Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4361 | 02 de Julho de 2018

DIA C I: Mais de 5 mil pessoas participam do Dia de Cooperar em Curitiba

1dia c I 02 07 2018O clima do voluntariado e do cooperativismo tomou conta do Parque dos Tropeiros, no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC), neste sábado ensolarado (30/06) da capital paranaense. Em Curitiba, foram mais de 350 voluntários distribuídos em 17 tendas, com ações de educação, saúde, bem-estar e lazer, para todas as idades. Cerca de 5 mil pessoas passaram pelo local até o final do dia e, juntamente com os voluntários e cooperativistas, celebraram um movimento que muda milhares de vidas todos os anos. Para a população do bairro CIC (Cidade Industrial de Curitiba), que representa 10% do total do município, a celebração foi uma forma de reativar o parque, fechado desde 2012. Ao longo do dia, exames de câncer de pele e de mama foram realizados em algumas tendas de saúde. Em todo o estado, foram mais de 80 munícipios realizando celebrações deste movimento ao longo do mês de julho. 

União - Na capital paranaense, o evento que celebrou o cooperativismo foi organizado pelo Sistema Ocepar, entidade que representa o setor cooperativo no Estado, e pelas cooperativas Aurora, Dental Uni, Sicoob Metropolitano, Sicredi Campos Gerais, Sicredi Integração, Sicredi Crednoreg, Sicredi Medicred, Unimed Paraná e Unimed Curitiba. Este ano, a ação teve o apoio da Unicic – União das Associações dos Moradores da Cidade Industrial de Curitiba, Sanepar e Prefeitura de Curitiba. 

 

Sou Arte - O Espaço Sou Arte foi uma das atrações do evento de celebração do Dia C – Dia de Cooperar em Curitiba, no Parque dos Tropeiros. O grupo é formado, em sua maioria, por jovens oriundos de projetos sociais, que viviam em situação de vulnerabilidade e que hoje sobrevivem da arte. Com agenda cheia o ano todo, a companhia percorre o Paraná e outros estados, encantando plateias com apresentações que mesclam arte circense, teatro e dança. Do figurino ao roteiro, tudo é planejado e produzido pelos próprios integrantes do Sou Arte. No Dia C em Curitiba, o Sou Arte fez duas apresentações, uma oportunidade para o público conferir o talento e a alegria de um dos grupos artísticos mais queridos do Estado.  

 

Meio ambiente - Responsáveis por movimentar mais de 60% do que se produz no Paraná, as cooperativas do Estado reafirmaram seu compromisso com o meio ambiente neste sábado. Durante o evento, o Sistema Ocepar, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA) assinaram um protocolo de intenções do Programa "Plante Árvores", cujo objetivo é a recuperação de áreas degradadas no Paraná. "As cooperativas paranaenses destinam 28% de suas áreas de plantio para a preservação ambiental, quando a legislação determina 20%. Fazemos isso pois nosso cuidado com o desenvolvimento sustentável é foco do nosso trabalho", afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que plantou uma muda no Parque dos Tropeiros (no CIC), em nome de todas as cooperativas que atuam no Estado.

Ação - O Dia C é um movimento de responsabilidade social do cooperativismo brasileiro que tem por objetivo estimular a realização de projetos socioambientais contínuos e estruturados que promovam transformação, em alinhamento com os objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). Para dar visibilidade a esse movimento, uma vez por ano uma grande ação é realizada simultaneamente em todo o Brasil. Por um dia inteiro, cooperativas e milhares de voluntários promovem ações sociais e ambientais em locais públicos com o intuito de celebrar o cooperativismo

 

DIA C II: Ação solidária produz 23 mil fraldas geriátricas em Maringá

Reunidos na manhã de sábado (30/06) na Associação Cocamar em Maringá (PR), mais de 600 colaboradores voluntários, representando sete cooperativas, participaram de uma ação solidária do Dia de Cooperar, oportunidade em que em apenas 1 hora e 40 minutos, produziram 23 mil fraldas geriátricas para doação a três entidades assistenciais da cidade.

Realizações - Promovido anualmente nesta época, como parte das comemorações do Dia Internacional do Cooperativismo, o Dia de Cooperar, também chamado de Dia C, contou com mais de uma centena de realizações solidárias no Paraná que mobilizaram milhares de colaboradores voluntários e, em muitos casos, também os seus familiares.

Segundo ano - Em Maringá, os trabalhos foram coordenados pela Casa das Fraldas São José, de Campo Mourão, que há anos se dedica a trabalhos assim. A proposta de produzir fraldas geriátricas aconteceu pelo segundo ano consecutivo na cidade, alcançando o objetivo de superar os números de 2017, quando o Dia C registrou a elaboração de 20 mil unidades. Participaram representantes das cooperativas Cocamar, Sicredi, Sicoob, Unimed, Uniodonto, Unicampo e Pluricoop.

“Amor ao próximo” - Ao pronunciar-se na abertura dos trabalhos, o presidente da Cocamar, Divanir Higino, destacou que o evento do ano passado foi destaque nacional, resumindo: “Uma demonstração de amor ao próximo, em que as pessoas doam parte de seu dia para fazer o bem a quem muito precisa”. O vice-presidente José Cícero Aderaldo e o superintendente de Operações, Osmar Liberato, além de vários gerentes e cerca de 200 colaboradores, também marcaram presença. Compareceram dirigentes das demais cooperativas e o Sistema Ocepar foi representado pelo seu coordenador de desenvolvimento humano, Humberto Bridi.

Demanda - Marta Kaiser, presidente da Casa das Fraldas São José, explicou que as cooperativas adquiriram os materiais e, nos últimos dois meses, cerca de 200 voluntários de Campo Mourão trabalharam no recorte das fraldas para que fossem finalizadas numa sequência em série, em Maringá. “Cada idoso ou pessoa com deficiência, atendida em entidades, demanda geralmente cinco fraldas por dia”, comentou. Toda a produção será destinada nesta segunda-feira (02/07) ao Lar dos Velhinhos, Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e Promoção do Voluntariado Paranaense (Provopar). (Imprensa Cocamar)

{vsig}2018/noticias/07/02/dia_c_cocamar/{/vsig}

DIA C III: Dia de Cooperar é comemorado em intercooperação em Mandaguari

Em diversos estados brasileiros, a manhã do último sábado (30/06) foi marcada por ações de voluntariado envolvendo as comunidades locais. Em Mandaguari, o Dia C – Dia de Cooperar – foi promovido pelas cooperativas Cocari, Aurora Alimentos, Sicredi Agroempresarial PR/SP e Rodocoop, com apoio da Unimed Maringá, Sescoop/PR e Prefeitura de Mandaguari.

Dia C – O Dia C é realizado em comemoração ao Dia Internacional do Cooperativismo, celebrado oficialmente no primeiro sábado do mês de julho. Neste ano, o tema foi “Atitudes simples movem o mundo”. O objetivo é promover ações voluntárias, além de atividades com temas ligados à cultura, educação, responsabilidade socioambiental, saúde, esporte e lazer.

Ações – Assim como em 2017, houve a realização da Pedalada Cooperativa e um mix de ações, como: aulas de dança, playground com monitores, medição de glicemia, aferição de pressão arterial, cadastro para doação de medula óssea, cortes de cabelo, doação de mudas de essências nativas e medicinais, feira de adoção de animais, coleta de óleo de cozinha para reciclagem, arrecadação de alimentos entre outros.

Cidade cooperativa – O presidente da Cocari, Vilmar Sebold, destacou que a participação da comunidade reflete a consciência da população. “A conscientização é necessária, e Mandaguari é uma cidade cooperativa. Hoje temos uma força cooperativa que, seguramente, é a que mais gera emprego e impulsiona o desenvolvimento da nossa cidade e da região, basta calcular o número de empregos que geram e também o valor econômico que passa pelas cooperativas”, enfatizou. “No Dia C podemos perceber o grande diferencial, que é o envolvimento das pessoas. Com o cooperativismo o município todo é beneficiado”, assegurou.

Benefícios – As cooperativas participantes deste Dia C já têm um grande histórico de atuação conjunta em suas atividades. E o presidente da Rodocoop e vice-presidente da Cocari, Marcos Trintinalha, chama a atenção para isso. “Temos muitos exemplos de intercooperação entre as cooperativas que estão aqui, e essa sistemática é algo que temos de buscar e fomentar ainda mais, porque gera empregos e fortalece o setor”, ponderou. “É importante mostrar para as comunidades os benefícios que as cooperativas trazem para as regiões em que atuam, o que beneficia a diversos setores da economia, repercutindo em toda a sociedade”, frisou.

Exemplo – O gerente do abatedouro da Aurora em Mandaguari, Gilmar Luis Gruber, ressaltou a importância do voluntariado. “O dia de hoje é momento de muita alegria porque o cooperativismo tem oportunidade de mostrar para a sociedade que as cooperativas não estão apenas presentes, mas fazem parte da comunidade. Agradecemos as cooperativas que são parceiras e, em especial, a todos os voluntários, que mais uma vez contribuíram para que este evento tivesse êxito”, afirmou. “Tomara que o cooperativismo possa espelhar toda a sociedade para que possamos construir um mundo ainda melhor para todos nós”, destacou.

Emoção – O Dia C em intercooperação começou singelo, e ver a Praça Independência de Mandaguari repleta de pessoas aflora a emoção de Agnaldo Esteves, presidente da Sicredi Agroempresarial PR/SP. “É emocionante ver esse evento, que começou bem pequeno, conquistar uma grande proporção, com aumento não apenas no número de pessoas, mas com engajamento maior da comunidade, das cooperativas, o que é muito gratificante”, destacou. “Nas agências da Sicredi de toda a área de atuação no Paraná e em São Paulo, as ações do Dia C ocorrem simultaneamente, envolvendo principalmente as crianças, com foco na educação e na saúde”, completou.

