Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4478 | 18 de Dezembro de 2018

RAMO CRÉDITO: Dirigentes da Cresol visitam a sede do Sistema Ocepar

Dirigentes do Sistema Cresol estiveram, na manhã desta terça-feira (18/12), na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba. Os cooperativistas foram recebidos pelo presidente José Roberto Ricken e o superintendente, Robson Mafioletti. Na pauta do encontro, o intercâmbio de informações sobre a estrutura das instituições, bem como o aprofundamento dos procedimentos de registro da Cresol à Ocepar. Com sede em Francisco Beltrão, a cooperativa de crédito deverá ingressar no quadro de representação da entidade em 2019. Entre os dirigentes visitantes, estavam o presidente da Cresol Baser, Alzimiro Thomé, e o diretor superintendente, Adriano Michelon.

Aproximação Segundo Thomé, o sistema Cresol Baser abrange 21 cooperativas e congrega cerca de 200 mil cooperados, com 147 agências e presença em 227 municípios do estado. A Central atua em outros nove estados, administrando volume de ativos superior a R$ 4 bilhões, sendo R$ 2,92 bilhões em operações no Paraná. “No projeto de governança da cooperativa, é importante manter uma aproximação com os sistemas Ocepar e OCB, pensando também nos próximos passos do cooperativismo do futuro. Esse diálogo é muito positivo e é uma forma de intensificar e fortalecer o cooperativismo”, afirmou o presidente.

CrescimentoDe acordo com o dirigente, a Cresol fechará o ano de 2018 com crescimento estimado em 21%. Para 2019, a expectativa é de um crescimento de 25%. “A visita e a aproximação com a Ocepar é sem dúvida um momento histórico para o cooperativismo de crédito. Agradecemos a boa recepção aos projetos que apresentamos e que podemos construir em conjunto e levar adiante”, disse. “Trabalhamos muito focados nos projetos de crédito rural e no fortalecimento dos pequenos municípios”, ressaltou.

Parcerias Segundo o presidente da Ocepar, a visita dos dirigentes da Cresol representou um passo importante para ampliar as parcerias estratégicas e a união de forças entre as instituições. “Vamos atuar no ritmo adequado para aprofundar o diálogo e descobrir sinergias, construindo uma parceria duradoura e que promova a integração entre a cooperativa e a Ocepar”, concluiu Ricken. 

 

{vsig}2018/noticias/12/18/cresol/{/vsig}

 

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: Prazo para responder ao Censo TI encerra sexta-feira

tecnologia informacao destaque 18 12 2018Termina na sexta-feira (21/12) o prazo para as cooperativas paranaenses responderem à quarta edição do Censo TI, promovido pela coordenadoria de Tecnologia da Informação do Sistema Ocepar. A pesquisa é destinada a gerentes, coordenadores, analistas, entre outros profissionais que atuam na área.

Benefícios - “Este projeto vem trazendo muitos benefícios aos gestores de TI, proporcionando acesso às informações e indicadores que representam a realidade dessa área nas cooperativas do Estado do Paraná. A realização de mais uma edição deste levantamento é motivada pelo espírito de intercooperação, manifestado pelas cooperativas participantes do Fórum de TI do Sistema Ocepar”, afirma o coordenador do setor, Plácido da Silva Júnior.

Acesso - Ele explica ainda que, se necessário, há possibilidade de interromper o preenchimento do questionário e retomar em outro momento. Clique no link ou no QR Code abaixo para acessar o levantamento.

tecnologia informacao qrcode 18 12 2018                                                                                                                                                                          https://goo.gl/vLnvrw

 

 

 

INTERCÂMBIO: Cooperativas baianas conhecem experiências de boas práticas de gestão em MG, PR, RJ e RS

 

As cooperativas baianas têm caminhado em busca da excelência da gestão e o Sescoop Bahia é um grande incentivador desse processo ao promover tanto capacitações para a adesão das cooperativas ao PDGC - Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas quanto intercâmbios de boas práticas de gestão.

 

Experiências bem-sucedidas - O ciclo de intercâmbios desse ano oportunizou que 118 pessoas, representando 54 cooperativas da Bahia, conhecessem as experiências bem-sucedidas de cooperativas brasileiras que estão avançando por meio do PDGC e já foram reconhecidas pelo Prêmio Sescoop Excelência de Gestão (saiba mais sobre o prêmio). As cooperativas baianas participantes dos intercâmbios foram as que concluíram o ciclo 2018 do PDGC e estiveram presentes no Workshop Plano de Melhorias.

 

Agenda - Os intercâmbios aconteceram em quatro estados do país: Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Confira a agenda: 

 

Educacionais - Dias 30 e 31 de outubro a delegação formada por cooperativas educacionais foi a Campos dos Goytacazes/RJ e Nova Friburgo/RJ para conhecer a Cooperativa de Trabalho Educacional Prouni e a Cooperativa de Trabalho Educacional Escola Friburgo; 

 

Saúde, trabalho e transporte - Dias 12 e 13 de novembro o grupo composto por cooperativas de saúde, trabalho e transporte foi a Belo Horizonte/MG para conhecer a Coopmetro, a Unimed-BH, o Sicoob Credicom e Sistema Ocemg; 

 

Agropecuárias - Dias 27 e 28 de novembro, representantes de cooperativas agropecuárias foram até Carambeí/PR e Maringá/PR para conhecer a Cooperativa Agroindustrial Frísia e a Cocamar. 

 

Crédito - Já diferentes delegações formadas por cooperativas de crédito seguiram a seguinte programação: dia 12 de novembro os representantes do Sicoob Cooperbom conheceram o Sicoob Central Unicoob e o Sicoob Metropolitano, ambos em Maringá; nos dias 27 e 28 de novembro outra delegação foi até o Rio Grande do Sul visitar a Sicredi Serrana, em Carlos Barbosa, e a Sicredi Pioneira, em Nova Petrópolis; e, por fim, nos dias 4 e 5 de dezembro outro grupo participou do intercâmbio no Sicoob Saromcredi e na Cooperativa Educacional de São Roque de Minas, localizados em São Roque de Minas/MG.

 

Experiência - Por meio dos intercâmbios, os cooperativistas baianos, sejam dirigentes, funcionários e cooperados, conheceram de perto as experiências de gestão e governança das cooperativas visitadas; o que as tornam competitivas no mercado, como a realização de programas voltados para planejamento, sustentabilidade, educação cooperativista, relacionamento com o quadro social; e qual o impacto que elas promovem para o desenvolvimento das comunidades em que estão inseridas. Em todas as cooperativas a implantação do PDGC é compromisso de todos, desde a alta direção até a área técnica operacional, e os ganhos com a adesão ao programa só trouxeram benefícios, embora seja preciso empenho para cumprir todas as suas fases (saiba mais sobre o PDGC). 

 

Depoimentos - As cooperativas retornaram para suas bases com muitos conhecimentos para multiplicar e colocar em prática, de acordo com as suas realidades e necessidades. Acompanhe alguns depoimentos de quem participou:

 

“Participar do intercâmbio é sempre enriquecedor. É uma experiência que possibilita ganhos tantos nas competências técnicas como nas comportamentais. Muito importante ter a oportunidade de acessar essas cooperativas que hoje são modelos de excelência e inovação, mas que começaram pequenas e através da profissionalização da gestão e alinhadas com a missão e valores estão consolidadas. Retornarmos abastecidos de motivação e ideias para colocar em prática. Agradeço imensamente ao Sescoop/BA pela oportunidade”.Marianne C. Reis, Assistente do NDH da Unimed Itabuna

 

“O intercâmbio foi importante porque pudemos conferir o uso das ferramentas do PDGC através de cooperativas que já implantaram. Importante também foi o testemunho dos gestores em relação às dificuldades iniciais, mas que foram superadas com perseverança e comprometimento com os resultados. Planejamento foi a palavra-chave mostrando que as ações precisam ser implementadas e acompanhadas para que o objetivo seja alcançado”.Maria Sirlene de Souza, Gerente Administrativo Financeiro da Cooperativa Agrícola Juazeiro Bahia - CAJ

 

“O meu maior aprendizado foi a assimilação de um conjunto de boas práticas de gestão. Poder ver as inovações em diferentes campos da atividade cooperativa é inspiração para a edificação aqui na minha cooperativa. Foi uma experiência incrível e muito válida”.Camila Dorea Fernandes Silva, Presidente da Cooperativa de Trabalho Odontológico de Feira de Santana - Uniodonto Feira de Santana

 

“Foi incrível a experiência de conhecer e vivenciar as melhores práticas das cooperativas e programas sociais que fazem parte do escopo das mesmas. Enxergar e sentir a viabilidade de aplicar na nossa realidade os programas sociais almejados foi muito enriquecedor. Voltamos com a certeza que poderemos transformar e impactar a nossa comunidade”.Michelle Araújo, Analista de Gestão de Pessoas da Cooperativa de Crédito dos Servidores Públicos no Estado da Bahia - Sicoob Cred Executivo

 

“Destaco a experiência da Cocamar/Maringá. Uma cooperativa extremamente estruturada, organizada, com histórico de excelência na gestão, onde os valores cooperativistas sempre são valorizados. Agradecemos em nome da Coopaita ao Sescoop/BA e a OCEB por ter nos proporcionado esse intercâmbio muito significativo, marcante e de grande aprendizado para a nossa gestão”.Aderval, Diretor Presidente da Cooperativa Agroindustrial de Itaberaba - Coopaita

 

​“Fomos ver de perto a história e as boas práticas sendo aplicadas com paixão e responsabilidade, vivendo um desafio diário de transformar o atendimento em relacionamento. Estou muito feliz por ver de perto histórias com tanta riqueza de detalhes, que me transportaram para o passado e percebi que devemos resgatar nos mínimos detalhes a história da nossa cooperativa, para que no futuro tenhamos algo positivo e sólido para contar aos nossos netos e todos que darão continuidade”.Arnóbio Rios, Presidente do Sicoob Sertão e Conselheiro Fiscal do Sescoop/BA

 

(Assessoria de Comunicação do Sescoop/BA)

 

{vsig}2018/noticias/12/18/intercambio/{/vsig}

CAPAL: Produtores paranaenses são premiados pela qualidade leiteira

 

A Capal Cooperativa Agroindustrial premiou os produtores do norte pioneiro do Paraná que apresentaram melhor qualidade de leite. Os cooperados que conquistaram as primeiras colocações obtiveram os menores índices na Contagem de Células Somáticas (CCS) e na Contagem Bacteriana Total (CBT), critérios fundamentais para um leite de qualidade, já que níveis baixos de CCS indicam produção oriunda de um rebanho saudável, em especial saúde de glândula mamária. Já valores baixos para CBT está associado a um adequado manejo de ordenha que provavelmente, durante seu processo, seguiu princípios básicos de higiene e armazenagem adequados.

 

Certificados - Foram nove cooperados que receberam certificados na unidade da Capal no município de Joaquim Távora, divididos entre os que produzem até 400, de 400 a 600 e mais de 600 litros de leite por dia. A cooperada Erica Shimizu foi a primeira colocada na categoria até 400 litros, seguida por Marcio Giovannetti e Mario Kumagai; Diniz de Azevedo venceu na categoria de 400 a 600 litros, seguido de Gilson Zanetti e Silvio Garcia. Na última categoria, acima de 600 litros, o melhor foi João Cuenca da Silva, com Nivaldo do Nascimento e Paulo Watanabe, em segundo e terceiro lugares, respectivamente.

