Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4518 | 18 de Fevereiro de 2019

ENCONTROS DE NÚCLEOS: Primeira rodada do ano será realizada de 18 a 21 de março

O Sistema Ocepar está antecipando, neste ano, a realização da primeira rodada dos Encontros de Núcleos. Normalmente organizada em maio, desta vez irá ocorrer em março, entre os dias 18 e 21, nas cidades de Cafelândia, Mangueirinha, Londrina e Ponta Grossa. Isso porque a programação vai incluir, pela primeira vez, as pré-assembleias das três entidades que integram o Sistema Ocepar: Fecoopar, Ocepar e Sescoop/PR. Na oportunidade, serão apresentados o Relatório de Atividades de 2018 e do Plano de Metas de 2019 do Sistema Ocepar. A atividade é preparatória para a Assembleia Geral Ordinária (AGO) da entidade, marcada para o dia 1º de abril, em Curitiba.

Programação – Os Encontros de Núcleos são promovidos duas vezes por ano, uma em cada semestre, com o propósito de discutir temas de interesse do cooperativismo paranaense. Nesta etapa, a programação será realizada das 8h30 às 13h, contemplando ainda a abertura com as cooperativas anfitriãs e palestra sobre o novo cenário econômico e político do Brasil, com Airton Spies, doutor em Economia dos Recursos Naturais, mestre em Ciências Agrícola e ex-secretário da Agricultura e Pesca do Estado de Santa Catarina. Os participantes vão ainda discutir a participação do Estado do Paraná o 14º Congresso Brasileiro de Cooperativismo, que vai ocorrer em maio, em Brasília. Também serão eleitos os novos coordenadores de Núcleos.

Informações e inscrições – Mais informações com Neuza Oliveira ou Daniele Luana (secretaria@sistemaocepar.coop.br / 41 3200 1105 / 3200 1104). Inscrições com Francine Danielli (francine.danielle@sistemaocepar.coop.br), Esdras Silva (esdras.silva@sistemaocepar.coop.br) e Janaína Rosário (janaina.rosario@sistemaocepar.coop.br).

encontros nucleo folder 18 02 2019

GETEC: Informe traz expectativas de mercado sobre principais indicadores econômicos

gerencia tecnica destaque 18 02 2019A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulga, nesta segunda-feira (18/02), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central, levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2019, 2020 e 2021.

Informações – Mais informações podem ser obtidas com Maiko Zanella ( maiko.zanella@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1115) ou com Jessica Raymundi ( jessica.costa@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1133).

Clique aqui para acessar na íntegra o Informe Expectativas de Mercado

 

MAPA: Mais Cooperativismo, novo sistema para desenvolver a atividade, é anunciado por Tereza Cristina

mapa 18 02 2019Em visita a Cabaceiras, no semiárido da Paraíba, o município onde chove menos em todo o país, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciou neste domingo (17/02) que vai fortalecer os programas do ministério de incentivo às cooperativas com um novo sistema, o Mais Cooperativismo, em parceria com a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB). Tereza Cristina visitou as cooperativas dos Curtidores e Artesãos em Couro de Ribeira de Cabaceiras (Arteza) e dos Caprinobovinocultores e disse ter ficado emocionada com o modelo de trabalho, que está proporcionando emprego e renda para a população local.

Exemplos - A ministra disse que os projetos são exemplo para todo o país, porque estão fazendo com que jovens, que deixaram a região em busca de melhor qualidade de vida, retornem para viver na cidade.

Desenvolvimento sustentável - “Aqui tem um curtume que não usa produtos químicos, não está contaminando, está promovendo o desenvolvimento sustentável. Temos aqui o exemplo vivo do que é possível melhorar no país. Num município onde a gente deveria encontrar pobreza, a gente chega aqui e tem o prazer de ver um trabalho que pode ser replicado para todo o semiárido nordestino e para o Brasil inteiro. Isso aqui é um exemplo de sucesso para o Brasil”, elogiou a ministra.

A cooperativa - A Cooperativa dos Curtidores e Artesãos em Couro (Arteza), fundada há 14 anos, trabalha a pele dos caprinos usando processo de curtimento vegetal. É usada a casca do angico, árvore abundante na região, sem aditivos químicos. A partir do produto são fabricados sapatos e bolsas.

Fundamental - Tereza Cristina disse que o cooperativismo é fundamental para o trabalho no campo e que o governo tem muito a fortalecer no setor. Ela já conversou com a diretoria da OCB e se encontrou, no Paraná, com dirigentes do setor. “O objetivo é fazer com que as pequenas também cresçam”, ressaltou.

Falta de água - Em relação à falta de água no Nordeste, a ministra voltou a afirmar que vai se reunir com o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, para discutir as ações que as pastas podem fazer juntas para minimizar o problema. “A ação tem de ser conjunta, não pode ser dispersa. Os ministros, toda segunda-feira, sentam para discutir as ações que podem realizar. Quem cuida da água é o Ministério do Desenvolvimento Regional, mas vamos conversar com o ministro (Gustavo) Canuto, ver as soluções que podemos trazer para a região”, disse, defendendo também novas parcerias com os governos estaduais e os municípios.

Compromisso - A ministra se comprometeu a reforçar o apoio do ministério às cooperativas de Cabaceiras. "Vemos aqui um embrião que a comunidade realizou a duras penas. Agora, sei dos anseios da cooperativa para dobrar a produção e dar mais emprego nessa cadeia produtiva. O modelo está pronto! Vocês precisam de apoio, sim. A OCB está aqui, vários sindicatos, vocês são exemplo, saio daqui da emocionada, com a certeza de que temos condições de fazer o Brasil que nós queremos, o Brasil daqueles que trabalham”.

Projeto social - Tereza Cristina afirmou também que o governo não vai acabar com nenhum projeto social sério no país, mas apenas com aqueles em que o dinheiro some sem chegar a quem precisa. Ela disse que vai contar ao presidente Jair Bolsonaro o exemplo de sucesso que encontrou em Cabaceiras. “Vou mandar alguém do ministério para conhecer vocês e replicar em outros municípios esse exemplo de gente guerreira, que fez da adversidade o sucesso. Vou dizer ao presidente que temos casos de êxito no Nordeste e que precisamos apoiá-los. A região já tem muita que gente que transforma a adversidade em sucesso”, afirmou.

Queijos - A criadores de cabra que produzem queijos recomendou que sugiram ao governo do estado aderir ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-Poa) do Ministério da Agricultura. "Com isso, poderão vender esse queijo maravilhoso que vocês fazem para qualquer lugar do Brasil. Os consumidores terão certeza da qualidade de seus produtos e ninguém precisa vender escondido”.

Viagem - A ministra encerrou, neste domingo (17/02), viagem de quatro dias ao Nordeste, tendo percorrido cidades do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, com a finalidade de planejar uma política dirigida ao semiárido e à região do país como um todo. Em março, deverá ir aos estados do Nordeste que não foram incluídos nesse roteiro inicial. A ministra viajou acompanhada do secretário de Agricultura Familiar do Mapa, Fernando Schwanke, e do presidente da Embrapa, Sebastião Barbosa. (Mapa)

 

FORMAÇÃO: Curso em Cascavel orienta sobre eSocial e EFD-Reinf

Mais de 70 profissionais de cooperativas paranaenses de diversos ramos estão participando, nesta segunda-feira (18/02), do curso sobre eSocial e EFD-Reinf – as novas relações entre pessoas e cooperativas, promovido pelo Sistema Ocepar, por meio do Sescoop/PR, no Hotel Deville Express, em Cascavel, Oeste do Estado. “A formação tem como foco principal tratar sobre saúde e segurança no trabalho, além de outras questões práticas nos ambientes do eSocial, EFD-Reinf e DCTFWeb”, explica o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Devair Mem. O curso segue até esta terça-feira (19/02).

eSocial - O eSocial é o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, por meio do qual os empregadores comunicam ao governo federal, de forma unificada, as informações relativas aos trabalhadores, como vínculos, contribuições previdenciárias, folha de pagamento, comunicações de acidente de trabalho, aviso prévio, escriturações fiscais e informações sobre o FGTS.

EFD-Reinf- A Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf) é um dos módulos do Sistema Público de Escrituração Digital - Sped, utilizado pelas pessoas jurídicas e físicas, em complemento ao eSocial. Tem por objeto a escrituração de rendimentos pagos e retenções de Imposto de Renda, Contribuição Social do contribuinte, exceto aquelas relacionadas ao trabalho e informações sobre a receita bruta para a apuração das contribuições previdenciárias substituídas.

DCTFWeb - O DCTFWeb é a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais, que é feita a partir de uma solicitação do eSocial.

{vsig}2019/noticias/02/18/formacao/{/vsig}

COAMO: Cooperativa tem receita global de R$ 14,80 bi e sobra líquida de R$ 800,38 mi

A Coamo Agroindustrial Cooperativa realizou, na tarde de sexta-feira (15/02), em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná), a 49ª Assembleia Geral Ordinária (AGO), com apresentação e aprovação por centenas de associados do balanço do exercício 2018. A receita global da cooperativa em 2018 totalizou R$ 14,80 bilhões, um crescimento de 33,6% em relação ao ano anterior. A sobra líquida atingiu o montante de R$ 800,38 milhões.

Segunda parcela - Nesta segunda-feira (18/02), os associados receberão a segunda e maior parcela das sobras referente ao exercício de 2018 pela sua movimentação no abastecimento dos insumos e entrega da produção na Coamo.

Melhor ano da Coamo - “É importante ressaltar que as condições de mercado propiciaram um bom momento para os associados comercializarem a produção, refletindo no aumento das receitas da cooperativa. Os saldos a fixar de safras passadas foram reduzidos trazendo os estoques de passagem para níveis normais”, destaca o diretor-presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini. Ele cita que 2018 foi o melhor ano da Coamo em relação as receitas globais. “Os bons resultados alcançados foram possíveis, graças à participação dos associados no abastecimento dos insumos e na entrega da produção, e ao trabalho dedicado do quadro de funcionários”, ressalta. A Coamo conta com mais de 28,6 mil associados e 7,8 mil funcionários.

Safra - O recebimento da safra 2017/2018 foi um das maiores já recebidas pela Coamo, e só não foi maior devido ao milho segunda safra ter sido plantado com atraso e sofrido perdas com a seca no desenvolvimento da cultura. Foram utilizadas 112 unidades de recebimento, localizadas estrategicamente no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul para o recebimento da produção dos associados.

Estrutura - A capacidade estática de armazenagem passou para 5,45 milhões de toneladas a granel e 956,50 mil toneladas de ensacados, totalizando 6,41 milhões de toneladas. Com esta estrutura a Coamo recebeu 7,20 milhões de toneladas de produtos, correspondente a 3,2% da produção brasileira de grãos.

Investimentos - De acordo com Gallassini, o total dos investimentos em 2018 somaram R$ 671,47 milhões, um crescimento de 71,4% em relação ao ano anterior. “Destacamos valores investidos nas obras das novas indústrias de processamento de soja e refinaria de óleo de soja em Dourados (MS), cujo cronograma está dentro da normalidade e com previsão de entrar em funcionamento no segundo semestre de 2019”, assinala.

Total - Foram industrializados em 2018 um total de 1,50 milhão de toneladas de soja, 196,08 mil toneladas de trigo, 3,73 mil toneladas de café beneficiado e 6,50 mil toneladas de algodão em pluma, no Parque Industrial da Coamo.

Exportação - A Coamo atingiu no ano passado o recorde de volumes exportados num total de 4,58 milhões de toneladas de produtos, atingindo também o faturamento recorde de US$ 1,80 bilhão, posicionando-nos como a maior exportadora do Estado do Paraná e uma das maiores do Brasil.

Lançamento do livro - Durante a Assembleia Geral Ordinária, foi lançado um livro com a biografia do engenheiro agrônomo, José Aroldo Gallassini, idealizador e diretor-presidente da Coamo, com o título “José Aroldo Gallassini – Uma Visão Compartilhada, a inspiradora trajetória do presidente da maior cooperativa agrícola da América Latina”.

Autor - A obra é de autoria do jornalista, escritor e palestrante Elias Awad, e foi motivada pelo propósito de Gallassini partilhar um pouco da sua experiência, empreendedorismo e cooperativismo mostrando o que foi realizado e deu certo, o que alcança o sucesso e a aprendizagem nesses anos todos. Além de contar um pouco da sua trajetória empresarial e também sua origem e relata sua opção de vida pela agricultura e cooperativismo, e o compromisso com os associados da Coamo. (Imprensa Coamo)

{vsig}2019/noticias/02/18/coamo/{/vsig}

AGRÁRIA: Palestras técnicas sobre soja, milho e feijão são atrações do Dia de Campo de Verão 2019

Um evento inteiramente voltado à difusão de conhecimento técnico-científico sobre produção de soja, milho e feijão. O Dia de Campo 2019, realizado pela Fapa (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária) e pela Cooperativa Agrária Agroindustrial, será realizada nos dias 27 e 28 de fevereiro, em Entre Rios.

Aulas - Além dos 30 expositores, haverá ao todo cinco aulas ministradas pelos pesquisadores da Fapa e de instituições parceiras, durante os ciclos de palestras simultâneas, e dois palestrantes convidados, que falarão sobre o mercado e a conjuntura geral do agronegócio na atualidade.

Palestras - No primeiro dia de programação, Luis Prochnow, da LP Consultoria, agrônomo, doutor em solos e nutrição de plantas, falará sobre “Valorização da agricultura”. No dia seguinte, o consultor Etore Baroni, da INTL FCStone, dará a palestra “Fundamentos e expectativa de preços – soja e milho”.

Momentos - As palestras simultâneas dos pesquisadores, por sua vez, ocorrerão em cinco momentos, de maneira que é possível assistir a todas durante os dois dias de evento. No primeiro dia, o ciclo de palestras ocorrerá às 14h e às 16h. Já no dia 27, elas ocorrerão às 9h, às 14h e às 16h.

Temas - Os temas são bastante diversos. O pesquisador Celso Wobeto (Fapa) trará o tema “Escolha do híbrido de milho: o que devemos considerar?”. Alfred Stoetzer, Cristiane Gardiano e Heraldo Feksa (Fapa) falarão sobre “Manejo de pragas e doenças em soja”. Já Paula Alba (Fapa) e Paulo Arbex (Unesp) trarão a aula “Inovação Aplicada e plantabilidade”. Os pesquisadores Sandra Fontoura e Vitor Spader (Fapa), por sua vez, ministrarão a palestra “Maximização do rendimento de grãos em cultivares de soja pelo ajuste fitotécnico e fertilidade do solo”. E Eduardo Pagliosa, Noemir Antoniazzi (Fapa) e Marcos Aurélio Marangon (Embrapa) falarão sobre “Manejo da cultura do feijoeiro”.

Informações - O evento é gratuito e aberto ao público, e ocorre nos campos da Fapa, na Colônia Vitória, distrito de Entre Rios, Guarapuava (PR). Diariamente, a programação se estenderá das 8h às 18h. Mais informações no site www.diadecampodeverao.com.br.

Patrocínio - O Dia de Campo de Verão 2019 conta com o patrocínio de Pioneer (Diamante), Oro Agri (Ouro), Ihara e Sindicato Rural de Guarapuava (Bronze). (Imprensa Agrária)

agraria cartaz 18 02 2019

PRIMATO: Cooperados e produtores rurais de SC e sudoeste do PR recebem a Expedição Primato

primato 18 02 2019Cada vez mais consolidado e reconhecido por cooperados, produtores rurais e profissionais do agronegócio, a Expedição Primato percorreu 1.500 quilômetros entre os dias 04 e 08 de fevereiro. Oeste de Santa Catarina e sudoeste do Paraná foram as regiões que receberam a visita da equipe do marketing da cooperativa.

Santa Catarina - Com a expansão da Primato no Estado vizinho, foram visitados produtores rurais das cidades de Chapecó, Xaxim, Xavantina, Marema, São Miguel do Oeste e localidades ao redor. “Buscamos nessa primeira parte da Expedição Primato visitar produtores rurais da região onde a cooperativa mais cresce em Santa Catarina, principalmente via linha de rações Prima Raça”, explicou o encarregado de marketing e comunicação da Primato Thiago Renner que complementou, “E temos percebido que cada vez mais a pecuária de leite e corte dessa região vem aderindo à nossa linha de rações”.

Total - Ao todo, foram visitadas oito propriedades rurais em três dias no oeste catarinense.

Paraná - Dando sequência, a expedição foi ao sudoeste do Paraná onde visitou cooperados de área de atuação das unidades agropecuárias e agrícolas de Francisco Beltrão e Dois Vizinhos. “Essa região vem cada vez mais sendo ampliada pela atuação de nossas unidades em Francisco Beltrão e Dois Vizinhos, tendo como suporte a unidade industrial de nutrição animal de Verê, responsável pela produção e abastecimento da linha de rações Prima Raça para essa região e Santa Catarina”, enfatizou Thiago.

Propriedades - No total, foram seis propriedades de cooperados da região e casos de organização, diversificação, sucessão familiar e alta produção da pecuária leiteira, corte e agrícola.

Revista - O material captado com a expedição vai ser utilizado para próxima edição da Revista Primato que será lançada no final de março, site, campanhas e ações de marketing. “Cada vez mais percebemos o engajamento dos colaboradores e cooperados para que as histórias de produção possam ser divulgadas”, concluiu Thiago.

Institucional - Ainda em fevereiro será feita a Expedição Primato Institucional, que leva à diretoria em propriedades de cooperados em busca de estreitar o relacionamento. “Sem dúvida um importante momento para a cooperativa, quando podemos estar mais próximos dos nossos cooperados, conhecendo suas histórias, compreendendo suas expectativas e estreitando o relacionamento”, enalteceu o presidente da Primato, Ilmo Werle Welter, que concluiu, “tudo isso para que possamos ser assertivos nas ações que promovemos aos nossos cooperados”. (Imprensa Agrária)

 

CAPAL: Linha de produtos e corpo técnico estarão presentes no 22º Show Tecnológico

capal 18 02 2019O corpo técnico e os produtos fabricados pela Capal estarão presentes no 22º Show Tecnológico de Verão, realizado pela Fundação ABC com o apoio da cooperativa. O portfólio poderá ser conferido no estande localizado no Campo Demonstrativo e Experimental de Ponta Grossa nos dias 20 e 21 de fevereiro.

Objetivo - Os visitantes do evento, que têm como objetivo discutir e demonstrar tecnologias para melhoria das atividades agropecuárias, poderão conhecer mais sobre as rações e suplementos Capal, reunidos em cinco linhas. A Nutrimelk, voltada para bovinos de leite, e a Nutricorte, para os de corte (ambos suplementos), e as rações Bovimelk, Optimelk e Bovicorte. Também estarão no estande as Sementes Capal, voltadas para o plantio de soja e trigo, com alto padrão de germinação.

Suporte - Já os técnicos da cooperativa darão suporte aos cooperados nas áreas de pecuária e agrícola, esta, inclusive, contará com o time de agricultura de precisão para tirar dúvidas e aprofundar sobre o tema.

Transporte - Os cooperados Capal também terão à disposição transporte para frequentarem o evento.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal Cooperativa Agroindustrial conta atualmente com quase 3.000 associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e de São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil hectares. (Imprensa Capal)

SERVIÇO

22º Show Tecnológico de Verão

20 e 21 de fevereiro

Rodovia PR-151, Km 318, Ponta Grossa (PR)

Entrada gratuita

 

SICREDI PLANALTO DAS ÁGUAS: Iniciado o Processo Assemblear 2019

Já imaginou poder escolher o destino de parte dos resultados de sua instituição financeira? Isso já é realidade para os mais de 4 milhões de associados que integram o Sistema Sicredi em 22 estados brasileiros. De janeiro a março, são realizadas as Assembleias de Núcleo anuais, que reúnem diretores, colaboradores e associados de cada uma das 114 cooperativas de crédito existentes no país.

Dono - Nas Assembleias de Núcleo, o associado exerce o papel de dono e, juntamente com os demais associados, debate e vota sobre questões relacionadas à gestão e ao desenvolvimento da cooperativa. A Sicredi Planalto das Águas PR/SP realizará 14 encontros em seu Processo Assemblear deste ano, sendo: 11 Assembleias de Núcleo nas cidades onde a cooperativa está presente, 2 reuniões com coordenadores de Núcleo e 1 Assembleia Geral Ordinária – AGO, que consolida todo o processo.

Início - O evento que deu início ao movimento das Assembleias deste ano foi a reunião com os coordenadores de Núcleo, realizada no último dia 7 de fevereiro, em Pitanga (PR). As lideranças da cooperativa estiveram reunidas para receberem informações sobre o exercício de 2018 e colocarem em prática os princípios de governança cooperativa que visam a transparência na gestão.

Votuporanga - A primeira Assembleia de Núcleo aconteceu na quinta-feira passada (14/02), em Votuporanga (SP). A agenda continua nesta semana. (Imprensa Sicredi Planalto das Águas PR/SP)

{vsig}2019/noticias/02/18/sicredi_planalto_aguas/{/vsig}

UNIMED LONDRINA: Funcionários são incentivados a doar medula óssea

A Unimed Londrina realiza nesta terça-feira (19/02), a partir das 14h, uma ação que levará os funcionários para realizarem, no hemocentro do HU (Hospital Universitário de Londrina), o cadastro no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome). Trata-se de uma das atividades do Fevereiro Marrom, uma iniciativa própria da cooperativa que, ao longo do mês, vai discutir o combate ao câncer com todos os seus públicos.

Cadastro - A equipe de Sustentabilidade da Unimed Londrina já incentiva o cadastro de doadores de medula óssea quando ela realiza a doação de sangue com os funcionários da Cooperativa. “A doação de medula óssea é uma forma concreta de recuperar a qualidade de vida do paciente que está em tratamento contra o câncer”, valoriza Fabianne Piojetti, gerente de Sustentabilidade da operadora. O estímulo ao cadastro, segundo Fabianne, é fundamental. “A compatibilidade entre as células do doador e do receptor não é tão comum. A chance de encontrar uma medula compatível é, em média, de uma em cem mil casos”, reforça.

Botton - Para incentivar a participação dos funcionários, a cooperativa distribuiu um botton que identifica quem já é doador de medula óssea. “Dessa maneira, a gente ampliou a divulgação da iniciativa, convidando os demais colegas a aderirem à causa”, explica a gerente de Marketing e Comunicação da Unimed Londrina, Dayane Santana.

Calendário - O estímulo ao cadastro de doadores de medula óssea foi uma das ações propostas ao Calendário da Saúde 2019, da Unimed Londrina. Todo mês, a operadora do plano de saúde desenvolve uma programação, tanto para clientes, funcionários, médicos cooperados e comunidade em geral, que visam a discutir temas ligados à saúde.

Câncer - Em fevereiro, a Unimed aborda o tema combate ao câncer. Para isso, a operadora realiza inúmeras atividades, como adesivagem nas portas principais dos prédios, publicação de matéria jornalística no site e aplicativo oficial, cartazes nos prédios incentivando a visita periódica ao médico, entrevista com especialista ao vivo na página oficial da Unimed Londrina no Facebook e entrega de protetores solares no Lago Igapó. (Imprensa Unimed Londrina)

UNIMED MARINGÁ: Realizada simulação de abandono de incêndio

Buscando a prevenção e o treinamento dos colaboradores de como devem atuar quando houver um incidente interno, o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt) da Unimed Maringá, promoveu uma simulação de abandono de incêndio na manhã da quarta-feira passada (13/02).

Sirene - Neste ano, a sirene da cooperativa foi acionada perto das 8h30 e os colaboradores com as orientações dos brigadistas saíram do prédio e foram para um espaço reservado no estacionamento, onde não haveriam riscos.

Atividade essencial - Primeira vez brigadista, o Agente de Inovação, Ivo Fabricio Simões disse que essa é uma atividade essencial e muito importante, ainda mais se considerarmos o número de tragédias que tivemos recentemente. “Por meio de ações como essa que erros são encontrados para possíveis problemas podem serem evitados em uma situação real”. Levando em consideração a viabilidade da simulação, o agente disse que quando se trata da segurança de uma pessoa, seja colaborador, cliente ou cooperado, devemos nos organizar para a realização dessas ações. “Nessas horas a vida é o mais importante”.

Avaliação - Segundo a gerente administrativa, Andréia Inez Pereira, esse tipo de ação é importante para avaliar o sistema de segurança da cooperativa, desde o alarme, portas e catracas. Além da ação dos brigadistas e o comportamento dos colaboradores. “A ideia é que cada um saiba o que fazer, caso tenha uma situação de emergência, seja ajudando um colega ou conduzindo e orientando o paciente”, ressalta.

Significativa - Para a assistente de Desenvolvimento Estratégico, Lorena Enami, a simulação é muito significativa, pois para que em um momento de pânico possamos recordar do caminho percorrido e das instruções dadas no momento da simulação. “Seguindo o que foi passado no treinamento, o aprendizado pode ser utilizado em um momento de necessidade ou fora do ambiente coorporativo”.

Tempo esperado - A evacuação foi realizada dentro do tempo esperado, os colaboradores levaram aproximadamente 5’30 para deixar a cooperativa e ir para o ponto de segurança. (Imprensa Unimed Maringá)

{vsig}2019/noticias/02/18/unimed_maringa/{/vsig}

PÓS-GRADUAÇÃO: Inscrições abertas para curso Sistemas de Produção Sustentáveis

Estão abertas as inscrições para o curso de pós-graduação Sistemas de Produção Sustentáveis: Agrossilvicultura e Agroecologia, uma iniciativa da Escola de Ciências da Vida da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). As aulas são presenciais e iniciam no dia 2 de abril, no campus Curitiba. Os encontros vão ocorrer mensalmente, às sextas feiras à noite e sábados de manhã e à tarde.

Capacitação – A especialização é direcionada à capacitação de profissionais que atuam em a produção vegetal e animal, por meio de técnicas tradicionais e alternativas, buscando potencializá-las. Podem se inscrever profissionais de Agronomia, Engenharia Florestal, Zootecnia, Medicina Veterinária, Biologia, Gestão em Agronegócios e áreas afins.

InformaçõesClique aqui para mais informações sobre a pós-graduação. 

pos-graduacao 18 02 2019


ALGODÃO: Ampliação da oferta tende a restringir a bonança da cultura

algodao 18 02 2019O período de bonança vivido pelos produtores de algodão mundo afora está ameaçado pelo crescimento da oferta previsto para a temporada internacional 2019/20. A mais recente sinalização nesse sentido veio na semana passada, quando o Conselho Nacional do Algodão (NCC, na sigla em inglês) divulgou projeção de aumento de área de 3% nos Estados Unidos, para 5,8 milhões de hectares.

Cotações - Considerado um aumento expressivo para os padrões americanos, a notícia pressionou as cotações na bolsa de Nova York, que caíram para o menor patamar em 14 meses. A tendência é que o cenário seja reforçado pela Austrália, que deverá ser o quarto maior país exportador no ciclo 2018/19 e onde também é esperado um aumento do plantio e recuperação de participação no mercado global.

Alta - Nos últimos três anos, os contratos de segunda posição de entrega do algodão acumularam alta de cerca de 22% em Nova York, passando de um patamar inferior a 59 centavos de dólar a libra-peso para quase 72 centavos de dólar. Esse salto estimulou a elevação da produção mundial. O Brasil não ficou de fora dessa barca e a área plantada no país passou de 940 mil hectares, em 2016/17, para 1,5 milhão em 2018/19, segundo estimativa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Adversidades - No ciclo 2017/18, os produtores brasileiros foram beneficiados por adversidades que prejudicaram outros países. Nos EUA, a produção sofreu quebras e perdas de qualidade em decorrência do furacão Michael. Na Austrália, onde a produção é irrigada, a falta de água provocou uma redução de área de 43%, e a queda da produção foi estimada em 45%, para 566 mil toneladas, segundo o USDA. Na Índia, problemas com patentes fizeram a produção cair 7%, para 5,9 milhões de toneladas.

Colheita - Animados, os cotonicultores brasileiros deverão colher em 2018/19 um volume quase 25% maior, de aproximadamente 2,5 milhões de toneladas.

Ventos não tão favoráveis - As primeiras perspectivas apontam que os ventos não serão tão favoráveis na safra 2019/20, já que o aumento de área no mundo deverá pressionar as cotações, apesar do incremento da demanda mundial. Jack Scoville, analista da consultoria Price Futures Group, projeta que as cotações ficarão em torno de 65 centavos de dólar a libra-peso, o que representaria uma queda de quase 10% em relação a sexta-feira.

Austrália - “A tendência é que a Austrália volte a elevar sua produção para algo em torno de 800 mil toneladas”, avaliou Gabriela Fontanari, analista da consultoria americana INTL FCStone. Já o diretor do Comitê Internacional do Algodão (ICAC, na sigla em inglês), Andrei Guitchonts, acredita que as secas deverão continuar a limitar o avanço da área australiana.

Déficit - De todo modo, as estimativas para 2018/19 ainda apontam para um déficit de 5,5 milhões de toneladas de algodão na relação entre consumo e produção, e a perspectiva é que a China diminua sua área de cultivo, enquanto países como Turquia, Indonésia e Vietnã tendem a ampliar suas compras da commodity. “Temos de lembrar que várias fábricas de tecidos sintéticos estão sendo fechadas na China”, disse Gabriela Fontanari, ressaltando que a demanda pela fibra natural deverá se manter aquecida.

Fundamentos - Paralelamente aos fundamentos de oferta e demanda, a guerra comercial entre China e Estados Unidos, que dá sinais de que poderá arrefecer, continua a ser um pano de fundo das negociações em Nova York. Guitchonts, do ICAC, lembrou que parte da queda acumulada desde julho do ano passado, de quase 16% segundo cálculos do Valor Data, decorre da disputa entre os dois gigantes do comércio global. Caso Washington e Pequim entrem em acordo, pelo menos esse fator de pressão deixará de existir.

Recuperação - “Eu acredito em um acordo e na recuperação dos preços para patamares de 80 centavos de dólar por libra-peso, ou mais, até o fim da safra 2018/19”, afirmou. De acordo com John Pestell, trader na Índia, os preços ainda podem cair até o patamar de 60 centavos de dólar e, depois, se recuperar para um patamar entre 74 e 77 centavos de dólar a libra-peso.

Queda - Victor Ikeda, analista do banco holandês Rabobank no Brasil, avalia que os preços podem cair para 69,78 centavos a librapeso até o fim desta safra, considerando as quedas acentuadas no petróleo, matéria-prima para a produção do tecido sintético. Sem isso, disse, a tendência é de cotações acima de 70 centavos de dólar a libra-peso. (Valor Econômico)

 

FOCUS: Mercado reduz projeção de crescimento da economia para 2,48% em 2019

focus 18 02 2019A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia, este ano, foi levemente reduzida. A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi ajustada de 2,50% para 2,48%.

2020 - Para 2020, a estimativa de crescimento do PIB subiu de 2,50% para 2,58%. Em 2021 e 2022, a expectativa segue em 2,50% de crescimento do PIB. As projeções são do boletim Focus, publicação semanal do BC, com estimativas de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos.

Inflação - A previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) permaneceu em 3,87%, este ano. Para 2020, a previsão para o IPCA permanece em 4%. Para 2021 e 2022, também não houve alteração na estimativa: 3,75%.

Meta - A meta de inflação deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. A estimativa para 2020 está no centro da meta (4%). Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022.

Selic - Para controlar a inflação e alcançar a meta, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,5% ao ano, até o fim de 2019. Para o final de 2020, a estimativa para a taxa é 8% ao ano, assim como a previsão para 2021 e 2022.

Referência - A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

Indicativo - A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro neste ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Tendência - Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar - A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar permanece em R$ 3,70 no final deste ano e em R$ 3,75, no fim de 2020. (Agência Brasil)

 

INFRAESTRUTURA: Expectativa do governo é realizar 23 leilões de concessões em 100 dias

O governo espera realizar 23 leilões de concessões, incluindo portos e aeroportos, dentro dos primeiros 100 dias da gestão do presidente Jair Bolsonaro. Pelo Twitter, Bolsonaro compartilhou a informação dada pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Portos - Na Secretaria de Portos, a previsão é realizar o arrendamento de dez áreas portuárias apenas no primeiro semestre de 2019, incluindo três terminais do Porto de Cabedelo, na Paraíba. Os leilões de quatro dessas áreas acontecem no dia 22 de março. Os empreendimentos, nos quais estão previstos investimentos de R$ 199 milhões, fazem parte do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

Energias renováveis - Na sexta-feira (15/02) mais cedo, também em postagem na rede social, o presidente Bolsonaro destacou a expansão dos projetos do PPI, em especial na área de energias renováveis. “O meio ambiente e o plano energético de matrizes limpas e renováveis: sabemos deste alto potencial peculiar em nosso vasto país, gerando empregos, investimentos e desenvolvimento. Estas atitudes estão em fase de expansão e já saindo do papel. Saiba mais em @ppinvestimentos”, escreveu Bolsonaro.

Compromissos - O presidente seguiu na sexta com agenda de compromissos no Palácio da Alvorada. Pela manhã, ele recebeu o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP). Todos deixaram a residência oficial sem conversar com a imprensa.

