Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4464 | 28 de Novembro de 2018

ENCONTRO ESTADUAL: Inscrições para participar do evento encerram em 1º de dezembro

 

As cooperativas que têm interesse em participar do tradicional Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses promovido pelo Sistema Ocepar devem efetivar as inscrições até o dia 1º de dezembro, por meio do agente de Desenvolvimento Humano ou diretamente no Sistema Ocepar, pelo e-mail inscricoes@sistemaocepar.coop.br ou pelo fone 41 3200-1105.

 

Data - O evento, cujo objetivo é celebrar as conquistas alcançadas pelo setor ao longo do ano, ocorre dias 6 e 7 de dezembro, em Curitiba. São esperados cerca de dois mil participantes, entre dirigentes, cooperados, colaboradores e familiares.

 

Eleitos - A programação começa às 18h, no Teatro Positivo, com a presença do governador eleito e dos deputados federais que irão integrar a Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) a partir do ano que vem. Em seu pronunciamento, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, deverá apresentar um balanço preliminar dos resultados alcançados pelas 215 cooperativas do Paraná em 2018. Haverá ainda um show com o grupo folclórico ucraniano Vesselka, seguido de jantar.

 

Mais - As atividades terão continuidade no dia 7 de dezembro, a partir das 8h30, quando o coordenador do Centro de Agronegócio da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EESP) e embaixador Especial da FAO para o Cooperativismo, Roberto Rodrigues, ministra palestra sobre as perspectivas para o cooperativismo. Depois, haverá debate sobre as propostas do Paraná que serão levadas à discussão no XIV Congresso Brasileiro de Cooperativismo, que ocorrerá em 2019, em Brasília. O mestre em Educação e especialista em Coaching, Homero Reis, fala na sequência sobre “O futuro quem faz é você”. O evento será encerrado como o show cultural Concerto das Rosas, com a Orquestra Ladies Ensemble, que será apresentado às 14h.

 

encontro estadual folder 28 11 2018

ADVB/PR: Alegra vence o Top de Marketing 2018 na categoria indústria

Num evento bastante concorrido com a presença das principais agências de publicidade paranaense, foi realizado, na noite desta terça-feira (28/11), no mini auditório do Teatro Positivo, em Curitiba, o Prêmio Top de Marketing 2018 – principal reconhecimento das áreas de vendas, marketing e gestão do Estado do Paraná. A Alegra foi a grande vencedora na categoria indústria, com o case sobre investimentos para incentivar o consumidor a comprar os produtos da marca frente à concorrência com grandes nomes do mercado.

Fortalecimento - Após um ano de aplicação das estratégias traçadas, o posicionamento fortaleceu a Alegra e permitiu o lançamento de extensões, como a Linha Finas Fatias e a Linha Premium, além da entrada em grandes redes varejistas, como Festval e Angeloni. Alegra Foods é a união das cooperativas de origem holandesa, Frísia, Castrolanda e Capal, que constituem o grupo Unium.

advb 28 11 2018

 

RAMO TRANSPORTE: Fórum discute temas atuais em Francisco Beltrão

Trinta e dois representantes de 14 cooperativas paranaenses participaram do Fórum do Ramo Transporte, promovido pelo Sistema Ocepar, no dia 22 de novembro, em Francisco Beltrão, no Sudoeste do Estado. A anfitriã do evento foi a Cooperativa Coptrans. Um dos assuntos em pauta foi o gerenciamento de riscos, com duas palestras que trataram sobre o tema. “Também foram abordados assuntos mais atuais, como a tabela de fretes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), os fretes da Conab, entre outros. No mesmo dia do evento, inclusive, a ANTT publicou uma nova tabela, que foi discutida durante o fórum”, relata o analista de monitoramento do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Paraná (Sescoop/PR), Jessé Rodrigues.

Missão - Ainda de acordo com ele, foi apresentado também um resumo da missão de estudos do ramo transporte aos Estados Unidos, ocorrida em setembro, que trouxe novas contribuições para as discussões do futuro do ramo transporte no país. “Os participantes ficaram muito satisfeitos com a realização do evento e com os assuntos discutidos”, conclui Rodrigues. Este foi o terceiro e último Fórum do Ramo Transporte realizado neste ano.

{vsig}2018/noticias/11/28/ramo_transporte/{/vsig}

 

 

PARANÁ: Governo estende prazo para negociação de dívida tributária

 

parana 28 11 2018A governadora Cida Borghetti encaminhou nesta terça-feira (27/11) à Assembleia Legislativa uma emenda que modifica o projeto de lei que estabelece condições gerais sobre a renegociação de dívidas tributárias com o Estado. A medida vai possibilitar ao contribuinte do ICM e ICMS o pagamento de seus débitos fiscais com percentuais de juros reduzidos e o aumento no número de parcelamentos. Agora, será possível parcelar as dívidas em até 180 meses.

 

Incidência - O ICM incide sobre operações relativas à circulação de mercadorias; e o ICMS sobre operações relativas à circulação de mercadorias e prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação.

 

Demanda - A governadora disse que a alteração é uma medida essencial que atende à demanda dos setores produtivos do Paraná. “Com isso, estamos colaborando para aliviar o caixa de empresas do Estado para que, dessa forma, elas possam gerar novos empregos, fazer investimentos e aquecer ainda mais a economia do Paraná”, afirmou.

 

Medidas - A emenda estabelece que dívidas tributárias de ICM e ICMS, ocorridas até 31 de dezembro de 2017 (a data do projeto original era 30 de julho), constituídas ou não, inscritas ou não em dívida ativa (ainda que ajuizados), poderão ser pagas, em dinheiro, em parcela única, com a redução de 80% do valor da multa e de 40% do valor dos juros.

 

Parcelas - Em caso de pagamento da dívida em até 60 parcelas mensais, iguais ou sucessivas, haverá uma redução de 60% do valor da multa e 25% do valor dos juros; pagamentos em até 120 parcelas mensais, iguais ou sucessivas, terão redução de 40% do valor da multa e 20% do valor dos juros; já parcelamentos em até 180 meses, iguais ou sucessivas, terão redução de 20% do valor da multa e 10% do valor dos juros.

 

Intervalo mínimo - Além do aumento dos prazos e da redução dos juros, a emenda também afasta a necessidade de um intervalo mínimo de quatro anos para a concessão de novos parcelamentos com redução de juros e multas, como descrito no projeto original. Com isso, é possível pedir parcelamento a qualquer momento, desde que aprovado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

 

Em dia - Para estar apto à manutenção dos benefícios de parcelamento, o contribuinte precisa estar em dia com o recolhimento do imposto declarado em EFD (Escrituração Fiscal Digital) a partir do mês de referência outubro de 2018.

 

Revogação - A revogação do parcelamento ocorrerá em caso de falta de pagamentos da primeira parcela, de três parcelas consecutivas e do pagamento do ICMS declarado no EFD. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SEMINÁRIO INTERNACIONAL: Cooperativas mostram a força da mulher do campo

seminario internacional 28 11 2018A participação das mulheres na atividade rural vem se fortalecendo tanto no Brasil quanto em outros países. Dentro desse contexto, as cooperativas exercem um importante papel no desenvolvimento de práticas sustentáveis que favorecem essa inclusão. Alguns exemplos, que mostram como a força feminina atua nesse modelo de negócio, foram apresentados no Seminário Internacional Gênero e Cooperativismo, realizado nesta terça-feira (dia 27/11), na sede do Sistema OCB, em Brasília.

Novos desafios - Cinco anos depois de ter enfrentado prejuízos provocados pelo incêndio que destruiu o galpão com toda a produção de fibra da Cooperativa Mista Agropecuária de Manacapuru, no Amazonas, a presidente Eliana Medeiro se diz pronta para novos desafios. “Foi um período muito difícil, mas soubemos nos reconstruir. Estamos nos preparando para entregar a primeira safra de guaraná que será matéria-prima para uma multinacional de bebidas não alcoólicas”, disse. Eliana começou na cooperativa há 26 anos como estagiária de contabilidade e, hoje, lidera mais de 430 cooperados.

 

Qualidades - O evento destacou como a força, a sensibilidade e a perseverança são qualidades que diferenciam o trabalho movido pela união de mulheres na conquista de bons resultados. Maria Helena dos Santos, presidente da Cooperativa dos Floricultores do Estado da Paraíba (Cofep), contou como conseguiu superar o preconceito para aumentar a produção de crisântemos, rosas e gérberas. “Primeiro, tivemos que convencer os maridos a deixar as mulheres saírem de casa para trabalhar. Procuramos valorizar a participação das esposas e das filhas como forma de aumentar a renda familiar”, afirmou. Em seguida, Maria Helena se empenhou em mostrar que o cultivo de flores também é uma atividade que pode ser exercida por ambos os sexos. “Eles achavam que flores era coisa de mulher e se recusavam a ir ao campo com elas”, explicou. Hoje, a Cofep, com 19 anos de existência, reúne 28 cooperados, com 6 homens e 22 mulheres. “A produção só aumenta”, comemora.

 

Agro+ Mulher - O Seminário Internacional Gênero e Cooperativismo marcou o lançamento do Plano Agro+Mulher pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). “É um programa que dá um caráter oficial ao empoderamento das mulheres”, afirmou o ministro da pasta, Blairo Maggi. O campo ainda é considerado o principal acesso ao mercado de trabalho. Para o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, os próprios valores do cooperativismo representam uma oportunidade de igualdade e de inserção das mulheres em várias atividades produtivas. “O grau de profissionalização do nosso movimento se deve muito à presença competente de cooperadas e gestoras que estão à frente de diversos negócios”, afirmou. Ele também ressalta a adesão feminina em outros ramos do cooperativismo.

 

Políticas públicas - A presidente da Aliança Cooperativa Internacional para as Américas (ACI Américas), Graciela Fernandez, comentou a respeito da importância das políticas públicas voltadas para diminuir as desigualdades em relação à mulher. “Estamos totalmente convencidos que com a agenda 2030 da Organização das Nações Unidas vamos trabalhar no fomento de iniciativas para melhorar essas condições junto aos representantes da sociedade civil, do cooperativismo e de outras instituições ligadas à agricultura familiar em diversos países”, afirmou. A igualdade de gênero está prevista no quinto princípio dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

 

Participantes - Além de representantes de cooperativas brasileiras e de instituições internacionais ligadas ao setor, cerca de 100 pessoas participaram do evento. A sessão de abertura também contou a presença da secretária nacional de políticas para as mulheres do Ministério dos Direitos Humanos, Andrezza Collato; o chefe da União Europeia no Brasil, Thierry Dudermel; e do secretário de mobilidade social, do produtor rural e do cooperativismo do Ministério da Agricultura, José Dória.

 

Sistema OCB - Somos um Sistema composto por três instituições: OCB, Sescoop e CNCoop. Temos uma unidade em cada estado do Brasil e, também, no Distrito Federal. Nosso papel? Trabalhar pelo fortalecimento do cooperativismo brasileiro. A OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) cuida da representação institucional junto aos Três Poderes. O Sescoop (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo) é responsável pelas ações de desenvolvimento das cooperativas, cooperados e empregados, com foco em formação profissional, promoção social e monitoramento. E a CNCoop (Confederação Nacional das Cooperativas) completa o tripé, com a representação sindical patronal do movimento. Focos distintos e complementares, que fazem a soma dessas forças resultarem na potencialização de um setor essencial para a economia e a sociedade brasileiras. (Informe OCB)

 

SICREDI: R$ 8,2 bilhões são disponibilizados nos primeiros quatro meses do Plano Safra 2018/19

 

sicredi 28 11 2018O Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 3,9 milhões de associados e atuação em 22 estados brasileiros – mantém o objetivo de contribuir de forma concreta para o incentivo e crescimento ao agronegócio. De julho a outubro deste ano, a instituição já disponibilizou R$ 8,2 bilhões em crédito rural entre custeio, comercialização, industrialização e investimento, 22% a mais do que no mesmo período da safra anterior (2017/18).

 

Investimentos - Para operações de investimentos, o Sicredi liberou, entre julho e outubro, R$ 1,3 bilhão, montante 85% superior ao mesmo período da safra anterior. Já em custeio, o incremento foi de 17% nas liberações, correspondendo a um total aplicado de R$ 6,4 bilhões. Outros R$ 500 milhões foram liberados para operações de comercialização e industrialização.

 

Pequenos e médios - Os pequenos e médios produtores rurais continuam sendo o principal foco atendido pelo Sicredi: 83,78% das operações realizadas foram direcionadas a esses públicos. “Os dados parciais que registramos nesses primeiros quatro meses do Ano Safra 2018/19 não só ilustram a forte atuação que o Sicredi possui no agronegócio brasileiro para oferecer créditos aos pequenos e médios produtores, como também sinaliza a confiança dos produtores associados à instituição financeira cooperativa na retomada da economia, para investirem nos seus negócios”, destaca Antonio Sidinei Senger, superintendente de Crédito Rural e Direcionados do Banco Cooperativo Sicredi.

 

Pronaf - No âmbito do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), as concessões de crédito rural também registraram incremento de 22% em relação ao período de julho a outubro do ano passado, atingindo R$ 2,3 bilhões. Já no PRONAMP (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural), o crescimento na concessão de crédito rural chegou a 36% no período, equivalente a R$ 1,7 bilhão, em comparação com julho a outubro de 2017.

 

Crédito consciente - Vale ressaltar que, focado em apoiar os seus associados por meio de produtos e serviços adequados as suas necessidades, o Sicredi busca disponibilizar o crédito consciente. “Ao optar por tomar o recurso na instituição financeira cooperativa, o associado está contribuindo não somente para o crescimento do seu negócio, como também para o crescimento da sua cooperativa de crédito e, consequentemente, para o desenvolvimento local”, finaliza Senger.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,9 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Comitivas participam de imersão sobre cooperativismo de crédito

 

Aprender sobre a estrutura do Sistema Sicredi e conhecer o berço do Cooperativismo de Crédito foram os grandes objetivos da imersão organizada pela Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP que levou para o Rio Grande do Sul, entre os dias 15 e 18 deste mês, duas comitivas compostas por líderes dos Comitês Jovem e Mulher e também por educadores do Programa A União Faz A Vida – principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi.

 

Formação - Para os membros do Comitê Jovem e Comitê Mulher, a viagem fez parte do Módulo II do Programa de Formação Cooperativa, desenvolvido durante este ano. E para os educadores, um sorteio foi realizado entre os professores que participam e desenvolvem os projetos nos municípios da área de atuação da Cooperativa, onde o Programa A União Faz A Vida está implantado.

 

Conhecimento - A imersão possibilitou aos participantes um maior conhecimento sobre o Centro Administrativo Sicredi em Porto Alegre e a História do Cooperativismo de Crédito em Nova Petrópolis. “Percebo que, ao conhecer a história, os líderes se engajam mais na causa do Cooperativismo e os professores sentem a valorização por toda a dedicação que empregam na realização do Programa A União Faz A Vida”, comenta a gerente de Desenvolvimento do Cooperativismo da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, Cláudia Bonatti.

 

Porto Alegre - Na capital gaúcha, as comitivas conheceram o Centro Administrativo Sicredi, souberam como se organizam as estruturas e áreas do Sistema e a Fundação Sicredi - responsável pelo desenvolvimento das iniciativas sociais. “Fiquei surpresa com a quantidade de pessoas e áreas que cuidam para que tudo aconteça da melhor forma para os associados e para a comunidade”, ressalta Marilsa Teodoro da Silva, membro do Comitê Mulher de Santa Rita D’Oeste. 

 

Nova Petrópolis - Em Nova Petrópolis, a memória do Padre Theodor Amstad - Precursor do Cooperativismo de Crédito no Brasil e na América Latina - reacendeu a chama da causa cooperativista e os participantes das comitivas puderam conhecer de perto a trajetória de crescimento, trabalho e sucesso do movimento Cooperativista no Brasil. Para a educadora Rafaela Cristina Marangoni, do município de Terra Roxa, foi uma experiência muito enriquecedora poder ter tido contato com a história do Cooperativismo de forma tão próxima. “Certamente, o aprendizado que levarei desta imersão fará a diferença no momento de explicarmos para as nossas crianças sobre a importância de conceitos e valores tão essenciais como união, trabalho em equipe e cooperação”, complementa Rafaela.

 

Serra Gaúcha - Uma breve passagem pela Serra Gaúcha também fez parte da programação: em Canela, o grupo pôde conhecer a Catedral de Pedra da cidade e em Gramado, os participantes puderam acompanhar algumas apresentações do Natal Luz.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,8 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins. 

 

{vsig}2018/noticias/11/28/sicredi_vale_piquiri/{/vsig}

SICOOB METROPOLITANO I: Agência é reinaugurada em Mandaguari

 

No último dia 19, o Sicoob Metropolitano reinaugurou sua agência em Mandaguari (PR). Localizado em novo endereço, na principal avenida da cidade, o ponto de atendimento agora conta um visual mais moderno para colaboradores e cooperados.

 

Satisfação - Segundo a assistente de agência, Ana Flavia Souza, a equipe está muito contente com as novas instalações. “O espaço é mais amplo, confortável e com maior visibilidade. Já conseguimos notar que muitas pessoas têm procurado a agência, principalmente devido à localidade”, afirma.

 

Presenças - O evento de reinauguração contou com a presença de dirigentes da cooperativa, autoridades locais, além de colaboradores, cooperados e convidados. O novo endereço do Sicoob em Mandaguari é Av. Amazonas, 756. (Imprensa Sicoob Unicoob)

SICOOB METROPOLITANO II: Voluntários entregam panetones a pacientes da Santa Casa de Maringá

 

sicoob metropolitano II 28 11 2018Anualmente, voluntários do hospital Santa Casa de Maringá se mobilizam para presentear com cestas natalinas os pacientes que estão em tratamento de hemodiálise. Pela segunda vez, a equipe de multiplicadores do Sicoob Metropolitano apoiou a ação.

 

Doação - A cooperativa colaborou com a doação de 100 panetones e a equipe de voluntários auxiliou na montagem das cestas, que foram entregues na última sexta-feira (23/11).

 

Pensar no próximo - A recepcionista de Logística e Suprimentos, Paola Aparecida Mendes, participou da ação e falou sobre a importância de pensar no próximo. “Não sabemos da situação de cada um. Além disso, não estamos ajudando somente os pacientes do hospital, mas também os familiares que vão passar o Natal junto com eles”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB SUL: Cooperativa participa de Semana de Educação Financeira da PUCPR em Curitiba

 

sicoob sul 28 11 2018Entre os dias 19 e 23 de novembro, o Sicoob Sul participou da Semana de Educação Financeira, da PUCPR, em Curitiba. Organizado pela Escola de Negócios da universidade, o evento teve como tema “Pare, pense e poupe” e contou com uma programação de 10 palestras e de uma feira com stands de instituições parceiras.

 

Cooperativismo de crédito - No espaço do Sicoob Sul no evento, os participantes puderam saber mais a respeito do cooperativismo de crédito e sobre as vantagens de se tornar um cooperado. Também participaram de um jogo de perguntas e respostas sobre educação financeira.

 

Palestra - Além disso, o gerente de Produtos e Serviços, Hugo Fernando Grudter Garcia, ministrou uma palestra sobre capitalismo consciente com o tema “Uma geração consciente e conectada”. Para ele, foi um privilégio estar entre universitários e promover reflexões sobre a importância da educação financeira e como lidar com as constantes e velozes mudanças que afetam nosso dia a dia.

 

Conteúdo - “Falei um pouco sobre um novo jeito de pensar, sobre como nos relacionamos, compramos e nos comunicamos. Eles ficaram bem atentos e ficaram interessados em conhecer mais sobre o cooperativismo”, explica.

 

Interação - A acadêmica de Psicologia, Yanka Lemos Lestechen, falou sobre a interação e a proposta que o Sicoob Sul levou à universidade. "É comum que os jovens não pensem muito no futuro, em finanças ou em poupar, então esse tipo de ação nos ajuda a refletir sobre a importância de ter atitudes coerentes em relação a isso", afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COAMO: Cooperativa comemora 48 anos de sucesso e solidez

A Coamo Agroindustrial Cooperativa comemora, nesta quarta-feira (28/11), 48 anos de fundação. Para celebrar a data, foram realizados eventos alusivos à data em todas as unidades da cooperativa no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Em Campo Mourão, na administração central da Coamo, a comemoração reuniu, a diretoria, fundadores, cooperados e funcionários. “Parabenizamos os cooperados e funcionários, e por extensão seus familiares, os clientes, fornecedores e consumidores. Juntos formamos uma família de mais de 120 mil pessoas e com alegria e satisfação, nos reunimos para celebrar os 48 anos da Coamo”, comenta o idealizador e presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini.

Origem - A Coamo foi fundada no dia 28 de novembro de 1970 por 79 agricultores pioneiros de Campo Mourão. “A Coamo é uma cooperativa de sucesso, é orgulho do campo, do Brasil e do mundo para a satisfação dos seus mais de 28 mil associados e mais de 7,5 mil funcionários. Assim, a Coamo vem contabilizando números positivos ao longo desses 48 anos de existência”, comenta.

Desenvolvimento - A Coamo nasceu e cresceu conjugando a força, união e trabalho dos associados, diretoria e funcionários, e vem proporcionando o desenvolvimento direto e a melhoria da produção, da renda e da qualidade de vida para milhares de pessoas. “Nesses 48 anos, ultrapassamos e vencemos muitos desafios, e juntos, estamos preparados para enfrentar e vencer os novos desafios, do presente e do futuro. Sempre com a missão de gerar renda aos cooperados, com desenvolvimento sustentável do agronegócio, e ser a melhor opção de desenvolvimento aos cooperados, realização profissional aos funcionários, produtos aos clientes e negócios aos parceiros”, salienta Gallassini.

América Latina- A cooperativa é uma das maiores da América Latina, respondendo por 3,5% de toda a produção nacional de grãos e fibras e 16% da safra paranaense. O forte relacionamento com o quadro social tem garantido à Coamo resultados cada vez mais expressivos. “Os bons resultados geram tributos, empregos e divisas, e contribuem para o desenvolvimento do nosso país”, comemora Gallassini.

Valores - Na Coamo, trabalho, profissionalismo, honestidade e união são valores cultuados desde a fundação da cooperativa. Tudo é planejado com visão de futuro, buscando agregar maior valor à produção dos cooperados. O segredo de todo o sucesso está alicerçado em quatro fatores básicos: a política de capitalização, a estabilidade administrativa, o apoio incondicional dos cooperados e a harmonia existente entre a diretoria, cooperados e funcionários. “Toda essa trajetória de sucesso da Coamo é fruto de muito trabalho e dedicação. Um trabalho alicerçado pelo tripé - diretoria, cooperados e funcionários. Com todos puxando para o mesmo lado, o resultado não poderia ser outro”, destaca o presidente da Coamo.

Natal de Luzes - Dentro da programação de aniversário da cooperativa, será realizado na noite desta quarta, o Natal de Luzes Coamo. O evento será às 20 horas no prédio da Administração Central, em Campo Mourão, e contará com apresentação artística. (Imprensa Coamo)

{vsig}2018/noticias/11/28/coamo/{/vsig}

C.VALE: Aniversário de 55 anos é comemorado com show de Daniel

Duas mil e quinhentas pessoas acompanharam a primeira noite das comemorações dos 55 anos da C.Vale. Associados e funcionários da cooperativa no Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso participaram da solenidade, nesta terça-feira (27/11), na Asfuca de Palotina. Durante o evento, o presidente da C.Vale, Alfredo Lang, apresentou um plano de investimentos para os próximos 30 anos. O cantor Daniel subiu ao palco na sequência para um show de quase duas horas. Daniel e Lang cortaram um bolo em comemoração aos 55 anos da cooperativa. A programação de aniversário continua nesta quarta e quinta-feira (28 e 29/11). (Imprensa C.Vale)

{vsig}2018/noticias/11/28/cvale/{/vsig}

COAGRU: Encontro de Jovens em Ubiratã supera as expectativas

 

Diversidade, interatividade e muita descontração marcaram mais uma edição do Encontro de Jovens Cooperativistas da Coagru, realizado no dia 17 de novembro. Mais de 400 jovens participaram do evento, que aconteceu na Arcapu urbana de Ubiratã (PR).

 

Importância - Após a composição da mesa diretiva, foi realizado um momento de oração. Na sequência os diretores, Áureo Zamprônio e Cavalini Carvalho, presidente e vice-presidente, respectivamente, comentaram sobre a importância do jovem nos negócios da família e evidenciaram o prêmio recebido pela Coagru a nível nacional. 

 

Estímulo - O presidente Áureo comentou que o Encontro de Jovens é um estímulo para a juventude cooperativista. "é importante darmos foco a continuidade da atividade agropecuária, à sucessão familiar no campo, e esse evento, é perfeito para reforçar justamente isso".

 

Gratificante - “Para a Coagru, é muito gratificante reunir as futuras gerações e poder agregar conhecimento e os valores do cooperativismo. Temos obtido sucesso com a sucessão familiar por meio dos incentivos com cursos, treinamentos e encontros que motivam a juventude permanecer no campo", destacou o vice-presidente, Cavalini Carvalho, após a apresentação do vídeo que conta a história de um jovem que integra o Programa Cooperjovem da Coagru.

 

Palestra - Na continuidade da programação o palestrante, Professor João Carlos de Oliveira, apresentou uma palestra em que interagiu com os jovens de forma motivadora e descontraída. O Encontro de Jovens também teve um momento cultural através da apresentação musical da dupla Leo Doreto & Daniel. (Imprensa Coagru)

 

{vsig}2018/noticias/11/28/coagru/{/vsig}

COPAGRIL I: Reunião é realizada para ajustar detalhes sobre o Dia de Campo 2019

 

Estiveram reunidos, na manhã da última terça-feira (27/11), na Associação Atlética Cultural Copagril (AACC), em Marechal Cândido Rondon (PR), encarregados e colaboradores da Cooperativa Agroindustrial Copagril para compartilhar informações quanto à organização do Dia de Campo 2019, que será realizado nos dias 23 e 24 de janeiro. 

 

Andamento - No encontro, o encarregado da Assessoria de Marketing, Comunicação e Cooperativismo, Junior Paulinho Niszczak, explanou aos presentes sobre o andamento dos trabalhos e expôs algumas mudanças estruturais que aconteceram na Estação Experimental da Copagril e que implicará na organização de algumas tendas de expositores. “Aumentamos a largura da avenida principal da estação experimental, visando facilitar a organização e também a locomoção das pessoas que circulam pelo evento. Por isso, tivemos algumas mudanças no layout e distribuição das tendas, em comparação com o ano passado”, mencionou.

 

Responsáveis - Na mesma ocasião, foram elencados os responsáveis de cada setor do evento e foram definidos os horários de trabalho do evento. “Com a colaboração de todos os envolvidos, esperamos ajustar todos os detalhes antecipadamente e novamente fazer com que o Dia de Campo Copagril seja um sucesso”, destacou o Junior.

 

Dia de Campo - O Dia de Campo Copagril é o maior evento organizado pela cooperativa. Nele, empresas parceiras e a própria Copagril preparam atrações, promoções e apresentam as últimas novidades tecnológicas para o agronegócio, proporcionando, assim, oportunidades de os associados e agricultores em geral ficarem atualizados em meio aos avanços do agronegócio nacional e internacional. 

 

Demonstrações - No evento, os visitantes podem conferir também demonstrações de ensaios de diferentes variedades de soja e híbridos de milho, exposição de máquinas e implementos agrícolas, presença de instituições financeiras e ainda a participação de empresas de sementes e agroquímicos, que apresentam os portfólios de produtos e serviços, além de outras atrações especiais que interessam a todo tipo de público.

 

Agende-se - O evento será realizado na Estação Experimental da Copagril no dia 23 de janeiro de 2019 com horário de funcionamento das 08h às 20h e no dia 24 de janeiro com funcionamento das 08h às 18h. (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2018/noticias/11/28/copagril_II/{/vsig}

COPAGRIL II: Vencedora em quatro categorias do Prêmio Marechal 2018

 

Durante solenidade realizada no sábado (24/11), no Centro de Eventos, em Marechal Cândido Rondon (PR), a Cooperativa Agroindustrial Copagril recebeu quatro comendas do Prêmio Marechal 2018, evento promovido pela Associação Comercial e Empresarial (Acimacar). A Copagril foi premiada nas categorias: Equipamentos, Implementos e Máquinas Agrícolas; Comércio de Insumos Agrícolas; Comércio de Combustíveis; e Supermercados; e ainda teve seu funcionário Luiz Carlos Rodrigues homenageado como Funcionário Padrão 2018.

 

Pesquisa de opinião - A conquista da primeira colocação nas referidas categorias é resultado de pesquisa de opinião pública desenvolvida pela empresa contratada pelos organizadores do evento. Já a premiação ao funcionário ocorre após avaliação curricular realizada por uma comissão composta por representantes da imprensa local.

 

Consagração - Diretores do Conselho de Administração da Copagril e gerentes estiveram na cerimônia para receber as comendas. Eles acreditam que esse reconhecimento é uma importante forma de consagração do trabalho dos associados e funcionários da cooperativa ao longo do ano. Por esse motivo, agradecem a todos que se dedicam em prestar o melhor atendimento ao público, bem como expressam gratidão a todos os clientes pela preferência. (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2018/noticias/11/28/copagril_I/{/vsig}

EVENTO: Emater e Embrapa realizam Giro Técnico em 18 municípios do PR

 

evento 28 11 2018O Giro Técnico da Soja, evento promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Emater-PR, está sendo realizado em 18 municípios do Paraná na safra 2018/2019. O objetivo é debater os resultados positivos da adoção de boas práticas agrícolas no Estado, com técnicos, lideranças locais e produtores de cada região produtora.

 

Público - O Giro Técnico deve reunir aproximadamente 1 mil produtores nos eventos que serão realizados em Unidades de Referência (URs), instaladas em lavouras de produtores de soja, assistidos pela Emater.  Essas URs são conduzidas pelos produtores, a partir de protocolos de boas práticas agrícolas, definidos pela Emater e pela Embrapa. 

 

Debates - O evento pretende debater os desafios na condução das lavouras, assim como incentivar a adoção de práticas sustentáveis que trazem benefícios econômicos e ambientais. Para o coordenador do projeto grãos da Emater, Nelson Harger, o Giro Técnico possibilita a troca de informações e também oferece a oportunidade para apresentação dos resultados obtidos. A programação do Giro Técnico prevê o debate sobre os diferentes aspectos do manejo integrado de pragas e doenças e as boas práticas de coinoculação.

 

Informações - Agricultores e técnicos interessados em participar dos eventos podem obter mais informação nos escritórios da Emater do seu município. (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

Confira a programação 

 

Região Noroeste

21/11 (09:00) - Marialva

21/11 (14:00) - Maringá

22/11 (09:00) - Ourizona

22/11 (14:00) - Mamborê

23/11 (09:00) - Peabiru

 

Região Sudoeste/Oeste

2711 (09:00) - Chopinzinho

27/11 (14:00) - Salto de Lontra 

28/11 (14:00) - Realeza 

29/11 (14:00) - Tres Barras

30/11 (09:00) - Toledo

 

Região Norte

04/12 (14:00) - Ivaiporã

05/12 (14:00) - Kaloré

06/12 (14:00) - Santa Mariana/

07/12 (14:00) - Bela Vista do Paraíso 

 

Região Sul

11/12 (09:00) - Paula Freitas

12/12 (14:00) - Palmeira

13/12 (09:00) - Tibagi

14/12 (14:00) – Arapoti

 

MAPA: Onze empresas recebem selo Agro+ Integridade

 

mapa 28 11 2018Onze empresas receberam nesta terça-feira (27/11), em cerimônia de premiação no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Selo Agro+ Integridade 2018. A entrega foi feita pelo ministro Blairo Maggi, que destacou a importância do respeito à legislação pelas empresas, não só a do país de origem, mas também a de países com os quais têm relação comercial e, sobretudo, enfatizou o valor da “transparência total e absoluta”, segundo ele, condição essencial para preservar espaço no mercado.

 

Pacto - Os representantes das empresas assinaram o pacto pela integridade, ética, sustentabilidade e de uso adequado do selo, que pode ser usado em produtos, sites comerciais, propagandas e publicações. As empresas premiadas são as seguintes: Iharabras SA Indústria Química, Baldoni Produtos Naturais Comércio e Indústria Ltda, Adecoagro Vale do Ivinhema SA, Adama Brasil, Indústria e Comércio Supremo Ltda, Old Friends Agropecuária Ltda, Produquímica Indústria e Comércio SA, Pif Paf Alimentos SA, Rivelli Alimentos SA, Leão Alimentos e Bebidas e Bunge Alimentos SA.

 

Caminho - O conselheiro geral adjunto da Bunge da América do Sul no Brasil, Fernando Zanetti, disse que um ambiente institucional saudável é o caminho para a construção de um mundo melhor para todos. Destacou ações na área social realizados pela fundação da empresa e a inciativa do Mapa para estimular ideais éticos e conservacionistas.

 

Homologação - A homologação das empresas foi feita pelo Comitê Gestor do Selo Agro+. Vinte e três apresentaram toda a documentação exigida pelas normas do prêmio. As inscrições para participar ficaram abertas entre 1º de fevereiro e 29 de junho.

 

Alinhamento - “Percebemos que não bastava o Ministério da Agricultura ter o seu programa de compliancecom foco anticorrupção”, disse o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki. “Era necessário que as empresas também tivessem o seu compliancealinhado com o nosso. Por isso, sugerimos um Pacto pela Integridade do Setor Produtivo Brasileiro. Muitas empresas estão com os seus programas em andamento”.

 

Futuro - O ministro da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, que acompanhou a construção do programa de compliancedo ministério e a criação do selo, observou que os mecanismos de controle contra a corrupção e a observância de valores são investimentos que as empresas fazem para garantir o seu futuro.

 

Diferencial - Claudio Torquato, assessor de Controle Interno do Mapa e responsável técnico pelo programa Agro+ Integridade, comentou que o selo é um diferencial para as empresas disputarem espaço no mercado. O evento teve ainda a presença de representante do Instituto Ethos.

 

Reconhecimento - O Selo Agro + Integridade é um reconhecimento a empresas que adotam práticas de governança e gestão, capazes de minimizar riscos de ocorrência de desvios de conduta eque seguem a legislação, em especial a Lei Anticorrupção (Lei 12.846, de 1º de agosto de 2013).

 

Lançamento - O selo foi lançado pelo presidente Michel Temer e pelo ministro Blairo Maggi, em 12 de dezembro de 2017, quando foi que assinada a Portaria nº 2.462, com o regulamento da premiação.

 

Primeiro - O Mapa foi o primeiro ministério a implementar um programa alinhado ao Programa de Fomento à Integridade do Governo Federal (Profip) da CGU (Controladoria Geral da União). (Mapa)

 

ECONOMIA: Retomada será mais lenta do que esperam os otimistas, afirma Mendonça de Barros

 

economia 28 11 2018A retomada do crescimento sustentado da economia "vai demorar mais do que os otimistas estão imaginando, mas é possível". A avaliação é do economista José Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados. Ele falou nesta terça-feira (27/11) sobre cenário político e econômico e perspectivas para o Brasil na abertura do Encontro das Indústrias de Café (Encafé), em Punta del Este.

 

Reformas - Para Mendonça de Barros, além do desafio de enfrentar a desaceleração da economia global, o governo eleito terá de avançar nas reformas, como a da Previdência, já no primeiro semestre, para reduzir a dívida pública. "O período-chave é o primeiro semestre de 2019. Se no primeiro semestre estiver aprovada ou muita avançada a reforma, o cenário será muito favorável. O mercado ficará otimista, algum investimento voltará. Se chegar derrapando, ou se chegar sem conseguir avançar, certamente vai ser desfavorável."

 

Inexperiência - Avançar com as reformas, porém, não será tarefa fácil diante da inexperiência dos membros do novo governo, avaliou. "O que chama atenção é que o novo presidente, o superministro e o chefe da Casa Civil não têm nenhuma experiência de governo", disse. Essa inexperiência vai cobrar "certo preço", acrescentou. "Já tivemos alguns exemplos, de trombadas com Eunício [Oliveira] no Senado", observou em referência à aprovação do ajuste para o Judiciário, que deve ter impacto fiscal.

 

Agenda econômica - Mendonça de Barros elogiou a agenda econômica do novo governo, mas disse que é "uma pauta difícil de fazer", uma vez que necessita de consenso. Assim, avaliou, a retomada "vai depender da capacidade desse grupo de conseguir levar adiante essa pauta". Para ele, "nos cabe é torcer para que isso avance".

 

Dólar - Para ele, uma "derrapada" das reformas também terá efeito sobre o comportamento do dólar. "Grosseiramente, podemos dizer que, se governo novo conseguir aprovar a Previdência, o dólar deve ficar entre R$ 3,60 e R$ 3,70. Se não conseguir, pode voltar a superar R$ 4,00."

 

PIB - Diante do que ele chama de "cenário mais realista", sua consultoria prevê crescimento de 2,2% para o PIB em 2019, não muito acima do 1,6% estimado para o ano. "Não dará tempo para o novo governo aprovar coisas o suficiente pra fazer com que o PIB no ano que vem seja muito maior do que isso."

 

Avanço mais sustentado - E um avanço mais sustentado a partir de 2020, com crescimentos de 2,5% a 3% para o PIB, vai depender do que ocorrer no primeiro semestre do próximo ano, reiterou.

 

Medidas - Para melhorar a situação fiscal do Brasil, que tinha em setembro uma dívida bruta equivalente a 77,2% do PIB, permitindo a recuperação sustentável da economia, Mendonça de Barros defendeu medidas "que ataquem as despesas, de tal forma que o crescimento da dívida pública deixe de ser flecha em direção ao infinito".

 

Investimentos - Além do ajuste fiscal, defendeu a retomada do investimento no país e lembrou que o investimento público em infraestrutura é o menor desde 1950, devido à situação fiscal do governo federal e dos Estados. "Só pode crescer por meio de investimento em infraestrutura hoje em energia e logística, e só pode ser por meio de concessões e privatizações."

 

Horizonte positivo - Ainda que haja incertezas no exterior, o economista considera que o horizonte é positivo no Brasil graças ao cenário de inflação baixa, projetada em 4% para este ano, e de um setor externo robusto, com o saldo comercial na casa dos US$ 60 bilhões e reservas de US$ 380 bilhões.

 

Global players - "Nosso horizonte é positivo. É verdade que vamos nos debater com cenário internacional um pouco pior. Mas é possível navegar desde que na política externa não prevaleça a ideologia", disse. Ele classificou como "infelizes" a ideia de mudar a embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém e o movimento de "afrontar" a China. "Somos global players. Nos relacionamos como o mundo inteiro, e isso não pode se perder. (Valor Econômico)

 

LEVANTAMENTO: Investimento público no Brasil é segundo menor entre 42 países

 

levantamento destaque 28 11 2018Entre 2000 e 2017, a média anual do investimento público no Brasil foi de apenas 1,92% do PIB, a segunda mais baixa entre um grupo de 42 países, de acordo com levantamento do Observatório de Política Fiscal do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). No período, apenas na Costa Rica o governo investiu menos - 1,87% do PIB.

 

Média - Na média dos 42 países, o número ficou em 3,51% do PIB, atingindo 3,9% do PIB na Rússia, 3,38% do PIB na Turquia e 2,95% do PIB na África do Sul. A base de dados foi compilada pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), referindo-se a gastos da União e de governos regionais, como Estados e municípios - despesas de empresas estatais não estão incluídas.

 

Insuficiente - "As estatísticas do Tesouro mostram que o investimento realizado pelo governo brasileiro não tem sido suficiente para repor a depreciação do estoque de capital", diz Manoel Pires, coordenador do Observatório de Política Fiscal do Ibre/FGV. Segundo ele, nos últimos anos, está em curso um processo de deterioração do estoque de capital público. "Não é à toa que estamos

observando desabamento de estruturas públicas como pontes e viadutos em algumas grandes cidades do país", escreve ele. "Os problemas causados pelas enchentes também têm causado perdas de vidas, congestionamentos e muitos transtornos na vida dos brasileiros."

 

Pouco - Pires destaca que o setor público investe estruturalmente pouco no Brasil. Os investimentos de União, Estados e municípios ficam abaixo da média dos 42 países da amostra ao longo de todo o período de 2000 a 2017. "Não é algo que tenha ocorrido apenas nos últimos anos; é uma questão estrutural que se reflete no problema de infraestrutura econômica e social do país."

 

Crise fiscal - Após 2014, porém, o investimento público por aqui recuou com força, devido à crise fiscal da União e também de Estados e municípios. Com isso, a distância entre esses dados para o Brasil e para outras economias aumentou. Em 2017, as três esferas de governo investiram o equivalente a 1,16% do PIB, o menor nível da série iniciada em 1947, segundo dados da Instituição Fiscal Independente (IFI). No ano passado, a média do investimento público nos 42 países da amostra compilada pela OCDE ficou em 3,27% do PIB, mais de 2 pontos percentuais acima do gasto pelo Brasil.

 

Aumento - Na segunda metade da década passada, houve um aumento desses gastos por parte de União, Estados e municípios, num cenário em que havia folga fiscal e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foi instituído, diz Pires. Em 2010, o investimento público chegou ao ápice desse período de 18 anos, batendo em 2,69% do PIB.

 

Desequilíbrio das contas - Nos últimos anos, porém, o desequilíbrio das contas das três esferas de governo atingiu em cheio essas despesas. O analista de finanças públicas da Tendências Consultoria, Fabio Klein, lembra que os gastos de capital são os mais atingidos num momento de ajuste fiscal, por serem aqueles sobre os quais o governo tem maior controle.

 

Despesas correntes - As despesas correntes -como aposentadorias, pessoal e programas sociais - são a maior parcela do Orçamento, concentrando itens obrigatórios, diz Klein. "Isso alimenta um ajuste fiscal de qualidade ruim, em cima dos investimentos, gastos que têm a natureza de ampliar a renda e a oferta de bens e serviços."

 

Distância - Pires dá uma medida do que representa a distância entre o investimento público brasileiro e o do conjunto dos 42 países da amostra da OCDE. Se for acumulada a distância em relação à média por 18 anos, obtém-se uma diferença de 31% de estoque de capital público em comparação à média desse grupo de economias. "Em relação à Coreia do Sul, a diferença aumentou 70%."

 

Setor privado - Ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Pires diz que o Estado não vai liderar o crescimento, por estar quebrado, tarefa que deverá caber principalmente ao setor privado. A questão é que o investimento público caiu demais, não sendo nem suficiente para repor a depreciação do estoque de capital, diz o economista.

 

Recuperação - Na visão de Pires, "alguma recuperação terá que ocorrer" para que o Estado possa cumprir minimamente as suas atribuições, mesmo que a agenda dos próximos anos se apoie numa agenda "bastante liberal", marcada por privatizações e concessões ao setor privado.

 

Acordo - Para ele, será necessário algum acordo da União com Estados, por exemplo, para resolver problemas emergenciais de liquidez. É fundamental garantir o andamento de reformas que garantam a sustentabilidade das contas públicas no longo prazo, afirma Pires, mas ponderando que alguma "engenharia financeira" será necessária para enfrentar os problemas fiscais de Estados e municípios.

 

Dificuldades - Klein aponta dificuldades para a retomada do investimento nos próximos anos, dado o tamanho do desequilíbrio nas contas públicas brasileiras. Segundo ele, seria muito importante reduzir a rigidez do Orçamento do país, que faz o ajuste recair sobre as despesas de capital. Mas, ao mesmo tempo em que vê obstáculos para elevação desses gastos, Klein ressalta os problemas para cortar mais os investimentos, que já caíram muito nos últimos anos e não conseguem nem mesmo evitar a depreciação do estoque de capital, como reitera Pires. (Valor Econômico)

 

Foto: Pixabay

 

levantamento tabela 28 11 2018

 

INFRAESTRUTURA: Vamos retomar obras e acelerar concessões, diz futuro ministro

infraestrutura 28 11 2018Anunciado nesta terça-feira (27/11) como ministro da Infraestrutura do governo Jair Bolsonaro, Tarcísio Freitas disse em breve entrevista ao Valor que pretende dar sequência ao programa de licitações em bloco da rede de aeroportos da Infraero.

Aeroportos - "A gente vai continuar fazendo concessão dos aeroportos. Vamos prosseguir com a quinta rodada, em que temos 12 aeroportos em três blocos. E a ideia é continuar fazendo licitações por blocos até licitar a rede Infraero inteira", disse. "É claro que isso tudo vai ser estudado, discutido com as equipes, mas a ideia é dar continuidade ao programa de concessão."

“Botar fogo”- O futuro ministro afirmou que pretende "botar fogo" no ministério para fazer andar as concessões não só de aeroportos, mas também de rodovias e ferrovias, além de arrendamentos de terminais portuários.

Recursos orçamentários - Em relação ao uso de recursos orçamentários, o ministro anunciado disse que a prioridade é fazer obras que tenham mais sentido para produção, "dentro de uma escala de hierarquia". "Por exemplo, fazer as pontes da BR-158 no Pará é superimportante, estará lá na frente em termos de hierarquia porque ligam o Nordeste a Mato Grosso, que é onde está a produção, aos terminais da Ferrovia Norte-Sul, essa vai ser a lógica", afirmou.

Prioridade - Ele disse que pretende priorizar obras paradas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de forma a evitar perdas adicionais para o setor público.

Competências - Em entrevista coletiva, minutos após ter sido anunciado, Freitas afirmou que a pasta, que teria o status de superministério, será responsável pelas competências que hoje ficam no Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

Mudança - Diferente do planejado inicialmente, a pasta não agregará as atribuições dos ministérios das Cidades, Minas e Energia, Integração Nacional e Comunicações. "Essa questão do superministério de Infraestrutura era uma ideia inicial. À medida que os estudos vão avançando, vai se percebendo qual é o desenho ótimo. Existem questões que são muito complexas. Há uma diversidade de competências muito grande, há matérias que são de competência local, outras são de competência federal. Então, o arranjo definitivo, na minha visão, é um arranjo ótimo."

Nome - "O Ministério da Infraestrutura ou dos Transportes, talvez o nome ainda não esteja fechado, vai lidar com as questões de transportes, aviação civil, portos e transportes terrestres", completou. Momentos após anunciar o nome de Freitas pelo Twitter, Bolsonaro concedeu entrevista coletiva ao lado do futuro ministro no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde funciona o governo de transição, em Brasília.

Desafios - Após elogiar o auxiliar, o presidente eleito disse que o governo tem que "dar uma resposta" e tocar as mais de mil obras paradas que, segundo ele, há no país. "Estou muito tranquilo e feliz com essa indicação. Agradeço ele aceitar o convite. Ele sabe que os desafios são enormes", disse.

Pessoa mais adequada - Questionado sobre as obras que estão paradas por todo o país, Bolsonaro afirmou que Freitas "é a pessoa mais adequada para responder a essas perguntas". "Nós, como regra, só começaremos uma nova obra se tivermos realmente recursos para concluí-las", afirmou. "Logicamente, nós sabemos da dificuldade orçamentária, mas temos que dar resposta a isso tudo. Não podemos abandonar porque custaria muito caro para nós."

Análise - A equipe de transição está fazendo um processo de análise de projetos e obras já iniciadas, sobretudo nos ministérios das Cidades e Integração Nacional, para avaliar possíveis sobreposições e eleger prioridades de execução. Isso ocorre em meio à formatação da nova arquitetura ministerial, que na área de infraestrutura pode acabar na fusão de uma série de pastas.

Dados - Os técnicos da transição trabalham com um dado de que hoje no Brasil há cerca de 7 mil obras paralisadas, boa parte delas no âmbito do PAC. A ideia é priorizar a execução de projetos parados, mas dentro de uma lógica que leve em conta não só a restrição fiscal (que limita a capacidade de investimentos do setor público), mas também a possibilidade de uma interação mais direta e menos burocrática sobretudo com as administrações municipais.

Desenho preliminar - A ideia é fechar o desenho preliminar do novo ministério até o dia 5 de dezembro e junto com isso apresentar os projetos que poderão ser tocados pelas secretarias que farão parte da nova pasta.

Percepção - O que a equipe de transição percebeu até o momento é que há setores que contam com recursos em várias das pastas atuais, o que acaba tirando muito da eficiência da atuação do governo federal, além de reforçar estruturas burocráticas que podem se tornar foco de práticas ruins.

Decisões - Com base nesse levantamento e cruzamento de projetos e ações que devem ser tomadas as decisões sobre o que efetivamente será priorizado pelo governo de Jair Bolsonaro a partir de janeiro. (Valor Econômico)

 

COP25: Brasil desiste de sediar evento da ONU sobre mudança climática

 

cop25 28 11 2018O Brasil desistiu de sediar a Conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, a COP25, que seria realizada pelo país em meados de 2019. Segundo a assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores, o governo conduziu análise minuciosa dos requisitos” para sediar o evento, a qual se debruçou principalmente sobre as necessidades financeiras demandadas pela iniciativa. 

 

Restrições - “Tendo em vista as atuais restrições fiscais e orçamentárias, que deverão permanecer no futuro próximo, e o processo de transição para a recém-eleita administração, a ser iniciada em 1º de janeiro de 2019, o governo brasileiro viu-se obrigado a retirar sua oferta de sediar a COP25”, destacou o Itamaraty por meio de nota nesta terça-feira (27/11).

 

Crítica - Durante a campanha eleitoral, o próprio presidente eleito Jair Bolsonaro criticou o Acordo de Paris. Seus aliados também mantiveram críticas a medidas tomadas no âmbito multilateral para combater o aquecimento global.

 

Confirmação - Em outubro, antes do primeiro turno, o governo confirmou a candidatura brasileira, destacando que a decisão confirmava o papel de liderança do país em temas de sustentabilidade ambiental. “Em função da praxe de rotação regional das sedes das COPs, cabe a país da América Latina e do Caribe sediar a COP25.

 

Aprovação - Com o endosso regional, a candidatura brasileira deverá agora ser submetida à aprovação da Conferência das Partes da UNFCCC, em sua 24ª Sessão, que terá lugar em Katowice, Polônia, entre 2 e 14 de dezembro de 2018”, explicou uma nota do Itamaraty divulgada à época. “A Conferência das Partes é o órgão máximo da Convenção e está atualmente empenhada em concluir a regulamentação do Acordo de Paris, de modo a permitir aos países signatários sua plena implementação a partir de 2020.” (Valor Econômico)

 

Foto: Pixabay

 


Versão para impressão


RODAPE