Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4455 | 14 de Novembro de 2018

ENCONTRO ESTADUAL: Especialista em coaching vai trazer reflexões sobre o futuro

 

encontro 14 11 2018O que esperar do futuro? Para onde estamos caminhando? Aonde a tecnologia vai nos levar? O que esperar das relações humanas? Como nos preparar para tudo isso? Essas são algumas questões que o mestre em Educação e especialista em Coaching, Homero Reis, apresenta no início de um artigo em seu blog, intitulado “Anotações sobre o futuro”. Reis é um dos palestrantes convidados do Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses que o Sistema Ocepar promove, nos dias 6 e 7 de dezembro, em Curitiba. Ele vai ministrar uma palestra no segundo dia do evento com o tema “O futuro quem faz é você”.

 

Roberto Rodrigues - O Encontro terá ainda a participação do coordenador do Centro de Agronegócio da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EESP) e embaixador especial da FAO para o Cooperativismo, Roberto Rodrigues, que vai falar sobre as perspectivas para o cooperativismo.

 

Eleitos - A programação inicia em 6 de dezembro, às 18h, com a presença do governador eleito, Ratinho Júnior, e de deputados federais que irão integrar a Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) a partir do ano que vem. Depois, haverá um jantar, seguido de show com o grupo folclórico ucraniano Vesselka.

 

Mais - No dia seguinte, além das palestras de Roberto Rodrigues e Homero Reis, está prevista a realização de oficinas destinadas à aprovação das propostas do Paraná para discussão no XIV Congresso Brasileiro de Cooperativismo, que ocorrerá em 2019, em Brasília. O evento será encerrado após o show cultural Concerto das Rosas, com a Orquestra Ladies Ensemble, que será apresentado às 14h.

 

Inscrições - O Encontro Estadual é destinado aos dirigentes das cooperativas do Paraná, cooperados, colaboradores e familiares. As inscrições devem ser efetuadas até o dia 1º de dezembro, pelo agente de Desenvolvimento Humano da cooperativa, ou diretamente no Sistema Ocepar pelo e-mailinscricoes@sistemaocepar.coop.br ou pelo fone 41 3200-1105.

encontro estadual folder 14 11 2018

 

VISITA: Sindafep vai premiar projetos inovadores na área de agricultura

visita sindafep 14 11 2018O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita do Estado do Paraná (Sindafep) promove, no dia 26 de novembro, a entrega do 6º Prêmio Gestor Público. A solenidade será realizada às 18h, no plenário da Assembleia Legislativa do Paraná, em Curitiba. O presidente do Sindafep, Wanderci Polaquini, esteve na sede do Sistema Ocepar para divulgar a premiação e convidar os representantes da entidade a participar do evento de premiação. Ele foi recebido pelo superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, e pelo analista de Desenvolvimento Técnico, Rogério Croscato. Polaquini estava acompanhado do coordenador-geral do Prêmio, Laerzio Chiesorin Junior, e do auditor fiscal da Receita Estadual do Paraná, Osmar Araújo Gomes.

Iniciativa - O Prêmio Gestor Público Paraná (PGP-PR) é realizado com o propósito de valorizar projetos de administração pública inovadores e criativos, que contribuam com o desenvolvimento da sociedade e melhoria da vida da população paranaense. Nesta edição, o PGR-PR tem como tema “Agricultura: produtividade e sustentabilidade”. De acordo com os organizadores, a agricultura é uma das principais atividades econômicas do Paraná e do Brasil, com novos métodos que estão sendo constantemente desenvolvidos para que a produção de alimentos seja sustentável, respeitando o meio ambiente, como a agroenergia e o plantio direto.

Banco de Projetos - Desde que foi criado, o Prêmio já soma 583 projetos inscritos, de 151 municípios, e 180 iniciativas premiadas. Todos os projetos avaliados desde 2013 constam no Banco de Projetos disponível no endereço eletrônico www.ppg-pr.org.br.

 

SICOOB UNICOOB: Cooperativas filiadas se destacam no ranking GPTW

Quatro cooperativas filiadas ao Sistema Sicoob Unicoob conquistaram o título de Melhores Empresas para Trabalhar no Paraná 2018. O prêmio é o resultado da pesquisa de clima organizacional realizada pela empresa de consultoria americana Great Place To Work (GPTW). Representantes do Sicoob Metropolitano, Sicoob Norte do Paraná, Sicoob Integrado e Sicoob Credicapital receberam o troféu na noite de premiação que ocorreu na quinta-feira passada (08/11), em Curitiba.

Conquista - “Essa conquista representa muito para nossos colaboradores e nossa cooperativa, estamos muito felizes com o resultado. Acredito que se tivemos capacidade para chegar até aqui, é porque ainda podemos ir muito mais longe” destacou o diretor-presidente do Sicoob Credicapital, de Cascavel, Valdir Pacini.

Emocionante - A gerente de Negócios do Sicoob Norte do Paraná, de Londrina, Sonia Regina Martiolli Sudo, também falou sobre a experiência de receber o prêmio. "Foi muito emocionante estar no evento e ver nossa empresa tão bem colocada na premiação, em meio a tantas outras organizações de sucesso", afirma.

Pesquisa de satisfação - Para a elaboração do ranking, foi realizada uma pesquisa que avalia o nível de satisfação dos colaboradores quanto ao ambiente de trabalho, o índice de confiança em relação à empresa e as práticas de gestão de pessoas promovidas pelas companhias.

Gratificante - A tesoureira do Sicoob Metropolitano Lilian Cristina Gonzales afirma que é gratificante trabalhar em uma instituição que se preocupa com o bem-estar dos colaboradores. “O maior capital de uma empresa são os colaboradores. Estou muito feliz e tenho um orgulho imenso e fazer parte desta equipe”, diz.

Motivo de orgulho - A supervisora de Gestão de Pessoas do Sicoob Integrado, de Pato Branco, Josoane Toigo, ressalta que estar entre as melhores empresas para se trabalhar no Paraná foi motivo de orgulho para a cooperativa, que participou do ranking pela primeira vez. “Ter a afirmação da GPTW de que nosso trabalho está no caminho certo é extremamente gratificante e motivador para todos nós”, garante.

Ponto de referência - Segundo o jornal Gazeta do Povo, o índice de confiança é considerado um ponto de referência para a GPTW e manteve-se alto e estável, com média de 85%. Os principais pontos que motivaram as pessoas a permanecer nas empresas premiadas foram oportunidade de crescimento (44%) e qualidade de vida (27%). O jornal destaca que a busca por bons salários é importante, mas não aparece como item mais valorizado pelos profissionais: 11% citaram remuneração e os benefícios como fatores de permanência, e apenas 3% apontaram a estabilidade como o ponto mais importante numa empresa.

Reconhecimento - A premiação deste ano reconheceu 60 instituições paranaenses, sendo 10 grandes, 40 médias e 10 pequenas. Ao todo, foram 194 companhias inscritas e avaliadas. Elas representam 14 setores diferentes e reúnem uma comunidade de 84.760 funcionários.

Ranking do Brasil e da América Latina - O Sicoob Metropolitano e o Sicoob Norte do Paraná também marcaram presença no ranking nacional, quando 150 empresas foram premiadas. A cooperativa de Maringá também foi reconhecida no recorte das 100 melhores empresas para se trabalhar na América Latina, divulgado em maio. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2018/noticias/11/14/sicoob_unicoob/{/vsig}

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Quarta agência é inaugurada em Foz do Iguaçu

No último dia 12, o Sicoob Três Fronteiras inaugurou mais uma agência em Foz do Iguaçu. Localizado no bairro Porto Meira, o quarto ponto de atendimento da cooperativa na cidade é a primeira instituição financeira do bairro.

Presenças - A ocasião contou com a presença de autoridades do município, entre eles o prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, além de colaboradores, delegados, cooperados, conselheiros e diretores do Sicoob Três Fronteiras. O presidente do Conselho de Administração e o diretor-presidente do Sicoob Central Unicoob, Jefferson Nogaroli e Marino Delgado, também estiveram presentes.

Comunidade - Segundo o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Três Fronteiras, Roberto Fernandes, a agência foi pensada para toda a comunidade. “O Sicoob surgiu com o propósito de servi-los, de cuidar dos interesses de cada associado e de apresentar soluções que o levem a produzir riqueza e bem-estar”, relata.

Compartilhamento - A gerente do novo ponto de atendimento, Magna dos Santos, parafraseou o filósofo Sócrates afirmando que o segredo da plenitude é compartilhar. “Eu e minha equipe nos colocamos à disposição de todos para oferecer o melhor atendimento”, destacou.

Esperada - “Essa inauguração foi muito esperada por todos nós do bairro. Ficamos felizes em fazer parte da família Sicoob. A instituição trará muito desenvolvimento para toda nossa região”, afirma o cooperado, Cristiano Jesus de Souza.

Localização - A nova agência fica localizada na Avenida Morenitas, 243, em frente ao Parque Remador. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2018/noticias/11/14/sicoob_tres_fronteiras/{/vsig}

SICREDI ALIANÇA: Associado de Marechal C. Rondon ganha R$2 mil na Campanha “Eu poupo sim”

A Sicredi Aliança PR/SP realizou, na manhã desta terça-feira (13/11), a entrega de mais um prêmio da Campanha “Eu poupo sim”. O associado sorteado foi Lauro Lodi, da agência Avenida Maripá, em Marechal Cândido Rondon (PR). Participaram da entrega, o presidente do Conselho de Administração, Adolfo Rudolfo Freitag, o gerente da agência, Moacir Dupont, e a equipe de colaboradores.

Terceira vez - “Esta é a primeira vez que sou contemplado em um sorteio. Estou muito feliz. Quando soube da notícia, nem quis acreditar e na hora nem parecia verdade. Sou associado há quase 20 anos e escolhi o Sicredi por ser uma cooperativa, justamente pelos seus diferenciais como o atendimento, a segurança e a possibilidade de premiar seus associados. Vejo que esses prêmios são também incentivos para quem participa da cooperativa. Obrigado Sicredi por me proporcionar essa boa surpresa disse, Lauro.

A Campanha - A Campanha “Eu poupo sim” é organizada pela Central Sicredi PR/SP/RJ. Até dezembro serão distribuídos R$ 1,5 milhão em prêmios, sendo 10 sorteios semanais de R$ 2 mil, um sorteio mensal no valor de R$ 50 mil e um sorteio final que premiará um associado Sicredi com meio milhão de reais. Em dezembro, durante a reta final da campanha, as chances de ganhar serão dobradas, com 20 sorteios semanais de R$ 2 mil, além do grande sorteio.

Sete premiados - O presidente do Conselho de Administração da Sicredi Aliança PR/SP, Adolfo Rudolfo Freitag, destaca que a cooperativa já teve, até o momento, sete associados premiados. “Seis foram contemplados com o valor de R$ 2 mil e uma associada ganhou R$50 mil. É uma alegria quando associados da nossa cooperativa ganham prêmios. Estamos otimistas para que nessa reta final mais prêmios venham para a Sicredi Aliança PR/SP e esperamos também pelo meio milhão de reais. Quem não participou, ainda dá tempo. Basta procurar a sua agência, poupar no Sicredi e torcer”, ressaltou.

Como participar - A cada R$ 100,00 aplicados na poupança Sicredi, é gerado automaticamente um número da sorte para concorrer aos sorteios que acontecem pela Loteria Federal. Basta acessar o site: www.sicredi.com.br/eupouposim e verificar os números. Ao fazer uma poupança programada, o poupador recebe números em dobro para participar. Quanto mais depositar, mais chances de ganhar. Podem participar pessoas físicas e jurídicas nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, associados ou não. Os sorteios serão realizados todas as segundas-feiras e os ganhadores divulgados em até cinco dias úteis.

Sobre o Sicredi- O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,8 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi Aliança PR/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2018/noticias/11/14/sicredi_alianca/{/vsig}

UNIMED MARINGÁ: Programa Canção de Ninar atendeu cerca de 300 casais em 2018

unimed maringa 14 11 2018Dar banho, higienizar o umbigo, amamentar e uma série de outros cuidados fazem parte da rotina de quem teve um bebê e muitos desses cuidados geram dúvidas, principalmente para quem é pai ou mãe de ‘de primeira viagem’. É por isso que no Espaço Viver Bem da Unimed Maringá, todos os meses os futuros pais que são clientes da cooperativa têm a oportunidade de aprender mais sobre a rotina dos recém-nascidos.

Mudanças - O objetivo dos encontros do Programa Canção de Ninar é além de ensinar os cuidados básicos com os bebês, fornecer às gestantes e acompanhantes informações e orientações para que possam compreender as mudanças físicas e emocionais que ocorrem durante a gestação. As aulas são ministradas por profissionais da pediatria, enfermagem, psicologia e nutrição e têm duração de três noites.

Dicas - Mãe de primeira viagem, Estela Furlan dos Santos participou do Canção de Ninar quando estava no oitavo mês de gestação em busca de orientação profissional. “Durante a gravidez a gente escuta todo o tipo de opinião e conselho, e para quem vai ter o primeiro filho é difícil filtrar o que vale ou não a pena, então é melhor ouvir dicas de quem trabalha e lida com isso todos os dias”, diz.

Orientação profissional - A orientação profissional também foi o que chamou a atenção da Luciana de Carvalho. Segundo ela, uma amiga sofreu com a amamentação, sentiu dor e precisou recorrer a outros meios para alimentar a filha. “Hoje a gente percebe que foi pura falta de informação. Por isso, me inscrevi no curso e estou encantada com tudo o que foi falado. Não sabia nem a metade”, conta.

Atendimento - De acordo com a enfermeira responsável pelo programa, Débora Verrengia Florêncio, o Canção de Ninar, que acontece desde 2008, atendeu só neste ano cerca de 300 casais. “Ao todo foram nove edições em 2018 e percebemos que a procura foi aumentando gradativamente. Atribuímos o aumento à busca espontânea por orientações profissionais e principalmente às indicações feitas pelos casais que passaram pela formação e gostaram da experiência”, diz.

Cliente - Para ter acesso ao curso e a um acompanhamento nos primeiros 30 dias de vida do bebê, é preciso ser cliente da Unimed Maringá. Para se inscrever, basta entrar em contato com a equipe do Espaço Viver Bem, pelo telefone (44) 3227-2724. As aulas não têm custo e são ofertadas em turmas de 40 alunos. Em 2019 os encontros ocorrerão a partir de 14 de janeiro. (Imprensa Unimed Maringá)

SERVIÇO

Última edição do ano do Programa Canção de Ninar

Dia: 14/11 – quarta-feira

Horário: 19h

Local: Espaço Viver Bem - Av. Laguna, 1371 - Zona 01

 

EVENTO: Fórum Internacional discute eficiência e aceleração do agronegócio, em Maringá

Os pilares da eficiência e aceleração do agronegócio na perspectiva nacional e internacional. Este é o tema do 1º Fórum Internacional World Trade Center de Agronegócio, que será realizado dia 20 de novembro, das 14h às 18h30, no Hotel Deville, em Maringá, Noroeste do Paraná. O evento deverá reunir cerca de 120 pessoas, entre empresários, empreendedores, executivos, investidores, lideranças e representantes do setor no Brasil e no exterior. Os debates serão divididos em três painéis, que vão abordar infraestrutura, comércio internacional e agri-tech.

Organização - O Fórum é organizado pelo World Trade Center Curitiba, com patrocínio da Araúz & Advogados Associados e apoio do Sistema Ocepar e Sindiavipar. Mais informações com Fernanda Gimenez (eventos@wtcsb.com.br / 41 99279 2999).

 

evento folder 14 11 2018

FACIAP: Presidente da entidade é reconduzido à nova gestão

faciap 14 11 2018O empresário Marco Tadeu Barbosa foi reconduzido ao cargo de presidente da Faciap na Assembleia Geral realizada durante o Congresso Empresarial Paranaense, em Foz do Iguaçu, no dia 9 de novembro. Com isso, a chapa Tempo de Fazer, com Marco Tadeu Barbosa e os novos Conselhos Superior e de Administração, permanece à frente da federação para a gestão 2019-2020. “Assumir um segundo mandato é uma responsabilidade ainda maior”, disse o presidente diante de mais de cem presidentes de associações comerciais que compareceram à Assembleia.

Pautas - Além de dar sequência ao trabalho de aproximação da Faciap com as associações comerciais, principalmente as menores, e ajudá-las a se desenvolver, o presidente acredita que há pautas de Estado que estão sob o olhar do sistema. “Criamos frentes de trabalho para acompanhar de perto assuntos como a logística do Paraná e os contratos de pedágio”, disse ele.

Concessões de rodovias - Segundo ele, a discussão em torno das concessões de rodovias, que vencem em 2020, e da elaboração de novos contratos, mais modernos e que não onerem o setor produtivo, têm a presença de representantes da Faciap. Assim como a construção de um projeto de malha ferroviária para baratear a produção e melhorar a infraestrutura do Estado. “O crescimento econômico do Paraná é uma preocupação constante”, afirmou o presidente.

Aproximação com entidades - O Congresso Empresarial Paranaense também foi uma oportunidade de os presidentes de associações comerciais conversarem com a diretoria da Faciap. Os vice-presidentes que formam o Conselho de Administração (CAD) ficaram na entrada do espaço do evento e receberam todos os representantes de entidades.

Assembleia Geral - Também foi marcada uma reunião antes da Assembleia Geral para que todos os presidentes de associações se apresentassem e pudessem conversar com a diretoria da Faciap. “Quisemos acolher essas lideranças, fazer com que eles se sentissem próximos da federação, porque entendemos que o canal do diálogo precisa estar sempre aberto para que o sistema se fortaleça”, disse Maria Inês Guiné, vice-presidente da Faciap. (Assessoria de Imprensa da Faciap)

 

BANCO DO BRASIL: Não faltarão recursos para desembolsos de crédito rural, diz BB

banco brasil I 14 11 2018O primeiro semestre da safra 2018/19 começou aquecido em termos de desembolsos de crédito rural, inclusive para operações de investimentos, e não faltarão recursos nos primeiros meses do próximo governo, reforçou ontem Tarcísio Hübner, vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil, durante o Summit Agronegócio Brasil 2018, evento organizado pelo jornal "O Estado de S. Paulo".

Liberações - Como já informou o Valor, as liberações por todas as instituições financeiras somaram R$ 64 bilhões nos primeiros quatro meses da atual temporada (julho a outubro), 26% mais que em igual intervalo do ciclo passado. Segundo Hübner, o cenário positivo para produção e preços - sobretudo da soja - tem impulsionado as contratações de crédito.

Perspectivas positivas - Conforme o executivo, apesar da tendência de queda das margens na produção de soja em 2018/19, as perspectivas para a safra de grãos são positivas. "Tivemos ampliação de área de soja e um plantio antecipado, o que traz uma expectativa de uma boa segunda safra de milho".

FCO - Ele destacou, ainda, que pela primeira vez desde 2014 os recursos direcionados ao Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) já acabaram. E disse que, no ritmo atual de contratações, os recursos do Moderfrota (linha que financia a aquisição de máquinas agrícolas) deverão terminar antes do fim da temporada.

Tendência - Apesar da forte demanda por crédito rural, Hubner afirmou que não faltarão recursos para o agronegócio no primeiro semestre de 2019, início do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. E lembrou que a tendência para o médio e longo prazos é que a participação do governo federal como fonte de crédito rural com juros subsidiados diminua.

Mudanças - "Não faltará crédito, mas as fontes estão mudando. Teremos um governo mais restritivo em consequência de ajuste fiscal". Segundo ele, as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) são uma das "alternativas bem interessantes" à disposição. (Valor Econômico)

 

CARNE SUÍNA: Exportações já superam outubro

carne suina 14 11 2018As exportações de carne suína in natura nas duas primeiras semanas de novembro já somam 19 mil toneladas, 26% a mais que no mesmo período de outubro. O valor pago por tonelada também está maior passando de US$ 1791,90 em outubro para US$ 1835,80 em novembro, um crescimento de 2,5%. Se mantiver este ritmo, as exportações em novembro podem chegar a 60 mil toneladas embarcadas no mês. Este crescimento pode já ser um reflexo da reabertura da Rússia para a carne suína brasileira, anunciada no dia primeiro de novembro.

Superávit - De acordo com a balança comercial publicada pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), nas duas primeiras semanas de novembro de 2018, que totalizaram 6 dias úteis, a balança comercial registrou superávit de US$ 2,665 bilhões, resultado de exportações no valor de US$ 7,137 bilhões e importações de US$ 4,472 bilhões. No ano, as exportações somam US$ 206,217 bilhões e as importações, US$ 155,916 bilhões, com saldo positivo de US$ 50,301 bilhões. (Boletim Diário Suinocultura Industrial)

 

CARNE DE FRANGO: 112 mil toneladas já foram embarcadas em novembro

carne frango 14 11 2018De acordo com a balança comercial publicada pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), as exportações de carne de frango in natura nas duas primeiras semanas de novembro já somam 112 mil toneladas, 21% a mais que no mesmo período de outubro. O valor pago por tonelada também está maior passando de US$ 1531,50 em outubro para US$ 1583,30 em novembro, um crescimento de 3,4%. A média diária subiu de 15,4 mil toneladas para 18,7, mantendo esta média, mesmo com menos dias úteis, novembro deve superar os números de outubro.

Resultado - De acordo com a balança comercial publicada pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), nas duas primeiras semanas de novembro de 2018, que totalizaram 6 dias úteis, a balança comercial registrou superávit de US$ 2,665 bilhões, resultado de exportações no valor de US$ 7,137 bilhões e importações de US$ 4,472 bilhões. No ano, as exportações somam US$ 206,217 bilhões e as importações, US$ 155,916 bilhões, com saldo positivo de US$ 50,301 bilhões. (Boletim Diário Avicultura Industrial)

 

INFRAESTRUTURA: Hidrelétricas menores entram na mira da EPE

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e um grupo de companhias do setor elétrico trabalham em alternativas para incentivar a realização de estudos de viabilidade técnica e econômica (EVTEs) e ambientais de projetos hidrelétricos de médio porte, com capacidade entre 50 megawatts (MW) e 1 mil MW de capacidade instalada. A ideia é criar incentivos regulatórios e financeiros para o estudo desses projetos, possibilitando a inclusão deles no Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) e, consequentemente, em novos leilões.

Potencial grande - "O potencial hidráulico no Brasil é muito grande, mas estamos ofertando, do ponto de vista de leilão, um valor muito pequeno porque não há projetos e não tem nem empreendedor querendo correr riscos", disse Reive Barros, presidente da EPE, em evento sobre o tema, ontem no Rio. Segundo ele, o Brasil possui um potencial de 45 mil MW de empreendimentos hidrelétricos de médio porte, dos quais 30 mil MW no Norte e 15 mil MW no Sudeste e Centro-Oeste.

Investimentos - A ideia, detalhou Reive, é que seja investido R$ 1 bilhão, pela estatal e por empresas do setor, com financiamento do BNDES, para o estudo de cerca de 50 projetos do tipo, sendo uma média de R$ 20 milhões por projeto. Dessa forma, os projetos estudados poderão ser incluídos no PDE e, em seguida, serem ofertados em leilões. Caso o responsável pelo estudo de viabilidade não seja o vencedor do leilão, ele terá seu investimento inicial remunerado por quem ganhar a concessão da usina.

Contingenciamento - Reive disse ainda que 3% da Reserva Global de Reversão (RGR, encargo do setor elétrico) é destinado à realização desses estudos, mas que são contingenciados. A ideia, explicou, é ter acesso a esses recursos para viabilizar os estudos de hidrelétricas de médio porte.

Ampliação da capacidade - Presente ao evento, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, defendeu a ampliação da capacidade hidrelétrica do país. "Se não tivéssemos passado pela mais grave crise da nossa história, nós estaríamos vivendo o mais largo apagão da nossa história. Isso mostra que o setor precisa se ampliar."

Regulação - "Da maneira como a regulação está estruturada, não existe incentivo a que empresas de engenharia e construtoras interessadas façam os EVTEs e os Eia-RIMAs que vão permitir as licenças [ambientais] prévias e os leilões", acrescentou o diretor de Estratégia da Engie Brasil, Gil Maranhão.

Fundo - Segundo o executivo, um texto de projeto de lei preparado por empresas do setor prevê a criação de um fundo de compensação para populações indígenas que tiverem suas terras impactadas por novos projetos hidrelétricos. O documento está pronto e será discutido com novos interlocutores do próximo governo e do Congresso.

Valor - "O edital de leilão de concessão já estabeleceria um valor, em reais por megawatt-hora, independentemente de quem for o concessionário, reservado para um fundo a ser cogerido pelo empreendedor, lideranças indígenas e Funai. Isso está pronto, esperando novos interlocutores no governo e oportunidade para testar esse mecanismo em um próximo projeto que venha a ser concedido", disse Maranhão.

Licitação - Com relação ao leilão para contratação de potência de reserva de termelétricas a gás no Nordeste, Reive disse que a licitação deve ocorrer no primeiro trimestre de 2018, após a consulta pública no Ministério de Minas e Energia e de trâmites na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Necessidade - Perguntado sobre críticas e questionamentos com relação ao leilão, inclusive sobre o comentário do diretor-geral do ONS, Luiz Eduardo Barata, de que seriam necessários mais tempo e estudos para decidir sobre a realização do leilão, Reive disse que o próprio operador possui estudos que indicam a necessidade de contratação de potência para o Nordeste. (Valor Econômico)

RELAÇÕES EXTERNAS: Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit

relacoes externas 14 11 2018O Brasil pediu formalmente à União Europeia (UE) uma negociação bilateral para obter compensação por causa da repartição de cotas no mercado comum europeu após o Brexit (saída britânica do bloco de 28 países).

Recusa - Como outros exportadores agrícolas, o Brasil recusa a divisão de cotas proposta pela UE, por considerar que a metodologia utilizada é arbitrária e causará prejuízo a produtores brasileiros.

Compromisso - Para a delegação brasileira, o fato de o Reino Unido sair da UE é uma questão dos europeus. A UE se comprometeu com determinadas concessões, como cotas (volume de comércio limitado, com tarifa menor) que não podem agora ser reduzidas.

Açúcar - Pelo que Bruxelas propôs, uma cota para o açúcar brasileiro, hoje de 388.125 toneladas, seria reduzida para 358.954 toneladas (92,4%), com o resto devendo ser oferecido em outra cota pelo Reino Unido.

Frango - No caso da cota para frango salgado, o volume de 170.807 toneladas cai para 129.930 toneladas (76,1%) e os britânicos oferecem o resto. A cota para carne de frango processado do Brasil, hoje de 15.800 toneladas, diminui para 10.979 toneladas na UE. Uma cota para carne bovina sem osso, de 10 mil toneladas, cai para 8.951 na UE e é completada pelos britânicos, com cota de 1.049 toneladas.

Montante total - O montante total, após a divisão entre a UE e o Reino Unido, será idêntico ao atual. Ocorre que os exportadores reclamam que haverá duplicação de logística e de custos que não são aceitáveis. E pode ocorrer mesmo de produtores considerarem que nem vale a pena se engajar em venda com as cotas britânicas.

Queixa - Nesta semana, no Conselho de Bens da Organização Mundial do Comércio (OMC), Brasil, EUA, Argentina, Austrália, Canadá, China, México, Nova Zelândia, Taiwan e Uruguai reclamaram que a proposta da UE afeta 196 concessões individuais cobrindo 142 cotas e mais de 365 linhas tarifárias.

Preocupação - Esse grupo se diz preocupado com a proposta para implementar reduções no acesso ao mercado comum europeu "sem completar a necessária negociação com os membros da OMC". Pedem que a UE garanta "compensação apropriada" para que seu comércio não seja prejudicado após o Brexit. A UE até agora não respondeu. Diz que está pronta a se engajar em discussões, mas informalmente insiste que não dará compensações aos parceiros.

Retaliação - Nesse caso, restará ao Brasil retaliar os europeus, aumentando tarifas sobre produtos importados. Ocorre que isso é bem mais complicado, porque a alta das alíquotas será aplicada a todos os países, e não só aos europeus.

Lista - Por sua vez, o Reino Unido apresentou na OMC uma ampla lista de compromissos para vigorar depois de sair da UE, incluindo redução tarifária, cotas e inclusive tamanho de seus subsídios agrícolas.

Direito - Londres quer ter o direito de dar US$ 5,9 bilhões de subsídios para agricultores. Diante de reações dos parceiros à lista de compromissos, os britânicos sinalizaram que podem abrir negociações para compensações a quem perder na nova realidade comercial do país. (Valor Econômico)

 

IBGE: Desemprego é maior entre nordestinos, mulheres e negros

ibge 14 11 2018A taxa de desocupação no Brasil caiu para 11,9% no terceiro trimestre de 2018, mas chega a 14,4% na Região Nordeste, a 13,8% para a população parda e a 14,6% para a preta - grupos raciais definidos na pesquisa conforme a declaração dos entrevistados. Quando analisado o gênero, as mulheres, com 13,6%, têm uma taxa de desemprego maior que a dos homens, de 10,5%.

Pnad Contínua Tri - Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (14/11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa consta na Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnad Contínua Tri). É considerada desocupada a pessoa com mais de 14 anos que procurou emprego e não encontrou.

Maior - Quatro estados do Nordeste estão entre os cinco com maior desemprego: Sergipe (17,5%), Alagoas (17,1%), Pernambuco (16,7%) e Bahia (16,2%). Apesar disso, a maior desocupação verificada no terceiro trimestre de 2018 foi no Amapá, onde o percentual chegou a 18,3%.

Menor - A Região Sul tem a menor taxa de desocupação do país, com 7,9%, e Santa Catarina é o estado com o menor percentual, de 6,2%. No trimestre anterior, a Região Sul tinha taxa de desocupação de 8,2% e o Nordeste, 14,8%.

Cor - Do contingente de 12,5 milhões de pessoas que procuraram emprego e não encontraram, 52,2% eram pardos, 34,7% eram brancos e 12% eram pretos. Tais percentuais diferem da participação de cada um desses grupos na força de trabalho total: pardos (47,9%), brancos (42,5%) e pretos (8,4%).

Desalentados - O IBGE informou ainda que, no terceiro trimestre de 2018, o número de desalentados somou 4,78 milhões de pessoas. O contingente ainda está próximo dos 4,83 milhões contabilizados no segundo trimestre, o maior percentual da série histórica. O IBGE considera desalentado quem está desempregado e desistiu de procurar emprego.

Maranhão e Alagoas - O percentual de pessoas desalentadas chegou a 4,3% e tem sua maior taxa no Maranhão e em Alagoas onde chega a 16,6% e 16%. O Maranhão também tem o menor percentual de trabalhadores com carteira assinada (51,1%).

Setor privado - No terceiro trimestre deste ano, 74,1% dos empregados do setor privado tinham carteira assinada, percentual que ficou estável em relação ao trimestre anterior.

Santa Catarina - Além de ter a menor taxa de desemprego do país, de 6,2%, Santa Catarina também tem o menor percentual de desalentados, de 0,8%, e o maior percentual de trabalhadores com carteira assinada, de 88,4%.

Subutilização - A taxa de subutilização da força de trabalho no Brasil foi de 24,2%, o que representa 27,3 milhões. Esse número soma quem procurou emprego e não encontrou, quem não procurou, quem procurou e não estava mais disponível para trabalhar e quem trabalha menos de 40 horas por semana e que gostaria de trabalhar mais.

População ocupada - A população ocupada somou 92,6 milhões de pessoas. Esse total tem 67,5% de empregados, 4,8% de empregadores, 25,4% de pessoas que trabalharam por conta própria e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares. (Agência Brasil)

 

SAÚDE: Secretaria alerta para prevenção e riscos do diabetes

saude 14 11 2018A Secretaria de Estado da Saúde alerta sobre a importância da prevenção e controle do diabetes e suas complicações – esta quarta-feira (14/11) é o Dia Mundial do Diabetes. Em 2016, no Paraná, 7.201 pessoas foram internadas e 3.472 morreram em função da doença. Segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados no ano passado, cerca de 9% da população brasileira convive com o diabetes.

Hábitos saudáveis - O secretário de Estado da Saúde, Antônio Carlos Nardi, destaca que o diabetes pode ser evitado, assim como a hipertensão e o colesterol alto, desde que hábitos saudáveis, como alimentação adequada e a prática de atividade física, sejam adotados pela população.

Mortes - Ele lembra que, de acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), o número de mortes relacionadas ao diabetes no Brasil cresceu 11,8% entre 2006 e 2016, saltando de 54.877 mortes para 61.398.

Doença crônica- “O diabetes é uma doença crônica séria, podendo ocasionar complicações graves que podem levar à morte. Trata-se de um problema que não pode ser ignorado. Precisamos alertar nossa população sobre os riscos da doença e incentivar a adoção de medidas preventivas”, diz o secretário.

Excesso de açúcar - O diabetes é uma doença caracterizada pelo excesso de açúcar no sangue. Com isso, as células do corpo ficam com pouca energia e o sangue repleto de glicose. A doença pode ocorrer já na infância ou na adolescência, mas na maioria das vezes atinge adultos.

Fatores de risco - Entre os fatores de risco para o aparecimento da doença estão a alimentação desequilibrada, pobre em frutas e verduras e rica em carboidratos e gorduras; obesidade e sobrepeso; sedentarismo (falta de atividade física) e histórico familiar.

Prevenção - O médico da Secretaria de Estado da Saúde André Ribeiro Langowiski enfatiza a importância da adoção de hábitos de vida saudáveis como forma de prevenção do diabetes. Ele lembra que no caso do diabetes tipo 2, responsável por aproximadamente 95% dos casos, o estilo de vida é um fator decisivo para o surgimento do problema, e também para seu tratamento e prevenção.

Assintomático - “No início, o diabetes tipo 2 é praticamente assintomático, o que pode levar o problema a ser identificado apenas quando já começam a surgir as complicações. Quando o diagnóstico é precoce é possível, inclusive, reverter a doença através da mudança dos hábitos alimentares e prática da atividade física”, diz André.

Complicações – Quando não tratada, o diabetes pode levar a complicações bastante prejudiciais à saúde, incluindo infecções, insuficiência renal, infarto do miocárdio e doenças vasculares, como derrame cerebral e gangrena de braços e pernas. A necessidade de amputações de membros inferiores também pode ser causada pela doença. No Brasil, estimativa do Ministério da Saúde mostra que 70% das amputações de membros inferiores feitas no país está relacionada à doença.

Estilo de vida - “Tudo isso pode ser evitado quando conseguimos prevenir o surgimento do diabetes, adotando um estilo de vida mais saudável. Se a doença já apareceu, os cuidados com alimentação e tratamento são ainda mais intensos, prevendo, em alguns casos, o uso de medicamentos”, explica o médico.

SUS - Ele ressalta ainda que o Sistema Único de Saúde (SUS) oferta gratuitamente nas unidades de atenção básica serviços para prevenção, detecção, controle e tratamento medicamentoso do diabetes.

Data - O Dia Mundial do Diabetes surgiu em 1991 por iniciativa pela Federação Internacional do Diabetes (IDF) e da Organização Mundial da Saúde (OMS) diante da preocupação com o aumento do número de diagnósticos em todo o mundo. Em 2007, a data foi oficializada pela Organização das Nações Unidas (ONU). O dia 14 de novembro foi escolhido para homenagear Frederick Banting que, junto com Charles Best, concebeu a ideia que levou à descoberta da insulina em 1921. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE