Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4492 | 11 de Janeiro de 2019

ECONOMIA: Inflação oficial fecha 2018 em 3,75%

 

A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechou 2018 em 3,75%. Em 2017, ela havia ficado em 2,95%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (11/01), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A inflação ficou dentro da meta estabelecida pelo Banco Central para 2018, que varia de 3% a 6%. Em dezembro, o IPCA registrou inflação de 0,15%, taxa maior que a de novembro, que teve deflação de 0,21%. Em dezembro de 2017, o indicador havia registrado inflação de 0,44%.

 

Alimentos - O principal responsável pela inflação de 3,75% em 2018 foi o aumento do custo com alimentos, que tiveram alta de preços de 4,04% no ano passado. Em 2017, o grupo alimentação e bebidas registrou queda de preços de 1,87%. O resultado foi impactado pela greve dos caminhoneiros em maio, o que provocou desabastecimento de itens alimentícios e aumento de preços desses produtos. “Essa paralisação [dos caminhoneiros] ocorreu no fim de maio, então ela teve um impacto pontual, em junho, nos combustíveis e também nos alimentos, por causa do desabastecimento. [Se não houvesse a greve], provavelmente isso acarretaria num nível menor da inflação no acumulado do ano”, disse o pesquisador do IBGE Fernando Gonçalves.
 
Preços - Os alimentos consumidos em casa ficaram 4,53% mais caros no ano, enquanto os preços dos alimentos consumidos fora de casa (em bares e restaurantes, por exemplo) subiram 3,17%. Os produtos alimentícios que tiveram maior impacto na inflação de 2018 foram o tomate (71,76% mais caros), frutas (14,1%), refeição fora de casa (2,38%), lanche fora (4,35%), leite longa vida (8,43%) e pão francês (6,46%).

 

Outras despesas - Outros grupos de despesas que tiveram impacto importante na inflação do ano passado foram habitação (4,72%) e transportes (4,19%). Entre os itens de transporte que ficaram mais caros estão passagem aérea (16,92%), gasolina (7,24%) e ônibus urbano (6,32%). Já entre os gastos com habitação, o principal impacto no aumento do custo de vida veio da energia elétrica (8,7%). Entre os nove grupos de despesa pesquisados, apenas comunicação teve deflação (-0,09%). Os demais grupos tiveram os seguintes índices de inflação: artigos de residência (3,74%), saúde e cuidados pessoais (3,95%), educação (5,32%), despesas pessoais (2,98%) e vestuário (0,61%).

 

Dezembro - Em dezembro, o IPCA registrou taxa de inflação de 0,15%. No mês, os alimentos também foram os principais responsáveis pela alta de preços, com uma inflação de 0,44%. Os transportes e os gastos com habitação, por outro lado, evitaram uma alta maior do IPCA no mês, ao acusarem deflação de 0,54% e 0,15%, respectivamente.

 

Capitais - Entre as regiões metropolitanas e capitais pesquisadas pelo IBGE, Porto Alegre foi a que acumulou maior  inflação em 2018 (4,62%), seguida por Rio de Janeiro (4,3%), Vitória (4,19%) Salvador (4,04%) e Belo Horizonte (4%), todas acima da média nacional. As menores taxas de inflação foram observadas em Aracaju (2,64%), São Luís (2,65%), Recife (2,84%), Fortaleza (2,9%) e Campo Grande (2,98%). (Agência Nacional de Notícias)

SICREDI INTEGRAÇÃO PR/SC: Paranaense ganha meio milhão de Reais ao investir na poupança

 

sicredi 11 01 2019A campanha “Poupança Premiada – Eu Poupo Sim”, promovida pelo Sicredi no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, contemplou um morador de São Mateus do Sul com meio milhão de Reais. A premiação foi uma estratégia adotada pela instituição financeira cooperativa para incentivar os associados a investirem na poupança, durante todo o ano. A cada R$ 100 aplicados era gerado automaticamente um número da sorte para concorrer aos sorteios pela Loteria Federal. No caso de poupança programada, o participante recebia números em dobro para participar.

 

Sorteios - No total, R$ 1,5 milhão foram distribuídos em sorteios semanais de R$ 2 mil, em sorteios mensais de R$ 50 mil e no sorteio final de R$ 500 mil. No dia 4 de janeiro, quem recebeu o grande prêmio foi o associado da Sicredi Integração PR/SC Aroldo José Mayer Orlowski, morador de São Mateus do Sul, no sudeste do Paraná.

 

Realizar sonhos - Segundo o presidente da Sicredi Integração PR/SC, Luiz Roberto Baggio, a campanha é uma forma de realizar os sonhos dos associados. “Nós queremos incentivar as pessoas a poupar e, dessa forma, terem uma quantia guardada para que realizem seus sonhos ou para algum tipo de imprevisto. O sorteio ajuda a acelerar esse processo, para que os planos a longo prazo se tornem realidade no presente”, afirma.

 

Captação - Durante a campanha, iniciada em abril, a instituição captou R$ 879 milhões em poupança, totalizando mais de R$ 3,9 bilhões em depósitos em 2018. Além da campanha, outros motivos incentivaram os associados a colocar dinheiro na poupança, como o fomento ao crescimento econômico da sua região, já que os valores investidos retornam à comunidade por meio da concessão de crédito e a facilidade do acesso, pela crescente expansão da rede de atendimento do Sicredi em todo o País. Em 2018, a instituição financeira cooperativa atingiu a liderança do número de agências bancárias no Paraná. Em 2019 a tradicional campanha que estimula o hábito de poupar retornará, no período de abril a dezembro. (Assessoria de Imprensa Sicredi Integração PR/SC)

 

INFRAESTRUTURA: Governador inaugura o aeroporto de Pato Branco

 

O governador Carlos Massa Ratinho Junior inaugurou nesta quinta-feira (10/01) o Aeroporto Municipal Juvenal Loureiro Cardoso, de Pato Branco, Sudoeste do Paraná. A data marcou também a chegada do primeiro voo da empresa Azul Linhas Aéreas, partindo de Curitiba, que fará operações semanais atendendo o Sudoeste paranaense e o Noroeste de Santa Catarina. O governador acompanhou o batismo da primeira aeronave da Azul a pousar no aeroporto, recepcionou os passageiros e cumprimentou os tripulantes. O Governo do Estado investiu R$ 2,87 milhões na pavimentação asfáltica, recapeamento e sinalização horizontal da pista de pouso, área de escape, pátio de manobras e pista de taxiamento. O Estado também ofereceu incentivos fiscais para a operação da Azul no município.

 

Indutores - Ratinho Junior afirmou que o aeroporto e a nova linha comercial serão importantes indutores econômico do Sudoeste. “Uma linha aérea ajuda na parte de negócios e abre a possibilidade de mais empresas virem para cá”, disse ele. “Nenhum país do mundo consegue se desenvolver sem infraestrutura. Precisamos de boas rodovias, ferrovias e aeroportos regionais. É assim que o Brasil deve caminhar. Precisamos fortalecer os aeroportos e voos regionais”, afirmou.

 

Divisor de águas - Para o prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, o novo aeroporto é um divisor de águas para o desenvolvimento da região. “Este investimento atende a forte demanda do Sudoeste. É um diferencial como atrativo de investimentos e consolidação dos empreendimentos presentes aqui", afirmou ele. De acordo com a Azul, as saídas da capital serão nas quintas-feiras, às 13h30, com chegada em Pato Branco às 14h50. Na volta, os voos para Curitiba partem às 16h20, com previsão de chegada ao Aeroporto Afonso Pena às 17h40.

 

Revitalização - A revitalização do aeroporto de Pato Branco foi iniciada em 2017 e em setembro de 2018 o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) alterou a classificação do local de “aeródromo” para “aeroporto”, o que permite a operação de voos regulares. O recurso do Governo do Estado foi repassado pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística, por meio de convênio firmado com a prefeitura, valor total de R$ 3,18 milhões. A contrapartida da administração municipal foi de R$ 310,8 mil. Desde janeiro de 2017, o aeroporto recebeu mais de R$ 14 milhões em intervenções estruturais. Além do repasse do Estado, os investimentos foram fruto de parcerias do município com o Governo Federal e com a Associação Empresarial de Pato Branco (ACEPB). 

 

Presenças - Participaram da solenidade o vice-governador Darci Piana; os secretários da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; e do Desenvolvimento Ambiental, Márcio Nunes; o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano, além de autoridades, parlamentares e prefeitos da região. (Agência Estadual de Notícias)

 

{vsig}2019/noticias/01/11/infraestrutura/{/vsig}

INFRAESTRUTURA II: Nova rota de voo vai atender região Sudoeste

 

A nova rota da Azul vai atender toda a região Sudoeste. Neste mês, está programado um voo semanal da companhia às quintas-feiras. Com capacidade para 70 passageiros, os primeiros voos da aeronave ATR-72 já estão lotados. A expectativa da Azul é, a partir de 5 de abril, ampliar a malha local, adicionando mais quatro voos entre Curitiba e Pato Branco, por semana. A ampliação de voos está atrelada à completa certificação do aeroporto pelas autoridades aeronáuticas. Com este novo voo, o Paraná se torna o terceiro estado brasileiro com o maior número de municípios atendidos pela companhia, afirmou o assessor da presidência para Assuntos Institucionais da Azul, Ronaldo Veras. “São cerca de 80 decolagens por dia e 41 mil passageiros por mês, graças ao empenho de todos no Estado”, disse.

 

Toledo - O Aeroporto Luiz Dalcanale Filho, de Toledo, no oeste do Paraná, começou a operar uma linha da Azul na quarta-feira (9/01), inicialmente com um voo semanal para Curitiba. A linha da Azul no aeroporto de Pato Branco e de Toledo está dentro do programa de incentivo do Governo do Paraná para ampliar a oferta de voos regionais no Estado. O Governo do Estado reduz o ICMS sobre o querosene de aviação em dois pontos percentuais a cada nova rota criada nos aeroportos do Paraná. O incentivo fiscal diminui os custos com o combustível, que é um dos grandes gastos das empresas aéreas. O incentivo fiscal vai até o limite de 8% e pode beneficiar todas as companhias interessadas em operar novas rotas do Paraná. “Estamos conversando com outras empresas aéreas, como a Gol e a Latam, para que elas possam aumentar o número de voos no Paraná”, disse Ratinho Junior. O primeiro aeroporto beneficiado foi o de Ponta Grossa (Campos Gerais), onde a Azul começou a operar em outubro de 2016. Além de Pato Branco e Toledo, também está na rota o Aeroporto de Umuarama, no Noroeste. (Agência Estadual de Notícias)

 

{vsig}2019/noticias/01/11/infraestrutura_II/{/vsig}

LOGÍSTICA: Gigantes do agro compram caminhões para driblar frete

 

As incertezas em relação ao tabelamento do frete rodoviário já começam a levar empresas do agronegócio do Brasil a adotar um plano B para o escoamento da safra de soja e de milho em 2019. A mato-grossense Amaggi, pertencente à família do ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, fechou a compra de uma frota de 300 caminhões. A entrega dos veículos está prevista para janeiro. "A aquisição destes veículos atende a uma necessidade estratégica na estrutura logística", disse o presidente executivo da empresa, Judiney Carvalho. 

 

Cotação - A Cargill, multinacional de origem americana, confirmou que fez a cotação de 1.000 unidades, mas condicionou a concretização da medida a um posicionamento definitivo do Supremo Tribunal Federal (STF) quanto à inconstitucionalidade da tabela. "Se isto não ocorrer ou se esta decisão alongar-se de forma a dificultar nossas operações no País, estamos preparados para adotar uma alocação de frota própria", afirmou a empresa, em nota. 

 

Possibilidades - A Bunge, outra gigante do segmento, disse confiar que o tabelamento será derrubado "o mais rápido possível", mas confirmou que avalia "diversas possibilidades em relação ao frete de seus produtos". "A companhia se manifestará apenas após a decisão judicial e afirma que continuará pautando sua conduta pelo respeito às leis e decisões da Justiça." 

 

Custo - Segundo a ADM, a situação provoca um "aumento acentuado" no custo do transporte e "pressiona as margens de comercialização de grãos, que já estão bastante deprimidas". "A ADM espera que o governo encontre uma solução e está avaliando, assim como outras empresas, a adoção de frota própria." 

 

Coamo - A cooperativa paranaense Coamo, uma das maiores do País, confirmou a compra de 500 caminhões em 2018. O investimento, segundo a assessoria de imprensa, já estava previsto no plano de renovação da frota atual, mas a ideia é que, se for necessário, os veículos antigos continuem a ser utilizados. "A tendência entre as cooperativas, se mantido esse tabelamento, é a aquisição de frotas próprias. O único impedimento até agora tem sido a capacidade de produção das montadoras, que para 2019 já chegou ao limite", disse Nelson Costa, superintendente da Ocepar, organização que congrega cooperativas que respondem por cerca de 60% da produção agrícola do Paraná. 

 

Compra - Maior empresa do setor de carnes no mundo, a JBS comprou, ainda em agosto, 360 caminhões para sua frota. "A decisão está amparada na estratégia de uma operação sustentável, que garanta a produção e oferta de produtos, reduzindo os impactos de custo causados pela aplicação do tabelamento do frete rodoviário", afirmou a empresa à ocasião, em nota. 

 

Mudança de modelo - O tabelamento de fretes foi resultado de uma longa negociação envolvendo representantes do governo e lideranças dos caminhoneiros. O aceno à implantação da medida ajudou a encerrar o protesto contra os custos do óleo diesel que, em maio passado, interrompeu por 10 dias o tráfego nas principais rodovias do País. Na ocasião, a Cargill disse, em nota, que os setores de processamento e exportação de produtos agrícolas seriam forçados a "mudar seu modelo de atuação". Em vez de comprar os grãos com retirada nas fazendas ou nos armazéns no interior, diz a nota, "serão forçadas a comprar somente com entrega nas fábricas e nos portos". 

 

Cenário - O cenário se manteve ao longo de todo o segundo semestre, quando ocorreu o plantio da safra de soja que começa a ser colhida a partir de janeiro. Com a insegurança em relação aos custos, o mercado futuro entrou em dezembro com pouco mais de 30% de vendas antecipadas da oleaginosa no País, redução de 14% em relação à média histórica para o período, segundo a consultoria Safras & Mercado.   

 

Alternativa - Para o diretor executivo do Movimento Pró-Logística de Mato Grosso, Edeon Vaz Ferreira, a alternativa encontrada pelas trades não busca substituir por completo a frota terceirizada. O objetivo das grandes exportadoras, segundo ele, é dispor de uma estrutura para "amortecer as crises". "O foco dessas companhias não é o transporte. Vejo essas frotas próprias como um sistema de emergência, a ser empregado para garantir a fluidez do escoamento", afirmou Vaz, que é consultor em logística de entidades como a Aprosoja e a AMPA. 

 

Ministro - Ele criticou a atuação do ministro Luiz Fux, que recentemente determinou a suspensão da cobrança de multa às empresas que descumprirem o tabelamento. "Desde o princípio ele (Fux) busca uma solução negociada, o que é inviável. O preço do frete é uma expressão do livre mercado. O tabelamento é uma invencionice que tem de ser simplesmente derrubada." 

 

Diálogo - Gilson Baitaca, líder do Movimento dos Transportadores de Grãos de Mato Grosso, disse não acreditar que a adoção de frotas próprias se torne um padrão entre as grandes exportadoras. "Quem se aventurar neste rumo pode até quebrar a cara, em razão dos custos operacionais e trabalhistas. Se fosse viável, já teriam feito isso há muito tempo", disse. Segundo ele, o diálogo é a única forma de resolver a crise. (Jornal do Comércio)

TECNOLOGIA: Ratinho Júnior confirma presença no Show Rural Coopavel

 

tecnologia 11 01 2019O governador do Estado, Ratinho Júnior, confirmou que virá a Cascavel em fevereiro para prestigiar a 31ª edição do Show Rural Coopavel. O convite oficial foi feito nesta semana pelo coordenador-geral do evento, Rogério Rizzardi, e pelo coordenador do Show Rural Digital, José Rodrigues da Costa Neto. O convite foi estendido também aos secretários de Estado. Ratinho disse a Rizzardi que o agronegócio é uma das principais alavancas econômicas do Paraná e do Brasil e deve sempre ser valorizado. O governador ainda não informou em que dia virá ao evento (será de 4 a 8 de fevereiro), mas garantiu que se fará presente acompanhado de secretários. Rizzardi informou que foram apresentadas algumas demandas ao governador, que deverão ser confirmadas durante a visita dele a Cascavel.

 

Ortigara - Rizzardi e Neto estiveram também com o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, que também confirmou presença no Show Rural Coopavel. Na conversa com as autoridades, foram repassadas informações sobre novidades do evento, considerado um dos maiores do mundo em transmissão de conhecimentos e inovações para o campo. Uma das principais delas, segundo Rizzardi, será o Show Rural Digital, um ambiente de 2,8 mil metros quadrados que apresentará informações e soluções nas áreas da tecnologia e inovação.

 

Expectativa - O 31º Show Rural Coopavel contará com a participação de 520 expositores. A expectativa de visitantes é superior a 250 mil pessoas e a movimentação financeira deverá ficar entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões. Diversas outras autoridades são convidadas a participar do evento, que ocorre em uma área de 720 mil metros quadrados no Km 577 da BR-277, na saída para Curitiba. (Assessoria de Imprensa Coopavel)

 

A UNIÃO FAZ A VIDA: Programa da Sicredi incentiva busca por conhecimento

 

Assim que o ano letivo for iniciado, 28 mil crianças e adolescentes de 204 escolas que integram o programa A União Faz a Vida (PUVF) da Sicredi União PR/SP vão definir temas para os professores abordarem ao longo do ano junto ao conteúdo das disciplinas. Há 11 anos a metodologia educacional de estímulo ao interesse pelo conhecimento tem sido implantada na área de atuação da Sicredi União e os educadores constatam que os resultados são os melhores possíveis.Mostra disso é a experiência que a professora Ivone Aparecida Delantonia, da Escola Municipal Julita Alves Soares de Jussara, teve ano passado quando a turma do 4º ano optou pelo tema ‘Empreendedorismo’. Mais do que abordar o assunto nas disciplinas, a proposta envolveu todos os alunos e profissionais da escola porque a atividade prática consistiu em montar uma barraca para vender pipoca.

            

Desafio - O desafio rendeu cálculos e gráficos sobre custos e lucro na disciplina de matemática, pesquisa de campo para saber os sabores de preferência dos alunos, entre outros. Para montar a “empresa” a instituição de ensino doou materiais e ingredientes para as professoras e cozinheiras prepararem a pipoca. Já os alunos do 4º ano se dividiram nas demais funções do “negócio”, como caixa, recebedor de fixas, empacotador, atendente e entregador de pipocas, e equipe encarregada da divulgação para chamar a clientela.

            

Empreendedorismo - “Teve até dinheirinho que foi distribuído para todas as turmas. Assim, os alunos ficaram animados para gastar o valor na barraca. Já as crianças que estavam vivenciando a prática do empreendedorismo, aprenderam brincando”, conta Ivone. No evento de culminância realizado no final do ano, a barraca foi montada novamente para que os pais pudessem conhecer o projeto e provar a pipoca. A professora destaca ainda que, durante o ano, uma aluna ficou tão motivada a empreender que começou a produzir slime (geleia de brincar) para vender para os colegas. “Nós permitimos porque não atrapalhou a concentração em sala de aula”.

            

Incentivo - Cases positivos como esse incentivam outras escolas a implantarem o programa. Somente em 2018, o PUFV foi expandido para 18 municípios da área de atuação da cooperativa de crédito, totalizando a presença em 47 cidades. A metodologia é apresentada para prefeituras, secretarias de educação, instituições e escolas e, conforme interesse, é feita a capacitação dos educadores para a aplicação do método.
            

Tema - A partir daí é definido o tema que será abordado durante o ano letivo, envolvendo a grade escolar. Os novos conhecimentos são adquiridos por meio de expedição investigativa, pesquisa, relatos, rodas de conversa, entre outros métodos, quase sempre com o envolvimento da família e da comunidade. Por fim há o evento de culminância, em que são realizadas mostras para apresentar as atividades desenvolvidas ao longo do ano. (Sicredi)

 

{vsig}2019/noticias/01/11/a_uniao_faz_a_vida/{/vsig}

INTEGRADA: Cooperativa inicia temporada de Dias de Campo

 

Começou a temporada de Dias de Campo na Cooperativa Integrada. Diversas regionais já estão reunindo os seus associados para apresentar as novidades em soja desta safra de verão. A regional Ubiratã é uma das primeiras a realizar o dia de campo que ocorreu na manhã desta quinta-feira (10/01). Neste Dia de Campo foram apresentadas 29 variedades de soja direcionadas para a região, segundo afirma o engenheiro agrônomo José Donizete da Silva. Ele explica que o objetivo do Dia de Campo é mostrar aos agricultores o comportamento das variedades e o manejo realizado.

 

Objetivos - A assistência técnica de qualidade e a oferta de materiais de ponta são os objetivos da Integrada que tem como meta elevar o potencial produtivo de seus associados. Essa missão faz parte do planejamento estratégico da cooperativa que visa chegar no próximo ano com R$ 4 bilhões de faturamento com 4% de resultado. Confira a tabela dos Dias de Campo da Integrada:

 

tabela integrada 11 01 2019


Versão para impressão


RODAPE