Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5126 | 03 de Agosto de 2021

JORNALISMO: Comissão Julgadora divulga finalistas da 14ª edição do Prêmio Ocepar

premio ocepar 03 08 2021A décima quarta edição do Prêmio Ocepar de Jornalismo teve um total de 86 trabalhos inscritos, dos quais 14 são finalistas. A relação foi anunciada nesta terça-feira (03/08) pela Comissão Julgadora, que selecionou quais trabalhos irão disputar os primeiros, segundos e terceiros lugares em cada categoria e aqueles que receberão o Prêmio Especial Crédito e o Prêmio Especial Unimed.

Premiação - O anúncio dos vencedores neste ano acontecerá de forma on-line, através da TV Paraná Cooperativo, pelo canal no Youtube do Sistema Ocepar, a partir das 17h do dia 12 de agosto. Segundo o coordenador de Comunicação Social do Sistema Ocepar e do concurso, jornalista Samuel Milléo Filho, “devido às restrições sanitárias da pandemia da Covid-19, pela primeira vez faremos um evento digital, por meio da internet. Esperamos poder contar, no dia 12 de agosto, com a presença virtual de todos os finalistas e dos nossos apoiadores e convidados”, destacou.

Categorias - Os 86 trabalhos inscritos estão assim distribuídos: categoria Telejornalismo 13 trabalhos; Radiojornalismo 06; Jornalismo Impresso 23; Mídia Cooperativa 33; Prêmio Especial Unimed (Ramo Saúde) 04; e Prêmio Especial Ramo Crédito 07. “Nesses 17 anos de existência do Prêmio Ocepar, foram inscritos um total de 1.297 trabalhos, o que demonstra o reconhecimento do concurso como um dos principais prêmios do jornalismo brasileiro”, afirma Milléo.

Digital - Ele destaca que, a partir desta 14ª edição do prêmio, “toda fase de inscrições dos trabalhos e de julgamento foram realizados de forma digital, sem a necessidade de receber os materiais de forma física (via correios) e sem reunir presencialmente os membros do júri. Foi uma importante inovação implantada lá em 2019, antes mesmo de enfrentarmos a pandemia da Covid-19. Apenas prorrogamos os prazos de inscrições para que um maior número de colegas pudesse produzir suas matérias, dentro de todos os cuidados que o momento exige”, frisou.

Comissão Julgadora - Integram a equipe de avaliação dos trabalhos da 14ª edição do Prêmio Ocepar de Jornalismo, os jornalistas Júlio Tarnowski Júnior, assessor de imprensa do Ceasa e ex-presidente do Sindijor/PR, Roberto Monteiro, jornalista do Instituto de Desenvolvimento Rural (IDR); Jossânia Veloso, assessora de imprensa da Federação Unimed, Rogério Leal, gerente de marketing da Central Sicredi PR/SP/RJ, André Franco, Alexandre Salvador, Lucia Suzukawa, Marli Vieira, Ricardo Rossi e Silvio Oricolli.

Valores - “Cooperativismo, força econômica e social que faz a diferença” foi o tema escolhido para a 14ª edição. Os vencedores das seis categorias irão dividir um total de R$ 88.000,00 em premiações: Jornalismo Impresso, Telejornalismo, Radiojornalismo, Mídia Cooperativa e dois destaques, Prêmio Especial Unimed e Prêmio Especial Ramo Crédito. Em cada categoria, o valor será distribuído da seguinte maneira, já descontados todos os impostos: 1º lugar: R$ 10.000,00, 2º lugar: R$ 4.000,00 e 3º lugar: R$ 3.000.00. Nos dois prêmios especiais, cada vencedor receberá R$ 10.000,00.

Serviço - O Prêmio Ocepar de Jornalismo é uma iniciativa do Sistema Ocepar, com apoio financeiro da Central Sicredi PR/SP/RJ e Federação Unimed do Paraná e apoio institucional da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor/PR) e do Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná. Veja abaixo a lista em ordem alfabética de autoria dos trabalhos inscritos e não de classificação. Dessa relação também sairão os vencedores das Categorias Especiais, Crédito e Unimed.

Relação dos finalistas por ordem alfabética de autoria principal dos trabalhos inscritos:

Veículo: REDE MASSA – TV IGUAÇU - SBT

Jornalista/Produtora: ALINE RODRIGUES PERES

Repórter: LUCIAN PICHETTI BRENDLER

Repórter Cinematográfico: JEFERSON RODRIGO WEISS

Editor de Imagem: GABRIEL MACHADO DE SOUZA

Editora: MILENA GONÇALVES DE MACEDO

Tema: “Cooenf-Pr: Cooperativa de enfermagem na linha de frente”

 

Veículo: CATVE TV

Jornalista: CAMILA REGINA FRETAG

Produtora: KATUSCIA DA SILVA

Imagem e Edição: HANDREY ZOZ

Editora Chefe: ELIANE MENDONÇA

Tema: “Cooperativismo mirim transformando a realidade social de crianças e adolescentes no Oeste do Paraná”

 

Veículo: TV NAIPI – REDE MASSA - SBT

Jornalista: CRISLAINE FLORENCIO NERES

Repórter Cinematográfico: RAHVI DUARTE BATISTA

Editor de Imagem: YURI IAWAMOTO

Tema: “Cooperativismo nozes”

 

Veículo: RÁDIO BANDA B – CURITIBA

Jornalista: DENISE MELLO

Produtor e editor: ANTÔNIO NASCIMENTO

Tema: “As cooperativas do Paraná na contramão da pandemia”

 

Veículo: RÁDIO CBN CURITIBA

Jornalista: FÁBIO TOMICH BUCHMANN

Tema: “Solidariedade que salva”

 

Veículo: RÁDIO BANDNEWS CURITIBA

Jornalista: FELIPE HARMATA MARINHO

Jornalista: Lorena Pelanda

Tema: “Cooperativas de saúde criam alternativas para amenizar os impactos do isolamento social em idosos”

 

Veículo: REVISTA PITOCO

Jornalista: JAIRO EDUARDO FABRÍCIO LEMOS

Tema: “Made in Nova Aurora”

 

Veículo: REVISTA COOPAVEL

Jornalista: JEAN CARLO PATERNO

Tema: “Cooperativismo - Trabalho, dignidade e uma chance para recomeçar”

 

Veículo: REDE MASSA TV NAIPI - SBT

Jornalista: MARIANA KOJUNSKI PINTO

Repórter Cinematográfico: RAHVI DUARTE BATISTA

Editora de Imagens: SANDY STEFANNY DOS SANTOS

Tema: “A realização do sonho pelo cooperativismo”

 

Veículo: JORNAL DIÁRIO DOS CAMPOS

Jornalista: MILLENA EDUARDA SARTORI

Tema: “Castrolanda, Frísia e Capal conquistam recorde com faturamento de mais de R$ 10 bi em ano de pandemia”

 

Veículo: RÁDIO COMUNITÁRIA FM

Jornalista: RODRIGO ALCANTARA DÁVILA

Tema: “Cooperativas paranaenses: exemplos de inovação e desenvolvimento para o Brasil”

 

Veículo: REVISTA C.VALE

Jornalista: SARA FERNEDA MESSIAS

Coautores: ALMIR TREVISAN e RENAN TADEU PEREIRA

Tema: “Fé e cooperativismo contra o coronavírus”

 

Veículo: REVISTA GLOBO RURAL

Jornalista: WILHAN AVILA SANTIN

Tema: “As gigantes do cooperativismo”

 

Veículo: RÁDIO INFORMATIVO COAMO

Jornalista: WILSON BIBIANO LIMA

Tema: “Cooperativismo em verso e prosa”

 

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Credicoopavel e Ocepar discutem cenários econômicos para o 2º semestre de 2021

Representantes da Credicoopavel (Cooperativa de Crédito Rural Coopavel Ltda) e do Sistema Ocepar realizaram, na tarde de segunda-feira (03/08), reunião institucional para discutir indicadores e cenários da economia e do cooperativismo do Paraná. O encontro, por meio de videoconferência, contou com a presença do diretor administrativo, Mario José Zambiazi, do diretor financeiro, Paulo Aparecido Arantes, do conselheiro de administração, Jeomar Trivilin, e do consultor Otacílio Alves da Silva. Pela Ocepar, participaram o presidente José Roberto Ricken, o superintendente Robson Mafioletti, o superintendente da Fecoopar, Nelson Costa, a gerente do Sescoop/PR, Maria Emilia Pereira Lima, além de coordenadores e analistas técnicos do Sistema.

Temas - Os dados econômicos e financeiros foram repassados pelo coordenador de desenvolvimento cooperativo do Sistema Ocepar, João Gogola Neto, e pelo analista técnico Rodrigo Donini. As perspectivas e desafios às cooperativas do ramo de crédito e as perspectivas da economia brasileira no segundo semestre foram os temas principais do encontro. Também foram discutidos o planejamento estratégico e as ações realizadas e previstas de capacitação e treinamento do Sescoop/PR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo).

A Credicoopavel - Fundada em 24 de novembro de 1981, por 52 associados, a Credicoopavel tem por objetivo prestar serviços de natureza bancária aos produtores rurais locais. O diferencial cooperativista faz com que o trabalho seja realizado visando o crescimento e progresso social para todos os cooperados. Com sede em Cascavel, a cooperativa fechou o ano de 2020 com R$ 362 milhões em recursos administrados, tendo um expressivo crescimento de sobras do exercício, com alta de 1.050%. A Credicoopavel tem 6.984 associados e 37 funcionários.

O ramo crédito - Os indicadores do Sistema Ocepar mostram que o ramo crédito teve um crescimento de 15% no número de cooperados em 2020, o que significou a adesão de 293 mil pessoas ao setor. Formado por 56 cooperativas, que congregam no total 2,2 milhões de associados, o ramo teve um faturamento de R$ 7,8 bilhões no ano passado, alta de 1,77%. As cooperativas de crédito possuem cerca de 1.000 pontos de atendimento, cobrindo quase 90% dos municípios paranaenses.

{vsig}2021/noticias/08/03/reuniao_institucional/{/vsig}

 

EBPC: Fortalecendo cooperativas e universidades

ebpc 03 08 2021Quando o assunto é aliar teoria e prática, o Encontro Brasileiro de Pesquisadores em Cooperativismo (EBPC) é um bom exemplo de como unir esses dois vieses de uma mesma força. É por isso que o Sistema OCB realiza, a cada dois anos, esse evento nacional, com parcerias essenciais para o desenvolvimento das pesquisas acadêmicas no Brasil.

Incentivo - Nesta segunda-feira (02/08), durante a abertura da sexta edição do EBPC, que ocorre pela primeira vez junto com o 59º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (Sober) o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, discorreu sobre o objetivo dos eventos: incentivar a pesquisa por parte das instituições de ensino e desenvolver as cooperativas, fortalecendo a relação entre esses dois setores.

Campo vasto - “Nós sabemos que o cooperativismo é um campo bem vasto para a pesquisa e que as instituições de ensino contribuem fortemente com a produção científica daquilo que é feito na prática pelas cooperativas. Nosso objetivo, claro, é fortalecer cada vez mais essa relação, estreitando os lados, estimulado as pesquisas e realizando ações como o EBPC, a fim de que o Brasil ganhe com os resultados dessa união prático-teórica”, avalia Márcio Freitas.