Potencial - As ações do Dia C reforçaram o potencial de atuação das cooperativas no campo da responsabilidade social. (Imprensa Cocari)

{vsig}2018/noticias/07/02/cocari/{/vsig}

MÍDIA: Folha Rural traz reportagem especial sobre o Dia Internacional do Cooperativismo

midia 02 07 2018A Folha de Londrina publicou, no suplemento Folha Rural de sábado (30/06), uma reportagem especial em alusão ao Dia Internacional do Cooperativismo, que este ano será comemorado em 7 de julho. O jornalista Victor Lopes mostra a evolução dos resultados obtidos pelas cooperativas paranaenses nos últimos anos. Também conta a história de cooperados e colaboradores que estão crescendo junto com o cooperativismo. A publicação traz ainda uma entrevista com o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. Clique nos links abaixo para conferir os conteúdos.

 

 

Cooperativismo sólido e de histórias reais

Em dez anos, sistema ganhou mais de 1 milhão de cooperados

De “garota tímida” à liderança na cooperativa

“Conheço o cooperativismo desde moleque

Solidez em meio às adversidades Ocepar: “períodos de crise demonstram quem realmente está preparado”

 

PRIMATO: Dia de Negócios reuniu grandes marcas do agronegócio em Toledo

Com o objetivo de apresentar as novidades e tecnologias disponíveis no mercado do agronegócio brasileiro, a Primato Cooperativa Agroindustrial promoveu, entre os dias 27 a 29 de junho, o Dia de Negócios. O evento foi montado em frente ao complexo industrial/administrativo da cooperativa na BR 163, em Toledo (PR) e teve a parceria com empresas nacionais e multinacionais dos setores de máquinas, implementos agrícolas, insumos, defensivos, adubos, linhas de sementes e medicamentos veterinários.

RaçõesA Primato apresentou aos participantes a linha completa das rações Prima Raça, com destaque para o gado de corte e leiteiro, além da assistência técnica, agropecuária e agrícola que a cooperativa disponibiliza aos cooperados.

Agrícola - Na parte agrícola a exposição apresentou as linhas de sementes, defensivos, adubos, fertilizantes de marcas nacionais e multinacionais parceiros da Primato Agrícola que fazem o composto do ciclo da agricultura dos produtores rurais.

Máquinas - Trazendo as novidades e lançamentos do setor de máquinas e implementos agrícolas, os destaques ficou por conta de tratores, colheitadeiras, plantadeiras, pulverizadores de vários tamanhos estiveram expostos e chamaram a atenção dos participantes.

Agropecuária Toda a estrutura agropecuária foi disponibilizada com novidades para 2018. Assim como na parte veterinária com vacinas, suplementos, melhoradores, antissépticos e pesticidas das melhores marcas.

Público - Centenas de pessoas participaram dos três dias do evento que teve muita informação, relacionamento e negócios efetivados. Nos dois primeiros dias foram servidos almoço com churrasco na Associação da Primato que fica anexo ao local. (Imprensa Primato)

{vsig}2018/noticias/07/02/primato/{/vsig}

COPAGRIL I: Cooperativa prepara atrativos para Expo Rondon 2018

A Cooperativa Agroindustrial Copagril, uma das principais parceiras do município na realização da Expo Rondon 2018, está preparando seus atrativos para mais uma edição do evento, cujo lançamento aconteceu na sexta-feira (29/06), na sede da Acimacar, e cuja programação ocorrerá de 26 a 29 de julho, no Parque de Exposições de Marechal Cândido Rondon.

Segmentos - A Copagril participa de cinco segmentos da Expo Rondon: Expopecuária, Expomar, Salão do Agronegócio, Exposição de Máquinas Agrícolas e Boi no Rolete. Para alinhar detalhes da organização dos seus espaços na feira, a cooperativa realizou uma reunião, na tarde de hoje, com responsáveis pelos diferentes setores, no Centro Administrativo.

Condução - A reunião foi conduzida pelo gerente da Divisão Agropecuária, Enoir José Primon, e pelo encarregado de Marketing, Comunicação e Cooperativismo, Junior Paulinho Niszczak, os quais expuseram os projetos dos estandes da cooperativa, apresentou quais serão os atrativos oferecidos ao público, bem como dispôs sobre o plano de trabalho para a participação da empresa no evento.

Estande - Na Exposição da Indústria, Comércio e Serviços (Expomar), a Copagril terá estande em parceria com a Frimesa Cooperativa Central, espaço usado para exposição de novos produtos lançados por ambas as empresas. Segundo Junior, a feira é uma grande oportunidade para mostrar ao público o que é produzido localmente. “Queremos mostrar aos rondonenses e visitantes da feira os potenciais locais, para que as pessoas possam se orgulhar por termos indústrias fortes e competitivas, além de produtos de altíssima qualidade, com inserção nos mercados do Brasil e do exterior”, enfatiza.

Animais - Na Expopecuária, a Copagril organiza a exposição de animais, incluindo bezerras e vacas leiteiras, suínos e aves, a partir dos fomentos da cooperativa.

Formato diferenciado - Na exposição de máquinas e implementos agrícolas, o objetivo deste ano é apresentar um estande em formato diferenciado, elevado, buscando inovar e chamar a atenção do público.

Salão do Agronegócio - Por sua vez, no Salão do Agronegócio exclusivo da Copagril, o público encontrará um espaço aconchegante na Cafeteria dos Supermercados Copagril e grande variedades de produtos no estande das Lojas Agropecuárias. O estande dos Postos Copagril terá um protótipo do veículo de corrida da StockCar; havendo ainda o estande da assistência técnica agrícola Copagril; marketing de relacionamento com divulgação da Rota 50 e do aplicativo Copagril para smatphone, assim como o Espaço Kids com a presença dos mascotes Popi e Poli. (Imprensa Copagril)

{vsig}2018/noticias/07/02/copagril_I/{/vsig}

COPAGRIL II: Promoção Copa da Sorte já soma 40 ganhadores

copagril II 02 07 2018O fim do mês pode ser um período de sorte para os clientes da Copagril. Na manhã de sábado (30/06) foram sorteados mais 20 prêmios da Promoção Copa da Sorte Copagril, em frente ao Supermercado I, na Avenida Maripá, com transmissão ao vivo na página da cooperativa no Facebook.

Segundo sorteio - Foi o segundo sorteio da promoção, quando foram sorteados cinco smart TVs, cinco camisetas da Seleção Brasileira e 10 bolas de futebol Copa do Mundo Fifa. Até agora já são 40 ganhadores.

Locais - A promoção está sendo realizada nos Postos, Supermercados e Lojas Agropecuárias Copagril e terá continuidade até o dia 14 de julho, quando acontecerá o terceiro e último sorteio.

Cupom - Para concorrer, os clientes recebem um cupom a cada R$ 100 em compras. A exceção é para produtos pecuários (rações e matrizes), cujo cupom será entregue a cada R$ 500 em compras. Até o fim da promoção serão sorteadas 15 TVs, 15 camisetas e 30 bolas, totalizando R$ 25.000 em prêmios. (Imprensa Copagril)

 

 

SICREDI UNIÃO: Centro de Informática forma 107 alunos

O programa Centro de Informática, da Sicredi União PR/SP, fará a entrega de certificados para 107 alunos que realizaram o curso gratuito de Informática Básica neste primeiro semestre. Os eventos serão iniciados nesta segunda-feira (02/06), a partir das 19 horas, na Associação Comercial e Empresarial de Alto Paraná (Aciap), que fica na Rua Soares Raposo, 1291.

Outros municípios - Até o dia 12, a cerimônia também será realizada em outros cinco municípios: Graciosa (distrito de Paranavaí), Floraí, Nova Esperança, Paranavaí e Terra Boa (confira a tabela com a programação). Em cada localidade estarão presentes os estudantes e familiares, parceiros do programa e autoridades convidadas.

Duração - A capacitação gratuita tem duração de quatro meses e é realizado duas vezes por ano, de março a junho e de agosto até novembro, com duas aulas por semana. A iniciativa é voltada para associados da Sicredi União e familiares, bem como para a comunidade, e abrange todas as faixas etárias - desde crianças a partir de oito anos até pessoas na terceira idade. Por esse motivo, as turmas são organizadas de acordo com o perfil dos alunos para facilitar o processo de aprendizado.

Conteúdo - Durante as aulas, os participantes aprendem a utilizar os principais programas do pacote Office, como Word, Excel e Power Point, e a navegar na internet. Nesse processo também é ensinado digitação, formatação de documentos e até mesmo a acessar as operações online da instituição financeira cooperativa.

Certificados - Lançado em 2013 no distrito de Graciosa, o programa está presente em nove municípios e já formou mais de 600 pessoas. Somente ano passado, 190 alunos receberam o certificado. O objetivo é levar conhecimento a quem não tem acesso, promovendo a inclusão digital e facilitando o dia a dia das pessoas. Para isso, a Sicredi União disponibiliza equipamentos e instrutores, já os parceiros providenciam o local para a realização do curso. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

SICOOB COOESA: Presente no II Seminário de Cooperativismo e Extensão Rural em Castanhal

Nos dias 18 e 19 de junho, aconteceu em Castanhal (PA), o II Seminário de Cooperativismo e Extensão Rural, que este ano abordou o tema "Gênero, Cooperação e Formação Profissional". O Sicoob Cooesa participou da programação por meio da palestra de cooperativismo ministrada pela gerente geral Andrea Almeida.

União - Esta é a segunda vez que a Sicoob Cooesa esteve no Seminário, promovido pelo Instituto Federal do Pará (IFPA) Castanhal e organizado por jovens estudantes. Em sua fala, Andrea tratou sobre o cooperativismo financeiro e as opções que o Sicoob possui para subsidiar outras cooperativas. “A solução para os desafios no campo é a união. É preciso formar cooperativas para sanar problemas de transporte, de escoamento e de produção em massa. Ações como esta, nos permitem entender o perfil e as necessidades do futuro associado do segmento do agronegócio”.

Sobre o Seminário - A proposta do evento era promover integração e levar conhecimentos sobre o cooperativismo para alunos do oitavo semestre do curso de agronomia. O Seminário é realizado como finalização das disciplinas de Cooperativismo, Economia Solidária e Extensão Rural e organizado por duas cooperativas fictícias formadas pelos alunos de 2014, a COAMA e a COOMAC. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2018/noticias/07/01/sicoob_cooesa/{/vsig}

TRANSPORTE DE CARGAS: Relator da MP 832 propõe "custo mínimo" do frete

transporte cargas 02 07 2018Com a sinalização do STF de que levará pelo menos dois meses para começar a decidir sobre a possível inconstitucionalidade do tabelamento de frete mínimo, o relator da MP 832 na comissão especial do Congresso, deputado Osmar Terra (MDB-RS), vai propor em seu parecer a criação do que chama de "custo mínimo" para o frete rodoviário de cargas, em substituição ao conceito de "preço mínimo".

Valor de mercado - Mais próximo do valor de mercado praticado nos contratos de fretes antes da publicação da MP em 27 de maio, o "custo mínimo" serviria para cobrir custos variáveis dos motoristas, como gastos com combustíveis, lubrificantes, reparo de pneus e depreciação do veículo, por exemplo. No entanto, a exemplo do preço mínimo, esse novo conceito de valor mínimo também seria obrigatório e definido pela Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT).

Divergências - A ideia de Terra é tentar minimizar divergências entre empresas que contratam frete e caminhoneiros em torno da tabela, para garantir a aprovação acelerada da MP ainda neste mês, antes de o Congresso entrar em recesso. A ideia do deputado, alinhado ao governo e ao movimento dos caminhoneiros, é apresentar o relatório e colocá-lo em votação nesta terça-feira (03/07), para que o plenário da Câmara o aprove na quarta. A partir daí, ele poderia ser aprovado no plenário do Senado em uma semana.

Argumento - "Estou cada vez mais convencido que temos que ter um custo mínimo para o caminhoneiro sair de casa, não tem como obrigar ele viajar abaixo do custo", disse Terra. "Mas isso não impede que as leis de mercado atuem para se chegar num valor de frete ideal, e não é a nossa lei que vai regular isso. A lei vai dar base para discutir o valor, mas o custo real do frete vai ser um equilíbrio entre um valor mínimo e o seu ganho."

Valores altos - Segundo Terra, os caminhoneiros entenderam que a tabela de preços mínimos para o frete publicada pela ANTT trouxe valores muito altos que garantem, na prática, um lucro fixo para o motorista. Mas, para ele, o tabelamento também incentiva transportadoras a ampliar frotas e a contratar cada vez menos autônomos. Portanto, entidades de caminhoneiros foram convencidas de que a tabela poderia prejudicar o mercado.

Mudanças e avanços - "Em três meses, já conseguimos conquistar mudanças e avanços no transporte de cargas que não aconteceram em 30 anos. O problema é que já trabalhamos abaixo do custo e isso não está trazendo resultado para nós", diz Ariovaldo de Almeida Júnior, presidente do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Ourinhos-SP (Sindicam), que é favorável ao conceito de custo mínimo.

Simpatia - Críticos do tabelamento de fretes rodoviários, setores do governo e até alas do setor do agronegócio que entraram com liminares na Justiça contra a MP já demonstram simpatia à ideia do custo mínimo. "Se buscar uma alternativa por esse lado dá para andar. O que não dá é incluir margem de lucro e frete de retorno em cima do valor mínimo", diz fonte do governo.

Força - André Nassar, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), reforça que a entidade se posiciona contra a tabela, mas reconhece que a votação da MP ganhou força com a decisão do ministro Luiz Fux, do STF, de só analisar as liminares após audiência pública marcada para 27 de agosto. (Valor Econômico)

 

ECONOMIA I: Cesta básica aumentará 12% com indefinição sobre acordo

 

economia I 29 06 2018A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) calculou os impactos do tabelamento de fretes no principal item de compra das famílias brasileiras: a cesta básica de alimentos. As estimativas consideraram que os preços dos produtos como arroz, carnes, feijão, leite, ovos, tubérculos, frutas e legumes aumentarão 12,1% em decorrência do tabelamento dos fretes. Esses produtos representam 90,4% da cesta básica de alimentos e afetam principalmente a população mais carente. 

 

Poder de compra - Em maio as famílias brasileiras dispendiam 46,2% do salário mínimo para aquisição da cesta básica. De acordo com as estimativas, a partir de julho as famílias gastarão mais de 50% do salário mínimo para adquirirem os mesmos produtos.  O tabelamento fará com que as famílias brasileiras percam seu poder de compra. Isso porque em 2018 o governo federal elevou o salário mínimo para R$ 954, um acréscimo de R$ 17, enquanto o tabelamento do frete deverá aumentar o custo da cesta de alimentos em R$ 53,40, valor três vezes maior.

 

Impactos futuros - O impacto estimado pela Confederação preocupa principalmente pelos reflexos futuros na macroeconomia nacional, pois na composição do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para “alimentos no domicílio”, os produtos considerados na análise representam mais da metade desse componente. Antes da greve dos caminhoneiros, o IPCA acumulado em 12 meses (até abril) era de 2,76% graças, principalmente, aos preços dos “alimentos no domicílio”, que apresentavam deflação.

 

Inflação - Após a greve e o tabelamento de fretes, houve completa reversão nesse quadro de estabilidade inflacionária, com esse índice projetado em 4,42% para o mês de junho. Isso ocorreu porque os preços dos alimentos no domicílio caíram 4,68% em 12 meses, mas devem encerrar o acumulado até junho/2018 com alta de 0,53%, uma incrível reversão em sua trajetória. Somente no mês de junho, a expectativa é de aumento de 3,43% nesse item.  

 

Projeção - Antes da greve dos caminhoneiros, o boletim Focus do Banco Central de 27 de abril indicava que a inflação em 2018 seria de 3,49%. Já o último relatório, publicado em 22 de junho, a projeção de inflação é de 4,00%, demonstrando que o mercado já está precificando os impactos da instabilidade do tabelamento. Projeções feitas pela LCA Consultores, a pedido da CNA, consideraram que, caso haja o repasse integral de custos de transporte ao longo de toda cadeia (produtores, agroindústria e varejo), a inflação pode subir ainda mais, podendo atingir o teto da meta, alcançando entre 5,0% e 6,0% ao final de 2018. (Imprensa CNA)

 

ECONOMIA II: Reportagens mostram impactos da paralisação dos caminhoneiros no bolso dos consumidores

 

Passados mais de um mês do início da paralisação dos caminhoneiros, os consumidores estão sentindo na carne, no leite, no pão, no setor de hortifrutigranjeiros os reais impactos pelas perdas ocasionadas no agronegócio com 10 dias parados. Alimentos e bebidas tiveram um aumento, em média, no mês de junho de 1,57%. Segundo levantamento realizado pela imprensa, produtos como a batata tiveram aumento de maio para junho de 45,12%, cebola 19,95%, tomate 14,15%, leite 5,59% e carne 2,35%. 

 

Reajustes - Para o economista José Pio Martins, a alta nos preços é em decorrência da paralisação dos caminhoneiros recentemente e também pelo reajuste nas tarifas de energia elétrica em 15,99% em junho. “A greve criou um problema de desabastecimento, criou um problema de expectativa negativa para o setor de hortifrutigranjeiros e para aqueles que perderam seus produtos. E tudo isso ocorre num momento ruim para o país, com falta de chuvas e que provocou o aumento de energia”, disse. O preço dos produtos é usado para calcular o IPCA – Índice de Preços ao Consumidor que é uma prévia para calcular a inflação no País. No Brasil, o índice subiu de 0,14% em maio para 1,11% em junho. “Se todo mês fosse essa taxa a inflação seria de 13% ao ano, uma inflação altíssima, suficiente para empobrecer todo mundo”, destaca Pio Martins em entrevista para os veículos de comunicação.

 

Veja nos links abaixo algumas matérias sobre os impactos da greve para os consumidores:

 

https://g1.globo.com/pr/parana/edicao/2018/06/28/videos-bom-dia-parana-de-quinta-feira-28-de-junho.ghtml

https://www.gazetadopovo.com.br/agronegocio/consumidor-paga-conta-da-greve-dos-caminhoneiros-leite-fica-30-mais-caro-alre3lpnzvcrm4rcf6a0z16g4

https://noticias.r7.com/economia/consumidor-sente-no-bolso-impacto-da-greve-dos-caminhoneiros-12062018

 

{vsig}2018/noticias/07/07/economia_II/{/vsig}

 

FOCUS: Mercado aumenta estimativa de inflação de 2018 para 4,03%

focus 02 07 2018Os economistas do mercado financeiro elevaram levemente a previsão para a inflação de 2018. O Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira (02/07) pelo Banco Central (BC), mostra que a mediana para o IPCA este ano foi de 4,00% para 4,03%. Há um mês, estava em 3,65%. Já a projeção para o índice em 2019 permaneceu em 4,10%. Quatro semanas atrás, estava em 4,01%.

2020 e 2021- O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2020, que seguiu em 4,00%. No caso de 2021, a expectativa permaneceu em 4,00%. Há quatro semanas, essas projeções eram de 4,00% para ambos os anos.

Dentro da meta - A projeção dos economistas para a inflação em 2018 está dentro da meta deste ano, cujo centro é de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 3,0% a 6,0%). Para 2019, a meta é de 4,25%, com margem de 1,5 ponto (de 2,75% a 5,75%). No caso de 2020, a meta é de 4,00%, com margem de 1,5 ponto (de 2,5% a 5,5%). Já a meta de 2021 é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%).

Top 5 - Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2018 no Focus foi de 3,84% para 3,83%. Para 2019, a estimativa do Top 5 seguiu em 4,00%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 3,24% e 3,75%, respectivamente.

Mediana - No caso de 2020, a mediana do IPCA no Top 5 permaneceu em 4,00%, ante 3,85% há um mês. A projeção para 2021 no Top 5 seguiu em 3,75%, ante 3,73% de quatro semanas atrás.

IBGE - Em 21 de junho, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) de junho subiu 1,11%. No acumulado do ano até junho, o IPCA-15 subiu 2,35% e, em 12 meses, avançou 3,68%. Também com influência sobre as projeções de inflação do mercado, o dólar à vista acumula alta de 16,96% em 2018.

Todo o horizonte - Hoje foi a primeira vez em que o relatório Focus trouxe projeções para todo o horizonte relevante do Banco Central, que abrange os anos de 2018, 2019, 2020 e 2021. A reformulação foi anunciada na última sexta-feira (29/06).

PIB - A expectativa de alta para o PIB este ano seguiu em 1,55%. Há quatro semanas, a estimativa era de crescimento de 2,18%. Para 2019, o mercado reduziu a previsão de alta do PIB de 2,60% para 2,50% ante 3,00% de quatro semanas atrás.

Redução - Na semana passada, o BC reduziu sua projeção para o PIB em 2018, de 2,6% para 1,6%. A instituição atribuiu a mudança na estimativa à frustração com a economia no início do ano. O Ministério da Fazenda mantém a projeção de 2,5% – porcentual que parece cada vez mais improvável, em função dos números recentes de atividade.

Produção industrial - No relatório Focus desta segunda-feira, a projeção para a produção industrial de 2018 passou de alta de 3,50% para avanço de 3,17%. Há um mês, estava em 3,80%. No caso de 2019, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 3,20% para 3,10%, ante 3,50% verificados quatro semanas antes.

Dívida líquida - A pesquisa mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2018 seguiu em 55,00%. Há um mês, estava no mesmo patamar. Para 2019, a expectativa permaneceu em 58,00%, ante 57,00% de um mês atrás. (O Estado de S.Paulo)

 

 

MERCADO: Brasil busca mercados em países da África para produtos lácteos

mercado 02 07 2018Pela primeira vez, uma missão comercial de prospecção brasileira esteve nas cidades de Johannesburgo (África do Sul), Gaborone (Botsuana) e Windohoek (Namíbia) com objetivo de promover produtos do agronegócio com foco, principalmente, em lácteos (leite em pó, queijos, iogurtes, requeijão) para ampliar as exportações.

Reuniões - Delegação, formada por representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e de cooperativas agropecuárias do Mercosul, participou de reuniões com órgãos do governo e de rodada de negócios com associações e empresas importadoras. A missão se encerrou neste domingo (01/07).

Ampliação - De acordo com o secretário de Mobilidade Social, Produtor Rural e Cooperativismo do Mapa, José Doria, a missão visou ampliar exportações, aproveitando acordo de comércio entre os dois blocos, e traçar estratégias para ação conjunta na região. Acordo Mercosul - Sacu (União Aduaneira formada pela África do Sul, Namíbia, Botsuana, Lesoto e Suazilândia) assegura preferências tarifárias a produtos brasileiros, possibilitando acesso a um mercado de cerca de 65 milhões de consumidores.

Feira - A delegação brasileira participou na última segunda-feira (25/06) da Feira Africa’s Big 7/ Saitex, em Joanesburgo. Com participação de 36 países, a feira comercial de alimentos e bebidas, reuniu fornecedores e compradores de vários segmentos de atividades de todo o continente africano.

Principais produtos - Os principais produtos agrícolas exportados pelo Brasil para a região são soja, milho, sorgo, arroz, carnes de aves, fumo não faturado, açúcar, entre outros. (Mapa)

 

MDIC: Exportações brasileiras subiram mais que a média global

As exportações brasileiras cresceram mais de 16% no primeiro quadrimestre de 2018, ante igual período anterior, afirmou na sexta-feira (29/06) o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima. Segundo ele, no mesmo período, a média de crescimento das exportações de 70 países, que representam 90% do comércio mundial, foi de 13%.

Exemplos - Entre os exemplos citados pelo ministro, ao falar sobre o tema, estão as exportações no Canadá, que no mesmo período cresceram 13,65%. No México, o crescimento foi de 12,5% e, na Colômbia, de 11,7%. “Estamos acima [em ritmo de exportações] de importantes países”, disse o ministro, durante o seminário “Competitividade com foco na exportação”, promovido pelo jornal O Globo, no Rio.

China - O ministro reiterou que o governo brasileiro trabalha para reverter o embargo do governo chinês às exportações brasileiras de carne de frango, de forma a garantir que a decisão provisória de Pequim não se torne definitiva.

Defesa - “Nós vamos continuar defendendo nossas exportações, o setor produtivo nacional e, nesse caso, os produtores de carne de frango exportados para a China também e, muito por entendermos que o Brasil não está violando em absoluto qualquer regra de comércio”, disse o ministro, após participar do seminário promovido por O Globo. (Valor Econômico)

NEGOCIAÇÕES: Acordo comercial entre Mercosul e UE está perto de sair, diz ministro

negociacoes 02 07 2018O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima, afirmou que o governo brasileiro está próximo de concluir o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia. Segundo ele, a data final para o fechamento do pacto é até o fim de agosto. Ele sinalizou também que a aprovação do acordo pelo Congresso deve ocorrer apenas no próximo ano.

Deadline - “Penso que nosso deadline é até agosto”, disse o ministro, durante o seminário “Competitividade com foco na exportação”, promovido pelo jornal O Globo, no Rio. O próximo Congresso “é que vai analisar, ainda tem que passar pelo Congresso”.

Ideal - Segundo ele, o ideal é que, nos próximos dois meses, ocorra o “estreitamento das posições técnicas”, que viabilizem uma reunião ministerial para se fechar o acordo político. Depois disso, as áreas técnicas poderão fazer o ajuste fino no documento, enquanto o processo estiver tramitando para aprovação no Congresso.

Quatro temas- De acordo com Lima, tecnicamente, são quatro temas que precisam ser alinhados entre os dois blocos econômicos: questões de origem e de identificação geográficas e os setores automotivo e de transporte marítimo. “Estamos prestes a concluir, espero muito, e esse é objetivo, salvo se a Comunidade Europeia não quiser, o tão sonhado acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia”, disse o ministro. (Valor Econômico)

 

 

ENTREVISTA: Cooperativismo cresce em importância para o agronegócio brasileiro

entrevista 02 07 2018O cooperativismo cresceu em todo o país e encontrou no Paraná uma terra fértil para sua expansão. O Estado é um dos maiores produtores de grãos do Brasil, ocupando ainda a liderança na produção e exportação de carne de frango, com destaque em outras atividades como suinocultura, produção de leite e ovos. Boa parte dessas atividades são desenvolvidas por cooperativas. Uma das mais importantes do Paraná é a Cooperativa Lar, fundada em 2001 em substituição à antiga Cotrefal no município de Medianeira (PR).

Presidência - O engenheiro agrônomo Irineo da Costa Rodrigues ocupa a presidência da cooperativa desde a época da Cotrefal, sendo determinante para o processo de ampliação de atividades e negócios em todo esse período. A empresa não só cresceu em produção, como também fortaleceu sua marca com produtos alimentícios de qualidade ofertados em todo o mercado brasileiro, cumprindo assim sua missão de gerar renda no campo e melhorias de condições para as famílias rurais associadas.

Crescimento - “Naturalmente, sendo proprietário, ele quer produzir melhor, fazer com que sua cooperativa cresça e ganhe mercado. Isso é algo que está se disseminando. Claro, é preciso uma divulgação maior junto aos consumidores para que eles nos identifiquem como uma empresa de produtores rurais, que produz matérias-primas e produtos finais, tendo como compromisso a saúde das pessoas e a qualidade do que consomem”, afirma Costa.

Entrevista exclusiva - Nessa entrevista exclusiva à Avicultura Industrial, o presidente da Lar fala sobre cooperativismo, o planejamento estratégico da cooperativa para os próximos anos, a importância do Paraná para o agronegócio e mercado externo. Confira.

Avicultura Industrial - As cooperativas cresceram em importância no País, principalmente nos segmentos de produção de proteína animal. O que fez com que as cooperativas atingissem esse patamar?

Irineo da Costa Rodrigues - Inicialmente as cooperativas se organizaram para atender as principais necessidades do produtor rural, que é o nosso associado. Com o surgimento de novas demandas, sobretudo a de viabilizar economicamente as propriedades e o aumento das famílias no campo, foi um caminho natural o de as cooperativas passarem a exercer outras atividades agrícolas e pecuárias, lançando produtos inclusive para o varejo. A Lar atuava na área de grãos, quando começou suas atividades há 54 anos. A partir da década de 1990, começou a diversificar sua produção porque eram todas pequenas propriedades. Foi nesse momento que começou a dar atenção à pecuária. Hoje, a Lar é uma das cooperativas mais diversificadas e industrializadas do país. Foi um processo importante porque precisava dar condições para que todos os associados viabilizassem suas pequenas propriedades, com geração de renda e aplicação de tecnologia para maior produtividade, podendo atender assim todas as necessidades de sua família.

Leia o conteúdo na íntegra aqui.

 


Versão para impressão


RODAPE