Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4672 | 27 de Setembro de 2019

ENCONTROS DE NÚCLEOS: Resultado de pesquisa sobre as marcas das cooperativas do PR será apresentado nos eventos

O resultado da segunda pesquisa sobre a imagem e o posicionamento das marcas das cooperativas do Paraná será apresentado nos Encontros de Núcleos Cooperativos que o Sistema Ocepar promove entre os dias 21 e 24 de outubro, nas cidades de Prudentópolis, Cascavel, Francisco Beltrão e Mandaguari. As informações serão repassadas por Cláudio Shimoyama, diretor do Grupo Datacenso, responsável pelo levantamento. Desta vez, a coleta de dados ocorreu entre os meses de junho e julho, quando foram entrevistados 1.015 consumidores, na capital e no interior do Estado, 10 diretores de cooperativas e 50 profissionais responsáveis pela aquisição das mercadorias nos supermercados. As conclusões deste trabalho têm sido utilizadas pelo Sistema Ocepar e cooperativas como subsídio para direcionar as estratégias de divulgação e promoção dos produtos e serviços ofertados pelo setor à comunidade. A primeira pesquisa foi realizada em 2017.

Anfitriãs - A participação de Shimoyama ocorre nos eventos logo após a abertura com as cooperativas anfitriãs Sicredi Centro Sul, no Centro-Sul; a Coopavel, Cotriguaçu, Credicoopavel e a Credicapital, no Oeste; a Cresol, no Sudoeste; e a Cocari e Rodocoop, no Norte/Noroeste.

Trabalho seguro e outros assuntos - Nesta edição, os Encontros de Núcleos contam ainda com a presença do advogado Ernesto Emir Kugler Batista Junior, que vai falar sobre o Programa Trabalho Seguro e Sustentabilidade. Já a diretoria da Ocepar irá fazer um relato sobre o PRC100, o planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, e apresentar o Programa Cooper Universitário, lançado em Maringá, no dia 10 de setembro. Realizado pelo Sistema Ocepar, por meio do Sescoop/PR, o programa será implementado em parceria com a Pluricoop Cooperativa de Trabalho de Executivos em Gestão e Treinamento, sediada em Maringá, com objetivo de disseminar os princípios cooperativistas no ensino superior, por meio da interação entre cooperativas e universidades. A iniciativa conta com o apoio do Sistema OCB, Faculdades Maringá, Prefeitura de Maringá e cooperativas Cocamar, Cocari, Aurora Alimentos, Sicoob Central, Unicoop, Sicoob Metropolitano, Unicampo e Unimed Maringá.

encontros nucleos folder 27 09 2019

AUDIÊNCIA PÚBLICA: No Senado, OCB detalha riscos de uma revogação da Lei Kandir

 

O ciclo de prejuízos previstos caso seja aprovada a revogação da Lei Kandir, que tramita no Senado Federal, foi detalhado por representante da OCB, na quarta-feira (25/09), na audiência pública da Comissão de Reforma Agrária (CRA). Requerida pelos senadores Luís Carlos Heinze (RS) e Soraya Thronicke (MS), a audiência teve como tema o Comércio Internacional Agropecuário.

 

Defesa - A força do cooperativismo foi defendida por pelo coordenador jurídico da Ocepar, Rogério Croscato, que apresentou os números levantados pela OCB sobre o movimento cooperado no Brasil e no Mundo. Presentes em cem países, as cooperativas geram, hoje, 250 milhões de empregos, envolvendo indiretamente 1 bilhão de pessoas. No Brasil, só no Ramo Agropecuário são 1.610 cooperativas, que reúnem mais de 1 milhão de cooperados e empregam diretamente 209,7 mil pessoas. O agro é responsável por 43% das exportações, o que configura 21,1% do PIB brasileiro.

 

Estimativa - O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima que até 2026/27 o Brasil se torne o principal produtor de alimentos. O órgão calcula ainda um crescimento de 41% na produção agrícola brasileira.

 

Produção - De acordo com os dados apurados pela OCB, o Brasil é responsável pela produção de 67% do açúcar, 45% da soja e 39% do frango comercializados no mundo. Sem o saldo do agronegócio, por exemplo, a balança comercial no Brasil resultaria em negativo. “É muito importante a gente colocar isso em debate e é o momento de essa Comissão alavancar o mercado internacional”, afirmou Croscato, em consonância com as barreiras comerciais, sanitárias e tarifárias e não-tarifárias também citadas por outros convidados presentes à reunião.

 

Exportações - Com o incentivo da Lei Kandir, as exportações de soja e milho no Brasil, por exemplo, tiveram considerável evolução. Nos anos de 1996/1997, essas culturas produziam, respectivamente 8,424 e 0,09. Já nos anos de 2017/2018, foi apurada uma produção de 63,5 e 34 para cada. Isso representa incremento de 654% na produção de soja e de 3.7678% de milho.

 

Risco - Diante dessa enorme responsabilidade, a revogação da Lei Kandir configura um risco, que deve provocar a queda de preços e consequentemente na produção e abertura para entrada de produto estrangeiro. “O que vai fazer a presença desse produto externo aqui: vai derrubar o preço, o produtor não vai ter preço pra competir e pra ter a renda. Vai parar de produzir”, alertou Rogério.

 

Consequência imediata - O fim desta política traria como consequência imediata o excesso de oferta de produtos no mercado interno e uma queda brusca nos seus preços, reduzindo a geração de emprego e renda e, ainda, exigindo do governo federal políticas de cobertura de preços mínimos, a exemplo do Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro) e do Prêmio de Escoamento de Produto (PEP). Em médio e longo prazo, essa situação se tornaria ainda mais inviável, levando, além dos problemas já citados, o desestímulo do produtor rural em permanecer na atividade. (Informe OCB)

 

Clique aqui para conferir na íntegra um documento da OCB sobre a Lei Kandir

 

{vsig}2019/noticias/09/27/audiencia_publica/{/vsig}

VISITA: Grupo de mulheres, jovens e associados da Coprossel é recebido no Sistema Ocepar

O Sistema Ocepar é formado por três entidades distintas: o Sindicato e Organização das Coooperativas do Paraná (Ocepar), a Federação das Agriculturas do Paraná (Fecoopar), e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop). O que cada uma dessas entidades faz em benefício do cooperativismo e os resultados obtidos, principalmente em relação à formação do quadro social, foi o assunto tratado durante a visita de um grupo de mulheres, jovens e associados da Croprossel ao Sistema Ocepar. O grupo foi recebido, na tarde desta quinta-feira (26/09), pelo superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, e pela analista técnico do Sescoop/PR, Eliane Lourenço Goulart Festa.

A cooperativa - A Coprosssel foi fundada no dia 11 de setembro de 1991, em Laranjeiras do Sul, no Sudoeste do Paraná. Iniciou suas atividades com apenas 28 sócios e seis funcionários. Atualmente possui mais de mil associados e responde por 250 empregos diretos. Está presente nos municípios de Laranjeiras do Sul (sede e filial), Porto Barreiro, e Rio Bonito do Iguaçu, sendo que sua capacidade instalada de armazenamento atual é de 43,1 mil toneladas. Os associados também contam com o moinho Coprossel, que processa a farinha Trigossel. Ainda esse ano a Coprossel vai inaugurar a Unidade de Beneficiamento de Sementes.

{vsig}2019/noticias/09/27/visita/{/vsig}

UNIMED: Sistema lança desafio por melhoria da qualidade de vida

 

Aunimed 27 09 2019 busca pela melhoria da qualidade de vida muitas vezes passa pelo comprometimento, seja com o mundo, com as pessoas ao redor ou consigo mesmo. Para estimular o real engajamento, que leve de fato às mudanças positivas para a saúde, o Movimento Mude1Hábito, da Unimed, chega a seu terceiro ano com uma nova fase, agora propondo desafios.

 

Engajamento - Assinada pela DIM Propaganda, a campanha, com lançamento previsto para setembro, visa tirar as pessoas da posição de espectadores passivos e, por meio de imersão ativa, engajá-los nos cuidados para se manterem saudáveis e, assim, prevenirem problemas de saúde e buscarem a melhor versão de si.

 

Filmes - A nova fase da campanha Mude1Hábito disponibilizará filmes para a TV e para o ambiente digital, experiências e ações de ativação convidando o público a escolher desafios para cumprir e compartilhar.

 

Ferramenta interativa - Para potencializar a estratégia, será disponibilizada em www.mude1habito.com.br uma ferramenta interativa: o Gerador de Desafios, com o qual o usuário poderá escolher uma mudança de hábito, fazer customizações, gerar posts e compartilhar com seus amigos, no Facebook, Twitter ou no Instagram.

 

Compromisso - "Somos uma cooperativa de médicos e temos como compromisso o cuidado com a saúde e bem-estar das pessoas. O Mude1Hábito, que cresce a cada ano em iniciativas e representatividade, é um bom exemplo disso", afirma Darival Bringel de Olinda, diretor de Desenvolvimento de Mercado da Unimed do Brasil.

 

Onda de cuidado - "O objetivo do Mude1Hábito é criar uma onda de cuidado em todo o País e, para isso, o suporte da campanha é essencial. Desde 2017, já impactamos mais 14 milhões de pessoas com nossas ações e vemos que é o momento de ir além. Sendo assim, a provocação positiva que o desafio assumido e compartilhado traz é um elemento estratégico muito eficaz, com grande potencial de abrangência", ressalta Aline Cebalos, gerente de Comunicação e Marketing da Unimed do Brasil.

 

Desafio com Influenciadores - Outra novidade desse ano é o Desafio com Influenciadores. Nele, personalidades do mundo digital ligadas aos temas Equilíbrio, Movimento e Alimentação competirão entre si com a ajuda de seus seguidores. Para isso, escolherão um desafio para cumprir e passarão a incentivar sua base de fãs a fazer o mesmo, utilizando a hashtag com o nome do influenciador. O vencedor será aquele que angariar o maior volume de menções.

 

Plano de mídia - Tudo sustentado por um plano de mídia completo e por projetos especiais:

•          Inserções rotativas e patrocínio de programas em PayTV.

•          Posts no Facebook e Instagram e ações no Youtube e Google.

•          Projeto especial em revistas de bordo.

•          Ação especial com veículos da grande imprensa, na qual todas as matérias sobre saúde, que são exclusivas para assinantes, serão liberadas para quem utilizar a #mude1hábito.

•          Ativação em parques de três grandes cidades, onde as pessoas poderão retirar bikes, patinetes, bolas e equipamentos de ioga ao deixar seus celulares recarregando em postos específicos.

 

Interação - "Comunicação não é mais sobre passar uma mensagem e esperar que o público simplesmente compre o discurso. As pessoas querem marcas que as entendam, que as ouçam e, principalmente, que conversem com elas. É isso que a Unimed está fazendo ao reforçar o desafio em Mude1Hábito", comenta Michele Dim D'Ippolito, CEO da DIM.

 

Sobre o Mude1Hábito - Lançado como campanha institucional pela Unimed em 2017 para encorajar a melhoria de qualidade de vida das pessoas a partir de pequenas mudanças, o Mude1Hábito logo ampliou sua dimensão na estratégia de marca da Unimed, tornando-se um movimento nacional do Sistema Unimed.

 

Práticas mais saudáveis- O Movimento visa incentivar práticas mais saudáveis e criar uma onda de cuidados em todo o País. Para isso, desenvolve uma série de atividades em diversos Estados, oferecendo ações em três frentes: Equilíbrio, Movimento e Alimentação. Seguindo estes pilares, as comunidades podem contar, por exemplo, com iniciativas de estímulo à leitura, prática de ioga, conscientização sobre a importância da dedicação de mais tempo à família e amigos, destinação correta do lixo, além de parcerias com teatros e cinemas, academias ao ar livre, passeios ciclísticos, corridas e caminhadas, quitandinhas de frutas, bike suco e incentivo às trocas saudáveis na alimentação.

 

Conceito - O conceito do Mude1Hábito se baseia em resultados de uma pesquisa da Duke University, dos Estados Unidos, que demonstra que cerca de 40% de tudo que fazemos cotidianamente não são decisões de fato, mas repetições de hábitos que já estamos acostumados a fazer. Sendo assim, conclui-se que mudar esses comportamentos, geralmente automáticos e inconscientes, é importante para a adesão a um novo estilo de vida, mais voltado à saúde e ao bem-estar.

 

Informações - Para mais informações, acesse www.mude1habito.com.br. Vamos juntos?

 

Sobre a Unimed - A Unimed, maior sistema cooperativo de saúde do mundo, possui 52 anos de atuação no mercado de saúde suplementar. A marca nasceu com a fundação da Unimed Santos (SP), em 1967, e hoje é composta por 344 cooperativas médicas, com assistência para cerca de 18 milhões de beneficiários em todo País. Entusiasta do movimento SomosCoop, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), a Unimed conta com mais de 115 mil médicos, 119 hospitais próprios e 2.506 hospitais credenciados, além de pronto-atendimentos, laboratórios e ambulâncias para garantir a qualidade da assistência médica, hospitalar e de diagnóstico complementar prestada aos beneficiários das cooperativas. Sua marca é ratificada pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) como de alto renome por seu grande nível de conhecimento pelo público, autoridade incontestável e fama que ultrapassa os limites do segmento de saúde. (Imprensa Unimed)

UNIMED CASCAVEL: Conheça as ações da cooperativa em alusão ao Dia Nacional do Surdo

 

Um mundo sem som poderia ser encarado como um texto sem palavras...Mas é possível preencher páginas em branco com cuidado e respeito. Nesta quinta-feira (26/09) foi celebrado o Dia Nacional do Surdo, data que lembra a criação do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), em 1857, no Rio de Janeiro. Em comemoração, a Unimed Cascavel reforça as ações que tem desenvolvido para estimular a inclusão de pessoas com deficiência auditiva.

 

Acessibilidade - A própria Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) recomenda que as operadoras de saúde ofereçam ambiente adequado aos portadores de necessidades especiais. Em vista disso e imbuída da missão de cuidar de pessoas, a Unimed Cascavel colocou em prática um curso de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) para melhor atender beneficiários surdos.

 

Formação - Desde 2017 foram oferecidas formações a mais de 60 colaboradores de diversos setores da cooperativa, incluindo aos que atuam diretamente no atendimento aos beneficiários. Eles passaram a ser identificados por um cordão amarelo no crachá. Rosangela Pickler, que só se comunica por gestos ou escrita, foi a primeira cliente recebida pelo atendimento personalizado. Ela precisava de informações sobre o prazo de validade de uma guia para atendimento médico. Rosangela contou com ajuda da intérprete Daniela Santos, do setor de Contas Médicas. “Ao mesmo tempo que causa um certo receio, devido a vontade de  acertar, ter  o  contato com  deficiente auditivo causa alegria. Saber me comunicar diante de uma situação que não é habitual me faz entender que, mesmo com as diferenças, somos todos iguais”, disse Daniela.

 

Referências - Em novembro de 2018, um paciente deficiente auditivo veio à cooperativa atrás de referências em Ortopedia. Ele foi atendido pela intérprete Bianca Brum, também da área de Contas Médicas. “Eu tenho uma amiga que é deficiente auditiva. Foi a partir disso que eu aprendi a comunicar em Libras”, revela a colaboradora.

 

Auxílio - Devido à facilidade de se comunicar por meio de sinais, Bianca passou a auxiliar também nos encontros do Projeto Cegonha, traduzindo o conteúdo a uma gestante surda que participou das atividades oferecidas pela Unimed Cascavel às mulheres grávidas. Com as mãos, a mamãe Márcia Garcia elogiou o projeto: “Me senti incluída e aprendi com esse jeito de cuidar da Unimed Cascavel.” 

 

Imersão - A Unimed também estimula que os intérpretes conheçam de perto a realidade e as necessidades de deficientes auditivos. Oito participantes do curso de Libras fizeram uma visita à Escola Cascavelense de Amigos de Surdos (Acas). Os voluntários participaram do encontro da Pastoral de Surdos, momento com ensino bíblico e bingo, tudo por meio da linguagem de sinais.

Treinamento contínuo

 

Mais um encontro - Para esta sexta-feira (27/09) está marcado mais um encontro dos intérpretes da Unimed Cascavel. Das 18h30 às 22h, eles passarão treinando o alfabeto e comunicação geral. Em outubro já começarão as aulas sobre as necessidades internas para comunicação específica da cooperativa. As orientações são repassadas pelo professor Rodrigo Cezar Mendes, formado em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria (RS), com pós-graduação em Educação Especial e em Psicopedagogia Clínica e Institucional. “É muito bom quando uma empresa tem esse olhar humanizado em relação ao outro. Percebo que os colaboradores da Unimed estão dispostos a aprender a linguagem de sinais. Isso já facilita muito. Para o paciente, essa iniciativa é muito boa, pois o faz se sentir bem acolhido e compreendido em suas necessidades”, resume o professor. (Imprensa Unimed Cascavel)

 

{vsig}2019/noticias/09/27/unimed_cascavel/{/vsig}

COAMO: Ana Maria Braga apresenta novas Margarinas Coamo

 

coamo 27 09 2019Com os novos potes da linha de Margarinas Coamo no mercado, a cooperativa lançou um filme com a embaixadora oficial dos Alimentos Coamo, Ana Maria Braga, para preparar o mercado trade - supermercados, atacados, distribuidores e os cash & carry. É por meio destes canais que os Alimentos Coamo chegam até o consumidor final e, por este motivo, é importante esse contato direcionado.

 

Divulgação - Segundo o gerente Comercial dos Alimentos Coamo, Wagner Schneider, após este filme, outro será divulgado nas principais emissoras de televisão, rádios e revistas. “Divulgaremos, em breve, um filme direcionado ao consumidor final. O novo filme além de mostrar o novo pote tem como principal estratégia mostrar a “origem” dos Alimentos Coamo, apresentando desde o plantio, colheita, produção industrial até chegar à mesa do consumidor final. Tudo isto com a assinatura da embaixadora dos Alimentos Coamo, Ana Maria Braga.”

 

Novidades - Quanto as novidades nas Margarinas Coamo, o diretor de Planejamento e Criação da agência G/ PAC, Juca Pacheco, cita que as novas embalagens estão com uma identidade atrativa, que aproxima os consumidores da marca. “A primeira estratégia foi humanizar todas as embalagens, trazendo fotos de pessoas em momentos descontraídos com a família ou praticando atividade física, transmitindo a felicidade e o bem-estar que desejamos comunicar. Também foram desenvolvidos novos grafismos, com elementos que transmitem movimento, suavidade e leveza, em sintonia com o mood fotográfico escolhido. Depois, um novo formato levemente retangular ganhou forma para trazer mais modernidade e ergonomia para as embalagens.”

 

Pontos de venda - Schneider complementa que a novidade traz benefícios também na exposição das margarinas nos pontos de vendas (PDV’s). “Tratam-se de requisitos importantes, pois 75% das decisões de compras são tomadas no Ponto de Venda. Portanto, a embalagem e apresentação é a chave para conquistar novos clientes, ganho de share, volume e fortalecimento da marca.”

 

Matéria-prima - O superintendente Comercial da Coamo, Alcir José Goldoni ainda acrescenta que as Margarinas Coamo permanecem com a origem da matéria-prima reconhecida e rastreada, com sabor, aroma e qualidade diferenciada para despertar atratividade no consumidor final. “A qualidade dos Alimentos Coamo começa na escolha das sementes que serão germinadas nos campos dos mais de 28 mil associados da Coamo. São sementes desenvolvidas pela Coamo para atender os mais diversos mercados, e passam por um rigoroso controle de qualidade, assistência técnica em todas as etapas de produção, aliados à tecnologia empregada no campo, que proporciona uma matéria-prima de alta qualidade para a produção das Margarinas Coamo. À tudo isso, foram acrescentadas as vitaminas A, D e E e o Ômega 3 na formulação, agregando mais benefícios à saúde do consumidor. A Coamo pensa no cliente e no consumidor em todas as etapas da produção dos Alimentos Coamo”, afirma Goldoni.

 

Comemoração - O presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, comemora os resultados da parceria com a Ana Maria Braga. " Produzir alimentos é uma grande responsabilidade e, por isso, cumprimos essa tarefa com muita seriedade e comprometimento. Essa postura, de pensar no consumidor, o nosso associado adota há vários anos e com a divulgação dos Alimentos Coamo pela nossa embaixadora, Ana Maria Braga, os consumidores estão cada vez mais conhecendo nossos produtos e escolhendo um produto com origem e qualidade para consumirem junto com suas famílias", registra o presidente.

 

Vídeo - Assista ao vídeo pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=exhagCUv1yg&feature=youtu.be. (Imprensa Coamo)

COCAMAR I: Em Ibiporã, cooperativa ajuda produtores a crescer

Fazer tudo o que é preciso para alcançar altas médias de produtividade. É com essa determinação que o produtor Júnior Hideo Tsuruda, de Ibiporã, região de Londrina (PR), conduz sua atividade. Aos 34 anos, engenheiro agrônomo, ele tem procurado explorar o potencial produtivo das lavouras de soja e milho a partir de cuidados com o solo e uma adubação especial, segundo análises criteriosas.

Cooperativa - Ao mesmo tempo, Júnior se aprimora como produtor rural por meio de uma ativa participação cooperativista. Integrante do conselho consultivo da Cocamar, ele conta com a orientação técnica do engenheiro agrônomo Haroldo Feliciano Denófrio, da cooperativa, para a escolha das melhores tecnologias. “Um dos diferenciais da Cocamar é a presteza e o conhecimento de sua equipe técnica”, diz, lembrando que a cooperativa está sempre interessada em capacitar os produtores ao realizar inúmeros eventos técnicos, como palestras e dias de campo. “A Cocamar trabalha com transparência e a gente se sente mais seguro”, acrescenta.

Dessecação - Júnior já travou os custos da safra 2019/20, a qual se prepara para semear – e o melhor período para isso, a seu ver, é de 10 a 25 de outubro, em que tem alcançado os melhores resultados. O Rally Cocamar de Produtividade passou pela sua propriedade no dia 24/9, quando ele estava fazendo a dessecação da aveia.

Solo - Com a aveia o produtor faz a rotação de culturas no inverno, o que, entre outros benefícios, ajuda a reduzir os níveis de compactação do solo e cobrir a superfície de palha para o plantio direto. A braquiária, incentivada pela Cocamar, ainda não ganhou impulso nessa região. A correção periódica com calcário é outra estratégia indispensável. Desde quando assumiu a gestão da propriedade, há dez anos, Júnior conta que o solo tem recebido atenção especial. “Sem proteger o solo e entender suas necessidades, nada vai adiantar”, observa.

Médias - Com essa preocupação, Júnior tem conseguido alavancar a produtividade. Antigamente a média da soja patinava ao redor de 120 sacas por alqueire (49,5 sacas/hectare); de alguns anos para cá ela tem se situado em 150 sacas por alqueire (61,9/hectare), lembrando que no ciclo 2013/14, chegou a 170 sacas por alqueire (70,2/hectare), o que indica que pode avançar rumo a novos patamares.

John Deere - Sobre a Cocamar Máquinas, que recentemente assumiu a concessão John Deere também no norte do estado, Júnior destaca que “o histórico da marca na região tem sido muito positivo, com excelentes serviços prestados. Portanto, representa um ganho muito grande para a Cocamar”. A maior parte do maquinário dele é John Deere.

Crédito - Em matéria de cooperativismo, Júnior é também associado da Sicredi União PR/SP, onde faz custeio e financiamentos.

Hoshino - A equipe esteve também na propriedade da família Hoshino. Com a experiência de já ter trabalhado em uma companhia multinacional e uma empresa de pesquisa, o engenheiro agrônomo Everton Hoshino, de 36 anos, decidiu em 2011 retornar para a propriedade da família, em Ibiporã (PR). Desde então, ele se dedica à produção de soja, milho e outros cultivos, respondendo pela gestão dos negócios, enquanto o pai Júlio se ocupa da parte operacional.

Nipônicos - A comunidade de origem nipônica representa importante parcela da população de 52 mil habitantes e seus representantes são numerosos na atividade rural do município.

Boas médias - Os Hoshino apostam na soja: a produtividade tem ficado ao redor de 150 sacas por alqueire (61,9 sacas/hectare). E mesmo no ano passado, quando a safra foi prejudicada pela estiagem, eles não perderam tanto, finalizando com a média de 130 sacas por alqueire (53,7 sacas/hectare). “Fazemos análise de solo todo ano, correção, investimos em uma adubação com alta tecnologia e cultivamos variedades de bom desempenho”, comenta Everton, que é assistido pelo engenheiro agrônomo Haroldo Feliciano Denófrio, da Cocamar.

Milho diminui - Já o cultivo de milho vem sendo desacelerado e ocupa apenas 20% das terras, ficando o restante com aveia preta para cobertura do solo. “Nos últimos anos o milho não tem valido a pena”, explica o produtor. A exceção ficou por conta da recente safra, que alcançou cotação remuneradora e registrou a boa produtividade de 300 sacas em média por alqueire (123,9 sacas/hectare).  

Morangos - Quem visita o sítio da família se depara com estufas onde eles se dedicam, também, à produção de morangos, maracujá e outras espécies de frutas, atendendo a um mercado em que os compradores não abrem mão de produtos saudáveis e de alta qualidade.

Rally - Valorizando as boas práticas agrícolas, o Rally Cocamar de Produtividade tem como principais patrocinadores: Basf, Spraytec, Zacarias Chevrolet e Sicredi União PR/SP. Os patrocinadores institucionais são Altofós Suplemento Mineral Cocamar, Cocamar TRR, Texaco Lubrificantes, Elanco e Sancor Seguros. Apoiam a realização: Cesb, Aprosoja/PR e Unicampo. Na visita à Ibiporã, além do engenheiro agrônomo Haroldo Feliciano Denófrio, da Cocamar, o Rally foi acompanhado do engenheiro agrônomo Rullyan José Santos, assessor de agronegócios da região norte do Paraná, e Luiz Felipe Garcia Miranda, gerente de agronegócios de Ibiporã, ambos da cooperativa de crédito, e da equipe da RIT TV de Londrina. Agradecimento: Washington Ono, gerente da unidade local da Cocamar. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2019/noticias/09/27/cocamar_II/{/vsig}

COCAMAR II: Oficinas do Chefs do Campo reúnem mais de 150 produtoras

Uma novidade neste ano, as três oficinas do Festival de Sabores Chefs do Campo Cocamar 2019, realizadas em Jussara, Cambé e Maringá, reuniram mais de 150 participantes de núcleos femininos da cooperativa.

Aula prática - Comandadas pelo experiente chef Elsio Gouveia Brazão, que é cooperado em Cambé, as produtoras representaram vários municípios e, durante duas horas, tiveram uma aula prática de como elaborar alguns pratos doces e salgados. Muitas delas não só assistiram a explanação do chef, como participaram da atividade, ajudando na preparação de carne suína agridoce, espaguete de abobrinha e sobremesa de melão, em meio a troca de informações.

Empatia - “Foi uma experiência muito válida”, comentou a analista de cooperativismo da Cocamar, Juliana Guerra. Segundo ela, a empatia do chef com as produtoras tornou a oficina ainda mais agradável. Para Elsio, que é produtor de grãos e utilizar em seus pratos alguns ingredientes colhidos no sítio da família, as produtoras contribuíram para o sucesso do evento, com o interesse demonstrado e a maneira como preparam os alimentos.

Dona Odete - Nas três oficinas, o chef foi assessorado por sua mãe, Odete Panchoni, coordenadora do núcleo feminino de Cambé, o mais numeroso dos 32 mantidos na cooperativa, que reúnem mais de 600 participantes.

Finalistas - Em outra frente, o Festival de Sabores Chefs do Campo selecionou os 5 pratos finalistas que estão sendo registrados pela equipe organizadora. Eles serão degustados em almoço com a participação dos integrantes dos conselhos de administração, fiscal e consultivo, da Cocamar, em data ainda a ser agendada. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2019/noticias/09/27/cocamar/{/vsig}

CRESOL: Mais de 50 milhões de pessoas são envolvidas em ações do Sistema na Semana de Educação Financeira

O Banco Central do Brasil publicou o relatório com os resultados da Semana Nacional de Educação Financeira (Semana Enef). Com grande envolvimento da Cresol, a edição da campanha deste ano dobrou o número de iniciativas em relação ao último ano e atingiu 70,7 milhões de pessoas, um aumento de número dezessete vezes maior em relação a 2018.

Ações - Em 2019, a Semana Enef foi realizada entre 20 e 26 de maio e contemplou o tema educação financeira em sua amplitude. A Cresol realizou 2 mil ações entre encontros presenciais, como palestras e cursos, bem como formações sobre o tema por meio de plataforma online, e divulgação em mídias de massa (rádio, TV e mídias sociais). Neste ano, a principal campanha veiculada retrata uma família em que o filho, ainda criança, orienta os pais a tomarem as melhores decisões com as finanças.

Alcance - Somente uma iniciativa da Cresol alcançou 52,6 milhões de pessoas, reflexo do envolvimento com ações voltadas à educação financeira. O presidente da Cresol Confederação, Cledir Magri, valorizou os números da campanha e reforçou a identidade da instituição com ações de educação financeira, sendo um pilar constante na atuação das cooperativas.

Satisfação e alegria - “Para o Sistema Cresol é um motivo de muita satisfação e alegria. Nós entendemos que essa marca nos traz a convicção e a concretização da efetividade da nossa missão, dos nossos valores. É mais uma marca importantíssima. Fica o agradecimento a todos que de uma forma ou outra deram sua contribuição, essa é uma conquista de cada um que fez sua parte nessa estratégia. Agora é trabalhar incansavelmente para aumentar essa marca histórica de um trabalho que é um dos grandes diferenciais do cooperativismo e da Cresol”, enfatiza Magri.

Protagonismo - Envolvida com a Semana Enef desde 2016, a Cresol tem aumentado seu protagonismo. Na 6ª edição, as ações triplicaram em relação ao último ano e evidenciaram a relevância da instituição dentro da campanha de educação financeira, o que está aliada à premissa da Cresol em facilitar o acesso ao Sistema Financeiro de forma consciente.

O cooperativismo na Senef - A participação dos sistemas cooperativos como um todo também tem aumentado anualmente. Em 2019, essas ações responderam a 88% das iniciativas do Banco Central e 98% do público alcançado. Comparado aos números do Banco, o segmento cooperativo responde por 88% das iniciativas e 98% do público alcançado, resultado de uma parceria que já se estabeleceu de longa data e que se revela cada vez mais profícua. (Imprensa Cresol)

{vsig}2019/noticias/09/27/cresol/{/vsig}

SICOOB UNICOOB: UDC capacita coordenadores dos programas Integrar e Desenvolver

 

A Unidade de Desenvolvimento Cooperativo (UDC) do Sicoob Central Unicoob promoveu, nos dias 17 e 18, a capacitação de 29 representantes de cooperativas e da própria Central que serão os coordenadores dos programas Integrar e Desenvolver. O objetivo é padronizar o relacionamento com os cooperados de maneira eficiente, uniforme e sistêmica nas singulares, além de construir um modelo próprio de excelência no atendimento. 

 

Primeiro dia - No primeiro dia, os coordenadores conheceram o formato dos programas, tiveram acesso à metodologia detalhada, viram os objetivos e entenderam qual será a atuação de cada um deles nas cooperativas. Esse treinamento antecipa os workshops dos programas Integrar e Desenvolver, que serão realizados em todas as cooperativas e nos estados onde atuam. No dia seguinte, o grupo participou da primeira reunião do Comitê de Excelência no Atendimento, que irá liderar esse movimento em todas as cooperativas, totalmente alinhado ao programa Integrar.

 

Método Disney - Jacqueline Ferreira Gomes, CEO da agência de consultoria “No coração do Cliente” e certificada pelo Disney Institute, apresentou ao Comitê os conceitos baseados no método Disney que serão utilizado para orientação na construção do modelo próprio do Sicoob Unicoob, buscando a valorização da experiência do cooperado.

 

DNA - “O movimento de atendimento de excelência tem como objetivo criar e implantar algo com o DNA e essência do Sicoob Unicoob, disponibilizando aos cooperados uma experiência de atendimento única e diferenciada, uma vez que estamos orientados a construir algo que considera nosso propósito e o perfil de nossos clientes/cooperados”, explica Jacqueline.

 

Nova foram de relacionamento - “Por intermédio desses programas, iniciamos uma nova forma das nossas cooperativas se relacionarem com seus associados. Já fazíamos muita coisa nessa área, mas não havia algo sistêmico e com metodologia adequada como essa que passamos aos coordenadores. Com o Integrar e o Desenvolver, queremos que os nossos cooperados desenvolvam o senso de pertencimento a algo que é muito maior do que um simples relacionamento financeiro, algo que impacte as nossas comunidades”, destaca a gerente operacional da UDC, Júlia Fagan.

 

Coordenadores - Os coordenadores são os responsáveis por conduzir os programas Integrar e Desenvolver nas singulares. Até dezembro, a UDC visitará as cooperativas para realização de um workshop de apresentação dos programas e sensibilização junto aos colaboradores. Além disso, até abril serão realizadas reuniões do Comitê de Excelência no Atendimento, definindo os padrões de atendimento que serão sistematizados para todas as cooperativas. 

 

Programas Integrar e Desenvolver - Criados pela UDC do Sicoob Central Unicoob, os programas têm o objetivo de integrar e desenvolver os cooperados, estimulando uma aproximação e contato mais frequente com as cooperativas, não relacionado diretamente aos produtos e serviços.

 

Ações de inclusão - O programa Integrar trabalhará a entrada, manutenção e a fidelização dos associados na cooperativa por meio de ações de inclusão, no intuito de compartilhar informações sobre a cultura cooperativista e apresentar as diferenças em relação às instituições financeiras tradicionais, ou seja, trabalhar a aderência do cooperado apresentando trilhas de desenvolvimento para que ele entenda que o Sicoob é a casa dele.

 

Representatividade - No Desenvolver o objetivo é ampliar a representatividade nos comitês e conselhos dentro das singulares, capacitando cooperados para integrarem o Conselho de Orientação Estratégico (COE e, o colégio de delegados, até chegar à formação de futuros dirigentes cooperativos.

 

Alinhamento - “O alinhamento dos programas, a sensibilidade das nossas cooperativas em aderir, o apoio e patrocínio dos executivos e a necessidade de termos nossos cooperados cada vez mais atuantes dentro do sistema, são os principais elementos motivadores para que o Integrar e o Desenvolver sejam o marco de uma nova forma de relacionamento e experiência do cooperado”, explica o gerente executivo da UDC, Sérgio Gini. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/09/27/sicoob_unicoob/{/vsig}

SICOOB ALIANÇA: Agência promove ação com foco no financiamento de veículos em Apucarana

sicoob alianca 27 09 2019Entre os dias 17 e 19 de setembro, a agência do Sicoob Aliança, localizada na Av. Curitiba, no centro de Apucarana (PR), recebeu o PitStop Toyopar. A ação, promovida pela concessionária autorizada Toyota em parceria com a cooperativa, teve como foco o financiamento de veículos 0km e de consórcios com condições especiais.

Parcerias - “Buscamos constantemente parcerias para fomentar os negócios da cooperativa e de empresas locais. A Toyopar foi uma excelente parceria de sucesso, pois durante a ação pudemos divulgar nossos produtos e serviços e a Toyopar, os seus veículos. Foram dois dias de bastante prospecções e com boas vendas para ambas as partes”, comenta o gestor de Produtos e Serviços, Rafael Vinicius Bueno. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB OURO VERDE: Vencedores etapa local do Concurso Cultural 2019 são premiados

 

No mês de setembro, o Sicoob Ouro Verde premiou alunos de escolas de Londrina (PR) e região vencedores da etapa local do Concurso Cultural do Instituto Sicoob. Representantes da cooperativa entregaram as premiações nas escolas e nas agências de Londrina, Rolândia, Santo Antônio da Platina, Assaí, Guapirama e Bandeirantes.

 

Difusão - Realizada anualmente, a iniciativa tem a finalidade de difundir o conceito de cooperação entre crianças dos 3° e 5° anos do Ensino Fundamental I e contribuir para formação de cidadãos mais conscientes. Neste ano, o tema do concurso é “Todo mundo ganha com a cooperação", conteúdo que foi trabalhado com os alunos por meio de palestras, debates, vídeos e cartilhas.

 

Participação - Por meio da articulação da PAE - Pessoa de Apoio Estratégico do Instituto Sicoob no Sicoob Ouro Verde, Maisa Hangai, foram inscritos 2.995 alunos de 37 escolas em 12 cidades da área de atuação da cooperativa. Destas, 1.521 crianças participaram na categoria desenho e 1.474 na categoria redação.

 

Pré-seleção - Todas as produções passaram por uma pré-seleção em cada escola. Os selecionados, atendendo a critérios do concurso, passaram pela comissão julgadora formada por colaboradores das agências e da Unidade Administrativa da cooperativa, que escolheram 3 os melhores em cada categoria.

 

Kit escolar - Os premiados da etapa local ganharam um kit escolar e seguem para a etapa regional. Por fim, na etapa nacional, o Instituto Sicoob estabelecerá uma comissão avaliadora para definir um vencedor para cada categoria.

 

Disciplina e dedicação - Representando os alunos premiados, Emília Cruz de Carvalho, mãe de Emanuela Cruz de Carvalho, que conquistou o primeiro lugar na categoria redação, comentou sobre o resultado do Concurso Cultural. "Essa premiação retrata muito da disciplina e da dedicação que ela tem com os estudos. Acredito que três pilares foram essenciais para essa conquista: Deus, família e escola. Agradecemos ao Instituto Sicoob e ao Sicoob por essa oportunidade", disse. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/09/27/sicoob_ouro_verde/{/vsig}

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Ações do Programa União faz a Vida são ampliadas

 

Até o mês de setembro, a Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP já estimulou a realização de 143 projetos por meio do programa União Faz a Vida, principal inciativa de responsabilidade social do Sicredi. Em todo o ano de 2018 foram promovidos 112 projetos, ou seja, a quantidade de ações realizadas até então já é 27,67% maior do que o número de atividades promovidas em todo o ano anterior.

 

Mais professores - O assessor de desenvolvimento do cooperativismo da Sicredi Parque, Neri Fabbris, atribui o crescimento ao aumento do número de professores envolvidos no programa, que passou de 230, em 2018, para 312 em 2019.

 

Crianças e adolescentes - Pelo menos 4 mil crianças e adolescentes de 26 escolas são beneficiadas pelo programa, que estimula a formação de cidadãos cooperativos por meio da educação. A Sicredi Parque das Araucárias promove o União Faz a Vida nos municípios de Mariópolis (PR), Mangueirinha (PR), Galvão (SC), Pato Branco (PR) e Palmas (PR) - ambos em parceria com o Sesi – Honório Serpa (PR), Treze Tílias (SC) e Batatais (SP).

 

Estímulo - Com uma metodologia própria, baseada nos princípios de cooperação e cidadania, o programa estimula o desenvolvimento de projetos relacionados ao currículo e ao ambiente escolar, de acordo com a realidade dos alunos e da escola, e que alia a teoria e a prática por meio de expedições investigativas.

 

Abrangência - No Brasil, o programa atende a 284.604 crianças e adolescentes, 24.906 educadores, em 1908 escolas distribuídas em 369 cidades de sete estados. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

 

{vsig}2019/noticias/09/27/sicredi_parque_araucarias/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Cooperativa está com inscrições gratuitas para feira de negócios

sicredi uniao 27 09 2019A Sicredi União PR/SP promove a 1ª Expo União de 8 a 10 de novembro no Pavilhão Azul do Parque de Exposições de Maringá (PR). Trata-se de uma feira de negócios para impulsionar a atividade econômica dos associados que atuam em Maringá, Sarandi, Paiçandu e Mandaguaçu. As inscrições ficam abertas até 6 de outubro e podem ser feitas pelo https://novidades.sicrediuniao.coop.br/feira-associados ou com um gerente de agência. A participação é gratuita.

Vagas - Há vagas para cem expositores, mas se o número de inscritos superar essa quantia, a Sicredi União PR/SP vai realizar sorteio em 10 de outubro para definir os associados participantes. A distribuição dos estandes entre os inscritos também será definida por ordem de sorteio. Durante a feira não haverá comercialização, e sim exposição de negócios.

Palestras e oficinas - Em parceria com o Sebrae/PR, a Sicredi União PR/SP também prepara quatro palestras e duas oficinas sobre Marketing Digital, Finanças, Empreendedorismo, Varejo, entre outros temas. Tantos os associados quanto os visitantes poderão participar gratuitamente. Haverá ainda três rodadas de negócios entre os expositores. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

GRÃOS: Safra pode chegar a 23,4 milhões de toneladas no Paraná

graos 27 09 2019A safra de grãos de verão 2019/2020 deve atingir 23,4 milhões de toneladas, segundo estimativa mais recente do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, divulgada quarta-feira (25/09). O volume representa um acréscimo de aproximadamente 100 mil toneladas em relação à estimativa anterior, e um aumento de 19% na comparação com a produção da safra 2018/2019, que foi de 19,7 milhões de toneladas. A expectativa é de manutenção da área plantada em seis milhões de hectares.

 

Soja - No relatório deste mês, destaca-se a grande área de soja, quase 5,5 milhões de hectares, com aumento de 1% com relação da safra passada. Ainda assim, a soja é responsável por 91% da área total de grãos de verão. “Também chama a atenção a redução da área de milho na primavera, um fator preocupante, pois coloca a garantia do suprimento do consumo brasileiro e das nossas exportações na dependência da segunda safra”, diz o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara.

 

Clima - As condições climáticas no Paraná acabaram atrasando o plantio de culturas como a soja, o milho e o feijão. Se o clima colaborar, há chances de recuperação da produtividade, e consequentemente um aumento de produção. “A safra tem boa perspectiva. Estávamos com uma seca severa, mas a umidade foi restabelecida em praticamente todo o Estado, permitindo uma semeadura, especialmente de grãos de primavera, com mais tranquilidade”, afirma o chefe do Deral, Salatiel Turra.

 

Atraso - O clima seco do início de setembro atrasou o plantio de soja no Paraná, que está com 3% da área plantada, totalizando 175 mil hectares. No mesmo período do ano passado, esse índice atingiu 18% - cerca de um milhão de hectares. “Apesar de ser uma situação incômoda para o produtor, ainda é melhor do que ter plantado boa parte da soja e depois enfrentar seca. Se chover, é possível retomar o ritmo do plantio”, explica o economista do Deral, Marcelo Garrido. “Quem tem prejuízo é o produtor que desejava plantar mais cedo para adiantar o plantio do milho na segunda safra. Agora o clima precisa contribuir”.

 

Regiões - Segundo Garrido, as regiões com maior área plantada até agora são Campo Mourão, com 68 mil hectares; Pato Branco, com 50 mil hectares; Toledo, com 24 mil hectares; e Cascavel, com 15 mil hectares, todos com o índice abaixo da média. A partir de agora, é preciso acelerar o plantio, principalmente na região Oeste. A tendência é que se confirme a área de 5,5 milhões de hectares e a produção estimada em 19,8 milhões de toneladas, se o clima colaborar. A comercialização da soja está em 15%, índice semelhante ao da safra passada.

 

Preços - Os preços reduziram de R$ 80,00 em 2018 para R$ 73,00 agora. A alta do dólar tem sido um dos fatores determinantes para segurar o preço da soja, que está satisfatório para os produtores que exportam. No entanto, com a peste suína, a demanda da China ainda é uma incógnita, pois a doença tem sido responsável pelo abate de boa parte do rebanho no país, com possível impacto na compra do produto brasileiro.

 

Milho primeira safra - O clima também atrasou o plantio do milho, que atingiu apenas 39% da área, aproximadamente 140 mil hectares. No ano passado, o Paraná tinha 60% da área plantada, totalizando 200 mil hectares.

 

Área - A previsão para a safra 2019/2020 é de 336 mil hectares, estimativa 6% menor do que na safra anterior. A produção é estimada em 3,1 milhões de toneladas. Com condições de clima mais favoráveis, o milho pode atingir as expectativas, com a produção expressiva da segunda safra. Os preços estão em R$ 27,00 a saca de 60 kg, sendo que no mesmo período do ano passado era comercializada por R$ 32,00. Essa queda se justifica pela oferta maior, já que no ano passado a segunda safra teve bons resultados, impulsionada pelo clima favorável e pelo calendário mais curto da soja.

 

Feijão - O calendário de plantio do feijão segue até dezembro, com pico entre setembro e outubro. O plantio da safra das águas foi mais expressivo neste mês, atingindo 42% da área, depois de um plantio de 1% em julho e agosto.

 

Ano passado - No mesmo período do ano passado, no entanto, o Paraná já tinha 55% da área plantada. Esse atraso é resultado das variações climáticas, com estiagem e posterior excesso de chuvas.

 

Condições - Na avaliação do Deral, as condições das lavouras nos principais núcleos mostram que a produtividade pode ser prejudicada neste ano. Em Campo Mourão, por exemplo, 100% dos 1,5 mil hectares plantados estão em condições médias. Em Guarapuava, 20% das lavouras estão em condições médias e, em Ivaiporã, o índice chega a 50%. “No Estado como um todo, 91% das lavouras estão com boas condições e 9% em condições médias”, diz o engenheiro agrônomo Carlos Alberto Salvador. Segundo ele, a área estimada é de 154,2 mil hectares, com uma pequena redução em relação à primeira estimativa, e a expectativa de produção permanece em 309 mil toneladas.

 

Fase - As lavouras de feijão estão 42% em fase de germinação, 57% vegetação e 1% em floração. Os preços estão estabilizados e cobrem o custo de produção: a saca de 60 kg de feijão cores é comercializada por R$ 129,90. No ano passado, o valor era de R$ 95,26. O feijão-preto é comercializado por R$ 116,00. No ano passado, os preços estavam em R$ 119,00.

 

Trigo - A estimativa de área mantém-se em um milhão de hectares, 7% menor do que na safra 2018/2019. Quanto à produção, houve uma queda de 28% na estimativa inicial, e o valor foi atualizado para 2,3 milhões de toneladas. Parte dessa produção já havia sido reduzida nos meses anteriores em virtude das geadas e, no último mês, a perda foi acentuada pela seca. As estimativas indicam que o Paraná terá uma das menores safras dos últimos anos, com as regiões Oeste e Centro-Oeste entre as principais atingidas.

 

Colheita - A colheita do trigo evoluiu em setembro, colocando mais um milhão de toneladas no mercado, aproximadamente um terço da moagem estadual para o ano. O clima seco, embora tenha prejudicado a produção, colaborou para a colheita, e cerca de 60% da área do trigo está colhida. “Isso se justifica tanto pelo adiantamento do ciclo do trigo quanto pelo clima favorável para a atividade das máquinas. Estamos num percentual bastante próximo do recorde, que é de 65% para esse período do ano, e acima da média, que é de 42%”, diz o engenheiro agrônomo do Deral Carlos Hugo Winckler Godinho. No mesmo período de 2018, a colheita estava em 20%, em função do atraso no plantio, que não se repetiu nesta safra.

 

Oferta momentânea - A grande oferta momentânea do trigo refletiu nos preços, que foram de R$ 49,00 por saca de 60 kg para R$ 44,00. “Se os preços permanecerem assim, isso vai comprovar que os produtores estavam certos em não ampliar a área de plantio neste ano. Eles previram que, provavelmente, o preço não se sustentaria”, acrescenta.

 

Derivados - Outra avaliação do Deral inclui os derivados do trigo. Nos dois primeiros quadrimestres de 2018, o preço do pão foi mais elevado do que nos últimos meses do ano, quando se colhe. Em 2019, a tendência se repetiu: o preço médio esteve relativamente alto nos primeiros oito meses, e em setembro aconteceu um primeiro recuo.

 

Moinhos - Este recuo, simultâneo à redução nos preços ao produtor de trigo, pode ajudar os moinhos a não voltarem aos preços praticados anteriormente e, consequentemente, esses podem não ser repassados às padarias. Desta forma espera-se que, ao menos no período de colheita, o preço do pão possa ficar abaixo do preço no período de entressafra, a exemplo de 2018.

 

Cevada - “As condições da lavoura melhoraram em comparação com o mês passado. O Paraná passou de 65% em boas condições para 78%, graças às chuvas”, diz o engenheiro agrônomo Rogério Nogueira. Cerca de 62% das lavouras estão em fase de frutificação – em estágio mais avançado do que no ano passado -, 32% em fase de floração, 5% em maturação e 1% em desenvolvimento. Houve recuperação no núcleo regional de Guarapuava, prejudicado pela seca em julho e agosto. A expectativa é de que a colheita da cevada comece em novembro. Na região de Ponta Grossa, que também tem boas condições de lavoura, o início da colheita está previsto para 10 de outubro. Juntos, esses dois núcleos concentram aproximadamente 80% da produção no Paraná. Para esta safra, espera-se a produção de 257,2 mil toneladas, um aumento de aproximadamente 17% em relação à safra anterior, e a comercialização segue em 31%.

 

Outras culturas - De maneira geral, Norberto Ortigara destaca ainda o crescimento da área de batata, cuja produção nacional é geralmente liderada pelo Paraná. A primeira safra mostra uma redução de área, mas com possibilidade de crescimento de produção de 4%. Além disso, há crescimento de área da cebola no cultivo da primavera, e manutenção da área cultivada do tabaco, com a possibilidade de crescimento de 8% na produção.

 

Mandioca - Além disso, houve ajuste na área plantada de mandioca, cuja produção de fécula e farinhas é liderada pelo Paraná. O relatório mostra ainda crescimento da área de amoreira, alimento básico da lagarta do bicho-da-seda, com quase 90% da produção brasileira concentrada no Estado. “É um fio que está ganhando confiança e mercado no mundo, especialmente no centro da moda. Nossa seda vem ganhando presença em cidades europeias como Lyon, Paris e Milão. Há um esforço da iniciativa privada e do Governo do Paraná, que vislumbra crescimento em torno de 500 novas famílias interessadas na cultura da amoreira para produção de casulos”, afirma Ortigara. (Agência de Notícias do Paraná)

BRICS: Carta de Bonito reafirma compromisso do bloco com inovação e sustentabilidade na agricultura

 

brics 27 09 2019Ao final da 9º Reunião dos Ministros da Agricultura do Brics, realizada em Bonito (MS), os representantes dos cinco países assinaram a Carta de Bonito, com 27 itens que reiteram o comprometimento com a cooperação na área agrícola. Os ministros afirmaram o potencial para aprimorar a colaboração nas áreas de produção de alimentos, segurança alimentar e segurança ambiental.

 

Boas práticas - “Isso pode ser alcançado por meio de boas práticas agrícolas, desenvolvendo agricultura digital e cadeias de valor para a melhor comercialização agrícola e melhoria de renda para os agricultores”, diz a carta, que trata de temas como inovação, comunicação do setor, startups, facilitação de comércio, princípios científicos, regionalização e sustentabilidade.

 

Prontos - Segundo o documento, os países do Brics estão prontos para fortalecer os mecanismos e aprimorar a comunicação em importantes temas internacionais, como o incentivo a novas soluções para o aumento da produção de alimentos, o empreendedorismo em startups de agrotecnologia, o aumento do comércio internacional, a segurança alimentar em países em desenvolvimento e o cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

 

Importância - Os ministros reconhecem a importância da agricultura sustentável e o papel da biotecnologia para o aumento da produtividade, usando menos terras e insumos. “Compartilhamos o compromisso de melhorar a eficiência por meio do aumento da produtividade e custos reduzidos, e de expandir o uso de sistemas integrados e sustentáveis ​​de produção de plantas e animais, para aumentar o uso da agricultura de precisão, irrigação e elementos da agricultura digital”.

 

Fontes renováveis de energia - A carta também traz o compromisso de aumentar a participação de biocombustíveis sustentáveis ​​e outras fontes de energia renováveis ​​na matriz energética dos países do Brics e incentivar medidas para evitar a erosão do solo, incluindo a proteção das margens dos rios com vegetação nativa. “Reafirmamos nosso compromisso com a proteção do meio ambiente e sua importância para a produção agro-alimentar”, diz a carta.

 

Tecnologia - Os países deverão fortalecer o intercâmbio mútuo em áreas como biotecnologia e nanotecnologia, ressaltando a importância de uma melhor aplicação das tecnologias da informação e comunicação na agricultura, a fim de construir e melhorar a adaptabilidade da agricultura às mudanças climáticas e apoiar a bioeconomia.

 

Conectividade - “Reconhecemos que, para produzir mais alimentos de maneira sustentável, a conectividade digital rural é de suma importância. Requer desenvolvimento adicional da agricultura digital e expansão da infraestrutura digital, especialmente para aproveitar todo o potencial da tecnologia da Internet das Coisas em diferentes estágios da cadeia de produção”, diz o documento.

 

Regras sanitárias - Os países também se comprometeram em manter regras sanitárias e fitossanitárias baseadas em princípios científicos para “proporcionar um ambiente favorável ao comércio e ao desenvolvimento tecnológico”. Outro ponto acordado foi o fortalecimento dos diálogos comerciais e para promover a implementação de normas sanitárias e fitossanitárias internacionais, com o objetivo de harmonizar os procedimentos de exportação. O documento também aborda a necessidade de discutir as diferenças entre as regras internacionais de comércio eletrônico.

 

Comunicação - Outro compromisso foi o de aprimorar a comunicação entre os cinco países para facilitar o procedimento de avaliação da aplicação da certificação nas áreas livres de pragas ou doenças.  “Instamos os países a avaliar solicitações de reconhecimento de condições regionais e status sanitário ou fitossanitário, de acordo com os padrões, diretrizes ou recomendações internacionais relevantes”, diz a carta.

 

Alinhamento - A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) disse que houve um alinhamento dos cinco países sobre os temas básicos discutidos na reunião. Ela destacou a necessidade de promoção de novas soluções para a produção de alimentos.  “Sabemos da responsabilidade que teremos de alimentar 9,8 bilhões de pessoas até 2050, sendo 3,3 bilhões dentro dos países do Brics”, disse.

 

Bases científicas - A ministra também ressaltou que o comércio entre os países deve ser feito com bases científicas, e não em suposições. “Não podemos trabalhar com suposições, mas sim com bases científicas neste comércio. Isso é o que vai trazer a segurança que o nosso consumidor interno e aqueles que compram os nossos produtos precisam ter de garantias do que produzimos”, disse.  

 

Sustentabilidade - Tereza Cristina disse que todos os países têm preocupação com a sustentabilidade na agricultura. “Acho que em todos países hoje é o assunto que o momento requer, e é uma preocupação do mundo todo produzir de maneira mais sustentável, usar tecnologia e usar a ciência como base de tudo que nós vamos fazer daqui para frente”.

 

Proposital - Segundo ela, o encontro em Bonito foi proposital para mostrar a agricultura sustentável que o Brasil desenvolve. No próximo ano, o encontro será realizado na Rússia.  Os representantes de Rússia, Índia, China e África do Sul agradeceram a hospitalidade da ministra Tereza Cristina e elogiaram a iniciativa de fazer a reunião em Bonito. Eles também elogiaram a qualidade do documento final do encontro.

 

Áreas da cooperação - O vice-ministro da Rússia, Sergey Levin, destacou a importância da Carta de Bonito e disse que o documento irá guiar os trabalhos do grupo para o futuro. “A declaração abarca todas as áreas da cooperação que são importantes para os nossos cinco países”, disse. 

 

Fundamental - O vice-ministro da África do Sul, Mcebisi Skwatsha, lembrou que a agricultura é fundamental para qualquer nação saudável. “Não viemos apenas dar uma contribuição, mas também aprender com esses grandes países”, disse, ressaltando que os sul-africanos amam o futebol, e por isso sempre admiraram o Brasil.

 

Potencial - O vice-ministro da China, Taolin Zhang, lembrou que os países do Brics são muito importantes no setor agrícola e têm recursos abundantes e muita diversidade ambiental, além de um enorme potencial de cooperação. O secretário do ministério indiano, B. Pradhan, disse que os países do Brics têm conhecimento, ferramentas de pesquisa e capacidade na área de agricultura. Ele disse que o primeiro-ministro da Índia estará no Brasil em novembro. (Mapa)

AGRICULTURA: Lupion comemora aprovação de medida que impede produtores rurais de caírem na ilegalidade

 

agricultura 27 00 2019Aprovada no Plenário da Câmara na quarta-feira (25/09), a Medida Provisória nº 884/2019, que alonga o prazo para que produtores rurais se inscrevam no Cadastro Ambiental Rural (CAR) deixou satisfeitos os deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Principalmente, o deputado federal Pedro Lupion (DEM-PR), que trabalhou pela aprovação na Casa, junto aos também deputados José Mário Schreiner (DEM-GO), Nelson Barbudo (PSL-MT) e ao senador Irajá (PSD-TO).

 

Vitória - "É uma vitória importante da FPA. A gente precisava aprovar a MP 884 para que os produtores rurais nos estados não ficassem na ilegalidade, sem resolver suas questões com o CAR", afirmou Lupion.

 

Força-tarefa - O deputado explica que foi preciso uma verdadeira força-tarefa junto às presidências da Câmara, Senado e partidos de oposição para possibilitar a aprovação da medida ainda nesta quarta-feira. "Tivemos que trabalhar com a deputada Soraia Santos (MDB-RJ), que presidia à sessão, para colocar a matéria rapidamente em votação. Também com o presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), para que não iniciasse a sessão do Congresso Nacional sem votar a medida provisória. O resultado é uma vitória de todos os partidos políticos. Quem ganha é o produtor rural brasileiro", finalizou.

 

Senado - A MP 884/19 segue agora para votação no Senado Federal.  A medida tem que ser aprovada nas duas casas do Congresso até o dia 11 de outubro, para que não perca o prazo de validade. (Assessoria de Imprensa do deputado federal Pedro Lupion)

REFORMA TRIBUTÁRIA: Comissão mista deve ser criada para unificar tema no Congresso

 

reforma tributaria 27 09 2019O ministro da Economia, Paulo Guedes, e a cúpula do Congresso Nacional avançaram na quarta-feira (25/09) na ideia de criar uma comissão mista para analisar a reforma tributária, com o objetivo de acelerar a tramitação da proposta de emenda constitucional (PEC).

 

Negociações - As negociações envolvem colocar o senador Roberto Rocha (PSDB-MA), relator da proposta no Senado, para presidir o colegiado, enquanto o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da reforma na Câmara, repetiria essa função na comissão mista.

 

Definição - “Ficou definida a criação de uma comissão mista para construir um texto em conjunto para evitar um bate-cabeça entre as duas Casas. Será possível construir um texto que contemple o pensamento das duas Casas”, disse uma fonte que participou do encontro ao Valor.

 

Ato político - Essa comissão não terá poder de fazer a reforma tramitar pelo Congresso. Seria mais um ato político, para colocar senadores e deputados na mesma mesa de negociações e aprovar um texto que contemple os interesses das duas Casas. Após isso, a nova versão do texto teria que tramitar normalmente pela Câmara e Senado.

 

Solução - Guedes, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e líderes partidários reuniram-se na noite de quarta-feira para estabelecer uma solução em relação à cessão onerosa - decidiram fatiar o texto para promulgar a parte que viabiliza a realização do leilão do dia 6 de novembro.

 

Leilão - O chefe da equipe econômica reforçou o compromisso de reservar 30% dos recursos obtidos com o leilão para Estados e municípios, diante de rumores de que o fatiamento poderia representar que os recursos ficariam apenas com a União.

 

Novo texto - O titular do Ministério da Economia também teria informado que o governo enviará um novo texto da PEC que estabelece medidas para o governo federal cumprir a regra de ouro da economia (que proíbe o endividamento para pagar despesas correntes).

 

Próxima semana - De acordo com participantes da reunião, o novo projeto será encaminhado para o Senado na próxima semana. Avalia-se ainda a criação de comissões mistas que analisem outros temas do pacote prioritário de projetos econômicos, como autonomia do BC, privatização da Eletrobras e a reforma administrativa.

 

Ideia - A ideia é a mesma da comissão para a reforma tributária: um colegiado para decidir politicamente um texto de consenso entre deputados e senadores, mas que tecnicamente não teria poder de encaminhar a proposta direto para votação. (Valor Econômico)

Foto:Pixabay

IBGE: Taxa de desemprego recua para 11,8% em agosto

ibge 27 09-2019A taxa de desemprego no país recuou para 11,8% no trimestre encerrado em agosto deste ano. O índice é inferior aos 12,1% do mesmo período do ano passado e aos 12,3% do trimestre em maio deste ano. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgados nesta sexta-feira (27/09) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Desempregados - O total de desempregados chegou a 12,6 milhões em agosto, 3,2% a menos (ou 419 mil) do que em maio deste ano (13 milhões), mas estável em relação a agosto do ano passado.

População ocupada - A população ocupada (93,6 milhões) cresceu 0,7% em relação a maio (mais 684 mil) e 2% na comparação com agosto do ano passado (mais 1,84 milhão de pessoas). (Agência Brasil)

 

SAÚDE I: Casos novos de sarampo reforçam a necessidade da vacinação

 

saude I 27 09 2019A secretaria da Saúde do Paraná confirmou mais 26 casos de sarampo na última semana. Até o dia 21 de setembro, os números são de 39 pacientes com a doença, 217 em investigação e 37 já descartados. “A nossa preocupação continua e está maior nesse momento que identificamos casos de pessoas contaminadas no Paraná, sem sair do Estado. Isso demonstra que o vírus já está circulando por aqui”, ressalta o secretário da Saúde, Beto Preto.

 

Municípios - Os municípios que registram ocorrência da doença são: Campina Grande do Sul (1 caso), Campo Largo (1), Colombo (2), Curitiba (28), Fazenda Rio Grande (1), Pinhais (1), Ponta Grossa (1), Maringá (2), Rolândia (1) e Jacarezinho (1).

 

Crianças - O secretário alerta para casos em crianças, mais suscetíveis a complicações do sarampo. “O que nos chama muito a atenção nestes novos registros são os dois bebês, com cinco meses de vida e que estão com sarampo. Nessa fase de vida eles estão vulneráveis porque não devem receber a vacina. Mas, certamente, pessoas que estão com o vírus tiveram contato próximo com essas crianças.”

 

Panorama - O panorama em relação à faixa de idade mostra que a maioria dos casos confirmados. Confira tabela AQUI.

 

Cenário nacional - O Brasil registra 4.507 casos confirmados de sarampo em 19 estados, segundo o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde referente ao período de 30 de junho a 21 de setembro. Destes registros, 97,5% estão concentrados em 168 municípios de São Paulo, principalmente na região metropolitana da capital. No Paraná já são dez cidades com registro de sarampo.

 

Doença - O sarampo é uma doença infecciosa, transmitida por vírus e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações decorrentes do sarampo são mais graves em crianças menores de cinco anos e podem causar meningite, encefalite, pneumonia, entre outras.

 

Transmissão - O vírus é transmitido pela respiração, fala, tosse e espirro. As micropartículas virais ficam suspensas no ar, por isso o alto poder de contágio da doença. Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema (manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo), outros sintomas como cefaleia, indisposição e diarreia também podem ocorrer.

 

Sintomas - Como não existe tratamento específico para o sarampo, é importante ficar atento com o aparecimento dos sintomas. Os doentes ficam em isolamento domiciliar ou hospitalar por um período de sete dias a partir do aparecimento das manchas vermelhas no corpo.

Vacinação - A vacinação é a melhor maneira de prevenir o sarampo. A Secretaria da Saúde orienta para que a população fique atenta às datas da carteira de vacinação e aos registros de doses.

- A dose zero deve ser aplicada em crianças entre seis e onze meses.

- A dose número 1 aos 12 meses de vida com a vacina tríplice viral (que previne sarampo, caxumba e rubéola).

- A dose 2 aos 15 meses com a vacina tetra viral (que previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora).

- A população com até 29 anos deve receber duas doses da vacina. E para as pessoas que estão no grupo com idade entre 30 e 49 anos basta ter o registro de uma dose são consideradas vacinadas.

- Acima dos 50 anos, a vacina é indicada apenas nos casos de bloqueio vacinal após a exposição com casos de suspeita da doença ou confirmados.

- Mulheres que estão amamentando podem ser vacinadas e as que desejam engravidar devem aguardar no mínimo 30 dias após receber a dose da vacina.

- Os profissionais da área da saúde devem ser vacinados com as duas doses da tríplice viral em qualquer faixa etária, independente se atuam na atenção primária, secundária ou terciária. (Agência de Notícias do Paraná)

SAÚDE II: Deputada Leandre participa da criação da Frente Parlamentar Mista dos Consórcios Públicos

 

Em uma cerimônia no Salão Verde da Câmara dos Deputados, a deputada federal Leandre Dal Ponte (PV-PR) participou, na quarta (25/09), da criação da Frente Parlamentar Mista dos Consórcios Públicos. O objetivo do colegiado será defender apartidariamente os interesses dos consórcios públicos intermunicipais, com fortalecimento dos consórcios existentes e formação de novos entes. A frente já nasce forte, com a participação de 259 deputados e oito senadores. O grupo será coordenado pelo deputado Geninho Zuliani (DEM-SP). 

 

Importância - Em seu pronunciamento durante a solenidade de isntalação da nova frente, a deputada Leandre destacou a importância dos consórcios públicos intermunicipais nos atendimentos de saúde de média complexidade no Paraná e no Brasil, como exames médicos e cirurgias eletivas.

 

Responsabilidade - Ela enfatizou a importância dos consórcios para os atendimentos em saúde, mas ponderou a participação e responsabilidade quase que exclusiva dos municípios no financiamento destes atendimentos. Leandre aproveitou para cobrar uma maior participação da federação e dos estados no repasse de verbas para os consórcios intermunicipais de saúde.  

 

Estudo - Um estudo feito pela Rede Nacional de Consórcios, junto com a Associação de Consórcios do Estado do Paraná, apontou que, na média, os consórcios de saúde paranaense são financiados, 87% pelos municípios, 12% pela União, e 1% pelo Estado. Atualmente, existem 25 consórcios de saúde funcionando só no Estado do Paraná.

 

O que são Frentes Parlamentares? - Frentes parlamentares são associações suprapartidárias criadas para debater determinado tema de interesse da sociedade. Para que seja constituída, a frente parlamentar deve registrar um requerimento, contendo composição de, pelo menos, um terço de membros do Poder Legislativo, indicação do nome da frente e responsável por prestar as informações. (Assessoria de Imprensa da deputada federal Leandre Dal Ponte)

 

{vsig}2019/noticias/09/27/saude_II/{/vsig}


Versão para impressão


RODAPE