Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4805 | 17 de Abril de 2020

AGO 2020: Visando à Assembleia Geral, Sistema Ocepar envia às cooperativas o Relatório de Atividades

 

relatorio destaque 17 04 2020No último dia 15, o Sistema Ocepar despachou pelos Correios exemplares do seu Relatório de Atividades e Prestação de Contas do Exercício Social 2019 e Plano de Ação para o Exercício Social de 2020 para os presidentes das 216 cooperativas paranaenses. O documento será apreciado e votado pelos dirigentes cooperativistas durante a Assembleia Geral Ordinária (AGO), que será realizada no próximo dia 24, no auditório da Ocepar, em Curitiba. O evento será presencial e transmitido também pela internet.

 

Relatório – Com 172 páginas, o impresso traz a prestação de contas de 2019 das entidades do Sistema – Ocepar, Fecoopar e Sescoop/PR – bem como detalha as ações previstas a serem executadas durante 2020. O documento pode ser acessado clicando aqui.

 

Eventos – Serão realizadas as Assembleias Gerais Ordinárias do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar) e da Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar) e a reunião de apresentação de contas das atividades desenvolvidas em 2019 e do plano de ação para 2020 do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Paraná (Sescoop/PR).

 

PR COOPERATIVO: Revista destaca avanços nos modelos de governança e gestão das cooperativas

pr cooperativo destaque 17 04 2020A matéria de capa da Revista Paraná Cooperativo, em sua edição de abril, destaca a crescente evolução dos sistemas de governança das cooperativas paranaenses, que aperfeiçoam modelos administrativos para responder às demandas de um setor em constante expansão. Cooperativas geridas por líderes realizadores, nos quais o quadro social deposita confiança contínua ao longo de muitos anos, iniciam a transição para a divisão de responsabilidades, implantando um conselho de administração e uma diretoria executiva, cada qual com suas atribuições. É um processo gradativo que responde também pela estratégia de sucessão, evitando danos à cultura cooperativista e riscos de instabilidade nos negócios. A reportagem destaca que as mudanças têm o respaldo dos programas contínuos de formação e qualificação do Sescoop/PR, além do suporte do PRC 100, o planejamento estratégico do cooperativismo do Paraná, que tem a governança como um de seus pilares.

Covid-19 - Citando as dificuldades causadas pelo Covid-19, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, afirma, no artigo que abre a edição da Revista, que, “em situações extremas, ter um sistema de governança e gestão adequado é um atributo fundamental à uma cooperativa ou empresa.” Segundo o dirigente, para acompanhar a expansão do cooperativismo, os modelos administrativos tiveram que evoluir e incorporar novos mecanismos de planejamento e decisão. “’Uma boa governança gera valor ao cooperado, garantindo equidade, transparência e responsabilidade pelos resultados.”

Gallassini - O entrevistado desta edição da Revista é o presidente do Conselho de Administração da Coamo, José Aroldo Gallassini. O líder cooperativista fala sobre as mudanças na estrutura de governança da cooperativa. O objetivo, segundo ele, é garantir tranquilidade na sucessão dos postos de comando. “Não fundamos a Coamo para uma geração ou duas, mas para a vida toda. Ela tem que continuar, independente de quem esteja no comando”, frisa.

Panorama - Nesta edição, o leitor poderá conhecer os números consolidados do cooperativismo paranaense. O estudo, elaborado pela Coordenação de Monitoramento da Gerência de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR (Gecoop), inclui informações conjuntas e por ramos. O ano de 2019 finalizou com 216 cooperativas registradas no Sistema Ocepar, sendo 62 do ramo agropecuário; 56 de crédito, 35 de saúde, 37 de transporte, 14 de infraestrutura, 9 de trabalho e produção de bens e serviços e 3 de consumo. Juntas, elas somaram R$ 87,6 bilhões em faturamento, um crescimento nominal de 4,7%. Também na Revista de abril, informações sobre a atuação dos deputados e senadores do Paraná que fazem parte da bancada da Frente Parlamentar do Cooperativismo – Frencoop, entre outras notícias de relevância no setor.

Clique aqui para conferir na íntegra a edição de abril da Revista PR Cooperativo

 

CRÉDITO RURAL: Mais de 60% dos recursos da safra 2019/20 foram aplicados até o final de março

credito rural destaque 17 04 2020Segundo levantamento realizado pela Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec), com base nos dados do Banco Central, dos R$ 225,59 bilhões anunciados pelo governo federal para a safra 2019/20, R$ 140,4 bilhões foram aplicados até o mês de março. O montante representa 62% do total. A maior parte dos recursos, ou seja, 28%, teve origem na poupança rural; 26% em recursos obrigatórios; 25% em recursos com taxas livres; 9% no BNDES equalizável, 11% em fundos constitucionais e 1% em outras fontes.

Cooperativas - Ainda segundo a análise da Getec, no período que compreende os meses de julho de 2019 até março de 2020, as cooperativas brasileiras captaram R$ 18,71 bilhões, sendo a maior parte destinados à industrialização, ao custeio e à comercialização. Já as cooperativas paranaenses captaram R$ 7,75 bilhões, principalmente em industrialização e custeio.

Captação total - O levantamento mostra também que a captação total de recursos na política do crédito rural, em março da safra atual (2019/2020), foi superior do que o mês de março das três safras anteriores (2016/2017, 2017/2018, e 2018/19).

 

 

credito rural tabela 17 04 2020

 

COVID-19 I: Filmes valorizam importante trabalho das cooperativas durante pandemia

Com o objetivo de mostrar o importante trabalho dos diferentes ramos do cooperativismo paranaense, o Sistema Ocepar produziu, em parceria com as cooperativas, dois vídeos mostrando o trabalho de muitos produtores cooperados e colaboradores que continuam ativos, cada um em suas atividades rotineiras, mesmo nesta pandemia do novo coronavírus, cuja recomendação é de isolamento social de serviços não essenciais.

Roteiro - Segundo Samuel Milléo Filho, responsável pelo roteiro, juntamente com toda equipe que coordena na Comunicação Social do Sistema Ocepar, esses dois filmes foram pensados, “não só para agradecer a todas essas pessoas, mas valorizar e reconhecer o comprometimento de homens e mulheres que arriscam sua própria saúde para continuar produzindo alimentos e, assim, evitar o desabastecimento das cidades. Motoristas de caminhões que continuam percorrendo todo o país no transporte de bens necessários. Promotores, repositores e caixas de supermercados. Profissionais da saúde nos atendimentos das demandas, que cada vez são mais urgentes, dos colaboradores das cooperativas de crédito que continuam atuando para que nós possamos honrar com nossos compromissos financeiros, dos funcionários administrativos das nossas cooperativas para a vida de centenas de cooperados não parem”, lembrou.

Insight - Milléo conta que teve este insight durante uma noite sem sono e escreveu o primeiro roteiro. “Lembrei de uma campanha que havíamos realizado em 2009, onde várias pessoas apareciam conjugando o verbo cooperar. Então, pensei, nossa essência é cooperar e por que então não colocar as próprias pessoas nos seus locais de trabalho mandando para o restante das pessoas que estão em casa se cuidando contra o vírus, reforçando a fala eu coopero, para que você tenha saúde, fique em casa. Uma mensagem direta para as pessoas que muitos ainda estão trabalhando para garantir o abastecimento, o crédito, o transporte e a saúde”, frisa.

Apoio - “E, como um dos princípios do cooperativismo é a intercooperação, para que esses dois filmes pudessem acontecer, contamos com o imprescindível apoio de várias cooperativas. Entramos em contato com colegas das assessorias de comunicação para que solicitassem aos cooperados, colaboradores para gravar com seus próprios smartphone frases curtas do roteiro que no todo passam uma só mensagem: #FiqueEmCasa, se cuide, porque nós estamos trabalhando por você”, destacou Milléo.

miniatura youtube campanha 1 17 04 2020

miniatura youtube campanha 2 17 04 2020

 

 

 

 

 

 

COVID-19 II: Aprovada a inclusão de cooperados para o recebimento de auxílio emergencial

legislativo auxilio I-17 04 2020A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (16/04), o Projeto de Lei 873/2020, que amplia as categorias profissionais que poderão receber o auxílio emergencial concedido pelo governo, alterando a lei 13.982/2020.

Inclusão- Com apoio da OCB, o deputado Arnaldo Jardim (SP), integrante da diretoria da Frencoop, apresentou uma emenda para incluir entre as categorias profissionais os “cooperados ou associados em cooperativas”, que foi prontamente aceita pelo relator, deputado Cesinha de Madureira (SP).

Segurança jurídica - O deputado Arnaldo Jardim explicou que a emenda era necessária para dar segurança jurídica aos cooperados que requisitarem o acesso ao auxílio emergencial de R$ 600,00, disponibilizado pelo governo federal para minimizar os efeitos da crise na vida dos brasileiros.

Relevância- “O cooperativismo é uma ferramenta de extrema relevância neste momento de crise por inserir mão de obra na economia. Garantir que os cooperados tenham acesso ao benefício emergencial é também assegurar que muitas pessoas preservem o sustento seu e de sua família”, afirmou o deputado Arnaldo Jardim.

Senado Federal - O projeto é de autoria do senador Randolfe Rodrigues e, ainda no Senado Federal, a OCB atuou e conseguiu significativas mudanças no texto. O relator do projeto, senador Esperidião Amin (SC), integrante da Frencoop, incluiu no texto os taxistas, motoristas de transporte escolar, catadores de materiais recicláveis, caminhoneiros, garimpeiros e agricultores familiares.

Análise- Com a aprovação na Câmara, o projeto volta para o Senado para análise das alterações propostas pelos deputados. Após aprovação final, a matéria seguirá para sanção presidencial. (Informe OCB)

FOTO: Michel Jesus / Agência Câmara

COVID-19 III: Pesquisa inédita realizada pelo Grupo Datacenso com quase 7 mil pessoas

covid pesquisa 17 04 2020Para avaliar o dia a dia dos paranaenses diante da pandemia causada pelo Coronavírus (Covid-19), o Grupo Datacenso realizou uma pesquisa online, entre os dias 10 e 13 de abril, com 6.903 participantes do Paraná.

Preocupação - O estudo mostra que a maioria (73%) dos paranaenses estão preocupados na medida certa em relação a transmissão do vírus entre a população, seguido daqueles que dizem que estão menos preocupados (21%) e os mais preocupados que deveriam (7%).

Rotina - É possível perceber que a rotina de diversas pessoas e empresas foi afetada com a pandemia, uma vez que 60% dos entrevistados estão saindo de casa somente quando inevitável (mercado/farmácia), 28% estão saindo de casa para trabalhar e para outras atividades, 10% estão totalmente isolados em casa e 3% relatam que não tiveram mudanças nesse período.

Inédita - Segundo o CEO do Grupo Datacenso, Cláudio Shimoyama, a pesquisa realizada no Paraná, com quase 7.000 pessoas, é inédita, e revela que o paranaense está consciente das ameaças que o novo coronavírus pode trazer para a vida das pessoas. Percebe-se que, parte do comércio está sendo afetado e com certeza irá precisar do auxílio do governo para não fechar as portas. Novos hábitos estão surgindo com a pandemia do coronavírus, tanto do lado da população como das empresas. É uma nova realidade que irá mudar o comportamento das pessoas.

Mais informações - Para outras informações obtidas na pesquisa, confira abaixo o relatório completo de acordo com as perguntas feitas aos entrevistados:

RELATÓRIO CORONAVÍRUS 2020 – PARANAENSE

(Datacenso)

 

COVID-19 IV: Cooperativas se unem e realizam doação para caminhoneiros

A união entre as Cooperativas Coonagro, Castrolanda, Frísia, Agrária, Cocari, Capal e Bom Jesus proporcionou uma bela ação de empatia e auxílio ao próximo. Em um gesto de gratidão aos profissionais que trabalham na linha de frente e realizam suas atividades para que toda a cadeia produtiva funcione, as cooperativas doaram 550 cestas básicas aos caminhoneiros que atuam no Porto de Paranaguá.

Troca de informações - Diante da pandemia do coronavírus (Covid-19), que afeta diretamente as demandas produtivas em todo o país e com o objetivo de auxiliar os profissionais que tem papel essencial neste momento único que assola o mundo, a mobilização surgiu a partir da troca de informações entre as diretorias das cooperativas e como uma forma de minimizar os efeitos da situação de calamidade entre os profissionais que são peças-chaves na distribuição de alimentos, medicamentos e vacinas.

Cooperação - É o que destaca Mario Sérgio do Prado, CEO da Coonagro e responsável por fazer a interlocução entre as entidades. “A iniciativa mostra que a cooperação faz a diferença, não somente nos negócios, mas também na vida das pessoas. São atitudes fundamentais de colaboração com um ramo de atividade tão importante para o agronegócio”, frisa Mario Sérgio. A ação, que teve início na última semana, contou também com o apoio da direção do Porto de Paranaguá, que deu todo o suporte logístico e tem realizado a entrega para os prestadores de serviços de carga e descarga que estão no local.