 

Convênio - Os participantes são do grupo de produtores que integram o convênio da Capal com o Laticínio Jussara, que possui uma unidade de recebimento em Santo Antônio da Platina (PR), mas matriz em Patrocínio Paulista (SP). Ao todo, concorreram 30 cooperados, que tiveram sua produção verificada entre outubro de 2017 e outubro deste ano, com análises de leite realizadas mensalmente. “Optamos por realizar a premiação apenas utilizando os valores para CCS e CTB para obter uma avaliação mais justa. Sabemos que os níveis de gordura e proteína também são de extrema importância quando se fala em qualidade do leite, no entanto, um dos fatores que está diretamente ligado a esses dois indicadores é a genética”, explica Marcelo Henrique Nunes, nutricionista animal da Capal. “Os rebanhos avaliados eram compostos por diferentes raças e alguns por animais oriundos do cruzamento entre elas. Não seria justo comparar o leite de um rebanho composto por vacas da raça Jersey, conhecidas por produzir um leite com altos teores de gordura e proteína, com um rebanho de vacas holandesas, por exemplo, que produzem um leite com menos teor de sólidos”, reforça Nunes.

 

Bonificação - Na prática, os cooperados que produzem um leite com melhor qualidade já recebem um “prêmio”, pois sua produção é remunerada de acordo com uma tabela de bonificação. “No entanto, acreditamos que a realização desse evento, que teve como intuito a confraternização e a premiação dos que produziram o melhor leite ao longo de um ano, de alguma forma, além de criar um espírito de competição saudável, mostra que eles estão sendo reconhecidos pelo excelente trabalho, dedicação e esmero com que se dedicam a produção desse importante alimento, presente todos os dias nas nossas mesas”, conclui.

 

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal Cooperativa Agroindustrial conta atualmente com quase 3.000 associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e de São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil hectares. (Imprensa Capal)

 

{vsig}2018/noticias/12/18/capal/{/vsig}

INTEGRADA: Cooperativa lança sistema online de informações sobre a origem das sementes

 

A Integrada acaba de lançar um novo sistema de informações sobre a origem das sementes produzidas pela cooperativa. As embalagens de sementes começarão a vir a partir de agora com um QR Cod, semelhante ao código de barras. Por meio de um aplicativo leitor desse código instalado em um smartphone, o produtor terá acesso a todas as informações de origem da semente que está adquirindo.

 

Informações - Emerson Zanoti, do departamento de tecnologia da informação da Integrada (TI), explica que, por meio da plataforma, o agricultor saberá qual cultivar está presente naquela embalagem, a rastreabilidade do lote, o índice de germinação, a categoria, a peneira, o peso por mil sementes e o vigor dela. Zanoti observa que a plataforma mostra também o tipo de tratamento e a origem do lote.

 

Monitoramento - Hoje, a Integrada tem todo o sistema de produção de sementes monitorado, afirma Romildo Birelo, gerente de produção de sementes. Ele frisa que a tecnologia permitirá o acesso às informações em tempo hábil. Segundo ele, isso garante transparência por parte da cooperativa que, consequentemente, gera mais confiança por parte do produtor.

 

Internet das Coisas - Com a tecnologia do QR Code, as Sementes Integrada passam a ser Internet das Coisas - do termo em inglês Internet of Things (IoT), que é designado para especificar objetos físicos que possuem tecnologias e informações embarcadas.

 

Teste - Ficou interessado? Faça um teste com o QR Code disponibilizado nesta matéria. (Imprensa Integrada)

 

integrada qrcode 18 12 2018

 

{vsig}2018/noticias/12/18/integrada/{/vsig}

COAMO I: Homenagem é realizada em 2018 para 389 funcionários com 10, 20, 30 e 40 anos de casa

O ano foi especial para 389 funcionários do grupo Coamo – Cooperativas Coamo e Credicoamo, Via Sollus Corretora de Seguros, Associação Recreativa dos Funcionários (Arcam) e Fundo de Proteção à Saúde (Fups). Eles comemoraram em 2018 a marca dos 10, 20, 30 e 40 anos de serviços nas empresas e receberam homenagens da Diretoria da Coamo como valorização às suas atividades, no programa Tempo de Casa, criado há mais de cinco anos pela cooperativa.

Homenageados - Neste ano foram homenageados 5 funcionários com 40 anos de empresa, entre os quais a encarregada do Laboratório da Fiação Valdelícia Ribeiro Gonzales, 63 com 30 anos, 80 com 20 anos e 240 funcionários com 10 anos de serviço nas empresas.  No total, somando-se todos os funcionários ativos com 7.500 funcionários, o grupo Coamo conta com 2.092 com mais de 10 anos de trabalho – sendo 10 funcionários com 40 anos, 279 com 30 anos, 543 com 20 anos e 1.267 com 10 anos.

 

Programa- “A homenagem prestada pela diretoria da Coamo faz parte do Programa Tempo de Casa, realizamos dez eventos regionais para reconhecer o trabalho dos funcionários de todas as unidades da Coamo. Cada homenageado recebeu uma placa de valorização e gratidão pelo seu trabalho na Coamo. A Coamo é uma cooperativa sólida, estruturada e próspera, resultado da força da união e participação dos seus associados, e também do trabalho e profissionalismo dos funcionários, que fazem a diferença e colaboram para o desenvolvimento da Coamo. Eles são um dos pilares para o sucesso das empresas do grupo”, comemora o engenheiro agrônomo e presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini. (Imprensa Coamo)

 

{vsig}2018/noticias/12/18/coamo_I/{/vsig}

COAMO II: Valdelícia, primeira funcionária com 40 anos de cooperativa

 

A encarregada do setor Laboratório da Fiação da Coamo, Valdelícia Ribeiro Gonzales, entrou para história como a primeira mulher funcionária a completar 40 anos de serviços na cooperativa. Ela recebeu a homenagem no dia 1º de novembro em solenidade no parque industrial da cooperativa em Campo Mourão e também no dia 28 de novembro em evento que reuniu os 69 funcionários – 63 com, 30 anos de casa e 05 com 40 anos em 2018. Valdelícia foi admitida em 01/11/1978 na função de secretária, na Secretaria Executiva. Em 1980 passou a trabalhar no Laboratório de Sementes, como Auxiliar Administrativo. Dois anos mais tarde foi transferida para a Unidade Algodoeira e em 1986 à Fiação de Algodão, onde em 01/06/1987 passou a atuar como Laboratorista, sendo promovida em 01/07/1992 para a função de encarregada do setor Laboratório da Fiação. Atualmente, exerce sua função na gerência de Pesquisa e Desenvolvimento, no parque industrial da Coamo.

 

Gratidão - “Agradeço a Deus por tudo, registro a minha imensa gratidão pela oportunidade profissional, pelos amigos que conquistei nessa jornada e por tudo o que vivi nesse tempo com vocês. Desde o meu ingresso na Coamo já se passaram quarenta anos, mas ainda tenho a mesma motivação que tinha em 1978, para enfrentar e vencer os desafios diários, executando minhas atividades com muito zelo e amor. A Coamo é uma cooperativa, que cresceu muito e ganhou reconhecimento e prestígio em âmbito nacional e internacional, primando sempre pela busca da qualidade de vida de seus cooperados e colaboradores. Com a Coamo e os frutos do meu trabalho pude concretizar meus sonhos e projetos familiares”, disse a primeira mulher na história a completar 40 anos de serviços na Coamo.

 

Comprometimento - A homenagem aos funcionários demonstra o comprometimento a quem tem colaborado para o desenvolvimento da maior cooperativa da América Latina. "Para nós, é gratificante homenagear pessoas que praticamente começaram conosco, ajudando a desenvolver com sucesso os trabalhos da Coamo como empresa. Se chegamos aonde estamos, é porque temos uma equipe determinada e profissional que faz tudo bem feito, por isso, agradecemos em nome dos nossos 28,5 mil associados todo o trabalho e dedicação dos nossos 7,5 mil funcionários, em especial aos 389 que em 2018 receberam a placa e homenagens por completarem 10 anos, 20, 30 e 40 anos no grupo Coamo”, enfatiza o engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, presidente da Coamo. (Imprensa Coamo)

 

{vsig}2018/noticias/12/18/coamo_II/{/vsig}

AGRÁRIA: Lei Rouanet ajuda a manter iniciativas culturais e artísticas legítimas

 

agraria 18 12 2018A Lei de Incentivo à Cultura, também conhecida como Lei Rouanet, é o principal instrumento de fomento às artes e à cultura do país. Para muitas iniciativas do setor, essa é a fonte primordial de captação de recursos para manter suas atividades.

 

Elegível - Para serem elegíveis a captar recursos por meio dessa lei, as ações culturais precisam ser aprovadas pelo Ministério da Cultura, e devem prestar contas sobre como esses recursos são gastos. Todos os projetos podem ser consultados no site do Ministério da Cultura, bem como os valores propostos, os valores captados, a origem dos recursos e de que maneira eles foram aplicados.

 

Liberdade - A Lei de Incentivo à Cultura também é um instrumento que concede certo grau de liberdade ao contribuinte, pois permite escolher os projetos aos quais deseja alocar parte do imposto de renda devido. Ou seja, ao invés de pagar integralmente o valor do IR à Receita Federal, a Lei Rouanet permite destinar diretamente uma parte aos projetos de sua escolha. O limite dessa destinação é de 6% do imposto devido, no caso de pessoas físicas, e de 4% para pessoas jurídicas.

 

FCSB - A Fundação Cultural Suábio-Brasileira (FCSB), em Entre Rios, Distrito de Guarapuava (PR), é uma das instituições autorizadas a receber esse tipo de destinação via Lei Rouanet. Todos os anos, a FCSB busca o apoio de pessoas físicas e empresas que possam ajudar a manter os seus 34 grupos culturais, o Museu Histórico de Entre Rios, os veículos de comunicação, tais como os programas de rádio diários em língua alemã e a publicação bimestral da Revista de Entre Rios, e diversas outras iniciativas. “Trata-se de uma grande estrutura, que atende toda a comunidade de Entre Rios no que diz respeito ao acesso à cultura. E para mantê-la, contamos sempre com o apoio de diversos parceiros que destinam diretamente parte do seu imposto de renda”, disse a coordenadora da fundação, Viviane Schüssler. (Imprensa Agrária)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Com o tema “Circo”, alunos do Sesi de Cambé trabalham o conceito da cooperação

 

Em Cambé, Norte do Paraná, o Colégio Sesi escolheu o tema “Circo” para a apresentação da culminância do Programa A União Faz a Vida, desenvolvido pela cooperativa de crédito Sicredi União PR/SP. 

 

Foco e disciplina - As cores, alegria e destreza dos alunos encantaram a todos. Os alunos se dedicaram à preparação da apresentação durante três meses. “Eles tiveram muita dedicação e muita disciplina”, comenta a gerente da agência da Sicredi em Cambé, Vânia Maria Pedrini Pereira. “Com foco e cooperação, fizeram uma apresentação belíssima”, completou.

 

Responsabilidade social - O programa é a principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi. É desenvolvido nas escolas com o propósito de instituir um novo jeito de ensinar, onde o aluno é protagonista e não um mero receptador de informação. Ele, junto com o professor, constrói o conhecimento. 

 

Reforço - O programa é desenvolvido no Sesi de Cambé há cerca de seis anos e, segundo a orientadora pedagógica, Carolina Furlaneto, vem ao encontro da metodologia de ensino do colégio. “Essa proximidade do nosso método com o do programa reforça e contribui ainda mais com nosso trabalho”, comentou. Ela explicou que os alunos, após discussões, optaram por trabalhar a questão da cooperação entre as pessoas e como multiplicar essa ideia, surgindo daí o tema circo, “onde as pessoas precisam confiar e colaborar umas com as outras”. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

{vsig}2018/noticias/12/18/sicredi_uniao/{/vsig}

SICOOB NOROESTE DO PR: Coral participa das comemorações de Natal em Paranavaí

 

sicoob noroeste pr 18 12 2018O Canto Coral do Sicoob Noroeste do Paraná foi uma das atrações das comemorações natalinas e do aniversário de Paranavaí programadas para o mês de dezembro. A apresentação, organizada pela prefeitura, aconteceu no dia 11 na Praça dos Pioneiros, que está toda decorada e tem recebido muitos visitantes.

 

Integrantes - Formado em 2016, hoje o grupo tem a participação de 28 pessoas, entre colaboradores, cooperados e familiares. O coral conta ainda com a regência da maestrina Ester Back e o correpetidor Leandro Vieira.

 

Gratificante - Para a especialista em Desenvolvimento Organizacional e integrante do coral, Denise Heidemann, fazer parte do projeto é gratificante. “Integrar o coral também é uma forma de cumprir nossa missão de contribuir com o desenvolvimento local. Nos permite compreender que os valores do cooperativismo não ficam reservados somente entre cooperativa e cooperado, mas se estende também para nossa comunidade”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

TRASNCOOPER: Campanha Natal Solidário presenteia mais de 110 crianças de Pato Branco

Cento e quinze kits, contendo um brinquedo e um pacotinho de doces, foram doados às crianças de 0 a 4 anos atendidas pelo Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Vila Verde, situado no Bairro Vila Verde/Jardim Floresta, em Pato Branco, Sudoeste do Paraná, por meio da Campanha Natal Solidário promovida pela cooperativa de transporte Transcooper. A entrega ocorreu no dia 11 de dezembro. “O dia da entrega foi excepcional. A época do Natal já nos proporciona uma sensação diferente que envolve doação, solidariedade e caridade e nada mais puro que passar este sentimento para frente. A medida em que íamos entregando os kits, o ambiente ia tomando de felicidade, não só dos pequenos mas, também, da satisfação dos pais em ver seus filhos contentes. As crianças ficaram em fila esperando ansiosas pelo seu presente e algumas, além de abraçar o Papai Noel e Mamãe Noel, vieram em nossa direção para partilhar um abraço caloroso, como forma de agradecimento, o que, com toda certeza, não tem preço”, conta Rui Buratto, funcionário da Transcooper.

Campanha – A Campanha de Natal da Trasncooper nasceu do desejo da cooperativa de promover uma ação social que beneficiasse a comunidade. A mobilização teve duração de cerca de 90 dias e contou com o envolvimento de colaboradores e cooperados. As doações foram coletadas na sede da cooperativa, também localizada em Pato Branco. “Muitos de nossos cooperados preferiram fazer as doações em espécie, o que proporcionou a compra e montagem de kits padrões, sem diferença em cor ou item”, afirma Buratto. A escolha da entidade beneficiada ocorreu após levantamento feito junto aos colaboradores sobre quais poderiam receber a ajuda da cooperativa. Os resultados da iniciativa motivaram os participantes a realizar outras atividades semelhantes. “O sentimento de coração repleto de amor que vivenciamos na campanha despertou o desejo de continuar fazendo cada vez mais pelo próximo”, completa ele.

{vsig}2018/noticias/12/18/transcooper/{/vsig}

 

BALANÇA COMERCIAL I: Vendas externas do Agro ultrapassam US$ 100 bilhões no acumulado de 12 meses

 

balanca comercial I soja 18 12 2018As exportações do agronegócio atingiram US$ 100,10 bilhões entre dezembro de 2017 e novembro de 2018 (+5,2%), ultrapassando a marca de US$ 100 bilhões. O aumento das exportações ocorreu em função do incremento da quantidade exportada (+ 5,3%).

 

Superação - “A superação da marca dos 100 bilhões de dólares de exportações anuais do agronegócio brasileiro reflete tanto a boa gestão do Ministério da Agricultura como a excelência do nosso setor produtivo”, comemora o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Odilson Ribeiro e Silva.

 

Recorde - Recorde para o período ocorreu entre dezembro de 2012 e novembro de 2013, quando o Brasil exportou US$ 100,70 bilhões em produtos do agronegócio, conforme dados do boletim da Balança Comercial do Agronegócio divulgado nesta segunda-feira (17/12).

 

Participação - A participação do setor nas exportações totais brasileiras registrou 42,1% (-1,9 ponto percentual em relação ao período anterior, que foi de 44%).

 

Vendas em novembro - As exportações do agro, no último mês, atingiram US$ 8,37 bilhões, em alta de 18,3%. Apesar desse crescimento, a participação dos produtos do agronegócio no total exportado pelo Brasil no período diminuiu, passando de 42,4% para 40,0%.

 

Importações - As importações tiveram incremento de 2,2% no mês de novembro, com US$ 1,18 bilhão. O saldo da balança comercial do agronegócio alcançou US$ 7,20 bilhões (+21,4%).

 

Destaques - Em relação aos produtos exportados em novembro deste ano, destacam-se os recordes da soja em grãos, café verde, celulose, papel, carne bovina in natura e algodão.

 

Soja em grãos - As vendas de soja em grãos, que alcançaram valor e volume recordes para todos os meses de novembro, registraram no período 5,07 milhões de toneladas (+136,6%), num total de US$ 2 bilhões (+145,7%).

 

Café verde - O café verde obteve recorde em quantidade para todos os meses, em alta de 44,5% em relação a novembro de 2017, com 234 mil toneladas.

 

Carne bovina - As exportações de carne bovina in natura foram recorde para novembro, com US$ 521,75 milhões. Em relação à quantidade, também houve recorde para o mes, com 130,57 mil toneladas comercializadas.

 

Produtos florestais - O principal produto negociado no setor de produtos florestais foi a celulose, com o valor recorde novembro de US$ 649,40 milhões (+17,6%) e quantidade também recorde de 1,24 milhão de tonelada (+14,2%). As vendas externas de papel igualmente foram recorde, com a soma de US$ 184,04 milhões (+13,9%), para quantum também recorde de 185,98 mil toneladas (+5,6%).

 

Fibras e têxteis - Nas fibras e produtos têxteis, houve destaque do algodão, com recordes no valor e quantidade exportada. As vendas somaram US$ 344 milhões (+36,6%), com 198 mil toneladas do produto comercializadas. (Mapa)

 

Confira a Balança Comercial do Agronegócio resumida

 

 

BALANÇA COMERCIAL II: País registrou superávit de US$ 918 mi na 2ª semana de dezembro

 

balanca comercial II 18 12 2018A balança comercial registrou superávit de US$ 918 milhões na segunda semana de dezembro, resultado de exportações no valor de US$ 4,564 bilhões e importações de US$ 3,645 bilhões, informou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) em comunicado nesta segunda-feira (17/12).

 

Mês - No mês, as exportações já somam US$ 10,101 bilhões e as importações, US$ 7,294 bilhões, com saldo positivo de US$ 2,807 bilhões. No ano, as exportações somam US$ 230,068 bilhões e as importações, US$ 175,603 bilhões, com saldo positivo de US$ 54,466 bilhões.

 

Média diária - A média diária das exportações da segunda semana chegou a US$ 912,7 milhões, 17,6% abaixo da média de US$ 1,107 bilhão até a 1ª semana, em razão da diminuição nas exportações das três categorias de produtos: manufaturados (-24,7%, de US$ 408,5 milhões para US$ 307,7 milhões, em razão, principalmente, de aviões, suco de laranja congelado, bombas, compressores e ventiladores, produtos hortícolas preparados, suco de laranja não congelado, gasolina); semimanufaturados (-24,1%, de US$ 170,9 milhões para US$ 129,8 milhões, em razão de celulose, açúcar em bruto, ferro fundido, ouro em formas semimanufaturadas, madeira serrada ou fendida, ferro-ligas) e básicos (-10,0%, de US$ 528,0 milhões para US$ 475,3 milhões, por conta de farelo de soja, algodão em bruto, minério de cobre, petróleo em bruto, carne de frango, milho em grão).

 

Importações - Do lado das importações, apontou-se queda de 0,7%, sobre igual período comparativo (média da 2ª semana, US$ 729,1 milhões sobre a média até a 1ª semana, US$ 729,8 milhões), explicado, principalmente, pela diminuição nos gastos com adubos e fertilizantes, equipamentos eletroeletrônicos, equipamentos mecânicos, siderúrgicos e alumínio e obras.

 

Crescimento - Nas exportações, comparadas as médias até a 2ª semana de dezembro/2018 (US$ 1,010 bilhão) com a de dezembro/2017 (US$ 879,8 milhões), houve crescimento de 14,8%, em razão do aumento nas vendas de produtos básicos (+37,9%, de US$ 363,7 milhões para US$ 501,6 milhões, por conta, principalmente, de soja em grãos, farelo de soja, milho em grãos, algodão em bruto, minério de ferro, café em grão) e semimanufaturados (+14,5%, de US$ 131,2 milhões para US$ 150,3 milhões, por conta, principalmente, de celulose, ferro-ligas, ferro fundido, semimanufaturados de ferro/aço, ligas de alumínio em bruto, madeira serrada ou fendida). 

 

Queda - Por outro lado, caíram as vendas de produtos manufaturados (-1,7%, de US$ 364,1 milhões para US$ 358,1 milhões, por conta de automóveis de passageiros, açúcar refinado, óleos combustíveis, óxidos e hidróxidos de alumínio, torneiras, válvulas e partes, tratores).

 

Retração - Relativamente a novembro/2018, houve retração de 3,4%, em virtude da queda nas vendas de produtos manufaturados (-15,4%, de US$ 423,3 milhões para US$ 358,1 milhões), enquanto cresceram as vendas de produtos semimanufaturados (+14,2%, de US$ 131,7 milhões para US$ 150,3 milhões) e básicos (+2,2%, de US$ 490,8 milhões para US$ 501,6 milhões).

 

Acima da média - Nas importações, a média diária até a 2ª semana de dezembro/2018, de US$ 729,4 milhões, ficou 15,8% acima da média de dezembro/2017 (US$ 629,9 milhões). Nesse comparativo, aumentaram os gastos, principalmente, com adubos e fertilizantes (+66,2%), químicos orgânicos e inorgânicos (+40,1%), siderúrgicos (+33,5%), combustíveis e lubrificantes (+19,3%) e plásticos e obras (+17,6%). Ante novembro/2018, registrou-se queda de 13,5%, pela diminuição nas compras de veículos automóveis e partes (-22,9%), borracha e obras (-12,3%), equipamentos eletroeletrônicos (-10,1%), plásticos e obras (-9,3%) e equipamentos mecânicos (-4,0%). (Valor Econômico)

 

CÂMARA FEDERAL: Alceu Moreira vai presidir a frente da agropecuária em 2019

 

camara federal 18 12 2018A Frente Parlamentar da Agropecuária elegeu, na semana passada, seu novo presidente: o deputado Alceu Moreira (MDB-RS). Moreira, que é o atual vice-presidente do grupo, vai substituir a deputada Tereza Cristina (DEM-MS), que será a ministra da Agricultura do novo governo.

 

Protagonismo - “A FPA alcançou protagonismo ímpar para construir políticas públicas cada vez mais fortalecidas e convergentes com os anseios da sociedade e da agricultura brasileira. Fecho uma etapa da minha vida parlamentar e início outro desafio”, disse Tereza Cristina.

 

Pautas complementares - “A agropecuária brasileira nunca foi contra o meio ambiente, contra os indígenas. As pautas são complementares e não antagônicas. Temos de fugir desses conflitos e encontrar soluções por meio de políticas públicas sólidas que deem segurança a todos”, ressaltou o novo presidente frente parlamentar. (Agência Câmara)

 

INFRAESTRUTURA: Convênio destina R$ 89 milhões para melhorias em estradas rurais

 

infraestrutura 18 12 2018A governadora Cida Borghetti assinou nesta segunda-feira (17/12), no Palácio Iguaçu, um convênio que vai destinar R$ 89,8 milhões para melhorias em estradas rurais em diversos municípios paranaenses. O contrato com a Caixa Econômica Federal foi viabilizado pela bancada federal paranaense e vai possibilitar a aquisição de máquinas, equipamentos, tratores agrícolas e veículos para adequação e manutenção de estradas, dentro dos princípios conservacionistas de gestão de solo e água.

 

Trabalho conjunto - Cida destacou que o trabalho conjunto do Governo do Estado, União, parlamentares e municípios vai melhorar a estrutura das cadeias produtivas, fortalecendo a agricultura do Estado. “O Paraná é um celeiro, um Estado essencialmente agrícola. Precisamos dar condições para que a produção de todas as propriedades, das pequenas às grandes, possam chegar aos mercados, às Ceasas e ao Porto de Paranaguá”, afirmou. “Assim, essa cadeia produtiva dá frutos que melhoram a renda e a vida dos nossos agricultores”, disse.

 

Recursos - Os recursos federais – do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – somam R$ 84,2 milhões, e a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento vai destinar mais R$ 5,6 milhões. Está prevista a aquisição de 36 caminhões basculantes, três caminhões comboio, 20 escavadeiras hidráulicas, 14 motoniveladoras novas, 35 pás-carregadeiras, 80 retroescavadeiras, 23 rolos compactadores, e 109 tratores agrícolas.

 

Municípios beneficiados - Os municípios beneficiados fazem parte dos núcleos regionais de Apucarana, Campo Mourão, Cascavel, Cianorte, Cornélio Procópio, Curitiba, Dois Vizinhos, Francisco Beltrão, Guarapuava, Irati, Ivaiporã, Jacarezinho, Laranjeiras do Sul, Londrina, Maringá, Paranaguá, Paranavaí, Pato Branco, Pitanga, Ponta Grossa, Toledo, Umuarama e União da Vitória. Um consórcio intermunicipal da região de Campo Mourão também será contemplado.

 

Emendas - Os parlamentares vão definir os municípios contemplados pelas emendas. De acordo com o líder da bancada, deputado federal Toninho Wandscheer, os parlamentares trabalharam juntos com o governo estadual para ampliar os recursos destinados ao Paraná. “São recursos de grande importância para todos os municípios paranaenses”, disse.

 

97 mil quilômetros - O Paraná tem aproximadamente 97 mil quilômetros de estradas rurais. Mantê-las em boas condições é uma forma de beneficiar o escoamento da produção agropecuária do Estado e o transporte da população, afirmou o diretor-geral da Secretaria de Estado da Agricultura, Francisco Simioni. “Este investimento se soma a outros programas da secretaria, como de gestão de microbacias, Pró-Rural e o Pró-Solo. Isso garante a segurança alimentar e a melhoria de vida no meio rural”, afirmou.

 

Definição - A definição dos itens a serem adquiridos foi feita com base em especificações técnicas, econômicas e operacionais disponíveis nas literaturas específicas, bem como no acervo técnico da Secretaria da Agricultura. A partir de agora, a pasta ficará responsável pelas licitações, para então adquirir os equipamentos para repassar aos municípios.

 

Repasse - As máquinas, equipamentos e tratores a serem adquiridos pela secretaria serão repassados por meio de instrumentos jurídicos adequados aos municípios a serem beneficiados, onde deverão ser identificados com o número do contrato de repasse e origem dos recursos, ou seja, o Ministério da Agricultura, os quais serão os responsáveis pela gestão dos bens, guarda e manutenção, em conformidade com a legislação vigente.

 

Presenças - Participaram da solenidade o secretário de Estado da Fazenda, José Luiz Bovo; o superintendente regional da Caixa Econômica, Arielson Bittencourt; os deputados federais Ricardo Barros, Luiz Carlos Hauly e Rubens Bueno; e prefeitos. (Agência de Notícias do Paraná)

 

MEIO AMBIENTE: IAP concede licença prévia a parque de energia eólica

 

meio ambiente 18 12 2018O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) assinou nesta segunda-feira (17/12) a autorização da Licença Prévia para construção do primeiro complexo privado de geração de energia elétrica de fonte renovável do Paraná, e um dos três maiores do Sul do Brasil – o Complexo Eólico de Palmas II.

 

Instalação - O complexo será instalado no município de mesmo nome, no Sudoeste do Estado, na divisa com Santa Catarina. O processo de licenciamento seguiu, rigidamente, a regulação do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), Secretaria de Estado do Meio Ambiente IAP. “O parque é sustentável, utiliza energia renovável e tem baixo impacto ecológico e ambiental”, destaca o diretor-presidente do IAP, Luiz Carlos Manzato.

 

Potência - O Complexo Eólico Palmas II, de titularidade da empresa paranaense Enerbios, do Grupo Enercons, tem 200 Megawatts (MW) de potência projetada, capaz de atender com energia elétrica uma cidade de 350 mil habitantes. Os investimentos previstos passam de R$ 1 bilhão.

 

Sociedade - No empreendimento, a Enerbios está associada à empresa alemã Innovent, à Cia Ambiental de Curitiba e à Ventos do Sul, do município de Abelardo Luz, em Santa Catarina, que desde 2009 pratica atividades de medição de vento.

 

Êxito - Para o presidente da Enerbios, o licenciamento ambiental na etapa prévia já antecipa o êxito das etapas de licenciamento da instalação e da operação, pois a parte mais difícil, segundo ele, já está concluída.

 

Detalhamento - “Agora, nossa atenção se volta a detalhar o Projeto Básico Ambiental e concluir a cotação final para aquisição dos equipamentos e serviços, que já está em curso", disse Pugnaloni. Ele destaca que o principal objetivo é buscar atender com energia renovável e limpa os consumidores que já fazem parte do seu portfólio no mercado livre.

 

Licenciamento – A Licença Ambiental Prévia possui 26 condicionantes que deverão ser devidamente cumpridas e aprovadas para a solicitação e obtenção das próximas etapas do licenciamento ambiental. O documento emitido não autoriza construções, terraplanagem ou desmatamento no local.

 

Empreendimento - O Complexo Eólico Palmas II conta com 16 mil hectares de área arrendada a mais de 50 proprietários rurais. Ele é composto de oito usinas eólicas diferentes, denominadas Taipinha, Tradição, Piloto Tradição, São Francisco, Santa Cruz, Campo Alegre, Santa Maria e Pederneiras, nas quais as atividades agrícolas de lavoura, pastagem e reflorestamento continuarão a ser praticadas normalmente. (Agência de Notícias do Paraná)

 

INTERNACIONAL I: Temer participa em Montevidéu da Cúpula do Mercosul

 

internacional I 18 12 2018O presidente Michel Temer participa nesta terça-feira (18/12) em Montevidéu, no Uruguai, da 53ª edição da Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados. Após o encontro, vai ao almoço oferecido pelo presidente uruguaio, Tabaré Vásquez, aos presidentes e chanceleres. Ele retorna à noite para Brasília.

 

Impossível - Nesta segunda-feira (17/12), durante cerimônia no Palácio do Planalto, Temer disse ser impossível aplicar qualquer isolacionismo político ou econômico nos dias de hoje. Em discurso durante assinatura de autorização de novos leilões para exploração de petróleo, ele afirmou que “colocou o Brasil no século 21” ao abrir o país para a iniciativa privada nacional e estrangeira.

 

Universalização - “Quando digo que colocamos o Brasil no século 21 é porque abrimos o país para a iniciativa privada, não só nacional, mas também internacional. No fenômeno da globalização, seria impossível qualquer isolacionismo de natureza política, econômica. E é por isso que nós temos falado ao longo do tempo do multilateralismo, a ideia da universalização das nossas relações em todos os campos. E isso tem dado resultado”, disse Temer no discurso.

 

Mercosul - O presidente da Argentina, Mauricio Macri, receberá do governo uruguaio, durante o encontro, a presidência pro tempore do Mercosul (que reúne Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, suspensa tempoariamente). A Cúpula do Mercosul vai até quarta-feira (19/12), ao meio-dia.

 

Disposição - O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, disse nesta segunda, em entrevista em Montevidéu, que há disposição do atual e do futuro governo para apoiar o Mercosul nas negociações em curso. “O Mercosul não é uma obra pronta e acabada, precisa passar por aperfeiçoamentos no seu modo de funcionamento, na sua forma de se relacionar com outras economias. [O Mercosul] está sempre em mudança e melhorando. Se vocês pegarem o que era o Mercosul há dois anos, vocês verão o quanto avançamos”, ressaltou. (Agência Brasil)

 

INTERNACIONAL II: Brasil elogia abertura comercial dos EUA em sabatina da OMC

 

internacional II 18 12 2018O governo brasileiro deixou de lado as críticas contra a guerra comercial liderada pelo governo de Donald Trump na Organização Mundial do Comércio (OMC), elogiou as tarifas de importação nos Estados Unidos e sinalizou uma cooperação no que se refere à reforma do sistema multilateral. O recado brasileiro foi dado nesta segunda-feira (17/12), durante a sabatina da OMC sobre a política comercial dos EUA. Governos de todo o mundo enviaram 1,7 mil perguntas e críticas para a administração Trump sobre suas práticas comerciais – apenas 33 foram enviadas pelo Brasil.

 

Ataques - Trump foi duramente atacado em discursos de outros governos em Genebra diante da proliferação de medidas protecionistas e do bloqueio da Casa Branca aos trabalhos dos tribunais da OMC. O Brasil, ainda que tenha levantado críticas sobre subsídios, destacou os benefícios do comércio bilateral.

 

Engajamento - “Os EUA foram historicamente um dos líderes do regime multilateral, inclusive na OMC”, disse o embaixador do Brasil na organização, Alexandre Parola. “Não acreditamos que tais regimes sejam perfeitos. Não o são e damos as boas-vindas a reformá-lo e aperfeiçoá-lo. Contamos com o engajamento dos EUA. Da mesma forma, eles podem contar com o nosso.”

 

Parceiro-chave - O Itamaraty destacou a importância dos EUA como um “parceiro-chave do Brasil, tanto em termos bilaterais como no G-20 e na OMC” e, com base no informe oficial da entidade, indicou que as tarifas médias americanas são de 4,8%, o mesmo nível desde 2009. 

 

Informe - O embaixador, porém, não citou o informe que destaca o aumento no número de medidas antidumping. Em julho de 2018, 340 barreiras estavam em vigor nos EUA contra produtos estrangeiros. Em junho de 2016, eram 269.

 

Exceção - O Brasil lembrou que a exceção na sua relação comercial com os EUA é distorção no mercado agrícola. Nesse setor, as tarifas são em média de 9,4% e, em alguns casos, superam 100%.

 

Subsídios - Os subsídios são outra “preocupação” apontada pelo Brasil. Citando a OCDE, o governo indicou que o apoio passou de US$ 29 bilhões em 2008 para mais de US$ 39 bilhões em 2017.

 

Críticas - Todas as grandes economias criticaram os EUA. “O sistema multilateral está em crise profunda e os EUA são o epicentro”, afirmou embaixador da União Europeia, Marc Vanheukelen. Para o governo chinês, o protecionismo e as políticas dos EUA “fazem ressurgir os fantasmas do unilateralismo que estavam adormecidos por anos”, disse o embaixador Zhang Xiangchen.

 

Aliados - Dennis Shea, o número 2 da Casa Branca para o comércio, acenou com vantagens para países aliados. “Estamos comprometidos em promover uma liberalização pelo mundo. Países que compartilhem nosso compromisso e que estejam prontos para dar oportunidades recíprocas em seus mercados domésticos podem contar com os EUA como um parceiro.” (O Estado de S.Paulo)

 


Versão para impressão


RODAPE