Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4377 | 24 de Julho de 2018

EVENTO: Seminário vai discutir Direito Cooperativo, em Curitiba

Temas relevantes ligados ao Direito Cooperativo estarão em debate, no dia 14 de agosto, em Curitiba. O evento é uma promoção da Comissão de Direito Cooperativo da OAB-PR e conta com o apoio do Sistema Ocepar. A sessão de abertura terá a presença do presidente da OAB-PR, José Augusto Araújo de Noronha, do presidente da Comissão de Direito Cooperativo, Paulo Sérgio Nied, e da coordenadora da Escola Superior de Advocacia da OAB-PR, Graciela Marins.

Painéis – A programação será dividido em três painéis, que vão discutir os seguintes temas: “Ato e atividade cooperativa: conceito, natureza e tratamento geral”, “Desligamento do associado ou cooperado” e “O adequado tratamento tributário do ato cooperativo”. Os debates terão participação de profissionais dos Sistemas Ocepar e Ocergs, cooperativas e professores de instituições de ensino superior. Ao final, será realizado o lançamento do livro “Sociedades Cooperativas”, coordenado pelo professor Alfredo de Assis Gonçalves.

 

evento 24 07 2018

 

CONAB: Vídeo traz orientações sobre como realizar o cadastro no Sican

conab 24 07 2018Foi disponibilizado, no dia 20 de julho, um vídeo orientativo sobre o Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e Demais Agentes (Sican). Produzida pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação é voltada não só para os agricultores, como também aos demais públicos que acessam os programas e políticas públicas de apoio ao setor agrícola executados pela Companhia.

Obrigatório - O registro no Sican é obrigatório para quase todas as operações realizadas com a Conab, como as participações em leilões e na Política de Garantia de Preços Mínimos para Produtos da Sociobiodiversidade. A medida tem como finalidade agilizar os processos de comprovação dos dados dos participantes dos programas, trazendo mais agilidade e transparência à execução das operações e ampliando a segurança na aplicação dos recursos públicos.

Procedimento - Para quem deseja realizar diretamente o cadastro, é bastante simples. Basta entrar na página do Sican na internet e informar dados básicos, como endereço, telefone, e-mail, entre outros. Também é preciso preencher informações específicas da atividade, como tamanho da propriedade e/ou tamanho do plantel. O cadastro e sua atualização periódica deverão ser feitos pelo próprio interessado.

Cooperativas e associações - Cooperativas e associações poderão realizar o cadastro dos seus cooperados ou associados mediante assinatura, pelo produtor/criador, da “Autorização de cadastro no Sican” emitida pelo sistema. Nesse caso, a responsabilidade pela atualização das informações é da cooperativa ou associação. (Conab)

 

AVESUI 2018: Faltam poucos dias para o evento e a entrega do Prêmio Quem é Quem

avesui 24 07 2018Faltam menos de 10 dias para abertura das portas do maior evento da América Latina de aves, suínos e peixes. A AveSui 2018 acontece nos dias 1, 2 e 3 de agosto e reúne em torno de 150 empresas no Lar Centro de Eventos, em Medianeira, no Paraná. A iniciativa deve reunir em um só lugar empresários, produtores e profissionais do Brasil e do exterior. A abertura do evento é marcada pelo Prêmio Quem é Quem – Maiores e Melhores Cooperativas e deverá contar com a presença dos presidentes, diretores, gerentes e técnicos dessas indústrias.

Local diferente- A edição do evento deste ano acontece em local diferente. Na região Oeste do Paraná, onde está Medianeira, estão presentes algumas das maiores cooperativas brasileiras voltadas à produção de aves, suínos e peixes. Consolidado como maior produtor de carnes do País com 21% da produção total brasileira, o Paraná abateu diariamente 6 milhões de frango, 30 mil suínos e 50 mil toneladas de peixes durante o ano de 2016. Somente a região Oeste concentra 45% da suinocultura do Paraná, mais de 31% da produção avícola do estado e tem batido recordes de produção de peixe.

Números - Todos esses números chamam a atenção. Nas últimas semanas, diversas empresas dos mais diversos portes confirmaram presença na feira. É o caso de indústrias como Vaccinar, Yes, Boehringer Ingelheim, Alltech, Cargill, Buhller, Friella e diversas outras de diferentes segmentos dentro das cadeias de aves, suínos e peixes.

Oportunidades - Pioneira na realização de parcerias, joint ventures e novos negócios, a feira oferece aos seus visitantes – que terão entrada gratuita – oportunidades de contato direto com estas e novas empresas, tecnologias e soluções para produção do mundo todo. No moderno centro de eventos da Lar, o expositor terá acesso a estrutura da área interna e externa para exposição, além da nova Granja Modelo de Aves e Suínos na área externa.

Peixes - Nesta edição, além do setor de aves e suínos, a AveSui 2018 agrega o setor produtivo de peixes, e com ele todos os elos que envolvem esse mercado, desde nutrição até processamento.

Programação técnico-científica - Neste ano, a AveSui oferece mais uma vez o Auditório de Inovações do expositor, com palestras gratuitas aos visitantes para que conheçam as tendências e lançamentos do setor produtivo mundial. O auditório busca promover a interação entre público e expositores trazendo novidades e inovações nacionais e internacionais.

Zootecnia de Precisão - Antecipando sempre os principais avanços técnicos e de mercado em nível mundial, a AveSui foi precursora do Congresso de Zootecnia de Precisão, que neste ano está em sua terceira edição. O congresso acontece no dia 1 de agosto e irá discutir amplamente o uso de tecnologias na produção de aves, bovinos, suínos e peixes e irá reunir renomados palestrantes nacionais e internacionais, gerando um grande interesse de empresas, entidades do setor e estudantes. (Assessoria de Imprensa do evento)

 

SICOOB METROPOLITANO: Diretores e gestores da OCB visitam a cooperativa

 

sicoob metropolitano 24 07 2018No dia 9 de julho, o Sicoob Metropolitano recebeu a visita da Diretoria Executiva e de gestores das áreas finalísticas da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Na ocasião, foram tratados assuntos relacionados ao clima organizacional e à pesquisa Great Place to Work (GPTW), ações para saúde e segurança no trabalho, Dia C e os projetos sociais desenvolvidos pela cooperativa que são ligados ao Sistema Ocepar.

 

Interação - Segundo a superintende do Sicoob Metropolitano, Luciana Pizaia, é sempre bom poder interagir com outras organizações integrantes do grande e forte sistema cooperativo brasileiro. “É um momento ímpar para mostrar a nossa cultura e disseminar as boas práticas do cooperativismo. Nestes momentos, além de compartilhar experiências, sempre temos oportunidade de aprender e fazer novos amigos”, afirma.

 

Participação - Participaram do encontro, a gerente Técnico e Econômico, Clara Pedroso Maffi; a gerente de Relações Institucionais, Fabíola da Silva Nader Motta; a gerente de Desenvolvimento Social de Cooperativas, Geâne Nazaré Ferreira; o gerente de Tecnologia da Informação, Ivan Figueiredo Mafra; a gerente Geral do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Sescoop, Karla Tadeu Duarte de Oliveira; a gerente de Planejamento, Pricila Luana Topolski; a gerente de Desenvolvimento da Gestão de Cooperativas, Susan Miyashita Vilela e a gerente Geral da Organização das Cooperativas Brasileiras da OCB, Tânia Regina Zanella. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB NOROESTE DO PR: Prefeitura de Terra Rica passa a operar com a cooperativa

 

sicoob noroeste pr 24 07 2018No dia 9 de julho, o Sicoob Noroeste do Paraná formalizou a abertura de conta da Prefeitura de Terra Rica, cidade localizada a 60km de Paranavaí, onde fica a sede da singular. A operação foi viabilizada pela Lei Complementar 161/2018, aprovada em 4 de janeiro, que autoriza as cooperativas de crédito a receberem depósitos das prefeituras municipais, de seus órgãos, entidades e empresas por elas controladas.

Ocepar - Segundo a assessora jurídica da Ocepar, Micheli Mayumi Iwazaki “a Lei Complementar e a sua regulamentação pelo Banco Central, que possibilitou que as prefeituras possam operar com as cooperativas de crédito, determina que a relação será apenas como correntistas e não como cooperada. A administração municipal terá acesso todos os serviços ofertados pelo sistema de crédito cooperativo e não o status de sócia”, frisou a advogada.

Avanço - Para o prefeito Júlio Leite, a abertura da conta é um grande avanço para a região. "Confiamos na credibilidade do Sicoob, pois conhecemos as lideranças da cooperativa. Além disso, agora teremos acesso a taxas de juros justas e melhores condições de mercado", afirma.

 

Presenças - Além do prefeito, estiveram presentes na reunião a vice-prefeita Ana Marta da Silva Salomão, o secretario Administrativo, Jair Pineze; o diretor superintendente do Sicoob Noroeste do Paraná, Écio Almir Oliveira; o diretor administrativo e financeiro, Celso Chaparro; servidores da administração municipal, a equipe do Sicoob e alguns cooperados. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICREDI: Burocracia e gestão são alguns dos maiores desafios dos jovens empresários brasileiros

 

A Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) divulgou no último dia 17, na agência Sicredi da Avenida Paulista, a pesquisa ‘Perfil do Jovem Empreendedor Brasileiro’. Respondida por mais de 5 mil jovens, de 18 a 39 anos, em todo o País, a pesquisa identificou qual é o perfil do jovem empresário brasileiro e suas dificuldades para manter e expandir seu negócio.

 

Levantamento - Segundo o levantamento, 65% dos jovens empreendedores são homens, enquanto apenas 35% são mulheres. Desses, 73% possuem ensino superior completo e apenas 9% têm ensino médio. Dos 5.792 participantes do estudo, 49,5% estão domiciliados na região Sudeste, 21,9% no Sul, 15,6% no Nordeste, 4,3% no Norte e 8,8% no Centro-Oeste. De todo o País, a faixa etária predominante é fixada entre 26 a 35 anos. Nos jovens de 18 a 20 anos, apenas 3% são empresários.

 

Perfil de negócio - A mostra também indicou que os jovens proprietários de microempresas são a maioria do País, faturam até R$ 360 mil por ano e empregam até nove funcionários. Dentre os setores de atuação, estão a área de serviços (57,9%) e comércio (30,1%). Os dados mostraram que os jovens não estão ligados a empresas familiares e apenas 10% atuam no mercado internacional.

 

Mulheres - É possível notar que as mulheres começam a empreender mais tarde, pois se preparam mais e iniciam a vida empreendedora na faixa etária dos 31 aos 35 anos; 43% delas têm pós-graduação. Além disso, as mulheres se mostraram mais pessimistas do que os homens em relação ao futuro do país.

 

Principais entraves do empresariado jovem - A pesquisa revela ainda, que os jovens empresários avaliam a burocracia e a alta carga tributária como principais impeditivos de expansão e continuidade do negócio. Portanto, a classe afirma buscar políticas governamentais que melhorem esta relação. Dos jovens pesquisados, 31% buscaram ajuda junto a entidades como o Sebrae e 19,4% contrataram consultorias especializadas. A internet é uma aliada para 30,3% deles.

 

Educação - Para Guilherme Gonçalves, presidente da Conaje, o empreendedorismo precisa entrar na base do brasileiro, por meio da educação. "Entendo que as ações empreendedoras precisam começar cedo. Dessa forma, teremos oportunidades mais iguais entre todos. Quanto mais jovens no empreendedorismo, melhor para o país." E, conclui: “Devemos buscar o perfil para melhor representar”.

 

Entendimento - Já para Jaime Basso, presidente da Sicredi Vale do Piquiri ABCD PR/SP, a pesquisa é muito importante para entender o perfil do jovem empreendedor brasileiro, pontos fortes, oportunidades e desafios. "Parabenizamos a Conaje pela iniciativa e entendemos que essa parceria entre as instituições para divulgar os dados da pesquisa reforça o compromisso do Sicred em apoiar ações que promovam o desenvolvimento socioeconômico. Acreditamos que é por meio do cooperativismo e do associativismo que vamos fazer um Brasil melhor. E faz parte da nossa missão estarmos próximos destes jovens empreendedores, disponibilizando nossos produtos e serviços de uma forma diferente, cooperativa e, com isso apoiando os seus sonhos. Em época de economia compartilhada não há nada mais moderno que o nosso modelo de negócio."

 

Espírito de colaboração - Fernando Seabra, Líder do GRI - Grupo de Relacionamento com Investidores do Departamento da Micro, Pequena, Média Indústria e Acelera Fiesp também estava presente e se colocou à disposição aos associados da Conaje, dizendo que “é com este espírito de colaboração - facilmente encontrado no universo do empresariado americano -, com consultorias transparentes que, de fato, ilustram as dificuldades do empreendedorismo, que chegaremos a melhores patamares no empresariado jovem brasileiro. Temos que pensar em construir um País empreendedor com propósito. Sempre digo que temos que pensar que filhos deixaremos esse mundo, e não que mundo vamos deixar para nossos filhos.”

 

Sobre a Conaje - É uma entidade sem fins lucrativos que atua desde o ano 2000, com 26 estados filiados, 150 movimentos associados, 36 mil jovens empreendedores em rede, produz mais de 500 eventos ao ano - em todo o país, tem como objetivo proporcionar ao jovem o melhor ambiente de negócios e conhecimento global fomentando o empreendedorismo, fortalecimento, criação e manutenção de novas empresas geridas por jovens, na articulação e divulgação de práticas capazes de fortalecer a disseminação de novos e sólidos negócios no Brasil. Por meio de parcerias, trabalha também para o estabelecimento de políticas públicas e práticas institucionais que incluam os jovens empreendedores nas primeiras categorias de estratégias para o desenvolvimento do País.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins. 

 

{vsig}2018/noticias/07/24/sicredi/{/vsig}

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Plano Safra 2018/2019 é lançado para associados e parceiros

 

Na noite da quarta-feira (18/07), a Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP realizou o lançamento do Plano Safra 2018/2019 para seus associados e parceiros. Na oportunidade, o Diretor de Negócios Alex Fabiano Duarte apresentou os valores disponibilizados para este novo ano safra, que terá um montante de R$ 11,4 bilhões, abrangendo as linhas de custeio, investimentos, comercialização, industrialização e seguro rural. O montante é 12,6% superior ao disponibilizado no plano safra passado.

 

Poupança rural - Segundo o presidente da Parque das Araucárias PR/SC/SP, Clemente Renosto, a maior parte dos recursos disponíveis aos associados, são oriundos da poupança rural. “Uma vez que este recurso é captado junto aos nossos associados, sua aplicação também acontece com o associado ligado ao agronegócio, é um ciclo virtuoso”, explica o presidente.

 

Aptas - Renosto também afirma, que tão logo ocorreu o lançamento do Plano Safra 2018/2019, as agências da cooperativa já estão aptas a receber e atender aos projetos dos associados. “Nossos associados podem ir a qualquer uma de nossas agências, fazer sua proposta e automaticamente ele vai ser atendido”, disse pontuando que associados que buscam tradicionalmente esta linha de crédito, contam ainda com a facilidade de créditos pré-aprovados com liberação imediata. Reforça ainda, que produtores que ainda não são associados do Sicredi podem pleitear recursos junto a instituição e também serão atendidos em suas demandas.

 

Operações - O assessor de Crédito Rural da Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP, Eduardo Bernardi, comentou que na edição passado do Plano Safra, foram atendidas cerca de 1.400 operações de custeio na área de atuação da cooperativa, e para este plano é estimado o atendimento de mais de 2 mil projetos. “Estamos trabalhando voltados as operações pré-aprovadas e na abertura de novos associados”, afirma Bernardi, que esclarece ainda que a taxa de juros teve redução nesse Plano Safra.

 

Economia - No lançamento do Plano Safra 2018/2019, o Sicredi disponibilizou a seus associados e parceiros presentes no evento, palestra com o economista do banco Cooperativa Sicredi, Rodrigo Eduardo Dias Neves. O diretor de negócios Alex comentou que trazer o economista do banco para falar aos parceiros, faz parte do papel da instituição, que é a de prestar consultoria aos associados, podendo assim auxiliar nas tomadas de decisões.

 

Cenário desafiador - Neves afirmou que, “temos um cenário bastante desafiador seja no campo, na economia nacional ou internacional”, apontando no caso do Brasil a taxa de câmbio e o panorama político incertos. Neves também explanou sobre os embargos econômicos sofridos pelo Brasil e os reflexos que eles geraram no campo, principalmente no cenário de grãos.

 

El Niño - Ele também abordou em sua palestra a possibilidade do fenômeno El Niño (cerca de 60% a 70% de chances). “É importante que o agricultor esteja informado de tudo o que isso pode implicar”, disse Neves, falando que o agricultor deve olhar todos os cenários, fazer contas e aí sim tomar suas decisões de forma mais assertiva possível.

 

Segmentos - O diretor Alex comentou ainda, que o Sicredi atende também todos os segmentos de mercado, sejam pessoas físicas e jurídicas, urbanas ou do agronegócio, procurando sempre oferecer soluções financeiras com diferenciais de atendimento e relacionamento. Uma prova disso, é a abertura da terceira agência do Sicredi em Pato Branco, que acontece ainda neste mês de julho. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

 

{vsig}2018/noticias/07/24/sicredi_parque_araucarias/{/vsig}

CAPAL: Melhoramento genético e nutrição garantem produtividade e rentabilidade

 

capal 24 07 2018Os produtores que visitarem o estande da Capal Cooperativa Agroindustrial na 46ª Expoleite terão acesso a novas tecnologias, produtos e serviços mais eficientes para melhorar a produtividade e rentabilidade da propriedade leiteira.

 

Programa - O Programa de Melhoramento Genético é um dos serviços oferecidos pela Capal que visa direcionar a escolha dos gados reprodutores a fim de terem descendentes mais produtivos. 

 

Catálogo - De acordo com Rodrigo Navarro, médico veterinário da Capal, a cooperativa elabora anualmente um catálogo com animais selecionados por um comitê julgador, que serve como instrumento de melhoramento genético dos rebanhos. 

 

Foco - “O foco do programa é possibilitar que produtores menores tenham acesso aos touros que apenas grandes produtores teriam, por um preço acessível. Desta forma conseguem trazer incrementos de produção e de produtividade ao rebanho”, esclarece.

 

Dieta personalizada - A dieta personalizada é outro serviço oferecido pela Capal em busca da melhoria da produtividade e maior rentabilidade da propriedade leiteira. Segundo Navarro, o trabalho de nutrição realizado pela cooperativa visa tornar os processos mais rentáveis, aliando o menor custo da dieta ao melhor desempenho dos animais.

 

Indicadores - “Por meio da nutrição dos rebanhos, melhoramos os indicadores de qualidade do leite, como contagem de células somáticas, contagem bacteriana total. Isso vai refletir no preço do leite no final do mês e incrementar a receita do produtor”, ressalta.

 

Ração - O médico veterinário explica que a ração da Capal é feita de acordo com as demandas do animal e também do produtor, pois são elaboradas com aditivos e produtos personalizados para as características do rebanho. 

 

Padrão - “Uma ração padrão geralmente não atende a 100% das necessidades do gado, o que exige o uso de complementos para a dieta. Com a personalização da alimentação animal podemos fornecer todos os nutrientes necessários para obter um leite da melhor qualidade.”

 

Programação - A programação gratuita da Expoleite inclui Julgamento de Raças, palestras técnicas, 60 estandes de empresas ligadas ao setor de pecuária leiteira, apresentação do Clube de Bezerras, Encontro de Suinocultores e Exposição de Flores. (Imprensa Capal)

 

SERVIÇO:

46ª Expoleite

Data: 25 a 28 de julho de 2018

Horário: 8h30 às 22h

Local: Parque de Exposições da Capal - Arapoti

Entrada gratuita

Mais informações pelo site www.capal.coop.br/expoleite

 

COPAGRIL I: Produtos serão pré-lançados na Expo Rondon

 

Uma das maiores empresas parceiras na realização da Expo Rondon 2018, a Cooperativa Agroindustrial Copagril está preparando vários atrativos para seus estandes na festa alusiva ao aniversário de 58 anos do município de Marechal Cândido Rondon, cuja programação acontecerá de 26 a 29 de julho, no parque de exposições.

 

Pré-lançamento - Diante da importância da feira, a Copagril realizará, durante o evento, o pré-lançamento da nova linha de cortes de frango Copagril, produtos que em breve estarão no mercado. “Escolhemos a Expo Rondon para a realização deste pré-lançamento tendo em vista a grande visibilidade que a feira proporciona aos expositores e suas marcas, por meio da visitação de milhares de pessoas nesses quatro dias de programação”, salienta o diretor-presidente da cooperativa, Ricardo Sílvio Chapla. O pré-lançamento acontecerá no pavilhão do Centro de Eventos, onde acontecerá a Exposição da Indústria, Comércio e Prestação de Serviços (Expomar).

 

Salão do Agronegócio - O público que visitar a feira terá diversas atrações no Salão do Agronegócio da Copagril, que fica localizado ao lado dos restaurantes, no parque de exposições. Lá os visitantes encontrarão o Simulador de Corridas da Fórmula 1 trazido pelos Postos Copagril à feira, uma atração gratuita.

 

Cafeteria - No salão, os visitantes terão à disposição a Cafeteria Copagril, que comercializará lanches e bebidas quentes e frias, sendo a novidade deste ano o sanduichão de 20 centímetros. 

 

Aplicativo - Também haverá divulgação do aplicativo Copagril para smartphones, brincadeiras e a presença dos mascotes da equipe Copagril Futsal, Popi e Poli.

 

Estande - No estande das Lojas Agropecuárias Copagril, o público encontrará eletrodomésticos, produtos para o campo e a cidade, e ainda tem um tabloide de ofertas especial para a feira.

 

Setor Agronômico - Também ficará no mesmo local o estande do Setor Agronômico da cooperativa, onde serão recepcionados os associados e demais produtores rurais.

 

Cupons - Quem visitar o salão do agronegócio poderá preencher cupons para concorrer a brindes que serão sorteados pela Copagril no domingo, antes do fim da feira.

 

Expopecuária - A Copagril também estará presente na Expopecuária e Exposição de Máquinas e Implementos Agrícolas. “Nossas equipes dos Fomentos estão trabalhando para preparar os locais onde o público será recebido. Desde já queremos convidar todos os nossos associados, do Paraná e do Mato Grosso do Sul, para prestigiarem os nossos estandes na Expo Rondon 2018, pois todos serão bem-vindos”, declara o presidente Ricardo Chapla.

 

Bovinos da Raça Holandesa - A Copagril e a Secretaria Municipal de Agricultura estão organizando a Exposição Regional de Bovinos da Raça Holandesa, além do julgamento de pista e classificação de animais leiteiros no ranking da Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH), que é referência em animais de alta genética.

 

Aves - O Fomento Aves novamente levará para a feira o Miniaviário, local repleto de pintinhos que atrai muitas crianças e adultos, servindo de espaço para mostra de equipamentos e novas tecnologias para aviários de frango de corte.

 

Suínos - Também haverá Mostra de Suínos, assim como exposição de produtos e serviços agropecuários de diversas empresas parceiras.

 

Máquinas - O estande de máquinas da Copagril terá opções de produtos para todas as atividades no campo, desde o plantio à colheita, assim como equipamentos para pecuária leiteira e avicultura. (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2018/noticias/07/24/copagril_I/{/vsig}

COPAGRIL II: Comitê Ação Jovem é pentacampeão da Maratona Cultural da ACJC

 

Com maior somatória de pontos em quatro categorias, o Comitê Ação Jovem sagrou-se campeão da edição deste ano da Maratona Cultural da ACJC – Associação dos Comitês de Jovens da Copagril, no sábado (21/07), quando aconteceu a segunda e última etapa do evento, realizado no salão comunitário da Linha Palmital, em Marechal Cândido Rondon. Foi a quinta vitória consecutiva do comitê, que tornou-se pentacampeão na Maratona.

 

Apresentações - No vento de sábado foram realizadas as apresentações das categorias de música e dança, sendo que as categorias de teatro e poesia tiveram uma etapa anterior, realizada em abril, na cidade de Pato Bragado.

 

Dedicação - De acordo com a presidente da ACJC, Vanessa Wommer, a edição deste ano da maratona mais uma vez mostrou a dedicação dos jovens para as apresentações. “Todos os comitês participantes da maratona estão de parabéns pela disposição em participar, pelo empenho nos ensaios e pelas apresentações realizadas, mostrando desenvoltura e boa performance, presenteando o público com apresentações de alta qualidade”, enfatiza.

 

Objetivos - A presidente avalia que em mais uma edição a maratona atingiu seus objetivos de incentivar os jovens ao apreço pelas manifestações culturais, despertando talentos e promovendo a integração entre os membros dos comitês de jovens.

Campeões Gerais:

1º lugar: Ação Jovem – Novo Três Passos

2º lugar: Juntos Venceremos – São João e Wilhelms

3º lugar: Progresso sem Fronteiras – Pato Bragado

Música:

1º lugar: Comitê Ação Jovem – Novo Três Passos

2º lugar: Verdes Campos – Novo Horizonte

3º lugar: Progresso sem Fronteiras – Pato Bragado

Dança:

1º lugar: Ação Jovem – Novo Três Passos

2º lugar: Juntos Venceremos – São João e Wilhelms

3º lugar: Progresso sem Fronteiras – Pato Bragado

Teatro:

1º lugar: Juntos Venceremos – São João e Wilhelms

2º lugar: Ação Jovem – Novo Três Passos

3º lugar: Progresso sem fronteiras – Pato Bragado

Poesia:

1º lugar: Ação Jovem – Novo Três Passos

2º lugar: Juntos Venceremos – São João e Wilhelms

3º lugar: Progresso Sem Fronteiras – Pato Bragado

(Imprensa Copagril)

 

{vsig}2018/noticias/07/24/copagril_II/{/vsig}

ENCONTRO TÉCNICO: Maringá debate avicultura de terça a quinta-feira

 

encontro tecnico 24 07 2018Centenas de participantes do Paraná e de outros Estados são esperados nesta terça-feira (24/07) em Maringá (PR), no Encontro Técnico Avícola, uma das mais importantes realizações do calendário da avicultura industrial no país, que segue até quinta-feira (26/07) no Centro de Eventos Vivaro. 

 

Quem participa - Promovida de dois em dois anos, sempre em Maringá, a iniciativa da Integra e do Sindicato da Indústria de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), é dirigida a produtores, especialistas, lideranças, dirigentes e técnicos de empresas e cooperativas integrantes da cadeia avícola em geral e estudantes. 

 

Inscrições - Para quem ainda não o fez pela internet, a inscrição pode ser efetuada a partir das 8h na recepção do evento. O Vivaro (ex-Excellence) fica na Av. Virgília Manilia, 21.784, Jardim Ouro Cola. 

 

Arnaldo Jabor - Os trabalhos iniciam às 9h, com apresentações, palestras e debates, sendo que a abertura oficial está marcada para às 18h30, com a presença do convidado especial Arnaldo Jabor, que vai falar sobre Contexto Econômico Brasileiro.

 

Desafios - O Encontro acontece num momento de grandes desafios para o setor, o que ressalta ainda mais a sua importância. Uma das atrações do evento é a feira de produtos e serviços para o setor, que tem a participação de 30 empresas fornecedoras. (Flamma Comunicação)

 

AGENDA DE TERÇA-FEIRA

9h – Abertura da feira 

12h – Intervalo para almoço

15h – Debate sobre  Salmonella e controle de campo, com Alberto Back 

16h30 – Condenações em frigorífico e condenações de campo que implicam no rendimento, coordenado por Eder Barbon

18h – Cerimonial de abertura 

18h30 – Palestra com o convidado especial Arnaldo Jabor, sobre Contexto Econômico Brasileiro

 

AGENDA DE QUARTA-FEIRA 

9h – Situação global de problemas respiratórios e seus impactos na avicultura, com Guilhermo Zavala

10h30 – Coffee-break 

11h – Ambiência – Manejos de Inlets, com Ricardo Guerra

12h – Intervalo para almoço 

14h – Importância da fábrica de ração no resultado zootécnico, a cargo de Antonio Klain 

15h – Custo da inflamação em frango de corte – Luiz Felipe Caron 

16h – Coffee-break 

16h30 – Antimicrobianos na produção animal – cenário atual, com Deyse Fernanda Woerner Galle

 

AGENDA DE QUINTA-FEIRA 

9h – Importância da salmonella e impacto no mercado externo – Paulo Lourenço da Silva 

10h30 – Coffee-break 

11h – Cenário mundial dos grãos – milho e soja – Étore Otávio Baroni 

12h – intervalo para almoço

14h – Progresso genético e tendências para o futuro – Jane Lara Grosso 

15h – Controle de Coccidiose no campo – Fábio Mello 

16h – Coffee-break 

16h30 – Palestra de encerramento, sobre Empreendedorismo e Marketing, com José Luiz Tejon Megido 

18h – Encerramento e sorteios

 

GRÃOS: Exportação de soja deverá superar US$ 30 bi

 

A forte demanda da China pela soja produzida no Brasil, que este ano está acima do normal graças às cotoveladas comerciais trocadas por Pequim e Washington, rende frutos cada vez mais polpudos para as exportações brasileiras do grão - sobretudo às tradings responsáveis por essas negociações, que dessa forma tentam compensar parte da alta dos fretes rodoviários no país.

 

Projeções - Em projeções divulgadas nesta segunda-feira (23/07), a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) novamente elevou sua estimativa para os embarques da matéria-prima em 2018. A entidade passou a calcular as vendas ao exterior em 73,5 milhões de toneladas, 1,4 milhão a mais que o previsto no fim de maio e volume, recorde, quase 8% superior ao de 2017.

 

Estimativa menor - O ajuste fez com que a Abiove reduzisse de 5 milhões para 3,9 milhões sua estimativa para os estoques finais do grão no país na safra 2017/18, cuja colheita já terminou - em 2016/17, foram 5,3 milhões. E a redução poderia ter sido maior, não fosse um leve ajuste para cima na projeção da associação para a produção nacional de soja em 2017/18 - de 300 mil toneladas, para 118,7 milhões, ante as 113,8 milhões registradas em 2016/17.

 

Receita - Com a correção efetuada no volume de exportações, e levando-se em conta que a projeção para o preço médio de vendas permaneceu em US$ 410 por tonelada, a Abiove passou a prever a receita com os embarques em 2018 em US$ 30,135 bilhões, um novo recorde 17,2% superior ao valor obtido no ano passado. Somando-se farelo e óleo, a entidade passou a estimar a receita de todo o "complexo soja" (grão, farelo e óleo) em US$ 37,5 bilhões neste ano, 18,3% a mais que em 2017 e também um novo recorde histórico.

 

Liderança - Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic), o "complexo soja" lidera as exportações brasileiras do agronegócio, setor no qual é o carro-chefe, e é um dos principais itens da balança comercial do país em geral. Brasil e EUA dominam as exportações mundiais da oleaginosa, enquanto a China responde pela maior parte da importação do produto.

 

Volume - Além de resultar em um maior volume de exportação de soja brasileira, a briga entre EUA e China está tornando essas vendas mais rentáveis, já que os prêmios pagos pelo grão nos portos do país em relação às cotações em Chicago estão em níveis poucas vezes registrados. Para algumas cargas já superam US$ 2 o bushel (medida equivalente a 27,2 quilos) em Paranaguá (PR), sendo que os contratos para novembro fecharam nesta segunda a US$ 8,6275 por bushel na bolsa americana.

 

Mais cara - Apesar de ser uma boa notícia para tradings e produtores do Brasil, uma alta excessiva poderá deixar a soja brasileira com destino ao mercado chinês mais cara que a dos EUA, mesmo com a sobretaxa de 25% imposta por Pequim ao produto americano. Atualmente, a tonelada da soja destinada à China sai por US$ 413 a tonelada no Golfo do México, considerando a sobretaxa de 25%, enquanto em Paranaguá o valor alcança US$ 390.

 

Prêmio - "Calculo que US$ 2,80 seria um limite para o nosso prêmio, pensando na competitividade do grão americano para a China", disse Luiz Fernando Gutierrez Roque, analista da consultoria Safras & Mercado. Nesta mesma época do ano passado, em Paranaguá o prêmio pela soja estava em US$ 0,74. "E já era um patamar muito bom para o período", afirmou Evandro de Oliveira, também da Safras.

 

Argentina - Oliveira lembrou, porém, que a Argentina não tem oferta para atender à demanda adicional de soja da China e que por isso a tendência é que o país asiático continue a recorrer mais ao Brasil, que já vinha sendo seu principal fornecedor. "O problema é que a soja do Brasil, nessas condições, acaba sendo menos competitiva que a americana em outros mercados fora da China", ponderou Adriano Gomes, da consultoria AgRural.

 

EUA - Já se fala no mercado que, a depender do aumento da demanda chinesa, é possível que as tradings decidam importar o grão dos EUA - cujas exportações especialmente para outros mercados continuam firmes - para cobrir a demanda no Brasil e liberem mais volumes para atender ao consumo do país asiático. "É um cenário que está sendo considerado. Devemos ver

um aumento de importações, mas nada alarmante", afirmou Roque, da Safras. No ano passado as importações brasileiras de soja chegaram a 300 mil toneladas. (Valor Econômico)

AGRICULTURA: Maggi diz que tabela de fretes é impasse e pode causar prejuízos

 

agricultura 24 07 2018O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, afirmou nesta segunda-feira (23/07) que a tabela dos fretes aprovada há quase duas semanas pelo Congresso é um “impasse” e pode causar prejuízos nas próximas safras. “Há um impasse nisso. Eu, como produtor, não aceito essa tabela. Não aceito os valores que foram colocados”, enfatizou o ministro após participar da abertura do Global Agribusiness Fórum, em São Paulo.

 

Caminhoneiros - A Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas foi criada pelo governo federal como forma de atender às reivindicações dos caminhoneiros, que fizeram em maio uma greve com bloqueio de diversas estradas.

 

Mais altos - Segundo o ministro, em alguns casos, os preços estabelecidos estão consideravelmente mais altos do que os acordados anteriormente e, por isso, os produtores estão evitando assumir compromissos e atrasando o plantio. “Como ela [a tabela] está destoante do que o mercado operava, nem as empresas exportadoras, nem aqueles que não querem assumir novos riscos, ninguém está fazendo mercado futuro”, ressaltou.

 

Queda na produtividade - Maggi disse que os atrasos podem causar queda na produtividade de lavouras como a soja. “Lá em Mato Grosso nós plantamos soja no meio de setembro até metade de outubro. Quando chega novembro, se você ainda está plantando, cada dia que passa significa um saco a menos, em média. As janelas que nós temos são muito pequenos, e o prejuízo pode ser bastante grande”, exemplificou sobre o setor e a região onde atua como empresário.

 

Disputas - O ministro acrescentou que, além disso, tem havido disputas entre fornecedores e produtores para cumprimento de contratos feitos antes do tabelamento. Alguns fabricantes de insumos, que vendiam com o frete incluso no preço, têm tentado rever as entregas já acordadas, enquanto os produtores exigem o cumprimento dos acordos, disse Maggi. “Também há discussões jurídicas em acontecendo. No final, é só confusão.”

 

STF - O Supremo Tribunal Federal (STF) deve voltar a analisar o tema no fim de agosto. O ministro Luiz Fux é o relator, no STF, de três ações diretas de inconstitucionalidade contra a medida provisória que estabeleceu a política de preços mínimos. As ações foram abertas pela Associação do Transporte Rodoviário do Brasil (ATR Brasil), que representa empresas transportadoras, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

 

Rússia - Blairo Maggi também comentou o embargo russo à carne suína e bovina do Brasil. As restrições foram anunciadas em dezembro, quando autoridades sanitárias da Rússia afirmaram ter encontrado ractopamina – substância que promove o crescimento muscular dos animais – na carne suína brasileira. Os produtos são legais no Brasil, mas o acordo comercial com a Rússia prevê que a produção vendida para o país não contenha essas substâncias.

 

Comissão - Uma comissão técnica brasileira chegou nesta segunda-feira à Rússia para tentar reverter a interdição à carne brasileira. Maggi disse que pretende ainda fazer com que o presidente Michel Temer discuta o assunto com o mandatário russo, Vladimir Putin, durante a cúpula do Brics, marcada para esta semana na África do Sul. O Brics é um grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e África do Sul. (Agência Brasil)

 

BRAZIL AGRO: Selo vai identificar no exterior produtos do agro de origem brasileira

 

brazil agro 24 07 2018O selo Brazil Agro - Good for Nature do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, voltado para produtos da pauta de exportações do país, foi apresentado nesta segunda-feira (23/07), em São Paulo, durante o evento internacional Global Agribusiness Fórum 2018 (GAF). O objetivo do selo é associar produtos do setor a sua origem, a condições de qualidade, de sustentabilidade e de padrões internacionais. 

 

Novos mercados - O selo faz parte de uma política de incentivo à abertura de novos mercados, por meio de um plano continuado de negociações internacionais, que visa consolidar a imagem do país como produtor e exportador de produtos seguros para os consumidores. É uma das medidas voltadas para atingir a meta de conquistar de elevar a participação do Brasil no mercado mundial de alimentos dos atuais US$ 96 bilhões para cerca de US$ 146 bilhões

 

Debate - O desenvolvimento do selo foi discutido com empresários na sede da Fiesp, em junho. A apresentação na sede da entidade fez parte de exposição sobre a Estratégia para Abertura, Ampliação e Promoção no mercado internacional do agro brasileiro. Entre as exigências para obtenção do selo, estão as boas práticas e o bem-estar animal, o cumprimento da legislação, a conformidade internacional, que inclui a execução de programas de integridade (compliance), o uso sustentável dos recursos e a preservação do meio ambiente.

 

Adesão - Durante palestra no evento, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, disse que nove associações que representam dezenas de empresas demonstram interesse em aderir ao selo.

 

Próximos dez anos - Nos próximos dez anos, o Brasil vai produzir 70 milhões de toneladas de grãos a mais, segundo Maggi, saltando de 232 milhões de toneladas para uma safra de 302 milhões t em 2027/2028, puxadas principalmente pela soja (156 milhões t) e milho (113 milhões t), incremento de 30%. As carnes (bovina, suína e de frango) devem passar de 27 milhões t para 34 milhões t, em alta de 27% (+7 milhões t) no mesmo período.

 

Aumento da produção - “O uso crescente de tecnologia, como plantio direto na palha, de sementes certificadas e novos métodos de cultivo, têm sido responsáveis pelo aumento da produção agrícola (30%) e corresponde ao dobro da variação de área de grãos (+14,5%)”, explicou o ministro, ao comentar a projeção agropecuária para a safra 2027/2028.

 

Área - Maggi destacou ainda o fato de que a área usada para a agricultura não vai aumentar nem 15%. A pecuária também tem introduzido novas tecnologias em escala crescente. O uso de raças melhoradas, uso de medicamentos, controle de cruzamentos, boas práticas de manejo, entre outras técnicas e procedimentos, têm contribuído para o desempenho e a melhoria da produção.

 

Estudo - Os números integram o estudo da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Secretaria de Gestão e Desenvolvimento Institucional da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (SIRE/Embrapa).

 

Dados - A pesquisa envolveu dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Embrapa, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), FAPRI (Food and Agricultural Policy Research Institute) e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (United States Department of Agriculture/USDA, sigla em inglês).

 

Cadastro ambiental - Maggi divulgou dados da Embrapa a partir de novas inserções de imóveis ao Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (SiCAR), que está sendo finalizado, que revelam o papel de produtores na preservação ambiental. Agricultores, pecuaristas, silvicultores e extrativistas destinam à preservação da vegetação nativa mais de 218 milhões de hectares, o equivalente a um quarto do território nacional (25,6%), de acordo com a Embrapa Territorial.

 

Levantamento - Os números foram levantados a partir das informações do SiCAR pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB). Na média, cada produtor rural utiliza apenas metade de suas terras, de acordo com os dados. A outra metade é ocupada com áreas de preservação permanente (às margens de corpos d’água e topos de morros), reserva legal e vegetação excedente. O centro de pesquisa estimou o valor do patrimônio fundiário imobilizado em preservação ambiental e chegou à cifra de R$ 3,1 trilhões. (Mapa)

 

ROASTER CAMP: Londrina sedia evento internacional de torra de café

 

roaster camp 24 07 2018Especialistas em torra de café dos maiores centros produtores e consumidores da bebida no mundo estão em Londrina para o Roaster Camp of Brazil, que começou domingo (22/07) e prossegue até o dia 29, no Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). O objetivo do evento é proporcionar um encontro rico e com troca de informações entre torradores e interessados no tema, segundo os organizadores. 

 

Promoção - Inspirado em um evento similar realizado há muitos anos pela Specialty Coffee Association (SCA) nos Estados Unidos e na Europa, o Roaster Camp of Brazil é promovido pela Capricornio Coffees, empresa exportadora de cafés especiais de Jacarezinho (Norte do Paraná).

 

Aprendizado - “Eu participo do evento da SCA há muitos anos. Nesses encontros de torradores, além de palestras, há uma competição de cunho educacional, que permite a troca de experiência e conhecimento. É uma oportunidade de aprender sobre torra, máquinas e de conhecer muitas pessoas”, destaca Edgard Bressani, um dos sócios da Capricornio Coffees, que também é uma das patrocinadoras do evento internacional realizado pela SCA.  

 

Campeões - “Por sermos patrocinadores, temos a oportunidade de trazer para o Brasil os quatro primeiros colocados no campeonato mundial de torra de 2017.  Por isso a ideia de um encontro similar, no Brasil”, revela Bressani. 

 

Curso - Até quinta-feira (26/07), a especialista Anne Cooper, da Austrália, ministra o curso “Expressões da torra”. Previsto para os três últimos dias do evento, o “Desafio de Torra” será o ponto alto da programação. 

 

Equipes - O desafio reunirá 50 pessoas divididas em cinco grupos. As equipes receberão uma tarefa relacionada a um aspecto de torra de café e se reunirão para desenvolvê-lo. Os times serão liderados por campeões internacionais de torra, como Rubens Gardelli (Itália), Hiraku Kondo (Japão) e Benjamin Pozsgai (Alemanha), dentre outros.

 

Informações - Mais informações no endereço www.roasterguildofbrazil.com.br. (Assessoria de Imprensa do evento)

 

APRE: Associação promove curso de atualização sobre estradas florestais

 

Para atualizar gestores, coordenadores, supervisores, planejadores de estradas e operadores de máquinas florestais sobre estradas florestais, a Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre) está organizando um curso nos dias 01 e 02 de agosto. O primeiro dia será teórico em sala de aula, na sede da Emater, em Curitiba, e o segundo dia será no campo, na Fazenda da Berneck. As inscrições custam R$ 300,00 para associados da Apre e R$ 400,00 para não associados. 

 

Palestras - Na parte da manhã do dia 01 de agosto, Osmar Kretschek, consultor independente de estradas florestais, vai falar sobre “Abordagem econômica, ambiental, social e treinamento de pessoas”. Em seguida, o diretor de negócios da Malinovski Consultoria, Rafael Malinovski, fará a palestra “Planejamento de estradas florestais”. Ainda pela manhã, Osmar Kretschek abordará as “Tecnologias de apoio - mapas (Google, com restituição e com curvas de nível) e geoprocessamento”.

 

Mais - Já na parte da tarde, três palestras estão previstas: “A gestão do valor da madeira em operações florestais”, por Rafael Malinovski; “Construção e manutenção de estradas Florestais”, por Jairo Woruby, coordenador de Logística Florestal da Klabin Telêmaco Borba; e “Estradas florestais: a relação com as comunidades”, por Uilson Paiva, responsável pelas relações com a comunidade da Klabin Telêmaco Borba. Por fim, serão feitas apresentações de empresas associadas da Apre sobre máquinas de estradas florestais. 

 

Visitas - Para fechar o curso, os participantes sairão para a fazenda da Berneck às 07h30 e farão visitas a estradas florestais, pontes e bueiros das 09h às 16h, com um intervalo para almoço. Eles também poderão acompanhar equipamentos em operação, como trator de esteira, motoniveladora, escavadeira, entre outros. 

 

Inscrição - Os interessados deverão baixar a ficha de inscrição no site da Apre, neste link: http://www.apreflorestas.com.br/evento/2o-curso-de-atualizacao-em-estradas-florestais/. (Assessoria de Imprensa da Apre)

 

SERVIÇO

2º Curso de Atualização em Estradas Florestais

Data: 01 e 02 de agosto de 2018

Local: 01/08 - Emater-PR - Rua da Bandeira, 500, bairro Cabral - Curitiba (PR)

           02/08: Em campo - Fazenda da Berneck

Público-alvo: gestores, coordenadores/supervisores, planejadores de estradas, operadores de máquinas de estradas florestais

Inscrições: R$300,00 para associados à Apre e R$ 400,00 para não associados 

Informações: (41) 3233-7856 / apreflorestas@apreflorestas.com.br  / http://www.apreflorestas.com.br/evento/2o-curso-de-atualizacao-em-estradas-florestais/

 

apre cartaz 24 07 2018

ECONOMIA: PIB recua 1% no trimestre encerrado em maio, diz FGV

economia 24 07 2018O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro teve queda de 1% no trimestre encerrado em maio deste ano na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro. O dado, do Monitor do PIB, foi divulgado nesta terça-feira (24/07) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Na comparação com o trimestre encerrado em maio de 2017, no entanto, foi registrado crescimento de 0,5%.

Maio - Considerando-se apenas o mês de maio, houve quedas de 1,5% na comparação com abril deste ano e 1,8% na comparação com maio do ano passado.

Segmentos - Os três setores produtivos (agropecuária, indústria e serviços) tiveram queda do trimestre finalizado em fevereiro para o trimestre encerrado em maio, com destaque para a indústria, que recuou 2,3%, desempenho puxado pela indústria da transformação (4,1%) e a construção (1,1%). A extrativa mineral teve alta de 1,8% e a produção de eletricidade, de 0,3%.

Agropecuária - A agropecuária recuou 1,3% e os serviços, 0,1%. No setor de serviços, os piores desempenhos ficaram com os segmentos de transporte (5,3%) e comércio (2,2%).

Demanda - Sob a ótica da demanda, os investimentos tiveram queda de 4% e as exportações, de 6,8%. O consumo das famílias também recuou, mas de forma mais moderada (0,1%). O consumo do governo foi o único segmento com alta (0,6%). As importações tiveram queda de 5,1%. (Agência Brasil)

 

INFRAESTRUTURA: TCU faz objeções ao edital e vê risco à concorrência em leilão da Norte-Sul

 

A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) quer que o leilão da Ferrovia Norte-Sul só ocorra quando houver clareza absoluta de como serão resolvidas as disputas em torno do direito de passagem dos trens da futura concessionária pelos trilhos de outras operadoras que dão acesso aos portos marítimos de Itaqui (MA) e de Santos (SP).

 

Riscos - Sem isso, o próprio TCU aponta riscos de que a licitação seja "economicamente inviável para novos entrantes" no setor e haja disputa apenas entre as empresas que já controlam o acesso aos portos: a Rumo (dona da Malha Paulista) e a Vale (controladora da Estrada de Ferro Carajás e, por meio da VLI Logística, acionista do trecho norte da Norte-Sul).

 

Planos - O relatório sobre a concessão da ferrovia, obtido pelo Valor, pode frear os planos do governo de leiloar a Norte-Sul se suas propostas de encaminhamento forem acatadas pelos ministros do tribunal. O leilão é uma das grandes apostas do governo para a reta final de mandato do presidente Michel Temer na área de infraestrutura e está programado para o último trimestre de 2018.

 

Outros aspectos - Outros aspectos foram identificados pelos auditores como potenciais fontes de problemas e fazem parte de uma lista de determinações de ajustes que devem ser feitos pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no edital definitivo do projeto.

 

Lance mínimo - A versão preliminar do edital prevê um lance mínimo de R$ 1,097 bilhão pela concessão da ferrovia por 30 anos. Vence quem oferecer o maior valor de outorga, que será paga em prestações anuais ao longo do contrato.

 

Trecho - Mais de 90% dos 1.537 quilômetros de extensão da ferrovia que serão concedidos entre Porto Nacional (TO) e Estrela D'Oeste estão prontos. Um dos lotes das obras remanescentes ainda está sob responsabilidade da estatal Valec, que prometia concluir tudo até setembro deste ano, mas uma das construtoras decidiu rescindir unilateralmente o contrato e o prazo não será cumprido. Por isso, um dos pontos levantados pela área técnica do TCU é a fixação no contrato de uma data-limite para o término efetivo das obras públicas porque qualquer atraso impactará o início das operações ferroviárias.

 

Outros lotes - Pelas regras do edital, quem ganhar o leilão precisará assumir as obras em outros três lotes não concluídos pela Valec e gastar em torno de R$ 175 milhões com essas pendências. Os auditores do tribunal, porém, fazem um alerta importante: esse valor pode subir.

 

Fora das especificações - Inspeções anteriores do TCU detectaram que a brita usada pelas empreiteiras contratadas da Valec em três lotes estão fora das especificações e possivelmente terão que ser substituídas. O custo da intervenção já foi estimado pela estatal em R$ 103 milhões, mas esse número é incerto. Pode haver a necessidade de troca dos trilhos e dormentes, com desmontagem e remontagem da superestrutura. "Conclui-se, então, que os valores previstos no Capex para a conclusão dos lotes 4S, 5S e 5SA podem estar subdimensionados", diz o relatório técnico.

 

Ajustes - Ajustes de cálculo também fizeram os auditores do tribunal sugerirem uma redução do material rodante que deverá ser adquirido pela futura concessionária. Projeta-se uma redução de 14 locomotivas e 416 vagões do número de equipamentos exigidos inicialmente. Isso diminui a estimativa de investimentos e pode aumentar o valor de outorga pedido.

 

Determinação - Na proposta de encaminhamento aos ministros do órgão de controle, a área técnica quer uma determinação de que a ANTT "se abstenha" de publicar o edital definitivo enquanto não esclarecer "como pretende atuar no caso de conflito entre concessionárias por eventual ausência de capacidade das ferrovias" pelas quais os trens da Norte-Sul terão que passar para ter acesso aos portos.

 

Termos aditivos - O leilão deverá ser realizado apenas depois de assinados os termos aditivos aos contratos da ANTT com as demais concessionárias que prevejam "condições para o exercício do direito de passagem" em seus trilhos. Esses aditivos devem estipular uma tarifa-teto e uma reserva de capacidade para que as composições da Norte-Sul passem por outras malhas. (Valor Econômico)

FACIAP: Lançada Campanha Vote Certo

 

A campanha Vote Certo começou com várias ações para chamar a atenção do eleitor para a importância do voto. A campanha foi idealizada pela Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Oeste do Paraná (Caciopar) e tem o apoio da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), que distribuiu materiais específicos para redes sociais, como vídeos e artes, e também banners e folders a todas as entidades por meio das 12 coordenadorias regionais.

 

Reflexão - A Vote Certo é um convite para que o eleitor reflita antes de definir em quem votar. Alguns questionamentos básicos são apresentados nas peças, para provocar a população sobre aspectos que o bom candidato deve reunir. “O voto é um fator determinante para a construção de um novo País, por isso deve ser confiado a quem não está envolvido em casos de corrupção e que possua um plano sólido de governo”, afirma o presidente da Faciap, Marco Tadeu Barbosa.

 

Peças - Peças específicas para cada momento do trabalho de orientação serão produzidas. A primeira etapa foi lançada neste dia 20 de julho. A segunda, no dia 6 de agosto e a terceira, a partir de 21 de agosto. Os materiais podem ser usados por todas as pessoas que queiram participar e compartilhar a campanha. Outras informações pelo telefone (45) 3321-1449. (Assessoria de Imprensa da Faciap)

 

faciap cartaz 24 07 2018

INTERNACIONAL: China anuncia medidas fiscais e financeiras para impulsionar economia

 

internacional 24 07 2018A China prometeu encontrar um equilíbrio entre flexibilizar e apertar a política monetária, de acordo com um comunicado divulgado no site do Conselho de Estado nesta segunda-feira (23/07).

 

Orientação - Presidida pelo primeiro-ministro Li Keqiang, a reunião do Conselho resultou na orientação de que "a China continuará com políticas macroeconômicas estáveis e adotará uma combinação de medidas fiscais e financeiras em um esforço para impulsionar a demanda doméstica e reforçar o apoio à economia real".

 

Liquidez - Para isso, o objetivo é manter o nível de liquidez razoável e suficiente na economia e uma política fiscal mais pró-ativa. O governo chinês colocará foco na introdução de cortes mais profundos de impostos e cortes de taxas não tributárias. Além disso, mais empresas serão elegíveis para políticas preferenciais de dedução adicional de gastos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D).

 

Corte - O plano envolve "corte de outros 65 bilhões de yuans (US$ 9,6 bilhões) em impostos neste ano, além da meta inicial de redução de 1,1 trilhão de yuans". "Esforços serão intensificados com a emissão de 1,35 trilhão de yuans em títulos especiais para os governos locais, a fim de obter progressos mais tangíveis nos projetos de infraestrutura em andamento", conclui o comunicado.

 

Banco central - No começo do dia, para dar liquidez aos bancos do país, o banco central chinês injetou 520 bilhões de yuans (US$ 74,2 bilhões) no sistema financeiro por meio do mecanismo de empréstimos de médio prazo.

 

Impactos - Para a Capital Economics, os formuladores de políticas da China enfrentam o desafio de amortecer a economia de uma desaceleração e, ao mesmo tempo, avançar com o objetivo de conter a escalada da dívida. Embora não tenha havido uma mudança oficial da política "prudente e neutra" do banco central, medidas como a injeção recorde de liquidez para o setor financeiro [como a de US$ 74,2 bilhões feita hoje) e a publicação de novas diretrizes para a indústria de gestão de ativos sugerem que as autoridades estão adotando uma postura mais flexível.

 

Disputa - "A disputa comercial com os EUA também aumentou a preocupação com a economia, que cresceu 6,7% no segundo trimestre, a mais lenta expansão desde 2016. O crescimento para este ano como um todo deve cair para 6,5%", diz a consultoria.

 

Curto prazo - O Nomura da China acredita que os impactos do anúncio desta segunda são positivos no curto prazo. "Embora o Conselho de Estado enfatize que evitará um estímulo abrangente e maciço, interpretamos o anúncio de hoje como o início oficial do estímulo fiscal no país", diz a instituição. Ficou bastante claro para os investidores que Pequim mudou totalmente a sua orientação política original da desalavancagem do setor financeiro, especialmente o paralelo (ou 'shadow banking') para o lado fiscal, que será sustentado pela flexibilização monetária e de crédito.

 

Nova prioridade - O governo chinês está reconhecendo, portanto, que a nova prioridade é estabilizar a economia evitando uma crise sistêmica. "Como resultado, os reguladores podem agora adotar uma abordagem muito mais pragmática para desalavancar e conter os riscos do mercado financeiro paralelo", diz o Nomura.

 

Investidores - Entretanto, a medida desses esforços fiscais e monetários é que deve definir o humor dos investidores. Uma injeção maciça de estímulos significa maior ônus na dívida pública e um declínio da eficiência dos gastos fiscais, o que exigiria uma quantidade cada vez maior de estímulos para deter a desaceleração e manter a estabilidade financeira, pondera o Nomura.

 

Encargos - Isso porque "os encargos da dívida dos governos locais da China aumentaram rapidamente na última década, enquanto os bônus das empresas chinesas em moeda local e em dólares aumentaram nos últimos três anos". Além disso, as reservas cambiais caíram para US$ 3,1 trilhões em junho, do pico de perto de US$ 4 trilhões em meados de 2014, diz a instituição.

 

Aversão ao risco - "O mercado parece ter permanecido, até agora, em um modo de aversão ao risco, devido ao efeito defasado dos esforços anteriores de desalavancagem do governo. Para estimular um regime de apetite ao risco e encorajar mais investimentos e a produção, acreditamos que Pequim confiará mais em seu kit de ferramentas". O Nomura espera por mais medidas de estímulo no segundo semestre para mitigar os fortes ventos contrários tanto domésticos quanto externos. (Valor Econômico)

 


Versão para impressão


RODAPE