Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4449 | 06 de Novembro de 2018

HSM: Cooperativistas participam do maior evento de gestão da América Latina

Mais de 200 lideranças cooperativistas paranaenses estão participando, desde segunda-feira (04/11), do HSM Expo 2018, considerado o maior evento de gestão da América Latina, atualmente em sua décima oitava edição. Estão presentes mais de 4 mil pessoas.

Palestras - O evento, que reúne grandes líderes mundiais de inovação e gestão, prossegue até quarta-feira (07/11), no Transamérica Expo Center, em São Paulo. Ao longo desses três dias, o HSM Expo contará com mais de 130 palestras, que passarão por temas como metodologias ágeis, inteligência artificial, liderança de alto impacto, empreendedorismo, formação executiva e saúde nas organizações.

{vsig}2018/noticias/11/06/hsm/{/vsig}

PR COOPERATIVO: Revista mostra resultados da mobilização do cooperativismo do PR nas eleições

parana cooperativo 06 11 2018As eleições de 2018 foram marcadas no cooperativismo paranaense pela implantação de uma inovação: o parana.coop+10, um canal de comunicação que funcionou por meio das redes sociais para informar cooperativistas do Estado sobre os candidatos que estavam concorrendo ao pleito. Esse é o tema da edição nº 164 da revista Paraná Cooperativo, produzida pela Assessoria de Comunicação do Sistema Ocepar. A reportagem especial sobre o tema mostra os resultados obtidos por meio dessa ferramenta criada dentro do Programa de Educação Política do Cooperativismo, cujo propósito foi incentivar o voto consciente e fortalecer a Frente Parlamentar do Cooperativismo no Congresso Nacional (Frencoop). Ao todo, 110 cooperativas filiadas à Ocepar participaram do parana.coop+10, abrangendo um público que representa em torno de 85% dos cooperados e funcionários do setor no Paraná, o que corresponde à cerca de 1,2 milhão de pessoas. Onze candidatos apoiados pelas cooperativas paranaenses saíram vitoriosos nas eleições de 7 de outubro, entre deputados federais e um senador, que irão compor a Frencoop a partir de 2019.

Entrevista - O entrevistado deste número é o empresário Darci Piana, que é o vice-governador de Ratinho Júnior, eleito no primeiro turno das eleições deste ano. Também presidente do Sistema Fecomércio Sesc Senac Paraná e coordenador do G7, grupo formado pelas principais federações representativas do setor produtivo paranaense, Piana fala sobre sua decisão de participar mais ativamente da política partidária, dos desafios que acredita que irá enfrentar na nova função, entre outros assuntos.

Mais - A publicação traz ainda matérias sobre os Encontros de Núcleos Cooperativos, realizados pela Ocepar de 16 a 19 de outubro, em Maringá, Toledo, Mariópolis e Castro. Outra reportagem fala dos 12 anos do Programa Jovem Aprendiz Cooperativo no Paraná. Também em destaque os 30 anos da Constituição Brasileira, completados no dia 5 de outubro, quando o cooperativismo conquistou sua liberdade, ao deixar de ser conduzido sob a tutela do Estado.

Clique aqui para conferir na íntegra a edição nº 164 da revista Paraná Cooperativo

 

EVENTO: Maringá vai sediar Encontro de Responsabilidade Social e Sustentabilidade

No dia 13 de novembro, Maringá, na região Noroeste do Paraná, vai sediar o Encontro de Responsabilidade Social e Sustentabilidade, no Hotel Deville. A iniciativa é do Sicoob Unicoob, Instituto Sicoob e Sescoop/PR. As atividades serão realizadas das 7h30 às 16h. Na parte da manhã, haverá a apresentação da palestra com o tema “Gerar valor agregado”, com Carlos Alberto dos Santos, seguida de painel com cases da Cocamar, Instituto Sicoob e Unimed Curitiba.

À tarde– O período da tarde será dedicado à discussão sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Gabriel Vettorazzo, vai discorrer a respeito da Agenda 2030 e Júlia Caon sobre ODS em prática.

Inscrições – O evento é destinado a profissionais das cooperativas paranaenses. As inscrições devem ser efetivadas até o dia 9 de novembro, com Francine Danielli (francine.danielli@sistemaocepar.coop.br / 41 3200 1158). Mais informações com Carolina Teodoro (carolina.teodoro@sistemaocepar.coop.br / 41 3200 1134) ou Fernanda Pedrone (fernanda.pedrone@institutosicoob.org.br / 44 3032 7785).

 

evento cartaz 06 11 2018

MERCADOS: Cooperativas nas compras públicas é o novo serviço lançado pela OCB

 

ocb 06 11 2018A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) acaba de lançar mais um serviço destinado apoiar as cooperativas na sua inserção em mercados. Trata-se do portal “Cooperativas nas Compras Públicas”, ambiente desenvolvido pelas gerências Técnica e Econômica e de Relações Institucionais, por meio do qual será possível receber informações a respeito dos editais de licitação e chamadas públicas para aquisição de produtos e serviços pelos governos nos níveis federal, estadual e municipal. A gerente de Relações Institucionais da OCB, Fabíola Nader Motta, explica que o objetivo do portal é informar em tempo real as oportunidades de comercializar com o governo e dar todo o suporte para que as cooperativas acessem esse mercado. Confira.

