conseguiu. Nós estamos taxando fundos fechados, nós estamos fazendo um alinhamento de taxação de imóveis”, disse.

Separação - Ele afirmou ainda que é preciso separar o que é política do que é justo com o Brasil. “Neste cenário, é impossível consenso sobre esse tema. E o que a gente só precisa fazer é separar o que é política do que é justo, do que é correto com o Brasil”, declarou.

Mais pobres - O relator do projeto, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), também defendeu a proposta que, segundo ele, vai favorecer os mais pobres. “Para a ampla maioria dos brasileiros, haverá uma forte redução de carga para os pequenos, uma inversão. Então é o momento de nós refletirmos. Esse relator está 100% à disposição de cada um dos 513 deputados desta Casa, de todas as bancadas partidárias”, disse.

Maioria - Ele reafirmou que não haverá consenso, mas maioria. “Sigo firme acreditando que estou construindo um texto que vai mudar a realidade tributária do País, reduzindo a carga tributária, e mudando a sua direção beneficiando aqueles que têm menor renda e taxando as altas rendas”, ressaltou.

Aprimoramento - “Vamos continuar o nosso trabalho para aprimorar o texto. O consenso será muito difícil, há muitos lobbies trabalhado, mas vamos buscar a maioria”, disse Celso Sabino.

Mudanças - O texto apresentado até agora por Sabino amplia a faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) de R$ 1.903,98 para R$ 2.500 mensais, correção de 31,3%. Igual índice é usado para reajustar a parcela a deduzir por aposentados com 65 anos ou mais.

Demais faixas - As demais faixas terão reajuste entre 13,2% e 13,6%, enquanto as parcelas a deduzir aumentam de 16% a 31%. Deduções com dependentes e educação continuam no mesmo valor.

Lucros e dividendos - Quanto à tributação de lucros e dividendos distribuídos pelas empresas a pessoas físicas ou jurídicas, o projeto propõe a tributação na fonte em 20%, inclusive para os domiciliados no exterior e em relação a qualquer tipo de ação.

Fundos de investimento - Em relação aos dividendos pagos a fundos de investimento, o Imposto de Renda na fonte será de 5,88%.

Imposto menor - Em contrapartida ao tributo sobre distribuição de lucros e dividendos, o texto do relator diminui o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) de 15% para 6,5% a partir de 2022. O texto original do projeto previa redução para 12,5%, em 2022 e 10% a partir de 2023.

Estímulo - A intenção é estimular a empresa a usar a diferença para investimentos produtivos.

Apuração - A proposta apresenta ainda mudanças na apuração do IRPJ e da CSLL, que passará a ser somente trimestral. Hoje, há duas opções: trimestral e anual.

Renúncia menor - Quanto à CSLL, Sabino propõe uma redução de até 1,5 ponto percentual nas apurações a partir de 1º de janeiro de 2022 em montante equivalente ao aumento de arrecadação obtido com a diminuição de renúncias tributárias da Cofins esperada para 2022.

2022 - Em 2022, a CSLL prevista na legislação será de 20% para bancos, de 15% para outras instituições financeiras e de 9% para as demais pessoas jurídicas.

Dispositivos - Já as renúncias citadas se referem a vários dispositivos com isenções que ele propõe revogar. A estimativa deverá constar do projeto de lei orçamentária de 2022, e a redução será definitiva em múltiplos de 0,05%. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Najara Araujo / Câmara dos Deputados

 

LEGISLATIVO II: Governo avalia estabelecer Marco Legal das Ferrrovias por medida provisória

legislativo II 18 08 2021O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, informou que o governo avalia enviar ao Congresso Nacional uma medida provisória para instituir o Marco Legal das Ferrovias. Segundo ele, o estabelecimento de uma norma moderna é urgente para trazer segurança jurídica ao setor, visto que alguns estados já estão se antecipando e aprovando suas próprias legislações. 

Audiência pública - O assunto foi debatido em audiência pública, nesta terça-feira (17/08), da Comissão de Serviços de Infraestrutura. O Marco Legal das Ferrovias também consta no Projeto de Lei do Senado (PLS) 261/2018, do senador José Serra (PSDB-SP), sob a relatoria de Jean Paul Prates (PT-RN). O projeto reorganiza as regras e permite novos formatos para a atração de investimentos privados para esse modal de transporte, como a criação do regime de autorização para o mercado ferroviário, além da concessão e da permissão. 

Elogio - O ministro elogiou o projeto de lei que, segundo ele, copia modelos que deram certos em outros países, como nos Estados Unidos, onde não existem ferrovias concedidas, mas autorizadas à iniciativa privada. Para o ministro, a tramitação da proposta vinha bem "até o país ser atropelado pela pandemia de covid-19 no ano passado". 

Mais urgente - “Agora a questão se tornou mais urgente ainda. Até porque, nesse meio-tempo, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará e outros estados aprovaram suas normas. A MP de forma alguma vai interferir nessas iniciativas estaduais, mas garantir a segurança jurídica para quem quer investir”, opinou o ministro, que sugeriu que a relatoria fique também com Jean Paul Prates. 

Questão de estratégia - O senador, por sua vez, disse que não se opõe a trocar o projeto por uma medida provisória, mas destacou que o PL foi amplamente discutido e está "bem amarrado". O parlamentar afirmou que a definição tem que ser feita com estratégia política e seria suspeito e deselegante da parte dele opinar. 

Estados - “Os estados começaram aprovar leis e editais para soltar autorizações. Com todo respeito aos juristas que embasaram isso: não há respaldo. Para quem estiver investindo, não há respaldo jurídico para esses editais, que são inseguros do ponto de vista de investimento. Hoje não estão cobertos pela lei brasileira. Seria a mesma coisa que Santa Catarina, por exemplo, começar a dar autorizações para exploração de blocos de petróleo”, explicou. 

Não ficou parado - Jean Paul disse ainda que, desde o início de março de 2019, quando assumiu a relatoria, o projeto não ficou parado. O senador relatou que participou de debates, negociações e até ajudou a destravar um impasse entre os ministérios da Economia e Infraestrutura. 

Divergência - O senador Jayme Campos (DEM-MT), que representa um estado que já está tratando do assunto, discordou e defendeu o projeto de lei como o caminho mais adequado. Segundo ele, a edição de uma MP seria um erro, e o Parlamento tem feito um bom trabalho, mesmo durante as medidas restritivas necessárias durante a pandemia. 

Amadurecimento - “Quando se trata de marco regulatório, não há o quesito da urgência, pois há necessidade de amadurecer o debate sobre o tema. Se o PLS 261 já está aqui, nada justifica edição de MP, a não ser tentativa de atropelar o trabalho do Senado”, opinou. 

Autonomia - O ministro Tarcísio Freitas insistiu na tese de que uma medida provisória em nada atrapalhará a autonomia dos governos estaduais e afirmou ser totalmente favorável às inciativas que têm sido tomada pelos estados.  “Não há nada no texto que vincule, por exemplo, as autorizações estaduais a uma anuência da ANTT [Agência Nacional de Transportes Terrestres]. É zero o risco para iniciativas dos estados. Se o investimento está ocorrendo por conta do governo local, que bom que está sendo assim. Mas precisamos de um guarda-chuva federal”, destacou. 

Estradas - A audiência da CI desta terça-feira foi realizada a pedido do senador Esperidião Amin (PP-SC) e comandada pelo presidente da comissão, Dário Berger (MDB-SC). Os parlamentares também debateram com o ministro a situação de rodovias federais que cortam Santa Catarina, Amapá e outros estados, além da construção de uma pista extra para o Aeroporto de Navegantes (SC). (Agência Senado)

FOTO: Roque de Sá / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil passa da marca de 570 mil mortes

O Brasil bateu a marca de 570 mil mortes em decorrência da covid-19. Nas últimas 24 horas, foram registrados 1.106 novos óbitos, totalizando 570.598 vidas perdidas para a pandemia. Na segunda-feira (16/08), o número estava em 569.492.

Investigação - Ainda há 3.576 óbitos em investigação uma vez que há casos em que o diagnóstico depende de resultados de exames concluídos apenas após o paciente já ter morrido.

Novos casos- A quantidade de pessoas que contraíram covid-19 desde o início da pandemia subiu para 20.416.183. Entre segunda e terça-feira (16 e 17/08), foram registrados 37.613 novos casos. Na segunda-feira, o sistema de informações do Ministério da Saúde marcava 20.378.570 casos acumulados.

Acompanhamento - Ainda há 532.039 casos em acompanhamento. O nome é dado para pessoas cuja condição de saúde é observada por equipes de saúde e que ainda podem evoluir para diferentes quadros, inclusive graves.

Recuperadas - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 chegou a 19.313.546.

Balanço diário- As informações estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (17/08).

Dados- Os dados, em geral, são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação do sistema pelas secretarias estaduais. Já às terças-feiras, os resultados tendem a ser maiores pela regularização dos registros acumulados durante o fim de semana.

Estados - São Paulo é o estado que registra mais mortes pela covid-19 (143.135), seguido pelo Rio de Janeiro (60.771), por Minas Gerais (52.002), pelo Paraná (36.584) e Rio Grande do Sul (33.807). Já os estados onde a doença menos matou são: Acre (1.808), Roraima (1.920), Amapá (1.941), Tocantins (3.627) e Sergipe (5.951).

Vacinação - O painel de vacinação, também mantido pelo Ministério da Saúde, ainda não tinha divulgado os dados relativos às ações de imunização nesta terça. Até segunda-feira, o número de doses aplicadas estava em 168,1 milhões. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2021-08-17 at 19.30.03

SAÚDE II: Estado confirma mais 4.747 casos e 60 óbitos pela Covid-19

saude II 18 08 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (17/08) mais 4.747 casos e 60 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Há ajustes ao final do texto.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 1.415.988 casos e 36.381 mortes em decorrência da doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (15), fevereiro (8), março (26), abril (26), maio (293), junho (139), julho (91) e agosto (4.021) de 2021, e de dezembro de 2020 (128).

Internados - 1.140 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. São 807 em leitos SUS (464 em UTI e 343 em leitos clínicos/enfermaria) e 333 em leitos da rede particular (151 em UTI e 182 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.529 pacientes internados, 727 em leitos UTI e 802 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos da doença.

Óbitos - A Secretaria de Estado da Saúde informa a morte de mais 60 pacientes. São 28 mulheres e 32 homens, com idades que variam de 24 a 95 anos. Os óbitos ocorreram de 5 de janeiro a 17 de agosto de 2021.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Londrina (9), Curitiba (5), Sarandi (4), Cascavel (4), Maringá (3), Tomazina (2), São José dos Pinhais (2), Pinhais (2), Paranavaí (2) e Foz do Iguaçu (2).

Uma morte - O boletim registra, ainda, a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Três Barras do Paraná, Tapira, Rolândia, Quatro Barras, Primeiro de Maio, Prado Ferreira, Porecatu, Ponta Grossa, Palotina, Paiçandu, Marialva, Ibiporã, Goioerê, Fazenda Rio Grande, Engenheiro Beltrão, Cornélio Procópio, Cianorte, Castro, Campo Mourão, Campo Largo, Cambé, Bandeirantes, Assaí, Arapongas e Apucarana.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 6.615 casos de não residentes no Estado – 204 pessoas morreram.

Ajustes - Relatório de correções de municípios: 3.203 casos e 111 óbitos corrigidos

- 2.833 casos e 96 óbitos de residentes alterados entre municípios do Paraná.

- 275 casos e 12 óbitos de residentes do Paraná alterados para fora do Estado.

- 37 casos e 1 óbito de residentes de fora do Estado alterados para o Paraná. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

 

SAÚDE III: Novo período epidemiológico da dengue registra cinco casos da doença no Paraná

saude dengue 18 08 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou nesta terça-feira (17/08) o 1º Informe Epidemiológico da dengue do novo período sazonal da doença no Paraná, que iniciou no dia 1º de agosto e deve seguir até julho de 2022. O documento registra cinco casos da doença no Estado.

Municípios - Os casos foram confirmados em Foz do Iguaçu (2), Medianeira, Santa Isabel do Ivaí e Cambé. Há ainda 219 ocorrências em investigação, sem nenhuma morte neste período. Até agora, 47 municípios registraram notificações de dengue.

Cuidados - “Precisamos que a população continue mantendo os cuidados, eliminando os criadouros do mosquito Aedes aegypti, que é o transmissor da dengue”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Mesmo com poucos casos, não podemos deixar de nos preocupar com essa doença que já vitimou centenas de paranaenses ao longo dos anos”, acrescentou.

Histórico - A Sesa monitora os dados da dengue desde 1991. O ano de 2007 marcou a primeira grande epidemia no Paraná. Foram mais de 50 mil notificados, cerca de 26 mil casos confirmados e sete pessoas morreram. A série histórica da doença aponta que o penúltimo período, de 2019/2020, foi o de maior registro de casos, finalizado com 227.724 confirmações e 177 óbitos. Já o último período fechou com 27.889 casos e 32 óbitos. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo AQUI.

FOTO: Shammiknr / Pixabay

 

SAÚDE IV: ANS realiza evento sobre o novo processo de revisão do Rol

saude ans 18 08 2021A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realizará nos dias 24 e 26/08 eventos virtuais sobre o novo processo de atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. O objetivo é esclarecer as mudanças promovidas com a Resolução Normativa – RN nº 470/2021, que altera as etapas e fluxos para a revisão periódica da lista de coberturas obrigatórias dos planos de saúde. Também será apresentado o novo formulário de submissão de propostas de atualização do Rol.

Nova norma - Com a nova norma, que entra em vigor em 01/10/2021, as propostas passarão a ser recebidas e analisadas de forma contínua pela ANS, com revisão semestral dos procedimentos e eventos em saúde e das diretrizes de utilização que compõem o Rol.

Plataforma - O evento será realizado remotamente através da plataforma Microsoft Teams e se destina aos membros da Câmara de Saúde Suplementar e demais interessados em enviar contribuições à ANS.

Principais alterações - No dia 24/08 serão apresentadas as principais alterações no processo de revisão do Rol, com o advento da RN nº 470/2021 e, no dia 26/08, o enfoque será a apresentação do novo formulário de submissão de propostas de atualização do Rol – FormRol.

Inscrições - As inscrições para cada um dos dias do workshop já estão abertas. Também haverá transmissão ao vivo no canal da ANS no YouTube. (ANS)

Dia: 24/08/2021

Horário: 9h30 às 12h

Para se inscrever neste dia, clique aqui.

Dia: 26/08/2021

Horário: 9h às 12h

Para se inscrever neste dia, clique aqui.

Confira aqui a programação.

 


Versão para impressão


RODAPE