Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4373 | 18 de Julho de 2018

FORMAÇÃO: Encontro Estadual de Agentes vai discutir inovação

 

O Encontro Estadual de Agentes 2018 terá a inovação como tema central. O evento será realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), no Sesc Caiobá, em Matinhos, Litoral do Estado. Nesta quinta-feira (19/07), o especialista no assunto e coordenador pedagógico do Programa de Inovação para o Cooperativismo Paranaense, Fernando Arbache, irá conduzir um workshop para os agentes de Desenvolvimento Humano, Promoção Social e Autogestão das cooperativas do Paraná. Na sexta-feira (20/07), o palestrante Alexandre Pellaes vai falar sobre o novo significado do trabalho.

 

formacao 12 07 2018

RAMO SAÚDE: OCB estimula participação de cooperativas em consultas públicas

 

ramo saude 18 07 2018O cooperativismo brasileiro é um movimento econômico que participa ativamente da construção do futuro que deseja para o país. Por isso, a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) reuniu e disponibiliza uma série de informações a respeito de consultas públicas propostas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A intenção é estimular que as cooperativas, cada vez mais, contribuam com a consolidação de um cenário onde o cooperativismo de saúde encontre os mecanismos legais e regulatórios para seu desenvolvimento.

 

Geral - Em geral, as consultas públicas debatem aspectos que envolvem o programa de certificação em atenção primária, a regulamentação (atualização de alguns normativos) e as provisões técnicas que devem ser realizadas pelas operadoras.

 

Contribuição - “Nossa expectativa é de que nossas cooperativas contribuam com sua experiência, propondo ajustes, melhorias e sugestões a fim de fortalecer o modelo cooperativista de saúde que, aliás, é o maior do mundo. Para nós, esses espaços são fundamentais para a defesa das especificidades do nosso modelo de negócio”, explica Renato Nobile, superintendente do Sistema OCB.

 

Atenção primária - Consulta Pública nº 66, sobre o Programa de Certificação de Boas Práticas em Atenção à Saúde, que apresenta como principal projeto o Programa de Certificação em Atenção Primária em Saúde (APS). Vai até o dia 19/07. O Programa de Certificação em Atenção Primária em Saúde (APS) consiste na concessão, por intermédio de entidades acreditadoras independentes, de um selo de qualidade às operadoras que cumprirem requisitos pré-estabelecidos relacionados a essa temática.

 

Selo APS - O objetivo de instituir o selo APS é estimular a qualificação, o fortalecimento e a reorganização da atenção básica, por onde os pacientes devem ingressar no sistema de saúde. O projeto propõe ainda o estimulo à implementação de modelos inovadores de remuneração de prestadores no setor e a implementação de indicadores de atenção primária, em conformidade com evidências científicas, para monitoramento dos cuidados primários na saúde suplementar. Clique aqui

 

Governança corporativa - Consulta Pública nº 67, sobre a proposta de Resolução Normativa que dispõe sobre a adoção de práticas de governança corporativa, com ênfase em controles internos e gestão de riscos pelas operadoras de planos de saúde. Vai até o dia 27/07.

 

Insolvência e descontinuidade - Na elaboração da proposta de normativo foram levados em consideração o risco de insolvência e a descontinuidade de operações de planos de saúde decorrentes de falhas de controles internos e baixa capacidade de gestão de riscos - o que ameaça o atendimento prestado aos beneficiários. A proposta prevê que as operadoras que comprovarem o cumprimento dos requisitos essenciais estipulados na norma poderão se beneficiar de redução da exigência de capital. Clique aqui

 

Monitoramento econômico-financeiro - Consulta Pública para alteração da Resolução Normativa nº 393, que dispõe sobre os critérios de constituição de provisões técnicas a serem observados pelas operadoras de planos de saúde. Vai até dia 03/08. Entre os principais pontos da proposta estão a adoção de duas novas provisões – PEONA/SUS e Provisão de Insuficiência de Contraprestações. Outro aspecto discutido na nova norma é o procedimento a ser adotado em caso de mudança de porte da operadora, na medida em que as de grande porte (com mais de 100 mil beneficiários) devem apresentar obrigatoriamente metodologia atuarial própria.

 

Novas provisões - A instituição das novas provisões é proposta para ser feita de forma escalonada. A expectativa da ANS é que as novas medidas aprimorem o controle financeiro das operadoras sobre suas atividades, que o beneficiário esteja protegido sabendo que estão vinculados a operadoras que são sustentáveis e que o acompanhamento econômico-financeiro feito por ela seja cada vez mais aprimorado. Clique aqui

 

Rol de procedimentos - Consulta Pública nº 69, que trata do processo de atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. O objetivo é colher sugestões e contribuições da sociedade para a elaboração de uma Resolução Normativa que irá regulamentar o processo administrativo de atualização da lista mínima de cobertura obrigatória dos planos de saúde. Vai até o dia 17/08.

 

Lista mínima - O Rol é a lista mínima de procedimentos que os planos de saúde são obrigados a cobrir para assegurar a prevenção, diagnóstico, tratamento, recuperação e reabilitação de todas as enfermidades que compõem a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID), da Organização Mundial de Saúde. É obrigatório para todos os planos de saúde contratados a partir da entrada em vigor da Lei nº 9.656/98, os chamados planos novos, ou aqueles que foram adaptados à lei. A lista é atualizada a cada dois anos. Clique aqui

 

Fator de qualidade Consulta Pública nº 70, que propõe mudança nas regras do Fator de Qualidade (FQ). O objetivo é reunir informações, subsídios, sugestões ou críticas para alterar as Resoluções Normativas nº 363 e 364, de 2014, que tratam do tema. Prossegue até o dia 17/08. As normas dispõem sobre as regras para celebração de contratos entre as operadoras de planos de saúde e prestadores de serviços e a definição de índice de reajuste de prestadores a ser aplicado pelas operadoras quando o contrato previr livre negociação como única forma de reajuste e as partes não chegarem a um acordo até os primeiros 90 dias do ano.  Clique aqui

 

Audiência pública Além destas consultas, haverá, entre os dias 24 e 25 de julho, audiência pública sobre reajuste de planos de saúde individuais ou familiares. As inscrições devem ser feitas até o dia 20/07, pelo e-mail eventos@ans.gov.br. O objetivo da audiência é ampliar a discussão que já vem ocorrendo sobre o tema e colher insumos para a eventual definição de uma nova metodologia de cálculo do teto do reajuste que pode ser aplicado aos planos individuais contratados a partir de 2/01/1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98. Clique aqui

(Informe OCB)

 

FINANÇAS MAIS: Cooperativas de crédito melhoram a vida do brasileiro

 

financas mais 18 07 2018Mais do que dinheiro, as quase mil cooperativas de crédito do país oferecem educação e inclusão financeira e, ainda, soluções adequadas às necessidades de cada cooperado, sempre a preço justo e em condições vantajosas. Esse jeito humanizado de fazer negócio e que mostra o cooperativismo como ferramenta de transformação social, acaba de ser reconhecido pelo Estadão, na segunda edição do Finanças Mais, que acaba de ser divulgada.

 

Radiografia - A publicação, elaborada em parceria com a Austin Rating, empresa de consultoria, apresenta uma radiografia das instituições líderes do setor financeiro no país. Para compor o material, foram analisadas as demonstrações contábeis publicadas em 2017.

 

Prosperidade - Segundo o Estadão, as cooperativas de crédito “prosperaram na esteira da crise econômica e repetiram nesta edição de Finanças Mais a dobradinha nas duas primeiras colocações na categoria Bancos/Financiamento”.

 

Primeiros lugares - Para o primeiro lugar, foi eleito o Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob) e, para o segundo, o Banco Cooperativo Sicredi. O Bancoob e o Sicredi têm estrutura similar e são braços financeiros dos seus sistemas cooperativos, o Sicoob e o próprio Sicredi.

 

Íntegra - Para conferir a publicação na íntegra,  clique aqui.

 

Números do SNCC - Nos últimos oito anos, segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e o Banco Central, os indicadores mais representativos do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) apresentam crescimento acima da média, em relação aos seus concorrentes.

 

Associados - Em 2010, haviam pouco mais de 4,1 milhões de associados. Em 2017, as cooperativas de crédito atingiram a casa dos 9,7 milhões de cooperados, mais que dobrando de tamanho.

 

Ativos - No fim de 2010, os ativos do SNCC fecharam em torno de R$ 58,8 bilhões. Sete anos depois, esse valor fechou em mais de R$ 255,5 bilhões.

 

Patrimônio líquido - No fim de 2017, o SNCC acumulou um patrimônio líquido de mais de R$ 42,2 bilhões, praticamente quatro vezes mais que o registrado em 2010 (R$ 10,7 bilhões).

 

Operações de crédito - Outro indicador que também cresceu foram as operações de crédito. Em 2010, ele era de R$ 26,4 bilhões ao passo que, em 2017, registrou praticamente R$ 88 bilhões.

 

Depósitos - Se considerarmos o volume de negócios, o setor tem fechado no azul, anualmente, desde 2010 (R$ 25,6 bi). No ano passado, para se ter uma ideia, esse indicador registou um volume de cerca de R$ 113,5 bilhões.

 

Pontos de atendimento - A rede de atendimento do SNCC é uma das maiores do país e continua em ritmo acelerado de crescimento. Em 2017, haviam 5.936 pontos de atendimento espalhados em todas as regiões brasileiras. Vale destacar que em 454 municípios, as únicas instituições financeiras presentes são cooperativas. (Informe OCB)

 

SICREDI: Sistema é premiado na Conferência do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito

 

sicredi 18 07 2018Reunido em assembleia anual, o Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (World Council of Credit Unions – Woccu) elegeu, na tarde de segunda-feira (16/07), em Singapura, os membros da nova diretoria para o biênio 2018/2020. Além da eleição, os integrantes do Woccu também definiriam as novas diretrizes em âmbito internacional para o cooperativismo de crédito e concederam o Grouth Award, que premiou as três instituições financeiras cooperativas com maior crescimento na base de associados em todo o mundo, entre elas o Sicredi.

 

Compartilhamento - “Quero compartilhar este prêmio com as nossas 116 cooperativas de crédito, filiadas ao Sicredi. Sem dúvida, o trabalho delas e mais este reconhecimento nos encorajam e nos inspiram a fazer cada vez melhor. E agradecemos ao Conselho Mundial do Woccu por mais esta deferência e por todo apoio e suporte que nos oferece, para podermos evoluir e continuarmos promovendo o bem-estar das pessoas por meio do cooperativismo de crédito”, disse o presidente da SicrediPar e da Central Sicredi PR/SP/RJ, Manfred Alfonso Dasenbrock, ao receber o prêmio das mãos do presidente do Woccu, Brian McCrory.

 

Reeleição - Durante o evento realizado em Singapura, Dasenbrock foi reeleito conselheiro no Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito e também para a Fundação Woccu, ampliando a representatividade do Brasil no movimento global das cooperativas de crédito. Dasenbrock representa o Sicredi no Conselho de Administração do Woccu desde 2009 e atuou como diretor até 2014, quando assumiu a Secretaria Geral da entidade, e em 2015, como tesoureiro.

 

Representantes - Também representando o Sicredi na assembleia anual do Woccu, estavam o presidente-executivo do Banco Cooperativo Sicredi, João Tavares, e o presidente da Central Sicredi Centro Norte, João Spenthof, além de dirigentes e executivos de outras cooperativas de crédito filiadas à instituição financeira cooperativa que conta, atualmente, com mais de 3,8 milhões de associados e atuação em 22 estados brasileiros e Distrito Federal.

 

Adesão - Durante a programação de segunda, foi anunciada a adesão de cooperativas para a Woccu de três países (Nepal, Haiti e Cazaquistão) e de uma instituição financeira cooperativa dos Estados Unidos (CU Ledger). A edição 2018 da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito segue até quarta-feira, 18 de julho, em Singapura.

 

Woccu – World Council of Credit Unions - Promovida pelo Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (Woccu, em sua sigla em inglês), a Conferência Mundial do Woccu ocorre anualmente e tem como foco a abordagem global sobre como melhorar a vida por meio das cooperativas de crédito. A conferência é o principal evento mundial do segmento de cooperativismo de crédito.

 

Associação - O Woccu (World Council of Credit Unions) é a associação comercial e agência de desenvolvimento para as cooperativas de crédito em todo o mundo. A entidade oferece programas para fomentar o cooperativismo de crédito entre os parceiros, como o desenvolvimento de redes integradas de negócios, apoio às comunidades em risco, além de promover a reforma legislativa e o desenvolvimento do sistema regulatório. Além disso, o Woccu também atua para promover o desenvolvimento sustentável das cooperativas de crédito por meio de programas de assistência técnica a fim de fortalecer o seu desempenho financeiro e alcance em âmbito mundial.

 

Apoio - As inscrições da delegação do Sicredi na Conferência Mundial do Woccu contaram com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop).

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,8 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICOOB UNICOOB: Comitê de TI debate temas importantes

 

sicoob unicoob 18 07 2018Na última sexta-feira (13/07), aconteceu na sede do Sicoob Norte do Paraná, em Londrina, o 3º Comitê de TI, que reuniu representantes de tecnologia da Central e filiadas do Sistema Unicoob para debater assuntos relevantes da área.

 

Nova solução - O Comitê teve início com a apresentação da nova solução chamada SD-WAN, um acelerador de transferência de dados que poderá aumentar a velocidade e a disponibilidade de acesso aos sistemas. Em seguida, o coordenador do Comitê, Edson Domingos, apresentou a pauta a ser discutida.

 

Rede sem fio - Foi exposta também a solução que será implantada no Sicoob Metropolitano, em parceria com a TI da Central, para disponibilizar acesso à rede sem fio para os cooperados por meio do totem de senhas e visa prospectar novos associados que visitam os pontos de atendimento.

 

Feira - O diretor de Serviços e TI da Central, Emerson Iten, dissertou sobre a participação na feira CIAB FEBRABAN, realizada em São Paulo no mês de junho, e pontuou diversas frentes de inovação para serviços bancários que partem diretamente da TI.

 

Proposta - Emerson discorreu sobre a proposta Office 365, solução para disponibilizar serviços do pacote Microsoft Office e contas e e-mails de forma unificada, alinhada com Sicoob Confederação, visando melhorias de serviços.

 

Próximo - O próximo Comitê de TI será realizado via videoconferência, com data e pauta a serem definidas nas próximas semanas. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB INTEGRADO: Inaugurado PA em Reserva do Iguaçu

 

sicoob integrado 18 07 2018O Sicoob Integrado, cooperativa com sede em Pato Branco (PR), inaugurou mais um ponto de atendimento, dessa vez na cidade de Reserva do Iguaçu (PR). Na inauguração, que aconteceu no dia 13, estiveram presentes o presidente do Conselho de Administração, Alcir Luiz Freisleben; o vice-presidente Lindones Colferai; os diretores Clevi Deitos e Marcos Franscescon; o prefeito da cidade Sebastião Campos, além de outras autoridades e convidados.

 

Parceria - O ponto de atendimento, que fica anexo à Prefeitura do munícipio, é a segunda instituição financeira da cidade e pretende selar uma parceria com o comércio, a Associação Comercial e até mesmo a prefeitura.

 

Compromisso - “Esse é a nossa 18ª unidade e nos comprometemos a atender muito bem a população de Reserva do Iguaçu, da mesma forma que atendemos os cooperados nas outras cidades em que atuamos”, afirma o gerente regional, José Luiz Mildenberger.

 

Desenvolvimento local e regional - O presidente Alcir Luiz Freisleben agradeceu a recepção da administração municipal e enfatizou que a presença do Sicoob no município vai além dos serviços financeiros. “Queremos participar ativamente, interagir no dia a dia da cidade e, principalmente, colaborar com o desenvolvimento local e regional. Convidamos a comunidade de Reserva do Iguaçu e dos munícipios próximos a desfrutarem dos serviços ofertados pelo Sicoob”, explica.

 

Endereço - O endereço do novo ponto de atendimento do Sicoob Integrado em Reserva do Iguaçu é Av. Sebastião Caldas, ao lado da prefeitura. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB METROPOLITANO: Mamborê ganha novo ponto de atendimento

 

sicoob metropolitano 18 07 2018O Sicoob Metropolitano, cooperativa com sede em Maringá, inaugurou, no último dia 16, um ponto de atendimento na cidade de Mamborê. São 220m² de área interna, com total conforto e segurança aos cooperados, além de atendimento personalizado, com produtos e serviços competitivos e acessíveis.

 

Comunidade - Durante o evento, o presidente do Conselho de Administração, Luiz Ajita, comemorou a inauguração do PA e falou ainda sobre como as ações realizadas em parceria com o Instituto Sicoob reforçam o compromisso da cooperativa com a comunidade.

 

Justiça financeira - “Hoje o Sicoob Metropolitano possui cerca de 44 mil cooperados e tenho muito orgulho de dizer que acompanhei o crescimento dessa cooperativa. Como presidente, não estou aqui para falar de números, mas dizer que Mamborê é mais uma cidade onde podemos atuar para promover a justiça financeira e também fazermos a diferença, trabalhando pelo desenvolvimento da comunidade”, ressalta.

 

Força comercial - O gerente de Relacionamento do PA, Jhonathan Mingroni Bonancin, explica que Mamborê possui grande força comercial e a expectativa com a inauguração da unidade é oferecer à comunidade um modelo de negócio diferenciado. “A cidade apresenta potencial para negócios tanto na área comercial quanto rural. Desde as primeiras prospecções realizadas, percebemos que o Sicoob chegou com força no município recebendo o apoio da população”, relata.

 

Benefícios - Para a cooperada e empresária, Rose Aparecida Soares, a chegada da instituição trará muitos benefícios para a comunidade. "Quando temos conhecimento da política, da seriedade, do envolvimento com a comunidade que são característicos da cooperativa, vemos que o município só tem a ganhar. Temos certeza que o Sicoob causará um impacto muito grande em toda a população e no desenvolvimento do município, e irá somar com associações e a classe empresarial", comenta.

 

Presenças - No evento de inauguração, também estiveram presentes o diretor de Mercado do Sicoob Central Unicoob, Elisberto Torrecillas; o prefeito de Mamborê, Ricardo Radomski; o vice-prefeito, Sebastião Antonio Martinez; o presidente da Associação Comercial de Mamborê, Alvaro Angelo de Lima; o presidente da Câmara de Vereadores, Jairo Silveira De Arruda, entre outras autoridades.

 

Endereço - O endereço do novo ponto de atendimento do Sicoob em Mamborê é Rua Ricardo Kauffman, 461 A, Centro. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COPAGRIL: Cooperativa prospecta parceria com Sescoop do MS

 

copagril 18 07 2018Com o objetivo de estreitar relacionamento e prospectar parcerias em futuras ações, a Cooperativa Agroindustrial Copagril recebeu, na manhã desta terça-feira (17/07), representantes do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) do Mato Grosso do Sul.

 

Reunião - A reunião de trabalho foi realizada no Centro Administrativo da Copagril, ocasião em que a diretoria executiva da cooperativa e colaboradores recepcionaram o gerente de Desenvolvimento do Sescoop, Juarez Pereira, o coordenador de Promoção Social, Renato Marcelino e o coordenador de Monitoramento, Fabrício Soares Rodrigues. Os visitantes realizaram apresentação da política de atuação do Sescoop/MS e de produtos e serviços desenvolvidos naquele estado e que estão disponíveis para a Copagril e demais cooperativas.

 

Cultura - O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, agradeceu pela visita e enalteceu o relevante trabalho desenvolvido pela instituição na promoção da cultura cooperativista e no aperfeiçoamento da gestão das cooperativas brasileiras.

 

O Sescoop - O Sescoop é uma instituição mantida pelas cooperativas e que trabalha no monitoramento das cooperativas, formação profissional e promoção social dos cooperados e suas comunidades. O Sescoop oferece cursos, programas e publicações voltados à profissionalização da gestão por meio da execução de programas de educação, formação, capacitação e reciclagem de empregados, dirigentes de cooperativas e cooperados. (Imprensa Copagril)

 

UNIUM: Sinalização em Unidades de cooperativas é alterada para marca institucional

 

Como forma de fortalecer a marca e alinhar a apresentação visual das unidades industriais das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium irá realizar a troca de totens nas entradas de suas unidades de produção. A alteração de sinalização das placas, para a marca institucional Unium, será realizada nas cidades de Ponta Grossa (Unidade Moinho e Unidade de Beneficiamento de Leite), Castro (Unidade Alegra e Unidade de Leite) e Itapetininga (Unidade de Leite).

 

Sobre a Unium - A Unium é a marca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal e representa os projetos em que as cooperativas paranaenses atuam em parceria. As marcas reunidas pela Unium são reconhecidas pela qualidade e excelência, e entre elas está a Alegra. A Unium também conta com três marcas de lácteos: Naturalle - de produtos livres de aditivos -, Colônia Holandesa e Colaso. No setor de grãos, a Unium conta com a marca Herança Holandesa - farinha de trigo produzida em uma unidade totalmente adequada à ISO 22.000, o que a qualifica com elevados padrões de exigência. (Imprensa Unium)

 

{vsig}2018/noticias/07/18/unium/{/vsig}

 

VBP: Valor Bruto da Produção Agropecuária está estimado em R$ 562,4 bilhões

 

O valor bruto da produção agropecuária (VBP) de 2018 está sendo impulsionado principalmente por algodão, soja, café, tomate e trigo, que respondem por 37% do faturamento de 2018. Em relação ao ano passado, os acréscimos obtidos são no algodão, 38,7%; soja, 9,5%; tomate, 25,2%, trigo, 63,4%; café, 9,2%. Os três primeiros vêm apresentando aumentos de preço e de produção, que garantem esse desempenho, explica José Garcia Gasques, coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

Outros produtos - Outros produtos, como batata-inglesa e cacau, em níveis pouco mais baixos, também mostram bons resultados neste ano. “Olhando a composição do VBP, nota-se que as lavouras e a pecuária, representam resultados abaixo dos de 2017”, destaca Gasques. As lavouras, coma participação de 68,2% tiveram queda real no valor de 0,3%, e a pecuária, com fatia de 31,8%, teve queda de 5,2%.

 

Preços - Os preços agrícolas que neste ano estão menores do que no ano passado, juntamente com decréscimo de produção para alguns, são as causas ligadas a esse desempenho, de acordo com o coordenador. A pecuária vem atravessando um período difícil, de preços domésticos e internacionais em queda, e isso reflete-se nos resultados do VBP, observa.

 

Contribuição menor - Produtos como cana-de-açúcar, milho e mandioca que representam 22% do VBP têm registrado menor contribuição em relação ao ano passado. No caso da cana-de-açúcar e da mandioca, isso se deve principalmente a preços menores que estão sendo praticados no mercado. Quanto ao milho, os preços estão em média acima dos de 2017, mas a forte redução de produção forçou para baixo seu VBP.

 

Resultados regionais - Os resultados regionais mostram que seis estados representam 66,7% do valor da produção das lavouras e da pecuária no país: Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Goiás. Os produtos nos quais esses estados se destacam são soja, milho, algodão, café, leite, carne bovina e carne de frango. (Mapa)

 

Confira o resumo do VBP, os valores regionais e os principais produtos

 

{vsig}2018/noticias/07/18/vbp/{/vsig}

RISCO CLIMÁTICO: Divulgado zoneamento agrícola para culturas de verão

 

risco climatico 18 07 2018O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) aprovou o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para as culturas de arroz de sequeiro e irrigado, girassol e milho primeira safra, conforme portarias publicadas no Diário Oficial da União. 

 

Minimização dos riscos - Estudo realizado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o zoneamento é elaborado com o objetivo de minimizar os riscos relacionados a fenômenos climáticos adversos e permite a cada município identificar a melhor época de plantio da cultura nos diferentes tipos de solo e ciclos de cultivares.

 

Recomendações - O produtor para se beneficiar do Proagro, Proagro Mais e do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) deve observar as recomendações desse pacote tecnológico (zoneamento).

 

Intempérie - De acordo com normas da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, se ocorrer algum tipo de perda em função de intempéries climáticas, seca ou chuva excessiva, por exemplo, o produtor que contratou uma apólice de seguro rural ou Proagro estará amparado conforme valor enquadrado na operação. Caso ele não siga as recomendações feitas pelo Zarc, a seguradora ou o Proagro não pagará o valor da indenização ao agricultor.

 

Outros produtos - Nos próximos dias, será atualizado o zoneamento de outras culturas de verão, como o da soja, feijão 1ª safra, feijão caupi e algodão.

 

Painel de Indicação de Risco - Os agricultores, as seguradoras e os agentes financeiros podem acompanhar também as recomendações sobre o melhor momento para fazer o plantio no link Painel de Indicação de Riscos. O painel, disponibilizado no site do Mapa, facilita o acesso às informações do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), com as datas de plantio por níveis de riscos para cada município, desde o risco de perda de 20% até o de 40%.

 

O Zarc - O Zarc é um projeto coordenado pela Secretaria de Política Agrícola, e, desde 2015, voltou a ser objeto de estudo da Embrapa com objetivo de atualizar os índices técnicos demandados pelo setor produtivo. (Mapa)

 

SANIDADE: Normativos sobre qualidade vegetal serão definidos em Grupo de Trabalho

 

sanidade 18 07 2018Foi publicada, no Diário Oficial desta terça-feira (17/07), a Portaria nº 73 da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que cria o Grupo Técnico de Regulamentação da Qualidade Vegetal, com a função de elaborar normativos sobre Qualidade Vegetal, a partir de reuniões técnicas, testes práticos, estudos, pesquisas e levantamento de subsídios.

 

Coordenação Geral - O grupo ficará subordinado à Coordenação Geral de Qualidade Vegetal (CGQV) do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (DIPOV) e atenderá ao Planejamento Regulatório de Qualidade Vegetal.

 

Membros - A auditora fiscal agropecuária, Karina Fontes Coelho Leandro, vai coordenar o grupo composto pelos seguintes membros: Aline Maria Sacilotto Detoni Segati (Superintendência Federal de Agricultura - SFA de São Paulo), André Luiz Bispo Oliveira (DIPOV - Brasília), Cesar Simas Teles (SFA - Rio de Janeiro), Helena Pan Hugeri (SFA - Rio Grande do Sul), Jaqueline Matos Marques (DIPOV - Brasília), Osmário Zan Matias (SFA - Goiás); Rafael Ribeiro Gonçalves Barrocas (DIPOV - Brasília), e Vamberto Barbosa Braz (SFA - Paraíba). (Mapa)

 

TRIGO: Tempo seco já reduz qualidade da safra no Paraná, diz Deral

trigo 18 07 2018A falta de chuvas em algumas áreas do Paraná já começa a prejudicar a qualidade do trigo no Estado, principal produtor brasileiro do grão, e há riscos de mais perdas dada a perspectiva de tempo seco nas próximas semanas, afirmou nesta terça-feira (17/07) o Departamento de Economia Rural (Deral).

Boletim - Em boletim, o órgão vinculado ao governo paranaense destacou que 75 por cento das plantações estão em qualidade "boa", contra 82 por cento na semana passada e também em igual momento de 2017. Já as lavouras consideradas "ruins" passaram para 5 por cento, de 3 por cento há uma semana. "No Norte Pioneiro, principalmente, já tem pelo menos 35 dias sem chuvas, o que está piorando um pouco mais (a qualidade da safra)", afirmou o analista Carlos Hugo Godinho, do Deral.

Fase - "Já temos 11 por cento (da safra de trigo do Paraná) em floração e 1 por cento em enchimento de grão. Essas lavouras precisam de um pouco mais de água. Se faltar nas próximas duas semanas, com certeza o potencial produtivo será decrescido", frisou. O Thomson Reuters Agriculture Weather Dashboard aponta precipitações abaixo do normal em todo o Paraná até 1º de agosto.

Aquém - No Norte Pioneiro, por exemplo, deverá chover cerca de 25 milímetros aquém do esperado para esta época do ano.Em paralelo, as temperaturas no Estados devem ficar até 6 graus Celsius acima da média nesses próximos dias --na véspera, a Ocepar, que representa cooperativas no Paraná, já havia alertado que o tempo quente e seco pode impactar a safra de trigo deste ano.

Contraste - O cenário atual contrasta com o de um ano atrás, quando fortes geadas atingiram boa parte do trigo do Paraná, reduzindo o volume de colheita. Até agora em 2018, foram observados dois episódios de geadas, mas sem impactos para a safra de trigo.

Estimativa - Pela estimativa mais recente do Deral, o Paraná deve colher 3,36 milhões de toneladas de trigo em 2018, um aumento de 50 por cento na comparação com o ano passado. O Estado teve mais de 1 milhão de hectares semeados com a cultura neste ano, e a colheita geralmente começa em agosto. (Reuters)

 

ENERGIA ELÉTRICA: Conta de luz subirá até 3,86% com reajuste de receita de hidrelétricas

 

energia eletrica 18 07 2018A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (17/07) reajuste de 45,52% na receita anual de geração de 69 usinas hidrelétricas que atuam no regime de cotas. A medida vai provocar aumento nas contas de luz entre 0,02% e 3,86%, segundo a Aneel. O impacto médio será de 1,54%.

 

Impacto - O impacto na conta de luz depende da data do reajuste aprovado pela Aneel e da quantidade de cotas (volume de energia) que cada distribuidora compra das hidrelétricas. O volume de cotas de cada distribuidora representa, em média, 22,64% dos contratos de energia das concessões.

 

Remuneração total - A remuneração total recebida pelas usinas, de julho de 2018 a junho de 2019, será de R$ 7,944 bilhões.

 

Cálculo - Segundo a Aneel, a receita anual de geração é calculada considerando os valores do Custo da Gestão dos Ativos de Geração (GAG), acrescidos de encargos de uso e conexão, receita adicional por remuneração de investimentos em melhorias de pequeno e grande porte, investimentos em bens não reversíveis, Taxa de Fiscalização dos Serviços de Energia Elétrica, custos associados aos programas de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética e eventuais ajustes.

 

MP - O regime de cotas foi implantado por meio da Medida Provisória nº 579, de 2012, com renovação automática das concessões de usinas hidrelétricas. Para isso, as hidrelétricas tiveram que vender energia às distribuidoras por um preço fixo, determinado pela Aneel, ao contrário de firmarem preços conforme o mercado e as realidades das instituições. (Agência Brasil)

 

BIOCOMBUSTÍVEL: Brasil pode se tornar o segundo maior produtor e consumidor de biodiesel do mundo

 

biocombustivel 18 07 2018No início de março, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou a medida que visa o aumento da mistura de biodiesel nos óleos diesel comum para 10% (B10). O aumento da utilização de biodiesel no óleo diesel impacta diretamente no aumento da produção de biodiesel no país. Segundo a União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) a expectativa é que a produção aumente em 25% este ano em relação a 2017. O volume de produção do biodiesel pode chegar a 5,4 bilhões de litros em 2018. Com o B10, o país pode se consolidar como o segundo maior produtor e consumidor de biodiesel do mundo, ficando atrás apenas dos EUA.

 

Impacto - O biodiesel causa menos impacto na natureza e está sendo produzido a partir de óleos vegetais como: soja, girassol, canola, óleos residuais e gorduras animais, como o sebo bovino e aviário. No Brasil, o biodiesel é utilizado desde janeiro de 2008, quando uma Lei obrigou que todo o óleo diesel do país deveria conter 2% de biodiesel (B2). Em 2013, esta composição obrigatória subiu para, pelo menos, 5% (B5) ou mais, possibilitando sua utilização no biodiesel natural (B100).

 

Consumo interno - O consumo interno de diesel no Brasil é de 54,5 bilhões de litros por ano. Os dados da Urabio mostram que 82,4% são utilizados no transporte, 14,6% pela agricultura e cerca de 3% são usados pela agricultura industrial e outros setores. O Brasil importa 13 bilhões de litros por ano, equivalente a 23% do diesel consumido. A produção e o consumo de 5,4 bilhões de litros de biodiesel em 2018 equivale a economia cerca de US$ 2,8 bilhões na balança comercial brasileira, pois cada litro de biodiesel substitui um litro de diesel de petróleo.

 

Para ficar - Federico Sakson, gerente de negócios para biodiesel da Camlin Fine Sciences (CFS) para América do Sul, disse que “O biodiesel veio para ficar. É uma fonte renovável extraído de óleo vegetal ou animal, não tóxico e é biodegradável (cem vezes mais do que o óleo diesel comum). O protocolo de Kyoto sugeriu a fabricação e utilização do biodiesel e do álcool como uma das maneiras mais eficazes de diminuir a poluição da atmosfera pelo gás carbônico, enxofre, metano e por outros gases formadores de efeito estufa. Para você ter uma ideia, o biodiesel emite 98% menos CO2 do que o petróleo, não produz fumaça preta nem odores desagradáveis”. (Petronoticias / Boletim Biomassa&Energia)

 

INFRAESTRUTURA: Decreto com 14 artigos regulamenta devolução de concessões

 

Após meses de idas e vindas, o presidente Michel Temer deve finalmente assinar nos próximos dias o decreto que regulamenta a devolução de concessões problemáticas de infraestrutura. A subchefia de assuntos jurídicos da Casa Civil, última instância de análise antes de sua assinatura, já emitiu um atestado dizendo que não existe mais nenhum “óbice legal” à publicação do decreto.

 

Entrega amigável - Com isso, destrava-se a entrega amigável de concessões como as rodovias BR-040 entre Brasília (DF) e Juiz de Fora (MG), controlada pela Invepar, e BR-393 (RJ), da espanhola Acciona. Os acionistas de Viracopos (SP) também aprovaram sua devolução e chegaram a entrar na Justiça cobrando agilidade no decreto, mas o governo acredita que o aeroporto terá uma solução de mercado dentro do processo de recuperação judicial da concessionária.

 

Lei 13.448 - Com 14 artigos, o decreto regulamenta a Lei 13.448, que foi sancionada em junho do ano passado. Sem ele, faltavam instruções sobre o processo de relicitação dos ativos devolvidos e sobre o pagamento de indenizações às empresas por investimentos não amortizados em obras.

 

Versão final - A versão final do decreto foi considerada “seca” por participantes das discussões. Não traz nenhuma menção explícita, por exemplo, ao congelamento de multas aplicadas às concessionárias por inadimplência contratual — como atraso na duplicação de estradas ou no pagamento de outorgas. Isso significa que, ao manifestar desejo de devolver uma concessão ao governo, a empresa não terá garantias de que suas multas deixarão de crescer.

 

Controvérsias - Teria sido, segundo fontes do governo ouvidas pelo Valor, uma forma de evitar controvérsias e suspeitas de favorecimento que possam gerar dores de cabeça a Temer após o Decreto dos Portos — pivô de um inquérito na Polícia Federal para investigar o presidente.

 

Indenizações - O cálculo das indenizações também ficou de fora do decreto e será objeto de resoluções específicas, que estão em estágio avançado de elaboração, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

 

Pedido por escrito - De acordo com o texto ao qual o Valor teve acesso, a empresa ou consórcio interessado em devolver a concessão deverá encaminhar à agência reguladora setorial um pedido por escrito com uma série de explicações: justificativas e elementos técnicos que mostrem a razoabilidade de relicitação do ativo; declaração formal quanto à intenção de aderir de forma irrevogável e irretratável ao termo aditivo que extingue o contrato de parceria; renúncia expressa quanto à participação de seus acionistas diretos ou indiretos na relicitação do novo contrato; e informações necessárias ao prosseguimento da relicitação (investimentos realizados, financiamento contratado, cessão de áreas comerciais).

 

Proposta - O concessionário deverá informar, de maneira fundamentada, sua proposta para a continuidade e segurança na prestação dos serviços enquanto o ativo não for relicitado. Uma vez recebido o pedido formal, a agência reguladora avaliará se os requisitos foram cumpridos e se manifestará em “caráter preliminar” ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil sobre a “viabilidade técnica e jurídica” da relicitação.

 

Encaminhamento - Em seguida, o ministério enviará o processo ao conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que poderá qualificar ou não o ativo para relicitação. Se isso ocorrer, a agência preparará um termo aditivo definindo as condições de prestação do serviço pelo concessionário atual até que seja concluída a passagem de bastão para um novo grupo ou empresa. Esse é o ponto de inflexão do processo.

 

Auditoria - Uma empresa independente de auditoria deverá ser contratada para fazer um pente-fino nos números, com recursos do próprio concessionário, até 15 dias depois da assinatura do termo aditivo. Também “poderão constar” outras questões relevantes, como a previsão do pagamento de indenizações devidas ao concessionário por investimentos não amortizados e compromissos financeiros de quem estiver entregando a concessão (não distribuir dividendos aos acionistas, proibição de redução do capital social e veto à celebração de novos contratos para a exploração comercial nas áreas dos ativos).

 

Abatimento de multas - Do valor total das indenizações, ao final do processo, serão abatidas multas aplicadas por inadimplência contratual e valores de outorgas (no caso dos aeroportos) que estejam em atraso.

 

Condições pactuadas - Um parágrafo do decreto fala especificamente sobre o financiamento à concessão e abre caminho para que as condições pactuadas originalmente sejam mantidas ao novo concessionário: “Quando as condições de financiamento se mostrarem vantajosas para o poder público e viáveis para os financiadores, a agência reguladora poderá, consultados os financiadores e garantidores do requerente, exigir a assunção, pela futura sociedade de propósito específico (SPE), das dívidas adquiridas pelo requerente, no todo ou em parte”. (Valor Econômico)

LIVRE COMÉRCIO: Em carta, indústrias brasileira e alemã defendem acordo Mercosul-UE

 

livre comercio 18 07 2018Representantes das indústrias do Brasil e da Alemanha assinaram carta em que defendem a conclusão do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. O documento foi assinado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), Federação das Indústrias Alemã (BDI) e pelo Conselho da Indústria Alemã para a América Latina (LADW). Para as entidades, existem condições políticas favoráveis para que o acordo seja firmado. 

 

Negociações - As negociações entre os blocos tiveram início em 1999 e foram interrompidas entre 2004 e 2010. A expectativa do setor empresarial é que o acordo seja concluído ainda este ano, o que representaria o maior acordo de livre comércio firmado pelo Brasil, impactando na redução das barreiras tarifárias e não tarifárias de serviços e aumento dos investimentos bilaterais. De acordo com a CNI, a União Europeia é o principal investidor no Mercosul, e o Mercosul é o sexto investidor no bloco europeu. 

 

Encontro - Está previsto para esta quarta-feira (18/07) encontro, em Bruxelas, entre ministros dos dois blocos. 

 

Insatisfação - No entanto, o comissário europeu de Agricultura, Phil Hogan, disse na segunda-feira (16/07), em Bruxelas, que a União Europeia não está satisfeita com os progressos das negociações para o acordo comercial e descartou a hipótese de um pacto definitivo ser anunciado ainda nesta semana. 

 

Impasse - Hogan citou que há impasse em sete questões: carros, peças de veículos, regras de origem, licitações, serviços marítimos, produtos lácteos e indicações geográficas.

 

Preocupações - Também estão na lista de preocupações do Mercosul os temas relativos à carne bovina, ao açúcar e ao etanol. Mais recentemente entrou em discussão a pressão da União Europeia para reduzir o percentual das tarifas de importação de automóveis. (Agência Brasil)

 


Versão para impressão


RODAPE