Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4664 | 17 de Setembro de 2019

CONTABILIDADE: Sescoop/PR apoia realização do 3º Fórum dos Profissionais da Área Cooperativista

 

O Conselho Regional de Contabilidade do Paraná (CRCPR) promove, no dia 10 de outubro, em Francisco Beltrão, na região Sudoeste do Estado, o III Fórum dos Profissionais de Contabilidade da Área Cooperativista, com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) e Sistema das Cooperativas de Crédito Rural com Interação Solidária (Cresol). O coordenador jurídico da Ocepar, Rogério Croscato, será um dos palestrantes e vai abordar o tema “Processo Administrativo no Âmbito do Estado do Paraná”. Advogado e contador, Croscato integra o Conselho de Contribuintes e Recursos Fiscais da Secretaria de Fazenda do Paraná e é membro do Conselho de Tributação da Associação Comercial do Paraná.

 

Outras palestras - Haverá ainda a participação do advogado Ricardo de Holanda Janesch, supervisor de Consultoria Tributária e especialista em Direito Empresarial, que discorrerá sobre “Propostas de Reforma Tributária e seus Impactos para o Cooperativismo Paranaense”. Já o vice-presidente de Desenvolvimento Profissional do CRCPR, Roberto Aparecido Santos, falará sobre o “Programa de Educação Profissional Continuada”.

 

Pontos - Segundo o CRCPR, a participação no Fórum valerá quatro pontos no Programa de Educação Profissional Continuada (PEPC) do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), para auditores, peritos, profissionais que atuam em empresas de grande porte (PROGP) e responsáveis técnicos que assinam as demonstrações contábeis de empresas com faturamento superior a 78 milhões (PRORT).

 

Comissão - O evento é organizado pela Comissão do Profissional Contábil da Área Cooperativista. Criada em fevereiro de 2016, ela tem como objetivo promover a interação com o profissional contábil que atua em sociedades cooperativas, a divulgação dos princípios do cooperativismo, a realização de estudos sobre novidades da atuação contábil e a promoção de eventos direcionados a estes profissionais. Atualmente, o vice-presidente de Administração e Finanças do CRCPR, Laudelino Jochem, coordena a Comissão, que é também composta pelos membros Alcemar Luiz Candioto, Alcir Sebastião Ribeiro, Claudiomiro Rodrigues, Devair Antonio Mem e José Ronkoski.

 

Inscrição - Os interessados em participar do Fórum devem fazer a inscrição online. Também é preciso fazer o credenciamento, no dia do evento, por meio da doação de três quilos de alimentos não perecíveis, que serão destinados a entidades assistenciais cadastradas no CRCPR. (Com informações do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná)

 

SERVIÇO

III Fórum dos Profissionais de Contabilidade da Área Cooperativista

Data: 10 de outubro

Horário: 13h30 às 17h30

Local: Sede Cresol - Ruas Ernesto Sanderson, 101, Francisco Beltrão/PR

Para inscrever-se clique aqui

 

 contabilidade 13 09 2019

OCB/FIESP: Políticas públicas agradam produtores

ocb fiesp 17 09 2019Os produtores agropecuários brasileiros estão muito confiantes nas políticas públicas voltadas para o agronegócio. Pesquisa realizada em setembro pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em conjunto com a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), com 645 produtores agropecuários, mostrou níveis inéditos de satisfação com a condução das políticas públicas destinadas ao setor.

Pesquisa - A pesquisa “Avaliação de Políticas Públicas para o Agronegócio”, realizada a cada trimestre, mostra que 65% dos entrevistados concordam/concordam plenamente com a afirmação de que o governo brasileiro valoriza o setor agropecuário. É o maior percentual desde o início do levantamento iniciado no final de 2013. Desde a eleição de Bolsonaro, esse indicador vem subindo (25% no último trimestre de 2018; 55% no primeiro trimestre de 2019; 61% no segundo trimestre de 2019). O recorde anterior era 16% registrado no terceiro trimestre de 2016.

Investimento - “O elevado nível de confiança do setor deve se traduzir em mais investimentos que contribuirão com a tão esperada retomada do crescimento da economia e com a geração de empregos”, diz Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp.

Empenhado - Dos produtores agropecuários entrevistados, 61% acreditam que o governo está empenhado em investir em infraestrutura logística, como portos, rodovias e ferrovias para escoamento da produção. Novamente, é o melhor resultado da série histórica, que orbitava entre 3% e 11% até o terceiro trimestre do ano passado.

Obras - Estão em curso obras importantes para o setor, como a pavimentação da BR-163, entre o norte de Mato Grosso e o Porto de Mirituba (PA), e a concessão dos terminais portuários e de um trecho de 1,5 mil quilômetros da ferrovia Norte-Sul, por exemplo. “Este é um forte indicativo de que o governo está em linha com os anseios do setor e empreende a importância do agronegócio para a economia e para a sociedade”, diz Marcio Lopes de Freitas, presidente do Sistema OCB.

Infraestrutura - O terceiro indicador pesquisado foi o nível de satisfação com as políticas públicas relacionadas mais diretamente à infraestrutura, como energia, telefone, internet e celular destinados ao campo. Na visão de 38% dos entrevistados, o Brasil está empenhado em investir nesse segmento. Desde o início do ano, esse dado está oscilando entre 38% e 41%.

Patamar - No passado, só atingiu o patamar de 20% em dois momentos: no primeiro trimestre de 2014 (para 20% dos entrevistados) e no segundo trimestre de 2014 (para 24% dos entrevistados). Neste sentido, o governo federal lançou recentemente a Câmara Agro 4.0, uma iniciativa que reúne os ministérios da Agricultura e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. (Informe OCB)

 

CAPAL: Na lista das maiores do Brasil

capal 17 09 2019Com sede em Arapoti (PR), a Capal Cooperativa Agroindustrial é uma das maiores organizações do Brasil. A afirmação está registrada em dois dos mais importantes rankings de mercado: Exame Melhores & Maiores, da revista Exame (editora Abril), e Valor 1.000, do jornal Valor Econômico (Grupo Globo). Com R$ 1.422 bilhão em faturamento no ano passado, a cooperativa cresceu 18% sobre 2017, a maior variação em quase 60 anos de história.

Agronegócio - A edição Exame Melhores & Maiores apresentou as 400 maiores organizações do agronegócio por vendas líquidas. A Capal teve crescimento em 2018 (ano de análise do ranking), saindo de 131ª posição (2017) para 123ª, com um aumento em vendas líquidas de 14,2%. Em relação às 1.000 maiores, também na edição da Exame, a cooperativa saiu da posição 533ª (2017) para 501ª (2018).

