Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5121 | 27 de Julho de 2021

COOPERATIVISMO: Vocação natural para a intercooperação

coopavel credicoopavel 27 07 2021As oportunidades de crescimento em uma organização invariavelmente são geradas pela habilidade, pela competência dos gestores na tomada de decisões, mas, sobretudo, no cumprimento da missão e dos princípios que norteiam o negócio.

A intercooperação, como um dos princípios do cooperativismo, desde sempre, tem sido uma alavanca de crescimento nas estruturas existentes na Coopavel e na Credicoopavel. Esta vocação é histórica e tem possibilitado integrar os associados da Coopavel no fortalecimento da Credicoopavel, com o propósito de crescimento das duas cooperativas.

Todos os gestores e colaboradores da Coopavel e da Credicoopavel são estimulados a manterem a intercooperação. Isso significa desenvolver uma cultura de integração dentro das cooperativas, respeitando as características de cada uma, com visão estratégica de parcerias conjuntas, que viabilizem projetos e otimizem resultados.

Mas é preciso que as equipes das duas cooperativas, com responsabilidade e discernimento, entendam a verdadeira intercooperação e transformem este ideal em um empreendimento vitorioso. Que, sem divergências, livres para atuar e de mãos dadas no mesmo caminho engajem todos os associados num projeto comum.

Não precisamos substituir líderes para essa intercooperação. Temos um grupo coeso e um ambiente em que a harmonia prevalece. Todos sabem que as grandes caminhadas começam com um bom plano estratégico e de longo prazo. Que as soluções demandam de ações conjuntas e firmes, pois não se trata de um negócio unicamente da Coopavel ou da Credicoopavel e sim, de ambas, visando o fortalecimento mútuo. Para tanto, precisamos do compromisso profissional de todos, confiando no potencial humano existente e no empreendimento que nos integra.

A Coopavel e a Credicoopavel têm a mesma origem. Tais empreendimentos fazem parte da vocação natural das cooperativas, alimentados pela intercooperação - princípio basilar do cooperativismo.

É tempo de somar! O resultado somado é muito mais que um negócio, é a promoção de uma nova cultura que acelera o crescimento e torna as cooperativas mais ágeis. Somos mais de 15 mil pessoas entre associados e colaboradores da Coopavel que poderão ser integrados aos negócios da Credicoopavel. Somos um universo e dele há de nascer uma bela história de integração intercooperativa.

Crescer é maravilhoso. Empresários lendários como Henry Ford e Bill Gates são exemplos dos que acreditaram em oportunidades de mercado e reinventaram seus negócios. Mas nem sempre é preciso começar do zero. No caso da intercooperação da Coopavel e da Credicoopavel, basta seguir o caminho já existente, mas com determinação, colocando como foco o sucesso das duas cooperativas.

DILVO GROLLI

Diretor-presidente da Coopavel e Credicoopavel

 

COOPERLÍDER JOVEM: Cocamar é a anfitriã do evento que será realizado na quinta-feira

cooper lider jovem 27 07 2021Na próxima quinta-feira (29/07), a partir das 18h30, a Cocamar estará sediando a realização do Encontro de Jovens Cooperativistas do Paraná, o Cooperlíder Jovem, que vai acontecer pela primeira vez em formato virtual, com transmissão ao vivo.

Âmbito estadual - Trata-se da 29ª edição do evento, antes chamado de Jovem Coop, promovido todos os anos pelo Sistema Ocepar, tendo uma cooperativa como anfitriã e reunindo representantes de dezenas de outras organizações cooperativistas, de diversos ramos, de todo o estado.  

Estandes - Os interessados em participar devem inscrever-se (veja abaixo) e, logo pela manhã, estandes virtuais da Ocepar, Cocamar e do Dia C estarão disponíveis para acesso. No espaço da Cocamar, os visitantes poderão conhecer os projetos de relacionamento realizados pela cooperativa, vídeos institucional e do programa + Agro Cocamar, histórias que inspiram de capacitação, gestão compartilhada e protagonismo, relatório de gestão 2020, Acervo 360º e tecnologias de inovação no Agro (Cocamar Labs e Loja Cocamar).  

Apresentação - Dois jovens de famílias cooperativistas, da Cocamar, vão ser os mestres de cerimônia: Willian Souza, de Pitangueiras (PR), e Esther Geller, de Cruzália (SP), com participação da gerente de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Maria Emília Pereira Lima, que fará a divulgação do resultado do CooperGame.  

Como participar - Acesse o link abaixo para fazer a inscrição e conhecer mais detalhes sobre a programação. Para ter acesso aos estandes e todos os conteúdos dos espaços, bem como o evento ao vivo e o game, utilize o mesmo link. Ao adentrar, depois de ter efetuado a inscrição, clique no botão “já sou inscrito”, adicione o CPF e ingresse na plataforma (disponível apenas no dia do evento e no dia seguinte). (Imprensa Cocamar)

https://cooperliderjovem.com.br/

 

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Sistema Ocepar realiza encontro virtual com a Coopermap

No final da tarde desta segunda-feira (26/07), o Sistema Ocepar promoveu reunião institucional remota com diretores, conselheiros e cooperados da Cooperativa de Transportes Rodoviários de Maripá (Coopermap), incluindo o presidente Silvio Gnewuch. Na abertura do encontro, o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, esclareceu que o propósito da reunião que, além de apresentar os indicadores do cooperativismo paranaense e, especificamente, da Coopermap, por profissionais do Sistema Ocepar, é ouvir as demandas do setor e buscar atendê-las. “Estamos aqui para servi-los e contribuir para a evolução da cooperativa”, salientou.

Pauta - O coordenador de monitoramento da Gecoop, Joao Gogola Neto, que comandou o encontro, fez a apresentação do cenário do cooperativismo paranaense, ressaltando os números de 2020, a finalização do PRC100, que superou o faturamento de R$ 100 bilhões previstos, ao movimentar R$ 115,7 bilhões no ano passado, e os horizontes que se abrem com o novo planejamento estratégico do sistema, o PRC200, que prevê atingir os R$ 200 bilhões ainda nesta década, entre outros objetivos. O analista técnico da Gecoop, Rodrigo Gandara Donini, apresentou os indicadores e senários comparativos da Coopermap. Ainda pelo Sistema Ocepar, participaram a gerente de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Maria Emília Pereira Lima, que agradeceu a participação dos associados da cooperativa, ressaltando que isso representa “oportunidade de dar uma devolutiva a respeito das informações que frequentemente nos repassam”, e o coordenador jurídico da Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar, Rogério Croscato.    

Preocupação - O contador Darci Milani, que falou em nome dos participantes da cooperativa, além de abordar questões relativas às atividades e expectativas da organização quanto aos números a serem alcançados neste ano, disse que, devido às incertezas que cercam a proposta da reforma tributária, principalmente ao que se refere ao ato cooperado, a Coopermap, por enquanto, mantém suspenso os planos de expansão, principalmente no que se refere à conquista de mais cooperados.

A cooperativa - Com sede em Maripá, no oeste do estado, a Coopermap tem 38 cooperados e um funcionário. O faturamento de R$ 5,1 milhões em 2020, superando em mais de 14% os R$ 4,5 milhões do ano anterior, lhe garantiu a 18ª colocação no ranking do ramo transporte, que tem 35 cooperativas no estado.

{vsig}2021/noticias/07/27/reuniao_institucional/{/vsig}

CONEXÃO COOP I: Site é lançado pelo Sistema OCB

Um site onde é possível encontrar, em um mesmo lugar, produtos e serviços de qualidade e exclusivos que vão dar um norte para todas as coops. É assim o ConexãoCoop, lançado pelo Sistema OCB nesta segunda-feira (26/07), durante a abertura da Semana que leva o nome do portal. O lançamento contou com a participação do presidente Márcio Lopes de Freitas, da gerente geral da OCB, Tânia Zanella, cooperativistas e do co-fundador da HSM e autor de bestsellers como Gestão do Amanhã, José Salibi Neto.

