Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4635 | 07 de Agosto de 2019

AGROPECUÁRIA: Qualificação é fator decisivo para ampliar presença do PR no mercado internacional, afirma presidente da Faep

A inserção do agronegócio do Brasil em mercados de alto valor agregado vai exigir maior qualificação de toda a cadeia produtiva do setor. “Cada vez mais, os produtores rurais terão que se aperfeiçoar e aprimorar suas atividades, com um planejamento que considere as demandas do mercado. Hoje, plantamos, colhemos e só então nos preocupamos em vender. Acredito que vamos evoluir para um processo maior de integração, da forma que acontece, por exemplo, na pecuária de corte na Itália, onde não se produz nenhum bezerro se não estiver vinculado na outra ponta a uma demanda da indústria”, afirma o presidente do Sistema Faep (Federação da Agricultura do Estado do Paraná), Ágide Meneguette. O dirigente visitou a sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, na tarde desta terça-feira (06/08), sendo recebido pelo presidente José Roberto Ricken, e o superintendente Robson Mafioletti.

Tecnologia - Segundo Meneguette, com o recente acordo de livre-comércio selado entre Mercosul e União Europeia, um mercado de 500 milhões de consumidores se abrirá para o Brasil, desde que as exigências de qualidade sejam cumpridas pelos produtores. Outro fator decisivo, de acordo com o dirigente, é o impacto das novas tecnologias na agropecuária, com a utilização de sistemas avançados de automação de maquinários e coleta de informações em tempo real das lavouras, além dos insumos que ampliam a produtividade, mas demandam um manejo adequado. “A capacitação é essencial para a estratégia de expansão e agregação de valor do agronegócio paranaense. Por isso, mais do que nunca, o trabalho do Sescoop/PR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo) e do Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) é fundamental, qualificando produtores e funcionários que atuam no setor”, ressalta. “Acredito que o Paraná tem condições de se destacar neste novo cenário do agronegócio. Com o apoio das ações de capacitação do Senar e do Sescoop/PR, temos um diferencial competitivo para conquistar espaço no mercado internacional”, conclui.   

 

{vsig}2019/noticias/mês/dia/pasta/{/vsig}

 

 

 

PR COOPERATIVO: Acordo comercial entre Mercosul e União Europeia é tema de reportagem especial

pr cooperativo 07 08 2019O fim do protecionismo? Esta é a chamada de capa da edição 172 da revista Paraná Cooperativo, produzida pela Assessoria de Comunicação do Sistema Ocepar, e que começa a circular nesta semana. A reportagem especial aborda o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia (UE), anunciado no dia 28 de junho, em Bruxelas. “Atualmente, cerca de 25% das exportações das cooperativas paranaenses têm como destino os países da União Europeia, o equivalente a US$ 975 milhões em vendas, em 2018. Juntos, os 28 países do bloco são o segundo maior comprador de nossos produtos, importando principalmente farelo de soja e carne de frango. Mas a participação da Europa nos negócios com o setor cooperativista já foi maior e o velho continente vem perdendo espaço, sobretudo para a China e demais países asiáticos. As barreiras e restrições impostas pela UE estão contribuindo para a diminuição da relevância da Europa no mercado global. A pergunta que se coloca é se o acordo de livre-comércio realmente reduzirá a política protecionista, superando resistências locais de setores ineficientes, mantidos principalmente pelos subsídios agrícolas concedidos pelo bloco europeu”, afirma José Roberto Ricken, na seção Palavra do Presidente.

Entrevista – Para o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Orlando Leite Ribeiro, “há forte possibilidade de, ao menos, duplicarmos a participação brasileira agrícola no mercado europeu”, referindo-se ao acordo Mercosul e UE. Ribeiro é o entrevistado deste número da revista.

Mais – A publicação traz ainda matérias sobre a reunião da diretoria da Ocepar do mês de julho realizada no Palácio Iguaçu, com a presença do governador Ratinho Junior, sobre a celebração do Dia C – Dia de Cooperar no Paraná, sobre o lançamento do aplicativo Paraná Cooperativo, sobre a realização do Jovemcoop, nos dias 24 e 25 de julho, em Palotina, no Oeste do Estado, e muito mais.

Clique aqui para conferir a edição nº 172 da revista Paraná Cooperativo

 

THEODOR AMSTAD: PL do Patrono do Cooperativismo será votado no Senado

 

theodor amstad 07 08 2019A concessão do título de Patrono do Cooperativismo Brasileiro ao padre Theodor Amstad está cada vez mais perto de ocorrer. Nesta terça-feira (06/08), o projeto de lei nº 2107/2019, de autoria do deputado Giovani Cherini (RS), foi aprovado na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado. Agora, o PL entra na pauta de votação do Plenário.

 

Parecer - O senador Lasier Martins (RS), integrante da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) e relator do PL, leu o parecer e homenageou o cooperativismo e o Sicredi como primeira cooperativa no RS (link para o parecer aprovado).

 

Importância - O presidente da Comissão, senador Dário Berger (SC) e o vice-presidente da Comissão, senador Flávio Arns (PR), também ressaltaram a importância do cooperativismo para o desenvolvimento de seus estados.

 

Primeira cooperativa - Theodor Amstad nasceu em 9 de novembro de 1851, em Beckenried, na Suíça. No ano de 1885 chegou ao Brasil e se dedicou a prestar assistência econômica, social e cultural aos colonos do Rio Grande do Sul, dando início ao processo de fundação das associações de lavradores e cooperativas no estado.

 

Em atividade - O padre foi o responsável por constituir, em 1902, a primeira cooperativa de crédito brasileira no município de Nova Petrópolis/RS, batizada como Caixa de Economia e Empréstimos Amstad. A cooperativa continua em atividade, porém agora com o nome de Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados Pioneira da Serra Gaúcha, a Sicredi Pioneira/RS. (Informe OCB)

FRENCOOP: Schiavinato assume como representante do ramo agropecuário da Frente

frencoop 07 08 2019O deputado federal José Carlos Schiavinato é de uma das regiões onde o cooperativismo é dos mais fortes do Brasil, o Oeste do Paraná. Em Toledo chegou a prefeito, cargo que ocupou por dois mandatos entre 2005 a 2012. Ali instituiu o ensino do cooperativismo nas escolas públicas municipais.

Deputado estadual - De 2015 a 2018, foi deputado estadual do Paraná. Na Assembleia Legislativa do Paraná, coordenou a grupo de trabalho que tratou do embargo da União Europeia ao frango brasileiro, é um dos autores da lei contra o fracking no estado, realizou audiências públicas sobre energias renováveis como o biogás e sobre a destinação final das carcaças dos animais mortos por causas naturais nas propriedades rurais, tema que acompanha até hoje junto ao Ministério da Agricultura.

Frencoop - Devido a esse histórico e à forte ligação com o agronegócio do Paraná, Schiavinato, agora em seu primeiro mandato como deputado federal (Progressistas), integra a Frente Parlamentar do Cooperatismo (Frencoop) como representante do ramo agropecuário e promete defender as demandas do setor no Congresso Nacional. “O cooperativismo deve servir de exemplo ao país, não apenas como um modelo de negócio, mas também como meta a ser atingida enquanto sociedade. Agropecuária e cooperativismo andam de mão dadas e são interdependentes, é nessas duas vias que passa todo o desenvolvimento do Brasil”, defende Schiavinato.

Importância - O coordenador da Frente Parlamentar, deputado Evair de Melo, do PP do Espírito Santo, defende a importância e a força das cooperativas no país. “A Frente Parlamentar do Cooperativismo traz a mais pura expressão da organização social capaz de trabalhar com capitalismo, produzir resultados financeiros e econômicos e fazer distribuição de renda. Em estados e municípios que têm o cooperativismo forte, com certeza tem mais oportunidades para todos do campo de trabalho, tem oportunidade de produção e diversidade e naturalmente uma melhor distribuição de renda”.

Cooperativas de crédito - A Frencoop aprovou no ano passado uma proposta (PLP 100/11), que autorizou prefeituras e câmaras de vereadores a terem contas em cooperativas de créditos. A lei ajuda a suprir a falta de agências bancárias em municípios muito pequenos.

Segmentos - Para essa legislatura, a Frente pretende focar seu trabalho nos segmentos de saúde, educação, transportes, produção, telecomunicações.

Cooperativismo: força econômica - O cooperativismo é um modelo de negócios em que os associados participam como proprietários das atividades econômicas em que trabalham. No Brasil, as cooperativas representam 10% da economia. Na economia, o cooperativismo tem muita força. Segundo dados da OCB, a estimativa de faturamento para 2019 é de 420 bilhões de reais. São gerados mais de 350 mil empregos diretos nas cooperativas, e é um setor que já representa pelo menos 10% do PIB brasileiro. (Jornal O Presente)

 

SICREDI: Encerrada a participação no maior evento de cooperativismo de crédito do mundo

 

O Sicredi, instituição financeira cooperativa, encerra mais uma participação na Conferência Mundial do Woccu (Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito), maior encontro do segmento no mundo, realizado entre os dias 28 e 31 de julho, em Nassau, nas Bahamas. Uma comitiva de 134 integrantes, entre dirigentes, executivos, colaboradores e associados ao Sicredi, se uniu aos cerca de 2 mil representantes de cooperativas de crédito de mais de 50 países para uma extensa agenda sobre iniciativas que podem melhorar a vida das pessoas por meio do cooperativismo.

 

Jovens e mulheres - A participação dos jovens e das mulheres no segmento, sustentabilidade, governança e inovação foram os principais eixos temáticos das atividades que contaram com a presença do Sicredi durante a programação. “Foi uma oportunidade para apresentar ao mundo o que estamos fazendo no Brasil e para entendermos melhor de que forma as cooperativas estão atuando fora do país em campos muito importantes como o da tecnologia, do marketing e da sustentabilidade, por exemplo. Esse tipo de troca é fundamental para que possamos continuar levando as melhores práticas para o nosso Sistema, e, por consequência, entregar cada vez mais valor aos nossos associados”, resume Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar, da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Woccu, que representou a instituição em um painel global sobre iniciativas de sustentabilidade e inclusão socioeconômica, realizado no terceiro dia da Conferência.

 

Prêmio - O crescimento no número de associados do Sicredi no Brasil rendeu à instituição o prêmio Growth Award durante a Conferência. Recentemente, o Sicredi ultrapassou a marca de 4 milhões de associados (crescimento de mais de 77% entre 2012 e 2018) e já conta com mais de 26 mil colaboradores e 1.736 agências em mais de 1.300 cidades brasileiras. “O crescimento contínuo da instituição é o resultado do esforço e participação diária dos nossos colaboradores e associados”, celebra Dasenbrock.

 

Future Forum - No Future Forum, agenda com lideranças das principais cooperativas de crédito do mundo que teve o presidente executivo do Banco Cooperativo Sicredi, João Tavares, como facilitador, representantes do Sicredi debateram temas como “Liderança Estratégica”, “Tecnologia e Desenvolvimento”, “Remuneração das Lideranças” e “Marcas Sistêmicas e Campanhas Publicitárias”. A programação da Conferência também incluiu a agenda do Global Women’s Leadership Network (GWLN), com foco no desenvolvimento de líderes mulheres no cooperativismo e na sociedade de maneira geral, nas quais o Sicredi foi representado por 11 integrantes brasileiras, chamadas de peers. A iniciativa, que atualmente engaja mais de 2.600 pessoas de 80 países, completou dez anos de atuação em 2019.

 

Projetos - O Sicredi ainda levou à Conferência 11 projetos desenvolvidos por colaboradores e associados e dois deles foram premiados no WYCUP – World Council Young Credit Union People, concurso internacional que tem o objetivo de estimular a formação de jovens lideranças e que premia participantes que criaram projetos com potencial de causar influência global no cooperativismo de crédito. As iniciativas apoiadas pelo Sicredi premiadas no WYCUP deste ano foram: “Mulheres que cooperam”, da colaboradora Carla Borré, da Cooperativa Sicredi Norte/MT, em Guarantã do Norte, no interior do Mato Grosso, que criou um grupo de mulheres para troca de experiências e ideias, estimulando a participação da mulher nos negócios; e o “Programa Líder Jovem”, da colaboradora Micheli Thiesen, da Cooperativa Sicredi Alto Uruguai RS/SC/MG, com sede em Rodeio Bonito, no Rio Grande do Sul, uma iniciativa para abordar temas como educação financeira e empreendedorismo com jovens entre 15 e 17 anos.

 

Tecnologia - Nas discussões sobre tecnologia, a instituição financeira cooperativa expôs sua evolução no atendimento aos colaboradores com o case do Theo, atendente de inteligência artificial cognitiva, apresentado pelo superintendente de Operações de Produtos do Sicredi, Felipe Sessin. Em um jantar promovido pelo Sicredi para comitivas brasileiras, o líder de produtos da HP, Vinícius David, discutiu a quarta revolução industrial e seu impacto nos negócios. Representantes da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) e do Fundo Garantidor das Cooperativas de Crédito (FGCoop), assim como o CEO do Woccu, Brian Branch, o presidente do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito, Steven Stapp, e a palestrante Pippa Malmgren estiveram presentes, além de integrantes de outros sistemas brasileiros do segmento.

 

OCB - Outro momento importante da Conferência Mundial do Woccu foi a entrega do Distinguished Service Award (DSA) à Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) por indicação do Sicredi. O DSA é a maior honraria destinada pelo movimento do cooperativismo de crédito mundial a indivíduos e instituições e foi concedido em reconhecimento aos serviços prestados pela OCB em prol da disseminação do segmento no Brasil e fora dele.

 

Apoio - As inscrições da delegação do Sicredi na Conferência Mundial do Woccu contaram com o apoio do Sescoop.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2019/noticias/08/07/sicredi/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS I: Eventos dos Comitês de Jovens e de Mulheres são realizados em São Paulo

 

No dia 30 de julho, ocorreu o 2º Summit do Comitê Mulher e, no dia 31 de julho, o 2º Summit do Comitê Jovem da Sicredi Fronteiras no estado de São Paulo. Os eventos reuniram, no Hotel Ibis, em Jundiaí, jovens e mulheres, que debateram como aumentar o engajamento do seu público ao cooperativismo, fortalecendo assim a base de associados e valorizando o trabalho local.

 

Atividades - Após serem recepcionados com um delicioso café da manhã, os integrantes dos Comitês foram direcionados ao auditório, onde iniciaram os seus dias repletos de atividades e dinâmicas. As programações do Summit Comitê Jovem e do Comitê Mulher contaram com as mesmas dinâmicas.

 

Crescer - Na parte da manhã, com início às 09h, os presentes participaram do Programa Crescer, que visa promover a compreensão sobre o funcionamento das sociedades cooperativas. Neste momento, eles puderam entender com mais clareza quais são os diferenciais competitivos do Sicredi e seus projetos em andamento na área de desenvolvimento do cooperativismo. Todos eles receberam um certificado de participação no programa. 

 

Dinâmicas - No período da tarde, várias dinâmicas voltadas ao cooperativismo foram realizadas. Uma delas foi a confecção de um plano de ações para cada respectivo Comitê.  Cada grupo foi desafiado a apresentar ideias de cunho social que vá beneficiar a comunidade e o crescimento coletivo.

 

Crescimento - Conforme Adriana C. Barros Mees, a cooperativa está crescendo e por isso, necessita crescer com tecnologia, contando com mentes inovadoras, construtivas e os jovens, com essa visão mais ampla, poderão ajudar. “É curioso perceber como os jovens buscam apoiar as empresas que tem trabalho no âmbito social. Eles têm essa simpatia. Interesse pela sustentabilidade, diversidade e em como a empresa se posiciona em relação às diferentes questões da atualidade”, ressalta Adriana. 

 

Disparidade - Já o presidente da Sicredi Fronteiras PR/SC/SP, José César Wunsch, chama a atenção para a disparidade entre o número de homens e mulheres inseridos na cooperativa e afirma que o objetivo é que se atinja a igualdade.  "Quando nós olhamos a base da Sicredi, nosso quadro social, que são de quase 63 mil cooperados, 38% são mulheres. O desafio é ampliar esse número, sabemos que muitas mulheres desenvolvem suas atividades seja no meio urbano ou no meio rural e nós queremos também ouvir essas mulheres e suas expectativas do modelo cooperativo". 

 

Próximas edições - As próximas edições do Summit do Comitê Jovem e do Comitê Mulher estão marcadas para outubro deste ano.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SP/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2019/noticias/08/07/sicredi_fronteiras_I/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS II: Cooperativa comemora os 28 anos de sua primeira agência em Capanema

 

sicredi fronteiras II 07 08 2019No último dia 31 de julho, a agência de Capanema, no Sudoeste do Paraná, completou 28 anos. Esta foi a primeira agência integrante da cooperativa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP. A semente foi lançada em 1990, quando um grupo de agricultores e lideranças do agronegócio apresentaram interesse em proporcionar o crescimento da comunidade através do associativismo. 

 

Atividades - Depois de muitas etapas e conversas, a cooperativa iniciou suas atividades no dia 31 de julho de 1991, com o nome de Credesul. Desde a fundação da Credesul, todos os colaboradores se concentraram no mesmo no mesmo objetivo: mostrar para as pessoas que dá pra cuidar do dinheiro de um jeito diferente e descomplicado. 

 

Transformação – Segundo a diretoria, hoje a cooperativa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP é muito mais que uma instituição financeira, ela tornou-se uma organização que participa da vida dos cooperados, buscando, em cada atividade, transformar vidas. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

SICOOB OURO VERDE: Evento reúne mais de 100 empresários contábeis e prestadores de serviços de Londrina e região

 

O Sicoob Ouro Verde foi um dos apoiadores da 5ª edição do “Fórum de Gestão e Responsabilidade Social”, promovido pelo Sescap-Ldr. O encontro, que aconteceu no dia 23 de julho no Hotel Blue Tree Premium, em Londrina (PR), reuniu mais de 100 empresários contábeis, administradores, prestadores de serviços e gestores de Londrina e região.

 

Especialistas - Na programação, palestras com especialistas do setor, que abordaram algumas das metodologias e tecnologias da área contábil que proporcionam uma visão mais abrangente e apurada na gestão das empresas.

 

Fenacon - Durante o fórum, o presidente do Sescap-Ldr e integrante do Conselho Fiscal do Sicoob Ouro Verde, Marcelo Odetto Esquiante, acompanhado da diretoria, recebeu o presidente da Fenacon, Sérgio Approbato Machado Júnior e o presidente do Instituto Fenacon, Márcio Shimomoto durante o Fórum.

 

Prospecção - Representada pelos gerentes de Negócios, Wilson Hilário e Elton David Silva, durante o evento a cooperativa teve a oportunidade de realizar a prospecção de novos negócios a partir dos produtos e serviços oferecidos com condições exclusivas para os associados do sindicato, como Seguro de Responsabilidade Civil Profissional, Seguro de Vida, Cobrança Registrada Fácil, entre outros.

 

Melhores resultados - “Contratando os produtos e serviços desenhados para o público em questão, os profissionais poderão dedicar todo seu tempo para o exercício de sua atividade, seguros que física ou juridicamente estão cobertos e utilizando de taxas e condições que asseguram a seu negócio os melhores resultados financeiros”, explica o gerente Wilson Hilário. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/08/07/sicoob_ouro_verde/{/vsig}

UNIMED LONDRINA: Enfermeira e influencer digital participam de bate-papo sobre aleitamento materno

 

unimed londrina 07 08 2019A Unimed Londrina realiza, nesta quarta-feira (07/08), em Londrina (PR), um bate-papo sobre aleitamento materno, com a mediação da enfermeira Lylian Dalete e a presença da fotógrafa e influencer digital Leticia Padilha. O evento integra as ações do Calendário da Saúde 2019, iniciativa da operadora de planos de saúde que discute mensalmente assuntos de saúde e bem-estar e, que neste mês de agosto, traz o tema Amamentação.

 

Participação - O encontro terá a participação de clientes, funcionários e médicas cooperadas da Unimed Londrina e vai abrir espaço para a enfermeira fazer orientações e esclarecer dúvidas sobre o assunto. Durante a conversa, Letícia Padilha, que recentemente deu à luz a pequena Lola Padilha, vai dividir com as participantes suas experiências sobre amamentação.

 

Estímulo - Outra atividade programada para o bate-papo é o estímulo às participantes para que elas doem vidros de leite para o Banco de Leite do HU (Hospital Universitário de Londrina).

 

Horário e local - O bate-papo sobre aleitamento materno será realizado a partir das 16h, no 5º andar da sede administrativa da Unimed Londrina (av. Ayrton Senna da Silva, 1.065), com término previsto para às 18h. (Imprensa Unimed Londrina)

PREVIDÊNCIA: Câmara aprova texto-base da reforma da Previdência em 2º turno por 370 votos a 124

 

previdencia 07 08 2019O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou em segundo turno, no início da madrugada desta quarta-feira (07/08), o texto-base da reforma da Previdência (PEC 6/19). Foram 370 votos favoráveis e 124 contrários.

 

Destaques - Os deputados precisam votar ainda os destaques apresentados ao texto, em sessões na manhã desta quarta-feira. No primeiro turno, foram 379 votos a 131. Na regra geral, o texto estabelece idade mínima para aposentadoria: 62 anos para mulheres e 65 para os homens. O tempo de contribuição necessário é de 15 anos, mas para receber um benefício maior o trabalhador precisará contribuir por mais tempo – com 40 anos de recolhimento, ficará com o total da média de todos os salários de contribuição.

 

Alíquotas - A proposta também aumenta alíquotas previdenciárias. Esses dispositivos foram preservados na votação desta quarta.

 

Análise - A análise do texto, iniciada na noite desta terça-feira (06/08), foi encerrada na madrugada de quarta após obstrução de partidos contrários. O líder da Oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), destacou que a proposta “ainda tem muitas crueldades” e ressaltou que os destaques tentarão mudar alguns pontos na votação em segundo turno.

 

Aperfeiçoada - Para o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), a proposta foi aperfeiçoada pela Câmara e vai ser o pontapé para o crescimento do País. “A proposta equilibra as contas públicas e dá novo salto para o ajuste fiscal”, afirmou.

 

Pontos pendentes - Confira os pontos pendentes de votação:

- destaque do PT pretende manter o cálculo atual das aposentadorias pela média dos 80% maiores salários de contribuição, em vez da proposta, que determina a média de todos os salários de contribuição;

- destaque do Novo quer excluir a transição para servidores públicos e segurados do INSS na qual se exige “pedágio” de 100% do tempo de contribuição que faltar para cumprir esse requisito;

- destaque do PDT pretende excluir a exigência desse “pedágio”, mantendo apenas os requisitos de idade e tempo de contribuição;

- destaque do PT permite contar o mês de contribuição mesmo que o recolhimento feito pelo segurado seja sobre valor inferior ao salário mínimo;

- destaque do PCdoB pretende excluir dispositivo que permite o pagamento de pensão por morte de valor inferior a um salário mínimo se o beneficiário receber outra renda formal;

- destaque do PSB propõe excluir o aumento de pontos exigidos do trabalhador sujeito a agentes nocivos (químicos, biológicos e físicos) na regra de transição. Esses pontos são a soma de idade e tempo de contribuição;

- destaque do Psol quer manter a regra atual de pagamento do abono do PIS/Pasep para quem recebe até dois salários mínimos. A PEC propõe pagar esse abono a quem recebe até um salário;

- destaque do PT quer excluir da PEC regra que restringe o recebimento do Benefício de Prestação Continuada (BPC) a pessoa idosa ou com deficiência de família com renda mensal per capita inferior a um ¼ do salário mínimo.

 

Acusações - Os debates em Plenário também foram marcados por acusações de que o governo conseguiu votar a matéria apenas depois de enviar ao Congresso Nacional projeto com recursos da ordem de R$ 3 bilhões para liberação de emendas orçamentárias que teriam sido prometidas em troca da votação da reforma.

 

Questionamento - “Uma emenda parlamentar acaba rapidamente, mas a desgraça na vida dos trabalhadores fica, a desgraça na vida das viúvas fica. Como é que nós podemos defender uma proposta em que as viúvas perdem mais de 40% daquilo a que teriam direito?”, questionou a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC). Para o deputado Marcelo Nilo (PSB-BA), essa situação “é o toma lá, dá cá mais vergonhoso da história do Brasil”.

 

Garantia - Já o deputado Silas Câmara (PRB-AM) defendeu o texto da PEC e destacou que o governo editou uma portaria para que as viúvas não sejam prejudicadas. “Está garantido o salário mínimo de pensão desde que não haja uma renda formal. O governo foi além e determinou que também não será considerada renda menor do que o salário mínimo. Uma viúva que, por trabalho intermitente, ganhe R$ 600 terá garantido o mínimo na pensão”, afirmou.

 

Contestação - Já a líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), contestou. “Essa portaria sobre pensão por morte não resolve o problema das mulheres brasileiras, das pensionistas brasileiras. É bom que a bancada feminina, que os evangélicos, que todos ouçam isso. A portaria não resolve a questão que está garantida hoje na Constituição”, afirmou.

 

Pontos inalterados - Como o prazo para apresentação de destaques já se encerrou, vários pontos sobre os quais não houve proposta de exclusão permanecem no texto que será enviado ao Senado quanto a votação for concluída.

 

Aprovados - Confira alguns desses pontos já aprovados no texto-base do segundo turno:

- volta da alíquota de 20% da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para os bancos. Essa alíquota estava vigente até dezembro de 2018, quando passou a ser de 15%;

- alíquotas escalonadas da contribuição do segurado do INSS e do servidor público (ativo, aposentado e pensionista);

- regras de transição por pontos (idade + tempo de contribuição), de “pedágio” de 50% do tempo que faltar para se aposentar na data de publicação da reforma (INSS), de idade (INSS) e de tempo de contribuição (INSS);

- regras para detentores de mandato eletivo;

- todos os artigos que desconstitucionalizam regras sobre Previdência Social, remetendo novas alterações a leis;

- regras sobre fundo complementar de servidores públicos;

- regras de transição sobre policiais, agentes penitenciários e socioeducativos federais;

- cobrança de Previdência sobre indenização recebida por anistiados políticos; e

- regras sobre acumulação de pensões por morte.

(Agência Câmara)

TRIBUTÁRIA: Governo elabora proposta para reforma, diz porta-voz

tributaria 07 08 2019“A equipe econômica está ultimando uma proposta integrada com as existentes na Câmara [dos Deputados] e no Senado [Federal]”. A informação é do porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, durante briefing para a imprensa no fim da tarde desta terça-feira (06/08), no Palácio do Planalto.

 

Aceleração econômica - De acordo com Rêgo Barros, a reforma tributária, junto com a desburocratização da liberdade econômica, é o “próximo passo da aceleração econômica”, após a aprovação da reforma da Previdência Social, que poderá ser votada ainda nesta semana em segundo turno no plenário da Câmara.

 

Votação - "O presidente [Jair] Bolsonaro e o ministro [da Economia] Paulo Guedes aguardam a votação na Câmara com grande expectativa e esperam que a proposta seja enviada o quanto antes para o Senado”, disse o porta-voz.

 

Percepção - A percepção do Ministério da Economia é que, “em função da votação expressiva no primeiro turno (...), o país entendeu a necessidade de fazer uma reforma expressiva, mudanças necessárias para que a economia entre de vez em um ciclo de investimento econômico sustentável para as futuras gerações de brasileiros”, acrescentou Rêgo Barros.

 

Agronegócio e guerra comercial - O porta-voz da Presidência mencionou a insatisfação da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, quanto às críticas da imprensa à atividade agropecuária. Citando pronunciamento da ministra, o porta-voz salientou: “Precisamos estar falando todos na mesma direção. É inadmissível que o agronegócio brasileiro tenha tido nessa última semana um bombardeio pela mídia nacional, colocando o alimento produzido no Brasil como inseguro, o que não é verdade. Quero dizer a vocês que eu tenho convicção de que nós estamos fazendo o melhor para o nosso país."

 

Novos desafios - Tereza Cristina participou na segunda-feira (05/08), em São Paulo, do Congresso Brasileiro do Agronegócio. Durante o evento, a ministra ressaltou que “a agricultura deverá responder a novos desafios. Estima-se que em 2050 sete em cada dez pessoas viveão nas cidades tornando mais rarefeita a população rural. Portanto, máquinas e equipamentos serão imprescindíveis para garantia da segurança alimentar no futuro”, disse.

 

Guerra tarifária - Na ocasião, Tereza Cristina também tratou da guerra tarifária e comercial entre os Estados Unidos e a China. Em sua opinião, “o Brasil não tem que entrar nessa briga. O Brasil tem produtos para serem vendidos para os dois mercados, é uma briga entre eles. Eles que se resolvam. O Brasil vai ver o melhor caminho para continuar a abertura de mercado em todos os países que quiserem comprar do Brasil, e nós também temos que ir lá vender o nosso peixe.” (Agência Brasil)

 

ECONOMIA I: Investimento cresce no 2º tri e sinaliza 'algum alento', diz Ipea

 

economia I 07 08 2019A formação bruta de capital fixo (FBCF), medida dos investimentos em máquinas, construção civil e pesquisas, voltou ao campo positivo no segundo trimestre, ao crescer 2,3% em relação aos três primeiros meses do ano, segundo indicador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

 

Interrupção - Se confirmado no fim deste mês, quando o IBGE divulga os dados do PIB do período, o resultado vai interromper uma sequência de dois trimestres de queda do investimento, que recuou no quarto trimestre do ano passado (-2,4%) e no primeiro deste ano (-1,7%).

 

Alento - "Com a reforma da Previdência caminhando para aprovação, o resultado confere algum alento para os próximos meses. Se o IBGE divulgar algo próximo de 2% para o investimento, isso colocará um viés de alta para o restante do ano, a não ser que o cenário internacional atrapalhe", disse Leonardo Mello de Carvalho, pesquisador do Ipea.

 

Surpresa - A leitura do mês surpreendeu o próprio Ipea. No relatório "Visão Geral da Conjuntura", divulgado em junho, o instituto esperava um desempenho mais modesto dos investimentos no segundo trimestre, com avanço de 0,9%, ou seja, menos da metade do apontado pelo indicador divulgado nesta terça-feira (06/08).

 

Máquinas e equipamentos - O resultado positivo do indicador refletiu o melhor consumo aparente de máquinas e equipamentos. Esse componente teve alta de 5,9% no trimestre, movimento explicado pelo avanço de segmentos tão diversos quanto bens de capital para fins industriais (7,7%), para construção (3,5%) e de equipamentos de transportes (7,2%).

 

Mensagem mais positiva - "A disseminação foi uma mensagem mais positiva em termos de tendência. Dá um cenário de trajetória mais positiva para o segundo semestre. Pode ser algo que indique o início de uma aceleração da recuperação cíclica, que até aqui foi frustrante", disse Carvalho.

 

Construção civil - A construção civil também voltou a crescer, com alta de 0,6% no segundo trimestre, com ajuste sazonal. Esse avanço foi explicado pelo aumento da construção civil residencial e pelas vendas de material de construção para pequenas obras. "A infraestrutura tem potencial para contribuir, mais isso ainda não aconteceu", acrescentou.

 

Avanço - Frente ao segundo trimestre de 2018, o Ipea mediu um crescimento de 5,3% dos investimentos. Nesse caso, o indicador é influenciado pela baixa base de comparação - maio do ano passado foi marcado pela greve dos caminhoneiros, o que produziu um choque na economia. Em junho, o indicador avançou 0,7% em relação a maio. A alta em 12 meses é de 4,3%. (Valor Econômico)

ECONOMIA II: Poupança tem retirada de R$ 1,6 bi, a maior para julho desde 2015

 

economia II 07 08 2019Os saques da poupança superaram os depósitos em julho. A retirada líquida chegou a R$ 1,605 bilhão, informou nesta terça-feira (06/08) o Banco Central (BC). Esse foi o primeiro resultado negativo para meses de julho desde 2016 (R$ 1,115 bilhão) e a maior retirada líquida para o mês desde 2015 (R$ 2,453 bilhões).

 

Aplicação x retirada - No mês passado, foram aplicados R$ 213,004 bilhões, contra a retirada de R$ 214,609 bilhões. Os rendimentos creditados nas contas de poupança somaram R$ 3,020 bilhões. O saldo da poupança nos bancos ficou em R$ 802,063 bilhões.

 

Acumulado - No acumulado de sete meses do ano, a poupança apresenta retirada líquida de R$ 16,104 bilhões. Em 2019, apenas nos meses de março (R$ 1,852 bilhão) e junho (R$ 2,497 bilhões) houve captação líquida, com mais depósitos do que saques.

 

Rendimento - Pela legislação em vigor, o rendimento da poupança é calculado pela soma da Taxa Referencial (TR), definida pelo BC, mais 0,5% ao mês, sempre quando a taxa básica de juros, a Selic, está acima de 8,5% ao ano. Quando a Selic é igual ou inferior a 8,5% ao ano, como ocorre atualmente, a remuneração da poupança passa a ser a soma da TR com 70% da Selic. Atualmente a Selic está em seu menor nível histórico: 6% ao ano. (Agência Brasil)

INDÚSTRIA: Produção cai em dez locais pesquisados pelo IBGE em junho

industria 07 08 2019A produção industrial recuou em dez dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na passagem de maio para junho. Segundo a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, divulgada nesta quarta-feira (07/08), os recuos mais acentuados foram observados nos estados do Rio de Janeiro (-5,9%), em Pernambuco (-3,9%) e na Bahia (-3,4%).

Outros estados - Também tiveram quedas os estados do Paraná (-2,3%), São Paulo (-2,2%), Santa Catarina (-1,2%), Ceará (-0,9%), Minas Gerais (-0,9%) e Mato Grosso (-0,6%), além da Região Nordeste (-1,2%), que é a única região pesquisada de forma conjunta.

Alta - Por outro lado, cinco estados tiveram alta, com destaque para o Pará (4,9%). As demais taxas positivas foram registradas por Rio Grande do Sul (2%), Amazonas (1,8%), Espírito Santo (1%) e Goiás (0,1%).

Comparação - Na comparação com junho de 2018, onze dos 15 locais pesquisados tiveram queda. Os maiores recuos foram observados no Mato Grosso (-13,6%), Espírito Santo (-13,2%) e em Minas Gerais (-12%). Apenas quatro estados tiveram alta: Amazonas (5,4%), Rio Grande do Sul (3,5%), Pará (2,7%) e Ceará (0,7%).

Acumulado do ano - No acumulado do ano, nove locais tiveram recuo na produção industrial, sendo o maior deles registrado no Espírito Santo (-12%). Seis estados tiveram alta, com destaque para Rio Grande do Sul (8,0%) e Paraná (7,8%).

Últimos 12 meses - No acumulado nos últimos 12 meses, perdas também foram registradas em nove locais, com destaque para o Espírito Santo (-4,5%). Dos seis locais em alta, a maior delas foi observada no Rio Grande do Sul (9,4%). (Agência Brasil)

 

VAREJO: Comércio cresce 0,1% em junho; acumulado no ano é 0,6%

varejo 07 08 2019O volume de vendas do comércio varejista brasileiro teve leve alta de 0,1% na passagem de maio para junho deste ano. A variação positiva de junho veio depois da estabilidade de maio e da queda de 0,4% em abril. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quarta-feira (07/08) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Acumulado - No acumulado do ano, o crescimento do setor é de 0,6%. Já no acumulado de 12 meses, a alta é de 1,1%. Por outro lado, o varejo teve quedas de 0,1% na média móvel trimestral e de 0,3% na comparação com junho do ano passado.

Alta - Na passagem de maio para junho, três dos oito setores pesquisados tiveram alta: tecidos, vestuário e calçados (1,5%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,3%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,1%).

Estável - A atividade de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo manteve-se estável. Quatro segmentos tiveram queda: combustíveis e lubrificantes (-1,4%), móveis e eletrodomésticos (-1%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,4%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-0,8%).

Ampliado - O varejo ampliado, que também analisa os segmentos de materiais de construção e de veículos e peças, manteve-se estável no volume de vendas na passagem de maio para junho. Os veículos, motos, partes e peças cresceram 3,6%, enquanto os materiais de construção recuaram 1,2%.

Demais tipos - Nos demais tipos de comparação temporal, no entanto, o varejo ampliado teve crescimento: média móvel trimestral (0,2%), comparação com junho de 2018 (1,7%), acumulado do ano (3,2%) e acumulado de 12 meses (3,7%).

Receita nominal - A receita nominal do comércio varejista caiu 0,3% na comparação com maio, mas cresceu 0,1% na média móvel trimestral, 2,3% em relação a junho de 2018, 4,6% no acumulado do ano e 5,1% no acumulado de 12 meses.

Avanço - Já a receita nominal do varejo ampliado cresceu em todas as comparações: com maio (0,2%), com junho do ano passado (3,8%), na média móvel trimestral (0,6%), no acumulado do ano (6,3%) e no acumulado de 12 meses (6,8%). (Agência Brasil)

 

COMBUSTÍVEL: ANP aprova aumento do percentual de adição de biodiesel ao óleo diesel

 

combustivel 07 08 2019A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta terça-feira (07/08) o aumento da mistura do biodiesel de 10% para 11% no óleo diesel, a partir de 1º de setembro, após novos testes mostrarem-se satisfatórios a partir de estudos feitos pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT).

 

Percentual - O despacho da ANP fixa o percentual de adição de até 15%, em volume, de biodiesel ao óleo diesel vendido ao consumidor final, devendo o percentual mínimo obedecer ao cronograma previsto na Resolução CNPE nº 16, de 2018. Com essa medida, a partir de 1° de setembro, o percentual mínimo de biodiesel a ser acrescido ao óleo diesel comercializado no país passará dos atuais 10% para 11%.   

 

Desfecho - De acordo com nota divulgada pela ANP, a mesma medida configura o desfecho de providências definidas em reunião ocorrida no fim de abril deste ano no Ministério de Minas e Energia (MME), que abrange a publicação da Resolução ANP nº 798, de 1º de agosto deste ano, elevando o valor da estabilidade oxidativa do biodiesel de 8 para 12 horas e “tornando obrigatório o uso de aditivo antioxidante na produção desse biocombustível, bem como a edição de relatório, pelo MME, dando por satisfatórios os testes e ensaios para validação da utilização de biodiesel B15 em motores e veículos a partir de resultados de estudos realizados pelo Instituto Nacional de Tecnologia”. 

 

Edital - Com a elevação, de 10% para 11%, do teor de biodiesel na mistura com o diesel mineral, a ANP procederá às devidas alterações no Edital do 68º Leilão de Biodiesel, adiando sua realização para o dia 12 deste mês.

 

Óleo de soja - Atualmente, cerca de 80% do biodiesel no Brasil é produzido a partir do óleo de soja. A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) luta há muito tempo por uma maior adição de biodiesel no diesel. “O biodiesel é parte fundamental das metas previstas na política RenovaBio e o aumento da mistura no diesel comum está alinhado com a tendência mundial de redução na emissão de gases de efeito estufa”. (Agência Brasil)

INFRAESTRUTURA I: Paraná ganha 10 novas rotas de voos espalhadas pelo Estado

 

O governador Carlos Massa Ratinho Junior apresenta nesta quarta-feira (07/08) no Aeroporto do Bacacheri, em Curitiba, um grande pacote de estímulo ao turismo e ao desenvolvimento econômico: o Programa Voe Paraná, que em uma primeira fase totalizará dez novas rotas de voos domésticos.

 

Adesão - Além da Azul, que já opera voos regionais em outras oito cidades, o Programa Voe Paraná receberá a adesão da companhia aérea Gol com a empresa de táxi aéreo Two Flex.

 

Municípios - Neste primeiro momento, os municípios beneficiados serão Paranaguá, Arapongas, Campo Mourão, Francisco Beltrão, Paranavaí, Cianorte, Telêmaco Borba, Cornélio Procópio, União da Vitória e Guaíra. “O Paraná confirma a vocação de ser um acelerador do desenvolvimento, integrando municípios e fortalecendo a economia. São linhas aéreas que passam a estimular novos investimentos no setor produtivo, abrem a possibilidade de mais empresas virem para o Estado e fomentam o turismo”, destaca o governador.

 

Segunda fase - Ratinho Junior informou ainda que outras cidades do Estado deverão encorpar o programa nos próximos meses, desde que haja liberação por parte da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e também escala de demanda. “Precisamos fortalecer os aeroportos e voos regionais. Estamos trabalhando para aumentar a malha viária logo em seguida e negociando com outras companhias aéreas interessadas em operar dentro da nossa malha regional”, afirma.

 

Gol - Os deslocamentos em parceria com a Gol serão feitos por aeronaves Cessna Grand Caravan de até 9 lugares, com média de três a quatro voos semanais. Curitiba será o principal destino, mas há também rotas interligando cidades do Interior.

 

Malha - Aos novos voos somam-se às linhas aéreas operadas pela Azul, o que consolida a malha aeroviária do Paraná como uma das maiores do País. A Azul já possui voos regulares ligando Curitiba a Toledo, Pato Branco, Ponta Grossa, Maringá, Cascavel, Londrina e Foz do Iguaçu.

 

Turismo - Ratinho Junior afirmou ainda que, além de atrair novas empresas geradoras de emprego e renda, o Voe Paraná passa a estimular o desenvolvimento econômico também por meio do incentivo ao turismo, criando um ambiente moderno e trazendo facilidades para receber os visitantes. “Trabalhamos para incentivar os paranaenses a viajarem pelo Estado e para trazer pessoas do mundo todo para conhecer os pontos turísticos de todas as regiões do nosso Estado. O Paraná conta com 213 destinos turísticos e mais de 2.400 atrativos”, diz.

 

Ampliação - Além da regionalização, o Programa Voe Paraná prevê a ampliação da malha nacional e a internacionalização destino/origem, com conexões nas cidades paranaenses. (Agência de Notícias do Paraná)

 

{vsig}2019/noticias/08/07/infraestrutura_I/{/vsig}

INFRAESTRUTURA II: Aeroporto de Foz terá nova pista antes da concessão

 

infraestrutura II 07 08 2019O governador Carlos Massa Ratinho Junior e o secretário nacional de Aviação Civil, Ronei Glanzmann, anunciaram nesta terça-feira (06/08), em Brasília, que a ampliação da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu (Cataratas) será feita antes da concessão para a iniciativa privada.

 

Voos internacionais - A obra de 600 metros permitirá receber voos internacionais e deverá custar cerca de R$ 70 milhões. Os recursos serão disponibilizados pela Infraero.

 

Segundo maior destino - Foz do Iguaçu é o segundo maior destino turístico de estrangeiros do Brasil, atrás apenas do Rio de Janeiro, e a ampliação permitirá encurtar o caminho de melhorias no aeroporto e potencializar o turismo da região, vital para o Estado. Estudos da Secretaria de Turismo do município indicam que a nova pista pode aumentar em até cinco vezes a movimentação de pessoas na cidade.

 

Necessidade - “Não é aceitável que o nosso cartão-postal não tenha um aeroporto com voos internacionais. Desde janeiro estamos batendo nessa tecla da ampliação da pista antes mesmo da concessão, que vai acontecer no final de 2021. Até a empresa vencedora assumir, e implementar a nova pista, teríamos 2025 e cinco ou sete anos a menos de proveito de turismo”, explicou o governador Ratinho Junior. “Dessa maneira conseguimos convencer a Infraero e a Secretaria de Aviação Civil da necessidade de antecipar a construção da nova pista”.

 

Licenças e readequações - A Infraero vai se debruçar sobre as licenças e readequações nos próximos seis meses para acelerar a licitação e até dezembro de 2020 ou no primeiro trimestre de 2021 a nova pista poderá ser inaugurada. O aeroporto também subirá de categoria para a concessão e valerá mais de R$ 1 bilhão, além de receber novos equipamentos.

 

Novas rotas - Segundo o secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, essa ampliação permitirá a abertura de novas rotas no continente. “É uma notícia importante não só para Foz do Iguaçu, mas para o Paraná e o Brasil. Essa conquista da ampliação é fundamental para elevar as nossas Cataratas como principal destino de estrangeiros no País”, destacou.

 

Privatização - O Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu será privatizado no pacote de concessões do Governo Federal que engloba os aeroportos de Curitiba (Bacacheri), São José dos Pinhais (Afonso Pena) e Londrina. O bloco sul envolve ainda as concessões de dois aeroportos em Santa Catarina e três no Rio Grande do Sul. (Agência de Notícias do Paraná)


Versão para impressão


RODAPE