Evolução - Já o ranking Valor 1.000 também apontou evolução pela Capal. Em 2018, a cooperativa chegou à 424ª posição, subindo 22 colocações sobre o ano anterior. Entre os destaques dessa evolução, no setor agropecuário, a Capal está em sexto lugar pela medida do crescimento sustentável, ou seja, a variação da receita líquida sobre a variação do patrimônio ajustado. Além disso, ela também se apresenta na oitava colocação quando o assunto é cobertura dos juros, isto é, Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) sobre despesas financeiras.

Investimentos - Até o fim de 2019, a Capal vai realizar investimentos de mais de R$ 120 milhões. Metade do valor já foi aplicado em 2018. As unidades que receberão as maiores injeções de recursos são Taquarituba (SP) com R$ 25 milhões, Wenceslau Braz (PR) com R$ 24 milhões, Arapoti (PR), R$ 18 milhões, Itararé (SP), R$ 16 milhões, e Carlópolis (PR), com R$ 3,5 milhões.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3 mil associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil hectares. O volume de leite negociado pela Capal mensalmente é de 9 milhões de litros, proveniente de 360 produtores com uma média de produção de 2,5 mil litros/dia. (Imprensa Capal)

 

INTEGRADA: Produtores esperam chuva para iniciar plantio de soja

integrada 17 09 2019O vazio sanitário, que proibia a manutenção das plantas de soja na lavoura, terminou no último dia 10 de setembro. No entanto, as plantadeiras ainda não entraram em campo. O motivo, é a falta de chuvas que assola as principais regiões produtoras de soja. No oeste do Paraná, onde se planta mais cedo, os produtores estão preocupados com esta estiagem atípica. O momento, seria de plena atividade das plantadeiras, mas poucas máquinas se atreveram a sair dos galpões.

Seco - O cooperado e diretor vice-presidente da Integrada, João Francisco Sanches Filho, ainda não iniciou a semeadura da soja. O solo de sua propriedade, localizada em Guaíra, está totalmente seco. Ele aguarda as próximas chuvas para iniciar a semeadura. Mesmo com essa condição, ele está otimista com a safra, diante da quebra que sofreu no ciclo 2018/19, quando o clima prejudicou a sua colheita.

Chuvas abaixo da média - As chuvas estão abaixo da média para este mês de setembro, afirma o meteorologista do Simepar, Fernando Mendonça Mendes. Ele explica que o déficit hídrico se deve a uma menor dinâmica atmosférica, ou seja, a umidade vinda do Paraguai e Centro Oeste do Brasil não está chegando na região Sul.

Tendência - Até o próximo final da semana, completa Mendes, há uma tendência de chuva fraca, o que pode motivar os produtores a iniciar a semeadura da soja. Jaime Viotto, gerente da regional da Integrada em Goioerê (PR), afirma que os produtores estão preocupados à espera da chuva. Contudo, ele está otimista e estima que as atividades devam começar logo.

Expectativa - O Paraná estima semear nesta safra 19,77 milhões de toneladas de soja, volume 22% maior no comparativo com o mesmo período da safra anterior, quando foram produzidas 16,25 milhões de toneladas. Os dados, são do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

Quebra da safra - Um dos motivos que justifica esse crescimento da produção, segundo técnicos do Deral, se deve à quebra da safra 2018/19, ocasionada por questões climáticas. Em área, o Paraná estima semear 5,47 milhões de hectares, área semelhante à safra anterior. (Imprensa Integrada)

 

SICREDI I: Selecionadas duas startups com foco em agronegócio para programa de aceleração

sicredi I 17 09 2019Dando sequência à estratégia de se aproximar cada vez mais do universo de startups para levar tecnologia e inovação para o trabalhador rural, o Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados, anuncia as duas agtechs (startups com foco em agronegócio). As iniciativas foram selecionadas durante o Intensive Connection, um programa de potencialização de startups realizado em parceria com a AgTech Garage, maior hub de inovação da América Latina para o agronegócio.

Pequeno e médio agricultor - A startup Elysios foi escolhida por ser a primeira plataforma mobile e web focada no pequeno e médio agricultor familiar. Por meio de um aplicativo, tanto o produtor rural como o técnico que acompanha a sua propriedade podem visualizar em tempo real a produção, se comunicarem e rastrearem todos os acontecimentos do cultivo.

Doenças da soja - Já a startup Digifarmz foi selecionada por auxiliar técnicos e agricultores a controlarem doenças da soja, apresentando parâmetros para tomadas de decisão. A empresa orienta sobre os tipos de produtos a serem utilizados no combate as pragas (fungicidas, misturas e etc.), quando e quanto (data e quantidade ideal para cada pulverização) e no manejo anti-resistência.

Encontros e conexõe - As startups selecionadas pelo Sicredi iniciaram em setembro deste ano um período de quatro meses de encontros e conexões com executivos da instituição e especialistas de mercado para exploração de conteúdos essenciais para superação dos seus desafios no desenvolvimento de seus negócios. Ao final da capacitação, as empresas apresentarão os resultados e poderão dar continuidade na parceria com o Sicredi.

Atuação - “O Sicredi tem forte atuação no agronegócio e esta parceria é uma oportunidade para ajudar os nossos associados que atuam no agro a terem acesso às tecnologias que possam, por exemplo, aumentar a produtividade, melhorar índices de sustentabilidade, diminuir impactos ambientais e garantir o crescimento sustentável do setor”, diz Gustavo Freitas, diretor executivo de Crédito do Sicredi.  

Programa - O programa Intensive Connection é uma das primeiras ações do AgTech Garage, que foi lançado em abril deste ano na cidade de Piracicaba, no interior paulista, com apoio do Sicredi, para aproximar produtores rurais e investidores do setor das startups. Além da Elysius e Digifarmz, os demais parceiros que apoiam o AgTech Garage e o programa Intensive Connection também selecionaram as empresas Perfect Flight, Safe Trace, Agrorobótica, Datafarm, Selenolife e Smart Control, todas ligadas ao agronegócio.

Significado - "Ficamos muito felizes quando vimos no edital do Sicredi que havíamos sido selecionados pela instituição. Isso tem um significado de grande peso, pois convém com a nossa missão, que é atingir o agricultor familiar. Com isso, estamos conseguindo fechar parcerias com outros stakeholders, que também focam nessas pessoas, e impactar ainda mais a agricultura, levando tecnologia e deixando acessível tanto essas ferramentas", explica Frederico Apollo Brito, diretor da Elysius.

Empoderamento - “Temos a certeza que, com essa parceria, a DigiFarmz poderá auxiliar mais agricultores, empoderando-os para tomarem decisões mais assertivas, reforçando assim nossa missão em cooperar para o seu crescimento e desenvolvimento, gerando mais produção de alimentos, com sustentabilidade ambiental, financeira e social”, diz Alexandre M. Chequim, Founder e CEO da Digifarmz.

Equity free - O Intensive Connection é equity free, ou seja, não requer que o empreendedor inscrito venda parte de seu negócio por um valor pré-determinado no início do programa. Esta primeira edição recebeu mais de 98 inscrições de startups do Brasil inteiro. "O programa será uma jornada de experiências: de aprendizado, de relacionamento e de negócios. No final do dia, o que a gente faz é potencializar as oportunidades de negócios entre as startups e os nossos parceiros, elevando a maturidade dos empreendedores para um novo patamar”, finaliza José Tomé, CEO do AgTech Garage.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI II: Conectados pelo cooperativismo, moradores de Marília (SP) e Campo Grande (MS) são personagens de campanha nacional

Você conhece Fernando Ferreira da Silva, de Marília (SP)? E Cristiano Gionco, de Campo Grande (MS)? Se ainda não, a partir de 16 de setembro, você e os demais moradores desses municípios – e de todo o Brasil – terão a oportunidade de conhecer suas realidades transformadas com apoio do Sicredi. Juntos, Fernando e Cristiano são personagens do novo filme da campanha “Histórias que fazem a diferença” da instituição financeira cooperativa, veiculada em rede nacional. Composta de 13 vídeos, ela traz 26 histórias de associados, de diferentes regiões do país, conectadas pelos impactos positivos do cooperativismo de crédito. Em cada um dos filmes, um associado vai até o município onde mora outro, evidenciando intercâmbios de trajetórias pessoais e de vivências com a instituição.

Proximidade - No filme em questão a abordagem é sobre como a proximidade do Sicredi faz a diferença na hora do associado investir para tirar seu sonho do papel. Nele, Fernando era motoboy e tinha o sonho de abrir uma lanchonete quando se associou à Cooperativa Sicredi Centro Oeste Paulista. O Sicredi acreditou nesse sonho e junto com o associado tornou esse desejo uma realidade. “Não tenho palavras para descrever o que o Sicredi representa para mim. É como se fosse pai e mãe. Eles nunca me deixaram na mão”. Cristiano, associado da Cooperativa Sicredi União MS TO, concorda com Fernando. Administrador no ramo de concessionária, ele diz que o momento em que o Sicredi foi mais importante para ele foi quando decidiu expandir os seus negócios. “Eu não tinha capital de giro para adquirir a marca que queria. Por meio da linha de crédito rotativo consegui viabilizar a aquisição e alavancar os meus negócios”, relata. Além disso, o Sicredi apoia com diversas soluções para o dia-a-dia de sua empresa.

Veiculação - Este e os outros vídeos da série irão ao ar nos intervalos do Jornal Nacional, na Rede Globo, e também nos canais por assinatura GloboNews, SporTV e Discovery H&H. E ainda estarão disponíveis no site do Sicredi e nos perfis da instituição nas redes sociais, no Facebook, LinkedIn, Twitter, YouTube e Instagram.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2019/noticias/09/17/sicredi/{/vsig}

SICREDI PARANAPANEMA: Almoço beneficente é realizado em prol da Santa Casa de Cornélio Procópio

A Sicredi Paranapanema PR/SP, em parceria com associados e empresas, promoveu um almoço beneficente em prol da revitalização da ala infantil da Santa Casa de Misericórdia de Cornélio Procópio/PR, no último dia 08 de setembro. O evento, que contou com a participação de mais de 300 pessoas, faz parte do cronograma de ações do Dia C da cooperativa, promovida pela agência do município e pode arrecadar mais de R$ 13 mil em recursos para a instituição.

Lazer - O almoço ainda proporcionou uma tarde de lazer e descontração a todos presentes, contando com música ao vivo, brincadeiras para as crianças e distribuição de brindes.

Solidariedade - Para o gerente da agência Sicredi de Cornélio Procópio, Rafael Martins, a realização do movimento é de grande alegria e demonstra a solidariedade e iniciativa de tantas pessoas que acreditam e trabalham por uma sociedade melhor. “Nós acreditamos que atitudes simples podem mudar o mundo e a vida de muitas pessoas. Neste almoço o ato de cooperar falou mais alto, e não é apenas um ato de solidariedade, mas também de amor, carinho e compaixão com o próximo. Todo fundo arrecadado será doado para revitalizar a ala das crianças da Santa Casa de Cornélio Procópio e esperamos realizar outras ações para continuarmos colaborando com mais pessoas e instituições que necessitam. É uma alegria muito grande poder somar forças com associados e comunidade. Agrademos a colaboração de todos que contribuíram por esse belo movimento” destacou Rafael.

Dia de Cooperar - O Dia C, ou Dia de Cooperar, é um grande movimento de promoção ao voluntariado realizado pelas cooperativas nacionais para promover ações transformadoras nas comunidades com temas ligados a cultura, educação, responsabilidade socioambiental, saúde, esporte e lazer etc. Com o irrestrito apoio do Sistema OCB e de suas unidades estaduais, faz parte da agenda estratégica do cooperativismo brasileiro. Assim, mostrando à comunidade cooperativista e demais setores da sociedade, o potencial de atuação das cooperativas no campo da Responsabilidade Social.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Paranapanema PR/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2019/noticias/09/17/sicredi_paranapanema/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Associado de Graciosa é premiado em Seguro de Vida

sicredi uniao 17 09 2019O pecuarista José Luiz Carreira é o terceiro associado da Sicredi União PR/SP, da regional noroeste, sorteado pelo Seguro de Vida (Icatu Seguros) neste ano. Ele ganhou o valor de R$ 50 mil e ficou surpreso quando recebeu a notícia. “Fiquei muito feliz, porque foi a primeira vez que ganhei em um sorteio. Para aproveitar a sorte, deixei o valor na poupança para concorrer aos prêmios da campanha Poupança Premiada, da cooperativa”.

Tranquilidade - Carreira é associado da agência Graciosa há 14 anos, e conta que sempre fez seguro de vida para garantir a tranquilidade de sua família. “Tenho muito financiamento em meu nome e, caso ocorrer algum imprevisto comigo, quero deixar minha família segura financeiramente”, justificou ao destacar a satisfação por ser associado da Sicredi União PR/SP. “Gosto do atendimento diferenciado e dos serviços da cooperativa, tanto que recomendei para um amigo que, recentemente, abriu conta na agência”, cita.

Mais - Desde o início do ano, a Sicredi União PR/SP registrou outros dois associados da regional noroeste contemplados pelo Seguro de Vida (Seguradora Icatu). São eles: Josival Moreira, que também pertence à agência de Graciosa e ganhou prêmio de R$ 40 mil; e Ruan Carlos Crippa, da agência de Alto Paraná, que ganhou R$ 20 mil.