Parceria - Pery Francisco Assis Shikida, presidente da Sober, agradeceu à OCB pela parceria e disse que pandemia que alterou os comportamentos no mundo também estimulou a realização de um evento virtual, mas não menos cheio de emoções. Ele também destacou a relevância do trabalho de todas as equipes e comissões que estiveram à frente das atividades para que o evento pudesse acontecer e, ao desejar que o próximo encontro ocorra em condições presenciais, encerrou seu discurso enaltecendo a ciência.

Programação - Ao longo da semana, a programação é composta pelo debate e apresentações de mais de 500 trabalhos científicos, em painéis nacionais internacionais com convidados de renome; sessões organizadas para projetos de pesquisa; reuniões de grupos de pesquisa, lançamento de livros; e premiações. Toda a programação envolve os seguintes eixos temáticos: Governança, Gestão e Inovação; Impactos Econômicos, Sociais e Ambientais; Identidade e Cenário Jurídico; Educação e Aprendizagem; e Capital, Finanças e Desempenho.

Inscrição e programação - O evento começou nesta segunda-feira (02/08) e vai até o dia 6 de agosto. O tema deste ano é Ações coletivas e resiliência: inovações políticas, socioeconômicas e ambientais. Clique aqui para ver a programação completa e se inscrever. (OCB)

 

FALECIMENTO: Cooperativa Clac lamenta morte do ex-presidente David Koop Filho

clac 03 08 2021A diretoria da Cooperativa de Laticínios Curitiba – Clac, com sede em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, lamentou o falecimento do ex-presidente, David Koop Filho, ocorrido nesta segunda-feira (02/08), aos 94 anos. Viúvo, deixa as filhas Gertrud e Irene Nikkel, e o filho já falecido, Reinaldo Koop, além de netos. David foi presidente da cooperativa de 1966 a 1992 e um dos responsáveis pela mudança da sede da cooperativa de Curitiba para São José dos Pinhais, onde possuía uma usina de beneficiamento de leite. De 1987 a 1990, foi membro do Conselho Fiscal da Ocepar, durante o mandato do presidente Wilson Thiesen.

Liderança - Para o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, David Koop Filho foi uma liderança importante no cooperativismo, em especial no setor leiteiro. “Descendente de alemães menonitas que vieram ao Paraná em busca de uma nova vida, deixa um legado importante no desenvolvimento da capital paranaense, em especial no Boqueirão, onde se instalaram as primeiras fazendas de produção de leite que abastecia Curitiba e região e que se organizaram através do cooperativismo. Nossos mais profundos sentimentos aos familiares e amigos”, frisou.

 

CASTROLANDA I: Cooperativa bate recorde de faturamento e fecha primeiro semestre com R$ 2,6 bi

castrolanda I 03 08 2021A Castrolanda, uma das cooperativas que mais cresce no setor do agronegócio no Brasil, encerrou o primeiro semestre de 2021 com faturamento total de R$ 2,6 bilhões, resultado 35% maior do que no mesmo período do ano passado. Os dados foram apresentados aos cooperados na Pré-Assembleia Semestral de Balanço, realizada na última sexta-feira (30/07), em formato totalmente digital. 

Primeiro trimestre - Mesmo com a crise financeira que vive o país, já no primeiro trimestre deste ano, a Castrolanda alcançou R$ 1,2 bilhão de faturamento, superando em 24% o mesmo período de 2020. No segundo trimestre, o valor mais que dobrou, fechando R$ 2,6 bilhões no semestre. O resultado líquido chegou a R$ 109 milhões de janeiro a junho deste ano, número que representa um crescimento de 56% em relação ao primeiro semestre de 2020.

Evolução - O recorde em faturamento e resultado se deve pelo trabalho e pela cooperação entre associados, colaboradores e parceiros. Os números do semestre demonstram evolução tanto do ponto de vista de resultado como de solidez financeira, conforme explica o Diretor Executivo da Cooperativa, Seung Lee. “Estamos vendo um primeiro semestre muito forte, uma evolução dos números em relação ao ano passado. Nestes momentos de incerteza, garantir solidez financeira é até mais importante do que garantir resultados. E, neste ponto, a Castrolanda está mais forte do que nunca”. 

Implementação de novo sistema integrado - Durante a Pré-Assembleia, também foi abordada a implementação do SAP, um projeto que faz parte do Planejamento Estratégico Horizonte (2019-2024) e que envolveu as sete unidades de negócio e o setor corporativo. Seung destacou que o sistema traz benefícios como maior agilidade nos processos de negócios, informações em tempo real para tomada de decisão, padronização dos processos, integridade das informações, redução do retrabalho, mais transparência e é a espinha dorsal para a transformação digital.

Foco - “Como o principal foco de 2021 é ‘arrumar a casa’, um dos principais pilares era a implementação do SAP. É um projeto muito complexo, que teve muitos desafios, porque a cooperativa tem unidades de negócio com perfis bem diferentes e isso gera uma complexidade muito grande em termos de sistema. Mas não poderíamos continuar crescendo sem uma ferramenta tão robusta como o SAP. O sistema viabiliza um dos pontos fundamentais para nós e o mercado como um todo, sendo a espinha dorsal da transformação digital da cooperativa. E é a partir do SAP que vamos conseguir promovê-la”, explicou o Diretor.

Diretrizes para o próximo ano - Como principais diretrizes para a sequência de 2021 e 2022, o Diretor destacou a eficiência operacional nos processos, a transformação digital para integração dos sistemas e o desenvolvimento sustentável em toda a cadeia de produção. 

Formato - Desde o ano passado, a Castrolanda adaptou o formato das assembleias seguindo o protocolo de enfrentamento à pandemia de Covid-19. Os encontros, que antes eram realizados no Memorial da Imigração Holandesa, agora são transmitidos no canal da Cooperativa no Youtube. O novo formato fica disponível a 100% do quadro de associados e apresenta facilidade de acesso ao cooperado, que pode participar de onde estiver e enviar suas perguntas por mensagens no chat da transmissão ou via WhatsApp.

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo. Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata. O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)

 

CASTROLANDA II: Divulgados os finalistas do Troféu Agroleite

castrolanda 03 08 2021O Comitê Organizador da Agroleite divulgou nesta segunda-feira (02/08), os finalistas da edição de 2021 do Troféu Agroleite – iniciativa da Castrolanda Cooperativa Agroindustrial para homenagear e incentivar os melhores desempenhos e práticas da cadeia leiteira nacional. Os vencedores serão conhecidos no dia 12 de agosto em uma cerimônia online.

Prêmios - Serão 11 prêmios entregues, indicados por meio do voto na internet e pelo comitê organizador. As categorias são: genética, nutrição, medicamentos, bem-estar, sementes, ordenha e refrigeração, máquinas e equipamentos, produtor de leite, agente financeiro, laticínios e embalagens.

Votações - As votações encerraram no dia 30 de julho e ocorreram por meio do site oficial do prêmio – www.trofeuagroleite.com.br. Ela ficou aberta por cerca de 45 dias para que todas as pessoas físicas, com o uso do CPF, data de nascimento e um e-mail válido, pudessem escolher os melhores por categoria.

Divulgação - A divulgação dos vencedores será realizada em uma cerimônia online por conta da pandemia – nos anos anteriores, os vencedores do Troféu Agroleite eram conhecidos em um grande evento de gala. Os nomes das empresas, propriedades e produtores vencedores também estarão disponíveis nos canais institucionais da Castrolanda e da Agroleite.

Finalistas - Conheça os finalistas por categoria:

Agente Financeiro:

Banco do Brasil

Sicoob

Sicredi

Bem-estar:

Delaval

GEA

MSD Saúde Animal

Embalagens:

Cargill

Tetra Pak

SIG

Genética:

ABS

Alta Genetics

Semex

Laticínios:

Italac

Nestlé

Piracanjuba

Máquinas e Equipamentos:

John Deere

New Holland

Nogueira Máquinas Agrícolas

Medicamentos:

Biogénesis Bagó

MSD Saúde Animal

Ouro Fino

Nutrição:

Cargill

De Heus

Vaccinar

Ordenha e Refrigeração:

Delaval

GEA

Ordemilk

Produtor de Leite:

Antônio Carlos de Sordi Sobreiro – Fazenda Colorado

Armando Carvalho – Fazenda Fundamento

Eudes Anselmo Braga – Fazenda Campo do Meio

Sementes:

Agroceres

Matsuda

Pioneer Sementes

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo. Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata. O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)

 

ALEGRA: Incentivado pela "economia circular", setor industrial busca reciclar resíduos e implantar métodos sustentáveis

alegra 03 08 2021Recente levantamento da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) destaca que o Brasil é o quarto maior produtor de lixo em todo o mundo. Com uma produção de resíduos de aproximadamente 79 milhões de toneladas por ano, o país ainda mostra dificuldades para destinar de forma consciente seus resíduos — segundo a pesquisa, cerca de 40% de todo o montante ainda é designado de maneira incorreta.

Economia circular - Mas, mesmo nesse cenário, o país tem demonstrado que está em busca de tornar sua geração de resíduos cada vez mais alinhada aos conceitos da “economia circular”— pelo menos no segmento industrial. Dados levantados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em 2019, apontam que cerca de 76,5% das instituições do setor desenvolvem alguma iniciativa de “economia verde” em suas rotinas.

Desenvolvimento sustentável - Conceito econômico que preza pelo desenvolvimento sustentável e consciente de recursos, a “economia circular” propõe que os resíduos sobressalentes sirvam como matéria-prima para outros segmentos, ou até mesmo como fonte de energia para a própria cadeia produtiva. Exemplo disso é a Alegra, indústria de derivados suínos localizada nos Campos Gerais, que conta há quatro anos com um contrato de parceria para a reutilização de orgânicos e de outros materiais, como papelão, plástico e metal. "Nesse contrato comercial, que firmamos com uma empresa de reciclagem, e que possui toda sua documentação ambiental atualizada, doamos o resíduo produzido pela indústria em sua totalidade e, em contrapartida, a companhia realiza a triagem e fornece toda a mão de obra para o transporte e destinação final”, explica o analista técnico do Meio Ambiente da Alegra, Celso Rota.

Resíduos recicláveis - Além da parceria para a reutilização de detritos, a Alegra também já reduziu em quase 24% o uso de recursos orgânicos não recicláveis sem sua produção durante a pandemia. Aliado a isso, a utilização de materiais recicláveis, como plástico e madeira, cresceu 40% e 41%, respectivamente, de 2019 para 2020. “O objetivo é reduzir ao máximo o volume de não recicláveis. Desenvolvemos , inclusive, uma campanha em cada uma das unidades para a conscientização de toda a cooperativa, com o uso de lixeiras diferenciadas por cores, nas quais o colaborador separa os itens recicláveis dos não reutilizáveis ”, acrescenta.

Planos - A indústria paranaense também tem planos para a implantação de projetos de energia solar e gestão hídrica de efluentes, que deverão ser iniciados em 2022. “Esses programas só não saíram do papel ainda devido às mudanças de planejamento causadas pela pandemia, mas estão no radar e deverão ser trabalhados em breve”, finaliza o analista.

Sobre a Alegra - A indústria de alimentos Alegra é a união das cooperativas de origem holandesa, Frísia, Castrolanda e Capal, que constituem o grupo Unium. Uma empresa que combina condições de trabalho ideais aliando tecnologia, equipamentos de última geração, preocupação com o bem-estar dos animais e sustentabilidade em seu parque industrial, sempre primando pela excelência em seu produto final, que utiliza as melhores carnes suínas. Em 2017, a marca conquistou o reconhecimento internacional quanto às Práticas de Bem- estar Animal no abate, tornando-se a primeira planta brasileira a receber essa certificação em bem-estar suíno, pela WQS. Mais informações em www.alegrafoods.com.br. (Imprensa Alegra)

 

SICOOB: Ação especial é promovida para o Dia dos Pais

sicoob 03 07 2021A demanda por seguros de vida cresceu durante a pandemia: com a maior preocupação com o conforto e planejamento financeiro familiar, os brasileiros têm aderido a uma modalidade que antes não era dada tanta importância. Somente no primeiro semestre de 2021, o Sicoob apresentou crescimento de 50% enquanto o mercado 11,4%. No início do ano, a Superintendência de Seguros Privados (Susesp) notou um crescimento de 11,4% na busca de seguros de vida com relação ao mesmo período de 2020.

Promoção especial - E, para levar ainda mais proteção, o Sicoob organiza uma promoção especial de Dia dos Pais: entre os dias 4 e 6 de agosto, os cooperados que adquirirem um dos seguros participantes vão concorrer a três kits "cantinho do churras", no valor de R$ 10 mil cada, pagos em formato de vale-poupança.

Estímulo - De acordo com Guilherme Ciarrocchi, diretor do Sicoob Seguradora, a ideia de organizar uma promoção para estimular a proteção financeira dos cooperados e suas famílias. "O seguro de vida mostrou sua importância neste período. É um produto com um valor de contribuição consideravelmente baixo frente seus benefícios e que pode confortar todo um núcleo familiar durante muitos anos na ausência de um ente querido", destaca.

Churrasco - E, para marcar o início dessa ação, nesta terça-feira (03/08), às 19h, o Sicoob convidou José Almiro, do @churrasqueadas, um dos maiores especialistas em churrasco do Brasil, para ensinar a famosa Fraldinha 4 queijos e o pãoliça, uma verdadeira iguaria que tornará o Dia dos Pais ainda mais especial. A live vai ao ar no canal oficial do Sicoob no Youtube e os participantes vão concorrer a cinco kits churrasqueadas, compostos por avental, kit temperos e faca para churrasco.

SERVIÇO

Live com José Almiro (@churrasqueadas)

Dia 3 de agosto, às 19h, no canal oficial do Sicoob no Youtube (https://www.youtube.com/user/sicooboficial)

Sorteio de cinco kits com avental, kit temperos e faca para churrasco

Promoção Seguro de Vida Dia dos Pais

De 4 a 6 de agosto

Seguros participantes: Individual, Mulher e Simples

Kits "cantinho do churras", no valor de R$ 10 mil cada, em formato de vale-poupança

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5,2 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, marketplace, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por 366 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Ocupa a segunda colocação entre as instituições financeiras com maior quantidade de agências no Brasil, segundo ranking do Banco Central, com 3.523 pontos de atendimento em 1.934 cidades brasileiras. Acesse www.sicoob.com.br para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

SICREDI IGUAÇU: Lançada promoção com mais de R$ 1 milhão em prêmios

Em comemoração ao aniversário da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP, que completa 30 anos no dia 18 de dezembro, a cooperativa lançou, nesta segunda-feira (02/08), a campanha “30 anos de história juntos”. Com a promoção, os associados concorrem a prêmios que somam mais de R$ 1 milhão.

Sorteio - Ao longo da campanha serão sorteados três carros: um Fiat Strada Freedom, um Ford Ka Hatch e um Ford Ranger XLS. Os associados ainda podem ganhar mais de 17 mil prêmios instantâneos como mochilas, coolers, cadeira de praias, bonés, bolsas térmicas, entre outros. Além disso, cada uma das 26 agências da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP também vai sortear entre os associados uma Smart TV de 50 polegadas e uma moto CG Honda 160. As agências de Chopinzinho, Dois Vizinhos Centro, Francisco Beltrão Centro, Nova Prata do Iguaçu, São João e São Jorge D’Oeste irão sortear duas motos e dois televisores cada, uma vez que são as agências com o maior número de associados da cooperativa.

Como participar - Durante a campanha, os associados da cooperativa recebem cupons da promoção de acordo com a realização e contratação de produtos e serviços financeiros. “O associado é peça fundamental nesses nossos 30 anos de história, então, presenteá-lo nessa data reafirma a relação especial que temos com cada um deles e a participação ativa em nossa trajetória”, afirma o diretor executivo da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP, Eleutério Benin.

Encerramento - A campanha se encerra no dia 10 de dezembro, às 15h e já às 16h30 do mesmo dia, serão realizados os sorteios dos televisores e das motos. Os sorteios da Ford Ranger, Fiat Strada e Ford Ka estão marcados para o dia 17 de dezembro, às 15h.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2021/noticias/08/03/sicredi_iguacu/{/vsig}

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Assinado convênio com São Jorge do Patrocínio (PR) para realização do Programa A União Faz a Vida

sicredi vale 03 08 2021São Jorge do Patrocínio, na região noroeste do estado do Paraná, é a mais nova cidade contemplada com o Programa A União Faz a Vida (PUFV), iniciativa do Sicredi que ensina a cooperação e o exercício da cidadania para crianças e adolescentes.

Convênio - Na última sexta-feira (30/07), a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP e a Prefeitura Municipal assinaram o convênio para a realização do programa, que contou com a participação do presidente da cooperativa, Jaime Basso, do prefeito, José Carlos Baraldi, do vice-prefeito, Ronaldo Tinti, da secretária de educação, cultura e esportes, Rosângela Galiotti de Freitas, do gerente da agência Sicredi na cidade, Fernando Cruz, da gerente de desenvolvimento do cooperativismo, Cláudia Bonatti, do assessor pedagógico, Éder Cordeiro, além de lideranças ligadas a educação municipal.

Primeiro passo - “A assinatura é o primeiro passo para darmos início ao PUFV no município. A partir de agora, será feita a formação dos professores, o lançamento com a presença da comunidade escolar e o início dos projetos”, explica a gerente de desenvolvimento do cooperativismo na Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, Cláudia Bonatti.

Início - O Programa A União Faz a Vida teve início na área de atuação da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP em 2011, em Rancho Alegre D’ Oeste (PR). Com o início das atividades em São Jorge do Patrocínio (PR), a cooperativa passa a contar com 19 municípios realizando o PUFV. Em 2021, até o momento, estão participando 154 escolas, que atendem a uma média de 400 professores e cerca de 4 mil estudantes, com a realização de 100 projetos.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 32 anos de história, mais de 170 mil associados e 95 espaços de atendimento. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD (www.sicredi.com.br/coop/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de cinco milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados e no Distrito Federal, com mais de duas mil agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

UNIPRIME: Cooperativa agora pode receber tributos federais

Com uma administração marcada pelo pioneirismo, a Uniprime se destaca mais uma vez ao se tornar a primeira cooperativa de crédito do Brasil a ser homologada junto à Receita Federal para arrecadar DARFs.

Facilidade de recolhimento - “Na prática, significa que o cooperado mantém a facilidade de recolhimento de seus tributos através de sua agência de relacionamento ou canais digitais (Internet/Mobile Banking), com a disponibilização do comprovante de pagamento no momento da liquidação, e sem restrição de valor máximo de recolhimento por guia, desde que o valor esteja de acordo com os limites de pagamento do cooperado”, explica Andreza Holderbaum Bortollette, analista Administrativo e Financeiro da Uniprime.

Nova operação - A nova operação entrou em prática no dia 23 de junho. “A aprovação da Uniprime para o recolhimento destes tributos diretamente com a Receita Federal vai resultar em uma redução de custos para a cooperativa”, detalha Kacieli Caroline Mendes, analista de Negócios em TI da Uniprime.

Mais resultado - Menos custo significa mais resultado, e os números refletem no bolso do cooperado. “É uma vantagem para os associados, considerando que a cooperativa investirá em seu crescimento, além de contribuir para que o valor distribuído na repartição das sobras com todos os cooperados seja ainda maior”, conclui Kacieli. (Imprensa Uniprime)

{vsig}2021/noticias/08/03/uniprime/{/vsig}

UNIMED PONTA GROSSA I: Cuidados com a pele ganham novo protocolo no HGU

O Hospital Geral Unimed (HGU), da Unimed Ponta Grossa, lançou um novo protocolo de cuidados com a pele. O novo documento traz, de forma mais objetiva e simplificada, as informações e diretrizes de como se deve tratar e prevenir as lesões na instituição.

Atuação do time - Segundo a enfermeira Michele Maier, coordenadora assistencial, “a revisão do protocolo também trouxe também, de forma clara, a atuação do time. Agora, o protocolo traz a atribuição de cada um, no sentido de que nós, enquanto times, estamos como suporte para avaliar as lesões, definir as melhores medidas de tratamento e fazer a interface com o médico assistente, para alinhar as intervenções necessárias no paciente”.

Ações internas - Para marcar o lançamento, o hospital promoveu ações internas entre as equipes de enfermagem ao longo da última semana.

Treinamento - Na terça (27/07), os enfermeiros participaram de um treinamento a respeito de lesão por pressão, que foi ministrado por Emanoel Severo, estomaterapeuta e especialista em controle de infecção.

Atualização - Segundo Laiza Moura, enfermeira responsável pelo Núcleo de Educação Permanente do HGU, o objetivo principal foi manter os profissionais atualizados, com foco em prevenção, para melhor assistência aos pacientes.

Líderes do cuidado- “Os enfermeiros são líderes do cuidado e principais multiplicadores desses conhecimentos e autonomia para praticar os cuidados baseados na literatura e no protocolo padronizado para levar o melhor ao nosso paciente”, comenta.

Metas internacionais - O HGU segue as seis metas internacionais de segurança do paciente e, entre elas, está a prevenção de lesão de pele. Laiza explica que os pacientes de UTI e de internação prolongada são os mais propensos a desenvolver as lesões.

Casos inevitáveis - “Alguns casos são inevitáveis, pelo quadro, pelo dispositivo que o paciente está usando, por exemplo. E, quando isso ocorre, o enfermeiro tem que estar preparado para tratar e conseguir conduzir esse cuidado da melhor forma possível. E, com o treinamento, pudemos reforçar também a classificação das lesões e os tipos de cuidado mais adequados para cada um, cumprimento das metas internacionais de segurança do paciente e melhoria na qualidade do cuidado”.

Ação temática - Na quarta-feira (28/07), o espaço em frente ao refeitório ganhou uma decoração especial. Um quiosque com o tema de festa junina chamou atenção dos colaboradores, que foram abordados pelo Time de Cuidados com a Pele e puderam participar de uma pescaria educativa.

Prevenção - Cada peixe tinha um número, equivalente a um tipo de lesão. O participante deveria comentar sobre as ações de prevenção daquele tipo de lesão e também as formas de tratamento. De acordo com a enfermeira Michele Maier, no quiosque também foram disponibilizados materiais sobre práticas de prevenção, curiosidades e as fotos dos membros do time, para facilitar a identificação por parte das equipes assistenciais.

Jogo itinerante - “Outra ação para divulgação do protocolo foi um jogo itinerante nas áreas, em que os colaboradores sorteavam cartas e respondiam questões sobre características das lesões, prevenção e tratamento. Nessas atividades, além de reforçar o novo protocolo, também pudemos atuar no conhecimento e nas possíveis dúvidas”, finaliza Michele. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

{vsig}2021/noticias/08/03/unimed_ponta_grossa_I/{/vsig}

UNIMED PONTA GROSSA II: Cooperativa lança portal de carreiras online

unimed ponta grossa II 03 08 2021A Unimed Ponta Grossa lança, em agosto, um portal online de carreiras. A página, disponível dentro do site institucional da cooperativa, passa a se tornar a principal ferramenta de atração e recrutamento de talentos da instituição. O portal de carreiras oferece uma experiência completa que une vagas de trabalho disponíveis e conteúdos sobre cultura e diretrizes da cooperativa. Você confere acessando unimedpg.com.br/carreiras.

Digitalização - “Essa iniciativa é parte importante de um movimento de digitalização da área de Gestão de Pessoas da Unimed Ponta Grossa, iniciado em 2019. O portal de carreiras é uma grande oportunidade de reforçarmos a nossa marca empregadora junto aos candidatos e colaboradores, através de uma experiência dinâmica e leve”, reforça o Gerente de Gestão de Pessoas, Pedro Viriato.

Cadastro - Além de disponibilizar as vagas de trabalho, a nova página permite o cadastro de currículos que ficam no banco de talentos da Unimed Ponta Grossa. Ainda, os candidatos conhecem diversas informações sobre a cooperativa como detalhes sobre o negócio, cultura organizacional, processo de recrutamento, diretrizes de diversidade e inclusão, frentes de atuação e depoimentos de colaboradores.

Gerenciamento - “A plataforma do banco de talentos também faz o gerenciamento de todas as etapas do Recrutamento e Seleção. A solução conta com mecanismos de inteligência artificial para identificarmos os candidatos mais aderentes às nossas posições. Além disso, é integrada ao nosso sistema de Gestão de Pessoas, o que possibilita automatizarmos nossas atividades, melhorando a experiência do candidato e a produtividade nas atividades de RH”, destaca o analista de Gestão de Pessoas e responsável pela implantação da ferramenta, Marlon Carvalho.

Mídias sociais - As oportunidades de carreira continuam sendo anunciadas nas mídias sociais oficiais da Unimed Ponta Grossa e também serão veiculadas no Banco Nacional de Empregos (BNE), o que potencializa a forma de divulgação. Siga-nos em nosso LinkedIn e Facebook para acompanhar as oportunidades.

Acompanhamento - Cadastre seu currículo diretamente em nosso novo portal e acompanhe diariamente a atualização das novas vagas feitas pela equipe de Atração e Seleção da Unimed Ponta Grossa. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

 

CAF: Mapa prepara novo cadastro nacional para registro de agricultores familiares

caf 03 08 2021O Cadastro Nacional da Agricultura Familiar (CAF) substituirá, de forma gradativa, a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), que identifica os agricultores familiares, qualifica as Unidades Familiares de Produção Agrária (UFPA) e suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, possibilitando o acesso às políticas públicas do governo federal.

Lançamento - O lançamento do novo cadastro e o início da transição estão previstos para dezembro de 2021. Até que se conclua todo o processo, a DAP permanece como o instrumento de identificação dos agricultores familiares e suas organizações para fins de acesso às políticas públicas.

Transição - O período de transição ocorrerá em um prazo de dois anos e será realizado de maneira gradual. Novas inscrições serão emitidas por meio do CAF à medida que as DAPs vigentes perderem a validade, não sendo necessário que o beneficiário se antecipe ao fim da vigência de sua DAP.

Importância - O secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), César Halum, destaca a importância do CAF. “O Cadastro Nacional da Agricultura Familiar é uma das ações mais importantes desta Secretaria. Por meio dele, poderemos propiciar mais transparência e assegurar aos agricultores familiares que as políticas públicas necessárias cheguem, de forma prioritária, aos que mais precisam”.

Novo sistema - O Mapa desenvolveu um novo sistema eletrônico para registro no CAF, com mecanismos capazes de reconhecer adequadamente a categoria de produtores rurais definida pela Lei da Agricultura Familiar e pelo Decreto 9.064/2017. Uma inovação é que a nova plataforma será integrada às bases de dados do governo federal, o que possibilitará a imediata validação das informações declaradas pelo agricultor.

Diferenças - As principais diferenças entre o CAF e a DAP referem-se aos requisitos exigidos para a identificação dos beneficiários, que se baseará somente na Lei 11.326/2006 e no Decreto 9.064/2017, e não mais em critérios estabelecidos pelo Manual de Crédito Rural (MCR), como, por exemplo, a limitação da renda bruta da UFPA.

Identificação - Além disso, o CAF fará a identificação de todas as pessoas da unidade familiar - superando o limite atual de apenas 2 titulares - e permitirá o ingresso das prefeituras municipais na sua rede emissora, o que ampliará os pontos de atendimento ao público interessado em realizar a inscrição.

Próximos meses - Nos próximos meses, ocorrerão ações para capacitar e qualificar a rede de emissores da DAP para emitir o registro de inscrição no CAF. Serão capacitados tanto os agentes emissores, para operacionalizar e analisar os registros, como também os servidores das Superintendências Federais de Agricultura (SFAs), para orientar potenciais beneficiários e realizar o acompanhamento e fiscalização das atividades. As capacitações serão anunciadas oportunamente no portal do Mapa. (Mapa)

FOTO: iStock / Mapa

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Exportações brasileiras batem recordes em julho e no acumulado do ano

comercio exterior 03 08 2021A balança comercial voltou a bater recordes no mês de julho e nos sete primeiros meses do ano. No acumulado de janeiro a julho as exportações cresceram 35,3% e somaram US$ 161,42 bilhões, enquanto as importações subiram 30,9% e totalizaram US$ 117,29 bilhões, na comparação com o mesmo período do ano passado. Assim, o Brasil registrou superávit de US$ 44,13 bilhões, em alta de 48,6%, e a corrente de comércio (soma das exportações e importações) subiu 33,4%, atingindo US$ 278,71 bilhões.

Maiores - Segundo dados divulgados nesta segunda-feira (02/08) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia (ME), as exportações, o saldo comercial e a corrente de comércio foram as maiores da série histórica para o período. “Nunca exportamos tanto nos primeiros sete meses do ano, em valor, quanto neste ano de 2021”, destacou o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão. Já nas importações, os maiores valores foram obtidos em 2013 e 2014.

Julho - Considerando apenas o resultado do mês de julho, também houve recorde nas exportações, com US$ 25,53 bilhões, e na corrente de comércio, de US$ 43,66 bilhões. “Nas exportações, temos o maior mês de julho da história”, frisou Brandão. As importações, por sua vez, subiram 60,5% e chegaram a US$ 18,13 bilhões, o que gerou um saldo positivo de US$ 7,40 bilhões no mês, com crescimento de 1,7% em relação a julho de 2020.

Acumulado do ano - No acumulado do ano, houve crescimento de 22,9% das exportações na Agropecuária, que somou US$ 36,50 bilhões; de 75,1% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 45,64 bilhões; e de 24,5% na Indústria de Transformação, com US$ 78,49 bilhões. Do lado das importações, também aumentaram as compras dos três setores. Foram US$ 2,97 bilhões em Agropecuária (+25,9%), US$ 6,33 bilhões em Indústria Extrativa (+44,3%) e US$ 106,14 bilhões na Indústria de Transformação (+29,8%).

Aumento - Somente no mês de julho, a Secex registrou aumento de 11,2% nas vendas da Agropecuária, com US$ 5,03 bilhões; de 62,7% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 7,32 bilhões; e de 37,7% para a Indústria de Transformação, que alcançou US$ 13,07 bilhões. Para as importações, a alta foi de 48,2% na Agropecuária, chegando a US$ 457,12 milhões; de 163,2% na Indústria Extrativa, com US$ 1,16 bilhão; e de 57% nas compras da Indústria de Transformação, que alcançou US$ 16,33 bilhões.

Demanda e investimentos - Segundo a Secex, um dos destaques do ano é o aumento de 71,2% nos preços das vendas da Indústria Extrativa, impulsionado pela recuperação da demanda mundial. “Temos aumento da demanda por combustíveis e o aumento da demanda, principalmente, de minério de ferro, com uma oferta mundial limitada”, observou o subsecretário.

Importações - Já da parte das importações, Brandão salienta que há uma movimentação maior de bens de capital, apesar de, no acumulado do ano, esses itens ainda apresentarem queda 1,7% nas compras externas, em relação ao mesmo período do ano passado. Até o acumulado do primeiro semestre, lembrou, essa queda era de 6%. Com o crescimento de 35% no mês de julho, a queda diminuiu para 1,7%. “A importação de bens de capital tem crescido nos últimos meses. Ela cresce desde março”, lembrou Brandão.

Tendência - Segundo ele, a tendência da importação de bens de capital é de inversão – de queda para aumento – no acumulado de janeiro a agosto ou janeiro a setembro, refletindo a retomada da economia. “Isso vai se inverter, por conta dessa tendência de crescimento das compras e do aumento do investimento”, explicou, acrescentado que os bens de capital contribuem para o aumento da formação bruta de capital fixo.

Destinos e origens- Em relação aos destinos das exportações, a Secex verificou crescimento das vendas para a Argentina, tanto no mês (+61,4%) quanto no ano (+53,8%). Para os Estados Unidos também houve crescimento – de 83,6% no mês e de 40% no ano. Da mesma forma, subiram as vendas para a China – 19,6% e 33,2%, respectivamente – e para a União Europeia, com 38,6% e 27,9% de aumento.

Compras maiores - Na origem das importações, a Secex destacou, igualmente, o aumento das compras da Argentina, com 70,1% no mês e 44,7% no acumulado até julho. Dos Estados Unidos, o crescimento foi de 67,5% em julho e 15,4% no ano. Já da China, as compras subiram 50,6% no mês e 28,9% em 2021, enquanto a entrada de produtos da União Europeia cresceu 39,6% em julho e 24,7% no acumulado de sete meses. (Ministério da Economia)

FOTO: Pixabay

Veja os principais resultados da balança comercial

 

CÂMBIO: Dólar cai para R$ 5,16 com mercado externo e Copom

cambio 03 08 2021Num dia de alívio externo e de expectativa com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o dólar caiu para R$ 5,16 após ter superado R$ 5,20 na sexta-feira (30/07). A bolsa de valores chegou a subir mais de 2% durante a manhã, mas desacelerou no fim do dia, influenciada pelo mercado norte-americano.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (02/08) vendido a R$ 5,165, com recuo de R$ 0,045 (-0,86%). A cotação chegou a cair para R$ 5,11 na mínima do dia, por volta das 13h45, mas reduziu o ritmo de queda após o enfraquecimento do otimismo no mercado internacional.

Queda - Com o desempenho desta segunda, o dólar volta a registrar queda em 2021. No acumulado de 2021, a moeda norte-americana acumula baixa de 0,46%.

Ações - No mercado de ações, o otimismo também prevaleceu. Após a sexta-feira turbulenta, em que caiu 3,08%, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 122.515 pontos, com alta de 0,59%. Por volta das 11h30, o indicador subia 2,21%, influenciado pela divulgação de lucros de bancos, mas a queda do preço internacional do petróleo e o recuo das bolsas norte-americanas influenciaram as negociações perto do fim da sessão.

