Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4617 | 12 de Julho de 2019

COOPERATIVISMO I: Cooperativas do PR encerram primeiro semestre com crescimento de 8,3% no faturamento

cooperativismo I 12 07 2019As 222 cooperativas do Paraná registradas no Sistema Ocepar até o final do primeiro semestre deste ano encerraram o período somando R$ 41,1 bilhões de faturamento, o que representa um crescimento de 8,3% nos últimos doze meses, ou seja entre junho de 2018 e junho de 2019. Segundo a coordenação de desempenho da Gerência de Desenvolvimento Cooperativo (Gecoop), responsável pela consolidação dos dados, o cooperativismo paranaense contabilizou ainda, neste período, ativos de R$ 112,4 bilhões (alta de 1,3%), 104.807 funcionários (crescimento de 9,56%), 2,06 milhões de cooperados (+12%) e sobras de R$ 1,7 bilhões (+58,9%).

 

COOPERATIVISMO II: Indicadores do Sistema OCB serão lançados no Capacitacoop

 

cooperativismo 12 07 2019Ter indicadores que comprovem a efetividade de ações e investimentos é a forma mais segura de evidenciar a eficácia da gestão de um negócio, independentemente do setor econômico. É por isso que o Sistema OCB está concluindo a formatação de um pacote de indicadores institucionais a ser utilizado tanto pela unidade nacional quanto por suas organizações estaduais.

 

Gestão interna - Segundo o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, os indicadores são importantes ferramentas de gestão interna, pois contribuem para uma maior clareza quanto ao direcionamento institucional e para a pactuação de metas, permitindo, também, a avaliação da execução da estratégia proposta e do próprio modelo de atuação.

 

Geração de informações - “Favorecem [os indicadores], também, a geração de informações, de forma a mensurar e comunicar a contribuição do Sistema OCB para o fortalecimento do modelo cooperativista, além da transparência perante as cooperativas, a sociedade e demais partes interessadas”, avalia o superintendente.

 

Capacitacoop - Os indicadores do Sistema devem ser lançados oficialmente na próxima semana (de 16 a 19), durante evento nacional de capacitação, em Brasília, que contará com a participação de dezenas de técnicos das organizações estaduais do Sistema OCB.

 

Entrevista - Renato Nobile é o entrevistado desta semana e falou um pouco mais sobre os indicadores. Confira!

 

Como surgiu o projeto dos indicadores?

Com objetivo de garantir uma atuação sistêmica e otimizar o resultado do trabalho realizado pelas três casas (OCB, Sescoop e CNCoop), foi elaborado o Plano Estratégico do Sistema OCB 2015-2020, com a definição de indicadores para a mensuração da estratégia. Porém, estava faltando implementar o processo de monitoramento dos resultados em nível nacional.

Dessa forma, o projeto de implementação dos indicadores institucionais foi iniciado em setembro de 2017, com a participação de representantes das Unidades Estaduais, além da Unidade Nacional, e consistiu na priorização de indicadores, considerando o melhor custo-benefício para definição de processos de coleta e registro dos dados nacionais, além do processo de monitoramento.

Foram utilizadas as seguintes premissas: relevância para a tomada de decisão, custo reduzido de implementação e, por fim, mensuração de resultados nos âmbitos nacional e estadual.

 

Porque é importante ter indicadores?

Os indicadores são importantes ferramentas de gestão interna, pois contribuem para uma maior clareza quanto ao direcionamento institucional e para a pactuação de metas, permitindo a avaliação da execução da estratégia proposta e do próprio modelo de atuação. Ainda, favorece a geração de informações, de forma a mensurar e comunicar a contribuição do Sistema OCB para o fortalecimento do modelo cooperativista, além da transparência perante as cooperativas, a sociedade e demais partes interessadas.

 

Considerando que os indicadores abrangem todo o Sistema OCB, qual o papel das unidades?

O Sistema OCB tem um plano estratégico sistêmico, que abrange todas as unidades (nacional e estaduais) do Sescoop, da OCB e da CNCoop. Assim, todos agimos em torno de um propósito comum, buscando alcançar a visão do cooperativismo, cada um cumprindo sua missão e atuando para alcançar seus objetivos estratégicos, uma vez que a qualidade dos nossos resultados e indicadores depende do comprometimento de todos.

No caso das unidades estaduais, é importante destacar que elas são responsáveis pela qualidade e disponibilidade do dado. Cada uma tem a responsabilidade de registrar e classificar – correta e tempestivamente – os dados para os indicadores, utilizando-se dos conceitos padronizados nacionalmente. Vale ressaltar que cabe à unidade nacional a consolidação de todos os dados e, ainda, a disponibilização dos referenciais comparativos em nível regional e, também, nacional.

 

Quantos e quais são esses indicadores?

Iniciamos a implantação em 2017 com um painel de 41 indicadores, sendo: 15 para o Sescoop, 14 para a OCB, três para a CNCoop e outros nove, compartilhados. Como o monitoramento de indicadores é um processo novo para o Sistema OCB, espera-se o constante aprimoramento, a partir das medições e ajustes, principalmente nesse momento de implantação. A fim de promover o alinhamento de conceitos e de processos, foi estruturada a série Cadernos de Indicadores do Sistema OCB.

 

Por falar nisso, qual a importância do alinhamento de conceitos com as unidades?

É fundamental que todas as pessoas que trabalham com os dados do Sistema OCB tenham clareza, estejam alinhadas e adotem o mesmo conceito, para que as medições sejam uniformes e confiáveis. Os indicadores ajudam a promover mudanças significativas dentro das organizações, pois possibilitam não só medir os resultados alcançados como também entender cada processo mais profundamente. Por isso, se o indicador mostrar um resultado errado, as decisões serão tomadas a partir de premissas erradas. O que queremos é evitar que isso ocorra.

 

Com relação à série Cadernos de Indicadores do Sistema OCB, poderia fazer um breve resumo?

O trabalho de implementação de indicadores de desempenho em uma organização é desafiador e exige um conjunto de conhecimentos, processos, práticas e decisões. Para facilitar a consulta ao material do trabalho e dar mais destaque a cada conteúdo produzido, o Sistema OCB elaborou seis cadernos com a seguinte proposta:

Caderno 1: Fundamentos e etapas para a Implementação de Indicadores de Desempenho

Trata dos principais conceitos envolvendo indicadores e sua implementação, descreve o processo de implementação em nove etapas e aborda alguns pontos importantes do processo de integração entre a implementação dos indicadores de desempenho com o planejamento estratégico da organização.

Caderno 2: Diagnóstico da Situação Atual

Apresenta o resultado do diagnóstico da situação atual com relação a indicadores de desempenho no Sistema OCB, fruto de duas atividades principais: uma pesquisa on-line com todas as unidades estaduais, realizada em julho de 2018, com o objetivo de identificar os principais conceitos utilizados, as ferramentas e os processos adotados; e visitas presenciais a cinco estado (Espírito Santo, Amazonas, Pernambuco, Goiás e Paraná), com o intuito de identificar como era a coleta, o registro e o tratamento dos dados necessários à produção dos indicadores de desempenho.

Caderno 3: Fichas Técnicas dos Indicadores de Desempenho

Contém a ficha de todos os indicadores selecionados para serem implementados na primeira fase do trabalho, com detalhes sobre os conceitos envolvidos, a fórmula de cálculo, periodicidade, responsáveis, procedimentos de coleta, entre outros aspectos relevantes para a implementação.

Caderno 4: Compêndio de Boas Práticas em Indicadores de Desempenho

Reúne 10 boas práticas relacionadas a indicadores em organizações que trilham o caminho da excelência em gestão. Os exemplos foram extraídos da Comunidade de Boas Práticas da FNQ e todos passaram por um processo de aprovação de conteúdo pela Equipe Técnica da FNQ e receberam certificado após o processo.

Caderno 5: Indicadores Mais Utilizados

Apresenta uma lista genérica de indicadores mais utilizados em diferentes e diversas instituições, em três grandes áreas e subáreas: partes interessadas (controladores, acionistas, financiadores e indicadores econômico-financeiros), modelo de negócio (cadeia de valor e fornecedor) e gestão do desempenho (ativos, recursos e competências). O objetivo é apoiar a construção do sistema de indicadores pela aplicação do pensamento análogo, bem como estimular sua pesquisa e descobrir outros e novos indicadores.

Caderno 6: Medidas para a Implementação de Indicadores – Unidade Nacional

Apresenta oito medidas recomendadas para a implementação do sistema de indicadores de desempenho no Sistema OCB, dada a situação atual diagnosticada. Lista também as premissas necessárias para o sucesso da implementação e as condições que delinearam as soluções recomendadas.

 

Sobre o monitoramento dos indicadores, como é possível garantir a qualidade dos dados recebidos das unidades estaduais? É preciso que as ferramentas sejam padronizadas?

É preciso que os conceitos utilizados para o registro dos dados sejam padronizados. As ferramentas preferencialmente precisam ser as mesmas, para que o dado seja transmitido de forma tempestiva e contemple todos os atributos necessários para constituir o indicador, além de viabilizar a consolidação dos dados em âmbito nacional, realizar as medições e os relatórios de resultados. A própria organização estadual deverá avaliar os resultados dos indicadores, para que sejam feitas as devidas correções, seja no processo ou na ferramenta de coleta. Reconhecemos que várias unidades já possuem ferramentas próprias, é por isso que o maior desafio será a consolidação de uma padronização em nível nacional.

 

Os resultados devem ser avaliados de quanto em quanto tempo?

Para alguns indicadores, é possível a medição mensal. Porém, todos terão um recorte anual, como forma de mensurar os resultados propostos para cada ano e comunicar à sociedade. Os resultados embasarão as reuniões dos tomadores de decisão.

 

Após elaborados, qual o próximo passo para a implementação desses indicadores?

Será realizada uma capacitação nacional, durante a edição 2019 do Capacitacoop, sobre os conceitos e processos de coleta de registro dos dados a serem padronizados em todos os estados. Além disso, serão elaborados relatórios de resultados periódicos, a fim de verificar o grau de aderência aos conceitos adotados. Em 2020, será realizado um workshop de resultados do Sistema OCB. (Informe OCB)

DIA C I: Agências do Sicoob Meridional no PR e RS promoveram diversas ações

 

No último sábado (6 de julho), foi comemorado o Dia de Cooperar. Para celebrar a data, o Sicoob Meridional promoveu diversas ações nas cidades em que possui agência. Em Toledo (PR), a cooperativa arrecadou alimentos não-perecíveis, roupas e cobertores que serão doados para a Fundação Waldyr L. Becker.

 

Agasalhos e fraldas - Já os pontos de atendimento de Vera Cruz do Oeste, Terra Roxa, Guaíra, Santa Helena e Palotina arrecadaram agasalhos e cerca de 360 pacotes de fraldas geriátricas. Os colaboradores dessas unidades também realizaram a coleta de lixo eletrônico, arrecadaram alimentos e se mobilizaram para reformar os parquinhos da Escola Municipal Celino Rocha de Araújo e do Colégio Estadual Domingos Francisco.

 

RS - Já nas agências da cooperativa no Rio Grande do Sul, que ficam em Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Estrela e Lajeado, os colaboradores organizaram diversas ações em prol de instituições que atendem idosos, como por exemplo um lanche da tarde e a entrega de materiais de higiene pessoal e limpeza, que foram arrecadados durante uma campanha.

 

Beneficiados - Segundo a gerente de relacionamento da agência de Lajeado, Vanessa Bazzanella, a ação desenvolvida atendeu 52 idosos. “Além dos produtos que levamos para doação, foi conosco uma dupla de músicos que alegrou a manhã com muita cantoria. Para nós, foi um momento de bastante aprendizado e saímos do local com a certeza de que sempre podemos doar mais nosso tempo, amor e atenção, pois no fundo é disso que eles realmente precisam”, ressalta.

 

Doação de sangue - Houve também doação de sangue e mutirão para arrecadar alimentos para a Escolinha Alunos do Bem e para a Casa da Criança do Centro Jardelino Ramos. A gerente de Relacionamento de Caxias do Sul, Cristine Baldasso, se diz muito feliz com o resultado. "O sentimento é de muita gratidão, pela oportunidade de ajudar o próximo, principalmente se tratando de crianças que vivem em estado de vulnerabilidade”, explica. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/07/12/dia_c_I/{/vsig}

DIA C II: Sicoob Integrado comemorou o Dia de Cooperar com a Feijoada do Bem

 

Pelo segundo ano, o Sicoob Integrado e outras cinco cooperativas de Pato Branco (PR) se reuniram para realizar a Feijoada do Bem. A ação, que aconteceu no dia 6 de julho no Pavilhão São Pedro, marcou as comemorações do Dia de Cooperar.

 

Hospital do Câncer - Todo o valor da venda dos ingressos da feijoada, que soma mais de R$ 20 mil, será destinado para o Hospital do Câncer da cidade. Durante o evento, também foram arrecadados em torno de 420 quilos de alimentos, que serão doados para a Missão SOS Vida.

 

Participantes - "O evento tomou uma proporção incrível neste ano. A primeira edição reuniu cerca de 350 pessoas e dessa vez, conseguimos reunir quase mil participantes. Creio que a ajuda mútua entre as cooperativas em prol de quem precisa desperta ainda mais a vontade cooperar", comenta a analista de Comunicação e Marketing do Sicoob Integrado, Schirlei Kreuzberg Catusso. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/07/12/dia_C_II/{/vsig}

SICREDI VANGUARDA: Cooperativa anuncia mudanças no Conselho de Administração e na presidência

 

sicredi vanguarda 12 07 2019O Sicredi comunica que, devido ao falecimento de Luiz Hoflinger, presidente do Conselho de Administração da cooperativa Sicredi Vanguarda PR/SP/RJ, com sede em Medianeira/PR e atuação no oeste do Paraná, Vale do Paraíba (São Paulo) e sul do estado do Rio de Janeiro, ocorrido no último dia 09/07, foi definido para atuar de forma interina para as prerrogativas do cargo de presidente da cooperativa o atual vice-presidente, Ivanir Antônio Reginatto. Assumirá a posição de vice-presidente a atual conselheira de administração, Márcia Piati Bordignon.

 

Remanejamento - O remanejamento das posições do atual conselho de administração já foi concluído. Uma Assembleia Geral Extraordinária de Delegados será convocada para o dia 06 de agosto de 2019 em Medianeira, quando será indicado a assumir a presidência da cooperativa o atual diretor-executivo da instituição, Aldo Dagostim. 

 

Formação - Aldo Dagostim tem 53 anos, é graduado em Ciências Contábeis, com mais de 35 anos de experiência profissional, com especialização em contabilidade e finanças, pela CEPE/UFPR, além de MBA Executivo em Varejo Bancário pela Estação Business School/IBMEC, MBA em Gestão Estratégia de Pessoas pela FGV e MBA em Gestão e Controladoria, Auditoria e Tributos também pela FGV. 

 

Carreira - Também integrou cursos de aperfeiçoamento do Sicredi realizados pela Fundação Dom Cabral, Universidade de Wharton (EUA), Insead (Singapura), Kellog (EUA) Universidade de Cambridge (Inglaterra), Singularity University (EUA), entre outros. Aldo iniciou suas atividades na Central Sicredi PR/SP/RJ em 1994, atuando como auditor interno. Também trabalhou na Gerência de Controladoria do Banco Cooperativo Sicredi até retornar à Sicredi Vanguarda PR/SP/RJ em 2002, primeiramente como Superintendente Regional e posteriormente assumindo o cargo de Diretor Executivo da Instituição Financeira Cooperativa, executando com sucesso os indicadores estabelecidos pela cooperativa para chegar aos atuais 143 mil associados, 61 agências, R$ 408 milhões em patrimônio líquido e R$ 3,2 bilhões em ativos, fazendo da Sicredi Vanguarda PR/SP/RJ uma das maiores cooperativas do Sistema Sicredi atualmente.

 

Transparência - O Sicredi reafirma o compromisso com a transparência e a gestão democrática dos negócios e reitera votos de sucesso ao novo Presidente do Conselho de Administração. 

 

Sobre o Sicredi- O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vanguarda PR/SP/RJ)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

SICREDI CAMPOS GERAIS: Colombo ganha nova agência

 

Curitiba e Região Metropolitana ganham a quinta agência da Sicredi Campos Gerais PR/SP em 2019. Trata-se de um novo ponto de atendimento no Alto Maracanã, a terceira agência da instituição financeira cooperativa em Colombo. Com 584 metros quadrados, 4 guichês de caixas e estacionamento, o espaço foi inaugurado na última terça-feira (09/07), em uma cerimônia voltada a associados, colaboradores e diretoria da cooperativa.

 

Seis agências - Até dezembro do ano passado, a instituição contava com seis agências na região de Curitiba e em Colombo. Com investimentos de cerca de R$ 7 milhões, a Sicredi Campos Gerais PR/SP atinge 11 pontos de atendimento ao fim do primeiro semestre deste ano. Com os novos espaços, a cooperativa vai gerar 40 novos empregos diretos e totalizar 134 funcionários atuando em Curitiba e RMC.

 

Diferenciais - “Um dos diferenciais do Sicredi está no atendimento que oferecemos aos nossos associados, compreendendo as suas necessidades e oferecendo soluções financeiras adequadas à população. Por isso, apesar dos investimentos no relacionamento por meio dos sistemas digitais, estamos ampliando a presença física com os pontos de atendimento”, explica o presidente da Sicredi Campos Gerais PR/SP, Popke Ferdinand Van Der Vinne.

 

Aproximação - Para o diretor executivo da Sicredi Campos Gerais/PR/SP, Márcio Zwierewicz, a presença física do Sicredi auxilia em um dos propósitos da cooperativa, que é se aproximar cada vez mais dos associados. “Queremos que as cidades de médio e grande porte conheçam os benefícios do sistema cooperativo em comparação aos bancos. Nesse quesito, os espaços físicos contribuem para a imagem e a credibilidade da instituição”, ressalta.

 

Curitiba - Só neste ano, além da agência do Alto Maracanã, em Colombo, a Sicredi Campos Gerais PR/SP também inaugurou unidades de atendimento no Batel, no Novo Mundo, no Champagnat e no Jockey Plaza Shopping, todas na capital paranaense.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2019/noticias/07/12/sicredi_campos_gerais/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Cooperativa chega a Centenário do Sul com sua 98ª agência

sicredi uniao 12 07 2019Centenário do Sul, no Norte do Paraná, recebeu na quarta-feira (10/07), a 98ª agência da Sicredi União PR/SP. A inauguração dá continuidade ao plano de expansão da cooperativa de crédito, que vai inaugurar no decorrer deste ano 25 novas agências, distribuídas no Norte e Noroeste do Paraná, Leste e Centro-Leste de São Paulo.

Conquista - O município de Centenário do Sul tem perto de 12 mil habitantes. Com forte vocação agrícola, também é referência no comércio entre as demais cidades da região. No cerimonial de inauguração da agência - que reuniu diretores da Sicredi União PR/SP, autoridades e associados - o prefeito de Centenário do Sul, Luiz Nicácio, destacou que há tempos havia um “namoro” entre administração municipal e a Sicredi, no intuito de promover a instalação de uma agência da cooperativa na cidade. “É uma conquista, uma opção para o desenvolvimento. Agradecemos pela escolha”, ressaltou em seu pronunciamento, frisando também o potencial do cooperativismo em transformar regiões e produzir frutos por onde passa.

Relacionamento - Em seu pronunciamento, o diretor-executivo da Sicredi União, Rogério Machado, reforçou o relacionamento como o diferencial da cooperativa. “Oferecemos produtos e serviços a preços justos, mas o mais relevante são as pessoas”, garantiu, completando que a cooperativa existe para atender as necessidades das pessoas, diferente de um banco que é uma empresa de capital.

Diferencial - O gerente da agência de Centenário do Sul, Ramon Miroto Montanha, também destacou a importância do relacionamento. “Essa é a chave para o nosso sucesso. Somos uma cooperativa de pessoas para pessoas e abraçamos Centenário para somar e atender todas as necessidades”, resumiu.

Próximas inaugurações - Na região Norte do Paraná, a próxima inauguração da Sicredi União PR/SP será em Londrina, em agosto, com a nova agência na Avenida Inglaterra, zona sul da cidade. Também em agosto a cooperativa reinaugura na cidade a agência da Zona Norte, na Avenida Saul Elkind, em prédio novo e maior. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Cooperados fundadores de agência são homenageados em Foz do Iguaçu

 

No último dia 5, o Sicoob Três Fronteiras promoveu uma homenagem aos cooperados que contribuíram com a abertura do ponto de atendimento no bairro Porto Meira, em Foz do Iguaçu.

 

Placa - Eles foram recepcionados com um café da manhã pela equipe da unidade, membros da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração. Depois, acompanharam o descerramento simbólico de uma placa de homenagem, que tem o nome de todos os apoiadores como forma de reconhecimento e agradecimento a cada cooperado pelo papel desempenhado na abertura da agência, que é a primeira instituição financeira do bairro com cerca de 40 mil habitantes.

 

Honrado - O cooperado Romalino Veiga de Oliveira se diz honrado em ter contribuído para que a agência se tornasse realidade e que confia no Sicoob por ser uma instituição financeira diferente. “Me sinto bem aqui pois somos bem atendidos e a equipe está sempre disposta a nos ajudar”, afirma

 

Indicação - Já o cooperado Hugo Leonardo dos Santos, conta que indicou o Sicoob para três conhecidos que também se associaram. “Devido ao ótimo atendimento e a proximidade com a gerente, que é diferente da instituição onde eu mantinha minha conta pessoal e empresarial”, explica.

 

Apresentação - Na ocasião, os cooperados também assistiram a uma apresentação sobre a evolução do ponto de atendimento desde a sua inauguração, em novembro de 2018. Eles também puderam dar sugestões em relação à atuação da cooperativa no local.

 

Recursos administrativos - Após apresentar os principais números da agência, o diretor Superintendente, Dirceu Luiz Tessaro, falou sobre a importância de itens como recursos administrativos, já que uma das principais funções da cooperativa é captar recursos de quem tem dinheiro para investir e emprestar para quem precisa de taxas e juros mais baixos do que o mercado.

 

Desafio - O diretor aproveitou o momento para fazer um desafio aos presentes. “Essa agência tem mais de 600 cooperados e pode chegar facilmente a 1 mil até o fim do ano. Cabe a cada um de nós convidarmos mais pessoas para desfrutar do modelo colaborativo que o Sicoob oferece”, ressalta. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/07/12/sicoob_tres_fronteiras/{/vsig}

INSTITUTO SICOOB: UDC realiza reunião com profissionais de apoio estratégico

 

A Unidade de Desenvolvimento Cooperativo (UDC), por meio da área Comunidade, responsável por gerenciar os programas e ações do Instituto Sicoob na Central Unicoob, promoveu a primeira Reunião de Pessoas de Apoio Estratégico (PAEs) de 2019. Realizado em Londrina (PR), nos dias 2, 3 e 4, o evento teve como objetivo avaliar as ações realizadas no primeiro semestre e alinhar a agenda das atividades que serão realizadas no restante do ano. 

 

Resultados - Durante a reunião, os PAEs, juntamente da equipe da UDC, analisaram e comemoraram os excelentes resultados obtidos até o momento, decorrentes das ações realizadas dentro dos programas que compõem os eixos de atuação do Instituto Sicoob. Além disso, o evento também contou com momentos de dinâmicas, escuta ativa para discussão sobre pontos de melhoria e alinhamento da agenda do que ainda será feito até o fim deste ano. 

 

Voz - De acordo com a assistente de Projetos do Sicoob Central Unicoob, Daiane Surany, a reunião é muito importante, pois tem a característica de dar voz a todos e buscar a melhoria. “É um momento em que os PAEs podem falar das dificuldades que têm encontrado na ponta de atuação, mas também apresentar aquilo que eles enxergam como solução. Todos podem compartilhar e contribuir, pois entendemos que juntos é a melhor maneira de alinhar e melhorar a execução das ações que serão desenvolvidas no futuro do Instituto Sicoob.”

 

Encontros - A Central Unicoob realiza, tradicionalmente, duas reuniões de PAEs por ano. A expectativa é que a próxima seja realizada em dezembro, para avaliação do ano e planejamento estratégico das ações do ano seguinte.

 

Cooperativas representadas - As cooperativas que estiveram representadas por PAEs foram: Sicoob Credicapital, Sicoob Integrado, Sicoob Marechal, Sicoob Meridional, Sicoob Metropolitano, Sicoob Noroeste, Sicoob Ouro Verde, Sicoob Sul, Sicoob Três Fronteiras, Sicoob Vale do Iguaçu, além do próprio Instituto Sicoob, que enviou uma representante de Brasília (DF). (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/07/12/instituto_sicoob/{/vsig}

BOM JESUS: Cooperativa completa 67 anos

 

bom jesus 12 07 2019Neste sábado (13/07), a Cooperativa Agroindustrial Bom Jesus, sediada na Lapa (PR), completa 67 anos de história ao lado do produtor rural, promovendo a transferência de tecnologias. Este ano atingiu a marca de ser a 3ª melhor cooperativa paranaense no aspecto de gestão e solvência.  Em benefício ao seu cooperado, a Bom Jesus tem mais de 5500 cooperados e está presente com 25 unidades em 13 municípios do sudeste paranaense e planalto norte catarinense. Atua no recebimento de soja, milho, feijão, trigo e cevada, levando toda tecnologia aos produtores com assistência técnica e insumos no tratamento de diversas culturas, e também atua na captação de leite da região. Sua missão é promover o desenvolvimento socioeconômico e cultural do cooperado, através da geração e transferência de tecnologia, para melhoria da produção e sua comercialização. (Imprensa Bom Jesus)

COPAGRIL: Segunda etapa da Maratona Cultural da ACJC será realizada sábado

 

copagril 12 07 2019Será realizada neste sábado (13/07), na Associação de Moradores e Amigos de Novo Horizonte, a segunda etapa da Maratona Cultural da ACJC (Associação dos Comitês de Jovens da Copagril), com apresentações de música e dança. O evento será iniciado às 19h30 e contará 4 apresentações de música, 4 apresentações de dança, seguidas de premiação dos comitês vencedores da primeira e segunda etapas e posteriormente será realizado baile com animação de Marcelo e Mauri.

 

Parabenização - O presidente da ACJC, Sérgio Marcelo Fuhr, parabenizou os envolvidos na primeira etapa da maratona cultural e destacou a expectativa de um grandioso evento. “Na última etapa, realizada em Pato Bragado, com teatro e poesia, tivemos uma grande participação dos comitês e também da comunidade. Foi um evento muito bem organizado, muito bem-apresentado e por isso, é importante dar os parabéns a todos que estiveram envolvidos. E é claro que nessa segunda etapa não será diferente. A expectativa é de que tenhamos novamente grandes apresentações, por isso, vale a pena toda a comunidade participar”, destacou Sérgio Fuhr.

 

Entrada - O presidente da ACJC, Ségio Fuhr, comenta que devido ao baile será cobrado um valor simbólico para entrada no evento. “A entrada no evento custará R$ 10,00 mais um quilo de alimento não perecível ou R$ 15,00 sem a necessidade da doação de alimentos”, enfatizou Sérgio.

 

Convite - O presidente da ACJC destacou que a comunidade pode esperar por uma noite muito especial. “Quem participar dessa etapa da maratona, com certeza, assistirá a grandes apresentações e também um baile muito animado. Os jovens dos comitês ensaiam muito para esses eventos e é gratificante para todos nós contar a com a presença da comunidade. Então fica desde já o convite para todos participarem desse grande evento preparado com todo carinho pela ACJC”, finalizou Sérgio Marcelo Fuhr. (Imprensa Copagril)

COAMO: Conhecidos os grupos e os jogos da fase final da Copa de Cooperados 2019

 

Foi realizado, na tarde desta quinta-feira (11/07), o Congresso Técnico para a final da Copa Coamo de Cooperados Futebol Suíço – 2019. O evento foi realizado na Administração Central da cooperativa, em Campo Mourão e contou com a presença de dirigentes das 33 equipes finalistas e da Comissão Central Organizadora.  O congresso técnico definiu os grupos e a tabela de jogos da fase final, que será no dia 27 de julho, na Arcam em Campo Mourão, e que reunirá os das sete regionais realizadas de 27 de abril a 06 de julho.

 

Sorteio - As 33 equipes foram sorteadas em 11 grupos com três times cada que jogarão entre si, classificando para a fase seguinte o campeão de cada grupo e, também, os vice-campeões dos grupos A, B, C, D, E, totalizando 16 equipes, que disputarão as fases seguintes no sistema de eliminatória simples (mata-mata). Na primeira fase, os jogos serão 10 min. por 10 min. e na segunda fase 15 por 15. 

 

Primeiros - Os primeiros jogos da fase final da Copa Coamo de Cooperados – Futebol Suíço serão entre as equipes Mamborê - Placa América x Boa Ventura - Linha Forekevicz - A (campo 1), Manoel Ribas - Linha Esperança x Cândido de Abreu - Capinzal (campo 2), Toledo - Concórdia ''B'' x Ivaiporã - Beija-Flor (campo 3), Engenheiro Beltrão - Figueira do Oeste x Tupãssi - Fica Gelo (campo 4), Ouro Verde do Oeste - Ouro Verde ''C'' x Juranda - Grupo União (campo 5). (Imprensa Coamo)

 

{vsig}2019/noticias/07/12/coamo/{/vsig}

AGRÁRIA: Traktor Fest 2019, uma festa dedicada aos amantes de máquinas antigas

 

Muita gente considera o ronco de um trator antigo um dos sons mais agradáveis de se ouvir. Assim como reformar e preservar uma máquina desgastada, que outrora abriu o solo e semeou lavouras, um hobby relaxante. Para pessoas assim, e também para aquelas que simplesmente admiram a arte da restauração, a Traktor Fest 2019, realizado pela TAER (Tratores Antigos de Entre Rios), é um evento imperdível.

 

Data - A Traktor Fest 2019 ocorrerá no próximo dia 28 de julho, na Colônia Samambaia. Além da exposição de mais de 100 tratores e máquinas antigas locais e de outras regiões do país, o evento contará com o tradicional churrasco ao ar livre (incluindo chope, bebidas e sobremesas) e diversão para as crianças. Pede-se para levar prato e talheres.

 

Cartões - Os cartões de churrasco podem ser adquiridos na Mercearia Stoetzer (na Samambaia), no Posto Vitória e no Bazar de Artesanato (Colônia Vitória). (Imprensa Agrária)

 

{vsig}2019/noticias/07/12/agraria/{/vsig}

PREVIDÊNCIA: Câmara reduz tempo mínimo de contribuição de homens de 20 para 15 anos

 

previdencia 12 07 2019Por meio de acordo entre lideranças, a Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta sexta-feira (12/07), por 445 votos a 15, um destaque que reduz para 15 anos o tempo mínimo de contribuição exigido para homens do regime geral poderem se aposentar, mesmo tempo mínimo de contribuição previsto para as mulheres. O texto original previa que o tempo mínimo seria 20 anos.

 

Encerramento da sessão - Logo após a discussão desse destaque, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrou a sessão faltando ao menos uma dezena de emendas críticas para serem analisadas, sob o argumento de que os deputados estavam cansados. Na sequência, marcou a reabertura dos trabalhos para a votação de destaques na manhã desta sexta-feira.

 

Policiais - O penúltimo destaque analisado também havia sido resultado de um acordo costurado por Maia com parlamentares do Centrão, pelo qual a Casa aprovou, com 467 votos favoráveis e 15 contrários, a emenda aglutinativa do Podemos que suaviza as regras de aposentadoria dos policiais federais, rodoviários federais, ferroviários federais, policiais civis do Distrito Federal, policiais legislativos, agentes socioeducativos e agentes penitenciários federais. Apenas um parlamentar se absteve.

 

Idade mínima - A emenda estabelece que a idade mínima passará a ser 53 anos para homens e 52 para mulheres. Para os trabalhadores em geral a idade mínima proposta pela reforma é de 65 anos para homens e 62 anos para as mulheres.

 

Pedágio - Outro ponto acordado para os policiais é que haverá 100% de pedágio sobre o tempo que falta para a aposentadoria. Esse ponto desagrada aos policiais em geral, mas acabou prevalecendo. Sobre os tempos de contribuição, serão 30 anos para homens, com pelo menos 20 anos no exercício do cargo de natureza policial e 25 anos para mulheres, com pelo menos 15 anos no exercício da função.

 

Recusa - Na semana passada, o governo chegou a ensaiar um acordo com líderes partidários e com Maia, mas a recusa da categoria fez com que o compromisso não fosse adiante. Com isso, policiais não foram contemplados com alterações na comissão especial. Uma semana depois, porém, os representantes dos policiais recuaram e decidiram aceitar os termos do acordo.

 

Explicação - A presidente do Podemos, deputada Renata Abreu explicou ao Valor que combinou com Maia e com os demais líderes que retiraria o destaque que sugeria que os profissionais de segurança pública ficassem de fora da reforma e que apresentaria uma emenda aglutinativa com as novas propostas, com o respaldo do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro.

 

Texto do Executivo - No texto encaminhado por Bolsonaro ao Congresso e que foi mantido pelo relator Samuel Moreira (PSDB-SP), a idade mínima de aposentadoria dos federais era 55 anos tanto para homens quanto para mulheres, além de pelo menos 30 anos de contribuição, e 25 na função, para ambos os sexos.

 

Pensões e mulheres - A Câmara também aprovou na mesma sessão, por 344 votos a 132, emenda que permite pensões por morte inferiores a um salário mínimo e que prevê regras mais benéficas para o cálculo de aposentadoria das mulheres. Nesta votação, 15 parlamentares se abstiveram.

 

Redução - Com a votação dessa emenda, destaques do PCdoB e do PSC ficam prejudicados e não podem ser julgados. A aprovação da emenda representa uma redução de R$ 18 bilhões no impacto fiscal da reforma, segundo o líder da Maioria na Casa, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

 

Risco - A votação da emenda defendida pela bancada feminina chegou a correr risco diante de um movimento da bancada evangélica para que o texto da emenda passasse por alterações.

 

Acordo - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, reuniu-se com os membros da frente parlamentar e conseguiu celebrar um acordo para que o texto deixasse claro que pessoas com renda informal ou sem renda terão a pensão por morte de pelo menos um salário mínimo. 

 

Nova versão - A nova versão do texto estabelecerá que a pensão por morte só não será de um salário mínimo se não for a única fonte de renda formal obtida pelo dependente. Em relação ao cálculo da aposentadoria, a emenda prevê que mulheres possam ter direito a 60% do valor do benefício aos 15 anos de contribuição e não 20 anos. O texto sugere ainda que a cada ano a mais na ativa, será possível receber mais 2%.

 

Proteção à maternidade - Além disso, a bancada feminina pedia que fosse mantido o trecho da Constituição que prevê que a Previdência Social garante proteção à maternidade, especialmente à gestante. O parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) garantia apenas o salário-maternidade.

 

Lei infraconstitucional - A emenda da bancada feminina estabelece ainda que uma lei infraconstitucional poderá autorizar que as causas de competência da Justiça Federal, em que forem partes o INSS e o segurado, possam ser processadas e julgadas pela justiça estadual.

 

BPC - A Câmara também rejeitou, por 322 votos a 164, destaque do Cidadania que sugeria excluir do projeto a determinação que o benefício de prestação continuada (BPC), pago a idosos e deficientes em condições de miséria só seja destinado a famílias com renda per capita de menos de R$ 250 (um quarto de salário mínimo). Dois parlamentares se abstiveram.

 

Menos fraudes - Esse critério já está previsto numa lei, mas que foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e cerca de 33% dos pagamentos do BPC estão ocorrendo por decisão judicial. De acordo com o relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB-SP), a medida reduzirá o número de fraudes e de questionamentos na Justiça relativos à concessão do auxílio.

 

Renda - O tucano acatou pedido da equipe econômica para incluir, na Constituição, critérios de renda para ter direito ao auxílio. Após a aprovação do destaque, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrou a sessão e abriu uma nova para continuar a análise das demais sugestões de alteração no texto da reforma.

 

Requerimento - Assim que a nova sessão foi iniciada, a oposição protocolou novo requerimento para retirar a reforma da pauta do plenário, em mais uma ferramenta do "kit obstrução", mas os deputados rejeitaram a medida e a sessão seguiu.

 

Abono salarial - A Câmara também rejeitou, por 326 votos a 164, destaque do Psol que pretendia restabelecer o pagamento de abono salarial para quem recebe até dois salários mínimos (R$ 1.996), como ocorre atualmente. Apenas um parlamentar se absteve na votação.

 

Restrição - O relator Samuel Moreira (PSDB-SP) estabeleceu em seu parecer que o pagamento do abono salarial fica restrito aos trabalhadores com renda de até R$ 1.364,43. A proposta encaminhada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro era ainda mais restrita, porque limitava o pagamento a quem recebe até um salário mínimo (R$ 998). (Valor Econômico)

CÂMARA I: Aprovada MP da Liberdade Econômica, com regras trabalhistas e fim do eSocial

 

camara I 12 08 2019A comissão mista que analisa a medida provisória (MP) 881/2019 aprovou nesta quinta-feira (11/07) o relatório do deputado Jeronimo Goergen (PP-RS). O texto estabelece garantias para o livre mercado, prevê imunidade burocrática para startups e extingue o Fundo Soberano do Brasil. O projeto de lei de conversão (aprovado quando uma MP é modificada no Congresso) precisa passar pelos Plenários da Câmara e do Senado antes de ir para a sanção do presidente da República. A comissão mista é presidida pelo senador Dário Berger (MDB-SC).

 

Declaração - A medida provisória institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica. De acordo com o Poder Executivo, o texto tem como objetivos recuperar a economia, garantir investimentos em educação e tecnologia, possibilitar a desestatização e resolver questões concretas de segurança jurídica.

 

Baixo risco - A MP 881/2019 libera pessoas físicas e empresas para desenvolver negócios considerados de baixo risco. Estados, Distrito Federal e municípios devem definir quais atividades econômicas poderão contar com a dispensa total de atos de liberação como licenças, autorizações, inscrições, registros ou alvarás. De acordo com o texto, essas atividades econômicas poderão ser desenvolvidas em qualquer horário ou dia da semana, desde que respeitem normas de direito de vizinhança, não causem danos ao meio ambiente, não gerem poluição sonora e não perturbem o sossego da população.

 

Prazos - De acordo com o texto, a administração pública deve cumprir prazos para responder aos pedidos de autorização feitos pelos cidadãos. Caso o prazo máximo informado no momento da solicitação não seja respeitado, a aprovação do pedido será tácita. Cada órgão definirá individualmente seus prazos, limitados ao que for estabelecido em decreto presidencial. A MP também equipara documentos em meio digital a documentos físicos, tanto para comprovação de direitos quanto para realização de atos públicos.

 

Imunidade burocrática - A MP 881/2019 prevê imunidade burocrática para o desenvolvimento de novos produtos e serviços e para a criação de startups — empresas em estágio inicial que buscam inovação. Poderão ser realizados testes para grupos privados e restritos, desde que não se coloque em risco a saúde ou a segurança pública. O texto também autoriza que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) reduza exigências para permitir a entrada dos pequenos e médios empreendedores no mercado de capitais. A ideia é que empresas brasileiras não precisem abrir seu capital no exterior, onde encontram menos burocracia.

 

Extinção - A matéria extingue o Fundo Soberano do Brasil (FSB), criado em 2008 como uma espécie de poupança para tempos de crise. Os recursos hoje depositados no FSB serão direcionados ao Tesouro Nacional. O ex-presidente Michel Temer já havia tentado extinguir o FSB por meio da MP 830/2018, mas o dispositivo foi rejeitado no Parlamento. Em maio de 2018, o patrimônio do fundo somava R$ 27 bilhões.

 

Fim do eSocial - A MP 881/2019 recebeu 301 emendas. O deputado Jeronimo Goergen acolheu 126 delas, integral ou parcialmente. O relator incluiu um dispositivo para acabar com o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial). O sistema tem como objetivo unificar o pagamento de obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas.

 

Investimento - Para Goergen, “as empresas estão sendo obrigadas a fazer um enorme investimento” para atender ao eSocial. Mas não são dispensadas de outras obrigações como a Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf), a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), o Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (Sefip) e o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

 

Contrato - O texto prevê ainda a prevalência do contrato sobre o direito empresarial em situações de insegurança jurídica e formas alternativas de solução de conflito em sociedades anônimas. Em outra frente, o relator sugere a criação dos chamados sandboxes — áreas sujeitas a regimes jurídicos diferenciados, como zonas francas não-tributárias definidas por estados e Distrito Federal.

 

Transportadoras - A MP 881/2019 anistia multas aplicadas a transportadoras que descumpriram a primeira tabela de frete fixada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em 2018. O deputado Jeronimo Goergen prevê ainda a criação do Documento Eletrônico de Transporte (DT-e) para eliminar 13 dos 30 documentos associados às operações de transportes de cargas e de passageiros no Brasil.

 

Contratos agrários - O texto prevê autonomia privada nos contratos agrários, atualmente regulados pelo Estatuto da Terra (Lei 4.504, de 1964). Para o relator, “o dirigismo estatal tira das partes a livre manifestação de vontade e cria restrições no uso da propriedade”. Jeronimo Goergen propõe ainda a extinção do livro caixa digital para produtores rurais, o que ele classifica como “uma burocracia desnecessária”. O relator também incluiu no texto medidas para desburocratizar a liberação do financiamento de imóveis.

 

Legislação trabalhista - A MP 881/2019 altera diversos pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (Decreto-Lei 5.452, de 1943). O texto prevê, por exemplo, que a legislação trabalhista só será aplicada em benefício de empregados que recebam até 30 salários mínimos. A medida provisória também prevê a adoção da carteira de trabalho digital e autoriza o trabalho aos domingos e feriados, sem necessidade de permissão prévia do poder público. Por fim, a matéria acaba com a obrigatoriedade das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (Cipas) em situações específicas. O deputado Enio Verri (PT-PR) criticou esses pontos do texto.

 

Questionamento - “Não creio que o liberalismo econômico seja a saída para as grandes crises que vivemos. O incentivo a micro e pequenas empresas sem dúvida é um avanço. Mas a medida provisória faz uma nova reforma trabalhista. Na verdade, tira-se mais direitos. Eu não entendo como a micro e a pequena empresa vão crescer com uma população desempregada e sem salário. Quem vai comprar da micro e pequena empresa?”, questiona Verri.

 

Falso - O relator da matéria disse que é “inteiramente falso” o entendimento de que a liberdade econômica reduz direitos. Para Jeronimo Goergen, a MP 881/2019 não ameaça os trabalhadores.

 

Caminho - “O Estado deve abrir caminho para as liberdades econômicas e a iniciativa privada, sem que isso signifique receio à proteção de direitos coletivos, difusos e individuais homogêneos. É, ao contrário, o aumento da proteção às liberdades econômicas, à livre iniciativa. É plenamente possível um jogo de ganha-ganha, em favor tanto das liberdades econômicas como da manutenção do atual nível de proteção. A medida provisória aumenta a proteção às liberdades econômicas às custas do agigantamento do Estado”, disse.

 

Validade - A medida provisória perde a validade no dia 10 de setembro, caso não seja votada pelas duas Casas do Congresso até essa data. (Agência Senado)

CÂMARA II: CCJ aprova Nova Aurora, no Paraná, como capital nacional da tilápia

 

camara II 12 07 2019A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 8532/17, do deputado Evandro Roman (PSD-PR), que confere ao município de Nova Aurora, no Paraná, o título de “Capital Nacional da Tilápia”.

 

Aprovação - O relator, deputado Expedito Netto (PSD-RO), recomendou a aprovação da matéria. O texto já havia sido aprovado anteriormente pela Comissão de Cultura. Como tramita em caráter conclusivo, a proposta poderá seguir diretamente para o Senado, exceto se houver recurso.

 

Liderança - Evandro Roman ressaltou que a região oeste do Paraná é a líder brasileira em produção de tilápia, de acordo com o Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Piscicultura. A produção local foi de 93,6 mil toneladas em 2016, 14,6% do total nacional. (Agência Câmara)

BIOENERGIA: Afetada por problemas climáticos, safra de cana é menor no Paraná

 

bionergia 12 07 2019Períodos de prolongada estiagem no ano passado, no Paraná, prejudicaram sensivelmente o desenvolvimento das lavouras de cana-de-açúcar e os reflexos estão sendo sentidos agora, na colheita da safra 2019/20, que começou em abril e vai até dezembro.  

 

Diminuiu - Ao emitir na terça-feira (09/11) seu informativo quinzenal de acompanhamento da safra, a Associação dos Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar) divulgou a nova estimativa de produção, de 34,135 milhões de toneladas, exatamente 900 mil a menos em relação às 34,935 milhões de t mencionadas no boletim anterior. 

 

Perda - Comparando com a produção do ano passado, que foi de 36,762 milhões de t, a queda é de 2,627 milhões de t. É como se uma área correspondente a 38,6 mil campos de futebol, cultivados com canaviais, simplesmente deixasse de existir. 

 

Colheita - De acordo com a entidade, que congrega 20 unidades processadoras no Estado, 12,988 milhões de t da matéria-prima já estariam colhidas até o começo de julho, o que corresponde a 38% do total previsto para o ano 2019/20.  

 

Déficit hídrico e calor - O presidente da entidade, Miguel Rubens Tranin, explica que foram dois longos períodos de déficit hídrico em 2018 e, não bastasse, somaram-se a isso altas temperaturas no final do ano e início de 2019. O novo ciclo começou sem que os canaviais apresentassem o crescimento esperado, havendo também queda de produtividade. São 550 mil hectares plantados no Estado, com média de 68 toneladas por hectare.  

 

Açúcar e etanol - Diante da menor oferta de matéria-prima, as usinas adotaram a estratégia de reduzir a produção de etanol, de 1,572 bilhão de litros na safra anterior, para 1,409 bilhão na atual temporada, priorizando o açúcar, para o cumprimento de contratos de exportação. O volume de açúcar deve totalizar 2,193 milhões de t, pouco acima das 2,094 milhões de t registradas do período 2018/19. (Assessoria de Imprensa da Alcopar)

CRÉDITO RURAL: Contratação na safra 2018/2019 fecha em R$ 176 bilhões, alta de 9%

 

credito rural 12 07 2019A aplicação de recursos do crédito rural, correspondente ao fechamento da safra 2018/2019, período compreendido entre julho/2018 e junho/2019, totalizou R$ R$ 176 bilhões. Esse desembolso representa um aumento de 9% comparativamente ao valor aplicado em igual período da safra anterior nas modalidades custeio, industrialização, comercialização e investimento.

 

Balanço - Os números fazem parte do Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2018/2019, divulgado nesta quinta-feira (11) pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, com base nos dados do Sistema de Operações do Crédito Rural e do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), do Banco Central.

 

Custeio - As contratações do crédito rural para custeio somaram R$ 99 bilhões (+7%), dos quais R$ 19,9 bilhões (+24%) realizados pelos médios produtores (Pronamp).

 

Investimento - Para os investimentos, os desembolsos alcançaram R$ 43,63 bilhões, registrando alta de 9% em relação aos valores aplicados na safra anterior, com destaque para os programas de investimentos realizados pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) com incremento de 18%, ou seja, R$ 15 bilhões aplicados.

 

Destaques - Entre os destaques nos programas de investimentos estão o Moderfrota, para aquisição de máquinas e implementos agrícolas (R$ 8,8 bilhões – 17%); Moderagro, para projetos de modernização e expansão da produtividade nos setores agropecuários (R$ 857 milhões – 26%); PCA, para a construção e ampliação de armazéns (R$1,1 bilhão – 25%) e o Prodecoop, para as cooperativas investirem na modernização dos sistemas produtivos e de comercialização (R$ 1,36 bilhão – 159%).

 

Fontes - Dentre os recursos em evidência nas fontes não controladas estão as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA’s), cujas aplicações aumentaram de R$ 24 bilhões para R$ 29 bilhões. (Mapa)

BRASIL: Equipe econômica pretende unificar reformas tributárias

 

brasil 12 07 2019O governo pretende fazer uma proposta de reforma tributária que concilie as diversas sugestões em curso, tanto os projetos de reformas que tramitam na Câmara e no Senado quanto os sugeridos pelos secretários de Fazenda dos Estados e pelos empresários.

 

IR negativo - Além da fusão de vários tributos federais em um só, o governo avalia a criação do Imposto de Renda negativo e a redução da alíquota do IR das empresas, na linha do que fez o governo de Donald Trump, que cortou de 35% para 20% o IR que incide sobre as pessoas jurídicas. Com a abertura da economia, o sistema tributário brasileiro precisa se aproximar do que é praticado pelos principais parceiros do país, para que não haja perda de competitividade das empresas locais decorrente da incidência de tributos.

 

Linha de renda - O IR negativo pressupõe a definição de uma determinada linha de renda, acima da qual paga-se um percentual de imposto e abaixo dela recebe-se uma fração do tributo. Funciona, assim, como um programa de renda mínima.

 

Primeira vez - O IR negativo foi citado pela primeira vez por Juliet Rhys-Williams, política britânica, nos anos 1940 e a ideia acabou sendo abraçada pelo pai do liberalismo, o economista americano Milton Friedman.

 

Renda básica - No Brasil, foi instituída a renda básica de cidadania pela Lei 10.835, de janeiro de 2004, como resultado da proposta de renda mínima do então senador Eduardo Suplicy (PT-SP), mas a lei nunca foi implementada. 

 

Outra versão - Em outra versão, a proposta de reforma da Previdência elaborada pelos economistas Paulo Tafner e Arminio Fraga previa a criação de um benefício universal do idoso, um programa de renda básica para todos os que fizessem 65 anos, independentemente de contribuição. O valor seria fixado em 70% do salário mínimo, corrigido anualmente pela inflação.

 

Piso - Criava, também, o piso previdenciário de idêntico valor a partir do qual todos poderiam contribuir. Cada ano de contribuição seria acrescido ao benefício universal em uma quantia correspondente atuarialmente àquela contribuição. Pessoas com deficiência também receberiam essa renda mínima independentemente da idade. O benefício universal substituiria o BPC (Benefício de Prestação Continuada).

 

Mais - As mudanças no Imposto de Renda em debate na área técnica do governo não devem se encerrar aí. Estudos do Ministério da Economia preconizam, também, o fim das deduções de despesas médicas do valor do imposto a ser pago, em troca de uma redução das alíquotas do IR das pessoas físicas para todas as faixas de renda. As deduções acentuam o caráter regressivo do Imposto de Renda, pois beneficiam o quintil de maior renda da população.

 

Agenda - A agenda do Ministério da Economia, tão logo seja aprovada a reforma da Previdência em dois turnos na Câmara, é intensa. Cada uma das seis secretarias especiais tem um pacote de medidas para anunciar. Espera-se, na questão tributária, um "belo embate" de propostas, segundo um qualificado assessor da Economia. A Comissão Especial da Câmara começa a discutir a proposta de emenda constitucional (PEC) de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), elaborada com base nas propostas do economista Bernardo Appy. 

 

Senado - O Senado desengavetou a PEC do ex-deputado Luiz Carlos Hauly. "Ambas são irmãs gêmeas", segundo avaliação de assessor do ministro Paulo Guedes. O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, pretende ressuscitar a ideia do Imposto Único Federal, conforme proposta defendida há anos por Marcos Cintra, hoje secretário especial da Receita Federal. Os secretários de Fazenda dos Estados já rascunharam uma proposta dos governadores e há um movimento empresarial patrocinado pelo Brasil 200 com igual intenção.

 

Simplificação - O objetivo da reforma do governo será a simplificação do emaranhado de impostos que infernizam a vida dos brasileiros.

 

Redução - Como deixou claro o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em discurso durante a sessão de votação da reforma da Previdência, na noite de quarta-feira, não há a menor possibilidade de se discutir redução da carga tributária. Afinal, o tamanho da carga é dado pelo volume das despesas públicas, e estas estão muito distantes de uma redução. Ao contrário, a reforma da Previdência, o maior gasto do Orçamento da União, é para reduzir o ritmo de aumento do gasto, e não para interromper o seu crescimento.

 

Dissonância - É espantosa a dissonância entre os parlamentares que entenderam a dramaticidade do quadro fiscal e estão afinados com a austeridade da despesa pública e os que fazem ouvidos moucos para tal assunto. O desleixo com o rigor que os tempos de déficit crônico nas contas do governo exige pode ser conferido no relatório do deputado Cacá Leão (PP-BA), do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2020.

 

Destinação - O parecer do deputado mais do que duplica - passa de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,7 bilhões - a destinação de dinheiro público para as campanhas eleitorais do próximo ano e dispensa de comprovação o uso do auxílio-moradia dos funcionários com o pagamento de aluguel ou hospedagem em hotel. 

 

Autorização - Autoriza, ainda, o gasto com reformas "voluptuárias" e compra de móveis novos para as residências oficiais que são ocupadas por ministros de Estado, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e dos demais tribunais superiores, do procurador-geral da República, do defensor público-geral federal, dos senadores e dos deputados. E permite a compra de passagens em classe executiva para servidores e membros dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, "quando seu deslocamento em classe econômica, em razão de sua limitação funcional e de condições de acessibilidade da aeronave, impuser-lhe ônus desproporcional e indevido". (Valor Econômico)

 

Foto: Pixabay

INTERNACIONAL: Brasil assume a presidência pró-tempore do Mercosul

 

internacional 12 07 2019Com a presença do presidente Jair Bolsonaro, o Brasil assumirá a presidência pró-tempore (rotativa) do Mercosul no próximo dia 17, em Santa Fé, Argentina, durante reunião dos chefes de Estado do bloco.

 

Reuniões - A participação de Bolsonaro na 54ª Reunião do Conselho do Mercosul e países associado será precedida por uma série de reuniões entre funcionários de governos e diplomatas, que discutirão medidas para simplificar e desburocratizar as relações comerciais e institucionais entre as nações que compõem o próprio bloco e outros países.

 

Celebração - Em clima de celebração pelo fechamento do acordo do Mercosul com a União Europeia (UE), a delegação brasileira será chefiada pelo chanceler Ernesto Araújo, que participa, no dia 16, dos encontros preparatórios da cúpula.

 

Preparatórias - Em Santa Fé, haverá também reuniões preparatórias nos dias 14 e 15 de julho, com reunião da comissão de comércio do Mercosul e uma discussão sobre o funcionamento de um mercado comum.

 

Providências - Na presidência do Mercosul, a delegação brasileira pretende aprofundar as providências adotadas pela Argentina, país que é o atual líder pró-tempore do bloco e que, nessa condição, presidiu com êxito as negociações com a União Europeia.

 

Simplificação - Atualmente, no âmbito do Mercosul, existem mais de 200 órgãos, conselhos e comissões, fator que pressiona os orçamentos do Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai, países que compõem o bloco.

 

Funcionamento - Sob a presidência pró-tempore do Brasil, os membros do Mercosul vão checar o funcionamento e o objetivo de cada órgão ou conselho, que serão extintos, se houver comprovação de que não têm utilidade prática.

 

Tarifa Externa Comum - Segundo integrantes da delegação brasileira, o Brasil vai trabalhar para reduzir as Tarifas Externas Comuns (TECs), que são aplicadas na comercialização de produtos entre os membros do bloco. As TECs foram criadas no início do Mercosul para proteger a indústria de cada país e, dessa forma, evitar o monopólio da produção. Com o tempo, porém, as TECs contribuíram para que o Mercosul se transformasse em um bloco de países fechados e avessos ao comércio mundial.

 

Redução - O fechamento do acordo com a UE vai proporcionar, segundo a delegação brasileira, que essas tarifas sejam reduzidas para que o comércio na região se iguale às condições do bloco europeu. (Agência Brasil)

LIVRE MERCADO: Acordo UE-Mercosul pode ser ratificado em dois anos, diz Câmara Brasil-Espanha

 

livre comercio 12 07 2019O acordo de livre-comércio entre União Europeia (UE) e Mercosul, assinado no último dia 28 de junho, poderia ser ratificado em um prazo de até dois anos, previu o presidente da Câmara de Comércio Brasil-Espanha, José Gasset Loring.

 

Política comum - "A política comercial, de troca comercial, já é uma política comum (dos países da UE). Agora, só precisamos da ratificação do Parlamento Europeu", acrescentou o empresário. "Acredito que em dois anos (a ratificação) terá ocorrido."

 

Próximos passos - Loring explicou que os próximos passos do acordo são a aprovação do Conselho Europeu, que deve ocorrer no último trimestre deste ano, e a apreciação do texto pela Eurocâmara, prevista para acontecer em 2020.

 

Compromisso - O empresário também destacou que o compromisso do Brasil com o Acordo de Paris contra a mudança climática é "muito firme" e não representa um impedimento para as negociações, como questiona o governo da França.

 

Agro - Para ele, o setor agropecuário europeu não deve dificultar a aprovação do acordo, mesmo dos produtores de carne, que exigem melhores condições fitossanitárias por parte do Brasil. "Acredito que o acordo é suficientemente mais amplo para não só se concentrar no comércio de produtos agrícolas. Há produtos industriais que também serão positivamente afetados", ressaltou.

 

Medidas compensatórias - O representante empresarial sugeriu a aplicação de medidas compensatórias aos setores que podem ser prejudicados na Europa, como os criadores de gado, além dos produtores de açúcar, de críticos e arroz. Eles poderiam receber, segundo Loring, recursos oriundos dos fundos de globalização da Política Agrícola Comum da UE.

 

Compromisso ambiental - O embaixador do Brasil na Espanha, Pompeu Andreucci Neto, reforçou o compromisso ambiental do Brasil, dizendo que este é um ponto fundamental e muito sensível, no qual há muito empenho do atual governo.

 

Acordo de Paris - Neto lembrou que o presidente Jair Bolsonaro já disse, mais de uma vez, que o Brasil continuará no Acordo de Paris e minimizou a decisão tomada por ele de transferir ao Ministério da Agricultura a decisão de demarcar terras indígenas. "Isso não vai prejudicar (o andamento do acordo Mercosul-UE). A proteção dos indígenas está na Constituição", disse o diplomata. (Agência Estado/ EFE)


Versão para impressão


RODAPE