Mais - Ele ainda recebeu o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno. À tarde estava prevista nova reunião com Lorenzoni. (Agência Brasil)

 

BID: Brasil vai precisar de 10 milhões de profissionais em saúde e educação

Estudo do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) afirma que o Brasil vai precisar de cerca de 4 milhões de professores, 1 milhão de médicos e 4,5 milhões de enfermeiros em 2040. Chamado “Educação e Saúde: os setores do futuro?” e disponível em espanhol, o estudo projeta qual será a demanda futura de profissionais no que chama de setor social na América Latina.

Região analisada - Segundo a publicação, a região analisada necessitará de 10,3 milhões de professores, 2,4 milhões de médicos e 6,2 milhões de enfermeiros no final do período analisado. O resultado indica que o número de profissionais nessas áreas quase dobrará no período.

Dificuldade de automatização - O crescimento dessas profissões é atribuído pelo BID à dificuldade para automatizar as atividades feitas por seus profissionais, ao envelhecimento populacional e ao potencial de aumento de matrículas no sistema educacional. Segundo o BID, um terço dos professores e dois terços dos médicos da região que estarão ativos em 15 anos serão formados por pessoas que ainda não entraram no mercado de trabalho.

Habilidades e formação - “Diante desta realidade, é importante assegurar que estes novos profissionais tenham as habilidades e a formação que necessitam para serem os professores, médicos e enfermeiros do futuro”, diz o estudo.

Diferentes variáveis - Para chegar aos resultados, foram analisadas diferentes variáveis. No caso da educação, entraram na conta dados como população em idade de estudar e número de crianças por professor. Já em saúde, levou-se em consideração a proporção de médicos em relação à população de idosos que existirá nas próximas décadas, assim como a proporção de enfermeiros por médico.

Emprego - O estudo também analisa a evolução do emprego de professores, médicos e enfermeiros durante as últimas quatro décadas na América Latina e o Caribe. Segundo a publicação, a diferença salarial em atividades de homens e mulheres ligadas à saúde e educação é menor do que em outros setores.

Mulheres - O estudo afirma que, na região, as mulheres com educação pós-secundária ainda ganham em média 28% menos que os homens. Por outro lado, em educação e saúde essa diferença é de aproximadamente 10%. Além disso, as mulheres representam cerca de 75% da força de trabalho nesses segmentos.

Quatro vezes mais - De acordo com o BID, o número de profissionais de educação e saúde quadruplicou em quarenta anos e atualmente 11 milhões de pessoas trabalham como médicos, enfermeiros e professores na região analisada. (Valor Econômico)

INTERNACIONAL: Desaceleração da economia nos EUA parece temporária, mas há riscos

internacional 18 02 2019A desaceleração da economia dos Estados Unidos persiste. O Federal Reserve (Fed) divulgou na sexta-feira (15/02) os números da produção industrial de janeiro e eles foram surpreendentemente fracos. A produção total das fábricas, minas e concessionárias de serviços públicos dos Estados Unidos caiu 0,6%. Isso foi muito pior que o ganho de 0,1% que os economistas esperavam. A produção do setor industrial esteve particularmente fraca, recuando 0,9%.

Evidências - Divulgado um dia após os números muito ruins do varejo em dezembro, o relatório contribui para as evidências de que a economia americana se enfraqueceu bastante neste começou de ano. Como resultado, as estimativas para o PIB do primeiro trimestre caíram bastante: o Federal Reserve de Nova York agora aponta para uma taxa de crescimento nos primeiros três meses do ano de 1,1% - metade do que era há apenas dez dias.

Clima frio - A fraqueza da produção industrial em janeiro provavelmente se deve muito ao clima frio que se espalhou pelo país no fim do mês e aos efeitos da paralisação parcial do governo americano. A grande queda do mercado de ações no fim do ano passado, que pesou sobre a confiança, provavelmente teve também seu efeito.

Temporário - Tudo isso conta como problemas temporários. E como as temperaturas voltaram a subir, o governo retomou suas atividades e o mercado de ações se recuperou, há motivos para esperar uma recuperação. De fato, uma pesquisa do Fed de Nova York divulgada também na sexta-feira, mostrou que a confiança entre as empresas do setor industrial de Nova York melhorou neste mês.

Outros fatores - Mas outras coisas, menos temporárias, também poderão afetar o setor industrial. O empurrão dado pelo corte dos impostos e o estímulo fiscal no ano passado está perdendo força, e a fraqueza dos mercados internacionais poderá prejudicar a demanda. O aumento das tarifas também poderá ter um impacto, assim como o efeito retardado dos aumentos de juros pelo Fed no ano passado.

Problema - Essa diferenciação reforça um problema que os economistas estão enfrentando: é difícil saber quanto da onda de fraqueza recente da economia deve ser atribuído a causas temporárias e quanto se deve a fatores mais duradouros. A maioria dos economistas diria que o período de fraqueza está passando, mas, quando um médico diz a um paciente que "provavelmente não é nada", é difícil não ficar um pouco nervoso. (Valor Econômico)

Foto: Agência Brasil

 


Versão para impressão


RODAPE