Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4337 | 28 de Maio de 2018

PARALISAÇÃO: Comitê de Monitoramento do Sistema Ocepar continua mobilizado

Integrantes do Comitê de Monitoramento da Crise, criado pelo Sistema Ocepar na semana passada para acompanhar o andamento do movimento dos caminhoneiros e os impactos gerados ao setor cooperativista, esteve mobilizado no final de semana. Eles participaram das reuniões ocorridas no sábado e domingo (26 e 27/05), no Palácio Iguaçu e Palácio das Araucárias, em Curitiba, com a governadora Cida Borghetti, secretários de Estado, superintendência da Polícia Rodoviária Federal, Polícia Rodoviária Estadual, Comando da Casa Militar, Defesa Civil, parlamentares, entidades empresariais do G7 (Ocepar, Faep, Fiep, Fecomércio, Faciap, Fetranspar e ACP) e representantes dos caminhoneiros do Paraná. No domingo, o encontro no Gabinete de Crise do Governo do Estado iniciou às 16h e encerrou às 22h, com o compromisso das lideranças dos caminhoneiros repassarem as medidas propostas aos demais profissionais da categoria. De manhã, os protestos continuavam e às 6h da manhã ainda havia registro de 157 pontos de bloqueio nas estradas paranaenses.

Soluções  “Estivemos permanentemente reunidos com as autoridades, monitorando a paralisação dos caminhoneiros, buscando soluções para a resolução dos problemas e negociando a liberação das cargas prioritárias, como leite, cargas vivas, ração animal, insumos para saúde, tratamento de água, entre outros”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Medidas – As principais medidas propostas pela governadora Cida Borghetti no domingo foram:

- Redução da base de cálculo do diesel de R$ 3,20 para R$ 2,95, por um período de 90 dias, mantendo a alíquota de 12% do ICMS no Paraná.

- Garantia do abastecimento de diesel e gás para as atividades essenciais.

- Abertura de um crédito de R$ 50 mil por transportador autônomo para financiamento de peças, pneus e equipamentos dos caminhões.

- Manutenção do Gabinete de Crise Estadual para monitorar e dar encaminhamento as demandas das diversas regiões e setores da economia.

Negociações - Na manhã desta segunda-feira (28/05), o coronel MaurícioTortato, coordenador da Defesa Civil do Estado do Paraná, informou que às 14h será realizada mais uma reunião do Palácio Iguaçu, com a governadora Cida Borghetti e um representante dos caminhoneiros, que irá manifestar a decisão da categoria em relação à concordância ou não sobre as propostas apresentadas pelos governos estadual e federal. 

Âmbito federal –  Já o governo federal anunciou as seguintes medidas:

- Redução efetiva, até 31 de dezembro de 2018, de R$ 0,46 por litro no preço do óleo diesel, o que será feito com a extinção da cobrança da CIDE e subsidio do Governo para evitar o reajuste do preço nas refinarias. Também será realizada uma ação coordenada dos órgãos de defesa do consumidor de todo o País para fiscalizar e garantir que a redução seja implementada na bomba.

- Congelamento, por 60 dias, do preço do diesel e passado este prazo garantir intervalo mínimo de 30 dias entre reajustes de preços.

Medidas Provisórias – Em edição extra do Diário Oficial da União deste domingo (27/05), foram ainda publicadas três Medidas Provisórias (MPs) do governo federal.

- MP nº 831 – A Conab – Companhia Nacional de Abastecimento contratará transporte rodoviário de cargas com dispensa de licitação para até 30% de demanda anual de fretes da Companhia. Esta contratação é especifica para os transportadores autônomos, cooperativas de transporte e com preço praticado não superior a tabela de referência.

- MP nº 832 – Institui a Política de preços mínimos de transportes de cargas com ajustes semestrais dos preços de frete. Estes valores serão definidos com a participação de representantes das empresas e dos transportadores autônomos de carga.

- MP nº 833 – Altera a Lei nº 13.103 de 02/03/2015, que estabelece que os veículos de transporte de cargas que circularem vazios nas rodovias federais, estaduais e municipais ficarão isentos da cobrança de pedágio sobe os eixos que mantiveram suspensos. Os órgãos e as entidades competentes da União, Estados e Municípios disporão as medidas técnicas e operacionais para viabilizar a isenção da referida cobrança.

 

{vsig}2018/noticias/05/28/paralisacao_abre/{/vsig}

PARALISAÇÃO: Paraná reduz e congela base de cálculo do ICMS do diesel

 

paralisacao cida 28 05 2018A governadora Cida Borghetti anunciou neste domingo (27/05) a diminuição e o congelamento da base de cálculo do ICMS que incide sobre o óleo diesel. A partir de 01 de junho a base para calcular o imposto será R$ 2,95 e o valor valerá por 90 dias. A redução é de R$ 0,25 sobre a base atual e deve representar uma queda de aproximadamente R$ 0,04 sobre o preço do combustível na bomba.

 

Decisão - A decisão foi comunicada durante reunião com líderes empresariais e lideranças do movimento dos caminhoneiros do Paraná, no Palácio Iguaçu. “Esta é mais uma contribuição importante do Paraná para tentar solucionar o impasse e permitir a retomada da normalidade nas nossas estradas”, disse a governadora. “Queremos minimizar os impactos da paralisação, que já afetam as famílias”, destacou ela. “Estamos num momento de reflexão e de entendimento”.

 

Diálogo - Em reunião prévia com caminhoneiros, a governadora destacou a disposição para o diálogo. “Estamos todos do mesmo lado, mas não podemos cometer nenhuma irresponsabilidade”, afirmou. Cida agradeceu o empenho do movimento na liberação de produtos essenciais para o funcionamento dos serviços públicos, principalmente de segurança e saúde. Ela solicitou que gêneros de primeira necessidade, como o gás de cozinha, suprimentos e gases específicos para hospitais, medicamentos de uso contínuo e alimentos, além de caminhões de lixo, também não sejam bloqueados.

 

Produtiva - Para Plínio Dias, presidente do Sindicato dos Caminhoneiros de São José dos Pinhais, a reunião foi muito produtiva. “Nós já fizemos a liberação dos itens solicitados pelo governo e, também, estamos liberando agora o gás de cozinha, o lixo”, afirmou ele. “Os caminhões que passarem pelos pontos de manifestação serão respeitados, conforme acordo com o Estado. Sabemos que esses itens são necessários para atender à população e vamos respeitar. No Paraná nós estamos fazendo tudo em conjunto e a iniciativa do Governo do Estado serve de exemplo ao País”, destacou.

 

Ocepar - O presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, afirmou que o setor produtivo compreende e considera as manifestações legítimas, mas está apreensivo com a continuidade da greve. “No que depender do setor produtivo estamos juntos para buscar soluções”, afirmou. Ele, assim, como o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, pediu que as lideranças dos caminhoneiros considerassem uma trégua na paralisação.

 

Pontual - "O Estado do Paraná está de parabéns, a governadora foi pontual. Criou um comitê de crise e chamou todos os envolvidos para dentro. Então o Paraná esta dando um bom exemplo. Tanto é que a maneira que foi conduzida com esse selo de liberação de cargas está sendo utilizado em outros estados. Então existe um bom senso, pelo menos até aqui entre os dois lados e isso deve ser enaltecido”, declarou Edson Campagnolo.

 

Disposição - “O Paraná dá mais um exemplo para o Brasil”, afirmou o deputado federal Toninho Wandscheer ao comentar a disposição do Governo do Estado para o diálogo e as medidas já anunciadas. Segundo ele, a solução para o fim da paralisação dos caminheiros não depende dos governos regionais.

 

Medidas - A governadora também anunciou linhas de crédito com juros mais baixos para a compra de caminhões e de insumos para veículos pesados. Os financiamentos serão disponibilizados pela Fomento Paraná e Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE). Outra medida foi a suspensão de voos de autoridades em aeronaves do Estado. Os aviões ficarão à disposição para transporte de órgãos e pacientes.

 

Relato - O coronel, Maurício Tortato, chefe da Casa Militar fez um breve relato do trabalho da Defesa Civil do Paraná a partir do acordo construído com os manifestantes para a liberação das cargas prioritárias nas rodovias paranaenses. “Aqui no Paraná o diálogo e o entendimento têm prevalecido em todos os momentos”, disse.

 

Outros estados- Segundo ele, a medida de aplicar adesivos de identificação da Defesa Civil nos caminhões com carga prioritária deve ser estendida para outros estados do Sul. “Os caminhoneiros que estão nas barreiras estão respeitando o uso dos adesivos. Inclusive, estamos conversando com os Estados do Codesul para que haja uma uniformização de protocolos. Essa ideia dos adesivos foi pioneira e está avançando para outros Estados”, afirmou. (Agência de Notícias do Paraná)

 

COMBUSTÍVEL: Petrobras reduz preço da gasolina em 2,8% nas refinarias

A Petrobras reduziu, pela quinta vez consecutiva, o preço da gasolina nas refinarias. A partir desta terça-feira (29/05), o combustível terá redução de 2,8% no preço e passará a custar R$ 1,9526 por litro. Desde 16 de maio, a gasolina não custava menos do que R$ 2. Apesar disso, no mês de maio a gasolina acumula uma alta de 8,6%, já que, em 28 de abril, o litro do combustível tinha o custo de R$ 1,7977. (Agência Brasil)

 

JURÍDICO: Confirmada a realização do II Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul, em Curitiba

Está confirmada a realização do II Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul, na segunda e terça-feira (28 e 29/05), na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba. O evento é uma realização do Sistema Ocepar, em cooperação com os Sistemas Ocesc e Ocergs, e que conta com o apoio da Comissão de Direito Cooperativo da OAB Paraná. Vão participar advogados e assessores jurídicos de cooperativas e das Unidades Estaduais do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Paralisação dos caminhoneiros – Havia o risco de cancelamento do seminário devido ao movimento de paralisação dos caminhoneiros, que está afetando o abastecimento de combustível e poderia inviabilizar a vinda dos participantes e palestrantes, alguns do exterior. Mas os organizadores decidiram manter o evento.  “Podem ocorrer mudanças na programação. No entanto, acreditamos que teremos condições de cumprir com a maior parte das atividades previstas”, afirma a coordenadora jurídica da Ocepar, Micheli Mayumi Iwasaki, da comissão organizadora.

Abertura – O evento será aberto na segunda-feira (28/05), às 18h30, pelos presidentes do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do Sistema Ocesc, Luiz Vicente Suzin, do Sistema Ocergs, Vergílio Perius, e da Central Sicredi PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock, que também é diretor do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (Woccu, na sigla em inglês).

Palestra magna e lançamento – Ainda no primeiro dia será apresentada a palestra magna com o tema “Tendências do Direito Cooperativo Europeu”, ministrada por Deolinda Aparício Meira, da instituição de ensino portuguesa Politécnico do Porto. Na sequência, haverá o lançamento do livro “A sociedade cooperativa”, obra editada pela Lex Produtos Jurídicos, coordenada pelo professor emérito de Direito Comercial e Empresarial da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Alfredo de Assis Gonçalves Neto, e composta por artigos escritos por diversos profissionais vinculados ao cooperativismo, entre os quais, Paulo Roberto Stöberl e Micheli Iwasaki, advogados do Sistema Ocepar.

Programação – A programação do seminário terá continuidade no dia 29, com debates em forma de painéis que vão abordar diversos temas ligados ao Direito Cooperativo; Cooperativas de Crédito, Cooperativas de Trabalho e Direito do Trabalho e Cooperativas de Saúde. O evento finaliza às 17h, com a participação da presidente da Confederação Uruguaia de Entidades Cooperativas, Graciela Fernández, que vai proferir a palestra de encerramento tratando sobre as cooperativas do Mercosul.

Mais informações – Mais informações com Micheli Iwasaki (41 3200-1142 / micheli.mayumi@sistemaocepar.coop.br.

 juridico folder 25 05 2018

DIA C: Cooperativas de Marechal Rondon lançam campanha do Dia de Cooperar 2018

 

Em todo o Brasil será celebrado, no dia 30 de junho, o Dia de Cooperar. Para marcar a data, as cooperativas de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, realizarão uma campanha de arrecadação de donativos, que foi lançada na sexta-feira (25/05), durante evento ocorrido na Associação Comercial e Empresarial (Acimacar). 

 

Presença - O evento contou com a presença do membro da diretoria da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) e diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla; do prefeito Márcio Rauber; do presidente da associação comercial, Gerson Jair Froehner; e da vice-presidente do Cooperativismo da entidade, Sandra Wagner.

 

Novidade - Por ocasião do lançamento, o prefeito anunciou uma novidade: a elaboração de uma lei que vai inserir o Dia de Cooperar no calendário oficial de eventos do município de Marechal Cândido Rondon.

 

A campanha - A coleta de donativos terá início na próxima segunda-feira (28/05), tendo como pontos de arrecadação as cooperativas participantes. Até o dia 30 de junho a população poderá cooperar com a campanha fazendo a doação de roupas, calçados, produtos de limpeza e leite longa vida.

 

Último dia - Já no último dia da campanha, o Dia C, será realizado um grande evento na Praça Willy Barth, no horário das 9 às 17 horas. A programação terá atividades recreativas, esportivas, apresentações culturais e tenda do chimarrão, além de orientações à saúde e incentivo à realização de cadastro de doadores de sangue.

 

Iniciativa - A campanha é uma iniciativa que resulta da intercooperação entre as cooperativas ligadas ao Conselho de Cooperativismo da Acimacar e envolverá a Copagril, Sicredi, Sicoob, Cercar, Unimed, Uniprime, Cresol, Cooperlindeiros, Frimesa, Cooperagir, Coofamel com apoio do Cojem, Acimacar, Associação Sangue Bom, Sesc, Saae e prefeitura.

 

Dia C - Com o slogan “Atitudes Simples Movem o Mundo”, o Dia C mobiliza anualmente milhares de pessoas em todo o país para a realização de diversas iniciativas voltadas à responsabilidade social das cooperativas, visando colocar em prática um dos sete princípios do cooperativismo: Interesse pela Comunidade. Só no ano passado, mais de dois milhões de pessoas foram beneficiadas pelas iniciativas de quase 1.600 cooperativas, desenvolvidas por mais de 120 mil voluntários, em todas as regiões do país. (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2018/noticias/05/28/dia_c/{/vsig}

INTEGRADA: Cooperativa ganha destaque na Forbes

 

integrada 28 05 2018A Cooperativa Integrada foi listada entre as melhores empresas do Agronegócio no Brasil, segundo a Revista Forbes, uma das publicações voltadas para o ramo empresarial mais conceituadas do mundo. A publicação destacou que, mesmo jovem em relação as outras empresas do setor, a cooperativa se sobressai pelo contínuo crescimento registrado nos últimos anos.

 

Recebimento - Segundo a publicação, o recebimento da Integrada no ano passado de 2,3 milhões de toneladas de grãos e os últimos investimentos da cooperativa no setor industrial, principalmente na fábrica de rações localizada em Londrina (PR).

 

A cooperativa - A Integrada Cooperativa Agroindustrial foi fundada em Londrina (PR) em 1995 por um grupo de agricultores. Com mais de duas décadas de existência, a Integrada se tornou uma das principais cooperativas do Brasil, com mais de 60 unidades de recebimento distribuídas em diversas regiões do Paraná e São Paulo. A maior parte do faturamento vem da comercialização de grãos como soja, milho, trigo, café e laranja. A Integrada, que possui mais de 9 mil cooperados, faturou no ano passado R$ 2,7 bilhões. (Imprensa Integrada)

 

COPAGRIL: Encerrada a Semana Interna de Prevenção de Acidentes

 

A Cooperativa Agroindustrial Copagril, a partir da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Centro Administrativo (Cipa), realizou evento de encerramento da Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (Sipat), na última sexta-feira (25/05), na AACC, em Marechal Cândido Rondon. O evento contou com palestra ministrada por Edely Tápia, o qual enfocou o tema “Trabalho e Família”. Também houve apresentação cultural, sorteio de prêmios entre os funcionários presentes e coquetel de confraternização.

 

Público - Segundo os organizadores, o evento contou com público superior a 300 pessoas, entre funcionários e familiares. Diante da ampla adesão, eles agradecem a presença de todos.

 

A semana - Ao longo de toda a Sipat foram realizadas várias palestras e atividades para os funcionários visando conscientizá-los sobre a importância da utilização de equipamentos de segurança e hábitos corretos para evitar acidentes de trabalho. Foram abordados temas como trânsito e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), dengue, chikungunya e febre amarela.

 

Locais - As palestras da Sipat aconteceram em Marechal Cândido Rondon, Guaíra, Nova Santa Rosa e Entre Rios do Oeste, sendo o tema central de toda a programação: "Zero Acidentes. Toda pessoa é importante para alguém. E todos são importantes para nós". (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2018/noticias/05/28/copagril/{/vsig}

GPTW: Sicoob Metropolitano está entre as melhores empresas para trabalhar na América Latina

 

gptw 28 05 2018Três empresas do Paraná estão entre as melhores para trabalhar na América Latina. Figurinhas carimbadas no ranking paranaense e nacional, as empresas Gazin, Pormade e Sicoob Metropolitano foram reconhecidas pelo segundo ano seguido entre as 100 Melhores Empresas para Trabalhar na América Latina, eleitas pela consultoria Great Place to Work (GPTW), em evento na noite de quinta-feira (24/05), em São Paulo.

 

Gazin - A Gazin conquistou a 10.ª posição no ranking das empresas da AL com mais de 500 colaboradores. Conhecida pelas boas práticas de gestão de pessoas, a companhia de Douradina, no Noroeste do estado, levou ouro em seis das oito edições do ranking na categoria grandes empresas, incluindo a última lista de 2017.

 

Colaboradores - A varejista de móveis e eletrodomésticos tem 7.135 colaboradores. Lá, Funcionário da casa é sempre a aposta da empresa. Cerca de 90% dos cargos mais altos da empresa são ocupados por quem começou ali mesmo, trabalhou muito e mostrou-se pronto para assumir uma liderança. Muitos dos que hoje são gerentes iniciaram como caixas nas lojas da Gazin. Como empresa familiar, o orgulho da Gazin é ter uma gestão aberta, em que cada colaborador tem acesso aos números e resultados, além do contato direto com o presidente, Osmar Della Valentina.

 

Pormade Portas - Neste mesma categoria (mais de 500 colaboradores), na 17.ª posição, está a outra paranaense, a Pormade Portas, de União da Vitória. Em 2017, a empresa ficou em 1.º lugar na lista das médias empresas paranaenses com o melhor ambiente de trabalho. A empresa tem 527 colaboradores e criou um sistema formal de avaliação que permite que, após saber como anda seu desempenho, o funcionário possa melhorar , garantindo seu crescimento e satisfação pessoal.

 

Sicoob Metropolitano - Segundo colocado entre as médias no ranking das Melhores Empresas para Trabalhar no Paraná em 2017, o Sicoob Metropolitano , de Maringá, aparece na 26.ª posição na lista das melhores da América Latina na categoria de “ 50 até 500 colaboradores”. No ano passado, a empresa ficou na 14.ª posição entre as melhores da AL. Com 370 colaboradores, a empresa conta com 80% de jovens de até 34 anos em seu quadro de funcionários.

 

Mais de mil companhias de 20 países diferentes - A edição desse ano teve 1.383 companhias inscritas, de 20 países diferentes. Foram 2.600.035 respondentes que avaliaram a sua empregadora em cinco aspectos: camaradagem, credibilidade, justiça, orgulho e respeito. Todos esses, somados, constroem o indicador utilizado pelo GPTW na avaliação para o ranking, é o Trust Index (Índice de Confiança, em tradução livre).

 

Multinacionais - Dentre as 25 multinacionais que compõem a lista, o primeiro lugar ficou para a multinacional alemã de logística DHL, seguida pelo grupo americano de equipamentos para web Cisco e pela empresa de comércio eletrônico Mercado Livre. Já na categoria das 25 melhores nacionais com mais de 500 funcionários, a posição de destaque ficou para a Elektro, do setor de energia. Segundo e terceiro lugar foram ocupados, respectivamente, por Supermercados Peruanos e Aseguradora Solidaria de Colombia.

 

Organizações nacionais - Na categoria das 50 organizações nacionais com o número de contratados entre 50 e 500, os três primeiros no pódio foram: Seguros Universales (1.º), seguradora da Guatemala; SAMA Minerações Associadas (2.º), mineradora no Brasil; e Samba Vallarta (3.º), hotel do México. >> CONFIRA o ranking completo das melhores da AL

 

Ranking do Paraná recebe inscrições até julho - As empresas que quiserem participar do ranking do Paraná neste ano devem se inscrever até 15 de julho. Basta entra no site da entidade, (www.gptw.com.br), na aba Certificação.

 

Novidade - Neste ano, há uma novidade: diante da capacidade limitada para premiar bons ambientes de trabalho, o GPTW criou um processo de certificação que visa reconhecer todas as companhias com boas práticas de gestão de pessoas. O processo será dividido em duas etapas: a certificação e o ranking.

 

Premiação - A premiação das empresas do ranking de 2018 será feita no dia 8 de novembro.

 

Diferentes rankings - Com a mesma pesquisa, as empresas podem participar dos diferentes rankings do GPTW dentro de suas categorias: Paraná, Nacional e América Latina. Para isso é importante ficar atento aos prazos de cada lista. (Gazeta do Povo)

 

SICREDI UNIÃO: Workshop apresenta agência Smart Container de Cafeara a gestores de várias partes do país

 

As várias inovações apresentadas pela agência Smart Sicredi em Cafeara -  inaugurada pela cooperativa de crédito Sicredi União PR/PR no último mês de março - no norte do Paraná, vêm chamando a atenção de gestores das cooperativas do sistema Sicredi por todo o Brasil. E para atender às várias solicitações de informações sobre a proposta e funcionamento desta que é a primeira agência digital do sistema no país, executivos da Sicredi União promoveram um workshop em Cafeara na última quinta-feira (24/05), reunindo gestores de cooperativas do sistema de várias partes do país e colaboradores da Visa.

 

Segurança - O objetivo foi apresentar melhor o projeto piloto, visto como alternativa para levar o sistema bancário a pequenas cidades do país, com custos menores e mais segurança, já que não há circulação de dinheiro.

 

Visitantes - Participaram do workshop representantes das cooperativas de Bauru, Campinas, Vale do Pirquiri, Birigui, Dourados, Piracicaba, Presidente Prudente, São Paulo, Capanema, Marechal Cândido Rondon, Palotina, Goiânia e também do Centro Administrativo Sicredi, localizado em Porto Alegre. 

 

Apresentação - A agência foi concebida pela equipe da Sicredi União PR/SP e está instalada em Cafeara, município de cerca de três mil habitantes na região Norte do Paraná (145 km de Londrina). O diretor-executivo da Sicredi União, Rogério Machado, e o gerente Regional de Desenvolvimento, David Conchon, fizeram a apresentação do projeto, desde sua concepção até a inauguração, resultados iniciais e projeções para o futuro.

 

Passo a passo - Machado destacou que, tendo como premissa da cooperativa o lema “construir juntos”, a equipe da Sicredi União ouviu, procurou entender o problema do município e trabalhou para encontrar uma solução que atendesse aos anseios da comunidade. Várias reuniões foram realizadas com a participação do poder público e lideranças. Conchon detalhou todo o processo de decisão por uma agência que funciona em containers, totalmente digital e sustentável, já que recolhe água da chuva para uso em limpeza e possui placas fotovoltaicas para geração de energia solar.

 

Inclusão digital - Para que todo o processo se completasse e a população realmente pudesse usufruir dos serviços bancários digitais, a Sicredi União distribuiu máquinas para pagamento digital em todo o comércio, sem custo para os comerciantes; e também os novos associados estão isentos de custo para abertura e manutenção da conta. 

 

Programas sociais - Mas não é só. Cumprindo a  missão de colaborar com o desenvolvimento da cidade, junto com a agência Smart, a Sicredi União levou vários de seus programas sociais: instalou o Centro de Informática, com oito computadores onde serão oferecidos cursos gratuitos para os interessados; o projeto Use e Devolva, com quatro bicicletas para uso gratuito da comunidade; o programa “A União Faz a Vida”, que irá atingir toda a rede municipal de ensino; e também as oficinas realizadas em parceria com o Sebrae, com vários cursos de capacitação para os associados.

 

Projeto inovador - Entre os participantes do Workshop realizado em Cafeara estava o gerente de Projetos de Desenvolvimento da Central Sicredi Brasil Central, Edmilson Furtado de Oliveira. Para ele, o workshop foi excelente por conseguir informar, com clareza, como replicar o projeto em outras regiões do país. “Essas informações vêm ao encontro do anseio que temos de levar a cooperativa aos municípios pequenos, onde instalar uma agência convencional se torna inviável devido aos custos”, disse. Segundo ele, o projeto tem grande capacidade para acelerar o processo de expansão do Sicredi. “Já vínhamos olhando para essa necessidade de estar nos municípios menores, com poucos recursos, tanto que as cooperativas da nossa Central já são a única instituição em 10 municípios, mas não havíamos encontrado uma forma de viabilizar a aceleração da ideia. ”.

 

Benefícios - Rafael Kruker Mosele, especialista de Produtos do Centro Administrativo Sicredi também mostrou entusiasmo com o projeto. “Ele está muito em consonância com nosso propósito, enquanto meio de pagamento eletrônico”, informou. Segundo ele, o uso do pagamento eletrônico traz benefícios para todos, sendo mais seguro e econômico. “A ideia é sensacional, tanto que colocou Cafeara no mapa da Visa”, comentou.

 

Pagamentos digitais - Vanessa Antunes Rodrigues, do setor de Desenvolvimento de Negócios, e Paulo Henrique Romariz, da Comunicação Corporativa da Visa, participaram do workshop e destacaram que Sicredi e Visa têm objetivos muito próximos. A Visa, que já é parceira do Sicredi há muitos anos, vem trabalhando na construção do conceito mundial de “cashless city” (cidade sem dinheiro).

 

Redução de custos - Vanessa destacou que as vantagens do não uso de dinheiro em espécie se dão em três níveis: para o consumidor representa economia de tempo, redução de crimes, maior conveniência e é mais fácil acompanhar as despesas, por exemplo; para as empresas também há redução no número de roubos e furtos, redução de custos e tempo de processamento, possibilidade de aumento de vendas nos canais digitais, entre outros; e para o governo, economia com processos mais eficientes, aumento da arrecadação e redução de custos com a administração e confecção do dinheiro em espécie, além de redução de custos judiciais com a esperada redução de processos gerados pelos crimes de furto e roubo.

 

Todos ganham - Pesquisas realizadas pela administradora de cartões mostram, por exemplo, os benefícios do pagamento digital em cidades como Brasília e São Paulo. De acordo com os resultados, se a população em geral das duas capitais alcançasse o mesmo nível de utilização dos meios eletrônicos de pagamentos praticados pelos 10% que hoje mais o utilizam, o benefício líquido gerado poderia ser de até US$ 13 bilhões por ano nas duas cidades juntas.

 

Cashless city - Em julho, Sicredi União e Visa irão testar o conceito de cashless city em uma festa junina que será realizada em Cafeara. 

 

Agência funciona em container - Um dos grandes diferenciais da agência Smart de Cafeara é que funciona em dois containers, num projeto arrojado e que interferiu de forma harmoniosa na arquitetura da cidade. Esta é a primeira agência digital do Sistema Sicredi no Brasil, um projeto piloto que pretende ser modelo de inclusão financeira e social. Os custos giraram em torno de 50% do valor da instalação de uma agência de pequeno porte convencional. 

 

Projeção - Com cerca de 1,2 mil pessoas economicamente ativas na cidade, a Sicredi União projeta alcançar entre 400 e 500 associados em Cafeara no primeiro ano de atividade, chegando a cerca de 800 no médio e longo prazo. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

{vsig}2018/noticias/05/28/sicredi_uniao/{/vsig}

SICREDI RIO PARANÁ: Semana Enef contempla mais 7 mil pessoas

 

Com o objetivo de educar as pessoas sobre a finanças, a Cooperativa de Crédito, Sicredi Rio Paraná PR/SP, realizou 121 palestras durante a Semana Enef (Semana Nacional de Educação Financeira), iniciativa do Comitê Nacional de Educação Financeira, organizada pelo Banco Central do Brasil. 

 

Palestras - A cooperativa, que atua nos estados do Paraná e São Paulo, promoveu 121 palestras com o apoio de 42 voluntários (colaboradores do Sicredi), que resultaram num total de 7.636 pessoas que assistiram à oficina de educação financeira “Cooperação na Ponta do Lápis”. 

 

Inovação - A inovação este ano foi a palestra realizada online. Ela foi transmitida ao vivo pela na página oficial da Cooperativa do Facebook e no Stories do Instagram. 

 

Primeira vez - Esta é a primeira vez que ação é realizada na Sicredi Rio Paraná PR/SP. A oficina via internet atingiu mais de 3,5 mil pessoas.  “A participação na Semana ENEF é uma das maneiras do Sicredi colaborar com a melhoria da qualidade de vida dos seus associados e da comunidade, realizando nas mais diversas localidades do País onde estamos presentes ações que promovam o equilíbrio econômico e que visem à conscientização sobre o papel fundamental do planejamento para a vida financeira”, afirma Cristiane Amaral, gerente da Fundação Sicredi. 

 

Sobre o Sicredi Rio Paraná - O Sicredi Rio Paraná está presente em 44 cidades do noroeste do Paraná e sudeste de São Paulo. São 23 agências instaladas nas duas regiões. Para mais informações acesse sicredi.com.br ou nossas redes sociais fb/sicredirioparana e @sicredirioparana. (Imprensa Sicredi Rio Paraná PR/SP)

 

{vsig}2018/noticias/05/28/sicredi_rio_parana/{/vsig}

SICREDI ALIANÇA: Associado é premiado com R$ 50 mil no Sorteio dos Seguros de Vida Premiada

 

A Sicredi Aliança PR/SP realizou na segunda-feira passada (21/05) a entrega de um prêmio de R$ 50 mil ao associado Ronaldo César Pereira Lima, na cidade de Orlândia-SP. A premiação é referente ao sorteio dos Seguros de Vida Premiada Sicredi em parceria com a Icatu. Participaram da entrega o diretor executivo, Fernando Barros Fenner; o gerente regional de Desenvolvimento, Fábio Heinrich; o gerente da agência, Rodrigo Reis; a equipe de colaboradores e o assessor comercial da Icatu Seguros e Previdência, Sandro Augusto Firmino.

 

Destaque - Para Ronaldo, que é associado desde a inauguração da agência em 2014, o Sicredi se destaca por, além de oferecer soluções para a vida financeira do associado, proporcionar a oportunidade de ganhar prêmios. “Estou muito feliz pela premiação. Acredito no cooperativismo e na proposta do Sicredi. Numa cooperativa o associado tem que se sentir dono, ser importante por aquilo que ele faz parte. É justamente isso que o Sicredi faz. Com a premiação que recebi vou investir na cooperativa e concorrer a outros prêmios em outras promoções. Isso é muito legal”, disse.

 

Sorteio mensal - Segundo o assessor comercial da Icatu Seguros e Previdência, Sandro Augusto Firmino, os sorteios de R$ 50 mil acontecem mensalmente pela Loteria Federal. “O seguro de vida é uma forma de enfatizarmos o quanto é fundamental nos preocuparmos com a proteção financeira. É importante nos protegermos de eventuais riscos existentes. O seguro de vida traz proteção e tranquilidade em momentos críticos que estamos propensos e ainda existem os sorteios para todos os associados que contratam o seguro de vida”, explicou.

 

Confiança - O diretor executivo da Sicredi Aliança PR/SP, Fernando Barros Fenner, reforça que as premiações ressaltam a confiança dos associados em permitir que a cooperativa cuide da sua vida financeira e de seu bem-estar. “Na história da cooperativa já tivemos 22 associados premiados e entregamos R$713,9 mil através sorteio dos Seguros de Vida Premiada Sicredi em parceria com a Icatu. O seguro de vida é importante para garantir mais tranquilidade ao dia a dia do nosso associado, pensando em sua qualidade de vida, o que faz parte do nosso propósito. Oferecemos coberturas e serviços que se adaptam ao estilo de vida de cada um”, ressaltou.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 21 estados* e no Distrito Federal, com 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Sicredi Aliança PR/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2018/noticias/05/28/sicredi_alianca/{/vsig}

GRÃOS: Armazenagem terá destaque no Congresso Brasileiro de Soja

 

graos 28 05 2018O Brasil tem capacidade para armazenar 160 das 230 milhões de toneladas de grãos produzidos na safra 2017/2018, o que revela uma defasagem em silos e armazéns. Somente a soja responde por 117 milhões de toneladas da produção brasileira. Para debater os vários aspectos que envolvem a armazenagem de grãos, a Embrapa Soja promoverá um debate sobre o tema durante o VIII Congresso Brasileiro de Soja, a ser promovido de 11 a 14 de junho, no Centro de Convenções de Goiânia. “Este ano, a defasagem na capacidade estática de armazenagem no Brasil foi amenizada, porque o valor da soja está competitivo e o produtor está comercializando mais rapidamente a produção. Este fato está facilitando o escoamento da safra e reduzindo o período de armazenagem”, avalia o pesquisador da Embrapa Soja, Irineu Lorini.

 

Automação - O painel sobre armazenagem contará com uma palestra sobre como o setor produtivo está utilizando a automação dos processos para otimizar a logística de armazenagem e garantir maior qualidade aos produtos. O tema será ministrado pelo representante da cooperativa Comigo, Paulo Carneiro Junqueira. Outra palestra será sobre o uso industrial da soja, que será ministrada pelo profissional da Caramuru, Rogerio Fernandes Balieiro. 

 

Qualidade da soja - Durante o painel, também será apresentado um estudo da Embrapa Soja (PR), realizado junto ao setor produtivo, em que se acompanhou a qualidade da soja nas últimas três safras. Foram coletadas e avaliadas quase mil amostras nos diferentes estados brasileiros. “Esse monitoramento revela como algumas práticas de produção podem melhorar ou piorar a qualidade do grão e da semente comercializados. Conhecendo a fundo esses aspectos, podemos ajudar o Brasil a alcançar novos patamares de qualidade”, explica Irineu Lorini, pesquisador da Embrapa Soja. 

 

Subsídios - O levantamento fornece subsídios importantes para a adoção de melhorias no processo produtivo e na armazenagem. Lorini explica que foram avaliados, por exemplo, os grãos avariados - soma de grãos mofados, ardidos, queimados, fermentados, imaturos, chochos, germinados e danificados por percevejo. A legislação brasileira determina, por exemplo, que o armazenador tolere até 8% de grãos avariados, mas há regiões brasileiras em que as amostras apresentaram até 30% de grãos avariados. “Esses casos representam prejuízo para o produtor, porque o armazenador pode descontar o percentual que estiver avariado, já que esse material tem baixa qualidade para a indústria”, avalia Lorini. “Portanto, ainda temos bastante a avançar”, explica.

 

Dano - Outro aspecto que chamou a atenção dos pesquisadores foi o índice de dano causado por percevejos nos grãos de soja. Há regiões em que as amostras variavam de 25% a 35% de grãos danificados pela praga. “Isso indica que é preciso investir mais no Manejo Integrado de Pragas nas lavouras de soja para reduzir esse índice”, avalia Lorini. “Também destaco como elevados os danos mecânicos e alguns defeitos dos grãos. Por isso, é preciso melhorar o manejo da colheita e do processamento para se obter redução nesses danos”, recomenda.

 

Teor de proteína - Com relação ao teor de proteínas da soja, a média nacional foi de 37% na safra 2016/17, com variação entre 32 a 41% nas microrregiões de cada estado. Quanto mais alto for o teor de proteínas nos grãos, tanto melhor será para a produção de farelos com teores de proteína mínimos exigidos pela legislação, atingindo-se até o ideal para a produção do farelo com alto teor de proteína. “Quanto maior o teor de proteínas nos grãos utilizados como matéria-prima para produzir farelos, tanto menores serão os processos utilizados pela indústria para se adequar aos padrões”, explica o pesquisador. (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

 

SERVIÇO

VIII Congresso Brasileiro de Soja – CBSoja 2018

Local: Centro de Convenções de Goiânia – Goiânia (GO)

Data: 11 a 14 de junho de 2018

Informações e inscrições: www.cbsoja.com.br

 

ABASTECIMENTO: Conab vende 108 mil t de milho para criadores de animais

abastecimento 28 05 2018

 

Em dois leilões realizados na quinta-feira (24/05) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foram vendidas 108,5 mil toneladas de milho das 170 mil toneladas ofertadas. O produto está estocado em armazéns credenciados no estado do Mato Grosso e será utilizado por criadores para a ração animal. A próxima operação está prevista para ocorrer no dia 6 de junho.

 

Volume negociado - O volume negociado foi de aproximadamente R$ 35 milhões. A medida foi aprovada por resolução governamental para equilibrar os preços no mercado e atender demanda dos criadores de animais em todo o país. 

 

Participação - Podem participar das operações os criadores de aves, suínos, bovinos, ovinos e caprinos cadastrados no Sistema de Cadastro Nacional do Produtor Rural (Sican) e representados por bolsas de mercadorias. (Mapa)

 

FOCUS: Mercado vê expansão menor do PIB em 2018, de 2,37%

focus 28 05 2018A mediana das projeções do mercado para o crescimento da economia em 2018 saiu de 2,50% para 2,37%, conforme a pesquisa semanal Focus, do Banco Central (BC), divulgada nesta segunda-feira (28/05). Foi o quarto corte consecutivo na previsão.

Ponto-médio - Quatro pesquisas atrás, o ponto-médio das estimativas na pesquisa do BC era de um avanço de 2,75% no Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga as Contas Nacionais Trimestrais do primeiro trimestre na quarta-feira. Para 2019, a expectativa segue em 3% de expansão pela 18ª semana seguida.

Inflação - A mediana das projeções dos economistas do mercado para a inflação em 2018 subiu de 3,50% para 3,60%. Foi a segunda elevação consecutiva.

IPCA - Para 12 meses, o ponto-médio das expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) saiu de 4,21% para 4,32% de aumento. Para 2019, a estimativa teve leve ajuste, de 4,01% para 4%.

Top 5 - Entre os economistas que mais acertam as previsões, o chamado Top 5, de médio prazo, a mediana para a inflação de 2018 caiu de 3,27% para 3,24% e se manteve em 3,75% para 2019.

Juros - Os economistas do mercado que participam da pesquisa Focus ajustaram ainda suas expectativas para a taxa básica de juros no fim de 2018, de 6,25% para 6,50%.

Elevação - A elevação, depois de a estimativa ficar por nove semanas em 6,25%, acompanha a que foi promovida uma semana antes pelas casas que mais acertam as previsões – grupo chamado Top 5, de médio prazo – que agora mantiveram suas apostas em 6,50% para o fim do ano. A alteração ocorre depois que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu manter a Selic em 6,50% na reunião de maio, contrariando a expectativa de corte para 6,25%, até então ainda predominante no mercado e indicada pelos comunicados recentes da própria autoridade monetária.

Seleto grupo - Por outro lado, esse seleto grupo também aproveitou para ajustar para cima sua estimativa para a Selic no fim de 2019, de 7,50% para 8%, patamar em que já está há 20 semanas entre os economistas em geral.

Câmbio - A mediana das projeções dos economistas do mercado para o dólar no fim do ano subiu pela sexta semana consecutiva, agora de R$ 3,43 para R$ 3,48. Para 2019, as estimativas subiram, pelo segundo levantamento seguido, de R$ 3,45 para R$ 3,47. Entre o Top 5, de médio prazo, as medianas das estimativas para o dólar se mantiveram em R$ 3,50 no fim de 2018 e de 2019. (Valor Econômico)

 

INTERNACIONAL I: Janela para concluir acordo com Mercosul está se fechando, diz UE

 

internacional I 28 05 2018A janela para concluir o tratado de livre comércio União Europeia-Mercosul está se fechando e pode ser reaberta somente em 2020, segundo negociadores e lideranças políticas em Bruxelas. Por isso, a aposta na UE é que um acordo possa finalmente ser anunciado no fim de junho, após quase duas décadas de idas e vindas. Se esse calendário não for cumprido, há temores de que as discussões sejam colocadas em ponto morto por mais de um ano.

 

Eliminação mútua - Do lado europeu, já se admite um acerto para a eliminação mútua de 91% das tarifas industriais, o que é descrito por negociadores como algo "significativamente menos ambicioso" do que tratados recentes da Europa com o Canadá e o Japão. Nesses dois casos, os acordos cobriam praticamente 100% das alíquotas cobradas de bens industriais, com exceção de um ou outro produto sensível.

 

Poucos pontos - Conforme apurou o Valor em conversas com representantes do bloco em Bruxelas, sede da Comissão Europeia, as demandas da UE nesta reta final de negociações se concentram em poucos pontos. Um dos objetivos é acelerar o cronograma de liberalização do Mercosul para a indústria automotiva - não apenas carros, mas autopeças. Outro é ampliar a lista de produtos com denominação de origem protegida no Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

 

Indicações geográficas - O bloco sul-americano já concordou em reconhecer 320 das 357 indicações geográficas pedidas. Ainda há divergências sobre itens como queijo parmesão, presunto parma, vinhos de La Rioja (existem regiões produtoras com o mesmo nome na Espanha e na Argentina) e Budweiser. Para os europeus, a cerveja tem origem na República Tcheca e ninguém mais deve usar esse nome, como é o caso da marca hoje comercializada pela Ambev.

 

Além - Há reclamações, mas um tom de aceitação, de que o Mercosul não se dispõe a ir muito além do que já ofereceu em duas áreas importantes para a UE: compras governamentais (maior abertura nas licitações públicas) e direitos de propriedade intelectual. Uma queixa ouvida em Bruxelas: países com nível de desenvolvimento semelhante ou até inferior, como México e Equador, foram mais "ousados" nessas áreas em negociações feitas recentemente.

 

Silêncio - Negociadores europeus adotam uma postura de silêncio absoluto em torno da demanda sul-americana de aumento das cotas com acesso privilegiado para produtos como carne bovina. No caso da carne, o compromisso já assumido pela UE é para 100 mil toneladas/ano. Para etanol, são 600 mil toneladas/ano. Não está claro sequer se o que for exportado intracota ficará livre de tarifas.

 

Afunilamento - Uma nova rodada de discussões deve ocorrer no início de junho, provavelmente em Montevidéu, onde os dois blocos pretendem afunilar suas divergências. Certamente haverá a necessidade de uma reunião adicional, então com a presença de ministros do Mercosul e da comissária europeia Cecilia Malmström (responsável pelo comércio exterior), em que poderiam ser feitas as barganhas mais delicadas - aquelas que os técnicos já não têm autonomia para fazer. Para isso, no entanto, um avanço definitivo em Montevidéu é crucial.

 

Preocupante - "É preocupante que haja toda essa demora em fecharmos o acordo", afirma o eurodeputado português Fernando Ruas, presidente da delegação UE-Brasil no Parlamento Europeu e um dos legisladores mais atentos às negociações. Ele lembra que havia a expectativa de anunciar o tratado em Buenos Aires, à margem da conferência ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), em dezembro. Não houve anúncio e o assunto até esfriou.

 

Perto do fim - "Estamos muito perto do fim. Entendo que o diabo esteja nos detalhes, como diz o ditado, mas me preocupa sempre haver razões para novos adiamentos", acrescenta Ruas. Ele faz uma crítica à própria postura europeia: "A UE tem o dever de zelar pelos interesses de seus agricultores, mas não podemos deixar que um único setor impeça o acordo. Dificilmente chegaremos a um consenso em tudo, tudo, tudo".

 

Alertas - Apesar do otimismo quanto ao desfecho, começam a surgir alertas de que o acordo entrará em banho-maria caso não seja possível fechá-lo nas próximas semanas. A Comissão Europeia, braço executivo da UE, fica praticamente deserta em julho e agosto, meses de férias de verão no Hemisfério Norte. Em seguida, a campanha presidencial atinge o auge no Brasil. 

 

Consenso - Nos bastidores, é quase um consenso em Bruxelas a preocupação com uma eventual vitória do deputado Jair Bolsonaro (PSL), por seus discursos relativizando direitos humanos.

 

Temor - Em menor grau, teme-se ainda a eleição de um presidente com viés mais protecionista. Embora os candidatos normalmente se declarem favoráveis ao acordo UE-Mercosul, há receio de como um novo governo se comportaria para valer no momento mais sensível das negociações, quando os blocos se veem diante da necessidade de fazer concessões que desagradam a setores produtivos.

 

Janela política - Do outro lado, a janela política também pode ficar complicada. A partir de outubro, o Parlamento Europeu deixa de receber novos acordos para análise. Os tratados de livre comércio firmados pela UE só entram em vigência depois de ratificação.

 

Renovação do Parlamento - Depois, em maio de 2019, haverá eleições para renovar todo o Parlamento. Quatro meses depois, trocam-se comissários e até escalões mais técnicos podem ser afetados. Por isso, sem entendimento agora, adverte-se em Bruxelas que uma sucessão de circunstâncias poderia levar a conclusão do acordo com o Mercosul só para 2020. (Valor Econômico)

 

INTERNACIONAL II: OCDE tenta driblar bloqueio dos EUA a novos membros

 

internacional II 28 05 2018Depois de terem aceitado a Colômbia como novo membro, os países integrantes da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) tentam novamente superar o impasse provocado pelos Estados Unidos sobre a ampliação da entidade a novos membros, incluindo o Brasil.

 

Na fila - Há seis países na fila: três da América do Sul - Brasil, Argentina e Peru - e três da Europa - Bulgária, Croácia e Romênia. O governo de Donald Trump argumenta que a OCDE não tem como negociar as condições de acesso com os seis candidatos ao mesmo tempo.

 

Argentina e Romênia - Para driblar o bloqueio americano, prosperou um plano na entidade para, na reunião ministerial anual desta semana, os países membros convidarem a Argentina e a Romênia a começarem as negociações, e também fixar uma data para o processo ser iniciado com Brasil, Peru, Croácia e Bulgária.

 

Alegação - Em reunião do conselho dos países membros na sexta-feira (25/05), porém, os EUA alegaram que "ainda não estamos lá", inclusive porque não veem interesse na entrada da Romênia. E colocaram a culpa pelo impasse nos europeus, dizendo que, se a questão fosse só o início das negociações de adesão da Argentina, já estaria superado.

 

Nova tentativa - Agora, os demais países querem fazer uma nova tentativa de dar clareza ao processo de expansão da entidade nos encontros ministeriais da quarta e quinta-feira, conscientes inclusive de que o Brasil é o país que mais poderá contribuir em qualquer negociação entre eles. Informalmente, representantes de Washington repetem que uma decisão sobre o apoio à adesão do Brasil na OCDE viria só após a eleição presidencial de novembro.

 

Preparado - "O Brasil está preparado para começar o processo de adesão quando os membros da OCDE decidirem", avisou o embaixador brasileiro junto a organizações internacionais em Paris, Carlos Márcio Cozendey. "Temos avançado na aproximação com a OCDE."

 

Instrumentos - Dos 238 instrumentos do acervo normativo da OCDE aos quais um país deve aderir para se tornar membro, o Brasil já assinou 39 e pediu para aderir a outros 70. Na semana passada, um novo passo foi dado na negociação para o Brasil aderir a dois instrumentos centrais da OCDE, o "Código de Liberalização do Movimento de Capitais" e o "Código de Liberalização de Operações Invisíveis Correntes". A entidade vai agora preparar um relatório sobre as práticas brasileiras, que será examinado em outubro. 

 

Objetivo final - O objetivo final é eliminar restrições aplicadas à entrada e saída de capitais. O Brasil poderá negociar seu acesso fazendo uma lista de exceções.

 

Assinatura - Esta semana, a OCDE e o governo colombiano vão assinar o acordo de adesão desse que é o terceiro país da América Latina na entidade. "Estamos contentes de receber a Colômbia como membro", afirmou o secretário-geral da OCDE, Angel Gurria. "Essa adesão vai contribuir para os nossos esforços de transformar a OCDE numa instituição mais diversificada e inclusiva. Os desafios globais que estamos enfrentando hoje só podem ser tratados se tivermos economias emergentes, em desenvolvimento e desenvolvidas trabalhando juntos." (Valor Econômico)

 


Versão para impressão


RODAPE