Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4764 | 14 de Fevereiro de 2020

CASTROLANDA I: Cooperados elegem nova diretoria; Willem Bouwman é o novo presidente

Na tarde desta quinta-feira (13/02), cerca de 300 cooperados da Castrolanda se reuniram no Memorial da Imigração Holandesa, em Castro (PR), para a 69ª Assembleia Geral Ordinária (AGO), quando aprovaram a prestação de contas de 2019, plano de ação para o exercício de 2020 e elegeram a nova diretoria. O novo presidente eleito é Willem Bouwman, que ocupava o cargo de diretor secretário da atual diretoria, que tinha como presidente Frans Borg. Na chapa única, liderada por Bouwman, também foram eleitos: Armando de Paula Carvalho Filho, vice-presidente; Albert Reinder Barkema, diretor secretário e como vogais, Peter Greidanus, Armando Rabbers, Paulo Roberto Trentin e Jan Petter. Também foram eleitos os novos membros do Conselho Fiscal da Castrolanda.

Prestação de contas - O relatório de atividades do exercício de 2019, foi apresentado pelo vice-presidente Richard Borg. A Castrolanda encerrou o ano com um faturamento de R$ 3,5 bilhões, com 1.109 cooperados e 3.384 funcionários e com sobras de aproximadamente R$ 40 milhões. “Foi um ano difícil, mas pudemos avançar e crescer”, afirmou Richard ao ler o relatório do conselho de administração. “Pelos números apresentados, estamos no caminho certo e com o planejamento estratégico horizontes 2019/2024 temos muito ainda o que fazer para o desenvolvimento da Castrolanda, dos seus cooperados e comunidade”, frisou. O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que prestigiou a assembleia na companhia do ex-presidente João Paulo Kosloviski, foi convidado para colocar em votação o balanço patrimonial e demonstração de sobras, o qual foi votado e aprovado por unanimidade pelos cooperados presentes. Participaram também da assembleia o diretor da Ocepar e presidente da cooperativa Agrária, Jorge Karl, o presidente da Capal, Erik Bosch, o presidente do Fundepec e representante do Sistema Faep, Ronei Volpi, e Tiago Marquardt Pesch, gerente adjunto de operações do BRDE.

Sucessão - Willem Bouwman explicou para o Informe Paraná Cooperativo que este processo sucessório na cooperativa já vinha sendo discutido há mais de três anos. “O presidente Frans Borg havia conversado com a diretoria e manifestado que seria a última gestão dele. Ao longo deste tempo foi se construindo um processo sucessório, onde o consenso prevaleceu e fui indicado para ser o novo presidente”, frisou.

Desafio - Após tomar posse como novo presidente da Castrolanda, Bouwman disse que são muitos os desafios: “assumir a função que foi ocupada por um líder como Frans, não é uma das tarefas mais fáceis”, disse. “Temos um grupo de lideranças fortes na diretoria eleita e que terá a missão de conduzir a vida da cooperativa nos próximos anos, seguindo as orientações definidas em assembleia com o Plano Estratégico Horizontes e sempre trabalhar com os olhos voltados para o desenvolvimento não só da cooperativa, mas também dos cooperados, funcionários e da comunidade”, salientou. Com relação aos resultados alcançados em 2019, Bouwman lembra que apesar das dificuldades a cooperativa cresceu. “Alcançamos um faturamento superior ao exercício anterior e estamos conseguindo distribuir sobras de quase 40 milhões de reais aos cooperados. Esta que é a força da cooperativa. Qual outra empresa que faz isso: Se fosse uma empresa estrangeira, ela pegava este resultado e mandava para fora, para seus acionistas, não ficava nada aqui, nas comunidades dos nossos associados. Com a distribuição dessas sobras esse dinheiro circula no comércio local e ajuda a movimentar a economia local”.

Legado - Sobre o ex-presidente Frans Borg, Bouwman destacou que nesses 24 anos como presidente da cooperativa, “ele deixa um legado importante, uma história bonita de trabalho e dedicação. Na época em que assumiu, em 1996 a Castrolanda tinha suas indústrias junto a Cooperativa Central de Laticínios do Paraná Ltda (CCLPL), quando saímos fora e com o passar do tempo iniciamos um processo de industrialização própria e passamos a nos integrar com as cooperativas Frísia e Capal, através da intercooperação com a Unium. O Frans deixa uma cooperativa bem estruturada e sólida, com um belo futuro pela frente e que agora temos assumir a responsabilidade de geri-la da melhor forma possível”.

{vsig}2020/noticias/02/14/castrolanda_I/{/vsig}

CASTROLANDA II: Frans Borg, “embaixador” da intercooperação

No final da Assembleia Geral Ordinária da Cooperativa Castrolanda, realizada nesta quinta-feira (13/02), na Colônia Castrolanda, em Castro (PR), membros da diretoria, cooperados, colaboradores, amigos e familiares fizeram uma homenagem ao ex-presidente Frans Borg, que ficou no comando da cooperativa durante 24 anos. Foi apresentado um filme sobre a trajetória de vida do líder cooperativista, com diversas fotos da sua vida em família, com os pais, irmãos, esposa, filhos, netos, eventos da cooperativa, etc. Algumas lideranças cooperativistas também gravaram depoimentos para o amigo Frans. Um desses depoimentos foi do presidente da cooperativa Capal, Erik Bosch que enalteceu uma das principais qualidades de Frans: o consenso e o diálogo constante. “Frans foi uma peça fundamental no processo de intercooperação das nossas cooperativas (Capal, Frisia e Castrolanda). Mesmo em momentos mais tensos ele sempre procurava uma forma de conciliar. Podíamos até debater, mas no final sempre terminávamos com um aperto de mão. Por isso considero o Frans Borg um Embaixador da Intercooperação”, lembrou Bosch. Aspecto este também confirmado pelo presidente da Frísia, Renato Greidanus. “O Frans é um líder nato e um grande amigo e com certeza muito do que pudemos realizar em conjunto, devemos a sua forma de atuar e de liderar”.

Sistema Ocepar-  Outro depoimento foi do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. O presidente afirmou que a missão do Frans não se encerra com sua saída da diretoria da cooperativa. “Uma liderança expressiva, um exemplo que deverá ser seguido por aquelas pessoas que estão entrando agora no cooperativismo. Foi muito importante a participação dele no processo de intercooperação que resultou na Unium. Tive a oportunidade de acompanhar diversas reuniões dos três conselhos na época, onde a participação dele foi decisiva para que se chegasse a um entendimento. Junto com os outros presidentes houve uma sintonia perfeita e isso se deve muito a sua forma de atuar e liderar. E o Frans tem uma missão importante para o futuro. O trabalho em prol do cooperativismo do Frans não pode parar. Ele tem uma grande contribuição ainda para dar não só para a cooperativa, mas para todo o sistema cooperativista brasileiro. Uma referência como ele não pode parar. O cooperativismo não sai das pessoas. Quem é cooperativista continuará sendo para o resto de suas vidas. Por isso convidamos o Frans para continuar participando da diretoria da Ocepar, ele tem muito a contribuir ainda”, frisou Ricken.

Koslovski - O ex-presidente do Sistema Ocepar, fez questão de prestigiar a assembleia da Castrolanda e poder dar um abraço no amigo Frans Borg. “Tive oportunidade de conviver com ele durante oito anos na diretoria da Ocepar. Foram dois mandatos onde ele contribui sobremaneira para o cooperativismo paranaense de brasileiro, com ideias e propostas. São muitas suas qualidades: uma pessoa séria, ética e muito responsável. Sempre nas reuniões defendia a visão dos cooperados em primeiro lugar, este era seu foco principal nas decisões que tomávamos. O grande legado deixado por ele, sem sombra de dúvidas é o processo de intercooperação, onde sempre brigou, lutou e junto com as lideranças do Renato da Frísia e Erik da Capal, constituíram este processo de integração que é exemplo para o Brasil e para o mundo.”

Sucessão - Koslovski também fez questão de ressaltar o momento que o cooperativismo vive em relação a sucessão em suas diretorias. “Estamos vendo movimento neste sentido no setor e que é muito salutar. Um exemplo foi a assembleia que participamos de hoje aqui na Castrolanda, onde todo o processo foi conduzido de uma forma harmônica e a nova diretoria eleita por unanimidade sem disputa. Importante destacar que para isto acontecer é necessário fomentar todo um processo de qualificação e preparação dessas novas lideranças assumirem a missão de presidir com responsabilidade a vida da cooperativa. Assim temos uma modernização, com novas ideias e o resultado é uma evolução, um crescimento, mas sem perder de vista tudo aquilo que já foi realizado no passado. E posso afirmar que o caso da Castrolanda e de outras cooperativas é um exemplo que deve ser seguido”, destacou Koslovski.

{vsig}2020/noticias/02/14/castrolanda_II/{/vsig}

UNICASTRO: Cooperativa realiza Assembleia Geral Ordinária de prestação de contas

A Cooperativa Agrícola União Castrense Ltda (Unicastro) reuniu os cooperados, na quarta-feira (12/02), em sua sede, localizada no município de Castro (PR), para a realização da Assembleia Geral Ordinária (AGO) de prestação de contas referente ao exercício de 2019. O Sistema Ocepar foi representado na oportunidade pelo analista técnico do Sescoop/PR, Emerson Barcik. No ano passado, a cooperativa registrou ingressos e receitas no valor de R$ 68.899.858,89. Já os ativos totais somaram R$ 46.158.826,45 e o montante das sobras à disposição da AGO foi de R$ 1.231.958,70. A Unicastro possui 125 cooperados e atua nas áreas de cereais, grãos e batata. Atualmente também está investindo em uma nova atividade: produção de cogumelo.

Eleição - Durante a AGO houve ainda a eleição da nova diretoria e do Conselho Fiscal. Os eleitos foram Tsutomu Massuda (diretor-presidente) e Márcio Mitsuru Yamazaki (diretor vice-presidente). Como membros efetivos do Conselho Fiscal foram eleitos; Roberto Ryuiti Koike, Alvaro Tatsuya Yamamoto e Wilson Hiroshi Sasaki, tendo como suplentes: Rene Martins Bandeira Filho, Tony Toshiro Sato e Renan Rami Kaled.

AGE - Na sequência, a Unicastro promoveu uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para deliberar sobre alterações estatutárias.

{vsig}2020/noticias/02/14/unicastro/{/vsig}

 

COOPERATIVAS DE CRÉDITO: Não cobrança de tarifa de cheque especial é um ato respeito com associado

cooperativas credito 14 02 2020A cooperativa de crédito Sicredi foi mais uma a não cobrar a tarifa mensal de 0,25% para limite de cheque especial acima de R$ 500,00, que passou a valer em 6 de janeiro, com autorização do Banco Central. Adriana Mees, diretora executiva da Sicredi Fronteiras PR/SC/SP, diz que esta decisão reflete a preocupação da cooperativa de colaborar com o crescimento de seus mais de 4 milhões de associados Brasil afora. Adriana também fala um pouco sobre os programas de Educação Financeira que a cooperativa de crédito adota. Ouça aqui!

 

LEGISLAÇÃO: Entenda o que o produtor ganha com a alteração de regras do crédito rural

legislacao 14 02 2020A proposta conhecida como MP do Agro é o projeto de lei de conversão de autoria do deputado Pedro Lupion (DEM-PR), que estabelece Fundos Garantidores Solidários (FGS) para as linhas de crédito – com participação de produtores rurais e credores. Segundo o texto, poderá haver vários FGS, contanto que cada um deles tenha um mínimo de dois devedores, contribuindo com 4% dos saldos devedores. Igual percentual incidirá para os credores. Matéria produzida pela reportagem da Rádio Paraná Cooperativo explica o que o produtor ganha com a alteração de regras do crédito rural. Ouça aqui!

 

 

AGRONEGÓCIO: André Pessoa fala sobre os desafios e perspectivas do mercado de grãos

agronegocio 14 02 2020O economista e sócio-diretor da Agroconsult, André Pessoa, falou sobre os desafios e as perspectivas do mercado de grãos. Foi durante o Fórum de Mercado, evento promovido pelo Sistema Ocepar e que, neste mês, foi realizado no Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR). A participação de André Pessoa aconteceu no segundo dia de atividades (04/02) da Casa Paraná Cooperativo, espaço coordenado destinado às cooperativas paranaenses no Show Rural. Segundo o economista, a boa notícia é a recuperação do rebanho suíno na China. Ouça aqui!

 

TECNOLOGIA: Aplicativo da Fundação ABC oferece solução completa para o trabalho do agricultor

tecnologia 14 02 2020O produtor rural não pode deixar de conhecer um aplicativo criado especialmente para as suas necessidades no campo: o SigmaABC. Quem nos fala sobre ele é Fabio Crestani, gerente de Vendas e Projetos da Fundação ABC. O SigmaABC é uma criação da Fundação ABC, entidade ligada às cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, que realiza pesquisa aplicada para desenvolver e adaptar novas tecnologias, com o objetivo de promover soluções para produtores rurais. Saiba mais: www.sigmaabc.orgOuça aqui!

 

FRÍSIA/FUNDAÇÃO ABC: 1º Show Tecnológico do Cerrado é realizado no Tocantins

frisia fundacao abc 14 02 2020Um dos principais objetivos da Frísia quando se instalou em Paraíso do Tocantins (63 km de distância de Palmas), em 2016, era levar a experiência da mais antiga cooperativa paranaense, gerando informações para os produtores locais. Nesse período, a cooperativa inaugurou um moderno entreposto de grãos, realizou dias de campo junto à Fundação ABC e conquistou novos cooperados. Nesta sexta-feira (14/02), ocorre o ponto alto desse trabalho: a realização do 1º Show Tecnológico Cerrado.

Informação de qualidade - O gerente de Negócios Agrícolas da Frísia, Marcelo Cortês Cavazotti, afirma que os 95 anos de história da cooperativa estão se estendendo para o Tocantins e que o evento irá “entregar” informação técnica de qualidade para os cooperados e demais produtores da região. “É uma oportunidade ímpar para eles conseguirem ver anos de pesquisa”. Cavazotti lembra que os produtores daquela região têm mais de 50 variedades de soja para ver a nível de campo, assim o Show Tecnológico será uma forma deles terem mais conhecimento sobre, por exemplo, a variedade ideal, a melhor época para plantio, entre outras questões.

Agregação - Outro objetivo é mostrar o quão a Frísia pode agregar no negócio deles. “O cliente cooperado e o fornecedor da cooperativa sentam no mesmo lado da mesa, juntos nós brigamos pelo mesmo bem comum. O agricultor tem a segurança que a soja está lá para ser vendida no momento que achar melhor”, explica.

Presenças - No evento, estão presentes o diretor-presidente da Frísia, Renato Greidanus; o diretor vice-presidente, Gaspar de Geus; diretores agrícolas; e coordenadores.

Campo Experimental - Luís Henrique Penckowski, gerente técnico de Pesquisa da Fundação ABC, destaca que no período da manhã, o Show Tecnológico tem atividades de campo, com as quatro estações da Fundação ABC. Já no período da tarde, será a inauguração oficial do Campo Experimental com o descerramento da placa e palestra principal com a jornalista Kellen Severo.

Oportunidade - Na última safra, 19/20, vendo que há possibilidade de crescimento da produção, a Frísia investiu na construção de um campo experimental junto com a Fundação ABC, que fica anexo ao entreposto na cooperativa em Paraíso do Tocantins. “Com a estrutura do campo experimental, surge a oportunidade de mostrar nosso trabalho na região, resultado de um trabalho de 35 anos que a Fundação realiza nos Campos Gerais”, destaca o gerente técnico.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

PROGRAMAÇÃO

- 8h às 8h30: inscrição

- 8h30 às 12h: giro nos campos experimentais

- 12h às 13h30: almoço

- 13h30 às 14h30: descerramento da placa de inauguração do Campo Experimental

                                 Momento Fundação ABC

                                 Momento Frísia

- 14h30 às 15h30: palestra com a jornalista Kellen Severo

- 15h30 às 17h30: visitação estandes empresas parceiras

SERVIÇO

1º Show Tecnológico Cerrado

14 de fevereiro (sexta-feira)

Campo Experimental, anexo Entreposto Frísia

Fazenda Santa Maria, Rodovia 080, Km 45

Paraíso do Tocantins (TO)

Entrada gratuita

 

AGRÁRIA/FAPA: Em março, Fundação sedia Dia de Campo de Verão 2020

agraria 14 02 2020Nos dias 04 e 05 de março, será realizada na Fapa (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária), em Entre Rios, distrito de Guarapuava (PR), mais uma edição do Dia de Campo de Verão. Anualmente, o evento apresenta ao público os resultados das pesquisas conduzidas pela Fundação, além de trazer novidades sobre manejo e genética referentes aos cultivos da época mais quente do ano.

Commodities - Presentes no cotidiano da população de diferentes formas, os cereais de verão são commodities importantes para o equilíbrio da balança comercial do Brasil. A safra 2019/2020, segundo estimativas da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), fechará com recorde de produção.

Milho e soja - Na Agrária, o milho e a soja, dois grandes expoentes deste período, são cultivos relevantes para os índices de rentabilidade do cooperado. “Essas culturas apresentam valores interessantes, e esta época do ano dá mais estabilidade aos cultivos, refletindo positivamente na produção”, afirma Marcio Mourão, coordenador da Fapa.

Indústria - A dupla milho e soja também é importante para as indústrias da cooperativa, especialmente as de Grits e Flakes e Óleo e Farelo. “Dentro da Fapa selecionamos material que viabilize a produção do cooperado e atenda as necessidades da indústria, fazendo com que haja agregação de valor”, explica o pesquisador Celso Wobeto.

Palestras - Durante o Dia de Campo de Verão, o público poderá acompanhar as seguintes palestras realizadas pela equipe da Fapa: Comportamento e Manejo de pragas e doenças na safra de verão (pesquisadores Alfred Stoetzer, Cristiane Gardiano Link e Heraldo Feksa); Avaliação de híbridos de milho em regiões de transição, utilizando a metodologia de "Estudos Observacionais” (pesquisador Celso Wobeto); Maximização do potencial produtivo da soja (pesquisadores Everton Makuch, Sandra Mara Vieira Fontoura e Vitor Spader); e Manejo de cultivares de feijão visando altas produtividades (pesquisadores Eduardo Pagliosa e Noemir Antoniazzi).

Expositores - Além das palestras simultâneas, o evento contará com cerca de 30 expositores entre empresas de agroquímicos, maquinários e genética. Essas últimas mostrarão novidades do mercado no ramo da transgenia.

Público - O Dia de Campo de Verão é voltado para cooperados da Agrária, produtores da região, profissionais que atuam no ramo da agricultura e estudantes. A participação nos dois dias de atividades é gratuita.

Promoção - O evento é promovido pela Fapa e pela Agrária com o patrocínio ouro da Oro Agri, patrocínio prata da Ihara e patrocínio bronze da Pioneer e do Sindicato Rural de Guarapuava. (Imprensa Agrária)

SERVIÇO

Dia de Campo de Verão

Data: 05 e 06 de março

Horário: das 8h às 18h

Local: Fapa – Fundação Agrária de pesquisa Agropecuária

Rodovia PR-540, Km 09 - Entre Rios - Colônia Vitória, Guarapuava – PR

 

CAPAL: Tec Campo reúne cooperados e pesquisadores para apresentação de resultados

capal 14 02 2020A Capal, em parceria com a Fundação ABC, promoveu o Tec Campo, evento que aproxima cooperados e pesquisadores. O dia de campo aconteceu em 3, 4 e 5 de fevereiro, nos municípios de Curiúva, Wenceslau Braz e Arapoti, no Paraná; e em Itaberá, no estado de São Paulo. No evento exclusivo aos associados da Capal, foram apresentados resultados de pesquisas no cultivo de soja aos produtores de cada região.

Palestras técnicas - Em palestras técnicas, os pesquisadores da Fundação ABC trataram da influência dos fatores climáticos na produção e, ainda, do controle de plantas daninhas e pragas. Cada apresentação trouxe orientações e alternativas para o manejo. Assim, os cooperados podem tomar as melhores decisões ao programar a safra. “É muito bom estar participando, porque os resultados ajudam a gente a melhorar a produção, na questão de doenças”, afirma o produtor José Celso Videira, das regiões de Wenceslau Braz e Arapoti.

Diferentes cultivares - Além das palestras, o Tec Campo dá aos cooperados a oportunidade de observar diferentes cultivares de soja, obtendo informações sobre as melhores variedades e aplicações para a sua localidade. Para Vitor Lopes, funcionário da unidade de Curiúva, o evento é muito importante tanto para a Cooperativa, quanto para os cooperados. “Eles têm a oportunidade de ver as variedades aqui no nosso microclima. É diferente eles irem em outras regiões e estar na casa deles, então é um ganho muito grande”, ressalta.

Municípios - Nos dias 3 e 4 de março, o Tec Campo acontece nos municípios de Taquarituba e Taquarivaí (São Paulo). No evento, cooperados das unidades terão acesso às palestras técnicas e poderão observar as cultivares da própria região.

Capal 60 anos - Fundada em 1960, a Capal, que completa 60 anos em 2020, conta atualmente com 3.130 associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho, café e trigo. A área agrícola assistida aproxima dos 150 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 9 milhões de litros, proveniente de 360 produtores com uma média de produção de 2,5 mil litros por dia. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 27 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

 

SICOOB: Promoção Poupança Premiada vai distribuir mais de R$ 3 milhões em prêmios

sicoob 14 02 2020Lançada no primeiro sábado de fevereiro, a promoção Poupança Premiada Sicoob distribuirá mais de R$ 3 milhões em prêmios para os seus poupadores. Durante a promoção serão 49 sorteios semanais, 11 sorteios mensais e mais quatro sorteios especiais. Os números da sorte são gerados por PF e CNPJ, seguindo a Loteria Federal. Os interessados podem acessar o regulamento da promoção em www.sicoob.com.br/poupancapremiada. No site também é possível conferir os números da sorte, que serão disponibilizados a partir de 25/02/2020.

Mote - Com o mote “Poupar com o porquinho do Sicoob dá sorte e pode dar um montão de prêmios”, o objetivo do Sicoob é incentivar seus cooperados a investirem na poupança. A promoção também segue a linha da campanha Somos Feitos de Valores, que destaca os valores do Sicoob e os benefícios do cooperativismo de crédito. Além de participar dos resultados, ajudar no desenvolvimento regional e economizar com tarifas até 50% mais baratas, os cooperados do Sistema ainda concorrem a prêmios.

Incremento - Para participar da promoção, o cooperado precisa fazer um incremento de R$200 na poupança. A cada novo depósito com o valor, o associado recebe um número da sorte. Vale lembrar que se o valor for retirado da poupança, o número da sorte é automaticamente cancelado.

Sobre o Sicoob - O Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil, Sicoob, possui 4,6 milhões de cooperados em todo o país e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. É composto por mais de 420 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e a Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação). Integram, ainda, o Sistema, o Banco Cooperativo do Brasil do Brasil (Bancoob) e suas subsidiárias (empresas/entidades de: meios eletrônicos de pagamento, consórcios, DTVM, seguradora e previdência) provedoras de produtos e serviços especializados para cooperativas financeiras. A rede Sicoob é a quinta maior entre as instituições financeiras que atuam no país, com mais de 3,1 mil pontos de atendimento. As cooperativas integrantes do Sistema oferecem aos cooperados serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras. Mais informações acesse: www.sicoob.com.br. (Imprensa Sicoob)

 

SICREDI: Com apoio da instituição cooperativa, programa que potencializa startups voltadas para o agro chega à 2ª edição

sicredi 14 02 2020Para se aproximar do universo de startups e gerar inovação junto a produtores rurais, o Sicredi - instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados – apoia a realização da segunda edição do Intensive Connection, programa de potencialização de empresas em estágio inicial da operação. As inscrições podem ser feitas até 28 de fevereiro pelo site http://bit.ly/intensiveconnection.

Parceria - A iniciativa é realizada em parceria com a AgTech Garage, maior hub de inovação da América Latina para o agronegócio, e empresas como Bayer, OCP S.A e Ourofino Saúde Animal, que somadas ao Sicredi são chamadas de “Innovation Partners”. O objetivo é potencializar startups com soluções inovadoras, capazes de garantir a sustentabilidade e a competitividade do agronegócio nacional.

Mentorias - Com duração de dois meses, o programa prevê mentorias técnicas e de negócios oferecidas por executivos experientes vinculados às “Innovation Partners” e especialistas do AgTech Garage. As dinâmicas pretendem proporcionar aprendizados, vivências e relacionamentos para impulsionar a evolução dos participantes e seus negócios.

Temas - A edição de 2020 será norteada por temas propostos pelos “Innovation Partners”, como “mensuração da produtividade no campo”, sugerido pela Bayer; “saúde e gestão do solo”, pela OCP S.A; “reimaginando a saúde animal”, pela Ourofino; e “empoderar o produtor rural”, proposto pelo Sicredi. Para cada um destes temas serão selecionadas até cinco startups para o demoday, e, destas, duas serão escolhidas para serem aceleradas, a partir de critérios como time, produto, fit com parceiros, sustentabilidade, mercado e estágio de desenvolvimento.

Conexão - “Esta é uma maneira de proporcionarmos a conexão entre startups e produtores rurais, o que contribui com a evolução do agronegócio brasileiro como um todo. Com o programa, abrimos as pontes de relacionamento entre as agtechs (startups com foco em agronegócio) e trabalhadores do campo, que cada vez mais demandam por tecnologia e evoluções em suas áreas”, afirma Marilucia Dalfert, gerente de Crédito Rural do Centro Administrativo Sicredi.

Equity free - O Intensive Connection é equity free, ou seja, não prevê investimento financeiro inicial nas startups e não requer que o empreendedor inscrito venda ações de seu negócio por um valor pré-determinado. Nada impede, contudo, que durante ou ao final do programa seja negociado um investimento diretamente entre as partes interessadas.

Atividades - As atividades (seleção das startups, kick-off, all together e closing remarks) acontecem no AgTech Garage em Piracicaba (SP), seguindo cronograma que prevê o período de mentorias entre 26 de março e 27 de maio.

Resultados positivos na 1ª edição - Na primeira edição do Intensive Connection, realizada em 2019, foram inscritas 98 startups. Cada Innovation Partner escolheu duas e, na ocasião, o Sicredi selecionou a Digifarmz e a Elysios. Hoje em dia, ambas já aplicam suas soluções, em fase piloto, junto a 80 produtores rurais, ajudando-os no combate a doenças da soja e na rastreabilidade da produção.

Potencial do programa - “A primeira edição nos deu uma boa perspectiva em relação ao potencial do programa, então esperamos aumentar a quantidade de inscritos em 2020. É uma iniciativa que gera benefícios a todos os envolvidos, pois eleva o nível de maturidade das startups, gera inovação no campo e nos proporciona novas oportunidades de negócios”, completa Dagoberto Trento, gerente de Estratégia e Inovação do Centro Administrativo Sicredi, reforçando que o Sicredi mantém relacionamento com mais de 600 mil produtores rurais atualmente.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Cooperativa completa 30 anos de fundação

A Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP completou 30 anos de fundação no dia 7 de fevereiro. O aniversário foi celebrado com um jantar no Clube Grêmio Mariopolitano, em Mariópolis (PR), cidade onde a cooperativa foi fundada no ano de 1990.

Participação - Mais de 500 convidados participaram do evento, entre associados, conselheiros, colaboradores, lideranças locais e várias outras pessoas que marcaram a história da instituição. Também estiveram na cerimônia o presidente do Sistema Sicredi e da Central PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock, o presidente executivo do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e o chefe da Casa Civil do Paraná, Guto Silva.

Momento - O jantar de confraternização foi um momento de relembrar a história da cooperativa, celebrar as personalidades que fizeram parte de sua trajetória e prestar homenagens. Foram entregues medalhas comemorativas aos ex-presidentes, a conselheiros, a lideranças políticas dos vários municípios onde a cooperativa atua e a outros homenageados.

Cápsula do tempo - Também foi apresentada a cápsula do tempo dos 30 anos, que recebeu uma cópia do cerimonial do evento, a medalha comemorativa e um exemplar do jornal Diário do Sudoeste, de Pato Branco (PR), edição do dia 07 de fevereiro de 2020, onde foi publicada uma peça publicitária alusiva ao aniversário. A cápsula do tempo será fechada no mês de agosto e deverá ser reaberta em 2040, quando a Sicredi Parque completará 50 anos de fundação.

Apresentação - Outro destaque do evento foi a apresentação ao público da música composta em homenagem a cooperativa, interpretada ao vivo por Juliane Baseggio e Marcelo Archetti, autores da canção.

Origem - A Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP surgiu da união de 27 agricultores, que encontraram uma alternativa para a necessidade de financiar seu trabalho na fundação de uma cooperativa de crédito. No início, a cooperativa funcionava de forma integrada a Cooperativa Agrícola São Cristóvão (Camisc), e chamava-se Cooperativa de Crédito Rural São Cristóvão – Camisc. Em 1997, a instituição passa a integrar o sistema Sicredi.

Abrangência - Em fevereiro de 2020, a Sicredi Parque possui 28 agências distribuídas em 24 cidades das regiões sudoeste do Paraná, oeste e meio oeste de Santa Catarina e noroeste de São Paulo. A instituição oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros aos seus mais de 50 mil associados, e promove os princípios do cooperativismo por meio de uma série de programas sociais.

Reestruturação - “Ao longo desses 30 anos, o Sicredi se reestruturou para realmente atender as necessidades não só dos associados, mas de toda a sociedade. Trabalhamos para manter um sistema financeiro que possa viabilizar o investimento de nosso associado, que ele possa gerar resultado para suas empresas, para suas vidas, contribuindo assim para as comunidades onde vivem”, disse Clemente Renosto, presidente da Sicredi Parque e um dos membros fundadores da cooperativa.

Saudação - O diretor executivo, Fabio Vedelago Burille, saudou os mais de 50 mil associados da cooperativa, em especial os sócios fundadores. “Foram visionários, que talvez não soubessem que seu empreendimento chegaria a tal proporção. Para nós, colaboradores, é um momento de muita alegria, e para mim em especial, por ter participado por mais de 20 anos da construção dessa história”, afirmou o diretor, que ingressou na instituição como estagiário.

Perenidade - “Eu quero desejar os parabéns em nome da Central PR/SP/RJ e também em nome do sistema Sicredi por essa jornada, por tudo o que construíram e por tudo que essa instituição está fazendo em prol da perenidade desse nosso empreendimento”, disse o presidente do sistema Sicredi e da Central PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

{vsig}2020/noticias/02/14/sicredi_parque_araucarias/{/vsig}

SICREDI PLANALTO DAS ÁGUAS: Cooperativa realiza a 1ª Assembleia em Fernandópolis (SP)

sicredi planalto aguas 14 02 2020

A última quarta-feira (12/02) foi histórica para os associados de Fernandópolis, cidade com aproximadamente 70 mil habitantes, localizada na região noroeste do estado de São Paulo, por motivo da realização da 1ª Assembleia de Núcleos, promovida pela cooperativa Sicredi Planalto das Águas PR/SP. Aproximadamente 100 pessoas, o que representa 10% da base de associados atual, tiveram a oportunidade de acompanhar e deliberar sobre o desempenho da instituição financeira cooperativa presente no município. Inaugurada em setembro de 2018, a agência de Fernandópolis representa o momento de expansão no estado de São Paulo.

Transparência - “Momento especial de exercitar a transparência na gestão e mostrar os indicadores de desempenho aos associados e comunidade em geral, um dos tantos diferenciais que o cooperativismo de crédito oferece” comenta o presidente da cooperativa, Adilson Primo Fiorentin. (Imprensa Sicredi Planalto das Águas PR/SP)

 

 

UNIMED LONDRINA: Academia da cooperativa retorna atividades após reforma

unimed londrina 14 02 2020A Unimed Londrina reinaugurou, no dia 10 de fevereiro, a academia que integra o Programa Unimed Saúde. De acordo com Erico Zanini, gerente de Promoção de Saúde, a reforma visou atender com mais conforto e qualidade os clientes e proporcionou a ampliação do espaço para atender novos clientes, além de trazer ambientes climatizados, renovar o mobiliário e o layout.

Atendimento - Hoje, na academia são atendidos, aproximadamente, 1100 clientes, distribuídos nas diversas modalidades ofertadas. “Todas as pessoas atendidas apresentam doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, insuficiência cardíaca e DPOC, e praticam atividades físicas complementares ao acompanhamento médico”, ressalta Erico.

Atividades - Na academia são oferecidas oficinas de alongamento, destinadas aos pacientes que são limitados à prática de atividades físicas de maior intensidade. Postural, para a correção da postura e redução de dores corporais. Circuito funcional que agrega o trabalho de diferentes habilidades, sendo possível estimular a força, o equilíbrio e a flexibilidade. Dança que estimula a coordenação motora e o condicionamento físico, além de ajudar na autoestima e no combate da ansiedade e depressão. E hidroginástica, que aumenta a resistência muscular, capacidade cardiovascular e cardiorrespiratória.

Auxílio - Para o gerente da Unimed Saúde, a relevância da academia está no auxílio dos exercícios no tratamento de doenças crônicas. “Os exercícios físicos regulares têm papel importante no cuidado com a doença crônica, controlando o avanço e suas complicações, além de proporcionar um excelente ambiente de socialização”, finaliza.

Sobre o Programa Unimed Saúde - Por meio do Programa Unimed Saúde, a Cooperativa leva informação e cuidados básicos de saúde para todos os clientes, a fim de estimular hábitos saudáveis e impedir o avanço de doenças crônicas. (Imprensa Unimed Londrina)

 

VBP: Valor da Produção Agropecuária para 2020 é estimado em R$ 674,10 bilhões

O resultado do levantamento da safra de grãos impactou favoravelmente no Valor da Produção da Agropecuária (VBP) deste ano, estimado em R$ 674,10 bilhões, e representa um acréscimo real de 6,7% em relação a 2019. As taxas de crescimento previstas são de 6,4% para as lavouras e 7,3% para a pecuária.

Desempenho favorável- As informações de safras divulgadas nesta semana pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicam desempenho favorável para a safra de grãos. Até o momento, não tem havido problemas climáticos nas principais regiões produtoras e as previsões são de uma safra de 251 milhões de toneladas segundo a Conab, e 246,7 milhões de toneladas segundo levantamento do IBGE. Esses números são recordes para a produção brasileira de grãos.

Estimuladores - “Soja, milho e café são os principais estimuladores do crescimento do VBP e contribuem com 59% do valor total das lavouras analisadas”, avalia o coordenador-geral de Avaliação de Políticas e Informação do Departamento de Financiamento e Informação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), José Garcia Gasques.

Aumentos - Os aumentos de valor em relação ao ano passado devem ser de 25,7% no café, 13,5 % no milho, e 14,3% na soja. “Deve-se destacar a relevância das exportações para os resultados do milho e soja”, salienta Gasques.

USDA - No informativo de fevereiro, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) mostra que na safra 2019/2020, os embarques da soja brasileira devem ser de 77 milhões de toneladas e as dos Estados Unidos, 49,77 milhões de toneladas. A produção de soja prevista é de 125 milhões de toneladas para o Brasil, e de 96,8 milhões de toneladas para os Estados Unidos, conforme levantamento do USDA.

Pecuária - Outra importante contribuição vem sendo dada pela pecuária, especialmente, bovinos, com aumento de 12,4% no VBP, suínos, 24% e frango, 3,1%. O leite e os ovos, em situação desfavorável, mostram retração do VBP neste ano.

Redução real - De acordo com o estudo coordenado por Gasques, um grupo de produtos vem apresentando redução real de valor da produção, como o algodão, banana, batata inglesa, cana-de-açúcar, feijão, laranja, tomate e trigo. “Como, em geral, não são retrações fortes, é possível que as posições negativas mudem no decorrer do ano”, alerta o pesquisador.

Resultados regionais - Os resultados regionais mostram, como em relatórios anteriores, que Centro-Oeste, Sul e Sudeste lideram as contribuições ao VBP de 2020, com taxas de 31,95%, 26,9% e 25%, respectivamente.

Paraná - De acordo com o estudo da secretaria, um dos destaques neste mês é que o estado do Paraná, grande produtor de grãos e pecuária, especialmente frangos, superou São Paulo. A cana-de-açúcar perdeu relevância ao longo dos anos nesse estado

O que é VBP - O VBP mostra a evolução do desempenho das lavouras e da pecuária ao longo do ano e corresponde ao faturamento bruto dentro do estabelecimento. Calculado com base na produção da safra agrícola e da pecuária, e nos preços recebidos pelos produtores nas principais praças do país, dos 26 maiores produtos agropecuários do Brasil. O valor real da produção, descontada a inflação, é obtido pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) da Fundação Getúlio Vargas. A periodicidade é mensal. (Mapa)

>> Veja aqui resumo do VBP 2020

>> Veja aqui VBP por região

>> Veja aqui VBP por produto

 

vbp quadro 14 02 2020

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Kuwait abre mercado para a carne bovina brasileira

 

comercio externo 14 02 2020O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) foi informado nesta quinta-feira (13/02) que o Kuwait passará a importar carne bovina do Brasil. "Mais uma boa notícia de abertura de mais um mercado para a carne bovina brasileira: o Kuwait, país que visitamos em setembro, quando iniciamos essa conversação. Hoje veio a boa notícia de mais um mercado para a carne bovina brasileira", afirmou a ministra Tereza Cristina.

 

Missão - O Kwait foi um dos países em que a ministra esteve em setembro do ano passado, durante a missão ao Oriente Médio. Atualmente a carne de frango (in natura) é o produto agropecuário brasileiro mais comprado pelo Kuwait. Em 2018, foram importadas 122.945 toneladas, o equivalente a US$ 185,7 milhões.

 

Outros produtos - O Brasil também exporta para o Kuwait milho, suco de laranja, café solúvel, farelo de soja, café verde, carne de frango (industrializada), carne de pato (in natura), castanha de caju e carne de peru (in natura). No ano passado, as exportações agropecuárias para o Kuwait totalizaram US$ 209,4 milhões, o equivalente a 215.463 toneladas. (Mapa)

 

SISTEMA S: Acordo libera 1,3 milhão de vouchers para qualificação

sistema s 14 02 2020O novo sistema de distribuição de vouchers para treinamento e capacitação profissional, fruto de um acordo entre governo e indústria, está praticamente pronto. A expectativa é contemplar pelo menos 1,3 milhão de trabalhadores nos quase três anos de mandato que o presidente Jair Bolsonaro ainda tem pela frente - 300 mil em 2020, 510 mil em 2021 e outros 510 mil em 2022.

Negociação - O programa de vouchers deriva da negociação feita pela equipe econômica com o Sistema S, que se comprometeria a deslocar cerca de R$ 4,5 bilhões anuais de orçamento dos serviços sociais autônomos para financiar uma nova Estratégia Nacional de Qualificação formulada pelo governo. Apenas a indústria entra em um primeiro momento do programa. Comércio e serviços ainda não tiveram acordo fechado.

Distribuição - Os cupons serão distribuídos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), por meio de uma plataforma eletrônica, às empresas do setor e seguindo diretrizes do Ministério da Economia. Sem alarde, a plataforma começou a ser testada em escala reduzida para que haja a identificação de problemas antes do lançamento oficial do novo sistema, nos próximos meses.

Empresas - As empresas - e não os trabalhadores - receberão os vouchers. Elas poderão indicar um empregado de seus quadros ou indivíduos de fora para os cursos do Senai. Nesse caso, podem ser pessoas que foram entrevistas pela área de recursos humanos de uma companhia, mas não tinham uma habilidade ou conhecimento específico e precisam de treinamento adicional. É apenas um exemplo e as empresas terão liberdade para fazer indicações, bem como quem fará qual curso.

Oferta e demanda - “Um dos grandes problemas dos programas de qualificação profissional era o desalinhamento de oferta e demanda. A busca é por inverter essa lógica, colocando o foco no aumento da produtividade”, afirmou ao Valor o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos Da Costa, responsável pelo programa.

Visão crítica - O ministro da Economia, Paulo Guedes, que já havia ameaçado “meter a faca” no Sistema S, tem uma visão crítica dos serviços sociais autônomos. Acha que eles atuam com pouco foco, são mal fiscalizados, gastam muito em sedes suntuosas e salários. As vagas oferecidas dentro do novo programa de cupons não são adicionais, ou seja, usam a capacidade já existente do Senai. Mas, na avaliação da equipe econômica, há um ganho de eficiência: os cursos passam a contemplar as necessidades reais das empresas e parte expressiva do orçamento para qualificação será agora orientada pelo governo.

Aproveitamento - “O aluno vai lá, faz o curso e a empresa consegue monitorar o desempenho dele – se ele concluiu e com que aproveitamento”, explicou Costa. “Quando os recursos eram muito fartos, talvez a ausência de foco não fosse um problema. Agora colocamos o setor produtivo no centro do processo.”

Cota - A cota de vouchers dependerá do tamanho de cada estabelecimento. Todas as indústrias vão receber pelo menos um cupom mediante cadastramento na plataforma. Micro e pequenas empresas (com até 99 funcionários) terão direito a vouchers correspondentes a 20% de sua força de trabalho. Empresas de médio porte (100 a 499 empregados) poderão solicitar volume equivalente a 10% do quadro pessoal. No caso das grandes (acima de 500 pessoas), serão 5%.

Dispêndio - Não há dispêndio de recursos do Orçamento Geral da União com o novo programa, que usará dinheiro da contribuição compulsória das indústrias ao Sistema S. Por outro lado, ainda não há desoneração da folha de pagamento. As empresas pagam atualmente 3,1% sobre a folha para financiar os serviços sociais autônomos. O governo deve aproveitar a reforma tributária em tramitação no Congresso Nacional e reduzir esse percentual.

Total de recursos - O total de recursos direcionados para o sistema de vouchers ainda não está sendo divulgado - nem pelo Ministério da Economia nem pelo Senai. O argumento é que os vouchers têm custo diferente entre si. Dependeria se os cursos técnicos são presenciais, semipresenciais ou a distância.

Entendimento positivo - Para o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, o entendimento com o governo foi positivo e a construção do novo sistema de vouchers foi bem azeitada com a equipe econômica. Ele explicou que toda a rede de aproximadamente mil unidades operacionais - fixas e móveis - da entidade estará à disposição do programa.

Papel decisivo - De acordo com Lucchesi, pelo menos 70% dos desempregados que passam por cursos ou treinamentos do Sebrae enquanto estão fora do mercado formal de trabalho acabam se colocando ou recolocando no mercado de trabalho formal em até um ano. “Temos papel decisivo para a competitividade da indústria brasileira e na empregabilidade dos trabalhadores”, diz. O Senai recebe mais de 2 milhões de matrículas por ano - houve um pico de 3,8 milhões de matrículas em 2014. (Valor Econômico)

 

TRANSPORTE DE CARGAS I: Supremo adia julgamento da tabela do frete

transporte cargas I 14 02 2020O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), aceitou nesta quinta-feira (13/02) o pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e retirou de pauta as ações que questionam a constitucionalidade da tabela de frete. O julgamento estava marcado para quarta-feira (19/02). O ministro também acatou a sugestão do advogado-geral da União, André Mendonça, para que fosse realizada uma audiência de conciliação “como última tentativa” para tentar a chegar a uma solução sobre o impasse. O encontro entre as partes foi marcado para 10 de março.

Entidades de classe - As três ações de inconstitucionalidade que seriam julgadas foram apresentadas por entidades de classe empresarial como as confederações nacionais da Indústria (CNI) e da Agricultura e Pecuária (CNA). Elas reagiram ao pedido da AGU e se manifestaram contra o adiamento. Em setembro de 2018, Fux já havia feito uma ampla audiência com representantes de transportadoras, motoristas autônomos e setor produtivo.

Sinais - O ministro já deu vários sinais de desconforto com o tema, considerado delicado e complexo, e de ficar com o ônus de dar o norte sobre os rumos da decisão da corte, dizem fontes a par do assunto. Ele teme que seu voto possa provocar a reação dos caminhoneiros, que frequentemente acenam com novas ameaças de greves pelo país. Este é o mesmo sentimento do governo.

Tendência - Como já mostrou o Valor, havia uma tendência de Fux julgar o tabelamento inconstitucional. Ele também sinalizou um voto médio, que considerasse inconstitucional a obrigatoriedade da tabela e por outro lado previsse um tabelamento de referência, ou seja, facultativo. A ideia, que agradava os embarcadores (empresas que contratam o serviço de frete), ganhou a oposição de transportadores autônomos.

AGU - O governo de Jair Bolsonaro dava ares de que defendia o julgamento mais rápido possível, e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, que vinha conduzindo uma negociação de conciliação entre caminhoneiros e empresas, não se envolveu com o tema neste início de ano. E a estratégia de atuação do governo foi delegada à AGU.

Questionamento - Antes da decisão de Fux, as principais entidades do setor produtivo que questionam o tabelamento de frete - CNI e CNA - ingressaram com pedidos no STF para manter o julgamento. “O tabelamento do preço do frete rodoviário tem causado graves danos à economia nacional”, afirmou o advogado Marcus Vinicius Furtado Coêlho, que representa a CNI no STF.

Impacto - “O setor agropecuário tem sofrido fortíssimo impacto regulatório e financeiro por conta das sucessivas tabelas obrigatórias de preço mínimo do frete rodoviário, que oneram sobremaneira toda a cadeira produtiva, trazendo custos elevados ao produtor rural e ao próprio consumidor”, diz trecho da petição da CNA.

Piso mínimo - Para acabar com as greves, o governo de Michel Temer editou uma medida provisória criando um piso mínimo para o frete rodoviário, considerado pelos setores empresariais como uma espécie de lucro dado aos caminhoneiros. Desde então, nove tabelas foram editadas - duas delas suspensas - e as empresas se queixam de aumento de custos, muitas delas tendo recorrido a frotas próprias para fugir das tabelas. A CNI classificou como “inoportuna” a decisão do ministro de retirar de pauta as três ações. (Valor Econômico)

 

TRANSPORTE DE CARGAS II: Medida foi ruim para economia, afirma ANTT

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) admitiu, pela primeira vez, que o tabelamento produziu efeitos nocivos à economia, em especial ao transporte rodoviário de cargas, gerando distorções como explosão da frota própria de caminhões por empresas e redução na contratação de motoristas autônomos para o serviço.

Nota técnica - Em nota técnica elaborada no fim do ano passado para embasar o último reajuste de 15% na tabela de frete publicada em 20 de janeiro último e obtida pelo Valor, a agência reguladora aponta “problemas regulatórios” em efetivar a lei do piso mínimo do frete - editada em agosto de 2018 como uma das condições impostas pelos caminhoneiros ao então presidente Michel Temer para cessar a greve três meses antes.

Resolução - A agência, vinculada ao Ministério da Infraestrutura, ainda reconheceu que sua primeira resolução publicada em junho de 2018 como efeito da lei “não se mostrou suficiente, de forma que o problema não foi totalmente equacionado”.

Insatisfatória - No documento, a ANTT também atesta que a resolução seguinte, de julho de 2019, válida até hoje, “ainda não se mostrou satisfatória a parcela do mercado, o que culminou em suspensão temporária da norma”. Nesse caso, a medida, que contou com ampla consulta pública e foi encomendada à Esalq (escola de agronomia da USP), ficou suspensa por meses após pressão dos motoristas autônomos.

Equilibrada e justa - Considerada mais equilibrada e justa, porém, ela acabou sendo republicada. “Sendo assim, torna-se necessária uma reavaliação da regulação vigente a fim de aprimorar a metodologia construída e aproximar cada vez mais os pisos mínimos estabelecidos aos valores efetivamente justos em termos de valor mínimo acima do qual os fretes devem ser pagos”, diz a nota.

Impactos - A ANTT ainda frisa que todos os atores envolvidos no sistema de frete rodoviário, como embarcadores, caminhoneiros autônomos e empresas transportadoras, sofreram impactos pela adoção da política de tabelamento do frete.

Conclusão - Nesse sentido, a agência concluiu que as transportadoras tiveram possível redução na margem de seus lucros, aumento em sua frota própria e menor contratação de autônomos. Por outro lado, os caminhoneiros penaram com uma menor contratação pelos serviços de frete. E as empresas contratantes de frete (embarcadores, como indústria e produtores rurais) também viram suas margens encolherem e perderam “competitividade nos mercados interno e externo devido ao aumento do preço do frete”.

Resultados - Entre os principais resultados do tabelamento para a economia que demonstram certa distorção no mercado, a ANTT mostrou que, ao fim de 2019, a frota própria de empresas transportadoras somou 1,2 milhão de caminhões, ultrapassando a mantida pelos autônomos (702,8 mil), principais defensores do piso mínimo do frete. (Valor Econômico)

IBC-BR: Atividade econômica cresce 0,89% em 2019

ibc br 14 02 2020A economia brasileira cresceu 0,89% em 2019. É o que mostra o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta sexta-feira (14/02). É o terceiro ano seguido que o IBC-Br registra expansão.

Último trimestre - No último trimestre do ano, comparado ao período anterior, o crescimento ficou em 0,46%, de acordo com dado dessazonalizado (ajustado para o período). O quarto trimestre comparado a igual período de 2018 apresentou crescimento de 1,36%.

Dezembro - Em dezembro, frente a novembro de 2019, houve queda de 0,27% (dessazonalizado). Na comparação com o último mês do ano passado e dezembro de 2018, a atividade econômica apresentou crescimento de 1,28%.

Informações - O IBC-Br incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos. (Agência Brasil)

 

 

IBGE: Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela Instituto

ibge 14 02 2020A taxa média de desemprego fechou 2019 em queda em 16 estados, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios–Contínua (PNAD-Contínua), divulgada nesta sexta-feira (14/02), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A menor taxa média anual de desemprego ficou com Santa Catarina: 6,1%.

Na sequência - Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso aparecem em seguida, todos com 8%. Já os maiores percentuais foram observados no Amapá (17,4%) e na Bahia (17,2%).

População ocupada - A população ocupada cresceu em 23 unidades da federação. Apesar da queda da taxa de desemprego e da ocupação, 20 estados tiveram taxa recorde de informalidade, isto é, os empregados sem carteiras, os trabalhadores por conta própria sem CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) e os familiares auxiliares. A maior taxa foi anotada no Pará (62,4%), bem acima da média brasileira (41,1%). Atualmente, há no país 12,6 milhões de desempregados.

Informalidade cresce - Segundo a pesquisadora do IBGE Adriana Beringuy, o aumento do emprego no país tem sido puxado pelo crescimento da informalidade. “Em vários estados a gente observa que a taxa de informalidade é superior ao crescimento da população ocupada. No Brasil, do acréscimo de 1,819 milhão de pessoas ocupadas, um milhão é de pessoas na condição de trabalhador informal”, afirmou.

Passagem de trimestre - Na passagem do terceiro para o quarto trimestre de 2019, a taxa de desemprego caiu em nove unidades da federação, com destaque para Maranhão (que recuou de 14,1% para 12,1%) e Pará (caiu de 11,2% para 9,2%). Nos demais estados, manteve-se estável.

Comparação - Já na comparação com o quarto trimestre de 2018, houve queda em sete estados, com destaque para o Amapá (recuo de 19,6% para 15,6%). Apenas Goiás teve alta na taxa de desemprego neste tipo de comparação. Passou de 8,2% para 10,4%. (Agência Brasil)

 

FRENCOOP I: Nishimori participa de encontro de negócios com o Japão promovido pela Fiep em conjunto com a JICA

O deputado federal Luiz Nishimori (PL-PR) participou, no dia 10 de fevereiro, do Encontro de Negócios com o Japão promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA), a Agência Paraná de Desenvolvimento (APD) e a Câmara de Comércio e Industria Brasil-Japão do Paraná (CCIBJ). O evento contemplou os setores da agroindústria, Tecnologia da Saúde, Alimentos, Tratamentos de Resíduos Sólidos e Tecnologia da Informação. O encontro promove o diálogo entre empresários paranaenses e as empresas japonesas que pretendem se instalar no Paraná.

Densidade industrial - Segundo o gerente executivo de Relações Institucionais e Assuntos Internacionais da Fiep, Reinaldo Tockus, o Paraná tem uma expressiva densidade industrial e que “a missão da Fiep é aproximar as indústrias para prospectar oportunidades de negócios”.

Potencial - Em seu discurso, Luiz Nishimori afirmou que acredita no Brasil, “acredito no seu grande potencial econômico e energético, o Japão já é um dos maiores compradores de frango do Paraná e responde por 70% da exportação de suco de laranja do Estado. Agora queremos abrir o mercado para a carne suína e nossas frutas, temos uma parceria de sucesso, o Brasil tem matéria-prima em abundância e o Japão tecnologia de ponta”.

Presenças - O evento foi realizado no Campus da Indústria em Curitiba e contou com a participação do Cônsul Geral Adjunto do Japão no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, Wakaeda, do representante sênior da JICA, Atsunori Kadoya, do Presidente da CCBJ-PR, Arata Hara, do Diretor da CCBJ-PR do Paraná, Fujio Takamura, além de empresários brasileiros e japoneses. (Assessoria de Imprensa do deputado Luiz Nishimori)

{vsig}2020/noticias/02/14/frencoop_I/{/vsig}

FRENCOOP II: Leandre apresenta plano de trabalho da Frente Parlamentar Mista da Primeira Infância

Em Brasília, na quarta-feira (12/02), a deputada federal Leandre Dal Ponte (PV-PR) apresentou o plano de trabalho da Frente Parlamentar Mista da Primeira Infância para o ano de 2020. A reunião contou com a participação e apoio de um grande número de parlamentares e uma presença ilustre: a médica Mary Yang, pediatra e especialista em saúde global e desenvolvimento da criança, reconhecida internacionalmente.

Prioridades - De acordo com Leandre, que preside a Frente Parlamentar Mista da Primeira Infância, este será um ano de grande trabalho. Serão prioridades da frente neste ano a realização de Seminários Estaduais do Marco Legal da Primeira Infância, a exemplo do que ocorrerá no Paraná no dia 09 de março.

Seminários regionais - “E, a partir da realização destes seminários estaduais, queremos realizar seminários regionais. No Paraná, os seminários regionais estão previstos para acontecer até maio de 2020. Estes seminários regionais são ótimos para levar o conhecimento sobre o Marco Legal da Primeira Infância mais perto dos gestores e profissionais municipais”, comentou Leandre.

Prioridades - Outras prioridades da Frente, em 2020 serão: criação de subcomissões ou grupos de trabalho da Primeira Infância; atuação da Frente na Comissão Mista de Orçamento, para identificar e ampliar destinação de recursos para serviços e programas de Primeira Infância; fortalecer parcerias com as organizações internacionais de Primeira Infância; trabalhar em prol da capacitação de conselheiros tutelares; e institucionalizar o “Diálogo com Especialistas em Primeira Infância” em um programa da Câmara dos Deputados.

Diálogos - “No ano de 2019, tivemos uma participação excelente nos nossos Diálogos com Especialistas, programa desenvolvido dentro da Frente Parlamentar. Quero agradecer a colaboração de todos que transformaram esses diálogos em um espaço tão rico de debate e aprofundamento do tema da Primeira Infância. Com certeza, neste ano de 2020 teremos debates igualmente importantes e participativos”, observou a presidente da Frente.

Conheça Mary Yang - Mary Yang é pediatra, especialista em saúde global e desenvolvimento da criança, com ampla experiência em países desenvolvidos e em desenvolvimento. Durante as últimas três décadas trabalhou no Banco Mundial, orientando esforços em saúde pública internacional e saúde infantil e desenvolvimento. Atualmente é Diretora do Centro de Desenvolvimento Infantil da Fundação de Pesquisa de Desenvolvimento da China, Conselheira Sênior do Centro de Desenvolvimento da Criança da Universidade de Harvard e Professora-adjunta de Pediatria da Universidade do Hawaii Medical Center. (Assessoria de Imprensa da deputada Leandre Dal Ponte)

{vsig}2020/noticias/02/14/frencoop_II/{/vsig}

DIA D: Vacinação tem foco em pessoas com idade entre 20 e 29 anos

dia d 14 02 2020A campanha nacional de vacinação contra o sarampo começou na segunda-feira (10/02) e segue até o dia 13 de março. No Paraná, a Secretaria de Estado da Saúde pretende vacinar o público mais infectado pela doença até agora, os jovens com idade entre 20 e 29 anos. Neste sábado (15/02), haverá o “Dia D”, e os postos de saúde estarão abertos para facilitar o acesso à população.

Imunização - De acordo com dados do Programa Nacional de Imunização (PNI), menos de 1% deste grupo está imunizado. “Os dados mostram que temos cerca de 600 mil jovens em nosso Estado e que apenas 5,2 mil foram vacinados no último ano. Este é exatamente o público mais afetado, são 52% do total de pacientes confirmados com sarampo”, disse o secretário Beto Preto.

Prevenção - “Temos o panorama e sabemos quem é que está mais suscetível, é preciso lembrar, reforçar e instruir as pessoas a tomarem a vacina”, afirmou o secretário. “É a única forma de prevenção. Embora não seja uma doença que estivesse comum em anos anteriores, o sarampo é muito contagioso e perigoso. As consequências podem aparecer anos depois e as complicações podem levar à morte”, acrescentou.

Vacinas - O Paraná possui 1.852 salas de vacinação dentro das Unidades Básicas de Saúde (UBS) e mais de 1,2 milhão de doses da vacina tríplice viral para a campanha. A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba.

Quem toma a vacina - A dose zero deve ser aplicada em crianças entre seis e onze meses. A dose número 1 aos 12 meses de vida com a vacina tríplice viral, e a dose 2 aos 15 meses com a vacina tetra viral (que previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora).

Duas doses - A população com até 29 anos deve receber ao menos duas doses da vacina. E para as pessoas que estão no grupo com idade entre 30 e 49 anos basta ter o registro de uma dose. Acima dos 50 anos, a vacina é indicada apenas nos casos de bloqueio vacinal após a exposição com casos de suspeita da doença ou confirmados. Mulheres que estão amamentando podem ser vacinadas. E aquelas que desejam engravidar, devem aguardar no mínimo 30 dias após receber a dose da vacina.

Saúde - Os profissionais da área da saúde devem ser vacinados com as duas doses da tríplice viral em qualquer faixa etária, independente se atuam na atenção primária, secundária ou terciária.

Quem não toma a vacina - Pessoas com a imunidade baixa, mulheres grávidas e menores de seis meses de idade não devem tomar a vacina.Mais informações sobre o calendário de vacinação podem ser acessadas pelo link www.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/calendario-vacinacao.

Boletim - O boletim epidemiológico publicado nesta quinta-feira (13) confirmou que 850 pessoas já receberam a confirmação do diagnóstico de sarampo no Estado. Destas, 447 têm idade entre 20 e 29 anos, 219 estão na faixa de 10 a 19 anos, 94 registros entre 30 e 39 anos, 46 são pessoas na faixa de idade acima dos 40 anos e 44 pacientes confirmados com menos de 10 anos.

Curitiba - Em Curitiba são 508 confirmações e, considerando mais 19 cidades da região metropolitana, o número de casos é de 765, ou seja, 90% dos pacientes estão concentrados na região da capital paranaense.

Estado - No Estado todo, o vírus do sarampo ainda circula ou já circulou em 42 cidades em todas as regiões. Para mais informações, acesse o boletim completo www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/SARAMPO_boletim_22.pdf. (Agência de Notícias do Paraná)

 

INTERNACIONAL: UE rejeita seguir EUA e criar lista de países não mais em desenvolvimento

internacional 14 02 2020A União Europeia (UE) rejeita a possibilidade de seguir os EUA e criar uma lista de países não mais em desenvolvimento, acarretando, por exemplo, na perda de uma investigação mais flexível de produtos suspeitos de serem subsidiados. “Não, não temos intenção de fazer isso”, disse ao Valor o embaixador da UE junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), João Aguiar Machado, nesta quinta-feira (13/02).

Problema - Na verdade, a própria UE passou a ter problema com o anúncio feito esta semana pelos EUA com sua lista de países que agora não mais considera em desenvolvimento. A Bulgária e Romênia, membros da UE, foram incluídos ao lado do Brasil, China, Índia, África do Sul e outros emergentes. Para o embaixador, porém, a revisão dessa lista americana ainda está em curso “e não há uma decisão final tomada”.

Defesa comercial - Em todo caso, a UE já reforçou em 2018 sua defesa comercial (antidumping e antisubsídio) veladamente para frear importações originárias da China, mas que na verdade pode aplicar contra qualquer país que Bruxelas considerar que produz com enormes distorções.

Abriu mão - A China chegou a abrir uma disputa na OMC contra a nova regulamentação. O Brasil entrou como terceira parte e reclamou da nova metodologia europeia, justamente pela flexibilidade eventual de seu uso. Depois Pequim pediu a suspensão da disputa, quando percebeu que iria perder diante dos juízes.

Inquietação - Enquanto o governo brasileiro tenta mostrar tranquilidade sobre a decisão de Trump, anunciada esta semana, no lado do setor privado a inquietação persiste. A Confederação Nacional da Industria (CNI) nota que a lista unilateral de países alvejados por Washington é inconsistente com as obrigações americanas na OMC e pode prejudicar a indústria exportadora brasileira.

Afirmações - A CNI destaca que a decisão contraria afirmações dos próprios EUA feitas num Conselho Geral da OMC em outubro do ano passado, de que sua proposta de graduação de países em desenvolvimento não se aplicava a acordos existentes na entidade global.

Conflito - A entidade do setor industrial aponta também conflito com declaração do Brasil de que sua renúncia ao tratamento especial e diferenciado na OMC, para ter o apoio americano na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), não implicava alteração ou redução das flexibilidades já existentes nas regras vigentes da OMC.

Sobretaxas - Conforme a CNI, o Brasil sofre quatro sobretaxas por acusação de subsídio nos EUA, atualmente, todas concentradas no setor siderúrgico, afetando fio máquina carbono e de certas ligas de aço; laminados a frio; laminados a quente, e peças fundidas para construção. (Valor Econômico)

Foto: Pixabay

 


Versão para impressão


RODAPE