Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4768 | 20 de Fevereiro de 2020

SISTEMA OCEPAR: Pré-assembleias e Encontros de Núcleos serão realizados de 10 a 13 de março

A diretoria executiva do Sistema Ocepar vai apresentar a prestação de contas do exercício de 2019 e as propostas de ações para 2020 às cooperativas vinculadas à entidade, nas pré-assembleias que vão ocorrer juntamente com a primeira etapa dos Encontros de Núcleos Cooperativos deste ano, entre os dias 10 e 13 de março, no interior do Estado.

Locais - As reuniões serão realizadas em Guarapuava, com os cooperativistas do Centro-Sul, no dia 10; em Laranjeiras do Sul, com as lideranças do Sudoeste, no dia 11; em Cascavel, com os representantes do Oeste, no dia 12; e em Maringá, com participantes do Norte e Noroeste, no dia 13. Os eventos são preparatórios para a Assembleia Geral Ordinária (AGO) que o Sistema Ocepar vai promover no 2 dia de abril, as partir das 13h30, em Curitiba.

 

sistema ocepar folder 20 02 2020

COOPERATIVISMO: OCB e Frencoop definem prioridades para 2020

cooperativismo 20 02 2020O ano de 2020 será de muito trabalho para os deputados e senadores da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop). Nesta quarta-feira (19/02), a Diretoria da frente se reuniu com a Diretoria da OCB para debaterem os principais temas de trabalho para os próximos meses.

Relação política - A relação política entre o Congresso e o Palácio do Planalto foi um dos assuntos mais debatidos no encontro e o tom trazido pelos parlamentares é de que a sociedade civil organizada – o que inclui a OCB – deve contribuir com o direcionamento do foco da atuação de senadores e deputados.

Prioridades - A partir daí três prioridades foram elencadas:

- MP 897/2019 – Crédito Rural: a ideia é garantir a rápida aprovação no Senado Federal. A matéria já foi deliberada na Câmara dos Deputados, assegurando, além dos benefícios para o setor agropecuário, melhor acesso aos Fundos Constitucionais pelas cooperativas de crédito e adequação da aplicação da Cosit 11 para as cooperativas agropecuárias;

- Reforma Tributária (PECs 45/2019 e 110/2019): é preciso assegurar o adequado tratamento tributário ao ato cooperativo e as especificidades do nosso modelo de negócios;

- Modernização da LC 130/2009: adequando o marco legal às novas tecnologias e práticas do mercado financeiro, além de modernizar os mecanismos de acesso ao crédito para cooperados e as práticas de gestão e governança de cooperativas.

Olhar de fora - Durante a reunião entre as diretorias da OCB e da Frencoop, os cenários macroeconômico e político do país também foram discutidos. Christopher Garman, diretor executivo do grupo Eurásia, apresentou o resultado de suas análises político-econômicas envolvendo variáveis como reformas estruturais a serem votadas, o corona vírus, na China, a absolvição do presidente americano Donald Trump no processo de impeachment e até as recentes declarações de Jair Bolsonaro, envolvendo a imprensa nacional.

Reeleição - Segundo ele, considerando o cenário atual, “tudo indica que Trump deve e se reeleger com uma margem muito apertada e que, se o presidente brasileiro conseguir aprovar as reformas que o país precisa, pode ser que o cenário, por aqui, se mantenha como está, ou seja, caso se candidate, terá boas chances de se reeleger presidente em 2022”.

Primeira - O grupo Eurásia é a primeira companhia voltada exclusivamente a ajudar os investidores e tomadores de decisão compreenderem o impacto de política de riscos e as oportunidades em mercados internacionais.

Visão internacional - O diretor foi convidado pela OCB para trazer um pouco de sua visão internacional a respeito do cenário político-econômico do Brasil. O objetivo foi contribuir com a construção das melhores estratégias de atuação para este ano, no âmbito da representação do cooperativismo junto aos Três Poderes.

DEPOIMENTOS

Comprometimento: “Sempre digo que para termos sucesso no futuro é preciso começar a planejá-lo agora. São tantas as variáveis que nada melhor que contar com parceiros tão engajados. Por isso, fica aqui o registro, em nome das cooperativas brasileiras, à atuação da nossa Frencoop e, ainda, o compromisso de trabalhar coletivamente em prol do cooperativismo, ao longo deste ano. ” Márcio Fretas, presidente do Sistema OCB. Márcio Freitas, presidente do Sistema OCB.

Corona vírus: “O Brasil tem de estar preparado para quando essa onda de corona vírus passar. Grande parte da China parou e quando essa doença for controlada, vai precisar dos produtos aqui do Brasil. Não podemos perder essa oportunidade”. Deputado Evair de Melo (ES) e presidente da Frencoop

Responsabilidade: “A conjuntura política deu maior protagonismo ao Congresso. E, isso, aumentou a nossa responsabilidade, por isso, precisamos que a OCB encabece o movimento de liderar a cobrança das prioridades. O que todos nós queremos é aprovar o Brasil que dá certo! ”. Deputado Alceu Moreira (RS)

Reformas: “A sociedade moldou o Parlamento e o Parlamento fará as reformas necessárias, desde que ninguém atrapalhe. Por isso, o que precisamos é priorizar. Entendo que o melhor caminho é começar pela reforma administrativa e, em seguida, avaliar cuidadosamente os possíveis efeitos da reforma tributária”. Deputado Arnaldo Jardim (SP)

Sem coalisão: “O Congresso tem nas mãos a responsabilidade de puxar esse processo do Brasil que dá certo. Se não há a indicação de um presidencialismo de coalisão, quem vai iniciar esse processo? Tem que ser a sociedade civil organizada, que é o caso da OCB. ” Deputado Domingos Sávio (MG)

Brasil que dá certo: “Temos de mostrar um Brasil diferente lá fora. O Brasil que dá certo é o da nossa agricultura de ponta... é o das cooperativas. E não podemos esperar para mostrar isso. Tem de ser hoje! ”. Senador Luís Carlos Heinze (RS)

Exigência: “Precisamos de uma pressão de fora para dentro... que alguém como a OCB nos exija o que precisa feito. Vamos diminuir o negativismo para construir o Brasil que dá certo. A bola está com vocês, cooperativas”. Zé Mario (GO)

Reconhecimento: “É fundamental dizer que as cooperativas percebem e reconhecem o compromisso dos parlamentares. Nunca duvidem disso. Nós temos um grande diferencial para fazer bem-feito: conhecer a origem de tudo que é produzido por nossos cooperados. Essa rastreabilidade precisa ser capitalizada. ” José Roberto Ricken, presidente do Sistema Ocepar

(Informe OCB)

 

RECEITA FEDERAL: Anunciadas as regras da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2020

receita federal 20 02 2020A Receita Federal anunciou, na tarde desta quarta-feira (19/02), as regras para a entrega da Declaração do Imposto de Renda 2020. O prazo de envio inicia às 8 horas do dia 2 de março e termina às 23h59min59s (vinte e três horas, cinquenta e nove minutos e cinquenta e nove segundos) horário de Brasília, do dia 30 de abril de 2020. A expectativa é de que 32 milhões de declarações sejam enviadas até o final do prazo.

Recibo - Esse ano a Receita exigirá o número do recibo da declaração anterior para os contribuintes titulares e seus dependentes que, no ano-calendário 2019, auferiram rendimentos sujeitos ao ajuste anual igual ou maior que R$ 200.000,00.

Destaques - Veja abaixo alguns pontos destacados pelo coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Devair Mem.

1. Obrigatoriedade de apresentação:

I. Quem recebeu rendimentos tributáveis em 2019 superior a R$ 28.559,70;

II. Quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, em 2019, superior a R$ 40.000,00;

III. Quem obteve em 2019, qualquer tipo de ganhos de capital;

IV. Quem teve renda de atividade rural em 2019 superior a R$ 142.798,50;

V. Quem teve posse ou propriedade de bens e direitos em 2019 superior a R$ 300.000,00.

2. Opção pelo desconto simplificado:

A pessoa física pode optar pelo desconto simplificado, correspondente à dedução de 20% (vinte por cento) do valor dos rendimentos tributáveis na Declaração de Ajuste Anual, limitado a R$ 16.754,34. Essa opção substitui integralmente a opção pela declaração completa.

3. A declaração pode ser elaborada de três formas:

a. Computador, por meio do PGD IRPF 2020, disponível no sítio da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) na Internet, no endereço <http://receita.fazenda.gov.br> a partir das 8h do dia 20/2;

b. Dispositivos móveis, tais como tablets e smartphones, mediante acesso ao serviço “Meu Imposto de Renda”, acessado por meio do aplicativo APP “Meu Imposto de Renda”, disponível nas lojas de aplicativos Google play, para o sistema operacional Android, ou App Store, para o sistema operacional iOS;

c. Computador, mediante acesso ao serviço “Meu Imposto de Renda”, disponível no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) no sítio da RFB na Internet, com o uso de certificado digital, e que pode ser feito pelo contribuinte ou seu representante com procuração RFB ou procuração eletrônica de que trata a IN RFB nº 1.751, de 16 de outubro de 2017.

4. Prazo de entrega:

O prazo de envio inicia às 8 horas do dia 2 de março e termina às 23h59min59s (vinte e três horas, cinquenta e nove minutos e cinquenta e nove segundos) horário de Brasília, do dia 30 de abril de 2020.        

5. Do cronograma de restituição, para quem tiver direito:

O Ato Declaratório Executivo RFB nº 1, também publicado no DOU desta quarta-feira (19/02) estabeleceu o seguinte cronograma para restituição:

I - 1º (primeiro) lote, em 29 de maio de 2020;

II - 2º (segundo) lote, em 30 de junho de 2020;

III - 3º (terceiro) lote, em 31 de julho de 2020;

IV - 4º (quarto) lote, em 31 de agosto de 2020; 

V - 5º (quinto) lote, em 30 de setembro de 2020.

As restituições serão priorizadas pela ordem de entrega das DIRPF 2020, observando ainda, as pessoas com preferências especiais (idosos, p.ex.)

6. Link:

O programa gerador já está disponível no seguinte link: http://receita.economia.gov.br/.

Clique aqui para conferir na íntegra Instrução Normativa nº 1.924, publicada no Diário Oficial da União com as orientações sobre a Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2020

 

SISTEMA FINANCEIRO: BC quer que coops dobrem número de empréstimos

sistema financeiro 20 02 2020Em entrevista exclusiva ao UOL, o diretor de Fiscalização do BC (Banco Central), Paulo Souza, afirmou que o governo tem como meta estimular o cooperativismo de crédito no país. Para isso, quer aumentar de 9% para 20%, até 2022, a participação de mercado das cooperativas nas linhas de crédito em que são competitivas – entre elas estão crédito pessoal não consignado, crédito rural e capital de giro para empresas. Isso ajuda a aumentar a concorrência com bancos e a diminuir os juros para empresas e o consumidor final.

Medidas - Ele também declarou que o BC vai tomar medidas para que os cooperados aumentem o volume de crédito tomado nas cooperativas. Atualmente, 24% das operações de crédito dos cooperados são feitas nas cooperativas e o restante em bancos tradicionais.

Expectativa - Até 2022, o BC espera que os cooperados concentrem 40% do crédito tomado nas cooperativas. Souza também disse que essas medidas podem levar o total de ativos dessas instituições de R$ 296 bilhões em 2019 para R$ 545 bilhões em 2022.

Atender a quem ganha menos - Além de aumentar o tamanho das cooperativas de crédito no sistema financeiro, o BC quer mudar o perfil de renda dos cooperados e atender mais pessoas com menos renda. Atualmente 65% ganham mais de 10 salários mínimos. A meta do BC é que 50% tenham renda inferior a 10 salários mínimos até 2022.

Números - "O Brasil possui 916 cooperativas de crédito e 10,1 milhões de cooperados. Se as cooperativas fossem uma única instituição financeira, já seriam o sexto maior banco do Brasil. Atualmente, representam 5% dos depósitos de todo o sistema financeiro. Na França, são 60% e, na Holanda, 39%. Há espaço para crescer no Brasil", disse.

Força para as cooperativas - Atualmente, as cooperativas de crédito então presentes em 2.600 municípios, mas a participação nas regiões Norte e Nordeste ainda é pequena. A meta é aumentar de 13% para 25% o percentual de municípios atendidos nessas regiões.

Regulamentação - Desde 2003 o BC regula as cooperativas de crédito no país e contribuiu com a lei editada em 2009 que cria o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo. Enquanto 30 bancos foram socorridos durante a crise financeira, no caso das cooperativas foram apenas seis.

Mais maduro - "O sistema cooperativo está mais maduro e o que o BC propõe nessa nova agenda é criar condições melhores para crescer. Para isso, já permitimos que as cooperativas façam captações de letras financeiras, de letras imobiliárias garantidas, de poupança imobiliária e de poupança rural", afirmou Souza.

Lei do Cooperativismo - Uma proposta de atualização da Lei Complementar nº 130/2009, que trata da organização das cooperativas de crédito, será apresentada ao Congresso, em atuação conjunta do BC, do Ministério da Economia e da frente parlamentar do cooperativismo de crédito.

Permissão - Para que os cooperados concentram mais operações dentro do sistema, será permitido que duas ou mais cooperativas do mesmo sistema se unam para atender uma operação de crédito de uma grande empresa.

Limites - Como as cooperativas têm limites de exposição aos clientes, assim como bancos tradicionais, nem sempre podiam atender a demanda de uma firma. Com a medida, as cooperativas do mesmo sistema dividirão os empréstimos, desde que respeitadas as normas de exposição aos clientes.

Mais serviços - Para fortalecer a governança dos sistemas de cooperativas de crédito, o projeto deve proibir que presidentes de cooperativas filiadas tenham vagas nos conselhos de centrais ou confederações.

Serviços de risco - Além disso, a proposta autorizará que as centrais de atendimento prestem serviços de risco de crédito e de auditoria. Antes, cada cooperativa era obrigada a ter esses serviços. "Essa medida vai reduzir custos. Queremos que as cooperativas foquem no melhor atendimento aos cooperados para gerar mais negócios", disse Souza.

Filiação - Outra mudança que será apresentada é para que um cooperado possa se manter filiado a uma cooperativa, mesmo que ele mude de cidade. Atualmente, ele só pode ser membro se residir na mesma localidade da cooperativa. (UOL / Informe OCB)

 

CREDICOAMO: Cooperativa tem sobras de R$ 98,49 milhões

A Credicoamo Crédito Rural Cooperativa realizou, nesta quarta-feira (19/02), a sua 30ª Assembleia Geral Ordinária (AGO), reunindo associados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná). Na oportunidade, foi apresentado e aprovado o balanço financeiro e de atividades de 2019. A cooperativa registrou, mesmo com a redução dos juros, um crescimento de 5,58% sobre o exercício anterior com sobras líquidas no montante de R$ 98,49 milhões, além de um Patrimônio Líquido de R$ 735,50 milhões, crescimento de 16,52%. Os tributos e taxas recolhidos durante o exercício de 2019 foram na ordem de R$ 35,95 milhões.

Reeleição - Na Assembleia, os associados reelegeram o engenheiro agrônomo, José Aroldo Gallassini, como presidente do Conselho de Administração, gestão 2020/2024, da Credicoamo. O Conselho tem como membros os cooperados Claudio Francisco Bianchi Rizzatto, Ricardo Accioly Calderari, João Marco Nicaretta, Antonio Gancedo e Willian Ferreira Sehaber. Outra novidade foi a apresentação da Diretoria Executiva da Credicoamo, que tem como presidente Executivo, Alcir José Goldoni, diretor de Negócios, Dilmar Antonio Peri e diretor de Controladoria, José Luiz Conrado.

Mudança - “A Credicoamo completou 30 anos em novembro do ano passado. Nesse ano, iniciou a estruturação e implementação do planejamento estratégico objetivando uma visão de mais longo prazo. Dando continuidade ao processo de reestruturação de sua governança com a segregação das atividades do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva conforme reforma do estatuto social”, explica José Aroldo Gallassini, presidente do Conselho de Administração da Credicoamo.

Melhoria - Gallassini recorda que a economia brasileira vem apresentando perspectiva de melhoria e a Credicoamo tem que estar atenta e preparada para aproveitar essas oportunidades. Ele destaca ainda o expressivo volume de seguro agrícola contratado no ano passado, com importância segurada de R$ 1,31 bilhão e ocupa a 10ª posição entre as instituições privadas aplicadoras de crédito rural, conforme dados do Banco Central do Brasil. “Este posicionamento é resultado da efetiva participação dos associados na sua Cooperativa”, frisa o presidente.

Números - A Credicoamo encerrou 2019 com 19.904 associados, um crescimento de 2,70% em relação a 2018, os quais são atendidos nas 46 agências localizadas no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, e com 272 funcionários.

Plano de atividades - Na Assembleia também foi apresentado o Plano de Atividades para a Credicoamo, onde a Diretoria Executiva focará suas estratégias na melhoria dos processos e no incremento de novos produtos e serviços aos cooperados.

Via Sollus - Outro assunto apresentado na Assembleia, foi a importância e o crescimento da Via Sollus – Corretora de Seguros da Coamo que presta serviços na contratação de seguros agrícolas, de veículos, máquinas, residências, barracões e de vida. “Podem fazer seguros na Via Sollus tanto associados como terceiros. A corretora está estruturada para atender as necessidades dos associados, familiares e sociedade em geral.”, diz Gallassini.

Importância - O presidente do Conselho de Administração da Credicoamo destaca a importância da cooperativa de crédito estar estruturada para impulsionar os negócios dos cooperados. “A Credicoamo tem que estar cada vez mais estruturada para dar continuidade ao crescimento que até hoje apresentou e agora em consonância com o novo marco regulatório que o Banco Central está dando ao setor cooperativista de crédito”, diz. (Imprensa Coamo)

{vsig}2020/noticias/02/20/credicoamo/{/vsig}

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Assembleias de prestação de contas reúnem associados do PR e SP

sicredi vale piquiri 20 02 2020Nas últimas semanas, a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP está realizando assembleias de núcleo em toda a sua área de atuação, em São Paulo (capital), ABCD paulista e regiões oeste e noroeste do Paraná. Até agora, já foram feitas 22 assembleias do total de 49 que vão até 31 de março. A cooperativa esperar reunir em torno de 25 mil associados.

Resultados e planejamento - Nos encontros são apresentados os resultados referentes a 2019 e o planejamento para 2020. Neste ano, em especial, são realizadas as eleições dos conselhos de administração e fiscal. Além disso, haverá alteração no Estatuto Social para adequação sistêmica e atualização perante as novas regulamentações e a prática do mercado.

Desempenho - O presidente da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, Jaime Basso, destaca o excelente desempenho da cooperativa. “Apresentamos crescimento de 25% no último ano, encerrando 2019 com R$ 2,8 bilhões em ativos. Somamos mais de 144 mil associados e 82 pontos de atendimento.”

Confirmação de presença- Os interessados em participar dos eventos podem confirmar presença na agência em que são associados. O calendário das assembleias está no site: https://www.sicredi.com.br/html/vale-piquiri/noticias/sicredi-realiza-assembleias-para-prestacao-de-contas-aos-associados/.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri é uma cooperativa com 31 anos de história e mais de 141 mil associados, distribuídos em 82 agências. A Cooperativa atua nas regiões Oeste e Noroeste do Paraná, além da Capital e do Abcd Paulista. A instituição se destaca pelo atendimento aos associados e pela preocupação com o desenvolvimento da comunidade.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI: Seis dicas para planejar a vida financeira depois do Carnaval

sicredi 20 02 2020Muitos brasileiros têm a sensação de que o ano só começa depois do Carnaval. Passada a folia e os gastos tradicionais com IPTU, IPVA, material escolar e férias de verão, vem a preocupação com o planejamento financeiro para o ano que parece, finalmente, começar. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), guardar dinheiro é a principal meta financeira dos brasileiros em 2020 (49%). Ainda segundo o levantamento, 30% dos entrevistados têm como meta fazer uma viagem e 27% pretendem quitar dívidas e “sair do vermelho”.

Metas - A gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Adriana Zandoná França, explica que para a realização das metas é importante organizar o orçamento. “Existem várias opções de investimentos para diferentes perfis. O mais importante é colocar em prática o planejamento financeiro e lembrar que nunca é tarde para começar”, comenta. E se o ano só começa mesmo depois do carnaval, confira seis dicas para planejar a vida financeira em 2020:

1- Descubra quanto ganha e quanto gasta

O primeiro passo para uma vida financeira mais saudável é descobrir o valor total da renda e identificar os gastos. As informações podem ser colocadas em uma planilha simples. “Com esses dados é possível identificar e cortar o supérfluo e ainda estimar e se preparar para gastos mais sazonais como datas comemorativas, aniversários, pagamento de impostos. Ao elaborar o orçamento, também é importante levar em consideração imprevistos que podem ocorrer ao longo do ano”, explica Adriana.

2- Economize primeiro e só depois gaste

Seis em cada 10 brasileiros compram por impulso. A informação, divulgada em 2018, por uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), aponta que uma parte considerável dos gastos é feita com compras desnecessárias. “É importante refletir sobre a necessidade de cada compra separando um valor para os objetivos que podem ser de curto, médio ou longo prazo. As compras, especialmente de menor valor, devem ser feitas à vista evitando parcelamento para aquisição de produtos supérfluos”, analisa a especialista.

3- Invista no hábito de poupar

Para conseguir realizar compras à vista, é preciso economizar e a poupança é uma aliada. Vale separar um valor mensal fixo, como 10% da renda, para reserva financeira. O poupador se beneficia com os juros compostos, juros sobre juros e, ao utilizar o dinheiro para uma aquisição, consegue melhores condições com o pagamento à vista. “Quem tem menos disciplina ou ainda não adquiriu o hábito de guardar recursos pode fazer uso de serviços como a Poupança Programada. Nesse caso, é feita uma reserva automática em data específica, normalmente no recebimento do salário, garantindo a reserva de dinheiro”, explica Adriana.

4- Oferta: pense duas vezes

Fuja da tentação das ofertas. Ao se deparar com uma promoção, é importante refletir sobre as reais vantagens do valor apresentado e a necessidade do produto. Muitas vezes as ofertas resultam em compras por impulso e gastos desnecessários.

5- Procure investimentos adequados ao seu perfil

É possível escolher diferentes opções de investimentos com produtos que atendem os perfis mais arrojados e os mais conservadores, que buscam menor rentabilidade e maior segurança. “Os fundos de renda fixa são sugeridos ao poupador mais conservador. No Sicredi, por exemplo, temos opções de investimentos em fundos de renda fixa e opções para perfis moderados e/ou arrojados, como o Fundo Inflação e os Fundos Multimercados, além de opções que podem apresentar maior rentabilidade ao longo prazo, como o Fundo Ibovespa. A grande vantagem de se associar e investir em uma instituição financeira cooperativa é que, além de receber uma orientação financeira para seus investimentos, o associado participa dos resultados da cooperativa gerados no final de cada ano”, afirma a gerente.

6- Educação financeira nunca é demais

É importante investir no conhecimento para buscar as melhores maneiras para administrar e investir o dinheiro. Vale procurar publicações que são referência sobre o tema e promover conceitos de educação financeira desde a infância. “O Sicredi desenvolve, desde 2018, uma parceria com o Mauricio de Sousa Produções na elaboração de gibis e desenhos animados da Turma da Mônica sobre planejamento do orçamento e controle dos gastos. Todo o material possui uma linguagem voltada para as crianças. Os desenhos podem ser visualizados na nossa página no Youtube e os gibis estão disponíveis em nossas agências, em todo o Brasil. Quanto antes falarmos sobre dinheiro, mais cedo aprendemos conceitos como consumo consciente e a importância de economizar”, finaliza Adriana.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.800 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

C.VALE I: Cooperativa mostra programa de incentivo ao trigo no RS

A degustação de pão assado crocante produzido a partir de trigos especiais de um projeto do qual a C.Vale participa marcou a abertura da segunda etapa do Dia de Campo de Verão da C.Vale em Cruz Alta (RS), nesta quarta-feira (19/02). A produção de trigo através de um programa que, além da C.Vale, envolve também as empresas Briotrigo e Suporte, estava entre os temas do evento. O consultor Gerson Herter explicou que o programa envolve técnicas de manejo, armazenagem diferenciada e pagamento de bônus aos produtores pela C.Vale. Produtores de 27 unidades da C.Vale no Rio Grande do Sul participam do evento. Muitos deles estão acompanhados de esposas, filhos e até crianças de colo. Vinte e uma empresas estão apresentando produtos e serviços para o agronegócio. (Imprensa C.Vale)

{vsig}2020/noticias/02/20/cvale/{/vsig}

C.VALE II: Dia de campo atrai mulheres e filhos de associados

O dia de sol facilitou o acesso e o Campo Experimental C.Vale recebeu público maior nesta quarta-feira (19/02) em relação ao dia anterior. Os produtores ouviram o meteorologista Luiz Renato Lazinski alertar sobre o risco de frio tardio em 2010 e conheceram os experimentos das empresas parceiras da cooperativa. Estudantes universitários de cursos voltados ao agronegócio também estiveram presentes. Grande número de mulheres, adolescentes e crianças também compareceram.

Cheques - O presidente da C.Vale, Alfredo Lang, entregou cheques com o pagamento de sobras aos produtores Hilário Magnanti, de Santa Bárbara do Sul, Marcos Costa Beber, de Bozano, e Rodrigo Smaniotto, de Catuípe. Lang explicou que a maior parte dos R$ 245 milhões em sobras da cooperativa foi gerada pelo segmento frango e que esses recursos também estão beneficiando os associados do Rio Grande do Sul, mesmo que eles não tenham envolvimento direto com a atividade. (Imprensa C.Vale)

{vsig}2020/noticias/02/20/cvale_II/{/vsig}

UNIMED CURITIBA: Este ano você vai correr ou apadrinhar um atleta da 16ª Corrida Noturna?

unimed curitiba 20 02 2020Estão abertas as inscrições para a 16ª edição da Corrida Noturna Unimed Curitiba e a 3ª edição da Corrida Kids, que acontecem no dia 4 de abril, na Universidade Positivo, em Curitiba (PR). Este ano, a corrida mais divertida da cidade traz o tema #corraporeles e vai doar até 100% do valor das inscrições para instituições de transformação social pelo esporte.

Instituições beneficiadas - As instituições beneficiadas são o Instituto Compartilhar, a Associação dos Deficientes Físicos do Paraná e a Associação de Ginástica Rítmica e a escolha está intrinsecamente relacionada à missão da cooperativa em promover saúde e bem-estar às pessoas e ao seu papel social, principalmente no que diz respeito ao incentivo à prática de atividades esportivas e a adoção de hábitos saudáveis. Essas instituições já são parceiras da Unimed Curitiba em projetos apoiados pelas leis de incentivo.

Participação - Outra novidade é que mesmo quem não corre poderá participar. Basta escolher a modalidade “Apadrinhar um atleta - doar inscrição” e fazer uma doação para viabilizar a participação de um atleta atendido pelas instituições beneficiadas pelo evento. Assim, você dá uma oportunidade a quem tanto precisa. É fácil e rápido: acesse o site corridaunimedcuritiba.com.br, clique em “Inscreva-se” e procure pela modalidade.

Percursos - A prova noturna conta com percursos de 5 e 10km e é aberta a esportistas, amadores e atletas com deficiência. Para a prova kids, os percursos variam conforme a idade e podem ser consultados no regulamento disponível no site Ticket Agora.

Desconto - Clientes Unimed têm desconto na inscrição. O kit completo da prova adulto possui camiseta, número de peito e chip. Para a kids, o kit terá número de peito, pulseiras (crianças e responsável) e camiseta. A expectativa é reunir cerca de 5 mil pessoas que vão correr por diversão e por uma boa causa. Os parceiros já confirmados dessa edição são Unimed Laboratório, Droga Raia, Seguros Unimed, Unimed Paraná, Laguna, Grupo Petrópolis e Sportion. Não perca tempo e inscreva-se agora mesmo em corridaunimedcuritiba.com.br.

#corraporeles - O Instituto Compartilhar, por exemplo, foi fundado em 2003 a partir da experiência do bem-sucedido Centro Rexona de Excelência ao Voleibol do técnico Bernardinho – que este ano deve participar da corrida. Por meio de uma metodologia própria, chamada Metodologia Compartilhar de Iniciação ao Voleibol, o instituto possibilita que crianças e adolescentes, prioritariamente estudantes de escolas públicas, pratiquem o esporte de forma divertida e, ao mesmo tempo, com aprendizado de valores essenciais para a sua formação.

Pessoas com deficiência - Já a Associação dos Deficientes Físicos do Paraná, por entender que o esporte para pessoas com deficiência é um dos motivadores para a qualidade de vida, oferece para os seus assistidos diferentes modalidades paradesportivas, como atletismo, basquete, bocha paralímpica, esgrima, natação, tênis de mesa e tiro esportivo.

Ginástica rítmica - A Associação de Ginástica Rítmica (AGIR) trabalha com escolinhas para iniciação em ginástica rítmica e busca desenvolver equipes de competição. Prova do trabalho desenvolvido foi os reconhecimentos obtidos em 2019 no Panamericano de Lima e no Prêmio Brasil Olímpico, quando a atleta Bárbara de Kássia Godoy Domingos, da categoria adulto, conquistou a medalha de ouro por equipe no conjunto misto e medalha de prata individual na apresentação com fitas, além de mais duas medalhas de bronze no conjunto misto com a atleta Camila Rossi. Ambas treinaram na escolinha da AGIR. (Imprensa Unimed Curitiba)

SERVIÇO

16ª Corrida Noturna Unimed Curitiba

3ª edição da Corrida Kids

Data: 4 de abril, sábado

Local: Universidade Positivo

Horário: largadas às 16h30 (infantil) e às 20h (adulto)

Inscrições e informações: www.corridaunimedcuritiba.com.br

 

CONGRESSO NACIONAL: Instalada comissão mista que analisará reforma tributária

congresso nacional 20 02 2020A comissão mista do Congresso que analisará a reforma tributária foi instalada nesta quarta-feira (19/02), com as presenças do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O colegiado é formado por 25 senadores e 25 deputados, que têm a tarefa de produzir um texto único sobre o tema nas duas Casas. Os parlamentares terão o prazo de 45 dias para consolidar as propostas que tramitam no Congresso.

Oportunidade - Para Davi Alcolumbre, a exemplo da reforma da Previdência, no ano passado, essa é mais uma oportunidade para que, trabalhando em conjunto, o Parlamento “tome a dianteira nas pautas legislativas importantes”.

Conciliação - “Tenho certeza de que esses 50 membros vão fazer uma redação que concilie o Brasil e fortaleça o empreendedorismo, gerando empregos e riqueza. É uma reforma aguardada há décadas pelos brasileiros, com desburocratização, com simplificação. É a possibilidade, de fato, de dar segurança jurídica e tranquilidade para os empreendedores confiarem no Brasil”, destacou o presidente do Senado.

Crítica - Já Rodrigo Maia criticou o atual sistema tributário, defendendo mudanças para combater desigualdades e garantir mais crescimento. “O sistema tributário beneficia nossas elites, que, não satisfeitas, agora querem voltar com CPMF para o povo pagar a conta. O Brasil não vai crescer apenas com as reformas previdenciária e administrativa. O que vai devolver renda é o sistema tributário, com investimentos e geração de emprego”, afirmou.

Propostas - A primeira reunião formal da comissão está prevista para o dia 3 de março. A expectativa é que a matéria seja discutida e votada em dois turnos, em cada uma das Casas, ainda neste primeiro semestre.

Presidência - O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) foi designado para presidir a comissão. Ele é o relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) 110/2019, apresentada em julho do ano passado por Davi Alcolumbre e outros senadores. Essa PEC está pronta para votação na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ).

Interesse - “Nunca na história desse Parlamento um assunto tão árido, tão complexo, teve tanto interesse de deputados e senadores. O Congresso Nacional tem um papel muito importante neste momento. E nós temos a função, portanto, de conciliar o texto que está na Câmara, que é muito bom, com o texto que está no Senado, também muito bom, e com os assuntos de interesse do Executivo, pois não se faz uma proposta dessas sem o governo federal”, disse o presidente da comissão. Roberto Rocha acrescentou que é necessário "considerar os interesses do governo federal, dos governos estaduais, municipais e do setor privado"

Relator - Como relator da comissão foi escolhido o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Ele já é relator da reforma tributária na comissão especial da Câmara — naquela Casa, a matéria tramita sob a forma da PEC 45/2019.

Momento histórico - “Eu acho que este é um momento histórico para o nosso país, porque aqui nós estamos colocando o Brasil em primeiro lugar com essa reforma. Acho que esse gesto que o Parlamento faz hoje simboliza, antes de tudo, unidade. E essa unidade fez possível promover a agenda que o Brasil de fato precisa”, disse Aguinaldo. (Agência Senado)

congresso nacional quadro 20 02 2020

 

EXECUTIVO: Governo adia envio de reforma administrativa ao Congresso

executivo 20 02 2020Não passou de promessa. Na tarde desta quarta-feira (19/02), o Congresso foi informado pelo governo que o texto da reforma administrativa não será mais enviado ao Parlamento nesta semana. A versão mais atual da novela prevê que o texto só chegue ao Legislativo após o carnaval.

Promessa - Na terça-feira (18/02), o presidente Jair Bolsonaro prometeu que encaminharia nesta quarta o texto à Câmara. Era uma resposta à inquietação causada em todo o mercado, por causa da indefinição do Palácio do Planalto sobre a medida.

Pilar - A reforma administrativa é um dos pilares da política econômica. A proposta, que tem sido chamada de “reforma do RH do serviço público”, prevê uma série de mudanças nas carreiras e na forma de contratação dos novos servidores. Por determinação de Bolsonaro, a reforma não vai atingir a estabilidade ou os salários dos servidores públicos que já estão na ativa.

Pressão - A reforma escrita pela equipe econômica de Paulo Guedes está na gaveta de Bolsonaro desde o ano passado. Há meses o ministro da Economia tem pressionado para que o texto seja enviado aos parlamentes, mas o Palácio do Planalto tem resistido em emplacar a reforma, receoso do custo político que as discussões possam causar para Bolsonaro, em pleno ano de campanha municipal.

Força - Nesta semana, essa pressão ganhou força depois de o próprio Palácio do Planalto confirmar que o envio da proposta não tinha mais data para ocorrer, isso depois de três adiamentos. Bolsonaro, então, fez um gesto de afago a Guedes, se comprometendo a “passar a noite” estudando o texto. Mais uma vez, porém, o texto não saiu do Palácio.

Concursos públicos - Por trás do vaivém do governo está o cálculo do custo político de sua proposta. Conforme mostrou o Estado, a equipe econômica defende a ideia de que novos concursos públicos só sejam realizados após o Congresso aprovar a reforma. Processos seletivos serão paralisados até que a nova proposta seja chancelada pelos parlamentares.

Aposentadoria - A avaliação é que o “estrangulamento” natural dos serviços públicos, decorrente de um grande número de pedidos de aposentadoria neste e nos próximos anos, faça com que as próprias categorias aceitem a reforma, para que voltem a contar com novas vagas nos órgãos federais.

Necessidade - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), declarou que não vê necessidade de ter a reforma aprovada para que concursos sejam realizados.

Comentário - Ao comentar o assunto, Bolsonaro disse que não pode ser “irresponsável” e abrir concursos públicos desnecessários. O presidente reforçou que os servidores atuais não vão “perder nada” com as mudanças que virão, mas disse que o quadro público atual está “inchado” e que, sendo assim, novos concursos só serão realizados caso se mostrem essenciais. “Se tiver necessidade, a gente vai abrir concurso, mas não podemos ser irresponsáveis de abrir concursos que poderão ser desnecessários”, disse Bolsonaro, no início da semana.

Impacto - O presidente já foi alertado que a decisão de não enfrentar uma nova “agenda negativa” com a proposta pode sair mais caro, por causa dos impactos na economia, comprometendo até seus planos futuros de reeleição.

Primeiro semestre - Apesar dos sinais trocados sobre o assunto, Maia disse que acredita na possibilidade de ver as reformas administrativa e tributária aprovadas ainda no primeiro semestre deste ano, sem que sejam comprometidas pelas eleições de outubro.

Instalada comissão mista para tributária - O Congresso instalou nesta quarta-feira a comissão mista da reforma tributária. O colegiado será formado por 25 deputados e 25 senadores. O presidente da comissão, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), afirmou que a intenção é concluir um texto conjunto em 45 dias para ser votado na Câmara e no Senado ainda no primeiro semestre do ano. “Se a reforma não for votada neste semestre, não sai neste ano.” Segundo ele, os pontos divergentes poderão ser retirados da proposta ou encaminhados via lei complementar.

Formalização - A comissão foi formalizada pelos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara. O grupo deve começar os trabalhos após o feriado de carnaval. (O Estado de S.Paulo)

 

PROGRAMA: Com mudança de perfil, PPI passa a contemplar concessões ambientais

programa 20 02 2020 Os novos projetos aprovados na reunião desta quarta-feira (19/02) do conselho do Programa de Parceiras de Investimentos (PPI) mostra que o programa mudou seu perfil. Antes concentrado em concessões em infraestrutura, passou a contemplar outras áreas, como parques nacionais e florestas. Segundo a secretária especial do programa, Martha Seillier, isso reflete uma maior preocupação do governo com a agenda ambiental.

Inclusão - Na reunião desta quarta do Conselho do PPI, foram incluídas três florestas na Amazônia (Humaitá, Iquiri e Castanho) para concessão com fins de manejo sustentável. “É explorar para que possa trazer benefícios econômicos, mas de forma que a floresta tenha capacidade de se recuperar”, informou a secretária de Apoio ao Licenciamento Ambiental e Desapropriação do PPI, Rose Hofmann. “Importa a técnica para concretizar a sustentabilidade.”

Florestas concedidas - O secretário especial de Desestatizações, Desinvestimentos e Mercados, Salim Mattar, acrescentou que há várias florestas concedidas nos Estados Unidos, com exploração turística. A presença do concessionário, segundo ele, economiza recursos públicos na fiscalização, gera impostos e desestimula a grilagem.

Áreas de mineração - Na lista de empreendimentos foram incluídos também 20 mil áreas para exploração minerária que compõem o acervo da Agência Nacional de Mineração (ANM). São empreendimentos que já estiveram em mãos privadas e, por algum motivo, retornaram ao governo. Não há, entre eles, nenhum em terras indígenas, informou Rose.

Infraestrutura - Na área de infraestrutura, foram incluídos cinco terminais portuários e um trecho de rodovia para relicitação, a BR-040 de Juiz de Fora (MG) a Brasília, além do terminal de passageiros do porto de Fortaleza. Também foram incluídos leilões de geração e transmissão de energia.

Leilão - O governo leiloa amanhã um trecho da BR-101. Martha informou que há três grupos interessados no negócio. Nos bastidores corre uma explicação diferente para a mudança na composição da carteira do PPI. A de que, após passar para as mãos do então ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni, o programa deixou de atuar na linha de frente de concessões de grandes ministérios, como Infraestrutura e Minas e Energia. Por isso, se ocupa de outras áreas.

Destino - Não está claro o que acontecerá com o PPI sob o comando do ministro da Economia, Paulo Guedes. Ao conferir ao programa o status de secretaria especial, ele mostrou que dá importância ao trabalho desenvolvido pelo grupo de técnicos. Mas, na área econômica, há quem questione a necessidade do PPI. A avaliação é que o trabalho poderia ser feito, por exemplo, pelo BNDES. (Valor Econômico)

 

PARANAGUÁ I: Leilão de terminal do Porto prevê R$ 150 milhões em investimentos

paranagua 20 02 2020Um terminal especializado em granéis de líquidos do Porto de Paranaguá foi incluído no pacote de privatizações liderado pelo ministro Paulo Guedes. Em reunião com o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI), grupo que gere as concessões idealizadas pelo governo federal, o ministro da Economia qualificou (formalizou o interesse) o PAR 50 para arrendamento por 30 anos.

Descrição - Na descrição da ata da reunião, o Ministério da Economia destaca que o terminal tem 85 mil metros quadrados e se dedica à movimentação, armazenagem e distribuição de produtos químicos, etanol óleos vegetais e combustíveis. A cessão se dará para que o terminal receba os investimentos necessários para “atender a demanda projetada”, destaca o material.

Edital - De acordo com o documento, o edital de arrendamento deve ser publicado a partir de outubro deste ano. A previsão é de que o leilão seja realizado ainda no primeiro trimestre de 2021. O critério será pelo maior valor de outorga. O vencedor ganhará direito a explorar a infraestrutura por 35 anos, mas terá de investir R$ 150 milhões em melhorias.

Movimentação - Números da Portos do Paraná, empresa pública que administra os portos de Paranaguá e Antonina, indicam que a movimentação de granéis líquidos vem aumentando. Em janeiro de 2020, os dois terminais portuários embarcaram e desembarcaram 610 mil toneladas destes insumos ante 487 mil toneladas em movimentações em janeiro de 2019. Os granéis líquidos representam 25% da produção dos dois portos.

Estudo de viabilidade - O arrendamento do PAR 50 não é uma surpresa. Um estudo de viabilidade do leilão já estava em curso no bojo de um plano do porto de passar para a iniciativa privada parte de seus ativos. Estudos para a licitação de dois outros terminais, o PAR 32 (de cargas em geral) e o PAR 12 (de veículos) também já estão prestes a serem concluídos. Há interesse para a concessão de pelo menos três outros terminais.

Iniciativa privada - No ano passado, o Porto cedeu à iniciativa privada o PAR 01, de movimentação de papel e celulose. A vencedora do leilão – única participante – foi a Klabin, indústria instalada nos Campos Gerais e que atua justamente nesses segmentos. A outorga (valor para ter direito ao arrendamento) foi de R$ 1 milhão ao governo federal e estima-se que a empresa repasse, hoje, cerca de R$ 170 mil mensais à administração dos portos do estado.

Terminais arrendados - De acordo com a Portos do Paraná, o estado tem hoje 14 terminais arrendados. A empresa ainda não atendeu ao pedido de comentários da reportagem. (Gazeta do Povo)

 

PARANAGUÁ II: Porto tem movimento recorde de contêineres

paranagua II 20 02 2020A movimentação de contêineres pelo Porto de Paranaguá aumentou 29% em janeiro deste ano, na comparação com o primeiro mês de 2019. De acordo com a empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), os 84.601 TEUs (unidade de medida equivalente a 20 pés) movimentados em 31 dias é um recorde histórico. Além da marca alcançada, também chama a atenção a diversidade das cargas movimentadas nos contentores.

Carne de frango - Nas exportações, o produto mais movimentado pelo Porto de Paranaguá em contêineres é a carne de frango congelada. Em janeiro deste ano o volume somou 134.142 toneladas exportadas do produto, 11% a mais que o registrado em janeiro de 2019 – 120.733 toneladas.

Mais - Na sequência, estão madeira (quase 51 mil toneladas), papel (31 mil toneladas), celulose (28,7 mil toneladas) e carne bovina congelada (quase 21 mil toneladas).

Granéis sólidos - Alguns produtos tradicionais entre os granéis sólidos de exportação dos portos do Paraná também têm sido destinados a outros países em maior quantidade em contêineres. Somente em janeiro, o volume de milho ultrapassou 8,1 mil toneladas exportadas, 250% a mais que o registrado em janeiro de 2019 (pouco mais de 2,3 mil).

Farelo de soja - O volume de farelo de soja exportado em contêineres em janeiro de 2020 cresceu 207%, somando 736 toneladas, contra as 240 toneladas no primeiro mês do ano anterior. De açúcar, foram 6,2 mil toneladas conteinerizadas, 3% a mais que as 6 mil toneladas no mesmo período de 2019.

Curiosidade - Mesmo que em menor volume, produtos pouco comuns também aparecem entre os que enchem os contêineres de exportação do Porto de Paranaguá. De acordo com a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), o produto exportado por contêineres considerado nas estatísticas da empresa Portos do Paraná como “animais vivos” foi o sêmen de bovinos, designado pelo código 05111000 entre os produtos do Reino Animal.

Janeiro - Em janeiro deste ano, cerca de 2 mil toneladas desse material genético foram exportadas em contêineres, um aumento de 20% em relação ao mesmo mês em 2019 (1.675 toneladas). O produto ocupou 86 contêineres, 27 a mais que no ano anterior.

Forte - Segundo órgãos especializados, o mercado brasileiro da genética bovina é forte e segue em expansão nos últimos anos. “O Brasil é referência na questão genética, tanto nesse mercado, quanto em inseminação, fertilização in vitro. Existem profissionais bem renomados, reconhecidos internacionalmente. São muitas raças que se destacam nesse mercado de exportação, inclusive do gado leiteiro”, afirma o médico veterinário do Departamento de Economia Rural do Estado (Deral), Fábio Mezzadri.

Transporte - O veterinário explica o sêmen e embriões são transportados nos contêineres em botijões criogênicos, com nitrogênio líquido que resfria o material genético a -196ºC.

Outros produtos - Na lista de produtos exportados pelo Terminal de Contêineres de Paranaguá também está o algodão, totalizando em torno de 4,3 mil toneladas em fardos e fios, volume 2.729% superior ao de janeiro de 2019, com apenas 154 toneladas. Confira os demais produtos.

Em toneladas - Os produtos exportados em contêineres por Paranaguá totalizaram 354.706 toneladas em janeiro deste ano, 7% superior ao registrado no mesmo mês do ano passado (330.795 toneladas).

Diversificação - A diversificação de cargas conteinerizadas se mantém nas importações de janeiro. Os principais produtos foram fertilizantes (41,45 mil toneladas), plásticos (24,5 mil), produtos químicos orgânicos (22,6 mil), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (15,3 mil) e produtos siderúrgicos (14,4 mil toneladas). (Agência de Notícias do Paraná)

 

AGRONEGÓCIO: Interior terá rodada de palestras sobre o Descomplica Rural

agronegocio 20 02 2020A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, em conjunto com o Sistema Faep/Senar e entidades representativas do agronegócio no Estado, vão promover uma rodada de eventos sobre o Programa Descomplica Rural. As ações acontecerão em Cornélio Procópio, Londrina, Umuarama, Campo Mourão, Ponta Grossa, Guarapuava, Toledo, Maringá e Pato Branco.

Inscrição - Para participar basta fazer a inscrição. Cada cidade tem um link diferente que pode ser acessado na seção “Serviços” no site www.sistemafaep.org.br.

Desburocratização - O Descomplica Rural desburocratiza a vida de agropecuaristas que querem investir em novos negócios ou ampliar seus empreendimentos. “Esse é o Paraná que segue a favor dos novos negócios para garantir emprego e renda à população, mas com segurança jurídica para preservar o meio ambiente”, ressalta o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes.

Objetivo - O objetivo dos eventos é ensinar, na prática, como os produtores devem proceder em relação aos processos de licenciamento ambiental. Também será demonstrado aos participantes que a facilitação para obtenção dessas autorizações, nesse novo modelo, segue todas as exigências técnicas, jurídicas e ambientais.

Esclarecimento - “Será uma oportunidade para esclarecer todos os pontos dessa nova forma de se obter licenciamentos ambientais aos produtores rurais, que querem seguir investindo, contratando mais pessoas, fazendo a economia girar”, disse o presidente do Sistema Faep/Senar, Ágide Meneguette.

Facilidade e celeridade- Os eventos vão mostrar ainda como o Programa Descomplica Rural vai facilitar e dar celeridade aos processos, de forma totalmente online, sem uso de papel. A proposta é também informar que todas as instituições que prestam assistência técnica aos produtores vão estar preparadas para ajudar a cumprir as exigências dentro desse novo modelo.

Trabalho conjunto- O Instituto Água e Terra, a Emater e entidades privadas, como o Sistema Faep/Senar, estão trabalhando em conjunto para promover ações de apoio aos agropecuaristas, como a elaboração de cartilhas, promoção de videoconferências e a própria rodada de eventos pelo Paraná.

Sindicatos – O engenheiro ambiental do Instituto Água e Terra, Altamir Hacke, em parceria com a Faep, realizou recentemente duas videoconferências com sindicatos rurais do Paraná para explicar os novos procedimentos de licenciamento da área rural. Participaram cerca de 350 pessoas de aproximadamente 120 sindicatos ligados à Faep.

Programação – Nos eventos haverá uma demonstração de como pedir a Dispensa de Licenciamento Ambiental (DLAE) por meio da plataforma digital Sistema de Gestão Ambiental (SGA). A simulação tratará de um caso real de um dos participantes do evento. Será apresentado também o Sistema de Manutenção e Recuperação e Proteção da Reserva Legal e Áreas de Preservação Permanente (Sisleg).

SERVIÇO

Programação de palestras sobre o programa Descomplica Rural

Cornélio Procópio

Data: 5 de março

Horário: 9h

Local: Parque de Exposição Artur Hoffig - Sociedade Rural de Cornélio Procópio

Endereço: BR-369, km 83, Rodovia Mello Peixoto

Londrina

Data: 6 de março

Horário: 9h

Local: Buffet Planalto

Endereço: Avenida Tiradentes, 6429

Umuarama

Data: 12 de março

Horário: 9h

Local: Caiuá Centro de Eventos

Endereço: Av. Presidente Castelo Branco, 3745

Campo Mourão

Data: 13 de março

Horário: 9h

Local: Celebra Eventos

Endereço: Rua Miguel Luís Pereira, 3019

Ponta Grossa

Data: 19 de março

Horário: 9h

Local: Hotel

BourbonEndereço: Rua Jacob Holzmann, 219

Guarapuava

Data: 20 de março

Horário: 9h

Local: Restaurante Casa Vecchia

Endereço: Rua Vicente Machado, 1289

Toledo

Data: 26 de março

Horário: 9h

Local: Olinda Hotel e Eventos

Endereço: Rodovia PR-182, km 2

Maringá

Data: 27 de março

Horário: 9h

Local: Sociedade Rural de Maringá

Endereço: Avenida Colombo, 2186

Pato Branco

Data: 3 de abril

Horário: 9h

Local: Sociedade Rural de Pato Branco

Endereço: Rua Benjamin Borges dos Santos, 1121

Rapidez - O Programa Descomplica Rural, lançado em 27 de janeiro pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, tem como objetivo dar agilidade aos processos de liberação de licenciamentos ambientais, promovendo o desenvolvimento sustentável a partir de uma metodologia mais moderna.

Revisão - O programa permitiu uma revisão das normas e procedimentos para licença ambiental, atualizando as classificações da produção agropecuária e os tamanhos dos estabelecimentos rurais no Estado.

Inserção - Outra ação é a inserção de empreendimentos que ainda eram licenciados pelo Sistema Integrado Ambiental (SIA) para a nova metodologia do Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Entre eles estão os de saneamento, cemitérios, fauna silvestre, geração, transmissão e subestação de energia, náuticos, minerários, rodoviários, aeroportos e aeródromos, atividades portuárias, transporte por dutos, além de obras de dragagem, canais para drenagem e retificação de curso de água.

Prerrogativas - O programa visa cumprir as prerrogativas do desenvolvimento sustentável, garantindo suporte para quem quer empreender no Paraná. O conteúdo foi desenvolvido por técnicos ambientais e jurídicos do Instituto Água e Terra, vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Turismo, com apoio do setor produtivo estadual e do Sistema Faep.

Mudanças - Confira algumas das mudanças do Descomplica Rural:

AVICULTURA

Como era:

Área construída de confinamento (total em m2):

Micro - até 1.500 m² – dispensa de licenciamento

Mínimo - 1.501 a 2.500 m²

Prazos de validade das licenças:

Licença Ambiental Simplificada: 6 anos, devendo a renovação ser requerida antes da data de sua expiração;

Licença Prévia: 2 anos, não prorrogáveis;

Licença de Instalação: 2 anos, poderá ser renovada;

Licença de Operação: 6 anos, podendo ser renovada.

Como ficou:

Área construída de confinamento (total em m2):

Micro – até 6.000 m² – dispensa de licenciamento

Mínimo – 6.001 a 12.000 m²

Prazos de validade das licenças:

Licença Ambiental Simplificada: até 6 anos, podendo ser renovada a critério técnico do órgão ambiental competente;

Licença Prévia: 2 anos, prorrogáveis por mais 2;

Licença de Instalação: 6 anos não sendo passível de renovação;

Licença de Operação: 6 anos, podendo ser renovada.

BOVINOCULTURA

Como era:

Para regularização do empreendimento não era possível renovar e ampliar a licença de uma única vez.

Não havia previsão específica de prazos de validade das licenças para os empreendimentos de bovinocultura na Portaria IAP 162/2018.

Como ficou:

Licenças poderão ser solicitadas de forma unificada quando o prazo de vencimento da Licença de Operação em renovação for inferior a um ano.

Prazos de validade das licenças:

Licença Ambiental Simplificada: até 6 anos, podendo ser renovada a critério técnico do órgão ambiental competente;

Licença Prévia: 2 anos, prorrogáveis por mais 2;

Licença de Instalação: 6 anos sendo passível de renovação;

Licença de Operação: 6 anos, podendo ser renovada.

SUINOCULTURA

Como era:

Não havia previsão de novos sistemas de criação.

Não havia previsão específica de prazos de validade das licenças para os empreendimentos.

Como ficou:

Institui sistemas de criação: unidade produtora de leitões desmamados; unidade de recria; unidade de terminação wean to finish; central de transbordo/relocação (crechário) 21 a 70 dias de vida; central de transbordo/relocação (terminação) 119 a 196 dias de vida; e unidade produtora de sêmen (UPS).

Prazos de validade das licenças:

Licença Ambiental Simplificada: até 6 anos, podendo ser renovada a critério técnico do órgão ambiental competente;

Licença Prévia: 2 anos, prorrogáveis por mais 2;

Licença de Instalação: 6 anos não sendo passível de renovação;

Licença de Operação: 6 anos, podendo ser renovada.

(Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE: Paraná confirma mais 30 mortes de macacos por febre amarela

saude 20 02 2020A Secretaria de Estado da Saúde confirmou 30 novas epizootias em macacos no Paraná, somando 83 mortes de animais contaminados pelo vírus da febre amarela. Os dados são do boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (19/02).

Indicativo - “Quando um macaco morre por febre amarela, indica que o vírus está presente naquela região. Portanto, é necessário uma atenção redobrada e a importância da vacinação deve ser reforçada para toda a população”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Municípios - As novas epizootias foram registradas nos municípios de Araucária (+1), Balsa Nova (+2), Lapa (+2), Piên (+1), São João do Triunfo (+2), Mallet (+6), Rio Azul (2), Campina do Simão (1), Prudentópolis (+1), Turvo (1), Antônio Olinto (+6) e São Mateus do Sul (+5). Rio Azul, Campina do Simão e Turvo ainda não tinham casos confirmados de mortes de macacos por febre amarela.

Ocorrências - Desde o início do monitoramento, em julho de 2019, ocorreram 485 epizootias em 77 municípios. Até o momento, 83 foram confirmadas em 24 cidades, 181 estão em investigação, 170 são indeterminadas, ou seja, sem coleta de amostra para exames e 51 foram descartadas.

Epizootias – A distribuição das 83 epizootias confirmadas no Estado é: Araucária (2), Balsa Nova (3), Lapa (7), Mandirituba (1), Piên (2), Quatro Barras (1), Rio Negro (1), Castro (12), Ipiranga (2), Palmeira (1), Piraí do Sul (2), Ponta Grossa (8), São João do Triunfo (7), Imbituva (1), Mallet (7), Rio Azul (2), Teixeira Soares (2), Campina do Simão (1), Prudentópolis (2), Turvo (1), Antônio Olinto (8), São Mateus do Sul (6), Sapopema (2) e Cândido de Abreu (2).

Capacitação - A secretaria estadual da Saúde promoveu nesta semana uma capacitação sobre febre amarela relacionada ao manejo clínico da doença, ocorrência de epizootias e vacinação na 7ª e 8ª Regionais de Saúde de Francisco Beltrão e Pato Branco, respectivamente. Participaram do treinamento 160 profissionais de saúde.

Vacinação - Dados do Programa Nacional de Imunização (PNI) mostram que em janeiro deste ano 14.759 pessoas se vacinaram contra a febre amarela no Paraná. A maioria das doses foi aplicada em pessoas de 15 a 59 anos.

Orientação - Desde 2017, o Ministério da Saúde segue a orientação de ofertar apenas uma dose da vacina de febre amarela durante toda a vida, porém, no ano passado a pasta orientou os estados para que em 2020 seja dado um reforço da vacina para crianças com quatro anos de idade, devido à diminuição na resposta imunológica da criança que é vacinada muito cedo. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE