Imprimir
CABECALHO

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4322 | 07 de Maio de 2018

ENCONTROS DE NÚCLEOS: Diretoria da Ocepar se reúne com lideranças cooperativistas no interior do Estado

encontros nucleos 07 05 2018Na semana que vem, entre os dias 15 e 18 de maio, a diretoria da Ocepar volta a se reunir com lideranças cooperativistas de todas as regiões do Estado na primeira rodada dos Encontros de Núcleos Cooperativos de 2018. “Essa sistemática de nos reunirmos duas vezes por ano para discutir assuntos de interesse do cooperativismo paranaense é a melhor forma encontrada para interiorizar, não só a participação, mas, também, as decisões do sistema”, afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. Serão, ao todo, quatro reuniões regionais. Os eventos terão como palestrante convidado o doutor em Economia, Juan Jensen, que vai fazer uma análise dos cenários econômico e político brasileiro. Também estará presente a gerente de Relações Institucionais do Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), Fabíola Nader, que vai tratar das eleições 2018.

Locais e datas – Os Encontros vão começar pela região Oeste, em Marechal Cândido Rondon, no dia 15, tendo como anfitriãs as cooperativas Copagril e Sicredi Aliança PR/SP. No dia 16, cooperativistas do Sudoeste participam do evento em Pato Branco, onde as cooperativas anfitriãs serão o Sicoob Integrado e Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP. Em Arapoti, a Capal e a Ceral vão receber os representantes do Centro-Sul, no dia 17. Já as lideranças do Norte e do Noroeste participam dos debates em Arapongas, no dia 18, tendo o Sicoob Central Unicoob e o Sicoob Horizonte como cooperativas anfitriãs.

Programação – Os eventos iniciam às 9h e serão abertos pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, junto com os presidentes das cooperativas anfitriãs e coordenadores de núcleos. Depois, haverá uma apresentação sobre as cooperativas anfitriãs. As participações de Juan Jensen e Fabíola Naeder estão previstas para às 10h e 11h15, respectivamente. Na sequência, temas diversos ligados ao cooperativismo serão tratados pela diretoria da Ocepar.

encontros nucleos folder 07 05 2018

 

C.VALE: Parceria por alimento saudável

A pequena Alice, de um ano e meio, e a irmã Gabriela, de oito, costumam consumir produtos da Nestlé. Farinha láctea e cereais são usados pela mãe Fabiana no preparo dos alimentos das meninas na casa em que mora com o marido Anderson Bocato, no sítio Boa Vista, em Mamborê, Paraná. Parte da matéria-prima usada pela multinacional para a fabricação dos alimentos sai dos 716 hectares da propriedade. Todo ano, Anderson e o pai Luís destinam mais da metade da área para o cultivo de trigo.

Cultura - Instalada no município do centro-oeste do estado, a família investe na cultura desde 1983, quando chegou ao local. Ano passado o desempenho da lavoura caiu 38% e ficou em 41 sacas/hectare devido a um período de estiagem entre junho e setembro. Mesmo com o revés, os Bocato vão cultivar 400 hectares de trigo em 2018. Além do histórico de mais de três décadas dedicadas à cultura, outro fator vem pesando na decisão de seguir apostando no grão.

Programa - Eles fazem parte de um programa desenvolvido, desde 2014, pela C.Vale e Nestlé, em parceria com a Cotriguaçu Cooperativa Central. A família recebe um bônus de 8 a 10% sobre o valor da saca de trigo. Para isso, precisa atender a uma série de requisitos envolvendo condições do solo, manejo, cuidados ambientais e organização da propriedade. “Ficamos muito felizes quando fomos convidados a participar do programa. Foi como um reconhecimento pela dedicação que sempre tivemos com nossas atividades. Também foi uma oportunidade melhorar aquilo que fazemos, seguindo as recomendações de duas empresas que são referências mundiais na produção de alimentos”, avalia Luís. Para ele, a chegada da C.Vale a Mamborê, em 2009, trouxe mais segurança e assistência técnica de qualidade para o cultivo de grãos.

Orgulho e responsabilidade- Anderson entende que a participação no programa é motivo de orgulho e responsabilidade. “Como pai de duas meninas, que também são consumidoras desses produtos, a responsabilidade de seguir as orientações e as exigências é ainda maior. Sei que elas estão consumindo um alimento 100% seguro, sem riscos à saúde.”

Auditorias - A necessidade de conseguir trigo livre de substâncias contaminantes para a produção alimentos infantis mais seguros levou a Nestlé a se unir à C.Vale para a produção de trigo de qualidade diferenciada. A iniciativa conta, ainda, com a parceria da Cotriguaçu, responsável pela armazenagem do grão e pela produção de farinha. Cada um dos envolvidos no programa tem responsabilidades distintas. A C.Vale seleciona os produtores e presta assistência técnica, a Cotriguaçu é responsável pelas verificações de qualidade do grão, armazenagem e processamento industrial do trigo enquanto a Nestlé fabrica os alimentos. Atualmente, dez famílias de associados fazem parte do projeto, todas do centro-oeste do estado.

Procedimentos - Os procedimentos envolvem seleção de áreas de terra que contenham metais pesados dentro dos limites tolerados, uso de sementes de origem conhecida, precauções no uso de agrotóxicos e cuidados para evitar contaminação do grão no transporte e armazenagem.

Normas - Para fazer parte do programa, os produtores precisam seguir uma série de normas ambientais, de segurança e de organização da propriedade. Os produtores passam por auditorias e recebem um plano com as ações que devem ser executadas para se adequar às exigências e as lavouras são avaliadas periodicamente. Os procedimentos são registrados e dão origem a um sistema de rastreabilidade que permite saber detalhes como os tratamentos químicos realizados durante o ciclo do trigo. Uma das maiores preocupações do programa é evitar a contaminação por resíduos de agrotóxicos.

Vantagens - As vantagens para o produtor que participa do programa são o bônus de quase 10% sobre o preço da saca e a possibilidade de entregar toda a produção para a Cotriguaçu. (Imprensa C.Vale)

RAIO X DO SÍTIO BOA VISTA

Associado: Luís Bocato

Esposa: Marlene Jung Bocato

Filho: Anderson Bocato

Nora: Fabiana Bocato

Netas: Gabriela e Alice

Propriedade: 716 hectares

Trigo: 400 hectares

PARTICIPANTES PROGRAMA NESTLÉ

Família Coletta

Alcides Bocato e família

José Maggioni e família

Família Borgo

Família Corrent

Iranei Donizete Machado

Sérgio Bocato

Mauro e Marta Krüger

Família Castoldi

Antônio Volpato e família

{vsig}2018/noticias/05/07/cvale/{/vsig}

COAMO I: Misturas de bolos com novas embalagens serão apresentadas na Apas Show

coamo 07 05 2018A Coamo participa da 34ª Edição da Apas Show 2018 – Feira e Congresso de Gestão Internacional, com os Alimentos Coamo, comercializados por meio das marcas Coamo, Primê, Anniela, Sollus e Dualis. Tradicional no evento, a cooperativa está presente com um estande amplo e moderno localizado no Pavilhão Verde, rua 7L9, à espera de todos clientes e parceiros da Coamo, e para prospecção de novas parcerias. A Apas é promovida pela Associação Paulista de Supermercados (APAS), e é a maior feira supermercadista da América Latina, realizada em São Paulo, no Expo Center Norte, entre os dias 7 e 10 de maio.

Nova embalagem - Sempre com novidades para o público do evento, os Alimentos Coamo apresentam neste ano a nova embalagem e com sabor realçado, da Coamo Linha Fácil de Misturas de Bolos, nos sabores de chocolate, aipim, laranja, coco, pão de ló e baunilha, em embalagens de 5kg.

Oportunidade - Conforme o superintendente Comercial da Coamo, Alcir José Goldoni, a Apas traz a oportunidade da cooperativa demonstrar sua linha alimentícia. “Durante a feira podemos agradecer nossos clientes e solidificar essa parceria, e prospectar novos parceiros, demonstrando as políticas e estratégias do ano, investimentos e produtos que serão lançados e o que a cooperativa está fazendo para agregar mais valor a produção do cooperado. Quem dá sustentação à atividade do cooperado é o consumidor, e chegamos ao consumidor passando pelo cliente. Por isso, a feira é essa ponte para fazer que nossos produtos cheguem ao consumidor.”

Importância - O presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini reafirma a importância da Coamo estar presente no evento. “Trata-se de uma feira importante para o segmento supermercadista, e quem não é visto não é lembrado. Portanto, quando se trata de alimentos para os supermercados, precisamos divulgar. A cada participação que temos na Apas, percebemos o aumento da clientela e volume de vendas. Precisamos demonstrar a qualidade que os Alimentos Coamo têm, pois isso é um diferencial nosso. Temos qualidade e sabor com economia”, enfatiza o presidente.

Mais informações - Para outras informações e consulta técnica de cada alimento, acesse os sites da cooperativa: www.coamo.com.br ou www.alimentoscoamo.com.br. Curta também a fan page dos Alimentos Coamo, onde você encontra deliciosas receitas de família para curtir e compartilhar. Se cadastre também na newsletter dos Alimentos Coamo e receba dicas e receitas incríveis. (Imprensa Coamo)

 

COAMO II: Via Sollus, 10 anos de proteção do patrimônio com tranquilidade

Fornecer e contratar seguros em diversos segmentos para atender às necessidades dos segurados cooperados, funcionários e também da comunidade, é o trabalho diário da Via Sollus Corretora de Seguros que, nesta segunda-feira (07/05), realizou evento para comemorar 10 anos de existência em todas as unidades da Coamo e Credicoamo no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. A Via Sollus é uma corretora cativa da Coamo Agroindustrial Cooperativa e entre os seguros que oferece aos seus usuários estão os de veículos, máquinas e implementos, residencial, vida, empresarial, prestamista e agrícola.

Atuação - Fundada em 5 de maio de 2008, a Via Sollus Corretora de Seguros atua no mercado com as principais seguradoras do país, buscando sempre as melhores coberturas e atendimento aos segurados. Comemora seus dez anos e celebra um grande crescimento com bons resultados e a satisfação dos usuários. “É um trabalho sério e responsável, que vem sendo feito há 10 anos em vários ramos de seguros e com apoio direto da Coamo e da Credicoamo, vem beneficiando diretamente um grande público com a participação de cooperados, funcionários das cooperativas e também da comunidade”, explica o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini.

Diferencial - “Trabalhamos para buscar credibilidade e o reconhecimento do mercado segurador, e este tem sido um dos nossos diferenciais proporcionando atendimento de qualidade aos segurados, pois os atendemos da forma como gostaríamos de ser atendidos, e desta maneira promovemos, intermediamos e administramos contratos de seguro. Este trabalho tem resultado na disseminação da cultura do seguro, oportunizando com que muitas pessoas percebam a importância de proteger a sua vida e o seu patrimônio”, considera Sidinei Lucheti Martioli, gerente da Via Sollus Corretora de Seguros. Segundo Martiolli, os segurados confiam e sabem que terão com a Via Sollus o acompanhamento necessário desde a contratação até o pagamento da indenização, caso aconteça o sinistro. “Este é um diferencial importante, e acima de tudo, trabalhamos com a seriedade, a solidez, a qualidade, a confiança e o comprometimento da marca Coamo” afirma.

Números - O desempenho da Via Sollus Corretora de Seguros vem crescendo ano a ano. Em 2017, o trabalho desenvolvido ao público em geral, cooperados e funcionários das cooperativas Coamo e Credicoamo, resultou na contratação de mais de 17.000 apólices de seguros nos ramos de veículos, máquinas e residências, em mais de 4.000 apólices de seguro agrícola com atendimento de uma área de 400 mil hectares. O profissionalismo e a qualidade no atendimento da Via Sollus garantem o objetivo do seguro, que é a reposição do bem, a reparação dos danos, a continuidade das atividades e a proteção financeira dos segurados. “Os resultados da Via Sollus mostram que nesses dez anos, a corretora está conquistando uma significativa participação no mercado, disseminando a cultura do seguro e ajudando na proteção do patrimônio e na garantia da tranquilidade”, avalia Gallassini. (Imprensa Coamo)

{vsig}2018/noticias/05/07/coamo_II/{/vsig}

COCAMAR I: Novo secretário da Agricultura elogia trabalho da cooperativa

 

A Cocamar foi representada na tarde da última sexta-feira (04/05), na solenidade de abertura oficial da 46ª Expoingá, em Maringá (PR), pelo superintendente de Negócios, Grãos e Insumos, Arquimedes Alexandrino. 

 

Presença - Prestigiada pela governadora Cida Borghetti, a cerimônia contou com a presença de vários secretários de Estado, entre os quais o novo titular da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab), o engenheiro agrônomo George Hiraiwa. Participaram, também, diversas outras autoridades e lideranças do setor, recepcionados pela presidente da Sociedade Rural de Maringá (SRM), a entidade realizadora da feira, Maria Iraclézia de Araújo. 

 

Incentivo - Após o evento, Alexandrino dialogou com o secretário que, em seu pronunciamento, ressaltou o trabalho realizado pela Cocamar no incentivo e apoio técnico e estrutural a programas como a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF). “É uma iniciativa inovadora que fazemos questão de destacar e que continuará merecendo total apoio do governo”, disse Hiraiwa. O secretário informou também que deverá agendar para breve uma visita à diretoria da cooperativa. 

 

Maionese - A nova linha de maioneses da Cocamar, apresentada ao mercado com a marca Made In Roça e nos sabores tradicional, bacon e cebola e salsa, está sendo degustada pelo público que desde sexta-feira (04/05) visita o estande da cooperativa na 46ª Expoingá. O produto é servido com batatas fritas e, a considerar pela reação das pessoas, vai fazer sucesso nas gôndolas dos supermercados. 

 

Divulgação - Ainda em fase de pré-lançamento, a maionese começou a ser divulgada junto ao público que visitou o espaço da cooperativa na ExpoLondrina, em abril, e agora na Expoingá, que iniciou na quinta-feira (03/05) e segue até o dia 14 no Parque Internacional de Exposições Francisco Feio Ribeiro. “Uma delícia”, avaliou a estudante Carmen Ribeiro Santos, que recebeu uma porção de batatas com a maionese sabor bacon. Ela disse ter gostado da novidade, pois costuma utilizar maioneses em seus lanches. Para o radialista Miguel Alves Pereira, o produto também agradou: “Achei a marca interessante e o produto é muito bom”. (Imprensa Cocamar)

 

{vsig}2018/noticias/05/07/cocamar_I/{/vsig}

COCAMAR II: Campeão mundial de MMA abrilhanta evento do Rally

Com a presença de dirigentes da Cocamar e de empresas parceiras, a 3ª edição do Rally Cocamar Bayer e Spraytec de Produtividade promoveu uma recepção na noite de sexta-feira (04/05) no estande da Ford Center, durante a Expoingá 2018. A cooperativa foi representada no evento, entre outros, pelo seu vice-presidente José Cícero Aderaldo, o superintendente de Operações Osmar Liberato, o gerente técnico Renato Watanabe e o gerente da Unidade Maringá, José Claudemir Menegon.

 

MMA - Entre outros convidados, a presença do campeão mundial de MMA, Vanderlei Silva, abrilhantou a noite e atraiu a imprensa para o estande. O lutador, que é destaque internacional e ídolo em vários países, permaneceu durante todo o tempo tirando fotos e concedendo autógrafos. “Fizemos questão de trazer o Vanderlei Silva, nosso garoto-propaganda, para prestigiar o Rally”, afirmou o gerente da Ford em Maringá e Londrina, Alex Antonio da Silva. 

 

Destaque - Em destaque, no estande, estavam também as picapes Ranger, adesivadas com as logos das empresas apoiadoras do circuito – Cocamar, Bayer, Spraytec, Sancor Seguros, Unicampo e Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb). (Imprensa Cocamar)

FRÍSIA: Cooperativa marca presença na Agrotins 2018

 

frisia 07 05 2018De 8 a 12 de maio, a Frísia Cooperativa Agroindustrial participa da 18ª edição da Agrotins, em Palmas (TO). A feira de tecnologia agropecuária terá como tema “O Futuro da Agroindústria Sustentável”. Além da parceria no evento, a Frísia terá um estande para receber visitantes e cooperados, mostrando seu trabalho na região. 

 

Liderança - O Tocantins é o maior produtor de grãos da região Norte, com um potencial agrícola que abrange mais de metade do seu território. “A agricultura no estado teve um crescimento expressivo nos últimos anos. Ela vem se intensificando com o aumento das áreas plantadas, com a cultura da soja. Diante desse potencial, vimos a oportunidade de crescer como cooperativa, expandindo para a região”, comenta o superintendente da Frísia, Emerson Moura. “Começamos com uma unidade para o recebimento de grãos e estamos ampliando nossa estrutura para disponibilizar ainda mais serviços para os agricultores”, salienta Moura.

 

Unidade - Em 2016, foi inaugurada a unidade da Frísia em Paraíso do Tocantins, distante 63 km de Palmas. O armazenamento inicial do entreposto era de 28 mil toneladas e, atualmente, a capacidade está em 42 mil, além de contemplar uma estrutura para acondicionamento de insumos e para aquisição e armazenamento de sementes com estrutura climatizada. Os cooperados da Frísia também contam com o trabalho da assistência técnica e pesquisa com atuação da Fundação ABC. A construção de uma unidade no Tocantins fez parte do projeto Novas Fronteiras, que permitiu à Frísia ampliar suas áreas de atuação. Na localidade, já são 29 cooperados com uma abrangência de 14 municípios.

 

O evento - A Agrotins acontecerá entre os dias 8 e 12 de maio, das 9h às 17h, no Centro Agrotecnológico de Palmas, e conta com mais de 160 expositores, unidades demonstrativas de campo e áreas para dinâmicas. 

 

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

 

COCARI: Vencedor do Prêmio de Redação do Cooperjovem é aluno da área de ação da cooperativa

 

A expectativa do pequeno Pedro Lucas Mazetti dos Santos, do 5º ano da Escola Bom Pastor, de Mandaguari, se transformou em alegria. Ele foi o grande campeão no Prêmio de Redação do Programa Cooperjovem, que este ano teve como tema “A força da cooperação na construção de um mundo melhor. O que aprendi com o cooperativismo?

 

Destaque - Todos os anos, a participação das escolas, dedicação dos professores e incentivo à criatividade dos estudantes geram belos textos, de forma que a premiação dá o destaque merecido aos melhores de cada escola nos munícipios. Nesta edição, foram 39 redações classificadas na categoria1 (4º e 5º ano do ensino fundamental), na qual Pedro Lucas concorreu.  

 

Aprendizado - O próprio tema desta edição levou os estudantes a se aprofundarem em tudo que vêm aprendendo ao longo dos anos com a metodologia do programa, e Pedro Lucas conseguiu expressar com clareza o aprendizado que teve, e o fez o vencedor do concurso. Mas sobretudo, a vitória mostra que a Educação Cooperativa está fazendo a diferença na formação dos alunos, em Mandaguari representado por Pedro Lucas.

 

História se repete - Não é a primeira vez que estudantes da área de ação da Cocari vencem o concurso de redação. Na 9º Concurso de Redação do Cooperjovem (2015), a aluna Maria Luiza Olavo Fantin, da Escola Municipal Walter Antunes Pereira, de Mandaguari recebeu um dos principais prêmios do concurso realizado em nível estadual. Isso mostra que a parceria da Cocari com as secretarias de Educação de Apucarana, Jandaia do Sul, Mandaguari e Kaloré tem apresentado resultados muito positivos.

 

Apoio - A coordenação do Programa Cooperjovem na Cocari é de responsabilidade da assistente de cooperativismo, Sílvia Gil e o estudante esteve sob orientação da professora Maria Aparecida da Silva, com apoio da diretora Carmen Lúcia Rafael.

 

O programa - O Cooperjovem é desenvolvido em parceria com cooperativa de todo o Brasil, com o objetivo de disseminar a cultura cooperativista, com atividades focadas principalmente em Educação, Formação e Informação e Interesse pela Comunidade, que são valores previstos no quinto e sétimo princípios do cooperativismo.

 

No Paraná - O Programa Cooperjovem é realizado pelo Sistema Ocepar, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), em parceria com mais de 20 cooperativas, abrangendo cerca de 30 mil alunos, 1.845 professores e aproximadamente 330 escolas, de 59 municípios paranaenses.(Imprensa Cocari)

 

{vsig}2018/noticias/05/07/cocari/{/vsig}

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Evento é realizado para ampliar relacionamento com empresários de Medianeira

sicoob tres fronteiras 07 05 2018“Parceria de sucesso”. Assim foi definida por Rita Maria Schierholt, presidente da Associação Empresarial de Medianeira (Acime), a relação com o Sicoob Três Fronteiras durante a 8° edição do Café do Empresário.

Mini palestra - Além de ampliar o relacionamento entre os empresários locais, o evento oferece uma mini palestra que aborda assuntos de interesse da classe. O convidado especial da última edição, realizada no dia 26 de abril, foi José Altair Schimmelfennig, da Inova Consultoria Capacitação e Integração, que falou sobre a lei geral da Microempresa e os benefícios do tratamento favorecido em licitações.

Integração e fortalecimento - “No Café os empresários têm a oportunidade de se conhecer melhor, falar sobre seus tipos de negócios, ampliar e melhorar o networking e assistir a mini palestras. Dessa forma unimos, integramos e fortalecemos a classe empresarial de Medianeira, sempre apoiados pelo Sicoob”, disse Schierholt.

Diferenciais - Por ser um incentivador do evento, o Sicoob Três Fronteiras também teve a oportunidade de falar sobre os diferenciais da maior instituição financeira do país, que possui mais de 4 milhões de cooperados e mais de 2.600 pontos de atendimento espalhados pelo Brasil.

Números locais - O gerente do ponto de atendimento do município, Sergio Paulo Isotton, apresentou números locais e pontuou as vantagens que a cooperativa oferece aos associados Sicoob e Acime, como 10% de desconto na maquininha Sipag, taxas diferenciadas, seguros de vida empresarial e a parceria com a Garantioeste. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB MÉDIO OESTE: Dia do Trabalhador é comemorado com gincanas

sicoob medio oeste 07 05 2018Para celebrar o Dia do Trabalhador, o Sicoob Médio Oeste preparou um evento especial para os mais de 60 colaboradores da Unidade Administrativa e pontos de atendimento da cooperativa, que ficam localizados em Assis Chateaubriand, Cafelândia, Jesuítas e Tupãssi.

Programação especial - No dia 1º de maio, eles aproveitaram uma programação especial, com gincana e outras atividades que promoveram momentos de confraternização e integração entre todos.

Programa - Na ocasião também foi lançado o Programa Si Cuide, que tem o intuito de incentivar os colaboradores a adquirirem hábitos mais saudáveis e assim, buscarem uma melhor qualidade de vida.

Presenças - Além dos colaboradores, estiveram presentes também o presidente do Conselho de Administração, Edson de Oliveira Pereira e os diretores Edivaldo Liberato, Rodrigo Dencati da Cruz e Nadir Lulu Ferreira da Costa. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

BRDE: Banco libera R$ 40 milhões a empresas, cooperativas e produtores

 

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) liberou, no sábado (05/05), R$ 40 milhões em financiamentos para cooperativas, produtores rurais e empresas do Noroeste do Paraná e região do Vale do Ivaí. Os contratos foram assinados na Expoingá 2018, com a presença da governadora Cida Borghetti, do diretor-presidente do Banco, Orlando Pessuti, e dos diretores João Luiz Regiani, de Operações, e Luiz Noronha, de Planejamento.

 

Parceria - A governadora agradeceu a parceria do BRDE em projetos que promovem o desenvolvimento do Paraná. “Agradeço o trabalho e o comprometimento da equipe do BRDE”, disse. Cida destacou a importância dos recursos liberados pelo banco. “São financiamentos em diversas áreas, atendendo desde o pequeno produtor até o grande empresário”.

 

Soma - Pessuti destacou que os R$ 40 milhões liberados solenizam os R$ 2,2 bilhões investidos pelo banco em 2017, em toda Região Sul. “Mesmo com as adversidades da economia, estamos mantendo a liberação de financiamentos. Esse é o Paraná que seguem em frente”, afirmou. “São recursos que revigoram a economia paranaense e promovem o desenvolvimento regional”, acrescentou o diretor de Operações João Regiani.

 

Cooperativas - Com as cooperativas Coamo e Cocamar foram assinados respectivamente contratos de R$ 14,2 milhões, para investimentos em unidades de recebimento e armazenagem de grãos, e de R$ 16,7 milhões, destinados também a unidades de recebimento de armazenagem de grãos e no moinho de trigo de Marialva. Financiamento de R$ 5 milhões foi liberado para a empresa Luxtur, do setor de turismo, para reforma e ampliação de um hotel em Maringá.

 

Contratos - Os contratos com produtores rurais cooperados somam mais de R$ 4 milhões. Os produtores Ademir Molina e Márcia Fabris Molina, de São João do Ivaí, contrataram no BRDE R$ 700mil cada, para construção de dois aviários, para alojar nas duas unidades 67.200 aves por lote.  O produtor Antonio Marcos Darodda, de Apucarana, investirá R$ 708 mil para construção de um aviário com capacidade para abrigar 38.000 aves por lote.

 

Produtores - Para o produtor Edmar Franco, de Novo Itacolomi, foram liberados R$ 713 mil para construção de um aviário com capacidade para alojar 38.000 aves/lote. Com o produtor Mário Nahirny, de Jataizinho, o Banco assinou contrato de R$ 635 mil. Ele também construirá um aviário com capacidade para alojar 38.000 aves por lote.

 

Segurança - O produtor José Moreira, de Cruzmaltina, terá R$ 713 mil para construção de um aviário com capacidade para alojar 38.000 aves por lote. Animado com o financiamento obtido, o produtor falou da importância do apoio do BRDE e da empresa Granjeiro, à qual é integrado. “Sem esse apoio a gente não cresce. Esse apoio nos dá muito segurança no negócio”.

 

Negócios - O BRDE participa da 46ª Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Maringá - Expoingá 2018 com a oferta de linhas de financiamento para projetos de todos os setores da economia. O banco tem estande próprio na feira com equipe especializada para atendimento de parceiros e futuros clientes.

 

Energia e sustentabilidade - O BRDE poderá fechar negócios na Expoingá para apoio também de projetos inovadores dos setores de energia e sustentabilidade, como geração de energia e eficiência energética, uso racional e eficiente da água, gestão de resíduos e reciclagem, além das linhas destinadas a cadeia do agronegócio, pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e serviços.

 

Linhas - As linhas do BRDE para o agronegócio financiam a compra de máquinas e equipamentos; armazenagem; ampliação e construção de unidades frigoríficas e de beneficiamento; projetos de inovação tecnológica, modernização, florestas, comercialização de produtos da agropecuária, aquisição de matrizes e reprodutores, entre outros itens.

 

Repasse - Durante a Expoingá 2017, o BRDE repassou R$ 36 milhões a setores produtivos de Maringá e região. Os contratos de financiamento foram assinados pelo Banco com empresários, cooperativas e produtos rurais, envolvendo financiamentos aos setores de avicultura, piscicultura, tecnologia e recebimento e armazenagem de grãos. (Agência de Notícias do Paraná)

 

{vsig}2018/noticias/05/07/brde/{/vsig}

PORTO: Paranaguá bate recorde histórico de produtividade no mês de abril

porto 07 05 2018O Porto de Paranaguá acaba de bater mais um recorde de movimentação de cargas. Foram exportados pelo Corredor de Exportação 2,2 milhões de toneladas de grãos, recorde histórico de embarque em apenas um mês.

Soja - Do total de cargas operadas no mês de abril, o embarque de soja representa 1,8 milhão de toneladas. As outras 473 mil toneladas são de farelo de soja. A marca supera em 12,30% - ou em 249 mil toneladas - o maior volume já registrado na história do Porto de Paranaguá, quando foram exportadas 2 milhões de toneladas de grãos, em agosto de 2017.

Eficiência - “O Paraná hoje tem o porto mais eficiente do Brasil, que bate recordes todos os meses”, disse a governadora Cida Borghetti. Segundo ela, isso é resultado de planejamento e trabalho bem executado ao longo dos últimos anos. “Dá o suporte necessário aos nossos produtores, gera empregos e renda. É um exemplo para o país da boa integração entre o poder público e a iniciativa privada”, acrescentou.

Investimentos x resultados - O diretor-presidente da Appa, Lourenço Fregonese, disse que o Porto de Paranaguá investiu na modernização do Corredor de Exportação. “Ao todo, foram mais de R$ 657milhões investidos desde 2011, e outros R$ 725 milhões estão previstos de serem investidos até 2020”, afirmou.

Resultado - Segundo Fregonese, este incremento é resultado de tudo que foi feito na infraestrutura terrestre, com mais armazéns, novos equipamentos, correias transportadoras com maior capacidade, maior integração entre os modais rodoviários e ferroviários, sem filas de caminhões, aliado ao que evoluiu na estrutura marítima, representada pelas campanhas de dragagem.

Shiploaders - Nos últimos anos a Appa já fez a troca dos shiploaders, que são os carregadores de navios, aumentando em 33% a capacidade de embarque de grãos. As correias transportadoras foram substituídas, o cais foi reformado e as filas de caminhões foram extintas.

Cargas - Com isso, as cargas voltaram a sair pelo Porto de Paranaguá e mais de 80% da produção de grãos das cooperativas são exportadas pelo porto.

Marca - Com o aumento da safra, finalização da dragagem de aprofundamento e os investimentos que as cooperativas já programaram, o Corredor de Exportação deve ultrapassar a marca de 20 milhões de toneladas de grãos embarcados nos próximos anos.

Pico da safra - A estimativa do departamento de Operações é que os próximos meses, de pico do escoamento da safra, o volume seja ainda maior. De maio a julho, estão programadas 8,6 milhões de toneladas de grãos para exportação pelo Corredor de Exportação. De acordo com os terminais que operam pelo complexo, devem ser embarcadas 6,9 milhões de toneladas de soja e 1,7 milhão de toneladas de farelo no período. (Agência de Notícias do Paraná)

 

MERCADO: Maggi espera que EUA reabram importação de carne bovina até fim do semestre

 

mercado 07 05 2018Em viagem a Ribeirão Preto (SP), onde visitou a feira agropecuária Agrishow, o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), declarou que espera a retomada das exportações de carne bovina in natura para os Estados Unidos até o fim deste semestre. “Uma missão de técnicos irá na semana seguinte para aos Estados Unidos e creio que será a última. Todos os documentos, todos os questionários e pedidos foram respondidos. Então, nessa viagem que nossos técnicos farão, espero que a gente consiga resolver os problemas. Minha expectativa é de que a gente volte até o final deste semestre a exportar carne para os Estados Unidos. É o nosso desejo e estamos trabalhando para isso”.

 

Suspensão - A suspensão ocorreu em junho do ano passado, sob a alegação de presença de nódulos decorrentes de aplicação de vacina contra a aftosa.

 

Entrevista - Sobre o mercado europeu, falou também durante entrevista à imprensa, no local: “Como todos sabem, houve um deslistamento que vai vigorar a partir do dia 15. Depois disso, as empresas embargadas não poderão mais exportar para lá até que consigamos reabilitá-las. Já estamos em negociação para trazê-los de volta. Então, vamos deixar bem claro, não foi o Brasil que foi retirado do mercado, mas algumas empresas brasileiras. É claro que farão muita falta. Isso acabou reduzindo os preços com o aumento da oferta internamente e a cadeia sofre como um todo”.

 

Produtores locais - O ministro lembrou que apesar da alegação da presença de salmonella nas carnes de aves, a comunidade europeia, na verdade está defendendo interesse dos produtores locais. “O que a Europa está fazendo conosco, não é por uma questão de saúde humana, nem animal. A restrição de mercado se deu pela grande atuação que o Brasil tem lá. E os produtores europeus não querem a presença do Brasil, querem uma presença menor, para que tenham preços mais altos”.

 

Novos mercados - E acrescentou que, junto, sua equipe tem trabalhado muito desde que assumiu o ministério pela abertura de novos mercados para os produtos do agro brasileiro. “Sempre tive a intenção de abertura, de ampliar novos mercados, porque o Brasil tem uma produção muito grande e depende muito da exportação”. Mas a ideia, segundo Maggi, é de reaproximação com a UE, mostrando todas as mudanças legais e de retirada de influências político partidárias em assuntos do ministério relacionados à fiscalização sanitária.

 

Plano Safra -O ministro admitiu durante conversa com jornalistas que a renegociação recente de dívidas do Funrural, que gerou impacto nas contas públicas, poderá influenciar a definição do volume de recursos e da taxa de juros do Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019. “Todos nós sabemos que, com a Lei do Teto de Gastos, o volume de recursos destinados para o setor é o mesmo do ano passado. E esse foi um problema extra que apareceu”. Maggi adiantou que na próxima terça-feira o assunto será debatido em reunião com o presidente do Banco Central, Ilan Golfajn.

 

Homenagem - Blairo Maggi recebeu placa com homenagem da Secretaria de Agricultura do estado de São Paulo, que foi entregue pelo atual secretário e ex-superintendente federal do Mapa em SP, Francisco Jardim. (Mapa)

 

FOCUS: Mercado financeiro reduz projeção de crescimento da economia para 2,7%

 

focus 07 05 2018O mercado financeiro voltou a reduzir a estimativa para o crescimento da economia este ano. A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, passou de 2,75% para 2,70%. Na última semana, a projeção ficou estável em 2,75%, após quatro reduções seguidas. Para 2019, a previsão permanece em 3%. As estimativas são do boletim Focus, publicação divulgada  todas as semanas Banco Central (BC), em Brasília.

 

IPCA - De acordo com a pesquisa, o mercado financeiro manteve a projeção para a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), em 3,49% para este ano. Para 2019, a estimativa permaneceu em 4,03%. A projeção segue abaixo do centro da meta de 4,5%, mas acima do limite inferior de 3%. Para 2019, a estimativa para a inflação também está abaixo do centro da meta (4,25%).

 

Taxa básica de juros - Para alcançar a meta, o banco usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,50% ao ano. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

 

Tendência - Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

 

Selic - De acordo com a previsão das instituições financeiras, a Selic encerrará 2018 em 6,25% ao ano e subirá ao longo de 2019, encerrando o período em 8% ao ano. (Agência Brasil)

 

ENERGIA ELÉTRICA I: ONS vê reservatórios com 30% no fim de novembro

 

energia eletrica I 07 05 2018O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) pretende levar, nesta semana, uma mensagem tranquilizadora às principais autoridades do setor: os reservatórios devem chegar ao fim do período seco em nível mais confortável do que nos últimos anos e haverá menos necessidade de acionamento das usinas térmicas nos meses de estiagem.

 

Temporada de chuvas - A temporada de chuvas terminou oficialmente no dia 30 de abril. No passado recente, era quando os responsáveis pela operação do sistema interligado começavam a fazer contas (e figas) para evitar o esvaziamento das represas. Desta vez, no entanto, a promessa é que vai ser diferente.

 

Simulações - De acordo com Luiz Eduardo Barata, diretor-geral do ONS, as simulações apontam que os reservatórios vão chegar ao fim de novembro com 30% da capacidade máxima no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e com 21% no Nordeste. Essas estimativas já consideram um cenário pessimista: chuvas 10% abaixo da média histórica no Sudeste/Centro-Oeste e o pior registro de pluviometria da série, que foi iniciada em 1930, na região Nordeste.

 

Apresentação - O cenário vai ser apresentado em reunião na quarta-feira, em Brasília, do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). A situação era mais preocupante no ano passado. Em 30 de novembro, os reservatórios marcavam 18,7% no Sudeste/Centro-Oeste e apenas 5,5% no Nordeste.

 

Consumo menor - Uma das razões para que esse baixo índice de armazenamento não tenha causado restrições foi o reduzido consumo de energia, devido à crise econômica, e ao aumento da geração de fontes renováveis - principalmente eólica.

 

Fim de novembro - A expectativa de chegar ao fim de novembro com 30% nos reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste é reforçada pela previsão de aumento da oferta de energia das grandes hidrelétricas do Norte. As usinas de Jirau e Santo Antônio, no rio Madeira (RO), finalmente operam a plena carga e Belo Monte, no rio Xingu (PA), tem intensificado a entrada em funcionamento de suas turbinas.

 

Ajuda - Barata explicou que essas hidrelétricas ajudarão a poupar água nos demais reservatórios até julho. Isso porque o período chuvoso na região amazônica é um pouco mais prolongado e as usinas são do tipo "fio d'água" - sem grandes reservatórios. A estratégia é elevar a geração à capacidade máxima, transferindo toda a energia para outras regiões.

 

Risco - Nas simulações feitas pelo ONS, que embutem um crescimento anual da demanda de 3,6% em média, o risco de déficit no abastecimento de energia é "quase zero" no horizonte de cinco anos. "Não identificamos nada que nos preocupe. Até se o crescimento econômico for maior do que o esperado, não enfrentaremos risco", disse Barata ao Valor.

 

Nordeste - Para o operador, as bacias hidrográficas do Nordeste também devem melhorar. A seca prolongada levou a região a uma situação emergencial. A região ainda vive o maior período contínuo de seca desde 2012. Até por precaução, segundo Barata, ainda é impossível falar em novos aumentos de vazão no rio São Francisco.

 

Sobradinho - No início de maio, a Agência Nacional de Águas (ANA) permitiu o aumento da vazão na hidrelétrica de Sobradinho (BA). O reservatório da usina, operada pela Chesf, pode aumentar o fluxo médio de água de 550 metros cúbicos por segundo para 600 m³/s no mês. A decisão eleva a produção de energia em Sobradinho e nas demais usinas no curso do rio.

 

Bandeira tarifária - O diretor do ONS evita fazer previsões sobre a cor da bandeira tarifária nos próximos meses. Ao entrar oficialmente no período de estiagem em maio, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acionou a bandeira amarela, com adicional de R$ 1 a cada 100 quilowatts-hora (kWh). Foi, então, interrompida a sequência de quatro meses de bandeira verde – sem custo extra na fatura. "A Aneel passou a usar novas variáveis para definir a cor, entre elas o risco hidrológico [GSF], que torna mais difícil fazer essa previsão", afirma Barata.

 

Variação - O presidente da Thymos Energia, João Carlos Mello, avalia que as bandeiras tarifárias devem variar até o fim do ano entre amarela e vermelha no patamar 1, com adicional de R$ 3 a cada 100 kWh. "A bandeira acaba sendo um termômetro da real situação, refletindo o baixo nível dos reservatórios e o custo dos despachos térmicos." (Valor Econômico)

 

ENERGIA ELÉTRICA II: MME abre discussão sobre corte de subsídios na conta de luz para 2019

 

energia eletrica II 07 04 2018O Ministério de Minas e Energia (MME) receberá as contribuições do setor, até 23 de maio, sobre

alternativas de redução dos valores de subsídios repassados às contas de luz. A consulta pública, aberta na última sexta-feira (04/05), trata das despesas do setor reunidas na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

 

Resultados - O próprio ministério reconhece que as mudanças pretendidas dificilmente produzirão resultados em 2018, “já que os subsídios foram instituídos em lei ou decreto”. De acordo com o MME, as informações preliminares da consulta vieram de relatório do grupo de trabalho criado para elaborar o “plano de redução estrutural das despesas” da CDE. O documento final deverá ser concluído até o dia 15 de junho.

 

Orçamento - O orçamento anual da CDE é aprovado a cada ano pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), indicando as principais receitas e despesas do setor. Para este ano, a agência projetou gastos da ordem de R$ 18,8 bilhões. Sem fonte de recursos suficiente, foi registrado o déficit de R$ 16 bilhões que está sendo repassado para os consumidores nos reajustes tarifários das distribuidoras desde o início do ano.

 

Técnicos - Ao abrir a consulta pública, os técnicos do governo fizeram sugestões, em alguns casos, para reduzir os valores dos subsídios ou, em outros, apenas manifestaram interesse receber as propostas do próprio setor.

 

Tarifa Social - Para o caso da Tarifa Social, o ministério propõe que o benefício seja oferecido somente às famílias de baixa renda inscritas no Bolsa Família, em vez de considerar aquelas do Cadastro Único (CadÚnico). O desconto seria limitado as R$ 22 por mês e a gratuidade para o consumo mensal de até 50 kilowatts-hora (kWh).

 

Despesa - Dados da consulta indicam que a despesa anual da Tarifa Social foi de R$ 2,2 bilhões em 2016, quando beneficiou 9,3 milhões unidades consumidoras. A saída proposta pelo governo manteria 65% das atuais famílias (as mais pobres) no programa, podendo reduzir o gasto em R$ 800 milhões por ano.

 

Adequação - O MME também defende a adequação do critério socioeconômico para o Luz para Todos, que leva rede elétrica a localidades isoladas e beneficia a população rural de baixa renda com a gratuidade no fornecimento da energia. Em 2016, a despesa com o programa foi de R$ 973 milhões, com 89,6 mil ligações.

 

Subsídios - A consulta pública também aborda a necessidade de reduzir os subsídios na CDE relacionados à compra de carvão mineral nacional queimado por usinas termelétricas, à geração de energia por “fontes incentivadas (pequenas hidrelétricas e usinas solar, eólica e biomassa), à tarifa de consumidores rurais irrigantes e ao alto custo das térmicas despachadas nos sistemas isolados da região Norte (encargo CCC).

 

Propostas - O ministério propôs duas discussões inusitadas para resolver o problema com as despesas no setor. O primeiro seria criar o “fator de redução” prevendo um teto de gastos da CDE, com mecanismo de cortes sucessivos dos subsídios. O segundo é realizar a transferência total dos subsídios da CDE para o Orçamento Geral da União (OGU), com regra de transição para chegar “ao longo dos anos” ao momento de extinção do fundo setorial. (Valor Econômico)

 

Foto:Pixabay

 

LEGISLATIVO: Câmara pode votar nesta terça projeto que cria Cadastro Positivo

 

legislativo 07 05 2018O plenário da Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (08/05) o chamado Cadastro Positivo, Projeto de Lei Complementar (PLP 441/17), de origem do Senado. Ele permite que instituições financeiras incluam informações no sistema sem autorização específica dos clientes.

 

Substituição - O banco de dados deve substituir o cadastro que já existe, mas, por ser optativo, não funciona na prática. Atualmente, o sistema reúne seis milhões de consumidores.

 

Perspectiva - Segundo o relator da medida na Câmara, deputado Walter Ihoshi (PSD-SP), a perspectiva da proposta é incluir 100 milhões de consumidores no Cadastro Positivo.

 

Acesso - Com a obrigatoriedade proposta pelo projeto, os gestores de bancos de dados terão acesso a todas as informações sobre empréstimos quitados e obrigações de pagamento que estão em dia de pessoas físicas e jurídicas para formação do histórico de crédito.

 

Ranking - Esses dados poderão ser usados por instituições financeiras para a criação de uma espécie de ranking de bons pagadores. O projeto estabelece que o banco comunique o cliente sobre a inclusão no cadastro, além de informar os canais disponíveis para o cancelamento desse cadastro no banco de dados.

 

Crédito mais barato - Segundo o relator, a expectativa da proposta é tornar o crédito mais barato no país e estimular a educação financeira de consumidores brasileiros. “Não se pode dizer que a medida vai favorecer grandes bancos no país, porque eles vão ter que competir para oferecer o crédito mais baixo ao consumidor”, avalia Ihoshi.

 

Interesse - Contrário à proposta, o deputado Pompeu de Matos, (PDT-RS) argumenta que os bancos têm interesse na aprovação da medida. Ele associou a proposta à cobrança de bagagem pelas companhias aéreas para forçar a diminuição dos preços das passagens.

 

Sigilo - “Nesse famoso cadastro, o que tem de positivo é somente para os bancos. A gente entrega para eles o que a gente vê e eles recebem lá o que a gente não vê e aí manipulam e daqui a pouco estamos entregando o nosso sigilo: as informações que são de cada um, de cada cidadão. Nós estamos abrindo mão no nosso sigilo", disse. (Agência Brasil)

 

SAÚDE: Encontro ANS Sul acontece em maio

 

saude 07 05 2018A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está preparando mais uma edição do Encontro ANS, evento direcionado aos agentes do setor para discutir temas relacionados à regulação do mercado de planos de saúde. A atividade ocorrerá nos dias 28 e 29 de maio, em Florianópolis (SC), e reunirá diretores e técnicos da Agência, representantes de operadoras, de prestadores de serviços e de órgãos de defesa do consumidor da região Sul.

 

Programação - A programação do evento inclui palestras e debates sobre temas pertinentes às cinco diretorias da ANS: Gestão, Fiscalização, Desenvolvimento Setorial, Normas e Habilitação de Produtos e Normas e Habilitação de Operadoras. O objetivo é compartilhar informações técnicas a fim de contribuir com um cenário cada vez mais qualificado para o setor de saúde suplementar. Além das palestras, técnicos da Agência farão atendimentos individualizados para tirar dúvidas sobre temas como Notificação de Intermediação Preliminar (NIP), Rol de Procedimentos, regularização de débitos, ressarcimento ao SUS e acompanhamento econômico-financeiro, entre outros.

 

Realização periódica - O Encontro ANS é realizado periodicamente pela reguladora. A última edição foi realizada em novembro, em Manaus.

 

Inscrições - Os interessados em participar do Encontro ANS devem preencher o formulário eletrônico disponível no site da reguladora até o dia 23 de maio – clique aqui. É permitida a inscrição de até dois representantes por dia do evento. Podem se inscrever operadoras, prestadores e órgãos de defesa do consumidor da região Sul do país.

 

Atendimento individualizado - Interessados em tirar dúvidas nas mesas de atendimento individualizado deverão também enviar um e-mail para encontroans@ans.gov.br informando os temas que pretendem esclarecer e os nomes de até dois participantes. Cada atendimento será pré-agendado e terá duração máxima de meia hora. (ANS)

 

Clique aqui e confira a programação completa.

 

SERVIÇO

Encontro ANS Sul

Data: 28 e 29 de maio

Local: Centro de Eventos de Florianópolis (Centro Sul) – Av. Gov. Gustavo Richard, 850 - Centro, Florianópolis (SC)

Inscrições: Até o dia 23/05 através de formulário eletrônico

 

ARGENTINA: Crise cambial reduz projeção de crescimento do país

 

argentina 07 05 2018A crise cambial dos últimos dias na Argentina, que levou o Banco Central local a elevar a taxa de juros três vezes em uma semana e o governo a reduzir a meta de déficit primário, está também provocando um corte das projeções de crescimento para o país neste ano.

 

Índice - Na sexta-feira (04/05), o BC argentino elevou a sua taxa básica de juros para 40%. Ainda na tentativa de acalmar o mercado, o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, anunciou a redução da meta de déficit primário, de 3,2% para 2,7%, com cortes de gasto público. Isso fez com que o dólar caísse quase 4% na em um dia. Ainda assim, a moeda americana acumula alta de 18,8% neste ano frente ao peso.

 

PIB - Com a crise cambial e as medidas anunciadas na sexta-feira, economistas dizem que o PIB da Argentina dificilmente crescerá 3,5% como previa o governo para 2018. "Já havíamos revisado a projeção de crescimento de 3,2%, em janeiro, para 2,7% em março, por conta da seca. Ainda estamos analisando o impacto das últimas semanas, mas nossa estimativa deve ser de 2,3% de crescimento", diz Dante Sica, diretor da consultoria Abeceb, de Buenos Aires. "Ainda precisamos ver como se estabiliza o dólar e a inflação. 

 

Tendência - Se em maio a inflação ficar abaixo de 2%, a tendência é o banco central reduzir a taxa de juros, o que ajudará o crescimento." Marcelo Carvalho, economista do BNP Paribas, em São Paulo, lembra que a intenção do governo é bancar um terço da redução do déficit com uma arrecadação maior e dois terços com cortes de gastos públicos. "Em particular, foi anunciado um corte de 30 bilhões de pesos nos gastos de infraestrutura planejados para esse ano", acrescenta, ao prever desaceleração do crescimento econômico nos próximos meses.

 

Confiança do mercado - Os cortes, observa Joaquin Olivera, do banco Balanz Capital, de Buenos Aires, são importantes para o governo do presidente Mauricio Macri recuperar a confiança do mercado e mostrar que está disposto a fazer sacrifícios, mas devem reduzir o crescimento. O banco de investimento cortou sua projeção de 2,5% para 2% neste ano.

 

Investimento - Já a alta da taxa básica de juros, que passou de 30,25% para 40% em uma semana, deve reduzir em particular o investimento no setor produtivo, afirma o economista Matías Carugati, da consultoria Management & Fit, de Buenos Aires. "Uma taxa a níveis tão altos afetará o crédito, sobretudo das empresas." Ele diz que a consultoria revisará a projeção de crescimento do PIB de 2,8% para 2,5%.

 

Temporário - Fausto Spotorno, da Orlando J. Ferreres & Asociados, de Buenos Aires, diz que a consultoria não mexerá por ora em sua estimativa de crescimento de 2,5% para este ano. "Não é que não possamos mudar no futuro, mas por ora cremos que a taxa de juros a um nível tão alto é algo temporário."

 

Dívida externa - Apesar de a Argentina hoje já ter garantidas 85% das suas necessidades de financiamento para 2018, Spotorno observa que, se o câmbio não se estabilizar, o país verá o custo de sua dívida externa aumentar. "Dada a opção gradual do ajuste fiscal do governo Macri, a Argentina é muito dependente da emissão de dívida. Então, o quanto antes se apressar para cumprir as metas fiscais, menos vulnerável ficará às turbulências externas." (Valor Econômico)

 


Versão para impressão


RODAPE