 

Qual é a importância do portal para as cooperativas?

De acordo com os levantamentos da Gerência de Relações Institucionais da OCB, todos os anos os governos (federal, estadual e municipal) destinam cerca de R$ 500 bilhões para o atendimento das necessidades de seus programas especiais. Essas compras, tanto de produtos quanto de serviços, obedecem a um rigoroso sistema, baseado em pilares importantes como preços competitivos e qualidade.

Por isso, para atender a esse que é maior cliente do país, o Sistema OCB lança essa plataforma digital, pois quando se fala em qualidade e preço justo, as cooperativas têm muito a mostrar e a contribuir.

O Sistema OCB, além de criar esse site essencialmente para as cooperativas interessadas participarem das compras públicas, também disponibilizou um serviço especial de acompanhamento de todos os editais lançados pelos governos (municipal, estadual e federal), pois nossa expectativa é de que esse portal seja uma espécie de ponto de partida para quem tem interesse em negociar e vender para o Poder Público.

Muitas de nossas cooperativas já participam desse mercado, porém a rotina de monitoramento das oportunidades é muito complexa e demorada, pois os órgãos divulgam seus editais em plataformas, dias e formatos diferentes, o que muitas vezes dificulta o acesso. Assim, decidimos oferecer um sistema onde elas poderão encontrar todas os editais em um só lugar, diariamente, poupando tempo e trabalho para focarem naquilo que é a sua maior especialidade, atender e gerar oportunidades de negócios para seus cooperados.

 

Como as cooperativas interessadas podem utilizar a plataforma digital?

É muito simples. As cooperativas precisam apenas acessar o site e preencher cadastro especificando quais produtos ou serviços deseja oferecer ao governo. É importante que a cooperativa indique se vai quer participar dos processos de compras públicas em nível local, regional ou nacional. Após preencher essas informações, um consultor da OCB irá entrar em contato para finalizar o cadastro e explicar o funcionamento do serviço. E a partir daí as cooperativas irão receber, por e-mail, alertas com as indicações dos editais, segmentados por região e ramos de atividades de interesse da cooperativa e com base nos produtos e serviços que ela oferece. Também é possível acompanhar as oportunidades através de área específica do portal para cooperativas cadastradas.

 

Como as cooperativas podem saber que tipo de produto ou serviço devem cadastrar no portal?

O governo é o maior comprador do país e isso dificilmente mudará nos próximos anos. Anualmente, são comprados produtos e contratados serviços dos mais diversos tipos e setores, para atender órgãos do governo e políticas públicas as mais diversas possíveis. Dessa forma, todas as cooperativas que produzem desde os itens da cesta básica, até carnes in natura (aves, peixes, suínos e bovinos), alimentos industrializados, frutas e grãos podem se cadastrar.

Também encontram muitas oportunidades cooperativas que prestadores de serviços. Aliás, em muitas cidades brasileiras, elas são responsáveis por prestarem serviços nas áreas de tecnologia da informação, médica, odontológica, infraestrutura, financeira, limpeza e conservação, dentre outros. Essas mesmas áreas também constituem a lista de serviços demandados pelo governo e, portanto, podem ser cadastrados no portal.

 

Quais as condições para se cadastrar?

Todas as cooperativas ativas e regulares no Sistema OCB podem se cadastrar no serviço que lançamos nesta semana e que é fruto do trabalho das gerências de Relações Institucionais e Técnica e Econômica. O benefício é gratuito e disponível para todos os ramos, basta acessar o portal realizar o cadastro.

 

E para ser contratado pelo governo, o que deve ser levado em conta?

É fundamental que as cooperativas interessadas em comercializar com o governo estejam atentas aos dispositivos de cada edital. Vale analisar o volume de produtos requeridos, o tempo de entrega, a viabilidade de produção e a lista de documentos exigidos. Alguns editais requerem certidões específicas e, por isso, o Sistema OCB teve o cuidado de preparar um passo a passo explicando tudo que a cooperativa vai precisar saber antes de se inscrever no processo de compra. Também serão disponibilizadas em breve cartilhas sobre modalidades e programas específicos de compras públicas, como é o caso dos programas de compras da agricultura familiar.

E, se ainda tiver alguma dúvida, o representante da cooperativa pode entrar em contato com a OCB para obter mais informações sobre como participar de cada processo. Assim, esperamos ajudar o setor crescer e a gerar mais renda para milhares de brasileiros. (Informe OCB)

 

COOPAVEL: Trabalhos já foram iniciados de olho no Show Rural 2019

 

coopavel 06 11 2018Os trabalhos de preparação da 31ª edição do Show Rural Coopavel já começaram na área que todos os anos recebe uma das maiores mostras de disseminação de novos conhecimentos para o campo do mundo. A cada dia é maior o número de pessoas que frequentam o parque para vencer etapas de um organograma cuidadosamente elaborado para que tudo esteja em ordem no período de 4 a 8 de fevereiro de 2019.

 

Novos investimentos - A Coopavel, que organiza o evento, faz novos investimentos na área para recepcionar ainda melhor os mais de 250 mil visitantes aguardados. As principais benfeitorias nessa etapa são a conclusão de preparação de uma nova área integrada ao estacionamento, construção de um novo portal de acesso, melhorias em ruas e estruturas de banheiros, ajardinamento e ampliação dos currais no ambiente destinado à mostra pecuária. 

 

Dentro do esperado - O coordenador-geral do Show Rural Coopavel, Rogério Rizzardi, informa que os trabalhos estão dentro do esperado e que em breve será possível visualizar as mudanças feitas para receber visitantes do Brasil e exterior. Com a nova área, o estacionamento terá a sua capacidade aumentada de 12 mil para 14 mil veículos. O novo portal de acesso ao estacionamento ajudará a organizar e a facilitar a entrada na área e, por sua vez, a melhoria nas ruas facilitará o deslocamento por diversos pontos do ambiente de 720 mil metros quadrados destinados à mostra.

 

Currais - A pecuária ganha importância nas recentes edições do Show Rural Coopavel. Seis pavilhões foram construídos para receber o melhor da genética de raças corte e leite. Novos currais vão ampliar ainda mais o número de animais inscritos, informa o coordenador da mostra animal, o veterinário Fábio Taborda. A estrutura vai abrigar palestras técnicas, demonstrações, lançamentos de equipamentos e comercialização.

 

Colorido especial - Os jardins que dão colorido especial ao Show Rural Coopavel também começam a ganhar forma, diz o coordenador-executivo Acir Inácio Palaoro. Cerca de 300 mil mudas de várias espécies foram preparadas para ocupar os canteiros espalhados pela área. Acir lembra que há poucos dias foi realizada reunião com representantes de montadoras de estandes de todo o Brasil. Elas foram informadas sobre regras, como horários de funcionamento do parque e do zelo que se espera para preparar as melhorias já realizadas. O início das montagens poderá ocorrer a partir de 1º de janeiro.

 

Expectativa - O diretor-presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, está particularmente otimista com a 31ª edição do evento. “O Brasil passa por um momento especial e o setor produtivo deverá ser valorizado e fortalecido, com avanços principalmente para o agronegócio”. E os reflexos disso serão, certamente, sentidos no Show Rural Coopavel, diz Dilvo, que reforça convite a todos que puderem vir a Cascavel no período de 4 a 8 de fevereiro de 2019. (Imprensa Coopavel)

 

SICOOB INTEGRADO: Alimentação na prevenção do câncer é tema de palestra para colaboradoras

Para marcar o Outubro Rosa, o Sicoob Integrado realizou durante todo o mês palestras de conscientização sobre a prevenção ao câncer de mama para as colaboradoras da Unidade Administrativa e dos pontos de atendimento da cooperativa.

Alimentação saudável - O principal assunto discutido foi como a alimentação saudável pode ajudar a prevenir o câncer, principalmente o de mama. Em parceria com a Secretaria de Saúde dos municípios, nutricionistas estiveram em Pato Branco, Chopinzinho e Pinhão orientando as colaboradoras sobre quais alimentos são aliados no combate à doença.

Informações - "A palestra nos trouxe muitas informações, que podem ser aplicadas, principalmente, no nosso dia a dia e conseguimos também esclarecer várias dúvidas. Além disso, acho muito importante a cooperativa dedicar um tempo para os colaboradores, em especial, nós, mulheres”, afirma a colaboradora Marianne Bertol.

Seguros - Na ocasião, as participantes também puderam conhecer o Seguro de Vida Mulher, da Sancor Seguros, que além da cobertura básica, oferece também tranquilidade e assistência em caso de diagnóstico de câncer de mama, ovário ou útero. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2018/noticias/11/06/sicoob_integrado/{/vsig}

SISTEMA FAEP: Concurso Agrinho 2018 premia alunos e professores

 

Cerca de 1,5 mil pessoas entre alunos, professores, pais e lideranças rurais de todas as regiões do Estado, participaram nesta segunda-feira (05/11) da premiação do Concurso Agrinho 2018.

 

Vencedores - Durante a festa, realizada no ExpoTrade Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, foram revelados os 318 alunos vencedores do concurso nas categorias desenho e redação e as seis professoras premiadas na categoria experiência pedagógica. As docentes recebem como prêmio um carro zero quilômetro, enquanto os estudantes levam para casa tabletes e laptops.

 

Escolas - Realizado há 23 anos, o Agrinho é desenvolvido nas escolas ao longo do ano, período no qual os professores irão utilizar os materiais didáticos do programa para trabalhar temas transversais em sala de aula, como ética, cidadania, saúde e meio ambiente. Este ano, a iniciativa mobilizou 800 mil estudantes e 50 mil docentes em todo Paraná.

 

Formação - Segundo o presidente do Sistema Faep/Senar-PR, Ágide Meneguette, ao longo deste tempo o programa tem contribuído para a formação de gerações de cidadãos mais críticos e conscientes. “Peço licença ao governador eleito e à governadora aqui presentes para homenagear as grandes autoridades nesta festa que são os professores que veem formando as nossas crianças”, destacou.  “O Agrinho, não canso de repetir, é o programa que olho com mais carinho no Senar-PR. Porque é dedicado aos jovens e porque leva a eles lições importantes de cidadania e sustentabilidade. Ajuda a prepará-los para uma vida correta e de respeito”, disse.