Cenário externo - No cenário externo, o mercado financeiro teve um dia de tranquilidade após o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) reafirmar que não pretende retirar os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19 (juros baixos e programa de compra de títulos) tão cedo. Na sexta-feira, a divulgação de que a inflação e o consumo nos Estados Unidos subiram mais que o previsto criou instabilidade nos mercados de todo o planeta.

Entrada de capitais - A manutenção de juros baixos em economias avançadas estimula a entrada de capitais em países emergentes, como o Brasil, onde os juros são mais altos. No mercado doméstico, os investidores estão sob a expectativa da reunião do Copom. Segundo o boletim Focus, pesquisa de mercado divulgada toda semana pelo Banco Central, os analistas agora acreditam que a taxa Selic (juros básicos da economia) será elevada em 1 ponto percentual nesta semana, em vez dos 0,75 ponto das últimas reuniões.

Preocupações - No fim do dia, as preocupações com uma desaceleração econômica nos Estados Unidos provocada pela variante delta do novo coronavírus reduziram o otimismo no mercado externo. A cotação internacional do petróleo caiu mais de 3% hoje, com a perspectiva de que um eventual atraso na recuperação econômica decorrente da alta nos casos de covid-19 afete a demanda por combustíveis. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO:Pixabay

 

INFRAESTRUTURA I: Promulgada PEC que institui modelo de autorização no modal ferroviário no Paraná

infraestrutura 03 08 2021O governador Carlos Massa Ratinho Junior e o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano, oficializaram nesta segunda-feira (02/08), em cerimônia no Palácio Iguaçu, a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que institui a modalidade de autorização na infraestrutura.

Mudança - É uma pequena mudança na Constituição do Paraná que deve desencadear uma grande transformação econômica no Estado. A partir dela, uma empresa interessada em construir uma linha férrea vai percorrer um caminho mais rápido e menos burocrático no relacionamento com a administração pública, podendo receber do Governo um parecer positivo para um projeto próprio, sem processo licitatório, desde que em conformidade com a legislação ambiental.

Modelo autorizativo - “Esse modelo autorizativo é o que os países desenvolvidos utilizam. Isso vai ampliar em mais de 400 quilômetros de linhas ou ramais férreos dentro do Estado. Aumenta a capacidade de muitas empresas, melhora a logística e gera novos empregos”, explicou o governador.

Custo logístico - Uma das metas é diminuir o custo logístico da produção para que as mercadorias possam ficar mais baratas para o consumidor final. Esse novo cenário ajuda a reduzir os custos logísticos. O transporte, por navio, caminhão ou trem, influencia diretamente no valor final de cada um dos itens da prateleira do supermercado.

Preços mais baixos - “Quando criamos um ambiente com infraestrutura moderna fazemos com que esses preços possam ser mais baratos na ponta, no supermercado que vai atender o cidadão”, destacou Ratinho Junior.

Reforço - Segundo Traiano, essa etapa reforça a iniciativa do Governo em estimular o setor ferroviário no Estado, que é um dos grandes dilemas da infraestrutura do País. “Esse é o registro histórico de um momento em que vamos dar um salto de vanguarda na economia do Paraná, permitindo a possibilidade de ter ferrovias mais competitivas”, disse o presidente da Assembleia Legislativa.

Julho - A PEC foi discutida e votada pelos deputados em julho deste ano. Nos próximos dias o Poder Executivo deve enviar para apreciação dos parlamentares o texto do projeto de lei que regulamenta a autorização para os modais ferroviário e aquaviário.

Governo federal - A autorização também é discutida pelo governo federal, em âmbito nacional. A possibilidade aproxima o setor privado do modal ferroviário. O custo dos estudos e da execução do projeto passam a ser exclusivos das empresas.

Potencialização - A mudança potencializa o projeto de construção da Nova Ferroeste, que vai ligar Maracaju, no Mato Grosso do Sul, a Paranaguá, no Litoral do Paraná. Serão 1.285 quilômetros de trilhos.

Pequenos ramais - Com a aprovação da PEC, o Governo do Paraná estimula os empresários a investir nesse segmento como forma de criar pequenos ramais até esse corredor principal. “Agora existe a possibilidade da empresa conectar uma unidade produtiva diretamente ao tronco principal da ferrovia, com dez ou vinte quilômetros de trilhos próprios”, destacou o coordenador do Plano Estadual Ferroviário, Luiz Henrique Fagundes.

Short lines - São as chamadas short lines, utilizadas no Canadá e nos Estados Unidos, que serviram de modelo para a mudança na constituição do Paraná. “Esse movimento foi feito nos EUA na década de 1980 e o país conseguiu aumentar a produtividade em dois anos e meio. Passaram a transportar o dobro de carga pela metade da tarifa”, acrescentou Fagundes.

Estudo - Um estudo já realizado pela equipe da Nova Ferroeste identificou pelo menos sete polos geradores de carga com potencial para a implantação dessas pequenas linhas férreas. São empresas ou cooperativas de grande porte localizadas próximo ao futuro traçado da Nova Ferroeste. “Temos uma espinha principal e agora vamos fazer com que esses ramais possam abastecer a Nova Ferroeste”, disse o secretário da Secretaria de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Equilíbrio - Outro objetivo é equilibrar a relação entre ferrovia e rodovia. Atualmente, 80% dos produtos que seguem para o Porto de Paranaguá chegam na carroceria dos caminhões. “Quando estiver concluída a Nova Ferroeste, estimamos que 60% de tudo que entrar no Porto de Paranaguá será por trem, isso representa uma grande transformação logística no Estado”, explicou Fagundes.

Entusiasmo - Segundo o diretor-presidente da Ferroeste, André Gonçalves, há entusiasmo do setor produtivo, em especial no Oeste. “Há uma demanda muito grande de produção, seja a granel ou até produtos industrializados, e os empresários querem poder melhorar o transporte das cargas através da Nova Ferroeste”, afirmou. “Estamos buscando recuperar um processo com 30 anos de atraso, olhando para os próximos 50 anos”.

Nova Ferroeste - A Nova Ferroeste é um projeto que visa ampliar a Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A. O novo traçado, com 1.285 quilômetros, vai ligar os municípios de Maracaju (MS) e Paranaguá (PR). Quando a ferrovia estiver concluída, será o segundo maior corredor de grãos e contêineres do País.

Movimentação - Os estudos de demanda indicam que cerca de 26 milhões de toneladas de produtos devem circular nesse trecho por ano. Considerando o tráfego interno, a Nova Ferroeste deve alcançar 38 milhões de toneladas/ano. Os estudos de viabilidade técnica e econômica (EVTEA) e de impacto ambiental (EIA/RIMA) estarão concluídos até o fim do ano, quando deve ter início a série de audiências públicas nas regiões afetadas pelo empreendimento.

Leilão - A Nova Ferroeste será leiloada nos primeiros meses de 2022 na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). O investimento estimado é de R$ 25 bilhões. A empresa, ou grupo vencedor da concessão é quem vai executar a obra e terá o direito de explorar o trecho por 60 anos.

Presenças - Participaram da reunião o chefe da Casa Civil, Guto Silva; e os deputados estaduais Gugu Gueno, Ademir Bier e Hussein Bakri (líder do Governo). (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 

INFRAESTRUTURA II: Em Cascavel, governador lança pedra fundamental da duplicação de trecho da BR-277

Um dos trechos mais movimentados da BR-277, em Cascavel, na Região Oeste, começou oficialmente a ser requalificado. O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou nesta segunda-feira (02/08) do lançamento da pedra fundamental das obras de duplicação da rodovia.

Ampliação - O projeto consiste na ampliação de 5,81 quilômetros da via, do km 574,4 ao km 580,2, entre o posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Ferroeste. A intervenção integra o convênio entre o Governo do Estado e a Itaipu Binacional e foi contratada pelo valor de R$ 48.009.661,88.

DER/PR - O Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) será o responsável pela obra, cujo prazo de conclusão é de 14 meses, em setembro de 2022. “Esse trecho sempre foi complicado, com problemas de acidentes e falta de segurança. Há muito tempo que Cascavel e a Região Oeste precisavam dessa duplicação. Um investimento do Governo do Paraná em parceria com a Itaipu Binacional que vai mudar a vida de muita gente", afirmou Ratinho Junior.

Intervenção - A intervenção na BR-277 começou em frente à Ferroeste com serviços preliminares, ensaios de caracterização dos materiais, limpeza da camada vegetal, instalação do canteiro de obras, levantamento topográfico e serviços de terraplenagem.

Hub logístico - “Ações pensadas pelo Governo do Estado, fruto de um planejamento que busca transformar o Paraná no hub logístico da América do Sul. Estamos transformando a infraestrutura não só da Região Oeste como de todo o Estado. Seremos, cada vez mais, o Estado mais moderno, inovador e sustentável do País”, disse Ratinho Junior.

Dia histórico - “É um dia histórico e de muita emoção para todos os moradores de Cascavel. A cidade só pode agradecer e destacar as ações do Governo do Estado. São mais de R$ 200 milhões de investimentos na cidade”, acrescentou o prefeito do município, Leonaldo Paranhos.

Via marginal - Além da duplicação dos 5,81 quilômetros da rodovia, explicou o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, também será pavimentada a via marginal esquerda do km 581,7 ao km 583,3, em uma extensão de 1,56 quilômetro, executado um viaduto no km 575,1, no acesso para a Ferroeste, e outro viaduto no km 580, onde será implantada uma variante da PR-180.

Impacto - Ações que, ressaltou ele, terão impacto direto na mobilidade urbana em Cascavel. “A determinação do governador Ratinho Junior é para que se avance na infraestrutura. E, para nós, vir aqui e lançar a pedra fundamental da obra com as máquinas já trabalhando é algo grandioso. Sai do discurso para a prática”, ressaltou Sandro Alex.

Trevo Cataratas - Ele lembrou que a duplicação da BR-277 acompanha a obra de readequação do Trevo Cataratas, também em Cascavel. O local é um ponto de interseção em nível que reúne as rodovias BR-369, ligação com Maringá; a BR-277, sentido Guarapuava e sentido Foz do Iguaçu; a BR-467, em direção a Toledo; e a Avenida Brasil, principal via de acesso a Cascavel. Cerca de 45 mil veículos circulam pelo trevo diariamente.

Gargalo - “Vai resolver o maior gargalo logístico do Paraná, que conseguimos priorizar dentro do acordo de leniência entre a concessionária que administra o trecho e o Ministério Público Federal”, destacou o secretário.

Show Rural - Diretor-presidente da Coopavel, Dilvo Grolli destacou que a obra terá impacto direto também na realização de um dos maiores eventos do setor do agronegócio: o Show Rural Coopavel que, em sua última edição atraiu mais de 300 mil pessoas para Cascavel. “É uma luta nossa desde 2000 por essa duplicação, quando o evento atraía cerca de 95 mil pessoas. Hoje o Paraná e a Região Oeste são as vitrines do agronegócio do País e com essa obra teremos um ótimo cartão de visitas", disse.

Importância e grandiosidade - “Todo mundo conhece a importância e a grandiosidade internacional do Show Rural, uma feira aqui de Cascavel que movimenta a região. É inconcebível que as pessoas tivessem tanta dificuldade de acesso ao evento justamente pela falta dessa duplicação”, afirmou Ratinho Junior.

Modais - O alargamento do trecho reforça a interligação entre os modais rodoviário e ferroviário, já que a duplicação da rodovia será até a entrada da Ferroeste, com impacto significativo no escoamento da safra, finalizando um corredor que começa no Mato Grosso do Sul e passa cidades paranaenses como Marechal Cândido Rondon e Toledo, além de Cascavel.

Ampliada e modernizada - Ferroeste que também será ampliada e modernizada. O projeto, estimado em mais de R$ 20 bilhões, vai unir por trilhos Maracaju (MS) ao Porto de Paranaguá, com estimativa de ser encaminhado para a Bolsa de Valores para concessão no começo do próximo ano.

Tirar do papel - “Planejamento para tirar do papel obras impactantes que vão mudar a história do Paraná. A Nova Ferroeste é mais uma delas", disse Sandro Alex.

Convênio - Os recursos para a obra integram o convênio entre a Itaipu Binacional e o Governo do Estado, por meio da Secretaria estadual de Infraestrutura e Logística, sendo o DER/PR a unidade executora.

Região - Convênios semelhantes estão garantindo mais obras para a região, como a implantação da nova Ponte da Integração Brasil-Paraguai, a duplicação do Contorno Oeste de Cascavel, a duplicação da Rodovia das Cataratas e a implantação de estrada municipal entre Ramilândia e Santa Helena.

Itaipu - “A Itaipu Binacional vai além da produção de energia, que é o nosso principal produtos. A usina tem um papel importante no desenvolvimento e na integração nacional. Poder apoiar uma obra como essa que vai melhorar a logística, a fluidez e a segurança desse ponto importante da Região Oeste do Paraná nos enche de orgulho”, afirmou o diretor técnico executivo da Itaipu, Celso Torino.

Pavimentos - A BR-277 ainda será contemplada com dois investimentos que fazem parte do financiamento de R$ 1,6 bilhão captado pelo Governo do Estado com um consórcio de bancos. Serão 12 quilômetros duplicados entre Guarapuava e Cascavel, entre o km 344 e o km 366.

Presenças - Participaram do evento o secretário de Estado da Administração e Previdência, Marcel Micheletto; o diretor-presidente do DER-PR, Fernando Furiatti; os deputados estaduais Gugu Bueno, Márcio Pacheco, Coronel Lee e Soldado Adriano José; o vice-prefeito de Cascavel, Renato Silva; e o presidente da Câmara de Vereadores de Cascavel, Alécio Espínola; além de lideranças políticas e empresariais da região. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTOS: José Fernando Ogura / AEN

{vsig}2021/noticias/08/03/infraestrutura_II/{/vsig}

 

ECONOMIA: Com incentivos fiscais e ambiente seguro, Paraná atrai mais de R$ 50 bilhões desde 2019

economia 03 08 2021O Paraná vem fortalecendo sua economia com a atração de investimentos privados no setor industrial, trabalho que fomenta cada vez mais a geração de emprego e renda, mesmo com um quadro de pandemia que já dura um ano e meio. Esse trabalho é diário e também leva em conta encontros internacionais, como o Paraná Day no México, em julho, com a presença do governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Estimativa - Um levantamento da Invest Paraná, agência responsável pela prospecção de novos negócios e atração de empresas, estima que mais de R$ 50 bilhões de investimentos já foram atraídos desde 2019, com geração de mais de 60 mil empregos (diretos e indiretos).

Atração de investimentos - "Atrair investimentos é o que nos move porque é o que gira a economia, possibilita a geração de emprego, que é a melhor política social que existe. Estamos investindo em infraestrutura para que o Paraná seja um hub logístico da América do Sul e o mercado tem percebido esse movimento", afirmou o governador Ratinho Junior. "Além disso, temos o melhor ambiente para empresas, com processos desburocratizados, o que já é destaque nacional".

Contemplados - Nestes investimentos gerais entram os acordos firmados no âmbito do programa de incentivos fiscais do Estado, vinculado à Secretaria de Estado da Fazenda, e aqueles que receberam atendimento para entender o Paraná e o perfil dos municípios, conhecer os projetos governamentais em infraestrutura, como a nova concessão rodoviária ou a Nova Ferroeste, e se encaixar em cadeias produtivas já estabelecidas.

Conexão - “O nosso papel é fazer a conexão entre o setor privado e o público. Nossa linha de atuação é para deixar o terreno o mais tranquilo possível”, afirmou o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin. A agência é vinculada à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest).

Indústria - Só no setor industrial, por meio do Programa Paraná Competitivo, o Estado soma R$ 17,1 bilhões em investimentos com concessão de tratamentos tributários diferenciados desde 2019, não sendo todos os anúncios cobertos pela concessão de benefício fiscal.

Mais atrativo - “O Paraná Competitivo tem como objetivo tornar o Estado mais atrativo para novos empreendimentos”, esclarece o secretário da Fazenda, Renê Garcia Junior. As regiões de Ortigueira, Guarapuava, São José dos Pinhais, Ponta Grossa, Castro e Palotina concentram grande parte dos investimentos.

Tratamento tributário diferenciado - Os tratamentos tributários diferenciados mais comuns às fábricas instaladas foram diferimento e suspensão de ICMS nas aquisições de energia elétrica e gás, dilação de prazo para recolhimento de parte do imposto devido, transferência de crédito de ICMS, crédito presumido em operações de “e-commerce” e redução na base de cálculo nas saídas de QAV - Querosene de Aviação.

Exemplos - Alguns exemplos de parcerias bem sucedidas desde 2019 foram com a Klabin, com R$ 12,9 bilhões projetados na expansão do Projeto Puma II, em Ortigueira, e de capacidade no segmento de papéis para embalagem; a Maltaria Campos Gerais, de R$ 3 bilhões, que reúne seis cooperativas em torno de um projeto para aproximar o Brasil da autossuficiência na produção de malte; a TatraBras, montadora de caminhões da República Tcheca, com R$ 102 milhões; e a Ambev, com R$ 385 milhões, para ampliar a produção de refrigerantes e da linha de cervejas puro malte.

Anúncios - Também entram nesse resultado anúncios recentes como a Dunlop/Sumitomo, de R$ 1 bilhão, para dobrar a capacidade de produção de pneus em Fazenda Rio Grande; a BRF, com aporte de R$ 18 milhões para modernizar uma fábrica de margarinas no Litoral; e a Tirol, com R$ 152 milhões, na primeira planta construída fora de Santa Catarina.

Clube dos maiores - Dentro desse contexto o Paraná também começou a formar um "clube dos maiores" e terá, nos próximos anos, a maior fábrica de empanados e salsichas do mundo, em Rolândia; a maior fábrica de queijos do País, em São Jorge D'Oeste; as maiores processadoras de tilápias, em Nova Aurora e Toledo, no Oeste; e o maior frigorífico de suínos da América Latina, em Assis Chateaubriand.

Fazenda - O Estado do Paraná também vem adicionando novas modalidades de tratamento tributário diferenciado, buscando dar melhores condições às empresas que se propõem a investir no Estado, como a instituição do crédito presumido voltado para as operações com produtos importados destinados à revenda, que, aliado à posição geográfica do Paraná, tem sido objeto de muita procura por empresas que desejam utilizar a estrutura portuária e logística para suas operações.

Condições - Foram criadas condições diferenciadas para empresas que se instalem em municípios de baixo IDH. Essas empresas podem, além dos tratamentos ofertados às demais, receber créditos em transferência para abater até 100% dos débitos de ICMS gerados com o novo investimento.

Crescimento - “Apesar de um momento de incerteza, gerado pela pandemia, o Paraná tem se tornado um dos estados com maior quantidade de novos investimentos. 2021 vem demonstrando um crescimento na sondagem de empresas interessadas em investir no Estado”, ponderou Garcia Junior.

Alterações - Em tempos de dificuldades para o comércio em função da pandemia da Covid-19, o Governo do Estado também vem promovendo alterações no programa de incentivos para garantir maior competitividade a empresas paranaenses.

Prorrogação - Outra modificação diz respeito à prorrogação do prazo para que empresas que atuam exclusivamente no e-commerce possam pleitear o benefício de crédito presumido, o que reduz a carga efetiva do ICMS nas vendas interestaduais efetuadas nesta modalidade. Esse tratamento colocou o Paraná na vanguarda como um dos melhores para empresas do segmento no País.

Estendido - O benefício, que venceria em dezembro de 2020, foi estendido até dezembro de 2022 e também reduziu o valor do investimento exigido para que as empresas possam se enquadrar no programa. Agora, o investimento deve ser de, no mínimo, R$ 360 mil. Anteriormente, como não havia um limite específico, exigia-se o que era determinado no Paraná Competitivo como regra geral, o valor de R$ 3,6 milhões.

Paraná Competitivo - O Paraná Competitivo é um dos principais atrativos para investimentos do Estado. Ele foi criado para reinserir o Paraná na agenda dos investimentos nacionais e internacionais e contempla uma série de medidas, como a dilação de prazos para recolhimento do ICMS, incentivos para melhoria da infraestrutura, comércio exterior, desburocratização e de capacitação profissional, com objetivo de tornar o Estado mais atrativo para novos empreendimentos.

Avaliação - Os incentivos pleiteados pelas empresas são avaliados de forma técnica pela Invest Paraná e pela Assessoria Econômica da Secretaria da Fazenda, em parecer que leva em conta as prioridades do Estado, como tipo do investimento, setor econômico, número de empregos gerados, impactos econômicos, sociais e de meio ambiente, adensamento da cadeia produtiva e grau de inovação, além de avaliar a condição fiscal e econômica do interessado, bem como sua condição financeira com vista à efetivação do investimento.

Protocolos - Após a avaliação técnica a Secretaria da Fazenda decide sobre a concessão ou não dos incentivos, bem como o prazo de vigência, encaminhando, quando necessário, os protocolos de intenções para assinatura do governador do Estado e das empresas interessadas. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Rodrigo Félix Leal / AEN

 

COPOM: Comitê de Política Monetária inicia quinta reunião do ano para definir juros básicos

copom 03 08 2021O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) começa nesta terça-feira (03/08), em Brasília, a quinta reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic, e deve repetir os aumentos promovidos nos últimos três encontros. Nesta quarta-feira (04/08), ao fim do dia, o Copom anunciará a decisão.

Previsão - Com a alta da inflação nos últimos meses, a previsão das instituições financeiras é de que a Selic deve subir de 4,25% ao ano para 5,25% ao ano. A expectativa de alta está no boletim Focus, pesquisa divulgada toda semana pelo BC. Para o final de 2021, o mercado prevê que a taxa fique em 7% ao ano.

Sinalização - Os membros do Copom, por sua vez, sinalizaram na ata da última reunião que devem manter a elevação da Selic no mesmo patamar de 0,75 ponto percentual.

Ciclo de alta - Dessa forma, a Selic continua em um ciclo de alta, depois de passar seis anos sem ser elevada. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegou a 6,5% ao ano, em março de 2018.

Menor nível - Em julho de 2019, a Selic voltou a ser reduzida até chegar ao menor nível da história em agosto de 2020, em 2% ao ano. Começou a subir novamente em março deste ano, quando avançou para 2,75% ao ano e, no início de maio, foi elevada para 3,5% ao ano. Em junho, subiu para 4,25% ao ano.

Taxa Selic - A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas da economia. Ela também é o principal instrumento do Banco Central para manter a inflação sob controle. O BC atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima ao valor definido na reunião.

Aumento - Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas podem conter a atividade econômica. Ao reduzir a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Outros fatores- Entretanto, as taxas de juros do crédito não variam na mesma proporção da Selic, pois a Selic é apenas uma parte do custo do crédito. Os bancos também consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Encontro - O Copom reúne-se a cada 45 dias. No primeiro dia do encontro, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do Copom, formado pela diretoria do BC, analisam as possibilidades e definem a Selic.

Orientação - Seguindo orientação da área de gestão de pessoas do BC, na semana passada, todos os membros do Copom foram testados para covid-19. O diretor Bruno Serra testou positivo e, portanto, não participará das sessões presenciais nesta terça e quarta-feira. “O diretor segue assintomático e desempenhando normalmente suas funções de maneira remota”, informou o BC.

Inflação em alta - Para 2021, a meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior é 5,25%.

Relatório - No último Relatório de Inflação, divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária estimava que, em 2021, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial do país, fecharia o ano em 5,82% no cenário base, com Selic em 6,25% ao ano e câmbio partindo de R$ 5,05.

Mercado - Já a projeção do mercado é de uma inflação ainda maior, fechando o ano em 6,79%, de acordo com o último boletim Focus. É a 17ª alta consecutiva da previsão das instituições financeiras.

Junho - Em junho, a inflação desacelerou para 0,53%, depois de chegar a 0,83% em maio. Ainda assim, com o resultado, o IPCA acumula alta de 3,77% no ano, e 8,35% nos últimos 12 meses.

IBGE - Os dados de julho devem ser divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na próxima semana, mas o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou inflação de 0,72% no mês passado, a maior variação do IPCA-15 para um mês de julho desde 2004 (0,93%). (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

IPEA: Indicador registra avanço de 1,6% de investimentos em maio

ipea 03 08 2021O Indicador Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), nesta segunda-feira (02/08), registrou avanço de 1,6% em maio frente a abril deste ano, na série com ajuste sazonal. Na comparação com o mesmo período de 2020, o indicador registrou uma expansão de 0,5%.

Uma parte - O avanço de 1,6% nos investimentos de maio representa uma recuperação de apenas uma parte da queda de 17,4% registrada no mês anterior. Em abril, os investimentos foram afetados pela forte queda nas importações, explicada por uma base de comparação elevada em março, quando foram contabilizadas muitas operações envolvendo importações fictas de plataformas de petróleo associadas ao Repetro. Assim, na análise do trimestre móvel terminado em maio, o indicador continuou apresentando queda em relação ao trimestre móvel anterior (terminado em fevereiro), da ordem de 19,2%. Contudo, em relação ao mesmo trimestre de 2020, o indicador de FBCF mostrou alta de 20%.

Composição - A FBCF é composta por máquinas e equipamentos, construção civil, outros ativos fixos. Sua evolução representa aumento da capacidade produtiva da economia e reposição da depreciação do estoque de capital fixo. No resultado acumulado em 12 meses encerrado em maio, os investimentos apresentaram expansão de 7,2% contra 6,9% registrado em abril.

Consumo aparente - O consumo aparente de máquinas e equipamentos apresentou alta de 15% em maio, encerrando o trimestre móvel com queda de 32,9%. Enquanto a produção de máquinas e equipamentos destinados ao mercado interno apresentou crescimento de 4,8% no mês, a importação cresceu 82,9% no mesmo período. Esse comportamento volátil nos últimos meses tem sido explicado, em grande medida, pelo efeito das chamadas importações fictas. No acumulado em doze meses, a demanda interna por máquinas e equipamentos registrou aumento de 12,5%.

Construção civil - O indicador de investimentos em construção civil, após modesto crescimento verificado em março, teve a segunda queda consecutiva na margem, recuando 1% em maio. Com isso, o segmento apresentou uma queda de 4,9% no trimestre móvel.

Comparação interanual - Na comparação interanual, o desempenho foi heterogêneo. O destaque ficou por conta do componente construção civil, que avançou para um patamar 7,2% superior a maio de 2020. Enquanto o componente outros ativos fixos recuou 4,1%, a demanda por máquinas e equipamentos, por sua vez, registrou queda de 4%. Na comparação trimestral, os resultados foram positivos. (Assessoria de Imprensa do Ipea)

Acesse a íntegra do indicador

 

LEGISLATIVO I: Pacheco, Lira e ministros discutem programa de renda mínima

legislativo I 03 08 2021O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, recebeu nesta segunda-feira (02/08) na residência oficial o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e quatro ministros do governo Bolsonaro para discutir a viabilização de um novo programa de renda mínima. Estiveram presentes os ministros da Economia, Paulo Guedes; da Casa Civil, Ciro Nogueira; da Secretaria de Governo, Flávia Arruda; e da Cidadania, João Roma.

Compatibilização - Segundo Pacheco, o governo e o Congresso vão se debruçar sobre uma fórmula que compatibilize um eventual programa de renda para a população vulnerável com o pagamento de precatórios por parte da União. O presidente do Senado salientou a importância de não se abandonar os preceitos de responsabilidade fiscal. "Envidaremos os esforços para essa solução, com especial destaque ao fato de que a população carente precisa ser assistida com uma renda mínima que minimize a fome e a miséria no Brasil", salientou Pacheco em nota oficial divulgada após a reunião.

Auxílio emergencial - Pacheco tem defendido a criação de um programa de renda mínima nos moldes do auxílio emergencial, criado para lidar com a pandemia de covid-19. O tema ganhou mais evidência depois da aprovação e promulgação da Emenda Constitucional 109, que permitiu a prorrogação o auxílio. Em maio, quando participou de evento na Confederação Nacional da Indústria (CNI), o presidente do Senado disse que gostaria de ver essa política implementada já em 2021.

Este ano - “Temos que estabelecer no Brasil, ainda este ano, um grande programa de renda mínima, de renda básica, de renda cidadã para substituir ou incrementar o Bolsa Família e acolher o maior número de pessoas. Isso não pode ficar para um planejamento futuro de geração de oportunidades no Brasil a partir de uma reforma tributária”, declarou Pacheco. (Agência Senado)

FOTO: Pedro Gontijo / Senado Federal

 

LEGISLATIVO II: Câmara pode votar nesta terça-feira MP sobre suspensão de contratos de trabalho na pandemia

legislativo II 03 08 2021A Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (03/08) a Medida Provisória 1045/21, que renova o programa de redução ou suspensão de salários e jornada de trabalho com o pagamento de um benefício emergencial aos trabalhadores. A sessão deliberativa remota do Plenário está marcada para as 15 horas.

Parecer preliminar - O parecer preliminar do relator, deputado Christino Aureo (PP-RJ), inclui vários outros temas no texto, como programas de primeiro emprego e de requalificação profissional, mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e definição de quem pode contar com gratuidade no acesso à Justiça.

Programa Emergencial - Previsto na MP, o Novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda garante o pagamento de uma parte do seguro-desemprego ao trabalhador que tiver o contrato suspenso ou o salário e a jornada reduzidos. Inicialmente, as regras serão por 120 dias contados da edição (28 de abril), mas poderão ser prorrogadas se houver orçamento por período definido em regulamento do Poder Executivo.

Priore - Já o projeto de lei de conversão estabelece também o Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego (Priore), que será direcionado a jovens entre 18 e 29 anos, no caso de primeiro emprego com registro em carteira, e a pessoas com mais de 55 anos sem vínculo formal há mais de 12 meses.

Requip - Está previsto ainda o Requip, um regime especial de trabalho, qualificação e inclusão produtiva, destinado a quem está sem registro em carteira de trabalho há mais de dois anos, a jovens de 18 a 29 anos e a beneficiários do Bolsa Família com renda mensal familiar de até dois salários mínimos.

Inclusão - Essa inclusão produtiva não será considerada vínculo empregatício para qualquer fim e prevê o pagamento de bônus pelo trabalho em jornadas semanais de até 22 horas (BIP) e de bônus por participação em cursos de qualificação de 180 horas ao ano (BIQ).

Cargos no Executivo - Outra MP em pauta é a 1042/21, que reformula a estrutura de cargos em comissão e funções de confiança no âmbito do Executivo, autarquias e fundações. O texto transforma os cargos em comissão do grupo Direção e Assessoramento (DAS) em Cargos Comissionados Executivos (CCE). Esses cargos podem ser ocupados tanto por servidores efetivos como por qualquer pessoa que preencha requisitos gerais de acesso em livre nomeação.

FCE - As Funções Comissionadas Executivas (FCE) criadas pela MP serão ocupadas exclusivamente por servidores efetivos de quaisquer órgãos ou poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. Essas funções substituirão as funções comissionadas do Poder Executivo (FCPE), as funções comissionadas técnicas (FCT) e as funções gratificadas (FG).

Prescrição diferente - Os deputados podem analisar ainda os destaques apresentados pelos partidos para o Projeto de Lei 1613/21, do Senado Federal, que permite ao Sistema Único de Saúde (SUS) receitar e aplicar remédios com indicação de uso diferente da aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se isso for recomendado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec).

Evidências científicas - Para o medicamento ser aprovado para esse uso diferente, devem ser demonstradas as evidências científicas sobre a eficácia, a efetividade e a segurança nessa nova finalidade, com padronização em protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde.

Texto-base - No dia 15 de julho, o Plenário aprovou o texto-base do projeto, com o parecer favorável do ex-deputado Rafafá (PSDB-PB). Já a votação dos destaques, que podem alterar pontos do texto, foi adiada após discussões entre os partidos.

Vacinação diária - Ainda sobre saúde, consta na pauta o Projeto de Lei 1136/21, do Senado, que determina a realização de vacinação diária, inclusive aos fins de semana e feriados, no caso de surtos, epidemias ou pandemias até serem atingidas as metas.

Parecer - Segundo o parecer do deputado Pedro Westphalen (PP-RS), pendente de votação na Comissão de Seguridade Social e Família, a vacinação somente poderá ser interrompida por falta de estoque dos imunizantes; necessidade de reserva de vacinas para a segunda dose; ou por inviabilidade técnica se demonstrada e justificada pela direção municipal do SUS.

Regularização fundiária - Também na pauta de 27 itens consta o Projeto de Lei 2633/20, do deputado Zé Silva (Solidariedade-MG), que aumenta o tamanho de terras da União passíveis de regularização sem vistoria prévia, bastando a análise de documentos e de declaração do ocupante de que segue a legislação ambiental.

Módulos fiscais - A proposta passa de 4 para 6 módulos fiscais o tamanho da propriedade ocupada que poderá ser regularizada com dispensa de vistoria pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Substitutivo - Pelo substitutivo do relator, deputado Bosco Saraiva (Solidariedade-AM), a regularização de imóveis poderá beneficiar inclusive posseiros multados por infração ao meio ambiente, se for atendida qualquer uma destas condições: imóvel registrado no Cadastro Ambiental Rural (CAR), adesão ao Programa de Regularização Ambiental (PRA) ou o interessado assinar termo de compromisso ou de ajustamento de conduta para recuperar vegetação extraída de reserva legal ou de Área de Preservação Permanente (APP). (Agência Câmara de Notícias)

Confira a pauta completa do Plenário

FOTO: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Brasil registra 557,2 mil mortes e 19,95 milhões de casos

As mortes em consequência da covid-19 chegaram a 557.223 no Brasil. Nas últimas 24 horas, autoridades de saúde registraram 389 novos óbitos por causa da doença. No domingo (01/08), a soma de pessoas que não resistiram à covid-19 estava em 556.834.

Balanço diário - Os dados estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado pela pasta nesta segunda-feira (02/08). A atualização consolida os registros levantados pelas secretarias estaduais de Saúde sobre casos e mortes relacionados à covid-19.

Infectadas - A quantidade de pessoas infectadas com a covid-19 desde o início da pandemia alcançou 19.953.501. Entre domingo e segunda-feira (01 e 02/08), foram confirmados 15.143 novos casos da covid-19. No domingo, o painel do Ministério da Saúde trazia 19.938.358 casos acumulados.

Acompanhamento - Ainda há 709.075 casos em acompanhamento, que são pessoas cuja condição de saúde é observada por equipes de saúde e que ainda podem evoluir para diferentes quadros, inclusive graves.

Recuperadas - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 chegou a 18.687.203.

Dados - Os dados, em geral, são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação do sistema pelas secretarias estaduais. Já às terças-feiras, os resultados tendem a ser maiores pela regularização dos registros acumulados durante o fim de semana.

Estados - No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (139.059), Rio de Janeiro (59.375), Minas Gerais (50.628), Paraná (35.275) e Rio Grande do Sul (33.365). No topo de baixo da lista estão Acre (1.802), Roraima (1.858), Amapá (1.913), Tocantins (3.529) e Alagoas (5.833).

Vacinação - Foram distribuídas até esta segunda-feira 184,4 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, com a entrega de 166,6 milhões de doses aos estados.

Aplicadas - Segundo os dados do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais de Saúde, foram aplicadas até esta segunda-feira 142,5 milhões de doses, sendo 101 milhões da primeira dose e 41,5 milhões da segunda dose. Nas últimas 24 horas foram aplicadas 1,2 milhão de doses.

PNI - Quando considerados os dados já consolidados no sistema de informações do Programa Nacional de Imunizações (PNI), foram aplicados 135,8 milhões de doses, com 96,4 milhões da primeira dose e 39,3 milhões da segunda dose. (Agência Brasil)

 

photo1627942237

SAÚDE II: Boletim da Covid-19 confirma mais 2.101 casos e 17 óbitos pela doença

saude II 03 08 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (02/08) mais 2.101 casos confirmados e 17 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.376.711 casos confirmados e 35.086 óbitos.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (35), fevereiro (47), março (280), abril (285), maio (691), junho (309), julho (250) e agosto (204) de 2021.

Internados - O informe relata que 1.099 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 833 pacientes em leitos SUS (492 em UTIs e 341 em enfermarias) e 266 em leitos da rede particular (129 em UTIs e 137 em enfermarias).

Exames - Há outros 1.459 pacientes internados, 746 em leitos de UTI e 713 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 17 pacientes. São 5 mulheres e 12 homens, com idades que variam de 26 a 81 anos. Os óbitos ocorreram de 28 de março a 1º de agosto de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (5), Ponta Grossa (2), Maringá (2), Luiziana (2), Londrina (2), Cianorte (2), Matinhos e Campo Mourão.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 6.647 casos de residentes de fora do Estado, sendo que 189 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe completo.

 

SAÚDE III: Julho encerra sem óbitos por Covid-19 em 142 municípios do Paraná

saude III 03 08 2021Um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) aponta que 142 municípios do Paraná não registraram óbitos por Covid-19 em julho, cerca de 35,5% dos 399. Outras 89 cidades tiveram um óbito (22,3%) e 42 municípios (10,5%) dois óbitos. Apenas 36 municípios tiveram mais de 10. Ao todo, 1.999 mortes foram notificadas pela doença no mês passado em 257 cidades.

Números absolutos- Em números absolutos, desde fevereiro deste ano o Paraná não registrava menos de 2 mil óbitos no espaço de um mês. Já com relação aos municípios, somente em janeiro o Estado registrou mais de 140 cidades sem notificações, ou seja, seis meses atrás. Os dados são baseados na data de ocorrência das mortes e foram analisados nesta segunda-feira (02/08).

Menor - Além desse recorte, o número de óbitos ocorridos em julho é 58,5% menor que as notificações de junho, quando o Paraná registrou 4.819 mortes por Covid-19. A tendência de queda, conforme o avanço da imunização, também é percebida pela redução de 55% na média móvel de mortes (comparativo com duas semanas atrás) e pela oitava semana epidemiológica seguida com remissão, o que significa que há oito semanas o número de óbitos é menor do que os sete dias exatamente anteriores.

Novo momento - "Os dados apontam para um novo momento da pandemia. O Paraná já aplicou 8 milhões de doses contra a Covid-19, tem 70% da população adulta e mais de 50% da população geral imunizadas com ao menos uma dose. Isso implica em queda nos internamentos, nos óbitos e nas manifestações mais graves da doença. Mesmo assim, precisamos continuar os cuidados e aumentar a vacinação, principalmente com o ciclo completo", disse o secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

Mais óbitos - As cidades com mais óbitos em julho foram Curitiba (336), Londrina (125), Maringá (108), São José dos Pinhais (60) e Cascavel (57). Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.376.711 casos confirmados e 35.086 óbitos.

2021 - Segundo o balanço, três municípios paranaenses não registraram nenhuma morte por Covid-19 este ano: Boa Esperança do Iguaçu, no Sudoeste do Estado, e Guaporema e Mirador, no Noroeste. Uma cidade (Boa Esperança do Iguaçu) ainda não registrou óbitos desde o começo da pandemia (março de 2020). Ela faz parte da 8ª Regional de Saúde, de Francisco Beltrão, possui 2.470 habitantes e registra, até agora, 181 casos confirmados de Covid-19.

Guaporema e Mirador - Guaporema, na 13ª Regional de Saúde, de Cianorte, tem 2.241 habitantes. Até agora, o município registrou 246 casos e quatro óbitos, nenhum este ano. Mirador, na 14ª Regional de Saúde, de Paranavaí, possui 2.196 habitantes e notificou, até agora, 183 casos e uma morte.

Outras cidades - O Paraná também tem outras cidades que estão há algum tempo sem óbitos. São Pedro do Paraná, na 14ª Regional de Saúde, de Paranavaí, no Noroeste do Estado, tem um óbito notificado em 26 de janeiro. Rancho Alegre, no Centro-Oeste, não registra mortes por Covid-19 desde março. Três municípios não registram óbitos desde abril: Goioxim, Maria Helena e Paranapoema.

Nove municípios - Nos últimos três meses (maio, junho e julho), além desses, outros nove municípios paranaenses não registraram óbitos: Braganey, Corumbataí do Sul, Francisco Alves, Itaguajé, Ivaté, Jardim Olinda, Perola D’Oeste, Pinhal de São Bento e Planaltina do Paraná.

Impactos da segunda onda - Segundo a Secretaria de Saúde, o balanço aponta com clareza os impactos da segunda onda da pandemia no começo do ano, com a chegada da variante amazônica, mais contagiosa, num momento de vacinação incipiente. Entre março e junho, por exemplo, mais de 320 municípios registraram dias de luto, enquanto julho aponta para momento de freio na pandemia.

Efeitos da vacinação - "Os dados indicam novamente para os efeitos da vacinação, que é o nosso melhor remédio contra a pandemia. O primeiro semestre foi realmente complicado, passamos por momentos de restrições mais severas, mas a expectativa é grande para os próximos meses. Queremos que as cidades paranaenses estejam cada vez mais protegidas e preparadas para a retomada da economia", acrescentou Beto Preto.

Julho - Não registraram óbitos em julho: Altamira do Paraná, Alto Paraíso, Alto Paraná, Alvorada do Sul, Amaporã, Anahy, Ariranha do Ivaí, Assaí, Atalaia, Barra do Jacaré, Barracão, Bituruna, Boa Ventura de São Roque, Bom Jesus do Sul, Bom Sucesso, Borrazópolis, Braganey, Brasilândia do Sul, Cafeara, Cafezal do Sul, Campina da Lagoa, Campina do Simão, Cantagalo, Capanema, Carambeí, Carlópolis, Catanduvas, Centenário do Sul, Coronel Domingos Soares, Corumbataí do Sul, Cruz Machado, Cruzeiro do Iguaçu, Cruzeiro do Sul, Cruzmaltina, Diamante D'Oeste, Douradina, Enéas Marques, Esperança Nova, Espigão Alto do Iguaçu, Farol, Fênix, Figueira, Flor da Serra do Sul, Floraí, Florestópolis, Flórida, Francisco Alves, Godoy Moreira, Goioxim, Guairaçá, Guapirama, Guaporema, Guaraci, Guaraqueçaba, Honório Serpa, Imbaú, Itaguajé, Itaúna do Sul, Ivaté, Janiópolis, Japira, Jardim Olinda, Jesuítas, Jundiaí do Sul, Jussara, Lindoeste, Lobato, Lunardelli, Lupionópolis, Manfrinópolis, Manoel Ribas, Maria Helena, Marilândia do Sul, Marumbi, Mato Rico, Mauá da Serra, Mirador, Miraselva, Munhoz de Melo, Nova Aliança do Ivaí, Nova América da Colina, Nova Esperança do Sudoeste, Nova Fátima, Nova Laranjeiras, Nova Tebas, Paranacity, Paranapoema, Pato Bragado, Paula Freitas, Paulo Frontin, Pérola, Pérola d'Oeste, Pinhal de São Bento, Pinhão, Pitangueiras, Planaltina do Paraná, Porto Amazonas, Porto Barreiro, Porto Rico, Porto Vitória, Prado Ferreira, Quatro Pontes, Querência do Norte, Quinta do Sol, Ramilândia, Rancho Alegre, Renascença, Rio Azul, Rio Bonito do Iguaçu, Roncador, Sabáudia, Salto do Itararé, Salto do Lontra, Santa Cecília do Pavão, Santa Fé, Santa Lúcia, Santa Maria do Oeste, Santo Antônio do Caiuá, Santo Antônio do Paraíso, São Carlos do Ivaí, São João, São João do Triunfo, São Jorge do Patrocínio, São José das Palmeiras, São Manoel do Paraná, São Miguel do Iguaçu, São Pedro do Paraná, São Sebastião da Amoreira, Sapopema, Sertaneja, Sulina, Tapira, Teixeira Soares, Tijucas do Sul, Tunas do Paraná, Tuneiras do Oeste, Tupãssi, Uniflor, Uraí, Ventania, Virmond e Xambrê.

Primeiros sete meses - Confira os dados dos primeiros sete meses do ano:

Janeiro – 1.905 óbitos em 251 municípios – 148 sem mortes

Fevereiro – 1.980 óbitos em 276 munícipios – 123 sem mortes

Março – 6.350 óbitos em 353 municípios – 46 sem mortes

Abril – 4.286 óbitos em 333 municípios – 66 sem mortes

Maio – 4.594 óbitos em 334 municípios – 65 sem mortes

Junho – 4.819 óbitos em 337 municípios – 62 sem mortes

Julho – 1.999 óbitos em 257 municípios – 142 sem mortes

Confira a lista dos municípios com óbitos e sem óbitos em julho.

(Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 


Versão para impressão


RODAPE