Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4634 | 06 de Agosto de 2019

RAMO AGRO: Cooperativas e Corpo de Bombeiros buscam entendimento sobre legislação

 

Profissionais do Sistema Ocepar e representantes das cooperativas Frísia, Copagril, Coamo, Cocari, C.Vale, Lar, Cotriguaçu e Integrada estão participando, nesta terça-feira (06/08), de uma reunião com o Corpo de Bombeiros, na sede da Ocepar, em Curitiba. A ideia é chegar a um entendimento sobre diversas regras às quais as atividades das cooperativas agropecuárias estão submetidas. As atividades tiveram início com a presença do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e do superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti.

 

Instrutores - O evento conta com a participação do Tenente Coronel Donatti, do Major Emanuel, do Capitão Zarpelon, do Tenente Zanella e da Tenente Lianna. Segundo o Tenente Coronel Donatti, o encontro com o setor cooperativista é importante para prestar esclarecimentos sobre as mudanças ocorridas na forma de atuação da entidade, advindas da aprovação da Lei 19.449, que trata sobre o poder de polícia administrativa do Corpo de Bombeiros. “Desde o evento ocorrido em 5 de abril de 2018, estamos procurando nos reunir com todas as instituições para debater as alterações e a nova forma de atuação do Corpo de Bombeiros na área de prevenção, explicando que a questão da segurança permanece como sempre foi no Estado do Paraná. Porém, a nova lei deu uma oportunidade para o Corpo de Bombeiros, dentro da linha que está sendo adotada pelo Governo do Estado, de desburocratizar os processos, de forma que a sociedade consiga desenvolver as atividades econômicas de uma maneira mais ágil”, afirmou.

 

Receptividade - Ainda de acordo com o Tenente Coronel, a receptividade tem sido boa em relação às alterações. “Ainda é tudo muito novo, mas as pessoas estão percebendo que a situação melhorou. O Corpo de Bombeiros está mais acessível. Temos contato direto com as cooperativas, não só com elas, mas com toda a sociedade, todas as instituições, e vamos continuar assim. Entendemos que essa nova forma de atuação tem que ter um tempo de maturação. Pode demorar um ano, dois anos, talvez três anos para que toda a sociedade esteja 100% adequada às mudanças. Mas temos plena certeza de que as alterações foram muito boas”, acrescentou.

 

NPT 27 - O encontro na Ocepar discute ainda a Norma de Procedimento Técnico (NPT) 27, que estabelece as medidas de segurança para a proteção contra incêndios e explosões em unidades de armazenamento e/ou beneficiamento de produtos agrícolas e insumos. “Quando a NPT 27 foi revista, houve a participação das pessoas que atuam nas cooperativas. Foi uma norma construída em conjunto. Neste evento, estamos procurando trazer as alterações ocorridas nela e alguns participantes do evento já apontaram as sugestões feitas pelas cooperativas. Então, o Corpo de Bombeiros entendeu que elas eram adequadas, se enquadravam dentro do que procuramos com relação à segurança e foram efetivamente normatizadas”, comentou o Tenente Coronel Donatti.

 

Mais normas - Também faz parte da programação discutir as Normas de Procedimento de Auditoria (NPA) de números 001, sobre processos de vistoria, licenciamento, fiscalização e recursos, e a NPA 004, que estabelece o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta.

 

{vsig}2019/noticias/08/06/evento/{/vsig}

FORMAÇÃO: Evento vai discutir o processo administrativo fiscal do Estado do Paraná

 

O Sistema Ocepar, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), vai reunir profissionais das cooperativas do Paraná que atuam nas áreas contábil, tributária e jurídica, com o propósito de fazer a sistematização do processo administrativo fiscal no âmbito do Estado do Paraná, para facilitar o estudo e o entendimento sobre o tema. Será no dia 29 de agosto, na sede da entidade, em Curitiba, das 8h às 17h30. O evento terá como instrutor o coordenador jurídico da Ocepar, Rogério dos Santos Croscato.

 

Temas - No evento serão abordados os seguintes temas: Princípios que regem o direito administrativo tributário; Normas gerais do processo administrativo fiscal, previstas na Lei n.º 18.877/2016; Código de Direito dos Contribuinte (Lei Complementar n.º 107/2005); Defesa Prévia (Norma de Procedimento Fiscal n.º 019/2007) e Infrações fiscais (Lei n.º 11.580/1996).

 

Inscrições - As inscrições deverão ser efetuadas pelo e-mail:esdras.silva@sistemaocepar.coop.br.

 

formacao 06 08 2019

ABAG: Congresso debate o momento decisivo do setor agropecuário

 

abag 06 08 2019Representantes do cooperativismo participaram, nesta segunda-feira (05/08), das discussões acerca do momento atual do agronegócio brasileiro, durante a edição 2019 do Congresso Brasileiro do Agronegócio, promovido pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e B3 – Brasil, Bolsa, Balcão, em São Paulo.

 

Presenças - O evento contou com a presençaa do superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, dos presidentes José Roberto Ricken (Sistema Ocepar) e Edivaldo Del Grande (Sistema Ocesp), da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, do governador de SP, Rodrigo Garcia (em exercício) e da diretora da Abag, Mônika Bergamaschi, além de lideranças do setor e produtores rurais.

 

Palestra inaugural - A palestra inaugural foi ministrada por Jingtao Chi, presidente da COFCO Internacional, gigante chinesa do agronegócio. O tema abordado foi o mercado chinês e a produção sustentável do Brasil, que está plenamente em sintonia com a temática central do Congresso deste ano, que é Agro: Momento Decisivo.

 

Debates - A programação incluiu debates sobre a redução do Custo Brasil, sobre os mecanismos financeiros e sobre os pilares para o futuro do setor. Dentre os debatedores, estiveram grandes nomes da economia, da política, da agricultura e de empresas e consultorias de dentro e fora do país. Assuntos ligados às áreas de conectividade, gestão e sustentabilidade também permearam as discussões.   

 

Reconhecimento - Além dos debates, o Congresso ainda homenageou o Programa Educacional Agronegócios na Escola, desenvolvido pela Abag Ribeirão Preto. Em seguida, foram entregues os prêmios: Personalidade do Agronegócio Ney Bittencourt de Araújo e Norman Borlaug de Sustentabilidade a profissionais que se destacaram no agronegócio brasileiro.

 

Personalidade - No prêmio personalidade, o homenageado deste ano foi o economista José Roberto Mendonça de Barros, sócio fundador da MB Associados. Já o Prêmio Norman Borlaug foi entregue a Marcos Guimarães de Andrade Landell, pesquisador do Instituto Agronômico de Campinas.

 

O evento - O Congresso de ABAG e B3, que já se consolidou como um dos eventos mais importante do universo do agronegócio brasileiro, reuniu um público da ordem de 900 participantes entre empresários, líderes setoriais, autoridades públicas ligadas aos governos federal, estadual e municipal, diversos parlamentares, além de profissionais do agro. (OCB, com informações da Abag)

COCAMAR: Oficializada parceria inédita com a Cocal para reforma de lavouras de cana-de-açúcar

 

A Cocamar e a Usina Cocal, por meio de sua unidade de Narandiba (SP), oficializaram, na quinta-feira (01/08), uma parceria inédita no Brasil. 

 

Soja - Após conversações e estudos para a formatação de um projeto de demandou cerca de um ano, a cooperativa paranaense vai administrar a produção de soja na safra de verão 2019/20 em programa de reforma de 5,1 mil hectares de áreas de canaviais no entorno daquela companhia. 

 

Selecionados - O cultivo de soja será conduzido por 20 produtores selecionados pela cooperativa, que vai fornecer os insumos, prestar orientação técnica personalizada durante todo o ciclo da cultura e receber a safra nas suas unidades em Iepê e Cruzália (SP). 

 

Apresentação - No final da tarde de quinta-feira, dirigentes de ambas as empresas parceiras se reuniram com os 20 produtores em Narandiba, no Centro de Desenvolvimento Humano (CDH) da usina, para uma apresentação formal do projeto.

 

Desenvolvimento - O vice-presidente da cooperativa, José Cícero Aderaldo, destacou que a parceria é uma oportunidade para o aumento de plantio de soja e a expansão dos negócios da cooperativa na região e, ainda, para produtores cooperados e familiares que precisam ampliar suas áreas. “Nosso foco também, como organização cooperativista, é contribuir para o desenvolvimento regional”, disse Aderaldo, acrescentando estar confiante de que o projeto será bem-sucedido e vai crescer nos próximos anos. 

 

Sinergia - Paulo Adalberto Zanetti, diretor-superintendente do grupo Cocal, lembrou que as tratativas com a Cocamar começaram após uma visita do gerente de negócios da cooperativa, Marco Antonio de Paula. “Percebemos que havia sinergia entre as partes e avançamos para a estruturação do projeto.” Ele afirmou estar na expectativa de que a parceria seja duradoura, ressaltando que a usina, especializada no plantio de cana, preferiu confiar o cultivo de soja para quem tem expertise no assunto. Outra vantagem, segundo Zanetti, é que a Cocal, em vez de lidar com cada produtor de soja, estará tratando apenas com a Cocamar, responsável pelo arrendamento, que designou para cuidar disso o seu engenheiro agrônomo César Gesualdo, coordenador de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).  

 

Exclusivo - De acordo com Gesualdo, o engenheiro agrônomo da cooperativa, César Augusto Nardi, estará atuando exclusivamente no acompanhamento do projeto e na orientação técnica aos produtores. 

 

Meiosi - Do total de área arrendada, 4,1 mil hectares são de Meiosi (Método Interrotacional Ocorrendo Simultaneamente), que permite acelerar a adoção de novas variedades mais produtivas e modernas, resultando em aumento de produtividade. Gesualdo explica que foi efetuado o plantio de milheto em áreas de Meiosi, para proteção do solo com palha, e que será dessecado quando completar 60 dias. Os restantes 1 mil hectares vão ser cultivados com plantio direto em palha de cana. 

 

Intercalar - Segundo o diretor agrícola da Cocal, Gilson Christofoli, dentro do sistema de Meiosi é possível intercalar lavouras de interesses econômico e agronômico como a soja, reduzindo os custos de implantação do canavial e melhorando a produtividade por meio da rotação de cultura com o uso de uma leguminosa. Além disso, o sistema protege o solo contra erosão no período de renovação do canavial. 

 

Arrendatários - Os produtores arrendatários representam 7 municípios dos estados de São Paulo e do Paraná. Os irmãos Wanderlei e Waldenir Simeão Machado plantam 484 hectares na região de Assis (SP), onde são assistidos pela unidade da cooperativa em Cruzália. Eles arrendaram 217,8 hectares das terras da Cocal e se dizem animados. “É uma oportunidade que não poderíamos deixar passar”, comentou Wanderlei, mencionando que eles já têm muita experiência com arrendamento. Matheus, filho de Waldenir, ficou tão satisfeito com o arrendamento que mandou email para o agrônomo César Nardi, em que escreveu: “César, vou virar cooperado e entregar toda minha produção na Cocamar, porque nunca nenhuma cooperativa da região fez isso para os produtores e isso sim é ser cooperativa que ajuda o produtor”. 

 

Perto - Outro arrendatário é Aganmenon Paduan, de Centenário do Sul (PR), onde cultiva 309,7 hectares. “Peguei 70 alqueires [169,4 hectares] que ficam a 100km de distância de minha cidade, ou seja, é relativamente perto e vale a pena”, citou. 

 

Presenças - Representando a Cocamar, participaram da reunião, também, o superintendente de Relação com o Cooperado, Leandro Cezar Teixeira, o gerente de negócios Marco Antônio de Paula, o gerente coordenador de unidades, Luiz Augusto Pedrone, o gerente técnico Rafael Furlanetto, o gerente de cooperativismo, João Sadao, a coordenadora de comunicação e marketing, Sabrina Morello, gerentes e técnicos de unidades. (Imprensa Cocamar)

 

{vsig}2019/noticias/08/06/cocamar/{/vsig}

 

BOM JESUS: Cevada na região de Witmarsum é uma opção a mais de manejo

 

A Cooperativa Bom Jesus promove o desenvolvimento da região por meio de alternativas de renda ao produtor rural. Nos últimos quarto anos, por exemplo, a cevada vem se mostrando como uma opção de rendimento em um período mais limitado como se configura o inverno.

 

Witmarsum - Na região de Palmeira, nos Campos Gerais do Paraná, mais precisamente na Colônia Witmarsum, o cooperado Reginaldo Gomes, participante do projeto Alta Performance, está investindo, pela primeira vez, na cultura. Entre área própria e arrendada, ele possui 30 hectares com lavouras de verão e inverno. Para Gomes, “a expectativa é que a cultura dê um bom rendimento e, mesmo se chegar a empatar, sem ficar devendo, ainda assim estou preparando o meu terreno para a soja”, afirma. 

 

Nutrientes - Manter uma cultura no inverno que traga benefícios para a cultura seguinte também é um fator da escolha da cevada para o produtor. “Com isso, não se deixa o terreno parado pois, antes, eu fazia o plantio de aveia e azevém e fazia ‘bola’ (feno pré secado em bola), tirava todo nutriente do terreno e depois tinha que colocar tudo de volta, ou seja, o que eu ganhava de lucro colocava de volta no terreno. Então, não tem lucro assim”, diz o cooperado.

 

Tecnologias - Ele afirma também que já vem trabalhando com as tecnologias da Bom Jesus. Na safra de verão 2018/2019, ele usou as sementes de soja Fibra com TSI (Tratamento de Sementes Industrial). “De um ano para o outro vimos um rendimento de cinco sacas a mais e o acompanhamento da cooperativa ajudou também para o aumento de produtividade”. Com o TSI da cevada usado no campo, a “expectativa é pelas contas que estamos fazendo de colher 80 sacas por hectare, com adubo de qualidade para chegar a este nível”, ressalta o produtor.

 

Diversificação - Além do trabalho com lavouras de cereais, Gomes também tem diversificado a propriedade seguindo mais três eixos: restaurante, plantio de frutas e criação de gado. Com o restaurante, ele faz parte do roteiro turístico de Witmarsum, abrindo o comércio de quinta a domingo e feriados. No restaurante o produto, carro-chefe é um mix de suco de frutas feito de amora, morango, mirtilo e framboesa, que faz ele plantar 1500 pés de morango e ter 1 hectare de amora na propriedade. Já o mirtilo e a framboesa são trazidos de uma associação de produtores da cidade de Vacaria, no Rio Grande do Sul. Já a criação de gado serve para aproveitar o esterco curtido para adubar as culturas de morango e amora na propriedade, além de ter o gado de corte como outro eixo de renda na propriedade. Todo esse trabalho rende nove empregos diretos que beneficiam a comunidade.

 

Assistência técnica - O cooperado acrescenta que “na agricultura, a gente espera mais resultados. A assistência técnica é importante. O Charles (Branco, técnico da Bom Jesus) nos auxilia com bastante apoio, trazendo tecnologias novas e nós tentamos entrar nestas tendências para obter melhores produções”, finalizou. (Imprensa Bom Jesus)

 

{vsig}2019/noticias/08/06/bom_jesus/{/vsig}

COPAGRIL I: Representantes de cooperativa argentina são recebidos em Marechal C. Rondon

 

A Cooperativa Agroindustrial Copagril recebeu durante essa segunda-feira (05/08) a visita de uma comitiva formada por 18 conselheiros da Cooperativa Agrícola Ganadera Limitada de Ascensión, da Argentina. O grupo esteve durante todo o dia em Marechal Cândido Rondon (PR) conhecendo estruturas da loja agropecuária, Associação Atlética Cultural e supermercado Copagril e também uma propriedade rural, visando a troca de informações, levantamento de técnicas e manejos utilizados na região oeste do Paraná, para analisar o cenário das cooperativas brasileiras e usar como base em possíveis melhorias na cooperativa de que fazem parte.

 

Recepção - O grupo de argentinos foi recepcionado no início da manhã na Associação Atlética Cultural Copagril (AACC) pelo diretor vice-presidente da Copagril, Elói Darci Podkowa e também pelo encarregado do setor de Marketing, Comunicação e Cooperativismo, Júnior Paulinho Niszczak, que proferiram a respeito da cooperativa, repassando aos visitantes informações dos trabalhos desempenhados, estruturas, quadro social e funcional. 

 

Visitas - Na parte da tarde, a comitiva de argentinos visitou as estruturas da Loja Agropecuária e Supermercado I, na sede rondonense e em seguida foram à propriedade do associado Eno Pedde, onde conheceram mais sobre como é ser um associado da Copagril, as técnicas de manejo adotadas na região, além de levantarem informações referentes à assistência técnica disponibilizada pela cooperativa.

 

Viagem de capacitação - A vinda dos argentinos para a Copagril faz parte da viagem técnica de capacitação da Cooperativa Agrícola Ganadera Limitada de Ascensión, que tem sua sede em Ascensión, no noroeste da província de Buenos Aires. O grupo está passando por todo o oeste do Paraná, visitando cooperativas da cidade de Toledo, Marechal Cândido Rondon, Cascavel e Foz do Iguaçu, visando levantar informações para contribuir com os trabalhos da cooperativa argentina. (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2019/noticias/08/06/copagril/{/vsig}

COPAGRIL II: Conhecidos os vencedores da segunda etapa das Olimpíadas da ACJC

 

copagril II 06 08 2019Nem o frio da manhã de domingo (04/08) pode afugentar os atletas dos Comitês de Jovens da Copagril. As 18 equipes, entre masculino e feminino, chegaram em Novo Três Passos – em Marechal Cândido Rondon, prontas para esquentar o dia com muito esporte, interação e companheirismo, marcas das Olimpíadas da ACJC (Associação dos Comitês de Jovens da Copagril). Essa foi a segunda etapa da competição, com disputadas na modalidade de futebol suíço, mas além das melhores classificações, o divertimento ficou por conta da dedicação e entusiasmo das equipes.

 

Competições - As competições começaram ainda pela manhã, com partidas de eliminação dupla disputadas de forma intercalada entre os naipes masculinos e femininos. O almoço, servido pelo CJC Ação Jovem, anfitrião da fase, recarregou as energias dos competidores que seguiram com os jogos da tarde. Ao fim do dia foram conhecidos os melhores desta edição, confira:

1º lugar feminino: CJC Progresso sem Fronteiras;

2º lugar feminino: CJC Flor da Serra;

3º lugar feminino: CJC Juntos Venceremos.

1º lugar masculino: CJC Esperança Jovem;

2º lugar masculino: CJC Juntos Venceremos;

3º lugar masculino: CJC Força e Poder.

 

Participação - Conforme o diretor esportivo da ACJC, Alan Chapla, o destaque foi para a participação de todos os comitês, tanto no masculino como feminino, bem como a presença dos atletas, familiares e comunidade local. “É uma oportunidade da comunidade participar e conhecer algumas das ações que realizamos nos comitês”, revelou Alan.

 

Organização - A competição em Novo Três Passos, foi organizada e sediada pelo CJC Ação Jovem. A presidente do comitê, Maiara Lindner, agradeceu a presença dos comitês visitantes e em especial todos que participaram da organização e realização da etapa. “Queremos agradecer aos associados, familiares e amigos que colaboraram na organização. Acredito que conseguimos realizar o evento conforme o previsto”, reforçou. 

 

3ª etapa - A terceira etapa das Olimpíadas da ACJC está prevista para o dia 27 de novembro, quando será disputada a modalidade de futsal. (Imprensa Copagril)

SICREDI INTEGRAÇÃO: Professores participam de formação do Programa A União Faz a Vida

 

sicredi integracao 06 08 2019Um grupo de professores da rede municipal de Quitandinha (PR) participou, no dia 26 de julho, da formação continuada do Programa A União Faz a Vida (PUFV), principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi, viabilizada no município pela cooperativa Sicredi Integração PR/SC em parceria com a Secretaria de Educação.

 

Aperfeiçoamento - O encontro faz parte do processo de aperfeiçoamento de professores das escolas que participam do PUFV, com objetivo de oferecer o suporte necessário em relação a metodologia do projeto e trazendo uma reflexão sobre as práticas pedagógicas ativas. A formação também faz relação com a Base Nacional Comum. Atualmente, todas as 11 escolas municipais de Quitandinha contam com o Programa a União faz a Vida.

 

Participação - Nesse primeiro momento, participaram do encontro professores municipais do ensino Fundamental 1. Até o final do ano, os educadores da rede municipal terão o acompanhamento pedagógico individual, oportunizando a formação integral.

 

Missão - Para o presidente da Sicredi Integração PR/SC, Luiz Roberto Baggio, a iniciativa está alinhada a missão da instituição que visa contribuir para a melhoria da sociedade como um todo. “Com o programa A União Faz a Vida ajudamos a desenvolver cidadãos mais colaborativos, aliando valores como empreendedorismo e solidariedade. O sucesso do projeto só é possível graças ao envolvimento dos professores, da Secretaria de Educação e de toda a comunidade”, comenta.

 

Abrangência - Em 2018, o Sicredi como um todo levou a sua iniciativa de responsabilidade social para 369 municípios do País em colaboração com 1.879 escolas. Ao todo, o programa envolve cerca de 25 mil educadores e 284 mil crianças e adolescentes.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

SICREDI PARANAPANEMA: Primeiro sorteio da Campanha Vem Investir e Ganhar PR/SP contempla 25 associados

 

A promoção “Vem Investir e Ganhar” da Sicredi Paranapanema PR/SP, lançada em maio deste ano, revelou, na tarde de sexta-feira (02/08), os 25 associados contemplados no primeiro sorteio da campanha. Nessa primeira etapa, foi sorteado R$ 2 mil por agência, totalizando R$ 50 mil em prêmios.

 

Simultâneos - Conforme previsto no regulamento, os sorteios aconteceram simultaneamente às 14h nas 25 agências de atuação da Sicredi Paranapanema PR/SP. Estiveram presentes nas apurações, colaboradores, dirigentes, conselheiros e associados da cooperativa, e a imprensa local de cada munícipio que registrou todo o momento. Em São Sebastião da Amoreira-PR, o sorteio contou com uma transmissão ao vivo pela página da cooperativa no Facebook, onde os internautas puderam acompanhar em tempo real o evento. 

 

Incentivo - Para o presidente da cooperativa, Claudio Marcos Orsini, a campanha é uma grande incentivadora para estimular a educação financeira e apoiar os associados com soluções além financeiras. “Para nós, proporcionar todo esse movimento é muito satisfatório. Além de proporcionar prêmios aos nossos associados, com a campanha conseguimos estimular ainda mais a conscientização financeira através de consultorias e ofertas de produtos ideais para cada perfil de investidor. Ficamos felizes em poder contribuir cada vez mais com o desenvolvimento de nossos associados e comunidades, cumprindo nossa missão de agregar renda e gerar qualidade de vida a todos eles”.

 

Veículos - Além dos prêmios em dinheiro, a Promoção sorteará em outubro um veículo Ford Ka e em dezembro uma Caminhonete Ranger XLS zero quilometro.  

 

Cupons - Para participar, a cada R$ 500 aplicados, o associado tem direito a um cupom, sendo que quanto maior o prazo da aplicação, mais direitos a cupons. O regulamento completa da promoção pode ser conferido no site sicredi.com.br/promoções. (Imprensa Sicredi Paranapanema PR/SP)

 

Clique aqui para conferir a lista dos contemplados

 

{vsig}2019/noticias/08/06/sicredi_paranapanema/{/vsig}

SICOOB UNICOOB: Central recebe PDEs para intercooperação

 

O Sicoob Central Unicoob recebeu a visita de Pessoas de Desenvolvimento Estratégico (PDE), representando dez Centrais do Sistema, para um momento de intercooperação. O evento fez parte da Jornada PDE e teve o objetivo de proporcionar aos profissionais a troca de experiências e conhecimento sobre como a Unidade de Desenvolvimento Cooperativo (UDC), área responsável pelo gerenciamento dos programas do Instituto Sicoob na Central Unicoob, atua junto às cooperativas. 

 

Visitas - Durante os cinco dias de programação, os PDEs visitaram algumas cidades que contam com os programas do Instituto Sicoob e viram, na prática, como funciona cada um deles, desde o planejamento até a aplicação e execução no dia a dia. 

 

Cascavel - Uma das cidades que o grupo visitou foi Cascavel (PR), onde foi realizada uma reunião com os Voluntários Transformadores do Sicoob Credicapital para entender como os colaboradores que se voluntariam para participar das ações do Instituto Sicoob atuam, como definem as metas, qual a motivação e os desafios da função.

 

Toledo - Já em Toledo (PR), outra cidade visitada, o grupo conversou com um diretor do Sicoob Meridional para entender qual é o olhar da diretoria da cooperativa em relação aos programas do Instituto, com a intenção de compartilhar essa visão mais consolidada com os diretores das respectivas singulares dos PDEs, que aderiram às ações do Instituto recentemente. 

 

Cooperativas mirins - Os PDEs também foram às Cooperativas Mirins Sagrado Coração, de Peabiru (PR), e Cooemoc, de Toledo (PR), onde conversaram com os alunos membros e conheceram a sede própria desta. Além disso, conheceram o Expresso Instituto Sicoob, tiveram um bate-papo com uma Pessoa de Apoio Estratégico (PAE) de uma singular para entender as atividades, empenho, realização e parcerias com secretarias de educação, e participaram da Conferência Internacional de Inovação no Cooperativismo Financeiro, o Cri8.

 

Enriquecedora - Para Edjar Junior Barbosa, PDE da Central UniGoiânia, a oportunidade de participar da Jornada e visitar a Central Unicoob foi muito enriquecedora por proporcionar de perto o funcionamento das Cooperativas Mirins. “É um programa que estamos iniciando agora e ver aqui como aconteceu, como se formou, a participação dos PAEs, dos diretores das singulares e o envolvimento da comunidade é algo que nos encanta muito. Vamos levar um conhecimento para começarmos os trabalhos lá também e chegar no ponto em que o Paraná, atualmente uma referência para nós, já se encontra, buscando sempre evoluirmos juntos.”

 

Momento importante - Pessoa de Apoio Estratégico (PAE) do Sicoob Credicapital há quase oito anos, Vanessa Mota entende que o momento de intercooperação com os PDEs é muito importante, não só para quem vem conhecer a atuação, mas também para quem compartilha. “Uma oportunidade única que nos fortaleceu e nos motivou, ainda mais, a acreditar que estamos no caminho certo. Essa intercooperação é brilhante porque, além de podermos passar o que fazemos, nós aprendemos com os questionamentos que nos fazem lembrar de todo o processo que passamos para chegar onde estamos. Ficamos muito felizes e honrados por servir de exemplo para Centrais de lugares tão importantes do Brasil.”

 

Participantes - A Jornada PDE contou com a presença de representantes das Centrais Sicoob Rio, Sicoob Planalto Central, Sicoob Goiás Central, Sicoob Norte, Sicoob Central SC/RS, Sicoob Central NE, Sicoob SP, Sicoob Central Uni, Sicoob Cecresp, Sicoob Central ES, além de membros do Bancoob e Instituto Sicoob. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/08/06/sicoob_unicoob/{/vsig}

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Diretoria Executiva conta com novo integrante

 

Na manhã da última sexta-feira (02/08), foi empossado o novo diretor administrativo financeiro do Sicoob Três Fronteiras. Até então, por um período de três anos, a cooperativa atuou com um diretor superintendente e um diretor de negócios.

 

Atuação - Antes de assumir o novo cargo, Renato Schafranski atuava desde 2016 como gerente da agência Centro de Foz do Iguaçu. Agora, ele irá trabalhar junto aos diretores Dirceu Luiz Tessaro e Conderlei Lorenzetti.

 

Posse - A posse aconteceu durante uma breve reunião, que contou com a presença de membros do Conselho de Administração, Fiscal e os gestores da Unidade Administrativa e das agências de Foz do Iguaçu.

 

Ascensão - “A ascensão profissional do Renato mostra que quando há vagas na cooperativa e pessoas preparadas, são elas que irão assumi-las. Ele terá muitos desafios daqui para frente, mas terá apoio de todos”, comentou o Diretor Superintendente, Dirceu Tessaro.

 

Ingredientes - Desejando sucesso ao novo integrante da diretoria, o presidente do Conselho de Administração, Roberto Fernandes, destacou que Renato irá receber juntamente com o desafio, os valores e propósitos do Sicoob Três Fronteiras. “O novo diretor tem nas mãos todos os ingredientes para escrever uma boa história profissional e pessoal no Sicoob”, disse.

 

Confiança - Com a palavra, Renato agradeceu todo apoio recebido pelo Conselho de Administração, demais diretores e colegas de trabalho. “Sou grato pela confiança depositada em mim e darei o meu melhor para que o Sicoob Três Fronteiras siga crescendo e se destacando”, finalizou. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/08/06/sicoob_tres_fronteiras/{/vsig}

SICOOB OURO VERDE I: Presente agora na Região Metropolitana de Campinas

sicoob ouro verde I 06 08 2019Duas cidades do interior paulista agora contam com agências do Sicoob Ouro Verde. A cooperativa, que recentemente superou os marcos de 40 mil cooperados e 400 colaboradores, agora conta com 34 pontos de atendimento em 24 cidades do Paraná, Amapá e São Paulo.

Eventos - No dia 30 de julho, foi realizada a inauguração em Campinas e no dia 31 de julho, em Hortolândia, onde, além de membros do conselho, diretoria, colaboradores e cooperados, o evento contou com a participação do prefeito Angelo Perugini e da secretária de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Turismo e Inovação, Monique Freschet.

Modelo de negócios - Durante a inauguração, o prefeito Perugini destacou a importância do modelo de negócios em que a partilha dos lucros é feita entre os associados. “O Sicoob chega na hora certa, uma vez que o município está com várias obras em andamento. Com isso, muitas pessoas e empresas estão querendo investir aqui. Em razão disso, vocês do Sicoob vão passar a ser muito procurados e participarão do crescimento econômico de Hortolândia. Isso significa emprego e renda para nossa população”, ressaltou.

Fortalecimento - Já a secretária Monique Freschet, salientou que a presença da cooperativa na cidade vai ajudar a fortalecer o comércio e a indústria local. “A chegada do Sicoob a Hortolândia é reflexo da atratividade do município, que cresce à frente da Região Metropolitana de Campinas (RMC), e do esforço do prefeito Angelo Perugini em buscar investimentos e a melhoria do ambiente de negócios da cidade”, destacou.

Atendimento - Segundo o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Ouro Verde, desde sua fundação, o foco do Sicoob Ouro Verde é oferecer um melhor atendimento aos pequenos e médios empresários. “Com isso, queremos ajudar no desenvolvimento dos negócios dos nossos cooperados e assim, contribuir com o desenvolvimento de cada cidade onde a cooperativa está presente”, complementa.

Endereço - O endereço da agência do Sicoob Ouro Verde em Campinas é Av. Barão de Itapurá, 1997 e em Hortolândia, R. Luís Camilo de Camargo, 890. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB OURO VERDE II: Cooperativa inicia ensaios para a Cantata Encanto de Natal

 

sicoob ouro verde 06 08 2019O Sicoob Ouro Verde já deu início aos ensaios de preparação das crianças que integram o coral infantil da Cantata Encanto de Natal Sicoob. O espetáculo, composto por 44 crianças do 4º e 5º anos da Escola Municipal Sebastião Feltrin, de Rolândia (PR), neste ano terá como tema "O Natal dos Mundos".

 

Antecedência - Diferente de outros anos, os ensaios tiveram início com maior antecedência em relação a data da apresentação, que ocorre no mês de dezembro na sede da cooperativa, em Londrina. As primeiras aulas foram ministradas ainda no mês de maio.

 

Investimento e dedicação - De acordo com a responsável pela direção artística e regência do Coral, Miriam Hosokawa, o investimento da cooperativa e a dedicação dos profissionais envolvidos neste projeto estão sendo maiores neste ano, pensando no impacto social e de formação que essa ação promove junto aos alunos. 

 

Comportamentos e habilidades - “Mais do que prepará-los para a Cantata de Natal, queremos despertar nos integrantes, disciplina, desenvolvimento, autoestima, entre outros comportamentos e habilidades que servirão para a vida toda, não só para o espetáculo. Prova disso foi o processo de seleção das vozes, realizado em total sinergia com a direção da escola, que deu o aval final a cada participante selecionado atrelando sua participação a seu comprometimento junto a postura em sala e ao seu rendimento escolar”, explica ela. (Imprensa Sicoob Unicoob)

ECONOMIA: Embate entre EUA e China coloca Brasil em cenário adverso

 

economia 06 08 2019O mais novo capítulo da crescente tensão entre Estados Unidos e China aponta que o embate entre as duas potências deve se prolongar, reduzindo o crescimento mundial e os preços das commodities, o que criaria um ambiente mais adverso para o Brasil. O aumento das incertezas pode levar a uma retração do investimento global, ambiente que pode "contaminar" o país, que

custa a engatar uma recuperação econômica.

 

Inflação - Num ambiente de maior aversão ao risco, uma depreciação cambial mais prolongada pode ter impacto na inflação, mas limitado. Para economistas, o repasse desses choques para os preços tem sido limitado nos últimos tempos pelo alto nível de ociosidade da economia e pela fraca demanda interna, entre outros motivos. "Evidências mais recentes mostram que o repasse cambial é menor que foi no passado", afirma Livio Ribeiro, pesquisador-sênior da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV). 

 

Mais suscetível - Mas o ambiente global está mais suscetível a choques, pondera. Por um lado, há um ambiente que leva a juros mais baixos, por outro há mais instabilidade. "É um grande tema de tensão que tende a jogar o crescimento para baixo e os custos de produção para cima. Mas não necessariamente isso chega à ponta final."

 

Curto prazo - No curto prazo, as exportações de soja seriam beneficiadas. Mas no geral a briga dos gigantes globais não beneficia o Brasil. A tensão cresce num momento em que a atividade mundial já vive um cenário conturbado, com dados de comércio apontando para baixo e expectativa de desaceleração nas principais economias e nos vizinhos da América Latina, afirma o economista do Ibre.

 

Geopolítica - Ribeiro, para quem foi surpreendente o movimento do yuan nesta segunda-feira (05/08), diz que a briga entre EUA e China não se resume a comércio e câmbio. É geopolítica. "É uma luta por hegemonia. Sobre quem vai ser a potência dominante, em termos tecnológicos e econômicos daqui a 50 anos", diz. Assim, as tensões não vão se dissipar no curto prazo. "Essa confusão toda nunca esteve perto do fim. Não dá para dizer para aonde vai, mas a solução não será rápida e teremos inúmeras fases de melhora e piora."

 

“Tempestade perfeita” - Enquanto essa disputa se desenrola, uma "tempestade perfeita" está em curso na China, observa. Há os protestos dos cidadãos de Hong Kong, a ponta de instabilidade social mais visível da China, que tem como pano de fundo a desaceleração da economia, a dificuldade na geração de emprego, aumento da inflação de bens essenciais, como alimentos, e problemas no setor de intermediação financeira. "Vemos isso nos dados do PIB chinês. Há problemas aparecendo no consumo, nos investimentos. No meio de tudo isso, uma guerra comercial que não ajuda", observa Ribeiro, para quem a desvalorização do yuan nesta segunda-feira tem que ser entendida nesse contexto.

 

Sinal - A desvalorização do yuan deve ser entendida como um sinal de Pequim de que vai enfrentar de forma mais aguerrida as posturas dos EUA no comércio internacional, afirma Rodolfo Cabral, especialista em economia internacional da 4E Consultoria. "Isso causa uma preocupação adicional, até porque a China tem baixa margem de manobra e não quer provocar uma desaceleração forte de sua economia", diz. "Acho que pode até haver mais desvalorização, mas nesta segunda foi mais um sinal do governo que um movimento permanente no câmbio."

 

Hegemonia - Para Cabral, como essa "guerra" é por hegemonia, haverá novos capítulos. "Mas em nome da racionalidade econômica eles devem ter uma trégua em algum momento, mas no curto prazo veremos bastante volatilidade", acredita. Enquanto o crescimento da China já sente os efeitos dos embates comerciais com os EUA, a atividade econômica americana deve ter sinais mais evidentes a partir do terceiro trimestre. Dados do PIB americano de abril a junho, contudo, já mostraram retração nos investimentos privados, afirma Roberto Dumas Damas, professor de Economia Internacional e Chinesa do Insper.

 

Investimentos - "As incertezas sobre o crescimento nos EUA já são sentidas nos investimentos", diz Damas. A incerteza tem potencial para frear os investimentos globais. "Tudo mostra que está vindo uma tempestade pesada. Os alertas estão acesos e 2020 não está bonito para a economia mundial." 

 

Brasil - No front doméstico, uma desvalorização cambial mais duradoura poderia afetar a inflação e o ciclo de cortes de juros. "Há um vento de proa pesado no mundo. Isso bate no câmbio. Caso se estenda, pode suscitar uma parada na queda de juros. É bom lembrar que estamos perto da meta [de inflação]", afirma. (Valor Econômico)

SOJA: Guerra de EUA e China agita mercado

 

A China confirmou as expectativas, anunciou nesta segunda-feira (05/08) que, em razão das novas barreiras anunciadas pelos Estados Unidos a seus produtos, decidiu suspender as importações de commodities agrícolas americanas e provocou turbulência no mercado internacional de soja, o carro-chefe do agronegócio brasileiro. Houve volatilidade na bolsa de Chicago e, nos portos do Brasil, os prêmios pagos pelo grão subiram, apesar das incertezas quanto ao volume adicional que poderá ser demandado pelo gigante asiático e se haverá oferta disponível para vender.

 

Tarifa - Quando anunciou, na quinta-feira (01/08), que os EUA, a partir de setembro, vão impor tarifa de 10% sobre mais de US$ 300 bilhões em produtos da China ainda não taxados, o presidente Donald Trump alegou que, diferentemente do prometido, a China não estava comprando grandes quantidades de commodities agrícolas americanas, sobretudo de soja. Mas nesta segunda-feira Pequim negou essa informação e, em represália, orientou suas estatais a deixarem de negociar compras agrícolas em geral com os Estados Unidos.

 

Mercados - O recrudescimento da disputa derrubou mercados ao redor do mundo e, nos EUA, inicialmente provocou quedas dos preços dos grãos na bolsa de Chicago e do algodão em Nova York. Os contratos futuros de segunda posição de entrega da soja se recuperaram e fecharam estáveis, a US$ 8,56 por bushel, ao passo que os papéis do algodão caíram 94 pontos, a 58,48 centavos de dólar por libra-peso. Nessas duas frentes os interesses do Brasil estão em jogo. O país lidera as exportações de soja, à frente dos EUA, e ocupa o segundo lugar no ranking do algodão, atrás dos americanos. A China lidera a importação de ambos.

 

Cotações - De acordo com analistas, a recuperação da soja ao longo da sessão desta segunda veio porque as cotações já estão em baixo patamar por causa das disputas e também devido às muitas dúvidas que pairam sobre o real impacto da reação de Pequim sobre importações de soja dos EUA.

 

Suspensão - Em primeiro lugar, será preciso esperar para saber quanto tempo vai durar a suspensão das compras, dadas as necessidades da China e a posição estratégica do grão no tabuleiro onde Pequim e Washington movimentam suas peças; depois, será necessário entender o quanto a nova barreira, mesmo que dure, ainda poderá afetar vendas que já estão em queda desde 2018, quando o embate começou e a China, em sua primeira jogada, impôs tarifa de 25% sobre o grão da terra de Trump.

 

Dúvidas - Conforme Luiz Carlos Pacheco, da T&F Consultoria, de Curitiba, as mesmas dúvidas prevalecem no Brasil, mas no país os primeiros reflexos foram positivos para produtores e exportadores. Conforme a T&F, no campo houve alta de 2% em relação à sexta-feira, para R$ 74,35 a saca de 60 quilos, em média, enquanto nos portos os preços médios oferecidos pelas tradings subiram também 2%, para R$ 80,18. Neste início de agosto, os ganhos acumulados se aproximam de 3% e 4%, respectivamente.

 

Aquisição - Em maio, após a cúpula do G20, a China anunciou que compraria 13,6 milhões de toneladas da oleaginosa americana e, segundo Liones Severo, diretor do SIMConsult, isso de fato aconteceu, embora o presidente americano tenha dito que não. "Em maio e junho, problemas climáticos nos EUA atrasaram os embarques nos portos, então o grande volume ocorreu em julho e os dados oficiais ainda não demonstram isso. Faltam chegar à China apenas 3 milhões de toneladas do volume anunciado".

 

Volumes - Dados do serviço aduaneiro chinês mostram que em junho 614,8 mil toneladas de soja dos EUA entraram no país asiático, ante 5,5 milhões de toneladas do grão brasileiro. No primeiro semestre desembarcaram na China 5,9 milhões de toneladas de soja americana, menor volume para período desde 2004, segundo a agência Bloomberg.

 

Acordos - "A China está honrando acordos assinados anteriormente para importar soja dos EUA, com 2,27 milhões de toneladas carregadas e enviadas em julho", informou a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China. Outras 2 milhões de toneladas serão enviadas em agosto, segundo a comissão, seguidas por mais 300 mil toneladas em setembro. A agência também disse que, nas últimas duas semanas, as estatais do país receberam autorização para comprar, sem a tarifa de 25%, 130 mil toneladas de soja, 120 mil de sorgo, 60 mil de trigo, 40 mil de carne suína e 25 mil toneladas de algodão dos EUA.

 

Autorização - Severo afirmou, ainda, que têm informações de que o grupo de tradings conhecido como "ABCD" instaladas na China – ou seja, ADM, Bunge, Cargill e Louis Dreyfus - receberam autorização de Pequim para realizarem novas aquisições do grão americano sem a tarifa de importação de 25%. Ocorre que o produto dos EUA está mais caro que o brasileiro, mesmo sem a taxa. "O frete do Golfo do México para a China está atualmente em US$ 49 a tonelada, enquanto de Santos para lá está em US$ 34 a tonelada", explica ele.

 

Novas oportunidades - "Cada vez que o embate fica mais acirrado, novas oportunidades surgem para o Brasil. Mas temos um limite de exportação, porque temos um bom consumo interno", diz. Vale lembrar, ainda, que a colheita deste ano no Brasil foi menor. Prevalece no mercado a estimativa de que o Brasil exportará menos de 70 milhões de toneladas de soja neste ano, e que entre 56 milhões e 58 milhões de toneladas serão destinadas à China. No ano passado, foram 84 milhões de toneladas no total, com 69,8 milhões destinados aos asiáticos. Severo também lembra que a peste suína africana está reduzindo o plantel de porcos do país e, com isso, afetando a demanda chinesa por soja para a produção de ração. E outros especialistas lembram que os chineses estocaram bons volumes com as compras que fizeram do Brasil em 2018.

 

Cautela - Em evento promovido pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) nesta segunda em São Paulo, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, reconheceu que o imbróglio pode continuar a beneficiar a soja brasileira. Mas, em linha com representantes de tradings, pregou cautela. "A área de plantio brasileira não vai dobrar [para atender à demanda da China]". afirmou ela. (Valor Econômico)

LOGÍSTICA REVERSA: Paraná é modelo em reciclagem de embalagem de defensivos

 

logistica reversa 06 08 2019O Paraná se mantém na condição de modelo para o Brasil em logística reversa de embalagens de defensivos agrícolas. De cada 100 produtos que saem da indústria, 98 têm o recipiente reciclado ou incinerado de maneira controlada.

 

Melhor índice - É o Estado com melhor índice do País, superior inclusive à média nacional, que é de 94%. No ano passado foram recolhidos das propriedades rurais do Paraná 5,6 mil toneladas de embalagens vazias.

 

Dados - Os dados são do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev), que mantém convênio com o Instituto Água e Terra (IAT), órgão vinculado à Secretaria de Estado Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, para recolhimento, treinamento, controle e outras ações do programa Campo Limpo.

 

Avanço - “Queremos fazer com que todo esse conhecimento possa avançar, do pequeno agricultor, que precisa de novas tecnologias para ser mais eficiente, até a grande industrialização”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “Para um Estado como o nosso em que o agronegócio é muito forte, isso significa sustentabilidade e proteção ambiental, além da questão da sustentabilidade”, completou.

 

Estrutura - O Paraná conta atualmente com 13 centrais de armazenamento e 51 postos de recebimento, além de 17 associações de revenda de embalagens. Do volume que chega diariamente, 90% das embalagens recolhidas do campo são encaminhadas a recicladoras.

 

Contaminação - Se fosse destinado de forma inadequada esse material poderia contaminar rios, solo e comprometer a saúde pública. Mas com este trabalho e estrutura vira tubulação para esgoto, embalagem para óleo lubrificante, caixa de bateria automotiva e conduíte, entre outros produtos. Os 10% restante dos recipientes vazios são encaminhados para incineração controlada.

 

Índice espetacular - “É um índice espetacular, que só reforça o ótimo trabalho feito pelo Estado em logística reversa”, acrescenta Laerty Dudas, coordenador da Divisão de Resíduos Sólidos do novo Instituto Água e Terra (IAT).

 

Programa - O programa, gerenciado pelo Inpev, se baseia na responsabilidade compartilhada entre agricultores, indústria, canais de distribuição e poder público. Antes de devolver no local indicado pelos revendedores, o agricultor deve lavar três vezes a embalagem, técnica mais conhecida como tríplice lavagem. Na sequência, revendedores e fabricantes recolhem, armazenam e enviam o material para a destinação final.

 

Referência - “O Paraná verdadeiramente se tornou uma referência no assunto. Até os anos 70, 80 era comum o agricultor usar o agrotóxico e enterrar a embalagem. Hoje, é obrigado por lei a fazer a tríplice lavagem, além de seguir todos os passos da reciclagem”, ressalta Norberto Ortigara, secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento.

 

Curva em evolução - Coordenador Regional de Operações do Inpev, Fábio Macul conta que o objetivo é manter a curva de evolução. A intenção, revela ele, é terminar 2019 com 6 mil toneladas de embalagens vazias recicladas no Estado, chegando ainda mais próximo do índice de 100% de reaproveitamento.

 

Itinerante - Para isso, ele aposta no chamado “recebimento itinerante”, postos volantes de reciclagem que se espalham pelo Paraná em determinados dias do ano, seguinte um cronograma preestabelecido. “É um processo bem mais efetivo, que chega mais perto dos agricultores, com um dia determinado para o encaminhamento das embalagens”, afirmou.

 

Campo Limpo - O Sistema Campo Limpo tem como base o princípio das responsabilidades compartilhadas entre todos os elos da cadeia produtiva (agricultores, fabricantes e canais de distribuição, com apoio do poder público) para realizar a logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas.

 

Coordenação - É coordenado pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev), entidade sem fins lucrativos criada há 17 anos responsável por promover ações de conscientização e educação e reúne mais de 100 empresas fabricantes e dez entidades representativas das indústrias, distribuidores e agricultores, de todo o Brasil.

 

Quantidade - Desde o início das operações, em março de 2002, até dezembro de 2018, mais de 500 mil toneladas de embalagens vazias foram destinadas adequadamente no País. Neste período, o trabalho realizado no âmbito do Sistema Campo Limpo evitou a emissão de 688 mil toneladas de CO²eq (o que equivale à emissão de 4 mil viagens em torno da Terra de caminhão).

 

Plano Estadual de Resíduos Sólidos é modelo de gestão - O Plano Estadual de Resíduos Sólidos do Paraná (Lei Estadual 19.261/2017) é um modelo de gestão único no Brasil. É um instrumento para auxiliar no processo de planejamento da gestão dos resíduos sólidos em cada município, buscando proteger a saúde pública e preservar a qualidade ambiental.

 

Soluções - De acordo com o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, o Estado tem o objetivo de apresentar melhores soluções e recursos para gestão do resíduo, mas é preciso a colaboração da população. “Todos devem fazer o mínimo necessário. Resíduos Sólidos é um tema que não refere-se a apena a uma pessoa, mas sempre ao coletivo”, afirmou. (Agência de Notícias do Paraná)

MAPA: Brasil terá adidos agrícolas no Peru, no Reino Unido e em Singapura

 

mapa destaque 06 08 2019Peru, Singapura e Reino Unido ganharão postos de atuação de adidos agrícolas junto às representações diplomáticas brasileiras no exterior. Também foi alterado o número de vagas de adidos de três para dois na China e de dois para um na Rússia. Permanecendo o total de 25 adidos agrícolas brasileiros no exterior em 23 países, conforme determina o art. 4º do Decreto 6.464/2008.

 

Portaria interministerial - As medidas e alteração no número de posições de adidos agrícolas estão na portaria interministerial assinada pela ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e pelo ministro Embaixador Ernesto Araújo (Relações Exteriores), publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira (01/08). 

 

Peru - De acordo com a coordenadora-geral de Gestão dos Adidos Agrícolas da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SCRI/Mapa), Andressa Beig, com a inclusão do Peru, que é um país importador de produtos agrícolas brasileiros, a função do novo adido poderá ampliar ainda mais a relação entre Peru e Brasil, considerando a proximidade geográfica e o fortalecimento das relações bilaterais.

 

Singapura - Também Singapura é um país importador de alimentos, extremamente importante e relevante para a diversificação da pauta de exportação agrícola. O adido, segundo Andressa Beig, “poderá gerar oportunidades para estabelecer negociações comerciais buscando a entrada de produtos brasileiros”. Singapura é considerada como centro comercial global sendo, inclusive, sede de grandes empresas brasileiras no setor do agronegócio.

 

Reino Unido - O adido no Reino Unido poderá acompanhar as agendas de organismos internacionais sediados naquela região que representam produtos agrícolas relevantes para a economia brasileira, como a Organização Internacional do Café (ICO), que reúne os maiores produtores e consumidores mundiais deste produto; a Organização Internacional do Açúcar (OIA), que representa 87 países produtores e consumidores e tem como objetivo melhorar as condições de mercado mundial deste produto, e o Conselho Internacional dos Grãos (IGC), organização intergovernamental que tem como objetivo ampliar a cooperação internacional no comércio de grãos.

 

Comissão de seleção - A normativa do Mapa e do MRE institui a comissão de seleção que coordenará o processo de seleção de candidatos ao posto de adido agrícola junto às representações diplomáticas brasileiras no exterior. A comissão é composta de representantes dos ministérios das Relações Exteriores e da Agricultura, incluindo membros da SCRI, da Secretaria de Defesa Agropecuária e da Secretaria Executiva.

 

Lista - A comissão coordenará o processo de escolha de candidatos para compor a Lista Tríplice, que será submetida à ministra Tereza Cristina para o posto de adido agrícola junto às representações diplomáticas brasileiras no exterior.

 

Edital - Na próxima semana, sairá o edital com o calendário do processo seletivo aberto aos servidores do Ministério da Agricultura ao quadro de acesso ao posto de adido agrícola. (Mapa)

 

Foto: Pixabay

 

mapa quadro 06 08 2019

 

INFRAESTRUTURA: Governo vai ampliar atuação do Programa de Parcerias de Investimentos

 

infraestrutura 06 08 2019O governo federal prepara decreto para ampliar as atribuições da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), ligada à Casa Civil da Presidência da República, para permitir apoiar processos de privatização, concessões e parcerias público-privadas nos estados e municípios.

 

Frente - “É uma frente de trabalho que a gente vai apoiar agora porque há muitas políticas de investimento que impactam diretamente a população e que não é de competência direta do governo federal a prestação de serviço”, informou à Agência Brasil Martha Seillier, secretária especial do PPI.

 

Área específica - Segundo ela, “o PPI está se reposicionando” e “criando uma área específica para dar atenção a parcerias com entes subnacionais”. Com a medida, o programa poderá apoiar a captação de investimentos para projetos de mobilidade urbana, iluminação pública, tratamento de resíduos sólidos e saneamento básico.

 

Apoio - A secretaria do PPI poderá dar apoio e assessoria para a realização de estudos, elaboração de projetos, organização de audiências públicas, mudanças em lei, publicação de editais, redação de contratos e prestação de contas.

 

Soluções - A iniciativa pode articular soluções para áreas que demandam elevado investimento como a de saneamento básico. Segundo Martha Seillier, a universalização do acesso ao saneamento básico em todo o país exige investimentos de R$ 600 bilhões. “É importante que o PPI possa apoiar na realização das parcerias com a iniciativa privada para trazer investimento no setor”, disse.

 

PAC e área social - Seillier disse que o PPI pretende criar uma solução para retomada de projetos interrompidos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o que deve exigir R$ 200 bilhões de investimentos, e atuar na área social como a construção de creches, unidades de pronto atendimento (Upas), obras de desenvolvimento regional e presídios.

 

Desafios - “À medida que a gente vai fortalecendo conhecimento e aprendizado em alguns setores, a gente precisa ir atacando outros que são mais desafiadores pela falta de experiência pretérita. Discute-se bastante PPP [Parceria Público-Privada] de presídios, PPP de creches, o desafio do saneamento básico - que foi deixado lado para os municípios”, enumerou a secretária especial do PPI.

 

Destravamento - “Tudo aquilo que a gente consiga envelopar para fazer uma concessão, ou no limite uma PPP, e que permita finalizar obra pública paralisada, o ministro Onyx Lorenzoni [da Casa Civil] pediu para estudar com cuidado e avaliar se, diante de alianças com a iniciativa privada, a gente consegue destravar essa agenda de investimentos”, salientou Seillier.

 

Três anos do programa - Balanço publicado do programa, que completa três anos no próximo mês, indica que 148 projetos foram concluídos pelo programa nas áreas de energia (95), portos (27), aeroportos (16), óleo e gás (7), entre outros. O total de projetos prevê investimentos de R$ 262,1 bilhões e já arrecadou R$ 52,2 bilhões de outorgas e bônus repassados para o Tesouro Nacional e para fundos setoriais previstos em lei.

 

Capital - Mais de 70% do capital investido (R$ 187,9 bilhões) são exclusivamente estrangeiros. Se contabilizados os valores investidos por meio de consórcios com empresas brasileiras, o percentual de investimento sobe para quase 86% (R$ 224,9 bilhões). No total, 56 empresas estrangeiras venceram licitações sozinhas ou em consórcios.

 

Expectativa - Martha Seillier tem grande expectativa de que os valores arrecadados com o PPI cresçam significativamente ainda este ano com a rodada de licitações sob o regime de partilha de produção para os volumes excedentes aos contratados sob regime de cessão onerosa entre a Petrobrás e a União. A previsão é de que os leilões de quatro áreas de exploração arrecadem no mínimo R$ 106,5 bilhões.

 

Cessão onerosa - O processo que trata da liberação do leilão da cessão onerosa está em análise no Tribunal de Contas da União (TCU). (Agência Brasil)

TRIBUTÁRIA: Congresso e governo fecham acordo sobre reforma, diz Alcolumbre

 

tributaria 06 08 2019O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que o motivo do almoço nesta segunda-feira (05/08), entre ele, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi fazer um balanço do primeiro semestre do Legislativo. “Dos avanços e conquistas que o parlamento proporcionou para o Brasil e brasileiros”, disse ele ao fim do encontro. Alcolumbre fez uma declaração ao deixar o almoço ao lado de Maia e Guedes, mas não abriu espaço para pergunta de jornalistas.

 

Desempenho - Alcolumbre teceu elogios ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), principalmente pelo seu desempenho na votação do primeiro turno da reforma da Previdência que foi aprovada por 379 votos no início de julho. “O parlamento apresentou ao Brasil uma proposta que dará para equilibrar as contas públicas”, afirmou. Alcolumbre afirmou que Maia teve uma atuação firme e que a reforma dará também “segurança jurídica” e ajudará na geração de empregos.

 

Conclusão - O presidente do Senado disse que a Câmara deve concluir a votação do segundo turno da Previdência nesta semana e que já na próxima o Senado irá tocar a tramitação. Maia disse que a conclusão da votação do segundo turno já na quinta-feira vai depender da presença de deputados, quórum, na Casa.

 

Segundo turno - Os três almoçaram juntos nesta segunda-feira para debater também a tramitação do segundo turno da reforma da Previdência na Câmara e seu encaminhamento ao Senado. A expectativa de que a votação do segundo turno da Previdência inicie nesta terça-feira (06/08) na Câmara e seja concluída até quinta-feira (08/08), para que na próxima semana comece a tramitação no Senado.

 

Foco - O encontro durou cerca de duas horas. Durante a reunião, Alcolumbre disse que está focado na Previdência, mas quer tocar a Tributária na sequência.

 

Reforma tributária - Alcolumbre listou ainda outras prioridades na pauta do Congresso como a reforma tributária. Segundo ele, a ideia é tentar construir um “entendimento” a partir das propostas do governo e do Legislativo. “A questão da reforma tributária, o Senado tem uma proposta, a Câmara tem uma proposta, o governo tem sua proposta. Nós fizemos um acordo, um entendimento para construirmos um texto que atenda aos interesses da Câmara, do governo e do Senado e que possa desburocratizar essa questão tributária”, afirmou.

 

Pacto federativo - Outra prioridade, que segundo Alcolumbre será capitaneada pelo Senado, é o pacto federativo. A ideia, de acordo com o presidente do Senado, é desvincular recursos hoje concentrados nos cofres da União e direcioná-los para Estados e municípios. (O Estado de S.Paulo)

SENADO: PEC que isenta remédios de impostos está na pauta do Plenário

 

senado 06 08 2019Na sessão deliberativa desta terça-feira (06/08), a partir das 16h, estão duas propostas de emenda à Constituição (PECs) e dois projetos de lei. A PEC 82/2019 pretende restringir a possibilidade de os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) — e de outros tribunais — tomarem decisões de forma individual.

 

Limites - O texto impõe limites a pedidos de vista e decisões cautelares monocráticas (liminares) no Judiciário. Segundo a matéria, essas decisões ficam proibidas nos casos de declaração de inconstitucionalidade ou suspensão de eficácia de lei ou ato normativo. Durante o recesso judiciário ou em situação de urgência e perigo de dano irreparável, o presidente da Corte deverá convocar os demais membros para decidir sobre o pedido de cautelar.

 

Parecer - De autoria do senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), a PEC recebeu parecer pela aprovação do relator, senador Esperidião Amin (PP-SC). O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) apresentou emenda de Plenário para limitar a ação do STF no que se refere à suspensão de tramitação de proposições legislativas. Da forma como está o texto, segundo o parlamentar, essa prerrogativa “estaria em aberto”.

 

Tributação de remédios - Também na Ordem do Dia, a PEC 2/2015, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), proíbe a tributação de remédios. O texto foi aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) na legislatura passada e, se aprovada em Plenário, seguirá para a Câmara dos Deputados.

 

Emendas - O texto teve como relatora a senadora Simone Tebet (MDB-MS), que fez emendas à proposta. Originalmente, Reguffe propunha a alteração do artigo 150 da Constituição Federal para que todos os medicamentos destinados para o uso humano estivessem isentos de tributação. Mas a relatora alterou o projeto para que a imunidade seja aplicada apenas aos impostos, e não a todos os tributos. A intenção da proposta é diminuir o valor para facilitar acesso a medicamentos pelos brasileiros.

 

Educação - Outra matéria a ser analisada na terça-feira é o PL 3.509/2019, que atualiza a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para incluir as universidades comunitárias entre as entidades que podem fazer indicações no processo de consulta para a escolha dos membros da Câmara de Educação Superior (CES) do Conselho Nacional de Educação (CNE).

 

Parecer favorável - De autoria do então deputado e atual senador Jorginho Mello (PL-SC), o projeto recebeu parecer favorável do relator, senador Dário Berger (MDB-SC). Aprovado pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), o texto chegou ao Plenário em regime de urgência.

 

Refis - Por fim, os senadores devem analisar o PLC 115/2018, que proíbe empresas “adimplentes e de boa-fé” de serem excluídas do Programa de Recuperação Fiscal (Refis). A regra vale mesmo que as parcelas pagas pelas pessoas jurídicas não sejam consideradas suficientes para amortizar a dívida com a União. O texto foi aprovado pela Câmara e, em dezembro de 2018, pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Portanto, se aprovado sem alterações, será enviado à sanção presidencial.

 

Regularização - O Refis foi instituído em 2000, para permitir a regularização de débitos com a Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). De acordo com o programa, as parcelas a serem pagas são calculadas com base em percentuais da receita bruta mensal das empresas, sem a fixação de prazo máximo para quitação da dívida. (Agência Senado)

ANS: Agência divulga números do setor de junho

 

ans destaque 06 08 2019A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atualizou nesta segunda-feira (05/08) os dados do setor de planos de saúde, disponibilizando os números relativos ao mês de junho. A consulta pode ser feita por meio da Sala de Situação, ferramenta disponível no portal da ANS.

 

Acesse aqui a Sala de Situação

 

Beneficiários - Nesse mês, o setor contabilizou, em todo o país, 47.332.911 beneficiários em planos de assistência médica e 24.799.687 em planos exclusivamente odontológicos. Os dados apontam crescimento em número de clientes na segmentação médica, em comparação ao mês anterior e ao ano anterior, o que mantém a tendência de estabilidade que vem sendo observada nesse produto. Já o segmento odontológico segue sua trajetória de ampla expansão nos últimos anos.

 

SP, Goiás e DF lideram crescimento - No período, houve aumento na quantidade de beneficiários em planos de assistência médica em 16 estados e no Distrito Federal (DF), sendo São Paulo, Goiás e DF os líderes em números absolutos. Na segmentação odontológica, 22 estados e o Distrito Federal registraram crescimento no número de beneficiários.   A ANS lembra que os números podem sofrer modificações retroativas em função das revisões efetuadas mensalmente pelas operadoras. 

 

Tabelas - Confira nas tabelas abaixo a evolução de beneficiários por tipo de contratação do plano e por Unidade Federativa. (ANS)

 

 

ans tabela I 06 08 2019

 

 

ans tabela II 06 08 2019

 

 

ans tabela III 06 08 2019


Versão para impressão


RODAPE