Novidades - O presidente do Sistema OCB destacou que as novidades apresentadas durante o evento, que vai até o fim desta semana (dia 30/07), são fruto das demandas apresentadas pelos mais de 1,5 mil participantes da 14ª edição do Congresso Brasileiro do Cooperativismo, realizado em 2019.

Necessidade - “Naquela época, colhemos a necessidade das nossas cooperativas e, imediatamente, iniciamos um trabalho muito focado em inovação, sustentabilidade e gestão. Tudo para assegurar o crescimento do modelo cooperativista, bem como a ampliação da participação delas nos mercados. Por isso, hoje, lançamos a plataforma ConexãoCoop, um lugar para nos encontrar e falar sobre tudo o que pode nos tornar ainda mais fortes”, reforça o presidente.

Site - A gerente geral da OCB, Tânia Zanella, também participou da abertura e apresentou tanto a programação completa da Semana ConexãoCoop, que pode ser conferida aqui. Tânia explicou que o site ConexãoCoop nasce com legítimo DNA coop, já que foi desenvolvido pela cooperativa Coopersytem, aqui do Distrito Federal.

Destaques - Entre os destaques da ferramenta virtual está o calendário de eventos, que registra as iniciativas voltados ao acesso a mercados, tanto os realizados pelo Sistema OCB quanto os promovidos por entidades parceiras. Além disso, também mostra as oportunidades de feiras e missões, nacionais e internacionais, com os respectivos links para inscrição.

Informações - Também é possível encontrar informações a respeito de ações pra melhorar a competitividade do cooperativismo e a sustentabilidade do nosso modelo de negócio, como acesso a dados de inteligência de mercado além de informações úteis para exportação, ferramenta de mapeamento de compras públicas, participação de feiras e rodadas de negócio.

Acesse - Para conhecer, acesse por aqui. E, para saber como foi a palestra de José Salibi Neto, clique aqui. (OCB)

{vsig}2021/noticias/07/27/conexao_coop_I/{/vsig}

CONEXÃO COOP II: José Salibi defende adaptação como estratégia

conexao coop II 27 07 2021“Precisamos ser fluentes nas tecnologias que não param de crescer para evitar sermos engolidos por elas ou, ainda, enganados pelas respostas erradas.” Com essa frase, José Salibi Neto, co-fundador da HSM e autor de best sellers como Gestão do Amanhã, publicação com mais de 60 mil exemplares vendidos, e também do título Estratégia Adaptativa, participou da abertura da Semana ConexãoCoop, nesta segunda-feira (26/07).

Estímulo - O evento, realizado pelo Sistema OCB, visa estimular a participação das cooperativas em novos mercados, dentro e fora do Brasil. A programação vai até sexta-feira, dia 30/07.

Entusiasta - Salibi que se autodeclarou um entusiasta do cooperativismo falou sobre a necessidade que as organizações têm de se adaptar à tecnologia para se manterem relevantes no dia a dia do cliente. Segundo ele, os consumidores, atualmente, ganham mais e mais protagonismo à medida em que os avanços tecnológicos chegam no mercado.

Centro do processo - “Antigamente, o cliente era uma espécie de prisioneiro das empresas; isso mudou. Hoje, ele está no centro do processo. É por isso que é preciso que as organizações gerem e analisem dados. Só assim será possível manter a fidelidade do consumidor”, declara.

Linha do tempo - Em sua palestra, Salibi apresentou uma linha do tempo com os principais acontecimentos desde 1959 e que provam que a tecnologia usada hoje em dia foi pensada há várias décadas e que a velocidade da transformação das coisas e processos mudou os hábitos de consumo.

Concorrência - De acordo com ele, entre as muitas mudanças registradas pela história humana está questões como o foco no cliente e não mais na concorrência; a competição baseada em dados e transições de mercados e ecossistemas e não mais nas indústrias, e o fato de que inovação não é mais algo ocasional, mas necessário, sistemático e contínuo.

Reinvenção e inovação - Parafraseando um dos executivos mais admirados do mundo, John Chambers, Salibi explicou o porquê de as empresas de hoje morrerem por fazer muito bem-feito as mesmas coisas durante tempo demais. “Falta reinvenção e inovação.”

Site ConexãoCoop - A palestra de José Salibi Neto marcou a abertura da primeira edição da Semana ConexãoCoop e o lançamento do site que dá nome ao evento e que tem por objetivo reunir em um mesmo lugar produtos e serviços de qualidade e exclusivos que vão dar um norte para todas as cooperativas, sejam elas de pequeno, médio ou grande porte, e que estejam registradas e regulares na OCB. O site nasce com legítimo DNA coop, já que foi desenvolvido pela cooperativa Coopersytem, aqui do Distrito Federal. Para acessá-lo, clique aqui. (OCB)

 

INTEGRADA: Cooperativa apresenta os campeões de produtividade de soja safra 2020/2021

A Integrada Cooperativa Agroindustrial comemorou, com os 11 mil associados, o sucesso do Programa Produtividade Integrada – Soja 2020/2021.

Aperfeiçoamento - O desafio de produtividade lançado aos produtores para a safra da oleaginosa motivou o aperfeiçoamento nas estratégias para a cultura da soja, do plantio à colheita, com atenção especial ao manejo durante o desenvolvimento das lavouras.

Evento digital - O evento digital celebrou o efeito do investimento em tecnologias de ponta e em assistência técnica qualificada que a Integrada disponibiliza aos cooperados.

Agrônomos - O diretor vice-presidente da Integrada, João Francisco Sanches Filho, destaca que a cooperativa conta com mais de 130 agrônomos com foco em oferecer aos cooperados uma assistência técnica de alta qualidade e tecnologias voltadas à produtividade sustentável das lavouras e ao aumento da renda dos produtores rurais. “A Integrada está focada na perenidade do agronegócio, por isso, trabalha para gerar valor ao cooperado no presente e no futuro”.

Última safa - Para o superintendente de insumos e técnica da Integrada, Edson Oliveira, a última safra de soja passou por vários desafios. A tecnologia em serviços e insumos oferecida pela Cooperativa ajudou o cooperado a superar as intempéries, para colher altas produtividades. “Juntos, cooperados e colaboradores, contribuíram para o sucesso da safra 2020-2021 e para o resultado positivo registrado no programa Produtividade Integrada”.

Vitória - Em Ubiratã (PR), o produtor Maércio Leandro Reinert que já tem no currículo a vitória no desafio de produtividade do milho de segunda safra de 2019. Aproveitou a experiência e aceitou participar da edição 2020 do Programa. Como resultado, colheu expressivos 6.198,34 quilos de soja por hectare, ou 250 sacas por alqueire. “Quando eu recebi a notícia de que fui campeão de produtividade foi uma grande alegria”, conta o produtor, que reconhece que a assistência técnica prestada pelo agrônomo é fundamental para o sucesso da safra. “A parceria vale tudo, desde o aconselhamento até o acompanhamento técnico”, ressalta.

Realizado - O agrônomo Vinícius Martins, que atendeu o produtor Maércio, se sente realizado com a conquista. “Atingir esse índice de produtividade depende de vários fatores, além da condição climática. É preciso que o proprietário da lavoura tenha confiança nas orientações que transmitimos, e nós temos que respeitar a experiência do agricultor. Foi nesse ambiente de parceria que nós conduzimos a agricultura de precisão, a quantidade certa de fertilizante e outras ações. O stress hídrico que o Paraná enfrentou e enfrenta poderia ter afetado o resultado, mas a lavoura estava sustentada em um solo estruturado, em um manejo pensado para aquela situação. O primeiro lugar conquistado pelo Maércio é também minha realização como profissional”, atesta.

Pódio duplo - E, Ubiratã exibe o pódio duplo, com o excelente resultado alcançado pelo agricultor Jhone Trevizan Castanheira e pelo agrônomo Guilherme Carvalho da Silva. A segunda melhor produtividade do desafio tem números também acima da média do Paraná para a cultura. Foram colhidos 5.980 quilos por hectare, que representam 241,19 sacas por alqueire. O agricultor participou da competição pela primeira vez. “Teve momento de seca, teve momento de excesso de chuva. Quando começamos a colher e vimos os números foi recompensador”. E, conclui: “O agrônomo tem que se importar com a lavoura tanto quanto o produtor, e foi o que aconteceu, o prêmio é nosso”.

Estímulo - Para o agrônomo Guilherme o concurso é um desafio para o profissional, para o produtor e para a própria cooperativa. “É uma forma de estimular a aplicação do nosso conhecimento e de toda a tecnologia que a Integrada disponibiliza em favor da produtividade”, avaliou. Para Guilherme, além da atenção permanente com adubação, foram feitas mais duas aplicações de fertilizantes foliares, e adicionado cloreto de potássio. “Entramos na área toda semana para antecipar algum ataque de praga ou doença, a prevenção salva uma lavoura”, orienta.

Representante feminina - E, para consolidar a importância do desafio, o terceiro lugar trouxe a representatividade feminina. Keiko Suguiura é de Arapongas, no norte do Paraná. A experiência da agricultora rendeu 5.789 quilos de soja por hectare, ou, 233,49 sacas por alqueire. A cooperada conta que aplicou o mesmo trato cultural em toda a área, e não apenas no talhão inscrito no concurso. “Eu tinha preocupação com o mofo branco e outras doenças da soja, então, protegi a lavoura inteira. Também fiz a mesma adubação e cuidados fitossanitários”.

Apoio - Keiko apoia a iniciativa da Integrada de lançar concursos de produtividade. “A participação faz com que eu me mantenha sempre atualizada. Ouvir a orientação do agrônomo da cooperativa é fundamental, principalmente, para adotar as melhores estratégias para a cultura”.

Atendimento - O agrônomo da Integrada Jânio Raimundo revela que atende a produtora há 18 anos, e a relação entre eles é de extremo respeito e confiança. “Ela é muito técnica e bem informada, não toma nenhuma decisão sem avaliar os possíveis resultados. Investe alto em adubação, trato fitossanitário, por isso, a produtividade é sempre acima da média”.

Conhecimento - Para Jânio, o desafio de produtividade estimula o profissional a aplicar seu conhecimento, a buscar informações novas e crescer. “É muito gratificante confirmar em números o planejamento de uma safra inteira. E, além disso, ver nosso empenho reconhecido com uma produtividade acima do padrão”, que venham mais desafios”, comemora.

Celebração - Wellington Furlaneti, gerente técnico da Integrada, celebrou o resultado do Produtividade Soja 2020-2021 agradecendo e valorizando o engajamento da equipe e dos cooperados. “Mesmo com as intempéries e uma nebulosidade, que interferiu na entrada de luz em momentos importantes da lavoura, as estratégias oferecidas pelos agrônomos e adotadas pelos agricultores, minimizaram possíveis perdas”. O gerente informou os dados médios oficiais de produtividade no Brasil, fornecidos pela Conab, fixados em 3.500 quilos por hectare. “Com as ferramentas disponíveis na Integrada foi possível atingir os altos tetos produtivos, como agricultura de precisão, que conta com um departamento exclusivo na cooperativa, a semente especial Safra Super, tecnologia exclusiva da Integrada, e outros recursos tecnológicos para a atividade”.

Maiores e melhores - A Integrada está entre as maiores e melhores cooperativas do país. No último ano, 2020, ultrapassou R$ 4 bilhões em faturamento. Sua atuação representa 1% da safra nacional, 6% da safra do Paraná e 2% da safra de São Paulo.

Suporte - O cooperativismo no agronegócio oferece suporte robusto para o desenvolvimento do setor. As cooperativas do Paraná configuram 62% do PIB agropecuário do Estado. Os agricultores ligados a cooperativas paranaenses abastecem o Brasil e o mundo. (Imprensa Integrada)

{vsig}2021/noticias/07/27/integrada/{/vsig}

COCARI: Expo Cocari Culturas de Inverno começou nesta segunda-feira

cocari 27 07 2021Nesta segunda-feira (26/07), às 13h30, começou a Expo Cocari Culturas de Inverno. Como medida de contenção à Covid-19, o evento está sendo realizado em formato digital. Acessando o site http://expococari.com.br/, os produtores terão acesso a diversos materiais da Cocari e também de empresas parceiras apresentando tecnologias e inovações para o aumento da produtividade e da rentabilidade nas lavouras e na pecuária.

Estandes – Durante a realização do evento, a Cocari conta com três estandes, sendo um dos Negócios Cocari (Sementes Cocari; Máquinas e Implementos Agrícolas; Transportador Revendedor Retalhista; e Setor de Inovação). Outro estande do Centro Tecnológico Cocari (Consórcio Milho Braquiária; Ensaios de Híbridos de Milho; Inseminação Artificial em Tempo Fixo e Pastagens; e Sorgo e Silagem). E o terceiro estande será de Nutrição Animal (Mix Vegetal; e Linhas de rações Pet, Grandes Animais e Aqua).

Plenárias - Os produtores também podem conferir as plenárias com palestras técnicas de especialistas e mensagens do presidente da Cocari, Marcos Antonio Trintinalha; do superintendente de Suprimentos e Assistência Técnica da Cocari, Jacy Cesar Fermino da Rocha; e do engenheiro agrônomo responsável pelo Centro Tecnológico Cocari, Dr. João Batista Gonçalves Dias da Silva.

Participe - A Expo Cocari Culturas de Inverno vai até sexta-feira (30/07), apresentando o que existe de novidade em técnicas de manejo das lavouras e do gado, maquinários e implementos agrícolas, inovações tecnológicas e excelentes condições de negócios. Acesse a plataforma no site http://expococari.com.br/, faça sua inscrição e participe! (Imprensa Cocari)

 

CAPAL: Ração para peixes é o novo lançamento da cooperativa

capal 27 07 2021A Capal Cooperativa Agroindustrial realiza o lançamento de seu novo produto: ração para peixes. Indicada a todos os tipos de peixes criados em tanque escavado, como a tilápia, a novidade vem para suprir a demanda de cooperados que têm a piscicultura como uma das práticas em suas propriedades.

Aumento - “No decorrer dos anos, notamos um aumento significativo de produtores que possuem tanques para a criação de peixes em suas fazendas, sobretudo no Norte Pioneiro. O novo produto vem para auxiliá-los no cultivo e reprodução dos animais de água doce, ampliando os segmentos de atuação da cooperativa”, esclarece o diretor industrial da Capal, Lourenço Teixeira.

Variações - A Ração para Peixes Capal é ofertada em três variações: 35% de proteínas com grânulos de 3mm (indicado para peixes de até 150g), 32% de proteínas com grânulos de 8 mm (indicado para peixes de 150g a 400g) e 28% de proteínas com grânulos de 8mm (indicado para peixes acima de 400g).

Tipo - O tipo da ração é extrusada, que possui um processamento mais elaborado e facilita a digestabilidade dos nutrientes, reduzindo o consumo. “Outro ponto positivo é a estabilidade da ração extrusada na superfície da água, o que torna mais fácil o manejo alimentar”, acrescenta a nutricionista Anna Paula Holzmann.

Desenvolvimento - A profissional esteve à frente do processo de desenvolvimento do novo produto, observando a composição, embalagem, granulometria e outros pontos essenciais para produção de um alimento superior. “O nível de proteína em cada porção tem que ser controlada para respeitar as necessidades fisiológicas dos peixes e a quantidade energética que eles precisam, de acordo com o seu peso e tamanho, e assim, criar um alimento adequado para todas as fases da vida”, explica Anna Paula.

Unidades e lojas agropecuárias - A ração para peixes pode ser encontrada em todas as unidades e lojas agropecuárias da Capal e visa atender ao mercado em geral, inicialmente do Paraná e São Paulo, estados onde a cooperativa está presente.

Fortalecimento - O lançamento da ração de peixes fortalece a Capal como fornecedora de produtos de qualidade no mercado agropecuário. A cooperativa já comercializa como marca própria sementes de soja, trigo e aveia, rações para cães, bovinos (de corte e leite), aves e suínos, além das marcas de café Robusto e Jucafé.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3,3 mil associados, distribuídos em 21 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 65% das operações da cooperativa, produzindo mais de 750 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, trigo, milho e café. A área agrícola assistida ultrapassa os 153 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 12 milhões de litros, proveniente de 320 produtores. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 31 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

 

SICREDI FRONTEIRAS: Agência pioneira comemora 30 anos, em Capanema

sicredi fronteiras 27 07 2021No sábado (31/07), a agência de Capanema completará 30 anos. Esta foi a primeira unidade de atendimento aberta pela Sicredi Fronteiras PR/SC/SP. A cooperativa iniciou sua trajetória com o nome de Credesul, há quase 31 anos, no município localizado na região Sudoeste do Paraná, quando nasceu do agronegócio para fomentar o crédito rural.

Livre admissão - Hoje, com livre admissão, tornou-se uma sólida instituição financeira cooperativa, com visão empreendedora e planejamento, atualmente com mais de 75 mil associados, atendidos em 36 agências, abrangendo 57 municípios, em três estados: Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

Marco inicial - José César Wünsch, presidente da Cooperativa Sicredi Fronteiras, afirma que a inauguração desta primeira agência foi o marco inicial para a expansão da cooperativa. “Quando abrimos a primeira agência, estávamos com mais ou menos 700 associados. Relembro que tínhamos uma oferta muito pequena de produtos e serviços, praticamente nada comparado às demais instituições. Porém, havia um ideal e esse ideal foi o que nos tornou essa instituição que pensa no bem mútuo e auxilia no crescimento das comunidades, em todos os campos: financeiro, educacional, cultural e ambiental, através de uma administração transparente e sustentável”, comenta Wünsch.

Gratificante - Gilvan Cesar Cavalheiro, atual gerente da agência de Capanema, comenta como é gratificante trabalhar diariamente com uma excelente equipe, que procura através dos mais de 300 produtos e serviços da Cooperativa, oferecer um atendimento personalizado para cada perfil de associado.

Gratidão - “Ser parte desta equipe e trabalhar na primeira “casa” da Sicredi Fronteiras, nos faz lembrar diariamente do quanto devemos ser gratos aos nossos associados. Aqui na agência, nós encontramos mais uma família, por isso cuidamos e nos preocupamos com ela, queremos que a força da nossa união nos faça crescer ainda mais. Obrigado aos 6 mil e 500 associados que também são donos desta agência. Obrigado a vocês que acreditam e fazem parte desta história de conquistas e parcerias. Feliz aniversário para a agência pioneira de nossa cooperativa” finaliza o gerente. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

 

SICREDI PROGRESSO: Programa é implantado no Centro Beneficente de Educação Infantil Ledi Maas Lions

A principal iniciativa de reponsabilidade social do Sistema Sicredi, o Programa A União Faz a Vida (PUFV), foi oficialmente implantado no Centro Beneficente de Educação Infantil Ledi Maas Lions na sexta-feira (23/07). A formalização da parceria contou com a participação dos representantes das entidades envolvidas durante um encontro realizado em Toledo (PR).

Realização - Há mais de 25 anos o Sistema Sicredi realiza o Programa A União Faz a Vida em escolas. A proposta incentiva os alunos a serem protagonistas no processo de aprendizagem. Por meio dele, o Sicredi contribui para a educação integral de crianças e adolescentes, tendo por propósito a construção e a vivência de atitudes e valores de cooperação e cidadania, formando cidadão mais justos e solidários. Na Sicredi Progresso PR/SP, o Programa de educação cooperativa está presente em cinco municípios da região de atuação e agora chega a mais uma escola.

Protagonistas - A assessora do Programa pela Sicredi Progresso PR/SP, Miriam Sell, diz que A União Faz a Vida marcará a vida das crianças positivamente. “Percebemos na Ledi Mass uma preocupação com as crianças que atendem e queremos que elas sejam protagonistas de suas histórias. O projeto vem para transformar, somar e proporcionar experiências únicas”.

Transformação - Mais do que uma ampliação de atuação, essa iniciativa busca a transformação na vida dessas crianças. Recebendo um carinho ainda mais especial a agência do Sicredi, localizada no Largo São Vicente de Paulo, ‘apadrinhou’ o Centro Beneficente de Educação Infantil Ledi Maas Lions e se tornou um apoiador da parceria firmada.

Impacto social- Presente no momento de formalização o presidente da Sicredi Progresso PR/SP, Cirio Kunzler, falou sobre a preocupação da cooperativa na realização de ações de impacto social. “Na essência do cooperativismo está a transformação da comunidade que estamos inseridos e sobretudo das pessoas. Ver A União Faz a Vida chegar a esse centro educacional é a prova que estamos no caminho certo e que acreditamos no papel transformador da educação na vida de uma criança”.

Mantenedores - Com uma história de 43 anos, o Centro Beneficente de Educação Infantil Ledi Maas Lions possui como seus mantenedores o Lions Clube de Toledo e o Lions Clube Toledo Cidade. São 14 educadores os responsáveis por atender diariamente cerca de 120 crianças que vão desde seis meses a nove anos. “Ter esse Programa em nossa escola traz uma metodologia de ensino complementar na rotina de estudos. Queremos melhorar ainda mais a qualidade do ensino oferecido e a iniciativa vem a somar com isso”, explica o Presidente do Centro Educacional, Osmar Vanzella.

Capacitação - Inserida na formalização dessa parceria houve uma capacitação voltada aos professores. Durante os dias 22 e 23 eles puderam conhecer e experimentar a metodologia do programa já que A União Faz a Vida se baseia na experimentação de atitudes e na vivência das crianças com situações cotidianas. O sucesso do Programa está na curiosidade das crianças e na busca por respostas às perguntas que elas fazem.

Sobre a Sicredi Progresso PR/SP - Com 40 anos de atuação a Sicredi Progresso PR/SP está presente na vida de aproximadamente 50 mil associados. Nossa história, construída na essência da cooperação, nos permite ter atualmente 18 agências distribuídas na área de ação nos estados do Paraná e São Paulo. Destas, 12 estão no Paraná, nos municípios de Toledo, Nova Santa Rosa, Tupãssi, São Pedro do Iguaçu e Ouro Verde do Oeste; E as outras 6, em São Paulo nos municípios de Mogi das Cruzes, Suzano, Itaquaquecetuba, Guararema, Ferraz de Vasconcelos e Poá. Nosso capital humano conta mais de 300 colaboradores focados nos valores do cooperativismo e na oferta de produtos e serviços financeiros adequados aos associados, de um jeito simples e próximo. (Imprensa Sicredi Progresso PR/SP)

{vsig}2021/noticias/07/27/sicredi_progresso/{/vsig}

EMBRAPA: Tecnologia de Inoculação Multifuncional para Pastagens com Braquiárias será lançada nesta quarta-feira

embrapa 27 07 2021A Embrapa e a Biotrop (https://biotrop.com.br/) promovem nesta quarta-feira (28/07), das 8h30 às 10h, no canal da Embrapa Soja no Youtube (www.youtube.com/embrapasoja), o evento de lançamento da tecnologia de Inoculação Multifuncional para Pastagens com Braquiárias. A abertura do evento contará com a presença do secretário adjunto de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cleber Soares, do presidente da Embrapa, Celso Moretti, do chefe-geral da Embrapa Soja, Alexandre Nepomuceno, do diretor de Marketing e Estratégia da Biotrop, Jonas Hipólito, entre outros.

Apresentação técnica - Na sequência, a pesquisadora da Embrapa Mariangela Hungria fará a apresentação técnica da tecnologia que associa microrganismos com propriedades multifuncionais (Azospirillum brasilense e Pseudomonas fluorescens) com potencial para aumentar, em média, em 22% a produção das pastagens com braquiárias. Além de incrementar a produção de biomassa pelas forragens, a inoculação multifuncional com microrganismos incrementa a absorção de nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K).

Disponível - O desenvolvimento desse inoculante multifuncional já está disponível para os produtores, por intermédio de uma parceria público-privada entre a Embrapa e a empresa Biotrop, que está lançando o pacote tecnológico denominado Pastomax. A apresentação do bioinsumo será feita pelo Diretor de Marketing e Estratégia da Biotrop, Jonas Hipólito. (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

Programação

8h30 – Boas-vindas e breve apresentação da tecnologia

8h40 – Pronunciamentos

-Chefe-Geral da Embrapa Soja, Alexandre Nepomuceno

-Presidente da Embrapa, Celso Moretti

-Secretário de Inovação do Mapa, Cleber Soares

9h15 – Apresentação técnica da tecnologia

Pesquisadora da Embrapa Soja, Mariangela Hungria

9h30 – Apresentação do bioinsumo Pastomax

Diretor de Marketing e Estratégia da Biotrop, Jonas Hipólito

9h45 – Resposta a questionamentos

10h – Encerramento

SERVIÇO

Lançamento da Tecnologia de Inoculação Multifuncional para Pastagens com Braquiárias

Data: 28 de julho, quarta-feira

Horário: 8h30 às 10h

Onde: www.youtube.com/embrapasoja

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Balança tem superávit de US$ 6,94 bilhões em julho, até a quarta semana

comercio exterior 27 07 2021A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 6,94 bilhões até a quarta semana de julho, com crescimento de 23,5% em relação a julho de 2020, pela média diária. As exportações cresceram 42,7% e somaram US$ 20,47 bilhões, enquanto as importações subiram 55% e totalizaram US$ 13,53 bilhões. Assim, a corrente de comércio (soma das exportações e importações) aumentou 47,3%, alcançando US$ 34,01 bilhões no período. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (26/07) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

Acumulado do ano - No acumulado do ano, em comparação ao período de janeiro a julho de 2020, o superávit chegou a US$ 43,67 bilhões, com crescimento de 52,3%, e a corrente de comércio subiu 33,4%, atingindo US$ 269,05 bilhões. As exportações em 2021 cresceram 35,8% e somaram US$ 156,36 bilhões. Já as importações subiram 30,3% e totalizaram US$ 112,69 bilhões.

Exportações mensais - Neste mês, até a quarta semana, houve crescimento das exportações nos três setores. O aumento foi de 13,5% na agropecuária, que somou US$ 3,97 bilhões; de 68,9% na indústria extrativa, que chegou a US$ 5,87 bilhões; e de 43,9% na indústria de transformação, com US$ 10,56 bilhões.

Agropecuária - Na agropecuária, a expansão das exportações foi puxada, principalmente, pelo crescimento nas vendas de café não torrado (16,8%), soja (24,8%) e madeira em bruto (430,4%). Na indústria extrativa, destacaram-se as altas nas vendas de outros minerais em bruto (46%), minério de ferro e seus concentrados (119,1%) e óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (23,1%).

Indústria de transformação - Já na indústria de transformação, os principais aumentos foram das exportações de farelos de soja e outros alimentos para animais – excluídos cereais não moídos –, farinhas de carnes e outros animais (52,9%), óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (145,7%) e produtos semiacabados, lingotes e outras formas primárias de ferro ou aço (189,5%).

Importações mensais - O aumento geral das importações refletiu o crescimento de 50,3% nas compras da agropecuária, que somou US$ 0,36 bilhões; de 75,8% na indústria extrativa, com US$ 599,74 milhões; e de 54,7% na indústria de transformação, que alcançou US$ 12,43 bilhões.

Ampliação das compras - Da parte da agropecuária, a alta foi puxada principalmente pela ampliação das compras de pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (119,7%), trigo e centeio não moídos (35,4%) e milho não moído, exceto milho doce (599,4%). Pela indústria extrativa, as principais contribuições foram as altas nas importações de minérios de cobre e seus concentrados (1.037,6%), carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (64,1%) e gás natural, liquefeito ou não (260,9%).

Aumento - Por fim, a indústria de transformação aumentou principalmente as compras de óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (86,6%), adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (54,6%) e partes e acessórios dos veículos automotivos (143,6%). (Ministério da Economia)

Veja os principais resultados da balança comercial

 

INFRAESTRUTURA I: Movimentação de cargas em contêineres aumenta 12% no Porto de Paranaguá

infraestrutura I 27 07 2021Nos primeiros seis meses deste ano, foram transportadas 5,6 milhões de toneladas em contêineres pelo Porto de Paranaguá nos dois sentidos de comércio – importação e exportação. O volume é cerca de 12% maior que as 5 milhões de toneladas registradas no mesmo período de 2020. De exportação foram 2.973.873 toneladas de cargas embarcadas. De importação, 2.589.673 toneladas.

Frango - O frango é o produto mais exportado em contêineres pelo terminal paranaense. De janeiro a junho, 875.872 toneladas saíram do Porto de Paranaguá rumo ao mercado internacional. Com alta de 2% em relação às 855.782 toneladas registradas no mesmo período do ano anterior, o produto representa 33% de tudo o que é embarcado em contêineres pelo porto paranaense.

Produção paranaense - Cerca de 80% da carne de ave congelada que saiu por Paranaguá no primeiro semestre é fruto da produção paranaense. Os outros 20% se dividiram entre produtos do Mato Grosso do Sul, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Espírito Santo.

China - A China segue como o principal destino do frango exportado pela TCP, empresa que opera este tipo de carga no Paraná. Também são compradores da carne o Japão, Arábia Saudita, Emirados Árabes, África do Sul e outros mais de cem países.

Maior corredor de exportação - O Porto de Paranaguá, através da TCP, opera o maior corredor de exportação de aves congeladas no mundo. “Oferecemos ao produtor a maior estrutura reefer da América Latina e soluções intermodais que garantem a segurança e a qualidade das cargas que são escoadas pelo terminal”, afirma o diretor comercial e institucional da empresa, Thomas Lima.

Pátio - De acordo com o representante da diretoria da TCP, o terminal tem um pátio com 3.624 tomadas para conexão dos contêineres refrigerados que são utilizados para o transporte da carga, com monitoramento 24 horas, além de ramais ferroviários que ligam o Interior do Estado diretamente à área alfandegada.

Infraestrutura - Essa infraestrutura é o que permite que a exportação de frango e outros congelados se destaque pelo porto paranaense.

Outros produtos - Também têm evidência na exportação por contêineres a madeira (13% do movimentado em toneladas); celulose (7%), papel (3%), carne bovina (3%), carne suína (2%), curtumes (2%) e gordura e óleos (2%). Os 35% restantes são divididos entre outros 58 tipos de produtos.

Importação - Entre os itens mais importados em contêineres pelo Porto de Paranaguá estão os fertilizantes, que representam 11% do total dos produtos que chegam na modalidade. No primeiro semestre do ano, foram 225.310 toneladas de produtos desembarcadas em big bags – 15,7% a menos que no ano passado (267.447 toneladas).

Plástico - O segundo produto que mais chega em contêineres pelo terminal paranaense é o plástico – 9% do total importado em contêineres. Em volume, as importações cresceram 44%. Neste ano, de janeiro a junho, foram 185.773 toneladas. Em 2020, no mesmo período, 128.939 toneladas.

Mais participações - Ainda estão entre as cargas de importação em contêineres, com as maiores participações: produtos químicos orgânicos (que representam 6% do total); máquina, equipamentos e materiais elétricos (5%); reatores, caldeiras e máquinas industriais (5%); produtos siderúrgicos (4%); borracha (4%); produtos diversos da indústria química (35) e papel (3%). Outros 50% são divididos entre 64 produtos diferentes. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira os principais produtos exportados e importados em contêineres pelo Porto de Paranaguá.

FOTO: Rodrigo Félix Leal / Appa

 

INFRAESTRUTURA II: Conexões com Nova Ferroeste vão aumentar competitividade da produção paranaense

infraestrutura II 27 07 2021O custo logístico tem um impacto direto no valor cobrado nas gôndolas do supermercado. Do preço de cada produto colocado no carrinho, cerca de 10% é resultado da despesa de levar essa mercadoria até o ponto de venda. No Paraná, quase tudo segue sobre rodas, na carroceria dos caminhões.

Ferrovias - Em muitos casos, as ferrovias são uma possibilidade de transporte mais barato e eficaz. No Paraná, estudos indicam que o projeto da Nova Ferroeste pode reduzir o custo logístico em até 28% já no primeiro ano de operação. A estrada de ferro vai ampliar e modernizar o trecho já existente entre Cascavel e Guarapuava e ampliar o traçado, ligando Maracaju, no Mato Grosso do Sul, a Paranaguá, no Litoral do Paraná.

PEC - Uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) votada neste mês de julho pela Assembleia Legislativa do Paraná permitiu a inclusão da autorização para os modais ferroviário e aquaviário na Constituição, reforçando ainda mais a iniciativa ferroviária no Estado. Assim, passam a valer as modalidades de concessão, permissão e autorização.

Pequenas linhas - Para o modal ferroviário essa novidade permite a construção de pequenas linhas, também chamadas de short lines, pela iniciativa privada. Dessa maneira, uma empresa localizada próxima a uma estrada de ferro poderá levar seus produtos até o ramal principal por trilhos, sem o transbordo feito pelos caminhões. Em agosto, os deputados vão discutir as regras para essa nova alternativa.

Novo traçado - E o que muda na prática com o novo traçado de 1,2 mil quilômetros e a possibilidade de pequenos ramais, nesse novo cenário do modal? “O trilho pode passar dentro da unidade produtiva, e aí passa a carregar vagões. Uma locomotiva de manobra leva a carga até o tronco principal e encaixa no comboio. Existe uma grande redução de custo nessa mudança”, afirma o coordenador do Plano Estadual Ferroviário, Luiz Henrique Fagundes.

Investimento - Para João Mohr, gerente de Assuntos Estratégicos da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), a Lei de Autorização torna o investimento interessante para empresas que estejam localizadas a algumas dezenas de quilômetros da estrada de ferro principal (no caso, a Nova Ferroeste). “Ela poderá investir naquela faixa de domínio construindo e operando vagões nessa pequena linha e levar os vagões até a linha principal. De lá a concessionária vai transportar até o destino final”, completa.

Novo desafio - Quando o projeto da Nova Ferroeste começou a ganhar forma, por exemplo, com a ideia de um ramal vindo de Foz do Iguaçu à artéria principal, esse novo desafio começou a aparecer de forma mais clara: estimular o acesso às empresas ou cidades com potencial ao longo do caminho. Representantes da Fiep, dos governos federal e estadual, viajaram para os EUA e conheceram de perto o modelo americano, que foi a inspiração para a lei paranaense.

União de terminais - A construção das short lines permite à indústria unir seus terminais ou armazéns às linhas principais dos troncos ferroviários. “O privado identifica uma oportunidade de ligar dois pontos a partir de levantamentos econômicos e encaminha para o governo, que analisa e dá o parecer final. Essa é a ideia nos próximos anos”, explica Fagundes.

Levantamento - Um levantamento feito pelo Governo do Estado indicou sete polos geradores de carga no Paraná com potencial para a implantação de pequenas linhas férreas. São empresas e cooperativas de grande porte com unidades de produção próximas à futura linha da Nova Ferroeste.

Distância - Instaladas nos municípios de Marechal Cândido Rondon, Assis Chateaubriand, Cafelândia, Francisco Beltrão, Matelândia, Maripá e Palotina, essas empresas estariam entre 5 e 100 quilômetros dos novos trilhos. O estudo avalia a possibilidade de investimento de R$ 2,5 bilhões na construção destas ligações pela iniciativa privada. Cada quilômetro de trilho construído sairia por R$ 10 milhões.

Ferroeste - Entre os terminais da Ferroeste em Guarapuava e Cascavel circularam no primeiro semestre desse ano 800 mil toneladas de produtos em 6.638 contêineres. O volume representa um crescimento de 3% em relação ao mesmo período de 2020.

Transporte - Segundo André Gonçalves, a Ferroeste poderia transportar até 5 milhões de toneladas por ano. Mas o traçado atual da Malha Sul, por onde segue a carga a partir de Guarapuava até chegar ao Porto de Paranaguá, possui dois grandes gargalos. “Não crescemos porque a operação na Serra da Esperança e na Serra do Mar não permite aumento de carga”, diz.

Aposta - Por isso, o projeto da Nova Ferroeste é uma das apostas do setor produtivo. Vai ampliar a capacidade de transporte, melhorar o escoamento e praticar preços mais atrativos.

Importância - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, destaca a importância da construção dessa nova estrada de ferro, também chamada de Corredor Oeste de Exportação. Ele aponta para a necessidade de atender as cooperativas da região Sudoeste, entre Capanema e Mariópolis. “Se nós alinharmos um bom modelo de concessão rodoviário e a possibilidade de distribuir cargas pela ferrovia, daí sim teremos um ramal e as condições para desenvolver toda essa região que hoje que está à margem da infraestrutura”, destaca.

Cooperativas agropecuárias - A Ocepar integra 59 cooperativas agropecuárias que exportam para 120 países. No ano passado elas faturaram R$ 100 bilhões. “Como cooperativa, não vamos mudar daqui, temos que ter condições para continuar, não temos outro endereço”, afirma. Ricken destaca ainda a eficiência da porteira para dentro das fazendas, com recordes de produtividade e uso de tecnologia de ponta. “Se na infraestrutura não tivermos as condições adequadas, ficamos fora do mercado”.

Nova Ferroeste - A Nova Ferroeste é um projeto que visa ampliar a Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A. O novo traçado, com 1.285 quilômetros, vai ligar os municípios de Maracaju (MS) e Paranaguá (PR). Quando a ferrovia estiver concluída, será o segundo maior corredor de grãos e contêineres do País.

Movimentação - Os estudos de demanda indicam que cerca de 26 milhões de toneladas de produtos devem circular nesse trecho por ano. Considerando o tráfego interno, a Nova Ferroeste deve alcançar 38 milhões de toneladas/ano. Os estudos de viabilidade técnica e econômica (EVTEA) e de impacto ambiental (EIA/RIMA) estarão concluídos até o fim do ano, quando deve ter início a série de audiências públicas nas regiões afetadas pelo empreendimento.

Leilão - A Nova Ferroeste será leiloada nos primeiros meses de 2022 na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). O investimento estimado é de R$ 25 bilhões. A empresa, ou grupo vencedor da concessão é quem vai executar a obra e terá o direito de explorar o trecho por 60 anos. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Alessandro Vieira / AEN

 

CLIMA I: IDR-Paraná e Simepar alertam para risco de geadas na região cafeeira do Paraná esta semana

clima I 27 07 2021O IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná — Iapar-Emater) e o Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná) alertam que há previsão de geadas na madrugada de quarta (28/07), quinta (29/07) e sexta-feira (30/07) em toda a região cafeeira paranaense.

Recomendação - A recomendação para os plantios novos de café, com até seis meses de campo, é enterrar as mudas. Viveiros devem ser protegidos com várias camadas de cobertura plástica ou aquecimento, com a opção de adotar as duas práticas simultaneamente.

Retirada - Nos dois casos — lavouras novas e viveiros —, a proteção deve ser retirada logo que a massa de ar frio se afastar e cessar o risco imediato de geada.

Seis meses e dois anos - Nas lavouras com idade entre seis meses e dois anos, a recomendação aos produtores é amontoar terra no tronco das plantas até o primeiro par de folhas. Essa proteção deve ser mantida até meados setembro, e depois retirada com as mãos.

Serviço - O Alerta Geada é um serviço que opera de maio a setembro com o objetivo de auxiliar os produtores a adotarem técnicas para proteção de cafezais.

Acompanhamento - Durante o período de operação do sistema, os pesquisadores acompanham as condições meteorológicas na região cafeeira do Estado e publicam diariamente um boletim informativo.

Alerta - Além do informe diário, se houver aproximação de massas de ar frio com potencial de causar danos às lavouras de café é emitido, e amplamente divulgado, um alerta com 48 horas de antecedência.

Avisos - O boletim diário e os alertas de geada podem ser obtidos no aplicativo IAPAR Clima, disponível gratuitamente na App Store e no Google Play.

WhatsApp - Também é possível receber os avisos pelo WhatsApp. Basta salvar nos contatos o número (43) 3376-2248 e enviar a mensagem "quero receber o Alerta Geada".

Site e telefone - Há ainda informações sobre o serviço Alerta Geada e proteção de cafeeiros nas páginas do IDR-Paraná e do Simepar na internet ou pelo disque-geada (43) 3391-4500.

Links - Links citados:

App Store - https://apps.apple.com/us/app/iapar-clima/id1486152398?l=pt&ls=1

Google Play - https://play.google.com/store/apps/details?id=iapar.br.iaparclima

IDR-Paraná - http://www.idrparana.pr.gov.br/

Simepar - http://www.simepar.br/

(Assessoria de Imprensa do IDR-Paraná)

FOTO: IDR-Paraná

 

CLIMA II: Estado se mobiliza para amenizar efeitos da massa de ar polar prevista para a Região Sul

clima II 27 07 2021O Governo do Estado está se mobilizando para atender a população durante a massa de ar polar que começa a chegar ao Paraná nesta terça-feira (27/07). Diferentes secretarias criaram um plano de contingência, coordenado pela Defesa Civil do Paraná, para atuar na prevenção, reforçando os cuidados com a população mais vulnerável.

Padrão - De acordo com o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), a onda seguirá o padrão do inverno paranaense, caracterizado por um clima frio e seco e temperaturas mínimas variando entre -1 °C e -5 °C. Ou seja, longe de previsões catastróficas.

Mais rigoroso - O frio mais rigoroso, aponta o serviço social autônomo vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e Turismo (Sedest), será entre os dias 28 e 30 de julho, especialmente nas regiões Sudoeste, Sul, Central e Campos Gerais. Nesse período há indicativo para ocorrência de geadas fortes e generalizadas em todo o Paraná.

Monitoramento - “O Governo do Estado está monitorando constantemente o avanço dessa onda de frio para amenizar os seus efeitos”, afirmou o secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva. “A Defesa Civil está mobilizada e em contato frequente com o Simepar para antecipar cenários e medidas de combate à possibilidade de um frio rigoroso”.

Queda acentuada - Segundo o meteorologista do Simepar, Reinaldo Kneib, haverá uma queda acentuada das temperaturas, com uma variação grande após a massa de ar quente que passou pelo Estado. “Teremos três dias de frio com forte intensidade e dias gelados, com previsão de mínimas nas regiões de General Carneiro e Palmas”, afirmou.

Sem pânico - A Defesa Civil do Paraná, contudo, reforça que não há necessidade de pânico. O monitoramento diário feito pelo órgão indica que as temperaturas acompanharão invernos anteriores. Na Região Metropolitana de Curitiba, Norte e Oeste, por exemplo, há previsão de valores oscilando entre 0°C e -3°C. No Litoral deve chegar a 5ºC.

Informações - “Estamos acompanhando as informações meteorológicas constantemente e os modelos indicam que será frio, mas não tão intenso como algumas previsões que circulam por aí. Não teremos -10ºC, -12ºC. Será tudo dentro do padrão de um inverno mais rigoroso no Paraná”, destacou o chefe da Comunicação Social da Defesa Civil, capitão Marcos Vidal.

Prevenção - Ainda assim, ressaltou ele, o órgão já tomou uma série de providências preventivas para amenizar o impacto da massa polar, especialmente em relação à fatia mais vulnerável da população. “Vamos usar muito o método da informação e da orientação, fazendo com que a população se antecipe ao frio. Em parceria com as prefeituras, vamos disponibilizar espaços para abrigar aqueles moradores de rua nesses dias”, disse.

Corpo de Bombeiros - De acordo com o capitão, o Corpo de Bombeiros do Paraná também está atento para evitar possíveis “mortes brancas” por uso de substâncias proibidas para aquecer ambientes. Ele alerta para causa comum de acidentes, levando muitas pessoas à morte com monóxido de carbono, como a queima de carvão vegetal, utilizado para aquecer ambientes confinados.

Queima - A queima de álcool, ou outro combustível, lembrou, ocasiona a queima do oxigênio, levando o usuário à asfixia. “Todos vamos precisar nos aquecer, mas é preciso respeitar os cuidados necessários”, afirmou Vidal.

Mínimas - Veja como serão as temperaturas mínimas em algumas das cidades mais frias do Paraná nos próximos dias:

Curitiba

terça-feira – 11ºC

quarta-feira – 3ºC

quinta-feira – -1oC

sexta-feira – 0oC

sábado – 4oC

Palmas

terça-feira – 1oC

quarta-feira – -3oC

quinta-feira – -2oC

sexta-feira – -2oC

sábado – 1oC

General Carneiro

terça-feira – 1oC

quarta-feira – -3oC

quinta-feira – -2oC

sexta-feira – -3oC

sábado – -2oC

Pato Branco

terça-feira – 4oC

quarta-feira – -1oC

quinta-feira – -2oC

sexta-feira – -1oC

sábado – 3oC

Francisco Beltrão

terça-feira – 4oC

quarta-feira – -1oC

quinta-feira – -2oC

sexta-feira – -1oC

sábado – 3oC

Guarapuava

terça-feira – 6oC

quarta-feira – -1oC

quinta-feira – -4oC

sexta-feira – -2oC

sábado – 2oC

União da Vitória

terça-feira – 4oC

quarta-feira – -2oC

quinta-feira – -1oC

sexta-feira – -3oC

sábado – -1oC

Lapa

terça-feira – 5oC

quarta-feira – -2oC

quinta-feira – -1oC

sexta-feira – 0oC

sábado – 5oC

Irati

terça-feira – 8oC

quarta-feira – 0oC

quinta-feira – -3oC

sexta-feira – -2oC

sábado – 0oC

Inácio Martins

terça-feira – 5oC

quarta-feira – -2oC

quinta-feira – -4oC

sexta-feira – -3oC

sábado – 0oC

Bituruna

terça-feira – 2oC

quarta-feira – -2oC

quinta-feira – -3oC

sexta-feira – -3oC

sábado – -1oC

(Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Valdelino Pontes / AEN

 

CÂMBIO: Dólar cai para R$ 5,17 com dados sobre economia americana

cambio 27 07 2021Em um dia com poucas notícias econômicas no mercado interno, o dólar abriu a semana em queda com a divulgação de dados sobre a economia norte-americana. A bolsa de valores subiu quase 1%, ajudada pela alta do preço de minérios.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (26/07) vendido a R$ 5,174, com recuo de R$ 0,036 (-0,7%). A cotação iniciou o dia em alta, chegando a R$ 5,23 pouco antes das 10h, mas inverteu o movimento após a abertura dos mercados norte-americanos.

Alta acumulada - Apesar da segunda baixa seguida, a divisa acumula alta de 4,04% em julho. No ano, o dólar registra queda de 0,29%.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 126.004 pontos, com alta de 0,76%. O indicador começou próximo da estabilidade, mas ganhou força ainda durante a manhã, impulsionado pelo cenário externo e pela valorização de diversas commodities (bens primários com cotação internacional).

EUA - Nos Estados Unidos, a divulgação de que as vendas de novas moradias vieram abaixo do esperado reduziu a expectativa de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) retire os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19 antes do fim de 2022. Nesta semana, o Fed se reunirá para definir os juros básicos da maior economia do planeta.

Menor nível - Atualmente, os juros básicos nos Estados Unidos estão no menor nível da história, entre 0% e 0,25% ao ano. Taxas baixas por mais tempo beneficiam países emergentes, como o Brasil. Paralelamente, a recuperação do preço do minério de ferro na China estimulou a bolsa brasileira, principalmente as ações ligadas aos setores de mineração e de siderurgia. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

SAÚDE I: País ultrapassa 550 mil mortes e tem 19,7 milhões de casos

saude I destaque corona 27 07 2021O país ultrapassou nesta segunda-feira (26/07) a marca de 550 mil mortos pela covid-19. O balanço divulgado pelo Ministério da Saúde registra 550.502 mortes acumuladas desde o início da pandemia. Em 24 horas, desde o boletim divulgado de domingo (25/07), foram registrados 578 óbitos.

Casos - Em relação ao total de casos, foram registrados 18.999 novos diagnósticos em 24 horas. Esse dado eleva para 19.707.662 o número de pessoas infectadas pela doença desde o início da pandemia no país.

Acompanhamento - O balanço apontou também 758.593 pacientes em acompanhamento e 18.398.567 recuperados da doença.

Covid-19 nos estados - Os estados com mais mortes são os seguintes: São Paulo (137.273), Rio de Janeiro (58.452), Minas Gerais (49.869), Paraná (34.502) e Rio Grande do Sul (33.059). As unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.797), Roraima (1.830), Amapá (1.897), Tocantins (3.472) e Alagoas (5.746).

Vacina - Ao todo, o Ministério da Saúde distribuiu 164.478.404 vacinas para todo o país. Foram aplicadas 134.271.035 de doses como primeira dose e 96.338.520 como segunda dose. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE II: Boletim divulga mais 20.001 casos e 194 óbitos da Covid-19

saude II 27 07 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (26/07) mais 20.001 casos e 194 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes a meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.359.778 casos e 34.314 óbitos. Há link para acesso a ajustes de casos ao final do texto.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta segunda-feira são de março (2), abril (8), maio (7) junho (23) julho (39), agosto (15), setembro (54), outubro (89), novembro (467) e dezembro (875) de 2020 e de janeiro (1.341), fevereiro (2.302), março (5.190), abril (3.033), maio (3.703), junho (1.308) e julho (1.545) deste ano.

Internados - O informe relata que 1.226 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. São 957 em leitos SUS (569 em UTI e 388 em enfermaria) e 269 em leitos da rede particular (147 em UTI e 122 em enfermaria).

Exames - Há outros 1.671 pacientes internados, 834 em leitos UTI e 837 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 194 pacientes. São 80 mulheres e 114 homens, com idades que variam de 20 a 101 anos. Os óbitos ocorreram de 10 de março de 2020 a 26 de julho de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (121), Colombo (8), São José dos Pinhais (6), Maringá (4), Londrina (4), Campo Mourão (4), Toledo (3), Cascavel (3), Ubiratã (2), Santa Helena (2), Pontal do Paraná (2), Jacarezinho (2) e Campina Grande do Sul (2).

Uma morte - É registrada, ainda, a morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: Terra Boa, Tamboara, Pranchita, Pinhão, Pinhalão, Peabiru, Pato Branco, Paranaguá, Palmas, Paiçandu, Nova Aurora, Nova América da Colina, Mallet, Jandaia do Sul, Jaguariaíva, Ivaiporã, Ibiporã, Guaíra, Foz do Iguaçu, Fazenda Rio Grande, Céu Azul, Corbélia, Castro, Capitão Leônidas Marques, Cambé, Cambará, Bela Vista da Caroba, Barbosa Ferraz, Arapongas, Apucarana e Almirante Tamandaré.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 6.531 casos de não residentes no Estado – 188 pessoas foram a óbito.

AjustesTotal de exclusão: 14.254 casos de residentes e 592 de não residentes no Paraná. Confira AQUI as exclusões. (Agência de Notícias do Paraná)

 

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: Com 7,5 milhões de doses aplicadas, PR passa Bahia e chega a 66% dos adultos imunizados

 

saude III 27 07 2021O Paraná ultrapassou nesta segunda-feira (26/07) a marca de 7,5 milhões de doses aplicadas na população e agora ocupa a quinta posição entre os estados que mais vacinaram contra a Covid-19, passando a Bahia no total de doses administradas pela primeira vez na campanha. Em números absolutos, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul estão na frente.

 

Aplicadas - Segundo o sistema do Ministério da Saúde, atualizado em tempo real pelos municípios, 7.539.214 vacinas foram aplicadas no Estado até agora, com 5.503.664 pessoas que receberam a primeira dose e 2.035.550 paranaenses totalmente imunizados, ao tomarem a dose de reforço ou o imunizante de dose única.

 

Percentual - Com esses números, 66,5% da população adulta recebeu ao menos uma dose e quase um quarto dos paranaenses com mais de 18 anos já completaram o ciclo vacinal.

 

População- Levando em conta a estimativa populacional do Paraná, que, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estática (IBGE) chega a 11.516.840 habitantes, metade da população já foi vacinada (50,3%) com ao menos uma dose.

 

Escudo de proteção- “Seguimos com nosso objetivo de criar esse escudo de proteção que a vacina oferece e ampliar, a cada dia, o número de paranaenses vacinados. Quando o grupo de pessoas imunizadas aumenta, diminui a transmissão e a contaminação geral da população”, afirma o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “A vacinação tem sido o principal instrumento de defesa nesse momento, é isso que vai nos dar a condição de superar essa dificuldade do coronavírus”.

 

Maior de 18 anos- A campanha de imunização, porém, deve atingir neste momento apenas a população maior de 18 anos, que é de 8.714.136 pessoas. A previsão do Governo do Estado é que 80% desse público receba ao menos uma dose até o final de agosto, chegando a 100% até o fim de setembro.

 

Perfil - O Paraná é o terceiro estado que mais vacinou a população geral, fora dos grupos prioritários, público que lidera as aplicações no Estado. Foram 2.311.613 de doses administradas nesse grupo, com 2.278.633 pessoas com idade entre 18 e 59 anos que receberam ao menos uma dose de imunizante. Já entre os idosos, 1.825.719 de pessoas com 60 anos ou mais foram vacinadas, sendo que 74,4% delas completaram o ciclo vacinal.

 

Comorbidades e outros- Também foram aplicadas 561.040 doses em pessoas com comorbidades, 82.668 doses em gestantes e puérperas, 64.926 em idosos institucionalizados, 51.690 em pessoas com deficiência, 26.447 na população privada de liberdade, 19.200 doses em indígenas, 8.580 em quilombolas, 3.780 em pessoas em situação de rua, 3.388 em pessoas com deficiência institucionalizas e 2.834 na população ribeirinha.

 

Categorias profissionais- Entre as categorias profissionais incluídas entre os grupos prioritários, por estarem mais expostos ao coronavírus, foram administradas 757.408 doses em trabalhadores da saúde – 449.490 profissionais vacinados, sendo que 67,7% deles com a duas doses. Também foram aplicadas 231.412 em trabalhadores da educação básica; 88.625 em caminhoneiros, sendo que 78.705 receberam a dose única; e 34.462 nas forças de segurança e salvamento.

 

Administradas - Foram administradas, ainda, 33.516 doses em profissionais da educação superior; 15.974 nos trabalhadores do transporte coletivo (13.697 dose única); 15.176 trabalhadores da limpeza; 13.020 em portuários; 10.425 nas Forças Armadas; 6.154 em trabalhadores industriais; 4.629 em funcionários do sistema penitenciário; 4.241 em profissionais do transporte aéreo; e 2.767 em trabalhadores do transporte ferroviário e aquaviário.

 

Municípios - Em doses absolutas, os municípios que mais aplicaram vacinas foram Curitiba (1.322.290); Londrina (386.429), Maringá (367.419), Cascavel (225.607), Ponta Grossa (197.316), Foz do Iguaçu (175.095), São José dos Pinhais (170.765), Colombo (130.224), Paranaguá (114.371); e Guarapuava (100.493).

 

Ranking - Em relação à população geral, o Ranking da Vacinação aponta três municípios acima de 70% (Pontal do Paraná, Barra do Jacaré e Maringá) e 32 acima de 60% (com Guaraqueçaba, Santa Cecília do Pavão, Nova Santa Bárbara, Matinhos e Nova Aliança do Ivaí na liderança).

 

Mais doses - O Paraná deve receber entre terça e quarta mais 649.420 doses de vacinas contra a Covid-19. O envio da nova remessa foi confirmado pelo Ministério da Saúde no domingo (25/07). O lote inclui cerca de 130 mil doses para a primeira aplicação, o que deve garantir o avanço da campanha de imunização por idade no Estado. As demais são destinadas a grupos prioritários imunizados no primeiro semestre. (Agência de Notícias do Paraná)

 

FOTO: Jose Fernando Ogura / AEN

 

 

grafico

 


Versão para impressão


RODAPE