Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4328 | 15 de Maio de 2018

COOPERATIVISMO: Encontro de Núcleos da Ocepar tem início em Marechal Cândido Rondon

Cerca de 100 representantes de 15 cooperativas da região Oeste do Paraná participaram, na manhã desta terça-feira (15/05), do Encontro de Núcleos da Ocepar. O evento aconteceu na sede social da Associação Atlética Cultura Copagril (AACC), no município de Marechal Cândido Rondon. A reunião teve como cooperativas anfitriãs a Copagril e o Sicredi Aliança PR/SP. O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, fez a abertura do evento. “Esse é um momento importante para o cooperativismo paranaense, pois alinhamos nossas estratégias e direcionamos as ações do setor na busca por soluções às suas demandas e reivindicações”, afirmou. 

Cooperativistas - Também compuseram a mesa para o início dos trabalhos, o conselheiro fiscal da Ocepar, Urbano Inácio Frey (Lar), o conselheiro fiscal do Sescoop/PR, James Fernando de Morais (Copacol), os presidentes da Copagril, Ricardo Chapla, da Sicredi Aliança PR/SP, Adolfo Freitag, e o presidente da C.Vale, coordenador do Núcleo Oeste, Alfredo Lang. Também acompanharam o encontro, os superintendentes da Ocepar, Robson Mafioletti, e do Sescoop/PR, Leonardo Boesche.

Debates - Após abertura, os presidentes da Copagril e do Sicredi Aliança PR/SP fizeram uma explanação sobre as cooperativas, abordando o modelo de gestão e as estratégias de ação em seus respectivos ramos de atuação. Depois, o consultor Juan Jensen fez uma palestra sobre a conjuntura econômica e política do país e a gerente de Relações Institucionais do Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), Fabíola Nader, tratou das estratégias do cooperativismo visando às eleições de 2018. A próxima reunião do Encontro de Núcleos acontece nesta quarta-feira (16/05), em Pato Branco, Sudoeste do Paraná.

{vsig}2018/noticias/05/15/encontro_nucleos/{/vsig}

INTERCÂMBIO: Profissionais do Sescoop/SP conhecem ações de promoção social realizadas por cooperativas do PR

Profissionais do Sescoop/SP iniciaram uma visita técnica ao Paraná, com objetivo de conhecer programas e projetos da área de promoção social executados por cooperativas paranaenses. Na manhã desta terça-feira (15/05), o gerente de Monitoramento e Promoção Social, Luis Antonio Schmidt, e as coordenadoras de Promoção Social, Adriana Santos, e de Projetos Sociais, Luciana Casarini, chegaram à sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, onde foram recebidos pela equipe de Desenvolvimento Humano do Sescoop/PR. “Nós estamos reorganizando o núcleo de Promoção Social do Sescoop/SP, repensando projetos e avaliando oportunidades e entendemos ser oportuno, nesse momento, vivenciar experiências de cooperativas do Paraná para ampliar nosso conhecimento e avaliar a o desenvolvimento de novos projetos ou linhas de atuação para essas áreas em São Paulo”, explicou Schmidt. 

Visitas – Nesta quarta-feira (16/05), o grupo visita a Cooperativa Cocamar e o Instituto Sicoob, em Maringá, na região Noroeste do Estado. Na quinta-feira (17/05), eles irão até a Unimed Londrina, em Londrina, no Norte.

{vsig}2018/noticias/05/15/reuniao/{/vsig}

 

 

FORMAÇÃO INTERNACIONAL: Cooperativistas do PR iniciam roteiro de visitas técnicas ao Canadá e EUA

Montreal, segundo município mais populoso do Canadá, abriu, nesta segunda-feira (14/05), o roteiro de visitas técnicas que a sexta turma do Programa Internacional de Desenvolvimento de Lideranças realiza até o dia 19, com o propósito de conhecer diversos aspectos da economia, agricultura, pecuária e cooperativismo canadense. Depois, o grupo, formado por 26 profissionais de cooperativas paranaenses dos ramos agropecuário, saúde e crédito, e dos Sistemas Ocepar e OCB, vai cumprir agenda nos Estados Unidos até o dia 24 de maio.

Cooperativismo de crédito - Nesta segunda-feira, eles assistiram a uma explanação sobre o contexto econômico do cooperativismo de crédito e agrícola de Quebec e do Canadá, com Angélica Imperador, mestre em Desenvolvimento e Gestão de Cooperativas pela Universidade de Sherbrooke, do Canadá. Na sequência, o diretor do Irecus (Instituto de Pesquisa do Cooperativismo de Universidade de Sherbrooke), Claude Guillote, ministrou palestra sobre educação cooperativista. No período da tarde, a programação contemplou visita à Cooperativa de Leite Agropur, formada por 3.290 produtores de leite e atualmente um dos maiores processadores de laticínios do mundo.

HEC - Nesta terça-feira (15/05), os cooperativistas brasileiros participam de Seminário no HEC Montreal, uma escola de gestão que já contabiliza um século de história, com tradição em inovação e liderança em áreas que vão desde ensino, pesquisa, iniciativas internacionais, até programas executivos para gerentes de nível médio e superior.

Cooperativismo no Canadá - As cooperativas desempenham um papel fundamental no setor agrícola da economia canadense, especialmente na transformação e comercialização de cereais e oleaginosas, leite e produtos lácteos, aves, mel, derivados árvore de bordo, frutas, legumes e gado. A maioria da transformação e comercialização das cooperativas agrícolas são modernas empresas de tecnologia avançada e várias estão na vanguarda da sua indústria.

Venda - As cooperativas são ainda indispensáveis na venda de fertilizantes e produtos químicos, equipamentos e máquinas agrícolas. Também fornecem para as cooperativas e produtores sementes e outros produtos necessários para o bom funcionamento de suas fazendas, incluindo materiais de construção e produtos petrolíferos.

Quebec - Em Quebec, a maior parte das receitas das cooperativas é proveniente da venda de produtos florestais, enquanto em Alberta a comercialização de carnes, bovina e suína, é a principal atividade. Localmente, as cooperativas de consumo variam em tamanho e sofisticação: desde pequenos clubes até grandes supermercados.

Modelo Desjardin - Além do setor agropecuário, o Canadá é muito conhecido pelo modelo Desjardin de cooperativismo de crédito.

{vsig}2018/noticias/05/15/formacao_internacional/{/vsig}

SESCOOP/PR I: Mais de 300 conselheiros fiscais são capacitados

Um total de 302 conselheiros fiscais participaram do curso promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) nos meses de abril e maio, com objetivo de promover a formação e reciclagem de conhecimentos dos participantes. Foram contemplados profissionais dos ramos agropecuário, infraestrutura, transporte, consumo e trabalho, cujas turmas foram capacitadas em Toledo, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel, Londrina e Pato Branco, somando carga horária de 12 horas.

Saúde e crédito - Já o curso destinado aos profissionais do ramo saúde teve seis horas de carga horária, com turmas nas cidades de Maringá, Toledo, Curitiba, Pato Branco e Londrina. A formação dos representantes do ramo crédito ocorreu em Campo Mourão, totalizando 16 horas de carga horária.

Conteúdo - A formação trata das atribuições e responsabilidades de um conselheiro fiscal, conceitos de contabilidade, análise de indicadores, legislação e relacionamento do Conselho Fiscal com os demais agentes de governança de uma cooperativa, entre outros itens. O conteúdo foi repassado por profissionais do Sistema Ocepar: Devair Antonio Mem, Edson Luis Carvalho de Souza, Eliane Lourenço Goulart Festa, Emerson Barcik, Fernando José Mendes, Jesse Rodrigues, João Gogola Neto e Paulo Roberto Stöberl.

{vsig}2018/noticias/05/15/sescoop_I/{/vsig}

SESCOOP/PR II: Curso promove atualização tributária

 

O Sistema Ocepar realiza, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), um treinamento em Escrituração Contábil Digital (ECD) e Fiscal (ECF), com ênfase na composição da base de cálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). A ideia é repassar aos participantes as principais alterações ocorridas na legislação tributária relativas a essas questões. Eles também serão orientados sobre como as cooperativas devem se preparar para enviar os arquivos digitais à Receita Federal do Brasil por meio da ECF. O curso ocorre dias 24 e 25 de maio, no Hotel Confiance, em Curitiba. 

 

Instrutora - A instrutora será Renata Santana Santos, contadora, mestranda em Contabilidade pela Fucape e especialista em Gestão Empresarial pela Unesc. 

 

Inscrições - O treinamento é destinado a profissionais das cooperativas paranaenses. Os interessados devem efetivar as inscrições com o agente de Desenvolvimento Humano ou pelo e-mail sandra.silva@sistemaocepar.coop.br

 

{vsig}2018/noticias/05/15/formacao/{/vsig}

DIA C: Mais de 1.500 lanches foram entregues em Goioerê

 

A campanha solidária do Dia C - Dia de Cooperar - está a todo vapor. No sábado (12/05), aconteceu em Goioerê e contabilizou 1.528 X-Solidários entregues, destes 428 foram doados para entidades filantrópicas da cidade. A iniciativa é uma ação conjunta das cooperativas Copacol, Coopercaf e Sicoob.

 

Gratificante - Para o gerente da unidade de recebimento de cereais da Copacol em Goioerê, Adauto Canello, foi gratificante realizar esta ação no município porque mostrou o quanto as pessoas são solidárias e abraçam esse tipo de causa. “Ficamos felizes pelo resultado e por ver nossos colaboradores, grupo feminino e a comunidade envolvidos. E não era apenas a venda do lanche, mas queríamos mostrar a fim filantrópico e tão importante que é ajudar essas entidades”, enaltece Adauto. 

 

Agradecimento - Na oportunidade, ele agradeceu todas as pessoas envolvidas neste dia, desde a produção dos lanches até o momento da entrega. Ao todo, mais de 26 voluntários ajudaram nos trabalhos do dia. 

 

Distribuição - A distribuição dos X-Solidários acontecerá ainda nas cidades de Cafelândia, Nova Aurora, Jesuítas, Formosa do Oeste e Assis Chateaubriand. A agenda será a seguinte: 

- Dia 19 de maio - Copacol Supermercado de Formosa do Oeste 

- Dia 26 de maio - Salão da Igreja de Jesuítas e Assis Chateaubriand 

- Dia 02 de junho - Salão Paroquial Nossa Senhora Consolata de Cafelândia 

- Dia 09 de junho - Salão da igreja de Nova Aurora

(Imprensa Copacol)

 

{vsig}2018/noticias/05/15/dia_c/{/vsig}

SICREDI: Lançada coleção da Turma da Mônica com foco em educação financeira

 

A educação financeira não é uma realidade no Brasil. Nas escolas, o assunto é pouco debatido e a situação não é diferente no ambiente familiar ou empresarial. Um levantamento realizado em abril deste ano, em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), revelou que somente 44% dos brasileiros falam frequentemente sobre dinheiro com os membros da família. E que 39% só entram nesse assunto quando a situação financeira já está ruim. Além disso, a pesquisa também apontou que seis em cada dez brasileiros (58%) não gostam de dedicar tempo para cuidar das próprias finanças. 

 

Consciência - Por outro lado, uma série de estudos mostra que, quanto mais cedo se fala de dinheiro, mais chances os cidadãos têm de desenvolver consciência em relação aos seus hábitos de consumo. Para ajudar a reverter esse quadro, o Sicredi – primeira instituição financeira cooperativa do Brasil – lança, em parceria com a Mauricio de Sousa Produções (MSP), uma série especial de revistas em quadrinhos da Turma da Mônica com a temática "educação financeira para crianças". O lançamento foi realizado na sede da MSP, em São Paulo, no dia 14 de maio, no primeiro dia da Semana Nacional da Educação Financeira (ENEF), promovida pelo Comitê Nacional de Educação Financeira (CONEF) – que segue até dia 20 de maio. 

 

Seis edições - No total, serão seis edições, baseadas no conteúdo do Caderno de Educação Financeira e Gestão de Finanças Pessoais do Banco Central do Brasil: Nossa Relação com o Dinheiro; Orçamento Pessoal ou Familiar; Uso do Crédito e Administração das Dívidas; Consumo Planejado e Consciente; Poupança e Investimento; e Prevenção e Proteção. As primeiras três edições das histórias em quadrinhos circulam em 2018 e as outras três sairão em 2019. 

 

Mudança de hábito - Para o presidente nacional do Sistema Sicredi e da Central PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock, iniciativas como essa são importantes para mostrar que, com a educação financeira, hábitos equivocados de consumo de toda uma geração podem ser mudados. “E isso vai além de cálculos matemáticos. Abrange hábitos cotidianos, como fazer escolhas com o dinheiro, envolvendo razão e emoção, desejo e necessidade. A educação financeira engloba dimensões culturais, sociais e psicológicas”, analisa. 

 

Colaboração - Mauricio de Sousa ressalta a importância de tratar temas importantes como esse de forma lúdica e descontraída. “O projeto das revistas sobre educação financeira do Sicredi é mais um exemplo de como a Turma da Mônica colabora com a educação, por meio da simpatia e carisma dos personagens e suas histórias. Dessa forma, as crianças têm acesso à informação de maneira lúdica e prazerosa, diferente da obrigação de decorar um conteúdo, normalmente estranho à sua realidade e ao seu vocabulário”, aponta. 

 

Banco Central - A iniciativa também tem o apoio do Banco Central: “Educação financeira deve começar cedo, mas nunca é tarde demais para dar os primeiros passos. A ação conjunta do Sicredi e da Mauricio de Sousa Produções, baseada em materiais do Banco Central, merece, portanto, nosso reconhecimento. As revistas em quadrinhos da Turma da Mônica sobre o tema têm grande potencial de despertar o interesse do público infantojuvenil para o uso consciente do dinheiro, estimulando comportamentos que elevam o seu bem-estar financeiro e o de sua família”, ressalta o Diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do Banco Central, Maurício Moura. 

 

Outras iniciativas - Ainda durante a Semana ENEF, o Sicredi está realizando mais de 700 ações com o intuito de reforçar a importância do planejamento financeiro. As oficinas do projeto Cooperação na Ponta do Lápis levam informações sobre como controlar o orçamento e evitar dívidas. A ação envolve colaboradores voluntários das cooperativas Sicredi que atuam no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Nesta semana, mais de mil voluntários promovem as capacitações gratuitas em dezenas de cidades dos três estados, utilizando como base o conteúdo do Caderno de Educação Financeira e Gestão de Finanças Pessoais do Banco Central. 

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 21 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

Sobre a Mauricio de Sousa Produções - A Mauricio de Sousa Produções (MSP) é a maior empresa de produção de conteúdo do Brasil, com quase 60 anos de história e responsável por uma das marcas mais admiradas do país, a Turma da Mônica. Na área editorial, possui um dos maiores estúdios do setor no mundo – responsável pela venda de milhões de livros todos os anos. A companhia responde por mais de 80% das vendas de histórias em quadrinhos do mercado brasileiro. E ainda há outros números impressionantes: são mais de 400 personagens criados e mais de 1 bilhão de revistas vendidas. Não à toa, as revistas da Turma da Mônica participam de forma tão importante da alfabetização informal de milhões de brasileiros. A MSP investe em tradição com inovação e produz hoje conteúdos em todas as plataformas com a mais alta tecnologia, alinhando educação, cultura e entretenimento. Somente nos canais Turma da Mônica no Youtube, nos últimos anos, são contabilizados mais de 8 bilhões de visualizações.  No licenciamento, a empresa trabalha com uma média de 150 empresas que utilizam seus personagens em mais de 3 mil itens. (Imprensa Sicredi)

 

{vsig}2018/noticias/05/15/sicredi/{/vsig}

SICREDI ALIANÇA: Rondonense ganha R$ 2 mil em sorteio da Poupança Premiada Sicredi

 

A Sicredi Aliança PR/SP premiou, na tarde de sexta-feira (11/05), Dulce da Silva com o valor de R$ 2 mil por meio da campanha Poupança Premiada. A entrega foi realizada na agência Dom João VI, em Marechal Cândido Rondon-PR. Para Dulce, premiar os associados é uma forma de se diferenciar entre as instituições financeiras. “O Sicredi é diferente porque valoriza as pessoas oferecendo a elas a oportunidade de ganhar prêmios. Estou muito feliz e agradecida”, expôs.

 

Incentivo - Segundo o presidente do Conselho de Administração da Sicredi Aliança PR/SP, Adolfo Rudolfo Freitag, com a campanha, o Sicredi incentiva a poupança que é uma aplicação simples, segura e de fácil acesso a todos. “A Poupança Premiada visa incentivar os associados a ter o hábito de poupar, realizando seus sonhos e pensando num futuro mais tranquilo. Esse foi o primeiro sorteio da campanha e a nossa cooperativa já teve uma poupadora premiada. Estamos otimistas pelos próximos sorteios”, explicou.

 

Educação financeira - A iniciativa, que é promovida há três anos pelo Sicredi nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, busca reforçar o conceito de educação financeira e incentivar associados e poupadores em geral a guardar recursos para conquistar objetivos. Entre os meses de abril e dezembro estão sendo distribuídos R$ 1,5 milhão em prêmios, sendo 10 sorteios semanais de R$ 2 mil, um sorteio mensal no valor de R$ 50 mil e um sorteio final que premiará um associado Sicredi com meio milhão de reais. Em dezembro, durante a reta final da campanha, as chances de ganhar serão dobradas, com 20 sorteios semanais de R$ 2 mil, além do grande sorteio.

 

Como participar - A cada R$ 100,00 aplicados na poupança Sicredi, é gerado automaticamente um número da sorte para concorrer aos sorteios que acontecem pela Loteria Federal. Basta acessar o site: www.sicredi.com.br/eupouposim e verificar os números. Ao fazer uma poupança programada, o poupador recebe números em dobro para participar. Quanto mais depositar, mais chances de ganhar. Podem participar pessoas físicas e jurídicas nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, associados ou não. Os sorteios serão realizados todas as segundas-feiras (a partir de 10/04) e os ganhadores divulgados em até cinco dias úteis.

 

Diferencial - O interessante da ação é o diferencial cooperativo, já que o recurso da poupança Sicredi beneficia as regiões em que é captado, resultando em mais desenvolvimento local por meio de concessão de crédito. Quanto mais associados poupam, mais associados podem ter acesso à linhas de crédito, gerando um ciclo virtuoso nas comunidades onde o Sicredi está presente.

 

Mais - Para saber mais sobre o programa Poupança Premiada, datas de sorteios e vencedores, acesse: www.sicredi.com.br/eupouposim ou procure uma das 547 agências do Sicredi nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 21 estados* e no Distrito Federal, com 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi Aliança PR/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

{vsig}2018/noticias/05/15/sicredi_alianca/{/vsig}

COCAMAR: Expoingá traz bons resultados

cocamar 15 05 2018Muita movimentação em seu estande, onde apresentou novidades, participação em diversos eventos voltados ao segmento rural e realização de negócios. Esta foi, em síntese, a participação da Cocamar na 46ª edição da Expoingá, encerrada na segunda-feira (14/05) no Parque Internacional de Exposições de Maringá (PR).

Delegações - Em seu espaço, a cooperativa recepcionou, durante toda a semana passada, delegações formadas por cooperados e familiares de um grande número de municípios da região noroeste, além de convidados de diversos setores. O local sediou também, com a presença do secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, George Hiraiwa, e outras lideranças, um encontro para fortalecimento da parceria entre a Cocamar e o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar).

Novas marcas - Ainda no estande, que contou com um estúdio da Rádio CBN para transmissões e entrevistas ao vivo, o público visitante conheceu duas novas marcas da cooperativa, em pré-lançamento: Made In Roça, concebida para a nova linha de maioneses, oferecida ao mercado nos sabores tradicional, bacon e cebola e salsa; e Roça Raiz, para produtos como roupas, chapéus, bonés, calçados, artigos de couro e outros.

Eventos - A Cocamar e a Sociedade Rural de Maringá (SRM), realizadora da Expoingá, promoveram, no dia 9, com grande número de participantes, entre produtores e especialistas, o 1º Congresso Brasileiro de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). Além desse evento, a cooperativa apoiou vários outros que compuseram a grade da Exposição – entre eles o I Hackathon Inova Agro, no dia 4; palestra sobre as projeções do agro brasileiro, proferida pelo especialista Marcos Fava Neves, no dia 7; o Congresso de Integração Direito e Agronegócio (Agrojur), no dia 8; e o 2º Encontro de Mulheres que Fazem a Diferença no Agronegócio Brasileiro, no dia 11.

Maquinários - Em relação aos negócios, as vendas ficaram por conta, principalmente, da coligada Cocamar Máquinas, concessionário John Deere para as regiões de Maringá, Paranavaí e São Pedro do Ivaí, que apresentou a nova geração de tratores e colheitadeiras, em estande próprio.

Números - A previsão da SRM é que a Expoingá – iniciada no dia 3/5, com mais de 500 expositores dos mais diversos produtos – tenha sido visitada por 600 mil pessoas e realizado ou prospectado negócios no total de R$ 550 milhões. (Imprensa Cocamar)

 

COOPAVEL: Em 30 edições, Show Rural já recebeu mais de 3,5 milhões de visitantes

 

coopavel 15 05 2018Os preparativos e a organização para o Show Rural Coopavel não param. A 31ª edição, que será realizada de 4 a 8 de fevereiro de 2019, já movimenta o parque que todos os anos recebe a feira, que é a terceira maior do mundo em disseminação de conhecimentos e de tecnologias para o campo. 

 

Dimensão - Alguns números dão a dimensão de um evento que começou como um dia de campo em 1989. A primeira edição recebeu 110 visitantes e eram apenas 15 os expositores. Somando as 30 feiras já realizadas a partir de então é possível entender a importância que o Show Rural Coopavel assume no contexto do agronegócio brasileiro e mundial. 

 

Total - O número de visitantes chega a 3.581.173, número maior que as populações de duas das mais importantes capitais brasileiras (Curitiba/PR e Porto Alegre/RS) combinadas. O recorde para uma única edição foi alcançado na mais recente, desenvolvida de 5 a 9 de fevereiro de 2018, quando 265.350 pessoas passaram pela área de 72 hectares que recebe o evento.

 

Expositores - A soma de expositores também é expressiva. Em 30 edições, o total de empresas que mostraram novidades, tendências e inovações aos visitantes foi de 7.219. “São as maiores dos seus segmentos, na extensa cadeia do agronegócio, que vêm a Cascavel para apresentar o resultado de muito investimento em estudos, pesquisas, divulgação e logística. E nós só podemos retribuir trabalhando sempre mais”, afirma o coordenador executivo do Show Rural Coopavel, Acir Inácio Palaoro.

 

Segredo - Um dos segredos do sucesso da feira é se manter fiel aos princípios que a conceberam, principalmente de contribuir com informações de qualidade que possam, de forma rápida e eficiente, chegar aos produtores e então ser aplicadas em suas lavouras. “O Oeste do Paraná não é dono, só para citar um exemplo, da maior produtividade de milho do Brasil por acaso. Além do solo fértil, da boa regularidade de chuvas e da dedicação dos produtores rurais, a tecnologia é um fator imprescindível no contexto”, diz o diretor-presidente do Conselho de Administração da Coopavel, Dilvo Grolli.

 

Experimentos - A produtividade das principais commodities da região teve ganhos de mais de 200% em três décadas de Show Rural Coopavel. Em fevereiro de 2018, mais de 5,4 mil experimentos foram apresentados, tudo para que os agricultores possam ter em mãos condições para produzir mais, melhor e com resultados ainda mais substanciais.

 

NÚMEROS 

3.581.173é o total de visitantes que o Show Rural Coopavel recebeu em suas 30 edições

7.210expositores já participaram da terceira maior feira do mundo em transmissão de conhecimentos para o campo

(Imprensa Coopavel)

 

COCARI: Liderança Feminina marca presença na Expoingá

 

A Liderança Feminina da Cocari participou, na sexta-feira (11/05), do 2º Encontro de Mulheres que Fazem a Diferença no Agronegócio Brasileiro, como parte da programação da 46ª Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial – Expoingá.

 

Fazemos a agricultura - O presidente da Cocari, Vilmar Sebold foi uma das personalidades ligadas a cooperativas e ao meio rural a participar da abertura e das boas-vindas às mulheres. “Nós fazemos a agricultura. E quando falamos em produtividade, tecnologia e crescimento não podemos esquecer que por trás disso tudo está o ser humano. É para ele e por ele que estamos aqui”, afirmou.

 

Elas fazem a diferença - Sebold parabenizou as mulheres pelo destaque que vêm conquistando e pela diferença que têm feito no setor. Ele agradeceu à presidente da Sociedade Rural, Maria Iraclézia, pela parceria com a Cocari e ressaltou a admiração pelo trabalho que ela realiza à frente da instituição. “A experiência não é contar o que os outros fazem, mas o que nós sabemos fazer e fazemos”, elogiou Sebold. 

 

Atuação ampla e efetiva - Maria Iraclézia destacou a participação de representantes de vários estados, convidadas a expor cases de sucesso e debater diversos assuntos que envolvem os interesses de mulheres com atuação ampla e efetiva no agronegócio Nacional. Salientou a importância da união e de as mulheres estarem cada vez mais inseridas no contexto agro.

 

Experiência na política e no agronegócio - Foram convidadas algumas mulheres de destaque no agronegócio para compor o ciclo de palestras, entre elas a deputada federal e presidente da Frente Parlamentar da Agricultura, Tereza Cristina, que falou da pouca representatividade feminina na política e no agronegócio. “Essa representatividade precisa aumentar”, disse. “Sejam ativistas digitais em favor do agronegócio, não se omitam, porque enquanto vocês se omitem, pessoas mal-intencionadas ganham milhões para não deixar o país andar para a frente. Nós incomodamos o mundo com tudo que produzimos aqui”, enfatizou a deputada.

 

Mulheres representadas - A tarde teve ainda outras palestras com representantes das do setor, como a advogada Samantha Pined, reconhecida nacionalmente na área jurídica ambiental da Frente Parlamentar da Agropecuária no Congresso Nacional e Ana Costa Beber, doutora em Desenvolvimento Rural, que discorreu sobre temas de sua área de estudo, apontando alternativas dentro do segmento do turismo rural. 

 

Produtoras rurais - O evento contou ainda com a participação das produtoras rurais, Renata Fergurson, sucessora do pai na administração da fazenda, e Ana Nery Souza, diretora do Grupo Água Tirada, do Mato Grosso do Sul. 

 

Incentivo às mulheres - A integrante da Liderança Feminina da Cocari, Marlei Gambaro, de Kaloré, falou da importância de conhecer as experiências de mulheres que batalharam para conquistar seu espaço no agronegócio. “Foi bom vir, obter mais conhecimento e ver a representatividade das mulheres. Precisamos de cada vez mais mulheres nos representando, principalmente agricultoras, porque ainda é pequena a participação feminina. É preciso mais incentivo à participação das mulheres no agronegócio e na política também”, apontou a líder da Cocari. (Imprensa Cocari)

 

{vsig}2018/noticias/05/15/cocari/{/vsig}

UNIMED MARINGÁ: Dia Nacional do Controle de Infecção Hospitalar é celebrado nesta terça-feira

 

Instituído pelo Ministério da Saúde, o dia 15 de maio é o Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares e tem como objetivo aumentar a segurança do paciente, dos visitantes e dos profissionais da saúde. Para isso, nesta data são desenvolvidas ações de conscientização e de prevenção a fim de destacar a importância do tema. 

 

Normas e procedimentos - Levando em conta que um dos critérios para considerar a excelência de atendimento em um estabelecimento de saúde é o controle das infecções, é fundamental que os profissionais adotem normas e procedimentos seguros para evitar a transmissão de microrganismos patogênicos, que transmitem doenças.  

 

Equipamentos individuais - Uma forma de fazer isso é por meio do uso de equipamentos individuais como luvas, aventais e máscaras. Estes itens são essenciais para a segurança em ambientes hospitalares, uma vez que impedem o contato direto com superfícies contaminadas e evitam transmissões diretamente entre as pessoas. 

 

Higienização das mãos - O médico infectologista da Unimed Maringá, José Ricardo Colleti Dias, ressalta a higienização das mãos como uma das atitudes preventivas mais simples de evitar vários tipos de doenças, principalmente infecções. “Gripe Influenza, conjuntivite, diarreia e até catapora, são apenas alguns exemplos que podem acometer quem não faz a higiene corretamente”, explica. 

  

Orientações - Algumas orientações de quando se deve higienizar as mãos:

• Antes de comer ou manusear alimentos;  

• Depois de ter utilizado o banheiro;  

• Depois de assoar o nariz, tossir ou espirrar;  

• Antes de efetuar qualquer ação que inclua o contato com mucosas corporais (por exemplo, colocar ou retirar lentes de contato);  

• Depois de tocar animais ou seus dejetos;  

• Depois de manusear resíduos (por exemplo, lixo doméstico);  

• Depois de usar transportes públicos;  

• Antes e depois de tocar doentes ou feridas (cortes, arranhões e queimaduras);  

• Antes e depois de uma visita a um doente internado (hospital ou outra instituição). 

(Imprensa Unimed Maringá)

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: Paraná prepara técnicos para a agroindústria

 

educacao profissional 15 05 2018A Secretaria da Educação tem uma oferta variada de cursos profissionalizantes ligados ao agronegócio, setor responsável por cerca de 40% da economia paranaense. Um deles é o Curso Técnico em Agroindústria, disponível na modalidade subsequente no Centro Estadual de Educação Profissional (Ceep) Olegário Macedo, em Castro, no Campos Gerais.

 

Agregação de valor - De acordo com a diretora auxiliar do Ceep, Veronica do Espirito Santo Sokolowski, a agroindústria cumpre a função de agregar valor à produção agrícola e pecuária, ligando a agropecuária ao setor industrial. Ela acrescenta que o curso técnico em agroindústria foi estabelecido no Ceep Olegário Macedo devido à quantidade e proximidade de empresas deste setor em toda a região.

 

Características - “Temos tanto alunos que já trabalham com agroindústria e procuram uma melhoria na carreira, quanto pessoas que vieram de fora e encontram uma vaga no setor. São estudantes que concluíram o ensino médio e procuram uma colocação e, também, pessoas que voltaram a estudar”, explica Veronica.

 

Laboratórios e materiais - A unidade é equipada com laboratórios e materiais para atividades práticas nas áreas de laticínios, vegetais e carnes, além de salas de aula para o conteúdo teórico. “Começamos o curso com uma apresentação do Ceep, a equipe, os laboratórios e as instalações. O aluno que não conhece o setor se impressiona com os equipamentos disponíveis e suas utilizações. Para alguns é um choque ver o investimento realizado, e notamos que eles levam o curso muito mais a sério já a partir da primeira semana”, destaca o coordenador do curso, Kleber Marcos Zerbielli.

 

Investimento - Desde 2011, foram investidos cerca de R$ 250 mil em cerca de 50 equipamentos para o Ceep, incluindo defumador com desidratador, embaladeira a vácuo, freezer, moedor, ilha expositora, câmara fria, esterilizador de facas, trituradores, prensas, desidratador, descascador, e butirômetros – utilizado para avaliar a gordura do leite –, entre outros.

 

Estudantes - O curso é gratuito, tem duração de um ano e meio e está disponível para qualquer pessoa com ensino médio completo. Novas turmas são formadas a cada seis meses, com um mínimo de 35 alunos matriculados.

 

Experiência completa - Samanta Lorelay Bohman, 24 anos, trabalhou em vendas após concluir o ensino médio e nunca havia se imaginado no setor de agronegócios. “Me inscrevi por recomendação de uma amiga que tinha feito o curso e adorado. É uma experiência completa, você cresce pessoalmente e profissionalmente. Comecei a fazer o estágio na área de laticínios e fui efetivada. Recomendo o curso para todo mundo”. Ela está cursando o terceiro semestre e que termina o curso em julho.

 

Planos - Simone Gomes, 41 anos, é colega de classe de Samanta e tem muitos planos. “Pretendo empreender, abrir um negócio próprio no futuro. Já estou trabalhando com laticínios e de olho no mercado de alimentação saudável”. Ela é graduada em Recursos Humanos, mas sempre se interessou pelo ramo de alimentos. “Mesmo na faculdade já vendia lanches. Mas este curso é muito bom, abriu muito minhas opções. O material, as instalações, tudo impressiona”, afirma.

 

Certificado - Ao concluir o curso o aluno recebe o certificado de técnico em Agroindústria, estando apto a trabalhar no processamento de alimentos nas áreas de laticínios, grãos, cereais e carnes, e no beneficiamento de frutas e hortaliças; em programas preventivos, de higienização e sanitização da produção agroindustrial; em programas de manutenção de equipamentos; em sistemas de controle de qualidade; na distribuição e comercialização de produtos.

 

Interessados - Os interessados devem procurar o estabelecimento de ensino diretamente. Novas inscrições estão previstas para junho. Conheça mais detalhes sobre o Ceep de Castro e os cursos no site da instituição. Contatos pelo e-mail //catceepolegariomacedo@seed.pr.gov.br">http://catceepolegariomacedo@seed.pr.gov.br

 

Disponibilidade - O Curso Técnico em Agroindústria também está disponível no Ceep do Sudoeste do Paraná, em Francisco Beltrão.

 

Castro - No Ceep Olegário Macedo estudam cerca de 500 alunos. Além do Curso Técnico em Agroindústria, estão disponíveis os cursos técnicos em Meio Ambiente subsequente, e em Agropecuária subsequente e integrado. Cursos subsequentes são ofertados para quem concluiu o ensino médio, enquanto o curso integrado está disponível para quem concluiu o ensino fundamental e deseja fazer o ensino médio em conjunto com o ensino profissionalizante.

 

No Paraná - Os cursos profissionalizantes da rede estadual são oferecidos em 350 instituições de ensino de 184 municípios paranaenses. Confira AQUI os cursos disponíveis em casa unidade. “Temos uma ampla oferta de cursos profissionalizantes na rede estadual, ofertados gratuitamente para que os nossos estudantes tenham a oportunidade de obter uma formação profissional de qualidade, sem custos, e ampliar as possibilidades de emprego e renda”, explica a chefe do Departamento de Educação e Trabalho da Secretaria da Educação, Candida de Carvalho Junqueira. (Agência de Notícias do Paraná)

 

VPB: Valor da Produção Agropecuária é de R$ 542 bilhões em 2018

 

vpb 15 05 2018Em 2018, o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) está estimado em R$ 542 bilhões, resultado 2,4% abaixo de 2017 (R$ 555,4 bilhões). As lavouras contribuem com R$ 366,2 bilhões e a pecuária com R$175,8 bilhões, ambas com faturamento menor neste ano. 

 

Melhor desempenho - Entre os produtos que apresentam melhor desempenho, destaque para algodão (23,7%), amendoim (4%), cacau (22,2%), café (5,6%), mamona (160,6%), soja (7,1%), tomate (26,2%) e trigo (44%). 

 

Soja e algodão - O VBP da soja está estimado em R$ 129,85 bilhões e o algodão em R$ 27,5 bilhões.

 

Maiores valores - De acordo com José Garcia Gasques, coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, “são dois produtos com os maiores valores já obtidos na série estudada. O algodão que vem se destacando pela expansão de área e por preços maiores, neste ano supera o valor da produção do café, que tradicionalmente tem sido maior.”

 

Parcela - Os dados mostram que o valor da produção das cinco principais lavouras (soja, cana de açúcar, milho, algodão e café) representam 53,9% do valor total de 2018, sendo que 24% referem-se a soja.

 

Resultado desfavorável - Outro grupo de produtos tem apresentado resultado desfavorável: arroz (- 20,4%), banana (-4,6%), cana de açúcar (-5,5%), feijão (- 24,9%), laranja (-22,7%), mandioca (6%), milho (-7,8%) e uva (-32,3%).

 

Combinação - A combinação de menores preços e quantidades resulta em valores mais baixos. Não é o caso do milho e da cana de açúcar cuja queda de valor ocorre mesmo com produção mais alta neste ano.

 

Pecuária - A pecuária apresenta uma redução real do VBP de 3,8%. Todos os produtos desse setor estão apresentando desempenho negativo em relação a 2017. À exceção dos ovos que devido à forte alta de preços apresentam melhor resultado do que no ano passado.

 

Quedas mais acentuadas - As quedas mais acentuadas de valor são observadas em carne suína, leite e carne de frango. “No caso das carnes, estas têm sido afetadas também pelos preços internacionais mais baixos”, explica Gasques.

 

Resultados regionais - Os resultados regionais mostram os seguintes valores de VBP: Centro Oeste (R$ 153,3 bilhões), Sul (R$ 136,4 bilhões), Sudeste (R$ 129,9 bilhões), Nordeste (R$ 49,4 bilhões) e Norte (R$ 32,8 bilhões). As regiões Sul e Centro Oeste participam com 53,5% do valor total do VBP de 2018. (Mapa)

 

Acesse as Tabelas

Valor Bruto da Produção Agropecuária - Resumo

Valor Bruto da Produção  Agropecuária - Principais Produtos

Valor Bruto da Produção Agropecuária por Regiões

 

MDIC: Balança comercial tem superávit de US$ 3,1 bi no início de maio

 

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 3,1 bilhões nas duas primeiras semanas de maio. Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o saldo é resultado da diferença entre exportações totais no valor de US$ 8,8 bilhões e importações de US$ 5,7 bilhões. 

 

Acumulado - No acumulado do ano até agora, as exportações somam US$ 83,4 bilhões e as importações, US$ 59,9 bilhões, com saldo positivo de US$ 23,4 bilhões. Nesse mesmo período de 2017, o saldo era de US$ 24,3 bilhões.

 

Saldo positivo - Nas previsões mais recentes, analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central estimam que a balança comercial em 2018 deve fechar com saldo positivo entre US$ 50 bilhões e US$ 52 bilhões, menor do que o saldo de US$ 67 bilhões do ano passado, que havia sido o melhor resultado em quase 30 anos.

 

Exportações - As exportações na primeira quinzena de maio cresceram 23,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Elas foram puxadas principalmente pela comercialização de produtos básicos, como petróleo bruto, carne de frango, minério de cobre, soja em grãos e farelo de soja, que totalizaram US$ 611,1 milhões. 

 

Semimanufaturados - Também contribuiu para o crescimento a venda de produtos semimanufaturados, como óleo de soja, celulose, ferro-ligas, madeira serrada ou fendida, com mais de R$ 136,6 milhões em vendas, e de produtos manufaturados, incluindo motores e turbinas de aviação, chapas, tiras, películas de lâminas de plástico, suco de laranja congelado, polímeros plásticos e veículos de carga, gerando receitas de US$ 337 milhões. 

 

Avanço - Em relação ao mês passado, houve avanço de 17,4% na venda de produtos brasileiros para o exterior, em termos de média diária apurada pelo governo.

 

Importações - Nas importações, a média diária até a segunda semana de maio deste ano foi de US$ 720,6 milhões, um valor 30,7% acima da média de maio de 2017. Houve aumento de compra externa de produtos farmacêuticos (+50,6%), equipamentos mecânicos (+45,8%), equipamentos eletroeletrônicos (+33%), combustíveis e lubrificantes (+31,1%), e químicos orgânicos e inorgânicos (+30%). Na comparação com abril, houve crescimento de 9,7% nas importações. (Agência Brasil)

AVESUI: Processamento de carnes é tema pouco discutido no Brasil

 

avesui 15 05 2018A área de processamento de aves, um dos principais segmentos do agronegócio brasileiro, ainda é pouco debatida no País. A avaliação é do engenheiro químico e consultor com mais de 30 anos de atuação no Brasil e no exterior, Fábio Nunes, que coordenará painel sobre processamento de carne no dia 1º de agosto, durante a AveSui 2018, em Medianeira, no Paraná. As palestras sobre o tema devem propor visões e cenários modernos sobre o processamento de aves ao público, permitindo que o conhecimento adquirido possa nortear decisões nas empresas.

 

Oportunidade - Na avaliação de Fábio Nunes, que tem experiência nas áreas de gerenciamento, tecnologia e engenharia de abate e processamento de aves, a criação de um painel sobre este assunto dentro da Avesui 2018 constitui oportunidade que poucas vezes é oferecida no País. “São poucos ou praticamente não existem eventos dessa natureza no Brasil, que acabam se voltando mais para a área de produção, mas o processamento é o destino final dessa cadeia”, ressalta. 

 

Palestras - A intenção do consultor, que já atuou em projetos de otimização de empresas avícolas no Brasil, América Latina, Europa e Ásia, é promover de quatro a cinco palestras com profissionais renomados dentro da área de processamento de aves. “Serão temas atuais e voltados ao interesse das indústrias de carne, que permitam às empresas trabalhar de maneira antecipada, para poder atender o que está vindo, seja no aspecto de bem-estar animal, patógeno, qualidade de carne, tecnologia de processamento”, adianta Fábio, resumindo que o painel propiciará visão completa do que está acontecendo neste segmento e o que vai acontecer nos próximos anos.

 

Sobre o XVII  Seminário Técnico – Científico de Aves, Suínos e Peixes - Em sua 17º edição, o Seminário Técnico – Científico de Aves, Suínos e Peixes será  dividido em sete  painéis, altamente qualificados para alinhar o setor com o que há de mais atual em pesquisa e desenvolvimento e acontece entre os dias 1, 2 e 3 agosto, em Medianeira (PR), e destaca além do Painel de Processamento outros painéis e temas de grande relevância. Conheça a programação técnica completa AQUI https://www.avesui.com/seminarios/temario

 

Sobre a AveSui 2018 - A AveSui 2018 acontece nos dias 1, 2 e 3 de agosto, na cidade de Medianeira, Paraná, no LAR Centro de Eventos. O evento oferece diversas novidades e é ponto de encontro do setor produtivo, proporcionando grandes oportunidades de negócios para expositores e visitantes durantes os três dia do evento que é considerado  uma vitrine para todo o setor de proteína animal. A AveSui inclui em sua programação diversas  atividades:

 

Feira de Negócios - Ao participar da AveSui, os visitantes se mantém informados e atualizados ao mesmo tempo. Em apenas três dias poderão ver, tocar e interagir com as novidades e lançamentos em produtos e serviços para aves, suínos e peixes. Fazer contatos com novos fornecedores e representantes, conhecer novas marcas e tecnologias do Brasil e do exterior. 

 

Seminários Técnicos - O XVII Seminário Técnico Cientifico de Aves, Suínos e Peixes e o do  III Congresso de Zootecnia de Precisão traz além de atualização de  conhecimentos técnicos maior  sintonia com o que há de novo  em temas como Saúde Intestinal, Salmonella, Conversão Alimentar, Atualização e Treinamento em Bem Estar na Produção de Ovos, Piscicultura e Processamento de Carnes.

 

Espaço Grill e Entretenimento - Em seu novo formato, a AveSui expandiu também em entretenimento. A feira contará com diversas atividades ao longo do dia e terá o espaço grill, área gourmet, food trucks e happy hour nos stands dos expositores a partir das 16h nos três dias do evento.

 

III Prêmio Quem é Quem - Na noite de abertura da AveSui, ocorra a premiação dos vencedores do  “III Prêmio Quem é Quem - Maiores e Melhores Cooperativas de Aves e Suínos”, que neste ano passou a contar com 10 categorias: Melhores Cooperado, Melhor Técnico/Assistência Técnica, Inovação, Gestão Operacional, Mulher Cooperada, Varejo, além das categorias já existentes:  Desempenho Econômico-Financeiro, Ambiental,  Social e Sustentabilidade. 

 

Área interna e externa - Além da feira de negócios, os visitantes terão acesso a palestras gratuitas no Auditório de Inovações Tecnológicas na área interna da exposição e na área externa poderão visitar a nova Granja Modelo e Área de Equipamentos Tecnológicos em Aves, Suínos e Peixes.

 

Hospedagem e transporte - Aqueles que se hospedarem nos hotéis oficias da AveSui, em Foz do Iguaçu, terão à disposição o conforto do transporte de ida e volta sem perder o foco nos negócios. A visitação à Avesui é gratuita. Acesse o site e conheça a programação https://www.avesui.com/programacao. (Assessoria de Imprensa do evento)

 

SERVIÇO

AveSui 2018

Data: 1, 2 e 3 de agosto de 2018

Local: Lar Centro de Eventos

Av 24 de Outubro, nas margens da BR 277, km 669

Informações: (11) 4013-1277

E-mail: avesui@gessulli.com.br

 

AGROSUL: Encontro de engenheiros agrônomos da Região Sul é realizado em Curitiba

 

agrosul 15 05 2018A Universidade Federal do Paraná (UFPR) recebe nesta semana o evento Agrosul 2018 - Encontro Sul Brasileiro de Engenheiros Agrônomos. São esperados profissionais, professores e acadêmicos de cursos de Agronomia dos três estados do Sul. As atividades serão de 16 a 18 de maio, no Auditório do Bloco Didático do Setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná. Tendo como tema central "Agronomia & Sustentabilidade", o encontro vai debater a legislação, fiscalização e questões técnicas e políticas da profissão.

 

Temas - Entre os vários temas abordados estão o papel da Agronomia no desenvolvimento do Brasil, a abertura de novos cursos de graduação presenciais e à distância, a qualidade das graduações, a permissão do exercício profissional por técnicos de ensino médio, entre outras. A questão do Receituário Agronômico, que controla a comercialização e o uso dos agrotóxicos também está na pauta. 

 

Esclarecimentos - De acordo com o organizador do evento, professor Luiz Lucchesi, coordenador do curso de Agronomia da UFPR, apesar das atividades agronômicas constituírem-se numa importante ferramenta para garantir segurança alimentar e qualidade ambiental à sociedade, no que se refere ao uso adequado de agrotóxicos essas ações sofrem graves distorções em sua implementação. “Isso exige esclarecimento da sociedade sobre o papel do engenheiro agronômico, da agricultura e da própria defesa agropecuária para o desenvolvimento sustentável do Brasil”, diz ele.

 

Abertura - A abertura da Agrosul será às 18 horas, com palestras e presença de autoridades.  O evento é uma promoção do projeto de extensão universitária da UFPR “Agronomia & Sustentabilidade: Agronomia para uma Sociedade mais Sustentável. O encontro integra as comemorações dos 100 anos da Escola Agronômica do Paraná. (Assessoria de Imprensa da UFPR)

 

SERVIÇO:

Agrosul 2018 – Encontro Sul Brasileiro de Engenheiros Agrônomos

De 16 a 18 de maio

Setor de Ciências Agrárias da UFPR – Auditório do Bloco Didático

Rua dos Funcionários, 1540, Cabral, Curitiba

Informações: (41) 3350-5610

 

CONGRESSO NACIONAL: Proposta que altera Lei Kandir pode ser votada na terça

 

congresso nacional 15 05 2018A comissão mista do Congresso Nacional que analisa mudanças na Lei Kandir (Lei Complementar 87/96) retomará nesta terça-feira (15/05), às 14h30, a análise de proposta que obriga a União a compensar estados e Distrito Federal por perdas com a desoneração do ICMS. O prazo de funcionamento do colegiado se encerra na quinta-feira (17/05), não cabendo mais prorrogação.

 

Reunião suspensa - A reunião do dia 9 acabou suspensa sem que o anteprojeto do relator, senador Wellington Fagundes (PR-MT), fosse analisado. O anteprojeto obriga a União a entregar anualmente R$ 39 bilhões a estados e ao Distrito Federal como compensação pela não incidência do ICMS – principal tributo estadual – sobre exportações de bens primários e semielaborados e sobre operações interestaduais destinadas à industrialização e à comercialização. O valor foi calculado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne secretários estaduais de Fazenda.

 

Proposta alternativa - Após anunciar avanços na negociação com o Ministério da Fazenda, Fagundes informou que o governo trabalhava em uma proposta alternativa para não haver vetos. A proposta do governo, apresentada ao colegiado na quinta-feira (10/05), acata duas mudanças prevista no texto de Fagundes: tornar obrigatório o pagamento do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX), e corrigir os valores da compensação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

 

Executivo - O texto do Executivo, no entanto, determina que a União entregará anualmente aos estados e ao Distrito Federal apenas 10% (R$ 3,9 bilhões) da compensação prevista no relatório de Fagundes. Ambas propostas deverão ser objeto de análise na comissão mista.

 

Montante - O montante proposto pelo governo federal corresponde à média da compensação paga pelo governo nos últimos anos. Além dos recursos orçamentários a título de compensação, a União vem repassando recursos do FEX, previstos pela Emenda Constitucional 42, e a parcela que estados e municípios têm que destinar ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

 

Lei Kandir - Aprovada em 1996, a Lei Kandir teve origem em um projeto de lei (PLP 95/96) do então deputado federal Antonio Kandir (SP). A lei regulamentou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), mas ficou mais conhecida por reduzir a arrecadação dos estados ao prever casos de isenção do ICMS.

 

Compensação - Para compensar as perdas, a Lei Kandir obrigou a União a incluir na lei orçamentária anual, até o ano de 2002, recursos específicos para ressarcir os cofres estaduais, conhecido como seguro receita.

 

Lei Complementar - Posteriormente, a Lei Complementar 115/02 estabeleceu um valor para distribuição em 2003. E, a partir de 2004, os repasses passaram a depender de negociação entre os governadores e o Ministério da Fazenda.

 

STF - Em 2016, ao julgar recurso do governo do Pará, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu ao Congresso Nacional prazo de um ano para aprovar uma lei fixando novos critérios para compensação. Os ministros decidiram também que, se o Congresso não aprovar a lei no prazo de um ano, caberá ao TCU fixar regras de repasse e calcular as cotas de cada estado.

 

Prazo - Como a súmula do STF foi publicada em agosto de 2017, o presidente do Congresso, Eunício Oliveira, estabeleceu o mês de agosto de 2018 como prazo limite para a aprovação da regulamentação da Lei Kandir. (Agência Câmara)

 

BNDES: Banco fechou primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 2,06 bilhões

 

bndes 15 05 2018O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fechou o primeiro trimestre de 2018 com um lucro líquido de R$ 2,06 bilhões. O resultado, divulgado nesta segunda-feira (14/05), decorre da queda nas despesas com provisão e na inadimplência, além do crescimento de R$ 322 milhões do resultado com derivativos embutidos em debêntures. Também influenciaram o resultado o crescimento de R$ 209 milhões nas alienações de participações societárias e o aumento de R$ 183 milhões na receita com dividendos e juros sobre capital próprio.

 

Resultado líquido - Segundo a contadora do banco Evânia Borgerth, que ocupava o cargo de superintendente de Controladoria no primeiro trimestre e apresentou o demonstrativo financeiro, o resultado líquido teve aumento de 453,4% em relação ao primeiro trimestre de 2017. Para ela, o número é explicado pelo cenário que passou o Brasil no exercício de 2016.

 

Inadimplência baixa - “Em 2016 nós ainda tínhamos um nível de incerteza com relação à economia bastante elevado. Com isso, nossos indicadores de inadimplência em 2016 começaram a subir. Como historicamente a nossa inadimplência era baixa, então naquela época a gente começou a fazer provisões mais representativas e no primeiro trimestre de 2017 ainda estávamos nessa metodologia de aumentar o nosso provisionamento para risco de crédito”.

 

Provisões - Evânia explicou que, no primeiro trimestre de 2017, o banco constituiu provisões de R$ 3,3 bilhões e, a partir de meados de 2017, o cenário econômico melhorou e houve redução de R$ 301 milhões da despesa com provisão para perdas em investimentos no trimestre fechado em março.

 

Queda - “A inflação começou a ficar controlada, a economia começou a mostrar sinais de recuperação, o investimento até a voltar. Com isso, a nossa necessidade de provisionamento caiu. Ao contrário, nesse primeiro trimestre a gente até conseguiu reverter parte de provisão que tinha feito no passado”, disse.

 

BNDESPAR - Outro fator para o balanço positivo foi a participação dos investimentos da BNDESPAR, subsidiária de participações acionárias do Sistema BNDES, que teve lucro líquido de R$ 570 milhões. “As bolsas também sofriam as mesmas incertezas que a gente, com relação ao provisionamento. Então para elas também o mercado melhorou, as posições, as cotações de mercado se elevaram. Com isso o banco conseguiu fazer alienações de forma muito mais rentável do que aquela verificada no primeiro trimestre de 2017”, explicou.

 

Primeiro trimestre - No primeiro trimestre de 2018, o lucro líquido da BNDESPAR teve queda de 46% diante do resultado de R$ 1,24 bilhão no primeiro trimestre de 2017. A queda ocorreu pela provisão para perdas na carteira de debêntures de R$ 1,31 bilhão. O resultado líquido com alienações de participações societárias foi de R$ 831 milhões e o principal desinvestimento realizado pela BNDESPAR foi a alienação de ações da Petrobras, que é responsável por mais de 90% do resultado com alienações.

 

Ativos totais - Segundo o balanço, houve uma leve queda nos ativos totais, que passaram de R$ 867,5 bilhões no trimestre encerrado em dezembro de 2017, para R$ 860,1 bilhões no período encerrado em março. Evânia destacou que o mais importante é o resultado do patrimônio líquido, que aumentou de R$ 62,8 bilhões em dezembro para R$ 74 bilhões em março.

 

Operações de Crédito e Repasses - Sobre a diminuição nas receitas com Operações de Crédito e Repasses, de R$ 12,8 bilhões no primeiro trimestre de 2017 para R$ 10,4 bilhões nesse, Evânia disse que a tendência de queda se mantém desde 2015. “Por tendência, a demanda por novos investimentos vêm caindo desde 2015, em função das incertezas do mercado. Então, com isso, a nossa carteira média cai, porque os clientes da carteira que já estão lá vão pagando os seus empréstimos e, o que era normal, que novos clientes entrassem ou que aqueles clientes tomassem novos empréstimos. Isso vem acontecendo num ritmo mais lento do que o pagamento, daí a nossa carteira média cai”.

 

Juros - Além disso, segundo ela, a queda no período das taxas médias de juros que incidem sobre a carteira de negócios do BNDES também contribuiu para essa queda da receita. Esse declínio da carteira média no período também influenciou o produto de intermediação financeira, que passou de R$ 4,51 bilhões no primeiro trimestre do ano passado para R$ 2,57 bilhões no mesmo trimestre de 2018.

 

Alteração - Apesar da inadimplência de 30 dias ter apresentado ligeiro crescimento, passando de 2,12%, em dezembro de 2017 para 2,24% em 31 de março, a taxa de inadimplência de 90 dias apresentou queda, passando de 2,08% em dezembro de 2017 para 1,62% em março de 2018.

 

Índices - Se não forem levadas em conta as operações que têm garantia da União, o índice de inadimplência do BNDES seria de 0,98% para 30 dias e de 0,36% para 90 dias. Já o índice de renegociação cresceu de 3,62% dezembro para 5,18% em março, principalmente por causa das dívidas dos estados. (Agência Brasil)

 

OIT: Eficiência energética pode gerar 500 mil empregos no Brasil

 

oit 15 05 2018A transição do Brasil para a economia verde, com menos intensidade de carbono e recursos naturais, vai gerar amplas possibilidades de novos empregos que superarão a inevitável perda de postos de trabalho no país. A conclusão é de estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT), com base em três cenários sobre a promoção de uma economia mais respeitosa do meio ambiente de agora até 2030. 

 

Acordo de Paris - O relatório "Emprego, Questões Sociais no Mundo 2018" leva em conta somente medidas que os governos deverão adotar para implementar o Acordo de Paris, que visa limitar o aquecimento climático.

 

Setores - Dados aos quais o Valor teve acesso mostram que a grande maioria dos setores da economia brasileira vai se beneficiar: de 163 setores econômicos analisados, 137 terão crescimento de postos de trabalho, enquanto 26 vão eliminar empregos.

 

Maior potencial - O setor com maior potencial de criação de empregos nesse contexto é a construção civil e produção de eletricidade alternativa. Os ganhos se propagam em todos os setores econômicos.

 

Primeiro cenário - O primeiro cenário da OIT se baseia em medidas que um país deve tomar para produção e consumo de energia pela implementação do Acordo de Paris, que visa limitar o aquecimento climático a 2 graus Celsius.

 

Brasil - No caso do Brasil, a estimativa é de que novas práticas sustentáveis nesse caso vão gerar 440 mil empregos em termos líquidos a mais na economia em 2030 em comparação com a manutenção das tendências atuais.

 

Postos de trabalho - De um lado, serão destruídos 180 mil postos de trabalho, principalmente na produção de energia baseada em combustíveis fósseis e no cultivo de cana-de-açúcar. Ao mesmo tempo, serão criados 620 mil novos postos de trabalho, dos quais pelo menos 500 mil podem vir com serviços relacionados a menor demanda energética nos prédios, com construção ou renovação que dá mais atenção à eficácia dos recursos.

 

Eólica - A indústria no país com maior potencial criador de emprego como percentual de postos de trabalho na indústria é a da produção de eletricidade eólica: 79,6%. 

 

Segundo cenário - O segundo cenário leva em conta a transição para uma agricultura mais sustentável. Globalmente, novas práticas podem causar perda de 1,9% da mão-de-obra no setor. Nas Américas, haveria eliminação de 2 milhões de empregos. A OIT não fornece o dado por país, por causa da pouca precisão de certas cifras individuais.

 

Agricultura de conservação - Mas a avalição é de que o Brasil, Argentina, Uruguai e Canadá, nas Américas, serão pouco afetados, até porque já praticam em boa parte a agricultura de conservação (AC), que utiliza um conjunto de técnicas agrícolas que protege o solo da erosão, melhora a fertilidade do solo, aumenta a sua rentabilidade e contribui para a proteção do meio ambiente.

 

Estimativa - A estimativa é de que 70% da terra arável no Brasil já está sob esse tipo de cultivo. A agricultura de conservação exige 20% a mais de insumos para proteger a colheita, em comparação à agricultura convencional, mas utiliza 24% a menos de mão-de-obra, 40% a menos de energia e tem rendimento 21% maior.

 

Terceiro cenário - O terceiro cenário coloca foco numa gradual conversão para uma ''economia circular'', que integra atividades como a reciclagem, reparação de mercadorias, locação e reutilização, substituindo o modelo tradicional de extração, produção, utilização e eliminação.

 

América Latina e Caribe - Também nesse caso, a OIT não detalha estimativas por país. Mas se sente segura para estimar que o crescimento do emprego vai ser liderado pela América Latina e Caribe, com 10 milhões de novas vagas de trabalho. Boa parte pode ser no Brasil, o maior mercado da região, como em maior gestão de detritos, por exemplo.

 

Cadeia de valor - ''A estimativa é positiva sobre o Brasil porque o país tem cadeia de valor, faz extração de ferro, reciclagem, etc'', diz o economista Guillermo Montt, um dos autores do relatório.

 

Serviços ecossistêmicos - No Brasil, a quantidade de empregos que dependem de um ambiente saudável e estável, os chamados ''serviços ecosistêmicos'' -- que inclui purificação de ar e água, renovação e fertilização de solos, proteção contra condições climáticas extremas etc. --, chega a 20 milhões de pessoas, ou 23% do emprego no país.

 

Estresse térmico - A alta prevista das temperaturas vai provocar estresse térmico, sobretudo na agricultura, e causará sérios problemas de saúde. Esse estresse térmico vai provocar uma perda de 1,28% das horas trabalhadas de agora até 2030 no Brasil, por causa de doenças - comparado a 2% na média global -, segundo a entidade.

 

Detalhamento - O Brasil foi um dos 27 países que teve estudo mais detalhado, com ajuda de especialistas locais. Para Montt, da OIT, comparado aos 27 países, a constatação é de falta de estratégia nacional e intersetorial no Brasil. Ou seja, há uma dispersão de esforços. Tampouco se percebe do exterior uma tomada de decisão para antecipar a necessidade de certas qualificações para a transição verde.

 

Transição - "Em termos de competência para uma economia verde o Brasil esteve mais na ponta há cinco anos do que hoje", diz Catherine Saget, principal autora do relatório. "É preciso preparar melhor a transição, até porque o Brasil é um país que tem tudo a ganhar."

 

Exemplos - A França e a Coreia do Sul são considerados exemplos, tanto pela estratégia incluindo trabalhadores e empresas como pelos altos investimentos em pesquisa e desenvolvimento.

 

Programas - O relatório da OIT destaca dois programas brasileiros, vinculando proteção social e proteção ambiental. O primeiro é o Bolsa Verde, do governo federal, que ajuda famílias a protegerem a floresta. O segundo é o RenovAção, do Governo do Estado de São Paulo, que ajuda, por exemplo, trabalhadores de canaviais a se adaptarem a outros setores.

 

Mundo - A adoção de práticas sustentáveis no setor de energia, incluindo a modificação do mix energético, o uso de veículos elétricos e a melhor proteção de prédios, pode gerar 24 milhões de novos empregos no mundo até 2030.

 

Criação líquida - Segundo a OIT, haverá criação líquida de empregos nas Américas (3 milhões, sendo 1,5 milhão nos EUA), mais 14 milhões na Ásia e no Pacífico e 2 milhões na Europa, com melhor produção e uso da energia. Em contrapartida, haverá perdas de emprego no Oriente Médio e na África. A Arábia Saudita e outros produtores de petróleo, como a Rússia, estão entre os perdedores na transição ecológica.

 

Aumento - A entidade da Organização das Nações Unidas (ONU) projeta aumento de 14% em novas vendas de carros globalmente sendo elétricos em 2025, com maiores altas ocorrendo na Europa (30,6%), na China (15,5%), nos EUA (5,1%) e no resto do mundo (5,2%).

 

Novas possibilidades - Além disso, uma ''economia circular'' (com reutilização de materiais, reciclagem etc) criará cerca de 6 milhões de novas possibilidades de trabalho no mundo inteiro. A América Latina pode ter 10 milhões de vagas de trabalho e a Europa, 500 mil. Já Ásia e Pacífico perdem 5 milhões, a África, 1 milhão e o Oriente Médio, 200 mil empregos.

 

Agricultura biológica - A transição para uma agricultura biológica cria mais 1,1% de empregos em países desenvolvidos. No entanto, a agricultura de conservação pode eliminar 4,8% de postos de trabalho em países em desenvolvimento, com as perdas concentradas na África e na Ásia e no Pacífico.

 

Perdas e ganhos - A expectativa é de perda de 83,1 milhões de empregos no cultivo de vegetais e frutas. Ao mesmo tempo, aumentarão as vagas para produção de frango, suínos e gado.

 

Urgente - Para a OIT, a transição é urgente, em razão da pressão insustentável da atividade econômica sobre o meio ambiente. O crescimento dos salários estagnou, as desigualdades cresceram. Ao mesmo tempo, os modelos econômicos atuais conduziram à utilização de 1,7 vez mais recursos naturais e criação de detritos que a biosfera pode regenerar e absorver."As mudanças de políticas poderão contrabalançar as perdas de emprego antecipadas ou seus efeitos negativos", diz Catherine Saget, principal autora do relatório.

 

Benefício - A maioria parte dos setores da economia mundial vai se beneficiar de criação de novos empregos com a economia verde. Somente dois setores -- a extração de petróleo e a refinaria -- terão perdas de um milhão de vagas ou mais. A estimativa é de surgimento de 2,5 milhões de vagas no setor de eletricidade gerada por energias renováveis, compensando a perda de 400 mil empregos na produção de energia à base de combustíveis fósseis.

 

Sinergias - O relatório defende sinergias entre as políticas ambientais e políticas de proteção social que assegurem a renda do trabalhador e a transição para uma economia verde.

 

OCDE - A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estima ser necessário investimento anual de US$ 6,3 trilhões em infraestrutura para atender as necessidades de desenvolvimento. E, com mais US$ 600 bilhões, esse investimento pode ser ecologicamente compatível. (Valor Econômico)

 

SAÚDE: Com Dia D, Estado já vacinou mais de 1 milhão de paranaenses

 

saude 15 05 2018Com o Dia D da vacinação contra a Gripe, realizado no sábado (12/05), o Paraná já vacinou 1,666 milhão de pessoas do grupo prioritário. Durante o sábado de mobilização, 300 mil moradores de todo Paraná compareceram às unidades de saúde.

 

Esforços conjuntos - O secretário estadual da Saúde, Antônio Carlos Nardi, participou da mobilização em Paranavaí, Marialva e Maringá. Nardi comemorou os resultados da campanha em todo Paraná e acrescenta que os esforços conjuntos com os municípios devem continuar.

 

Agradecimento - “Trabalhamos para garantir saúde aos paranaenses e dar o devido suporte às valorosas equipes de profissionais dos 399 municípios. Agradecemos imensamente pelo esforço de cada um. Vamos continuar trabalhando a todo vapor para alcançarmos muito mais do que uma meta numérica: vamos assegurar paranaenses cada vez mais saudáveis”, disse o secretário.

 

Vacina - A Campanha de Vacinação contra a Gripe 2018 continua até dia 1º de junho. O público-alvo são pessoas com 60 anos ou mais, crianças de 6 meses a 4 anos de idade, gestantes, puérperas (mulheres em até 45 dias depois do parto), profissionais de saúde, indígenas, portadores de doenças crônicas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e professores das instituições públicas e privadas.

 

Tipos de vírus - A vacina é efetiva contra os três tipos de vírus da gripe que mais circulam no país: influenza A (H3N2), influenza A (H1N1) e influenza B, sendo apenas contraindicada para pessoas que possuem histórico de reação alérgica grave ao ovo.

 

Boletim - A Saúde divulga semanalmente o Boletim da Influenza. Segundo o último informe, o Estado contabilizava 73 casos de síndrome respiratória aguda e oito óbitos por influenza. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE