Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4638 | 12 de Agosto de 2019

AFTOSA: Ricken participa de evento sobre o tema em São José dos Pinhais

O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, participou, na manhã desta segunda-feira (12/08), da abertura do 2º Simulado Conjunto em Emergência Sanitária para Atendimento de Foco de Febre Aftosa, no La Dolce Vita Park Hotel, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, promovido por meio de convênio de cooperação técnica entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Comitê Veterinário Permanente do Mercosul (CVP), com apoio da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

Presenças Participam deste simulado, 160 profissionais, entre eles, 64 fiscais da Adapar, 38 servidores estaduais de outras unidades da federação, 37 do Mapa, 7 da Defesa Civil, 2 da prefeitura de São José dos Pinhais e 12 profissionais de outros países como Argentina, Uruguai, Bolívia, Chile e Paraguai que integram o Cone Sul, além de representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e abastecimento (Mapa), do Centro Panamericano de Febre Aftosa (Panaftosa), do BID e demais entidades parceiras.

Teoria e prática – O evento, que prossegue até sexta-feira (16/08), terá atividades teóricas e práticas com foco na febre aftosa, abordando procedimentos de diagnóstico, colheita de amostras, investigação epidemiológica, rastreabilidade, sistema de informação e registro de investigações, medidas de biossegurança, procedimentos de contenção e erradicação, seguindo as diretrizes do Plano Nacional de Contingência para a doença, integrante do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (Pnefa).

Documento – O Sistema Ocepar elaborou um documento sobre a importância do Paraná obter o status de área livre de febre aftosa sem vacinação, tanto em âmbito nacional como internacional, para conquistar novos mercados para a carne produzida no Estado. Clique aqui para conferir na íntegra o material. (Com informações Imprensa Adapar)

{vsig}2019/noticias/08/12/sanidade/{/vsig}

VISITA: IBGE comunica realização do Censo Demográfico em 2020

No início da tarde da última sexta-feira (09/08), o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, recebeu a visita do coordenador técnico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Paraná, Sinval Dias dos Santos, que informou sobre a realização, em 2020, do Censo Demográfico em todo o território nacional. Segundo Sinval, a finalidade é contar mais uma vez com o apoio do sistema cooperativista paranaense e também das entidades do setor produtivo e que integram o G7, do qual Ricken é o coordenador, para que o contingente de servidores do instituto possa desenvolver seus trabalhos. “Queremos repetir o mesmo sucesso alcançado com a realização do Censo Agropecuário, quando o Sistema Ocepar abriu suas portas para a divulgação dos trabalhos junto ao público cooperativo. No dia 25 de outubro deste ano acontecerá o anúncio dos resultados do Censo Agropecuário que será de extrema utilidade na formatação de políticas públicas para o setor”, lembrou Dias dos Santos.

Parceria Na correspondência entregue e dirigida as entidades que compõem o G7, Sinval salienta que, “para a operação acontecer da melhor forma possível, considerando o atual contingenciamento de despesas em nível federal, consulto sobre a possibilidade de que as empresas pudessem ceder por tempo determinado, mobiliário ou mesmo espaço físico em suas sedes regionais para a instalação de Postos de Coleta onde os servidores temporários irão atuar na realização do censo”.  Ricken se comprometeu em levar o pleito para o conhecimento de todas as entidades que integram o G7: Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar) e Associação Comercial do Paraná (ACP). Acompanharam na visita, Flávio Robert Schülerde Oliveira, coordenador técnico do Censo Demográfico 2020, Elias Guilherme Ricardo, coordenador operacional do Censo Demográfico 2020, e o coordenador de Comunicação do Sistema Ocepar, Samuel Milléo Filho.

{vsig}2019/noticias/08/12/visita/{/vsig}

PR COOPERATIVO: Encarte traz balanço de atividades do primeiro semestre do Sistema Ocepar

pr cooperativo 12 08 2019As principais atividades realizadas pelo Sistema Ocepar no primeiro semestre de 2019 estão sendo divulgadas por meio de um encarte especial produzido pela Assessoria de Comunicação da entidade e que está sendo distribuído junto com a edição 172 da revista Paraná Cooperativo. “O Sistema Ocepar trabalhou incansavelmente na busca de medidas de apoio ao setor cooperativista paranaense, como a obtenção de recursos para dar suporte às atividades das cooperativas; ajustes nas políticas públicas; na capacitação das pessoas; na integração dos representantes do Paraná na Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) e na consolidação de apoios nos governos federal e estadual”, afirma José Roberto Ricken, na seção Palavra do Presidente, ao elencar uma parte dos avanços alcançados nos primeiros seis meses do ano.

Síntese - A publicação, de 20 páginas, contém uma síntese dos principais eventos realizados no período, como a Assembleia Geral do Sistema Ocepar, ocorrida no dia 1º de abril, em Curitiba, quando, além da prestação de contas de 2018 e apresentação do plano de ação deste ano, houve a eleição da nova diretoria da Ocepar e a recondução de Ricken ao cargo de presidente da entidade. Outro destaque foi o 14º Congresso Brasileiro de Cooperativismo (CBC), que reuniu 1,3 mil cooperativistas de todo o país em Brasília, entre os dias 8 de 10 de maio, incluindo a delegação do Paraná. Na oportunidade, foram definidas as diretrizes prioritárias do cooperativismo brasileiro para os próximos anos. O encarte mostra ainda diversas conquistas obtidas no âmbito dos poderes públicos, que resultaram em benefícios para as cooperativas de diferentes ramos, como os pleitos contemplados no Plano Safra 2019/2020 anunciados pelo governo federal em junho e a autorização do Banco Central para que as cooperativas de crédito passem a receber depósitos de poupança rural.

Clique aqui para conferir na íntegra o encarte especial com as principais atividades do primeiro semestre de 2019 do Sistema Ocepar

 

GETEC: Boletim mostra expectativa de mercado sobre indicadores econômicos

getec 12 08 2019A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulga, nesta segunda-feira (12/08), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central, levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2019, 2020 e 2021.