 

Atrações - Como é tradição nestes eventos, a cerimônia de premiação deste ano contou com diversas atrações para entreter e encantar os visitantes – em sua maioria crianças -, como oficina de produção de cupcakes (bolinhos) corrida de mini drones, cascata digital e várias outras que mostram que a atividade rural está afinada com as inovações tecnológicas.

 

Meio ambiente - O evento começou com uma apresentação circense que tratou da importância da preservação do meio ambiente. Malabaristas, equilibristas e outros artistas prenderam a atenção da plateia com um espetáculo de habilidade e equilíbrio. O encerramento ficou por conta da cantora Raissa Fayet e do grupo Felchak.

 

Reflexão - Discursando na cerimônia de premiação governadora Cida Borghetti destacou o papel do Agrinho em promover a reflexão sobre sustentabilidade e produção de alimentos. “Esse programa fez com que pensássemos sobre a preservação, nossas cidades devem ser sustentáveis. Parabéns por essa demonstração de carinho e amor pelo nosso Estado, em especial às nossas crianças e mestres”, parabenizou.

 

Patrimônio - O governador eleito, Carlos Ratinho Massa, também participou da abertura do evento. Segundo ele, ao longo desses 23 anos de história o Agrinho já esse tornou patrimônio do Estado. “O Paraná é o maior produtor por metro quadrado do planeta, é a grande fazenda do mundo. O que o Agrinho vem fazendo é o despertar das nossas crianças para uma agricultura responsável e inovadora”, disse.

 

Produtor- Representando as entidades parceiras do programa, Eduardo Pellegrina da empresa Rumo Logística, lembrou em seu discurso da importância do produtor rural na sociedade. “Na correria do dia a dia acabamos esquecendo da agricultura. É preciso lembrar que dependemos dela pra viver, para o desenvolvimento regional e do Estado” pontuou.

 

Presenças – Também participaram da solenidade os secretários de Estado da Agricultura, George Hiraiwa; e da Saúde, Antônio Carlos Nardi; os presidentes da Sanepar, Ricardo Soavinski; do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Orlando Pessuti; da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Inácio Kroetz; da Fetranspar, coronel Sérgio Malucelli; e da Fecomércio, Darci Piana; o superintendente da Fecoopar, Nelson Costa, os deputados federais Ricardo Barros, Sérgio Souza, Alex Canziani e Leandre Dal Ponte e os deputados estaduais Luiz Claudio Romanelli e Guto Silva. O evento doi ainda prestigiado pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

 

Agrinho - O Programa Agrinho é a maior iniciativa de responsabilidade social do Sistema Faep/Senar-PR, que já foi inclusive replicado em outros estados e até outros países de língua portuguesa. Todos os anos a iniciativa mobiliza cerca de 1,5 milhão de alunos e 80 mil professores em todo Paraná. Ao longo do ano, os docentes utilizam os materiais didáticos do Agrinho para levar para as salas de aula temas transversais como cidadania, ética, segurança pessoal e meio ambiente.

 

Categorias - O Concurso Agrinho premia as melhores experiências pedagógicas desenvolvidas pelos professores ao longo do ano e também os alunos. Também existem as categorias Escola Agrinho, Município Agrinho e Núcleo Agrinho, que são premiados anualmente.

 

Apoio - O projeto conta com o apoio institucional da Copel, Governo Federal, Caixa Econômica Federal, Sanepar, BRDE, Viapar, Rumo Logística, Governo do Paraná, Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Tribunal de Justiça do Paraná, Ministério do Trabalho e Emprego, Receita Federal, Ministério Público do Trabalho, Tribunal Regional do Trabalho, Banco do Brasil, Itaipu Binacional, Dow AgroSciences, além de prefeituras de diversos municípios. (Com informações do Sistema Faep e da Agência de Notícias do Paraná)

 

{vsig}2018/noticias/11/06/sistema_faep/{/vsig}

UFPR: Estudantes participam do 1º AgroHackathon no Setor de Ciências Agrárias

 

ufpr 06 11 2018Cerca de 70 estudantes de graduação das áreas de Ciências Agrárias e Tecnológica participam nesse final de semana do 1º AgroHackathon. O evento é uma competição que visa oferecer soluções para problemas reais do Agronegócio. Estarão presentes estudantes de duas instituições: Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Eles terão que desenvolver soluções em torno da problemática Gestão da Propriedade Rural. As atividades serão no prédio didático do Setor de Ciências Agrárias da UFPR (Rua dos Funcionários, 1540, Cabral, Curitiba).

 

Imersão - A competição funciona em sistema de imersão: os estudantes ficarão no campus por quase 36 horas, das 7h30 de sábado, dia 10, até as 19 horas de domingo, dia 11 de novembro. Vão dormir e comer no campus.  Divididos em equipes, eles irão propor soluções tecnológicas, que possam ser aplicadas na prática da gestão rural. Fica a critério das equipes alimentação e descanso. Durante o desenvolvimento serão estabelecidas duas pausas para apresentação parcial do projeto, sendo cinco minutos por equipe.

 

Promoção - A promoção é do Centro de Economia Aplicada, Cooperação Inovação no Agronegócio (CEA-UFPR), Departamento Acadêmico de Eletrotécnica- UTFPR, Centro Acadêmico em Agronomia Lycio Vellozo – UFPR, Diretório Acadêmico de Automação & Controle e Engenharia Elétrica – UTFPR. O evento tem a colaboração do Sistema Ocepar, Faep, Sebrae e Positivo Tecnologia. (Assessoria de Imprensa UFPR)

 

LEGISLATIVO I: CADADR aprova a subvenção em crédito rural por banco privado e cooperativas

 

legislativo I 06 11 2018A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados (CADAPR) aprovou, na quarta-feira (31/10), proposta que permite a bancos privados conceder subvenções econômicas nas operações de crédito rural na modalidade de equalização de taxas de juros. Pela proposta, as cooperativas de crédito também poderão conceder o benefício.

 

Substitutivo - O texto aprovado é um substitutivo do deputado Sérgio Souza (MDB-PR) ao o Projeto de Lei 7740/17, do deputado Covatti Filho (PP-RS). O texto original permitia que apenas as cooperativas de crédito rural e não todas cooperativas de crédito pudessem conceder as subvenções econômicas.

 

Bancos oficiais e cooperativos - Atualmente, a lei que trata de subvenção econômica nas operações de crédito rural (Lei 8.427/92) permite a operação apenas por bancos oficiais e cooperativos.

 

Diferença - Por meio da equalização, o governo cobre a diferença entre a taxa de juros praticada no mercado financeiro e a taxa efetivamente paga pelo produtor. O mecanismo objetiva tornar o crédito rural mais barato para o setor agropecuário.

 

Leilões eletrônicos - O substitutivo também estabelece que os recursos da equalização de juros deverão ser distribuídos por leilões eletrônicos, para “reduzir os custos ao Tesouro Nacional e conferir mais transparência ao processo”, segundo Souza.

 

Tramitação - A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação e de Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. (Agência Câmara)

 

LEGISLATIVO II: Agricultura aprova política de incentivo a microdestilaria e cooperativa de produtores de etanol

 

legislativo II 06 11 2018A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados aprovou, na última quarta-feira (31/10), o Projeto de Lei 9625/18, do deputado Padre João (PT-MG), que institui política de incentivo à produção de etanol em microdestilarias e em cooperativas de pequenos produtores de etanol.

 

Capacidade de produção - Microdestilaria é aquela com capacidade de produção de até 10 mil litros de etanol combustível por dia, segundo a proposta. As microdestilarias poderão ser integradas a uma cooperativa de pequenos produtores que centralizará a produção em uma destilaria central para adequar o teor do etanol.

 

Inovações - Para o relator, deputado Josué Bengtson (PTB-PA), a proposta tem inovações capazes de beneficiar não apenas os produtores rurais, mas também os consumidores. “A diminuição de um elo da cadeia de abastecimento irá ampliar a concorrência no mercado e a eficiência econômica, com impactos positivos sobre os preços ao consumidor final”, disse.

 

Venda - Tanto as microdestilarias como as cooperativas poderão vender o etanol para o consumidor final ou para postos revendedores. O funcionamento das entidades depende de autorização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que também fará fiscalização da produção, transporte até a comercialização do etanol.

 

Instrumentos - Entre os instrumentos da política de incentivo às microdestilarias está o crédito rural e industrial, a pesquisa agropecuária e a extensão rural e assistência técnica.

 

Poder público - O poder público deverá, por exemplo, estimular parceria entre centros de pesquisa e extensão rural com produtores, além de criar linhas de crédito e mecanismos para comercializar produtos derivados da cana.

 

Sem tributação - O texto retira a incidência ou zera tributos de etanol produzido por essas entidades para tornar o preço do combustível mais competitivo.

 

Cide - Pela proposta, não há incidência Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico que incide sobre a comercialização de combustíveis (Cide-combustíveis). A Cide-combustíveis, prevista na Lei 10.336/01, incide sobre a importação e a comercialização, no mercado interno, de combustíveis. Os seus contribuintes são as refinarias e os importadores de gasolina, óleo diesel, querosene, óleos combustíveis, GLP e etanol.

 

PIS/Cofins - A proposta também zera as alíquotas de PIS/Cofins incidente sobre a comercialização de etanol produzido pelas microdestilarias ou cooperativas de pequenos produtores rurais.

 

Novos critérios - O texto estabelece novos critérios para redução de alíquotas de PIS/Cofins para etanol. A diminuição será diferenciada em razão da matéria-prima utilizada na produção; das características do produtor-vendedor; da região de produção da matéria-prima; ou da combinação desses fatores.

 

Tramitação - A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Minas e Energia; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. (Agência Câmara)

 

COMBUSTÍVEL: Petrobras reduz preço da gasolina nas refinarias ao menor nível em 6 meses

 

combustivel 06 11 2018A Petrobras reduzirá o preço médio da gasolina nas refinarias em 6,35% a partir desta terça-feira (06/11). É o maior corte já feito pela estatal desde o anúncio de uma política de reajustes até diários do combustível, em vigor desde julho do ano passado.

 

Valor médio - Com a alteração, o valor médio do combustível cairá para R$ 1,7293 por litro, o menor valor desde o R$ 1,7199 visto em 20 de abril, conforme informações do site da petroleira compiladas pela Reuters.

 

Movimento - O movimento ocorre após a empresa já ter realizado um amplo corte em 31 de outubro, de 6,2%, o maior que havia acontecido até então. O corte se dá em meio a uma valorização do real ante o dólar e também a um enfraquecimento das referências internacionais do petróleo, parâmetros utilizados pela companhia para a formação de preços dos combustíveis.

 

Diesel - O preço médio do diesel, por sua vez, segue congelado devido ao programa de subsídios lançado pelo governo em junho, em resposta à histórica paralisação de caminhoneiros contra o alto preço do combustível.

 

Limite máximo - Devido ao programa, a petroleira deve praticar o preço do diesel dentro de limite máximo estabelecido pelo governo, contando com ressarcimento de até R$ 0,30 por litro. O limite máximo é ajustado a cada mês.

 

Gás de cozinha - Mais cedo, também nesta segunda (05/11), a Petrobras anunciou, um reajuste no preço do gás de cozinha comercializado em botijões de 13 quilos, usados em residências. O novo preço de R$ 25,07 representa um aumento de 8,5% em relação ao valor vigente desde julho.

 

Média nacional - Trata-se de uma média nacional, sem tributos, nas refinarias da companhia — ou seja, o aumento poderá ou não ser repassado ao consumidor pelas distribuidoras. (Reuters / Folha de S.Paulo)

 

INFRAESTRUTURA: Leilões terão continuidade no governo Bolsonaro, diz Moreira Franco

 

infraestrutura 06 11 2018O ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, disse que o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) lançará editais para leilões, como o da Ferrovia Norte-Sul, projetada para ser a espinha dorsal do transporte de cargas no país, ainda este ano. Devido ao prazo mínimo de 100 dias entre o lançamento do edital e o leilão, o projeto terá continuidade no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

 

Sonho de integração - “A Ferrovia Norte-Sul é o sonho de integração do Brasil, que foi iniciado ainda na época de Dom Pedro II. O presidente [José] Sarney, no século passado, retomou este projeto, que foi iniciado e ficou parado como um dos símbolos de obras paralisadas no país”, lembrou Moreira Franco.

 

Continuidade - Segundo o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro, a equipe de transição de Bolsonaro sinalizou que dará continuidade aos projetos do PPI. Estão previstos ainda leilões de 12 aeroportos, de quatro terminais portuários e lotes na área de óleo e gás. No total, 17 editais devem ser publicados este ano, com previsão de leilão para os primeiros dias do governo Bolsonaro. Até o final de 2018, estão marcados leilões de 18 linhas de transmissão, de um terminal portuário e da Loteria Instantânea Exclusiva (Lotex).

 

Rodovia - No leilão do dia 1º de novembro, o Grupo CCR arrematou a concessão, por 30 anos, da Rodovia de Integração do Sul, no Rio Grande do Sul. A empresa ofereceu o menor valor de pedágio, de R$ 4,30 (deságio de 40,53%). O teto para o leilão tinha valor de R$ 7,24. “Eu avalio como extremamente positivo, houve uma competição grande. É a concorrência que faz com que os preços fiquem sempre mais baixos”, disse Moreira Franco.

 

Cobrança - José Braz Cioffi, representante da CCR, disse que o novo valor de pedágio da Rodovia de Integração do Sul passa a ser cobrado no primeiro trimestre do próximo ano. Os reajustes acompanharão a inflação, além de revisões de preço previstas em itens contratuais.

 

Leilões - O governo Michel Temer soma 105 leilões realizados, sendo que o de hoje foi o primeiro na área de rodovias. No primeiro semestre do ano que vem devem ser lançados os editais das rodovias BR-364 e BR-365, que compreendem 437 quilômetros entre Minas Gerais e Goiás. (Agência Brasil)

 

Foto: Ministério dos Transportes

 

FONTES ALTERNATIVAS: Produção de energia eólica no país atinge marca de 14 gigawatts

 

fontes alternativas 06 11 2018A produção de energia eólica no Brasil atingiu a marca de 14 gigawatts (GW) de capacidade instalada. Os dados referentes à medição de setembro foram divulgados nesta segunda-feira (05/11) pela Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica) e mostram que o total da produção dessa matriz energética é equivalente a mesma capacidade instalada de Itaipu, a maior usina hidrelétrica do Brasil.

 

Capacidade instalada - No total, são 14,34 GW de capacidade instalada em 568 parques eólicos e mais de 7.000 aerogeradores em 12 estados. Os estados da Região Nordeste agregam a maior parte da produção. O Rio Grande do Norte aparece em primeiro lugar com 146 parques e 3.949,3 megawatts (MW) de potência. Em seguida vem a Bahia, com 133 parques e potência de 3.525 MW; o Ceará vem em terceiro lugar, com 2.049,9 MW de potência e 80 parques instalados.

 

Crescimento - "A fonte eólica tem mostrado um crescimento consistente, passando de menos de 1 GW em 2011 para os 14 GW de agora, completamente conectados à rede de transmissão. Em média, a energia gerada por estas eólicas equivale atualmente ao consumo residencial médio de cerca de 26 milhões de habitações [80 milhões de pessoas]", informou a associação.

 

SIN - De acordo com a Abeeólica, a energia produzida com ventos está chegando a atender quase 14% do Sistema Interligado Nacional (SIN). No caso específico do Nordeste, os recordes de atendimentos a carga ultrapassam 70% da energia produzida na região.

 

Recorde - "O dado mais recente de recorde da região é do dia 13 de setembro, uma quinta-feira, quando 74,12% da demanda foi atendida pela energia eólica, com geração média diária de 7.839,65 MWmed [megawatts médio] e fator de capacidade de 76,58%. Nesta data, houve uma máxima às 8h, com 82,34% de atendimento da demanda e 85,98% de fator de capacidade. Vale mencionar também que, nesse mesmo dia, o Nordeste foi exportador de energia durante todo dia, uma realidade totalmente oposta ao histórico do submercado que é por natureza importador de energia", disse a Abeeólica. (Agência Brasil)

 

ECONOMIA: Bolsonaro estuda três propostas de reforma tributária

 

economia 06 11 2018A equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) tem na mesa três pacotes tributários que poderão ser adotados no próximo governo. De acordo com fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, os pacotes se dividem em: substituição de impostos federais por um imposto sobre movimentação financeira, criação de um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) e simplificação tributária.

 

Decisão - A intenção é aprofundar as discussões nas próximas semanas e caberá aos futuros ministros da Economia, Paulo Guedes, da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e ao próprio Bolsonaro decidir qual dos pacotes será adotado.

 

Substituição - Depois de declarações de Guedes sobre a criação de um tributo nos moldes da CPMF ter gerado polêmicas durante a campanha, a equipe que o assessora faz questão de frisar que não está em discussão a criação de uma nova contribuição. A ideia de um dos pacotes é substituir de cinco a 11 impostos e contribuições federais por uma alíquota única sobre movimentação financeira – o número de tributos eliminados dependeria da alíquota. Um dos defensores desta proposta é o presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Marcos Cintra, apontado como um dos conselheiros de Guedes.

 

Eliminação de impostos - Neste caso, poderiam ser eliminados impostos que incidem sobre o consumo e a produção, como IPI e PIS/Cofins. Seria mantida a tributação sobre a renda, como o Imposto de Renda e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). “Não é uma nova CPMF porque não tem aumento de carga tributária, seria substituição do que já existe hoje”, disse uma fonte da equipe de Bolsonaro.

 

Propostas - No “pacote IVA”, são consideradas pelo menos três propostas: a apresentada pelo economista Bernard Appy aos principais candidatos à presidência durante a campanha e o projeto apresentado pelo deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), em tramitação no Congresso.

 

Ipea - Outra proposta considerada é a do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Ernesto Lozardo. Elaborada em conjunto com outros quatro pesquisadores do órgão - entre eles Adolfo Sachsida e Alexandre Ywata, que vão integrar o grupo de transição – prevê a criação de um IVA com adesão opcional para os Estados. Chamado de IVA “dual”, a possibilidade de os Estados manterem sua autonomia de cobrança é vista como uma forma de reduzir as resistências ao tributo agregado.

 

Estudos - O terceiro pacote em análise foi montado com base em estudos feitos pelo ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel e juristas e prevê a simplificação de processos e redução de obrigações acessórias. 

 

Integração - Maciel disse que não foi procurado oficialmente pela equipe de Bolsonaro. Suas propostas incluem a integração entre os processos administrativos e judiciais para reduzir o prazo de litigância na área tributária, acabar com a necessidade de apresentação de uma certidão negativa para a contratação de empresas pelo setor público, a criação de um cadastro único com informações de contribuintes compartilhadas entre municípios, Estados e União, a eliminação de exigências para abrir e fechar empresas com foco na redução de prazos e a compensação universal de créditos tributários, que poderiam ser utilizados para quitar qualquer tributo federal.

 

Tributo sobre movimentação financeira - A proposta defendida por Marcos Cintra, presidente da Finep, está em discussão substituir de quatro a 11 tributos federais por uma alíquota única sobre movimentações financeiras. Ideia é similar à antiga CPMF, mas equipe refuta comparação dizendo que não haverá aumento de carga tributária, apenas substituição de tributos.

 

Criação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) - Proposta defendida por Ernesto Lozardo, presidente do Ipea. Pelo menos três propostas são consideradas, que têm em comum a substituição de impostos e contribuições federais por um imposto unificado a ser cobrado na venda de produtos ao consumidor. Em uma das propostas, a adesão dos Estados é voluntária.

 

Simplificação tributária - De menor impacto, mas de mais fácil implementação, a proposta de Everardo Maciel, ex-secretário da Receita, prevê integração entre processos administrativos e judiciais, fim da exigência de certidão negativa para a contratação de empresas pelo setor público, eliminação de exigências para abrir e fechar empresas e compensação universal de créditos tributários. (O Estado de S.Paulo)

 

SAÚDE: Paraná encerra o ciclo de oferta da vacina contra dengue

 

saude 06 11 2018A Secretaria de Estado da Saúde vai oferecer entre esta quarta-feira (07/11) e 7 de dezembro a terceira dose da vacina contra a dengue para encerrar o ciclo de imunização contra a doença no Paraná. Somente as pessoas que já tomaram as duas primeiras doses da vacina poderão ser imunizadas.

 

Municípios - Nesta etapa, somente nove municípios dos 30 selecionados para a campanha vão oferecer a vacina contra a dengue. São cidades que ainda precisam ampliar a cobertura vacinal para garantir imunidade da população-alvo e também são os municípios que fazem parte da pesquisa de efetividade da vacina, promovida em parceria com o Instituto Sabin, dos Estados Unidos, Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e Ministério da Saúde.

 

Estratégia - “A introdução da vacina da dengue no Paraná foi uma estratégia a mais de combate à doença no Estado. Com esta etapa, encerramos o ciclo de oferta das três doses necessárias para garantir a imunidade dos vacinados e ressaltamos que a população precisa manter os cuidados para evitar a proliferação do mosquito transmissor”, diz o secretário estadual da Saúde, Antônio Carlos Nardi.

 

Início - O Paraná iniciou a oferta da vacina em agosto de 2016, no ano em que o Estado enfrentou sua pior epidemia, com o registro de mais de 56 mil casos e 63 mortes por dengue.

 

Jovens - A cada seis meses, a Secretaria de Estado da Saúde deu a oportunidade de que jovens entre 15 e 27 anos de 28 cidades recebessem uma das três doses necessárias para garantir a imunidade contra a doença. Em Assai e Paranaguá, o púbico-alvo era de 9 a 44 anos. A estratégia atingiu mais de 300 mil pessoas que vivem nas cidades com grande magnitude de casos e epidemias repetitivas.

 

Cobertura - Dos 30 municípios elencados para receber as doses, 24 vacinaram mais de 50% de seu público-alvo com as três doses, sendo que 10 cidades atingiram mais do que 80% de cobertura.

 

Total- No total, o Paraná imunizou 144.545 pessoas com as três doses da vacina contra a dengue, em torno de 46% dos 308.918 paranaenses que iniciaram seu esquema vacinal. “Nesta etapa final de vacinação queremos ampliar a cobertura principalmente nas maiores cidades e diminuir o risco de novos surtos da doença no Paraná, queremos proteger nossas população”, afirmou Nardi.

 

Selecionadas - As cidades que receberão a vacina nesta etapa serão Paranaguá, Foz do Iguaçu, Mandaguari, Maringá, Munhoz de Mello, Sarandi, Cambé, Londrina e São Sebastião da Amoreira. Cada cidade deve definir a estratégia para vacinar sua população alvo com a terceira dose. “Orientamos as equipes municipais a montar sua estratégia de vacinação e divulgar onde será possível receber a terceira dose da vacina, inclusive com a oferta em escolas e empresas”, diz a superintendente de Vigilância em Saúde, Júlia Cordellini.

 

Dia D - O Dia D de vacinação está agendado para o dia 24 de novembro (sábado). (Agência de Notícias do Paraná)

 

NOVEMBRO AZUL: Começam as ações da campanha sobre a saúde do homem

 

novembro azul 06 11 2018Começaram as ações da mobilização da campanha Novembro Azul, voltada para reforçar a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata e incentivar os homens a cuidarem da própria saúde. Em apoio à campanha, a Secretaria de Estado da Saúde desenvolveu materiais gráficos sobre o assunto, disponíveis para download no site da secretaria.

 

Estimativa - De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros. Até o final do ano, a estimativa é que mais de 68 mil casos da doença sejam diagnosticados no Brasil. Apenas no Paraná, dados preliminares mostram 990 mortes causadas por câncer de próstata em 2018.

 

Diagnóstico - O secretário de Estado da Saúde, Antônio Carlos Nardi, ressalta que quanto mais precocemente a doença for diagnosticada, maiores as chances de cura. Ele lembra, ainda, que os exames preventivos estão disponíveis o ano todo na rede pública de saúde. “Nós homens não somos super-homens. Devemos cuidar nos cuidar, frequentando as unidades de saúde com regularidade, solicitando exames preventivos, mantendo as vacinas em dia. O homem que ama sua família cuida de si”, afirma Nardi.

 

Como um todo - Mas não é apenas a prevenção do câncer de próstata que merece atenção da população masculina. A responsável pela Divisão de Saúde do Homem da Secretaria de Estado da Saúde, Carolina Poliquesi, lembra que os homens precisam cuidar da saúde como um todo, adotando hábitos saudáveis, como alimentação equilibrada, prática de atividades físicas e lazer. “O homem não é só próstata. Cuidar da saúde não é apenas se prevenir em relação ao câncer e outras doenças. É também buscar qualidade de vida, para si e para sua família”, diz Carolina.

 

Materiais - Na página da Secretaria de Estado da Saúde http://www.saude.pr.gov.br é possível encontrar modelos de diversos materiais informativos sobre o Novembro Azul, incluindo folder, banner e cartaz. A ideia é que municípios, instituições e grupos interessados baixem os materiais e os utilizem nas mobilizações durante todo o mês. “Quanto mais pessoas se unirem em apoio ao Novembro Azul, maior será o alcance da campanha. Precisamos incentivar os homens paranaenses a pensarem mais na própria saúde e se cuidarem mais”, finaliza Carolina. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE