Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4359 | 28 de Junho de 2018

DIA C I: Dia de Cooperar, atitudes simples movem o mundo

 

dia c I 28 06 2018“Era sofrido demais ficar debaixo do sol, com fome e sede, procurando comida”, afirma Rosa Maria Rosa, que vive na periferia de São Luís (MA). O depoimento representa bem a dura vida de mais de 52 milhões de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza, ou seja, com menos de R$ 387 por mês. O dado é da Síntese dos Indicadores Sociais, divulgado pelo IBGE no final de 2017, e mostra o quanto o Brasil ainda precisa caminhar quando o assunto é geração de trabalho, emprego, renda e cidadania. Somente dessa forma é possível erradicar a pobreza extrema não só aqui, mas no mundo todo, conforme preveem os Objetivos do Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Iniciativa voluntárias - E, por serem empresas formadas por várias pessoas, as cooperativas têm feito a parte delas. Com iniciativas voluntárias, duradouras e transformadoras, elas mostram que atitudes simples podem mudar a vida de gente como a Rosa, lá do Maranhão. Por meio do movimento Dia de Cooperar (Dia C), caracterizado por projetos que mostram a preocupação das cooperativas com a comunidade, ela viu sua vida transformada, ao participar das ações do projeto Cooperar, da Cooperativas dos Hortifrutigranjeiros (Cohortifrut).

 

120 mil - Depois de sentir na pele que cooperar vale a pena, Rosa Maria Rosa é uma das voluntárias que mostram como as atitudes simples mudam o mundo. E, para celebrar o sucesso das ações que podem melhorar os indicadores sociais, as cooperativas convidam a todos para participarem da celebração do Dia de Cooperar, que ocorre no próximo dia 30/6, em mais de mil cidades em todos os cantos do Brasil, com atividades promovidas por mais de 120 mil voluntários. 

 

2 milhões - Na prática, o Dia C já beneficiou mais de 2 milhões de pessoas desde que foi nacionalizado, em 2014. E o trabalho não para. Em 2018 e nos próximos anos, essas iniciativas serão expandidas com o objetivo de demonstrar as razões pelas quais as cooperativas são consideradas empresas que aliam desenvolvimento econômico ao social.

 

Serviço  - Celebração do Dia C - Dia de Cooperar

Local: clique aqui para saber onde a programação vai ocorrer

Data: 30 de junho

 

#VemCooperar

 

DIA C II: Atividades em Palotina celebram o Dia de Cooperar

 

Acontece no próximo sábado, 30 de junho, nos centros dos municípios da região Oeste do Paraná, a partir das 8 horas da manhã, uma ação em comemoração antecipada ao Dia Internacional do Cooperativismo. A atividade faz parte do Dia C (Dia de Cooperar), desencadeado simultaneamente em todo o território nacional, com o objetivo de difundir o cooperativismo e a cultura da cooperação.  Em Palotina (PR), as ações serão realizadas na Praça Amadeo Piovezan. Com o tema “Atitudes simples movem o mundo”, serão arrecadados agasalhos, cobertores, calçados, brinquedos, alimentos e fraldas geriátricas para doação. Anualmente, o Dia Internacional do Cooperativismo acontece sempre no primeiro sábado do mês de julho, mas devido aos jogos da Copa do Mundo de Futebol, a data foi antecipada neste ano para o dia 30 de junho em todo o Brasil.

 

Crianças - Durante o Dia C, também haverá pintura facial, brinquedos infantis, ginástica laboral e coleta de lacres de latas de alumínio. O Dia C é uma promoção do Sistema OCB em parceria com a Ocepar e as cooperativas C.Vale, Sicredi, Sicoob, Uniprime, Unimed, Cerpa e Cotriguaçu. O evento também conta com conta com o apoio da Uespar e UFPR-Campus de Palotina.

 

Produção de sabão - Mais uma vez integrantes do Núcleo Jovem da C.Vale estarão distribuindo amostras de sabão em pó, liquido e pedra feitos com resíduos de óleo de cozinha. (Imprensa C.Vale)

 

dia c II 28 06 2018

DIA C III: Funcionários da Unimed Londrina realizam doação de sangue

 

dia c III 28 06 2018A Unimed Londrina está sempre preocupada com as questões sociais. Por isso, a operadora de plano de saúde desenvolve atividades que estimulam funcionários, médicos cooperados e clientes a praticarem a solidariedade. Uma das ações realizadas pela Unimed é a doação de sangue com seus colaboradores. Nesta sexta-feira, dia 29, os funcionários doarão sangue no Hemocentro do Hospital Universitário de Londrina. Esta iniciativa integra às comemorações ao Dia de Cooperar, organizado pelo Sistema Ocepar.

 

Sensibilização - O enfermeiro da área de Regulação, Elias Pedro da Silva Junior, é doador de sangue assíduo. Ele considera a prática extremamente importante porque sabe que uma bolsa de sangue pode ser a diferença entre a vida e a morte de uma pessoa. “A minha vivência profissional, principalmente de centro cirúrgico, traz à memória estas situações críticas sempre que vou fazer uma doação”, afirma. Segundo ele, os estoques de sangue baixam muito rapidamente e, em alguns casos, são necessárias de dez a quinze bolsas para um único paciente.

 

Ajuda ao próximo - Infelizmente algumas pessoas darão valor à doação de sangue no dia em que precisarem. Este não é o caso do analista Financeiro, Alexandre Neri. “Nunca ninguém da minha família precisou, mas sempre fui doador porque entendo que é uma forma de ajudar o próximo”, comenta. Segundo ele, já aconteceu de pessoas conhecidas pedirem sangue para parentes que estavam precisando. “Se eu tiver condições de ajudar, vou fazer a doação”, acrescenta.

 

Ação é contínua - A gerente de Sustentabilidade da Unimed Londrina, Fabianne Piojetti, conta que esta iniciativa já faz parte do cronograma de atividades da operadora de plano de saúde. “Há sete anos organizamos a doação de sangue, e os colaboradores estão cada vez mais participativos. Neste ano, não precisamos estimular a participação, porque eles se inscreveram rapidamente assim que iniciamos as inscrições”, ressalta Fabianne. “Então, é um ato de amor mesmo e tem tudo a ver com o nosso negócio”, conclui a gerente.

 

Parceria - Para realizar a doação de sangue com os colaboradores, a equipe de Sustentabilidade firmou uma parceria com o Hemocentro do HU de Londrina, que disponibilizará uma van para levar os funcionários até o local da coleta. Esta van sairá da sede administrativa (Av. Ayrton Senna, 1065) em quatro horários: às 08h, às 10h, às 13h e às 15h30. (Imprensa Unimed Londrina)

 

COPAGRIL: Cooperativa promove dias de campo descentralizados para associados

 

Com o objetivo de retratar com maior fidelidade a realidade das condições de cultivo de híbridos nas diferentes localidades de sua área de ação, a Cooperativa Agroindustrial Copagril promove dias de campo descentralizados para seus associados. Na manhã desta quarta-feira (27/06) diversos produtores rurais participaram do Dia de Campo de Milho Safrinha realizado na propriedade de Valdemar Eduardo Kaiser, no distrito de Bom Jardim, em Marechal Cândido Rondon. De acordo com o coordenador dos eventos, Darci Augusto Sônego, a partir da parceria com empresas de insumos agrícolas, a Copagril busca demonstrar aos produtores o desenvolvimento de híbridos que melhor se adaptam às condições de solo e de clima locais, favorecendo a escolha das sementes para o próximo cultivo da segunda safra. 

 

Lavouras - Segundo o técnico, neste ano as lavouras de milho tiveram desenvolvimento satisfatório, pois em sua maioria estavam em estágio menos susceptível quando foi registrado o período de estiagem, não sendo afetadas de forma significativa. Apenas algumas áreas tiveram acamamento por conta de vento forte, mas representam baixo percentual da área total cultivada pelos associados. Conforme Darci Sônego, a perspectiva dos produtores da região Oeste paranaense é iniciar a colheita do milho safrinha possivelmente na próxima semana, assim que houver condições de menor percentual de umidade.

 

Mato Grosso do Sul - Para retratar a realidade local dos produtores associados da Copagril no Mato Grosso do Sul, a cooperativa agendou a realização de dois dias de campo. O primeiro será na próxima semana, dia 07 de julho, na Fazenda Jangada II, em Eldorado. O segundo evento será no dia 21 de julho, na propriedade de Albino José Petrykoski, em Itaquiraí. (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2018/noticias/06/28/copagril/{/vsig}

CREDICOAMO: Família de Manoel Ribas financia máquina de bordar

 

credicoamo 28 06 2018O gosto pelos bordados vem desde muito cedo na vida da Daniele Cruzeta Rengel. Moradora em Manoel Ribas (Centro-Norte do Paraná), ela fazia os trabalhos nas horas vagas, já que boa parte do tempo era usado para os afazeres da casa e ajudando o marido Edson Loch Rengel nas atividades agrícolas desenvolvidas pela família. Entre um bordado e outro eles perceberam que a atividade poderia ser uma alternativa de renda e investiram em uma máquina para bordar. Com o tempo, os trabalhos foram aumentando e a máquina ficou pequena, surgindo a necessidade de uma maior. Foi aí que buscaram na Credicoamo financiamento para a aquisição do novo equipamento.   

               

Mais encomendas - Com a nova máquina, as encomendas aumentaram e a atividade está se consolidando como importante fonte de renda para a família. Ela faz bordados para uniformes de escolas, vestimentas para igrejas, kits de batizado, roupinhas de bebês, dentre outros. “O que a pessoa pede, a gente faz. Com a nova máquina, as opções de bordados aumentaram além de diminuir o tempo de entrega e a qualidade do produto. Com a máquina antiga, a gente deixava de pegar algumas encomendas, pois não dava conta. Agora, temos condições de atender a uma demanda bem maior”, diz Daniele.

               

Divulgação - Ela conta que os bordados aparecem por indicação de amigos e de quem já conhece o trabalho. “É uma divulgação de boca a boca e as encomendas são feitas pelo telefone e pelo WhatsApp. O importante para desenvolver a atividade é gostar bastante do que faz. É um passa tempo que acaba gerando uma renda no final”, observa.

               

Financiamento - O trabalho conta com o apoio do marido Edson Loch Rengel. Ele diz que quando surgiu a necessidade de comprar uma nova máquina lembrou que poderia encontrar o financiamento na Credicoamo, e que saiu conforme o planejado. “Nós tínhamos dinheiro e poderíamos comprar a máquina à vista. Porém, estávamos negociando uma área de terra e esse dinheiro poderia fazer falta nas negociações. Então, não pensamos duas vezes em buscar apoio na Credicoamo, já que somos cooperados 100%”, assinala Rengel. (Imprensa Coamo)

 

COAMO: Cooperados buscam formação e ajudam a mudar a realidade do campo

 

coamo 28 06 2018Da graduação até o doutorado foram 12 anos de estudos e dedicação. Milhares de horas em uma sala de aula estudando sobre um setor que tem papel de suma importância na economia do brasil. Tudo isso visando à sucessão da atividade agrícola da família. A história é do jovem Paulo Vinícius Demeneck Vieira, de 29 anos, cooperado da Coamo em Juranda (Centro-Oeste do Paraná). Ele argumenta que sabia que assumiria essa atividade e para isso resolveu se preparar fazendo o curso de agronomia. Acabou se interessando pela área de pesquisa e fez mestrado e doutorado. Isso trouxe conhecimento e diversas experiências que agora estão sendo implementadas para melhorar a atividade.

 

Revista - E desde que começou a participar mais efetivamente das tomadas de decisões, o cooperado tem melhorado a condução das lavouras, utilizando práticas e sistemas de produção mais sustentáveis economicamente e com aumento de produtividade. A história do cooperado é parte de uma reportagem especial publicada na Revista Coamo do mês de maio. O material destaca a busca pela profissionalização no campo de jovens cooperados na área de ação da cooperativa. 

 

Rádio - Para saber mais, CLIQUE AQUI e ouça o programa de rádio da Coamo que foi ao ar essa semana com a história do jovem. (Imprensa Coamo)

 

COCAMAR: Grupo visita fábricas da John Deere no Rio Grande do Sul

 

cocamar 28 06 2018A Cocamar Máquinas - concessionário John Deere em Maringá, Paranavaí e São Pedro do Ivaí - promoveu visitas às fábricas de máquinas e implementos agrícolas da John Deere, no Rio Grande do Sul, nos dias 18 e 19 de junho. As visitas fazem parte do processo de integração entre agrônomos e técnicos da Cocamar com a equipe de agricultura de precisão da Cocamar Máquinas. Formando a comitiva de 32 colaboradores, estavam agrônomos, gerente regional de unidades, coordenador técnico, supervisor de marketing, membros da equipe de agricultura de precisão, consultores estratégicos de negócios, supervisores de vendas e pós-vendas; todos da Cocamar e Cocamar Máquinas.

 

Roteiro - No dia 18, em Horizontina, o grupo conheceu a fábrica de 122.700 metros quadrados, a maior unidade no Brasil e uma das plataformas mundiais de exportação e de desenvolvimento tecnológico da John Deere. Instalada no país desde 1945, atualmente a fábrica produz colheitadeiras de grãos, plataformas e plantadeiras. A visita em Montenegro, no dia 19, fez o grupo conhecer uma das fábricas mais modernas do mundo, que iniciou seus trabalhos em 2007, quando deu início à produção de oito modelos; hoje fabricando todos os 26 modelos da linha 5.000 a 8.000.

 

Conhecimento - Além de conhecer as fábricas, os visitantes participaram de palestras sobre tratores, colheitadeiras, plantadeiras e agricultura de precisão, entendendo os diferenciais dos equipamentos John Deere e toda a sua qualidade de produção. O coordenador técnico da Cocamar, Rafael Furlanetto, que conheceu de perto os processos de fabricação, afirma que “a utilização de equipamentos John Deere no campo é mais que uma ferramenta de trabalho, é uma solução que os agricultores podem ter em suas mãos, encontrando na grande rede de concessionários espalhadas por todo Brasil”.

 

Referência - Hoje a Cocamar Máquinas tem sido referência em agricultura de precisão. “Somos uma das concessionárias mais avançadas nos objetivos propostos pela John Deere”, explica o gerente geral de negócios da Cocamar Máquinas, João Carlos Ruiz. Para João Carlos, integrar a equipe técnica e efetuar vendas de pacotes de otimização de máquinas, acompanhando as recomendações agronômicas, é uma das fases finais para oferecer um serviço completo e eficiente para os clientes da John Deere. (Imprensa Cocamar)

 

SICREDI PARANAPANEMA PR/SP: Três associados são premiados com a Promoção Poupança Premiada

 

Sucesso nos dois anos anteriores, a Campanha Promocional Poupança Premiada, do Sicredi, que tem como objetivo estimular a educação financeira através do hábito de poupar, está em sua terceira edição. Desde abril desse ano, a promoção, que tem como slogan “Eu Poupo Sim”, já revelou diversos ganhadores dos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Na Sicredi Paranapanema PR/SP, em 2018, já são três associados contemplados com R$ 2 mil cada: Aparecido Pereira dos Santos de Rancho Alegre-PR, Maria Sueli Zanelli Fernandes de Santa Mariana-PR e Rubens Cezario Rufatto de Itambaracá-PR. 

 

Alegria - Para o presidente da cooperativa, Claudio Marcos Orsini, é sempre uma alegria muito grande premiar os associados. “A campanha tem sido uma valiosa ferramenta para despertarmos em nossos associados, e na comunidade, a importância de poupar, e poder premiá-los, ajudando a realizar sonhos, é ainda mais satisfatório”, disse o presidente. O Sicredi tem sido uma grande referência no tema, em todo o Brasil. A promoção vai até o dia 15 de dezembro, e ainda serão entregues 10 prêmios semanais de R$ 2 mil, um sorteio mensal no valor de R$ 50 mil e o sorteio final que premiará um associado Sicredi com meio milhão de Reais.

 

Participação - Para participar, basta depositar R$ 100 na poupança, em uma das agências Sicredi nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Cada depósito vale por um número da sorte e, se a poupança for programada, as chances de ganhar são em dobro. Os sorteios serão realizados semanalmente até dezembro.

 

Informações - Para saber mais sobre o regulamento e as datas de sorteios da Poupança Premiada acesse: www.sicredi.com.br/eupouposim(Imprensa Sicredi Paranapanema)

 

{vsig}2018/noticias/06/28/sicredi_paranapanema/{/vsig}

PESQUISA: Nanocelulose vegetal é usada no tratamento de queimaduras

 

pesquisa 28 06 2018O produto de maior volume da indústria de papel e celulose pode também ser uma solução para a medicina. A celulose branqueada, o polímero natural mais abundante no mundo, pode ser usado no tratamento de queimaduras. Estudo realizado pelo pesquisador Washington Luiz Esteves Magalhães, da Embrapa Florestas, e pela mestranda em Engenharia e Ciência dos Materiais da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Francine Ceccon Claro, usou a nanotecnologia para potencializar propriedades físicas e químicas que agregam maior valor à celulose para desenvolver uma membrana para uso na recuperação da pele queimada.

 

Barreira - Os resultados mostraram que, por não ter porosidade, a membrana é adequada para aplicações como barreira. “A característica de translucidez favorece o acompanhamento da cicatrização sem a necessidade de retirada do curativo para avaliação da ferida”, afirma Claro. Outra vantagem é o custo de produção, que poderá ser até mil vezes menor que o de curativos disponíveis no mercado. A tecnologia ainda passará por testes clínicos e deverá ser disponibilizada ao público dentro de quatro anos. Dados da pesquisa estão disponíveis na dissertação de Francine Claro.

 

Objetivos - Apesar de o uso de membranas de celulose bacteriana como pele artificial ser comum desde a década de 1980, esse tipo de fabricação é um processo de baixo rendimento e alto custo. Por esse motivo, o grupo buscou um produto economicamente viável, além de eficaz. “O objetivo do trabalho foi desenvolver membranas de nanofibrilas de celulose vegetal com adição de agente cicatrizante e bactericida como calêndula e nanopartículas de prata”, explica o pesquisador. A pesquisa utilizou o pinus como fonte da celulose.  

 

Curativo - Ao longo dos anos, uma grande variedade de substâncias tem sido utilizada como agente protetor nas lesões por queimaduras. O princípio básico de um curativo para queimaduras é não agredir a pele, proporcionando um ambiente adequado para recompor o tecido: estéril, úmido e protegido do meio externo. O que os testes com a nanocelulose revelaram é que o material tem potencial para uso como curativo, apresentando resultados de cicatrização semelhantes aos similares disponíveis comercialmente, sem sinais de rejeição. “A membrana de celulose vegetal é de fácil aplicação e manuseio e apresenta durabilidade e boa aderência à pele lesionada”, afirma Washington Magalhães.

 

Tempo de cicatrização - Em testes realizados por veterinários da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e pesquisadores da pós-graduação da Faculdade Evangélica do Paraná (Fepar) em feridas de pele localizadas no dorso de ratos, a membrana de celulose vegetal acelerou o processo de cicatrização nos primeiros quatro dias quando comparado ao curativo comercial. Os resultados positivos em laboratório fizeram com que o projeto fosse um dos selecionados pelo Edital de Inovação para a Indústria, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que financia trabalhos que pretendem colocar no mercado produtos inovadores. A proposta foi apresentada em parceria com o Instituto Senai de Inovação Biosintéticos, do Rio de Janeiro, e a startup Zynux.

 

Produção - O objetivo é produzir em maior escala os filmes. Essa nova fase deve levar dois anos. “Depois, faremos testes clínicos com os estudantes de pós-graduação da Faculdade Evangélica do Paraná em Curitiba, curso ligado ao Hospital Evangélico, referência em tratamento de queimados. Imaginamos que em quatro anos poderemos colocar o produto no mercado”, afirma Magalhães.

 

Menor custo - Segundo o levantamento realizado pelos pesquisadores, comparado ao principal produto disponível no mercado, o filme celulósico proveniente de bactérias, a novidade pode ter um custo quase mil vezes menor. “Isso significaria, por exemplo, uma oportunidade para reduzir custos no Sistema Único de Saúde”, sugere o pesquisador da Embrapa. Os cálculos levaram em conta o uso da celulose branqueada oriunda da indústria de papel e celulose. “São necessárias algumas etapas para transformar a celulose em nanocelulose fibrilada e esta em filme. Caso surjam indústrias para produzir nanocelulose em uma escala maior, provavelmente será mais vantajoso comprar o gel de nanocelulose produzido por elas e suprimir uma etapa do processo. Mesmo se a empresa produtora de curativos quiser verticalizar a produção, ainda assim será possível ter um preço competitivo”, afirma o pesquisador.

 

Efeito bactericida - O estudo também revelou que com a associação de nanopartículas de prata à membrana, após 24 horas o filme liberou 61% de prata em meio úmido, o que indica que se a ação bactericida depende da liberação do elemento, o filme apresenta potencial antibacteriano desde as primeiras horas de uso. Os pesquisadores também investigam a possibilidade de associar outros produtos naturais para dar diferentes funcionalidades ao filme. Uma das opções seria o óleo de calêndula, de origem vegetal e famoso por possuir propriedades cicatrizantes. “Já desenvolvemos um filme com esse produto, em escala de laboratório, mas ainda não testamos sua eficiência em lesões de pele. No entanto, existem alguns pontos que devem ser considerados, como as reações alérgicas ao óleo e o aumento dos custos de produção”, explica Magalhães.

 

Aplicação - Tradicionalmente, a celulose tem outras aplicações na área biomédica, sendo já utilizada em tratamentos renais, substituto temporário de pele, agente hemostático, reconstrução de tecidos, barreira pós-operatória e material de cultura de hepatócitos (células do fígado capazes de sintetizar proteínas). (Embrapa Floresta)

 


Versão para impressão


RODAPE