Participação - O assessor de Seguros da Sicredi União PR/SP, João Francisco Aleixo, explica que o associado participa dos sorteios durante todo o período de vigência do seguro. “É um benefício oferecido pela seguradora que, de fato, motiva as pessoas a fazerem seguro”, afirma ao informar que são quatro sorteios mensais, em âmbito nacional, com prêmios de até R$ 200 mil, conforme o Seguro de Vida adquirido.

Mais informações - Para obter mais informações sobre os seguros oferecidos pela Sicredi União PR/SP, acesso o link https://bit.ly/2KL00Tg. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

INSTITUTO SICOOB: Voluntários Transformadores recebem capacitação sobre cidadania financeira

A Unidade de Desenvolvimento Cooperativo (UDC) promoveu a capacitação do eixo Cidadania Financeira do Instituto Sicoob para um grupo de 40 colaboradores do Sicoob Aliança e 3 colaboradores do Sicoob Horizonte. Realizado em Apucarana (PR) nos dias 3 e 4 de setembro, com uma carga horária de 16 horas, o evento faz parte do planejamento estratégico de Capacitação de Voluntários Transformadores.

Potencial - O objetivo é despertar o potencial dos participantes para realização dos programas voltados à educação financeira, assim como a formação técnica e comportamental, através de uma metodologia vivencial com dinâmicas de grupo e atividades interativas.

Compromisso - A capacitação confirma o compromisso do Instituto Sicoob de contribuir para o planejamento financeiro das famílias, bem como para a melhoria da qualidade de vida das mesmas. “Formamos multiplicadores que farão as capacitações chegarem até as comunidades onde estamos inseridos e levarão aos cooperados as informações necessárias para promovermos a transformação social”, comenta a facilitadora Amanda Esparano.

Essencial - Para cumprir essa missão, a força da atuação voluntária dos colaboradores e dirigentes do Sistema Sicoob é essencial. No evento realizado em Apucarana, estiveram presentes os colaboradores que atuam como Pessoa de Apoio Estratégico (PAE) do Instituto Sicoob na cooperativa, Jaimes Tempesta (Sicoob Aliança) e Lucas Norberto (Sicoob Horizonte), além de lideranças e membros da diretoria da cooperativa que acolheu a capacitação.

Diferença - “A participação do presidente do Sicoob Aliança, Osnei José Simões Santos também fez toda a diferença, pois foi um fator motivacional para a execução das futuras atividades na cooperativa. Ao encontrarmos um grupo que acredita no poder transformador de levar a educação financeira para todas as pessoas, sem nenhum tipo de distinção, podemos dizer que estamos alinhados com a justiça financeira que o Sistema Sicoob propõe”, complementa Amanda. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2019/noticias/09/17/instituto_sicoob/{/vsig}

SICOOB OURO BRANCO: Duas agências são inauguradas na Grande São Paulo

No dia 2 de setembro, o Sicoob Ouro Branco inaugurou mais duas agências na Grande São Paulo, em São Bernardo do Campo e Santo André. Com sede em Paranavaí (PR), a cooperativa iniciou sua atuação em território paulista no mês de julho, com a abertura de uma unidade em Santo Amaro.

Crescimento - Para o presidente do Sicoob Ouro Branco, Rafael Benjamim Cargnin Filho, a cooperativa segue em crescimento, tendo o compromisso de levar um atendimento mais próximo e humanizado aos cooperados e comunidade.

Vocação - “Temos vocação de atender bem, pois gostamos de pessoas e nossa equipe é treinada para oferecer soluções financeiras com transparência, lealdade e respeito. Com isso, conseguimos aliar as tecnologias modernas ao jeito típico de quem gosta de gente. São virtudes que caracterizam o cooperativismo”, resume o presidente, convidando a comunidade paulistana para conhecer e fazer parte.

Endereços - Confira os endereços das agências do Sicoob Ouro Branco em SP:

•           São Bernardo do Campo: R. Rio Branco, 383 - Centro

•           Santo André: Rua Senador Flaquer, 531

•           Santo Amaro: Rua Voluntário Delmiro Sampaio, 49 – Largo 13

(Imprensa Sicoob Unicoob)

SICOOB OURO VERDE I: Jovens de Londrina aprendem educação financeira pelo programa Se Liga Finanças

No período de 19 a 30 de agosto, o Sicoob Ouro Verde promoveu em Londrina (PR) um ciclo de workshops do programa Se Liga Finanças para alunos do Espro (Ensino Social Profissionalizante), organização sem fins lucrativos fundada pelo Rotary Club, que atua na capacitação e preparação de jovens para inclusão no mercado de trabalho.

Módulo - Destinado a jovens entre 15 e 29 anos de idade, o programa é composto por dois módulos, desenvolvidos sob metodologia recomendada pela Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF). O conteúdo aborda princípios primordiais da Educação Financeira, privilegiando o aspecto prático e a interatividade entre os participantes. O objetivo é incentivar a reflexão dos participantes a respeito das consequências que as escolhas financeiras podem acarretar a curto, médio e longo prazo.

Participantes - Ao todo, 110 alunos do Espro participaram dos workshops. Divididos em três turmas, eles ouviram as orientações ministradas pela colaboradora do Sicoob Ouro Verde e Pessoa de Apoio Estratégico do Instituto Sicoob na cooperativa, Maisa Hangai.

Excelente - “Nossos jovens aprendizes que participaram do curso foram unânimes em avaliar como excelente. É um tema atual e diretamente ligado à vida prática de cada jovem. O projeto vem justamente suprir uma lacuna na formação dos jovens que é ofertar aprendizado e ferramentas para cuidar de suas finanças. Somos muito gratos por essa oportunidade” comenta o representante da Espro, Anderson Souza de Oliveira.

Novos conhecimentos - Para Maicon Daniel de Barros dos Santos, um dos jovens aprendizes que frequentam a instituição, a participação no Se Liga Finanças incentivou a buscar novos conhecimentos sobre o mercado financeiro. Tenho muito interesse pelo assunto e vou procurar me organizar mais financeiramente. Me estimulou a continuar investindo na poupança e não fazer muitas dúvidas”, diz ele.

Reflexão - Já para Mariana Faria da Silva, receber orientações sobre como lidar com o dinheiro de forma saudável é essencial para quem está ingressando no mercado de trabalho. “Este conteúdo irá me ajudar na administração do dinheiro. Também me levou a refletir e me incentivou a poupar dinheiro e ter mais controle sobre meus gastos”, complementa. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2019/noticias/0917/sicoob_ouro_verde_I/{/vsig}

SICOOB OURO VERDE II: Alunos da oficina “Arte dá vida” expõem obras no Museu Municipal de Rolândia

sicoob ouro verde 17 09 2019No dia 5 de setembro, aconteceu o evento de conclusão de mais uma turma do projeto “Arte dá vida”, iniciativa de responsabilidade social desenvolvida pelo Instituto Lar Samuel em parceria com o Sicoob Ouro Verde.

Capacitação - Com o apoio da entidade de Rolândia (PR) e do artista plástico Edson Massuci, que ministra as aulas, a cooperativa oferece à comunidade local uma oportunidade de capacitação e desenvolvimento de técnicas artísticas e formas de expressão.

Técnica - O curso teve duração de quatro meses e ensinou aos alunos com idade entre 11 e 55 anos a técnica papier-collé, que utiliza papel, cola e tecido para a elaboração de esculturas. Os oito alunos que se formaram no curso agora estão apresentando as obras produzidas no Museu Municipal de Rolândia.

Sentimentos - "Trabalhar com escultura é desenvolver algo que está dentro de você. É expor seus sentimentos, de forma que as pessoas possam vê-los. Espero que com a minha obra exposta, alguém possa olhar e sentir a mesma emoção que eu senti quando esculpi", comenta a aluna Beatriz Fernanda dos Santos.

A exposição- A exposição intitulada "Pés Vermelhos" foi inaugurada no último dia 6 e fica aberta ao público até o dia 30 de setembro, de segunda à sexta-feira, das 8h15 às 17h, na Av. Pres. Vargas, 2170. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

CARNES: Produção de suínos deve crescer 3,5% no Brasil, estima USDA

carnes 17 09 2019De acordo com a nova projeção do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção de suínos em 2020 aumentará 3,5%, impulsionada pelas exportações recordes de suínos e pelo crescimento da demanda doméstica. Os produtores de suínos provavelmente enfrentarão baixos custos de produção continuados no próximo ano e bons retornos das exportações devido ao impacto da Peste Suína Africana (PSA) na China e à propagação da doença na Europa.

Processadoras brasileiras - Além disso, grandes processadoras brasileiras estão investindo na capacidade de produção de suínos para atender à demanda mundial. O documento do USDA enfatiza no relatório que nos maiores estados produtores o sistema de produção nessas áreas é altamente integrado, recebendo leitões, refeições, vacinas e assistência técnica de grandes embaladoras e cooperativas. Produtores independentes estão mais concentrados nas regiões sul e centro-oeste do país.

Custo de produção - Outro ponto levantado pelo USDA é que o custo da produção de suínos (em quilogramas, peso vivo) diminuiu 2,3% entre janeiro e julho de 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado, influenciado principalmente por uma diminuição de 4,3% nos custos de nutrição, que representaram 76,3% do total.

Consumo doméstico - Para o órgão americano, o consumo doméstico de carne suína no Brasil deve crescer ainda mais em 2020 e atingir quase 3,1 milhões de toneladas (MT / CWE), com base no pressuposto de que a economia brasileira aumentará mais de dois por cento no próximo ano. Além disso, os produtores provavelmente poderão manter os custos de alimentação sob controle, tornando os preços de varejo da carne de porco mais competitivos.

Processadas - Aproximadamente 70% do consumo de carne suína no Brasil é na forma de carnes processadas, como presunto e linguiça, que são mais caras e, consequentemente, menos competitivas em comparação com a carne de frango. O consumo de carne suína permanece em terceiro, em comparação com frango e carne bovina, na preferência do consumidor brasileiro, com 15% do consumo total de proteína animal no Brasil. A indústria suína brasileira tem investido fortemente em campanhas de marketing nacional para aumentar o consumo de cortes frescos de carne suína, principalmente no setor de alimentos.

Crescimento - De acordo com a prospecção do USDA, o consumo doméstico de carne suína deve crescer ainda mais em 2020 e atingir quase 3,1 milhões de toneladas, com base no pressuposto de que a economia brasileira aumentará mais de dois por cento no próximo ano. Além disso, os produtores provavelmente poderão manter os custos de alimentação sob controle, tornando os preços de varejo da carne de porco mais competitivos.

Exportações - A nova projeção prevê que as exportações de carne suína brasileiras aumentem 15% em 2020 devido ao impacto da Pes Suína Africana (ASF) na China e em outras partes do mundo. Atualmente, o Brasil enfrenta uma situação única de fornecimento de carne suína ao mundo, sem grandes problemas sanitários. O Brasil deu passos significativos no status sanitário da indústria suína, como o reconhecimento pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de 17 estados como livre de febre aftosa com vacinação e o estado de Santa Catarina livre de febre aftosa sem vacinação. Além disso, o Brasil não teve nenhum surto de doenças importantes, como a peste suína africana (PSA), a peste suína clássica (PSC), a diarréia epidêmica porcina (PED) ou outra doença crítica.

China - De acordo com o relatório de projeção do USDA, fontes comerciais prevêem um aumento contínuo das exportações de carne suína para a China / Hong Kong em 2020. Durante os primeiros sete meses de 2019, metade das exportações do Brasil foi destinada a esses mercados. A principal preocupação das processadoras brasileiras é a aprovação de novas fábricas para exportar para a China. O governo brasileiro esperava essas aprovações no início deste ano. Essa situação levou a uma das principais industrias do Brasil a investir em plantas atuais elegíveis para exportar para a China. Segundo fontes comerciais, esses novos investimentos aumentarão a capacidade de produção dessas plantas em 15% durante 2019/2020.

Rússia - O comércio com a Rússia também está crescendo em importância depois que a Rússia reabriu o mercado de carne suína brasileira em novembro de 2018. No entanto, o mercado abriu com um número menor de carne bovina e suína elegíveis para exportação do que as aprovadas anteriormente. Traders esperam que a Rússia recupere importância no mix de exportação de carne suína do Brasil, mas em um volume menor do que nos anos anteriores

Outros mercados - Os exportadores brasileiros de carne suína também estão se concentrando em outros mercados para expandir as exportações e diversificar a dependência da China. O surto de ASF na China e em vários países levou os exportadores brasileiros de carne suína a se concentrarem nas exportações para vários países asiáticos, como Japão, Coréia do Sul, Cingapura e Vietnã. Exportadores brasileiros e funcionários do governo também estão envolvidos na promoção do mercado em Angola, Chile e África do Sul. As fontes comerciais continuam prevendo uma tendência de alta nesses mercados devido à qualidade e segurança do produto suíno brasileiro e à sua competitividade de preços, assumindo menor volatilidade na taxa de câmbio. (Suinocultura Industrial)

 

DEFENSIVOS: Diário Oficial traz publicação de registro de genéricos e produtos mais modernos

defensivos 17 09 2019O Diário Oficial da União desta terça-feira (17/09) traz a publicação do ato nº 62, do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária, com o registro de 63 defensivos agrícolas. Desse total, 56 são produtos genéricos, ou seja, com base em ingredientes ativos que já estavam presentes em outros produtos existentes no mercado.

Novos - Outros sete registros são de defensivos novos. Entre eles estão o produto técnico (para uso industrial) e o produto formulado (pronto para uso na lavoura) à base do ingrediente ativo Fluopriram, que poderá ser usado para combater nematoides nas culturas de batata, café, cana, milho e soja e fungos nas culturas de algodão, feijão, e soja. O produto é uma molécula com atividades fungicida e nematicida altamente eficaz e estava há 10 anos na fila esperando a análise do pleito de registro.

Nematóides - “É uma nova opção para o controle de nematoides, que são pragas muitas vezes invisíveis, mas que podem causar grandes danos à agricultura, além de ser um produto menos tóxico do que os já existentes no mercado”, explica o coordenador de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, Carlos Venâncio.

Arroz - Outro registro novo é o de um clone do herbicida florpirauxifen-benzil, que pode ser utilizado para o controle de plantas daninhas na cultura do arroz. O ingrediente ativo ganhou o prêmio de química verde em 2018. É uma nova alternativa altamente eficiente para plantas daninhas de difícil controle e de menor toxicidade do que os disponíveis hoje no mercado.

Percevejos e mosca branca - Também foi registrado o produto técnico (para uso industrial) à base do ingrediente ativo Dinotefuram, que futuramente poderá ser usado nas lavouras para combate a insetos sugadores como percevejos e mosca branca. Os produtos formulados a base deste ingrediente ativo terão restrições quanto a dose máxima permitida e proibição de uso no período de floração dos cultivos.

Restrições - Outro registro publicado hoje é o de produtos formulados à base de Sulfoxaflor e Lambda-cialotrina. Neste caso, foi liberado o registro de um produto e de outros dois idênticos com esses ingredientes ativos. O defensivo é destinado ao controle de percevejo nas culturas de soja, milho e arroz.

Orientações do Ibama - O uso desse defensivo deverá seguir as orientações estabelecidas pelo Ibama para minimizar o risco para as abelhas, como a restrição de aplicação em períodos de floração das culturas, o estabelecimento de dosagens máximas do produto e de distâncias mínimas de aplicação.

Condição - Segundo a Instrução Normativa (IN) n° 02/2017, do Ibama, o registro de novos defensivos no país deve ser condicionado à "apresentação de informações que permitam o uso adequado desses produtos, sem efeitos que comprometam a sobrevivência, a reprodução e o desenvolvimento das abelhas". Além da avaliação do risco para abelhas do gênero apis, o Ibama foi a primeira autoridade regulatória de pesticidas no mundo a realizar a avaliação de risco para abelhas não-apis, neste caso para as nativas do Brasil

Genéricos - O objetivo da aprovação de produtos genéricos é aumentar a concorrência no mercado e diminuir o preço dos defensivos, o que faz cair o custo de produção. Do total de produtos registrados em 2019, 310 são produtos genéricos e 15 são à base de ingredientes ativos novos.

Novas fábricas - “As aprovações de novos produtos técnicos equivalentes significam que novas fábricas estão autorizadas a fornecer ingredientes ativos para fabricação dos produtos formulados que já estão registrados, possibilitando um aumento na concorrência no fornecimento industrial destas substâncias”, explica Venâncio.

Outras empresas - Pela lei, expirado o período de patente, outras empresas podem registrar produtos à base de uma determinada substância que antes tinha o seu fornecimento monopolizado. Os produtos equivalentes são similares a produtos de referência que foram registrados no passado, de uso seguro e comprovado não apenas pelos estudos apresentados aos órgãos envolvidos, como pela comprovação empírica de anos de utilização.

Quebra dos monopólios e oligopólios - Os genéricos constituem importante política para a quebra dos monopólios e oligopólios no mercado de determinados ingredientes ativos. Uma dinâmica que beneficia a livre concorrência e a competitividade da agricultura nacional.

Registros - Com a publicação desta terça, chega a 325 o número de registros liberados em 2019. Nos últimos anos, diversas medidas desburocratizantes foram adotadas para que a fila de registros de defensivos ande mais rápido no Brasil. O objetivo é aprovar novas moléculas, menos tóxicas e mais ambientalmente corretas, e assim substituir os produtos antigos, além da liberação de produtos genéricos.

Reorganização - Tanto no Ministério da Agricultura, como no Ibama, e na Anvisa, os setores responsáveis pela análise de registros de defensivos foram reorganizados e tiveram servidores realocados, o que ocasionou um aumento de produtividade e o registro de produtos menos tóxicos.

Técnicos - Do total de produtos registrados em 2019, 185 são produtos técnicos, ou seja, destinados exclusivamente para o uso industrial. Outros 140 são produtos formulados, ou seja, aqueles que já estão prontos para serem adquiridos pelos produtores rurais mediante a recomendação de um engenheiro agrônomo. Destes, 14 são produtos biológicos e/ou orgânicos. (Mapa)

 

ALERTA GEADA: Iapar e Simepar desativam serviço

alerta geada 17 09 2019O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) emitiram sexta-feira (13/09) o último boletim do serviço “Alerta Geada” deste ano. A recomendação aos produtores que amontoaram terra no tronco dos cafeeiros é retirar imediatamente a proteção, procedimento que deve ser feito com as mãos para evitar danos às plantas.

Boletins diários - Em operação desde maio, o Alerta Geada emite boletins diários de temperatura e do risco de ocorrer geadas na região cafeeira do Estado. O serviço auxilia os cafeicultores a decidir sobre o uso de técnicas de proteção em lavouras de café novas, de até dois anos.

Inverno ameno - De acordo com a pesquisadora Ângela Beatriz Costa, o inverno correu dentro do esperado na zona cafeeira paranaense. Apenas um aviso de alerta geada foi emitido, no início de julho, quando uma massa de ar polar avançou pela região. “Houve outras duas ondas de frio, em meados de julho e início de agosto, mas sem risco para os cafezais”, disse a meteorologista.

Safra - De acordo com o economista Paulo Sérgio Franzini, do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Estado da Agricultura, a massa de ar polar que avançou através do Paraná no início de julho causou impactos em lavouras de diversas regiões produtoras. “Esses danos não afetaram a safra atual, mas podem influenciar o potencial produtivo para 2020, o que precisa ser confirmado nos próximos levantamentos”, diz.

Operação - O Alerta Geada entra em operação todos os anos, no período de maio a setembro. É uma realização do Iapar e do Simepar, com apoio da Seab, Emater-PR, Consórcio Pesquisa Café, prefeituras, cooperativas e associações de produtores. (Agência de Notícias do Paraná)

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Balança comercial registra déficit na segunda semana do mês

comercio exterior 17 09 2019A balança comercial brasileira registrou, na segunda semana de setembro, déficit de US$ 552 milhões, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (16/09) pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia. As exportações no período de cinco dias úteis chegaram a US$ 4,822 bilhões, enquanto as importações foram de US$ 5,374 bilhões. O saldo corrente é de US$ 10,196 bilhões.

Primeira semana - Na primeira semana do mês, a balança apresentou supéravit de US$ 1,539 bilhão. O saldo negativo se deve em boa parte à redução de 34,8% na venda de produtos básicos, que caíram de US$ 539,5 milhões para US$ 351,9 milhões, por conta de minério de ferro, petróleo em bruto, milho em grãos, soja em grãos e minério de cobre.

Semimanufaturados - Também contribuiu para o resultado a redução no volume de exportações de produtos semimanufaturados de US$ 120,6 milhões para US$ 80,1 milhões, um recuo de 33,6%, em razão da queda na venda de de semimanufaturados de ferro/aço, celulose, ferro-ligas, couros e peles, catodos de cobre.

Média - Por outro lado, a média das exportações da segunda semana chegou a US$ 964,4 milhões, ficando 1,4% acima da média de US$ 951,3 milhões da primeira semana. O saldo se deve ao aumento de 82,8% nas exportações de produtos manufaturados, que passaram de US$ 291,3 milhões para US$ 532,5 milhões.

Petróleo - As vendas de plataforma de exploração de petróleo, óxidos e hidróxidos de alumínio, gasolina, veículos de carga, coque e betume de petróleo impulsionaram o resultado.

Comparação - “Na comparação das médias até a segunda semana de setembro de 2019 em relação às de setembro do ano passado, houve recuo de 5,1% nas exportações, de US$ 1,010 bilhão para US$ 957,9 milhões. As principais reduções foram nas vendas de produtos semimanufaturados (-31,3%), de US$ 146,1 milhões para US$ 100,3 milhões, e básicos (-15,2%), de US$ 525,8 milhões para US$ 445,7 milhões. Já as vendas de produtos manufaturados aumentaram 25,2%, de US$ 329,0 milhões para US$ 411,9 milhões”, informou o Ministério da Economia.

Soma - No mês, as exportações somam US$ 9,579 bilhões e as importações, US$ 8,647 bilhões, com saldo positivo de US$ 932 milhões. No ano acumulado do ano, as exportações totalizam US$ 158,218 bilhões e as importações, US$ 125,742 bilhões, com saldo positivo de US$ 32,475 bilhões. (Agência Brasil)

 

GOVERNO FEDERAL: Equipe econômica desiste de debater desoneração da folha

A desoneração da folha salarial, um dos pilares da proposta de reforma tributária do governo, saiu das discussões técnicas conduzidas no Ministério da Economia, apurou o Valor. Originalmente, a medida seria financiada pelo tributo sobre transações. Mas este foi descartado na semana passada pelo presidente Jair Bolsonaro, em meio a uma crise que culminou com a saída de Marcos Cintra da Secretaria Especial da Receita Federal.

Desfigurada - Sem a desoneração, a proposta do governo ficou desfigurada. Deve se concentrar na reforma do Imposto de Renda (IR) e na criação de um Imposto sobre Valor Agregado (IVA). A avaliação interna é que agora a equipe econômica vai levar mais tempo até que se chegue a um novo formato que possa ser encaminhado ao Congresso Nacional.

Orientação - Permanece a orientação do ministro Guedes de formular uma proposta no nível federal que seja acoplável ao Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), sugerido pelo economista Bernard Appy, que tramita na Câmara como a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45, do deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Essa proposta inclui Estados e municípios. O temor de Cintra era que uma proposta mais abrangente poderia comprometer o andamento de toda a reforma.

Receita Federal - Vanessa Rahal Canado, colega de Appy na diretoria do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), participou das discussões ontem no Ministério da Economia. Ela segue como um nome forte para ocupar o comando da Receita Federal, no lugar de Marcos Cintra. Também participou das discussões de ontem o professor Aloisio Araújo, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Sem definição - Ainda não há definição sobre quem será o novo secretário da Receita. Guedes disse que “possivelmente em alguns dias” terá uma decisão sobre o assunto. Nos bastidores da Receita, Vanessa é considerada uma boa técnica, que conhece modelos tributários. Mas os auditores avaliam que colocar sob a responsabilidade de uma única pessoa a formulação da proposta de reforma tributária e a condução da estrutura da Receita Federal seria um erro.

Divisão de tarefas - Na época de Cintra já havia uma divisão informal de tarefas. O secretário especial e seu adjunto, Marcelo Souza e Silva, ficavam a cargo da reforma. A operação da estrutura era uma tarefa originalmente desempenhada por João Paulo Ramos Fachada, que foi exonerado em agosto e substituído por José de Assis Ferraz Neto. Este último, no momento, ocupa o posto de secretário especial substituto.

Empregos - Guedes e sua equipe entendem que a tributação sobre a folha desestimula empregos. Para financiar a desoneração, apostavam num tributo sobre transações financeiras.

Estudo - Um estudo elaborado pela equipe de Guedes tentou rebater o principal ponto de crítica ao tributo sobre transações: seus efeitos cumulativos. Mostra que, num produto com dez elos na cadeia, o tributo sobre transações teria um efeito cumulativo de 4,5%. Já a tributação sobre a folha pesaria 14%.

Análise - Abandonada pelo Executivo federal, a desoneração da folha está em análise no Congresso Nacional. O relator da reforma tributária no Senado, Roberto Rocha (PSDB-MA) analisa alternativas com o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR). Rocha pretende apresentar seu relatório amanhã na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). (Valor Econômico)

COMBUSTÍVEL: Petrobras diz que não há previsão para reajuste de preços

combustivel 17 09 2019A Petrobras informou, por meio de nota, que está monitorando o mercado internacional de petróleo, em função dos ataques a uma refinaria na Arábia Saudita. Os ataques aéreos à refinaria de Abqaiq resultaram na elevação dos preços internacionais do petróleo.

Sem previsão - Por enquanto, não há previsão de reajuste de preços nos produtos negociados pela estatal, como os combustíveis e derivados de petróleo.

Volatilidade - Segundo a Petrobras, a cotação internacional do petróleo apresenta volatilidade e a alta súbita de preços “pode ser atenuada na medida em que maiores esclarecimentos sobre o impacto na produção mundial sejam conhecidos. A Petrobras decidiu por acompanhar a variação do mercado nos próximos dias e não fazer um ajuste de forma imediata”, diz a nota. (Agência Brasil)

 

PREVIDÊNCIA: PEC passa pela última sessão de discussão em primeiro turno

previdencia 17 09 2019A reforma da Previdência (PEC 6/2019) passou nesta segunda-feira (16/09) pela quinta e última sessão de discussão em primeiro turno. Com mais de 70 emendas recebidas até agora, o relator da matéria na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), deve entregar seu parecer sobre as emendas de Plenário nesta quinta-feira (19/09). A previsão é de que a PEC seja votada em primeiro turno no dia 24 de setembro.

Tramitação - Após aprovação em primeiro turno na próxima semana, a PEC da Previdência ainda passará por mais três sessões de discussão antes da votação em segundo turno. Se nenhuma emenda for acatada em Plenário, a proposta seguirá para promulgação. (Agência Senado)

 

SAÚDE: ANS divulga resultados do Programa de Qualificação das Operadoras

saude 17 09 2019Estão disponíveis para consulta os resultados do Programa de Qualificação das Operadoras 2018 (ano-base 2017), iniciativa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para o estímulo à qualidade dos planos de saúde. Os dados, divulgados nesta segunda-feira (16/09), apontam que o Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) geral do setor em 2017 foi de 0,7295, sendo 1,0 o valor máximo que pode ser atingido.

Nota - A nota do Programa de Qualificação é apurada através do cálculo da média ponderada dos Índices de Desempenho das operadoras. Das 1.019 operadoras ativas em 2017, 858 atenderam aos requisitos para a divulgação dos resultados.

Comparação - O IDSS permite a comparação entre empresas, estimulando a disseminação de informações de forma transparente, a redução da assimetria de informação e a ampliação da concorrência no setor. Para o ano-base 2017, iniciou-se uma nova etapa do Programa de Qualificação, que passou a utilizar o TISS (Troca de Informações na Saúde Suplementar), um padrão de trocas eletrônicas de dados de atenção à saúde.

Ampliação do escopo - “A utilização do Padrão TISS possibilitou a ampliação do escopo do Programa, permitindo a introdução de novos indicadores ou de ajustes de outros, obtendo, assim, a melhor avaliação do desempenho das operadoras, em particular, em seus aspectos assistenciais”, afirma Rodrigo Aguiar, Diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS.

Metodologia modificada - A gerente de Estímulo à Inovação e Avaliação da Qualidade Setorial, Ana Paula Cavalcante, explica que metodologia foi totalmente modificada com os indicadores calculados sobre uma nova base de dados do TISS, conferindo maior fidedignidade aos dados. “Apesar de ser o mesmo programa de avaliação de desempenho das operadoras, os resultados não são totalmente comparáveis, mesmo assim, será possível conferir, no site da ANS, o histórico das notas desde o ano de 2008”, destaca Ana Paula.

IDSS - Para o ano-base 2017, o Programa de Qualificação das Operadoras conta com quatro dimensões e é composto por um total de 29 indicadores, dos quais, 18 utilizam dados extraídos do Padrão TISS. Portanto, o novo IDSS-TISS apresenta indicadores que melhor discriminam o desempenho das operadoras em seus aspectos assistenciais. Destaca-se o Programa de Acreditação de Operadoras, que confere pontuação base de até 0,15 no IDSS para as empresas acreditadas.

Indicadores bônus - Como forma de induzir o setor às melhores práticas e diferenciar as operadoras que aderem aos programas de indução da qualidade estabelecidos pela ANS, foi introduzido um maior número de indicadores bônus e de pontuação-base, em um esforço de integração entre os diversos programas de avaliação e indução da qualidade da ANS.

Dimensão - Outra novidade do Programa IDSS- TISS foi a inclusão de bônus na dimensão “Sustentabilidade do Mercado” pela realização voluntária de uma Pesquisa de Satisfação de Beneficiários orientada pelas diretrizes estabelecidas em um Documento Técnico elaborado pela ANS. Além disso, a participação da operadora em programas de Indução da Qualidade da ANS como o Parto Adequado, por exemplo, também confere pontuação extra na dimensão Qualidade de Atenção à Saúde.

Confiabilidade - Para conferir maior confiabilidade aos dados, foram destacados dois indicadores que buscam garantir a qualidade e a completude dos dados enviados:

- Completude dos dados enviados via TISS: indicador Razão de Completude do Envio dos Dados do Padrão TISS (Razão TISS); e

- Qualidade dos dados encaminhados para o sistema de Informação de beneficiários: Índice composto de Qualidade Cadastral (SIB) - Qualidade dos Dados de Cadastro do Cliente

Plataforma - Na plataforma eletrônica de divulgação, os resultados do Programa de Qualificação são apresentados por operadora, incluindo as opções de seleção por segmento (médico-hospitalar ou odontológica), faixa de avaliação e possibilidade de comparar na mesma tela os resultados das empresas. Além disso, estão disponíveis no portal da ANS diversos relatórios consolidados, incluindo o histórico dos resultados do IDSS por operadora desde o ano-base 2008.

Resultados - A operadora deverá disponibilizar em seu portal na internet, em no máximo 30 dias, os resultados obtidos no Programa de Qualificação, além do link dos resultados divulgado pela ANS. Essas informações devem ser mantidas no site da operadora até a próxima divulgação do IDSS.

Prazo de recurso - A ANS informa ainda que o prazo de recurso das operadoras é de 17 de setembro a 1º de outubro de 2019.

Pesquisa de Satisfação do Beneficiário - O IDSS no ano-base 2017 inovou ao estimular e orientar as operadoras de planos de saúde a realizarem uma Pesquisa de Satisfação de Beneficiários de Planos de Saúde, seguindo parâmetros técnicos que permitam pontuar e comparar as diferentes empresas que comercializam planos.

Pontuação - Das 1.008 operadoras avaliadas, 89 pontuaram no IDSS por terem realizado e enviado os dados da pesquisa para a ANS de acordo com as diretrizes estabelecidas. Essas 89 operadoras representam 42,19% dos beneficiários da saúde suplementar no ano-base 2017, ou seja 29,1 milhões de beneficiários.

Recomendam - A pesquisa apontou que mais de 80% dos beneficiários entrevistados recomendariam o plano de saúde para amigos ou familiares e qualificam seu plano de saúde como bom ou muito bom.

Participação voluntária-  A participação na pesquisa foi voluntária e pode ser feita para obter pontuação no IDSS, caso seja aplicada de acordo com as diretrizes previstas no documento técnico elaborado pela ANS.

Acesso - O acesso aos resultados detalhados da pesquisa está disponível no portal das operadoras. (ANS)

Acesse a página do programa e faça a busca dos resultados por operadora.

Clique aqui e acesse o relatório completo.

Conheça as operadoras que realizaram a pesquisa – ano-base 2017.

 


Versão para impressão


RODAPE