Agradecimento - Acompanhada das cestas, foi enviada uma mensagem de agradecimento. “Nos orgulha saber que o Brasil tem pessoas que se dedicam todos os dias para cumprir sua missão para um país inteiro. Conte com a gente. A força do cooperativismo está na união, na colaboração e na solidariedade. Juntos somos mais fortes”, destaca o texto assinado pelas cooperativas. (Imprensa Frísia)

{vsig}2020/noticias/04/17/covid_doacoes/{/vsig}

COVID-19 V: Cooperativas de Maringá produzem 20 mil máscaras para doação

Fazendo jus à sinergia do segmento cooperativista de Maringá (PR), sete cooperativas de vários ramos diferentes se unem para apoiar entidades do município no enfrentamento da Covid-19. Elas informaram que vão produzir 20 mil máscaras para a doação de entidades da cidade e as primeiras entregas estão planejadas para iniciar a partir de segunda-feira (20/04).

Ação - Participam da ação a Cocamar, que atua no setor agropecuário, Sicredi União PR/SP e Sicoob, da área de crédito, Unimed e Uniodonto, respectivamente dos campos de saúde e odontologia, Unicampo e Pluricoop, que congregam, pela ordem, profissionais de agronomia e técnicos especializados em cooperativismo.

Costureiras - A iniciativa partiu da Unimed e, segundo os organizadores, um time de costureiras de Maringá e também de cidades da região já vem trabalhando na produção das

máscaras, com o objetivo de gerar renda para suas famílias. Elas fazem parte de um projeto social apoiado pela Sicredi, intitulado “Vestindo minha família” e vão utilizar como matéria-prima tecidos que seriam empregados na confecção de uniformes dos colaboradores daquela cooperativa de crédito e também malhas de fios sustentáveis doados pela Cocamar (que produz os fios a partir de fibra de poliéster derivada de embalagens pet, recolhidas por catadores de rua). A Cocamar se comprometeu, ainda, a doar álcool etílico 70% para o trabalho das costureiras. Nas embalagens também haverá dicas de como manusear e higienizar as máscaras.

Cooperação - A ação é mais uma contribuição do segmento cooperativista da cidade para tentar conter a proliferação do novo coronavírus e deve somar neste ano com a realização do Dia de Cooperar. O chamado Dia C, evento tradicionalmente organizado por aquelas cooperativas no primeiro sábado de julho, celebra o Dia Internacional do Cooperativismo. No ano passado, mais de 500 voluntários, entre colaboradores e seus familiares, participaram da produção de 2,5 mil pizzas que foram doadas a instituições assistenciais do município, para que fossem vendidas e os recursos aplicados em seus projetos. E, nos dois anos anteriores, a união de voluntários das cooperativas produziu dezenas de milhares de fraldas geriátricas.

Capital do Associativismo - De acordo com expectativa do setor, Maringá deve ser declarada Capital Nacional do Associativismo ainda em 2020. Projeto de Lei já aprovado no final de 2019 pelo Senado, tramita para votação na Câmara dos Deputados.

Mais longe- As cooperativas garantem a produção de 20 mil máscaras, mas já estão pensando ainda mais longe. Se contarem com o apoio da comunidade, doando recursos financeiros, o esforço poderá chegar a 50 mil.

Participe - Qualquer pessoa pode participar dessa iniciativa, fazendo a contribuição de qualquer valor nas seguintes contas:

Sicoob Metropolitano Afusi

CNPJ: 04.809.528/0001-67

Banco: 756 (Banco Cooperativo do Brasil S/A.)

Agência: 0001

Conta: 63.318.414-4

Sicredi União PR/SP

CNPJ: 79.342.069/0001-53

Banco: 748 (Banco Cooperativo Sicredi S/A.)

Agência: 0718

Conta Corrente: 09512-2

(Imprensa Cocamar)

{vsig}2020/noticias/04/17/covid_maringa/{/vsig}

SICOOB METROPOLITANO: Ação solidária apoiada por colaboradores vai beneficiar famílias de Maringá

sicoob 17 04 2020Como cooperativa, o Sicoob Metropolitano tem o compromisso de contribuir com as comunidades nas quais atua. Foi pensando nisso que os colaboradores da singular se uniram para ajudar famílias de Maringá (PR) que se encontram em situação de vulnerabilidade social em meio à pandemia do coronavírus.

Doações - Por meio de doações sem valor estipulado, foram arrecadados mais de R$ 3 mil. O valor foi repassado para a Secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC), que utilizou o recurso para comprar 102 cestas básicas compostas por seis itens cada (arroz, farinha de trigo, leite, óleo, molho de tomate e sardinha). Os alimentos irão amparar as famílias cadastradas nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) da cidade e atender a grande demanda gerada pela Covid-19.

Gratidão - Uma das colaboradoras do Sicoob Metropolitano envolvidas na ação solidária é Cristiane da Silva Navarro, que disponibilizou sua conta para depósito e repassou o dinheiro arrecadado à SASC. Ela explica que ficou surpresa com o valor e muito feliz por conseguir ajudar tantas famílias. “Muitas pessoas estão precisando de ajuda nesse momento e nós, que podemos colaborar, precisamos fazer a nossa parte. Fiquei muito grata com o resultado”, conta.

Agradecimento - A voluntária da SASC, Evelise Mesquita, agradeceu o apoio e generosidade dos colaboradores que contribuíram para a compra de mais de uma tonelada de alimentos. “Não fazemos nada sozinhos, então toda ajuda é muito importante. Não é todo mundo que tem esse pensamento e que está disposto a colaborar, então muito obrigada”, ressaltou. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COCAMAR: Mesmo separados, integrantes do Coral cantam e encantam

cocamar 17 04 2020Em tempos de Covid-19, sem poderem se reunir, os integrantes do Coral Cocamar recorreram à criatividade para não deixar de cantar e emocionar os seus admiradores. Uma postagem que acaba de ser feita nas redes sociais da cooperativa, surpreendeu os colaboradores, está sendo compartilhada maciçamente na internet e até já mereceu espaço no noticiário em programas de TV.

África - Nela, os coralistas cantam a música “Africa” (de David Paich e Jeff Porcaro, composta em 1982, do álbum Toto). Como cada um estava em sua casa, as vozes foram gravadas individualmente por meio do aparelho celular e enviadas para a orientadora vocal Regina Lopes, que possui um estúdio de gravação com o marido, o músico César Ribeiro. Lá, eles harmonizaram as vozes com o instrumental e o resultado é emocionante.

Ideia - A ideia partiu do maestro Waldemar de Moura Júnior, que diz ter pensado apenas em motivar o grupo. “Conversando com vários deles nos últimos dias, deu para perceber que estavam com os ânimos um pouco abatidos por causa das notícias e das preocupações com suas famílias”. Como eles tinham começado a ensaiar “Africa” no começo do ano, a escolha da música não foi por acaso. “Vai ser preciso muita coisa para me afastarem de você”, diz um trecho da música. (Imprensa Cocamar)

Clique aqui e acesse o Facebook da Cooperativa Cocamar para ver a postagem

 

BOM JESUS: Eduardo Lacerda fala sobre qualidade de rações e momento do agro

bom jesus 17 04 2020Eduardo Lacerda Braga, médico veterinário e coordenador pecuário na Cooperativa Bom Jesus, sediada na Lapa (PR), comenta sobre momento vivido no Brasil em relação à pandemia do Covid-19. Ele também fala sobre a importância das rações nesse momento para aves, suínos e bovinos de corte e de leite; as sobras cooperativistas da linha leite; e qualidade das rações em momento de crise. Inscreva-se nosso canal do Youtube: clique aqui!

Providências - A Bom Jesus, por meio de seu comitê de Gestão de Crises, está tomando todas as providências em seus produtos e serviços para não proliferação do Covid-19. (Imprensa Bom Jesus)

 

EMBRAPA: Foz do Iguaçu vai sediar 9ª edição do CBSoja

embrapa 17 04 2020A cidade de Foz de Iguaçu irá receber, de 28 de junho a 01 de julho de 2021, a 9ª edição do Congresso Brasileiro de Soja (CBSoja). O evento, promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Soja, é o maior fórum técnico-científico da cadeia produtiva da soja na América do Sul, reunindo renomados especialistas de vários segmentos ligados ao complexo soja, uma das maiores cadeias produtivas do agro brasileiro.

Inovações - “Desde a primeira edição, busca-se tanto com a programação técnica quanto com os expositores, apresentar as principais inovações que estão na vanguarda do conhecimento e impactam o setor, assim como, discutir/propor soluções que minimizem os riscos/ameaças para a produção sustentável da soja. Esse mote tem possibilitado transferir os principais avanços no conhecimento científico aos participantes sobre os mais diversos temas relacionados à cadeia produtiva proporcionando oportunidades de interação técnica/científica entre os participantes, palestrantes e as principais empresas que atuam nesta cadeia produtiva”, destaca Adilson de Oliveira Júnior, pesquisador da Embrapa Soja e presidente da Comissão Organizadora do evento.

Programação técnica - A Embrapa Soja já está trabalhando na programação técnica do evento, que deve abordar desde assuntos ligados aos atuais desafios tecnológicos dos sistemas de produção, às novas oportunidades que estão surgindo para a cadeia produtiva, tendo, por exemplo, a sustentabilidade como driver para abertura de novos mercados, a inserção da cadeia na era da bioeconomia, avanços na área de edição genômica e outras tecnologias emergentes e disruptivas que podem agregar valores, melhorar eficiência e rentabilidade, entre outros temas de destaque no cenário mundial. A Organização do IX CBSoja também abrirá em breve as oportunidades de patrocínio e aquisição de estandes para empresas participarem da Feira Tecnológica que ocorre no Congresso.

Participantes - O IX CBSoja deve reunir mais de 2 mil participantes de diversas regiões produtoras do Brasil e também de países do Mercosul, um público formado pelas principais lideranças e formadores de opinião da cadeia produtiva da soja, representado por produtores, pesquisadores, empresários, professores, profissionais da área de assistência técnica e planejamento agrícola, cooperativas, agtechs, industriais, exportadores e acadêmicos.

Importância econômica - A cultura da soja tem grande importância econômica na agenda brasileira. Além de responder por parte significativa do PIB Agrícola, promove o desenvolvimento de muitas cidades e negócios indiretos que geram emprego, renda e qualidade de vida para a população. “É uma cadeia organizada, que serve de base para muitas outras cadeias como a de proteínas animais e biocombustíveis e é estratégica para o Brasil. O IX CBSoja é o evento que reúne todos os elos e promove uma integração genuína da cadeia nas discussões que a permitem avançar de forma estratégica nos grandes desafios do setor” explica José Renato Bouças Farias, chefe-geral da Embrapa Soja. As novidades do evento poderão ser acompanhadas no site www.cbsoja.com.br e nos canais oficiais no facebook (cbsoja) e instagram (cbsoja2021). (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

 

ECONOMIA: INSS suspende exigências para o segurado especial rural pelo prazo de 120 dias

economia 17 04 2020O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) suspendeu a autenticação de documentos e os prazos para cumprimento de exigências dos segurados especiais rurais. A medida visa resguardar os direitos desses segurados enquanto durar o estado de emergência de saúde no país, devido à pandemia do coronavírus.

Autenticação - De acordo com a Portaria 295, fica dispensada pelo prazo de 120 dias a autenticação de documentos nas unidades de atendimento do INSS e suspensos os prazos para cumprimento de exigências que não puderem ser cumpridas pelos canais remotos. A determinação vale a partir desta quinta-feira (16/4), data da publicação da portaria no Diário Oficial da União.

Orientações- A portaria traz orientações quanto à análise e homologação dos requerimentos e documentos apresentados junto ao INSS pelos beneficiários rurais.

Dúvida - Nas situações em que houver dúvida fundada quanto à documentação apresentada, o INSS fará as exigências que forem necessárias. No entanto, o prazo para o cumprimento também ficará suspenso até o retorno do atendimento presencial.

Identificação - Os servidores responsáveis pelas análises dos requerimentos e documentações deverão rever as exigências realizadas antes da publicação da Portaria 295, com finalidade de identificar as situações em que seja possível dispensá-las, para que seja assegurado o direito do beneficiário rural. (Ministério da Economia)

FOTO: Hedelson Alves / AEN

 

CÂMBIO: Dólar sobe para R$ 5,25 e fecha no maior valor em dez dias

cambio 17 04 2020Em meio às incertezas domésticas e internacionais sobre a evolução da pandemia de Covid-19, o dólar comercial subiu pelo quarto dia seguido e fechou no maior valor em dez dias. A moeda encerrou esta quinta-feira (16/04) vendida a R$ 5,256, com alta de R$ 0,014 (+0,27%). Esse foi o maior valor registrado desde 6 de abril, quando a cotação tinha fechado em R$ 5,292.

Alta - A cotação operou em alta durante toda a sessão. Na máxima do dia, por volta das 16h, a moeda encostou em R$ 5,27. A divisa acumula alta de 30,99% em 2020.

BC - O Banco Central (BC) interveio no mercado. Como nos últimos dias, a autoridade monetária rolou US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. O BC também leiloou novos contratos de swap. Embora tenham sido oferecidos US$ 1 bilhão, o valor efetivamente vendido não foi divulgado no site.

Bolsa de valores - As tensões no mercado de câmbio refletiram-se na bolsa de valores. Pelo segundo dia seguido, o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), caiu e fechou o dia em 77.812 pontos, com queda de 1,29%. O indicador descolou-se das bolsas internacionais. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou esta quinta com pequena alta de 0,14%.

Nervosismo - Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

FMI - Na terça-feira (14/04), o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou que a economia global terá queda de 3% em 2020. Para o Brasil, os prognósticos são piores, com o organismo internacional projetando retração de 5,3% no Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país).

Afrouxamento - No entanto, a perspectiva de que vários países europeus afrouxem as medidas de quarentena após a desaceleração no número de casos novos de covid-19 trouxe alívio para parte dos mercados globais. As bolsas de Londres e de Frankfurt fecharam em alta. Nos Estados Unidos, a divulgação de que 5,2 milhões de trabalhadores pediram seguro-desemprego na semana passada continua alta, mas o número não destoou das expectativas do mercado.

Petróleo - As dúvidas sobre o acordo entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) continuam a pressionar os mercados. No domingo (12), os países do grupo fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, a preocupação com a queda mundial da demanda provocada pela pandemia e a resistência de empresas e de governos a aderir ao acordo influenciam as cotações internacionais do barril.

Alta - Por volta das 18h30, o Brent era vendido a US$ 28,36, com alta de 2,42%, depois de cair mais de 6% na quarta-feira (15/04). O alívio, no entanto, não se estendeu às ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 2,95% nesta quinta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram queda de 4,03%.

Guerra - A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. No início do mês, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45. (Agência Brasil)

 

PARANÁ: Governo lança boletim com dados econômicos, fiscais e sociais

parana 17 04 2020As secretarias de Planejamento e Projetos Estruturantes e da Fazenda divulgaram nesta quinta-feira (16/04) o primeiro boletim com a conjuntura fiscal, econômica e social do Paraná diante dos impactos da pandemia do novo coronavírus. O documento será atualizado semanalmente.

Informações - O boletim apresenta projeções, comparações com outros países, níveis das atividades econômicas (indústria, comércio e serviços), gráficos de mobilidade e isolamento social, quantidade de empresas em pleno vapor e a balança comercial estadual.

Estabelecimentos fechados - O estudo indica, por exemplo, que 21 mil estabelecimentos do Simples Nacional e 4,5 mil do Regime Normal estavam fechados no dia 9 de abril. Os dados foram apurados a partir da amostra de emissão de documento fiscal em cinco cidades do Paraná: Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu.

Redução - No comparativo entre a primeira semana de março e a primeira de abril, houve redução na quantidade de estabelecimentos que emitiram esses documentos fiscais. No comércio varejista, a queda foi de 34%; na indústria, de 30%; e no comércio atacadista, 22%.

ICMS - O relatório também aponta redução média de R$ 56 milhões no recolhimento de ICMS, principalmente no setor de combustíveis, por semana desde o começo de março, quando foram ampliadas as orientações para evitar aglomerações para conter a disseminação do novo coronavírus.

Positivo - As exportações paranaenses espelham os bons indicadores do Porto de Paranaguá e continuam estáveis. Entre os estados do Sul, apenas o Paraná registrou aumento no volume de embarques em janeiro, fevereiro e março. Houve queda de apenas 0,1% no valor total das exportações no primeiro trimestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado. Os destaques positivos foram para as vendas de veículos (+94,9%), torneiras e válvulas (+1054%) e açúcar bruto (81,8%).

Comércio bilateral - Os índices de exportação medem o impacto do comércio bilateral com os principais parceiros comerciais do Paraná (China, Estados Unidos, União Europeia e Argentina, por exemplo), os produtos mais destacados da balança comercial e a variação de receita, volume e preços na comparação com São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Transparência - “O Governo do Estado tem o compromisso de ser transparente com a sociedade”, afirma o secretário de Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge, um dos idealizadores do relatório. “O boletim ajudará o setor produtivo e os paranaenses a se guiarem durante a crise econômica. Nesse momento precisamos trabalhar em cima de cenários bem realistas para buscar as melhores soluções para a retomada”.

Núcleos temáticos - O boletim é dividido em cinco grandes núcleos temáticos. A primeira parte usa bases externas de dados - bancos nacionais, organismos internacionais e empresas privadas - e indica projeções do Produto Interno Bruto (PIB); variações cambiais; saída de capital do País; indicadores macroeconômicos das variações setoriais de países como Estados Unidos e China; e informações de venda e faturamento nominal de bens duráveis e não duráveis.

Análises - A maioria dos demais indicadores foi construída a partir de análises de técnicos da Receita Estadual e do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes). São números mais próximos da rotina diária das pessoas. Os principais recortes são o de empresas em atividade, inclusive com índice municipal, e o volume de arrecadação do ICMS no comércio varejista, na indústria e nos combustíveis.

Comércio - A robustez do comércio é avaliada a partir do volume de vendas de hipermercados e supermercados; farmácias; lojas de materiais de construção, eletrodomésticos, veículos novos e vestuário; e restaurantes e lanchonetes. As vendas de materiais de limpeza e de medicamentos, por exemplo, foram mais intensas de 2 a 22 de março, quando o País chegou a assistir procura por estocagem de material, na comparação com as últimas três semanas.

Impacto da crise - De acordo o secretário de Fazenda, Renê Garcia Junior, o boletim apresentará semanalmente cenário diferente daquele projetado originalmente para 2020. A projeção apontava recuperação da economia brasileira, uma supersafra de grãos no Estado, investimentos privados contratados de pelo menos R$ 20 bilhões e obras estruturantes de R$ 2 bilhões destinadas aos municípios.

Próximos meses - “A crise econômica terá um impacto aproximado de pelo menos R$ 2 bilhões na arrecadação nos próximos quatro meses. A queda na circulação de pessoas e mercadorias colidiu com o equilíbrio fiscal alcançado no ano passado”, afirmou o secretário. “O Estado tem indústria e agronegócio imponentes, é símbolo de plantas diversificadas e produção tecnológica. O coronavírus mudou a estratégia e o Governo passou a direcionar todos os recursos para a rede de Saúde. Mas vamos retomar o caminho dessa tradição”. (Agência de Notícias do Paraná)

 Veja aqui o boletim completo.

 

 

BIOCOMBUSTÍVEL: Parceria vai fortalecer cadeia produtiva de biogás no Paraná

biocombustivel 17 04 2020Em busca de mais sustentabilidade e da ampliação da oferta de energia limpa, o Governo do Estado vai desenvolver ações conjuntas com entidades especializadas para fortalecer a cadeia produtiva do biogás no Paraná. A primeira parceria do tipo foi estabelecida neste mês entre o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e o Centro Internacional de Energias Renováveis (ClBiogás).

União de forças - O termo de cooperação prevê a união de forças para a estruturação de um laboratório para certificação de biocombustíveis no Estado. A intenção é que o espaço possa avaliar, orientar e certificar a origem do combustível renovável produzido no Paraná.

Termoelétrica - A ClBiogás é co-responsável, juntamente com a Copel, pela termoelétrica instalada em Entre Rio do Oeste, na região Oeste, a primeira do País a transformar dejetos suínos em biocombustível. A usina começou a funcionar no ano passado e tem capacidade total de 480 KW, transformando por dia 215 toneladas de um agente poluidor em energia limpa.

Modelo - “Queremos fazer do Paraná um modelo de sustentabilidade para o Brasil. Precisamos cada vez mais de novas fontes de energia limpa, por isso a ideia de ampliar a cadeia produtiva no Estado. Já somos referência para o País, mas não podemos parar. Nosso compromisso é com o desenvolvimento sustentável”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Outras ações - A parceria inclui, também, a colaboração para o desenvolvimento de uma plataforma digital de adensamento da cadeia produtiva do biogás no Estado. Estão previstas, ainda, a realização de workshops temáticos envolvendo equipes das duas instituições e parceiros, além de visitas técnicas em projetos de referência em produção e uso de biometano.

Novas fontes - Diretor-presidente do Tecpar, Jorge Callado reforça que o instituto está ampliando sua atuação na busca por novas fontes de energia renovável, por meio de parcerias estratégicas com instituições de referência, conforme as diretrizes de inovação propostas pelo Governo do Estado.

Soluções - “O Paraná firmou um compromisso de buscar soluções que aliem desenvolvimento econômico à sustentabilidade ambiental, e o Tecpar está fazendo sua parte. Além de posicionar o Estado na vanguarda da cadeia produtiva do biogás, esta aliança tecnológica com a CIBiogás vai fortalecer a bioeconomia”, afirmou Jorge Callado.

Avanço tecnológico - Para o diretor-presidente do CIBiogás, Rafael González, o acordo ajudará a promover o avanço tecnológico do setor. “O Paraná é um dos estados com maior potencial de produção de biogás no País. Essa parceria com o Tecpar fortalece a construção de novas oportunidades para o setor, com foco no adensamento e integração estratégica de cadeias produtivas do biogás no Estado”, disse.

Certificação - O Paraná já conta com um laboratório especializado em biogás em Foz do Iguaçu, no Oeste. A estrutura, inaugurada em 2011 pela CIBiogás, foi a primeira do Brasil a ser acreditada pela norma ISO/IEC/ 17025:2017, atendendo a critérios exigidos mundialmente para ensaio de potencial bioquímico de metano (PBM).

Amostras - O laboratório já realizou mais de 31 mil amostras desde a sua inauguração, servindo de modelo para a construção dos novos espaços no Estado.

Potencial - De acordo com o relatório sobre o “Potencial de produção de biogás no Sul do Brasil”, publicado no ano passado, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul concentram 36% das plantas de biogás no Brasil.

Agroindústria - O levantamento apontou, ainda, que a agroindústria sul brasileira produz cerca de 89 mil metros cúbicos de biogás por dia, e que o potencial de ampliação deste volume é de 99%.

Programa - O Tecpar é responsável pelo Programa Paranaense de Energias Renováveis. É o órgão que coordena a secretaria executiva do projeto Smart Energy, que busca desenvolver o setor energético do ponto de vista econômico, ambiental e social no Estado.

Living Lab - Entre outras iniciativas lideradas pelo instituto está o programa Living Lab, que vai transformar o campus da Cidade Industrial de Curitiba (CIC) no Tecpar em um ecossistema de inovação aberto. Dos oito projetos aprovados na chamada pública, cinco irão testar novas tecnologias na área de energias renováveis. “O laboratório a céu aberto no Tecpar vai integrar a comunidade ao ambiente de pesquisa e inovação, com foco no desenvolvimento econômico e social do Paraná”, explicou Jorge Callado. (Agência de Notícias do Paraná)

 

IAPAR/EMATER: Instituto rural do Estado passa a ser denominado IDR-Paraná

iapar emater 17 04 2020O Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná -Iapar-Emater já tem uma nova identidade visual. Passa a ser identificado como IDR-Paraná. A denominação será usada em todas as ações de extensionistas e pesquisadores junto aos produtores.

Consultas - O nome foi obtido após consultas aos servidores, parceiros e à comunidade, em interação com as Secretarias da Agricultura e de Comunicação do Estado. Oficialmente a instituição, criada pela Lei 20.121, de 31/12/2019, continua a ser o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná - Iapar-Emater, nome que deve constar em documentos oficiais.

Contribuição - Para o presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza, cada uma das quatro instituições que formou o novo Instituto (Iapar, CPRA, Codapar e Instituto Emater) tem anos de contribuição ao Estado do Paraná e tem o compromisso de levar adiante o trabalho feito nos últimos anos. "A fusão nos tornou mais fortes e melhores naquilo que fazemos com excelência. Por isso, tenho a certeza de que teremos orgulho em usar essa nova marca e que iremos respeitá-la e zelar por ela nas mais diversas oportunidades em que ela representará o nosso Instituto", afirmou.

Fusão - A fusão de instituições e a reestruturação do Sistema Estadual de Agricultura teve início no ano passado, com o objetivo de melhorar a qualidade da agropecuária paranaense, torná-la cada vez mais competitiva e garantir uma redução da desigualdade no meio rural. Também pretende possibilitar uma economia para o governo estadual.

Essência - A ideia é que o IDR-Paraná preserve a essência de cada uma das entidades que o constitui e que se dedique ao desenvolvimento rural, prestando serviço de pesquisa e experimentação agrícola, de assistência técnica e extensão rural e de fomento no meio rural. Um dos propósitos da nova autarquia é somar esforços para garantir o cumprimento da meta de que todas as escolas do Paraná ofereçam a seus alunos uma alimentação totalmente orgânica até 2030. (Agência de Notícias do Paraná)

 

LEGISLATIVO: Leandre apresenta projeto de lei para melhorar condições de trabalho dos caminhoneiros

legislativo 17 04 2020A deputada federal Leandre Dal Ponte (PV-PR) apresentou um projeto de lei na Câmara dos Deputados para melhorar as condições de trabalho dos profissionais do transporte rodoviário de cargas. “Enquanto muitos de nós tem condições de trabalhar de casa, os caminhoneiros mantêm seus trabalhos para garantir o abastecimento da população. Eles precisam de condições de trabalho dignas, mesmo durante o período sensível pelo qual estamos passando”, afirmou.

Garantia de acesso - O texto do Projeto de Lei 1295/20 designa à União a função de coordenar esforços, junto aos estados e também municípios brasileiros para que, enquanto durar o período de emergência de saúde pública causado pela pandemia do coronavírus, seja garantido o acesso a restaurantes, locais para o abastecimento e higiene pessoal, e borracharias, entre outros serviços essenciais para os caminhoneiros.

Dificuldades - De acordo com a deputada paranaense, várias lideranças do setor de transportes de cargas relataram a ela dificuldades para encontrar restaurantes abertos ao longo das rodovias que cortam o País. “A proposta visa garantir condições dignas aos transportadores de carga, uma vez que estão encontrando dificuldades em razão da falta de coordenação entre os poderes públicos”, acrescentou a deputada em reportagem para a Agência Câmara Notícias.

Centrais - O projeto estabelece também que as praças de pedágios poderão funcionar como centrais de informação aos caminhoneiros sobre locais de acesso à alimentação, higiene pessoal e manutenção dos veículos.

Mais proteção - No mesmo teor, além de apresentar o Projeto de Lei 1295/20, Leandre já havia enviado indicação ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, no final do mês de março, sugerindo medidas que garantam a qualidade e dignidade de trabalho para os caminhoneiros, motoristas de transporte sanitário e rodoviário, durante o estado de calamidade. (Assessoria de Imprensa da deputada federal Leandre Dal Ponte)

 

SAÚDE I: Novo ministro defende testagem da população para Covid-19

saude I 17 04 2020O médico Nelson Teich, anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro como novo ministro da Saúde, em substituição a Luiz Henrique Mandetta, defendeu um programa testagem da população para o novo coronavírus, com o objetivo de mapear os infectados e acelerar o fim do isolamento social em vigor no país. Em seu primeiro pronunciamento após ser apresentado pelo presidente, no Palácio do Planalto, na tarde desta quinta-feira (16/04), ele argumentou que é preciso ter mais informações sobre a disseminação da doença na população.

Doença - "A gente tem que entender mais da doença.​ Quanto mais a gente entender da doença, maior vai ser a nossa capacidade de administrar o momento, planejar o futuro e sair desta política do isolamento e do distanciamento. Para conhecer a doença, a gente vai ter que fazer um programa de testes. É fundamental que a gente tenha uma avaliação do que que é esta doença hoje", afirmou. Na última atualização do Ministério da Saúde, do dia 13 de abril, a pasta informou ter distribuído aos estados pouco mais de 1 milhão de kits de testes rápidos, número ainda insuficiente para uma testagem em massa da população.

Alinhamento - Teich demonstrou alinhamento com as posições do presidente da República ao dizer que não pode haver oposição entre saúde e economia, e que as duas questões devem se tratadas ao mesmo tempo.

Saúde e economia - "A segunda coisa é a gente discutir saúde e economia. Isso é muito ruim porque, na verdade, estas coisas não competem entre si. Elas são completamente complementares. Quando você polariza uma coisa dessas, você começa a tratar como se fossem pessoas versus dinheiro, o bem versus o mal, empregos versus pessoas doentes. E não é nada disso. Tudo aqui vai ser tratado absolutamente de uma forma técnica e científica", argumentou.

Pandemia - Teich assume o cargo em meio à pandemia do novo coronavírus, que já infectou mais de 30 mil pessoas no país, levando cerca de 1,9 mil pacientes a óbito. A oficialização da nomeação de Nelson Teich e a exoneração de Henrique Mandetta ainda não foram publicadas no Diário Oficial da União. (Com informações da Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

SAÚDE II: Número de mortes por covid-19 no país se aproxima de 2 mil

Em meio à troca de comando, o Ministério da Saúde divulgou, nesta quinta-feira (16/04), novo balanço de casos confirmados e óbitos relacionados ao novo coronavírus. Os óbitos totalizaram 1.924, enquanto as pessoas infectadas chegaram a 30.425.

Superior - O número de mortes é 10% superior ao divulgado quarta-feira (15/04), quando foram contabilizadas 1.736 mortes. Nas últimas 24 horas, 188 pessoas morreram, menos do que nos dois dias anteriores, quando foi batido o recorde de 204 novas mortes.

Casos confirmados - O total de casos confirmados nesta quinta (16/04) marcou um aumento de 7% em relação ao de quarta (15), quando foram registrados 28.320 casos confirmados. O número de novos casos confirmados nas últimas 24 horas foi de 2.105, menos do que os 3.058 anunciados na quarta.

São Paulo - São Paulo concentra o maior número de óbitos (853), quase três vezes o número do segundo colocado, o Rio de Janeiro (300). Os estados são seguidos por Pernambuco (160), Ceará (124) e Amazonas (124).

Outros estados - Além disso, foram registradas mortes no Paraná (41), Maranhão (37), Minas Gerais (33), Bahia (30), Santa Catarina (29), Pará (24), Paraíba (24), Rio Grande do Norte (20), Rio Grande do Sul (19), Espírito Santo (22), Distrito Federal (20), Goiás (16), Piauí (oito), Amapá (sete), Alagoas (cinco), Mato Grosso do Sul (cinco), Mato Grosso (cinco), Acre (cinco), Sergipe (quatro), Roraima (três), Rondônia (três) e Tocantins (um).

Letalidade - A taxa de letalidade do país ficou em 6,3%, mesmo índice registrado na quarta-feira. (Agência Brasil)

SAÚDE III: Sesa confirma 29 novos casos de coronavírus e mais dois óbitos

saude III 17 04 2020A Secretaria de Estado da Saúde confirmou no boletim desta quinta-feira (16/04) 29 novos casos de coronavírus e mais dois óbitos no Paraná. Agora são 845 casos da doença e 43 mortes, duas de pessoas que não residiam no Estado.

Mortes - Os óbitos são de uma mulher de 34 anos, do município de Manoel Ribas. Ela estava internada desde 6 de abril, teve a confirmação para a Covid-19 no dia 09 e faleceu nesta quinta-feira (16/04).

Registro - A outra vítima é um homem de 76 anos que morava em Registro, cidade do interior do estado de São Paulo. Ele estava internado em um hospital da região no Estado vizinho e foi transferido para uma unidade da rede privada de Curitiba na segunda-feira (13/04) já com complicações. Foi coletada amostra para exame e confirmado que o paciente estava com coronavírus. Ele morreu nesta quarta-feira (15/04).

Novos casos - Os novos casos foram registrados nos municípios de Curitiba (11), Campo Largo (1), São José dos Pinhais (1), Pato Branco (2), Colombo (1), Rio Branco do Sul (1), Paranaguá (2), Arapongas (3), Paranavaí (2), Assis Chateaubriand (1), Guairaçá (1), Maringá (1), Foz do Iguaçu (1) e fora do Estado em Registro – São Paulo (1).

Dados - O Paraná tem atualmente 845 casos confirmados – 13 pessoas não residem no Estado –, 43 óbitos, dois deles de pacientes que não moravam no Estado, 7.409 descartados e 421 em investigação.

Liberados - Dos pacientes, 156 pacientes já foram liberados do tratamento no Paraná. Destes, 80 homens e 76 mulheres. A faixa etária de 30 a 39 anos possui o maior número de recuperados, representando 31,4%. Esse dado não inclui ainda o município de Curitiba.

Internações - Há 134 pacientes internados, 76 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI’s) e 58 em leitos clínicos.

Retificação - A Secretaria de Estado da Saúde informa ainda retificações nos dados do boletim do coronavírus divulgado nesta quinta-feira (16/04). O município de São João do Ivaí possui cinco casos. Durante a tabulação, o dado foi transferido erroneamente para o município de São Carlos do Ivaí, que não possui nenhum caso confirmado. Santo Antônio do Caiuá não tem casos confirmados. Um erro na tabulação transferiu para o município os dois casos de São João do Caiuá. Dois casos confirmados em Fazenda Rio Grande foram transferidos para Curitiba. Um caso de Cascavel para Guaraniaçu e um de Colombo para Curitiba.

Alterações - A secretaria estadual afirma que já fez as devidas alterações e preza pela transparência na divulgação dos casos. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o boletim com a tabulação atualizada:

Boletim 16/04/2020

 

SAÚDE IV: Prefeitura de Curitiba estabelece novas medidas de postura sanitária no combate ao coronavírus

saude IV 17 04 2020A Prefeitura de Curitiba estabeleceu medidas adicionais de postura sanitária para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus na cidade. Entre elas estão a obrigatoriedade de uso de máscaras, determinação de critérios de ocupação de espaços de uso comuns e responsabilização pelo descumprimento das orientações.

Resolução - As normas fazem parte de resolução publicada nesta quinta-feira (16/04/20) no Diário Oficial. Ela segue recomendação do Comitê de Prática e Ética Médica – grupo criado para analisar a evolução da transmissão da covid-19 e balizar as ações do município relacionadas à pandemia.

Medidas necessárias - “Com um rigoroso monitoramento da Saúde e uma avaliação permanente do comitê, o município toma as medidas que são necessárias para enfrentar a covid-19”, diz o prefeito Rafael Greca. “Uma pandemia dessa magnitude necessita, entretanto, que toda a sociedade seja corresponsável pelo sucesso desse combate.”

Bom senso e responsabilidade - Greca destaca a importância de que todos os moradores tenham bom senso e responsabilidade em suas atividades. “Temos de ter uma verdadeira profissão de fé na inteligência: que ninguém vá procurar a infecção, não seguindo as recomendações básicas de evitar aglomeração, usar máscara, usar álcool em gel e manter o devido distanciamento social”, afirma o prefeito.

Sem alteração - As novas medidas não alteram as recomendações do município sobre o funcionamento de serviços e comércio na cidade, que estão contempladas no decreto 470.

Outros estabelecimentos - Elas também não se aplicam a shopping centers, galerias e centros comerciais, academias e centros de esportes em geral – que estão contemplados em decretos do governo do Estado (4230, de 16/03/20, e 4311, de 20/03/20).

Medidas - A nova normativa estabelece a obrigatoriedade de uso de máscaras pela população em espaços públicos, comerciais e de uso coletivo, incluindo o transporte coletivo, os táxis e os veículos de aplicativos. A orientação é que a população faça uso de máscaras caseiras.

Critérios- Além disso, define também critérios para presença das pessoas nos estabelecimentos e serviços.

Capacidade máxima - O critério básico é que a capacidade máxima nos locais seja de uma pessoa a cada 9 metros quadrados. Isso significa que uma área de 270 metros quadrados, por exemplo, não poderá abrigar mais de 30 pessoas ao mesmo tempo, incluindo funcionários e usuários.

Acesso - Os locais devem definir acesso de entrada e saída, assegurando o devido controle da circulação. O distanciamento mínimo deve ser de 1,5 metro entre as pessoas e deve ser obedecido também nas filas do lado de fora, que deve ser organizada pelos estabelecimentos.

Áreas menores - Áreas menores, cuja ocupação seja incompatível com o espaçamento de 9 m2, deverão providenciar o atendimento externo (da porta para fora).

Álcool - O local de entrada e também em pontos internos deve ter álcool em gel à disposição dos usuários.

Elevadores - Prédios comerciais que disponham de elevadores devem diminuir a capacidade máxima nesses equipamentos e fazer a identificação dessa limitação para os usuários.

Penalidades - Os estabelecimentos que não cumprirem as medidas estabelecidas na resolução ficam passíveis de responsabilização administrativa, civil e penal, sujeitando-se, por exemplo, à cassação de alvará, entre outras medidas.

Revisão - A resolução leva em conta a situação atual do coronavírus na capital e poderá ser revista a qualquer tempo, se assim o cenário da pandemia exigir.

Controle da epidemia - A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, avalia que as medidas tomadas na capital estão dentro de parâmetros positivos na contenção da transmissão do coronavírus, o que tem efeito direto na utilização da rede de atendimento disponível.

Leitos - O uso dos leitos de UTI destinados a pacientes do novocorona gira em torno de 50%. “Temos uma situação bem mais controlada e tranquila do que outras regiões do país”, diz ela. “Mas epidemia exige atenção constante, então faremos todo e qualquer ajuste que o cenário exigir.”

Isolamento social - Segundo a secretária, é importante que a população continue respeitando as medidas de isolamento social (para os grupos de risco) e distanciamento social (para todos) para que a cidade atravesse a pandemia com o menor impacto negativo possível. (Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Curitiba)

FOTO: Cássio Ferreira / SMCS

Clique aqui para acessar na íntegra a Resolução nº 1, da Prefeitura de Curitiba

 


Versão para impressão


RODAPE