Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4468 | 04 de Dezembro de 2018

ENCONTRO ESTADUAL: Programação contempla apresentação de shows culturais

 

encontro estadual destaque 04 12 2018Os participantes do Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, que será realizado nesta semana, no Teatro Positivo, em Curitiba, poderão apreciar dois shows culturais na sexta-feira (07/12), segundo dia do evento. A programação inicia com a apresentação, às 8h30, do grupo folclórico ucraniano brasileiro Vesselka, fundado em 1 de agosto de 1958 pelo padre Efraim Krevey, sob a coordenação de catequistas do Sagrado Coração de Jesus. Atualmente é formado por 90 componentes, de diferentes idades. Depois, as atividades serão encerradas com a participação do Concerto das Rosas, com a Orquestra Ladies Ensemble, que fará um show a partir das 14h. O grupo é composto apenas por mulheres e a verba arrecadada nas apresentações é destinada à compra de próteses para pacientes com câncer de mama.

 

Celebração - O Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses começa no dia 6 de dezembro. O evento é promovido pelo Sistema Ocepar, com o objetivo é celebrar as conquistas alcançadas pelo setor ao longo do ano. São esperados cerca de dois mil participantes, entre dirigentes, cooperados, colaboradores e familiares.

 

Eleitos - No primeiro dia, as atividades iniciam às 18h, com a presença do governador eleito e dos deputados federais que irão integrar a Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) a partir do ano que vem. Em seu pronunciamento, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, deverá apresentar um balanço preliminar dos resultados alcançados pelas 215 cooperativas do Paraná em 2018. 

 

Mais - No segundo dia, o coordenador do Centro de Agronegócio da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EESP) e embaixador Especial da FAO para o Cooperativismo, Roberto Rodrigues, ministra palestra sobre as perspectivas para o cooperativismo. Depois, haverá debate sobre as propostas do Paraná que serão levadas à discussão no XIV Congresso Brasileiro de Cooperativismo, que ocorrerá em 2019, em Brasília. O mestre em Educação e especialista em Coaching, Homero Reis, fala na sequência sobre “O futuro quem faz é você”.

 

Foto: Facebook do Concerto das Rosas

encontro folder 04 12 2018

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: Lançada a 4ª edição do Censo TI

tecnologia informacao 04 12 2018A coordenadoria de Tecnologia da Informação (TI) do Sistema Ocepar está lançando o Censo TI 2018. Trata-se da quarta edição da pesquisa, que deve ser respondida até o dia 21 de dezembro pelas equipes de TI das cooperativas paranaenses, entre gerentes, coordenadores, analistas, entre outros profissionais que atuam nesse segmento.

Benefícios - “Este projeto vem trazendo muitos benefícios aos gestores de TI, proporcionando acesso às informações e indicadores que representam a realidade dessa área nas cooperativas do Estado do Paraná. A realização de mais uma edição deste levantamento é motivada pelo espirito de intercooperação, manifestado pelas cooperativas participantes do Fórum de TI do Sistema Ocepar”, afirma o coordenador do setor, Plácido da Silva Júnior.

Acesso - Ele explica ainda que, se necessário, há possibilidade de interromper o preenchimento do questionário e retomar em outro momento. Clique no link ou no QR Code abaixo para acessar a pesquisa. 

ti code 04 12 2018

https://goo.gl/vLnvrw

 

 

COAMO: Cooperativa antecipa R$ 109 milhões em sobras aos associados

A diretoria da Coamo Agroindustrial Cooperativa anunciou, na tarde desta segunda-feira (03/11), a antecipação de R$ 109 milhões em sobras aos associados referente ao Exercício 2018. O pagamento será realizado na próxima segunda-feira (10) em todas as Unidades da cooperativa no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. O comunicado foi realizado pelo diretor-presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, durante coletiva de imprensa na sede administrativa da cooperativa, em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná).

Tradição - A antecipação das sobras é uma tradição da Coamo e o benefício será pago conforme a movimentação de cada associado na comercialização de soja, trigo, milho e insumos. O dinheiro, apelidado de 13º do cooperado, ajuda a movimentar o comércio no final do ano nas cidades em que a Coamo está inserida. O restante das Sobras será devolvido aos mais de 28,5 mil cooperado após a realização da Assembleia Geral Ordinária (AGO), na segunda quinzena de fevereiro de 2019.

Satisfação - Conforme o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, é uma satisfação para a diretoria da cooperativa anunciar está boa notícia para o quadro social. “A Coamo possui tradição do pagamento antecipado das sobras nesta época do ano. Essa condição é realizada desde a sua fundação, há 48 anos”, comenta Gallassini.

Participação dos cooperados - Ele destaca que a antecipação só é possível devido a solidez, administração, participação dos associados e bons resultados que a cooperativa vem obtendo. “Comemoramos novamente esses bons resultados, fruto da participação efetiva dos cooperados e da boa administração da diretoria. Neste ano que estamos prestes a encerrar, mais uma vez, o balanço é positivo. Apesar da crise que diversos setores do país vêm passando, a agricultura consegue se manter muito bem como âncora da economia, e ainda apresenta bons números, os quais são bem recebidos pelos associados”, assinala Gallassini. (Imprensa Coamo)

{vsig}2018/noticias/12/04/coamo/{/vsig}

COOPAVEL: Dilvo Grolli se encontra com Bolsonaro no Rio de Janeiro

coopavel 04 12 2018O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, encontrou-se na quinta-feira passada (29/11), no Rio de Janeiro, com o presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, e com o comandante da Esao (Escola Superior de Aperfeiçoamento de Oficiais), general Marcos Sá Affonso da Costa. Ao lado de outras autoridades e oficiais do Brasil e de outras nações amigas, eles participaram da diplomação do curso de aperfeiçoamento de oficiais.

Solenidade - A solenidade na Esao, da qual Dilvo e outras autoridades brasileiras e estrangeiras foram convidadas a participar, formou 500 oficiais que passam a postular a insígnia de general em comandos das Forças Armadas. Por algumas vezes, o presidente da Coopavel foi convidado para proferir palestras na Escola Superior de Aperfeiçoamento de Oficiais.

Show Rural - No encontro com Jair Bolsonaro, Dilvo falou dos preparativos do 31º Show Rural Coopavel, que será de 4 a 8 de fevereiro de 2019, e da alegria que seria poder receber o presidente no evento. Bolsonaro prestigiou a edição histórica de 30 anos do Show Rural Coopavel, em fevereiro último.

Importância - Para Dilvo, a oportunidade de estar com o presidente eleito é de grande importância principalmente em um momento no qual haverá novo rumo na política e nova visão sobre relações do Brasil com o mundo. E, nesse contexto, segundo Bolsonaro, o agronegócio estará na pauta internacional. (Imprensa Coopavel)

 

PRIMATO: Expo Primato 2018 fecha com grande público e volume de negócios

primato 04 12 2018A Expo Primato foi encerrada na última sexta-feira (30/11), teve a presença de um grande público e gerou um bom volume de negócios nesta que foi a primeira edição do evento promovido pela Primato Cooperativa Agroindustrial.

Público - Foram mais de 2.500 pessoas que passaram pelo campo experimental entre os dias 28 e 30 de novembro. “Superou nossas expectativas a presença do público nos dias da Expo Primato e isso também graças ao clima que colaborou e não teve chuva durante os três dias de visitação”, enalteceu o presidente da Primato Ilmo Werle Welter que complementou, “mas através do trabalho das equipes envolvidas, da divulgação que nosso marketing e comunicação desenvolveram, os veículos de comunicação presentes e a parceria das empresas que estavam expondo, fizeram o sucesso de público nesta primeira edição de nossa exposição”.

Informações importantes - Segundo Ilmo, os visitantes tiveram a oportunidade de obter informações importantes para aplicarem em suas atividades. “O visitante teve a oportunidade de fazer o que chamamos de caminho do conhecimento, onde empresas renomadas do setor agrícola e agropecuário apresentaram em seus estandes, mini palestras, cases de sucesso e muita informação sobre o manejo da lavoura nas safras que viram”,disse.

Negócios - Foram 60 estandes colocados à disposição do público para visitação e geração de negócios. “Tivemos uma movimentação de mais de R$ 5,5 milhões durante o evento e isso foi graças a dedicação dos profissionais que tiveram a capacidade de atender todos os participantes muito bem, o que gerou um clima favorável para negociações”, explicou Ilmo que complementou, “essa geração de negócios poderá ser maior nos próximos anos, considerando que a Expo Primato entra agora em definitivo no calendário de exposições em nossa região, ficando mais difundido e consequentemente, gerando visitação e volume de negócios”.

Público - O público esteve presente em grande número para a visitação e aprovaram o evento. Segundo o cooperado Dirceu Juliano Kasper, a exposição trouxe muita informação na parte agrícola. “Por ser uma primeira edição, está surpreendendo, campos bem elaborados, palestras bem direcionadas ao que nos interessa, estão de parabéns, a exposição está muito bem organizada. Vim no primeiro dia de visitação e retornei hoje (30), pois ficou alguns campos que não consegui verificar”.

Surpresa - Por sua vez, a cooperada Marizete Scalcon Lira, a exposição da linha de alimentos no estande do supermercado da Primato surpreendeu. “Eu sabia que tinha alguns alimentos, mas não uma linha tão grande. Fiquei bem surpresa com a erva de tereré, que ainda vai lançar no mercado e aqui conhecemos em primeira mão”.

Expo Primato - A 1ª edição da Expo Primato foi realizada no campo experimental anexo a sede da cooperativa na BR 163 em Toledo, apresentando as melhores tecnologias e soluções em agricultura, suinocultura, bovinocultura de leite e corte, piscicultura, ovinocultura, nutrição animal, além de máquina e implementos agrícolas, além do mix de produtos da rede de supermercados da Primato. (Imprensa Primato)

 

COCAMAR: Projeto inovador torna mais seguro dirigir veículo na cooperativa

Inovando na segurança dos colaboradores, a Cocamar Cooperativa Agroindustrial comemora a redução significativa, nos últimos meses, do número que define como “ocorrências de comportamentos inseguros” na condução de veículos.

Registros - Em abril, foi instalado um sistema de telemetria em caráter experimental nos veículos, cujo objetivo era registrar o comportamento natural dos condutores da Cocamar. Neste experimento, houve 56 registros de comportamentos inseguros a cada 1.000 km rodados, relacionados a situações como frenagens e acelerações bruscas, curvas inadequadas, velocidade acima de 110 quilômetros por hora (km/h) e velocidade superior a 90km/h sob chuva.

Evolução - Já em junho, após sensibilização dos condutores, treinamento dos gestores, adoção em definitivo da ferramenta de telemetria e implantação do sistema de reconhecimento facial para 220 veículos da frota de veículos leves, a quantidade de ocorrências diminuiu verticalmente para 18 e foi reduzindo ainda mais nos meses seguintes, chegando a 11,8 em outubro, para cada mil quilômetros rodados – menos de 80% no comparativo com abril.

Parceria - “A segurança é mais que uma prioridade, é um valor na Cocamar”, enfatiza o gerente de Armazenagem e Transporte, Ezequiel Scopel, explicando que o projeto se intitula Vida Segura. O gerente comenta que a iniciativa foi viabilizada a partir de uma parceria entre a Cocamar, sua coligada Transcocamar e a empresa Golsat, de Londrina (PR), detentora da tecnologia, com a finalidade de gerar informações para aprimorar o gerenciamento dos recursos e promover uma redução de acidentes.

Valorização - Mesmo em tão pouco tempo depois de implantada, a experiência chamou a atenção por seu ineditismo e vem sendo tão positiva que conferiu à Cocamar o 16º lugar na premiação “The 100 Best Fleets” da América Latina, para as empresas reconhecidas como a melhor gestão de frotas. O ranking foi conhecido durante o congresso internacional WTM18 no final de outubro em São Paulo (SP). Na oportunidade, especialistas de dezenas de países participantes conheceram o projeto da cooperativa, apresentado por Scopel. Segundo eles, a Cocamar é a primeira organização, em todo o mundo, a fazer o cruzamento das imagens dos condutores com o reconhecimento facial na gestão de veículos.

Como funciona - A partir de um dispositivo colocado internamente no para-brisa, logo abaixo do espelho do condutor, o sistema faz o reconhecimento a partir de um banco de imagens, permitindo, ao mesmo tempo, vários outros dados para o controle da frota, entre os quais o horário de uso, o total de quilômetros rodados, a trajetória do veículo e velocidade incompatível com a sinalização da via. Durante o deslocamento, o condutor é informado por um sinal intermitente ou contínuo, caso não esteja seguindo as regras estabelecidas nas diretrizes de direção defensiva da cooperativa. As informações a respeito da viagem dos mais de 1,5 mil condutores ficam disponíveis em forma de relatórios aos gestores que, com isso, acompanham e podem aprimorar o comportamento da equipe ao utilizar os veículos. Caso uma pessoa não autorizada assuma o comando, a mesma é registrada pelo dispositivo.

Outros benefícios - De acordo com o gerente, o projeto vai promover redução do desgaste dos veículos, possibilitar uma avaliação da taxa de utilização dos mesmos e identificação de alternativas para a redução de combustível. Todos os veículos são adesivados, na parte traseira, com a frase “Velocidade controlada por via”, o que serve de alerta aos demais condutores a adotarem a mesma prática.

Resposta - Para o presidente da Cocamar, Divanir Higino, “O mais importante dessa iniciativa, que ressalta a preocupação com a segurança dos colaboradores, é que tivemos uma resposta imediata deles no compromisso de ampliar a sua segurança ao dirigir, utilizando uma tecnologia inovadora no mercado, o que é muito gratificante”. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2018/noticias/12/04/cocamar/{/vsig}

INTEGRADA: Estratégias técnicas são traçadas com os cooperados para a safra em andamento

integrada 04 12 2018Com o objetivo de melhorar os seus serviços e atendimentos aos seus associados, o time de técnicos da Cooperativa Integrada tem realizado uma série de encontros com os seus cooperados para fazer um balanço sobre a última safra e traçar as estratégias técnicas para esta safra verão que está em andamento.

Melhorias contínuas - Segundo o superintendente da área técnica, Seisuke Ito, o objetivo desses encontros, que acontecem nas 14 regionais da cooperativa, é traçar melhorias contínuas para os associados por meio do aumento dos seus índices de produtividade e também na obtenção do melhor resultado para o produtor e consequentemente para a cooperativa.

Estiagem - Ito afirma que a safra 2017/18 foi muito complicada para o agricultor porque a estiagem prejudicou algumas áreas no desenvolvimento da soja. Para esta safra, a expectativa é positiva, principalmente em relação ao clima.

Assistência técnica - Um dos pontos fortes da Integrada é a assistência técnica, juntamente com as tecnologias fornecidas pela cooperativa, a exemplo da agricultura de precisão. Com este serviço, os associados poderão aproveitar melhor cada talhão de sua propriedade.

Safra - De acordo com dados do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), o Paraná deve produzir 19,63 milhões de toneladas de soja na safra 2018/19, volume 2% maior no comparativo com o mesmo período da safra anterior, quando foram produzidas 19,16 milhões de toneladas da oleaginosa. (Imprensa Integrada)

 

CAPAL: Lançada nova linha de ração e suplemento mineral

capal 04 12 2018Com 40 anos de tradição em nutrição animal, a Capal Cooperativa Agroindustrial apresenta nova linha de produtos para bovinos de leite e de corte. São cinco linhas, entre ração e suplemento, de alta tecnologia e valor nutritivo, enriquecidos com vitaminas e minerais e balanceados com ingredientes selecionados. O lançamento já está no mercado.

Suplemento mineral - A linha Nutrimelk contém um suplemento mineral voltado para bovinos de leite, produzido com alto valor tecnológico, o que resulta em maior produtividade e eficiência reprodutiva. Ela atende às necessidades do animal em todas as fases da vida. Para os bovinos de corte, a Capal apresenta a linha de suplemento mineral Nutricorte, que garante excelente relação consumo x desempenho, ideal para suprir as necessidades dos animais em pastagens de baixa qualidade, por exemplo.

Rações - Em relação às rações, a cooperativa destaca as linhas Bovimelk, Optimelk e Bovicorte. A primeira é voltada para novilhas, balanceada com teor de proteína bruta necessária para cada fase dos jovens animais, desde a inicial até pré-parto, prevenindo a ocorrência de distúrbios metabólicos. A linha Optimelk é voltada aos animais em lactação, enriquecida com minerais orgânicos e vitaminas, o que promove a combinação de saúde e melhor produção e eficiência leiteira. Já a linha Bovicorte é indicada para bovinos de corte, com 13%, 16% e 19% de proteína bruta, apresenta eficiência, independentemente do sistema de criação, ou seja, extensivo ou intensivo.

Qualidade - O controle da qualidade da matéria-prima é feito em laboratório próprio, seguindo rigoroso padrão. As novas linhas da Capal são fabricadas na unidade localizada em Arapoti (PR), sede da cooperativa, e atendem produtores rurais do Paraná e de São Paulo. Saiba mais em www.capal.coop.br.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal Cooperativa Agroindustrial conta atualmente com quase 3.000 associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e de São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil hectares. (Imprensa Capal)

 

SICREDI FRONTEIRAS: Crescimento é mantido com abertura de novas agências

O Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 3,9 milhões de associados e atuação em 22 estados brasileiros – mantém o seu estável crescimento com expansão e abertura de novas agências, chegando a dois novos municípios do Estado de São Paulo.

Inauguração - A Sicredi Fronteiras PR/SC/SP inaugura, em dezembro, duas agências adaptadas ao novo projeto arquitetônico, com destaque para a nova marca e padrão de cores, moderna e leve, oferecendo conforto e comodidade aos associados. As novas agências serão entregues para a população do município de Mairiporã e Campo Limpo, no estado de São Paulo.

Datas - As inaugurações estão previstas para acontecer nos dias 12 e 13 de dezembro, com a presença da diretoria, conselheiros e associados da Cooperativa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP, autoridades, população e convidados.

Conceito - Trabalhando o conceito de uma relação com o associado de forma simples, próxima e ativa, estimulando a sua presença na instituição cooperativa de crédito, o projeto contempla espaços de atendimento, reunião, guarda-volumes, caixas e gerências com harmonia e inovação.

Investimentos - A agência de Campo Limpo Paulista, contará com investimentos na faixa de R$ 1,5 milhão, 450 m² de área construída. Já a agência de Mairiporã, contará com investimentos na faixa de R$ 1,5 milhão, 400 m² de área construída.

Consolidação - Ambas as agências chegam para consolidar ainda mais o Sicredi na região e impulsionar o crescimento econômico e social dos municípios.

Fatores - Orivaldo Nascibem, gerente da agência de Campo Limpo, destaca que são diversos os fatores que resultam em otimismo com a inauguração da nova agência. “A cidade de Campo Limpo apresenta um comércio importante. Por isso, a vinda de uma nova instituição financeira, que possui um serviço de qualidade e um atendimento mais humano só vem a somar para o crescimento da cidade”, enfatizou ele.

Contribuição - Eliane Reguine de Souza Silva, gerente da agência de Mairiporã, ressalta que a vinda de uma nova instituição financeira só tem a contribuir para o crescimento da cidade. “O Sicredi traz para a comunidade de Mairiporã um novo conceito em atendimento ao cliente, mais humano e com excelência no serviço”, ponderou.

Satisfação - José César Wunsch, presidente da Cooperativa, evidenciou a satisfação em entregar aos associados as novas instalações do Sicredi em ambos os municípios, pois além de entregar uma agência moderna e ampla, estas inaugurações demonstram a consolidação da Instituição Cooperativa de Crédito que mais cresce no País.

Convite - O presidente reforçou o convite para as inaugurações e para que as pessoas visitem as novas agências, conversem com os gerentes e os colaboradores, tomem um cafezinho, momento apropriado para conhecer os mais de 300 serviços e produtos financeiros que são disponibilizados pelo Sicredi.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,9 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Fronteiras PR/SC/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

SICREDI ALIANÇA: Agência é inaugurada na cidade de Pitangueiras

sicredi alianca 04 12 2018Pitangueiras, no norte do estado de São Paulo, vai receber a sua primeira agência do Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 3,9 milhões de associados e atuação em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal – neste dia 06 de dezembro. A nova agência é uma iniciativa da cooperativa Sicredi Aliança PR/SP. A solenidade de inauguração terá recepção às 19h e início às 19h30.Localizada na Rua Dr. Euclides Zanini Caldas nº 361, a estrutura conta com ambientação moderna e alinhada com a nova identidade visual do Sicredi, que visa aprimorar e enriquecer a relação com o associado, com área de 468m². Neste contexto, Pitangueiras ganha uma agência ampla e aconchegante para atender os associados.

Marco - Segundo o presidente do Conselho de Administração da Sicredi Aliança PR/SP, Adolfo Rudolfo Freitag, com a inauguração da agência em Pitangueiras, a cooperativa comemora o importante marco de 20 agências. “A Sicredi Aliança PR/SP que tem como propósito agregar renda e melhorar a qualidade de vida das pessoas está dando importantes passos em termos de expansão, dentro de sua área de atuação. Além de 11 agências no oeste do Paraná, já estamos presentes em oito cidades do norte-paulista e agora chegamos a Pitangueiras, a nossa 9º agência nesta região e a 20º da cooperativa – um marco importante para a nossa história – que ampliará nossa rede de atendimento”, disse.

Potencial - “Acreditamos muito no potencial de Pitangueiras e já estamos sendo muito bem acolhidos pela população pitangueirense. Convidamos a todos para que venham nos conhecer, saber mais sobre as soluções que oferecemos para a vida financeira dos nossos associados e participar deste momento que é tão importante para nós. Todos estão convidados para a inauguração neste dia 06 de dezembro”, completou.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,8 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi Aliança PR/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Programa de educação é lançado em Tuneiras do Oeste (PR)

sicredi uniao 04 12 2018Nesta terça-feira (04/12), a partir das 19 horas, a Sicredi União PR/SP, em parceria com a Prefeitura de Tuneiras do Oeste, fará o lançamento do Programa A União Faz a Vida (PUFV) no município. O evento será no Salão Paroquial, que fica na praça da igreja matriz, e reunirá cerca de 150 pessoas entre membros da diretoria da instituição financeira cooperativa e representantes da Secretaria de Educação.

Entrega dos certificados - Além do lançamento do PUFV, a Sicredi União fará a entrega de certificados a educadores de escolas municipais. É que desde que o convênio foi assinado, há alguns meses, a instituição financeira cooperativa iniciou a preparação dos docentes, por meio de capacitações, e, assim, se tornaram aptos para implantar a metodologia a partir do ano que vem.

Palestra - Na sequência, os presentes também vão prestigiar a palestra “Somos faróis”, que será ministrada pela professora e escritora, Lu Oliveira. Na abordagem, ela vai promover uma reflexão sobre a responsabilidade do adulto no processo de formação da criança e do adolescente.

Expansão - Somente neste ano, a Sicredi União expandiu o programa para outros 14 municípios: Cafeara, Cambé, Cruzeiro do Oeste, Mandaguaçu, Porecatu, Prado Ferreira, Sertanópolis, Colorado e Londrina no estado do Panará, e Caconde, Iracemápolis, Vargem Grande do Sul, Leme e São João da Boa Vista em São Paulo. Com as adesões, o PUFV está implantado em 39 municípios e 205 escolas, atendendo mais de 3 mil educadores e 28 mil alunos.

Sete municípios - Em 2017, o PUFV foi expandido para sete municípios (Ângulo, Jaguapitã, Maringá, Tapejara, Casa Branca, Mogi Mirim e Piracicaba) e a meta é que funcione em todas as cidades que têm agência da Sicredi União – atualmente são mais de 60 municípios. “É gratificante ver que nosso trabalho tem contribuído para formar cidadãos me lhores e mais comprometidos com o desenvolvimento da sociedade”, destaca a assessora de Programas Sociais, Gisely Fernanda Rodrigues de Almeida.

Programa - A proposta do PUFV é desenvolver cidadãos cooperativos por meio de valores do empreendedorismo e da solidariedade. Para isso, a metodologia do programa é apresentada para prefeituras municipais, secretarias de educação, instituições e escolas, e, conforme interesse dos mesmos, é feita a capacitação dos educadores para a aplicação do m&ea cute;todo de ensino-aprendizagem.

Tema - A partir daí, os alunos, junto com o educador, definem o tema que será abordado durante o ano letivo, envolvendo toda a grade escolar. O trabalho é feito por meio de expedição investigativa, pesquisa, relatos, rodas de conversa, comunidade de aprendizagem, entre outros métodos, quase sempre com o envolvimento da família e da comunidade, que despertam o interesse dos alunos por adquirir novos conhecimentos. Por fim há o evento de culminância, em que são realizadas mostras culturais para apresentar os resultados das atividades desenvolvidas ao longo do ano. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

UNIMED LONDRINA: Dirigentes de Unimeds coirmãs participam do Baile dos Cooperados

unimed londrina 04 12 2018O Baile dos Cooperados 2018 da Unimed Londrina fez jus ao tema escolhido para este ano. Realizado no último dia 24 de novembro, no Buffet Planalto, em Londrina, a temática “Ouro” do jantar comemorou as conquistas da Cooperativa (principalmente o selo ouro da acreditação) e celebrou momentos de confraternização entre os cooperados da singular e dirigentes das coirmãs – que marcaram presença mais que especial.

Conquistas - O presidente da Unimed Londrina e anfitrião da festa, Omar Taha, destacou no evento as conquistas da cooperativa em 2018. “A Unimed Londrina foi premiada com um grande número de certificações, dentre elas o Selo Ouro na acreditação da RN 277. Recebemos [também] três prêmios no Simpósio das Unimeds do Paraná. Foram eles "Índice de Gestão de Custo", "Performance Geral" e selo Prata em “Reconhecimento às melhores Práticas de Gestão”. Além disso, conquistamos o selo Ouro de Governança e Sustentabilidade da Unimed Brasil, Top de Marcas, Top Nikkei, dentre outros”, pontuou Taha.

Presença - Neste ano, o baile contou com a presença ilustre de dirigentes das Unimeds coirmãs. Participaram do evento representantes da Federação do Paraná, Unimed Cianorte, Unimed Apucarana, Unimed Norte Pioneiro e Unimed Paranavaí. Além deles, estiveram presentes diretores da Seguros Unimed, Medilar, e de empresas parceiras da Unimed Londrina: Droagraia/Drogasil, Uniprime, Folha de Londrina e Diez & Diez.

Avaliação positiva - “A diretoria e os colaboradores da Unimed Londrina estão de parabéns pelo evento, que foi minuciosamente pensado e executado à altura do que merecem seus cooperados. Não poderia esperar algo diferente de uma Unimed que prima por uma gestão de excelência e tanto contribui para o desenvolvimento do sistema em nosso estado e nacionalmente", comentou o diretor de Mercado e Comunicação da Unimed do Estado do Paraná, Alexandre Bley.

Homenagem - Outro destaque da festa foi a homenagem aos beneméritos. Os médicos Adébio Pasello, Antônio Carlos de Queiroz, Jurani Barbosa e Maurilio Jorge Maina subiram ao palco e receberam, cada, um bonsai e uma placa comemorativa. (Imprensa Unimed Londrina)

 

SOJA: Incidência precoce da ferrugem nas lavouras desafia produtores

soja 04 12 2018A ferrugem-asiática da soja chegou mais cedo nas lavouras comerciais na safra 2018/2019, acompanhando a implantação antecipada das lavouras, logo após o término dos períodos de vazio sanitário. Até agora há 55 relatos de ferrugem em seis estados - Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. “A semeadura cedo, associada às plantas de soja voluntárias (guaxas) com ferrugem que sobraram do vazio sanitário e as condições favoráveis, com chuvas bem distribuídas, fez com que as primeiras ocorrências fossem antecipadas em até um mês em relação à safra 2017/2018”, explica a pesquisadora Claudia Godoy, da Embrapa Soja.

Dificuldade - A dificuldade para manejar a doença será ainda mais complexa nos estados em que a semeadura foi mais tardia, a exemplo do Rio Grande do Sul. Nessa safra, a pesquisadora Leila Costamilan, da Embrapa Trigo, diz que as chuvas frequentes e em altos volumes, em outubro, atrasaram os plantios. “Também fizeram com que, em algumas áreas, ocorressem replantios devido à morte de soja, causada pela doença podridão radicular de fitóftora”, destaca a pesquisadora. Mesmo assim, a ferrugem foi relatada 10 dias mais tarde, nesta safra, do que na safra 2017/2018.

Agravante - Além disso, no RS há o agravante de não haver a adoção do vazio sanitário. Leila diz que há relatos de ferrugem em plantas voluntárias de soja, que sobreviveram ao inverno em várias regiões, e em kudzu, indicando a presença de esporos do fungo. Até agora, há 11 relatos de focos da doença, em áreas comerciais. "Alguns produtores conseguiram semear cedo, o que ocasionou uma grande janela de semeadura. As primeiras áreas semeadas irão produzir inóculo para as áreas que semearam mais tarde", explica.

Relatos - Relatos do agrônomo Laercio Hoffmann, da Syngenta, reforçam a ocorrência de ferrugem da soja em kudzu, uma planta que é hospedeira da ferrugem, e também em soja voluntária, que nasceu espontaneamente e não faz parte das lavouras semeadas. “A ferrugem está chegando muito cedo nas lavouras comerciais e as condições climáticas são favoráveis para a doença”, diz.

Necessidade - Por isso, a pesquisadora Cláudia Godoy, da Embrapa Soja, enfatiza a necessidade de se intensificar o monitoramento da doença e também manejar adequadamente a ferrugem. Godoy orienta os produtores a consultarem os resultados de eficiência dos fungicidas para o controle da ferrugem e utilizar os multissítios para aumentar a eficiência de controle. Consulte a publicação: Eficiência de fungicidas para o controle da ferrugem-asiática da soja, Phakopsora pachyrhizi, na safra 2017/2018: resultados sumarizados dos ensaios cooperativos.

Ferrugem na safra 2018/2019 - O primeiro relato no site do Consórcio Antiferrugem em Porto Mendes (Marechal Cândido Rondon), PR, em 31 de outubro, cadastrado pelas cooperativas Copagril e Copacol. As ocorrências de ferrugem-asiática na safra podem ser verificadas no mapa do site do Consórcio Antiferrugem. De acordo com Godoy, o principal objetivo do Consórcio é informar as ocorrências regionais para alertar o produtor sobre a chegada da doença. “Como o fungo da ferrugem se dissemina facilmente pelo vento, com o alerta, o produtor pode proteger sua lavoura, evitando perdas de produtividade”. (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

 

IAP: Instituto desburocratiza processo de licenciamento ambiental

iap 04 12 2018O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) emitiu portaria que desburocratiza o processo de licenciamento ambiental. A portaria número 281/2018 admite a compatibilização dos processos da Licença Prévia (LP) e da Licença de Instalação (LI). O usuário ambiental agora poderá requerer os dois procedimentos de forma isolada ou simultânea, conforme as características e fase do empreendimento ou atividade. A portaria entra em vigor a partir desta segunda-feira (03/12).

Pedidos - Até então, os pedidos de Licença Prévia e Licença de Instalação só podiam ser efetuados de forma separada, o que causava uma demora mais significativa na análise de todo o processo de licenciamento. "Essa portaria é um marco para o Instituto Ambiental do Paraná”, diz o diretor de Monitoramento Ambiental e Controle da Poluição do órgão, José Roberto Francisco Behrend. “Ela foi construída em conjunto com a sociedade e garante mais agilidade nos processos de licenciamento, sem abrir mão na qualidade e rigor ambiental", afirma.

Legislação - A decisão segue as diretrizes previstas no Decreto Estadual 9.360/2018, que dispõe sobre a simplificação do atendimento prestado aos usuários dos serviços públicos, e no artigo 33 da Resolução Cema 65/2008, que atribuiu ao IAP competência para adoção de procedimentos específicos de licenciamento ambiental.

Pedido - A elaboração da portaria foi um pedido da Associação Comercial de Maringá. Na última sexta-feira, os técnicos do IAP entregaram o documento elaborado para os dirigentes da ACIM. O novo processo é um ganho tanto para o requerente quanto para o técnico que fará a análise do procedimento. "Pela primeira vez o empreendedor terá autonomia para compatibilizar o desenvolvimento do seu empreendimento com as fases do licenciamento ambiental", aponta Diego Belloni, representante do Núcleo de Consultores Ambientais, entidade vinculada a Associação Comercial de Maringá (ACIM), que foi a proponente desta nova metodologia de procedimento.

Aplicação - A portaria se aplica aos seguintes segmentos: atividades agropecuárias (empreendimento de avicultura e de bovinocultura); atividades industriais (indústrias da borracha, da madeira, de papel, de produtos de matéria plásticas, metalúrgica, têxtil, vestuário, calçados e artefatos de tecidos e artefatos de concreto); empreendimentos imobiliários (parcelamento de solo para fins residenciais e comerciais); e comerciais e de serviços (posto de combustíveis para veículos automotores e Depósito e comércio de agrotóxicos).

Exceção - A portaria não se aplica aos empreendimentos ou atividades sujeitos ao Estudo de Impacto Ambiental – EIA e Relatório de Impacto Ambiental – RIMA.

Mesmo processo - A solicitação, documentação e análise continuam seguindo o mesmo processo. (Agência de Notícias do Paraná)

 

ECONOMIA: Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro

economia 04 12 2018A balança comercial – diferença entre exportações e importações – registrou o segundo melhor superávit para meses de novembro. Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o país exportou US$ 4,062 bilhões mais do que importou no mês passado. O saldo só foi inferior ao de novembro de 2016, quando o superávit tinha atingido US$ 4,8 bilhões.

Soma - As exportações somaram US$ 20,922 bilhões no mês passado, alta de 25,4% em relação a novembro do ano passado pelo critério da média diária. As importações totalizaram US$ 16,860 bilhões, aumento de 28,3% na mesma comparação, também pela média diária.

Saldo - De janeiro a novembro, o saldo da balança comercial somou US$ 51,698 bilhões, queda de 16,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Apesar do recuo, este é o segundo melhor saldo desde o início da série histórica, em 1989, perdendo apenas para o do ano passado, quando as exportações tinham superado as importações em US$ 61,992 bilhões.

Acumulado - No acumulado de 2018, as exportações totalizaram US$ 220,002 bilhões, aumento de 9,4% em relação ao período de janeiro a novembro de 2017. As importações atingiram US$ 168,304 bilhões, alta de 21,3%. O crescimento das importações em ritmo maior que o das importações provocou o recuo no saldo da balança comercial neste ano. De acordo com o MDIC, as compras do exterior subiram por causa da recuperação da economia.

Melhora - Para o secretário de Comércio Exterior do MDIC, Abrão Neto, o fato de tanto as vendas como as compras externas estarem aumentando mostra melhora no comércio exterior brasileiro. “Apesar de um superávit expressivo, mas menor que o de 2017, o desempenho do comércio brasileiro supera em qualidade e dimensão os resultados do ano passado. Os valores das exportações e importações do acumulado do ano já ultrapassaram os valores de 2017”, disse o secretário. “Temos um comércio mais forte, que criou mais emprego e renda no Brasil este ano.”

Aumento - De janeiro a novembro, as exportações aumentaram 5,5% em preço e 3,5% em volume. Segundo Abrão Neto, os principais destaques do ano foram soja, máquinas e aparelhos de terraplanagem e manufaturados de ferro e aço. Apesar da imposição de quotas pelos Estados Unidos no meio do ano, o aumento das cotações garantiu o recorde nas vendas do produto.

Preço e volume - As importações subiram 5,7% em preço e 15% em volume. O secretário, no entanto, informou que parte dessa alta deve-se ao novo Repetro, regime especial de importação de equipamentos para o setor de petróleo e gás. Por causa do novo regime, que entrou em vigor este ano, o país está gradualmente importando plataformas de petróleo que estavam registradas no exterior, o que impacta o saldo da balança comercial.

Estimativas - No ano passado, a balança comercial fechou com saldo positivo de US$ 67 bilhões, o melhor resultado da história para um ano fechado desde o início da série histórica, em 1989. Para este ano, o MDIC estima superávit em torno de US$ 50 bilhões, o que seria o segundo melhor resultado da história.

Otimismo - O mercado está mais otimista. Na última edição do boletim Focus, pesquisa semanal divulgada pelo Banco Central, as instituições financeiras projetaram superávit de US$ 58 bilhões para este ano. No Relatório de Inflação, divulgado no fim de setembro, o Banco Central previu resultado positivo de US$ 55,3 bilhões, com exportações de US$ 231 bilhões e importações em US$ 175,7 bilhões. (Agência Brasil)

 

AGRONEGÓCIO: PIB do setor cresceu 2,5% no 3º trimestre na comparação com igual período de 2017

destaque agronegocio 04 12 2018A Agropecuária cresceu 0,7% no terceiro trimestre deste ano, de acordo com dados do PIB (Produto Interno Bruto) divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que teve alta de 0,8%. A Indústria aumentou 0,4% e Serviços, 0,5%. Foram gerados R$ 61,9 bilhões pelo setor do agro, 331,6 bilhões, pela Indústria, e, R$ 1,1 trilhão, pelos Serviços.

Comparação - Na comparação do trimestre em relação ao mesmo do ano anterior, mostram crescimento de 1,3% para o PIB, sendo o da Agropecuária, de 2,5%, Indústria, 0,8% e Serviços 1,2%. Foi o melhor resultado neste ano para o agronegócio, observa José Garcia Gasques, coordenado Geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Motivos - Segundo o IBGE, a alta se deve, principalmente, a lavouras que têm safra relevante no terceiro trimestre e pela produtividade refletida na relação entre produção e área plantada. O desempenho da produção e da produtividade de culturas importantes como o café e o algodão superou o fraco desempenho da produção de lavouras como, cana-de-açúcar, mandioca, laranja e milho, disse Gasques. O IBGE destacou que contribuíram positivamente para os resultados do trimestre, os ganhos na pecuária e na produção florestal.

Crescimento - O resultado acumulado de janeiro a setembro indica crescimento do PIB de 1,1%, Agropecuária (-0,3%), Indústria (0,9%) e Serviços (1,4%). A taxa negativa da Agropecuária deve-se ao pior desempenho neste ano, de lavouras com grande importância na formação da renda do setor, como cana-de açúcar, arroz, feijão, laranja, mandioca, milho e uva, destacou o coordenador.

Atualização - O IBGE atualizou para o período 2000 a 2017, através da revisão das Contas Nacionais, a distribuição setorial das atividades que compõem o PIB, ficando em 5,4%, a Agropecuária, Indústria, com 21,3% e, Serviços, 73,3%. (Mapa)

agronegocio 04 12 2018

 

RECEITA FEDERAL: Carga tributária sobe para 32,43% do PIB

receita federal 04 12 2018A carga tributária atingiu 32,43% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB), em 2017. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (03/12) pela Receita Federal. É o maior índice em quatro anos.

Resultado - Em relação a 2016 (32,29%), a carga tributária aumentou 0,14 ponto percentual. De acordo com a Receita, a variação resultou da combinação dos acréscimos em termos reais (descontada a inflação) de 0,99% do PIB e de 1,4% da arrecadação tributária nos três níveis de governo.

2017 - O PIB no ano de 2017 apresentou aumento em relação ao ano anterior, alcançando aproximadamente R$ 6,56 trilhões. E a arrecadação chegou a R$ 2,13 trilhões.

Tributos federais - Dentre os tributos federais, os que mais contribuíram para o aumento da carga tributária foram os programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), responsáveis pelo crescimento de 0,21 ponto percentual. Segundo a Receita, o acréscimo decorreu principalmente da elevação das alíquotas sobre combustíveis (gasolina e diesel).

Reduções - Já as maiores reduções se devem ao Imposto de Renda sobre a Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), responsáveis por um decréscimo de 0,35 ponto percentual. Isso ocorreu porque, em 2016, houve aumento da arrecadação com o Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária, conhecido como Lei da Repatriação. Esse regime permitiu a regularização de recursos, bens ou direitos remetidos ou mantidos no exterior ou repatriados por residentes ou domiciliados no país, que não tinham sido declarados ou que tinham sido declarados incorretamente. No total, em 2016 foram arrecadados R$ 23,5 bilhões.

Estaduais - Quanto aos tributos estaduais, houve acréscimo de arrecadação em relação ao ano anterior do Imposto sobre a Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) de 0,12 ponto percentual. (Agência Brasil)

 

BRASIL I: Governo Bolsonaro terá 22 ministérios, 7 além do prometido

brasil I destaque 04 12 2018O futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni detalhou nesta segunda-feira (03/12) a estrutura do governo Jair Bolsonaro, que toma posse em 1º de janeiro, com 22 ministérios - sete a menos do que os atuais 29 e sete a mais do que os 15 prometidos durante sua campanha à Presidência da República.

Duas pastas - Faltam apenas duas pastas para terem os titulares definidos: a de Meio Ambiente e a de Direitos Humanos. O novo organograma da Esplanada cria um superministério, o da Economia, comandado por Paulo Guedes, fortalece a pasta da Justiça e estabelece um sólido núcleo de origem militar, com seis integrantes até o momento.

Base parlamentar - Onyx disse ainda acreditar que o governo Bolsonaro começará com uma base parlamentar de cerca de 350 de um total de 513 deputados na Câmara e com "pouco mais de 40" senadores, ante 81 membros daquela Casa.

Saída - Saem da esplanada as pastas do Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, (Mdic), além de Cultura, Esporte, Integração Nacional, Planejamento, Segurança Pública e Trabalho. Segundo Onyx, dos 22 ministérios que restaram, "20 serão funcionais e dois, eventuais" - o Banco Central e a Advocacia-Geral da União (AGU). O BC terá status de ministério até que seja aprovada uma lei sobre a autonomia da instituição.

Ministros transitórios - "AGU e BC terão ministros transitórios. No caso do BC, terá status de ministério até que a lei lhe confira autonomia, assim como o titular da AGU também terá o status até que uma mudança constitucional seja feita", explicou.

Tramitação - Essa mudança será para estabelecer que todos os processos judiciais envolvendo a União tramitem no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF). Quando isso ocorrer, no entender do futuro governo, será desnecessário o status de ministério para a AGU.

Mourão - Vice-presidente eleito, o general Hamilton Mourão não ficará a cargo da coordenação dos ministérios, como chegou a ser cogitado. Isso poderia esvaziar a Casa Civil de Onyx, que tem essa atribuição.

Missão constitucional - "No Brasil, o vice-presidente da República tem uma missão constitucional. O General Mourão vai ajudar e muito em muitas áreas, principalmente de formulação do governo", afirmou Onyx. "Ele tem que ter liberdade e autonomia para contribuir na formulação de políticas públicas."

Disponível - Para Onyx, "o general Mourão tem que estar plenamente disponível para substituir o presidente". Isso deve ocorrer em janeiro, quando está prevista uma cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia que Bolsonaro carrega desde setembro, quando foi esfaqueado em Juiz de Fora (MG).

Ministério do Trabalho - Onyx explicou que o Ministério do Trabalho deixará de existir e que as estruturas da pasta serão divididas entre os Ministérios da Justiça e da Segurança Pública, da Economia e da Cidadania.

Funai - Ele revelou ainda que a Fundação Nacional do Índio (Funai) pode deixar a pasta da Justiça e passar para o Ministério da Agricultura. O futuro ministro ponderou, no entanto, que a decisão não está tomada.

Ongs - "O Brasil há muitos anos cuida de seus índios através de ONGs, que nem sempre fazem esse trabalho de forma adequada", disse Onyx. "Temos conversado com as comunidades indígenas e o que elas querem é liberdade, mantendo suas tradições." A respeito da resolução de conflitos envolvendo indígenas no país, Onyx disse que é preciso "identificar o que é conflito fabricado".

Relação com o Congresso - Onyx, que ficará encarregado da relação com o Congresso, começa a receber nesta semana representantes dos partidos políticos no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde funciona o governo de transição. Até o momento, a equipe de Bolsonaro vinha conversando de maneira mais formal com as bancadas temáticas.

Prática - O futuro ministro descartou, porém, um retorno à prática do "toma lá dá cá", com a concessão de cargos em troca de apoio político. Ao dimensionar a base do governo no Congresso, disse que o cálculo é feito com base nas "bancadas partidárias".

Maleável - Afirmou ainda que o novo governo será mais maleável e que parlamentares não serão punidos automaticamente caso votem diferente da orientação da base aliada do governo - uma prática na gestão Michel Temer. "Parlamentar será considerado da base se, ao longo do conjunto, tiver posição a favor do governo", disse. "Teremos a capacidade de compreender quando ele não puder votar a favor de uma matéria. O governo vai compreender aquilo que permeia a vida de um parlamentar, seu foro íntimo e seu compromisso com um setor especifico. Não haverá exclusão por isso."

Estremecimento - Onyx negou haver estremecimento entre o eleito e a bancada evangélica. Esse grupo tem dado sinais de insatisfação por não ter visto atendidas indicações como no caso do Ministério da Cidadania. Na semana passada, Bolsonaro confirmou Osmar Terra para o cargo, ignorando os nomes - Marco Feliciano, Gilberto Nascimento e Ronaldo Nogueira – apresentados pela bancada. "Quando o elo é feito em cima de princípios e valores cristãos, ele é indissolúvel. Esse elo não se desfará", afirmou.

Insatisfação - Questionado sobre a insatisfação do senador Magno Malta (PR-ES) por não ter sido indicado a uma vaga no primeiro escalão, Onyx disse que, "na eleição, Bolsonaro nunca prometeu ministério para ninguém". "O Magno Malta tem o carinho e respeito de todos nós e vai ser parceiro de todos com um espaço relevante." Mas ele descartou alocá-lo no time de ex-parlamentares responsáveis pela relação entre Planalto e Congresso.

Time - "Teremos um time de ex-deputados e ex-senadores para fazer o trabalho de duas secretarias, que cuidarão da relação com Câmara e com Senado. Não haverá toma-lá-dá-cá na relação com o Congresso. Parlamentares serão atendidos através de suas bancadas, frentes parlamentares e de seus estados. Não haverá titular de mandato em nenhum espaço de articulação".

Estabelecimento - Onyx disse que estão estudando o estabelecimento de conselhos setoriais, embora reconheça que "há conselhos demais no Brasil". "Há uma certa perda de esforço, muita conversa e pouco esforço". Indagado sobre o número de ministérios, Onyx justificou dizendo que algumas fusões não foram possíveis, como a da Agricultura com Meio Ambiente.

Estratégico - Segundo ele, Bolsonaro entendeu que seria estratégico manter uma pasta para cuidar do Turismo e se deixou convencer sobre a importância de ter um Ministério dos Direitos Humanos e Mulheres. "O Ministério dos Direitos Humanos será importante não para os direitos dos manos, para proteger os bandidos, mas para as pessoas do bem". (Valor Econômico)

brasil I 04 12 2018

 

BRASIL II: País vê sinais positivos em trégua entre EUA e China

brasil II 04 12 2018A trégua no conflito comercial entre Estados Unidos e China é um sinal positivo, mas a estabilidade no comércio internacional depende de um resultado concreto após os 90 dias anunciados pelos dois países. Para o governo e analistas, uma solução definitiva é o melhor resultado para todos, inclusive para o Brasil - mesmo considerando a expansão da exportação brasileira à China que o conflito ajudou a proporcionar.

Elevação - A China elevou de 23,3% para 27,9% a fatia nas exportações totais brasileiras de janeiro a novembro do ano passado para igual período deste ano. O dado do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) inclui Hong Kong e Macau. As vendas à China aumentaram 31% no período, pela média diária, em ritmo maior que a alta de 9,4% da exportação total. A elevação das exportações rumo à China no decorrer de 2018 foi puxada pela soja. O grão é, de forma isolada, o produto mais embarcado pelo Brasil, com 14,4% das exportações totais de janeiro a novembro.

Superávit - Com o crescimento das exportações rumo à China, o superávit brasileiro na relação bilateral com o país avançou 33%, de US$ 20,93 bilhões para US$ 28 bilhões no acumulado até novembro de 2017 para igual período deste ano. Na mesma comparação, as importações brasileiras com origem na China subiram 29,2%, também em ritmo mais alto que a alta de 21,3% dos desembarques totais.

Sinal positivo - O secretário de Comércio Exterior, Abrão Miguel Árabe Neto, afirmou que a trégua é um sinal positivo de distensão que pode contribuir para reduzir a imprevisibilidade no comércio internacional. Para ele, porém, é preciso que o processo gere "resultados sólidos". "São sinais positivos de distensão do cenário que tem se chamado de guerra comercial. Claro que não há aqui um retorno ao estado anterior. Foi um congelamento no avanço da escalada de tensão. Mas só o congelamento é um sinal positivo", disse o secretário. "Há muitos capítulos nessas conversas bilaterais entre EUA e China e esperamos que elas produzam um cenário mais previsível, pois seria positivo para o crescimento do comércio e para a atuação do Brasil no mercado internacional."

Embates - "Esses embates no comércio internacional são, no agregado, mais prejudiciais do que positivos para o mundo como um todo e também para o Brasil", disse o secretário. No curto prazo, há ganhos, destaca o secretário, como no exemplo da soja.

Carne suína - "Também no caso da carne suína. Mas nem todo o crescimento geral está relacionado a esse fato isolado [tensão]. No agregado, esse cenário leva uma série de organismos internacionais a reduzir perspectivas de crescimento e comércio."

Análise semelhante - José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), tem análise semelhante. Para ele, a trégua é sem dúvida é uma boa notícia e representa um alívio. Mas, segundo ele, já se contabiliza de antemão uma desaceleração no mercado internacional no ano que vem como resultado desse conflito, já que é difícil prever o que virá ao fim dos 90 dias.

Embarques - Castro lembra que o conflito foi um dos fatores que permitiram ao país exportar cerca de 80 milhões de toneladas de soja no ano. Essa marca, porém, diz, não é sustentável. "Os exportadores venderam seus estoques porque houve demanda da China em razão da retaliação aos EUA e porque os preços estavam bons." Além disso, diz, houve quebra de safra da produção argentina do grão. A conjuntura econômica local também ajudou, com crescimento menor que o esperado no Brasil e crise na Argentina, com menor pressão do consumo interno nos dois países. "2018 foi um ano muito atípico e esses fatores todos provavelmente não se repetirão no ano que vem."

Vantagem pequena - Para Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior, a vantagem para o Brasil com o conflito é pequena em relação aos riscos trazidos pelo conflito. Para ele, é difícil avaliar a possibilidade de solução definitiva. "Muitas das exigências dos americanos resultam em restrições de acesso à tecnologia, o que exigiria muitas concessões pelos chineses", diz ele, lembrando que foi o desenvolvimento tecnológico que propiciou ao país asiático o avanço no mercado internacional de manufaturados. (Valor Econômico)

 

INTERNACIONAL: EUA esperam uma abertura comercial imediata da China

internacional 04 12 2018Os EUA esperam a adoção de medidas imediatas pela China em questões comerciais, após o acordo fechado pelos líderes dos dois países. Isso incluiu a redução das tarifas chinesas a automóveis e medidas contra roubo de propriedade intelectual e transferência tecnológica forçada, informaram nesta segunda-feira (03/12) autoridades americanas.

Concordância - Em reunião na Argentina, no sábado (01/12), os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, concordaram em suspender a adoção de novas tarifas por 90 dias. Declararam, assim, uma trégua após meses de escalada das tensões comerciais e em outras áreas. Esse período de 90 dias começa em 1º de janeiro, afirmou ontem Larry Kudlow, assessor econômico da Casa Branca.

Oferta - Os chineses ofereceram mais de US$ 1,2 trilhão em compromissos adicionais de comércio, disse nesta segunda o secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin. Segundo Kudlow, esse número é um parâmetro amplo e se refere a transações previstas para a compra de produtos americanos, sujeitas a condições do mercado.

Compromisso - A China se comprometeu ainda a começar a suspender imediatamente barreiras tarifárias e não tarifárias, inclusive a baixar suas tarifas de 40% sobre automóveis americanos, disse Kudlow. "Esperamos que essa tarifa caia para zero."

Controle majoritário - Os americanos poderão ter ainda controle majoritário sobre empresas atuantes na China, o que deve ajudar a enfrentar as preocupações dos EUA em relação a roubo de propriedade intelectual e transferências forçadas de tecnologia.

Por escrito - Nenhum dos compromissos foram pactuados por escrito, e os detalhes ainda não foram aprovados. Mnuchin disse que houve uma mudança de tom em relação a discussões passadas. Xi teria oferecido um compromisso claro de abrir o mercado chinês a empresas americanas. "Esta é a primeira vez que temos um compromisso deles de que será um acordo verdadeiro."

Reuniões - Kudlow, diretor do Conselho Econômico Nacional americano, disse que ele, Mnuchin e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, mantiveram duas reuniões com o vice-premiê da China, Liu He, na Argentina, e que ele lhes disse que Pequim tomará providências imediatas quanto aos novos compromissos.

Histórico - "O histórico com as promessas da China não é muito bom", disse Kudlow. "No entanto, vou dizer o seguinte: o presidente Xi nunca esteve tão envolvido". "Eles não conseguirão frear, paralisar, dispersar isso em várias direções. A palavra deles foi: 'imediatamente'".

Bolsas - A trégua provocou alta nas bolsas mundiais nesta segunda-feira; as ações subiram para os maiores níveis em três semanas. A cotação do petróleo subiu, com o risco menos de uma desaceleração brusca da economia mundial. Isso também fez o dólar cair nos mercados globais.

Monitoramento - Kudlow disse que autoridades americanas vão monitorar bem de perto os avanços da China no cumprimento das promessas. Trump indicou Lighthizer, um dos mais enfáticos críticos da China do governo americano, para fiscalizar a nova rodada comercial com a China, disseram as autoridades.

Linha mais dura - A indicação de Lighthizer, que acaba de concluir um novo acordo com Canadá e México, pode implicar a adoção de uma linha mais dura na negociação com Pequim, e marca uma mudança em relação ao passado recente, quando Mnuchin teve o papel principal.

Negociador - "Ele é o negociador mais duro que já tivemos no escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR, na sigla em inglês), e ele vai examinar tudo, de trás para a frente e baixar as barreiras tarifas, não tarifárias e pôr fim a todas essas práticas estruturais que impedem o acesso ao mercado", disse o assessor da Casa Branca para Comércio Exterior, Peter Navarro, à National Public Radio horas antes segunda.

Envolvimento - Kudlow disse que ele e Mnuchin também estarão envolvidos. O secretário do Tesouro cuidará das questões financeiras e monetárias. A Casa Branca está intensificando seus esforços para estimular outros países a montar mais veículos nos EUA. Lighhizer e outras autoridades, entre as quais Kudlow, deverão se reunir hoje com montadoras alemãs, incluindo os executivos-chefe da Volkswagen e da Daimler, disseram fontes.

Automóveis - Kudlow afirmou que a reunião não visa se concentrar em potenciais tarifas aos automóveis, embora Trump ainda mantenha essa possibilidade em seu "arsenal", e que as montadoras seriam incentivadas a montar motores nos EUA.

Sem resposta - Autoridades chinesas não responderam a pedidos para comentar o tuíte de Trump a propósito da redução da tarifa aos automóveis. Nenhum dos dois países tinha mencionado tarifas sobre automóveis em seus informes oficiais sobre o encontro entre Trump e Xi. No domingo, Trump tuitou que a China tinha aceitado reduzir as tarifas a automóveis feitos nos EUA. (Valor Econômico)

 


Versão para impressão


RODAPE