Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4786 | 20 de Março de 2020

COVID-19: Sistema Ocepar suspende Assembleia Geral Ordinária

O Sistema Ocepar suspendeu por tempo indeterminado a Assembleia Geral Ordinária (AGO) que seria realizada no dia 2 de abril, em Curitiba. A decisão foi tomada pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 da entidade, em atendimento às recomendações dos órgãos oficiais de saúde visando conter a proliferação do coronavírus.

Impactos - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken concedeu entrevista ao Informe Paraná Cooperativo, em que fez uma análise sobre os impactos do Covid-19 no setor cooperativista paranaense. Segundo o dirigente, “o momento é de muita atenção; nossa prioridade é atender as demandas de todas as cooperativas paranaenses. Na quarta-feira (18/03), realizamos uma videoconferência com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, juntamente com as cooperativas que têm frigoríficos, quando foram apresentadas todas as preocupações sobre os impactos que acontecerão no setor, caso haja necessidade de paralisação das atividades. Também realizamos uma ação positiva e intensa com o Ministério da Saúde, visando atender as demandas que surgiram devido ao novo coronavírus”, frisou.

Abastecimento - O presidente ainda afirmou que, neste momento, a preocupação do setor, além de tomar todas as medidas preventivas para a não proliferação do vírus, é com o abastecimento da população. “Não podemos conceber que as pessoas fiquem doentes e que porventura falte alimento em suas casas. O setor cooperativista e todas suas agroindústrias precisam continuar funcionando em regime especial, para que garantam segurança a seus funcionários, mas que possam continuar produzindo comida para o abastecimento interno. Nós somos contra o fechamento de qualquer planta frigorífica ou outra que produza alimento ou que pessoas façam movimentos na tentativa de dificultar a entrada de profissionais e funcionários desses frigoríficos neste momento grave. Seria o caos”, disse. “Portanto, nós vamos, com toda tranquilidade, fazer aquilo que for necessário, seguindo essa nossa missão de pleno abastecimento, pela importância das cooperativas, que tem dado uma contribuição importante na geração de emprego e renda para as cidades paranaenses”.

Medidas - Na entrevista, o dirigente ainda falou sobre as principais medidas que o Sistema Ocepar adotou nos últimos dias para mitigar os impactos da circulação do vírus junto ao seu corpo de funcionários como, por exemplo, suspender viagens, reuniões e acesso de pessoas na sede, dispensar aquelas pessoas que estão nos grupos de risco, conforme orientação das autoridades de saúde, mães com filhos com menos de 12 anos, permitir o trabalho remoto para funcionários, além de suspender a realização da Assembleia Geral Ordinária, que ocorreria no dia 2 de abril, em Curitiba, entre outras ações importantes.

Clique aqui para conferir na íntegra a entrevista com o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken

 

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

Atividades - Segundo o Comitê, a entidade segue com suas atividades internas, com um grupo de profissionais trabalhando em regime de plantão, sem atendimento ao público externo. Os demais funcionários estão atuando de forma remota. Confira abaixo algumas das principais medidas adotadas e, na sequência, os links para os comunicados já emitidos pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 do Sistema Ocepar.

MEDIDAS

  1. Suspender por tempo indeterminado a realização da Assembleia Geral Ordinária do Sistema Ocepar, que aconteceria no dia 2 de abril;
  2. Adiar as reuniões da Diretoria da Ocepar, da Fecoopar, do Conselho Administrativo do Sescoop/PR;
  3. Suspender todas as viagens de trabalho e reuniões presenciais dos nossos colaboradores, até nova determinação;
  4. Priorizar que as atividades internas sejam realizadas através de videoconferências;
  5. Evitar a recepção de público externo e, se for urgente, receber nas salas de reuniões do piso térreo de forma rápida para reduzir a circulação;
  6. Suspender ou reagendar a prestação de serviços das empresas terceirizadas contratadas;
  7. Estabelecer horário de trabalho flexível para os colaboradores que utilizam diariamente transporte público, com objetivo de evitar os horários com maior concentração de pessoas;
  8. A decisão em dar continuidade à realização dos eventos e cursos, com o apoio do Sistema Ocepar por meio do Sescoop/PR, de forma descentralizada, é de responsabilidade de cada cooperativa, a qual, através do seu agente de desenvolvimento humano, deverá comunicar o Sescoop/PR sobre adecisão tomada para providências, de acordo com os normativos internos. Já os cursos centralizados, de responsabilidade do Sescoop/PR, estão suspensos provisoriamente;
  9. Colaboradores que apresentarem sintomas característicos do Covid-19 - conforme orientação do Ministério da Saúde - ou que nos últimos dias mantiveram contato com familiares, amigos e possíveis infectados que apresentem tais sintomas, deverão comunicar o seu superior imediato e o Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 do Sistema Ocepar, para que tome as providências necessárias;
  10. Permitir, de imediato, o trabalho remoto aos colaboradores para que possam cumprir com as recomendações do Ministério da Saúde.

LINKS

Comunicado 1

Comunicado 2

Comunicado 3

{vsig}2020/noticias/03/20/covid_10/{/vsig}

FRIMESA: Agronegócio contra o coronavírus

A Frimesa, juntamente com suas filiadas – C.Vale, Copacol, Primato, Copagril e Lar, participou, na quarta-feira (18/03), de uma videoconferência com a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina e o secretário de Agricultura do Paraná, Norberto Ortigara. A ação foi intermediada pela Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) juntamente com o Sistema Ocepar.

Ações - Os líderes atualizaram as ações voltadas ao agronegócio após os reflexos ocorridos pelo Coronavírus e as medidas necessárias para conter a disseminação, especialmente nas cooperativas que atuam nas áreas de carne suína e aves. “Manifestamos nossa preocupação com os impactos, caso aconteça a paralisação das atividades das plantas indústriais, tanto sociais como econômicos. Por isso, pedimos apoio no cumprimento nas ações preventivas, estamos realizando ações antecipadas, e seguimos com as determinações do Ministério da Saúde, para evitar que isso aconteça”, conta o diretor-executivo da Frimesa, Elias Zydek.

Funcionamento - A ministra, Tereza Cristina, afirmou que até o momento as providências preventivas tomadas no Brasil não afetam o funcionamento das indústrias de alimentos, mantém o fluxo normal das cadeias produtivas e garante o abastecimento de alimentos. “Precisamos dialogar para que os impactos sejam menores possíveis, tanto econômico como sociais, e que a vida das pessoas, seja preservada”, explica.

Reuniões - As reuniões serão constantes, e uma já está prevista para o próximo dia 25, para falar sobre o andamento das ações.

Sugestões - As cooperativas apresentaram algumas propostas para auxiliar o ramo cooperativista nesse período crítico. Entre elas está a criação de uma linha emergencial, com o objetivo de manter a parte econômica dos empreendimentos cooperativos, diante da possibilidade de uma interrupção. A ministra Tereza Cristina disse que a equipe da Secretaria de Política Agrícola já está trabalhando em uma linha estruturada junto com o BNDES, visando atender uma possível necessidade.

Escassez - Outra preocupação é com a possibilidade de escassez de ingredientes ativos para continuidade das atividades agroindustriais, como vitaminas, essenciais no processo de produção e processamento de produtos. Os líderes cooperativistas enalteceram que a atividade econômica, os compromissos firmados com o mercado comprador, tanto interno como externo, não poderão ser alvos de paralização sob pena de prejudicar todo o abastecimento da população e ocasionar uma crise sem precedentes para toda sociedade e para a cadeia agroindustrial.

Participação - Participaram da conferência também líderes da Coopavel, Coasul, Castrolanda, Frísia, Cocari e das cooperativas de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, superintendente da Ocesc, Neivo Luiz Panho, além de um representante da Fecoagro e dos presidentes do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, e do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Plano de Contingência - A Frimesa divulgou, na terça-feira (17/03), o Plano de Contingência ao Coronavírus. Entre as principais ações estão:

- Orientações constantes nos meios de comunicação internos.

- Reforço na higienização dos espaços e disponibilização de álcool gel.

- Suspensão de qualquer evento que aglomere pessoas.

- Reuniões são realizadas por videoconferência.

- Viagens nacionais e internacionais serão evitadas.

- Suspenso acesso de visitantes em todas as plantas industriais.

- Implantado protocolo interno em caso suspeito de Covid – 19.

- Quarentena para os colaboradores que estiveram em viagem.

- Trabalho home office, somente onde houve bloqueio de circulação de pessoas.

- Verificação de temperatura corporal.

- Reposição de alimentos nos mercados em horário de menos fluxo de pessoas.

- Jornada de trabalho flexível para evitar aglomeração nos transportes públicos.

- Seguir obrigatoriamente as recomendações do Ministério da Saúde.

(Imprensa Frimesa)

{vsig}2020/noticias/03/20/frimesa/{/vsig}

PROTEÍNA ANIMAL: ABPA se manifesta em relação ao fluxo de oferta de alimentos a população

abpa 20 03 2020A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informa que os setores de aves, ovos e suínos do Brasil estão empenhados na manutenção do fluxo de oferta de alimentos para a população brasileira, em meio à crise do Covid-19.

Prioridades - Para as empresas associadas, a saúde das equipes e a oferta de alimentos para a população são prioridades indiscutíveis.

Comitês - Por este motivo, há duas semanas a ABPA já havia implantado comitês internos para a mitigação dos impactos desta crise no sistema produtivo. Dentre as medidas setoriais adotadas, as empresas intensificaram as orientações sanitárias em toda a sua estrutura. Visitas em unidades estão suspensas, salvo casos absolutamente necessários.

Apoio - ABPA também tem apoiado o Ministério da Agricultura nos esforços para a manutenção na produção, assim como no fluxo regular de ração para os animais nas unidades produtoras.

Ao mesmo tempo, a associação solicitou aos governadores dos estados onde há produção que sejam mantidas as vias de escoamento e entrada de alimentos e insumos, em caso de implantação de restrição de trânsito de pessoas.

Preservação- Com o quadro de desabastecimento observado em outras nações, a prioridade da avicultura e da suinocultura do país está na preservação da produção de alimentos básicos como carne de frango, carne suína e ovos, que são estratégicos para a segurança e o bem-estar da população do País. (ABPA)

 

PDGC: Programa de gestão para coops tem novo ciclo

pdgc 20 03 2020Um novo ciclo. Uma nova oportunidade de fazer sua cooperativa crescer! É o Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas, mais conhecido como PDGC, e que teve o ciclo 2020 lançado recentemente pelo Sescoop, com o objetivo de promover a adoção de boas práticas de gestão e de governança pelas cooperativas brasileiras.

Instrumentos de avaliação - Aplicado por meio de instrumentos de avaliação, que permitem um diagnóstico objetivo da governança e da gestão – o programa é realizado em ciclos anuais, visando à melhoria contínua dos processos gerenciais.

Diferencial - “O principal diferencial do  PDGC é que o modelo, desenvolvido em parceria com a Fundação Nacional da Qualidade, é totalmente customizado para o cooperativismo, considerando as particularidades do nosso modelo societário, e contemplando o referencial de excelência em gestão”, comenta o presidente do Conselho Nacional do Sescoop, Márcio Lopes de Freitas.

Números - Desde a implantação do PDGC, em 2013, o número de participações no programa tem aumentado a cada ciclo. “A evolução dos índices – de lá pra cá – demonstra que investir continuamente na melhoria dos processos de governança e gestão é, não só possível, como necessário para que a cooperativa permaneça competitiva no mercado em que atua”, reforça Susan Vilela, gerente de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas do Sistema OCB, Susan Vilela. Desde sua implantação, o PDGC já beneficiou mais de 1,8 mil cooperativas.

Revisão - Segundo a gerente, em fevereiro foi aberto o ciclo 2020 e para esse ano não há alteração na metodologia e nos questionários, uma vez que uma grande revisão foi realizada em 2019, quando o instrumento de governança se tornou mais robusto e alinhado às atuais práticas de mercado.

Autoavaliação - “O importante para o ciclo 2020 é que a cooperativa faça sua autoavaliação e continue traçando seus planos de ação para que seus processos estejam no ciclo da melhoria contínua. A gente sabe que as empresas mais bem-sucedidas no mundo promovem constantemente a evolução e a inovação em seus processos, determinando resultados muito satisfatórios no longo prazo”, comenta Susan.

Site - Para realizar a autoavalição em Governança e Gestão basta acessar o site do PDGC, onde é possível além de cadastrar a cooperativa, acessar todos os materiais de apoio do programa.

Prêmio - Ao participar do PDGC, a cooperativa pode optar por participar também do Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão, que reconhece o comprometimento das cooperativas com a própria gestão, premiando as melhores, em cada nível de maturidade. O prêmio ocorre a cada dois anos. A próxima edição será em 2021.

Como funciona- O Instrumento de Avaliação é dividido em dois questionários. A cooperativa primeiro responde ao Questionário de Governança, baseado no Manual de Boas Práticas de Governança Cooperativa do Sistema OCB – um modelo de direção estratégica, fundamentado nos valores e princípios cooperativistas. Na sequência, responde ao Questionário de Gestão, que avalia a gestão da coop com base no Modelo de Excelência da Gestão® (MEG) – um referencial utilizado para promover a melhoria da qualidade da gestão e o aumento da competitividade das organizações.

Devolutiva - Após o preenchimento dos questionários, a cooperativa recebe de forma automática uma devolutiva, onde a partir das oportunidades de melhoria apresentadas será possível definir e implementar ações para o desenvolvimento da cooperativa. Na devolutiva também são gerados índices para acompanhamento e monitoramento da melhoria nos processos da cooperativa. (Informe OCB)

Quer saber mais? Clique aqui.

 

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Cooperativa e Prefeitura de Anahy (PR) anunciam novo projeto social

sicredi vale 20 03 2020O presidente da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, Jaime Basso, e o prefeito de Anahy (PR), Carlos Antônio Reis, anunciaram uma nova parceria e apresentaram um novo projeto social, a Escola de Futebol Furacão, que conta ainda com o apoio do Club Athletico Paranaense e da Cooperativa Agroindustrial Consolata (Copacol). A iniciativa atenderá crianças de sete a 16 anos e oferecerá treinamento esportivo, uniforme e orientação de professores e profissionais de educação física.

Comprometimento - Para Jaime Basso, o novo projeto social reforça o comprometimento da cooperativa com o desenvolvimento social das localidades em que está presente. “O Sicredi é a única instituição financeira em Anahy. Com isso, facilitamos a vida das pessoas e ativamos a economia da cidade, mas queremos estar cada vez mais perto e a Escola de Futebol Furacão vai nos aproximar muito de nossos associados, das suas famílias e da cidade como um todo”, declara.

Papel - O prefeito Carlos Antônio Reis destacou o importante papel da instituição financeira na rotina da cidade. “O Sicredi vai ainda mais longe quando nos enxerga além de um negócio e se torna um parceiro, como é o caso dessa nova inciativa que será extremamente importante para o desenvolvimento e bem-estar de nossas crianças e adolescentes. O Club Athletico Paranaense utilizará o seu know how do clube e sua marca. O Sicredi nos auxiliará na aquisição dos uniformes e demais materiais que os alunos precisarão”, explica o prefeito, destacando ainda a importância da cooperativa nos projetos sociais e no desenvolvimento da comunidade, como durante a campanha Natal Encantado, que proporciona momentos de alegria e entrega brinquedos e doces para as crianças do município.

Pagamento e transações - Atualmente todos os pagamentos e transações realizadas na prefeitura são feitos pela instituição, que conta com uma gestão comprometida com a comunidade em que está inserida. “Hoje temos um facilitador. Antes nossas operações eram realizadas por correspondentes bancários e isso nos causava limitações. Enfrentávamos restrições de valores e de operações. Agora, temos ferramentas para operar nosso dia a dia com segurança e estrutura necessária. O Sicredi tem um atendimento personalizado, próximo ao associado”, encerra o prefeito.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri é uma cooperativa com 31 anos de história e mais de 144 mil associados, distribuídos em 82 agências. A Cooperativa atua nas regiões Oeste e Noroeste do Paraná, além de São Paulo (capital) e ABCD Paulista. A instituição se destaca pelo atendimento aos associados e pela preocupação com o desenvolvimento da comunidade.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

PARANÁ: Setor de bioenergia doa álcool ao governo do estado

O setor de bioenergia do Paraná está fazendo a doação de aproximadamente 200 mil litros de álcool hidratado para que sejam distribuídos, pelo governo do estado, a hospitais, creches e no atendimento à população mais necessitada.

Anúncio - O anúncio foi feito pelo presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), Miguel Tranin, em reunião na quarta-feira (18/03) no Palácio Iguaçu com a presença do governador Ratinho Júnior, chefia da Casa Civil e secretários para decidir sobre medidas de apoio ao enfrentamento à pandemia do coronavirus.

Ajuda - Segundo Tranin, 19 unidades produtoras do Paraná estão fazendo a doação de 10 mil litros cada. “O setor atendeu prontamente a um pedido das autoridades, visando a ajudar a conter a velocidade de propagação do vírus. É uma contribuição em solidariedade à população neste momento difícil”, declarou. (Assessoria de Imprensa da Alcoopar)

INFRAESTRUTURA: Portos do Paraná continuarão funcionando normalmente

infraestrutura 20 03 2020Diante das restrições por causa do novo coronavírus e dos reflexos nas áreas econômica e da saúde, os portos do Paraná estão trabalhando 24 horas, nos sete dias da semana, para garantir o trânsito dos mais variados tipos de cargas. A atividade portuária é essencial para cadeia de alimentação global. Também é pelos portos que chegam insumos importantes para manter a população saudável, incluindo a importação de equipamentos médicos e ingredientes para fabricação de medicamentos.

Porta de entrada - “O porto é por onde chegam itens essenciais de alimentação, combustíveis e produtos de saúde. Além disso, a atividade portuária segura os efeitos devastadores das crises econômicas, mantendo a geração de emprego e renda nas cidades portuárias e contribuindo com o pagamento de impostos, que são usados pelas prefeituras em cuidados com a população”, explica o presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Segurança e contingenciamento - Desde janeiro, antes mesmo da Covid-19 ser considerada uma pandemia, a Portos do Paraná já adotava medidas de segurança e contingenciamento. “Nossa preocupação principal sempre será em colocar as pessoas em primeiro lugar, cumprindo nosso papel de alimentar o sistema global, com segurança e responsabilidade”, lembra.

Prioridade - Na quarta-feira (18/03), o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ressaltou em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, que a prioridade é manter os portos abertos. Segundo ele, é missão do ministério garantir a circulação e o abastecimento de insumos, mercadorias e itens básicos em todas as regiões do País. Ele destacou ainda que os portos são essenciais para o abastecimento e que haverá proteção máxima para continuidade das operações.

Segurança - Todo tripulante que chega ao porto de Paranaguá ou Antonina passa por um rigoroso processo de controle de saúde, seguindo exigências internacionais. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) exige que o comandante do navio mantenha e informe sobre qualquer condição de saúde e higiene a bordo.

Cuidados - O presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado do Paraná (Sindapar), Argyris Ikonomou, explica que todos os cuidados são tomados. “Existe uma minuciosa análise das condições de saúde a bordo. A tripulação é muito rigorosa, os órgãos de saúde do Brasil e de todo os países adotam cuidados muito sérios quanto a isso”, destaca.

População - Segundo ele, a manutenção das atividades portuárias não afeta a segurança da população, tanto que seguem em todo o mundo. “Se isolássemos Paranaguá do resto do mundo, como faríamos se mercadorias não pudessem entrar ou sair da cidade? Como iríamos abastecer os mercados, as casas? O porto é porta de entrada para o País e para o mundo. Para o Brasil e para a população é necessário que essa porta continue aberta”, defende.

Fake news - Esta semana, a Portos do Paraná desmentiu boatos de que haveria paralisação de atividades. Todas as atividades de carga e descarga, por navios, caminhões, ou trens, serão mantidas normalmente. A empresa pública reitera que está adotando todas as medidas de prevenção ao Covid-19 e publicou nesta quarta-feira (18/03) a Ordem de Serviço 64/2020, com todas as ações tomadas para proteger os trabalhadores e toda comunidade.

Prejuízos - “Os boatos sobre qualquer tipo de interrupção nas atividades portuárias são falsos e prejudicam a economia e País. O Porto de Paranaguá é a maior fonte de emprego e renda no Litoral e tem um papel importante no comércio exterior, sendo essencial para o agronegócio e a indústria do Paraná e do Brasil. Por isso, a disseminação de fake news sobre o tema é um desserviço aos brasileiros”, trazia o texto.

Grupo de contingência - A empresa pública reforça que criou um grupo de contingência e que todos os serviços essenciais para a operação serão mantidos, dentro do cuidado com a saúde e segurança dos colaboradores.

Balanço - Neste mês de março, até esta quinta-feira (19/03), os portos do Paraná movimentaram 3.144.852 toneladas de cargas. Hoje, são 11 navios atracados, 19 ao largo e 8 programados. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SISTEMA FINANCEIRO: BC determina que bancos ajustem horários de atendimento em agências

sistema financeiro 20 03 2020O Banco Central do Brasil determinou nesta quinta-feira (19/03) que os bancos ajustem seus horários de atendimento ao público nas agências. O objetivo é “assegurar a saúde da sociedade decorrente da Covid-19 e ao mesmo tempo garantir a prestação de serviços essenciais”.

Canais digitais - Em nota, o BC recomenda “fortemente” que os clientes de produtos e serviços bancários utilizem preferencialmente os diferentes canais digitais disponíveis, como internet banking e aplicativos para smartfones e, se necessário, recorram aos caixas eletrônicos.

Essenciais - “Não sendo possível realizar suas transações por meio dos canais digitais, a sociedade poderá recorrer às agências bancárias para realizar suas transações essenciais, como saque de dinheiro, pagamento de contas ou transferência de recursos”.

Planos de contingência - O BC informou ainda que, em conjunto com as instituições financeiras, está trabalhando em planos de contingência para facilitar que todos os serviços essenciais sejam prestados à sociedade.

Novos horários - “Os bancos deverão informar seus clientes quanto aos novos horários de funcionamento das suas agências, bem como outras medidas emergenciais destinadas a evitar aglomerações de pessoas, mas sempre assegurando a prestação de serviços essenciais”, finalizou o BC. (Agência Brasil)

FOTO: Antônio Cruz / Agência Brasil

 

ECONOMIA I: Trabalhador com jornada reduzida terá antecipação do seguro-desemprego

Os trabalhadores que ganham até dois salários mínimos e tiverem redução de salário e de jornada por causa da crise do coronavírus receberão a antecipação de parte do seguro-desemprego, anunciou nesta quinta-feira (19/03) o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco.

Complementação - A complementação será equivalente a 25% do que o trabalhador teria direito mensalmente caso requeresse o seguro-desemprego. Segundo o Ministério da Economia, a medida custará R$ 10 bilhões, que virão do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e beneficiará mais de 11 milhões de pessoas.

Percentual - Por se tratar de uma antecipação do seguro-desemprego, o trabalhador receberá 75% do benefício quando for demitido.

Primeiros 15 dias - Bianco anunciou que o governo pretende arcar com os 15 primeiros dias de afastamento caso o empregado contraia a Covid-19. Atualmente, as duas primeiras semanas de afastamento são pagas pela empresa.

Antecipação - O governo também concederá uma antecipação de R$ 200 a pessoas com deficiência que estão na lista de espera para receberem o Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a famílias de baixa renda. Essa medida beneficiará 470 mil pessoas e custará cerca de R$ 5 bilhões.

Congresso Nacional - As mudanças, informou o secretário, serão enviadas ao Congresso Nacional por meio de projeto de lei.

Agências do INSS - O governo também simplificará os protocolos e reforçará o atendimento virtual nas agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Todos os serviços, inclusive as perícias médicas, passarão a ser remotas.

Sem restrição - Segundo o secretário, o governo não restringirá o direito aos benefícios. Apenas tentará reduzir ao máximo a procura às agências do INSS. “O público que visita as agências é formado por pessoas doentes ou incapacitadas para o trabalho, pessoas com deficiência, idosos e a população vulnerável do nosso país”, explicou.

Atendimento reforçado - O atendimento remoto será reforçado. As agências manterão plantão reduzido apenas para orientação e esclarecimento sobre a forma de acesso aos canais de atendimento remoto. Em relação aos benefícios por incapacidade ou auxílio doença, o benefício será concedido com base apenas no atestado do médico particular.

Incapacidade ou doença - O trabalhador com incapacidade ou doença poderá enviar o atestado do médico particular no sistema Meu INSS, disponível na internet e por smartphone, depois de preencher um cadastro. A partir daí, o tratamento do benefício se dará sem a necessidade de perícia presencial enquanto durarem as restrições à circulação de pessoas. “Neste momento de crise, benefício será concedido rapidamente com base no atestado particular”, assegurou Bianco.

Exigências - O INSS dispensará exigências para resguardar o reconhecimento de direitos dos segurados e beneficiários, enquanto perdurar a emergência em saúde pública. Os servidores do órgão e os peritos médicos federais trabalharão a distância, sujeitos a metas de desempenho. Eles poderão reforçar a análise de benefícios para acelerar a concessão. Atualmente, explicou o Ministério da Economia, 90 dos 96 serviços do INSS podem ser requeridos e concedidos pelo 135 ou pelo aplicativo Meu INSS.

Cadastro único - Além da prova de vida, o Ministério da Economia suspendeu a exigência de inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) para o recebimento do Benefício de Prestação Continuada (BPC). Para requerer o auxílio emergência (voucher) de R$ 200, não é necessário se inscrever no CadÚnico. Segundo a pasta, quem não estiver inscrito será alcançado pelo Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) do INSS. A medida tem como objetivo evitar o deslocamento da população mais vulnerável aos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) de cada cidade.

Saques - O Ministério da Economia orientou ainda os segurados do INSS a evitar sacar os benefícios no banco. O INSS permitirá os saques por terceiros, por meio de procuração pública, sem a necessidade de averbação no órgão. (Agência Brasil)

ECONOMIA II: Ministério divulga medidas tomadas em função do Covid-19

corona economia 20 03 2020Nesta semana, o Ministério da Economia anunciou, apoio do Grupo de Monitoramento dos Impactos do Covid-19, diversas ações que foram tomadas devido à expansão do Covid-19, o novo coronavírus, no país. São medidas que contemplam empresas e trabalhadores. Veja abaixo um resumo das medidas que estão sendo implementadas.

 

16 de março de 2020:

>>  Algumas medidas já tomadas podem injetar R$ 147,3 bilhões na economia. A maior parte (R$ 83,4 bilhões) direcionados para a população mais idosa e quase R$ 60 bilhões irão para a manutenção de empregos;

 >>  Para dar mais capital de giro para as empresas, o governo suspendeu por três meses o prazo para empresas pagarem o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e também a parte referente à parcela da União no Simples Nacional;

>>  Nesse sentindo ainda, as contribuições devidas ao Sistema S sofrerão redução de 50% por três meses para não afetar o caixa das empresas;

>> O governo antecipou a segunda parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas do INSS para o mês de maio. Antes, já tínhamos anunciado que a primeira parcela seria antecipada para abril;

>> Para colocar ainda mais recursos na praça para movimentar a economia, vamos transferir os valores não sacados do PIS/Pasep para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para permitir novos saques;

 >> E antecipar para junho o pagamento do abono salarial;

 >> Para reforçar a Saúde, o governo vai destinar o saldo do fundo do DPVAT para o Sistema Único de Saúde (são mais R$ 4,5 bilhões);

 >> Cortamos temporariamente o IPI para bens produzidos internamente ou importados, que sejam necessários ao combate do Covid-19;

 >> Facilitamos a renegociação de operações de créditos de empresas e de famílias porque dispensamos os bancos de aumentarem a poupança que têm de deixar em caixa (provisionamento) caso essa repactuação ocorra nos próximos seis meses;

>> Demos mais artilharia aos bancos para realizar as eventuais renegociações e de manter o fluxo de novos empréstimos porque baixamos a necessidade de capital próprio para a chamada "alavancagem". Na prática, os bancos vão precisar ter menos dinheiro em caixa para fazerem as operações. Só essa mudança pode aumentar a capacidade de concessão de crédito em torno de R$ 637 bilhões.

17 de março de 2020: 

 >> A taxa de juros do empréstimo consignado para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) passará dos atuais 2,08% ao mês para 1,80% ao mês, enquanto a taxa para o cartão de crédito será reduzida de 3% ao mês para 2,70% ao mês;

18 de março de 2020:

 >> Pedimos ao Congresso Nacional para declarar Estado de Calamidade para que o governo possa gastar mais recursos para garantir a saúde e o emprego dos brasileiros. Com isso, o Ministério da Economia poderá reavaliar a meta de resultado primário de 2020; 

>> Reduzimos a zero as alíquotas de importação de produtos de uso médico-hospitalar;

>>  Camex zera Imposto de Importação de 50 produtos para o combate ao coronavírus. A Resolução abrange desde luvas, máscaras e álcool etílico até respiradores, para facilitar o atendimento da população e minimizar os impactos econômicos da pandemia;

 >> A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) suspenderá atos de cobrança e facilitará a renegociação de dívidas em decorrência da pandemia. As medidas serão publicadas no Diário Oficial da União;

 >> A Receita Federal simplifica despacho aduaneiro de produtos de uso médico-hospitalar destinados ao combate da Covid-19;

 >> Suspensão, por cento e vinte dias, da exigência de recadastramento anual de aposentados, pensionistas e anistiados políticos civis, e também da realização de visitas técnicas, para comprovação de vida.

>> Ampliamos os valores destinados às medidas emergenciais de até R$ 147,3 bilhões, inicialmente, para R$ 169,6 bilhões. Desse total, R$ 11,8 bilhões serão destinados diretamente ao combate à pandemia; até R$ 98,4 bilhões para assistência a população mais vulnerável; e até R$ 59,4 bilhões para manutenção de empregos;

 >> O Governo anunciou a criação de um auxílio emergencial no valor R$ 200, por pessoa, durante três meses, para apoiar trabalhadores informais, desempregados e microempreendedores individuais (MEIs) que integrem família de baixa renda. A medida vai beneficiar de 15 a 20 milhões de brasileiros e injetar até R$ 5 bilhões por mês na economia custeados com recursos da União;

>> Esse auxílio emergencial não pode ser acumulado com benefícios previdenciários, Benefício de Prestação Continuada (BPC), Bolsa Família ou seguro-desemprego;

>> Criação de programa para evitar demissões neste período de pandemia. O Ministério da Economia vai criar o Programa Antidesemprego. O objetivo da iniciativa é facilitar as negociações trabalhistas de modo a reduzir os custos do contrato de trabalho e preservar os vínculos empregatícios, dentro dos limites previstos na Constituição Federal;

>> O programa prevê a adoção das seguintes medidas: teletrabalho, antecipação de férias individuais, decretação de férias coletivas, adoção e ampliação de banco de horas, redução proporcional de salários e jornada de trabalho, antecipação de feriados não religiosos, além do diferimento do recolhimento do FGTS durante o estado de emergência, que já havia sido anunciado;

>> Em função da urgência da crise do Covid 19, adiamos a realização do Censo do IBGE para 2021. Com isso, vamos direcionar os recursos (R$2,3 bilhões) que seriam necessários para a realização do levantamento para  para a Saúde.

>> Vamos adotar também licença não automática para exportação de produtos necessários ao combate ao Covid-19, como álcool em gel, antissépticos, máscaras e respiradores. O objetivo é priorizar o abastecimento desses produtos no mercado interno.

>> O licenciamento não automático permitirá que o governo tenha a capacidade de avaliar os pedidos de exportação de produtos necessários para o combate à Covid-19. Normalmente, as exportações desses produtos não estão sujeitas a qualquer tipo de restrição. A partir de agora, enquanto for necessário, o governo brasileiro fará o monitoramento dessas exportações para garantir o pleno abastecimento interno de itens essenciais para o combate da Covid-19, ao mesmo tempo em que pode liberar as vendas externas do excedente produtivo.

(Ministério da Economia)

FOTO: Albino Oliveira - Ascom/Ministério da Economia

 

CORONAVÍRUS I: Ministério muda protocolo de atendimento em posto de saúde

corona I 20 03 2020O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (19/03) mudanças nos protocolos adotados nos postos de saúde em razão da epidemia do novo coronavírus. As novas regras dizem respeito ao atendimento dos pacientes com sintomas da doença e ao encaminhamento de casos mais graves.

Comunicação imediata - De acordo com o protocolo, pessoas com sintomas respiratórios devem comunicar a situação assim que chegarem aos postos. Quem estiver nessa condição terá um tratamento específico, com prioridade para idosos acima de 60 anos, pessoas com doenças crônicas, gestante e mulheres dentro do prazo de até 45 dias após o parto.

Triagem mais rápida - Parte do protocolo envolve um sistema de triagem mais rápido (fast track, no termo em inglês), no qual o paciente com sintomas é levado para um local específico e profissionais levantam as informações, mantendo distanciamento adequado. A orientação do ministério é que esses espaços sejam ventilados, de modo a evitar os riscos de contágio.

Sintomas leves - Os casos com sintomas leves de gripe, sem dificuldades respiratórias ou doenças preexistentes, serão atendidos no próprio posto de saúde. Em cidades com transmissão comunitária, a síndrome gripal será tratada como infecção pelo novo coronavírus e o paciente será encaminhado ao isolamento domiciliar do paciente e dos familiares por 14 dias.

Isolamento - Nas demais regiões, também vale o isolamento, com monitoramento pelos profissionais de saúde a cada 48h. Caso familiares também apresentem sintomas, o que pode ser indicação de infecção, devem utilizar máscaras, inclusive quando forem procurar atendimento na unidade de saúde.

Hospitais - Já os casos mais graves serão encaminhados para hospitais. Isso envolve pessoas com dificuldade de respirar e com doenças cardíacas, respiratórias crônicas, renais ou cromossômicas.

Postos de saúde - Em entrevista coletiva para atualizar a situação da epidemia no país concedida nesta quinta-feira (19/03), a equipe do Ministério da Saúde voltou a enfatizar que pessoas com sintomas sem complicações não devem sobrecarregar o sistema de saúde. “Pessoas não devem procurar portas de urgência ou hospitais. O local para ser procurado são os postos de saúde de todo o Brasil”, explicou o secretário de atenção primária à saúde do Ministério da Saúde, Erno Herzheim.

Testes - Na entrevista coletiva, os representantes do Ministério da Saúde também argumentaram que, diante da impossibilidade de testar todas as pessoas, os exames serão realizados prioritariamente em situação grave, como em internação. Em diversas cidades vêm havendo reclamações de dificuldade para efetuar o teste.

Prioridade - “Nossa prioridade é poder ter garantia do teste para casos graves. Ninguém vai ser prejudicado por não fazer o teste. Ele serve para saber quem tem coronavírus e entrar em isolamento. Já estamos recomendando que pessoas com sintomas entrem em isolamento. Os assintomáticos não fariam teste. Não tem como fazer teste agora”, pontuou o secretário executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis. (Agência Brasil)

FOTO: Wilson Dias / Agência Brasil

 

CORONAVÍRUS II: Governo do Estado reforça em R$ 100 milhões o orçamento da Saúde

corona II 20 03 2020O governador Carlos Massa Ratinho Junior determinou para a Secretaria da Fazenda a liberação de R$ 100 milhões para utilização em ações de enfrentamento ao novo coronavírus. O valor vai reforçar o orçamento da Secretaria da Saúde.

Aquisição - Os recursos permitirão a aquisição de equipamentos, insumos, novas enfermarias e leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), manutenção dos serviços essenciais de atendimento nos espaços já existentes e ajuda no controle de acesso ao Estado nas divisas e fronteiras, conforme decreto estadual publicado na quarta-feira (18/03). Além disso, poderá ser aplicado em custeio de ações prioritárias e eventual ajuda aos municípios.

Planejamento - “Os recursos vão agilizar o planejamento do Estado no combate ao coronavírus. Tomamos decisões diárias para conter a pandemia. Essa medida é parte de um planejamento dos técnicos da saúde e da área administrativa para diminuir o impacto da doença sobre a população”, afirmou Ratinho Junior. “Queremos evitar o colapso da saúde e o colapso econômico, porque essa crise não é temporária. Temos uma maratona a ser vencida”.

Leitos - Uma das primeiras medidas é a contratação de 100 a 120 leitos novos de UTI, que serão agregados ao estoque atual que soma 1,6 mil leitos em 61 hospitais aptos para receber pacientes graves. Também deverão ser contratados outros 200 a 250 leitos de enfermaria.

Suspensão - “Vamos suspender a partir de segunda-feira (23/03) as cirurgias eletivas, principalmente as bariátricas, para preparar a nossa rede para receber os pacientes. Teremos mais vagas e condições para enfrentar essa crise. Compramos ontem 50 ventiladores, mais respiradores e 200 monitores multiparâmetros”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

Transporte sanitário - A Secretaria de Saúde também diminuiu o transporte sanitário de pessoas do Interior para a Capital, com intuito de limitar a ocupação dos hospitais. O trânsito ficará restrito a cardiologia, nefrologia, oncologia e gravidez de alto risco. “Tudo isso para ajudar o enfrentamento contra esse coronavírus, para o momento de maior crise que se avizinha com a chegada do outono”, acrescentou o secretário.

Rede - O Paraná tem uma rede contratada de hospitais próprios, municipais, universitários, de santas casas, privados e privados-filantrópicos para atender a demanda estadual de atendimento. Dez são considerados estratégicos dentro dessa rede (urgência e emergência). Em Curitiba, o Complexo Hospitalar do Trabalhador, no bairro Portão. Nas outras regiões, o Hospital Universitário do Oeste do Paraná, em Cascavel; o Hospital Regional do Sudoeste, em Francisco Beltrão; o Hospital Universitário da Região Norte do Paraná, em Londrina; o Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá; o Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais, em Ponta Grossa; o Hospital Municipal de Foz do Iguaçu Padre Germano Lauck; e o Hospital Regional de Maringá; o UOPECCAN, em Umuarama; e o Instituto Lucena Sanchez, em Ivaiporã.

Governo federal - O Governo do Estado também solicitou R$ 100 milhões adicionais para o Ministério da Economia para enfrentamento ao novo coronavírus. Os secretários de Fazenda de todo o País pediram R$ 5 bilhões para o financiamento de ações emergenciais de saúde pelos próximos 3 meses - o equivalente a R$ 1,66 bilhão por mês.

Repasse - Em ofício endereçado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o Comsefaz (Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal) requereu o repasse de R$ 14 bilhões mensais para os estados cobrirem perdas financeiras com a queda nas receitas em decorrência da crise.

Ministério da Saúde - O Governo do Estado ainda aguarda cerca de R$ 23 milhões do Ministério da Saúde. A pasta anunciou nesta semana a liberação de R$ 432 milhões aos estados para o reforço do plano de contingência encaminhado pelas unidades da federação. São R$ 2 por habitante.

Convocação - O governador também autorizou a contratação de mais 256 profissionais da saúde aprovados em concurso público para encorpar a força-tarefa contra o coronavírus no Paraná. As nomeações constam nos decretos 4.299 e 4.300 publicados nesta quinta-feira (19/03). Como já foram aprovados em dezembro nos exames médicos, os novos servidores começam a trabalhar imediatamente.

Avaliações médicas - Outros 106 também foram convocados e estão finalizando nesta semana as avaliações médicas. Com isso, serão 362 novos servidores reforçando os quadros da Secretaria Estadual da Saúde.

Funções - Os profissionais que já foram nomeados assumirão funções de administrador, assistente social, assistente de farmácia, biólogo, enfermeiro, engenheiro agrônomo, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, inspetor de saneamento, médico, nutricionista, odontólogo, psicólogo, terapeuta ocupacional e técnicos administrativo, de enfermagem, de laboratório, de manutenção e de segurança do trabalho.

Regiões - Eles vão atuar em todas as regiões do Estado. Do total, 13 profissionais serão deslocados para atuar no Complexo Hospital do Trabalhador, em Curitiba.

Plano de ação  De acordo com a Secretaria da Saúde, os novos contratados foram habilitados no concurso público de 073/2016. Eles passam a pertencer ao quadro funcional do Estado, mas serão deslocados inicialmente para atividades com foco na redução da circulação do coronavírus no Paraná.

Plano de ação - O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, explicou que as nomeações fazem parte do plano de ação do Governo do Estado para enfrentamento ao vírus. "São profissionais que vão atuar em diversas Regionais de Saúde do Estado para ajudar a organizar o trabalho que vem sendo feito em todo Paraná contra o coronavírus”, afirmou. “Conseguiremos ofertar ainda mais possibilidades aos paranaenses neste momento de pandemia”, completou o secretário.

Mais estrutura - Além das equipes da saúde, ressaltou Beto Preto, estão previstas contratações de leitos de UTI, de aparelhos hospitalares e a validação de laboratórios privados para a confecção dos testes para descobrir se o paciente está ou não infectado.

Medidas diárias - “Estamos tomando medidas diárias para reforçar o quadro, articulando uma rede de proteção que garanta o atendimento de todos, especialmente daqueles que estão mais vulneráveis, como os idosos”, destacou Beto Preto.

Situação atual - A Secretaria de Estado da Saúde confirmou mais nove casos de coronavírus nesta quinta-feira (19), totalizando 23 no Paraná. São ainda 146 casos em investigação. Entre as confirmações, 17 são de Curitiba, dois de Cianorte e um de Campo Largo, Foz do Iguaçu, Maringá e Londrina. Outros quatro casos possivelmente serão confirmados em Curitiba. Os pacientes realizaram os testes em laboratórios privados ainda não habilitados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen/PR).

FOTO: Geraldo Bubniak/AEN

 

CORONAVÍRUS III: Estado determina fechamento de shoppings e academias

coronavirus III 20 03 2020O decreto 4.301/20 emitido nesta quinta-feira (19/03) pelo Governo do Estado determina o fechamento de shopping centers e estabelecimentos congêneres, além de academias e centros de ginástica. A medida vale por prazo indeterminado e é mais um esforço no sentido de evitar a propagação do novo coronavírus no Paraná.

Ofício - O Estado também emitiu um ofício para entidades de representação de restaurantes, bares e centros/polos gastronômicos com a recomendação para fechamento destes estabelecimentos até a meia-noite. O documento orienta para a necessidade de intensificação da higienização e limpeza de áreas comuns, além de alertar para a separação entre os clientes de, no mínimo, um metro de distância.

Anúncios - Os anúncios foram feitos pelo secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva, no Palácio Iguaçu. Ele disse que o Estado monitora todos os dias o avanço dos casos e adota as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS), levando em consideração, inclusive, casos de transmissão comunitária já detectados no País.

Combate - “Essa medida é parte de um planejamento. Todos os dias anunciaremos medidas de prevenção e restritivas, para fazer, de forma inteligente, e junto com a sociedade, o combate ao coronavírus. Cada Estado tem um comportamento, uma realidade. E nós usamos todas as análises dos técnicos da Secretaria de Saúde”, afirmou Guto Silva. “Nós queremos evitar as aglomerações para conter a circulação”.

Medidas - A suspensão das atividades desses estabelecimentos se soma a outras medidas restritivas, como a suspensão das aulas nas escolas e universidades públicas, e escolas privadas; inclusão de R$ 100 milhões no Orçamento da Saúde; o decreto de situação de emergência, que permite dispensa de licitações; a restrição na entrada de ônibus dos outros estados e do Distrito Federal; o uso das aeronaves oficiais para transporte de testes e emergências médicas; e medidas administrativas (fechamento de órgãos e parques públicos, interrupção de visitas, viagens e instituição de teletrabalho).

Coronavírus - A Secretaria da Saúde confirmou mais nove casos de coronavírus em Curitiba nesta quinta-feira (19). São cinco mulheres e quatro homens com idades entre 22 e 81 anos, que estiveram em São Paulo, Itália e Espanha. O balanço indica 23 casos confirmados, 146 em investigação e 122 descartados no Paraná, totalizando 291 notificações. (Agência de Notícias do Paraná)

 

CORONAVÍRUS IV: Curitiba amplia medidas de combate

corona IV 20 03 2020A Prefeitura de Curitiba está ampliando as medidas de contenção e prevenção ao novo coronavírus na cidade. As novas determinações contemplam, por exemplo, o fechamento de casas noturnas e academias, restrições de movimentação na Rodoferroviária e visitação de idosos, além de orientações para atendimento do público em estabelecimentos comerciais.

Deliberações - As deliberações foram feitas durante reunião do Centro de Operações de Emergência (COE), que se reuniu nesta quarta-feira (18/03), na Secretaria Municipal da Saúde. E foram chanceladas pelo Comitê de Técnica e Ética Médica, que orienta as decisões sobre o novo coronavírus na cidade.

Aglomerações - A determinação é para evitar aglomerações em locais fechados e diminuir o trânsito de pessoas – restringido assim a possibilidade de transmissão do vírus.

Lojas - A avaliação do Comitê é de que ainda não é o momento de decretar o fechamento de lojas, cujo atendimento pode ser adaptado de forma a evitar a transmissão. Curitiba ainda não tem nenhum caso de transmissão comunitária (apenas casos importados).

Análise permanente- O Comitê faz análise permanente do desenvolvimento do coronavírus e do funcionamento da cidade, a fim de que as medidas sejam as mais adequadas de acordo com situações que mudam dia a dia, em decorrência do avanço da pandemia.

Validade - As medidas valem a partir desta sexta-feira (20/3).

Idosos - Fica sendo obrigatório o isolamento domiciliar de pessoas com 70 anos ou mais e proibida a visitação de idosos nas instituições de longa permanência. Para idosos que estejam enfermos poderá ser autorizada a presença de um acompanhante, de acordo com avaliação do responsável técnico da instituição.

Serviços e comércio- Devem fechar:

- Casas noturnas, espetáculos, boates.

- Cinemas e teatros.

- Academias de ginástica, natação e esportes em geral.

- Salões de beleza.

- Escolas de música, artes, línguas e congêneres.

- Autoescolas.

- Tabacarias.

Funcionamento - Mantêm-se em funcionamento, mas respeitando novas orientações:

Lojas em geral (como de roupas, sapatos e acessórios).

Supermercados e hipermercados (incluindo os mercados municipais).

Restaurantes, bares e lanchonetes.

Feiras livres.

Padarias.

Farmácias.

Postos de gasolina.

Lojas de conveniência.

Lojas de produtos para animais.

Novas orientações - As novas orientações para essas unidades incluem:

Distribuição das mesas e da ocupação do espaço que mantenha as pessoas a no mínimo 1,5 metro uma da outra.

Restrição de acesso ao recinto, de forma que haja condições de as pessoas se manterem à distância de 1,5 metro uma da outra.

Os estabelecimentos devem organizar filas (de acesso, atendimento ou de pagamento) de forma que as pessoas fiquem a 1,5 metro uma da outra.

Restaurantes de auto-serviço (self-service) devem destacar atendentes com luvas limpas, toca e máscara própria à manutenção de alimentos para servir os clientes, de forma a diminuir o contato com os utensílios de uso geral.

OUTRAS MEDIDAS:

Celebrações religiosas

A recomendação é que sejam feitas por sistema on-line.

Alimentação de estudantes da rede municipal

As famílias de crianças e estudantes em situação de vulnerabilidade receberão alimentação durante a suspensão das aulas (de 23/3 a 12/4). Cestas básicas serão distribuídas pela estrutura do município (os locais estão sendo definidos).

Rodoferroviária e ônibus

Em função do decreto do governador Ratinho Júnior, a ala interestadual da Rodoviária de Curitiba vai ficar em operar partir desta sexta-feira (20/3) por tempo indeterminado. O governador suspendeu o transporte coletivo rodoviário de passageiros com origem em todos os estados e Distrito Federal.

A Urbs anunciou outras medidas, como mudanças no horário de funcionamento dos seus serviços e alteração na ocupação dos ônibus.

Feira do Largo da Ordem

A feirinha do Largo da Ordem, no Centro Histórico, será suspensa a partir do próximo domingo, 22/3.

Serenidade e eficiência

O prefeito Rafael Greca, que conduziu a reunião de quarta-feira, destacou que neste momento é necessário ter sensibilidade.

Proteção - “Temos que proteger a saúde de todos, porém, tendo o cuidado de preservar o trabalho e os meios de sustento das pessoas”, avaliou o prefeito. “Também estudamos um pacote econômico após passar a pior fase, para que a economia local tenha fôlego.”

Transmissão local- “Vamos fazer o máximo possível para evitar e retardar a transmissão local, o envolvimento de todos é fundamental e já sabemos que medidas de isolamento têm funcionado. Não adianta suspendermos as aulas e as pessoas se concentrarem em shoppings ou irem para a praia”, destacou a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak. (Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura de Curitiba)

FOTO: Hully Paiva/SMCS

 

ENERGIA ELÉTRICA: Consumo no Brasil tem leve alta de 0,4% no início de março

energia eletrica 20 03 2020O consumo de eletricidade no Brasil registrou leve avanço de 0,4% nos primeiros quinze dias de março, na comparação com mesmo período do ano anterior, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) em boletim nesta quinta-feira (19/03).

Retração - Os dados vêm após retração na demanda por energia em janeiro e fevereiro, atribuída principalmente às menores temperaturas. A CCEE destacou, no entanto, que os números são de "período anterior ao agravamento dos impactos causados sobre a economia pela disseminação do Covid-19".

Trabalho remoto - O avanço do coronavírus tem levado empresas a adotar regimes de trabalho remoto, o que, segundo especialistas, deve ter efeitos negativos sobre a demanda por energia no Brasil, como já tem sido registrado em países europeus que impuseram medidas de isolamento social.

Carnaval - "O crescimento apresentado nesta prévia decorre principalmente do efeito do feriado de Carnaval que, em 2019, ocorreu no dia 5 de março", disse a CCEE em nota, destacando que temperaturas amenas também ajudaram a limitar o avanço do consumo. (Agência Brasil)

FOTO: Marcelo Camargo / Agência Brasil

 

INTERNACIONAL: ONU diz que recessão global é praticamente certa

internacional 20 03 2020O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, alertou que uma recessão global é "praticamente certa" em razão da pandemia do coronavírus. Ele disse que a atual crise global de saúde é "diferente de qualquer outra num período de 75 anos na história das Nações Unidas".

OIT - Guterres se referiu ao informe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que estima que "os trabalhadores em todo o mundo poderão perder até mesmo US$ 3,4 trilhões de receita até o fim deste ano".

Resposta global - Ele conclamou a realização de uma "resposta global coordenada" para ajudar os países em desenvolvimento a conterem o alastramento do vírus".

G20 - Guterres acolheu com agrado a decisão tomada pelos líderes do G20 de realizar uma cúpula de emergência por meio de vídeo, na próxima semana, para discutir a questão da pandemia.

Amplitude - Ele conclamou os líderes a coordenarem uma resposta em uma amplitude que deve combinar com a escala da crise. (NHK / Agência Brasil)

FOTO: Mark Garten / ONU

 

METEOROLOGIA: Simepar prevê início de outono com temperaturas altas

O outono começa à meia-noite e 50 minutos desta sexta-feira (20/03) e termina às 18h44 do dia 20 de junho. O Simepar prevê chuva no Norte do Estado. As temperaturas variam entre 13 oC e 33 oC. A mínima deve ocorrer em Guarapuava, Pato Branco e União da Vitória. A máxima será em Foz do Iguaçu. O tempo deve melhorar no sábado, com sol em todas as regiões.

Variabilidade de chuvas - Segundo o meteorologista do Simepar, Reinaldo Kneib, o outono paranaense caracteriza-se pela grande variabilidade das chuvas, em sua maioria decorrentes da passagem de frentes frias. “Maio costuma ser mais chuvoso em comparação com abril e junho”, afirma. Os maiores volumes são registrados nas regiões Sudoeste e Oeste. À medida que o inverno se aproxima, as temperaturas diminuem progressivamente. A partir da segunda quinzena de abril, aumenta o risco climático de geadas. “A ocorrência de nevoeiros também é típica da estação, com intensidade e duração variando conforme o padrão de tempo predominante em cada região”, informa Kneib.

Padrões - A previsão indica que as chuvas seguirão os padrões da climatologia no Paraná. Ao longo do trimestre devem ocorrer os chamados “veranicos” – períodos superiores a dez dias consecutivos sem chuvas.

Recuperação da umidade- Este cenário para os próximos meses não favorece a recuperação da umidade perdida devido à estiagem dos últimos 45 dias no Paraná. As temperaturas estarão próximas aos valores médios para a estação. “Em todas as regiões, normalmente o outono apresenta grande amplitude térmica diária, que é a diferença entre a menor e a maior temperatura”, diz o meteorologista.

Geadas - As primeiras geadas devem ocorrer em abril entre as regiões Central e Sul, em áreas de vales e encostas protegidas do vento. Em maio e junho, as geadas devem atingir todas as regiões. Em alguns dias, as temperaturas serão altas à tarde, entrando em declínio quando ingressarem massas de ar frio de forte intensidade. Os modelos dinâmicos e estatísticos sugerem que não haverá influência dos fenômenos climáticos El Niño e La Niña neste outono.

Agricultura - As baixas temperaturas ocasionadas por massas de ar frio podem afetar o milho segunda safra, principalmente em lavouras implantadas fora do período de semeadura indicado pelo Zoneamento Agrícola de Risco Climático. Quanto mais tarde as lavouras entrarem nas fases de floração e frutificação, mais suscetíveis ficam aos danos e às perdas pelo frio. A irregularidade e a restrição de chuva previstas para o outono também podem prejudicar o milho safrinha.

Trigo - O trigo pode ser impactado pela diminuição das chuvas, principalmente nas fases críticas de germinação e emergência das plantas e enchimento de grãos. Geadas fortes na fase de florescimento podem causar redução da produtividade.

Zoneamento agrícola - Para evitar que toda a lavoura seja prejudicada caso ocorra algum evento climático extremo, como seca ou geada, as pesquisadoras do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná Iapar-Emater, Heverly Morais e Angela Beatriz Ferreira da Costa, orientam os agricultores a respeitarem o Zoneamento Agrícola e escalonarem a semeadura em períodos espaçados de duas semanas.

Proteção - Por serem extremamente sensíveis às baixas temperaturas, as hortaliças devem ser protegidas em caso de previsão de geadas. As plantações de café também ficam vulneráveis, principalmente as mudas em viveiros e plantas com até dois anos no campo.

Boletins diários - No início de maio, será ativado o Sistema Alerta Geada, que emitirá boletins diários. O serviço mantido pelo Iapar em parceria com o Simepar apresenta sugestões para a proteção dos viveiros e das lavouras cafeeiras recém-plantadas. (Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}2020/noticias/03/20/meteorologia/{/vsig}


Versão para impressão


RODAPE