Informações – Mais informações podem ser obtidas com Maiko Zanella (maiko.zanella@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1115) ou com Jessica Raymundi (jessica.costa@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1133).

Clique aqui para acessar na íntegra o Informe Expectativas de Mercado

 

LÁCTEOS: Setor debate normativos e tendências

lacteos 12 08 2019Mais de 100 representantes de cooperativas de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Paraná, Espírito Santo e Santa Catarina além de convidados, participaram da reunião da Câmara do Leite do Sistema OCB. O evento realizado em Uberlândia (MG) ocorreu na quarta-feira (07/08).

Convidado - Um dos convidados foi o superintendente do Ministério da Agricultura em Minas Gerais, Marcílio de Sousa Magalhães. Ele e sua equipe apresentaram os trabalhos da Secretaria de Defesa Agropecuária no que se refere à cadeia produtiva do leite e conversaram sobre a implantação das novas normativas que tratam da qualidade do leite.

Painel - A reunião contou também com um painel de discussão sobre as conjunturas do mercado de lácteos, conduzido pelo coordenador da Câmara do Leite do Sistema OCB, Vicente Nogueira Netto, com a participação do pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Glauco Carvalho. Uma equipe de consultores da empresa Germinare apresentou as principais tendências do mercado de insumos para o setor leiteiro.

Tomada de decisão - A Câmara de Leite da OCB congrega as cooperativas de lácteos registradas no Sistema OCB, visando avançar no desenvolvimento de temas importantes ao segmento, bem como, apresentar e compilar informações de mercado de lácteos, gerando subsídios para tomada de decisões. (Informe OCB)

 

UNIMED LONDRINA: Evento discute utilização correta de antibióticos e tratamento de infecções

Temas como o uso de antimicrobianos, administração de antibióticos e prevenção de infecções hospitalares serão discutidas na X Imersão em Antimicrobianos do Paraná. O evento será realizado no auditório da sede administrativa da Unimed Londrina (Av. Ayrton Senna, 1065), em Londrina (PR), no próximo dia 30 de agosto, às 16h. As inscrições já estão abertas no link http://unimed.me/1008x5. O público-alvo são profissionais da área da saúde.

Atualização - A médica infectologista e organizadora do evento Claudia Carrilho explica que a iniciativa tem como objetivo atualizar, por meio de aulas de curta duração, os profissionais da saúde sobre a utilização de antibioticoterapia nos tratamentos de pacientes, prevenção de infecções e resistência bacterianas. “A resistência antimicrobiana atinge índices cada vez mais preocupantes. Hoje, temos pacientes com infecções intratáveis. O uso otimizado dos antimicrobianos é a condição básica para tentar minimizar ou retardar esse efeito”, ressalta Claudia. “Hoje, as mini aulas estão sendo mais utilizadas por conterem as informações necessárias de forma prática, sem ser cansativo”, explica a infectologista sobre a dinâmica do evento.

Aulas - Ao todo serão 11 aulas de até 25 minutos de duração. Elas serão ministradas por profissionais universitários e de hospitais da região. Os assuntos vão desde tratamento de pneumonia, tratamento de infecções em pediatria, eventos adversos antimicrobianos, dentre outros.

Manual - O evento também irá lançar a 4ª edição do manual "Protocolo e Diretrizes: Antibioticoterapia e Prevenção de Infecções Hospitalares". O guia é produzido pela Unimed Londrina, com auxílio da infectologista Claudia Carrilho. O material será entregue no dia do evento e disponibilizado em formato físico para instituições de ensino e de saúde e em PDF no site da operadora de planos de saúde para os demais públicos.

Uso adequado - De acordo com a médica, o manual irá direcionar o uso adequado dos antimicrobianos. “O uso de guias faz parte da estratégia Antimicrobial Stewardship. É uma das ferramentas para otimizar o uso dessas drogas”, comenta Claudia ao citar o programa criado nos EUA em 2006 que visa ao gerenciamento correto desses medicamentos nos serviços de saúde. Este assunto já está em discussão no Brasil. Um projeto chamado Stewardship Brasil foi lançado no país em abril deste ano pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em parceria com a Associação Brasileira dos Profissionais em Controle de Infecções e Epidemiologia Hospitalar (ABIH).

Patrocínio - A X Imersão em Antimocrobianos do Paraná tem patrocínio da Unimed Londrina, Hospital Universitário – UEL, Pfizer, Sanofi, MSD e Associação Paranaense de Infectologia (Apri). (Imprensa Unimed Londrina)

 

COCARI: Dia de Campo de Café será realizado em Mandaguari na quarta-feira

cocari 12 08 2019Para levar informações atualizadas aos produtores sobre o desenvolvimento da cafeicultura, a Cocari promove, nesta quarta-feira (14/08), o Dia de Campo de Café. O evento ocorrerá na Associação Atlética Cocari e no Centro Tecnológico Cocari, em Mandaguari (PR).

Palestras - Pela manhã, serão promovidas palestras em parceria com o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e com o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), com os temas: “Manejo de solos para a cultura do café” e “Manejo e controle da broca do café”, respectivamente. Como já é tradição, haverá o Festival da Coada de Café, com premiação para quem preparar o melhor cafezinho do dia, de acordo com a avaliação de uma Comissão Degustadora.

Estações - À tarde, os cafeicultores visitarão as estações na área demonstrativa localizada no Centro Tecnológico, oportunidade para conferir o desenvolvimento das lavouras e trocar informações com representantes de empresas parceiras, órgãos de pesquisa, Departamento Técnico da Cocari, bem como outros cooperados.

Fortalecimento - O objetivo do evento é fortalecer a cafeicultura, levando o que há de novidade para o manejo das lavouras dos produtores da cooperativa. (Imprensa Cocari)

SERVIÇO

Dia de Campo de Café da Cocari

Das 8h às 17h

Manhã: Associação Atlética Cocari

Tarde: Centro Tecnológico Cocari

Rod. BR 376, Km 395

Mandaguari (PR)

 

PRIMATO: Representantes de cooperativa argentina são recebidos em Toledo

primato 12 08 2019Com o objetivo de conhecer o modelo de negócios, infraestrutura e propriedades de cooperados uma comitiva da Cooperativa Ganadeira Limitada de Ascención, de Rosário, na Argentina, fez uma visita de imersão à Primato Cooperativa Agroindustrial, em Toledo (PR), na última terça-feira (06/08).

Recepção - Os representantes da cooperativa argentina foram recepcionados pelo presidente da Primato Ilmo Werle Welter, gerente de gente e gestão Edivan Junior Meneguetti, coordenador técnico de pesquisa e desenvolvimento Vicente Matsuo, gerente de industrialização Juliano Millnitz, encarregado de leite Leandro Marassi e o encarregado de marketing e comunicação Thiago Renner.

Imersão - No complexo administrativo/industrial, em Toledo, eles conheceram as instalações e o funcionamento da unidade industrial de nutrição animal e como é produzida a linha de rações Prima Raça.

Cooperados - O cronograma seguiu ainda em visitas a propriedade de cooperados da Primato na pecuária leiteira, onde foi possível conhecer e entender melhor o processo de produção e manejo, plantel e a estrutura disponibilizada para o desenvolvimento da atividade. “Foi uma troca de experiências muito produtiva, pois a comitiva teve a oportunidade de conhecer as técnicas, tecnologias e a estrutura da pecuária leiteira desenvolvida por nossos cooperados”, enfatizou o encarregado de leite Leandro Marassi.

Informação - Outros negócios visitados foram supermercado e restaurante da Primato, onde a comitiva almoçou e seguiu o cronograma de imersão estabelecido. “A comitiva visitou os principais negócios e vieram em busca de informações sobre essas áreas, principalmente na pecuária leiteira”, explicou o encarregado de marketing e comunicação da Primato, Thiago Renner que complementou, “uma oportunidade de intercâmbio cultural, de compartilhamento de informações e também de abrir uma oportunidade com a cooperativa do país vizinho”. (Imprensa Primato)

 

SICREDI: Moradoras de Moreira Sales (PR) e Belém (PA) são personagens de campanha nacional

sicredi 12 08 2019Você conhece Cleide Bravo e Késia Oliveira, de Moreira Sales (PR)? E Fabíola Farias e Lena Pampolha, de Belém (PA)? Se ainda não, a partir de 12 de agosto, você e os demais moradores desses municípios – e todos os brasileiros – terão a oportunidade de conhecer suas realidades transformadas com apoio do Sicredi. Juntas, elas são personagens da nova campanha da instituição financeira cooperativa, veiculada em rede nacional. Composta de 13 vídeos, ela traz 26 histórias de associados, de diferentes regiões do país, conectadas pelos impactos positivos do cooperativismo de crédito. Em cada um dos filmes, um associado vai até o município onde mora outro, evidenciando intercâmbios de trajetórias pessoais e de vivências com a instituição.

Experiências - No filme, as quatro empreendedoras contam as suas experiências com produtos e serviços oferecidos às pessoas jurídicas e suas relações com o Sicredi como principal instituição financeira de suas empresas. Sócias da Dukley Lingerie, associada à Cooperativa Sicredi Vale do Piquiri ABCD PR/SP, Cleide e Késia viajam do município localizado no oeste do Paraná para a capital paraense, onde conhecerão a Modula Mais, empresa de móveis planejados, associada à Cooperativa Sicredi Belém, e de propriedade de Fabíola e Lena. Com 42 empregados, a Dukley vende roupas íntimas e outros itens via e-commerce há três anos e, em 2018, expandiu suas vendas internacionalmente. “Desde que passamos a nos relacionar com o Sicredi, as coisas só melhoraram, facilitando muito as nossas vidas como empresárias”, afirmam. Já a busca por tarifas que não comprometessem a receita da Modula Mais, para aquisição de matéria prima, levou Fabíola e Lena ao Sicredi: “A cooperativa de crédito é, hoje, a nossa base de sustentação. O Sicredi nos deu valor, acreditou em nós e nos deu o capital de giro que tanto precisávamos”.

Intervalos - Este e os outros vídeos da série irão ao ar nos intervalos do Jornal Nacional, na Rede Globo, e também nos canais por assinatura GloboNews, SporTV e Discovery H&H. E ainda estarão disponíveis no site do Sicredi e nos perfis da instituição nas redes sociais, no Facebook, LinkedIn, Twitter e YouTube.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI VANGUARDA: Guarulhos ganha nova agência

Para ampliar ainda mais a presença em Guarulhos, o Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados e atuação em 22 estados e no Distrito Federal – inaugurou, na sexta-feira (09/08), a nova agência na cidade, desta vez na Vila Galvão.

Conforto - Com 460m2, o novo ponto de atendimento da Sicredi Vanguarda PR/SP/RJ foi projetado para oferecer conforto aos associados, seguindo os princípios do Sicredi, que está comprometido com a qualidade de vida dos associados e da comunidade. O espaço tem acessibilidade e conta com estacionamento para 20 veículos.

História - “Temos uma história com os moradores de Guarulhos. Nossa primeira agência foi inaugurada no município em 2017 e, desde então, seguimos crescendo e trabalhando para atender as necessidades financeiras dos nossos associados e contribuir com a desenvolvimento da região”, afirma o presidente interino da cooperativa, Ivanir Antônio Reginatto.

Cooperativas X bancos - As instituições financeiras cooperativas oferecem os mesmos serviços financeiros de um banco tradicional. O grande diferencial é que os associados são donos do negócio e atuam ativamente na gestão, participando das decisões da cooperativa durante as assembleias. O principal objetivo de uma cooperativa de crédito não é garantir o lucro, mas trabalhar para propor as melhores soluções financeiras ao associado. Os resultados positivos gerados, denominados sobras, retornam ao cooperado de acordo com a movimentação financeira dele. Além disso, os recursos aplicados nas instituições financeiras cooperativas ficam na região de atuação de cada cooperativa, movimentando a economia local, por meio das linhas de crédito.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2019/noticias/08/12/sicredi_vanguarda/{/vsig}

INSTITUTO SICOOB: Lançada série para contar trajetória do Expresso tour

O Instituto Sicoob lançou, na sexta-feira (09/08), uma web série de vídeos para mostrar como foi o Expresso Instituto Sicoob tour, a maior viagem da história do ônibus que, desde 2014, percorre cidades e leva conhecimento, por meio dos cursos online disponíveis na plataforma itinerante, para as comunidades onde o Sicoob está inserido.

Balanço - Ao todo, a viagem contou com mais de 8 mil quilômetros percorridos, 80 horas de balsa, 55 dias de estrada, e visitou 13 cidades e seis estados brasileiros. Além disso, foram 935 certificados entregues aos mais de 700 participantes do programa durante o período.

A série - Formada por três episódios e um trailer, a web série mostrará a trajetória do Expresso Instituto Sicoob durante o tour que fez pelo Brasil, entre fevereiro e abril deste ano, na viagem que teve o objetivo de dar a oportunidade para que as pessoas de outros Estados conhecessem a plataforma e tivessem acesso aos cursos gratuitos disponibilizados na modalidade de Educação a Distância (EAD), além de levar e apresentar o cooperativismo, de maneira prática, para outras fronteiras.

Importância - “Nossa expectativa com essa série de vídeos é mostrar a importância do Expresso Instituto Sicoob e a diferença que faz na vida das pessoas, sendo um agente de transformação ao democratizar o acesso à educação. Além disso, esperamos que, ao assistir, as pessoas se sensibilizem com os relatos, percebam as diferenças culturais em nosso Brasil, sintam as histórias e tenham a dimensão do desafio que enfrentamos ao propor essa longa jornada em nome do conhecimento e do cooperativismo”, explica o superintendente do Instituto Sicoob, Luiz Edson Feltrim.

Depoimentos - Produzidos pela doOb Films, os vídeos apresentam depoimentos de diretores do Sicoob; alunos, professores e pessoas que fizeram os cursos; além, é claro, de colaboradores do Instituto Sicoob. O Expresso tour saiu de Maringá (PR) e passou por 13 cidades brasileiras: Leme (SP), Belém (PA), Castanhal (PA), Santa Izabel (PA), Marituba (PA), Santana (AP), Macapá (AP), Tucuruí (PA), Araguaína (TO), Aparecida de Goiânia (GO), Uberlândia (MG), Frutal (MG) e Ribeirão Preto (SP).

Mais que captação de imagens - O diretor de fotografia da doOb Films, Samuel Rose Machado, relata que a produção da série foi muito além de captar imagens do ônibus. “Foi muito legal participar desse lindo projeto. Foram vários dias de filmagens, em vários locais, com diversas culturas diferentes, e isso proporcionou ver pessoas aprendendo, entrando no ônibus de uma maneira e saindo diferentes, renovadas e decididas a buscar os sonhos. A emoção que sempre esteve presente em meu DNA profissional, também esteve presente nesse trabalho com o Expresso. Foi muito especial porque me permitiu unir tudo o que eu amo, que é trabalhar com vídeos e contar histórias emocionantes que realmente tenham um significado.”

Programação - A série contém quatro vídeos, sendo um trailer e três episódios. Enquanto o trailer já está disponível (você já pode conferir abaixo), os capítulos serão publicados nas redes sociais e no YouTube do Instituto Sicoob nas próximas três semanas, sempre às sextas-feiras. Confira o cronograma de divulgação:

Trailer | 09/08

Primeiro episódio | 16/08

Segundo episódio | 23/08

Terceiro episódio | 30/08

Sobre o Expresso Instituto Sicoob - O Expresso Instituto Sicoob é um ônibus adaptado e equipado com mesas, assentos, notebooks, televisores, impressora e acesso à internet. A plataforma de estrutura móvel de ensino é um projeto de livre acesso e tem como objetivo promover a igualdade à educação técnica de qualidade, por meio de uma educação inovadora e democrática.

Link - Link no YouTube: https://youtu.be/zC5qEDDbriM. (Imprensa Instituto Sicoob)

{vsig}2019/noticias/08/12/instituto_sicoob/{/vsig}

PARANAGUÁ: Porto testa projeto do Ministério da Agricultura

paranagua 12 08 2019O Porto de Paranaguá foi eleito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para testar um projeto de análise remota de documentação para a liberação de alguns produtos de importação e exportação. A medida agiliza o controle e a liberação das cargas.

Escolha - Segundo o Ministério, o Porto de Paranaguá foi escolhido “por ser o segundo maior porto do país e pelo fato dessa modalidade de controle proporcionar maior agilidade, em especial na área vegetal, na qual o porto se destaca”.

Fertilizantes - A tecnologia abrange as mercadorias importadas como "matéria-prima" para a fabricação de fertilizantes, independentemente da forma de acondicionamento. Nestes processos, é feita apenas conferência documental, sendo dispensados da vistoria.

Remota - A conferência é realizada de forma remota, por servidores lotados em outras unidades do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro). A análise remota de processos tem permitido ainda mais fluidez e rapidez aos processos.

Expansão - Ainda em fase de testes, se o projeto tiver êxito a ideia é que seja expandido para as demais unidades já a partir de outubro.

Modelo - O Porto de Paranaguá já é exemplo de celeridade nos procedimentos de controle, fiscalização e liberação da carne exportada. Segundo Fernando Mendes, secretário adjunto de Defesa Agropecuária, dos mais de 300 processos por dia, só no Porto de Paranaguá, 99% são liberados automaticamente.

Rapidez - “Antes demorava até 60 horas. Hoje é questão de minutos. O tempo de liberação reduziu drasticamente porque investimos em tecnologia. Em Paranaguá, conseguimos elevar muito a eficiência e a redução de tempo para o usuário”, acrescenta.

Tecnologia e informatização - Segundo Mendes, isso foi possível graças ao investimento em tecnologia e informatização. De acordo com o Ministério, uma das mudanças foi a inclusão dos produtos de origem animal submetidos ao Serviço de Inspeção Federal (SIF) no Portal Único de Comércio Exterior, também acessado pela Receita Federal e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Nova plataforma- Além disso, outro fator que agilizou a liberação das cargas teria sido uma nova plataforma de gerenciamento e controle das operações de trânsito internacional de produtos agropecuários (SIGVIG 3.0).

Certificação - A tecnologia permitiu que a certificação que atesta que o produto nacional pode ser exportado seja visualizada pelos importadores remotamente. Isso, segundo eles, elimina etapas antes muito burocráticas, como protocolo de documentos físicos e preenchimento manual de certificados. (Agência de Notícias do Paraná)

 

DITR: Começa hoje prazo para entrega da declaração de propriedade rural

ditr 12 08 2019A partir desta segunda-feira (12/08), os proprietários rurais de todo o país já podem enviar a Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR) de 2019. O prazo de entrega vai até às 23h59min59s de 30 de setembro.

Expectativa - A Receita Federal espera receber 5,7 milhões de declarações este ano, cerca de 38 mil a mais que as 5.661.803 enviadas em 2018. A declaração só pode ser preenchida por meio do programa gerador da declaração, que pode ser baixado na página do órgão na internet a partir desta segunda-feira.

Quem deve declarar - Devem apresentar a declaração pessoas físicas e jurídicas proprietárias, titulares do domínio útil ou que detenham qualquer título do imóvel rural. Apenas os contribuintes imunes ou isentos estão dispensados de entregar o documento. O produtor que perdeu ou transferiu a posse ou o direito de propriedade da terra desde 1º de janeiro também está obrigado a apresentar a declaração.

Preenchimento - A DITR deve ser preenchida no computador, por meio do programa gerador. O documento pode ser transmitido pela internet ou entregue em mídia removível (como CD ou pendrive) em qualquer unidade da Receita Federal. Quem perder o prazo pagará multa de 1% ao mês sobre o imposto devido, com valor mínimo de R$ 50. O contribuinte que identificar erros nas informações pode enviar uma declaração retificadora, antes de o Fisco iniciar o lançamento de ofício, sem interromper o pagamento do imposto apurado na declaração original.

Pagamento - O Imposto sobre Propriedade Territorial Rural pode ser pago em até quatro parcelas mensais, mas nenhuma quota pode ser inferior a R$ 50. O imposto inferior a R$ 100 deve ser pago à vista até 30 de setembro, último dia de entrega da declaração. O pagamento pode ser feito por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) em qualquer banco ou por transferência eletrônica de instituições financeiras autorizadas pela Receita. (Agência Brasil)

 

CÂMARA DOS DEPUTADOS: Plenário poderá votar MP da Liberdade Econômica

camara deputados 12 08 2019O Plenário da Câmara dos Deputados pode votar, a partir desta terça-feira (13/08), a Medida Provisória 881/19, que estabelece garantias para a atividade econômica de livre mercado. A MP impõe restrições ao poder regulatório do Estado, cria direitos de liberdade econômica e regula a atuação do Fisco federal.

Comissão mista - A análise da medida depende de leitura do ofício de encaminhamento do texto pela comissão mista.

Outros assuntos - O projeto de lei de conversão da matéria, de autoria do deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), trata de diversos outros assuntos, desde taxas de conselhos de Farmácia até isenção de multas por descumprimento de tabela de frete rodoviário, passando pela liberação do trabalho aos domingos e feriados sem adicional.

Licença prévia - O texto do deputado também muda a MP original quanto à regra de dispensa de qualquer licença prévia para liberar atividade de baixo risco. Ele acaba com a exclusividade para o caso de sustento próprio ou da família para estender a todo empreendimento de baixo risco, a ser definido por estados e municípios.

Baixo risco - Até lá, o texto considera como de baixo risco o depósito e o armazenamento de produtos não explosivos; embalados hermeticamente; e em locais onde não ocorra fracionamento, dispensando de alvará também edificações de até 1,5 mil m² desde que vistoriadas pelo Corpo de Bombeiros.

Normas - Se observadas normas de proteção ao meio ambiente, condominiais, de vizinhança e leis trabalhistas, qualquer atividade econômica poderá ser exercida em qualquer horário ou dia da semana, inclusive feriados, sem cobranças ou encargos adicionais.

Trabalho aos domingos - Goergen acaba com as restrições de trabalho aos domingos e feriados, assim como o pagamento em dobro do tempo trabalhado nesses dias da semana se a folga for determinada para outro dia da semana.

Todos - Regra usada para o comércio, de folga no domingo a cada três semanas mediante convenção coletiva, passa a valer para todos, mas a cada quatro semanas e sem aval do sindicato.

Rodízio - Também não precisará mais haver escala de rodízio para o trabalho aos domingos e fica revogada a lei que proíbe o trabalho dos bancários aos sábados.

Licitações - Também na pauta consta a nova Lei de Licitações (PL 1292/95), que cria modalidades de contratação, exige seguro-garantia para grandes obras, tipifica crimes relacionados ao assunto e disciplina vários aspectos do tema para as três esferas de governo (União, estados e municípios).

Destaques - O Plenário precisa votar os destaques apresentados ao texto do deputado Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), cujo texto-base foi aprovado no fim de junho.

Inversão de fases - De acordo com o texto, a inversão de fases passa a ser a regra: primeiro se julga a proposta e depois são cobrados os documentos de habilitação do vencedor.

Continuidade - Outra novidade no relatório é a possibilidade de o poder público optar pela continuidade de um contrato mesmo após constatada irregularidade na licitação ou na execução contratual.

Atendimento à população - A ideia é não prejudicar o atendimento à população pela ausência de um serviço, obra ou material. Nesse caso, será obrigatória a cobrança de indenização por perdas e danos, sem prejuízo da aplicação de penalidades e da apuração de responsabilidades.

Contratação integrada - Um dos 23 destaques apresentados prevê a extinção da modalidade de contratação integrada, criada pela lei do Regime Diferenciado de Licitações (Lei 12.462/11). Nesse tipo, o contratado faz tudo relacionado ao objeto. Em uma obra, por exemplo, isso inclui desde o projeto básico até a entrega das chaves.

Medicamentos - Outro destaque prevê inexigibilidade de licitação na compra de medicamentos para doenças raras pelo Sistema Único de Saúde (SUS). (Agência Câmara)

 

FUNCIONALISMO PÚBLICO: Governo quer reduzir jornada e salário

Envolvido diretamente nas discussões para definir novas regras fiscais para o Brasil, que estão ocorrendo na Câmara dos Deputados em torno da proposta de emenda constitucional 438/2018, de autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), o governo vai defender que o texto final da PEC tenha um artigo que autorize a redução da jornada de trabalho dos servidores públicos, com a diminuição proporcional da remuneração, quando necessária para o ajuste das contas públicas, disse ao Valor uma fonte credenciada do Ministério da Economia.

Governadores - A medida ajudará, principalmente, os governadores de Estados que, mesmo gastando com o pagamento de pessoal mais do que o limite legal permitido, não podem reduzir os salários dos servidores para ajustar as contas. Um artigo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) permite a redução da jornada e do salário, mas ele está sendo questionado no Supremo Tribunal Federal (STF) desde 2000. O Supremo não conclui o julgamento, mas a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, já deu parecer considerando o artigo inconstitucional.

Teto de gastos - A possibilidade de reduzir a jornada e o salário de servidor, por um tempo determinado, pode ajudar também o governo a cumprir o teto de gastos, raciocinam os técnicos oficiais ouvidos pelo Valor, pois a despesa com pessoal é a segunda maior do Orçamento da União. A primeira são os benefícios previdenciários. Com a reforma da Previdência, o ritmo de crescimento dos gastos previdenciários vai reduzir até que se estabilize em torno de 8,5% do Produto Interno Bruto (PIB) por volta de 2022, de acordo com cálculos do Ministério da Economia. Agora, o governo quer um controle mais efetivo sobre a segunda maior despesa.

“Regra de ouro” - A PEC apresentada pelo deputado Pedro Paulo já prevê redução da jornada e da remuneração, quando a chamada "regra de ouro" das finanças públicas não tiver sido cumprida no ano anterior. Esta regra constitucional determina que o governo só pode aumentar o seu endividamento para pagar despesas de capital (investimentos, inversões financeiras e amortizações da dívida pública). A dívida não pode crescer para pagar despesas correntes. "A medida que produz maior impacto fiscal é esta que trata da despesa com pessoal", disse o deputado Pedro Paulo ao Valor.

Harmonização - O objetivo da PEC 438/2018 é harmonizar a "regra de ouro" com o teto de gastos e a meta de resultado primário. O relator da PEC, deputado Felipe Rigoni (PSB-ES), afirmou que hoje o governo vive uma grande dificuldade para ajustar suas contas, pois, embora exista o teto de gastos, as medidas de ajuste não podem ser acionadas - o ponto é que o governo não pode enviar ao Congresso uma proposta que descumpra o limite das despesas.

Despesas discricionárias - Para manter o Orçamento dentro do teto, o governo é obrigado a cortar cada vez mais as chamadas despesas discricionárias, o que ameaça paralisar a oferta e manutenção dos serviços públicos. "O gatilho não dispara", observou Rigoni. Ou seja, o governo não pode acionar as medidas previstas na emenda constitucional 95/2016, que criou o teto, como suspender reajustes salariais para os servidores, não dar aumento real para o salário mínimo e não criar despesa nova.

Gatilhos - Pedro Paulo e Rigoni defendem a criação de "vários gatilhos" que possam ser acionados para o ajuste das contas, entre eles aquele que prevê a redução da jornada de trabalho do servidor e da remuneração. "Tudo vai depender do interesse do governo", disse Pedro Paulo. Autoridades graduadas do Ministério da Economia ouvidas pelo Valor apoiam a harmonização das regras fiscais e defendem mudanças na regra do teto de gasto para que os "gatilhos" da emenda 95 disparem. A expectativa da área econômica é que as mudanças nas regras fiscais sejam aprovadas ainda neste ano.

Empenho - Rigoni e Pedro Paulo disseram que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), está pessoalmente empenhado para que a proposta de harmonização das regras fiscais tenha andamento. Segundo eles, a PEC 438/2018 será votada ainda neste mês na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e a comissão especial que vai analisar a proposta deverá ser instalada em setembro. (Valor Econômico)

INFRAESTRUTURA: Brasil deve retomar grau de investimento em breve, diz ministro

infraestrutura 12 08 2019O Brasil deverá, em breve, retomar o grau de investimento, classificação concedida por agências especializadas que garante o aporte de mais recursos estrangeiros no país. A previsão é do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Ele participou, na sexta-feira (09/08), de uma conferência com oficiais do Exército, na Praia Vermelha, na cidade do Rio de Janeiro.

Recuperação - “A chave já virou, nós estamos tendo recuperação em todos os indicadores e já merecemos uma reclassificação de nota de risco pelas agências de rating [risco]. Eu não tenho dúvida de que nós estamos caminhando na direção do grau de investimento”, destacou o ministro, para uma plateia formada por oficiais superiores, na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, entidade responsável por formar os futuros generais e comandantes militares.

Exemplos - O ministro citou como exemplos favoráveis a aprovação da reforma da Previdência na Câmara e as novas concessões na área de infraestrutura (portos, aeroportos, ferrovias e rodovias). Segundo ele, tudo isso deverá atrair mais recursos estrangeiros para o país.

Ferrovias - No setor ferroviário, por exemplo, deverá haver um aumento expressivo no volume de cargas transportadas nos próximos anos. O ministro apontou projetos e investimentos no transporte sobre trilhos que deverão unir o país de ponta a ponta, com a integração entre malhas ferroviárias já existentes e outras em construção. Esses projetos deverão possibilitar o escoamento da produção agrícola, industrial e mineral, com maior rapidez e menores custos.

Reequilíbrio - “É um aumento de capacidade que vai levar a participação do modal ferroviário no Brasil dos atuais 15% para 29% a 30% em oito anos. E aí a gente vai reequilibrando a matriz [de transportes], proporcionando oferta e jogando o frete para baixo”, destacou. Tarcísio Gomes lembrou a recente concessão de dois trechos da Ferrovia Norte-Sul, entre Porto Nacional (TO) e Estrela D´Oeste (SP), vencida pelo grupo Rumo S.A.. A ferrovia vai ligar o Porto de Itaqui, no Maranhão, ao Porto de Santos, em São Paulo, formando a espinha dorsal da malha ferroviária brasileira, que futuramente conectará Rio Grande (RS) a Belém (PA).

Outros investimentos - O ministro também abordou os investimentos que vão ocorrer a partir dos leilões de campos de petróleo, da entrada de novas companhias aéreas, e das concessões no sistema de cabotagem. Essa navegação interna e pela costa, hoje restrita a empresas brasileiras, deverá ser aberta a grupos internacionais no futuro. (Agência Brasil)

 

FOCUS: Expectativa do mercado para Selic cai para 5% ao ano no fim de 2019

focus 12 08 2019O mercado financeiro continua reduzindo a projeção para a taxa básica de juros, a Selic, ao final deste ano. Segundo o boletim Focus, pesquisa divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), a previsão é que a taxa Selic encerre 2019 em 5% ao ano. Na semana passada, a expectativa tinha caído de 5,5% ao ano para 5,25% ao ano.

Copom - As revisões das expectativas ocorreram após o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduzir a Selic em 0,5 ponto percentual para 6% ao ano, no dia 31 de julho.

2020 - Para o fim de 2020, a previsão continua em 5,5% ao ano. Também não houve alteração na expectativa para o final de 2021 e 2022: 7% ao ano.

Crescimento da economia - A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi ajustada de 0,82% para 0,81% neste ano. Segundo a pesquisa, não houve alteração nas estimativas para os anos seguintes: 2,1% em 2020, 2,5% em 2021 e 2022.

Retração - Nesta segunda-feira (12/08), o BC informou que a atividade econômica apresentou retração pelo segundo trimestre seguido. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou queda de 0,13% no segundo trimestre, comparado com o período de janeiro a março deste ano.

Inflação - A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), caiu de 3,80% para 3,76%. Não houve alteração nas estimativas para os anos seguintes: 3,90%, em 2020, 3,75%, em 2021, 3,5%, em 2022.

Meta - A meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é 4,25%, em 2019, 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,5%, em 2022 com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Principal instrumento - Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros. Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Demanda aquecida - Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar - A previsão para a cotação do dólar ao fim deste ano permanece em R$ 3,75 e, para 2020, em R$ 3,80. (Agência Brasil)

 

IBC-BR: Atividade econômica registra retração de 0,13% no segundo trimestre

ibc br 12 08 2019A economia apresentou retração no segundo trimestre deste ano. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) dessazonalizado (ajustado para o período) apresentou queda de 0,13% no segundo trimestre, comparado com o período de janeiro a março deste ano. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (12/08), em Brasília, pelo Banco Central.

Segundo trimestre seguido - Esse é o segundo trimestre seguido com retração da atividade econômica. De acordo com dados revisados, o IBC-Br apresentou retração de 0,52% no primeiro trimestre, comparado ao período de outubro a dezembro de 2018.

Acumulado - De janeiro a junho deste ano, o indicador acumula crescimento de 0,62% (sem ajustes), na comparação com o primeiro semestre de 2018. Em 12 meses, a expansão chegou a 1,08%.

Junho/maio - Em junho, o IBC-Br registrou crescimento de 0,30% na comparação com maio (dado dessazonalizado). Na comparação com junho de 2018, houve queda de 1,75%.

Evolução - O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic.

Setores - O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

Indicador oficial - No entanto, o indicador oficial sobre o desempenho da economia é o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Revisão - No mês passado, o governo revisou a previsão de crescimento do PIB deste ano de 1,6% para 0,8%. (Agência Brasil)

 

MAPA DO TRABALHO: Profissões ligadas à tecnologia serão mais promissoras, mostra Senai

mapa trabalho 12 08 2018Levantamento feito pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) mostra que as profissões ligadas à tecnologia estarão entre as mais promissoras, pelo menos nos próximos cinco anos. No período, ocupações que têm a tecnologia como base não só motivarão a abertura de novos postos de trabalho como exigirão a requalificação de parte da mão de obra hoje disponível.

Mapa do Trabalho - Realizado para subsidiar a oferta de cursos da instituição, o Mapa do Trabalho Industrial indica que, até 2023, o Brasil terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais para fazer frente às mudanças tecnológicas e à automação dos processos de produção.

Demanda - Segundo o Senai, a demanda por profissionais qualificados dos níveis superior e técnico deverá criar vagas de trabalho para trabalhadores qualificados a exercer funções pouco lembradas há algum tempo. É o caso de ocupações como condutores de processos robotizados, cujo número de vagas a entidade calcula que aumentará 22% - contra um crescimento médio projetado para outras ocupações industriais da ordem de 8,5% no mesmo período.

Pesquisadores - Além dos condutores de processos robotizados, as maiores taxas de crescimento do nível de ocupação deverão ocorrer entre pesquisadores de engenharia e tecnologia (aumento de 17,9%); engenheiros de controle e automação, engenheiros mecatrônicos e afins (14,2%); diretores de serviços de informática (13,8%) e operadores de máquinas de usinagem CNC (13,6%).

Áreas - Divulgado nesta segunda-feira (12/08), o Mapa do Trabalho 2019-2023 mostra que, entre as áreas que mais vão demandar formação profissional estão a metalmecânica (1,6 milhão vagas), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentícia (754 mil), informática (528 mil), eletroeletrônica (405 mil), energia e telecomunicações (359 mil).

Topo - O topo do ranking por área, no entanto, deverá ser liderado pelas chamadas ocupações transversais, compreendidas como aquelas cujos profissionais estão aptos a trabalhar em qualquer segmento, como pesquisadores e desenvolvimento, técnicos de controle da produção e desenhistas industriais. Neste segmento, o Senai estima a criação de 1,7 milhão de vagas nos próximos cinco anos. Técnicos de controle de produção; de planejamento e controle de produção; em eletrônica; eletricidade e eletrotécnica e em operação e monitoração de computadores estão entre as 20 ocupações transversais que mais exigirão formação entre 2019 e 2023.

Qualificação - A demanda por qualificação prevista inclui o aperfeiçoamento de trabalhadores que já estão empregados e, em parcela menor (22%), aqueles que precisam de capacitação para ingressar no mercado de trabalho. Essa formação inicial inclui a reposição em vagas já existentes e que se tornam disponíveis devido à aposentadoria, entre outras razões.

Formação técnica - O Mapa ainda indica que os profissionais com formação técnica terão mais oportunidades na área de logística e transporte, que exigirá a capacitação de 495.161 trabalhadores. A metalmecânica precisará qualificar 217.703 pessoas. De acordo com especialistas responsáveis pela elaboração do estudo, a área de logística destaca-se, entre outros fatores, pela necessidade de aumentar a produtividade por meio da melhoria dos processos logísticos.

Cenários - O Mapa do Trabalho Industrial é elaborado a partir de cenários sobre o comportamento da economia brasileira e dos seus setores, projetando o impacto sobre o mercado de trabalho e estimando a demanda por formação profissional com base industrial (formação inicial e continuada), e serve como parâmetro para o planejamento da oferta de cursos do Senai. (Agência Brasil)

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Brasil encolhe na Argentina e China ameaça assumir topo

comercio exterior destaque 12 08 2019Os problemas vividos hoje pela economia argentina fizeram o peso das exportações brasileiras para o país despencar para níveis não vistos nem mesmo em 2002, no auge da crise da nação vizinha. Como resultado, a China cada vez mais ameaça a liderança do Brasil nas vendas para o seu principal mercado na região.

Recuo - As compras argentinas de produtos brasileiros recuaram 41,7% no primeiro semestre, para US$ 5,3 bilhões o que representa 21% das importações totais do país (eram 26% no mesmo período de 2018), menor participação desde o início da série histórica do Indec, o instituto local de estatísticas, em 2002.

Cenário - Naquele ano, os argentinos vinham de sucessivas trocas de presidente, da disparada do desemprego e da pobreza e de um calote histórico na sua dívida externa - e as importações de artigos brasileiros representavam 25,6% do total.

Cálculos - Os cálculos brasileiros mostram cenário parecido: queda de 41,6% no primeiro semestre deste ano, a segunda maior entre os 60 maiores destinos dos embarques, só atrás da registrada pela Venezuela (52,9%). A participação da Argentina nesse período caiu de 7,7% para 4,7%, ainda a terceira maior, atrás das China (27,6%) e dos Estados Unidos (13,4%), e com pequena vantagem sobre a Holanda (3,9%).

Consequência - Uma das consequências dessa queda é o Brasil nunca esteve tão perto de perder para a China a sua supremacia no mercado argentino. Ainda que suas vendas tenham caído mais que a média (30,4%, ante 27,9% do geral no primeiro semestre), os chineses detêm 17,7% das importações argentinas e só 3,3 pontos percentuais os separam da liderança brasileira, menos da metade da observada no primeiro semestre do ano passado (7,7 pontos).

Setor automotivo - A perda de espaço do Brasil neste ano, porém, é menos explicada pela concorrência chinesa e mais pela dependência dos negócios do setor automotivo, afirmou José Botafogo Gonçalves, ex-ministro de Indústria e Comércio no fim dos anos 90, no governo Fernando Henrique Cardoso, e posteriormente embaixador na Argentina. Mais de um terço da venda brasileira (US$ 1,9 bilhão) de janeiro a junho envolveu esse segmento, US$ 2,5 bilhões menos que em igual período de 2018 - e a participação do país pouco mudou nesse período, caiu de 64% para 62%.

Pouco eficiente - De acordo com o diplomata, Brasil e Argentina preferiram manter uma indústria pouco eficiente na comparação internacional. "É um setor que é artificialmente mantido pelos subsídios dos dois países", disse Gonçalves, em referência ao acordo que prevê vantagens para veículos e autopeças dos parceiros.

Indústria de transformação - O declínio da demanda argentina especialmente em veículos explica também por que a indústria de transformação de alta-média tecnologia perdeu espaço na pauta exportadora brasileira, com queda no geral de US$ 2,90 bilhões do primeiro semestre de um ano para outro, sendo que o país vizinho respondeu por retração de US$ 2,89 bilhões. O peso dessa categoria caiu no período de 17,4% do total para 15,4%.

Convergência - A solução para melhorar esses números, segundo Gonçalves, passa pela busca da convergência das políticas comerciais, em que os dois países "deixem de olhar para seus próprios umbigos", e especialmente pela abertura econômica, como o acordo anunciado entre o Mercosul e a União Europeia, em junho, visando a melhora da produtividade.

Resto do mundo - "É preciso vender com mais eficiência não um para o outro, mas para o resto do mundo. Trata-se de uma mudança de mentalidade. Os quatro [Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai] têm que conquistar o resto do mundo", afirma o vice-presidente emérito do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri).

Olhar para fora - Para José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), o país precisa olhar para fora, sem descartar a Argentina. Mas, para isso, ele destaca que é fundamental que as reformas tributária e da Previdência sejam bem-sucedidas e que os investimentos em infraestrutura ganhem força.

Custo Brasil - "Tudo gira em torno do custo Brasil. Não temos competitividade hoje para vender para fora da América Latina", disse Castro, ressaltando que, com o sucesso das reformas, o Brasil será um novo país, mas que os resultados no comércio exterior só serão sentidos em ao menos dois anos. Ele alerta que o aumento da competitividade é fundamental para o país reduzir a dependência das vendas para a China. "Precisamos parar de rezar em mandarim, porque a economia chinesa está desacelerando." (Valor Econômico)

comercio exterior quadro 12 08 2019

 


Versão para impressão


RODAPE