Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4748 | 23 de Janeiro de 2020

SHOW RURAL COOPAVEL: Banco do Brasil espera acolher R$ 1 bilhão em propostas durante evento

 

O Banco do Brasil é um dos mais antigos participantes e parceiros do Show Rural Coopavel. A expectativa para a edição de 2020, que será realizada de 3 a 7 de fevereiro, é recepcionar R$ 1 bilhão em propostas de financiamento. A estimativa foi manifestada na manhã desta quarta-feira (22/01) durante encontro de superintendentes do banco com a presidência da cooperativa que organiza o evento.

 

Encontro - O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, recepcionou o superintendente do Banco do Brasil no Paraná, Fabrício Casali Reis, o superintendente comercial de Cascavel, Carlos Mohabe Guedes de Carvalho, e o assessor da superintendência comercial local, Fedrigo Raymundi. O Banco do Brasil participa do Show Rural desde a primeira edição, em 1989, quando o evento era um dia de campo – ele seria batizado com o nome que tem ainda hoje apenas cinco anos depois.

 

Especialistas - Para bem atender aos visitantes do Show Rural, o Banco do Brasil contará com a colaboração, nos cinco dias, de mais de cem especialistas em agronegócio. As solicitações de crédito poderão ser feitas no próprio estande ou por meio de recursos eletrônicos, como um aplicativo específico mantido pelo banco, informa Fedrigo. As linhas disponíveis são para pecuária, máquinas e implementos, insumos, veículos, investimentos e custeio. Há recursos também para projetos de energia fotovoltaica com taxas e prazos competitivos. 

 

O evento - O Show Rural Coopavel acontece sempre no início de fevereiro em Cascavel, no Oeste do Paraná. De 3 a 7 de fevereiro de 2020, a expectativa de público é de 250 mil visitantes e de negócios na casa dos R$ 2 bilhões – que são feitos pelas empresas participantes. O número de expositores será de 650. (Assessoria Coopavel)

 

{vsig}2020/noticias/01/23/show_rural/{/vsig}

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Cooperativa realiza assembleias para prestação de contas aos associados

 

sicredi vale do piquiri 23 01 2020A cooperativa de crédito Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP deu início a uma rodada de assembleias de núcleos para prestação de contas na região onde atua, em cidades nos estados do Paraná e São Paulo. Ao todo, serão 49 eventos,  que começaramm em 20 de janeiro e vão até 31 de março, com a expectativa de reunir mais de 10% da base de associados, que hoje é superior a 144 mil.

 

Pautas - Nas assembleias são apresentados os resultados referentes a 2019 e o planejamento para 2020. Neste ano, em especial, serão realizadas as eleições dos conselhos de administração e fiscal. Além disso, haverá alteração no Estatuto Social para adequação sistêmica e atualização perante às novas regulamentações e a prática do mercado.

 

Importância - O encontro é uma oportunidade para divulgar o cooperativismo de crédito, esclarecer dúvidas e receber sugestões. “No modelo de cooperativismo de crédito, o associado participa dos resultados e tem poder nas decisões. É um importante momento para prestarmos contas com transparência, apresentando números, bem como os planos de trabalho e metas para esse ano”, explica Jaime Basso, presidente da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP. 

 

Agenda da próxima semana das assembleias no Paraná. Os interessados podem confirmar presença na agência em que são associados:

27/01 – 19h30 – Iporã (Salão de Eventos Athenas – Avenida Padre Danilo Rossato, nº 345, Iporã/PR)

28/01 – 19h30 – Francisco Alves (Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Sala São José – Av. Pe. José Stefanello, nº 1032, Francisco Alves/PR)

29/01 – 19h30 – Araruna (Associação da Cultura Ucraniana de Araruna nacha ucraína – Rua Presidente Rodrigues, nº 10, Centro, Araruna/PR)

31/01 – 19h30 – Ubiratã (Centro de Eventos Cilico – Avenida João Medeiros, nº 369, Centro, Ubiratã/PR). (Assessoria Sicredi Vale do Piquiri)

 

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP

A Sicredi Vale do Piquiri é uma cooperativa com 31 anos de história e mais de 144 mil associados, distribuídos em 82 agências. A cooperativa atua nas regiões Ooste e noroeste do Paraná, além de São Paulo (capital) e ABCD Paulista. A instituição se destaca pelo atendimento aos associados e pela preocupação com o desenvolvimento da comunidade.

 

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI: Instituição financeira cooperativa apoia campanha que incentiva presença de mulheres nos estádios

 

sicredi 23 01 2020O Campeonato Paulista de Futebol, que se iniciou nesta quarta-feira (22/01), desenvolve campanha junto com os 16 clubes para incentivar a presença das mulheres nas partidas, chamada #ElasNoEstádio. O Sicredi - instituição financeira cooperativa com mais de 4,5 milhões de associados e atuação em 22 estados e no Distrito Federal – é um dos apoiadores do campeonato e tem contrato assinado com a Federação Paulista de Futebol (FPF) para dar nome a competição, Paulistão Sicredi.

 

Protagonismo - Em entrevista realizada na terça-feira (21/01) que teve apenas a participação de mulheres, enquanto os homens acompanharam do lado de fora pela TV, a diretora de Futebol Feminino da FPF e embaixadora do projeto, Aline Pellegrino, e a coordenadora de Marketing do Botafogo e representante dos clubes, Laura Louzada, explicaram como vai funcionar a iniciativa. 

 

Pesquisa - Segundo dados do DataFolha, as mulheres respondem por apenas 14% do público dos estádios. “Esse número é muito baixo, principalmente quando consideramos que nós mulheres somos maioria da população”, lembra Laura. Aline destacou que muitas vezes o público feminino não é incentivado pelo seu círculo social a frequentar os estádios. “O futebol reflete muito da nossa sociedade. Então, por que não usar o futebol para mudar para melhor a sociedade?”, questina. 

 

Estratégia - As ações incluem trabalho conjunto com os órgãos públicos de segurança e atendimento direcionado para mulheres dentro dos estádios; incentivo aos coletivos femininos; e um canal de e-mail (elasnoestadio@fpf.org.br) para receber denúncias e sugestões.

 

Expansão - O Sicredi, maior instituição financeira cooperativa do país, se tornou um dos principais apoiadores do futebol brasileiro. Além do Paulistão e da Série A2 (com o naming right da competição: Paulistão Sicredi), a instituição ainda apoia o Campeonato Carioca e a Copa São Paulo de Futebol Júnior, maior torneio de base do Brasil, que está em sua fase decisiva. 

 

Tradição - Há alguns anos, o Sicredi vem consolidando a sua marca no futebol brasileiro como patrocinador de outros torneios, inclusive da Copa do Brasil e do Torneio UBER Internacional de Futebol Feminino de Seleções. E não é só no futebol tradicional que a instituição investe: a partir de 2020 também passa a ser uma das principais apoiadoras do Futsal do Paraná, além de torneios de Futsal em nível nacional. (Assessoria Sicredi)

 

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICOOB METROPOLITANO: Cooperativa de crédito e e outras empresas se unem para formar a Rede de Investidores Sociais

 

sicoob metropolitano 23 01 2020Colocando em prática a missão de desenvolver as comunidades, o Sicoob Metropolitano se uniu a um grupo de empresas de Maringá para formar a Rede de Investidores Sociais (RIS). Para isso, representantes de diversas instituições se reuniram no último dia 17 de janeiro, quando discutiram ações para o lançamento da rede na cidade. O encontro contou com a participação da assistente institucional da cooperativa, Daiane Henrique Antônio, que  representa a cooperativa no projeto.

 

Objetivo - A RIS começou em Curitiba e é guiada pelo Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (GIFE), referência no país quando o tema é investimento social privado, e tem como papel principal articular ações em rede para ampliar a qualidade, legitimidade e relevância dos investimentos sociais privados nas localidades onde estão inseridas.

Participantes - A RIS Maringá é formada pelas seguintes empresas e instituições: Instituto GRPCOM; Unicesumar; Fundacim; Instituto Cocamar; Instituto Coopercard; Instituto G10; Instituto Sicoob; Instituto Sicredi; TCCC (Transporte Coletivo Cidade Canção); Instituto Uniodonto; Viapar; Instituto Cidade Canção; Shopping Maringá Park; Coca Cola FEMSA e Sancor Seguros. (Assessoria Sicoob Metropolitano)

 

SICOOB: Lançado cartão com emissão expressa e anuidade zero

 

sicoob 23 01 2020Com o objetivo de expandir os negócios e atender a demanda de mercado, o Sicoob investe em produtos para a faixa etária entre 18 e 35 anos. A novidade no segmento é o Sicoobcard Vooz, cartão da categoria Gold Internacional com as opções de bandeira Mastercard e, em breve, Visa.

 

Propriedades - O Vooz segue o perfil da juventude, com agilidade na emissão e fatura digital, por meio dos aplicativos Sicoobcard e Sicoob. Ao abrir a conta, o cliente pode receber o cartão na hora, com as funções débito e crédito com limite mínimo de R$ 1000.

 

Atitude - “O Vooz não é só um plástico facilitador de compras, é um cartão que enfatiza a voz do cooperativismo, onde a satisfação principal não é só ter e sim ser: ser ouvido, ser transparente, ser parte de algo maior.  É um cartão de atitude. Atitude de fazer a voz do cooperativismo ecoar mais forte. Atitude de pertencer ao Sicoob e de dizer em alto som que aqui todos são donos, participam das decisões e fazem a diferença”, afirma Marcos Chaves Carvalho, Superintendente de Cartões do Bancoob. 

 

Vantagens - O Sicoobcard Vooz permite pagamentos por aproximação, oferece anuidade zero – desde que seja realizada ao menos uma compra, de qualquer valor no crédito ao mês – e taxas de juros mais justas. Para adquirir o Vooz, basta abrir uma conta em uma das agências do Sicoob ou por meio do aplicativo para celular Faça Parte, incluindo no código de indicação a hashtag #conexaosicoob. 

 

Sobre o Sicoob

O Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil, Sicoob, possui 4,6 milhões de cooperados em todo o país e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. É composto por mais de 420 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e a Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação). Integram, ainda, o Sistema, o Banco Cooperativo do Brasil do Brasil (Bancoob) e suas subsidiárias (empresas/entidades de: meios eletrônicos de pagamento, consórcios, DTVM, seguradora e previdência) provedoras de produtos e serviços especializados para cooperativas financeiras. A rede Sicoob é a quinta maior entre as instituições financeiras que atuam no país, com mais de 3,1 mil pontos de atendimento. As cooperativas integrantes do Sistema oferecem aos cooperados serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras. Mais informações acesse: www.sicoob.com.br(Assessoria Sicoob)

 

 

CUSTO DE VIDA: Inflação oficial fica em 0,71% na prévia de janeiro

 

custo vida 23 01 2020O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou taxa de 0,71% em janeiro deste ano. O resultado ficou abaixo do 1,05% do IPCA-15 de dezembro, mas acima do 0,30% de janeiro de 2019. Essa é a maior taxa para o mês desde 2016 (0,92%). O dado foi divulgado nesta quinta-feira (23/01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Maior - A taxa do IPCA-15 acumulada em 12 meses ficou em 4,34%, acima dos 3,91% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

 

Causas - A taxa de janeiro foi puxada principalmente pelos alimentos e bebidas, que tiveram inflação de 1,83% e responderam por mais da metade da taxa de 0,71% do IPCA-15. Os principais responsáveis por esse resultado foram as carnes, que tiveram alta de preços de 17,71% no período e foram o item individual com maior impacto. A alimentação fora de casa também teve alta importante, de 0,99%.

 

Mais - Outro grupo de despesas com impacto importante na prévia de janeiro da inflação foi o de transportes, que teve alta de preços de 0,92%. A gasolina teve inflação de 2,64% e foi o segundo item individual com maior impacto no IPCA. Também tiveram inflação os grupos de despesa vestuário (0,10%), saúde e cuidados pessoais (0,35%), despesas pessoais (0,47%), educação (0,32%) e comunicação (0,02%).

 

Redução - Por outro lado, tiveram deflação (queda de preços) os grupos de despesa habitação (-0,14%) e artigos de residência (-0,01%). (Agência Brasil)  (Foto: Marcello Casal/Agência Brasil)

 

AGRONEGÓCIO: Tereza Cristina debate com ministros indianos oportunidades no processamento de alimentos e produção de leite

 

No primeiro dia de agenda na Índia cumprida nesta quarta-feira (22/01), a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, reuniu-se com a ministra de Indústria e Processamento de Alimentos da Índia, Harsimrat Kaur Badal, e o ministro da Pesca, Pecuária e Lácteos, Giriraj Singh.

 

Intercâmbio - Com a ministra indiana, Tereza Cristina discutiu oportunidade de investimento de empresas brasileiras no setor de processamento de alimentos do país asiático. Os indianos buscam recursos externos para cadeias de frios e redes de varejo, máquinas e equipamentos para indústria de alimentos e cooperação tecnológica. Já o Brasil demonstrou interesse em ampliar a participação no setor de carne de frango, e a Índia, em sucos concentrados.

 

Cooperativismo - As duas ministras também conversaram sobre experiências de cooperativismo para aumentar a renda do pequeno produtor rural, bem como o uso exitoso do plantio direto, modelo brasileiro que pode ajudar os indianos na agricultura sustentável.

 

Leite - O ministro da Pesca, Pecuária e Lácteos, Giriraj Singh, destacou a histórica relação entre Brasil e Índia no desenvolvimento da raça de gado Zebu. Ele ressaltou que o país procura parceiros para fomentar a produção de leite. O Brasil pode ajudar por meio do intercâmbio de técnicas de reprodução animal desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Em 2016, o governo indiano e a Embrapa firmaram um convênio para a troca de experiências na área de reprodução animal.

 

Interesse - A ministra Tereza Cristina, por sua vez, reforçou o interesse do governo brasileiro em apoiar a implantação e operação de um Centro de Excelência de Produção Leiteira, que ajudará no melhoramento das raças e da produção, além de ajudar no incremento da rentabilidade dos produtores indianos.

 

Potencial - Segundo a ministra, outro tema para parceria é a troca mútua de germoplasma (soma total dos materiais hereditários de uma espécie). Hoje, a Índia importa aproximadamente US$ 30 milhões por ano de material genético bovino, sendo 80% dos Estados Unidos. O Brasil busca ampliar a participação nesse mercado indiano, com a venda de material genético das raças zebuínas.(Mapa)

 

{vsig}2020/noticias/01/23/agronegocio/{/vsig}

POLÍTICA I: Bolsonaro embarca hoje para visita oficial à Índia

 

politica I 23 01 2020O presidente Jair Bolsonaro embarcou, na manhã desta quinta-feira (23/01), para a Índia, onde é convidado especial para as celebrações do Dia da República, no próximo domingo (26/01). A viagem deve incluir a assinatura de pelo menos dez acordos bilaterais, em áreas como segurança cibernética, bioenergia e saúde. A previsão é que o avião presidencial chegue a Nova Delhi por volta das 16 horas desta sexta-feira (24/01), horário local, sem compromissos oficiais previstos. 

 

Agenda - No sábado (25/01), o presidente brasileiro cumpre agenda com protocolo de visita de Estado, que inclui reuniões com o presidente indiano, Ram Nath Kovind, e o primeiro-ministro e chefe de governo do país Narendra Modi, para assinatura de acordos entre os dois países, além de uma declaração à imprensa. Também está programada, no mesmo dia, uma visita ao Memorial em homenagem ao pacifista indiano Mahatma Gandhi. No domingo (26/01), Bolsonaro participará das comemorações do Dia da República da Índia. 

 

Roteiro - Na segunda-feira (27/01), também em Nova Delhi, Bolsonaro participa de café da manhã com empresários indianos para apresentar oportunidades de negócios no Brasil, com foco em investimentos no setor de infraestrutura. Depois, haverá um seminário entre empresários dos dois países. Na sequência, a comitiva brasileira embarca para Agra, cidade que abriga o famoso mausoléu Taj Mahal, um dos principais monumentos da Índia. Será o último compromisso oficial de Bolsonaro no país asiático. Depois disso, ele embarca de volta ao Brasil, onde deve chegar na terça-feira (28/01), ainda sem previsão de horário. . 

 

Integrantes - A comitiva de Bolsonaro é formada pelos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Teresa Cristina (Agricultura), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o secretário da Pesca, Jorge Seif, o senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS), os deputados federais Eduardo Bolsonaro (Sem Partido/SP) e Filipe Barros (Sem Partido/PR) também acompanham o presidente.

 

Vistos - Apesar de o governo trabalhar nesse sentido, Bolsonaro não deve anunciar durante a viagem a isenção de visto de entrada para turistas indianos. Isso porque ainda estão em andamento estudos que permitam viabilizar a medida, segundo o governo.

 

Desobrigação - No ano passado, o Brasil isentou de visto de entrada os turistas provenientes de Japão, da Austrália, do Canadá e dos Estados Unidos. A medida foi tomada sem que houvesse reciprocidade desses países em relação aos turistas brasileiros.(Agência Brasil)    (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

 

 

POLÍTICA II: Autonomia do BC pode ser votada no primeiro semestre, diz Maia

 

politica II 23 01 2020O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quarta-feira (22/01) que os projetos de lei que tratam da autonomia do Banco Central e da modernização da lei cambial podem ser aprovados no primeiro semestre deste ano. As matérias estão entre as prioridades de Maia para a pauta de votações de 2020. 

 

Pauta - “Vamos construir, a partir do início de fevereiro, essas pautas e as maiorias. Acho que já estão mais do que prontas para ir a voto, falta apenas a organização para o dia da votação”, assegurou Maia, após reunião com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na Residência Oficial da Câmara. Mas, segundo o parlamentar, o calendário de votação ainda precisa ser negociado com líderes partidários e com bancadas.  

 

Articulação - “Vejo eles como prioridade para o calendário do primeiro trimestre. [Calendário ainda] não sei, temos que conversar com os líderes. Eu não posso organizar a pauta sozinho. Nós precisamos organizar o voto das bancadas. Então, para isso precisamos manter o bom diálogo com os líderes partidários. Acredito que tem espaço para isso [aprovar os dois projetos no primeiro semestre]”, afirmou Maia. 

 

Autonomia - Atualmente, dois projetos tramitam no Congresso sobre a autonomia do Banco Central, um no Senado, aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em novembro do ano passado, e outro na Câmara, encaminhado pelo governo em abril de 2019. 

 

Selic - No Brasil, há apenas o controle da inflação e, para alcançar a meta, em 4% para 2020, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente definida em 4,5% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

 

O que muda - A autonomia do BC é garantida com a perda do status de ministro de Estado do presidente do banco e com mandato fixo para o presidente e diretores da instituição, não coincidente com o do presidente da República.

 

Lei cambial - No final do ano passado, o governo federal propôs projeto da lei cambial para modernização do mercado de câmbio. Segundo o Banco Central, o projeto “tem por objetivo instituir um novo marco legal, mais moderno, mais conciso e juridicamente seguro para o mercado de câmbio e de capitais estrangeiros no Brasil e brasileiros no exterior”.

 

Reformas - Maia ainda afirmou que as reformas administrativa e tributária também podem ser aprovadas no primeiro semestre deste ano. “Acredito que as duas reformas terão um bom espaço para debate e depois votação ainda no primeiro semestre, que, para mim, se encerra no dia 15 de julho”, disse. (Agência Brasil) (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil) 

 

ECONOMIA I: Guedes conclui participação em Davos nesta quinta-feira

 

economia I 23 01 2020Representante brasileiro no Fórum Econômico Mundial, evento que reúne líderes políticos e empresários em Davos, na Suíça, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem uma agenda voltada para debates em seu último dia no evento. Ele participa de duas mesas-redondas e de um painel sobre economia internacional, se encontrará com o presidente de uma empresa de energia e almoçará com representantes do jornal Washington Post.

 

Manhã - O ministro começou esta quinta-feira (23/01) em uma mesa-redonda sobre governança tecnológica, com a participação de líderes econômicos mundiais. Em seguida, teve uma reunião com o presidente executivo da empresa espanhola de energia e gás Naturgy, Francisco Reynés.

 

Tarde - Guedes participará de almoço sobre política externa, promovido pelo Washington Post, num hotel de Davos. Logo depois, irá a mais uma mesa-redonda intitulada “Encontrando Resiliência numa Economia Global com Regras”. O ministro encerra os compromissos em Davos com um painel sobre moedas que podem desafiar a dominância do dólar na economia internacional.

 

Retorno - O Ministério da Economia confirmou que Guedes não acompanhará a comitiva do presidente Jair Bolsonaro, que viaja nesta quinta (23/01) para a Índia. Até agora, havia a possibilidade de o ministro emendar as duas viagens. Guedes retornará ao Brasil amanhã (24/01) e retomará os compromissos em Brasília na segunda-feira (27/01).

 

 

ECONOMIA II: Produção de petróleo bate recorde e ultrapassa 1 bilhão de barris

 

economia II 23 01 2020A produção total de petróleo no Brasil bateu recorde em 2019 e, pela primeira vez, ultrapassou a marca de 1 bilhão de barris no ano. A produção exata foi 1,018 bilhão de barris, um aumento de 7,78% em relação ao volume produzido em 2018, quando foram produzidos 944,117 milhões de barris. 

 

Histórico - No mês de dezembro de 2019 a produção de petróleo foi 3,106 milhões de barris por dia (MMbbl/d), superando em 0,52% o recorde registrado no mês anterior e em 15,44% a produção de dezembro de 2018.

 

Pré-sal - A produção do pré-sal em 2019 foi 633,980 milhões de barris de petróleo e 25,906 bilhões de metros cúbicos de gás natural, o que corresponde a acréscimos de, respectivamente, 21,56% e 23,27% em relação à produção de 2018, quando foram produzidos 521,543 milhões de barris de petróleo e 21,016 bilhões de metros cúbicos de gás natural.

 

No mês - Em dezembro, a produção do pré-sal correspondeu a 66,82% da produção nacional, totalizando 2,655 milhões de barris de óleo equivalente por dia (MMboe/d), sendo 2,118 MMbbl/d de petróleo e 85,4 MMm3/d de gás natural. 

 

Aumento - Em relação ao mês anterior, a produção total aumentou 2,58% e 40,62% em relação a dezembro de 2018. O campo de Lula, na Bacia de Santos, foi novamente o maior produtor de petróleo e gás natural, registrando 1,074 MMbbl/d de petróleo e 45 MMm3/d de gás natural.

 

Gás - A produção total de gás natural em 2019 foi de 44,724 bilhões de metros cúbicos, um aumento de 9,46% em relação aos 40,857 bilhões de metros cúbicos registrados em 2018.

 

Expansão - A produção de gás natural em dezembro também superou o recorde do mês anterior, registrando um aumento de 0,87% e alcançando a média 137,8 milhões de metros cúbicos por dia (MMm3/d). Em relação a dezembro de 2018 a variação foi 21,19%. (Agência Brasil) (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

 

 


Versão para impressão


RODAPE