Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4591 | 05 de Junho de 2019

MEIO AMBIENTE: Cooperativas promovem ações de preservação dos recursos naturais

dia mundial destaque 05 06 2019Nesta quarta-feira-feira (05/06) é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data será lembrada ao longo da semana, com diversas atividades destinadas a destacar a importância da preservação dos recursos naturais. As cooperativas do Paraná também estão engajadas neste sentido, com a realização de eventos para comemorar a data nas comunidades onde estão inseridas. Além disso, elas investem constantemente em ações como reflorestamento, recuperação de áreas degradadas, combate à poluição do ar, tratamento de efluentes, recolhimento de embalagens vazias de agroquímicos, melhoria da qualidade da água, projetos de geração de energia renovável,educação ambiental,entre outros.

Uso racional- “O uso racional dos recursos naturais recebe atenção crescente do cooperativismo paranaense e do segmento agropecuário, com auxílio importante das novas tecnologias de monitoramento, que conferem precisão científica aos dados de preservação, superando as discussões motivadas por questões ideológicas, que em geral se valem de informações superficiais”, afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Estudo - Ele lembra ainda que o estudo de georreferenciamento, encomendado pela Ocepar e cooperativas, apresentado pela Embrapa Territorial em 2018, constatou que os agricultores paranaenses destinam quase 28% de suas áreas para a preservação ambiental. “É uma informação que demonstra o comprometimento do setor com a racionalidade e proteção do meio ambiente. Com esses dados científicos, os estudos têm sido aprofundados e estão embasando as estratégias do cooperativismo para o crescimento sustentável de seus negócios”, acrescenta Ricken. Clique aqui para conferir na íntegra o estudo da Embrapa Territorial

Comemoração - O Dia Mundial do Meio Ambiente foi instituído pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) em 1972, na Conferência de Estocolmo, na Suécia, com objetivo de estimular atividades e a conscientização global em prol do meio ambiente, baseando-se em uma temática anual específica. O tema deste ano é “Poluição do Ar”, uma questão crítica tanto para o meio ambiente quanto para a saúde humana.

Brasil - No Brasil, o governo estabeleceu, por meio do Decreto Federal 86.028, de 27 de maio de 1981, que neste período em todo território nacional se promovesse a Semana Nacional do Meio Ambiente, com a finalidade de apoiar a participação da comunidade na preservação do patrimônio natural do País. Nesta quarta-feira, o governo federal e a ONU Meio Ambiente irão promover um evento para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente, com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). O ministro Ricardo Salles irá anunciar o Lançamento da Rede Nacional de Monitoramento da Qualidade do Ar. E, em sinergia com a temática, o Programa ambiental da ONU se uniu à OPAS/OMS para lançar, no mesmo evento, a Campanha Respire Vida no Brasil. O objetivo é mobilizar as cidades e indivíduos para proteger a nossa saúde e a saúde do planeta dos efeitos nocivos provocados pela contaminação do ar.

Foto: Assessoria C.Vale

 

FÓRUM DOS PRESIDENTES: Evento será realizado em Maringá, no dia 26 de junho

Será na sede do Sicoob Central Unicoob, em Maringá, Noroeste do Estado, a próxima edição do Fórum dos Presidentes das Cooperativas Paranaenses. O evento, promovido pelo Sistema Ocepar, ocorre dia 26 de junho, das 14h às 18h. A abertura será realizada pela diretoria da entidade. Na sequência, o consultor José Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados, ministra palestra com o tema “Cenário político e econômico do Brasil”. Depois, o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Unicoob, Jefferson Nogaroli, apresenta o modelo de atuação da Central no Paraná.

Inscrições – As inscrições devem ser efetivadas com Neuza Oliveira ou Luana da Luz por meio dos telefones (41) 3200 1105 / 3200 1104 ou pelo e-mail secretaria@sistemaocepar.coop.br.

forum folder 05 06 2019

FORMAÇÃO: Sescoop/PR capacita 268 conselheiros fiscais de diversos ramos

Entre os meses de abril e maio, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) promoveu um ciclo de formação de conselheiros fiscais que resultou na capacitação de 268 profissionais, divididos em 12 turmas. Foram cinco turmas do ramo saúde, com 75 participantes; seis dos ramos agropecuário, infraestrutura, produção de bens e serviços e consumo, com 145 participantes; uma do crédito, com 17 participantes; e uma turma do transporte, com 31 participantes.

Locais - Os cursos ocorreram em diversas cidades do interior do Estado e também em Curitiba. “A capacitação dos conselheiros é importantíssima para a realização de suas atividades, sendo fundamental para a governança das cooperativas”, ressalta o analista técnico do Sescoop/PR, Jessé Aquino Rodrigues. “Outro destaque foi a realização da primeira turma exclusiva para o ramo transporte, iniciativa que foi demandada por algumas cooperativas do ramo e prontamente atendida pelo Sistema Ocepar, inclusive com uma adequação na carga horária para melhor atendê-las. Devido ao sucesso do evento neste ano, essa proposta deve ser ampliada para o próximo ano, com a realização de duas turmas”, complementa.

Público - Os cursos tiveram como público-alvo os fiscais efetivos e suplentes, além de cooperados que pretendem exercer futuramente a função. A ideia desta formação é promover a reciclagem dos conhecimentos dos membros do Conselho Fiscal das cooperativas paranaenses, especialmente no que diz respeito à transparência da gestão dos recursos financeiros. Na oportunidade são apresentadas as atribuições e responsabilidades do cargo, conceitos de contabilidade e uma análise de indicadores. A legislação relacionada às atividades dos conselheiros e a relação do Conselho Fiscal com os demais agentes da governança são outros itens abordados. Os conteúdos são repassados pelos analistas do Sescoop/PR. O curso tem validade de três anos.

Papel relevante - “O Conselho Fiscal tem papel relevante na estrutura de governança das cooperativas. É um órgão fiscalizador independente, que visa contribuir com os princípios da autogestão, transparência, senso de justiça, sustentabilidade e educação, buscando auxiliar para o melhor desempenho da organização. Daí a importância de investirmos constantemente no desenvolvimento e capacitação dos conselheiros”, frisa o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Alfredo Souza.

{vsig}2019/noticias/06/05/formacao/{/vsig}

 

SICOOB METROPOLITANO: Palmital ganha uma agência


sicoob metropolitano 05 06 2019No próximo dia 17, o Sicoob Metropolitano inaugura seu primeiro ponto de atendimento na cidade de Palmital (PR). A solenidade acontece a partir das 9h, na Rua Maximiliano Vicentin nº 542, endereço da nova agência.

Ambiente moderno - Com 210 m² e localizado na região central da cidade, o espaço busca a excelência no atendimento aos cooperados. Para isso, conta com um ambiente moderno, confortável e aconchegante para oferecer à comunidade seu portfólio de produtos e serviços financeiros, com o diferencial de um atendimento próximo e eficaz.

Receptividade - A gerente da unidade, Tamara Péreira de Sá, explica que nos primeiros contatos na cidade já foi possível comprovar a boa receptividade da comunidade. “Quando a gente soma forças, os resultados se multiplicam. Por isso, queremos sempre exercer o nosso propósito de humanizar as relações financeiras e concretizar os sonhos dos nossos cooperados”, ressalta.

Pontos de Atendimento - Com a agência de Palmital, o Sicoob Metropolitano passa a contar com 43 pontos de atendimento. A cooperativa, que tem sede em Maringá, na região noroeste paranaense, atende em municípios do Paraná e São Paulo. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB MERIDIONAL: Agência de Toledo completa seis anos

No dia 30 de maio, uma das agências do Sicoob Meridional em Toledo, no Oeste do Paraná, completou seis anos de funcionamento. O ponto de atendimento fica localizado no bairro Grande Pioneiro e é uma das seis unidades que a cooperativa tem na cidade. Para comemorar a data, colaboradores e cooperados participaram de um café da manhã de confraternização. O associado e delegado da agência, Gladimir Cesar Rosa, falou sobre a satisfação de ter o Sicoob atuando na região. “Agradecemos a confiança da cooperativa em nossa cidade e esperamos que essa parceria perdure para sempre”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2019/noticias/06/05/sicoob_meridional/{/vsig}

SICOOB OURO VERDE: Novo patrocinador master do Londrina Esporte Clube

O Sicoob Ouro Verde assinou com o Londrina Esporte Clube um contrato de patrocínio master até o fim deste ano. A parceria foi selada em um evento na sede da cooperativa, no Centro de Londrina, na noite de segunda-feira (03/06).

Benefícios exclusivos - Com a parceria, tanto o torcedor alviceleste quanto os cooperados do singular terão benefícios exclusivos. Os associados do Sicoob poderão se filiar ao clube com anuidade diferenciada. Já os sócios torcedores terão vantagens na contratação de produtos e serviços da cooperativa, como linhas de crédito e grupos de consórcio exclusivos.

Ânimo - No evento de assinatura, o gestor do LEC, Sérgio Malucelli, celebrou o acordo. "É uma injeção financeira que nos dará mais ânimo para o segundo semestre", explicou.

Satisfação - Para o presidente do Sicoob Ouro Verde, Rafael de Giovanni Neto, é uma grande satisfação contribuir e estar junto com o Londrina. “Temos certeza que essa empreitada será gloriosa e queremos e torcemos para ver o LEC na primeira divisão do Campeonato Brasileiro do ano que vem”, ressaltou.

Fortalecimento - A analista de Comunicação e Marketing do Sicoob Ouro Verde, Flávia Bussadori, destacou a importância da relação entre o time e a singular. "Vislumbramos na parceria com o LEC um fortalecimento de ambas as marcas e das relações com a comunidade, cooperado e colaborador", afirmou. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2019/noticias/06/05/sicoob_ouro_verde/{/vsig}

UNIPRIME NORTE DO PR: Cooperativa promove campanha para arrecadar fraldas geriátricas

uniprime norte pr 05 06 2019Com o objetivo de ajudar quem mais precisa, no dia 03 de junho, a Uniprime Norte do Paraná iniciou uma campanha em todas as agências para arrecadação de fraldas geriátricas. Basta levar o(s) pacote(s) de fraldas até a Agência Uniprime mais próxima, ou para maior comodidade do cooperado Uniprime, a doação pode ser feita em dinheiro, via autorização de débito, preenchida nas agências.

Aquisição - Nesse caso, cada agência é responsável pela compra das fraldas com o valor arrecadado e realiza o mesmo processo de entrega nas instituições carentes da cidade. Vale ressaltar que não é necessário ser um cooperado para contribuir, toda a comunidade pode fazer parte desta ação solidária.

Campanha - Realizada anualmente pela cooperativa, a Campanha de Doação de Fraldas Geriátricas vai até o dia 31 de julho. Este é o 8º ano consecutivo que a Uniprime realiza a ação e, no total, já foram doadas mais de 320 mil fraldas pelos cooperados e colaboradores da cooperativa.

Agência mais próxima - Encontre AQUI a agência mais próxima e contribua com a campanha. (Imprensa Uniprime Norte do Paraná)

 

AGRICULTURA I: Plano Safra terá mesmo juros maiores

agricultura I 05 06 2019O governo caminha para de fato elevar os juros dos financiamentos do próximo Plano Safra (2019/20), que entrará em vigor no dia 1º de julho. O Valor apurou que, apesar da oposição do Ministério da Agricultura, a equipe econômica insiste em um aumento entre 0,5 e 1 ponto percentual das taxas das principais linhas de crédito do plano, que deverá ser anunciado no próximo dia 12 desde que o Congresso aprove a tempo o projeto de lei que libera crédito extra no Orçamento deste ano para pagamento de subsídios e benefícios sociais como Previdência e Bolsa Família ("regra de ouro").

Manutenção - Ao longo das negociações, o Ministério da Agricultura tentou manter o patamar de juros do crédito rural com recursos controlados que vigora na safra atual (2018/19) - de 6% a 7,5% ao ano. O aumento previsto, portanto, levará as taxas do custeio agropecuário de médios e grandes produtores para entre 6,5% a 8%. Já as linhas voltadas a investimentos poderão ter altas até maiores, e seus juros poderão chegar a 8,5% ao ano.

Volume de recursos - À medida em que a área técnica do Ministério da Economia foi traçando um diagnóstico da gravidade das contas públicas em meio às incertezas em torno da aprovação da reforma da Previdência, a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, preferiu centrar seus esforços para preservar, em 2019/20, o volume total de recursos disponibilizado nesta safra 2018/19 - R$ 191 bilhões, dos quais R$ 153,7 bilhões a juros controlados.

Linhas - A ministra também tenta ampliar o montante de financiamentos de algumas linhas. É o caso daquelas voltadas a pequenos agricultores (Pronaf), que no atual ciclo contaram com R$ 31 bilhões e também deverão amargar alta de juros. "Vai ser necessário um ajuste para cima em algumas linhas. Não por causa de uma briga entre Agricultura e Economia. Na decisão entre manter/baixar taxas de juros ou garantir volume de recursos adequado, a ministra optou pela segunda opção.

Mercado - Se o produtor rural não conseguir tomar dinheiro a 7% [juro do Plano Safra], no mercado só vai conseguir a 15%", afirma Eduardo Sampaio, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura.

Subvenção - Na visão de um interlocutor de Tereza Cristina, a alta das taxas de juros é um golpe que a ministra e a bancada ruralista aceitaram absorver em nome de outra batalha não menos importante: garantir R$ 1 bilhão para o programa de subvenções ao seguro rural, montante que foi anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro na Agrishow, maior feira agropecuária do país que aconteceu entre o fim de abril e o início de maio em Ribeirão Preto (SP). Para 2019, foram inicialmente destinados R$ 440,5 milhões ao programa, mas R$ 70 milhões já foram contingenciados.

Ajuste fino- "Vai ter aumento de taxas de juros com certeza. Está sendo feito um ajuste fino, mas todo mundo deve ter um pouquinho mais de juro", disse Tereza Cristina ao Valor.

CPR e CRA - Após recente reunião com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, Tereza também anunciou que seu ministério deverá encaminhar em breve ao Congresso uma Medida Provisória para revisar instrumentos como a Cédula do Produtor Rural (CPR) e títulos como CRA e CDCA, velhas bandeiras suas dos tempos de deputada. "Fiquem tranquilos. Não vamos ter ainda o Plano Safra que desejávamos, mas o produtor vai conseguir se programar, com novas ferramentas", afirmou Tereza Cristina na sexta-feira (31/05), em outra feira agropecuária realizada em Luís Eduardo Magalhães (BA). Na ocasião, a ministra disse que o próximo Plano Safra será "muito parecido" com os últimos.

Acesso - As novas ferramentas destacadas pela ministra visam melhorar o acesso e ampliar o montante de recursos de fontes alternativas de crédito rural, principalmente as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), títulos financeiros isentos de Imposto de Renda. O novo Plano Safra estará repleto de financiamentos com captações de LCA, que deverão superar a poupança rural como principal fonte de recursos do crédito rural no país na temporada 2019/20. (Valor Econômico)

 

AGRICULTURA II: Ministra espera que China avalie a documentação enviada pelo Brasil nos próximos dias

agricultura 05 06 2019A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) disse nesta terça-feira (04/06) que espera que nos próximos dias a China avalie a documentação enviada pelo Brasil sobre as exportações de carne para o país asiático. Segundo a ministra, a detecção da ocorrência mostra a eficiência do serviço de inspeção brasileiro.

Funcionando - “Isso é uma coisa comum e mostra que o serviço de inspeção brasileiro está funcionando. No ano passado, mais de 20 países tiveram uma ocorrência como essa, atípica, não é contagiosa, não tem perigo para ninguém, é uma coisa normal. Isso mostra transparência e governança do serviço de inspeção”, disse.

Suspensão - Na segunda-feira (03/06), o Ministério da Agricultura suspendeu temporariamente a emissão de certificados sanitários para a China até que a autoridade chinesa conclua sua avaliação das informações já transmitidas sobre um caso atípico de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) detectado em Mato Grosso.

Processo - A ministra também lembrou que a OIE abriu o processo na última sexta-feira (31/05) e já encerrou na segunda-feira (03/06), sem pedidos complementares, o que mostra que não há risco sanitário e que as exportações de carne bovina podem continuar normalmente para os demais países.

Normal - “Enfim, é uma coisa absolutamente normal, estamos esperando a China nos próximos dias nos pedir para tirar a suspensão. Foi uma suspensão feita pelo Brasil”, destacou, lembrando que o Ministério da Agricultura foi elogiado pela rapidez com que entregou todas as informações pertinentes.

Comércio - Tereza Cristina avalia que o fato não prejudica o comércio com o país asiático, e lembra que o a China é o único país que exige suspensão temporária quando detectado caso atípico de EEB. “Por isso vamos conversar no futuro sobre um novo protocolo”.

Caso - Na última sexta-feira, a Secretaria de Defesa confirmou a ocorrência, no Mato Grosso, de um caso atípico de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). Essa doença ocorre de maneira espontânea e esporádica, e não está relacionada à ingestão de alimentos contaminados.

Animal - A doença foi constatada em uma vaca de corte, com idade de 17 anos. Todo o material de risco específico para EEB foi removido do animal durante o abate de emergência e incinerado no próprio matadouro. Outros produtos derivados do animal foram identificados, localizados e apreendidos preventivamente, não havendo ingresso de nenhum produto na cadeia alimentar humana ou de ruminantes. Não há, portanto, risco para a população.

Notificação - Após a confirmação, o Brasil notificou oficialmente à OIE e os países importadores, conforme preveem as normas internacionais. Na segunda, a OIE determinou o encerramento do caso sem alteração do status sanitário brasileiro, que segue como risco insignificante para a doença. (Mapa)

 

MILHO: Chuva no Paraná diminuiu ritmo de colheita, diz Deral

As chuvas registradas no Paraná diminuíram o ritmo de colheita do milho e deixaram produtores em alerta, por receios sobre perda na qualidade dos grãos da atual safra, na hipótese de um prolongamento das precipitações, de acordo com avaliações do Departamento de Economia Rural (Deral).

Qualidade - Segundo o órgão, que mantém uma previsão de cerca de 13 milhões de toneladas para a segunda safra paranaense, as chuvas não tendem a atrapalhar a produtividade, mas podem requerer que os agricultores deem maior atenção à qualidade do produto.

Sinal de alerta - "Começa a haver um sinal de alerta, de atenção, de que se tiver uma continuidade de chuvas intensas, a qualidade pode ser prejudicada", afirmou o especialista em milho do Deral, Edmar Gervásio, ponderando que a produção é considerada ainda excelente.

Previsão - Para esta semana, a previsão é de tempo firme, o que deve significar uma retomada no ritmo de colheita, também prejudicado pelos recentes índices de precipitação.

Próxima semana - Na próxima semana, porém, o Paraná já deve voltar a receber chuvas, mas ainda assim os volumes não serão relevantes, de acordo com dados do terminal Eikon, da Refinitiv.

Área colhida - De acordo com dados do Deral atualizados até segunda-feira (03/06), a safrinha 2018/19 tem 6% da área já colhida, enquanto a condição boa predomina na maior parte da área ainda a ser colhida, com 84%.

Acelerado - "Se considerarmos o plantio antecipado, o ritmo já deveria estar um pouco mais acelerado", disse Gervásio. "Mas tivemos chuva, a maior parte na última semana, e isso naturalmente impossibilitou um avanço mais significativo. A partir de hoje, sem previsão de chuvas intensas por quatro ou cinco dias, é esperado que se retome o ritmo."

Ano passado - Na mesma época do ano passado, o Paraná havia colhido apenas 1% da área. Neste ano, o plantio da safrinha de milho no Paraná começou mais cedo que o normal por conta de plantio e colheita igualmente antecipados na safra de soja.

Trigo - Já o plantio de trigo avançou para 68% da área projetada, segundo Deral. (Reuters/Agrolink)

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS: Sindiveg alerta sobre importância do uso de produtos registrados no Brasil

O combate ao uso de agrotóxicos ilegais tem sido um grande desafio para o setor agrícola brasileiro. Há 18 anos o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) atua, por meio da Campanha contra Defensivos Agrícolas Ilegais, no combate aos agrotóxicos ilegais, que busca orientar os agricultores sobre os riscos que esses produtos podem causar e como identificá-los e comunicar o crime às autoridades.

Falsificados ou contrabandeados - Os agrotóxicos ilegais podem ser falsificados – produtos que podem ou não ter sido fabricados no Brasil e não possuem comprovação de que foram formulados corretamente – ou contrabandeados, produtos com origem em outro país e que não possuem registro no Brasil, mas entram pelas fronteiras e são comercializados sem qualquer tipo de garantia ou permissão. Ou seja, nenhum deles tem registro do Ministério da Agricultura ou autorização para venda no País.

Perigo - Além de não ter sua eficiência agronômica atestada, a falta de conhecimento da origem desses produtos apresenta perigo tanto para as lavouras que os recebem quanto para a saúde dos agricultores e o meio ambiente, uma vez que não passaram pela avaliação e aprovação dos três órgãos brasileiros responsáveis por atestar a confiabilidade dos agrotóxicos: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa); sem isso, é impossível comprovar se a formulação do produto é adequada e segura.

Crime - Os delitos de produção, transporte, compra, venda e utilização de agrotóxico contrabandeado ou pirateado são considerados crimes e enquadrados nas leis de Crimes Ambientais (Lei nº 9605, de 12 de fevereiro de 1988); Contrabando ou descaminho (art. 334 do Código Penal) e na Lei dos Agrotóxicos (Lei 7.802/89). O enquadramento legal prevê penas de 1 a 6 anos de detenção e a destruição das lavouras onde for comprovado o uso dos produtos ilegais.

Alerta - O Sindicato alerta que para evitar esses prejuízos é importante que o agricultor fique atento a sinais de ilegalidade do produto, como preços muito abaixo do valor de mercado da região, embalagens sem lacre ou com rótulo mal colocado, rótulo sem nome do fabricante ou dados do órgão registrante. A legislação brasileira exige ainda que rótulos, bulas e embalagens estejam escritos em língua portuguesa.

Canais de confiança- Além do registro dos órgãos competentes, os defensivos agrícolas devem ser adquiridos exclusivamente em canais de confiança – como cooperativas e revendas autorizadas e legalmente estabelecidas ou diretamente com o fabricante. É também imprescindível aplicá-los nas culturas agrícolas somente com a receita agronômica emitida por um engenheiro agrônomo, e seguindo as recomendações de utilização disponibilizadas no rótulo e bula de cada produto.

Combate à ilegalidade - “O Sindiveg trabalha para combater a ilegalidade no campo e garantir que as boas práticas de agrícolas sejam aplicadas. Portanto, para que essa campanha seja cada vez mais efetiva, contamos com a colaboração dos agricultores para que denunciem atividades que colocam em risco toda a cadeia produtiva de alimentos e o meio ambiente”, ressalta Fernando Marini, gerente de Legalidade de Produtos do sindicato.

Disque-Denúncia - A Campanha contra Defensivos Agrícolas Ilegais mantém um serviço Disque-Denúncia (DD), criado para dar suporte à ação das autoridades brasileiras. O número é 0800-940-7030 e a ligação é gratuita. As denúncias são repassadas diretamente às autoridades policiais e de fiscalização. O DD não utiliza identificadores de chamada ou “binas” e não solicita ao denunciante que se identifique, ou seja, a denúncia é anônima.

Sobre o Sindiveg - Fundado em 1941, o Sindiveg – Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal – é formado por 35 empresas fabricantes de defensivos agrícolas. A entidade atua em assuntos econômicos e regulatórios, comércio exterior e negociações internacionais, uso correto e seguro, negociações salariais e no combate ao comércio ilegal de defensivos agrícolas, junto a órgãos de Governo e comércio exterior, poderes públicos, entidades de classe, associações rurais e a sociedade civil.

Membro-líder - O Sindiveg é membro-líder da Campanha contra Defensivos Agrícolas Ilegais, criada em 2001 para combater o comércio ilegal de defensivos, que conta com um serviço de Disque-Denúncia. As denúncias podem ser reportadas pelo número 0800-940-7030 e serão repassadas diretamente às autoridades policiais e de fiscalização. As ligações são gratuitas e anônimas. Saiba mais em www.sindiveg.org.br/naoaosdefensivosilegais. (Assessoria de Imprensa do Sindiveg)

SUSTENTABILIDADE: Logística reversa de pilhas e eletroeletrônicos será ampliada

meio ambiente 05 06 2019Em 30 dias, a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) vai apresentar à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo um projeto para ampliar o sistema de logística reversa de pilhas, baterias e produtos eletroeletrônicos inservíveis no Estado.

Expansão - Segundo o diretor de Sustentabilidade da Abinee, Henrique Riani Mendes, os fabricantes de eletroeletrônicos pretendem expandir os pontos de coleta no Estado, com apoio do Governo e em parceria com lojistas. Atualmente, a Abinee mantém 50 pontos de coleta em dez cidades do Paraná e recolheu 12 toneladas de resíduos pós-uso em 2018.

Avanço - “A Abinee, em parceria com a Greeneletron, que é a entidade gestora para logística reversa de equipamentos eletroeletrônicos, tem total interesse em avançar na coleta e destinação dos produtos pós-uso”, diz Henrique Mendes. “No sistema de pilhas e baterias, temos um termo de compromisso assinado com a secretaria e uma parceria com a Associação Comercial do Paraná e pretendemos expandir a coleta, chegando a todos os municípios”, diz Henrique Mendes.

Destravar - Em relação aos produtos eletroeletrônicos, a Abinee e a Divisão de Resíduos Sólidos da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e Turismo trabalham para destravar itens para dar segurança e viabilidade para a operação.

Adequação - “É preciso adequar a regulamentação dos pontos de coleta. Já conseguimos com a Secretaria da Fazenda a simplificação do documento para o transporte dos resíduos e agora conversamos com a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável para facilitar a instalação de pontos de coleta no comércio”, afirmou Mendes.

Produtiva - Para o coordenador da Divisão de Resíduos Sólidos da Secretaria, Laerty Dudas, a reunião com a Abinee foi produtiva e a logística reversa de pilhas e baterias será significativamente ampliada a partir deste ano.

Dobradinha - “A Abinee destacou que pode fazer a logística em todo o Estado. Temos que fazer dobradinha com o comércio para disponibilizar pontos de coleta de pilha. Esse material será coletado, transportado, destinado e reaproveitado. Será a função do governo fazer essa parceria entre fabricante, importador e distribuidor”, afirmou Dudas. (Agência de Notícias do Paraná)

 

COMBUSTÍVEL: CNPE quer fomentar livre concorrência no abastecimento

combustivel 05 06 2019O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou, nesta terça-feira (04/06), uma resolução para fomentar a livre concorrência na atividade de abastecimento de combustível no Brasil, por meio do estímulo à entrada de novos agentes econômicos. A ideia é, por meio de mais espaço para empresas concorrentes, estimular mais investimentos e, em consequência, empregos no país.

Prazo - A fim de viabilizar esse processo, o conselho definiu um prazo de 180 dias para que algumas metas sejam cumpridas por autoridades do setor. “Ao Ministério da Economia caberá avaliar a implementação da monofasia tributária para a livre concorrência”, disse, por meio de nota o CNPE, após a reunião desta terça, no Ministério de Minas e Energia.

Mecanismo - Também conhecida por tributação concentrada, a tributação monofásica é um mecanismo similar à substituição tributária, no sentido de atribuir a um determinado contribuinte a responsabilidade pelo tributo de toda uma cadeia de produto ou serviço.

Etanol - Quanto à venda direta de etanol, segundo o CNPE, é necessário, antes, a aprovação de uma lei que estabeleça a monofasia tributária federal.

Estudos - Ainda segundo a resolução aprovada nesta terça, caberá ao Ministério de Minas e Energia preparar estudos sobre modelos de negócios e arranjos societários entre agentes regulados, de forma a subsidiar a formulação de medidas voltadas para a ampliação da competitividade do setor, bem como a articulação, junto aos órgãos pertinentes, visando o combate à sonegação e à adulteração de combustíveis, práticas que, segundo o CNPE, distorcem a concorrência no setor.

ANP - A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) ficará encarregada de concluir os processos de tomada pública de contribuição sobre as atividades de distribuição e de revenda de combustíveis no país.

Outros temas - Foi dado à ANP o prazo até 240 dias para avaliar outros temas atinentes ao abastecimento de combustíveis que, por ventura, não tenham sido mencionados na tomada pública de contribuição. (Agência Brasil)

 

LEGISLATIVO: Congresso vota nesta quarta créditos orçamentários fora da regra de ouro

legislativo 05 06 2019O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, convocou sessão do Congresso para esta quarta-feira (05/06), às 14h, para analisar projeto de crédito suplementar em que o Executivo pede autorização do Congresso Nacional para quitar, por meio de operações de crédito, despesas correntes de R$ 248,9 bilhões (PLN 4/2019).

Análise - Antes da análise pelo Plenário do Congresso, o crédito suplementar deve ser examinado pela Comissão Mista de Orçamento (CMO), em reunião marcada para às 10h.

Prioridade - Davi declarou que a votação do projeto é prioritária para assegurar “celeridade e tranquilidade” ao governo. Ele manifestou seu otimismo com a aprovação do PLN 4/2019. “Conversei com todos os senadores da Comissão Mista de Orçamento, que também tiveram várias audiências com a equipe econômica. Está praticamente acertada a aprovação do valor que o governo pediu de crédito para cumprir a regra de ouro”, disse.

Parecer favorável - O relator, deputado Hildo Rocha (MDB-MA), já apresentou parecer favorável ao PLN. Ele rejeitou duas emendas e recomendou a aprovação do texto original do Executivo. A maior parte das despesas envolvidas (R$ 201,7 bilhões) corresponde a benefícios previdenciários, como pensões e aposentadorias, mas estão incluídos o Bolsa Família, o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o Plano Safra, entre outros itens. Sem a autorização do Congresso, neste mês faltará dinheiro para cobrir esses gastos.

Recomendação - Especialistas recomendaram à CMO a aprovação do PLN 4/2019.

Falta de recursos - “Qualquer risco que se corra pode fazer com que faltem recursos para coisas absolutamente básicas. É impensável faltar dinheiro para o BPC”, disse o secretário de Macroavaliação Governamental do Tribunal de Contas da União (TCU), Leonardo Albernaz, em audiência pública na comissão.

Proibição - A Constituição proíbe a realização de operações de crédito (emissão de títulos públicos) que excedam as despesas de capital (investimentos e amortizações de dívida). Essa “regra de ouro” só pode ser contornada por meio de créditos suplementares ou especiais com finalidade específica e aprovados pelo Congresso por maioria absoluta — pelo menos 257 deputados e 41 senadores. O PLN 4/2019 busca essa autorização.

Vetos - Além do PLN 4/2019, os deputados e senadores também deverão decidir nesta quarta sobre 24 vetos presidenciais que têm preferência na pauta de votações. Na lista estão vetos tanto do presidente Jair Bolsonaro quanto do ex-presidente Michel Temer.

Itens - Entre os itens da lista, o mais antigo é o veto parcial à Lei 13.674, de 2018, que autoriza empresas de tecnologia da informação e da comunicação a investirem em atividade de pesquisa, desenvolvimento e inovação como contrapartida para recebimento de isenções tributárias. Temer vetou a possibilidade de enquadramento da modernização de infraestrutura física de laboratórios entre os gastos passíveis de benefício.

Veto parcial - Também consta o veto parcial à Lei 13.831, de 2019, que trata da autonomia de partidos políticos e perdoa multas referentes ao descumprimento da cota mínima de candidaturas femininas. O trecho vetado por Bolsonaro anistiava devoluções, ao Tesouro, de valores doados a partidos por servidores públicos em cargos comissionados. (Agência Senado, com informações da Agência Câmara de Notícias)

 

SAÚDE: Paraná está em estado de alerta por epidemia de dengue

saude 05 06 2019O Paraná atingiu nesta semana a incidência acumulada de 104,73 casos por 100 mil habitantes o que significa, segundo o Ministério da Saúde, estado de alerta de epidemia de dengue para todo o Estado. O Ministério considera o alerta a partir de 100 casos para 100 mil habitantes.

Boletim - O boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (04/06) pela Secretaria da Saúde do Paraná também confirma mais uma morte por dengue, de um homem de 49 anos, morador de Cafelândia. Agora são 17 mortes confirmadas por dengue no Paraná. O boletim epidemiológico contabiliza os dados a partir da primeira semana de agosto de 2018 até o momento.

Preventivas - A secretaria de Estado segue com várias frentes de combate contra a doença, promovendo ações preventivas por meio do Setor de Doenças Transmitidas por Vetores, como a capacitação de profissionais para o diagnóstico e manejo clínico da doença.

Capacitação - No mês de maio, os técnicos da Secretaria realizaram capacitação em Irati, Loanda, Paranavaí e Paranaguá. Nesta terça-feira (04/06) e quarta-feira (05/06), a capacitação acontece nos municípios de Ivaiporã, Reserva e Tibagi. A Secretaria de Estado também dá apoio às ações de combate desenvolvidas pelas prefeituras.

Orientação - “Para a população, nossa orientação é para a eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti que se formam em locais e recipientes que acumulam lixo e água parada. Precisamos acabar com os focos que, na maioria das vezes, estão nos quintais e terrenos baldios. Só assim vamos reduzir o registro de casos e óbitos por dengue”, explica a médica veterinária Ivana Belmonte, da Divisão de Vigilância Ambiental da Secretaria da Saúde.

Boletim - O boletim semanal registra 12.055 casos confirmados de dengue no Paraná. Na semana anterior foram 9.976 casos. Do total de municípios do Estado, 60 estão em situação de epidemia e 44 estão em estado de alerta. Sete cidades registraram casos autóctones (adquiridos na cidade de residência) pela primeira vez no período: Boa Vista da Aparecida, Formosa do Oeste, Indianópolis, Ângulo, Nossa Senhora das Graças, Santa Inês e Jardim Alegre.

Sintomas - A infecção por dengue pode ser assintomática (sem sintomas), leve ou grave. Neste último caso pode levar a óbito. Os sintomas são febre alta acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, náuseas e vômitos. Em alguns casos também apresenta manchas vermelhas na pele.

Grave - A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes e sangramento de mucosas. Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados, todos oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). (Agência de Notícias do Paraná)

 

INTERNACIONAL: Para UE, acordo com Mercosul tem avanço

internacional 05 06 2019O comissário de Agricultura da União Europeia (UE), Phil Hogan, mostrou-se nesta terça-feira (04/06) pela primeira vez otimista sobre a proximidade de uma conclusão do acordo de livre comércio com o Mercosul, depois de um encontro com ministros agrícolas europeus na Romênia.

Concessões substanciais - Hogan, que até então parecia cético sobre as negociações, afirmou desta vez que o Mercosul fez "concessões substanciais pela primeira vez" para a União Europeia. De acordo com ele, há agora possibilidade de um encontro de ministros dos dois blocos para concluir as negociações. Mas ressalvou que já houve situações parecidas no passado, nas quais um acordo acabou não se realizando.

Mudança de posição - Como o Valor antecipou na semana passada, o Brasil alterou sua posição em acesso ao mercado, regras de origem, cabotagem, num esforço para avançar as negociações. Existe interesse em Brasília e em Buenos Aires na conclusão do acordo com a União Europeia nas próximas semanas, que poderia ajudar Mauricio Macri na campanha presidencial argentina, segundo negociadores. Sobretudo, há temor de Cristina Kirchner voltar ao poder e rever as concessões. As eleições argentinas estão marcadas para outubro, e Cristina afirmou que concorrerá como vice na chapa encabeçada por Alberto Fernández.

Maior acordo - UE e Mercosul negociam atualmente o maior acordo comercial no mundo. A negociação dos europeus com o Mercosul será mais importante economicamente do que as que eles fizeram com o Japão e com o Canadá. (Valor Econômico)

Foto: CCM-ULA

 

PRÊMIO NEW HOLLAND: Exposição das melhores fotos do campo da América do Sul será aberta em Curitiba

premio new holland destaque 05 06 2019A abertura da exposição itinerante do 13º Prêmio New Holland de Fotojornalismo será no dia 6 de junho, na Biblioteca Pública do Paraná, em Curitiba. Essa edição, que reuniu as melhores fotografias do campo da América do Sul, teve 3.040 imagens inscritas. Os vencedores desta edição são Rafael Sampaio Martins (Brasil) e Jorge Gastón Gándara (Argentina), na categoria “Profissional”, e Elias Rodrigues de Oliveira e Gustavo Pereira Castro, ambos brasileiros, na categoria “Aficionado” (amador). A entrada é gratuita.

Sobre os fotógrafos - Autor da melhor foto na modalidade “Grande Prêmio”, com foco no campo, Rafael Martins é da cidade de Recife (PE). Ganhador na modalidade “Prêmio Especial: Máquinas”, Jorge Gándara é de Buenos Aires. Elias de Oliveira (“Grande Prêmio”) também é pernambucano, de Jaboatão dos Guararapes, e Gustavo Castro (“Prêmio Especial: Máquinas”), vem de Telêmaco Borba (PR).

Menção honrosa - O júri também escolheu, de forma excepcional, outras quatro fotos como menção honrosa. Os autores e as respectivas categorias são: Fernando Kluwe Dias (Profissional/Campo), Jonathan Campos (Profissional/Máquinas), Rafael Saldanha (Amador/Campo) e Fausto Orli da Rosa (Amador/Máquinas). Somada as oito imagens, outras 22 participarão da exposição itinerante (confira a relação completa abaixo). Além de Curitiba, as exposições do prêmio acontecerão em Córdoba (Argentina), Cuiabá (MT), Petrolina (PE) e Bogotá (Colômbia).

Tradicional - O Prêmio New Holland de Fotojornalismo é um dos mais tradicionais concursos do segmento da América do Sul. Em 13 anos de história, cerca de 25 mil imagens foram inscritas. A organização do prêmio já realizou 60 workshops e 200 exposições em 115 cidades de cinco países para um público total de 510 mil pessoas. O prêmio é um projeto cultural realizado pela Mano a Mano Projetos, apoiado pela Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura e patrocinado pela New Holland e Banco CNH Industrial. Esta mostra conta ainda com o apoio da Biblioteca Pública do Paraná.

Relação - Confira a relação dos fotógrafos e respectivas categorias que participam da exposição itinerante:

Rafael Sampaio Martins (Profissional/Campo)

Jorge Gastón Gándara (Profissional/Máquinas)

Elias Rodrigues de Oliveira (duas fotos Amador/Campo)

Gustavo Pereira Castro (duas fotos Amador/Máquinas)

Fernando Kluwe Dias (Profissional/Campo)

Jonathan Campos (Profissional/Máquina)

Rafael Saldanha (Amador/Campo)

Fausto Orli da Rosa (Amador/Máquinas)

João Carlos Silva de Castro (Profissional/Campo)

Mastrangelo de Paula Reino (Profissional/Campo)

Marcio Corrêa Menasce (Profissional/Campo)

Weimer de Carvalho Franco (Profissional/Máquinas)

Marco Miatelo (Profissional/Máquinas)

Juan Manuel Barrero Bueno (Profissional/Campo)

Jonathan Campos (duas fotos Profissional/Campo)

Fabian Muños Docampo (duas fotos Profissional/Campo)

Tadeu Vilani (duas fotos Profissional/Campo)

Joel Rocha (Profissional/Campo)

Ricardo Zig Koch Cavalcanti (Profissional/Máquinas)

Lucas Ninno Ometto (Profissional/Campo)

Paulo Fridman (Profissional/Campo)

Fernanda de Sousa Nogueira (Amador/Campo)

Renato Jorge Marcelo (Amador/Campo)

Idirlene Casarin (Amador/Campo)

Breno Lima (Amador/Campo)

Sobre o Prêmio New Holland de Fotojornalismo - O Prêmio New Holland de Fotojornalismo é um projeto cultural apoiado pela Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura e patrocinado pela New Holland e pelo Banco CNH Industrial, com realização da Mano a Mano Produções Artísticas. Criado com o objetivo de valorizar o trabalho dos repórteres fotográficos, o projeto passou a premiar também fotógrafos não profissionais — pessoas aficionadas pela fotografia. Inicialmente restrito ao Brasil, o concurso foi ampliado primeiramente para o Mercosul e, ao completar dez anos, para toda a América do Sul, tornando-se o principal concurso fotográfico desses países. Além da premiação, o projeto realiza exposições fotográficas itinerantes e workshops nos países participantes. (Assessoria de Imprensa)

SERVIÇO

13º Prêmio New Holland de Fotojornalismo

Abertura Exposição Itinerante

6 de junho (quinta-feira), 18h

Biblioteca Pública do Paraná

Rua Cândido Lopes, 133, Centro, Curitiba

Entrada gratuita

{vsig}2019/noticias/06/05/premio/{/vsig}

 


Versão para impressão


RODAPE